Clariant lança negócio dedicado à Manufatura Aditiva para fornecer filamentos personalizados e profissionais para impressoras 3D

10/12/2017

  • Filamentos personalizados e profissionais para impressoras 3D personalizados com opções de cores e características exclusivas para o mercado de Impressão 3D
  • Incluem aditivos, pigmentos e masterbatches da Clariant
  • Todos os materiais são fornecidos prontos para impressão

A Clariant, uma das empresas líderes mundiais em especialidades químicas, anunciou em 06/12 seu novo negócio dedicado à impressão 3D para atender à demanda do mercado de Manufatura Aditiva por filamentos personalizados de alta qualidade para impressoras 3D.

O negócio de Manufatura Aditiva (ou Impressão 3D) está crescendo a um ritmo acelerado globalmente, com uma taxa de crescimento anual acima de 28% em cada um dos últimos 7 anos, gerando um total de US $ 6,063 bilhões em vendas só em 2017. A Manufatura Aditiva passou de um estágio de tecnologia de nicho para uma indústria onde produtos exclusivos são produzidos; por exemplo, hoje, mais de 90% das conchas de plástico para próteses auditivas são fabricadas através de Manufatura Aditiva. Produtos fabricados através de Manufatura Aditiva são muitas vezes peças complexas de uso final, tais como dutos de ar, drones, lâmpadas e peças para equipamentos de fabricação. Esses produtos podem ser aprimorados com materiais personalizados prontos para impressão, de alta qualidade, que também resistem ao desgaste do uso prolongado.

O novo negócio de impressão 3D da Clariant aproveita os inúmeros anos de experiência da empresa na personalização de polímeros para uma ampla gama de aplicações de mercado final com pigmentos, aditivos e masterbatches para fornecer filamentos de alta qualidade para impressoras 3D e soluções sob medida. Segundo a empresa, a unidade Clariant 3D imprime e testa todos os seus materiais para garantir a capacidade de impressão e alta qualidade exigida de forma consistente. A ampla experiência da Clariant em materiais, aplicações e produção permite que a empresa trabalhe em estreita colaboração com os clientes na seleção de polímeros, aditivos e corantes para abordar condições típicas de uso final, tais como exposição a intempéries (exposição solar, exposição UV), retardância de chama e propriedades elétricas. Além dos materiais sob medida, a empresa também oferecerá um portfólio de material padrão de alta qualidade. Os materiais de impressão 3D são fabricados pela Clariant e estão disponíveis em lotes de tamanhos flexíveis para atender às necessidades específicas dos clientes.

“Na Clariant, temos todas as capacidades para produzir filamentos de impressoras 3D de alta qualidade e prontas para impressão”, disse Richard Haldimann, chefe de desenvolvimento de novos negócios da Clariant. “Temos experiência em oferecer soluções especializadas e sob medida aos clientes através dos noss

os negócios de Plásticos e Revestimentos. A infraestrutura de produção existente na Clariant oferece ao negócio de Impressão 3D uma dimensão global ao oferecer filamentos de impressoras em todo o mundo”, completou.

Fonte: Clariant

Curta nossa página no

Anúncios

Linha de produtos de PBT da BASF proporcionam barreira de oxigênio para embalagens e cápsulas de café

10/12/2017

A BASF está expandindo sua linha de produtos de contato com alimento da classe de PBT – poli(tereftalato de butileno). Segundo a empresa, o seu Ultradur® Barrier apresenta um desempenho superior em relação à transmissão de oxigênio. Houve um grande interesse quando a BASF apresentou seu primeiro PBT para cápsulas de café, no final de 2014, já que o produto oferecia vantagens em comparação às soluções existentes. Como diferencial, afirma a BASF, combinava excelentes propriedades de barreira e preservação do aroma, sem precisar de qualquer revestimento adicional complexo, afirma a BASF.

Afirma a BASF que o seu o inovador Ultradur® Barrier é baseado em um método totalmente novo que melhora as propriedades de barreira de oxigênio para peças de parede fina moldadas por injeção, em conformidade com os regulamentos FC (EU10/2011). Os resultados de diferentes testes independentes foram iguais: os valores da Taxa de Transmissão de Oxigênio (OTR) estão abaixo do limite de quantização, segundo os padrões de teste ISO 15105-2/DIN 53380-3.

O nome Barrier (barreira) reflete a excelente pontuação nos testes, onde o valor da OTR (em [cm³/(m² *dia*atm)]) medido ficou abaixo de 0,10 (medido em amostras de placa de 1mm), afirma a empresa. Segundo Simon Kniesel, Desenvolvimento de Produto de Plásticos de Engenharia da BASF, “o Ultradur Barrier oferece uma qualidade de barreira inigualável na moldagem de camada única por injeção, superando até mesmo as soluções PP/EVOH/PP multicamadas usadas para cápsulas de café. Esse é um grande passo à frente, que permite que nossos clientes ofereçam soluções de embalagem estanque a oxigênio para os donos da marca e uma experiência superior de aroma para os consumidores finais”.

As aplicações-alvo do Ultradur® Barrier são cápsulas de café, embalagem de alimentos e cosméticos

Além de uma OTR excepcionalmente baixa, o produto oferece boas propriedades de barreira contra o vapor de água, óleo mineral e aroma, garante a BASF. Também apresenta boas propriedades organolépticas, o que significa que não afeta o gosto e sabor. Sua resistência química contra hidrocarbonetos torna o produto atraente para a indústria de cosméticos. Por ser uma solução de camada única, não precisa de revestimento adicional ou de embalagem secundária, afirma a empresa.

No caso de cores diferentes, por exemplo, para indicar claramente os sabores do café, a divisão BASF Color Solutions oferece lotes mestres de corante, fabricados especialmente para o material Ultradur® FC, também com certificados de contato com alimento.

“Os mercados alvos são as indústrias de cápsulas de café, onde reduzir a transmissão de oxigênio é um requisito importante, assim como outras indústrias de embalagem de alimentos e a indústria de cosméticos. Estamos muito animados em conversar com os especialistas desses setores sobre a aplicação de nosso Ultradur® Barrier em seus mercados”, afirma Jens Müller, do Marketing de Segmento para Embalagem na Europa, Oriente Médio e África, na Divisão de Materiais da Performance da BASF.

Fonte: Basf

Curta nossa página no

Movimento Plástico Transforma promove a versatilidade e o potencial dos plásticos em “Cubo Mágico” na Avenida Paulista

09/12/2017

  • Batizada de PlastCoLab, iniciativa busca inspiração no movimento maker para apresentar a versatilidade e o potencial de transformação do plástico
  • Instalação oferece experiências gratuitas ligadas à inovação, criatividade e conhecimento

Com a proximidade do Natal, a avenida Paulista, no coração de São Paulo, ganha ainda mais visibilidade com as decorações típicas desta época do ano. A surpresa deste ano ficou por conta de um “cubo mágico”, icônico brinquedo dos anos 80, com nove metros de altura. Nele está funcionando o PlastCoLab, um makerspace pop up de três andares que oferece gratuitamente experiências ligadas à inovação, criatividade e conhecimento associados à versatilidade do plástico e seu potencial de transformação. A ação, que se iniciou no dia 3 e se encerrará no dia 17 de dezembro, é realizada pelo Movimento Plástico Transforma, pertencente ao Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast), uma iniciativa setorial, e funcionará de terça a sexta, das 11h às 19h e sábados e domingos, das 10h às 18h.

O PlastCoLab tem como mote principal o movimento maker, uma extensão da cultura do “faça você mesmo”, que tem como base a idéia de que pessoas comuns podem construir, consertar, modificar e fabricar os mais diversos tipos de objetos e projetos com suas próprias mãos. Esta filosofia está presente por todo o PlastCoLab: por exemplo, no espaço Expo, no primeiro andar da instalação, está sendo possível ver de perto o funcionamento da impressora 3D criada pela Made In Space, empresa norte-americana líder no desenvolvimento de impressoras 3D para operação em gravidade zero e fornecedora da NASA. A máquina foi utilizada por astronautas para a produção de ferramentas utilizando o plástico feito a partir de fonte renovável, cana de açúcar, fornecido pela Braskem.

“O PlastCoLab traz ao público, de um jeito interativo e moderno, a alta tecnologia e a contemporaneidade dos produtos que utilizam o plástico como matéria-prima. Acreditamos que é importante aproximar a sociedade deste produto, dando a todos a possibilidade de participar de oficinas colaborativas, criando seus próprios projetos”, enfatiza José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast.

“Queremos aproximar a população das novas tecnologias e mostrar, de forma prática, o quanto a versatilidade do plástico já faz parte das nossas vidas e como ele continuará importante no futuro”, diz Edison Terra, Vice-Presidente Executivo da Braskem.

Andares e atrações:

O PlastCoLab está dividido em três andares. No primeiro andar há uma série de exposições interativas, entre elas o hockey de robôs, uma demonstração das inúmeras possibilidades da robótica, e os Bonecxs para Todxs, brinquedos criados pelo pessoal da MiranteLab que têm como proposta uma reflexão sobre padrões e identidades. Ainda, no mesmo espaço, também é possível manipular objetos produzidos na impressora 3D do Made In Space.

No segundo andar acontecem as oficinas, tais como: Impressão 3D na Prática, Robótica para Crianças, Construção de Fliperama e de Moldes Plásticos, Hortas Automatizadas, Oficina de Brinquedos e Oficina de Drones.

A troca de conhecimento continua no terceiro pavimento do PlastCoLab, onde acontecem palestras com especialistas ligados ao movimento maker. Entre eles, marcam presença Silvana Bahia, diretora de Projetos da Olabi & Preta Lab, projeto que estimula o protagonismo de meninas e mulheres negras e indígenas no campo da inovação e da tecnologia; Heloisa Neves, diretora Executiva da Associação Fab Lab Brasil e que lançou recentemente o livro “Fab Lab: a vanguarda da nova revolução industrial” e a palestrante mirim de 9 anos Manoela Meroti, que empreende desde os 6, vendendo pulseiras de elástico e quadros pintados à mão.

No terceiro andar também são realizados os Hackathons. O professor Charles Esteves Lima, diretor pedagógico do Adoro Robótica, e Maria Augusta Bueno, diretora do São Paulo Lab, organizam grupos de até 30 pessoas divididas em times de quatro ou cinco que irão gerar prototipos de acessórios em plástico e kits associados ao pensamento maker.

À noite, o público também pode participar de uma obra de arte e tecnologia interativa em escala urbana, “O Mestre Mandou”, de Lina Lopes. A fachada do PlastCoLab apresenta uma sequência de luz e cores que o participante deverá reproduzir com passos em um tablado com botões nas cores correspondentes. À medida que acertar, passará ao próximo nível de dificuldade. Para interagir com a obra, bastará postar uma foto com a hashtag da ação: #plasticotransforma. A atividade está disponível de terça a domingo, na área externa do PlastCoLab, das 18h às 22h.

Programação:

1o. andar
De terça a sexta, das 11h às 19h e sábados e domingos, das 10h às 18h.
Entre 3 e 17/12: Exposições Hockey de Robôs, Robôs Humanoides, Bonecxs para Todxs, O que é o Plástico?, Imprimindo o Futuro.

2o. andar
Oficinas sempre das 14h às 17h.
05/12 (terça-feira): Oficina de Objetos de Plástico com Moldes de Fabricação Digital;
06/12 (quarta-feira): Oficina de Stencil;
07/12 (quinta-feira): Oficina Impressão 3D na Prática;
08/12 (sexta-feira): Oficina de Robótica para Crianças;
09/12 (sábado): Oficina de Construção de Fliperamas;
12/12 (terça-feira): Oficina de Montagem e Pilotagem de Drones;
13/12 (quarta-feira): Oficina de Hortas Automatizadas;
14/12 (quinta-feira): Oficina de Vacuum Forming;
15/12 (sexta-feira): Oficina de Brinquedos em Impressoras 3D;
16/12 (sábado): Oficina de Acessórios em Acrílico com Corte a Laser

3o. andar
Palestras e Hackathons
08/12 (sexta-feira) das 15h às 16h: Palestra “Você Ainda vai Ser um Maker”, com Heloisa Neves;
09/12 (sábado) das 14h às 15h: Palestra “Maker Inclusivo”, com Silvana Bahia;
10/12 (domingo) das 10h às 18h: Hackathon “Educação Maker” com o Professor Charles Esteves Lima;
16/12 (sábado) das 14h às 15h: Palestra “Como Ganhei meu Primeiro Hackathon criando Brinquedo” com Manoela Meroti;
17/12 (domingo) das 10h às 18h: Hackathon “Mobilidade Urbana”, com Maria Augusta Bueno.

Serviço:
PlastCoLab
Data: 3 e 17 de dezembro
Horário: terça a sexta, das 11h às 19h e sábados e domingos, das 10h às 18h.
Local: calçada do Shopping Cidade São Paulo, localizado na avenida Paulista, 1230 – Bela Vista, São Paulo – SP
Quanto: a entrada é gratuita e por ordem de chegada. Para participar das oficinas, palestras e Hackathons, é necessário fazer uma pré-inscrição pelo site http://www.plastcolab.com.br.

Sobre o PICPlast: O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast) é uma iniciativa criada em 2013 pela Braskem e ABIPLAST, Associação Brasileira da Indústria do Plástico, e prevê o desenvolvimento de programas estruturais que contribuam com a competitividade e o crescimento da transformação plástica. Baseado em três pilares: aumento da competitividade e inovação do setor de transformação, estímulo às exportações de transformados plásticos e promoção das vantagens do plástico, o PICPlast também conta com investimentos voltados ao reforço na qualificação profissional e na gestão empresarial.

No pilar de vantagens do plástico, as frentes de trabalho são voltadas para reciclagem, estudos técnicos, educação e comunicação, com destaque para o Movimento Plástico Transforma. Para saber mais, acesse http://www.picplast.com.br e plasticotransforma.com.br

Fonte: Assessoria de Imprensa – Movimento Plástico Transforma

Curta nossa página no

Tecniplas fornece à Casan tanque monolítico de 250 m³ para armazenamento de água potável

09/12/2017

Maior fabricante brasileira de tanques e equipamentos especiais em compósitos de PRFV (Plástico Reforçado com Fibras de Vidro), a Tecniplas acaba de concluir a produção de um reservatório (foto) adquirido pela Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (CASAN). De acordo com Luís Gustavo Rossi, diretor da Tecniplas, um dos diferenciais desse projeto é o fato de o tanque ter sido produzido em uma peça única (monolítica), apesar das suas dimensões.

“Com 250 m³, 5 m de diâmetro e 12,75 m de altura, é o maior reservatório monolítico a entrar em operação na Casan”, ele afirma, lembrando que é possível fabricar tanques desse tipo com até 400 m³ de capacidade. Acima disso, a Tecniplas recorre à oblatação, tecnologia que permite a fabricação, em seções, de tanques de até 4.500 m³.

O reservatório da Casan armazenará água potável e fará parte do sistema de abastecimento da cidade de Palma Sola, no oeste catarinense. Por conta do tipo de aplicação, observa o diretor da Tecniplas, o tanque foi produzido de acordo com as exigências da Portaria 2914, do Ministério da Saúde, que dispõe sobre os procedimentos de controle de qualidade da água para o consumo humano.

“Utilizamos resinas próprias para o contato com água potável. Também ajustamos a translucidez desses polímeros para que a luz solar não contribua com a proliferação de algas”, detalha Rossi.

Fundada em 1976, a Tecniplas opera em Cabreúva (SP) uma planta para a fabricação de tanques e equipamentos especiais de compósitos em PRFV. Além de atuar no mercado de saneamento básico, a empresa está presente nos setores de álcool e açúcar, papel e celulose, alimentos e bebidas, química e petroquímica e fertilizantes.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tecniplas

Curta nossa página no

Lanxess encerra sua produção na fábrica de Rio Claro

09/12/2017

A Lanxess decidiu encerrar sua produção na unidade de Rio Claro (foto). Nessa unidade, o grupo produz, principalmente, herbicidas e produtos químicos para borracha para dois clientes específicos, que acabaram decidindo por encerrar seus contratos de cooperação com a companhia. Além disso, a empresa produz, também nessa planta, aditivos lubrificantes e pré-polímeros de uretano. A multinacional assumiu o site de produção, com cerca de 70 funcionários, como parte da aquisição da empresa química Chemtura.

“Após uma profunda análise da atividade da fábrica, chegamos à conclusão que não poderemos mais operar nessas instalações, de forma competitiva, após o término desses dois contratos de fabricação”, afirma Eliane Siviero, CEO da Lanxess Brasil. “Com base em nossos valores, decidimos comunicar essa decisão com uma antecedência razoável. Nossa prioridade agora é entrar em negociações construtivas, com os representantes sindicais, para encontrar, o quanto antes, soluções que atendam às necessidades dos colaboradores da unidade”.

O grupo passará a cobrir a demanda por aditivos lubrificantes no Brasil por meio da sua rede global de produção. Os negócios de uretanos, da região da América do Sul, serão gerenciados pelas unidades de Porto Feliz e São Paulo. Em Porto Feliz, o grupo opera a produção de pigmentos de cor, aditivos de borracha, bladders e plásticos de alto desempenho; já em São Paulo, localiza-se a sede da companhia no Brasil.

A Lanxess possui cerca de 1.100 funcionários em 9 unidades de produção no Brasil. Destes, cerca de 600 funcionários trabalham em 5 plantas da Arlanxeo, uma joint venture da Lanxess e da Saudi Aramco para a produção de borracha sintética.

A nível mundial, a Lanxess é uma empresa líder de especialidades químicas com vendas de 7,7 bilhões de euros em 2016 e aproximadamente 19.200 funcionários em 25 países. Atualmente a empresa está representada em 74 locais de produção, em todo o mundo. O core business da Lanxess é o desenvolvimento, fabricação e comercialização de intermediários de borracha, especialidades químicas e plásticos. Através da Arlanxeo, joint venture com a Saudi Aramco, a Lanxess também é um fornecedor líder de borracha sintética.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

BASF e empresa coreana DONG-IL CNE assinam acordo para desenvolvimento de soluções em compósitos de poliuretano para as indústrias da construção e infraestrutura

30/11/2017

A Basf e a Dong-il Cne assinaram um Memorando de Entendimento (MoU) para desenvolver postes de eletricidade leves e inovadores, bem como tubos para óleo e gás e outras soluções voltadas para infraestrutura avançada. Na etapa inicial da parceria, a Dong-il Cne fornecerá sua experiência de fabricação para a produção de postes de eletricidade com a marca Basf , feitos com o poliuretano (PU) Elastolit® da BASF. Os parceiros também vão explorar outras aplicações de materiais leves para atender à crescente demanda por compósitos mais resistentes e leves para as indústrias de construção e infraestrutura.

“Estamos muito satisfeitos com a parceria com a Dong-il Cne na busca de novas oportunidades, abordando o mercado global de compósitos, que tem a estimativa de atingir quase 40 bilhões de dólares em 2021”, afirma Andy Postlethwaite, vice-presidente sênior da divisão da BASF de Materiais de Performance. “Nossos postes de eletricidade ultraleves ajudarão a fornecer eletricidade, sem interrupções, para cidades em toda a Ásia, principalmente em áreas onde as condições climáticas são extremas, como Filipinas, Indonésia, Malásia, Coréia, Japão e Austrália”.

Com o acordo, a Basf e a Dong-il Cne também irão pesquisar várias novas tecnologias, incluindo pultrusão de PU, PU com enrolamento filamentar de fibra de carbono, assim como tubos de óleo e gás com processos de enrolamento filamentar de PU que suportam altas temperaturas.

“Ao combinar as vastas competências da Basf em tecnologias e materiais compósitos com as nossas capacidades integradas de fabricação, essa parceria criará novas aplicações de materiais que irão ajudar a enfrentar os desafios de infraestrutura urbana trazidos pelo aumento populacional em toda a Ásia”, considera Choi Young Ki, presidente da Dong-il Cne . A empresa possui uma extensa experiência de fabricação no mercado de materiais compósitos de alto desempenho na Ásia, abrangendo as indústrias automotiva, de construção naval, construção civil e engenharia civil, bem como a indústria química.

Os postes de eletricidade fabricados com PU utilizando a tecnologia exclusiva de enrolamento filamentar da Basf são extremamente leves e robustos, além de flexíveis. Segundo a empresa, os postes conseguem resistir a condições climáticas extremas, como tufões, e podem ser otimizados para condições específicas. Além disso, eles pesam menos e são ainda mais duráveis e resistentes do que os postes de concreto tradicionais, garante a empresa.

Sobre a Dong-il Cne Corporation: Desde a sua fundação em 1980, a Dong-il Cne tornou-se a única empresa profissional do país a oferecer um serviço completo para prevenção da poluição ambiental e fabricação de compósitos. Além disso, produzem materiais compósitos de alto desempenho amplamente utilizados em toda a indústria, incluindo automotivas, de construção naval, construção civil e engenharia civil, bem como a indústria química.

Sobre a Basf : O Grupo Basf conta com aproximadamente 112 mil colaboradorese o seu portfólio é organizado em 5 segmentos: Químicos, Produtos de Performance, Materiais e Soluções Funcionais, Soluções para Agricultura e Petróleo e Gás. A Basf gerou vendas de mais de € 58 bilhões em 2016.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

INDAC lança programa para auxiliar transformador no descarte correto de resíduos de acrílico

30/11/2017

Material pode ser 100% reciclado se retornado aos produtores de chapas. Transformadores são responsáveis pelo descarte correto, que pode ajudar na produção de chapas recicladas de melhor qualidade e mais baratas

Para ajudar o transformador no descarte correto de sucata de acrílico, o INDAC – Instituto Nacional para Desenvolvimento do Acrílico – criou o Programa de Recuperação de Acrílico. Por meio dele, vai orientar os transformadores sobre os procedimentos mais adequados de armazenamento e de repasse do material descartado aos produtores de chapas.

A iniciativa pretende eliminar do circuito as práticas inadequadas de coletores sem informação ou desavisados, que não armazenam corretamente o acrílico, além de misturá-lo com outros plásticos. Tais práticas fazem com que os custos de produção das chapas recicladas sejam mais dispendiosos por causa da separação de impurezas.

Além de contribuir para o aumento da qualidade da chapa reciclada e seu barateamento, o estímulo do retorno do material excedente às empresas produtoras ainda faz com que a cadeia se ajuste à Lei de Logística Reversa, que torna todos os elos do mercado responsáveis pelo descarte ecologicamente correto de resíduos sólidos.

Longe de ser um plástico comum, o acrílico, além de resistente, de ter boa aparência e ser bastante durável, é 100% reciclável. Quando descartado corretamente, pode ser novamente transformado em chapas que serão utilizadas para uma infinidade de aplicações, como objetos decorativos, displays comerciais e acessórios femininos, entre tantas outros itens. “Todo esse processo é possível porque o acrílico é um termoplástico que não sofre alterações significativas na sua estrutura química durante o reaproveitamento, permitindo que ele seja fundido no processo de recuperação do monômero de metacrilato de metila”, explica Carlos Marcelo Thieme, presidente Indac.

Tal flexibilidade ainda torna o acrílico um material valioso no mercado de reciclagem, quando comparado a outros plásticos. Isso faz com que seu índice de reaproveitamento seja bastante alto. De acordo com estimativas do setor, são recicladas no País aproximadamente 2 mil toneladas por ano de chapas e resinas acrílicas. E esse número só não é maior porque o material é muito durável e, por isso, utilizado na produção de bens com prazo de vida mais longo. Assim, um item em acrílico geralmente só é descartado quando quebra ou chega ao final de sua vida útil.

Descarte

Tanto quanto as empresas produtoras da matéria-prima, os transformadores têm responsabilidade sobre os impactos negativos de um produto no meio ambiente. Por isso, descartar corretamente os resíduos é fundamental, inclusive para que esse material volte às mãos de quem o produz. “Quando se tratar do descarte de acrílico, recomendamos que as pessoas procurem seus fornecedores de chapas. Em caso de dúvidas ou se tiver qualquer dificuldade de contato com o produtor, orientamos que procurem o INDAC. O Instituto vai informá-lo quanto à forma mais correta de descarte e armazenamento do material”, explica Thieme.

Para saber mais sobre o Prograa de Recuperação de Acrílico INDAC, o transformador pode ligar diretamente para o Instituto: (11) 3171-0423.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico (www.indac.com.br) é uma organização criada há 17 anos, por empresários da livre iniciativa do setor com objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado, por meio da indicação de seus associados. A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 40 filiados em todo o país.

Fonte: Assessoria de Imprensa – INDAC

Curta nossa página no

Tendências do mercado e linhas de crédito são apresentadas em seminário para a indústria plástica do Rio de Janeiro

30/11/2017

Seminário é um desdobramento do planejamento estratégico setorial do setor com destaque para design, inovação e sustentabilidade

Empresários e profissionais do setor plástico ampliaram seus conhecimentos sobre linhas de crédito, design, inovação, sustentabilidade e tendências que impactam as relações de consumo. O conteúdo foi apresentado no Seminário Setorial de Plástico, promovido pelo Sistema FIRJAN, no Rio de Janeiro.

Vinicius Martini, representante do Grupo Martiplast, fabricante de utilidades domésticas em Caxias do Sul (RS), mostrou como o design possibilitou o crescimento da empresa. Conhecer amplamente o mercado – clientes, concorrentes, fornecedores e exemplos internacionais – foi o ponto de partida, segundo Martini.

“Esse conhecimento possibilita entender o cenário, as novas tendências de consumo e comportamento e as demandas das novas gerações. Procurar referências em setores semelhantes se torna um diferencial. No nosso caso, olhar para os segmentos moveleiros e de alimentos foi essencial”, apontou.

O empresário gaúcho também destacou o processo de criação colaborativa junto aos clientes, possibilitando o desenvolvimento de novos produtos: “Além disso, é preciso entender que design não é apenas estética, tem a ver com a experiência do consumidor e a funcionalidade”.

Planejamento

Vice-presidente do Simperj, Marcelo Oazen explicou que o seminário, que ocorreu no último dia 22, é um desdobramento do planejamento estratégico setorial, desenvolvido este ano pela Federação em conjunto com o Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado do Rio de Janeiro (Simperj) e empresas do setor.

Ele comentou sobre as ações desenvolvidas pelo sindicato, entre elas uma maior aproximação com as escolas do setor de Plástico do SENAI, em Duque de Caxias e Três Rios, e a constante participação em feiras nacionais. Já o presidente do sindicato, José da Rocha Pinto, destacou que “a parceria com a FIRJAN tem papel de destaque no fortalecimento do setor e do sindicato”.

Os empresários também conheceram as oportunidades para inovação do Parque Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). José Caros Pinto, diretor executivo do Parque, convidou os participantes a conhecerem o local e o trabalho desenvolvido. “Já temos 72 empresas instaladas, sendo 55 de pequeno ou médio porte. Nosso objetivo é ajudar a transferir os conhecimentos da produção científica da academia para a indústria, de modo a desenvolver o estado do Rio e o país”, destacou o diretor.

Sustentabilidade e tendências

Presidente da Plastivida, Miguel Bahiense detalhou como consumir e descartar corretamente produtos plásticos. Para ele, é necessário saber como se relacionar com os produtos ao fim de sua vida útil: “Descartar de modo irresponsável é o que causa uma fama equivocada do setor”.

Já Carol Fernandes, especialista do Sistema FIRJAN, apresentou as macrotendências que refletem as novas relações de consumo e impactam no setor. Para ela, é preciso estar atento a essas tendências para enxergar novas oportunidades de negócios ou produtos.

Acesso a crédito

Gerente da FIRJAN Internacional, Pedro Spadale apresentou aos empresários o Núcleo de Acesso ao Crédito (NAC). “A iniciativa é um programa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) adotado recentemente pela Federação e consiste na oferta de serviços padronizados de orientação, capacitação, assessoria e consultoria ao crédito, com objetivo de aproximar demanda e oferta do recurso”, esclareceu Spadale, que também é o responsável pelo Núcleo na FIRJAN. Na ocasião, representantes da Caixa Econômica Federal, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Agência Estadual de Fomento do Rio de Janeiro (AgeRio) apresentaram suas linhas de créditos aos empresários fluminenses.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Firjan; Foto: Vinícius Magalhães

Curta nossa página no

Covestro comemora 80 anos de invenção do Poliuretano

30/11/2017

  • Uma versátil classe de plásticos celebra seu aniversário
  • Covestro conduz a história de sucesso
  • Projetos inovadores e sustentáveis que fazem do mundo um lugar melhor

Os poliuretanos mudaram o mundo. Devemos agradecê-los pelos refrigeradores com eficiência energética, móveis estofados confortáveis, assentos de carro seguros, revestimentos protetores e compósitos leves. Há 80 anos, o Dr. Otto Bayer (foto) descobriu a química do poliuretano praticamente por acidente. Sua perseverança e criatividade lançaram o sucesso arrebatador de um dos plásticos mais versáteis do mundo – e a história de sucesso está longe de acabar (vídeo da empresa (em inglês) no Youtube em https://youtu.be/Brwl9ASvSJs)..

“Com curiosidade e coragem, a Covestro está avançando no desenvolvimento de poliuretanos para fazer do mundo um lugar melhor”, diz Daniel Meyer, Head Global da Unidade de Poliuretanos. “Estamos desafiando os limites para desenvolver materiais isolantes mais eficientes, materiais ainda mais leves e produtos com maior economia de recursos”.

Todos os novos desenvolvimentos devem atender aos objetivos de sustentabilidade da Covestro. “Tomamos uma abordagem abrangente para todo o ciclo de vida do produto, incluindo os aspectos sociais, ecológicos e econômicos”, diz Daniel Meyer. “Nossos produtos são fabricados com base no carbono. Nosso objetivo é tirar o benefício máximo do carbono que utilizamos”.

Refrigeradores mais eficientes

Os poliuretanos contribuem de maneira importante para garantir o fornecimento global dos alimentos: cerca de 95% dos refrigeradores do mundo contêm isolamento térmico com espuma rígida de poliuretano. Segundo a Covestro, o seu sistema de poliuretano Baytherm® Microcell pode elevar a sua performance de isolamento em mais 10%. Isto significa maior economia de energia e custos domésticos e redução da emissão de CO2. Uma fabricante líder em utensílios já está utilizando este sistema em sua produção.

Dióxido de carbono como matéria-prima

A Covestro desenvolveu um método para utilizar o gás do efeito estufa CO2 para sintetizar os componentes do poliuretano. A empresa comercializa essas matérias-primas, conhecidas como polióis, sob a marca cardyon™, para a produção de espuma flexível de poliuretano e opera uma nova planta de produção para isto em seu site de produção em Dormagen, na Alemanha. Até 20% das matérias-primas fósseis anteriormente utilizadas nesses produtos foram substituídas pelo dióxido de carbono. Um catalisador especial proporciona o nível de reatividade desejado à molécula.

Novo modelo de habitação a preços acessíveis

A disponibilidade de habitação rápida, acessível e sustentável é um desafio global. A Covestro está trilhando novos caminhos em sua busca por soluções criativas. Junto com parceiros industriais, governos, agências governamentais e a sociedade, a Covestro está desenvolvendo modelos de habitação acessível e executando projetos específicos na Alemanha. Um exemplo é uma construção multiuso em Bergisch Gladbach, na Alemanha, que foi planejada e construída pelo conselho local, pela empresa de construção pré-fabricada francesa Logelis e a Covestro.

Pás de rotor da próxima geração para energia eólica

De acordo com a sua estratégia de sustentabilidade, a Covestro desenvolve materiais e tecnologias para gerar energia renovável – com foco na energia eólica. A empresa desenvolveu uma tecnologia inovadora para a fabricação de pás de rotor para turbinas eólicas. Os rotores são fabricados em um processo especial a partir de uma resina de poliuretano e um tecido de fibra de vidro. Para a resina, a Covestro recebeu recentemente a certificação da DNV GL para a China e agora pode fornecer seus produtos para fabricantes de pás de rotor no país.

Passado orgulhoso

O Dr. Otto Bayer apenas poderia ter sonhado com esses desenvolvimentos. Mas mesmo 80 anos atrás, buscou obstinadamente seu objetivo de melhorar a eficiência da fabricação de plásticos e, assim, descobriu a química do poliuretano, que se tornou sua paixão. E ainda se manteve firme em suas convicções quando seus superiores desdenharam a massa borbulhante que produzira em seus experimentos, dizendo que era no máximo um “substituto do queijo suíço”. Longe disso! Com uma criatividade incrível, ele e sua equipe descobriram toda uma série de aplicações possíveis.

Poliuretanos: Marcos de uma história de sucesso
1937 – Otto Bayer inventa a química do poliuretano
1943 – Novas marcas: Desmodur® (isocianatos) e Desmophen® (polióis)
1952 – Primeira espuma flexível feita de TDI e polióis
1958 – Revestimentos premium feitos de Desmodur® e Desmophen® (“Revestimentos DD”)
1962 – Estreia da espuma rígida de poliuretano como um material isolante em refrigeradores
1967 – Primeiro carro com um corpo totalmente plástico na feira comercial K’67
1970 – Painéis sanduíche com revestimento de metal para envelopes de construção
A partir de 1970 – Introdução dos sistemas de poliuretano Baydur® para espumas rígidas integrais
1980 – Assentos de carro com vários níveis de dureza
1990 – Espumas viscoelásticas abrem uma nova dimensão em conforto
1995 – Agentes de expansão sem HCFCs
1998 – Introdução do sistema de pulverização Baypreg® para compósitos
2000 – Polióis para revestimentos e adesivos à base da tecnologia Impact™
2005 – Avanços nos compósitos de poliuretano
2012 – Baytherm® Microcell para sistemas de refrigeração isolantes – tecnologia CO2
2016 – Lançamento no mercado do cardyon™ – Primeira pá de rotor feita de resina de poliuretano na Ásia

Fonte: Covestro; foto: Wikipedia

Curta nossa página no

Termotécnica recicla mais de 35 mil toneladas de isopor® em 10 anos

30/11/2017

Ponto de coleta de EPS em Joinville (SC)

Esclarecer que o isopor® pode ser 100% reciclado é um dos maiores desafios do Programa, que se iniciou em 2007

O Programa Reciclar EPS já deu um destino correto a mais de 35 mil toneladas de pós-consumo de EPS – material popularmente conhecido como isopor®. Representativo, o número equivale a 1/3 de todo o isopor® que foi reciclado no Brasil desde 2007, quando o programa foi iniciado. O Reciclar EPS gera cerca de 100 empregos diretos, conta com mais de 1,2 mil Pontos de Coleta e 300 cooperativas de reciclagem parceiras, o que impacta diretamente mais de 5 mil famílias.

Isopor é 100% Reciclável

Compreendendo 98% de ar, o  isopor® (ou EPS) possui o material plástico Poliestireno na sua composição e pode ser 100% reciclável.

O Programa Reciclar EPS nasceu em 2007, de forma pioneira, antecipando-se à PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos). A Termotécnica investiu no desenvolvimento de uma ampla cadeia de logística reversa, o que foi um desafio substancial, pelo fato de ser um material extremamente leve (98% de seu volume é composto por ar).

Com investimentos na ordem de R$15 milhões a empresa instalou unidades próprias de reciclagem nas cidades onde possui filiais: Manaus (AM), Rio Claro (SP), São José dos Pinhais (PR), Joinville (SC) e Petrolina (PE).

Após reciclado, o isopor® pode ser utilizado para a fabricação de itens como: régua escolar, corpo de caneta, solas de sapato, rodapés, molduras, entre outros.

Atendimento a estudantes

O Programa Reciclar EPS também pretende conscientizar as próximas gerações por meio de palestras para crianças sobre a reciclagem do isopor®. Com frequência, grupos escolares visitam a unidade de reciclagem da Termotécnica para aprender.

Portal online indica o ponto de entrega mais próximo

Com o objetivo de fortalecer a divulgação do Programa, a Termotécnica disponibiliza o Portal Reciclar EPS: www.reciclareps.com.br.  Para verificar onde está o ponto de entrega mais próximo, é só acessar o portal. Ao clicar no link “Onde reciclar”, o site identifica e direciona o ponto mais próximo de recolhimento de EPS para reciclagem.

A Termotécnica é a maior indústria transformadora de EPS da América Latina e líder no mercado brasileiro deste segmento. Produz soluções para Embalagens e Componentes, Agronegócios, Conservação e Movimentação de Cargas. Aos 56 anos, tem matriz em Joinville (SC) e possui unidades produtivas e de reciclagem em Manaus (AM), Petrolina (PE), Rio Claro (SP) e São José dos Pinhais (PR).

Fonte: Termotécnica

Curta nossa página no

Botanika lança vasos de jardinagem com Polietileno Verde da Braskem

30/11/2017

Polímero renovável estará presente em diferentes modelos de vasos de cultivo inteligente

A Botanika® (www.botanika.com.br) acaba de apresentar ao mercado sua linha de vasos de jardinagem fabricada com Plástico Verde I’m greenT, da Braskem (www.braskem.com.br). Os vasos têm como matéria-prima a cana-de-açúcar, uma fonte renovável, e foram projetados para garantir o melhor desenvolvimento das plantas.

Com um design moderno, os vasos da Botanika® podem ser utilizados para fins decorativos, ornamentais ou de jardinagem em interiores. Além disso, os vasos foram criados com um sistema de rega inteligente e reservatório de água para a autoirrigação, que oferece autonomia para até quatro semanas sem a necessidade de molhar as plantas. Por ser vedado, ainda contam com um sistema que protege contra a proliferação de mosquitos.

“Com os vasos Botanika® buscamos o propósito de trazer mais verde para casa, em todos os sentidos. Inclusive na escolha da matéria-prima”, destaca Marcos Roismann, diretor criativo da marca.

Os vasos, que serão comercializados nacionalmente, poderão ser identificados pelos consumidores por meio do selo “I’m greenT”, visível no produto. O selo é a identificação para produtos feitos com o Plástico Verde da Braskem.

“A parceria entre a Braskem e a Botanika reforça o nosso compromisso em transformar produtos em soluções inovadoras e de alto desempenho”, diz Gustavo Sergi, diretor de Químicos Renováveis da Braskem.

A Mais Polímeros (www.maispolimeros.com.br) , fornecedora de Polietileno Verde da Braskem desde 2016, apoiou o Botanika neste projeto para o desenvolvimento do produto com a resina de origem renovável. “Acreditamos que o novo conceito desenvolvido pela Botanika, utilizando o Plástico Verde, despertará o interesse dos consumidores que buscam soluções mais sustentáveis e diferenciadas”, afirma Daniela Guerini, diretora da MAIS Polímeros.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Evonik aposta em Inovação para alavancar crescimento

30/11/2017

  • Novos produtos e modelos de negócio dão novo impulso ao Grupo
  • Valor do canal de inovação aumentou em um terço nos últimos cinco anos
  • Tecnologia digital impulsiona a inovação

A Evonik pretende alavancar um potencial de crescimento adicional por meio da inovação. “Novos produtos, soluções e modelos de negócio farão uma contribuição significativa para o crescimento e a lucratividade da Evonik. Esses são integrantes essenciais da nossa agenda estratégica”, observou Harald Schwager, VP da Diretoria Executiva da Evonik Industries e responsável por inovações. O valor do canal de inovação da Evonik aumentou em um terço nos últimos cinco anos.

Schwager pretende implementar rapidamente esses planos de negócio a fim de gerar vendas adicionais a partir do valor do canal de projetos. “Temos que levar os nossos projetos de inovação para os clientes de um modo mais rápido e ainda mais focado. Vamos conseguir isso aumentando a nossa eficiência em pesquisa e desenvolvimento, trabalhando em colaboração estreita com os clientes”, acrescentou. No médio prazo, a meta da Evonik é aumentar para 16% a fatia de produtos e aplicações desenvolvidos nos últimos cinco anos nas vendas da empresa. Atualmente, essa participação é de 10%.

A Evonik pretende apoiar cada vez mais o sucesso dos clientes por meio de tecnologias digitais. Recentemente, a empresa anunciou que iria disponibilizar cerca de 100 milhões de euros para projetos de digitalização. “Nossa prioridade são novos modelos de negócio, além de soluções e serviços personalizados para os clientes. A mudança digital será um propulsor essencial da inovação ao longo da cadeia de fornecimento e às indústrias dos nossos clientes”, enfatizou Schwager.

Os gastos com pesquisa & desenvolvimento continuam altos em mais de 400 milhões de euros ao ano. Schwager, no entanto, acha que a pesquisa não é um fim em si. “Ela deve ocorrer de um modo focado em projetos que prometem mais negócio e crescimento – nos prazos curto, médio e longo”. Em resultado disso, cerca de 90% dos fundos são investidos nos esforços de pesquisa dos segmentos operacionais, e especificamente em negócios com potencial de crescimento particularmente alto. A participação do gasto com P&D nas receitas (razão P&D) nesses negócios já é de 4-6%. No Grupo como um todo, a razão de P&D excede 3%.

“Vemos a inovação como algo crucial para assegurar e expandir as nossas posições de mercado. Além disso, estamos trabalhando em áreas que irão gerar novos negócios para nós, impelidos por inovação. A Evonik prioriza em especial seis áreas de crescimento em inovação: Sustainable Nutrition, Healthcare Solutions, Advanced Food Ingredients, Membranas Cosmetic Solutions e Additive Manufacturing. Cada uma delas se apoia em uma estratégia clara com metas comerciais, objetivos de mercado e modelos de negócio, incluindo a aquisição de competências. “As inovações dessas áreas irão gerar um bilhão de euros adicional em vendas até o ano de 2025″, explica Küsthardt.

A Evonik é uma das principais empresas de especialidades químicas do mundo. A empresa atua em mais de 100 países no mundo inteiro. Em 2016, mais de 36.000 colaboradores geraram vendas da ordem de 12,7 bilhões de Euros e um lucro operacional (EBITDA ajustado) de cerca de 2,165 bilhões de Euros. No Brasil, a história da Evonik Industries, começou em 1953. A empresa conta hoje com cerca de 600 colaboradores no País e seus produtos são utilizados como matéria-prima em importantes setores industriais.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no

Polinox destaca os cuidados necessários na seleção de catalisador para RTM

30/11/2017

AAP ou blenda de AAP com MEK são as melhores alternativas

Há algumas semanas, a Polinox apoiou a organização de um evento sobre Fast RTM. Indicada para a fabricação de peças de compósitos consumidas pelas montadoras, a tecnologia é uma evolução do tradicional processo de RTM – em linhas gerais, combina o RTM de alta pressão com o sistema de compressão.

No Brasil, o RTM aparece com 12% de participação no ranking das tecnologias de moldagem de compósitos, segundo o último levantamento da Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (ALMACO). Pode parecer pouco, mas é o processo automatizado mais utilizado no país, à frente de enrolamento filamentar (9%), laminação contínua (7%), infusão (6%), pultrusão (5%) e BMC/SMC (5%).

Em termos de matérias-primas, assim como devem ser especificadas resinas e reforços próprios para RTM, com os catalisadores a situação é a mesma. “Ainda há no Brasil o paradigma de um catalisador para todos os processos. Ao adotar esse comportamento, o fabricante da peça acaba não tirando proveito das particularidades de cada produto”, afirma Sérgio Andrade, gerente industrial da Polinox.

Inicialmente, Andrade recomenda que o moldador utilize um catalisador de acetil acetona (AAP) no processo de RTM – no caso da Polinox. “O AAP eleva o geltime, dando tempo de a resina ser injetada por toda a superfície do molde. Na sequência, uma vez que a resina gelificou, a polimerização acontece de forma acelerada, o que permite uma desmoldagem mais rápida se comparada à obtida com os outros catalisadores. Isso é fundamental numa tecnologia de média tiragem como o RTM”.

Agora, caso o fabricante deseje reduzir o geltime da resina, o melhor caminho é recorrer a uma blenda. “Recomendamos a blenda de AAP com metil etil cetona ou MEK”, observa Andrade.

Com fábrica em Itupeva (SP), a Polinox dispõe de capacidade para a produzir 360 toneladas/mês de catalisadores. Ao todo, são mais de 40 tipos – MEKP, BPO, AAP, TBPB, CHP e blendas – indicados para as tecnologias de moldagem aberta e fechada de compósitos, do tradicional processo de spray-up usado na fabricação de caixas d´água e piscinas até a complexa infusão de cascos de embarcações e pás eólicas.

Atualmente, a Polinox atende a mais de duas mil empresas, entre elas, as líderes dos setores de construção, transporte, infraestrutura, corrosão e náutico. Fundada em 1960, a Polinox é a única empresa 100% brasileira do seu segmento a dispor de sistemas de gestão baseados em normas internacionais, como ISO 9001 e ISO 14001.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Polinox

Curta nossa página no

Aramco e SABIC assinam acordo de 20 bilhões de dólares para construção de complexo industrial para conversão de petróleo bruto em químicos e plásticos

27/11/2017

As duas maiores empresas da Arábia Saudita, Saudi Aramco e SABIC, assinaram um acordo para construir uma megacomplexo integrado de refino de petróleo e geração petroquímica, com investimentos previstos de 20 bilhões de dólares. A instalação converterá petróleo bruto em produtos químicos e plásticos. O acordo governa a execução do Projeto Básico (Front End Engineering Design -FEED), com duração prevista de dois anos, antes da tomada de decisão final sobre o investimento.

O complexo, que processará 400 mil barris de petróleo bruto por dia e produzirá 9 milhões de toneladas de produtos químicos e derivados quando iniciar suas operações em 2025, ajudará a diversificar a economia da Arábia Saudita, hoje preponderantemente dependente de exportações de petróleo bruto, afirmou o CEO da Aramco, Amin Nasser, durante a cerimônia de assinatura do Memorando de Entendimento com o CEO da SABIC, Yousef al Benyan, na cidade de Dharan.

A construção do complexo deverá se iniciar no último trimestre de 2019 e deverá criar aproximadamente 30.000 empregos diretos e indiretos. Até 2030, espera-se que a planta tenha um impacto de 1,5 porcento sobre o PIB da Arábia Saudita. Como possível localização para o complexo, a Saudi Aramco está avaliando a cidade portuária de Yanbu, situada às margens do Mar Vermelho e que já é um centro industrial, afirmou Nasser.

O CEO da SABIC, Yousef al-Benyan, disse que esta é a primeira vez que as duas maiores empresas de Arábia Saudita cooperam num empreendimento industrial conjunto e afirmou que a participação das duas empresas no novo projeto será compartilhada por igual.

O objetivo do projeto compartilhado pela Aramco, conhecida formalmente como Saudi Arabian Oil Co., e pela Sabic (Saudi Basic Industries) é produzir químicos e derivados para atender ao crescente mercado de bens de consumo, particularmente na Ásia, além de produzir matérias primas plásticas, tais como Polietileno e Polipropileno, além de butadieno e aromáticos.

Fontes: Reuters / Bloomberg

Curta nossa página no

Plastimagen México 2017 bate recorde de vendas de máquinas durante a feira

24/11/2017

  • Os expositores informam que venderam mais máquinas do que em qualquer outra edição
  • Em sua vigésima primeira edição, a Plastimagen México 2017 reuniu 840 empresas expositoras de 31 países participantes, sendo a melhor edição da feira até hoje
  • Mais de 32,2 mil visitantes de diferentes indústrias
  • 13 pavilhões internacionais, 1 pavilhão especializado da ANIPAC e duas novas áreas expositivas.
  • Visitantes de 40 países

Com sucesso sem precedentes, foram concluídas as atividades da Plastimagen México 2017, que, em sua vigésima primeira edição, reuniu 840 empresas expositoras de 31 países participantes.

Os mais de 32,2 mil visitantes profissionais percorreram todo o piso da exposição em busca das últimas soluções e produtos para suas indústrias. Os visitantes pertenciam a indústrias variadas, tais com a automotiva, de transporte, sacos plásticos, agricultura, embalagens, eletrônicos, construção, eletrodomésticos, cosméticos, produtos de escritório e domésticos, esportes, química, dispositivos médicos, empresas de reciclagem e tubos, entre outros. Eles visitaram os vários salões e 13 pavilhões internacionais da Alemanha, Áustria, Brasil, Canadá, China, Estados Unidos, Espanha, Índia, Itália, Portugal, Taiwan, Reino Unido, Coréia, bem como 1 pavilhão especializado da ANIPAC e as duas novas áreas: Sala de Valparaíso e Sala de maquinaria pesada, que teve a maior máquina já apresentada em uma exposição, pesando 95 toneladas.

Durante a feira, participaram profissionais de mais de 40 países, tais como: Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, China, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, França, Alemanha Guatemala, Honduras, Índia, Itália, Japão, Holanda, Panamá, Polônia, Portugal, Coréia do Sul, Espanha, Turquia, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e Estados Unidos, entre outros.

Mais de 1.200 máquinas estiveram operando “ao vivo” no evento. Este ano, a feira apresentou aos visitantes profissionais as últimas novidades em máquinas de baixo consumo energético, máquinas elétricas híbridas, máquinas mais rápidas, produtores de embalagens biodegradáveis, novos materiais para envases e máquinas para reciclagem, entre muitas outras soluções. Os expositores informaram que venderam mais máquinas no piso da exposição do que em qualquer outra edição.

Neste ano, a Plastimagen México 2017 apresentou um programa de conferências internacionais que começou na terça, 7 de fevereiro, com a apresentação de Matthew Lenninton, cientista da PolyAdServices, com a palestra intitulada “Nanotecnologia aplicada aos plásticos – estudos de caso” .

A conferência principal do dia teve como tema “A atualização do NAFTA – como a indústria participa”. Nela, se apresentou o que o setor de plástico tem feito para que o acordo beneficie o México e quais os progressos realizados.

O espaço de apresentações do segundo dia foi dedicado à Indústria 4.0 / Internet das Coisas (IoT). Essa tendência vem permeando a indústria porque permite otimizar tempos de produção, ajuda a não perder a produção e a resolver problemas antes de surgirem.

Oliver Lindenberg, Vice-Presidente de Vendas e Marketing da Mold – Masters / Milacron, falou sobre “O impacto da IoT nas fábricas de moldagem do futuro. Em outra apresentação, Jochen Mitzler, chefe de gerenciamento estratégico de produtos do grupo KraussMaffei, mencionou a importância de dar respostas específicas aos clientes para os diferentes problemas que surgem, representando redução de custos em tempo e dinheiro.

Enquanto isso, a WittmannBattenfeld apresentou uma palestra intitulada “Indústria 4.0 – tendências na digitalização de cadeias de valor através da integração de tecnologias de processamento de dados”, que foi proferida por Rudolf Pichler, gerente regional de vendas da empresa para a América do Norte, Central e do Sul. Na palestra, ele explicou a necessidade de os meios de produção serem conectados para melhorar seu desempenho. Ele concluiu dizendo que uma empresa inteligente é aquela que possui soluções 4.0, o que permite resolver problemas na metade do tempo.

Finalmente, a palestra principal do dia, intitulada “Plastico Industrial Inclusivo; Presente e futuro”, foi dada por Cleantho de Paiva, diretor da Braskem Idesa México, e por Juan Antonio Hernández, presidente da ANIPAC.

Com uma imagem do filme “A primeira noite de um homem”, na qual o personagem interpretado pelo jovem ator Dustin Hoffmann especulava sobre profissões de futuro, Cleantho de Paiva começou sua palestra. “Uma palavra: plástico. O futuro está no plástico”. Ele comentou que, até 2020, 18% do automóvel será feito de plástico, em contraste com o percentual de 6% que era registrado nos primórdios da indústria.

Hernandez, por sua vez, assegurou que a indústria de transformação é baseada em micro e pequenas empresas, que representam 84% da indústria de plásticos, enquanto as grandes empresas correspondem a 4% e as empresas médias 12%.

Houve também dois seminários técnicos: o primeiro foi dedicado à moldagem por injeção, manutenção, máquinas e moldes, proferido por Gianbattista Bellina, da Assocomaplast. O segundo foi sobre os Sacos e Reciclagem Inteligentes, apresentado pela Comissão Técnica da ANIPAC. Gabriel Catino, Aldimir Torres e Abraham Beutelspaches discorreram sobre as sacolas plásticas, seus usos e a maneira de aproveitar o produto final.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Plastimagen México / foto: Facebook (Plastimagen)

Curta nossa página no

3M reafirma sua liderança em inovação durante a Plastimagen México 2017

24/11/2017

No âmbito da celebração de 70 anos da 3M no México, a empresa esteve presente na vigésima primeira edição da Plastimagen México 2017, o evento mais importante na indústria de plásticos na região.

Na presença de 32 mil visitantes que se reuniram de 7 a 10 de novembro no centro Citibanamex, a 3M apresentou várias soluções para a indústria plástica através do seu negócio de Materiais Avançados, que aplica as inovações científicas da 3M para oferecer melhor desempenho para o setor.

Com mais de 16 anos de experiência, as tecnologias de soluções de Materiais Avançados ajudam a aumentar a produtividade e a eficiência das indústrias atendidas pela 3M. As soluções providas pelo negócios de Materiais Avançados são focalizadas essencialmente em aplicações de peças moldadas por injeção, pintura reflexiva de calor e revestimentos industriais, recipientes retornáveis ​​e garrafas leves.

Neste ano, a 3M participou com três produtos principais na Plastimagen México 2017:

  • As microesferas de vidro, que permitem reduzir o peso em peças de plástico e o custo na fabricação de vários produtos. A tecnologia foi desenvolvida pela 3M na década de 1960 e foi refinada ao longo do tempo, tornando-se um produto emblemático da divisão de Materiais Avançados.
  • Auxiliares de processamento, que são um aditivo especializado para melhorar e facilitar o processamento de polímeros. Como conseqüência, permitem a eliminação da rugosidade no material e transições de cores mais rápidas.
  • Nitreto de Boro – cerâmicas avançadas que funcionam como aditivos para polímeros e são usadas em aplicações de tecnologia de iluminação LED, baterias de alta capacidade, aplicações eletrônicas para indústrias de consumo e automotiva, oferecendo benefícios de alta condutividade térmica, propriedades de isolamento elétrico, densidade reduzida e propriedades de processamento para injeção plástica.

Oscar David Molina Ramírez, Engenheiro de Desenvolvimento de Aplicações na Divisão de Materiais Avançados (à esquerda, na foto), comentou: “Nossos materiais estão presentes em grandes projetos das empresas mais importantes, tanto em aplicações subterrâneas quanto na área espacial. Buscamos constantemente desenvolver tecnologias e soluções que ajudem a aumentar a produtividade e a eficiência da indústria de plásticos “.

Fundada em 1902, a 3M possui mais de 91 mil colaboradores ao redor do mundo, com escritórios em mais de 70 países. Com $30 bilhões de dólares anuais em vendas em 2016, a 3M aloca 5,8% de suas vendas para pesquisa e desenvolvimento em todo o mundo, tendo investido um total de US $ 1,7 bilhão em 2016. A empresa possui 36 laboratórios e Centros de P&D e 8 mil pesquisadores em todo o mundo, contando com 46 plataformas tecnológicas. Ao longo da sua história, a 3M já requereu mais de 109.000 patentes.

No México, a 3M está presente desde 1947, possuindo 9.800 funcionários e exportando para 20 países. Possui várias fábricas no Páis, além de um Centro de Inovação e Pesquisa e Desenvolvimento onde a tecnologia é usada para desenvolver soluções adaptadas às necessidades dos clientes locais.

Curta nossa página no

Amaplast expõe na Plastimagen 2017; México é 3o. principal destino de exportação de máquinas italianas para plásticos e borracha

24/11/2017

A Amaplast decidiu expor na Plastimagen México 2017 à luz da tendência das vendas italianas de máquinas de plásticos e borracha para processadores mexicanos, que tem crescido de forma constante e significativa, especialmente nos últimos três anos: de 85 milhões de euros em 2014, para 100 em 2015 e 173 em 2016. Este é o melhor desempenho já registrado, pelo menos entre os dez principais mercados de exportação italianos do setor.

É por este motivo que a Amaplast (associação italiana que reúne 170 fabricantes de máquinas para plásticos e borracha e moldes, filiada à Confindustria) coordenou o pavilhão italiano na 21a. Plastimagen, hospedando cerca de quarenta empresas em 850 m2 de espaço.

Além disso, pelo menos trinta empresas italianas adicionais participaram da Plastimagen 2017, algumas delas representadas em stands de seus agentes ou sucursais locais.

“Uma presença tão considerável”, destacou Alessandro Grassi, presidente da Amaplast, “confirma o México como um dos principais mercados de destino para as exportações italianas de máquinas para plásticos e borracha: de fato, em 2016 o país ficou em terceiro lugar, com uma participação de 5,8% do total.”

Também vale a pena salientar que uma parte expressiva das vendas italianas para o México é representada por linhas de extrusão e outras máquinas de processamento de alto valor agregado, que muitas vezes são fabricadas de acordo com as especificações do cliente. Por um lado, isso representa claramente a necessidade dos processadores mexicanos de atualizar seus equipamentos instalados e, por outro, a capacidade dos fabricantes italianos de fornecer tecnologias avançadas para produzir itens de alta qualidade em larga escala.

A indústria manufatureira mexicana – que está fortemente ligada à economia dos EUA, embora se inclinando a um desenvolvimento mais independente – está passando por uma fase de forte crescimento que está se espalhando por outros setores, como o automotivo e de embalagens, que usam uma grande quantidade de plásticos e borracha.

“De qualquer forma”, continua Grassi, “esta feira é uma vitrine muito importante para a Made in Italy, que está entre os principais países exportadores do mundo no setor”.

As seguintes empresas associadas da Amaplast estiveram exibindo no pavilhão italiano: Bausano & Figli, BMB, Borghi, Cantoni, CMS, Dega, Elba, Filtec, Frigosystem, Gamma Meccanica, Gavo Meccanica, Icma San Giorgio, LTL, Macchi, Marra, Meccanica Generale, Moretto, Negri Bossi, Omipa, Plas Mec, Plastiblow, Previero N./Sorema, Promixon, Sica, Tecnomatic e Tecnova.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Amaplast

Curta nossa página no

Solvay e Strata criam joint venture nos Emirados Árabes Unidos na área de materiais aeroespaciais para fornecer à Boeing

23/11/2017

  • A parceria expande a capacidade industrial dos Emirados Árabes Unidos com planta industrial para fabricação de fibra de carbono pré-impregnada de alta tecnologia, na cidade de Al Ain
  • A unidade será comissionada em 2020 e vai ancorar um setor de fabricação avançado em franco crescimento

A Solvay, empresa internacional de multiespecialidades químicas, e a Strata, empresa de fabricação de aeroestruturas de compósitos, formalizaram joint venture (JV) para fornecer materiais compósitos avançados para a Boeing, a serem fabricados em uma planta de alta tecnologia a ser construída em Al Ain, nos Emirados Árabes Unidos. Após a assinatura do acordo de JV, os parceiros buscarão as devidas aprovações das autoridades que regulam a concorrência.

Essa joint venture 50/50 será o primeiro fornecedor de fibras de carbono pré-impregnadas (também conhecidas como “prepregs”) dos Emirados Árabes Unidos. O material possui alto desempenho e durabilidade, sendo usado na fabricação de estruturas de compósitos para aplicações aeronáuticas/aeroespaciais, incluindo a aeronave de última geração da Boeing, o avião 777X.

A parceria marca a entrada da Solvay na produção de materiais avançados nos Emirados Árabes Unidos e a entrada da Mubadala, por meio da sua subsidiária integral Strata, na fabricação destes materiais para a indústria aeroespacial.

“Nos últimos dez anos, a Mubadala ajudou a criar uma indústria aeroespacial avançada e sustentável, de alinhada com a visão de diversificação econômica de Abu Dhabi”, disse Khaled Abdulla Al Qubaisi, CEO da área aeroespacial, renováveis e ICT da Mubadala. “Este acordo com a Solvay se encaixa perfeitamente na nossa estratégia de crescimento, focalizando nas capacidades de fabricação de alta tecnologia e demonstrando o nosso compromisso de fornecer produtos competitivos para os principais fabricantes de equipamentos originais (OEM’s, na sigla em inglês) do mundo”.

“A joint venture demonstra as potencialidades da Solvay em tecnologias de compósitos aeroespaciais, inclusive para estruturas primárias de aeronaves, como um pilar de crescimento para nosso negócio de materiais avançados”, disse Jean-Pierre Clamadieu, CEO da Solvay.

A nova instalação industrial de cerca de 800 metros quadrados fornecerá fibras de carbono pré-impregnadas à Boeing para aplicações de estrutura primária nos seus novos aviões 777X. A tecnologia de prepreg da Solvay consiste em reforços de fibras pré-impregnadas com uma matriz de resina, usadas para fabricar peças de compósitos, proporcionando desempenho excepcional com menor peso em comparação com estruturas metálicas, afirma a empresa.

Badr Al-Olama, presidente da Strata Manufacturing e diretor do setor aeroespacial, afirmou que o acordo é uma história de sucesso dos Emirados Árabes Unidos para a Strata e sua acionista Mubadala. “Estamos orgulhosos em ser parte integrante da cadeia de suprimentos aeroespaciais global e por expandir nossa parceria com a Boeing por meio desta entrada na fabricação de materiais avançados”, disse.

“A Solvay irá trazer sua expertise técnica em materiais compósitos avançados para esta parceria e aproveitar sua relação comercial de longa data com a Boeing para transformar essa parceria em um sucesso”, afirmou Carmelo Lo Faro, presidente da Unidade Global de Negócio Composite Materials da Solvay.

O conteúdo em compósitos das aeronaves de última geração continua a crescer à medida que os fabricantes de grandes aeronaves comerciais buscam reduzir o peso, melhorar a eficiência de combustível e reduzir as emissões de CO2.

Sobre o Grupo Solvay: A Solvay é uma empresa química de multiespecialidades, oferecendo produtos e soluções para aviões, carros, dispositivos inteligentes e médicos, baterias, na extração de minerais e petróleo, entre outras aplicações que promovem a sustentabilidade. A Solvay tem sede em Bruxelas e emprega 27.000 pessoas em 58 países. O faturamento líquido pro forma foi de € 10,9 bilhões em 2016, dos quais 90% foram obtidos em atividades nas quais a Solvay está entre as 3 maiores empresas do mundo. No Brasil, a Solvay também atua com a marca Rhodia.

Sobre a Mubadala: A Mubadala Investment Company é uma investidora global pioneira que aplica capital para acelerar o crescimento econômico de longo prazo de Abu Dhabi. Como a principal empresa de investimentos estratégicos de Abu Dhabi, a Mubadala atua em 13 setores e em mais de 30 países ao redor do mundo, criando valor para o seu principal acionista, o governo de Abu Dhabi. Esse trabalho inclui o desenvolvimento de líderes industriais globais em setores como aeroespacial, ICT, semicondutores, metais, mineração e energia renovável e a gestão de diversas participações financeiras. A empresa aproveta a sua expertise em em petróleo e gás para investir em todo o espectro de hidrocarbonetos e aumentar o potencial de crescimento dos Emirados Árabes Unidos, por meio de investimentos em serviços de saúde, imóveis e defesa.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Eastman fornece copoliéster para garrafas à prova de vazamento usadas em parque temático na Índia

23/11/2017

Crianças e adolescentes que visitam o parque indiano desfrutam de bebidas nas garrafas à prova de vazamentos

A Sudeep Plastics, empresa indiana fabricante de embalagens plásticas, escolheu o copoliéster Eastar da Eastman para suas garrafas Dumbbell Sipper, vendidas exclusivamente no parque temático Imagica. Com as novas garrafas, os visitantes podem aproveitar sua bebida predileta enquanto exploram o destino de férias favorito da Índia.

As garrafas, disponíveis em tons vibrantes de rosa e azul (foto), são ideais para que crianças e adolescentes de 6 a 18 anos as levem consigo na visita ao parque. São 100% à prova de vazamentos e altamente duráveis, de modo que os visitantes não terão que se preocupar em derramar suas bebidas em nenhum dos passeios e atrações do local, afirma a Eastman.

“Nós gostamos de criar produtos inovadores, combinados com nossa expertise e padrões profissionais, que ajudem nossos clientes a ficar à frente da concorrência”, disse Deepak Kapadia, diretor da Sudeep Plastics. “Somente os materiais da Eastman poderiam ser a escolha perfeita para nossas garrafas”.

Segundo a Eastman, o seu copoliéster Eastar oferece uma estética única, flexibilidade de design e facilidade na fabricação, não encontrada em outros tipos de matérias primas plásticas. A empresa afirma que os produtos feitos de Eastar não só têm clareza e brilho ímpares, mas também possuem atributos de desempenho de alto nível. A resistência do material, a qualidade química superior e as excelentes propriedades de selagem asseguram que as garrafas do Dumbbell Sipper se mantenham bonitas e intactas durante o uso diário, garante a Eastman.

“O feedback do mercado tem sido incrível até agora e as ordens de compra estão sempre chegando”, disse Kapadia. “O suporte técnico a qualquer momento que recebemos da Eastman nos dá uma vantagem substancial sobre nossos concorrentes e ajuda a estimular nosso crescimento contínuo”.

Lançadas em 2016, as garrafas Dumbbell Sipper foram fabricadas exclusivamente para o Imagica e são vendidas apenas no parque temático.

Sobre a Eastman: A Eastman é uma empresa global de materiais avançados e aditivos especiais, possuindo posição de liderança em atrativos mercados finais, tais como transporte, construção civil e produtos de consumo. A empresa atende clientes em mais de 100 países e, em 2016, obteve receitas de aproximadamente US$ 9 bilhões. A empresa está sediada em Kingsport, Tennessee, EUA e, emprega, aproximadamente, 14 mil pessoas em todo o mundo.

Sobre a Sudeep Plastics: Com mais de 20 anos de experiência, a Sudeep cria, projeta e produz embalagens plásticas inovadoras para produtos para os mercados de produtos para casa, cuidados pessoais, alimentos e bebidas, químicos, farmacêuticos e lubrificantes.

Curta nossa página no

Cipatex lança linha de geomembranas para atender ao mercado de aquicultura

23/11/2017

Com o avanço do mercado de aquicultura no Brasil, a Cipatex, líder em revestimentos sintéticos, passa a oferecer geomembranas de PVC Cipageo® para impermeabilização de tanques escavados e estruturados. Desenvolvido em diversas espessuras, o novo material confere estanqueidade aos sistemas de produção e cultivo de peixes e camarões em água doce ou salgada, afirma a empresa.

​Para tanques ou viveiros escavados, a Cipatex fornece geomembranas de alto desempenho, com grande resistência ao envelhecimento e às intempéries, garante a empresa. O material pode ser confeccionado sob medida, oferecendo praticidade ao produtor, com instalação rápida. Este tipo de tanque é indicado para criação em cativeiro em larga escala, seja na carcinicultura ou psicultura.

Para tanques estruturados/circulares, formados por armações metálicas, a empresa desenvolveu geomembrana reforçada com uma tela de alta tenacidade. O sistema atende, principalmente, à produção comercial de peixes em áreas reduzidas, onde é possível a criação com grande adensamento.

Segundo a Cipatex, as geomembranas Cipageo® são tolerantes a diversos tipos de ácidos, sais e bases, sendo fabricadas em várias espessuras, de acordo com as dimensões do projeto e necessidades do produtor. O material também tem a opção de ser confeccionado com geotêxtil acoplado ou reforço interno, conferindo maior resistência à tração, punção e rasgo.

De acordo com Aureovaldo Casari, gerente de agroindústria e mineração da Cipatex, a aquicultura está em expansão e avançou em São Paulo, Paraná e Rondônia. Em 2016, o Brasil registrou aumento de 10% na criação de peixes. Entre as espécies mais produzidas, estão a tilápia e o tambaqui, mas os criadouros também produzem pacu, pirarucu, dourado, truta e pintado. “Diante do grande potencial do setor no Brasil e no exterior, a Cipatex passou a realizar testes e pesquisas para entrar no segmento e oferecer material com tecnologia e alta performance”, comenta.

De olho no mercado promissor, a Cipatex também se prepara para fornecer geomembranas para tanques-rede, que ficam submersos na água.

Criada em 1964, a Cipatex oferece ao mercado soluções em revestimentos sintéticos e não-tecidos, contando com uma linha de produtos que atende aos setores de calçados, piscinas, bolsas e acessórios, utilidades domésticas, construção, móveis, vestuário, automóveis, esporte e lazer, brindes, material escolar e comunicação visual. Ao todo, a Cipatex conta com cerca de 1.400 colaboradores distribuídos em cinco plantas industriais.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Cipatex

Curta nossa página no

Braskem assina parceria com Haldor Topsoe para desenvolvimento de processo de obtenção do Monoetilenoglicol a partir de açúcar

23/11/2017

  • As empresas investem na construção de uma planta de demonstração na Dinamarca
  • O Monoetilenoglicol (MEG) é um componente da produção de PET

A Braskem e a dinamarquesa Haldor Topsoe, líder mundial em catalisadores e ciência de superfícies, assinaram um acordo de cooperação tecnológica para desenvolver uma rota pioneira de produção de monoetilenoglicol (MEG) a partir de açúcar. A parceria inclui a construção de uma unidade de demonstração na Dinamarca, com início de operações previsto para 2019.

O MEG é um componente fundamental para a produção de PET, resina importante para os setores têxtil e de embalagens e amplamente utilizada para a fabricação de garrafas. O projeto tem como foco a conversão de açúcar em MEG em uma única unidade industrial, o que reduz o investimento inicial na produção e impulsiona a competitividade do processo. Trata-se de um processo de duas etapas desenvolvido nos laboratórios da Topsoe com seus próprios catalisadores.

“Essa iniciativa inovadora combina uma tecnologia de ponta com profunda experiência em design de processos, aumento de escala e operação industrial, que vai nos permitir levar a química renovável a um outro nível. Depois do Polietileno Verde, este é outro passo relevante em nossa visão de utilizar biopolímeros como ferramentas de captura de carbono e para continuar contribuindo com um futuro mais sustentável”, afirma Mateus Lopes, gerente de Inovação em Tecnologias Renováveis da Braskem.

Com o acordo, a Braskem vai expandir seu portfólio de produtos renováveis, oferecendo soluções adicionais ao seu polietileno produzido a partir de cana-de-açúcar, comercializado com o selo I’m greenTM. “Com essa parceria, fortalecemos nossa posição de protagonistas no desenvolvimento de soluções inovadoras que irão alavancar a competitividade de diferentes biomassas e complementar as soluções tradicionais oferecidas pelo setor petroquímico”, ressalta Gustavo Sergi, diretor de Químicos Renováveis da Braskem.

“A catálise irá desempenhar um papel de extrema importância no desenvolvimento de soluções sustentáveis para produção de químicos importantes a partir de fontes renováveis como açúcares. Estamos orgulhosos de entregar essa tecnologia pioneira para o projeto com a Braskem, e esperamos aplicar nossas competências, enquanto líderes mundiais dentro da catálise e da engenharia de processo, em uma comercialização futura dessa importante inovação”, afirma Kim Knudsen, vice-presidente executivo da Haldor Topsoe.

A planta de demonstração irá realizar testes para validar a tecnologia e confirmar sua viabilidade técnica e econômica, um passo fundamental antes do início da produção em escala industrial e operação comercial. A unidade terá flexibilidade para validar a tecnologia de diferentes matérias-primas, tais como sacarose, dextrose e açúcares de segunda geração.

Sobre a Braskem: Contando com 8 mil colaboradores, a Braskem tem uma produção anual de 20 milhões de toneladas, incluindo produtos químicos e petroquímicos básicos, com faturamento de R$ 55 bilhões em 2016. A companhia exporta para Clientes em aproximadamente 100 países e opera 41 unidades industriais, localizadas no Brasil, Estados Unidos, Alemanha e México, esta última em parceria com a mexicana Idesa.

Sobre a Haldor Topsoe: A Haldor Topsoe é líder mundial em catalisadores e ciência de superfícies com sede na Dinamarca, contando com equipe para desenvolvimento de projetos, P&D,

engenharia e unidades produtivas, além de vendas e atendimento em todo o mundo. Em 2016, a empresa registrou faturamento aproximado de US$ 860 milhões, emprengando 2,6 mil pessoas

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

PICPlast realiza seminário sobre novas tecnologias de acabamento em peças injetadas

22/11/2017

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast), realiza no dia 23 de novembro, em São Paulo, um seminário destinado a quem atua no segmento plástico e nas áreas de decoração. O objetivo é apresentar novas tecnologias para a pintura e acabamento de peças plásticas injetadas.

Durante o encontro serão apresentadas palestras sobre tecnologias de decoração de peças plásticas injetadas; tendências em masterbatches para peças plásticas; pintura em peças plásticas injetadas e tendências em acabamento.

As vagas são limitadas e os interessados devem efetuar a inscrição até 21 de novembro pelo telefone (11) 5632-3138 ou pelo e-mail seminariopicplastpp@teleeventos.com.br.

Serviço:
Seminário PICPlast novas tecnologias de acabamento em peças injetadas
Dia: 23 de novembro
Horário: Das 8h às 12 horas
Local: Hotel Transamérica, Alameda Santos, 981, Jardim Paulista, São Paulo

Fonte: Assessoria de Imprensa – Picplast

Curta nossa página no

Inovação e fomento para a indústria do setor de plástico foram temas de seminário na Firjan

22/11/2017

Debate realizado hoje (22/11) abordou temas como tendências de consumo, sustentabilidade e linhas de crédito para o setor industrial

Inovação, design, sustentabilidade e tendências que podem impactar as relações entre o consumidor e a indústria do setor de plástico foram temas do debate promovido pelo Sistema Firjan, hoje à tarde. Voltado para empresários e profissionais que atuam no segmento, o seminário teve a participação de José Carlos Pinto, diretor executivo do Parque Tecnológico da UFRJ, que falou sobre a importância da inovação e do empreendedorismo para o país: “Como promover o encontro entre o conhecimento gerado na academia, nas universidades e as necessidades reais das pessoas”.

Além dele, a especialista da Firjan ,Carol Fernandes, apresentou a palestra “De olho no mercado – tendências que irão impactar as relações de consumo”. Já o empresário Vinicius Martini, da <OU>, falou sobre como as empresas apostam no design como ferramenta para inovar; e Miguel Bahiense, da Plastivida, abordou o tema da importância do plástico para a sociedade, na palestra “Plástico e Sustentabilidade”.

Representantes do BNDES, Caixa e da AgeRio apresentaram as linhas de crédito e fomento para as indústrias do setor de plástico.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Firjan

Curta nossa página no

Covestro expande a capacidade de produção global de dispersões de poliuretano

22/11/2017

  • Investimentos em matérias-primas sustentáveis para adesivos e revestimentos
  • Novas instalações em Dormagen e Barcelona
  • Aumento significativo da capacidade na Europa
  • Expansão da produção na China e nos Estados Unidos
  • Ampla variedade de aplicações em automóveis, móveis, têxteis e calçados

A Covestro iniciou operações em uma nova instalação para produzir dispersões de poliuretano aquosas em seu site em Dormagen, na Alemanha. Juntamente com uma expansão da produção em curso na unidade de Barcelona, a empresa está, consequentemente, reforçando significativamente sua capacidade de produção na Europa. Para cumprir a demanda global, a Covestro também está construindo uma nova instalação na China, bem como planejando retomar a produção nos Estados Unidos e, ao mesmo tempo, modernizando e expandindo as instalações na Alemanha.

A nova capacidade é necessária primariamente para satisfazer à demanda crescente da indústria de revestimentos e adesivos: os fabricantes permanecem determinados a substituir produtos baseados em solvente por sistemas de base aquosa mais sustentáveis, que tenham propriedades similares. A tendência também está sendo impulsionada pelas regulamentações, que exigem emissões mais baixas de compostos orgânicos voláteis (VOC).

“Com estes investimentos, estamos nos preparando para a demanda continuamente crescente por dispersões de poliuretano, bem como expandindo nossa posição de liderança global”, diz Michael Friede, Líder Global da Unidade de Negócios de Revestimentos, Adesivos e Especialidades na Covestro. “Ao mesmo tempo, graças à nossa produção diversificada, temos a flexibilidade para cumprir diferentes exigências.”

Essa diversidade também é a chave para a abrangente linha de dispersões de poliuretano que a Covestro oferece. “Nossos produtos sob medida permitem muitas aplicações em indústrias bastante diferentes”, explica Michael Friede. “Dessa maneira, criamos oportunidades para crescer e reforçamos a competitividade de nossos clientes.”

Como o principal fornecedor global de Dispersões de Poliuretano (DUP), a Covestro também mantém uma posição de liderança em pesquisa e desenvolvimento e em tecnologia de processo. A empresa presta serviços técnicos e de suporte aos clientes mundialmente.

Muitas aplicações diferentes

As dispersões de poliuretano podem ser usadas em uma ampla variedade de aplicações. Por exemplo, os produtos das séries Bayhydrol® UH, U e UV e Baytherm® são componentes de revestimentos básicos para OEM automotivos e revestimentos de acabamento, bem como componentes de revestimentos de madeira e móveis e revestimentos de pisos de desgaste prolongado. Os adesivos formulados com Dispercoll® U são usados na produção de móveis e calçados, bem como na indústria automotiva.

Sob o nome de Impranil®, as matérias-primas com pouco solvente também exercem um papel importante na produção de sintéticos de poliuretano e têxteis revestidos. As dispersões da linha de produtos Baybond® são usadas na forma de colas de fibra de vidro para produzir plásticos reforçados com fibra de vidro. As substâncias formadoras de filme aderem muito bem às fibras, mas, em compostos com termoplásticos, ainda ficam suficientemente elásticas para assegurar a estabilidade necessária, afirma a empresa

Com vendas de 11,9 bilhões de euros em 2016, a Covestro está entre os maiores fabricantes mundiais de polímeros. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de polímeros de alta tecnologia, para atender segmentos como o automotivo, eletroeletrônico, construção e também as indústrias de esportes e lazer. A Covestro possui 30 sites de produção em todo o mundo e, no final de 2016, empregava cerca de 15.600 pessoas.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Dow passa a comercializar aditivos de silicone para poliuretano da antiga Dow Corning sob a marca VORASURF™

22/11/2017

A divisão de Ciência dos Materiais da DowDuPont anuncia que, a partir de agora, os aditivos de silicone da Dow Corning, empresa que foi integrada à Dow em 2016, serão comercializadas pela companhia sob a marca Vorasurf™. As soluções são destinadas aos mercados de conforto (colchões e calçados) e eficiência energética (espumas em spray) e contribuirão com o atendimento à crescente demanda por materiais de alto desempenho.

“São mais de 100 produtos da antiga Dow Corning voltados ao setor de poliuretanos que foram incorporados pela Dow, expandindo nosso portfólio de surfactantes de silicone para espumas de poliuretano com desempenho superior”, afirma Andres Posada, gerente de Marketing de Perforance Silicones da divisão. “Além de ampliar nossa linha, continuamos investindo em inovação, como os novos surfactantes automotivos, com baixo composto orgânico volátil (COV) e novas soluções para espumas rígidas compatíveis com os novos agentes de expansão hidrofluoroolefina (HFOs).”

A transição à marca Vorasurf™ começa em novembro de 2017 e será concluída no final de 2018. Todos os produtos de silicone da Dow Corning continuarão sendo oferecidos e para ajudar a garantir uma passagem tranquila, os nomes atualizados dos produtos apresentarão o “DC” da Dow Corning e manterão os números originais de grau do produto (como DC 193, DC 2525 e DC 5950). A lista com todos os nomes atualizados está disponível no centro de informações da Dow Corning e para mais informações os clientes podem entrar em contato com os representantes de vendas ou visitar http://www.dowcorning.com/content/polyuret/

A Divisão de Ciência dos Materiais da DowDuPont, uma divisão da DowDuPont, tem um portfólio abrangente, compreendendo materiais avançados, intermediários industriais e plásticos destinados a clientes de mercados de alto crescimento, como embalagens, infraestrutura e cuidados do consumidor. A DowDuPont pretende separar a Divisão de Ciência dos Materiais em uma empresa independente e de capital aberto.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Solvay lança polímero especial de poliarilamida na cor laranja para conectores de veículos elétricos

22/11/2017

Novo polímero especial da Solvay é destinado à produção de conectores de alto desempenho para recarga de veículos elétricos

A Solvay, fornecedora global de polímeros especiais, lançou o Ixef® 1524 RD 001, um polímero especial à base de poliarilamida (PARA) na cor laranja, sem halogênio e reforçado com 50% de fibra de vidro, para conectores de alto desempenho de recarga de veículos elétricos.

“O Ixef® 1524 RD 001 é um material personalizado oferecido exclusivamente na cor laranja, justamente para atender aos fabricantes de conectores de veículos elétricos”, informou Thomas Kohnert, Gerente Global dos Produtos Ixef®, Kalix® e Omnix® da Unidade Global de Negócio Specialty Polymers da Solvay. “A novidade combina um nível bem equilibrado de alta rigidez e resistência ao impacto, com excelente resistência à deformação e à temperatura, em uma formulação retardante de chamas livre halogênio”, disse Kohnert.

Segundo a empresa, o material apresenta alta capacidade de fluidez do Ixef® 1524 RD 001, que permite designs complexos e paredes mais finas, com até 0,5 mm, mesmo com cargas de vidro de 50 por cento – contribuindo, portanto, para economias de material e componentes com peso inferior, com alta velocidade de injeção e tempo de ciclo curto.

A família de Ixef® PARA também é reconhecida por proporcionar um acabamento de superfície excelente, rico em resina e de alto brilho. O Ixef® 1524 RD 001 pré-composto está disponível globalmente com estabilidade tonal de cor RAL 2010 consistente, o que economiza tempo e mão de obra normalmente consumidos na combinação de cores.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Tomra Sorting Recycling marca presença na Waste Expo

20/11/2017

A Tomra Sorting Recycling vai marcar presença na Waste Expo 2017 (Stand A5A), que ocorre entre os dias 21,22 e 23 de Novembro em São Paulo. Trata-se de um evento totalmente focalizado na Gestão de Resíduos Sólidos

No Brasil, cerca de 80 milhões de toneladas de resíduos são gerados por ano e apenas 3% desse total é reciclado. Outro dado preocupante, segundo estudo anual da ABRELPE (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), corresponde ao fato de que 59,8% das cidades brasileiras fazem uso de destinos considerados inadequados para o descarte de lixo. Além disso, cerca de 500 municípios não possuem sequer coleta domiciliar.

Ciente dos desafios apresentados por tal quadro, a Tomra Sorting Recycling acredita ter um papel importante na mudança do panorama do setor.

A Tomra Sorting Solutions desenvolve e oferece soluções de triagem baseada em sensores. A empresa acredita que o impulso para o tratamento adequado dos resíduos passa pela recuperação dos materiais valorizáveis que atualmente estão sendo descartados, de forma a aumentar o ciclo de vida desses produtos, colocando-os de volta na atividade econômica através da reciclagem.

De acordo com Carina Arita (foto), Diretora Comercial da Tomra Brasil, “os benefícios da reciclagem abrangem a saúde publica – pelo tratamento dos resíduos sólidos-, a geração de empregos diretos e indiretos, a movimentação da economia da indústria da reciclagem e a proteção do meio ambiente pela substituição do uso de recursos naturais, além de outros benefícios intrínsecos como o próprio atendimento da Politica Nacional de Resíduos Sólidos”.

Considerando o potencial desse mercado e o alinhamento da sua tecnologia com os benefícios que pode proporcionar para a sociedade e o meio ambiente, a Tomra Sorting Recycling tem acreditado e investido na sua subsidiária no Brasil desde 2011, visando impulsionar a reciclagem através da separação baseada em sensores óticos. A empresa vai estar presente na segunda edição da Waste Expo Brasil para apresentar ao mercado suas soluções já existentes e consolidadas em todo o mundo, assim como os últimos lançamentos no segmento de Resíduos Sólidos, tais como a separação de vidro através do Autosort Laser.

Segundo Carina Arita, “a Tomra Sorting Solutions está à disposição para conhecer a realidade dos resíduos em cada cidade do Brasil e da América do Sul, a fim de discutir e buscar soluções com suas tecnologias de última geração, as quais vão aos poucos conquistando terreno no mercado brasileiro ao atender às diferentes demandas”.

Waste Expo

De forma a dar respostas a desafios das atuais políticas do país, a Waste Expo Brasil (www.wasteexpo.com.br) vai reunir especialistas do setor para explorar alternativas para a gestão de resíduos sólidos e identificar possíveis caminhos para uma mudança de mentalidade. O painel de oradores contará com a presença do Ministro de Estado do Meio Ambiente, José Sarney Filho. Também ocorrerá o lançamento de um estudo inédito do Programa da Organização das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA: o Atlas da Gestão de Resíduos na América Latina.

Apresentação do Autosort Laser

Lançando no último mês de Outubro, o Autosort Laser permite a seleção de vidro, cerâmica, pedras, metais e plásticos de resíduos domiciliares e comerciais. As suas capacidades permitem que as Plantas de Triagem de Resíduos possam recuperar ainda mais materiais e reduzir o volume de resíduos que seguirá para os aterros, reduzindo também os custos de descarte. Além disso, o Autosort Laser ajuda a criar receitas adicionais através da recuperação de mais um produto com valor comercial.

Para Carina Arita, que estará apresentando o novo sistema ótico durante a feira (stand A5A) e esclarecendo dúvidas e questionamentos, o Autosort Laser “tem uma tecnologia de separação a laser com base no bem-sucedido sistema de infravermelhos (NIR) e na flexível série Autosort da Tomra, que é um separador com mais de 4.000 unidades instaladas em todo o mundo”.

O Autosort Laser da Tomra oferece uma combinação de sensores capaz de detectar simultaneamente ainda mais propriedades do material no mesmo ponto, selecionando, portanto, as frações de material de forma mais eficiente. Ao contrário de tecnologia existentes, o Autosort Laser se destaca em separar o vidro fino, grosso ou opaco de resíduos sólidos urbanos.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tomra

Curta nossa página no

Com 870 expositores de 25 países, Plastimagen México 2017 começa nesta terça feira (07/11)

07/11/2017

  • A Plastimagen México deste ano será realizada de 7 a 10 de novembro no Centro Citibanamex na Cidade do México e inclui 14 Pavilhões Internacionais e especializados da Alemanha, Áustria, Brasil, Canadá, China, Estados Unidos, Espanha, Índia, Itália Portugal, Taiwan, Reino Unido, Coréia e ANIPAC.
  • Como parte da sua turnê de promoção da feira, os organizadores da Plastimagen México 2017 viajaram por países da América do Sul e Central (Colômbia, Peru, Equador, Guatemala, El Salvador, Honduras e Costa Rica), apresentando dados sobre o evento.

No âmbito da sua visita à América Central e do Sul, percorrendo países como a Colômbia, Peru, Equador, Guatemala, El Salvador, Honduras e Costa Rica para promover a vigésima primeira edição da Plastimagen México 2017, o Eng. Juan Antonio Hernández (foto), presidente da Associação Nacional de Indústrias de Plásticos do México, AC (ANIPAC), apresentou aos empresários do setor dessas regiões um panorama sobre o novo ambiente geopolítico e geoeconômico que enfrenta essa indústria, indicando que a América do Norte é hoje em dia a região do mundo com a produção mais barata na indústria de plásticos,  registrando também um aumento na sua capacidade de produção mas enfrentando novos concorrentes e infra-estrutura insuficiente.

De 1950 a 2015, a indústria de plásticos mundial registrou crescimento constante em sua produção. A Ásia atualmente domina a produção plástica (49%), seguida pela Europa (19%) e pela América do Norte (18%).

Enquanto isso, o valor de mercado da produção de máquinas para a indústria é de 34 bilhões de euros, sendo a Europa a região líder com 43% da produção, seguida da China, que representa 32% da produção mundial, enquanto que a América do Norte representa apenas 10%.

O México importa 20 bilhões de dólares de resinas e plásticos por ano e está entre os principais países exportadores de produtos, juntamente com os Estados Unidos e o Canadá. A indústria de plásticos mexicana mostra uma trajetória claramente crescente. Em 2015, a produção aumentou 7,7% e, até o final deste ano, espera-se um crescimento anual de mais de 6%. O México importa anualmente cerca de 20 bilhões de dólares em resinas e plásticos e está incluído entre os principais países de exportação de produtos, juntamente com os Estados Unidos e Canadá. O México ocupa o 12º lugar no consumo de plásticos no mundo.

A este respeito, o Ing. Hernández falou com os presentes nesses países sobre o comércio entre o México e a região, as importações e exportações e os principais produtos comercializados, entre outros temas de interesse.

A nova edição

Por 21 anos, a Plastimagen México estabeleceu-se como referência na indústria em busca de soluções para o setor de plásticos. Em novembro, exatamente entre os dias 7 e 10, será realizada a vigésima primeira edição da Plastimagen México no Centro Citibanamex da Cidade do México, organizada por E.J. Krause Tarsus do México. O evento terá a participação de empresas mexicanas e internacionais, mostrando a vanguarda de soluções para o setor de transformação de plásticos dirigidas a quase todas os segmentos industriais.

Para esta feira, são esperados mais de 30.000 visitantes e cerca de 870 empresas expositoras vindas de 25 países, representando mais de 1.600 marcas. Neste ano, a área de evento também será estendida e haverá 14 pavilhões internacionais. 4 pavilhões do Citibanamex serão ocupados com mais de 43 mil metros quadrados de espaço de exposição, além do pavilhão Valparaiso e da sala F, destinada a máquinaria pesada.

Um programa especial de palestras

A Plastimagen 2018 também contará com um programa internacional de conferências, organizado conjuntamente pela Associação Nacional de Indústrias de Plásticos (ANIPAC) e a EJ Krause de Mexico, que irá oferecer aos visitantes uma oportunidade para capacitação e para encontrar soluções para problemas que frequentemente surgem no cotidiano da indústria de plásticos.

Dentro do programa, serão apresentados tópicos como o da Indústria 4.0. Este é um tema fundamental pois é importante que a indústria de plásticos conheça os seus benefícios nos processos. É imprescindível ouvir a experiência de pessoas que convivem com a conectividade inteligente e o poder da Internet aplicado à manufatura.

Outro grande tema a ser abordado são as matérias primas e aditivos. Novos polímeros continuam a ser desenvolvidos mundialmente, com grandes investimentos para obtenção de materiais com propriedades físicas, mecânicas, ópticas e químicas mais apropriadas a aplicações em diferentes segmentos. Como resultado, por exemplo, tem sido possível a otimização no projeto de embalagens, recipientes e vários outros itens usados na nossa vida cotidiana. Novos materiais plásticos também tem facilitado a reciclagem e reutilização de produtos.

A sustentabilidade e o desenvolvimento da economia circular também é um outro tema focalizado. Finalmente, o público poderá participar de um workshop para discutir tecnologias de processamento de plásticos.

Sobre a EJ Krause México: A EJ Krause de Mexico é um promotor de fóruns de negócios internacionais que produz importantes exposições e conferências anuais em setores estratégicos desde 1991 , no México, com destaque para os setores de alimentação, educação, energia, estilo, silvicultura, indústria, meio ambiente, plástico e TIC, entre outros. É parte da rede mundial da EJ Krause & Associates, Inc. (EJK), que há mais de 30 anos vem sendo um líder mundial na organização de exposições e conferências e uma das maiores empresas privadas organizadoras de exposições do mundo.

Sobre o Tarsus Group Plc: Tarso Group Plc é um grupo de mídia de negócios internacionais com enfoque em exposições, publicações e mídia online. O grupo opera em setores-chave como a aviação, medicina, rótulos e embalagens, vestuário com desconto (Off-Price clothing), bens de consumo e indústrias automotivas. A Tarsus gerencia mais de 80 eventos e sites e é conhecido por suas exposições Labelexpo na Europa, Américas, Índia, Ásia e no Dubai Airshow.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Plastimagen

Curta nossa página no

Solvay inicia produção de poliamidas Technyl no México

07/11/2017

No Brasil, a unidade de produção de plásticos e o laboratório de desenvolvimento de aplicações estão instalados em São Bernardo do Campo (SP)

A Solvay, líder mundial em materiais de performance à base de poliamida, anunciou em 31 de outubro o início da produção de plásticos de engenharia em San Luis Potosí, no México.

Esta nova instalação (foto) é dedicada à produção da gama de plásticos de engenharia Technyl® e foi construída em poucos meses em parceria com a Chunil Engineering, uma empresa global tier 1 do setor automotivo e cliente de longa data da Solvay.

“Essa unidade tem 10 mil toneladas anuais de capacidade, está totalmente operacional e já serve nossos clientes regionais nos mercados de produtos automotivos e de bens de consumo”, disse Marcos Curti, diretor para as Américas da Unidade Global de Negócios Performance Polyamides da Solvay.

“O México atrai um número cada vez maior de players globais, especialmente da Europa e da Ásia. Muitos deles são clientes há longos anos da Solvay e precisam de uma produção local em que possam confiar plenamente”, acrescentou Curti.

A Solvay Performance Polyamides oferece suporte a clientes em todo o mundo, com uma gama completa de serviços avançados, projetados para reduzir os prazos de entrega do produto final para o mercado.

Esta oferta se estende desde a caracterização de material até a validação de aplicativos e inclui a impressão em 3D de protótipos funcionais em poliamida em pó Sinterline®, a simulação preditiva com MMI® Technyl® Design2, bem como testes de aplicações em centros de validação totalmente equipados.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Parceria entre PICPlast e SEBRAE movimenta indústria goiana do plástico

07/11/2017

Grande Goiânia e cidades próximas são beneficiadas com programa que oferece desde capacitação até gestão financeira e controle de qualidade

Micro e pequenos empresários da indústria transformadora de plástico da Grande Goiânia e cidades da região vêm ganhando um fôlego a mais para provar que é possível crescer em tempos de economia turbulenta. O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast) – iniciativa da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), e da Braskem, maior petroquímica das Américas – e o SEBRAE Goiânia criaram uma parceria que beneficia os micro e pequenos empreendedores do polo industrial local.

De acordo com Rui Costa, coordenador do programa no SEBRAE, as empresas dos 20 municípios que contemplam a Grande Goiânia, Anápolis, Rio Verde e mais as cidades em torno do Distrito Federal vinham em constante crescimento nos últimos dez anos. Porém, com a crise econômica de 2016, este movimento se estabilizou. “Por isso foi importante contar com o incentivo do PICPlast neste momento. A implantação do programa de capacitação fez total diferença, por exemplo, para que postos de trabalho se mantivessem abertos. Apesar do delicado período não registramos demissões significativas no setor”, informa Costa.

Ao todo, são nove empresas participando do programa, iniciado em agosto de 2016. A partir de um diagnóstico individual, todas passaram por uma dinâmica para desenvolver um plano de trabalho baseado em quatro pilares: estratégias empresariais, gestão financeira, gestão comercial e gestão de qualidade. Além disso, durante o período foram ministradas instrutorias (aulas teóricas em grupo) e consultorias (atendimento in loco).

Crise, aliás, é uma palavra que o empreendedor Hugo Dias diz desconhecer. À frente da Natuplast, indústria plástica de sopro e injeção, Dias credita os ótimos resultados conquistados pela empresa à participação no programa. “Já tínhamos um plano de gestão traçado, mas o PICPlast e o SEBRAE foram fundamentais a para lapidá-lo”, afirma.

Em um ano, a Natuplast viu seu principal produto, o garrafão de água de 20 litros, ganhar um incremento de vendas de 17%. Além disso, a empresa ampliou sua oferta de produtos, que agora também traz outros tipos e tamanhos de embalagens, além de copos e canecas de plástico destinados a bares, festas e eventos. São mais de 300 clientes atendidos no ano e um aumento de 60% no faturamento. “Abrimos uma filial em Campinas, interior de São Paulo, e já programamos abrir outras duas no Norte e no Nordeste. O plano é ter uma Natuplast em cada região do País”, garante o empreendedor.

O programa de capacitação PICPlast e SEBRAE Goiânia vai até dezembro. Parceria semelhante acontece também nos estados de Pernambuco, Alagoas e Bahia, além dos programas já concluídos em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e no Rio de Janeiro.

Fonte: Assessoria de Imprensa – PICPlast

Curta nossa página no

DSM tem forte crescimento mundial e, em particular, na América Latina

07/11/2017

Nos primeiros nove meses do ano, a DSM teve alta de 9% das vendas globais, que atingiram € 6,45 bilhões; na América Latina, o crescimento foi de 26,5%, onde a companhia registrou vendas de € 501 milhões no período

A DSM, empresa global baseada na ciência, com atividades nas áreas de nutrição, saúde e materiais e forte atuação na América Latina, anunciou os resultados globais do terceiro trimestre do ano (3T17), que contribuíram para o desempenho positivo da companhia nos nove meses. De janeiro a setembro, a empresa registrou vendas globais de € 6,45 bilhões, o que representa uma alta de 9% das vendas e crescimento orgânico de 8% sobre igual período do ano passado. A área de Nutrição (nutrição e saúde humana, nutrição animal, especialidades alimentícias) registrou vendas de € 4,15 bilhões (8% a mais que o igual período de 2016) e a de materiais teve vendas de € 2,13 bilhões (14% a mais que igual período de 2016); também contribuíram para este desempenho as vendas de € 126 milhões do Innovation Center e de € 47 milhões das Atividades Corporativas.

Outros indicadores confirmam os resultados positivos da DSM no acumulado dos três trimestres deste ano. Entre eles, o lucro operacional (EBITDA ajustado) cresceu 15%, alcançando € 1,08 bilhão; o Retorno Sobre o Capital Empregado (Return on Capital Employed, ROCE) teve alta de 12,3%; o lucro líquido ajustado cresceu 29%, chegando a € 504 milhões, sendo que o lucro líquido total foi de € 1,6 bilhão (incluindo o ganho de € 1,25 bilhão referente à conclusão da aquisição da Patheon N.V., empesa da qual a DSM detinha participação acionária).

No 3T17, especificamente, as vendas globais da DSM foram de € 2,13 bilhões, 7% a mais que a de igual período do ano passado. A área de Nutrição registrou vendas de € 1,37 bilhão (5% a mais que no 3T16) e a de Materiais alcançou € 706 milhões (11% a mais que no 3T16); as vendas do Innovation Center no período foram de € 42 milhões e a das Atividades Corporativas de € 15 milhões. O EBITDA ajustado do trimestre foi de € 365 milhões e o ROCE foi de 12,3%, em linha com o índice registrado ao longo deste ano, de janeiro a setembro.

“Registramos outro trimestre forte, resultando em um ótimo desempenho nos primeiros nove meses e as áreas de Nutrição e Materiais, mais uma vez, apresentaram taxas de crescimento acima dos seus mercados. Os resultados, assim, demonstram um melhor desempenho operacional e financeiro, e antes do planejado, em um cenário em que todas as nossas empresas têm atuado em ambiciosas iniciativas de crescimento e em que seguimos firmes no controle dos nossos programas de redução de custos e eficiência”, comenta Feike Sijbesma, CEO e presidente do Conselho de Administração da DSM, que completa: “A DSM confirma a perspectiva de todo o ano de 2017, apesar de desenvolvimentos monetários ligeiramente menos favoráveis”.

Forte desempenho também na América Latina

Ao longo deste ano, a DSM registrou um excelente desempenho na América Latina nos primeiros nove meses, com crescimento de 26,5% nas vendas, que atingiram € 501 milhões. Na região, em que a DSM está presente com plantas em 13 países, a companhia conta com uma equipe de 2.076 colaboradores (em âmbito global, a DSM conta com 21.013 colaboradores).

Fonte: Assessoria de Imprensa – DSM

Curta nossa página no

Arburg teve stand cheio, com excelente atmosfera de negócios na Fakuma 2017

30/10/2017

  • O stand de Arburg esteve lotado: dez exposições demonstraram aplicações inovadoras e tendências da indústria
  • Peças individualizadas e produção de alto volume: desde peças de PP fabricadas por impressão 3D em lotes de unidade única até 7.700 bacias plásticas por hora com “In Mould Labelling”
  • Excelente ambiente: um ávido interesse internacional nas exposições e discussões com especialistas

Para aqueles que estavam à procura de informações sobre tendências da indústria, inovações e os tópicos mais recentes na Fakuma, uma visita à Arburg era obrigatória. Os destaques foram as duas grandes máquinas híbridas, a Allrounder 1120 H e a Allrounder 920 H, ambas com um novo design e apresentando o novo sistema de controle Gestica, bem como um novo exemplo prático da Indústria 4.0. Dez exposições inovadoras, a maioria delas correspondendo a sistemas “turn key”, demonstraram a produção eficiente de peças de plástico, que vão desde componentes funcionais de PP fabricados por impressão 3D em lotes de unidade única, passando pela produção de peças moldadas multi-variantes sob demanda até a produção em volume de 7.700 por hora de bacias plásticas com rotulagem IML. Foram apresentadas dez exposições adicionais em stands de parceiros.

“Estamos muito satisfeitos com a Fakuma 2017. Recebemos muitas consultas firmes e os negócios foram excelentes – tanto para nossos clientes de todas as indústrias, bem como para nós. Durante esses tempos de “boom” econômico, a tecnologia de máquinas de produção eficiente, assim como soluções personalizadas e serviços confiáveis estão especialmente em demanda “, disse Michael Hehl, sócio-gerente e porta-voz da equipe de gerenciamento da Arburg. “Além disso, tópicos como a Indústria 4.0, sistemas de computadores para hospedagem e a fabricação aditiva (impressão 3D) estão se tornando cada vez mais relevantes para nossos clientes. Em Friedrichshafen, fomos mais uma vez capazes de demonstrar que podemos oferecer não apenas a tecnologia adequada de máquinas inteligentes para quaisquer requisitos, mas que estamos ao lado do cliente como um parceiro tecnológico”, complementou Hehl. Houve também um grande interesse no stand especial de recrutamento que a Arburg vem disponibilizando na Fakuma desde 2015, com a finalidade de conhecer profissionais e recrutar novos funcionários.

Premiere da Allrounder em novo design

Os destaques inconfundíveis no stand da Arburg na feira foram as duas grandes máquinas híbridas, a Allrounder 1120 H e a Allrounder 920 H, com novo design e apresentando o novo sistema de controle Gestica.

A nova Allrounder 920 H, com uma força de fechamento de 5.000 kN, fez sua estréia em Friedrichshafen. A exposição foi equipada com o sistema robotizado Multilift V 40 e produziu invólucros de 720 gramas, dos quais sete unidades por vez eram embaladas, em linha, dentro de caixas.

A Allrounder 1120 H, com uma força de fechamento de 6.500, produziu as populares banquetas dobráveis com design Arburg, como parte de uma sofisticada solução “turnkey”. A máquina já pode ser encomendada por clientes de todo o mundo depois da Fakuma 2017. Em uma estação separada, especialistas da Arburg apresentaram as funções do novo sistema de controle Gestica – que tem a aparência de dispositivos móveis inteligentes – e estiveram envolvidos em discussões com clientes e visitantes interessados praticamente sem parar. Os comentários sobre o novo design da máquina e o novo sistema de controle foram bastante positivos.

Indústria 4.0 na prática: cintas de tensão “sob demanda”

No que diz respeito à “Indústria 4.0”, “Transformação Digital” e “Fábrica Inteligente”, produtos como o sistema de computador “host” Arburg (ALS), assim como a integração de soluções de TI no processo de produção, foram muito procurados.

Como um terceiro destaque, a Arburg apresentou um novo exemplo prático de Indústria 4.0 que foi adaptado especificamente aos requisitos do setor de moldagem por injeção. Em relação a isto, os requisitos do cliente eram integrados a um processo de moldagem por injeção em execução para produção multi-variante em alto volume. Um sistema turnkey compacto com um Allrounder 375 V vertical produziu, sob demanda, a cada ciclo, cintas flexíveis de tensão em vários comprimentos, cores e combinações de peças finas – sem nenhuma necessidade de conversão. Os visitantes podiam digitar o valor desejado para a tensão da cinta diretamente no terminal, fazendo com que o pedido fosse transmitido diretamente para o sistema central de controle Selogica através do protocolo de comunicação OPC UA. A cinta de tensão era então cortada automaticamente para o comprimento selecionado, ambas as extremidades unidas por meio de um processo de plasma e colocadas nas cavidades do molde de quatro cavidades de acordo com o pedido. A manipulação foi realizada por um robô de seis eixos compactamente alojado dentro da área de instalação. Os insertos eram opcionalmente sobremoldados em combinações de gancho / gancho, gancho / ilhós ou ilhós / ilhós, sendo a cinta de tensão retirada do sistema depois de pronta. Na prática industrial, este tipo de produção de alto volume com múltiplas variantes é ideal para montagem de cabos na indústria automotiva, por exemplo.

A Arburg define a Fakuma

A Arburg apresentou um total de dez exposições em seu próprio stand e mais dez em stands de parceiros. Esta presença foi um reflexo da importância da Fakuma, que celebra este ano o seu 25º aniversário. A Arburg não tem sido somente o maior expositor, mas também foi co-fundadora da Fakuma. Quando Paul E. Schall apresentou sua ideia a Eugen Hehl,da Arburg, décadas atrás, ele foi imediatamente atraído pela idéia de uma feira no Lago Constance: relevância prática combinada com expertise profissional, um local atraente na fronteira alemã, austríaca e suíça e uma atmosfera familiar – uma fórmula vencedora que tem permanecido extremamente bem sucedida até hoje.

Fonte: Arburg

Curta nossa página no

Braskem cria área de Reciclagem e Plataforma Wecycle

30/10/2017

Objetivo é fomentar iniciativas junto à cadeia de plástico para promover a economia circular do plástico

Para reforçar seu compromisso com o desenvolvimento de soluções sustentáveis na cadeia do plástico, a Braskem anuncia a criação da área de Reciclagem & Plataforma Wecycle, dentro da estrutura da Unidade de Poliolefinas da América do Sul e Europa.

A nova área tem como objetivo reforçar o posicionamento estratégico da Braskem e alavancar o incentivo de iniciativas, negócios e soluções sustentáveis relacionadas à economia circular do plástico, em especial à reciclagem, assim como o de gerir os aspectos institucionais e regulatórios sobre o tema.

Executiva com vasta experiência na indústria petroquímica, Fabiana Quiroga  (foto) vai liderar a área. Com mais de 15 anos na Braskem, já atuou em atividades jurídicas e regulatórias, no apoio à busca de soluções empresariais para as áreas industriais, comerciais, de Inovação e Tecnologia e de Saúde, Segurança e Meio Ambiente (SSMA), além da avaliação da cadeia de valor da Reciclagem e dos modelos existentes.

“Essa iniciativa demonstra o compromisso da Braskem de atuar no desenvolvimento de tecnologias, soluções e programas, que beneficiem a cadeia de produção do plástico e, consequentemente, toda a sociedade. E não há como fazer isto sem focalizar a reciclagem e a economia circular”, afirma Edison Terra, vice-presidente da Unidade de Poliolefinas da América do Sul e Europa.

Sob a liderança de Fabiana Quiroga, a plataforma Wecycle prevê o desenvolvimento de produtos com conteúdo reciclado pós-consumo, qualificação de processos e confiabilidade técnica, com foco na valorização do resíduo pós-consumo e da cadeia de reciclagem, com menor impacto ambiental e com ações de responsabilidade social. A iniciativa envolve a parceria com diferentes públicos de relacionamento do setor, como brand owners, transformadores, recicladores e cooperativas de catadores.

Um dos resultados do Wecycle, até o momento, foi a produção pela Braskem de resinas de polipropileno e polietileno com qualidade, produzidas com conteúdo reciclado, oriundo de fonte confiável e com rastreabilidade de toda a cadeia de reciclagem. Empresas como Grupo GPA e Muzzicycles já são parceiras da plataforma.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Solvay lança polímero híbrido de Poliarilamida com fibra de carbono e fibra de vidro para aplicações de alto desempenho

25/10/2017

O novo material é destinado à produção de componentes longos, finos e leves para aplicações aeronáuticas/aeroespaciais, automotivas e em bens de consumo

A Solvay, fornecedora global de polímeros especiais, está fazendo o lançamento do Ixef® 3012, um polímero de poliarilamida (PARA) reforçado com 55 por cento de fibra de carbono e fibra de vidro. O novo material foi desenvolvido para proporcionar resistência e rigidez extremamente elevadas combinadas com menor densidade e um acabamento de superfície excepcional, afirma a Solvay.

“O Ixef® 3012 PARA destina-se a componentes longos, finos e leves que não precisam de pintura e são capazes de atender a funções mecânicas exigentes em aplicações aeronáuticas/aeroespaciais, automotivas e de bens de consumo”, disse Thomas Kohnert, Gerente dos Produtos Ixef®, Kalix® e Omnix® da unidade global de negócios Specialty Polymers da Solvay.

“A união híbrida de fibra de carbono e fibra de vidro oferece superior característica técnica de flexão e abre um amplo potencial de substituição para o metal, com redução de peso e integração de sistemas, enquanto a sua alta capacidade de fluidez permite a moldagem econômica por injeção de peças delicadas com longos caminhos de fluxo durante o processo produtivo”.

Além da alta rigidez e resistência ao impacto, o Ixef® 3012 PARA exibe excelente resistência à fluência e conduz eletricidade, assegura a Solvay. O seu perfil de propriedade tem um encaixe de mercado ideal em aplicações complexas de lamelas de ventilação de ar automotivas e alavancas do corpo da borboleta para componentes de drone, peças de fixação de câmera de ação e encaixes de cantilever (peças sustentadas em apenas uma extremidade).

O Ixef® 3012 PARA complementa o Ixef® 3008 PARA já existente, reforçado com 30 por cento de fibra de carbono da Solvay, e está comercialmente disponível, em todo o mundo, na cor preta.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Covestro registra trimestre recorde e anuncia recompra de ações

25/10/2017

  • Vendas totais sobem 16,9% para 3,5 bi de euros
  • Alta de 2,6% nos volumes totais sobre o trimestre do ano anterior
  • EBITDA cresce 50,2% para 862 mi de euros
  • Receita líquida aumenta 89,6% para 491 mi de euros
  • Fluxo de caixa operacional livre sobe 1,9% para 658 mi de euros
  • Anunciado 1 bi de euros em vendas via plataforma on-line
  • Recompra de ações em até 1,5 bi de euros de capital social

No terceiro trimestre de 2017, a fabricante de materiais Covestro apresentou o trimestre mais forte da história da empresa, mantendo a tendência positiva dos primeiros seis meses. Atingindo 491 milhões de euros, a receita líquida subiu 89,6% sobre o trimestre do ano anterior. Ao mesmo tempo, o EBITDA foi 50,2% mais alto e as vendas cresceram 16,9% sobre o mesmo período do último ano. Os volumes totais subiram 2,6%. O impulso nas vendas deu-se, principalmente, à elevação dos preços de venda, sobretudo no segmento de poliuretanos, com efeito positivo de 18,4%. O FOCF (fluxo de caixa operacional livre) atingiu 658 milhões de euros, com alta de 1,9% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. Com base nesses resultados sólidos, a Covestro decidiu revisar seu objetivo anunciado de atingir um FOCF (fluxo de caixa operacional livre) acumulado de 5 bilhões de euros até o final de 2021. No entanto, a nível de grupo, a empresa reitera suas previsões para o ano todo de 2017.

O excelente desempenho pode ser atribuído à robusta demanda atual nos principais setores clientes da empresa e ao desempenho positivo nas margens, também principalmente no segmento de poliuretanos.

“Atualmente, estamos desfrutando de um tremendo impulso de crescimento e apresentando recordes de receita, rentabilidade e geração de caixa. Essa extraordinária geração de caixa nos oferece a oportunidade de retornar quantias significativas de dinheiro aos nossos acionistas antes do esperado, ao mesmo tempo que preservamos a capacidade de considerar as oportunidades de aquisição”, diz o CEO Patrick Thomas. “Por isso, decidimos iniciar imediatamente uma recompra de ações para até 1,5 bilhões de euros ou até 10% do capital social em circulação”.

“Estamos atualizando nossa estratégia para continuar aproveitando da oportunidade geracional que nosso atual impulso oferece. A digitalização será uma parte integral da nossa estratégia corporativa. Queremos oferecer aos clientes uma maneira mais simples e eficiente de comprar nossos produtos básicos. Atualmente estamos desenvolvendo a nova plataforma on-line, que, segundo nossas projeções, gerará cerca de um bilhão de euros em vendas já no fim de 2019”, explica o Dr. Markus Steilemann, membro do Conselho responsável por marketing, vendas e inovação.

Neste contexto, a Covestro identificou três dimensões da digitalização: processos digitais, experiência digital do cliente e novos modelos digitais de negócios.

Poliuretanos e policarbonatos altamente rentáveis

No terceiro trimestre, os volumes totais no segmento de poliuretanos cresceram 4,3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. O grupo de produtos TDI foi o que mais contribuiu para essa evolução. O EBITDA do segmento mais que dobrou a partir do mesmo trimestre do ano anterior, para 556 milhões de euros – um desenvolvimento que se deve, em grande parte, à elevação das margens como resultado de fornecimento e situação de demanda positivos em termos gerais. No processo de dobrar a capacidade de MDI na unidade de Brunsbüttel, no norte da Alemanha, para cerca de 400 mil toneladas métricas por ano até o fim de 2018, a empresa já realizou uma cerimônia para comemorar a conclusão da construção da estrutura básica na planta.

O segmento de policarbonatos registrou crescimento de 1,5% nos volumes totais em comparação ao trimestre do ano anterior. Como esperado, esse crescimento ficou no nível do segundo trimestre de 2017. O EBITDA do segmento apresentou melhora de 8,8% para 211 milhões de euros. A elevação das margens e o crescimento dos volumes vendidos tiveram efeito positivo. Nas indústrias-chave de clientes deste segmento, a Covestro trabalha de perto com designers para desenvolver os produtos do futuro. Para esse propósito, a companhia lançou em setembro uma plataforma on-line para design industrial, entre outros projetos.

Os volumes totais no segmento de Coatings, Adesivos e Especialidades caíram 5,0% em relação ao trimestre do ano anterior devido ao ambiente competitivo desafiador. Com 119 milhões de euros no segundo trimestre, o EBITDA ficou 12,5% abaixo do valor do ano anterior. O grupo vem desafiando limites para atualizar continuamente seu portfolio de produtos: recentemente, um carro movido a energia solar projetado por estudantes da Universidade RWTH de Aachen, Alemanha, participou do desafio World Solar Challenge, que percorre quase 3 mil quilômetros no deserto australiano, protegido por revestimentos da Covestro.

Primeiros nove meses de 2017 muito positivos

A Covestro demonstrou um desempenho excelente nos primeiros três trimestres de 2017. Os volumes totais cresceram 3,2% em relação ao período do ano anterior graças a uma demanda continuada e favorável. As vendas saltaram 19,5% para 10,6 bilhões de euros, e o EBITDA cresceu 57,4% para 2,6 bilhões de euros. O FOCF também teve aumento significativo de 23,8% para 1,2 bilhão de euros. Graças ao acordo de término de controle firmado com a Bayer AG em setembro, a Covestro deu mais um passo rumo à independência total.

Com vendas de 11,9 bilhões de euros em 2016, a Covestro (antiga Bayer MaterialScience) está entre os maiores fabricantes mundiais de polímeros. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, eletroeletrônico, construção e também as indústrias de esportes e lazer. A Covestro possui 30 sites de produção em todo o mundo e, no final de 2016, empregava cerca de 15.600 pessoas.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Ube inaugura unidade de produção de compostos de poliamida na Espanha

25/10/2017

A multinacional Ube (www.ube.ind.br), com sede no Japão, inaugurou uma unidade de produção de compostos de poliamidas em Castellón, Espanha, que garantirá um aumento de 40 mil toneladas/ano em sua produção atual, totalizando uma capacidade de 70 mil toneladas. “Esta é uma reação natural ao crescimento da demanda de nylon em diversas aplicações. Ela também garantirá uma maior aproximação da UBE com clientes da Europa e área do Atlântico”, explica Javier Miguel, Presidente da UBE América Latina.

Os compostos produzidos na nova unidade destinam-se a diversas aplicações, dentre elas peças automotivas, filmes para alimentos, garrafas e embalagens sopradas. A nova planta Olive K, como é chamada, usará uma tecnologia própria e exclusiva para produzir diversos copolímeros e nylons de alta e baixa viscosidade. Estes materiais são usados em aplicações técnicas, nos setores automotivo e de embalagens para alimentos, e na produção de monofilamentos, redes de pesca, componentes técnicos, materiais específicos para aplicações em veículos elétricos e soluções para tanques de hidrogênio e propelentes de gás natural condensado.

“Outro diferencial é que o centro de Pesquisa & Desenvolvimento, localizado ao lado da nova unidade, oferece um time de profissionais qualificado e dedicado à assistência técnica dos clientes, bem como serviços de inovação que contribuem para o desenvolvimento de novas oportunidades de negócios para os clientes”, completa Javier.

A cerimônia de inauguração da planta Olive K aconteceu no dia 05 de Outubro, na Prefeitura de Castellón, e contou com a presença de autoridades, agentes, fornecedores e colaboradores locais, além do Presidente da UBE Corporation Europe, Bruno De Bievre.

Sobre a Ube: Fundada na cidade de Ube, província de Yamaguchi, no Japão, em 1897, a UBE mantém 11 mil colaboradores em todo o mundo e registrou um faturamento de US$ 5,2 bilhões no ano fiscal de 2016, encerrado em Março de 2017. O portfólio global de produtos da empresa divide-se em: químicos 42%; cimento e materiais de construção 37%; máquinas 11%; meio ambiente e energia 9%; e farmacêuticos 1%.

Ao todo são três plantas de nylon – Japão, Tailândia e Espanha – que abastecem o mercado global. Cada planta possui o seu próprio centro de Pesquisa & Desenvolvimento. No Brasil a operação da UBE existe desde 2010 e as vendas de Plásticos de Engenharia representam 25% da produção de Castellón – Espanha. O escritório brasileiro atende a toda América Latina, com ênfase a Brasil, Argentina, Chile, Peru, Colômbia e Equador.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Ube

Curta nossa página no

DSM abre oportunidades para trainees no Brasil e México

25/10/2017

Como a empresa atua em negócios diversificados, há vagas em várias áreas as inscrições podem ser feitas até 29/10

As inscrições para o Programa de Trainees 2018 da DSM estão abertas até 29 de outubro e podem ser feitas pelo site http://grupociadetalentos.com.br/traineedsm. Neste ano, há vagas disponíveis nas unidades da companhia em São Paulo (SP) e El Salto (Guadalajara, México) – ao todo, a companhia tem plantas em 13 países na América Latina.

Como a DSM atua em negócios diversificados, há opções em várias áreas, como engenharia (produção, processos, química, elétrica, eletrônica e de alimentos), administração de empresas, finanças, marketing, publicidade, zootecnia, agronomia, medicina veterinária, tecnologia da informação, farmácia, entre outras. O programa dura dois anos (janeiro de 2018 a dezembro de 2019) e podem participar profissionais com um a três anos de formação, com pelo menos um ano de experiência em sua área (inclusive estágio), inglês avançado e espanhol dependendo da exigência da vaga (no caso do México, exige-se fluência) e disponibilidade para viajar por países da América Latina onde a DSM está presente.

A DSM é uma empresa global de origem holandesa que desenvolve e fornece soluções (ingredientes e matérias-primas) para indústrias de vários setores. Com este perfil, o seu programa de trainees tem objetivo de ampliar o estoque de talentos para apoiar o crescimento dos negócios na América Latina pela atuação de profissionais  em uma organização inovadora.

Com apoio de talentos com diferentes formações e experiências, a DSM promove uma força de trabalho diversificada e acelera a retenção de bons profissionais em negócios críticos e em áreas funcionais. Para isso, oferece um programa de desenvolvimento intensivo e estruturado, que aperfeiçoa competências críticas para o negócio, de forma alinhada à sua estratégia.

A Royal DSM é uma empresa global baseada na ciência, com atividades nas áreas de saúde, nutrição e materiais. Ao associar suas competências em Ciências da Vida e Ciências dos Materiais, a DSM  oferece soluções inovadoras em mercados mundiais como alimentos e suplementos dietéticos, cuidados pessoais, rações, dispositivos médicos, peças automotivas, tintas, componentes elétricos e eletrônicos, proteção da vida, energia alternativa e materiais biológicos. A DSM e suas empresas associadas têm faturamento líquido anual de 7,92 bilhões de euros, com mais de 20.000 funcionários. Mais informações estão disponíveis em http://www.dsm.com/latam.

Fonte: Assessoria de Imprensa – DSM

Curta nossa página no

Margens operacionais da Romi evoluem e Ebitda atinge 13,0% no 3o. Trimestre de 2017

25/10/2017

Resultado representa crescimento de 12,6 pontos percentuais em relação ao 3o. Trimestre de 2016

A Indústrias Romi S.A., empresa líder brasileira na fabricação de máquinas-ferramenta, máquinas para plásticos e fundidos e usinados, registrou no terceiro trimestre de 2017 receita operacional líquida de R$168,0 milhões, montante 9,6% superior ao alcançado no 3o. Trimestre de 2016. Esse incremento foi devido ao aumento do faturamento das unidades Máquinas Romi e Máquinas Burkhardt+Weber.

A margem bruta obtida no 3o. Trimestre de 2017 foi de 28,9%, resultado 8,9 p.p superior ao 3o. Trimestre de 2016. A geração operacional de caixa medida pelo Ebitda foi de R$ 21,9 milhões, representando uma margem Ebitda 13,0% no 3o. Trimestre de 2017, que representou um crescimento de 12,6 pontos percentuais em relação ao 3o. Trimestre de 2016.

A receita operacional líquida da Unidade Máquinas Romi atingiu R$ 72,1 milhões no 3o. Trimestre de 2017, montante 12,7% superior ao 3o. Trimestre de 2016, reflexo das receitas do mercado externo, assim como o mix de produtos, com uma composição de máquinas com maior valor agregado. A Margem Ebitda dessa unidade de negócio no 3o. Trimestre de 2017 alcançou 10,2%, índice 17,2 p.p. maior do que o alcançado no 3o. Trimestre de 2016, resultado dos ajustes operacionais ocorridos no final de 2016, das reduções de custos e despesas e do mix de produtos.

O faturamento da subsidiária alemã B+W apresentou no 3o. Trimestre de 2017, quando comparado com o 3o. Trimestre de 2016, aumento de 57,1%, demonstrando que o faturamento tem refletido a sólida entrada e carteira de pedidos para o exercício de 2017. A margem Ebitda da B+W no 3o. Trimestre de 2017 apresentou crescimento de 12,1 p.p. em relação ao 3o. Trimestre de 2016, alcançando 6,7%.

No 3o. Trimestre de 2017, a margem Ebitda da Unidade Fundidos e Usinados alcançou 21,6%, crescimento de 11,3 pontos percentuais quando comparada com o 3o. Trimestre de 2016. Por outro lado, a receita operacional líquida foi de R$ 54,2 milhões no 3o. Trimestre de 2017, o que representa redução de 13,7% em relação ao mesmo período do ano anterior, decorrente, em sua maioria, da redução no volume de pedidos de peças fundidas e usinadas de grande porte.

“A atividade econômica continua apresentando grandes desafios e incertezas. Diante desse cenário, os esforços realizados pela Companhia continuam focados em otimizações, principalmente das estruturas indiretas, que podem ser percebidos nos primeiros nove meses de 2017, onde as margens operacionais continuam evoluindo e a dívida líquida sendo reduzida. A melhora nos dados macroeconômicos ainda não se materializou de maneira plena no volume de entrada de pedidos da Unidade de Máquinas Romi, embora seja possível notar uma evolução mais significativa na Unidade de Fundidos e Usinados, principalmente nos segmentos automotivo-comercial e agrícola” menciona Luiz Cassiano Rosolen, Diretor-Presidente da Romi.

Fonte: Romi

Curta nossa página no

Tomra Sorting Recycling organiza Conferência Global sobre reciclagem e gerenciamento de resíduos

24/10/2017

Evento de dois dias reuniu especialistas da indústria, clientes e mídia para examinar ideias para o futuro e tecnologias inovadoras para hoje.

A Tomra Sorting Recycling realizou uma conferência global nos dias 10 e 11 de outubro para compartilhar informações dos principais especialistas em reciclagem e gerenciamento de resíduos e demonstrar os avanços da empresa em máquinas de separação baseadas em sensores. Sob o tema “Perspectivas Futuras na Reciclagem”, o evento de dois dias na Alemanha contou com uma série de apresentações e discussões em grupo no Centro de Congressos Rhein-Mosel, em Koblenz, e demonstrações técnicas no Centro de Testes da Tomra na sede europeia na mesma cidade. Entre os participantes, destaque para a presença internacional de líderes da indústria, representantes empresariais e membros da mídia especializada.

Tom Eng, vice-presidente sênior e líder da Tomra Sorting Solutions, Recycling, comentou: “Ao reunir alguns dos especialistas mundiais com mais conhecimento em reciclagem e gerenciamento de resíduos, esta conferência estimulou uma fantástica troca de ideias. Os participantes trocaram novos conhecimentos sobre toda a indústria, desde idéias ambientais até práticas técnicas. Estamos muito satisfeitos por ter recebido tanto feedback positivo, com muitos participantes nos dizendo que acharam o evento informativo e inspirador. É emocionante que todos nós estejamos no cerne de uma indústria em direção a um futuro inovador e ambientalmente importante”.

Um destaque popular do congresso foi a série de apresentações e sessões de perguntas e respostas centradas na economia circular – de particular interesse em um momento em que a responsabilidade ambiental das marcas de varejo está tendo uma influência crescente nas decisões de compra dos consumidores. George Kremlis, da Direção Geral de Meio Ambiente da Comissão Européia, fez uma apresentação sobre um plano de ação da União Européia para a economia circular; Helga Vanthournout, Especialista Sênior do McKinsey Center for Business and Environment, falou sobre os impactos da economia circular nos negócios; e Tom Eng compartilhou reflexões sobre a prontidão para a economia circular.

Os visitantes do Congresso também tiveram a oportunidade de ver duas inovações técnicas em ação no Centro de Testes da Tomra: o novo Autosort Laser, que possibilita a separação de vidro fino, grosso ou opaco de resíduos sólidos urbanos (MSW), para ajudar a reduzir os custos de aterro sanitário e criar receitas adicionais através da recuperação de produtos comercializáveis; os participantes também receberam uma prévia exclusiva do Autosort Black , a primeira máquina capaz de classificar materiais de embalagem de plástico preto, o que ajudará a atender as metas de triagem e reciclagem cada vez mais apertadas. O Autosort Black será trazido ao mercado no início de 2018.

As apresentações e discussões sobre as questões principais da economia circular contaram com a participação de todos os delegados da conferência. Além disso, os visitantes também se separaram em dois grupos – um com foco em resíduos sólidos urbanos e outro com foco em metais – para participar de demonstrações no que se refere aos desafios futuros que enfrentam seus segmentos particulares. (O nome de todos os palestrantes pode ser encontrados no final deste artigo.)

Novas soluções para separar vidro e embalagens de plásticos preto de Resíduos Sólidos Urbanos

Uma das duas inovações técnicas mais importantes demonstradas no Centro de Testes da Tomra foi o Autosort Laser, que é uma máquina de separação baseada em sensores, utilizando a tecnologia laser. Aos visitantes do congresso foi demonstrado como a tecnologia de separação por infravermelho (NIR) do Autosort Laser garante a estabilidade de classificação e permite separar vidro de polímeros transparentes, que são cada vez mais usados em itens como seringas, isqueiros e garrafas para bebês e cosméticos.

A outra inovação técnica significativa foi o uso combinado das máquinas Autosort e Autosort Black , que possibilita a recuperação de valiosos polímeros pretos dos materiais de embalagem. Enquanto a tecnologia de classificação baseada em sensor na detecção NIR é incapaz de detectar ou diferenciar entre plásticos pretos, o classificador de plástico preto pode separar polímeros diferentes, como PE, PP, PET e PS pretos. Para habilitar este processo, a máquina Autosort primeiro recupera os materiais plásticos pretos, que normalmente são parte dos fluxos de resíduos, para criar um fluxo único preto, sendo seguida do Autosort Black .

Uma outra máquina de reciclagem de plásticos, o Autosort Flake, também foi demonstrada no Centro de Testes. Ao combinar a detecção de cores e informações de material aprimoradas para classificar por cor e material ao mesmo tempo, novos padrões de classificação de alta precisão foram trazidos para um mercado que exige cada vez mais saídas de alta qualidade com plásticos rPET (tereftalato de polietileno reciclado). O Autosort Flake, como o Autosort Laser, contempla a tecnologia patenteada Flying Beam da Tomra, combinada com a tecnologia Fourline, que possui o NIR de maior resolução (perto de 1mm) disponível no mercado de classificação.

Aumentar a rentabilidade da classificação de metais

Olhando para a classificação de metais, as demonstrações das máquinas X-Tract e Combisense ilustram como a combinação das tecnologias baseadas em sensores tornam a triagem mais lucrativa, agregando valor na zorba (sucata não ferrosa triturada). Ao processar a zorba em um equipamento de transmissão de raios X, separando o alumínio dos metais pesados, o X-Tract funciona com uma precisão tão alta que pode atingir purezas de alumínio de 98-99%, afirma a Tomra Dos metais pesados remanescentes, a Combisense, em seguida, separa fragmentos valiosos de cobre, latão e metais cinzentos.

Em outra demonstração no Centro de Testes, a Tomra explicou sua tecnologia de separação LIBS (espectroscopia de degradação induzida por laser). Ao empregar um laser que pode monitorar toda a largura da esteira, tem-se a vantagem de eliminar a complexa e dispendiosa necessidade de separar os materiais em pistas simples. Isso permite a triagem e separação de diferentes ligas de alumínio com níveis de eficiência altos e sem precedentes, conseguindo precisões de classificação de 99% de pureza (ou maior) com alta capacidade de processamento, de três a sete toneladas por hora, assegura a Tomra

O serviço é igualmente importante

Para atingir os objetivos de sustentabilidade, a economia circular dependerá não só de máquinas de reciclagem ultra eficientes, mas também de empresas e pessoas que as produzam e as mantenham. Este foi o tema de uma apresentação de Peter Geisler, Diretor de Serviço Reciclagem, intitulado “Minimizar tempos de inatividade e maximizando o lucro – é tudo sobre serviço”. O reconhecimento da importância do suporte ao cliente é demonstrado através do Tomra Care, um pacote abrangente de serviços que cobre consultoria de processos, testes de sistema, financiamento, seguros, treinamento de pessoal e atualizações.

Painel de Palestrantes:

Nas sessões de discussões sobre resíduos:
• Antonio Furfari, Diretor Geral da Plastics Recyclers Europe, fez uma apresentação sobre Plásticos na Economia Circular
• Kjell Fredriksen, Consultor Senior da Mepex Consulting, refletiu sobre o Futuro da Triagem de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU)
• Jürgen Priesters, Diretor de Desenvolvimento de Negócios da Tomra Sorting, falou sobre a Importância da Qualidade da Separação dos Plásticos para Reciclagem, Tecnologia, Matéria-prima e Custos
• Laszlo Szekely, Engenheiro de Desenvolvimento de Negócios da Tomra Sorting, falou sobre Separação de Vidro proveniente de RSU

Sessão paralelas na discussão dos metais:
• Maarten Labberton, Diretor do Grupo de Embalagens no European Aluminium, observou os Desafios e Potenciais da Reciclagem de Embalagens de Alumínio
• Prof. Geoff Scamans, Chief Scientific Officer at Innoval Technology, explicou como a Reciclagem é o Futuro para o Alumínio em Carros
• Richard Barrett, Editor da Metal Bulletin Magazine, foi o moderador do painel de discussões sobre os Futuros Desafios para a Reciclagem de Metais
• Frank van de Winkel, Responsável da Tomra Sorting BD, fez palestra sobre a classificação automática da produção de alumínio com a tecnologia LIBS
• Tom Jansen, Responsável de Vendas da Tomra Sorting Sales Manager, falou sobre as últimas tendências no que diz respeito a tecnologias ELV
• Brian Gist, Diretor Global de Venda em Metais da Tomra Sorting, concluiu as sessões com o resumo dos principais temas abordados

A Tomra Sorting Recycling projeta e fabrica tecnologias de seleção por sensores para a indústria global de reciclagem e gestão de resíduos. Mais de 4.900 sistemas foram instalados em 50 países em todo o mundo.  Responsável pelo desenvolvimento do primeiro sensor infravermelho de alta capacidade (NIR) do mundo para aplicações de triagem de resíduos, a Tomra Sorting Recycling continua se dedicando à recuperação de frações de alta pureza de fluxos de resíduos. A Tomra Sorting é de propriedade da empresa norueguesa Tomra Systems ASA, fundada em 1972, com  um volume de negócios de cerca de € 750m , atualmente empregando mais de 3.500 pessoas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tomra

Curta nossa página no

Radici apresenta novos polímeros de PPS durante feira Fakuma, na Alemanha

22/10/2017

  • Amplia-se a oferta do RadiciGroup com a introdução de produtos inovadores.
  • Alemanha é um mercado estratégico para o Grupo; Radicigroup está presente no país com fábricas na área química e de polímeros técnicos

Diante de um mercado cada vez mais exigente em termos de inovação e desempenho – especialmente o alemão, reconhecido pela sua indústria automotiva – a estratégia do RadiciGroup é a de se tornar um parceiro de confiança para os clientes, completando a oferta dos chamados “polímeros de alto desempenho”. Durane a Fakuma, o RadiciGroup anunciou oficialmente a expansão da sua gama de plásticos técnicos com as resinas PPS, que polímeros de alto desempenho, particularmente indicados para usos de engenharia.

Segundo o RadiciGroup, as características diferenciais dos novos polímeros Raditeck® P são:

  • Resistência química superior em contato com óleos, combustíveis, solventes e soluções água-glicol
  • Manutenção das propriedades mecânicas após exposição a temperaturas elevadas em contato com o ar e outros fluidos
  • Alta estabilidade dimensional graças a uma higroscopicidade muito baixa
  • Produto “naturalmente” resistente à chama

«Os produtos Raditeck® P foram criados como parte da estratégia do RadiciGroup de continuar a expandir o seu portfolio de produtos especiais” – disse Erico Spini, Gerente de Marketing da Europa do RadiciGroup Performance Plastics – “Eles nos dão a capacidade de apoiar melhor nossos clientes tendo à disposição uma oferta mais completa de materiais, especialmente nos projetos envolvendo inovação e substituição dos metais. Na Fakuma 2017, nós apresentamos cinco grades de Raditeck® P, com conteúdo de carga que varia de 40% de fibra de vidro a 65% de carga mista (mineral e fibra de vidro). Nós estamos prontos para criar novos grades especiais “sob medida”, de acordo com a filosofia de colaboração que sempre influenciou positivamente o relacionamento comercial entre a nossa empresa e os nossos parceiros».

Os principais setores de aplicação dos novos produtos Raditeck® P são:

  • Automotivo – Segundo o RadiciGroup, os novos grades de Raditech apresentam elevada estabilidade dimensional (requerida, por exemplo, para os impulsores e carcaças de bombas), alta resistência química, mesmo em presença de substâncias ácidas,  capacidade de manter as propriedades mecânicas ao longo do tempo mesmo quando expostos a altas temperaturas (>200°C)
  • Gerenciamento de água e eletrodomésticos – O RadiciGroup assegura que o Raditeck® P oferece excelente resistência à hidrólise,  estabilidade dimensional e propriedades mecânicas, incluindo excelente resistência à deformação
  • Elétrico/eletrônico – De acordo com o RadiciGroup, o PPS possui propriedades retardantes de chamas intrínsecas absorção de água praticamente nula. Após a introdução no mercado da linha de produtos Radilon XTreme e o lançamento das PPAs (Radilon® Aestus T) na Feira K no ano passado o RadiciGroup enriquece a sua oferta de polímeros de alto desempenho com os novos produtos à base de PPS, posicionando-se cada vez mais como um interlocutor confiável na implementação de projetos inovadores de seus clientes.

“Outro aspecto do qual estamos particularmente orgulhosos – conclui o Sr. Spini – é a colaboração com os nossos clientes no fornecimento de suporte ao desenvolvimento de projetos, a partir da fase bem inicial. Nós gostamos de nos definir como um “provedor de soluções” porque, além de dar assistência na escolha correta do material, podemos também oferecer um suporte avançado para cálculo estrutural. Esta abordagem de simulação permite obter um modelo do componente estrutural, tipicamente com material reforçado com fibras, que leva em conta todas as variáveis que afetam o processamento e o desempenho da peça, incluindo principalmente a orientação das fibras de vidro. Desta maneira, nós estabelecemos uma relação entre as características mecânicas “locais” da peça e a sua morfologia, influenciada pelos parâmetros usados no processo de moldagem.  Assim, é possível avaliar, entre outras  propriedades, a mudança na resistência mecânica do componente como uma função da posição do ponto de injeção, mantendo a geometria da peça inalterada. Nós concluimos que esta nova abordagem fornece uma melhoria perceptível na confiabilidade de cálculos virtuais, com uma consequente redução dos custos de design causados principalmente por erros nos estágios iniciais. Nós fizemos investimentos importantes também na caracterização avançada dos nossos materiais – tanto para os novos como para os materiais-padrão – que são frequentemente usados em aplicações inovadoras para  substituição de metal».

Todos esses tópicos foram cobertos na apresentação intitulada “A visão da RadiciGroup Performance Plastics: novos materiais e abordagens de cálculos inovadoras para as aplicações de hoje e de amanhã”, que Erico Spini realizou durante a Fakuma 2017.

No stand do RadiciGroup na Fakuma foi apresentado também o processo de marcação a laser de uma especialidade de poliamida, otimizada para este tipo de processamento. A demonstração foi realizadas através de colaboração com a Evlaser, uma empresa especializada no design e produção de equipamento de laser para aplicações industriais, estéticas e médicas.

Fonte: RadiciGroup

Curta nossa página no

Empreendedores apresentam os seus negócios na etapa final do Braskem Labs Scale

22/10/2017

Demo Day encerrou a terceira edição do programa, que reuniu dez empresas brasileiras com soluções inspiradas na química e do plástico

Na noite de 19 de outubro, os empreendedores da terceira edição do Braskem Labs Scale participaram do Demo Day para apresentar seus negócios. O evento marcou o encerramento do programa de aceleração de empresas, que ofereceu quatro meses de capacitações com mentores da Braskem e da aceleradora ACE.

Neste ano, foram selecionadas dez empresas com soluções inspiradas na química e no plástico e no combate ao mosquito Aedes aegypti. Durante o Demo Day, cada empreendedor teve cinco minutos para explicar seu negócio e como a sua ideia inovadora está causando impactos no mercado e a sociedade. A apresentação foi acompanhada por uma platéia de executivos da Braskem, empresários, investidores e imprensa, além de uma banca. Após cada um dos pitches, a banca iniciou a etapa de perguntas para os empreendedores.

“O Demo Day é a etapa decisiva do Braskem Labs Scale, onde cada empreendedor pode provar, para um público de alto nível, o que aprendeu e melhorou no seu negócio após diversos encontros com nossos mentores. Foi o momento para cada um mostrar o valor do seu projeto e identificar novos players no mercado, iniciando um novo ciclo como empreendedores”, afirma Luiz Gustavo Ortega, líder de desenvolvimento sustentável da Braskem.

“Começamos a planejar o programa há seis meses e nosso diagnóstico das dez empresas foi muito profundo, para avaliar os empreendedores, e entender quais eram os gaps e os pontos fortes de cada empresa. Por exemplo, questionamos qual problema eles resolvem, qual a proposta de valor do negócio. Fizemos uma reflexão sobre o negócio, produtos e serviços de cada um e foi absolutamente revigorante. Aliado a isso, o trabalho dos mentores também agregou muito a todos os empreendedores”, observa Luís Gustavo Lima, Head de aceleração da ACE.

Para Beatriz Cricci, CEO da BR Goods e participante do Braskem Labs Scale, a área de Pesquisa & Desenvolvimento da sua empresa foi a mais beneficiada pelas mentorias do programa ao entender melhor as características e vantagens das resinas plásticas, especialmente o Polietileno Verde. A BR Goods é fabricante de cortinas divisórias para leitos hospitalares com nanotecnologia antimicrobiana e manufaturadas com Plástico Verde. “A Braskem se envolve com a nossa empresa (durante as capacitações). Os mentores querem que o nosso negócio dê certo, com um olhar para toda a nossa equipe. Eu amei ter participado (do Braskem Labs Scale). Minha empresa e eu estamos totalmente diferentes agora. É um programa muito bacana”.

Rodrigo Perez, empreendedor e CEO da DengueTech, marca de inseticida biológico contra o mosquito Aedes aegypti, elogiou o aprendizado em gestão oferecido pelo programa e deu um conselho para os futuros participantes do Braskem Labs Scale. “Pula de cabeça e abraça tudo porque vai aprender muito. Batalhem para serem selecionados porque vale muito a pena. Foi um privilégio ter participado”.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Solvay lança competição mundial estudantil na área de impressão 3D

19/10/2017

A Additive Manufacturing Cup (AM Cup) é destinada a estudantes universitários de todo o mundo para impressão 3D com o polímero especial KetaSpire® PEEK (polieteretercetona) da Solvay

O Grupo Solvay, um dos líderes mundiais em multiespecialidades químicas e materiais avançados, está lançando a Additive Manufacturing Cup (AM Cup), um desafio internacional para estudantes universitários que visa ao aprimoramento da tecnologia de fabricação aditiva com o uso do PEEK (polieteretercetona), um dos polímeros especiais de maior desempenho da empresa e dos mais difíceis de se imprimir em 3D.

Os estudantes podem participar da AM Cup individualmente ou em equipe. Eles terão que replicar, com a maior precisão possível, uma figura 3D com o polímero especial KetaSpire® PEEK (polieteretercetona) da Solvay. O desafio está dividido em duas etapas. A primeira envolve a reprodução de um arquivo CAD simples. As equipes que criarem as melhores impressões serão selecionadas para a etapa final, que consistirá em replicar uma forma complexa.

As impressões 3D serão avaliadas com base em dois critérios: sua estabilidade mecânica e sua aparência estética. O vencedor, o segundo e terceiro lugares serão premiados respectivamente com 10 mil euros, 5 mil euros e 3 mil euros para investimento ou para uma finalidade acadêmica em fabricação aditiva de polímeros ou, ainda, para ser o investimento inicial de ações empreendedoras. Os ganhadores poderão também destinar o prêmio em benefício de uma associação sem fins lucrativos. A Solvay poderá conceder prêmios “discricionários” adicionais aos participantes durante ou no final da competição.

Criada pela unidade global de negócios Solvay Specialty Polymers, a AM Cup está com inscrições abertas até o próximo dia 29 de outubro, através do link http://www.solvay.com/en/company/innovation/open-innovation/additive-manufacturing-cup/submission.html.

A competição começa efetivamente no próximo dia 6 de novembro e se encerra em 22 de março de 2018 com o anúncio do vencedor. Todos os participantes aprovados receberão um pacote de informações e o material necessário para a primeira etapa da competição: 500 gramas de polímero especial, arquivo CAD da peça a ser replicada, descrição do material, principais problemas a serem superados, entre outros.

Desafio – A impressão 3D é uma tecnologia impressionante que se desenvolve rapidamente. Permite a prototipagem imediata e a criação de objetos complexos em minutos. No entanto, a impressão com os melhores polímeros da indústria ainda é um desafio.

O KetaSpire® PEEK da Solvay, um dos termoplásticos de mais alto desempenho, oferece uma excelente combinação de resistência à fadiga e resistência química, semelhante à do PPS (sulfato de polifenileno). Pode operar em temperaturas mais elevadas e mantém suas propriedades mecânicas excelentes em temperaturas de uso contínuo até 240 ° C (464 ° F). Essas propriedades, aliadas a uma resistência química excepcional, permitem que ele possa substituir o metal em ambientes extremos de aplicações finais, tais como os encontrados nas indústrias de petróleo e gás, aeroespacial e automotiva. Os grades reforçados com fibra de vidro e com fibra de carbono oferecem uma ampla gama de opções de desempenho.

A Solvay é uma empresa química de multiespecialidades cujos produtos e soluções são utilizados em aviões, carros, dispositivos inteligentes e médicos, baterias, na extração de minerais e petróleo, entre muitas outras aplicações A empresa tem sede em Bruxelas e emprega 27.000 pessoas em 58 países. As vendas líquidas pró forma foram de € 10,9 bilhões em 2016. No Brasil, a Solvay também atua com a marca Rhodia.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Almaco participa de seminário sobre logística reversa organizado pela FIEP

19/10/2017

Gilmar Lima (foto), presidente da Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (Almaco), apresentou palestra no 1º Seminário Paranaense de Logística Reversa, evento que a Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP) promoveu no dia 18, em Curitiba.

Intitulado “A realidade e desafios da logística reversa dos compósitos”, o trabalho de Lima baseia-se na experiência do programa de logística reversa pós-consumo de peças de compósitos criado pela Almaco. Em operação há cerca de um ano na cidade de Curitiba, a iniciativa contempla inicialmente a logística reversa de componentes de ônibus, como tetos, grades e para-choques.

“Ainda que vigore por enquanto apenas no Paraná, a logística reversa é um caminho sem volta para as empresas do setor brasileiro de materiais compósitos. E sempre vale a pena lembrar que as multas aos que não aderirem são bem pesadas”, comenta Lima.

O programa de logística reversa elaborado pela Almaco conta com o apoio da consultoria Masimon e de dez empresas da cadeia produtiva de compósitos: Ashland, CPIC, Jushi, Marcopolo, Mascarello, Morquímica, Neobus, Owens Corning, Reichhold e Tecnofibras. Também colaboram com o projeto a Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus (FABUS) e o Sindicato Interestadual da Indústria de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviários (SIMEFRE).

Resultantes da combinação entre polímeros e reforços – por exemplo, fibras de vidro –, os compósitos são conhecidos pelos elevados índices de resistência mecânica e química. Há mais de 50 mil aplicações catalogadas em todo o mundo, de caixas d’água, tubos e pás eólicas a peças de barcos, trens e aviões.

Fundada em 1981, a Almaco tem como missão representar, promover e fortalecer o desenvolvimento sustentável do mercado de compósitos. Com administração central no Brasil e sedes regionais no Chile, Argentina e Colômbia, a Almaco tem cerca de 400 associados (empresas, entidades e estudantes) e mantém, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), o Centro de Tecnologia em Compósitos (CETECOM), o maior do gênero na América Latina.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Almaco

Curta nossa página no

Fabricantes italianos de máquinas para processamento de plásticos e borracha registram forte crescimento nas exportações no primeiro semestre de 2017

11/10/2017

Importações subindo 9,1% e exportações crescendo 14,6%: estes são os resultados do primeiro semestre de 2017, em relação ao mesmo período de 2016, obtidos pelo Centro de Estudos Estatísticos da Amaplast com base na análise dos dados de comércio exterior do ISTAT (Instituto Nacional de Estatísticas da Itália).

As duas tendências apontam para uma melhoria adicional na balança comercial positiva do setor (em mais de 1,1 bilhões de euros), com um aumento de dezessete pontos percentuais em relação ao período de janeiro a junho de 2016.

Enquanto as importações diminuíram ligeiramente em relação ao final do ano de 2016 e aos primeiros meses de 2017, as vendas no exterior confirmam um robusto crescimento de dois dígitos, o qual caracterizou todo o primeiro semestre de 2017.

Em relação às exportações – a principal saída para a produção nacional do setor – os fabricantes italianos podem considerar-se satisfeitos tanto no que se refere à gama de produtos vendidos como também em termos de geografia das vendas.

Desempenho por tipo de máquina

Com exceção do desempenho negativo em plantas para maquinaria de mono e multi-filamentos, máquinas de moldagem por sopro e máquinas para materiais espumados, todos os tipos de máquinas registraram uma melhoria acentuada na demanda externa, com particular destaque para linhas de extrusão (+ 17% em relação ao ano anterior) , impressoras flexográficas (+ 23%), máquinas de termoformagem (+ 37%) e moldes (+ 18%).

Desempenho por geografia – Europa

A Europa continua a ser o principal mercado de destino das máquinas italianas. As vendas dentro da União Européia aumentaram mais de vinte pontos percentuais em relação aos primeiros seis meses de 2016 e um aumento semelhante foi registrado em todo o resto da Europa, em geral. Vale ressaltar o desempenho positivo na Rússia, onde o valor das vendas mais do que duplicou, saindo de aproximadamente 21 milhões para quase 50 milhões de euros.

Desempenho por geografia – Américas

As Américas absorveram um quinto das exportações italianas no setor, com um aumento da ordem de dez pontos percentuais, atribuível principalmente ao crescimento nos mercados latino-americanos, com o Brasil liderando (+ 73%). Os países do NAFTA, por outro lado, registraram um crescimento mais modesto devido a uma desaceleração das vendas para o México.

Desempenho por geografia – Ásia

As vendas para países asiáticos permaneceram bastante estagnadas, condicionadas por uma queda das exportações para o Oriente Médio em geral e, especificamente, para a Arábia Saudita e o Irã. As vendas para o Extremo Oriente não foram muito melhores, arrastadas pela queda de 12% registrada para a China, que certamente não foi compensada pelo aumento de 1% para a Índia (apenas olhando para os dois principais mercados da área).

Desempenho por geografia – África

Embora as vendas agregadas para África sejam de valor modesto, tanto os países mediterrâneos como os países subsaarianos registraram um aumento que se aproxima de vinte pontos percentuais.

“Deve-se notar”, ressalta o satisfeito presidente da Amaplast, Alessandro Grassi, “que a recuperação de suprimentos para mercados históricos importantes, como a Rússia e o Brasil, que estavam derrapando no passado recente devido aos seus respectivos problemas econômicos e políticos, dá um impulso bastante significativo na confiança para as empresas do nosso setor “.

“As estatísticas do fim de junho que destacam o crescimento contínuo das exportações para o setor”, continua Grassi, “são um sinal importante para os fabricantes italianos de máquinas, moldes e equipamentos de processamento de plásticos e borrachas, que têm uma percepção mais tangível da recuperação em seu mercado e podem aguardar um novo recorde de produção e exportação no final do ano. As empresas também observam uma recuperação paralela no mercado interno, sustentada em parte pelas medidas de estímulo implementadas pelo governo italiano para apoiar o investimento dos fabricantes dentro da abordagem da “Indústria 4.0”. Os fabricantes italianos de máquinas de processamento de plásticos e borracha estão prontos para contribuir com o processo, fornecendo sistemas de ponta e competitivos “.

Confirmando as estatísticas de comércio exterior acima descritas, a pesquisa de meio de ano realizada no final de julho entre as empresas associadas à Amaplast, comparando o primeiro semestre de 2017 com o mesmo período de 2016, revelou uma tendência positiva tanto no volume de negócios (aumento para 45% dos entrevistados e estável para 51%) como nos pedidos correntes (melhorando para 51% dos entrevistados e permanecendo estável para 35%).

Eventos no setor

Os próximos meses trazem um intenso calendário de importantes feiras especializadas em todo o mundo, onde a Amaplast desempenhará um papel ativo na promoção do “Made-in-Italy”:

  • Plastimagen (Cidade do México, 7 a 10 de novembro), com cerca de 40 expositores no pavilhão italiano
  • Plásticos e borracha Indonésia (Jacarta, 15 a 18 de novembro)
  • Plast Eurasia (Istambul, 6-9 de dezembro).

Além disso, a Amaplast também participou da Iranplast, em Teerã, de 24 a 27 de Setembro, onde a associação, juntamente com a ICE-Agenzia, coordenou uma exposição coletiva de aproximadamente 30 empresas italianas. A Amaplast também esteve presente na Equiplast, realizada de 2 a 6 de Outubro, em Barcelona.

Naturalmente, a presença italiana nestas feiras também oferece a oportunidade de intensificar a promoção da feira PLAST 2018 (Milão, 29 de maio a 1 de junho de 2018) entre os potenciais visitantes. Enquanto isso, o escritório organizacional da feira completou o procedimento de atribuição de stands, o qual está sendo revisado pelos mais de mil expositores atualmente registrados, que reservaram cerca de 90% do espaço disponível.

A PLAST 2018 é membro da “The Innovation Alliance”, que reúne cinco feiras internacionais (Ipack-Ima, Meat-Tech, Plast, Print4All e Intralogistica Italia), todas acessíveis com um único ingresso. As feiras contêm a excelência tecnológica de várias indústrias complementares dentro de uma lógica de cadeia de suprimentos integrada: desde o processamento de plásticos e borrachas até a moldagem industrial; desde a fabricação até a embalagem; desde gráficos personalizados para embalagens e etiquetas até o manuseio e armazenamento de mercadorias.

A PLAST 2018 também incluirá três feiras satélite: Rubber 2018 (para o segmento de borracha), 3D Plast (impressão 3D e tecnologias associadas) e Plast-Mat ​​(plásticos inovadores).

Com base em números da última edição (1.584 expositores de 57 países e 50.087 visitantes de 115 países), a PLAST será o evento mais importante do setor na Europa, em 2018. Juntamente com os outros eventos que compõem “The Innovation Alliance”, ocupará todo o recinto de feiras de Rho-Pero.

O novo nome

Amaplast é a associação industrial nacional italiana, membro da Confindustria, que representa mais de 160 fabricantes de máquinas, equipamentos e moldes para processamento de plásticos e borracha. Em 7 de junho de 2017, a Assocomaplast foi renomeada como Amaplast. O escritório da associação criou uma breve apresentação animada no Youtube (https://www.youtube.com/watch?time_continue=8&v=kDJzqPHsi3U) para sublinhar a importância do novo nome.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Amaplast

Curta nossa página no

Solvay aumenta a produção mundial de polímeros de sulfona com nova unidade na Índia e expansão nos EUA

10/10/2017

Polímeros de sulfona são aplicados em diversos mercados de alto desempenho, principalmente de indústrias das áreas de Saúde e tratamento de água

A Solvay está expandindo sua capacidade de produção global de polímeros especiais de sulfona na Índia e nos Estados Unidos para atender ao crescimento significativo da demanda por este material termoplástico de alto desempenho, principalmente nas indústrias do setor de saúde/médico e de tratamento de água.

Como parte dos planos da Solvay, anunciado anteriormente, de aumentar a capacidade de polímeros de sulfona em mais de 35% nos próximos 5 anos, a empresa está construindo uma nova unidade de produção, exclusiva para polietersulfona (PESU), em Panoli, na Índia. Os aumentos de capacidade também estão ocorrendo nos EUA, nas unidades de polímeros e monômeros da Solvay em Marietta (Ohio) e Augusta (Geórgia), por meio de investimentos e otimização de processos.

“A expansão da Solvay reforça nossa posição de liderança em polímeros especiais de sulfona, beneficiando-se da crescente demanda em indústrias de rápido crescimento, como purificação de água e tratamentos de saúde”, disse Augusto Di Donfrancesco, presidente da Unidade Global de Negócios Specialty Polymers do Grupo Solvay. “Os clientes podem confiar em nós para o seu suprimento a longo prazo em todo o mundo”, disse Donfrancesco. A construção da nova unidade em Panoli está em andamento e a produção deverá atingir a capacidade total em meados de 2019.

Os polímeros de sulfona da Solvay, Radel® PPSU (polifenilsulfona), Veradel® PESU (polietersulfona) e Udel® PSU (polissulfona), são aplicados em uma variedade de indústrias altamente competitivas, como a aeroespacial/aeronáutica, automotiva, água e eletrônica, bem como mercados de consumo e construção.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Clariant e Enviral anunciam contrato de licenciamento da tecnologia de etanol celulósico

05/10/2017

  • A Clariant e a Enviral assinam um contrato de licenciamento da tecnologia sunliquid®
  • A Enviral, membro do Envien Group, pretende projetar, construir e operar uma nova planta industrial de etanol celulósico para fins comerciais na unidade de Leopoldov, na Eslováquia, com base na tecnologia sunliquid® da Clariant
  • O contrato é fruto dos testes de desempenho realizados com matérias-primas da Enviral na planta pré-comercial de sunliquid® em Straubing, na Alemanha

A Clariant e a Enviral, maior produtora de bioetanol da Eslováquia, anunciaram em 18 de setembro passado a assinatura de um contrato de licenciamento referente à tecnologia de etanol celulósico sunliquid®.

A Enviral adquiriu uma licença para usar a tecnologia sunliquid da Clariant como parte de seu objetivo de criar uma planta para produção comercial em larga escala de etanol celulósico proveniente de resíduos agrícolas. Esta nova planta será de propriedade da Enviral e será operada por ela, além de ser integrada às instalações existentes da empresa em Leopoldov, na Eslováquia, com uma capacidade de produção anual de 50 mil toneladas. A planta utilizará a tecnologia sunliquid da Clariant, além de culturas iniciais provenientes de suas plataformas proprietárias para enzimas e leveduras, para processar matérias-primas da Enviral e transformá-las em etanol celulósico.

Christian Kohlpaintner, membro do Comitê Executivo da Clariant: “Temos o prazer de anunciar o primeiro licenciamento da nossa tecnologia sunliquid. Marcamos assim nossa entrada oficial no mercado e o sucesso na comercialização desta tecnologia altamente inovadora e sustentável. Esta etapa é uma consequência lógica do sucesso da estratégia de inovação da Clariant e proporcionará crescimento além do portfólio atual e sólido da Clariant. O etanol celulósico tem forte potencial para reduzir as emissões de gases do efeito estufa, e temos orgulho de tornar isso uma realidade”.

“Graças à cooperação com a Clariant, a planta da Enviral na Eslováquia será uma das primeiras na Europa a começar a produção comercial de biocombustível avançado. Esse projeto extraordinário é fruto de intenso trabalho, em busca de soluções ideais, bem como do sucesso na validação da tecnologia conduzida na planta pré-comercial da Clariant com a biomassa fornecida pela Eslováquia. Agora, graças a essa tecnologia avançada, podemos tornar isso uma realidade e ajudar a Eslováquia a atingir as metas para biocombustíveis avançados na União Europeia”, explica Matej Sabol, CEO da Enviral.

A Clariant e a Enviral realizaram testes extensivos com as matérias-primas da Enviral, utilizando a tecnologia da Clariant para assegurar uma compatibilidade efetiva e eficiente. Segundo a Clariant, os testes realizados na planta da empresa para demonstração pré-comercial do sunliquid, em Straubing (Alemanha), produziram resultados muito bons, formando assim a base de decisão do projeto. Os próximos passos incluem estudos de engenharia detalhados antes do início oficial das obras, que deve ocorrer no final de 2017.

Como mais uma etapa na comercialização do sunliquid, a Clariant decidiu criar uma nova Business Line de Biocombustíveis como parte da área de negócios Catalysis, que é responsável por dar maior desenvolvimento ao segmento de biocombustíveis e monitorar seu desempenho.

O etanol celulósico é um biocombustível avançado e sustentável, praticamente neutro em termos de carbono. É produzido a partir de resíduos agrícolas, como palha de trigo e forragem de milho, obtidos de agricultores. Por usar resíduos agrícolas, o etanol celulósico pode estender a atual produção de biocombustíveis a novas matérias-primas e melhorar o desempenho.

O etanol também pode ser usado como matéria prima para produção de plásticos, como o polietileno.

A tecnologia sunliquid oferece um modelo de processo completamente integrado baseado em tecnologias de processo já estabelecidas. Características tecnológicas inovadoras, como a produção integrada de matéria-prima e enzimas específicas para os processos e fermentação simultânea de C5 e C6, garantem melhor performance comercial, garante a Clariant.

Fonte: Clariant

Curta nossa página no

Empresa mexicana Carcal escolhe copoliéster da Eastman para escovas de limpeza de pratos

05/10/2017

A remoção eficaz de alimentos grudados, sujeira e resquícios de oleosidade em pratos requer uma escova com a qual seja possível esfregá-los. Segundo a Eastman, as escovas de limpeza de pratos Houser™, da marca mexicana Carcal, são o resultado de uma combinação única de resistência superior e design elegante que satisfaz às exigências de limpeza, mesmo nos pratos mais sujos.

Feitas com o copoliéster Eastman Tritan ™, as escovas de limpeza da Carcal são anti rachaduras e também não quebram, assegura a Eastman, independentemente de quantas vezes caírem, além de não fazerem muito barulho ao cair. São livres de BPA e resistentes o suficiente para suportar produtos de limpeza agressivos, além de serem tolerantes a altas temperaturas – características importantes quando se deseja mantê-las seguras e higienizadas, afirma a fabricante de matéria-prima.

Ao contrário de outros produtos de plástico transparente, as escovas de limpeza fabricadas com o Eastman Tritan™ são concebidas para manter sua aparência similar ao vidro, sem ficar com o aspecto embaçado após a repetidas lavagens de louça.

Os produtos estão disponíveis no mercado do México e são apresentados em uma ampla paleta de cores, adequando-se aos vários estilos de cozinha e casa.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Eastman

Curta nossa página no

Simplas promoverá apresentação sobre Indústria 4.0 durante a próxima reunião-jantar

05/10/2017

Diretor Regional do Senai-SC, Jefferson de Oliveira Gomes, abordará o tema segunda-feira (9), às 20h, na CIC de Caxias do Sul (RS)

Vislumbra-se que em 2020 haverá profissões que ainda não existem e que substituirão outras que acabaram de surgir; a educação precisará ser reformulada para a solução de problemas; e o desenvolvimento dos negócios no Brasil precisará de uma completa reformulação.

Tal cenário será explorado durante a palestra “Indústria 4.0” que o diretor regional do Senai de Santa Catarina, Jefferson de Oliveira Gomes, traz para a Reunião-Jantar do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás) na segunda-feira (9), a partir das 20h. O evento será na Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC) de Caxias do Sul (RS). Mais informações e consulta para adesões podem ser feitos pelo telefone (54) 3013.8484 ou e-mail vanessa@simplas.com.br.

Engenheiro mecânico com graduação e mestrado pela UFSC e professor da divisão de engenharia mecânica-aeronáutica do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Gomes deixou a gerência executiva de tecnologia e inovação do Senai nacional, em Brasília, para assumir o comando da regional catarinense, em Florianópolis, há dois anos.

“Nos acostumamos com uma indústria em que a gente trabalha com máquina. Só que agora chegamos num momento em que a máquina trabalha com a gente. É uma lógica um pouco diferente”, comenta Gomes. Segundo o palestrante, a dificuldade de acesso à infraestrutura e o labirinto regulatório tem sido os maiores entraves para o desenvolvimento da indústria 4.0 no Brasil. Por outro lado, existe grande oportunidade para novidades germinadas em parques tecnológicos.

“Os americanos dizem que estamos saindo da era em que produzimos para o cliente e estamos chegando na era em que o cliente nos produz. É a era da customização em massa. O cliente me diz o quê e como quer. Por meio de sensores, estas informações são transmitidas diretamente à fábrica, a partir do produto. Primeiro, tínhamos as máquinas comunicando-se entre si. Agora, temos plantas industriais inteiras interligadas, recebendo e transmitindo informações e trabalhando com robótica inteligente”, comentou.

Neste sentido, afirma Gomes, há uma necessidade premente de se reformular o paradigma da educação no Brasil. Segundo ele, hoje o Brasil tem 27 milhões de estudantes que serão formados sem uma especialização técnica. Apenas 6% dos jovens brasileiros concluem o ensino médio com alguma formação técnica. Na Alemanha, o índice gira em torno dos 56%. E na Suécia, supera os 70%.

Dados do Fórum Econômico Mundial citados por Gomes revelam que, dos 3 bilhões de trabalhadores com algum tipo de vínculo empregatício no mundo, 1 bilhão exercem profissões que não existiam cinco anos atrás. E das profissões que surgirão nos próximos oito anos, 65% ainda são desconhecidas.

“Ninguém sabe dizer com certeza o que vai acontecer. Mas o que se sabe é que a educação terá de ser baseada em problemas. As pessoas terão que trabalhar mais em conjunto. Será preciso entender de engenharia e de psicologia. A indústria moderna é feita por gente que pensa e trabalha”, concluiu.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Simplas

Curta nossa página no

Dow anuncia investimentos de mais de US$ 200 milhões em fábrica na Argentina

04/10/2017

A Dow acaba de anunciar investimentos de mais de US$ 200 milhões destinados a otimizar o desempenho de sua unidade petroquímica localizada em Ingeniero White (província de Buenos Aires).

O montante será investido nos próximos dois anos para aumentar a confiabilidade das instalações produtivas de etileno e polietileno. O polietileno é amplamente utilizado pela indústria local na fabricação de embalagens rígidas e flexíveis para setores de bens de consumo diversos, entre os quais embalagens para alimentos, produtos de saúde e higiene, tubos e filmes industriais e agrícolas.

Entre as ações anunciadas também estão projetos de modernização e expansão de algumas unidades operacionais, além da execução de trabalhos corretivos e preventivos em maquinas de grande porte, reforma e otimização de equipamentos existentes e implantação de novas tecnologias para se alcançar melhorias significativas na produção.

Além dos trabalhos de manutenção, serão implantados aperfeiçoamentos tecnológicos que permitirão um melhor desempenho em termos de meio ambiente e segurança, em conformidade com padrões globais e alinhados às necessidades da companhia e objetivos de desenvolvimento em longo prazo.

Com esses projetos, as unidades passarão a operar com eficiência máxima, o que é necessário para dar continuidade ao processo de captação de investimentos futuros para ampliar a capacidade do complexo.

A decisão da Dow trará impactos significativos para o complexo de Bahía Blanca (foto) durante a execução dos projetos. Estima-se que, durante a fase de pico, mais de 1000 pessoas participarão dos trabalhos por meio de empresas contratadas para a prestação de serviços, a maioria das quais são negócios de pequeno e médio porte localizados em Bahía Blanca e no seu entorno. Além disso, outras atividades serão executadas por companhias petroquímicas cujas operações são integradas com as da Dow. Tudo isso aumentará os investimentos no complexo e a geração de empregos na região.

Dada a demanda por mão de obra qualificada, a Dow coordenará um plano integrado e oferecerá treinamento para trabalhadores em conjunto com associações do setor e sindicatos. Esse trabalho será coordenado em conjunto com o Ministério do Trabalho e Desenvolvimento Social nos âmbitos nacional e local.

A Dow Embalagens & Plásticos de Especialidade é uma unidade de negócio da DowDuPont Ciência dos Materiais e enfoca os segmentos de alto crescimento nos mercados de embalagens flexíveis e rígidas para alimentos, embalagens secundárias e terciárias, higiene pessoal e produtos médicos, e aplicações adesivas. A Dow Embalagens & Plásticos de Especialidade é a maior produtora de polietileno no mundo.

A DowDuPont Ciência dos Materiais é uma divisão da empresa DowDuPont, recém constituída pela fusão da Dow e da DuPont. O portfólio de materiais avançados, intermediários industriais e plásticos da Divisão de Ciência dos Materiais da DowDuPont oferece uma variedade de produtos e soluções de base tecnológica a clientes em mercados de alto crescimento, como embalagens, infraestrutura e cuidados do consumidor. A DowDuPont pretende separar a Divisão de Ciência dos Materiais em uma empresa independente e de capital aberto.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Braskem fecha parceria com Pegasus Polymers para distribuir Polietileno de Ultra Alto Peso Molecular na China

02/10/2017

Petroquímica busca expandir o acesso a clientes e mercados

A Braskem anunciou em Setembro sua nova parceria com a Pegasus Polymers para distribuir o UTEC® – Polietileno de Ultra Alto Peso Molecular (UHMWPE, da sigla em inglês) – na China. A demanda chinesa pela resina tem uma taxa composta de crescimento anual (CAGR) de 10,74%, devido ao seu uso em mercados-chave, como separadores de baterias, tubos e fibras.

“Nossa parceria com a Pegasus Polymers confirma nosso compromisso com o mercado mundial de UTEC®. Estamos empolgados por poder continuar a fortalecer e expandir nossos negócios na China, aproveitando ainda mais nosso desenvolvimento de novas aplicações e nossas unidades industriais para oferecer a nossos clientes uma solução proprietária”, afirma Christopher Gee, diretor de negócios globais da Braskem para a UTEC®.

A Pegasus Polymers é uma divisão do Grupo Ravago, fornecedor de serviços número um no mercado global de plásticos, borracha e produtos químicos, e possui escritórios de vendas em Guangzhou, Hong Kong, Fujian, Xangai, Suzhou, Xi’an, Tianjin e Changchun, bem como instalações de distribuição e depósitos em Guangzhou, Xiamen, Xangai, Ningbo, Qingdao e Tianjin.

“Estamos orgulhosos por sermos o distribuidor oficial dos produtos UTEC® da Braskem, na China. Com a rede de vendas da Pegasus, o know-how industrial profundo no produto UHMWPE e no UTEC® de alta qualidade, acreditamos estar trazendo soluções de alto valor agregado para o mercado”, afirma Johnson Huang, diretor comercial da Grande China para a Pegasus.

No início deste ano, a Braskem iniciou suas operações em sua nova fábrica de UTEC® em La Porte, Texas, que complementa a capacidades da linha produtiva de Camaçari, na Bahia. Além disso, a empresa aprimorou suas capacidades de pesquisa e desenvolvimento para a resina ao longo de 2016 no Centro de Inovações e Tecnologia da empresa em Pittsburgh, Pensilvânia. Esses recursos permitem à petroquímica expandir sua liderança técnica em UHMWPE.

A Braskem vem pesquisando oportunidades para expandir sua presença neste mercado, visando beneficiar seus clientes atuais e futuros. Desde a inauguração da nova estrutura de produção de UTEC no Texas, foram desenvolvidos dois novos produtos, atualmente em fase de testes para sua potencial comercialização.

Segundo a Braskem, o UTEC® é um polímero de engenharia com excelentes propriedades mecânicas, como alta resistência à abrasão, resistência ao impacto e baixo coeficiente de atrito. É um produto autolubrificante, de alta resistência, leve e usinável, usado para produtos semiacabados. O UTEC é oito vezes mais leve do que o aço e dura dez vezes mais do que o Polietileno de Alta Densidade, afirma a Braskem. É utilizado em uma vasta gama de aplicações nas seguintes indústrias: automotivo e transporte, eletrônicos, fibras e têxteis, equipamentos industriais e pesados, manuseio de materiais, petróleo e gás, tubulação e mineração, plásticos porosos e recreação e consumidor.

Sobre a Braskem: Contando com 8 mil colaboradores, a Braskem tem uma produção anual de 20 milhões de toneladas, incluindo produtos químicos e petroquímicos básicos e teve faturamento de R$ 55 bilhões em 2016. Exporta para Clientes em aproximadamente 100 países e opera 41 unidades industriais, localizadas no Brasil, EUA, Alemanha e México, esta última em parceria com a mexicana Idesa.

Sobre a Pegasus Polymers: O Grupo Ravago é líder global na distribuição, revenda e composição de commodities, engenharia e polímeros especiais de plástico e borracha. Na Ásia, a Ravago tem uma rede de distribuição de mais de 15 escritórios espalhados por 8 locais. A Pegasus Polymers tornou-se parte do Grupo Ravago em 2006 e já vem operando na Ásia desde 1990. Ao longo dos anos, a rede de distribuição de plástico e borracha da Pegasus cresceu significativamente com 8 pontos em toda a China até o momento. A Pegasus fornece um amplo portfólio de produtos de commodities, engenharia e plásticos de alto desempenho para todos os segmentos da indústria. A Pegasus opera sob duas entidades legais. A Pegasus Petrochemical Asia Limited (Hong Kong) e a Pegasus Trading (Shanghai) Co., Ltd. (China) possuem 6 pontos de armazenagem e podem disponibilizar serviços técnicos profissionais aos clientes da UHMWPE na Indústria de hastes e chapas, tubos, fibras, filtração e separadores de baterias.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no