Durante 36º Encontro Nacional do Plástico (ENP), Abiplast expressa otimismo e fecha alianças para 2020

06/12/2019

Acordo de cooperação técnica com a ABDI e renovação de programa de exportação com a Apex-Brasil foram assinados durante jantar institucional.

“Apesar de todas as dificuldades, estamos entrando em um período virtuoso”, disse o presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), José Ricardo Roriz Coelho, durante o 36º Encontro Nacional do Plástico (ENP). “Temos indícios de que nossa economia começa um processo de recuperação, depois da maior recessão de todos os tempos, e há indicativos de que nos próximos anos teremos mais investimento”. A perspectiva otimista para o setor foi compartilhada com representantes da indústria e do governo durante o jantar anual da entidade, realizado na noite da sexta-feira (29), em São Paulo.

Roriz Coelho falou, no entanto, que há um conjunto de reformas necessárias para a consolidação desse patamar e apontou o Custo Brasil – estimado em R$ 1,5 trilhão – como um entrave ao investimento e à competitividade do País. Para o biênio 2020-2021, o cenário deve ser melhor: “O Brasil deverá ter, no mínimo, o dobro do crescimento econômico observado em 2018 e 2019”.

O presidente da ABIPLAST também destacou que um grande desafio é a mudança do modelo de consumo e de produção, uma transição que oferece muitas oportunidades para o protagonismo do setor plástico.

Nesse contexto, a economia circular e a mineração urbana vêm ganhando cada vez mais espaço nos negócios. Para fomentar projetos e ações que acelerem esses novos modelos, a ABIPLAST assinou no jantar um acordo de cooperação técnica com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). Igor Calvet, presidente da entidade, mencionou a resiliência da indústria na defesa do setor, com um olhar para o futuro e para a produção e o consumo sustentáveis.

Ainda na cerimônia, foi assinada a renovação do programa de exportação em conjunto com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), para ampliação de aportes e maximização de metas, garantindo cada vez mais eficiência no apoio às vendas e à presença internacional das indústrias do setor. Em sua fala, o presidente da Apex, Sergio Segovia, evidenciou o sucesso do programa Think Plastic Brazil e os 16 anos dessa parceria, que compreendeu 161 iniciativas, com a geração de US$ 739,3 milhões em negócios.

Representando o governador João Doria, a secretária de Desenvolvimento Econômico de São Paulo, Patricia Ellen, disse que o governo está feliz com o setor – incluído entre os 12 Polos de Desenvolvimento do Estado –, para o qual tem grandes expectativas. Com vistas ao futuro, a executiva disse que a Secretaria está comprometida em melhorar a posição do Brasil no ranking de ambiente de negócios.

Por sua vez, a vereadora Janaina Lima ressaltou que o desafio do setor é construir pontes e ter as decisões públicas baseadas em dados e fatos.

Já os quatro homenageados da 36ª edição do ENP foram: Laura Erica Canteiro, presidente da Embaquim; Albano Schmidt, presidente da Termotécnica e do SIMPESC – Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado de Santa Catarina; Gilvan Severiano Leite, presidente do SINPLAST/AL – Sindicato das Indústrias de Plásticos e Tintas do Estado de Alagoas; e José da Rocha Pinto, ex-presidente do SIMPERJ – Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado do Rio de Janeiro.

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

SABIC lança policarbonato parcialmente baseado em matéria-prima renovável

05/12/2019

  • Solução tem potencial para reduzir as emissões de CO2 e o uso de matéria-prima fóssil durante a produção
  • Os clientes podem usar esta resina de policarbonato em seus equipamentos existentes, sob condições de processo idênticas

A SABIC, uma das empresas líderes globais na indústria química, anunciou o lançamento de seu policarbonato (PC) baseado em matéria-prima renovável certificada. A SABIC diz que é a pioneira nesse tipo de rota para a obtenção de policarbonato, disponibilizando para a empresa e seus clientes diretos e finais uma solução com potencial para reduzir as emissões de CO2 e o uso de matéria-prima fóssil durante a produção.

“A liderança de mercado da SABIC na arena de policarbonato com base em matéria-prima renovável certificada – parte de nossa iniciativa “Trucircle” de soluções circulares – está ligada aos compromissos de nossos clientes, que cada vez mais requerem soluções sustentáveis ​​em resposta tanto às demandas reguladoras como às dos consumidores”, disse Abdulrahman Al-Fageeh, vice-presidente executivo de petroquímicos da SABIC. “Esse importante marco no caminho estratégico de sustentabilidade da SABIC agora amplia nossa oferta para além das poliolefinas, onde já possuímos nossos portfólios certificados circulares e renováveis”, acrescentou.

A SABIC diz que seu estudo de ACV “cradle-to-gate” (do berço ao portão) para o PC (*) revela reduções potencialmente significativas na pegada de carbono (até 50%) e impactos de depleção fóssil (até 35%) para a produção de resina de policarbonato com base na incorporação de matéria-prima renovável, em comparação com a produção de policarbonato fóssil.

Os clientes podem usar as resinas de policarbonato baseadas em matérias-primas renováveis ​​e certificadas em seus equipamentos existentes, sob condições de processo idênticas. Assim, contribuindo potencialmente para a redução da pegada de carbono de seus produtos.

“Na SABIC, nós engajamos a nossa cadeia de valor e a nossa posição única na Europa para produzir policarbonato usando matérias-primas renováveis ​​de segunda geração que não estão em concorrência com a cadeia alimentar, para fabricar uma resina com desempenho igual ao produzido a partir da nafta fóssil”, disse Lennard Markestein , Diretor ETP BU Petroquímicos, SABIC.

A SABIC trabalhou em estreita colaboração com a International Sustainability and Carbon Certification (ISCC) para fornecer prova da incorporação de matéria-prima renovável em sua produção de PCs e as reivindicações de sustentabilidade resultantes, verificadas por auditores independentes.

Além disso, a CEPSA – empresa multinacional espanhola de petróleo e gás – é um parceiro estratégico da cadeia de valor nesse projeto, apoiando a SABIC por meio da produção de intermediários renováveis.

O processo utiliza uma mistura de matérias-primas de origem fóssil e renovável (**) para alimentar o Steam Cracker da SABIC, onde benzeno é obtido. Através de uma reação adicional em uma planta química de terceiros, o fenol é produzido a partir de benzeno e posteriormente convertido em BPA na planta de monômeros da SABIC. O próximo passo na cadeia de produção é uma reação de polimerização por condensação para gerar policarbonato (resina Lexan), onde o BPA é um dos reagentes. Após sua produção, a resina de policarbonato pode ser enviada para uma planta de compostagem para fabricar compostos de policarbonato que serão utilizados pelos clientes da SABIC na conversão em produtos acabados.

O policarbonato da SABIC baseado em matéria-prima certificada ISCC PLUS será produzido inicialmente em suas instalações de fabricação em Bergen op Zoom, na Holanda, com disponibilidade global no futuro. A resina PC certificada pode ser usada para aplicações em todos os segmentos de mercado, como Automotivo, Consumidor, Eletrônico e Elétrico, Construção e Construção e Saúde, atualmente atendidos pelo portfólio de PCs existente.

* A SABIC concluiu um estudo detalhado da ACV (análise de ciclo de vida) que atualmente está em processo de revisão crítica por terceiros. No entanto, o estudo passou na revisão interna da SABIC, que se baseia nos protocolos da SABIC para o controle de qualidade da ACV. Como normalmente ocorre com o uso de matéria-prima de base biológica, os resultados do estudo da ACV mostram perdas e ganhos ambientais com relação à eutrofização e consumo de água. Esses impactos ambientais podem ser mitigados por meio de práticas de gerenciamento sustentável na cadeia de valor a montante.

** Apenas uma parte da matéria-prima usada na produção de policarbonato é proveniente de matéria-prima renovável. O estudo da ACV avaliou o desempenho ambiental da rota renovável em comparação com a rota baseada em origem fóssil nos níveis de escopo “Cradle to Gate“, bem como os níveis de escopo “Cradle to Gate + End of Life” e se baseia na metodologia PAS 2050 para contabilidade de carbono biogênico .

Associação americana da Indústria do Plástico (PLASTICS) pretende “transformar o amanhã” na Feira NPE 2021

05/12/2019

Associação da Indústria de Plásticos (PLASTICS) lançou oficialmente a campanha da NPE2021

A Associação da Indústria de Plásticos dos Estados Unidos (PLASTICS) iniciou oficialmente a marcha para a feira NPE2021  durante a K 2019, em Düsseldorf (Alemanha). Programada para o período de 17 a 21 de maio de 2021 no Orange County Convention Center (OCCC) em Orlando, Flórida, a NPE 2021 (www.npe.org) deve atrair mais de 55.000 participantes, vindos de aproximadamente 20.000 empresas que representam mais de U$ 100 bilhões em poder de compra.

A NPE2021 também está apresentando um visual totalmente novo – um novo logotipo, um site redesenhado e um slogan original: “Transform Tomorrow” (transforme o amanhã).

“Pense em quantas vidas os plásticos já transformaram e pense em quantos produtos e setores ainda estamos em processo de transformação”, disse o presidente e CEO da PLASTICS, Tony Radoszewski. “Quando falamos em transformar o amanhã, falamos de setores que variam desde o automotivo e transporte até produtos de consumo, embalagens e além”.

Além das centenas de máquinas que estarão em operação com capacidade total no salão da feira, a NPE 2021 também apresentará novas oportunidades educacionais e novas Zonas de Tecnologia para permitir que os participantes encontrem com facilidade exatamente o que estão procurando.

“Agora, todos os visitantes podem personalizar sua visita para aproveitar ao máximo o seu tempo na NPE. Além disso, as Zonas de Tecnologia permitem que os expositores procurem localizar seu estande em uma área onde as pessoas nos corredores estejam interessadas exatamente no que eles estão vendendo”. disse a Vice-Presidente de Feiras e Marketing da PLASTICS, Susan Krys. “Com essas mudanças e nosso compromisso contínuo com a sustentabilidade, a NPE2021 será certamente “a feira” para a indústria de plásticos do futuro. O que você estiver procurando, poderá encontrá-la na NPE2021″.

A Plastics Industry Association (PLASTICS), anteriormente SPI, é a organização que apóia toda a cadeia de suprimentos de plásticos, representando quase um milhão de trabalhadores na indústria americana que fatura US $ 451 bilhões. Desde 1937, a PLASTICS trabalha para tornar seus membros e a indústria mais competitivos globalmente, enquanto promove a reciclagem e a sustentabilidade.

Curta nossa página no

Ineos Styrolution anuncia família de materiais de SMMA para aplicações de contato com alimentos

05/12/2019

  • Conformidade com os regulamentos de contato com alimentos norte-americanos da FDA, UE, China e Mercosul
  • Combinação equilibrada de propriedades do produto
  • Grades do material usados para várias aplicações domésticas

A Ineos Styrolution, líder global em estirênicos, apresenta sua linha NAS como um material de escolha para aplicações de contato com alimentos. Segundo a empresa, clareza cintilante, fluidez, facilidade de processamento, estabilidade térmica, resistência a riscos e álcool são algumas das principais propriedades do NAS, um grade de SMMA (estireno-metilmetacrilato).

A Ineos Styrolution afirma que a sua família de materiais NAS inclui o NAS 21 (SMMA de uso geral), o NAS 30 (melhor cor, clareza, brilho e resistência a produtos químicos) e o NAS 90 (resistência). Segundo o fabricante, em virtude de apresentar conformidade com as regulamentações internacionais de contato com alimentos, incluindo a FDA americana, União Europeia (UE), os padrões GB nacionais da China e os regulamentos de contato com alimentos do Mercosul, a linha NAS apresenta-se como uma opção de material para aplicações nesse segmento. Além disso, afirma a empresa, a linha de NAS também atende às especificações USP XXIII para plásticos de classe VI, tornando-a adequada para aplicações ainda mais exigentes, como dispositivos médicos.

Os grades NAS da Ineos Styrolution são atualmente usadas em várias aplicações domésticas que exigem um plástico forte, rígido e transparente, incluindo filtros de água, copos, recipientes de água para máquinas de café e recipientes para alimentos, afirma a Ineos Styrolution.

“Com o aumento cada vez maior dos regulamentos de conformidade de segurança para contato com alimentos plásticos em todo o mundo, é importante que as aplicações desse segmento atendam aos regulamentos internacionais”, diz Paulo Motta, vice-presidente de gestão de negócios de especialidades da Ásia-Pacífico, Ineos Styrolution. “A gama NAS da Ineos Styrolution fornece uma excelente solução para atender aos requisitos internacionais de conformidade regulamentar e às necessidades de produção dos clientes.”

A Ineos Styrolution é o principal fornecedor global de estirênicos, com foco nas especialidades de monômero de estireno, poliestireno, ABS Standard e especialidades estirênicas. A empresa fornece aplicações estirênicas para muitos produtos do dia-a-dia em uma ampla gama de indústrias, incluindo Automotiva, Eletrônica, Doméstica, Construção, Saúde, Embalagens e Brinquedos / Esportes / Lazer. Em 2018, as vendas foram de 5,4 bilhões de euros. A Ineos Styrolution emprega aproximadamente 3.500 pessoas e opera 20 plantas produtivas em dez países.

Curta nossa página no

Reifenhäuser apresenta linha de produção de filme de PE totalmente reciclável para embalagens pouch

04/12/2019

Solução 100% Monomaterial foi apresentada durante a K 2019

Possuir 100% de reciclagem e excelentes propriedades de barreira não precisam ser uma contradição. A máquina EVO Ultra Stretch patenteada pela Reifenhäuser produz filme monomaterial (100 % de polietileno). Segundo a empresa, é uma alternativa econômica ao uso do PET.

Filme Stretched de PE para aplicações complexas de embalagem

Em embalagens muiticamadas convencionais, o PET fornece propriedades de estabilidade e barreira. Por outro lado, sua reciclabilidade é muito restrita. A Reifenhäuser diz que o filme de PE “stretched” produzido com sua tecnologia pode substituir totalmente o PET, sem perda de qualidade.

Segundo a empresa, o processo EVO Ultra Stretch produz filmes de PE com propriedades mecânicas que atendem a todos os requisitos da indústria de embalagens em termos de embalagens de alto desempenho e sua conversão: propriedades de selagem térmica, alta rigidez na direção da máquina, boa planicidade e impressão de qualidade.

Eficiência energética e relação custo-benefício facilitam a entrada

O processo envolve o alongamento do filme até dez vezes sua área superficial inicial. Devido ao seu posicionamento na puxada, o EVO Ultra Stretch apresenta consumo de energia muito baixo e alta estabilidade do processo, afirma a Reifenhäuser. Uma grande vantagem é que o filme PE pode ser convertido em linhas de conversão existentes, sem necessidade de adaptação. O fabricante afirma que isso facilita consideravelmente a transição para embalagens monomaterial feitas de PE.

“Para ajudar nossos clientes a apresentarem o produto da maneira mais tranquila possível, nós fornecemos um pacote completo de know-how de uma única fonte, compreendendo tecnologia, receita de filme e parâmetros de processamento”, explica Eugen Friedel, Diretor de Vendas da Reifenhäuser Blown Film.

A aplicação já passou com sucesso em testes de campo em um cliente da Reifenhäuser e proprietário de marca. É um dos 15 exemplos de economia circular que foram exibidos no estande da Reifenhäuser durante a K 2019. “A embalagem monomaterial é a chave para uma economia circular em funcionamento”, diz Eugen Friedel.

Fonte: Reifenhäuser

Curta nossa página no

Clariant lança nova marca de aditivos sequestradores de oxigênio para embalagens PET

04/12/2019

  • Extensão da validade de bebidas e alimentos embalados
  • Eercados incluem garrafas de sucos de frutas e cerveja
  • Combina proteção aprimorada de alimentos com design sustentável de embalagens

A Clariant anunciou a criação de uma nova marca patenteada de masterbatches de aditivos sequestradores de oxigênio: Cesa ProTect.

O principal mercado-alvo para o novo masterbatch de aditivos é o de embalagens monocamada de tereftalato de polietileno (PET), embora outros materiais à base de poliéster também possam se beneficiar. Bem conhecido por seu uso generalizado em garrafas de refrigerante e água, o PET tem muitas vantagens. Em comparação com outros polímeros, oferece excelente transparência, é adequado para contato com alimentos e é fácil de processar, além de ser o polímero mais reciclado atualmente.

“O PET já é um bom material de barreira”, afirma Antonello Decortes, Global Innovation Manager na Clariant, “mas aplicações sensíveis ainda podem sofrer com a entrada de oxigênio. Isso não é um problema para a água ou a maioria dos refrigerantes carbonatados, mas os sucos de laranja perdem a potência das vitaminas e mudam de cor; os laticínios podem azedar, as cápsulas de café têm perda de sabor e basta 1 ppm de oxigênio para mudar o sabor e o aroma da cerveja. Os aditivos Cesa ProTect podem ajudar a aumentar o prazo de validade desses produtos e garantir que menos alimentos sejam descartados.”

Segundo a Clariant, os ingredientes ativos dos masterbatches Cesa ProTect não desaceleram a penetração de oxigênio através das paredes PET do recipiente. Ao invés disso, trata-se de um “sequestrador de oxigênio”, que absorve moléculas de O2 à medida que entram, para que não atinjam o produto protegido.

Cesa ProTect só é ativo após o processamento e os recipientes de PET tratados com o produto estão protegidos após a produção, podendo ser enchidos e transportados. A linha de aditivos também é ideal para distribuição em cadeia frigorífica, já que apresentou bom desempenho quando usado com produtos refrigerados, afirma a empresa.

Segundo Decortes, “o período exato que os masterbatches de aditivos Cesa ProTect conseguem proteger os alimentos e bebidas depende de diversos fatores, como carga de aditivos, tamanho e design da embalagem. Em testes com uma garrafa de 23 g e 0,5 litro, uma carga de 3,6% do masterbatch Cesa ProTect conseguiu manter os níveis de oxigênio abaixo de 1 ppm por 588 dias, ou mais de 18 meses. Por outro lado, o PET não tratado manteve os níveis abaixo de 1 ppm por apenas 22 dias, e um sequestrador de oxigênio concorrente durou apenas 63 dias. Mesmo a uma carga de 2%, os masterbatches Cesa ProTect mostraram eficácia por 266 dias.”

“Com base nesses resultados”, declara Alessandro Dulli, Global Head of Segment and Business Development Packaging, “acreditamos que Cesa ProTect é um dos mais poderosos masterbatches sequestradores de oxigênio no mercado.”

Segundo a Clariant, o masterbatch Cesa ProTect também demonstra ter pouco ou nenhum impacto no aspecto visual ou nas propriedades mecânicas da embalagem. Quando Cesa ProTect é usado nas dosagens recomendadas, afirma a empresa, os recipientes acabados de diferentes tamanhos e formas mantêm um nível de transparência de acordo com as expectativas do mercado. O produto é altamente compatível com PET e não demonstra impactar o processamento, segundo o fabricante. Ainda estão pendentes as aprovações para contato com alimentos.

Curta nossa página no

Evonik confirma expectativas para o ano de 2019, apesar do contínuo enfraquecimento da economia global

04/12/2019

  • 2019: Ebitda ajustado deve continuar, no mínimo, estável
  • Expectativas de fluxo de caixa livre para o ano inteiro confirmadas e especificadas: cerca de 700 milhões de euros
  • Q3: Vendas e receitas operacionais abaixo das registradas no mesmo período do último ano
  • Disciplina de custos mais austera respalda as receitas

A Evonik confirmou as expectativas para o ano completo de 2019, apesar do contínuo enfraquecimento da economia global. A empresa prevê que o Ebitda ajustado se mantenha, no mínimo, estável na comparação com o último ano. As vendas devem ficar ligeiramente mais baixas que as do ano passado em virtude da queda na demanda. A expectativa era que as vendas permanecessem estáveis. Em 2018, a Evonik gerou vendas de 13,3 bilhões de euros e um Ebitda ajustado de 2,15 bilhões de euros – não incluindo o desinvestimento do negócio de Metacrilatos.

“Nós nos preparamos em tempo adotando uma disciplina de custos mais austera e outras medidas contingenciais frente a uma economia global desaquecida”, disse Christian Kullmann, presidente da diretoria executiva da Evonik. “Estamos sendo bastante proativos para assegurar o cumprimento das nossas expectativas para o ano”.

O programa de eficiência iniciado em 2018 com o objetivo de reduzir em 200 milhões ao ano as despesas administrativas e de vendas, foi acelerado. Até o final deste ano, a Evonik economizará 120 milhões de euros, 20 milhões de euros a mais que o originalmente planejado. Outros 20 milhões de euros serão economizados com a adoção de medidas contingenciais adicionais, como o adiamento de novas contratações e a redução de gastos com serviços externos.

A Evonik está especificando suas expectativas de fluxo de caixa livre para o ano inteiro e, agora, espera um valor em torno dos 700 milhões de euros, um fluxo de caixa livre significativamente mais alto que o do ano passado. Isso se deve sobretudo à redução de gastos de capital, à menor formação de capital de giro líquido e ao reembolso parcial de pagamentos de aposentadorias decorrente do “Contractual Trust Arrangement” (CTA). As previsões mais precisas não incluem impostos resultantes do carve-out da venda do negócio de Metacrilatos.

O desaquecimento da economia global continuou impactando o desempenho da Evonik no terceiro trimestre. Nos meses de julho a setembro, as vendas caíram 3% para 3,23 bilhões de euros devido à redução nos volumes e nos preços de venda. O Ebitda ajustado caiu 6% para 543 milhões de euros em relação ao mesmo período do ano anterior.

Desempenho por segmento

Resource Efficiency: As vendas do segmento caíram 1% para 1,4 bilhão de euros no terceiro trimestre. Os negócios de tintas assim como de adesivos e resinas foram afetados pelo arrefecimento da economia global, especialmente nas indústrias automotiva e de tintas. Os volumes de vendas da sílica para aplicações industriais baixaram. Os polímeros de alta performance, no entanto, foram beneficiados pela sólida demanda por membranas e pela indústria de impressão 3-D. Os “Crosslinkers” tiveram uma procura elevada da indústria eólica. O Ebitda ajustado do segmento baixou 4% para 322 milhões de euros.

Nutrition & Care: As vendas declinaram 2% para 1,14 bilhão de euros no terceiro trimestre. A demanda por aminoácidos essenciais para nutrição animal se manteve alta, enquanto os preços de venda caíram ainda mais. Nos negócios de Health Care as vendas aumentaram, especialmente em resultado de boa demanda por ingredientes farmacêuticos e alimentícios. As vendas de aditivos para espumas de poliuretano subiram de maneira significativa, sobretudo devido à alta demanda por bens de consumo duráveis e materiais de isolamento. O Ebitda ajustado do segmento recuou 11% para 188 milhões de euros.

Performance Materials: As vendas no terceiro trimestre caíram 20% para 475 milhões de euros na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. O avanço dos negócios de Performance Intermediates foi prejudicado pela redução do preço do petróleo e da nafta e, também, em decorrência de preços de venda ligeiramente mais baixos. Restrições continuadas no fornecimento de matérias-primas e problemas técnicos nas plantas de C4 em Marl e Antuérpia afetaram as receitas. Nos negócios de Functional Solutions o setor de alcóxidos apresentou bom avanço. O Ebitda ajustado do segmento declinou 25% para 47 milhões de euros.

A Evonik é uma das empresas líderes mundiais em especialidades químicas. Com mais de 32.000 colaboradores, a Evonik atua em mais de 100 países no mundo inteiro. No ano fiscal de 2018, a empresa gerou vendas de 13,3 bilhões de euros e um lucro operacional (Ebitda ajustado) de 2,15 bilhões de euros.

Curta nossa página no

Lanxess se compromete a atingir neutralidade em impacto para o clima até 2040

03/12/2019

  • Primeiros grandes projetos para reduzir o CO2e estão em andamento na Bélgica e na Índia
  • Pegada de carbono se torna critério para futuro crescimento
  • Pesquisa com foco em processos de impacto neutro e inovações tecnológicas

A Lanxess, empresa de especialidades químicas alemã, estabeleceu uma meta ambiciosa de proteção climática. Até 2040, o Grupo pretende se tornar neutro e eliminar suas emissões de gases de efeito estufa em cerca de 3,2 milhões de toneladas de CO2e. Em 2030, a Lanxess pretende reduzir suas emissões em 50%, em comparação com o nível atual, para cerca de 1,6 milhão de toneladas de CO2e.

“Com o acordo de Paris, a comunidade mundial decidiu limitar o aquecimento global a menos de dois graus. Isso requer grandes esforços por parte de todos os envolvidos. Com o objetivo de alcançar a neutralidade até 2040, estamos cumprindo nossa responsabilidade como empresa global de especialidades químicas. Ao mesmo tempo, seremos um parceiro ainda mais sustentável para nossos clientes no futuro”, diz Matthias Zachert, Presidente do Conselho de Administração da Lanxess AG. Zachert também destacou a economia de longo prazo associada a um uso mais eficiente dos recursos, dizendo que “a proteção ao clima é um assunto de negócios”.

Estratégia clara para reduzir as emissões

A Lanxess está adotando uma estratégia baseada em 3 pilares para se tornar neutra em carbono até 2040.

1) Lançamento de grandes projetos de impacto para a proteção do clima: Nos próximos anos, a Lanxess colocará em ação projetos especiais para reduzir significativamente as emissões os gases de efeito estufa. O grupo está, por exemplo, construindo uma instalação para a decomposição de óxido nitroso em sua unidade em Antuérpia. A nova instalação começará a operar em 2020 e reduzirá as emissões anuais de gases de efeito estufa em cerca de 150.000 toneladas de CO2e. Após uma segunda expansão, em 2023, as emissões de CO2e deverão cair mais 300.000 toneladas.

Além disso, a Lanxess está mudando todo o fornecimento de energia em suas instalações na Índia para fontes de energia renováveis. Lá, o Grupo está expandindo o abastecimento por biomassa e energia solar e deixará de usar carvão ou gás no futuro, o que reduzirá as emissões de CO2e em mais 150.000 toneladas a partir de 2024. Com esses projetos e outras medidas, a Lanxess reduzirá suas emissões de CO2e em um total de 800.000 toneladas até 2025, investindo até 100 milhões de euros no processo.

2) Dissociar emissões e crescimento: A Lanxess está em processo de expansão. Apesar do aumento da produção, as emissões de gases de efeito estufa em cada uma das unidades de negócios devem diminuir. Para isso, além da eficiência tecnológica, as mudanças nos instrumentos de gestão também desempenham um papel importante com o impacto na pegada de carbono da empresa, já que ganha relevância como critério de investimentos para crescimento orgânico e aquisições. A medida ainda gera valor às unidades de negócios ao obterem reduções acima da média nas emissões de gases de efeito estufa. Além disso, a redução de CO2e será introduzida como critério de avaliação no sistema de bônus para os gerentes.

3) Fortalecer as inovações tecnológicas e de processo: A Lanxess está revisando muitos de seus processos de produção existentes para se tornar neutra até 2040. O Grupo continuará a investir no aprimoramento das estruturas da Verbund, por exemplo, quando se trata de troca térmica entre plantas e purificação do ar. Outros procedimentos serão desenvolvidos em escala industrial. Para isso, o Grupo está concentrando sua pesquisa no processo de neutralidade e na inovação tecnológica.

Apoio político para a meta de neutralidade

A Lanxess está comprometida com o acordo de Paris, em particular com a demanda por redução das emissões de gases de efeito estufa. Para Zachert, a indústria e o governo compartilham uma responsabilidade coletiva. “Com nossa iniciativa ambiental, estamos apresentando uma proposta às lideranças políticas. No entanto, só podemos fazer isso se forem adotadas políticas que criem as condições certas”, acredita. Observando o atual processo legislativo para aprovar o pacote climático do governo alemão, Zachert afirmou “um compromisso com a proteção ambiental não deve prejudicar nossa competitividade. O governo deve ter isso em mente ao projetar as especificidades do acordo climático”.

Zachert defendeu a importância de evitar um duplo ônus para a indústria diante do atual regime europeu de comércio de licenças de emissão. Esse ainda é o caso de uma lei em vigor na Alemanha sobre um sistema nacional de comércio de licenças de emissão decorrentes de uso de combustíveis. “No curto prazo, precisamos voltar a preços competitivos da energia. A longo prazo, poderemos fornecer soluções substanciais para o clima, se houver energia renovável suficiente a preços competitivos no setor”.

Os procedimentos de aprovação também precisam ser simplificados e acelerados, e as estruturas financeiras e fiscais para investimentos futuros devem ser aprimoradas. “Estamos envolvidos em diálogo com essas lideranças e estamos felizes em fornecer nossa experiência para apoiar o processo de tomada de decisões sobre políticas”, disse Zachert.

Redução de 50% nos gases de efeito estufa desde que a Lanxess foi fundada

Desde que foi fundada, a Lanxess fez um progresso substancial no seu objetivo de se tornar ambientalmente mais amigável. Entre 2004 e 2018, o Grupo reduziu pela metade suas emissões de gases de efeito estufa em cerca de 6,5 milhões de toneladas de CO2e para cerca de 3,2 milhões de toneladas. Entre outras iniciativas, uma contribuição substancial veio de uma planta de óxido nitroso, em Krefeld-Uerdingen, Alemanha, licenciada em 2009. O projeto recebeu vários prêmios, inclusive o concurso “365 Landmarks in the Land of Ideas” e o “VCI Responsible Care Award North Rhine-Westphalia”. A Lanxess também realizou vários outros projetos para reduzir as emissões em suas instalações no mundo todo e apoia iniciativas locais para combater as mudanças climáticas. A Lanxess já alcançou suas metas anteriores de melhorar a eficiência energética em conjunto com a redução de emissões específicas de CO2 e de compostos orgânicos voláteis em 25% cada uma, em relação a 2015.

Para realizar o inventário de emissões de gases de efeito estufa, a Lanxess analisa as emissões definidas no Protocolo de Kyoto e as calcula em comparação ao dióxido de carbono (CO2e) produzido. A empresa de especialidades químicas inclui emissões de sua própria produção (Escopo 1) e de fontes externas de energia (Escopo 2) no cálculo.

A Lanxess é uma empresa líder em especialidades químicas, com vendas de EUR 7,2 bilhões em 2018. Atualmente, a empresa tem cerca de 15,500 funcionários em 33 países e está representada em 60 plantas produtivas em todo o mundo. O core business da Lanxess é o desenvolvimento, fabricação e comercialização de intermediários e especialidades químicas, aditivos e plásticos. A Lanxess está listada nos principais índices de sustentabilidade do Índice Dow Jones de Sustentabilidade (DJSI World e Europa) e FTSE4Good.

Curta nossa página no

Braskem aumenta vendas e gera Ebitda de R$ 1,5 bilhão no 3T, mas sofre impactos da depreciação cambial

03/12/2019

A Braskem registrou no seu balanço do terceiro trimestre um maior volume de vendas de resinas tanto no mercado brasileiro quanto no externo, registrando Ebitda 2% superior ao do trimestre anterior . O Ebitda recorrente da Companhia foi de R$ 1,55 bilhão (US$ 389 milhões, em linha com o 2T19) e a receita de vendas foi de R$ 13,3 bilhões nos três meses até setembro, mesmo patamar do trimestre anterior.

Em função do menor desempenho da economia global, a Companhia vem enfrentando o ciclo de baixa que atinge o setor petroquímico global. “Estamos concentrados em fazer a nossa parte para atravessar esse momento do ciclo. Melhoramos a eficiência na gestão de estoques no trimestre, reduzimos a taxa de frequência de acidentes, que está 63% abaixo da média do setor, e arquivamos os Formulários 20-F referentes aos exercícios de 2017 e 2018 na U.S. Securities Exchange Comission (SEC, órgão regulador do mercado de capitais americano)”, disse o presidente da Braskem, Fernando Musa.

A geração livre de caixa no 3T19 foi de R$ 401 milhões, 82% inferior ao 2T19, o que é explicado pelo efeito do menor consumo de matéria-prima no capital de giro, mas compensado pela eficiência na gestão de estoques. No acumulado do ano, a geração livre de caixa da Companhia atingiu R$ 2,8 bilhões.

O impacto negativo da depreciação do real frente ao dólar sobre a exposição líquida da Companhia não designada para hedge accounting resultou num prejuízo de R$ 888 milhões. A alavancagem corporativa, medida pela relação dívida líquida/Ebitda em dólares foi de 2,78x.

Em outubro, a Companhia emitiu US$ 2,25 bilhões em títulos de dívida no mercado internacional, sendo US$ 1,5 bilhão com prazo de dez anos e US$ 750 milhões com prazo de 30 anos, a maior emissão na história da Braskem. Em novembro, a Companhia emitiu R$ 550 milhões em notas promissórias com prazo de até cinco anos. Os recursos captados estão sendo utilizados principalmente para o pagamento de outras dívidas de prazos mais curtos e custos mais elevados.

No mesmo mês, foram arquivados os Formulários 20-F referentes aos exercícios de 2017 e 2018 na U.S. Securities Exchange Comission (SEC). Como consequência, as negociações das American Depositary Shares (ADSs) da Braskem foram retomadas na Bolsa de Valores de Nova York (New York Stock Exchange – NYSE).

A Braskem apresentou à Agência Nacional de Mineração (ANM) medidas para o encerramento definitivo da extração de sal e fechamento de seus poços em Maceió . Entre as ações previstas está a criação de uma área de resguardo em torno de alguns poços, que implicará realocação de pessoas e desocupação de imóveis. A Braskem disponibilizará os recursos necessários para esta situação e o planejamento e a execução ocorrerão em conjunto com Defesa Civil e demais autoridades.

Segurança, comunicação e sustentabilidade

A taxa de frequência de acidentes com e sem afastamento (taxa CAF+SAF) por milhão de horas trabalhadas, considerando integrantes e terceiros, foi de 1,17 no 3T19, 34% inferior ao 2T19 e 63% abaixo da média do setor.

Na busca por tornar mais transparente a gestão de capitais e estratégia de geração de valor da Companhia para todas as suas partes interessadas, permitindo aos investidores uma alocação de capital mais eficiente e produtiva, a Braskem dá mais um passo no aprimoramento de sua comunicação com o mercado e divulgou seu primeiro relatório elaborado com base na Estrutura Internacional do Relato Integrado desenvolvida pelo International Integrated Reporting Council (IIRC) .

No tocante à sustentabilidade, a Empresa recebeu pelo nono ano consecutivo a classificação Ouro do Programa Brasileiro GHG Protocol por ter realizado o seu inventário de emissões de Gases do Efeito Estuda (GEE) ano base 2018 abrangendo todas as categorias dos Escopos 1, 2 e 3 e com verificação externa independente.

A Braskem reforçou seu compromisso com o desenvolvimento sustentável ao aderir ao CEO Water Mandate , uma iniciativa especial da Organização das Nações Unidas e do Pacto Global da ONU em prol do uso sustentável da água no mundo.

Reforçando também o compromisso com a economia circular , a Braskem se juntou à Tramontina , uma das maiores empresas brasileiras de utensílios e equipamentos domésticos, numa parceria para lançar em setembro uma linha de cadeiras produzidas a partir de resina pós-consumo (PCR), que passou a integrar o portfólio I’m greenTM, marca que identifica as resinas da Braskem com melhor impacto.

A Companhia anunciou ainda parceria com a marca norte-americana GreenGear Supply Company , para a aplicação do Plástico Verde em capas de chuva leves, duráveis e reutilizáveis da linha EcoRain, utilizada principalmente por fãs de esportes.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Ineos Composites é finalista do Top of Mind da Indústria de Compósitos 2019

03/12/2019

Fábrica de resinas termofixas da Ineos em Araçariguama

Empresa está entre as mais votadas nas categorias “Resina Poliéster” e “Resina Éster-Vinílica”

A Ineos Composites (www.ineos.com/composites) é finalista do Top of Mind da Indústria de Compósitos nas categorias “Resina Poliéster” e “Resina Éster-Vinílica”. A empresa foi a vencedora de ambas as categorias nas últimas cinco edições da premiação.

Organizado pela Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (Almaco), o Top of Mind é a principal premiação do setor de compósitos. Os ganhadores deste ano serão conhecidos na cerimônia de entrega dos troféus, evento agendado para o dia 12/12, no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), em São Paulo (SP).

Com fábrica em Araçariguama (SP) e distribuidores oficiais em todas as regiões do país, a Ineos Composites fornece no Brasil as resinas poliéster Arazyn, Aropol e Arotran, além das acrílicas Modar e acrílicas modificadas Polaris.

A Ineos Composites também abastece o mercado com a resina éster-vinílica Derakane, utilizada na proteção contra a corrosão há quase 55 anos. As resinas Derakane são empregadas na fabricação de tubos, equipamentos, peças e revestimentos de plantas de papel e celulose, usinas de álcool e açúcar, fábricas de produtos químicos e plataformas offshore, entre outros ambientes quimicamente agressivos.

Curta nossa página no

Tecnologia da Logoplaste para acondicionamento de leite em garrafas PET permite reciclagem total das embalagens

03/12/2019

Por ser um material muito resistente ao impacto e transparente, o Polietileno Tereftalato é utilizado para embalagens de produtos dos mais diversos segmentos, desde o setor de alimentos e bebidas a medicamentos, cosméticos e produtos de higiene e limpeza.

Desde que chegou ao Brasil, em 1988, trazido pela indústria têxtil para a produção de tecidos, esse material foi aos poucos ganhando novas funcionalidades, ampliando os horizontes do mercado para fabricantes nacionais e empresas do exterior. Não demorou muito para as embalagens PET ocuparem espaços cada vez maiores nas prateleiras dos supermercados e nas despensas dos lares brasileiros.

Universo do PET

A verdadeira revolução, no entanto, aconteceu nos anos de 1990, com o crescimento exponencial da popularidade das embalagens de alimentos e bebidas. Por serem mais acessíveis, modernas e seguras, as garrafas PET para refrigerantes, águas, sucos e outras bebidas dominaram a produção, assim como as embalagens termoformadas para alimentos, que, desde o início, tiveram ótima aceitação.

Nesse cenário, em 1995, a empresa portuguesa Logoplaste enxergou a oportunidade de abrir uma frente operacional no Brasil. O mercado lácteo foi a porta de entrada. Segundo o Presidente do Conselho de Administração da companhia, Filipe de Botton, “nosso primeiro parceiro no país foi a Danone e, desde então, tivemos o privilégio de criar uma equipe local absolutamente extraordinária, permitindo que a Logoplaste do Brasil crescesse e se tornasse rapidamente um dos maiores players locais na produção de embalagens rígidas para grandes clientes como a Reckitt Benckiser, a Nestlé, a P&G e a Shefa, entre tantas outras”.

Inovação

Com essa visão inovadora, a Logoplaste conseguiu elevar o mercado brasileiro de garrafas PET para outro patamar. Criado em 2010, o projeto Bottle-to-bottle tinha como objetivo viabilizar uma garrafa em PET para leite longa vida UHT que protegesse adequadamente o produto, mas sem deixar de lado a ideia de criar soluções circulares para as embalagens.

Thomé Brito, Diretor da Logoplaste Brasil, classifica a tecnologia de bicamada utilizada nas garrafas para o leite Shefa como um grande trunfo do projeto. “O interessante e mais bonito desse projeto é que ele está inserido na economia circular, já que podemos reutilizar as garrafas no próprio processo de fabricação de novas garrafas, evitando, assim, o descarte indevido. A tecnologia já existia, mas fomos os primeiros a utilizá-la por aqui”.

Para conservar o produto à temperatura ambiente por um longo período, era preciso bloquear a passagem de luz. Então, a solução encontrada foi desenvolver uma tecnologia que consistisse em utilizar duas camadas de PET, sendo a interna preta, para não haver degradação do leite, e a externa branca, preservando as propriedades da embalagem. Com isso, a proteção do leite é garantida por um período de 4 a 6 meses.

Segundo Thomé, existe muita confusão por parte do consumidor e da mídia ao olhar para a garrafa com bicamada e achar que o produto não é bom para reciclar. Sobre o processo de reciclagem desenvolvido para as novas garrafas, o executivo explica que todas as etapas seguem os termos da solução de reciclagem circular, que foram desenvolvidos após extensos testes com os produtos para atender aos avanços da nova regulamentação, de novembro de 2018.

“Não são dois materiais. É um só, mas em duas camadas. Para a reciclagem e a reutilização, o material é lavado, moído e passa por um processo de pós-condensação, que traz de volta as características necessárias ao processamento e incorporação às novas garrafas. Ou seja, 100% dos resíduos são reaproveitados, desde a tampa e o rótulo, até a garrafa em si. Todo este processo de circularidade é aprovado pela Anvisa, seguindo os rígidos padrões da indústria alimentícia brasileira”, conclui.

Fonte e foto: PICPlast

Curta nossa página no

Mecalor expõe equipamentos de refrigeração na Andina Pack

03/12/2019

Colômbia se destaca como um forte mercado para a venda de chillers no setor de plástico

A Mecalor vai fechar esse ano com um expressivo crescimento nas exportações. A maior parte dessas vendas foi para a países da América do Sul e a Colômbia se destaca como um importante mercado para a empresa. É com esse cenário positivo que a Mecalor expôs na edição 2019 da Andina Pack. Esse ano, a empresa levou para a feira equipamentos mais robustos, como o Chiller RLA 260 de 80 TR e o MSA 15 de 5 TR, uma versão menor, voltados à indústria de transformação do plástico.

A empresa participa da feira desde 2007, mas essa foi a primeira vez que apresentou um equipamento de grande porte. O gerente de exportação da Mecalor, Flavio Pereira, comentou sobre a participação na feira: “A Colômbia é um dos nossos principais mercados, possuímos várias máquinas instaladas, e contamos com uma boa infraestrutura de vendas e de suporte técnico. Temos clientes em todos os grandes centros do país”, afirmou.

Embora o cenário econômico da América Latina em geral seja de instabilidade, Flávio Pereira acredita que ainda há espaço para a Mecalor crescer nesses mercados. “A Colômbia, por exemplo, conta com a segunda maior população da América do Sul. O mercado interno colombiano aumentou e a indústria local seguiu essa tendência”, disse. Flávio aponta o Peru como outro país de relevância para as vendas internacionais. “A Mecalor cresceu bem em exportações para esses países, porque há décadas faz um trabalho comercial consistente, com a venda de equipamentos de ponta”, ressaltou.

Internacionalização

A inauguração da filial do México em maio desse ano foi o marco na internacionalização da Mecalor. Flavio Pereira salientou ainda que faz parte da estratégia de crescimento da marca no mercado externo a participação em grandes feiras internacionais do setor da indústria de transformação de plástico. Dessa forma, além da Andina Pack, a Mecalor esteve presente na Feira K, realizada em Dusseldorf (Alemanha), em outubro. “Os objetivos foram fortalecer a presença da marca em um evento internacional de ponta, atender clientes do Brasil que estavam na feira, reforçar aos clientes da América Latina que agora temos uma filial no México e manter contato com novos mercados”, explicou o executivo.

Seguindo a sua estratégia de internacionalização,a empresa planeja para o ano que vem ampliar sua presença em países da África, onde já conta com um representante, e começar a prospectar a Europa, a partir de Portugal e Espanha.

Há 60 anos no mercado, a Mecalor fornece soluções de engenharia térmica para a indústria no Brasil e em outros países da América Latina, EUA e Europa. Ela atua em diversos setores, além da indústria de transformação de plástico, como: hospitalar, alimentício, farmacêutico, ar condicionado de precisão e automotivo. Neste último, destaca-se pela fabricação de câmaras climáticas para teste de veículos e auto partes.

Curta nossa página no

Stadler apresentou soluções “turn-key” ao mercado brasileiro na Waste Expo

03/12/2019

Planta de RSU e produção de CDR em Pernambuco – projeto completo da Stadler

Apresentar um leque diversificado de soluções para o mercado brasileiro foi o objetivo da empresa alemã, que procura agregar valor numa fase determinante da política de reciclagem dos resíduos sólidos urbanos.

A Economia Circular nunca foi tão falada como agora e é um tema muito relevante no Brasil, dada a sua dimensão e as oportunidades que apresenta tanto no aspecto nacional como também numa vertente internacional que cada vez tem regras mais rigorosas. De acordo com um estudo recente feito pelo Fundo Mundial para a Natureza (WWF), o Brasil produz 11 milhões de toneladas de lixo plástico por ano e recicla apenas 1%, ou seja, 145.043 toneladas.

Os números podem ser surpreendentes, mas a verdade é que o país está apenas atrás dos Estados Unidos, China e Índia no que diz respeito ao lixo plástico. As medidas para combater este problema tenderam a multiplicar-se nos últimos anos, mas a verdade é que as respostas ainda não foram encontradas e 7,7 milhões de toneladas ficam em aterros sanitários.

No entanto, com uma vasta experiência internacional, já tendo montado mais de 350 plantas de triagem e instalado mais de 3.000 máquinas de triagem em todo o mundo, a Stadler , líder de mercado no projeto e montagem de plantas de triagem para o setor de reciclagem e eliminação de resíduos, marcou presença na Waste Expo, que se realizou entre os dias 12 e 14 de Novembro no Expo Center Norte, em São Paulo, para apresentar um leque diversificado de soluções “turn-key”, que tem como objetivo ir contra esses números e ajudar o país a melhorar as taxas de reciclagem.

Com a Economia Circular como pano de fundo e um dos temas mais focalizados nos últimos meses, a empresa acredita que o início para o tratamento adequado dos resíduos passa pela recuperação dos materiais valorizáveis que atualmente estão sendo dispostos, de forma a aumentar o ciclo de vida desses produtos, colocando-os de volta ao mercado através da reciclagem.

Para isso a Stadler coloca ao dispor do mercado brasileiro “um conjunto de soluções e de serviços personalizado para cada cliente e que representa os valores da Stadler: qualidade, comprometimento, responsabilidade capacidade de desenvolver projetos de acordo com a realidade de cada cliente e mercado”, explica Sérgio M. Atienza (foto), Diretor da América Latina da Stadler.

O executivo da empresa vai mais longe e explica “que a técnica no seu melhor” é a base da estratégia e o lema de uma vida, que representa a visão da empresa. Isto significa nas palavas do Diretor, “quer se trate de concepção, planejamento, fabricação, modernização, otimização, montagem, colocação em funcionamento, modificação, desmontagem, manutenção e serviço de componentes e instalações de reciclagem ou classificações completas, oferecemos um serviço completo adaptado às exigências dos nossos clientes e cada caso é um caso, pois a mesma solução não serve para todos”.

A Stadler está no mercado brasileiro desde 2014, quando instalou uma solução completa (“turn key”) numa planta que tem uma capacidade de processar 15 toneladas de lixo por hora de coleta seletiva. Até ao momento já foram instaladas mais oito soluções, sendo que atualmente está sendo instalado em Guarulhos, São Paulo, um projeto completo totalmente arquitetado pela Stadler, que será a planta mais automática da América Latina, uma referência mundial, para o material procedente de coleta seletiva.

De acordo com Sérgio M. Atienza, “a ideia passa por reforçar estrategicamente a nossa presença no mercado brasileiro com uma equipe sólida, atraindo o comprometimento dos municípios em atender a Política Nacional de Resíduos Sólidos, principalmente no que tange à reciclagem, geração de energia limpa e redução do volume a ser disposto em aterros sanitários”.

A empresa alemã ainda reforça que não fornece apenas “serviços “turn-key””, mas também pode ajudar com equipamentos pontuais. Sérgio reitera que “os separadores balísticos e os separadores óticos são os mais vendidos no Brasil” e que o mercado está “em fase de amadurecimento, propenso a aceitar uma nova realidade sobre o futuro do modelo de negócios, destinação de resíduos e da abertura da indústria cimenteira para combustíveis alternativos”.

A importância da Waste Expo no panorama nacional

De forma a dar respostas e colocar desafios às atuais políticas do país, a Waste Expo Brasil reuniu nos dias 12, 13 e 14 de Novembro especialistas do setor, que exploraram alternativas para a gestão de resíduos sólidos e identificaram possíveis caminhos para uma mudança de mentalidade.

Para Sérgio M. Atienza, a participação da Stadler é “fundamental para apresentar novos processos e conhecer novos parceiros”. O Diretor reforçou que esta foi a quarta participação da Stadler e “queremos nos manter como número um no mercado e ajudar o Brasil a solucionar os problemas gerados pela destinação incorreta dos resíduos”.

A Stadler dedica-se ao planejamento, produção e montagem de sistemas e componentes de triagem para a indústria de tratamento e reciclagem de resíduos sólidos em todo o mundo. Sua equipe de mais de 450 funcionários oferece um serviço completo personalizado, do projeto conceitual ao planejamento, produção, modernização, otimização, montagem, comissionamento, reformas, desmontagem, manutenção e assistência técnica de componentes para completar os sistemas de reciclagem e classificação. Sua linha de produtos inclui separadores balísticos, correias transportadoras de transporte, tambores de triagem e removedores de rótulos. A empresa também é capaz de fornecer estruturas de aço e armários elétricos para as plantas que instala. Para mais informações, visite http://w-Stadler.de/pt

Curta nossa página no

Roberto Simões é indicado como novo Diretor Presidente da Braskem em substituição a Fernando Musa

22/11/2019

Em comunicado ao mercado divulgado hoje, a Braskem anunciou  a indicação do seu atual presidente do Conselho de Administração, Roberto Simões, como o novo Diretor Presidente da Companhia a partir de 1º de janeiro de 2020. Fernando Musa permanecerá como Diretor Presidente, apoiando a transição, até 31 de dezembro de 2019.

A empresa cita no comunicado que  “durante a liderança do atual Diretor Presidente,Fernando Musa, a Braskem consolidou a sua posição de sexta maior produtora de resinas plásticas do mundo, alcançou EBITDA recorde de R$ 12,3 bilhões em 2017, além de ter reforçado as práticas de governança e conformidade da Companhia, em linha com as melhores referências mundiais e deu início ao processo de transformação digital da Companhia.”

Roberto Simões foi Diretor Presidente da Ocyan Participações S.A. de 2014 a setembro de 2019, da Odebrecht Defesa e Tecnologia de 2010 a 2012 e da Santo Antonio Energia S.A de 2008 a 2010. Na Braskem, foi Vice-Presidente Executivo de 2004 a 2008. No iG-Internet Group, foi COO e Diretor Presidente de 2000 a 2004.

Roberto Simões é graduado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal da Bahia e possui o certificado do Cemant-Curso de Engenharia de Manutenção e Projetos Petroquímicos (convênio Petrobras/UFBA). Entre as prioridades do novo Diretor Presidente estão a manutenção da competitividade de todas as operações da Companhia e a continuidade da estratégia de diversificação de matéria-prima e geográfica da Braskem. A nomeação de Roberto Simões será submetida à aprovação do Conselho de Administração da Companhia. Adicionalmente, será convocada Assembleia Geral Extraordinária de Acionistas para nomeação do novo Presidente do Conselho de Administração.

Foto: LinkedIn

Curta nossa página no

Tomra introduz “Deep Learning” em suas máquinas de seleção de resíduos

20/11/2019

Tomra expôs na Waste Expo Brasil a sua nova tecnologia Gain de seleção baseada em “Deep Learning” para alta precisão em tarefas complexas de seleção a alta capacidade de processamento

A Tomra Sorting Recycling lançou a tecnologia de seleção baseada em “Deep Learning”, denominada Gain, para aprimorar o desempenho de suas máquinas de seleção baseadas em sensores. A tecnologia Gain será disponibilizada como uma opção complementar para as máquinas Autosort da empresa. Ao classificar objetos a partir dos dados do sensor, o Gain permite a seleção de objetos que anteriormente não podiam ser separados com altos níveis de pureza e sem comprometer a capacidade do Autosort.

A tecnologia Gain da Tomra foi lançada oficialmente durante a Waste Expo Brasil, que ocorreu durante os dias 12 a 14 de Novembro, em São Paulo. Mais uma vez, a Diretora Comercial da Tomra Sorting Recycling Brasil, Carina Arita, marcou presença e explicou: “Ao trazer o “Deep Learning” às nossas tecnologias de triagem, a Tomra está adicionando mais sofisticação e eficácia às máquinas de triagem Autosort. A tecnologia Gain também ajudará as máquinas de seleção a se adaptarem a novos fluxos de resíduos, que serão cada vez mais importantes à medida que avançamos em direção a uma economia circular”.

A executiva da Tomra reforçou que “para alcançar uma economia verdadeiramente circular, eliminando o desperdício e reutilizando recursos naturais limitados, tecnologias como as soluções de triagem da Tomra serão essenciais e é por isso que trabalhamos diariamente numa base de inovação sustentada que já é direcionamento da Tomra”. Além da introdução do Deep Learning, Carina Arita enalteceu a importância de outras tecnologias que vão continuar a ser impulsionadas no mercado brasileiro como o Autosort Flake, “que é uma tecnologia que pode acrescentar muito mercado numa ocasião em que os níveis de pureza se tornam cada vez mais importantes”.

Seleção aprimorada através de algoritmos de “Deep Learning”

O “Deep Learning”, como método de inteligência artificial (IA), permite que os computadores imitem o aprendizado humano. Os seres humanos fazem associações com o que viram antes e o que estão vendo agora para identificar vários objetos ou materiais. As máquinas são ensinadas a fazer o mesmo, mas de forma muito mais rápida. As máquinas Tomra contemplam inteligência artificial desde suas primeiras versões, mas essa tecnologia evoluiu continuamente e agora a tecnologia Gain a eleva a um novo patamar com algoritmos de “Deep Learning”.

O aprendizado de máquina clássico requer recursos projetados por um especialista em domínio, enquanto o “Deep Learning”, que é um subconjunto do aprendizado de máquina, não. Ele aprende de milhares de imagens os tipos específicos, que devem ser separados na tarefa de seleção. O “Deep Learning” imita a atividade de um grande número de camadas de neurônios no cérebro humano para aprender tarefas complexas. Dessa forma, durante o treinamento da máquina, o Gain aprende como conectar os neurônios artificiais para selecionar objetos.

A primeira aplicação é separar os tubos de silicone

A primeira versão da tecnologia Gain lançada pela Tomra foi desenvolvida especificamente para ejetar tubos de silicone de um fluxo de polietileno (PE), usando informações da câmara. Como o silicone remanescente nos tubos atrapalha o processo da reciclagem, então é necessário separá-los do material de PE aceito para melhorar o resultado da triagem.

Além de detectar formas comuns de tubos de silicone, o Gain também pode detectar tubos duplos menores, usados principalmente para adesivos de dois componentes, bem como tubos deformados ou parcialmente destruídos. Graças às máquinas da Tomra que separam os materiais por jatos de ar, até tubos grudados podem ser identificados – tarefa para a qual até os braços robóticos mais rápidos disponíveis no mercado atualmente estão enfrentando dificuldades.

A nova tecnologia foi treinada para esta tarefa com milhares de imagens e atinge uma ejeção geral de 99% dos tubos usando-se dois sistemas de seleção em sequência.

Curta nossa página no

Ineos Styrolution avança e está mais perto de oferecer poliestireno quimicamente reciclado em escala comercial

18/11/2019

  • O Unternehmensgruppe Theo Müller desenvolve os primeiros copos de iogurte a partir de poliestireno quimicamente reciclado
  • Ineos Styrolution recebe prêmio do ICIS pela reciclagem química de poliestireno
  • Ineos Styrolution apresentou soluções de reciclagem química na Feira K em Düsseldorf

A Ineos Styrolution, empresa líder global em estirênicos, deu um passo mais próximo de ofertar poliestireno quimicamente reciclado em escala comercial.

No início deste ano, a Ineos Styrolution anunciou seu teste bem-sucedido na produção de poliestireno a partir de material reciclado. Seis meses depois, a empresa produziu seus primeiros pequenos lotes de poliestireno quimicamente reciclado em suas instalações em Antuérpia e forneceu chapas contendo 50% de Poliestireno de uso geral à Unternehmensgruppe Theo Müller, líder em produtos lácteos, que agora produziu copos de iogurte a partir deste material reciclado.

A Ineos Styrolution e o Unternehmensgruppe Theo Müller estão colaborando em um projeto conjunto para desenvolver uma solução circular para poliestireno baseada em reciclagem química². As duas empresas concordaram em relação a uma abordagem escalonada, com uma fase de escala de laboratório a ser iniciada neste ano, uma fase de escala piloto a começar em 2020 e uma fase em escala comercial em 2022.

O departamento de desenvolvimento de embalagens do Unternehmensgruppe Theo Müller gosta da similaridade em termos de qualidade e estética dos copos de iogurte feitos de poliestireno convencional e o poliestireno reciclado fornecido pela Ineos Styrolution.

Michiel Verswyvel, especialista global em P&D, comenta: “Estamos entusiasmados em observar que o material de poliestireno reciclado iguala a qualidade e as propriedades do nosso material feito com poliestireno convencional. Nosso próximo passo é aumentar o uso de estireno reciclado em nossos produtos para vários milhares de toneladas em 2021 ”.

Os desenvolvimentos da Ineos Styrolution na reciclagem química foram reconhecidos pela escolha da empresa como vencedora conjunta do Prêmio de Inovação ICIS (ICIS Innovation Awards) na categoria “Inovação com melhor benefício para o meio ambiente e a sustentabilidade”. A demonstração pela empresa de uma solução de circuito fechado pela polimerização de estireno a partir de poliestireno despolimerizado foi selecionada por mostrar um benefício diferenciado ao meio ambiente e à sustentabilidade da empresa e de seus clientes.

Rob Buntinx, Presidente da Styrolution para a Europa, Oriente Médio e Ásia (EMEA), resume: “Estamos muito satisfeitos por alcançar mais um marco em nosso caminho no desenvolvimento de soluções de circuito fechado para nossos produtos estirênicos para nossos clientes. Nossa colaboração bem-sucedida com o Unternehmensgruppe Theo Müller e o prêmio da ICIS mostram que estamos definitivamente no caminho certo. Continuaremos a trabalhar em estreita colaboração com nossos clientes e todos os parceiros da cadeia de valor para desenvolver produtos e soluções inovadoras que atendam às suas metas de sustentabilidade. ”

A Ineos Styrolution esteve presente na K 2019, a principal feira mundial de plásticos e borracha, realizada em Düsseldorf, Alemanha, de 16 a 23 de outubro. A exposição da Ineos Styrolution se concentrou em soluções inovadoras e sustentáveis ​​e apresenta vários produtos e soluções reciclados, incluindo copos de iogurte reciclado da Unternehmensgruppe Theo Müller.

Curta nossa página no

DSM irá introduzir grades alternativos de origem biológica ou reciclada para todo o seu portfólio de plásticos de engenharia

18/11/2019

A Royal DSM, multinacional do setor químico, de nutrição e produtos de saúde com sede na Holanda, anunciou durante a Feira K em Düsseldorf, em Outubro passado, que seu negócio de plásticos de engenharia oferecerá até 2030 uma gama completa de materiais de base biológica ou reciclada como alternativa para o seu portfólio de plásticos de engenharia atualmente existente. Dessa forma, a DSM Engineering Plastics está dando o próximo passo em sua jornada de sustentabilidade, alinhada com a sua estratégia orientada por desempenho e objetivos, viabilizando uma economia circular e baseada em biomateriais.

Para atender à crescente demanda legislativa e dos consumidores por práticas de vida sustentáveis e produtos mais circulares, os fabricantes estão cada vez mais integrando biomateriais e materiais reciclados em seus projetos. Ao oferecer um portfólio completo de alternativas que contêm pelo menos 25% em peso de conteúdo reciclado e / ou de base biológica no produto final até 2030, a DSM Engineering Plastics está permitindo que seus clientes atendam a essas demandas e façam escolhas mais sustentáveis.

Em particular, o portfólio de alternativas sustentáveis ​​alavancará uma caixa de ferramentas de diferentes tecnologias e abordagens, tais como fermentação, reciclagem mecânica e mensuração por balanço de massa * de matérias-primas de base biológica e / ou recicladas quimicamente.

Como uma etapa imediata, a DSM Engineering Plastics está lançando grades de base biológica de seu portfólio de produtos Arnitel® e Stanyl®, fabricados por meio de uma abordagem de balanço de massa de matéria-prima de base biológica. Os grades de base biológica Stanyl® já estão disponíveis com a certificação de sustentabilidade ISCC Plus, reconhecida mundialmente. Joost d´Hooghe (foto, à esquerda), vice-presidente de poliamidas da DSM Engineering Plastics, disse: “Nossas alternativas de base biológica Arnitel® e Stanyl® oferecerão o mesmo desempenho funcional do nosso portfólio convencional. Isso permitirá que nossos clientes mudem facilmente para uma solução mais sustentável sem precisar requalificar os materiais. ”

Shruti Singhal (foto, à direita), presidente da DSM Engineering Plastics acrescentou: “Temos um longo histórico de fornecer provas tangíveis de nosso compromisso com a sustentabilidade. Estou muito orgulhoso de que a DSM esteja liderando nossa indústria, ao dar o próximo passo ambicioso de introduzir mais e mais alternativas baseadas em origem biológica e reciclada em nosso portfólio existente. Juntamente com nossos clientes, fornecedores e parceiros, estamos prontos para impulsionar nosso setor, aproveitar as oportunidades sustentáveis ​​à frente e cumprir nosso objetivo de criar uma vida melhor para todos! ”

* A mensuração por balanço de massa é uma abordagem bem conhecida que foi projetada para rastrear o fluxo de materiais através de uma cadeia de valor complexa. A abordagem do balanço de massa fornece um conjunto de regras sobre como alocar o conteúdo de base biológica e / ou reciclado para diferentes produtos para permitir a reivindicação do conteúdo como ‘biobaseado’ ou ‘reciclado’. Fonte: Fundação Ellen MacArthur (White Paper de Balanço de Massa) https://www.ellenmacarthurfoundation.org/assets/downloads/Mass-Balance-White-Paper.pdf

A DSM e suas empresas associadas geram vendas líquidas anuais de cerca de € 10 bilhões, com aproximadamente 23.000 funcionários. A empresa foi fundada em 1902

Curta nossa página no

Fabricante indiana de BOPP reduz variações de espessura e tempo parado e aumenta produção com nova matriz plana Nordson EDI

18/11/2019

Matriz Autoflex da EDI Nordson acabou com as variações de espessura e flacidez que forçavam a limpeza frequente da matriz e passou a produzir filmes para embalagens com menos embaçamento e melhor brilho

A Asia Poly Films Industries, uma produtora indiana de filmes de polipropileno biaxialmente orientado (BOPP) para embalagens, reduziu substancialmente o tempo de inatividade e aumentou o rendimento de uma linha de filme laminado, ao trocar uma matriz relativamente nova de um fornecedor concorrente por uma nova matriz EDI Autoflex, disse a Nordson Corporation.

Desde que começou a produzir filmes de BOPP em 2017, a Asia Poly Films frequentemente tinha problemas decorrentes variações de espessura e flacidez do filme ao usar a matriz adquirida na época, tornando impossível atingir o grau de planura exigido pelos clientes. Era necessário limpar a matriz a cada dois ou três meses – um processo que acarretava de 48 a 60 horas de inatividade na produção cada vez que era necessário parar a linha para limpeza. A matriz também exibia uma variação de espessura que só poderia ser mantida dentro de limites aceitáveis ​​se a velocidade da linha fosse limitada a não mais que 2.800 kg/hr.

Segundo a Nordson, desde a instalação da matriz EDI em fevereiro de 2019, a Asia Poly Films está operando continuamente a linha de filmes a 3.500 kg/hr, com a variação de espessura sendo mantida “bem dentro dos níveis aceitáveis”, de acordo com Dipesh Patel, diretor da empresa. “Além disso, enquanto nossa matriz anterior precisava de duas horas para se estabilizar após a partida da linha e começar a produzir filmes com um nível aceitável de variação de espessura, a nova matriz EDI se estabiliza em apenas 15 ou 20 minutos”, acrescenta ele.

Usando a nova matriz EDI com a mesma extrusora, controles e materiais plásticos anteriores, a Asia Poly Films tem produzido filmes com menor embaçamento e melhor brilho, disse Patel.

A matriz EDI é uma unidade de manifold triplo Autoflex VI-R. Da mesma forma que a matriz usada anteriormente pela Asia Poly Films, a matriz Autoflex é automática, usando dados de um sistema de medição computadorizado a jusante para ajustar o perfil de espessura transversal, fazendo mudanças na parte superior flexível da matriz, explica Nordson.

“O sistema Autoflex responde mais rapidamente às variações de espessura do que outras matrizes automáticas”, disse Mrunal Sanghvi, gerente geral de vendas na Índia para o negócio de Sistemas de Processamento de Polímeros da Nordson. “Além disso, a Nordson projetou de forma “customizada” o canal de fluxo (manifold) dentro da matriz para otimizar o fluxo de polímeros específicos usados ​​pela Asia Poly Films. Essas são duas razões pelas quais a matriz EDI permitiu à Asia Poly Films obter produtos vendáveis ​​em um tempo mais curto após a inicialização, manter tolerâncias mais rigorosas durante a produção e aumentar o rendimento, ao mesmo tempo em que mantinha a uniformidade e a qualidade do produto. ”

A Asia Poly Films Industries produz filmes de embalagens flexíveis BOPP para várias aplicações. A empresa foi criada em 2015 em Morbi, Gujarat, Índia e iniciou a produção comercial de filmes BOPP em 2017.

Curta nossa página no

Eastman colabora com a NB Coatings para oferecer plástico automotivo sustentável

18/11/2019

A fornecedora global de materiais plásticos Eastman anunciou o estabelecimento de colaboração com a NB Coatings, líder em tintas para plásticos para fabricantes de equipamentos automotivos. A colaboração visa criar uma nova solução para superfícies interiores pintadas de classe A com o bioplástico de engenharia Trēva (polímero da familia dos CAPs – propionatos acetato de celulose). Segundo a Eastman, o material oferece uma opção viável para empresas interessadas em criar produtos sustentáveis ​​e econômicos.

A Eastman produz Trēva  com conteúdo misto de base biológica e reciclado. Quando pintada com sistemas de pintura NB Coatings, o material pode atender aos exigentes requisitos de superfície Classe A, conforme especificado pelos OEMs.

“O Trēva fornece uma alternativa sustentável de base biológica ao policarbonato, ao ABS e ao PC-ABS para aplicações em interiores automotivos, em uma posição de custo neutro”, disse Chris Scarazzo, líder do segmento de mercado automotivo da Eastman. “As inovações de material da Eastman correspondem ao que os OEMs precisam para desenvolver peças duradouras com materiais sustentáveis ​​e os ajuda a atingir suas metas de conteúdo sustentável e substituição de plástico à base de petróleo”.

Oriundo de florestas gerenciadas de maneira sustentável, o Trēva possui de 42 a 46% de conteúdo de base biológica certificado pelo programa BioPreferred® do USDA, afirma a Eastman.

Para continuar reduzindo o desperdício e maximizando recursos, o bioplástico também se beneficia da tecnologia de renovação do carbono da Eastman, processo de reciclagem proprietária da empresa, que recicla resíduos de plástico tipicamente enviados para aterros sanitários ou encontrados como lixo nos cursos de água. Segundo a Eastman, a sua tecnologia de reciclagem química aproveita os resíduos de plásticos que seriam enviados para aterros e os converte em componentes moleculares simples, que são reintroduzidos na produção de uma variedade de produtos Eastman, incluindo o Trēva, sem comprometer o desempenho.

A Eastman afirma que o Trēva à base de celulose apresenta alto desempenho e impacto ambiental reduzido em aplicações automotivas. De acordo com a empresa, o Trēva exibe propriedades óticas e de birrefringência, fornece alta transparência e resistência superior e é adequado para aplicações como lentes HMI (interface homem-máquina). A fabricante afirma que o material também suporta os desafios dos interiores automotivos, incluindo altas temperaturas, umidade, UV, arranhões/estragos e requisitos gerais de durabilidade, além de possuir baixas emissões de COV (VOC, em inglês), o que é crítico para peças internas. Sua facilidade de processamento e suas características fluxo permitem boa estabilidade dimensional e design com paredes finas para menor uso de material e menor peso, garante o fornecedor do material.

“Como fornecedora de revestimentos ambientalmente consciente, a NB Coatings está animada em anunciar essa novidade em pintura, em colaboração com a Eastman”, disse Jesse Fritcher, vice-presidente técnico da NB Coatings. “Nossos testes com o Trēva consideraram a adesão de nossas tecnologias de revestimento comparável, se não mais fácil, ao dos tipos tradicionais de PC-ABS atualmente em uso, o que fornece novas opções sustentáveis ​​para os engenheiros de design automotivo”.

A Eastman é uma empresa global de materiais avançados que produz uma ampla gama de produtos para atrativos mercados finais, tais como transporte, construção civil e produtos de consumo. A Eastman emprega, aproximadamente, 14.500 pessoas ao redor do mundo e atende clientes em mais de 100 países. A companhia alcançou, em 2018, aproximadamente, 10 bilhões de dólares em receitas e está sediada em Kingsport, Tennessee, EUA.

A NB Coatings, Inc. (NBCi), antiga Bee Chemical, foi fundada em 1945 e adquirida pela Nippon Paint (USA) Inc. em 2006 da Rohm & Haas. A NBCi é líder em revestimentos automotivos para plásticos na América do Norte. A Nippon Paint é o quarto maior fabricante de tintas e revestimentos do mundo, com receita global superior a US$ 8 bilhões.

Fonte: Eastman

Curta nossa página no

Tendências em embalagens inteligentes serão apresentadas na Feira Intechtra, em São Paulo, em 2020

18/11/2019

Segundo a Associação Brasileira de Embalagem, novidades tem tido grandes avanços a nível mundial e devem ser adotadas também pela indústria nacional

Rastrear produtos por RFID (identificação por Rádio Frequência), acessar informações por QRCode, impedir a falsificação de embalagens, retardar o amadurecimento de alimentos e alertar quando um produto está para vencer graças às Smart Packagings, ou embalagens inteligentes. Esses são alguns exemplos das tecnologias que estão sendo aplicadas pela indústria no mercado mundial. Mas no Brasil ainda não são tão comuns como em outros países. No entanto, há iniciativas importantes que podem fazer com que avancem também por aqui.

Isabella Salibe, gerente Comercial e de Marketing da ABRE (Associação Brasileira de Embalagem) destaca que a evolução em outras partes do mundo levará as empresas brasileiras a adotarem as embalagens inteligentes. “Considerando o crescimento recente que esse mercado vem apresentando mundialmente, a expectativa é que as marcas comecem a utilizá-las cada vez mais”.

As novidades e tendências deste mercado serão apresentados na Intechtra, nova feira técnica promovida pela Messe München do Brasil, que acontecerá entre os dias 31 de março e 3 de abril de 2020 no Expo Center Norte, em São Paulo. A Intechtra, que será realizada a cada dois anos, é membro da rede global da drinktec, principal feira de negócios do mundo para a indústria de bebidas e alimentos líquidos em Munique.

A vantagem das embalagens inteligentes, de acordo com Isabella, atinge tanto os consumidores quanto os agentes envolvidos na cadeia de produção, trazendo, entre várias contribuições importantes, maior sustentabilidade e economia para os negócios. “Em um primeiro momento será necessário fazer investimento, mas ele será recompensado em médio prazo pois, ao se evitarem perdas, diminuem os prejuízos e devoluções de produtos”, garante.

Os benefícios das embalagens inteligentes não se restringem apenas à entrega de uma experiência positiva para o consumidor final. Isabella lembra que ao oferecer informações precisas sobre os produtos, elas se tornam úteis para a indústria como um todo, desde o transporte até o armazenamento.

Reais condições do produto

A executiva lembra que a principal característica das embalagens inteligentes é a presença de tecnologias capazes de comunicar as reais condições de um produto ou do ambiente em que ele se encontra. “Elas podem indicar desde oscilações na luminosidade até informações sobre a qualidade de um alimento – como alterações que indiquem seu vencimento, por exemplo”.

No entanto, Isabella deixa claro que, “quando falamos em tecnologias, não estamos nos referindo necessariamente àquelas digitais e conectadas à internet”. A maioria das embalagens inteligentes utiliza sensores simples – como monitores químicos e de pH – que interagem com a atmosfera interna e detectam a presença de gases, umidade e outros marcadores de qualidade.

“As embalagens inteligentes contam com sensores que apontam o grau de amadurecimento de produtos FLV, frios e carnes e peixes. Essa é mais uma garantia para que o consumidor adquira alimentos mais frescos e de qualidade. Este tipo de embalagem permite um menor manuseio dos produtos por parte dos consumidores, fator que muitas vezes faz com que a qualidade de frutas e verduras seja comprometida”, afirma Isabella.

A Messe München é uma das empresas líderes mundiais de feiras de negócios, com mais de 50 feiras técnicas de bens de capital e de consumo e de novas tecnologias. A cada ano, mais de 50.000 expositores e cerca de três milhões de visitantes participam em mais de 200 eventos realizados em Munique (Alemanha). Juntamente com suas subsidiárias, a Messe München organiza feiras em países como China, Índia, Brasil, Rússia, Turquia, África do Sul, Nigéria, Vietnã e Irã. A Messe München tem uma presença global com afiliadas na Europa, Ásia, África e América do Sul e mais de 70 representações estrangeiras trabalhando em mais 100 países.

Com escritório central em Munique, Alemanha, a Messe München iniciou as operações de sua subsidiária no Brasil no início de 2017. No mundo todo, a empresa organiza 220 eventos, com 44 mil expositores e mais de 2,4 milhões de visitantes. Com apenas mais de um ano de operações no Brasil, ela já organizou a M&T Expo, a M&T Peças e Serviços e a Construction Expo no território brasileiro.

Curta nossa página no

Prêmio Mundial de Inovação em Embalagens da Dow escolhe garrafa de PET com aparência de vidro da japonesa DNP como vencedora

18/11/2019

  • A Dai Nippon Printing Co. Ltd. conquista os Top Honors no 2019 Packaging Innovation Awards da Dow
  • Os vencedores dos prêmios representam algumas das mais inovadoras novidades em embalagens em termos de tecnologia, experiência do usuário e de sustentabilidade.

A Dow anunciou os vencedores do 2019 Packaging Innovation Awards, que reconhece as principais realizações do setor de embalagens em design, materiais, tecnologias e processos inovadores .

A maior premiação, o Diamond Award, foi concedida para a Dai Nippon Printing Co. Ltd., por sua garrafa de plástico PET DNP Functional Film Complex, uma alternativa ambientalmente amigável e consciente, que proporciona uma aparência de vidro distinta devido a uma destacável camada externa que pode atuar como barreira ao oxigênio quando combinada com o PET. Atualmente, muitas garrafas de bebidas são feitas de vidro por conta de suas propriedades de barreira e percepção de luxo, apesar de seu peso maior e maior risco de quebra. O vidro frequentemente se despedaça enquanto é coletado ou classificado e seu resíduo pode contaminar outros produtos que poderiam ser reciclados. A inovação da empresa mantém todas as qualidades que os consumidores adoram nas garrafas de vidro – a sensação e a percepção de luxo – enquanto cria um produto reciclável, leve e praticamente inquebrável.

“Este ano, recebemos um número recorde de inscrições de designs inovadores de embalagens de todo o mundo”, disse Diego Donoso, presidente de negócios da Dow Packaging & Specialty Plastics, se referindo às quase 250 inscrições de empresas de mais de 30 países. “Parabéns a todos os vencedores de 2019. Estou continuamente impressionado com as inovações de classe mundial que vemos ano após ano. ”

O prêmio Packaging Innovation Awards de 2019, organizado pela Dow, anteriormente conhecido como DuPont Awards for Packaging Innovation, está agora em sua 31ª edição e é a premiação independente mais antiga do setor de embalagens. A cada ano, o painel de juízes é composto por profissionais de todo o mundo em uma ampla gama de áreas, incluindo design, engenharia, varejo, conversão e academia.

“É uma honra fazer parte de um evento dedicado à busca das melhores inovações em embalagens, independentemente da localização e aplicação”, disse o juiz David Luttenberger, diretor global de embalagens do Mintel Group, Ltd. “Estou realmente impressionado com os vencedores deste ano e animado por ver tantas empresas de todo o mundo constantemente inovando para atender às demandas dos consumidores e práticas sustentáveis.”

Além do Diamond Award, os juízes também selecionaram oito finalistas Diamond, 10 vencedores do Gold Award, 12 vencedores do Silver Award e duas categorias de Menção Honrosa:

Vencedor do Diamond

Dai Nippon Printing Co. Ltd., Garrafa de plástico para PET de filme funcional DNP

Finalistas Diamond

  • Embrapa Tecnologia de Alimentos, Desenvolvimento de Embalagens Inovadoras para Frutas
  • Procter & Gamble, Caixa do Detergente Tide Eco-Box
  • Henkel, tecnologia EPIX ™ para embalagens sustentáveis
  • Danone Nutricia Research, OpTri, um Frasco Dobrável para Nutrição Parenteral
  • Amcor, Paperly ™ Embalagem à Base de Papel Termoformador
  • Werner & Mertz GmbH e Mondi Group, Bolsa Frosch 100% Reciclável e Sustentável, Feita em Polietileno
  • ProAmpac e L’Oréal, REDKEN® Flahs Lift Bonder Inside
  • Truman’s, Truman’s Starter Kit

Vencedores do Gold Award

  • Kawakami Sangyo Co., Ltd., UKIYO-E PUTIPUTI
  • Meiji Co., Ltd., meiji The Chocolate 6COLLECTIONS Pacote Sortido
  • Duallok, Uma Solução Elegante de Embalagem Resistente a Crianças
  • Amcor, 46 oz. Coffeemate® natural bliss® Cold Brew com Base Amcor Geo-Strap ™
  • ALICO SA, ReciPack
  • CI TAKIRON Corporation, Zíper Sensorial SANZIP
  • Amcor, Molson Coors – Sacola Térmica de 12 Unidades
  • Reckitt Benckiser, Finish 0%
  • DuPont Teijin Films, Processo de Despolimerização LuxCR™
  • Huhtamaki PPL Ltd., Bag-in-Bag para Extrema Resistência a Quedas

Vencedores do Silver Award

  • Amcor, Embalagem de Biscoito para Bicho de Estimação Full Moon Perdue Natural
  • Hangzhou Holmes Food Co., Ltd., Embalagem “Fresh Lock” Baicaowei
  • Weener Plastics, Tampa de Dispenser de Sabão 100% PCR
  • Hangzhou Qunle Packaging Co., Ltd., Embalagem do Petisco “Fortune Stick”
  • KW Container, TruSnap ™ com Recipiente de Tinta TwistCap
  • Incom Packing, SPOT
  • Blue Apron, Embalagem Sustentável em Gel
  • Huhtamaki PPL Ltd., Embalagem para Resistência a Quedas e Barreira
  • ITC Limited, Business Packaging, “Pacote de Farinha de Trigo Respirável” com Controle de Liberação de Ar
  • Procter & Gamble / Gillette, Lâmina de Barbear Joy
  • Schur Star Systems, Embalagem Zip-Pop Schur®Star
  • Unilever, Love Beauty and Planet

Menção Honrosa de Colaboração

  • Werner & Mertz GmbH e Mondi Group, Bolsa Frosch 100% Reciclável e Sustentável, Feita em Polietileno

Menção Honrosa em Comércio Eletrônico

  • PAC Worldwide, Scent Blocking Protective Mailer
  • Smart Karton, Pack Inteiro de Papel
  • Procter & Gamble (China) Sales Co., Ltd., Embalagens para Comércio Eletrônico
  • Procter & Gamble, Caixa do Detergente Tide Eco-Box
  • Henkel, tecnologia EPIX ™ para Embalagens Sustentáveis
  • Truman’s, Truman’s Starter Kit

Para mais informações e imagens de cada participação premiada, visite www.DowPackagingAwards.com

A Packaging and Specialty Plastics (P&SP), uma unidade de negócios da Dow, oferece produtos para mercados de uso final em embalagens de alimentos, higiene pessoal, infraestrutura, bens de consumo e transporte. A P&SP é uma das maiores produtoras mundiais de resinas de polietileno, polímeros funcionais e adesivos e colabora com toda a cadeia de valor no desenvolvimento sustentável de aplicações e no design do ciclo de vida da economia circular para plásticos. A Dow opera 113 fábricas em 31 países e emprega aproximadamente 37.000 pessoas. A Dow apresentou vendas pro forma de aproximadamente US$ 50 bilhões em 2018.

Curta nossa página no

Covestro divulga resultados do terceiro trimestre de 2019

10/11/2019

  • Volumes principais crescem 5,3%
  • Vendas totais de cerca de 3,2 bi de euros (-14,6%)
  • Previsão de Ebitda atingida com 425 mi de euros (-50,5%)
  • Receita líquida cai para 147 mi de euros (-70,4%)
  • Fluxo de caixa operacional livre de 243 mi de euros (-58,0%)
  • Perspectiva para 2019 atualizada na previsão existente

No terceiro trimestre de 2019, a Covestro conseguiu atingir crescimento do volume principal de 5,3% em relação ao mesmo período do ano anterior, em um ambiente econômico continuamente desafiador. Ao mesmo tempo, as vendas totais recuaram 14,6% para 3,2 bilhões de euros, devido aos preços de venda continuamente mais baixos. Com 425 milhões de euros, a previsão de Ebitda foi cumprida para o trimestre, mas caiu 50,5% em relação ao trimestre do ano anterior, como resultado dos efeitos negativos dos preços. A receita líquida caiu para 147 milhões de euros (-70,4%), enquanto o fluxo de caixa operacional livre (FOCF) ficou em 243 milhões de euros (-58,0%). Isso se deu, principalmente, devido à redução dos fluxos de caixa das atividades operacionais e a investimentos planejados.

“Após gerar sólido crescimento de volume no segundo trimestre, a demanda voltou a crescer no terceiro trimestre”, diz o CEO Markus Steilemann. “O ambiente econômico segue desafiador, principalmente no setor automotivo. No entanto, nosso crescimento de volume indica que nossos negócios são bem diversificados em várias indústrias”, afirma. O crescimento pode ser atribuído, sobretudo, às indústrias de construção, móveis, elétrica e eletrônica.

Projeção para o ano confirmada

Com base nos resultados do terceiro trimestre, o CFO Thomas Toepfer confirmou a previsão para o ano como um todo. “Continuamos confiantes de que atingiremos as metas que estabelecemos para o ano fiscal”, enfatiza Toepfer. “As margens do mesmo trimestre do ano anterior foram atipicamente altas, razão pela qual a queda ano a ano nas vendas e nos lucros está alinhada às nossas expectativas.”

Após o terceiro trimestre, o grupo refinou a previsão para o ano fiscal de 2019 dentro das margens publicadas: a Covestro antecipa um crescimento de um dígito do volume principal para 2019. Espera-se que o FOCF do grupo fique entre 300 e 500 milhões de euros, com ROCE de 8% a 10%. A projeção para o Ebitda do ano fiscal é que fique entre 1.570 e 1.650 milhões de euros.

Lançado novo programa de Economia Circular

Para manter o sucesso a longo prazo com suas soluções sustentáveis e inovadoras, a Covestro pretende reforçar seu foco na economia circular para o futuro e lançou um novo programa estratégico com essa finalidade. Nos seus processos produtivos, em particular, o grupo tem como objetivo utilizar, o máximo possível, matérias-primas de fontes sustentáveis, como matéria vegetal, resíduos e CO2. Isso deve eliminar o uso de recursos fósseis como petróleo bruto tanto quanto possível. Acima de tudo, os plásticos usados devem ser reciclados sistematicamente e o máximo possível.

Sustentabilidade e inovação também foram as palavras-chave na K2019, a maior feira comercial de plásticos do mundo realizada em Düsseldorf, Alemanha. Na feira, a Covestro apresentou muitos produtos e tecnologias diferentes que oferecem soluções para desafios globais urgentes. Por exemplo, expôs materiais de alta tecnologia que utilizam carbono em tecidos mais ecológicos, elevam o desempenho de turbinas eólicas e aceleram a expansão da tecnologia 5G.

Crescimento de volume no terceiro trimestre nos segmentos de Poliuretanos e Policarbonatos

Os volumes principais no segmento de Poliuretanos subiram 5,1%. O aumento da demanda nas indústrias de móveis, elétrica e eletrônica, especialmente em aparelhos domésticos e no setor de construção, mais que compensaram a demanda mais fraca na indústria automotiva. Contudo, as vendas nesse segmento caíram 20,1% para 1.478 milhões de euros devido à queda dos preços de venda, ocasionada pela maior pressão competitiva. Esse fenômeno também se refletiu no Ebitda, que caiu para 196 milhões de euros (-54,6%).

Os volumes principais em Policarbonatos subiram 9,3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. A indústria elétrica e eletrônica e o setor de construção foram os que mais contribuíram para esse crescimento. As vendas nesse segmento caíram 13,2% para 901 milhões de euros no terceiro trimestre de 2019. O Ebitda caiu 58,1% para 132 milhões de euros, devido, principalmente, à mudança negativa nos preços de venda.

O segmento de Revestimentos, Adesivos e Especialidades registrou queda de 4,0% nos volumes principais como resultado da demanda mais fraca por matérias-primas para revestimento por parte de todas as principais indústrias, especialmente do setor automotivo. Como resultado, as vendas caíram 3,0% para 588 milhões de euros. No terceiro trimestre de 2019, o Ebitda caiu 11,9% para 111 milhões de euros, movido por volumes menores e margens mais baixas.

Maior concorrência e novo patamar de preços marcam os primeiros nove meses

Conforme esperado, os primeiros nove meses foram marcados por concorrência crescente e mudança nos preços. O crescimento do volume principal atingiu 1,5%. As vendas totais caíram 15,8% para 9.548 milhões de euros, principalmente como resultado da baixa nos preços de venda. O Ebitda caiu 54,4% para 1.326 milhões de euros. A receita líquida atingiu 515 milhões de euros (-70,5%). O fluxo de caixa operacional livre decresceu para 143 milhões de euros (-89,1%).

Com 14,6 bilhões de euros em vendas em 2018, a Covestro é uma das maiores empresas mundiais de polímeros. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de materiais de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, de construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem 30 unidades de produção no mundo todo e empregava aproximadamente 16,8 mil pessoas (calculadas equivalendo à jornada integral) no fim de 2018.

Curta nossa página no

O Boticário desenvolve processo de reciclagem para tampas de perfumaria feitas com ionômero da Dow

09/11/2019

Com o processo, as tampas produzidas com Surlyn pós consumo, que antes não completavam o ciclo de reciclagem, transformam-se em novas tampas, voltando ao consumidor

O Boticário desenvolveu um processo inédito na América Latina para a reciclagem de tampas de perfumaria produzidas com Surlyn, ionômero fabricado pela Dow. Por ter uma grande complexidade, essa matéria-prima, apesar de ser reciclável em outras categorias, não vinha sendo viável no setor de cosméticos. Agora, as tampas podem ser recolhidas depois do consumo, separadas por cooperativas de reciclagem e, por fim, retornadas ao consumidor em novos produtos — dentro do processo de Logística Reversa.

O Surlyn é a resina utilizada em tampas de perfumaria. Segundo a Dow, sua maior propriedade comercial é a transparência, que confere aspecto premium às embalagens, além da versatilidade de design e alta resistência química. Segundo dados da Euromonitor International, o mercado de beleza e cuidados pessoais teve uma alta de 1,53%. Na categoria de perfumaria, a Abihpec destaca o pulo de 8,1% nas vendas dos fabricantes em 2018 e estima que, para 2019, o crescimento em vendas seja de 4,1%, a R$ 50,43 bilhões.

Por isso, o Grupo Boticário e todas as marcas que abrange – O Boticário; Eudora; quem disse, berenice?; The Beauty Box; Multi B e Vult, que têm o meio ambiente como um dos seus principais pilares, entendeu a importância de olhar para esse novo mercado e criar essa solução. Além de permitir o retorno sustentável das embalagens que vêm dos consumidores (PCR – pós consumo), o novo processo de reciclagem também reaproveita os rejeitos de Surlyn que são descartados em processos industriais (PIR – pós industrial).

“O desenvolvimento dessa tecnologia, que por meio da reciclagem inovadora proposta pelo Grupo Boticário causa pouco impacto na coloração das novas tampas, faz com que esses materiais (pós consumo e industriais) tornem-se novas peças para as perfumarias comercializadas pelo Grupo”, afirma Eduardo Fonseca, Diretor de Assuntos Institucionais do Grupo Boticário.

Segundo a empresa, o Boti Recicla é o maior programa de logística reversa do país, permitindo que consumidores retornem suas embalagens nos mais de 4 mil pontos de venda espalhados pelo Brasil e é a primeira etapa para a consolidação desse novo processo.

“A partir daí, inicia-se a participação das cooperativas, que separam as tampas recolhidas dos consumidores e ganham também um novo mercado, já que esses itens passam agora a ter um valor comercial e criam novas demandas. O terceiro passo é encaminhar todo esse material para a empresa de reciclagem Wise. É nessa etapa que o material descartado entra no processo de recuperação, através da lavagem, moagem e extrusão, dando origem aos pellets do Surlyn reciclado”, explica Alexandre Bouza, Head do Boticário.

Por fim, o material é encaminhado para a Aptar, empresa produtora das bombas e tampas dos produtos do Grupo Boticário, que passa a utilizar a resina reciclada em sua produção que será posteriormente direcionada para os consumidores.

O Boticário é uma empresa brasileira de cosméticos, unidade de negócios do Grupo Boticário. Inaugurada em 1977, em Curitiba (Paraná), a marca tem a maior rede franqueada de cosméticos do país com mais de 3.700 pontos de venda, em 1.750 cidades brasileiras, e mais de 900 franqueados. Presente em 15 países, há mais de 40 anos desenvolve novos produtos e conta com um portfólio com mais de 850 itens de perfumaria, maquiagem e cuidados pessoais. O programa de logística reversa da marca, o Boti Recicla, é um dos maiores do país em pontos de coleta – em todas as lojas os consumidores podem devolver as embalagens vazias, que são encaminhadas para a reciclagem correta. A sua fábrica de cosméticos de Camaçari (BA) é a primeira do segmento a receber o certificado LEED de construção sustentável no Brasil.

A Dow está presente no Brasil desde 1956. A companhia reúne atualmente cerca de 2.700 funcionários em suas 11 instalações, incluindo 9 unidades de produção em Aratu (BA), Breu Branco (PA), Campinas (SP), Guarujá (SP), Jacareí (SP), Jundiaí (SP), Palmyra (PA), Santa Vitória (MG) e Santos Dumont (MG), atendendo a clientes nos mercados de embalagens, infraestrutura e cuidados do consumidor.  A Dow opera 18 complexos de manufatura em 4 países da América Latina e entregou vendas líquidas pro forma de US $ 4,9 bilhões em 2018. Ao redor do mundo, a Companhia opera 113 fábricas em 31 países e emprega aproximadamente 37.000 funcionários. A Dow teve vendas pro forma de aproximadamente US$ 50 bilhões em 2018.

Curta nossa página no

Em sua 12ª edição, Embala Nordeste será realizada no Ceará

09/11/2019

Desde 2006, feira soma mais de 2 mil marcas expositoras, gerando R$ 15 bilhões em negócios no período

A Embala Nordeste, em sua 12ª edição, se consolida como uma das feiras mais importantes do setor da indústria de embalagens no Nordeste. Visando ampliar o setor e maior networking, a edição de 2019 traz novidades e tendências para o novo local do evento, em Fortaleza-CE. A Feira será realizada nos dias 5 e 6 de dezembro das 15h às 21h, no Centro de Eventos do Ceará, o mais moderno Centro de Feiras da região Nordeste.

Desde 2006, 11 edições foram realizadas em Recife-PE, com um histórico de 2 mil marcas expositoras, cerca de 80 mil visitantes e mais de R$ 15 bilhões em negócios gerados.

Setor da Indústria no Ceará

Mesmo com a crise que afetou todo o País, o Ceará foi o segundo estado que mais aumentou sua participação no valor da transformação industrial (VTI) no Nordeste em nove anos. Saiu de 11,6%, que tinha em 2008, para 15% em 2017, uma alta de 3,4 pontos percentuais, conforme a Pesquisa Industrial Anual, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No Ceará, o segmento que mais contribuiu a esse aumento de participação foi o de calçados, que teve, em nove anos, uma taxa de crescimento de 19,88% no valor de transformação industrial no Estado. Em seguida, aparece o segmento de vestuário e acessórios (11,45%). Todos estes setores impactam positivamente no aumento de consumo de embalagens.

“Grandes investimentos estruturais vem sendo realizados na região e o aumento do poder de compra propicia maior investimentos para a indústria local”, afirma Luiz Fernando (foto), diretor comercial da Embala Nordeste. “A Embala Nordeste contribui de forma direta para o incremento de novas tecnologias, e o desenvolvimento de embalagens”, conclui.

Edição 2019

A organização da feira estima 2 mil visitantes, com 50 marcas expositoras do setor de embalagens, refrigeração, maquinário para envase de bebidas, cosméticos, produtos de higiene e limpeza, farmacêuticos, automotivos equipamentos para embalar, marcação e codificação, serviços para o setor do plástico e impressão digital, num espaço de 3.000 m².

Serviço

Feira EMBALA NORDESTE 2019- 12ª edição
Dias: 5 e 6 de Dezembro.
Local: Centro de Eventos do Ceará – Pavilhão Oeste, Portão A.
Horário: 15h às 21h.
Endereço: Av. Washington Soares, 999 – Edson Queiroz, Fortaleza – CE.
http://www.embalane.com.br

Curta nossa página no

Grupo Solvay marca presença na OTC Brasil 2019 com compósitos e polímeros para a indústria de Petróleo e Gás

09/11/2019

Os materiais em compósitos e polímeros especiais para Petróleo e Gás foram o destaque da participação do Grupo Solvay na Offshore Technology Conference – OTC – Brasil 2019 (de 29 a 31 de outubro, no Centro de Convenções Sul América, no Rio de Janeiro).

A empresa, que foi uma das patrocinadoras do evento, lançou recentemente uma plataforma de compósitos termoplásticos para acelerar o desenvolvimento desses materiais e atender a diversos mercados, com destaque na região para o setor de produção e transporte de petróleo e gás.

Ao mesmo tempo, a Solvay acaba de colocar em operação nos Estados Unidos e na Europa dois novos centros de inovação dedicados aos polímeros especiais e compósitos de fibra de carbono.

Os novos centros de inovação fornecem ativos e recursos de ponta para acompanhar os clientes no projeto, prototipagem e teste de peças, permitindo uma grande aceleração do tempo de colocação no mercado desses materiais. No mercado de petróleo e gás, as aplicações desses materiais avançados visam, por exemplo, a substituição de tubos de metal suscetíveis à corrosão.

O Grupo Solvay já é um dos principais fornecedores do mercado de óleo e gás com seus polímeros especiais. A empresa fornece o polímero especial da linha Solef PVDF, com resistência inédita a temperaturas de até 150º C.

O produto, usado como camada de barreira em linhas flexíveis (risers) e mangueiras umbilicais, representa um avanço tecnológico no setor de extração de petróleo, uma vez que a temperatura máxima suportada por polímeros tradicionalmente usados na indústria do setor é de até 130º C. O Solef PVDF também pode ser empregado em revestimentos internos e externos, fios e cabos.

A Offshore Technology Conference (OTC), realizada no Brasil sob a coordenação do Instituto Brasileiro do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), abordou as principais questões do setor de petróleo e gás no Brasil, considerando também o cenário mundial, com a participação de referências internacionais no setor, além de diretores globais de Energia e Petróleo das principais companhias do segmento. Um dos principais temas da OTC 2019 foi a exploração e produção em áreas profundas, segmento em que o Grupo Solvay é um dos principais fornecedores de tecnologias e produtos.

A Solvay é uma empresa de materiais avançados e de especialidades químicas, com produtos e soluções utilizados em aviões, automóveis, dispositivos inteligentes e instrumentos médicos, baterias, na extração de minerais e petróleo, entre outras aplicações. A Solvay tem sede em Bruxelas e emprega 24.500 pessoas em 61 países. As vendas líquidas pro forma foram de € 10,3 bilhões em 2018, em 90% de atividades nas quais a Solvay está entre as três maiores empresas do mundo, resultando em uma margem de EBITDA de 22%.

Curta nossa página no

Evonik lança linha de copolímeros PLA-PEG bioabsorvíveis para aplicações no setor de dispositivos médicos implantáveis

09/11/2019

Evonik anunciou neste mês o lançamento comercial do primeiro portfólio de copolímeros PLA-PEG absorvíveis para aplicações no setor de dispositivos médicos implantáveis. Segundo a empresa, o portfólio inovador amplia a capacidade da Evonik de ajudar os clientes na área de dispositivos médicos a aumentar a segurança, a biocompatibilidade e o desempenho de seus produtos implantáveis, além de fortalecer o motor de crescimento Health & Care da empresa.

Segundo a Evonik, os copolímeros Resomer PLA-PEG combinam as propriedades hidrofóbicas (repelem a água) do poliácido láctico (PLA) com as propriedades hidrofílicas (atraem a água) do polietilenoglicol (PEG). Como copolímeros tribloco, o portfólio pode replicar a resistência mecânica dos polímeros Resomer padrão, mas a sua taxa de degradação é até seis vezes mais rápida. A empresa afirma que essa combinação única de resistência e degradação rápida permite que as empresas de dispositivos médicos desenvolvam uma nova classe de implantes absorvíveis para uso em áreas de aplicação, como cicatrização de ferimentos e pediatria, que se adaptem melhor ao processo de cicatrização natural do paciente.

Quatro tipos de Resomer PLA-PEG com tempos de degradação entre seis e doze meses ou menos foram desenvolvidos na linha Resomer padrão, informa o fabricante. Dois tipos já estão disponíveis e outros dois estão previstos para serem lançados nos próximos meses. Uma variedade de opções customizáveis também estão disponíveis na linha Resomer. A exemplo de outros produtos Resomer, os copolímeros Resomer PLA-PEG são fáceis de processar, compatíveis com todas as tecnologias relevantes e oferecem uma estabilidade de longa duração, garante a Evonik.

“Dispositivos médicos representam uma área de foco importante no motor de crescimento Health & Care da Evonik”, disse Dr. Jean-Luc Herbeaux, SVP e General Manager da linha de negócios Health Care da Evonik. “Nossa nova linha de copolímeros Resomer PLA-PEG é a mais recente inclusão em nosso portfólio de biomateriais funcionais, tecnologias de modificação superficial e serviços de aplicação para ajudar os clientes a aumentar a segurança, a biocompatibilidade e o desempenho de seus dispositivos médicos implantáveis”.

“A Evonik está satisfeita por ter se dedicado a essa necessidade de mercado não atendida de polímeros bioabsorvíveis que combinam extraordinária resistência com rápida degradação”, disse Dr. Andreas Karau, responsável global por Biomateriais na Evonik. “Será uma satisfação para nós ver os clientes se beneficiarem da nossa nova linha de copolímeros Resomer PLA-PEG para melhorar o desempenho dos dispositivos em uma variedade de áreas de aplicação, incluindo a cicatrização de ferimentos e pediatria”.

A linha de negócios Health Care, que integra o segmento Nutrition & Care da Evonik, atende a mais de 1.000 clientes nos setores farmacêutico, nutracêutico e de dispositivos médicos no mundo inteiro. Seu portfólio de polímeros absorvíveis Resomer, tecnologias de modificação superficial e serviços de tecnologia de aplicação representam um elemento central de expansão Health & Care.

Curta nossa página no

Tecniplas fornece tanques de compósitos para fábrica de alimentos no Paraguai

09/11/2019

A Tecniplas, empresa brasileira fabricante de tanques e equipamentos em compósitos de PRFV (Plástico Reforçado com Fibras de Vidro), acaba de despachar 14 tanques para o Paraguai. Os reservatórios serão instalados em uma fábrica de alimentos.

Com diâmetros que variam de 2.500 mm a 3.000 mm e capacidades entre 15 m³ e 70 m³, os tanques farão parte de sistemas de armazenagem de água – ácida, gelada e potável –, produtos químicos, a exemplo de soda cáustica, e efluentes industriais em geral.

“Foram desenvolvidos nas configurações vertical e horizontal para o trabalho em temperatura ambiente e sob pressão atmosférica”, observa Luís Gustavo Rossi, diretor da Tecniplas.

Em relação aos tanques para o armazenamento de água potável, Rossi destaca que a Tecniplas possui o Laudo de Inocuidade das resinas que processa, conforme exige a Portaria de Consolidação nº 05, de 28/09/2017, Anexo XX. “Isso nos habilita a fornecer reservatórios usados para a armazenagem não só de água potável, mas de qualquer tipo de insumo consumido pela indústria de alimentos e bebidas”, explica.

Além de ser atóxico e inócuo, salienta o fabricante, o PRFV é mais competitivo do que o aço inox normalmente empregado na fabricação dos tanques para a armazenagem de matérias-primas do setor alimentício.

“Com as mesmas dimensões e características técnicas, os tanques de plástico reforçado podem custar até 35% menos do que os de aço inox. Sem contar que são monolíticos, ou seja, moldados em uma única peça. Isso significa que não existem pontos de solda, áreas normalmente sujeitas a vazamentos”, detalha.

Fundada em 1976, a Tecniplas possui uma fábrica de 32 mil m² em Cabreúva (SP), atendendo aos setores de álcool e açúcar, papel e celulose, cloro-soda, química e petroquímica, fertilizantes, alimentos e bebidas e saneamento básico.

Curta nossa página no

Setor de compósitos projeta alta de 2% no faturamento de 2019

09/11/2019

  • Levantamento contratado pela Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (Almaco) prevê uma receita de R$ 2,703 bilhões no período
  • Construção civil lidera o consumo brasileiro de compósitos de poliéster

No primeiro semestre, o setor brasileiro de compósitos faturou R$ 1,298 bilhão, 0,24% acima do registrado em igual período do ano passado. Ainda que o desempenho tenha sido praticamente idêntico, a expectativa para o 2019 é de um crescimento de 2%, totalizando R$ 2,703 bilhões. Os números fazem parte do mais recente levantamento feito pela Maxiquim, consultoria contratada pela Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (Almaco).

Em relação às matérias-primas, prossegue a pesquisa, foram consumidas 98 mil toneladas de janeiro a junho, que devem se somar as 106 mil toneladas previstas para o segundo semestre. Assim, o volume de resinas, fibras de vidro e demais insumos processados em 2019 totalizará 204 mil toneladas, 1% a mais do que em 2018. A geração de empregos, por sua vez, apresentará ligeira queda de 0,6%, perfazendo 62,5 mil vagas.

“Nossas projeções para 2019 eram mais positivas, mas a estagnação econômica foi maior do que imaginávamos. De toda a forma, será o terceiro ano consecutivo que o setor de compósitos fechará no azul”, comenta Erika Bernardino Aprá, presidente da Almaco.

Com uma fatia de 35% do consumo local de compósitos de poliéster, a construção civil aparece à frente de transporte (30%), corrosão/saneamento (19%) e náutico (3%), entre outros. Já a geração de energia eólica responde por 90% da demanda por compósitos de epóxi. O setor de petróleo fica em segundo lugar, com 5%.

Fundada em 1981, a Almaco tem como missão representar, promover e fortalecer o desenvolvimento sustentável do mercado de compósitos. Com administração central no Brasil e sedes regionais no Chile, Argentina e Colômbia, a Almaco tem cerca de 400 associados (empresas, entidades e estudantes) e mantém, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), o Centro de Tecnologia em Compósitos (CETECOM), o maior do gênero na América Latina.

Resultantes da combinação entre polímeros e reforços – por exemplo, fibras de vidro –, os compósitos são conhecidos pelos elevados índices de resistência mecânica e química, associados à liberdade de design. Há mais de 50 mil aplicações catalogadas em todo o mundo, de caixas d’água, tubos e pás eólicas a peças de barcos, ônibus, trens e aviões.

Curta nossa página no

Stadler inaugura nova sede global na Alemanha

09/11/2019

A Stadler, líder de mercado no projeto e montagem de plantas de triagem para o setor de reciclagem e eliminação de resíduos, abriu uma nova sede global na Alemanha no dia 18 de outubro, em uma cerimônia de entrega de chaves. Em um evento de inauguração com a presença de VIP’s e executivos seniores da empresa, o Sr. Willi Stadler, CEO do Grupo Stadler, abriu as portas para um edifício moderno de cinco andares, com espaço para acomodar o crescimento recente e futuro da empresa.

O novo edifício mantém a Stadler na cidade de Altshausen, no estado alemão de Baden-Württemberg, onde a empresa está localizada há 228 anos. A sede foi construída em três fases, a partir de novembro de 2013, com um custo total de € 30 milhões. Com uma área útil de 680 metros quadrados, as instalações contêm 3.400 metros quadrados de escritórios, com espaços de trabalho para 100 pessoas (e previsões para mais), seis salas de reuniões e um auditório.

Por atuar no ramo da eliminação de resíduos e da economia circular emergente, a Stadler valoriza a preservação do meio ambiente, e o novo edifício reflete isso. Para aquecimento, resfriamento e iluminação, existe um sistema fotovoltaico com eficiência energética e recuperação de calor da planta de pintura a pó da empresa. A luz do dia e o calor naturais fluem para o edifício através do uso de vidro e de um átrio central, sendo a temperatura ambiente mantida o ano todo com sistemas de teto com aquecimento e resfriamento com eficiência energética.

Os discursos foram feitos na cerimônia de abertura pelo Sr. Stadler; pelo Sr. Patrick Bauser, prefeito de Altshausen; e pelo Sr. Franz-Josef, Gerente de Construção da Georg Reisch GmbH & Co KG, e responsável pela construção da sede. Os 100 participantes do evento incluíram políticos e empresários regionais e locais, parceiros de negócios da Stadler e chefes de departamento da empresa..

O Sr. Stadler comentou: “Estamos muito orgulhosos da nossa nova sede de última geração. Nosso investimento considerável neste edifício ajudará nosso negócio a crescer e a operar ainda mais eficientemente e ajudará a garantir que a Stadler seja um local agradável para trabalhar. Este é um dia importante em nossa história – um dia para refletir até onde chegamos como empresa e até onde ainda podemos ir, à medida que a necessidade de reciclagem de nosso planeta e uma economia circular se tornam cada vez mais urgentes”.

A cerimônia formal de inauguração foi seguida no sábado, 19 de outubro, pelo Dia da Família na nova sede. Isso deu a mais de 600 convidados dos funcionários e colaboradores da Stadler a oportunidade de visitar as instalações e desfrutar de hospitalidade informal, música ao vivo e uma ampla gama de atividades para crianças.

Embora a sede da Stadler esteja na Alemanha, o negócio é de natureza global. A Stadler já montou mais de 350 plantas de triagem e instalou mais de 3.000 máquinas de triagem em todo o mundo,.

Fundada em 1791, a Stadler é uma empresa familiar que se dedica ao planejamento, produção e montagem de sistemas e componentes de triagem para a indústria de tratamento e reciclagem de resíduos sólidos em todo o mundo. Sua equipe de mais de 450 funcionários oferece um serviço personalizado, desde o projeto conceitual ao planejamento, produção, modernização, otimização, montagem, comissionamento, reformas, desmontagem, manutenção e assistência técnica de componentes para completar os sistemas de reciclagem e classificação. Sua linha de produtos inclui separadores balísticos, correias transportadoras de transporte, tambores de triagem e removedores de rótulos. A empresa também é pode fornecer estruturas de aço e armários elétricos para as plantas que instala.

Curta nossa página no

Feira K 2019 chega ao final com a indústria de plásticos assumindo compromissos com a Economia Circular e o manuseio responsável dos plásticos

06/11/2019

  • Forte impulso para a indústria: alta propensão a investir entre os 224.116 visitantes comerciais de 168 países
  • Economia circular é o assunto de destaque para as indústrias globais de plásticos e borracha

Depois de oito dias de intensa visitação, a K, principal feira mundial da indústria de plásticos e borracha, chegou ao fim em Düsseldorf no dia 23 de outubro. Os 3.330 expositores de 63 países demonstraram de maneira impressionante: o plástico continua sendo um material inovador e indispensável. Mas eles também sublinharam de forma unânime a necessidade de se ter uma economia circular operacional ao longo de toda a cadeia de materiais e, para essa finalidade, já apresentaram inúmeras soluções concretas. As empresas buscaram sensibilizar as pessoas com esse foco pois os aproximadamente 224.116 visitantes de 168 países se interessaram especialmente por sistemas de reciclagem, matérias-primas sustentáveis ​​e processos com economia de recursos. Além disso, a K 2019 também foi caracterizada por uma alta propensão ao investimento, como de costume. A intenção do público internacional de se preparar para o futuro com as mais recentes tecnologias era claramente perceptível.

“A K 2019 chegou exatamente no momento certo. Sua enorme importância para o setor é sustentada por seus altos níveis de aceitação em todo o mundo. Não há outro lugar em que a indústria esteja representada tão internacionalmente e completamente como aqui em Düsseldorf a cada três anos ”, diz Werner Matthias Dornscheidt, Presidente e CEO da Messe Düsseldorf, que explica:“ Especialmente em tempos turbulentos, plataformas como a K são indispensáveis. Ela fornece orientações e perspectivas, é um fator econômico, mostra tendências prospectivas e abordagens concretas. A indústria e suas associações profissionais tiveram aqui a oportunidade única de apresentar soluções setoriais específicas e debater questões de relevância sócio-política em escala global. E eles capitalizaram muito bem essa oportunidade. ”

Ulrich Reifenhäuser, Presidente do Conselho Consultivo de Expositores da K 2019, ficou absolutamente encantado com os resultados da K 2019: “A indústria de plásticos e borracha conseguiu provar mais uma vez que os plásticos não são apenas materiais muito valiosos com propriedades excelentes, mas também que essa indústria assume a responsabilidade ao longo de toda a cadeia de valor. As palavras-chave da K 2019 “Reflita. Repense. Pense lateralmente. Pense de forma nova” foram espelhadas 1:1 nos estandes dos expositores. Nunca antes a indústria abordou uma questão de maneira tão unânime e trabalhou em soluções com tanta consistência como é o caso agora nos campos da compatibilidade ambiental, economia de recursos e prevenção de rejeitos. Há um espírito de novos caminhos prevalecendo na indústria e a dinâmica atual é esmagadora. ”

E o clima positivo que prevaleceu na K 2019 também foi ecoado pela demanda concreta nos estandes de exposições: “Tornou-se claro que a demanda global por máquinas e matérias-primas inovadoras é particularmente alta agora, apesar das atuais tensões no comércio mundial ou do clima de negócios em alguns setores de consumo. A feira K deste ano excedeu em muito as nossas expectativas e foi capaz de gerar um ímpeto essencial para a governança sustentável e novos modelos de negócios “, disse Reifenhäuser.

Os países especialmente bem representados por visitantes, depois da Alemanha, foram a Itália, Holanda, Índia, Turquia e China, seguidos pelos EUA. Além disso, um aumento acentuado no número de visitantes comerciais da Federação Russa, Japão e Brasil puderam ser registrados. O número de executivos entre os visitantes da K subiu um pouco, mais uma vez: 68% deles vieram da alta ou média gerência.

Enquanto que para os visitantes alemães o aumento da eficiência figurou como o tema atual mais importante, a expansão dos portfólios de produtos e serviços esteve em primeiro plano para os convidados do resto da Europa e de fora da Europa.

Os resultados de pesquisa realizada entre os visitantes confirmaram a opinião dos expositores, ou seja, que a origem internacional dos visitantes aumentou novamente: ficou em 73,1% em comparação com 70,8% em 2016. Mais de 42% de todos os visitantes estrangeiros vieram de fora da Europa – viajando para o Reno desde Angola, Burkina-Faso, Bahamas, Ilhas Cayman, República Dominicana, Honduras, Madagascar, Mauritânia, Mongólia, Mianmar, Polinésia Francesa ou Tajiquistão. Como esperado, os especialistas da Ásia responderam pelo maior grupo de visitantes estrangeiros: cerca de 40.000 visitantes vieram do Sul, Leste e Centro da Ásia. A Índia foi representada com o maior número de visitantes, enquanto o número de visitantes da China e do Japão aumentou novamente de forma consideravel.

Quase 20.000 visitantes viajaram para a K 2019 desde a América do Norte e do Sul, o que corresponde a um aumento de 7%. Em relação a 2016, houve um aumento especialmente acentuado no número de visitantes do Brasil.

Em termos de convidados dos países europeus vizinhos, a Itália dominou com mais de 10.000 visitantes, seguida pela Holanda (aproximadamente 9.000), Turquia (mais de 7.500) França (mais de 6.700), Bélgica (mais de 6.300), Espanha (mais de 5.100) e Rússia (cerca de 5.000).

A proporção de executivos entre os visitantes comerciais registrados estava em um nível extraordinariamente alto entre todos os países de origem: dois terços vieram da alta e média gerência.

Para os visitantes, há atualmente quatro metas em foco dentro de suas empresas: expansão da gama de produtos, aumento da eficiência, economia circular, ou seja, a sustentabilidade de seus produtos e a sustentabilidade de sua produção. Aproximadamente 60% dos visitantes classificaram o clima econômico atual como “muito bom” e “bom” e quase o mesmo número de pessoas espera que a situação seja semelhante nos próximos dois meses.

A fabricação de máquinas e equipamentos, o maior segmento da K 2019 com 1.975 expositores, também esteve no centro do interesse dos visitantes, com dois terços de todas as pessoas pesquisadas mencionando essa área em primeiro lugar. 52% disseram que estavam interessados ​​principalmente em matérias-primas e auxiliares, enquanto que os produtos semi-acabados, plásticos técnicos e peças de borracha foram a principal razão de sua vinda à feira para 28% dos visitantes (várias opções de escolha possíveis no questionário).

Mais uma vez, a K se destacou como plataforma para o lançamento de muitos produtos e aplicações prospectivas para um público global. Essas inovações não foram apenas contempladas, mas também houve muitas negociações concretas ocorrendo e contratos concluídos. “Constatamos que a propensão a investir foi extremamente alta, ocorrendo em todas os países. Em particular, os negócios com novos clientes foram muito positivos este ano. Também estamos muito confiantes de que os negócios de “follow up” pós-feiras serão muito fortes ”, diz Reifenhäuser.

Mais da metade dos tomadores de decisão da indústria declararam que haviam chegado a Düsseldorf com intenções concretas de investimento. Para visitantes de todo o mundo, o investimento em expansões foi figurou como particularmente alto na pesquisa, especialmente em extrusoras e linhas de extrusão, máquinas de moldagem por injeção, bem como máquinas e equipamentos para recuperação e reciclagem. A pesquisa que entrevistou os visitantes da K também mostrou que o interesse em sistemas de reciclagem é notavelmente mais alto no exterior do que na Alemanha.

Materiais flexíveis – borrachas e elastômeros termoplásticos (TPE) – também provaram novamente ser um destaque na K. Embora o segmento de elastômeros seja tradicionalmente menor do que o setor de plásticos na K, houve um grande número de expositores apresentando produtos e processos de conversão específicos para elastômeros – tanto matérias-primas, aditivos ou compostos como máquinas e equipamentos especiais para recuperação e conversão.

Os visitantes vieram de todas as principais indústrias de usuários finais – desde embalagens, construção e automotiva até aplicações elétricas, tecnologias para dispositivos médicos e agricultura. No geral, os visitantes novamente atribuíram notas máximas à variedade de produtos e serviços exibidas nos 18 pavilhões: 96% ficaram impressionados com as gamas exibidas na K 2019 e 95% confirmaram que alcançaram seus objetivos integralmente ao longo de suas visitas.

O extenso programa de apoio à K 2019, com palestras e discussões de alto calibre sobre temas tais como energias renováveis, eficiência de materiais ou produção com zero desperdício, foi recebido com ávido interesse pelo público internacional, especialmente a Mostra Special K 2019 “Plastics shape the Future”. Este ano, o poder inovador do material e da indústria em termos de processos com economia de recursos, digitalização, funcionalidade, energias renováveis, circularidade e sustentabilidade estiveram no centro do palco. E temas críticos como os resíduos plásticos marinhos, a mentalidade de descarte associada às embalagens plásticas e o uso de recursos finitos para sua produção também não foram ignorados. Um dos destaques foi um robô humanóide construído durante a K 2019 por jovens pesquisadores da F

abLab Lübeck e.V., servindo como um exemplo para mostrar a direção para onde os desenvolvimentos estão indo no futuro, quando a fabricação aditiva e a robótica são combinadas com materiais de ponta, como os plásticos.

No Campus da Ciência, tanto os expositores como os visitantes do K 2019 tiveram uma visão geral condensada das atividades científicas e dos resultados no setor de plásticos e borracha. Inúmeras universidades, institutos e agências de financiamento ofereceram oportunidades para o diálogo direto.

A próxima feira K em Düsseldorf será realizada de 19 a 26 de outubro de 2022.

Curta nossa página no

Wacker apresenta novos grades de borracha de silicone líquido e sólido durante a K 2019

05/11/2019

A Wacker, grupo químico com sede em Munique (Alemanha), apresentou várias inovações à base de silicone na K 2019, Feira Internacional de Plásticos e Borracha. Os principais produtos novos incluíram elastômeros de silicone resistentes ao fogo, grades de borracha de silicone autoadesivas com superfícies de baixo atrito e laminados de silicone ultrafinos para aplicações eletroativas. O foco também foi em grades de borracha de silicone líquido que, graças ao seu conteúdo volátil bastante reduzido, não exigem necessariamente pós-cura . Um novo aditivo à base de silicone também estreou, permitindo que os fabricantes de compostos de elastômeros termoplásticos produzam plásticos mais macios e mais repelentes à sujeira. Com impressão multimaterial, novo autocontrole e vários aprimoramentos técnicos em termos de liberdade de design e precisão, a última geração de impressoras de silicone em 3D da Wacker também foi um destaque na feira.

Na maior feira mundial de plásticos e borracha, o grupo químico de Munique apresentou suas inovações sob o lema “Thinking Beyond” (Pensando além). Em uma área de 300 metros quadrados, uma diversidade de novos produtos variava desde silicones condutores térmicos para resfriamento de baterias em veículos elétricos, borrachas de silicone retardantes de chama e silicones autoadesivos com superfícies de baixo atrito até laminados de silicone eletroativos para atuadores e sensores.

“Os silicones são extremamente versáteis e eficazes. Eles são essenciais para novas soluções de produtos e pertencem aos motores de inovação em setores-chave da indústria, como automotivo, médico e eletrônico ”, diz Robert Gnann, chefe da divisão de negócios da Wacker Silicones. “Os silicones são, portanto, cada vez mais procurados em muitos setores. As tecnologias futuras como mobilidade eletrônica e digitalização, os esforços globais para aumentar os padrões de vida e saúde e alcançar os objetivos de sustentabilidade da União Europeia e das Nações Unidas dificilmente serão viáveis ​​sem materiais de alto desempenho como os silicones. ”

O aumento de exigências nas especificações de produto e da indústria também apresenta um grande desafio para os fabricantes. “Alguns materiais padrão não conseguem mais acompanhar esse desenvolvimento”, disse Christian Gimber, vice-presidente de engenharia de silicones da Wacker Silicones. “É por isso que mais e mais empresas estão contando com elastômeros de silicone. Graças às suas excelentes propriedades mecânicas e químicas, os silicones tornaram-se indispensáveis ​​para solucionar problemas técnicos exigentes e desenvolver e implementar tecnologias inovadoras. ”

O Stand da Wacker na K 2019 abordou oito tópicos

Na feira deste ano, o estande da Wacker abordou oito tópicos. Um deles focalizou-se nas vantagens da borracha de silicone líquida, que contém muito poucos componentes voláteis. Desde o início de 2019, isso se aplica aos silicones Elastosil LR 3xxx, Elastosil LR 6xxx e Silpuran 6xxx fabricados na Europa. Graças às tecnologias de processo modernas, a Wacker diz que conseguiu reduzir o conteúdo de siloxanos voláteis Dx em sua borracha de silicone líquido em pelo menos 90%. Ao atualizar o portfólio de LSR dessa maneira, a empresa diz estar permitindo que os fabricantes de peças de silicone atendam aos requisitos regulatórios e à indústria, bem como às necessidades dos clientes de maneira mais rápida e confiável. Segundo a empresa, a sua iniciativa está estabelecendo novos padrões industriais em todo o mundo.

De acordo com a Wacker, a linha de produtos Elastosil LR 5040 cura para formar elastômeros que possuem as mesmas propriedades mecânicas sem tratamento térmico que um produto que foi pós-curado. Com isso, os usuários podem pular completamente a etapa longa e dispendiosa do processo de pós-cura, diz a Wacker. Devido à sua alta pureza, as peças feitas de Elastosil LR 5040 são adequadas para aplicações de contato com alimentos e podem ser usadas de acordo com as recomendações do Instituto Federal Alemão para Avaliação de Riscos (BfR) e da US Food and Drug Administration (FDA), garante a Wacker. Eles também atendem aos critérios dos testes de biocompatibilidade selecionados na ISO 10993 e na Farmacopeia dos EUA (Classe VI).

O Elastosil LR 5040 também esteve no centro da demonstração de moldagem por injeção deste ano no estande da Wacker.  Peças para contato com alimentos foram produzidas a partir da borracha de silicone líquido.

Borracha de silicone sólido para o novo padrão de segurança contra incêndio

A segurança contra incêndios em meios de transporte ferroviário é regida por normas nacionais. Com a norma EN 45545-2 em vigor na Europa, os requisitos de segurança que os fabricantes de componentes para trens devem atender se tornaram mais rígidos. A Wacker afirma que seu portfólio de produtos já inclui soluções de borracha de silicone sólido e líquido já certificadas para uma grande parte das aplicações mencionadas na EN 45545-2 – especialmente aquelas sujeitas aos conjuntos de requisitos R22 e R23 da norma.

Agora, para permitir que os fabricantes produzam articulações e perfis de grande formato para trens, em conformidade com os novos códigos de segurança contra incêndio, o grupo químico de Munique adicionou um novo grade de borracha de silicone sólida retardante de chamas ao portfólio de produtos. Segundo a Wacker, o Elastosil R 771 atende aos códigos de segurança contra incêndio atuais e permite a fabricação de componentes para trens de acordo com os requisitos R1 e R7. A Wacker afirma que isto a torna um dos primeiros produtores de silicone do mundo a oferecerem um composto de borracha de silicone certificado e aprovado para o novo padrão.

Silicones líquidos autoadesivos com menos atrito

A Wacker expandiu seu portfólio de borracha de silicone líquido auto-adesivo com mais duas linhas de produtos: Elastosil LR 3671 para aplicações em tecnologia de alimentos e Elastosil LR 3675 para a indústria automotiva. A empresa combinou nesses produtos duas tecnologias firmemente estabelecidas na indústria de compostos de silicone, com um histórico em inúmeras aplicações: silicones com propriedades autoadesivas e grades com superfícies intrinsicamente de baixo atrito.

A Wacker diz que os novos grades de borracha de silicone líquido aderem a metais e termoplásticos selecionados e curam para formar elastômeros com superfícies secas e de baixo atrito. Assim, eles tornam possível a produção econômica em larga escala de compósitos duros / macios moldados por injeção, afirma a empresa.

Laminado de silicone para sensores e atuadores

O Nexipal é um novo laminado de silicone com propriedades eletroativas. Segundo a Wacker, ele consiste de vários filmes de silicone de precisão ultrafinos, que são revestidos com material eletricamente condutor antes da laminação. O resultado é um atuador que cria movimento, assim que a tensão elétrica é aplicada.

Os laminados podem, além disso, ser utilizados para medir eletricamente a deformação mecânica. Assim, o Nexipal também pode servir como um sensor. A Wacker afirma que o produto é livre de desgaste, compacto e economiza energia, sendo ideal para uso em aplicações inovadoras. Os displays de tablets equipados com Nexipal são capazes de criar vibrações e feedback tátil que simulam o formato das teclas ou painéis de controle que podem ser operados às cegas pelo toque, afirma a empresa. Esse recurso pode ser especialmente útil em aplicações automotivas.

Genioplast Pellet 345

O Genioplast Pellet 345 complementa o portfólio de aditivos da Wacker à base de silicone para compostos de polímeros termoplásticos. O produto foi desenvolvido especificamente tendo em mente poliuretanos termoplásticos (TPUs), mas também pode ser usado para modificar outros elastômeros termoplásticos. Por exemplo, o produto, que é fornecido na forma de pellets, pode aumentar acentuadamente as propriedades dos elastômeros termoplásticos de copoliéster e poliamida, afirma a Wacker.

O Genioplast Pellet 345 é um copolímero de silicone e é processado como um termoplástico. O fabricante afirma que os segmentos de polímeros orgânicos contidos no Genioplast Pellet 345 o tornam tão compatível com poliuretanos termoplásticos que, ao contrário dos silicones convencionais, ele se dispersa de maneira muito fina e homogênea por toda a matriz de poliuretano. Ao fazer isso, torna-se fisicamente vinculado à matriz e, portanto, não pode migrar.

De acordo com a Wacker, a adição do Genioplast Pellet 345 aumenta a suavidade da superfície dos poliuretanos termoplásticos, aumentando assim sua resistência ao risco e à abrasão. Além disso, as superfícies se tornam mais resistentes à contaminação por alimentos e cosméticos, explica o fabricante. Na Europa, o produto também é autorizado para aplicações de contato com alimentos.

Impressão 3D com silicone

Na K deste ano, a Wacker apresentou sua mais recente inovação no campo da impressão 3D com silicone real: o ACEO® Imagine Series K2. Com seus múltiplos bicos de impressão, a nova impressora pode imprimir até quatro diferentes materiais de silicone simultaneamente, permitindo a realização de projetos totalmente novos, diz a Wacker. Os objetos 3D agora podem ser impressos em cores diferentes e com diferentes graus de dureza. A nova tecnologia também beneficia a impressão de objetos que requerem material de suporte. Para esses casos, estão disponíveis até três materiais ou cores diferentes.

Outro destaque é a nova tecnologia de controle automático da ACEO. Ele mede a camada de silicone aplicada a cada operação de impressão e a compara com o valor alvo especificado no modelo CAD. Se o programa detectar discrepâncias, elas serão corrigidas automaticamente nas próximas camadas. Dessa maneira, a nova impressora produz impressões 3D precisas e detalhadas, que são adequadas mesmo para aplicações industriais difíceis, garante a Wacker.

Curta nossa página no

Reunião-Jantar do Simplás terá lançamento de nova premiação setorial

05/11/2019

1º Prêmio Plástico Sul de Inovação e Sustentabilidade será apresentado no evento que fecha o calendário oficial da entidade em 2019

O evento que encerra o calendário oficial de atividades do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás) em 2019 foi o escolhido para a apresentação de um novo prêmio setorial, com alcance para todo o Sul do Brasil. O 1º Prêmio Plástico Sul de Inovação e Sustentabilidade será lançado na última Reunião-Jantar da temporada, dia 11 de novembro (segunda-feira), a partir das 19h30, no Restaurante Sica, da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (RS).

A iniciativa é da Conceitual Brasil, responsável por algumas das mais tradicionais e respeitadas publicações do setor no país, as revistas Plástico Sul e Plástico Nordeste. Segundo os organizadores, trata-se de um reconhecimento sem similar no mercado, justamente por ser direcionado à valorização do transformador, a partir de exemplos reais.

“Em 2020 completaremos 20 anos de Plástico Sul e consideramos este o momento ideal para iniciar a premiação. Assim, convidamos uma consultoria de peso no mercado, a Maxiquim, e pedimos o apoio de entidades de alta representatividade na região. O intuito é engajar todo o mercado do Sul do país nesta ação. O evento de entrega dos troféus será durante a Interplast 2020 que também completará 20 anos na ocasião, em Joinville (SC)”, revela a editora Melina Gonçalves.

Entre os objetivos da nova iniciativa estão valorizar as ações inovadoras e sustentáveis das empresas fabricantes de plásticos da região sul do país, reforçar as marcas que apostam nos três estados como propulsores de desenvolvimento do setor e oferecer ao mercado uma premiação técnica.

“A premiação cria uma sinergia entre todos os elos da cadeia de transformação de plásticos e destaca realizações dos fabricantes de material plástico de Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. O reconhecimento parte tanto da opinião pública envolvida com o setor quanto dos fornecedores que são convidados a patrocinar o Prêmio”, detalha Melina.

A seleção dos vencedores ocorrerá por meio de comissão julgadora composta por representantes de sindicatos dos três estados do Sul do país, do patrocinador principal, da consultoria Maxiquim e da Revista Plástico Sul.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Simplás

Curta nossa página no

Covestro na K 2019 – Movendo as fronteiras para um mundo sustentável e digital

05/11/2019

  • Programa estratégico para economia circular
  • Soluções inovadoras para indústrias-chave
  • Conceito abrangente de interior de veículo para mobilidade futura
  • Foco em definição de tendências

Na feira de plásticos K 2019, a Covestro apresentou produtos e soluções inovadoras, particularmente para sustentabilidade e digitalização, as principais tendências de nosso tempo. Com um programa estratégico, a Covestro visa promover a economia circular e o uso de matérias-primas não fósseis na indústria de plásticos. A empresa também apresentou produtos e tecnologias para setores-chave, como as indústrias automotiva, de construção e eletrônica, além de aplicações inovadoras e funcionais nos setores de saúde, móveis, esportes e lazer.

Além da digitalização, os objetivos da ONU para o desenvolvimento sustentável irão influenciar de modo especial a economia e a sociedade nos próximos anos. A Covestro afirma estar determinada a cumprir essas metas de sustentabilidade em vários níveis. Segundo a empresa, atendê-las não é apenas um pré-requisito para um mundo melhor, mais limpo e saudável, mas traz consigo também possui um grande potencial econômico a longo prazo.

Mudança para a economia circular é indispensável

“Megatendências como a proteção climática e o crescimento populacional exigem um fundamental repensar sobre o estilo de vida e o comportamento do consumidor, assim como da produção global”, disse o CEO Dr. Markus Steilemann. “Precisamos de uma transição completa de uma economia descartável para uma economia circular, a fim de lidar com recursos limitados com mais responsabilidade e proteger o clima.”

A Covestro está comprometida em estabelecer novos ciclos de materiais em toda a cadeia de processos, com o objetivo de contribuir de maneira tangível para alcançar esse objetivo principal. “Criamos um programa abrangente e de longo prazo que também abrirá novas oportunidades para criação de valor”, explicou Steilemann. “Os plásticos de alta qualidade são e continuarão sendo o motor para a sustentabilidade e superação dos desafios globais. No entanto, é crucial desacoplar o crescimento econômico do consumo de recursos fósseis, como o petróleo bruto. ”

Afastando-se do petróleo

Um aspecto fundamental para o desenvolvimento de uma economia circular na indústria de plásticos e de produtos químicos é o fechamento do ciclo do carbono através da reciclagem de matérias-primas. “A longo prazo, queremos fazer o máximo possível sem usar recursos fósseis e, alternativamente, usar fontes como resíduos, plantas e CO2”, disse Steilemann. “Em particular, os plásticos usados ​​são um recurso valioso. É por isso que queremos trabalhar com parceiros para desenvolver intensivamente métodos inovadores de reciclagem ”, afirmou o CEO da Covestro. Sob nenhuma circunstância o lixo plástico deve mais entrar sem controle no meio-ambiente, além do que já ocorreu até hoje. A indústria de plásticos está trabalhando intensivamente em todo o mundo para uma melhor gestão de resíduos – por exemplo, na Alliance to End Plastic Waste, da qual a Covestro é membro.

Dada a sua importância, a empresa dedicou um Dia Temático especial à Economia Circular em seu estande na quarta-feira, 23 de outubro. Especialistas externos e internos apresentaram exemplos práticos e discutiram com os visitantes. No estande da Covestro, eles também encontraram muitos exemplos de produtos e tecnologias que podem ajudar a fechar ciclos de materiais em vários setores.

A Covestro é uma das pioneiras no uso do CO2 de emissões industriais como nova matéria-prima. Uma equipe da Covestro e da Universidade RWTH Aachen está agora competindo na rodada final do Prêmio do Presidente Alemão em virtude do desenvolvimento de um processo correspondente. As exposições baseadas nessa tecnologia foram especialmente apresentadas no estande. Com materiais e tecnologias modernas, a empresa também apóia o fornecimento de energia a partir de fontes renováveis.

A digitalização como fator de crescimento

Outra força motriz para o desenvolvimento da economia e da sociedade nos próximos anos é a digitalização ora em andamento. A Covestro quer aproveitar as oportunidades resultantes e iniciou um programa estratégico abrangente, com foco no cliente. Para isso, a empresa está ancorando tecnologias e processos digitais ao longo da cadeia de valor – desde a cadeia de suprimentos até a produção, pesquisa e todas as interfaces com os clientes, incluind também o desenvolvimento de novos modelos de negócios. Vários desenvolvimentos e exposições na K 2019, bem como um Dia Temático separado, na terça-feira, 22 de outubro, destacaram a grande importância da digitalização para a Covestro e seus clientes.

Dias Temáticos – do Automóvel à Ciência

Em cada um dos oito dias da feira, os visitantes puderam experimentar como a Covestro está explorando as fronteiras de temas diferentes. Palestras e discussões com especialistas da indústria e da academia serviram para aprofundar o tópico e promover o intercâmbio pessoal.

Setor Automotivo (16 de outubro)

O destaque da apresentação da Covestro na feira foi um conceito interior abrangente para a mobilidade futura: tendências como direção autônoma, acionamento elétrico e compartilhamento de carros fazem do automóvel um espaço multifuncional para a vida e o trabalho em movimento. É tudo uma questão de funcionalidade, conforto, design e também de eficiência. A Covestro desenvolveu o conceito em conjunto com importantes parceiros ao longo da cadeia de valor automotivo. As principais características são superfícies recém-projetadas, integração de iluminação ambiente, sistemas de infotainment mais recentes e conceitos de assentos futurísticos. Na quarta-feira, 16 de outubro, a empresa dedicou um Dia Temático especial à indústria automotiva.

Celebração da Ciência (17 de outubro)

O segundo dia da K 2019 foi dedicado às atuais descobertas de pesquisas em ciência de polímeros.

O destaque foi a entrega do Covestro Science Award ao cientista americano Dr. Newell Washburn, em reconhecimento ao seu papel pioneiro em uma inovação científica digital que acelera o desenvolvimento de formulações personalizadas de polímeros. O Dr. Washburn é professor associado de química e engenharia biomédica no departamento de ciência e engenharia de materiais da Universidade Carnegie Mellon (CMU) de Pittsburgh.

O segundo prêmio, a Covestro Science Medal, foi atribuído a uma equipe de químicos e engenheiros da Covestro. Rainer Weber, Andreas Bulan, Michael Großholz, Rainer Hellmich e Giorgio Dolfini desenvolveram e aplicaram com êxito uma pesquisa científica inovadora sobre a produção de um produto químico básico com menos consumo de energia e, portanto, menos impacto ambiental: eles conseguiram economizar 25% de eletricidade durante a produção de cloro.

Desafio de start-up (20 de outubro)

Com o Start-Up Challenge, a Covestro tem como objetivo promover a criatividade e o pensamento empreendedor de seus funcionários e encontrar a melhor ideia de negócios de 2019. Os vencedores da primeira competição foram escolhidos na feira: eles poderão trabalhar como fundadores , implemente suas idéias e testar sua comercialização. Em troca, eles receberão um financiamento inicial de até um milhão de euros, serão liberados de suas tarefas por até um ano e poderão trabalhar na empresa como start-ups. As idéias das seis equipes finalistas estavam focadas no desenvolvimento da economia circular.

A idéia ganhadora é promissora: novos materiais plásticos podem contribuir para tempos mais rápidos de carregamento de baterias em veículos elétricos. Com a idéia de “Separador de energia”, a equipe vencedora do Start-up Challenge deste ano deseja usar o know-how da Covestro no campo de materiais de alta tecnologia para lançar uma nova geração de separadores de bateria no mercado. Seu objetivo é melhorar a confiabilidade e a eficiência operacional das baterias de íons de lítio e contribuir para o desenvolvimento sustentável do setor de eletromobilidade. Dessa maneira, a idéia apóia vários dos objetivos das Nações Unidas para o desenvolvimento sustentável.

Pesquisa de talentos

No K 2019, a Covestro também se apresentou como um empregador atraente para estudantes, funcionários juniores e profissionais experientes.

Com vendas de 14,6 bilhões de euros em 2018, a Covestro está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. As atividades comerciais estão focadas na fabricação de materiais poliméricos de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos utilizados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são as indústrias automotiva, de construção, processamento de madeira e móveis e elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esporte e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro possui 30 unidades de produção em todo o mundo e emprega aproximadamente 16.800 pessoas (calculadas como equivalentes em período integral) no final de 2018.

Curta nossa página no

Arburg enfatiza foco na Economia Circular e Digitalização e define tendências em injeção durante a K 2019

05/11/2019

• Humor muito positivo durante a feira
• “arburgXworld”: digitalização aumenta a eficiência da produção
• “arburgGREENworld”: aplicações e soluções sustentáveis ​​para economia circular

Muita digitalização, experiência concentrada na economia circular, 20 exposições em estandes próprios e de parceiros, incluindo estreias de produtos e aplicações inovadoras: na K 2019, a Arburg buscou auxiliar seus clientes a obterem mais eficiência de produção no processamento de plásticos. Com o “arburgXworld” e o “arburgGREENworld”, a empresa conseguiu capturar o espírito do momento.

“Muitos de nossos clientes consideram a atual situação econômica não apenas como um desafio, mas também como uma oportunidade. Havia muitos visitantes em nosso stand que procuraram informações sobre inovações e tendências no setor de moldagem por injeção e nos fizeram perguntas muito específicas”, resumiu Michael Hehl, sócio-gerente e porta-voz da equipe de gerenciamento. “Reunimos mais de 550 funcionários e parceiros comerciais de mais de 50 países na K 2019 e mostramos aos profissionais do setor que: “Wir sind da” (lema da Arburg que, em alemão, significa: “Nós estamos aí”)”, acrescentou Juliane Hehl, sócia-gerente atualmente responsável pelos assuntos de tecnologia e marketing na Arburg. “Além dos grandes tópicos de digitalização e economia circular, nossos clientes estavam particularmente interessados ​​em máquinas de moldagem por injeção especialmente configuradas – e a primeira de nossas máquinas disponíveis para pedidos on-line, o novo Allrounder 270 S compact, foi muito bem recebida.

“ArburgXworld”: Arburg avança na digitalização

Sob a bandeira “arburgXworld”, a Arburg apresentou destaques e inovações de sua gama de produtos e serviços digitais. Isso incluiu uma variedade de novos aplicativos para o portal do cliente com o mesmo nome – do “Machine Finder” para encontrar a máquina Allrounder adequada e o “Virtual Control” para simular o sistema de controle da máquina, até o “Self Service” para análise de erros e solução de problemas sob orientação . O aplicativo “Configuration” permite que os clientes configurem uma nova máquina – a Allrounder 270 S compact – pela primeira vez sozinhos e façam o pedido on-line. A partir da K 2019, o “arburgXworld” também estará disponível internacionalmente em 18 idiomas.

Em um total de onze estações interativas ao longo do “Caminho para a digitalização”, os visitantes puderam aprender mais sobre máquinas inteligentes, produção inteligente e serviços inteligentes. Soluções de serviços digitais, como o Arburg Remote Service (ARS) e os novos assistentes de preenchimento e plastificação (que permitem que a máquina “conheça” seu produto ou módulo de cilindro) eram particularmente procurados. Outro “agrado digital” fornecido por Arburg foi o uso gratuito de uma conexão Wi-Fi rápida em todo os pavilhões de exposição da Feira K 2019, disponibilizado para visitantes do evento. O aplicativo “Arburg K 2019” permitiu que os usuários se registrassem e descobrissem on-line todas as exposições e aplicativos da empresa.

arburgGREENworld: exemplos de aplicação para a economia circular

Com seu programa “arburgGREENworld”, a Arburg colocou o foco na eficiência de recursos e na economia circular durante a K 2019. O programa é baseado em quatro pilares: “Máquina Verde”, que se relaciona com uma tecnologia de máquina eficiente; “Produção Verde” para processos inovadores e produção amigável aos recursos; “Serviços Verdes”, que abrange serviços e a transferência de conhecimentos, por exemplo, no processamento de reciclados e “Ambiente Verde” para os processos internos da Arburg.

Arburg apresentou duas exposições como exemplos de aplicações específicas em relação à economia circular:

• Um novo Allrounder 1020 H na versão Packaging processou Polipropileno da Borealis junto com 30% adicionado de material reciclado de tipo único de PP para produzir copos de paredes finas. A Erema é a empresa parceira para fabricar o reciclado. Esta aplicação prova que, se os plásticos forem coletados de maneira sensível e confiável, eles também poderão ser reintroduzidos na cadeia de valor.

• A segunda aplicação deixou claro como o PCR (reciclado pós-consumo) do lixo doméstico pode ser devolvida ao ciclo de produção como matéria-prima para produtos técnicos duráveis. Além disso, um Allrounder 630 A elétrico de dois componentes produziu cabos de espuma de PCR e TPE para as portas de segurança nas máquinas de moldagem por injeção Allrounder.

Estreias de máquinas – forças de fechamento de 350 a 6.000 kN

O Allrounder 270 S hidráulico compacto com uma força de fechamento de 350 kN estreou na K 2019. É a primeira máquina Arburg que pode ser configurada e encomendada on-line em apenas algumas etapas através do portal do cliente “arburgXworld” – de maneira rápida, fácil, e também cerca de 25% mais barato, em comparação com as máquinas hidráulicas padrão, afirma a Arburg.

No outro extremo da balança está a nova Allrounder 1020 H na versão “Packaging”. A máquina híbrida de alto desempenho com força de fechamento de 6.000 kN e uma nova unidade de injeção de tamanho 7000 utilizou um molde stack de 8 + 8 cavidades para produzir 16 copos redondos de paredes finas em um tempo de ciclo de 4,3 segundos. A Allrounder com novo design da seção de fechamento, com sistema de controle Gestica, está equipada com quatro pacotes de assistência como padrão, tornando-a “pronta para digitalização”.

A gama de máquinas verticais de mesa rotativa da Arburg agora inclui uma opção de diâmetro de mesa de 1.600 mm com a Allrounder 1600 T. Esta nova máquina, exibida no stand da Lauffer, tem uma força de fechamento de 2.000 kN, pode ser equipada com unidades de injeção variando de tamanhos 170 a 800, e pode ser automatizada até um completo sistema turnkey.

Aplicações – de óculos Uvex a luzes noturnas

Um sistema turnkey “inteligente” em rede construído em torno de um Allrounder 570 A com os assistentes de preenchimento e plastificação integrados no sistema de controle Gestica produziu óculos de sol prontos para uso em um tempo de ciclo de cerca de 50 segundos. O sistema incluiu um robô de seis eixos para o manuseio, verificação 100% e subsequente empacotamento em sacos de tecido, envolvendo cooperação homem / robô. O Módulo Arburg Turnkey (ATCM) mesclou os dados de processo e teste que foram exibidos em um website individual após o escaneamento do código DM.

Uma célula de produção particularmente compacta fabricou tampas delicadas de LSR (borracha de silicone líquido) para micro-interruptores. Um Allrounder elétrico 270 A elétrico foi equipada com uma unidade de microinjeção de tamanho 5, uma rosca de 8 milímetros e um cartucho de LSR com capacidade de 290 mililitros para injetar as tampas de silicone líquido (LSR), cada uma delas pesando apenas 0,009 gramas. Um módulo de ar limpo com ionização, situado acima da unidade de fechamento, preveniu a formação de cargas eletrostáticas. As peças moldadas foram removidas por um sistema robótico Multilift H 3 + 1, visualmente inspecionado diretamente na pinça e embaladas em sacos de papel.

Um Allrounder elétrico 370 E Golden Electric usou um molde família de 1 + 1 cavidade para produzir alternadamente uma roda dentada magnetizada com oito pólos e um rotor com quatro pólos, em um tempo de ciclo de cerca de 85 segundos. Graças às duas cavidades do molde e ao sistema de controle Selogica, os itens puderam ser produzidos sem a necessidade de conversões ou sequências fora do padrão. Um composto magnético unido a plástico foi processado com base em PA6. A magnetização ocorreu no próprio molde através de ímãs permanentes. A pinça a vácuo de 2 componentes do Multilift Select foi fabricada através de impressão 3D como uma peça funcional mista dura / macia em um Arburg Freeformer 300-3X

Uma Allrounder vertical 375 V com uma célula de estampagem / dobragem a montante e um Multilift Select que foi montado para economizar espaço sobreinjetaram peças carregadas com PA6 (GB30) preenchido com esferas de vidro para produzir insertos de plugue. Em seguida, as peças pré-moldadas foram conduzidas em porta-peças para o estande da parceira da Arburg, Plasmatreat, onde foram transformadas em conectores híbridos acabados usando um Allrounder elétrico 470 A.

Com uma célula de sala limpa baseada em uma Allrounder 470 A elétrica, a Arburg demonstrou como produtos funcionais podem ser criados com Film Insert Moulding (FIM), usando a tecnologia IMSE de seu parceiro finlandês, Tactotek, como exemplo. Para esse fim, os filmes de toque e 3D com componentes eletrônicos e LEDs integrados foram inseridos no molde e laminados, removidos por um robô de seis eixos, transferidos para uma estação de teste de LEDs e assentados. Então, eles foram montados manualmente com uma placa de circuito e uma base para criar uma luz noturna na área de trabalho com uma segunda conexão para carregar um smartphone. Em geral, o processo FIM é ideal para funções de toque de alta qualidade, por exemplo em interiores de automóveis, e também para o setor de eletrônicos e tecnologia médica.

O Freeformer 300-4X produz aditivamente (via impressão 3D) peças reforçadas com fibra

Na área de fabricação aditiva industrial, a Arburg apresentou seu novo Freeformer 300-4X com transportador de peças de quatro eixos em K 2019. O eixo rotativo adicional da máquina significa que agora as fibras contínuas podem ser alimentadas, colocadas conforme necessário e sobremoldadas com plástico para reforçar localmente as peças funcionais. Na feira, o Freeformer 300-4X produziu uma órtese de mão, localmente reforçada com fibras de carbono em combinação duro / macio.

Curta nossa página no

Braskem reforça seu compromisso com Economia Circular e transformação digital na Feira K

04/11/2019

Produtos e soluções apresentados na Feira K 2019 incluíram uma nova solução para o setor de saúde (Braskem Medcol) e novas resinas que terão impacto positivo na circularidade

A Braskem apresentou soluções, tecnologias e novas parcerias com foco na Economia Circular, além de também reforçar os avanços do seu Centro Digital na Feira K 2019, maior evento mundial do setor de plásticos e borrachas.

A feira foi uma grande oportunidade para a Braskem apresentar seus compromissos com a Economia Circular e incentivar clientes e visitantes a se envolverem na missão pelo uso de recursos renováveis, reciclagem e reutilização do plástico. A companhia é pioneira na produção de Polietileno e EVA de origens renováveis , resinas produzidas a partir da cana-de-açúcar, e definiu no ano passado uma meta referente à Economia Circular: todas as embalagens de plástico fabricadas com produtos da Braskem serão reutilizadas, recicladas ou recuperadas até 2040. A empresa tem um compromisso com a criação de um ciclo de produção sustentável, desde a matéria-prima até o descarte.

O CEO da Braskem, Fernando Musa, destaca a importância da nova estratégia da companhia, que reforça seu compromisso com a sustentabilidade , crescimento e presença em novos mercados: “Apresentamos na Alemanha nossos novos desenvolvimentos inéditos e estabelecendo nosso portfólio circular, mostrando que podemos oferecer as melhores e mais sustentáveis soluções aos nossos clientes”.

Walmir Soller, vice-presidente de Olefinas e Poliolefinas Europa e Ásia, comentou a importância do evento para a indústria mundial. “A Feira K é o maior evento do mundo do setor de plásticos. Participar dessa feira e lançar novos produtos, parcerias, projetos e soluções, ressaltando a importância da Economia Circular, confirma a presença global da Braskem e sua capacidade de atender clientes do mundo todo”, diz ele.

Redução da pegada de CO2 em parceria com a Kautex Maschinenbau

Ciente da crescente relevância das Mudanças Climáticas, a Braskem está atenta para a redução de emissões de CO2 e adaptação a tais mudanças. Como uma empresa de capital aberto presente nas listas CDP Climate A, CDP Water A e CDP Supply A, a Braskem já reduziu o seu nível de emissões de gases do efeito estufa em 21% desde 2008, afirma a empresa. Para aumentar ainda mais sua contribuição, a Braskem anunciou oficialmente na Feira K sua parceria com a Kautex Maschinenbau , onde começará a fornecer uma resina que corresponde a uma mistura plástico de fonte renovável, produzido a partir da cana-de-açúcar, com resina pós-consumo (PCR), para a produção inovadora de garrafas feitas com três camadas de polietileno de alta densidade (PEAD), incluindo uma embalagem que consiste em espuma. Essa nova resina oferecerá uma solução circular completa, que também reduzirá a pegada de CO2 dos produtos finais. As duas companhias têm trabalhado em parceria com a EREMA , fabricante de maquinário para reciclagem de plástico, que coletou as garrafas produzidas na Feira K e as encaminhou para reciclagem.

Além disso, outros produtos selecionados do portfólio de resinas da Braskem foram apresentados nos estandes dos principais fornecedores de maquinário na Feira K. Por exemplo, as resinas Flexus 3600 e PP RF70, da Braskem, foram utilizadas em máquinas da SML; uma nova solução em filme stretch, produzida a partir de conteúdo de filme shrink de fonte renovável, foi utilizada pela Carnevalli; a resina Prisma 6810 foi utilizada pela Gabler; as resinas I’m greenTM , também produzidas a partir de fontes renováveis, foram empregadas pela Euro Machinery; e a resina Maxio® PG480 foi utilizada nas máquinas da Windmöller & Hölscher.

Edison Terra, vice-presidente da Unidade de Olefinas e Poliolefinas da América do Sul, acrescenta: “Toda a cadeia deveria buscar uma mentalidade circular, a partir da integração de produção, uso, descarte e reciclagem. Acreditamos que a Feira K foi uma grande oportunidade de dar destaque à nossa abordagem referente à economia circular. Pensamos que isso levará a novas parcerias com outras empresas comprometidas, que incorporarão a circularidade a novos produtos, aumentando a eficiência e facilitando a reciclagem e reutilização dos produtos de plástico”.

Apresentando a Transformação Digital

No evento, a Braskem também apresentou sua estratégia de Transformação Digital, uma jornada conduzida por seu recém-criado Centro Digital, que funciona como um catalisador de mudanças para a transformação do coração da Braskem, a partir de iniciativas que façam uso de tecnologias como drones, sensores e machine learning para capturar ganhos de eficiência operacional e melhorar a relação custo-benefício. O Centro Digital também funciona como incubadora de novos modelos de negócios, por meio de uma série de novos projetos. A estratégia Digital da Braskem auxiliará na melhoria de processos-chave, desde o desenvolvimento de produto até a venda, incluindo a Fábrica Inteligente (Indústria 4.0) e o Planejamento Avançado.

Um dos objetivos é criar um ambiente de trabalho digital, no qual os funcionários possam utilizar e tirar vantagem de tecnologias de ponta para promover inovações. O CEO da Braskem, Fernando Musa, explica que essa transformação digital é um grande marco na história da companhia: “Da análise avançada até a automação, inteligência artificial e aplicações em Internet das Coisas, a Braskem está aproveitando as mais novas tecnologias digitais e metodologias ágeis para aumentar significativamente o seu desempenho e, desta forma, transformar a maneira como fazemos negócios. Isso nos dá uma grande vantagem competitiva, permitindo que tenhamos novas oportunidades de margem e continuemos a oferecer máxima qualidade aos nossos clientes”.

Em busca de oportunidades globais de crescimento

Em 2017, a companhia anunciou um investimento de U$ 675 milhões para a construção da sua sexta unidade industrial de polipropileno (PP) nos Estados Unidos. Segundo a Braskem, o projeto está sendo construído em La Porte, Texas, e será a maior unidade de PP e com maior eficiência energética da América do Norte, com capacidade produtiva de 450 milhões de toneladas por ano. Ao final do segundo trimestre de 2019, a planta já estava quase dois terços concluída, sendo que a produção deve ser iniciada no primeiro semestre de 2020.

Prometida como uma das maiores entregas da Feira K de 2016, a Braskem concluiu a construção do Complexo Petroquímico Idesa, em Veracruz, no México. O projeto de US$5,2 bilhões aumentou a produção de resinas da companhia em 1,05 milhão de toneladas, totalizando 8,7 milhões de toneladas de capacidade produtiva global.

Esses dois grandes projetos reforçam a capacidade da Braskem de crescimento e entrega de seus projetos no prazo.

Fernando Musa afirma: “Em 2007, apresentamos aqui que estávamos desenvolvendo o Polietileno Verde, que trouxemos pronto em 2010. Em 2013, afirmamos que estávamos construindo o complexo no México, a planta petroquímica mais moderna das Américas, que em 2016 se tornou realidade. E agora estamos anunciando nossa nova linha de produção de PP denominada Delta, que será concluída e iniciará sua operação em 2020”.

Os novos produtos na Feira K

A Braskem selecionou vários novos produtos que foram apresentados na Feira K 2019:

1. Grade de polietileno de baixa densidade tubular, desenvolvido para atender o segmento de revestimento por extrusão. Segundo a empresa, oferece estabilidade e resistência superiores para revestimento de diversos substratos, incluindo papel, papelão, alumínio e outros polímeros, bem como aplicações em embalagens assépticas, não assépticas e rafia.

2. A mais nova marca de produtos de saúde da Braskem, Medcol, foi apresentada no evento. Medcol se trata do novo portfólio de produtos médicos da Braskem, que, segundo a empresa, construirá vínculos duradouros e confiáveis na indústria de saúde, com a cocriação de soluções únicas e customizadas para melhorar a vida das pessoas.

3. Novo grade de PP denominado DP213A, o mais novo grade da linha Maxio, com baixo índice de fluidez e aditivação anti-UV. Segundo a Braskem, a resina foi especialmente desenvolvida para atender às demandas dos clientes por fitas de rafia e maior produtividade na etapa de extrusão. Sua utilização permite às empresas do segmento de big bags (grandes sacas utilizadas para embalar e transportar grãos, fertilizantes, minérios e produtos químicos) elevarem sua produção em 30% sem aumento do consumo de energia, assegura a Braskem.

4. No segmento de Tampas e Fechamentos, a Braskem oferece um portfólio de soluções em PE, PP, Renováveis e PCR para atender às necessidades do mercado. A Braskem exibiu no evento tampas para aplicações em bebidas carbonatadas, água mineral, alimentos, limpeza e higiene.

5. A Braskem também apresentou suas soluções para os segmentos de agronegócio, construção civil, automotivo, calçados e outros setores, incluindo Braskem Evance, Braskem Proxess e Braskem Rigeo Lumios.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

BASF apresenta variedades de poliuretano termoplástico expandido durante a Feira K 2019

04/11/2019

  • Minigrânulos permitem aplicações em paredes finas.
  • Novo método de processamento abre mais opções.
  • Novo opção em preto para aplicações técnicas.

O Infinergy, o primeiro poliuretano termoplástico expandido (E-TPU) da BASF, causou grande repercussão quando foi lançado no mercado em aplicação nos tênis de corrida Boost da Adidas. Ele introduziu no mercado de plásticos uma classe de espumas particuladas que combina as propriedades elásticas do TPU com a leveza da espuma.

Atualmente, segundo a BASF, diversas indústrias se beneficiam das propriedades do material, desde calçados de segurança confortáveis e raquetes de tênis de alto desempenho, até pisos amortecedores para esportes. Na feira de plásticos K 2019, foram apresentadas novas cores, aplicações e métodos inovadores para o Infinergy.

Versão em preto para aplicações técnicas

Sempre branco, o Infinergy agora tem também a versão em preto. É adequado principalmente para aplicações técnicas onde a superfície é muito suscetível à sujeira, incluindo entressolas de tênis. “Com o Infinergy preto, estamos abrindo novas possibilidades para os nossos clientes”, diz Thomas Stührenberg, chefe de marketing da BASF para a Europa. “Agora a variedade de cores é praticamente ilimitada – queremos trabalhar com nossos clientes para que a gama de Infinergy seja ainda mais colorida no futuro”.

Minigrânulos

Os minigrânulos têm menos da metade do tamanho dos grânulos normais do Infinergy: mais ou menos 2,5 a 3, 5 mm de diâmetro. Essas esferas são usadas onde o comportamento de preenchimento do produto padrão alcança seu limite como, por exemplo, em peças moldadas de parede fina.

Assim como seu tamanho reduzido, o formato redondo das partículas também ajuda a melhorar o comportamento de preenchimento, informa a BASF. Assim, as paredes finas são facilmente preenchidas no molde e não ficam comprometidas as propriedades do material, como a resiliência, assegura a empresa.

Os minigrânulos já são usados nos amortecedores de vibração em compressores e selins de bicicleta. A Ergon, que em 2017 foi a primeira empresa a lançar o Infinergy em um selim de bicicleta – o Ergon ST Core Prime -, agora conta com este novo tamanho de grânulo. Um selim E-MTB e um selim urbano completam a gama de selins de bicicleta com o núcleo Infinergy. “Os minigrânulos nos dão opções totalmente novas para o desenvolvimento do produto e design do componente. Nos permite criar formas bem mais delgadas, o que possibilita a fabricação de selins para o segmento desportivo. Particularmente a ponta do selim, que tem paredes mais finas e contornos mais acentuados, agora pode ser projetada com um design mais esguio e sofisticado”, comenta Andreas Krause, chefe de Desenvolvimento Técnico na Ergon.

Infinergy explora novos terrenos sem vapor

Tradicionalmente, o processamento de espumas particuladas, inclusive o Infinergy, demanda vapor para soldar as espumas em um componente. Com as altas demandas relacionadas à qualidade da superfície, esse processo atinge seu limite rapidamente, principalmente para componentes como aplicações decorativas. Isso porque poucas camadas superiores são permeáveis ao vapor.

A startup FOX Velution desenvolveu uma tecnologia totalmente seca para processar espumas de partículas visando superar esses limites e também melhorar significativamente a eficiência energética. Segundo a BASF, a tecnologia variotérmica possibilita a aplicação em construções leves, com camadas superiores visíveis ou táteis, reforço têxtil e em complementos integrados (eletrônicos, elementos de montagem). Desta forma, oferece opções totalmente novas para decoração e funcionalização: os LEDs incorporados aos painéis de espuma Infinergy iluminam o material e as camadas superiores, que podem ser películas coloridas ou tecidos estruturados, por exemplo, e criam novas óticas, afirma a empresa.

Aplicações completamente novas do Infinergy também são encontradas no Vision Venture, o trailer conceitual da Hymer e da BASF. Aqui, segundo a fabricante do material, a solução é a opção adequada para degraus e cantos da cama, além de ser um elemento de conforto no estrado.

A divisão de Materiais de Performance da BASF engloba todo o know-how de materiais da BASF relacionados a plásticos inovadores e personalizados. Mundialmente ativa em quatro grandes setores da indústria – transporte, construção, aplicações industriais e bens de consumo – a divisão tem uma estreita colaboração com os clientes. A competência em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) fornece a base para o desenvolvimento de produtos inovadores e aplicações. Em 2018, a Divisão de Materiais de Performance alcançou vendas globais de € 7,65bi. O Grupo BASF como um todo registrou vendas de € 63 bilhões em 2018.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Participação da Dow na K 2019 apresenta destaques da América Latina e debates sobre os desafios da indústria

04/11/2019

Empresa promoveu discussão sobre práticas para o desenvolvimento de uma economia circular na cadeia do plástico

Entre os dias 16 e 23 de outubro, em Düsseldorf, na Alemanha, aconteceu a K 2019, principal feira de plásticos e borracha do mundo. Na ocasião, a empresa exibiu casos de estudo e mais de 100 protótipos que ilustram os avanços em inovação e tecnologia, incentivando discussões sobre a implementação de uma economia circular na indústria e a eliminação dos resíduos plásticos do meio ambiente, além de promover a melhor experiência para os clientes presentes na feira K.

O objetivo foi explorar novas oportunidades a partir dos desafios enfrentados pelo setor na atualidade e apresentar soluções que alinhadas com uma agenda sustentável, mostrando como uma abordagem coletiva à ciência dos materiais nos permite proteger recursos preciosos, construir de maneira mais efetiva, transportar de maneira mais eficiente e cuidar de maneira mais holística.

As inovações da América Latina ganharam papel de destaque nos principais temas abordados pela Dow na feira:

Surlyn: Sofisticação e Inovação em tampas para o mercado de perfumes e bebidas

Segundo a Dow, a solução inovadora é destaque nos perfumes Le Tempo, da L’Bel – Belcorp, pelo efeito metalizado translúcido que permitiu alcançar conceitos de embalagens de luxo com altos padrões de qualidade e resistência. A solução também é aplicada na linha La Victorie, do Grupo Boticário, que tem como destaque o desafio técnico de produzir uma tampa grossa redonda com flocos de ouro flutuando por dentro, mantendo a transparência desejada. O resultado é um conceito de embalagem inovador e sofisticado que quebra a convenção das tampas retas comumente produzidas no Brasil, afirma a Dow.

Para o mercado de bebidas, o Surlyn vem sendo usado pela primeira vez para tampas da tequila Punta Diamante, da marca Don Ramon.

Filme VP 30: Embalagens de arroz mais resistentes ao impacto

Segundo a Dow, o Filme VP 30 é elaborado com resinas de alto desempenho, o que garante maior integridade física em razão da sua alta resistência ao impacto, não se rompendo mesmo com selagem em maiores temperaturas. A empresa firma que o filme também possui outros diferenciais que são fundamentais para o produtor, tais como a espessura 30% menor, o que permite a produção de mais embalagens e a comercialização por unidade de comprimento (metro) ao invés de peso (quilo), envasando até 30% mais pacotes de arroz e possibilitando que a máquina trabalhe com maior rapidez.

Phormanto: inovação no mercado de frango in natura e versatilidade para embalagens

Tecnologia para embalagens flexíveis produzidas por termoformagem. De acordo com a Dow, os seus filmes Phormanto, ricos em polietileno, têm estrutura reciclável, garantem alta claridade e transparência, além de possibilitar o desenvolvimento da respirabilidade específica da estrutura, de acordo com os requisitos do produto a ser embalado. Segundo o fabricante, a tecnologia está sendo aplicada no Brasil para transformar o mercado e a cadeia de valor do frango in natura por meio de uma mudança disruptiva de embalagem. A Dow garante que a solução possibilita um aumento significativo de shelf life ou tempo de gôndola, garantindo frescor e qualidade do produto por até 15 dias.

O Phormanto também é utilizado para outros alimentos, como cookies, biscoitos, nuts e outros snacks naturais da empresa brasileira Nutrienti, que possibilitou oferecer ao consumidor uma embalagem on-the-go que aumenta o tempo de vida útil do produto sem comprometer a crocância e o sabor, assegura a Dow.

Um novo destino para o Plástico – Aulas Verdes

Em parceria com a startup Conceptos Plásticos, o projeto Aulas Verdes utiliza tijolos de resíduos plásticos para a construção de salas de aula na Colômbia. A iniciativa está alinhada à economia circular, que defende a reinserção de sobras em novos ciclos para se obter o máximo de aproveitamento de materiais. Grande parte dos resíduos é recolhida por pessoas da própria região e o que é coletado se torna matéria-prima por meio de processos elaborados para o reaproveitamento, integrando um novo ciclo. Cada tijolo contém mais de 70% de plástico recuperado e, para construir uma escola, cerca de quatro toneladas de materiais plásticos são aproveitadas. Atualmente o projeto já conta com três escolas construídas, que também representam 12 toneladas de plástico retiradas do meio ambiente.

A Dow oferece uma variedade de produtos e soluções tecnológicos para clientes de mercados de alto crescimento, como embalagens, infraestrutura e cuidados com o consumidor. A Dow opera 113 fábricas em 31 países, empregando aproximadamente 37.000 pessoas. Em 2018, as vendas da empresa contabilizaram aproximadamente U$50 bilhões.

Fonte: Dow

Curta nossa página no

O Mercado de Exportação de Resíduos Plásticos Globais pode ser retomado ?

31/10/2019

(Artigo de autoria da Tomra Sorting Recycling*)

Com a introdução de proibições de importação de plástico em todo o Sudeste Asiático, o mercado global de exportação desacelerou enormemente nos últimos 12 meses

Países como a China, Tailândia, Malásia e Índia restringiram a importação de plásticos e outros resíduos, deixando os países exportadores em uma situação bem difícil. Essas proibições não apenas levaram o mercado de exportações a diminuir significativamente, mas também causaram o acúmulo de resíduos plásticos em países que normalmente exportariam esses materiais, já que eles ainda não têm a infraestrutura necessária para lidar com os resíduos internamente.

No entanto, uma nova legislação que está sendo apresentada por governos e legisladores pode ajudar a retomar o mercado exportador por meio de leis de conteúdo reciclado.

A situação exportadora causada pela ‘China National Sword’

Sem a possibilidade de exportar resíduos plásticos, alguns países enfrentam uma crise de lixo doméstico, com lixo literalmente acumulando do lado de fora dos centros de tratamento e reciclagem – alguns especialistas acreditam que no ano passado, a ‘China National Sword’ causou uma “crise global de resíduos plásticos”. Embora a China ainda aceite algumas formas de sucata, os limites de pureza são tão altos que a maioria dos exportadores está vendo como uma proibição generalizada.

E são esses exportadores que estão sentindo a tensão para gerenciar plásticos e outros resíduos. Por exemplo, no Japão – um dos maiores exportadores para a China antes da restrição da National Sword – os resíduos plásticos estão se tornando um problema, já que a infraestrutura do país e as incineradoras não conseguem lidar com o grande volume de resíduos.

Nos EUA, mais e mais empresas estão se tornando dependentes do envio de resíduos para aterros devido às proibições de exportação. De acordo com os números mais recentes, 30% menos de sucata de plástico foi exportada nos primeiros seis meses de 2018, em comparação com o ano anterior, com a maioria dos plásticos de menor qualidade entrando no aterro. Os países da UE também exportaram menos, reduzindo de mais de 3 milhões de toneladas a cada 6 meses, para pouco mais de 2 milhões.

Essas proibições deveria forçar governos e legisladores dos países exportadores a melhorar e inovar a infraestrutura de reciclagem, no entanto, em algumas circunstâncias, deu um passo para trás.

Uma nova abordagem nas exportações

Juntamente com as proibições de exportação, governos globais tomaram medidas para controlar a exportação de resíduos para garantir que ainda haja espaço para o mercado existir. Na 14ª reunião da Conferência das Partes da Convenção da Basileia, em maio de 2019, 186 países concordaram em estabelecer novas restrições para o controle da exportação de resíduos plásticos. A Convenção de Basileia atua como o órgão regulador do comércio de resíduos perigosos e regula como é descartado.

Uma ideia originalmente proposta pelos representantes noruegueses em setembro de 2018, uma nova emenda às leis atuais classifica resíduos de plástico misturados incluídos na ‘lista de âmbar’ de materiais residuais, bem como adicionando o material à lista para ‘consideração especial’ como parte do Anexo II da Convenção.

Através desta emenda, os países exportadores terão que obter o consentimento e permissão das nações importadoras de resíduos para enviar resíduos para eles. Isso, por sua vez, obriga os exportadores a ter uma maior qualidade e pureza de resíduos plásticos, dando aos importadores um recurso de melhor qualidade e valor. Uma Parceria sobre Resíduos Plásticos também foi estabelecida para reunir uma série de partes interessadas para auxiliar na implementação dessas restrições.

Com efeito, a última emenda da Convenção da Basileia apoia o motivo pelo qual muitos países importadores proibiram e restringiram os resíduos para começar. Ao receber uma maior qualidade e pureza do plástico, ele pode ser eficientemente reciclado ou reutilizado, comparado a plásticos contaminados ou de baixa pureza – mas isso pressiona novamente as nações exportadoras a usarem plástico com um nível de material reciclado suficientemente alto para serem reutilizadas.

Retomar a exportação por meio de leis de conteúdo reciclado

Existe uma maneira pela qual os exportadores podem atender aos padrões estabelecidos pela Convenção da Basileia e pelos países importadores. Através da implementação de leis de conteúdo reciclado, em que o nível de resíduos plásticos seria de maior pureza, o mercado exportador pode atender às restrições estabelecidas pelos importadores.

O objetivo das leis de conteúdo reciclado é ter uma abordagem mais circular aos plásticos, garantindo que o material esteja em um padrão suficientemente bom para ser reutilizado, em vez de desperdiçado, mantendo assim o nível de conteúdo reciclado alto. Ao adotar este método obrigatório para os plásticos, ele permite o movimento contínuo do plástico através dos mercados e ajuda a revitalizar o mercado de exportação em declínio – não será mais um caso de transporte de resíduos de sucata, mas um material de qualidade que tenha valor.

Juntamente com as ambiciosas metas de reciclagem estabelecidas por governos e legisladores, o passo para adotar as leis de conteúdo reciclado é fundamental para uma economia circular sustentável – e que pode contar com o mercado exportador.

Esforços já estão sendo feitos em escala global para introduzir um maior nível de conteúdo reciclado com resíduos de plástico. Na Austrália, as leis compulsórias em torno da embalagem serão introduzidas até 2025, onde 100% do material tem que ser reutilizável, compostável ou reciclável – apesar desses esforços, o governo australiano está sendo criticado por não se mover rapidamente o suficiente sobre esta questão.

Diversos estados nos EUA já possuem leis de conteúdo reciclado em operação para a criação de novos produtos e embalagens. Na Califórnia, foi submetido um novo mandato de conteúdo reciclado que exigiria 75 por cento de plástico reciclado pós-consumo para ser usado em recipientes de bebidas após 2030. O projeto de lei proposto funcionaria em fases, começando com 25% de conteúdo reciclado até 2025, nada menos que 50% até 2030 e trabalhando até 75% após 2030.

A União Européia introduziu legislação onde haverá um mínimo de conteúdo reciclado para garrafas PET de 25% até 2025 e 30% até 2030. Uma coalizão de 34 empresas, instituições de caridade e associações comerciais também pediu que o órgão regulador da Europa avance mais quanto a introdução de leis mais rígidas de conteúdo reciclado. Em outros lugares da Europa, a Alemanha está estabelecida, enquanto a França também está comprometida com o design ecológico de embalagens, para torná-las reutilizáveis, recicláveis ou 100% compostáveis até 2025.

Quanto à Alemanha, a nova Lei de Embalagem da Alemanha (Germany Packaging Act – GPA) entrou em vigor em 1 de janeiro de 2019, substituindo a Portaria de Embalagem de 1998. De acordo com a nova lei, produtores e distribuidores agora têm que participar de um sistema de descarte e reciclagem em conformidade com os regulamentos de coleta e reciclagem de embalagens. Com o objetivo de reduzir o descarte e promover a reciclagem, a lei visa metas de reciclagem de até 90% em 2022.

As ambições dos órgãos governamentais de aderir à legislação de conteúdo reciclado são evidentes, no entanto, os esforços precisam ser focados na implementação para garantir que seja um sucesso. Através de leis internas eficientes de conteúdo reciclado, os países exportadores podem mais uma vez olhar para fora para a indústria global de resíduos, já que o plástico que eles não precisam mais terá qualidade e pureza suficientes para ser aceito pelos países importadores.

Um futuro sustentável

Para um futuro sustentável, uma nova abordagem deve ser dada ao manuseio e gerenciamento de resíduos. Para atender às restrições impostas por governos e legisladores sobre a exportação de resíduos, as leis de conteúdo reciclado permitirão uma maior qualidade de plástico para os países importadores e nos ajudarão a criar uma economia mais circular.

(*) Sobre a Tomra Sorting Recycling

A Tomra Sorting Recycling projeta e fabrica tecnologias de triagem baseadas em sensores para a indústria global de reciclagem e gerenciamento de resíduos. Mais de 5.500 sistemas foram instalados em quase 80 países em todo o mundo. A Tomra Sorting Recycling faz parte da Tomra Sorting Solutions, que também desenvolve sistemas baseados em sensores para classificar, descascar e processar análises para a indústria alimentícia, de mineração e outras. A Tomra Sorting é de propriedade da empresa norueguesa Tomra Systems ASA, listada na Bolsa de Valores de Oslo. Fundada em 1972, a Tomra Systems ASA tem um volume de negócios de cerca de 876 milhões de euros e emprega cerca de 4.000 funcionários globalmente.

Empresa de Mônaco usa material da Solvay para construir a primeira bicicleta elétrica do mundo em polímeros

23/10/2019

Os materiais avançados da linha Xencor LFT, que estão sendo lançados pelo Grupo Solvay, permitiram à montadora Stajvelo produzir a primeira bicicleta elétrica do mundo totalmente em polímeros/plásticos de alto desempenho moldados por injeção. A inovadora e-bike urbana foi apresentada na K 2019, a principal exposição internacional de plásticos, polímeros e borrachas, realizada de 16 a 23 de outubro, em Dusseldorf, na Alemanha.

A Stajvelo, com sede em Mônaco, selecionou o composto de poliarilamida Xencor de fibra longa (PARA) da Solvay com base na capacidade do material de atender rigorosos requisitos estruturais, mecânicos e estéticos. O novo produto da Solvay amplia significativamente os recursos de desempenho dos polímeros especiais Ixef PARA, também produzidos pela Solvay, que substituíram com sucesso o metal em dispositivos médicos, exteriores automotivos e pequenos aparelhos nos quais é necessário um acabamento superficial estético.

“O design da e-bike da Stajvelo incorpora o difícil equilíbrio entre forma e função, devido em parte à combinação exclusiva de propriedades do Xencor LFT”, disse Thierry Manni, fundador e CEO da Stajvelo. “Graças à experiência em polímeros da Solvay e ao suporte da tecnologia de processamento, conseguimos projetar um processo de fabricação com integração de funções ideal e operações de montagem que economizam tempo”, acrescentou Manni.

Os compostos Xencor LFT da Solvay normalmente contêm entre 30 a 60% de reforço de fibra, dependendo do polímero e do teor. A fibra constitui um elemento estrutural crítico ao criar um ‘esqueleto’ de fibra 3D emaranhado dentro da peça final moldada. Esse forte ‘esqueleto’ fornece propriedades estruturais muito superiores e estabilidade dimensional em comparação com os polímeros tradicionais altamente reforçados e os reforçados com fibra curta.

Os polímeros compostos Xencor LFT destinam-se a preencher a lacuna preço-desempenho entre termoplásticos de fibra curta (SFT) e materiais compostos avançados. Segundo a empresa, eles combinam alta resistência, desempenho de impacto, estabilidade térmica, estética da superfície, entre outras características de processamento. “Esse novo produto foi projetado para substituir o metal em aplicações semi-estruturais que exigem maior desempenho do que é possível com os polímeros standard e onde o metal não é uma opção desejável devido ao peso ou custo por peça”, informou Eric Martin, Gerente Global da linha de produtos Xencor LFT do Grupo Solvay.

Os compostos Xencor LFT da Solvay são adequados para aplicações semi-estruturais em uma variedade de mercados, incluindo automotivo, transporte avançado, construção, industrial e consumidor, além de esportes e lazer, garante a empresa.

Romi apresenta suas principais soluções na Feira K 2019

11/10/2019

A Romi, líder na indústria brasileira de máquinas e equipamentos industriais, participará entre os dias 16 e 23 de outubro do maior e mais importante evento global do setor de plásticos e borracha: a Feira K, em Düsseldorf, Alemanha. Na edição deste ano, o evento deve reunir mais de 3.000 expositores de 60 países e tem público estimado de mais de 200 mil visitantes de todo o mundo. Em seu estande a empresa apresentará 3 modelos de seu portfólio de máquinas para plásticos.

Entre os destaques está a injetora híbrida Romi ES 300, desenvolvida para a produção de peças que exijam alta razão de injeção, máxima precisão e ciclos ultrarrápidos com baixíssimo consumo de energia. segundo a Romi, a máquina conta com simultaneidade completa de movimentos com acionamentos por servo-motores, injeção por acumulação e servo-válvula.

De acordo com a empresa, a injetora Romi EL 75 é uma máquina elétrica com alta capacidade de plastificação, combinando tecnologia, precisão e produtividade para ciclos rápidos ou peças técnicas. Conta com simultaneidade completa em todos os movimentos e possui área de moldes com 420 mm entre colunas e placa com dimensão de 600 mm.

Também vai estar em exposição a injetora Romi EN 220. Segundo a fabricante, a máquina é equipada com o moderno sistema “Stop and Go”, proporcionando maior velocidade, alta precisão e baixo consumo de energia, atendendo aos mais diversos segmentos de mercado, incluindo versões para injeção de PVC, pré-formas PET e injeção de multimateriais e multicores.

Todos os modelos estarão equipados com o novo painel de comando CM20. A Romi afirma que, contando com altíssima velocidade e capacidade de processamento, interface gráfica multi-touch de 19”, full HD e plena conectividade, o comando CM20 agrega ainda mais precisão, velocidade e recursos avançados à linha de máquinas para processamento de plásticos produzidas pela empresa, oferecendo uma interface de programação intuitiva desenvolvida para proporcionar a conectividade, possibilitando acessar o comando por meio de browser, tablet ou smartphone. Ele possui interface com sistemas MES, serviços remotos e recursos para a Indústria 4.0.

Exportando bens de capital desde 1944, a Romi conta com experiência no fornecimento de máquinas para todo o mundo e no gerenciamento de vendas e serviços por meio de suas subsidiárias localizadas no Reino Unido, na Alemanha, na Espanha, na França, na Itália, nos Estados Unidos e no México, além de representantes em diversos outros países. Segundo Luiz Cassiano R. Rosolen, Diretor-Presidente da Romi, a presença na Feira K demonstra o compromisso da empresa em levar soluções de alta tecnologia e os serviços para todos os clientes “Estarmos presentes em mais uma edição da Feira K reafirma a forte relação comercial entre a Romi e o público europeu. Nossa equipe está preparada para oferecer todo o suporte técnico, orientando nossos clientes sobre a melhor aplicação e o melhor funcionamento dos nossos produtos de acordo as necessidades de cada empresa”, afirma.

A Indústrias Romi S.A. (B³: Romi3), fundada em 1930, é líder na indústria brasileira de máquinas e equipamentos industriais e está listada no “Novo Mercado”, que é reservado para as empresas com o maior nível de governança corporativa da Bovespa. A Companhia fabrica máquinas-ferramenta, com foco em tornos, tornos CNC, centros de torneamento e centros de usinagem; máquinas injetoras e sopradoras para termoplásticos; e peças fundidas em ferro cinzento e nodular, que podem ser fornecidas brutas ou usinadas. Seus produtos e serviços são comercializados mundialmente e utilizados por uma grande variedade de indústrias, tais como automotiva, de bens de consumo, máquinas em geral, equipamentos industriais e agrícolas. Segundo a empresa, nos 89 anos de história já foram instalados mais de 160 mil máquinas Romi em todo o mundo.

Curta nossa página no

Missão do Simplás leva sete empresas associadas para a Feira K 2019

08/10/2019

Principal evento mundial do setor plástico ocorre de 16 a 23 de outubro, em Düsseldorf, Alemanha, e terá como grande destaque a economia circular.

Sete empresas associadas ao Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás) já estão com presença confirmada no principal evento mundial do setor plástico. Mantova, Multinova, Panizzon, Pisani, Polifibras, Sinalsul e Sulbras visitam a Feira K, que ocorre de 16 a 23 de outubro em Düsseldorf, Alemanha, e que deve atrair mais de 200 mil visitantes de todo o mundo para conhecer os lançamentos e inovações apresentados por mais de 3 mil expositores de 50 países. Ao todo, a missão que conta com a organização do sindicato terá 28 integrantes.

Tradicionalmente, uma delegação do Simplás visita a feira, que se realiza a cada três anos, trazendo para as mais de 400 empresas representadas as grandes novidades e perspectivas do setor em escala global. Mas, em 2019, a Feira K adquire contornos ainda mais especiais para a entidade. Segundo os próprios organizadores do evento, o grande tema em destaque nas discussões, debates e inovações será a economia circular.

Nesta pauta o Simplás tem mostrado engajamento com iniciativas práticas e concretas – como o projeto Plástico do Bem, que promove a Educação Ambiental e a inclusão social, por meio da sinergia entre setor plástico, recicladores e escolas públicas, que são remuneradas a partir dos resíduos plásticos descartados e coletados pelos próprios estudantes.

“Para nós, a feira deste ano promete ser ainda mais importante, porque realmente já podemos antecipar que a linha de atuação que viemos propondo há algum tempo está em sintonia com o que há de mais atual e avançado em termos de gestão de produtos, consumo e resíduos ao redor do mundo. Será uma excelente oportunidade para trocarmos conhecimento, expandirmos o nosso aprendizado e transformarmos em benefício ao setor e a toda sociedade”, avalia o presidente do Simplás, Gelson de Oliveira.

Plásticos como soluções

Os produtos plásticos se tornaram parte integrante de quase todas os segmentos da vida moderna. As embalagens plásticas prolongam a vida útil dos alimentos, as peças plásticas nos automóveis reduzem o peso e as emissões de CO2. Na medicina, os plásticos garantem padrões máximos de higiene e tornam os produtos mais seguros. Apesar de suas muitas vantagens, essa importante matéria-prima enfrenta descrédito há algum tempo – por causa do lixo plástico que polui regiões inteiras e os oceanos. O conceito de economia circular desempenha um papel central na solução do problemas da poluição plástica e tornou-se o tema principal dna Feira K 2019.

A ideia que está na raiz do conceito de economia circular é simples: uma vez usada, a matéria-prima pode ser processada no final de sua vida útil e ser reutilizada para criar um novo produto – em um circuito praticamente infinito. Embora alguns materiais tenham limitações que não permitem isso, uma vasta gama de polímeros é perfeitamente adequada para essa abordagem. A economia circular reduz drasticamente o desperdício e também protege os recursos fósseis, porque sempre que novos produtos são feitos de plástico reciclado não há a necessidade de se empregarem matérias primas virgens.

Mais informações sobre a Missão do Simplás para a Feira K podem ser obtidas clicando-se aqui.

Curta nossa página no

Evonik inicia construção do novo complexo de poliamida 12 na Alemanha

08/10/2019

  • A planta é uma resposta à alta demanda em mercados estratégicos, que variam da indústria automotiva à impressão 3D
  • O investimento impulsiona o motor de crescimento “Smart Materials” e consolida a posição de liderança de mercado da empresa em poliamida 12
  • O investimento supera 400 milhões de euros

A Evonik iniciou oficialmente a construção do projeto que representa o seu maior investimento até hoje na Alemanha. Armin Laschet, ministro-presidente do estado da Renânia do Norte-Westfália, e Christian Kullmann, presidente da diretoria executiva da Evonik Industries AG, estavam na primeira fila quando mais de 200 pás foram fincadas no solo da área de construção, no centro do Parque Químico de Marl. A cerimônia, da qual também participaram clientes, colaboradores e outros representantes da esfera política, sinalizou o início do projeto. Em seu maior site mundial, a empresa ampliará sua capacidade total de PA 12 em mais de 50%. O projeto vai complementar a produção de PA 12 existente no local com fábricas adicionais para o polímero e seus precursores. O início das operações está previsto para 2021.

Em sua fala durante a cerimônia, Armin Laschet destacou o significado especial do investimento de mais de 400 milhões de euros na Alemanha, e especialmente na parte norte do vale do Ruhr. “O fato de uma das principais empresas de especialidades químicas como a Evonik estar investindo aqui em instalações ultramodernas, mostra que o estado da Renânia do Norte-Westfália é o principal centro químico da Alemanha e pode competir no âmbito global. Singapura e outros países se empenharam muito por essa fábrica mediante a oferta de incentivos fiscais. Ao final, o local escolhido foi Marl porque aqui temos a vantagem de uma rede de empresas químicas e de energia competentes. O plástico é um material de alta tecnologia e uma das matérias-primas do futuro”.

Christian Kullmann destacou o significado da nova fábrica: “Este é o maior investimento individual que a nossa empresa já fez na Alemanha. Estamos construindo essa unidade porque queremos continuar crescendo por meio de especialidades químicas inovadoras. Com o nosso polímero de alta performance PA 12, podemos abastecer os mercados estratégicos de crescimento global, como o setor de impressão 3D, por exemplo. Além disso, os nossos plásticos ‘leves’ e de longa duração também contribuem de maneira significativa para a conservação de recursos na indústria automotiva.

A inovação também é o negócio das startups convidadas e dos projetos de digitalização, os quais Claus Rettig, presidente da diretoria executiva da Evonik Resource Efficiency GmbH, apresentou brevemente aos presentes. “Queremos nos tornar ainda mais rápidos e mais flexíveis no desenvolvimento de polímeros novos e customizados que contribuam para o forte crescimento dos nossos clientes. Precisamos de novas tecnologias para isso e essa é a razão de termos tomado medidas consistentes em prol do uso da inteligência artificial”, disse Rettig.

Há mais de 50 anos, a Evonik desenvolve materiais de alto desempenho customizados para aplicações com alto nível de sofisticação. O Grupo é um dos maiores produtores mundiais de PA 12, comercializado sob o nome Vestamid. A demanda pelo material é considerável em mercados de alta atratividade como as indústrias automotiva, de extração de óleo e gás, médica e esportiva. O Vestosint, uma versão em pó da PA 12, é usado em aplicações como o revestimento de metais para bens de consumo, cestos de lava-louças, componentes automotivos e dispositivos médicos. Também faz anos que a Evonik desenvolve pós poliméricos especiais que permitem aos fabricantes usar a impressão 3D para produzir componentes de alta tecnologia em escala industrial.

A Evonik é uma das empresas líderes mundiais em especialidades químicas. Com mais de 32.000 colaboradores, a Evonik atua em mais de 100 países no mundo inteiro. No ano fiscal de 2018, a empresa gerou vendas de 13,3 bilhões de euros e um lucro operacional (EBITDA ajustado) de 2,15 bilhões de euros.

Curta nossa página no

Tomra na K2019 – Visões sobre a Economia Circular, Pequenos Flakes e Big Data

03/10/2019

A Tomra Sorting Recycling estará na Feira K 2019 (Hall 11 / F17) apresentando sua posição pioneira na economia circular, incluindo equipamentos de triagem como o recém-lançado Innosort Flake e mostrando também uma visão sobre uma inovação quanto a Inteligência Artificial.

Nas últimas décadas, os recursos naturais foram explorados de forma pouco prudente para atender à demanda da civilização humana por matéria prima virgem, levando os recursos a se tornarem escassos e sofrerem uma pressão sem precedentes. Particularmente, o plástico encontra-se no momento sob o foco, com o seu uso sendo questionado. Segundo dados da Tomra, atualmente, cerca de 40% das embalagens plásticas são dispostas em aterros, 32% acabam poluindo a natureza e 8 milhões de toneladas de plástico são arrastadas para os oceanos, o que representa uma perda anual entre 80 e 120 bilhões de dólares em materiais. Rever a maneira como os recursos são obtidos, usados e reutilizados é a principal forma de se superar a barreira da disponibilidade limitada de recursos naturais.

Da sua posição no campo da reciclagem e separação, a Tomra propõe o afastamento dos modelos de economias lineares e o alinhamento a modelos de reaproveitamento que correspondem a economias circulares verdadeiras. Diferentemente da economia linear atualmente dominante, em que os produtos são fabricados e descartados após o consumo, a economia circular visa a recuperação de materiais, que são trazidos de volta à cadeia de suprimentos com eficiência, a fim de serem transformados em novos produtos. Uma vez consumidos, os produtos não são descartados, mas coletados por sistemas de depósito, coleta seletiva ou recuperados em plantas de triagem de Resíduos Domésticos – MRFs, que selecionam diversos materiais para o subsequente processo de reciclagem.

Seguindo esse conceito, os recursos são mantidos em ciclo, visando preservar a qualidade de virgens e extrair o máximo do valor do produto – assim, agregando valor ao resíduo.

Com a economia circular sendo um tópico de considerável debate no setor, abordagens sistemicas já estão sendo discutidas para estimular a mudança. A nova legislação exigindo o aumento nos índices de reciclagem, a atração pelo mercado e os consumidores demandando produtos mais sustentáveis são elementos favoráveis para permitir transformar a teoria em prática. Soluções adicionais são criadas para promover a coleta de plásticos, para interromper perdas, para implantar uma infraestrutura de sistemas de depósito, bem como de fabricação de produtos projetados para serem regenerativos e restauradores.

Essas são soluções e processos ideais que só podem ser alcançados com a participação de todos os atores envolvidos na campanha por um meio ambiente saudável e uma economia sustentável e próspera.

A Tomra, sendo uma das principais partes interessadas e uma impulsionadora ativa dessa campanha, promove a economia circular por meio de sistemas avançados de coleta e seleção que otimizam a recuperação de recursos e minimizam os resíduos. Suas soluções de triagem baseadas em sensores, como Autorsort, Autosort Flake e Innosort Flake, são soluções já estabelecidas que potencializam o processo de seleção e reprocessamento na cadeia de valor do plástico.

Volker Rehrmann, vice-presidente executivo da Tomra Reciclagem & Mineração e chefe da economia circular da Tomra, afirma claramente: “Continuar usando nossos recursos de maneira insustentável e ineficiente não pode mais ser uma opção. Na Tomra, levamos esse problema global a sério e desenvolvemos continuamente novas soluções de triagem. Na Feira K deste ano, daremos uma compreensão da economia circular e do papel que a Tomra e seus produtos desempenham”.

Selecionando os pequenos

A Tomra exibirá na Feira K o Innosort Flake, um exemplo de solução em purificação no processo de reciclagem. Desde o seu lançamento no PRS Europe, em Amsterdã, em abril de 2019, ele se mostrou uma solução para classificação dupla em instalações de reciclagem de PET, purificando Flakes de plástico de 2 a 12 mm por critério de cor e simultaneamente por tipos de polímeros. Assim, segundo a Tomra, grandes proporções de contaminantes podem ser removidas e a potencial perda de material de Flakes de PET é significativamente reduzida.

De acordo com a Tomra, o Innosort Flake é uma solução completa, com resolução ultra-alta e configuração especializada de sensores, oferecendo desempenho com resultados muito bons e flexibilidade escalável.

Selecionando de forma inteligente

Além de fornecer máquinas de triagem de ponta, a Tomra também desenvolve soluções inovadoras, para promover o avanço do processo de triagem.

Considerando as possibilidades atuais de coletar e gerenciar grande volume de dados, e com a inteligência artificial se aprimorando, a Tomra prossegue com o desenvolvimento de um software de deep learning para a seleção baseada em sensores.

Como um subconjunto de aprendizado de máquina e inteligência artificial, o software de deep learning está em posição de aprender individualmente a partir de uma quantidade considerável de dados coletados, igualando ou até superando os resultados de seleção alcançados por humanos e máquinas comuns, afirma a Tomra. Com a combinação de modelos de deep learning e as soluções de seleção da Tomra, os objetos que antes não podiam ser separados agora podem ser classificados com altos níveis de pureza, afirma a empresa. Nesse sentido, o deep learning é considerado uma abordagem promissora quando se trata de enfrentar os desafios crescentes na triagem de resíduos, como novos fluxos de resíduos, objetos sendo detectados, mas não ejetados ou cobertos com outros materiais.

Na Feira K, a equipe Tomra estará disponível todos os dias para oferecer informações aos visitantes da industria de plásticos internacional e tomadores de decisão sobre o conceito de economia circular e a contribuição que suas máquinas podem dar no processo de reciclagem.

A Tomra Sorting Recycling projeta e fabrica tecnologias de triagem baseadas em sensores para a indústria global de reciclagem e gerenciamento de resíduos. Mais de 5.500 sistemas foram instalados em quase 80 países em todo o mundo, afirma a empresa. A Tomra Sorting Recycling faz parte da Tomra Sorting Solutions, que também desenvolve sistemas baseados em sensores para classificar, descascar e processar análises para a indústria alimentícia, de mineração e outras. A Tomra Sorting é de propriedade da empresa norueguesa Tomra Systems ASA, listada na Bolsa de Valores de Oslo. Fundada em 1972, a Tomra Systems ASA tem um volume de negócios de cerca de 876 milhões de euros e emprega cerca de 4.000 funcionários globalmente.

Curta nossa página no

Cooperação entre Arburg e Dieffenbacher combina expertise das duas empresas para a produção de peças híbridas para aplicações leves

03/10/2019

• Potencial: um novo conceito para peças leves híbridas
• Sucesso: projeto MoPaHyb como centelha inicial

A Dieffenbacher e a Arburg, ambas empresas familiares do Estado de Baden-Württemberg, na Alemanha, irão cooperar no futuro para desenvolver novas soluções para a moldagem por transferência de componentes híbridos. A parceria permitirá que eles combinem seus conhecimentos nas áreas de sistemas de prensas e prensas automatizadas, assim como na tecnologia de moldagem por injeção, reunindo as vantagens de ambos os mundos.

Arburg e Dieffenbacher recentemente demonstraram a sua bem-sucedida cooperação como parte do projeto de pesquisa MoPaHyb intitulado “Planta de produção modular para componentes híbridos para serviços pesados”, financiado pelo Ministério Federal de Educação e Pesquisa da Alemanha (BMBF). Juntamente com o Instituto de Tecnologia Química Fraunhofer, de Pfinztal, e nove outros parceiros, um sistema modular de produção para componentes híbridos foi desenvolvido. Ele combina uma unidade de injeção modular de 4.600 para compostagem direta por fibra (FDC) da Arburg com uma prensa vertical Dieffenbacher de 3.600 toneladas, localizada no Fraunhofer ICT. O sistema possibilita a implementação de dimensões e complexidades nas peças que antes não podiam ser fabricadas.

“O assunto da construção leve é ​​importante na Arburg”, enfatiza Gerhard Böhm, diretor de vendas da Arburg. “Oferecemos vários processos e soluções, incluindo o processo FDC. Combiná-lo com moldagem por transferência é um conceito prospectivo que permite novas aplicações em construção leve.”

Manfred Reif, chefe da unidade de negócios de compósitos da Dieffenbacher, acrescenta: “Baseado nos resultados positivos alcançados no projeto MoPaHyb, no futuro também ofereceremos prensas de moldagem por transferência Dieffenbacher em combinação com uma unidade de injeção Arburg FDC. Juntamente com nosso sistema de aplicação de fita Fiberforge UD e a unidade de consolidação Fibercon, podemos oferecer a nossos clientes um pacote global forte.”

Abrindo novas áreas de aplicação

Especialmente para peças com espessuras de parede muito finas, a moldagem por injeção oferece um processo de fabricação eficiente e amigável ao material. Reforços geométricos na forma de estruturas nervuradas, bem como reforços locais ou de superfície total, usando-se fitas unidirecionais em combinação com laminação no molde reforçada com fibra, abrem inúmeras novas áreas de aplicação, especialmente para aplicações estruturais. A vantagem de usar uma prensa Dieffenbacher como unidade de fechamento é que os insertos de reforço podem ser simplesmente inseridos no molde horizontal.

O processo de injeção da Arburg de Compostagem Direta de Fibra (FDC) permite que as fibras sejam adicionadas diretamente ao material plástico fundido. O comprimento da fibra, o conteúdo de fibra e a combinação de materiais podem ser adaptados individualmente para influenciar as propriedades da peça de maneira direcionada.

Apresentação na K 2019

Ao combinar moldagem por transferência e moldagem por injeção FDC, os componentes híbridos podem ser produzidos de maneira econômica e flexível. A Dieffenbacher apresentará esse conceito na K 2019 em Düsseldorf, de 16 a 23 de outubro no Hall 14, Stand A02

Curta nossa página no

SABIC destaca soluções em primeira campanha global da marca

03/10/2019

A escala e o alcance global da campanha representam um marco importante para a SABIC, com a publicidade sendo veiculada globalmente na TV, mídia impressa e digital, além de estar presente em espaços específicos, como aeroportos. A campanha também tem destaque na mídia local em dez países-chave, abrangendo o Oriente Médio, Europa, Américas e Ásia.

A campanha se concentrará nas soluções SABIC em temas como a urbanização, alimentos e água, sustentabilidade e eficiência energética, refletindo as atitudes da empresa em relação à inovação e ao crescimento sustentável.

Sami Al-Osaimi, vice-presidente de assuntos corporativos, disse que existem numerosos exemplos de como o lema da empresa “Chemistry that Matters” está produzindo uma diferença positiva em relação às megatendências da atualidade.

“Estamos imensamente orgulhosos da marca SABIC. Ela inspira nossos esforços coletivos para fazermos a diferença no mundo e apoia nosso objetivo de nos tornarmos líderes mundiais na preferência pelos produtos químicos. Isso é Chemistry that Matters™”.

O lema “Chemistry that Matters™” tem um duplo significado – a química por trás das soluções de materiais oferecidas pela SABIC e a química entre suas pessoas e as partes interessadas. Um dos temas principais da campanha é como a SABIC colabora com parceiros, fabricantes e outros quando se trata de resolver problemas relevantes do mundo atual.

“A SABIC passou por uma rápida transformação nos últimos anos e, mais do que nunca, a sustentabilidade está no centro de nossos negócios”, continuou Al-Osaimi. “Nossos compromissos sociais orientam as decisões estratégicas corporativas e ajudam a garantir que o crescimento de curto prazo acompanhe os benefícios de longo prazo para o meio ambiente, a economia e a sociedade como um todo”.

Richard Crookes, diretor da Global Brand & Marketing Communications, disse que a campanha é a primeira do gênero realizada pela SABIC, o início de uma ambiciosa estratégia de marketing de cinco anos para a empresa e o resultado de um extenso planejamento e desenvolvimento.

“Após uma extensa incorporação interna da nossa marca, sentimos que agora estamos prontos para compartilhar nossas histórias marcantes com o mundo. Acreditamos firmemente que, quanto mais forte for o alinhamento entre as histórias que contamos em nossas campanhas e as experiências que criamos para nossos clientes e partes interessadas, mais sustentável será o aumento do valor de nossa marca”, acrescentou o Sr. Crookes.

A edição de 2019 do relatório Brand Finance Chemicals 10 colocou a SABIC entre as três principais empresas químicas globais e estimou o valor da marca em US$ 3,964 bilhões.

A SABIC é uma empresa líder no segmento de produtos químicos e está sediada em Riyadh, na Arábia Saudita. A companhia fabrica em escala global nas Américas, Europa, Oriente Médio e Ásia-Pacífico, produzindo diferentes tipos de produtos: químicos, plásticos commodities e especialidades, agronutrientes e metais. A empresa fornece para mercados-alvo como construção, dispositivos médicos, embalagens, agronutrientes, elétrica e eletrônica, transporte e energia limpa. A SABIC registrou um lucro líquido de US$ 5,7 bilhões em 2018. As receitas de vendas em 2018 totalizaram US$ 45 bilhões, enquanto o total de ativos ficou em US$ 85 bilhões. A produção em 2018 foi de 75,3 milhões de toneladas.

A empresa possui mais de 33.000 funcionários em todo o mundo e opera em cerca de 50 países. Possuem 11.738 registros de patentes globais e recursos de pesquisa significativos com centros de inovação nos EUA, Europa, Oriente Médio, Sul da Ásia e Norte da Ásia. O governo da Arábia Saudita possui 70% das ações da SABIC e os 30% restantes são negociados publicamente na bolsa de valores da Arábia Saudita.

Curta nossa página no

Abimaq e Reed Exhibitions Brasil lançam feira internacional de tecnologia e processos para a indústria de embalagens

03/10/2019

Primeira edição do evento será de 15 a 18 de setembro de 2020, no São Paulo Expo

Concebida a partir de uma demanda do mercado por um evento que atenda às necessidades dos fabricantes e fornecedores de serviços e tecnologias para as indústrias que consomem, transformam e produzem embalagens e seus derivados, foi lançada na última terça feira a PPW – Packaging & Process Week, Feira Internacional de Tecnologia e Processos para a Indústria de Embalagens. Realizada pela Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, com promoção e organização da Reed Exhibitions Alcântara Machado, a primeira edição da PPW será de 15 a 18 de setembro no São Paulo Expo, em São Paulo (SP).

“A feira foi desenvolvida a partir de um pleito da própria indústria, que demandava um evento de ciclo bienal, com abrangência internacional, foco em tecnologia e inovação e geração de negócios. A PPW é um evento do setor para o setor”, salienta o presidente executivo da Abimaq, José Velloso.

“A PPW foi pensada para atender à necessidade de um evento completo para os fabricantes e fornecedores de máquinas e dispositivos, equipamentos e componentes, processos e automação, e serviços para indústria de embalagens, propiciando um ambiente eficiente para as indústrias consumidoras realizarem negócios e conhecerem as tendências do mercado. Em setembro, fizemos junto com a Abimaq um pré-lançamento para o grupo fundador do evento e, em uma manhã, 30% da feira foi comercializada. Isso demonstra que a PPW veio para atender, de fato, a esse mercado”, afirma Fernando Fischer, presidente da Reed Exhibitions Alcântara Machado.

Com expectativa de ocupar cerca de 35 mil m² de área de exposição, mais de 300 expositores nacionais e internacionais, especialmente de países como Itália e Alemanha, o evento deve receber 20 mil compradores de todo o Brasil e de países da América Latina.

O público visitante do evento será voltado para convertedores, envasadores e indústrias do setor alimentício e de bebidas, automotivo, construção civil, cosméticos, eletrônicos, eletrodomésticos, informática, farmacêutico, frigoríficos, gráfico, higiene e limpeza, metalúrgico, moveleiro, plástico, químico, refrigeração, tabaco, têxtil, ou seja, para todas as indústrias que precisam de tecnologia e inovação para a produção de embalagens.

“Proporcionaremos aos visitantes da PPW experiências que contribuirão para atingir os objetivos do evento, como conteúdo, rodadas de negócios, clube de compradores, entre outras. Os expositores poderão apresentar suas inovações em um ambiente propício e cuidadosamente preparado para negócios”, salienta Paulo Octavio P. de Almeida, Vice-Presidente da Reed Exhibitions Alcântara Machado.

Feira para indústria 4.0

Para o empresário Ricardo Cilento, diretor da Azzure, empresa que desenvolve soluções voltadas para a movimentação de materiais e automatização de sistemas (e que já confirmou participação na PPW), o evento terá um importante papel ao reunir as principais inovações para a chamada indústria 4.0. “Por ser bienal, as empresas poderão desenvolver mais inovações tecnológicas tanto para os processos industriais como para o que chamamos de ‘fim de linha’, que é tudo que envolve o produto depois de acabado. O parque de máquinas da indústria nacional e da América Latina precisa ser modernizado e faltava uma feira com esse perfil, que é justamente o que a PPW terá com a apresentação do que melhor existe em máquinas com automação e robótica embarcadas”, reforça Cilento, que é vice-presidente da Câmara Setorial de Máquinas para a Indústria Alimentícia, Farmacêutica e Refrigeração Industrial (CSMIAFRI), da Abimaq, que encabeçou o pleito pela feira.

Essa visão é reforçada por Judenor Marchioro, diretor da Robopac Brasil, empresa que desenvolve e comercializa máquinas para o posicionamento, enchimento, acondicionamento, encaixotamento, paletização e envolvimento por filme strech de vários produtos e que estará na primeira edição do evento. “Temos certeza de que a PPW será um evento altamente relevante tanto para empresas expositoras como visitantes e se posicionará como referência internacional em tecnologia e negócios”, aponta Marchioro.

Serviço:
PPW – Packaging & Process Week
Data: 15 a 18 de setembro de 2020
Local: São Paulo Expo

Sobre a Abimaq: A Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos representa cerca de 7.800 empresas dos mais diferentes segmentos fabricantes de bens de capital mecânicos, cujo desempenho tem impacto direto sobre os demais setores produtivos nacionais e está estruturada nacionalmente com a sede em São Paulo, nove regionais e um Escritório Político em Brasília. Além da representação institucional do setor, a Abimaq tem a sua gestão profissionalizada e as suas atividades voltadas para a geração de oportunidades comerciais para as suas associadas, realizando ações junto às instâncias políticas e econômicas, estimulando o comércio e a cooperação internacionais e contribuindo para aprimorar seu desempenho em termos de tecnologia, capacitação de recursos humanos e modernização gerencial.

Sobre a Reed Exhibitions Alcântara Machado: A Reed Exhibitions é uma empresa líder mundial na organização de feiras e eventos com atuação em 38 países e 500 eventos distribuídos pelas Américas, Europa, Oriente Médio e Ásia. No Brasil, organiza mais de 40 feiras em todo o território nacional entre eventos de negócios e voltados ao consumidor final. Anualmente recebe mais de 5 mil expositores e mais de 1 milhão de compradores em seus eventos.

Curta nossa página no

Krones e Stadler impulsionam economia circular

03/10/2019

Christian Fisch (esq), Chefe de Plantas da Krones AG e Willi Stadler (dir),presidente da Stadler Anlagenbau GmbH

Garrafas PET usadas e outros resíduos plásticos podem ser um recurso valioso para o setor de embalagens e outras indústrias. No entanto, atualmente esse recurso permanece sem uso em muitas áreas. Para promover ações duradouras em sinergia, as empresas alemãs Krones AG e Stadler Anlagenbau GmbH uniram forças em uma aliança.

Seu objetivo comum é aproveitar as vantagens da reciclagem de plásticos para oferecê-las a clientes em todo o mundo. Por um lado, oferecendo suas soluções no campo da tecnologia de triagem e reciclagem, tais como plantas completas turnkey. Por outro lado, através do desenvolvimento conjunto de novas soluções, processos e tecnologias relacionadas à triagem e tratamento de resíduos.

Ao combinar a experiência e as tecnologias especializadas das duas empresas, Krones e Stadler esperam gerar um impulso significativo para a tecnologia de reciclagem e a economia circular associada. “Queremos fornecer aos nossos clientes a produção de material da mais alta qualidade do setor”, explica Willi Stadler, CEO da Stadler Anlagenbau GmbH. Christian Fisch, que como chefe de plantas da Krones AG é responsável pela aliança, acrescenta: “Essa colaboração nos permite reduzir e melhorar as interfaces. Isso não apenas impulsiona nossa tecnologia e processos, mas também nos torna muito mais rápidos na execução de projetos específicos de clientes”.

Os dois parceiros farão sua primeira aparição pública juntos na feira K 2019, que acontecerá em Düsseldorf de 16 a 23 de outubro. Representantes das duas empresas estarão disponíveis para responder a perguntas sobre esta aliança no pavilhão Krones no estande número 15.1.

A Stadler Anlagenbau GmbH está entre os líderes de mercado no campo de plantas de triagem. Sediada em Altshausen, a empresa emprega cerca de 450 pessoas e já vendeu mais de 350 plantas turnkey e 2.000 componentes individuais em todo o mundo. Suas tecnologias proprietárias podem ser usadas para classificar uma ampla gama de materiais – incluindo resíduos de plástico, papel e papelão, resíduos domésticos e resíduos comerciais.

A Krones AG é um nome bem estabelecido nas indústrias de alimentos e bebidas. Na matriz global do grupo, composta por mais de 100 subsidiárias e operações de filiais, mais de 16.500 funcionários fazem parte da empresa. O grupo fornece a seus clientes as necessidades de suas operações de produção: desde máquinas individuais e soluções de digitalização, até fábricas turnkey de bebidas e reciclagem.

Curta nossa página no

Milliken apresenta segunda geração de linha de modificadores de desempenho para PP

03/10/2019

Produto mantém pegada sustentável, em nova versão sem cor e com aprovação FDA, focalizando principalmente os produtores de resinas e o segmento de embalagens alimentícias.

Depois do lançamento da linha DeltaMax em abril deste ano, a Milliken apresenta ao mercado a segunda geração de modificadores de desempenho, agora sem cor e com aprovação FDA. Segundo a empresa, o produto mantém a sua pegada sustentável, com foco em produtores de resina e no setor alimentício, possibilitando também o incremento do uso de polipropileno (PP) reciclado.

A nova geração do produto será lançada na Feira K, em Düsseldorf, na Alemanha, entre os dias 16 e 23 de outubro.

De acordo com Rodrigo Silva, Gerente Comercial da Milliken, o produto estará disponível no mesmo período para homologações regionais. “Como as legislações diferem conforme a região, será necessário que as empresas homologuem o novo DeltaMax”, afirma.

De acordo com a Milliken, a segunda geração de seus modificadores de desempenho diferencia-se da primeira pela cor e pela aprovação para contato com alimentos. Enquanto a anterior tinha uma cor alaranjada, segundo Silva, a nova linha é incolor. “Isso favorece na confecção de embalagens e peças por injeção de polipropileno (PP), copolímero de impacto para produtos alimentícios e demais aplicações, e também favorece o incremento da parcela de PP reciclado na mistura”, explica. “Na realidade a segunda geração DeltaMax é uma linha de produtos multiuso, que pode ser utilizada em diversas aplicações, como no caso de produtos linha branca (geladeiras, fogões, etc) que anteriormente não conseguiam atingir a cor ideal com a primeira geração do DeltaMax”.

Segundo a Milliken, os concentrados (masterbatches) da linha DeltaMax garantem um equilíbrio inédito entre resistência ao impacto e a fluidez não obtidos com o uso dos modificadores de impacto convencionais, sem, contudo, comprometer a rigidez da Resina. “O Deltamax e destinado a transformadores que queiram otimizar a resistência ao impacto da resina para gerar peças acabadas mais robustas, sem ter que sacrificar o índice de fluidez e nem perder processabilidade”, assegura Silva.

A Milliken afirma que o DeltaMax otimiza propriedades físicas e a processabilidade da resina, seja ela virgem ou reciclada.

Silva explica que “essa melhora decorre da melhor dispersão das partículas de borracha presentes no PP copolímero de impacto. Com isso, a tecnologia proporciona aos transformadores ganhos simultâneos – tanto em índice de fluidez quanto em propriedades de impacto. Essa era uma lacuna do mercado, agora ocupada de forma inovadora por DeltaMax”.

De acordo com a Milliken, os novos modificadores de desempenho são especialmente aplicáveis à produção de peças de geometria complexa e/ou que requeiram resistência significativa ao impacto – em outras palavras, a produtos cujas vidas úteis impliquem graus intensivos de manuseio, choques e stress mecânico. Exemplos são caixas organizadoras, baldes, cestos e outras utilidades domésticas; elementos para construção civil; e componentes automotivos.

Ganhos operacionais e em sustentabilidade

Segundo a empresa, o uso dos novos concentrados permite aos transformadores utilizar até 100% de material reciclado, desde que a matéria-prima apresente a qualidade exigida (baixo grau de contaminantes), ou aumentar o teor de resina reciclada em misturas típicas com resina virgem. “Isso fomenta a economia circular e melhores práticas de produção. É um apelo expressivo, haja vista os planos ambiciosos de grandes marcas da indústria em ampliar o uso de plásticos reciclados”, ressalta Silva.

A Milliken afirma também que a melhora na processabilidade, viabilizada pelo aumento do índice de fluidez da resina, reverte-se em ganhos de ciclo operacional: o transformador produz mais peças num mesmo período e, consequentemente, consome menos energia. A possibilidade de aumento do percentual de reciclado em misturas também proporciona ganhos financeiros, uma vez que a matéria-prima recuperada tem custo menor. Testes realizados pela Milliken registraram reduções do ciclo operacional de 10% a 15%, dependendo da aplicação, e economia de energia na mesma faixa. Como consequência, a redução na emissão de CO2 sofreu queda média de 10%, assegura a empresa.

Nos Estados Unidos, onde foi introduzido em meados do ano passado, DeltaMax já vem sendo utilizado na fabricação de caixas organizadoras, cestos e peças de circulação de ar para telhados (vents). Aplicações no setor de autopeças estão sendo consolidadas. Os transformadores também devem considerar possíveis interferências de cor em aplicações de grande exigência estética. A coloração alaranjada dos novos modificadores de desempenho pode demandar ajustes nas formulações de pigmentação.

A expectativa da Milliken é de que DeltaMax tenha uma boa receptividade também no Brasil, por quebrar um paradigma no trabalho com PP copolímero de impacto. “É uma tecnologia inovadora, que melhora significativamente o desempenho durante a transformação e também as propriedades dos produtos finais”, define Edmar Nogueira, Gerente Técnico da Milliken.

Curta nossa página no

Cromex apresenta novidades em masterbatches e aditivos durante a K 2019

03/10/2019

Dentre os lançamentos, a empresa apresentará sua linha de aditivos desenvolvida para o mercado de reciclagem.

Entre os dias 16 a 23 de outubro, a Cromex estará expondo na Feira K 2019 – principal feira mundial da indústria de plásticos e borracha – no pavilhão 8a, stand F37, para reforçar a sua atuação no mercado internacional e apresentar as suas novidades em masterbatches de cores e aditivos para os principais mercados da indústria do plástico, como o de embalagens rígidas e flexíveis, cosméticos, agricultura e reciclagem.

Os principais destaques são:

Linha de masterbatches pretos

Segundo a Cromex, seu portfólio de masterbatches pretos é capaz de atender desde clientes que exigem um produto com altas concentrações e alto desempenho, através da linha premium, até aqueles que precisam de um menor custo – nesse caso, a empresa pode oferecer a linha economy. Se os clientes procuram um meio termo entre alto desempenho e baixo e custo, a empresa fornece ainda a linha standard.

A Cromex ressalta que suas soluções podem também agregar propriedades adicionais por meio da aditivação dos masterbatches pretos, adicionando benefícios extras ao produto final como a proteção aos raios UV, resistência a propagação de chamas, efeito antimicrobiano, aumento da condutividade elétrica e outros.

Linha de aditivos para reciclagem

Outra novidade da empresa é a linha de aditivos para reciclagem. Segund a Cromex, os aditivos permitem ganhos em processamento, nas propriedades mecânicas e organolépticas do reciclado e redução de perdas.

Dentre os produtos está o novo extensor de cadeia para PET, que, segundo a Cromex, é capaz de melhorar as propriedades mecânicas e reológicas, aumentando a viscosidade da resina, garantindo maior resistência e possibilitando incremento de velocidade em sua produção

Os auxiliares de fluxo também serão apresentados na feira e proporcionam aumento de produtividade ao reduzir o atrito da resina na superfície metálica da máquina durante o processo, contribuindo com o fluxo do material com consequente redução do consumo de energia, afirma a empresa

Os dessecantes, produtos que capturam a umidade durante o processo, melhoram o desempenho e diminuem a ocorrência de defeitos no filme plástico, sendo capazes de reduzir o tempo de secagem do material antes do processamento, garante a Cromex.

A empresa afirma também que os seus branqueadores ópticos e blue-toners melhoram o aspecto visual da resina, reduzindo o tom amarelado do reciclado.

Além disso, os compostos de purga reduzem a necessidade de paradas de máquina, pois promovem uma limpeza rápida para a troca de cor e/ou resina, com consequente diminuição de gastos e redução da necessidade do uso de conteúdo petroquímico.

Think Green, Live AllColors | Masterbatches isentos de metais pesados

Com amplas possibilidade de cores, a Cromex conta com um portfólio de cores robusto, que incluem também efeitos como perolado, metalizado, fluorescente, termocrômico, fosforescente, fotocrômico, glitter e de interferência, possibilitando a criação de cores diferenciadas para compor o design dos produtos e atrair o consumidor no ponto de venda, estimulando a compra. A Cromex afirma ser uma das empresas pioneiras a adotar um portfólio totalmente isento de metais pesados. Pensando nisso, criaram o selo Think Green, Live AllColors, um símbolo para representar os esforços da marca em prover soluções que minimizam os impactos ambientais.

A Cromex está no mercado há mais de 40 anos e conta com a maior planta fabril de materbatches da América do Sul, exportando seus produtos para cerca de 60 países.

Serviço: Cromex na Feira K 2019
Localização:Hall 8a, StandF37
Data: De 16 à 23 de outubro.
Local:Düsseldorf, Alemanha

Curta nossa página no

Semana do Plástico ES terá como temas a imagem e a reciclagem dos plásticos

03/10/2019

“Fortalecimento da imagem e reciclagem do plástico” é o tema central da 12ª Semana do Plástico, que será realizada de 28 de outubro a 3 de novembro, pelo Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado do Espírito Santo (Sindiplast-ES), com o intuito de fortalecer o setor de Transformados Plásticos e aproximar as empresas associadas. O evento, que acontecerá na Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), contará com palestras, Interface Setorial, capacitação, premiações e ação de educação ambiental.

As ações, que têm como objetivo levar as pessoas a uma reflexão quanto ao uso responsável do plástico, vão abordar aspectos como o descarte, o reuso e o potencial mercadológico do plástico para a sustentabilidade e o meio ambiente.

“A intenção é apresentar soluções que evidenciem a importância do plástico para a sociedade, destacando o viés socioambiental, a logística reversa, a economia circular e a reciclagem. Esses assuntos devem ser prioritários, aliados ao fortalecimento de tecnologias relacionadas à reciclagem e à educação”, destaca o presidente do Sindiplast-ES, Jackley Maifredo.

A cerimônia de abertura ocorrerá no dia 28 de outubro, às 19h30, no Salão da Indústria. Na ocasião, serão divulgados os vencedores do Inova Plast, do melhor aluno da Escola do Plástico, do Empresário Destaque e da Gincana do Plástico – Tampinha Legal. Ao longo da Semana do Plástico haverá também capacitação para empresários, encontro de negócios, palestras e visitas técnicas. O encerramento do evento será com uma ação de conscientização para o uso correto do plástico.

Ações de qualificação e de relacionamento

A programação do principal evento do setor de Plásticos capixaba é voltada também à qualificação e ao relacionamento. No segundo dia, 29 de outubro, os empresários participarão da Interface Setorial, começando com palestra sobre microcrédito com o presidente da Agência de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas e do Empreendedorismo (Aderes), Alberto Gavini. Mais tarde, o Gerente do Fórum Capixaba de Petróleo e Gás, Durval Vieira, irá falar sobre os investimentos e oportunidades no Espírito Santo.

Na quarta-feira, dia 30 de outubro, acontece o workshop “Ideia para inovação” para a capacitação de empresários, no Plenarinho da Findes, por meio do Programa PicPlast, com a participação do FindesLab e do Sebrae-ES. Durante toda a semana, entre os dias 28 de outubro e 1º de novembro, à noite, serão realizadas palestras técnicas e minicursos, na Escola Senai do Plástico, no Civit, na Serra.

No dia 1º de novembro, os ganhadores da Gincana Tampinha Legal participarão de visita a uma indústria e à Unidades Operacionais, no Civit, na Serra.

A 12ª Semana do Plástico será encerrada no dia 3 de novembro com uma ação de conscientização organizada pelo Instituto Guaiamum, no Shopping Boulevard, em Vila Velha. Com o tema “Educação para o uso correto do plástico”, será montado um espaço para dialogar com o público sobre o ciclo do plástico, o descarte do material e sua importância para a economia.

Curta nossa página no