Planta francesa Suez Regene Atlantique otimiza qualidade de flakes de PET reciclado após modernização

20/02/2017

tomra-plant-regene

Suez Regene Atlantique é uma planta francesa (foto) controlada pelo grupo Suez, especializada na recuperação e reciclagem de garrafas de PET. Em 2013, a empresa fez um investimento estratégico significativo na modernização e melhoria do processo de seleção ótica para a reciclagem de garrafas. Esta atualização ocorreu pela aquisição de novos equipamentos avançados de separação. Como parte deste processo, a Suez Regene Atlantique recebeu quatro máquinas de separação Autosort da Tomra e uma unidade Autosort Flake, junto com um sistema de controle automático.

Como resultado da modernização das suas instalações, a Suez Regene Atlantique se beneficiou de várias maneiras, mas sem dúvida a mais importante foi a enorme melhoria da qualidade do seu produto final. Atualmente, a planta produz mais de 50 toneladas de flakes por dia.

Objetivo: a máxima pureza possível

Durante a discussão conceitual do projeto, a Tomra Sorting e a Regene Atlantique decidiram conjuntamente que, para produzir flakes de PET de máxima pureza possível, três resultados deveriam ser garantidos: uma elevada produção de matéria prima, uma alta consistência do produto e um elevado rendimento do produto

Processo recém-projetado

Para atingir esses objetivos, foi concebido um processo onde as garrafas PET embaladas em fardos são transportadas de centros de triagem localizados no sudoeste da França. Estes fardos são então levados para a estação de abertura dos fardos, onde as suas tiras de metal são cortadas manualmente antes das garrafas serem então carregadas na esteira de alimentação. A esteira leva o material o triturador, onde as garrafas são desagregadas individualmente antes de passar por um Autosort. A Regene Atlantique optou pelo conceito de seleção positiva para a sua primeira fase de classificação ótica. Nesse conceito de seleção positiva, a máquina de triagem irá selecionar garrafas de PET desejadas, e assim, garantir que quaisquer contaminantes que estejam presentes caiam através da força gravitacional. Após este primeiro passo de separação, duas outras unidades Autosort são então utilizadas para eliminar todos os contaminantes ainda presentes no fluxo principal de material PET.

Após estas três fases de separação ótica, todo o material rejeitado é levado para um quarto Autosort. Ele irá devolver todas as garrafas que foram removidas por engano pelo processamento anterior e também recuperar uma nova categoria de garrafas PET coloridas, que agora podem incluir ou não garrafas opacas. Depois da triagem ótica ter sido completada, as garrafas passam então por uma inspeção manual. Uma vez que isto ocorreu, as garrafas são então trituradas e assim emergem na sua forma de produto final: flakes.

Estes flakes passam então através de um tanque de flotação em que todo o material que contém polipropileno (PP) ou polietileno (PE) flutuará na superfície. Estes materiais podem então ser simplesmente removidos, enquanto o produto PET afunda e segue no processo de reciclagem. Uma vez que os materiais PE e PP foram separados, os flakes de PET são então lavados a uma temperatura de 93 ° C para dissolver quaisquer colas presentes e para remover todos os rótulos colados nos produtos. Depois que este processo de lavagem estiver concluído, outra operação de flotação é necessária para remover as etiquetas destacadas durante a lavagem.

Em uma etapa seguinte, os flakes tem a sua removida. Uma vez limpo e completamente seco, os flakes são então peneirados para separar as partículas mais finas e grandes. Os flakes grandes e sobredimensionados serão triturados novamente para se obter a distribuição de tamanho de partícula desejada. Estes flakes são então enviados para um tambor magnético e um separador indutivo. Esta combinação de equipamentos garante a remoção de quaisquer contaminantes metálicos remanescentes do material em flakes. O primeiro rolo captura metais ferroso, enquanto o segundo elimina metais não-ferrosos como o alumínio.

Como passo final, o material processado é enviado para o Autosort Flake. Esta máquina remove os últimos contaminantes. Aqui, o fluxo de material é dividido em três canais na primeira separação. Em seguida, o material ejetado é percorrido novamente através do canal de recuperação para uma segunda verificação. Finalmente, os operadores embalam os flakes em grandes sacos (big bags), cada um pesando aproximadamente uma tonelada. Após a embalagem, estes sacos são colocados em uma zona de armazenamento temporário para aguardar controle de qualidade: cada saco deve passar por um teste para avaliação dos vários contaminantes. A análise abrange uma gama de contaminantes que inclui PVC e metal – e quando se produzem flakes cristal (com azul claro) – os flakes opacos e coloridos de PET são eliminados também. Depois que estas medidas de controle de qualidade foram concluídas, os grandes sacos podem então ser despachados.

Planta apresente uma das melhores qualidades de flakes disponíveis no mercado europeu

Como resultado direto desse novo conceito de processamento, a qualidade da produção melhorou drasticamente, o tempo de manutenção essencial foi significativamente reduzido e o volume anual de resíduos da planta diminuiu em 300 toneladas.

Esta instalação melhorada agora permite à Suez produzir uma das melhores qualidades de flakes disponíveis no mercado europeu de hoje. Os clientes industriais utilizam os flakes produzidos pela Suez para produzir embalagens de qualidade alimentícia – principalmente para aplicações em chapas; e eles também são usados em fibras têxteis para uso em lã polar ou carpetes para o setor automotivo. Além disso, a saída do flake é usada igualmente para fabricar garrafas, completando assim verdadeiramente o círculo do processo da reciclagem. A transformação de resíduos em recursos valiosos contribui para uma solução importante para os problemas globais urgentes do nosso tempo – esgotamento dos recursos naturais e proteção ambiental.

Receitas consideravelmente mais elevadas

David Bourge, Gerente de Fábrica da Suez, Regene Atlantique, disse: “Graças à nossa parceria com a Tomra, conseguimos otimizar nossas operações de reciclagem de PET. Ao combinar o Autosort (separador de garrafas) com o Autosort Flake (separador de flakes), multiplicamos a nossa produção com alta qualidade por dois, resultando em receitas consideravelmente mais elevadas.

Como está o mercado Brasileiro

A indústria brasileira de reciclagem de PET também está buscando produção com qualidades de flake de PET mais elevadas, uma vez que as empresas estão se licenciando junto a ANVISA para a produção de material com qualidade para grau alimentício. Segundo Carina Arita, gerente comercial da Tomra no Brasil, “devido a essa demanda por alta qualidade de flake, a maioria de nossos clientes no Brasil também está adotando o conceito de seleção positiva e, graças ao avanço da nossa tecnologia, temos velocidade de processamento e de válvulas capazes de executar essa tarefa com sucesso, proporcionando uma separação mais eficiente”.

Já Carlos Manchado, diretor para todo continente americano, observa que “essa tendência é notória também nos outros países da América do Sul, principalmente considerando que esses países estão seguindo as especificações de qualidade exigidas pelos orgãos Europeus  e pela FDA (Food and Drug Admnistration) nos Estados Unidos. Ao final a resina PET reciclada pode ser considerada uma commodity, tornando-se um produto de circulação global”.

Sobre a Tomra Sorting Recycling

A Tomra Sorting Recycling (www.Tomra.com/recycling) desenvolve e fabrica tecnologias de separação baseada em sensores para a indústria global de reciclagem e gestão de resíduos. A empresa já instalou mais de 4.400 sistemas em 50 países de todo o mundo. A Tomra Sorting Recycling faz parte da Tomra Sorting Solutions, que também desenvolve sistemas baseados em sensores para a separação, descascamento e controle de processos para a indústria alimentícia e de mineração, entre outras. A Tomra Sorting é afiliada da empresa norueguesa Tomra Systems ASA com capital aberto na Bolsa de Oslo. Fundada em 1972, a Tomra Systems ASA tem faturamento de cerca de 650 milhões de euros e emprega mais de 2.600 pessoas.

Fonte e foto: Assessoria de Imprensa – Tomra

Curta nossa página no

Covestro divulga balanço anual recorde

20/02/2017
Conselho de Administração da Covestro

Conselho de Administração da Covestro

•Volumes totais cresceram 7,5% em relação ao ano anterior
• EBITDA ajustado subiu 22,7% para 2,0 bilhões de euros
• Forte crescimento no Fluxo de Caixa Operacional Livre
• Lucro líquido mais que dobrou
• Dividendo proposto de 1,35 euro por ação
• Cenário confiante para 2017

2016 foi um ano recorde para a fabricante de polímeros Covestro. Impulsionados pela demanda por materiais inovadores, os volumes totais do Grupo cresceram 7,5%. Com maior capacidade de utilização em suas plantas ao redor do mundo, o EBITDA ajustado subiu 22,7% para 2,0 bilhões de euros, um crescimento frente 2015. O lucro líquido mais que dobrou, de 343 milhões de euros para 795 milhões de euros. Com base nisso, a Covestro espera pagar a seus acionistas um dividendo de 1,35 euro por ação.

“Nossa estratégia está dando resultado. Estes excelentes números destacam a força fundamental da Covestro”, explica o CEO Patrick Thomas. “A crescente demanda por nossos produtos inovadores e sustentáveis mostra que estamos conseguindo substituir os materiais tradicionais por plásticos de qualidade superior”.

O Fluxo de Caixa Operacional Livre cresceu 41,8%, atingindo 1,4 bilhão de euros. A Covestro também melhorou sua rentabilidade: o retorno sobre capital empregado (ROCE) atingiu 14,2%, excedendo significativamente o ano anterior. Em contraste, as vendas do Grupo Covestro caíram 1,5%, alcançando 11,9 bilhões de euros como resultado de menores preços de vendas e efeitos financeiros.

Capacidade de produção otimizada e crescente demanda

Em 2016, o crescimento dos volumes totais superou o PIB global de forma significativa, enfatizando, portanto, o forte posicionamento estratégico da Covestro com relação a importantes tendências nas principais indústrias de clientes atendidos. A companhia foi capaz de aumentar consistentemente os volumes de vendas e otimizar ainda mais a utilização de suas capacidades de produção já existentes.

A Covestro também deu início à expansão de sua capacidade em regiões de grande crescimento a fim de atender à crescente demanda. Isso acontece particularmente no mercado da Ásia, onde a empresa deu início a uma operação para a produção de matérias-primas para revestimentos (HDI) e duplicou sua capacidade para policarbonatos.

Na Europa, a plataforma de produção está sendo também otimizada. A expansão da capacidade de produção do MDI, o precursor da espuma rígida, no site de Brunsbüttel (Alemanha) foi iniciada em junho. A capacidade será duplicada para 400 mil toneladas métricas por ano até 2018. Além disso, a Covestro provou, em 2016, que o CO2 pode ser usado como uma matéria-prima para produtos disponíveis no mercado: no ano passado, em Dormagen (Alemanha), a empresa colocou em funcionamento a primeira planta industrial do mundo a usar o CO2 como matéria-prima para componentes de espuma flexível.

Maior flexibilidade financeira

A Covestro pagou todos os empréstimos pendentes da Bayer no ano fiscal passado. Em março, a companhia fez a primeira emissão no valor total de 1,5 bilhão de euros como parte de um programa de emissão de títulos, facilitando os fundos para a quitação total dos empréstimos. Ao final de 2016, a dívida financeira líquida era de 1,5 bilhão de euros, cerca de 700 milhões de euros abaixo do nível do ano anterior.

“O programa de emissão nos dá maior flexibilidade financeira”, pontua o CFO Frank H. Lutz. “Junto com nosso fluxo de caixa positivo, agora temos fundos suficientes para financiarmos investimentos de forma independente”.

Forte demanda para Poliuretanos e Policarbonatos

Em 2016, o segmento de Poliuretanos da Covestro atingiu um crescimento de volume total de 7,7%, na comparação com o ano anterior, motivado por um forte crescimento em todos os grupos de produtos, particularmente no MDI, assim como o aumento de 41,2% no EDITDA ajustado, alcançando 881 milhões de euros. A demanda foi impulsionada por indústrias-chave como os setores automotivo e de construção. Em outubro, devido a uma parada de produção não planejada em um fornecedor, a Covestro se viu forçada a operar os sites europeus de MDI e TDI em capacidade reduzida e, portanto, declarou força maior. A situação foi revertida no final do ano.

O crescimento de volume total em Policarbonatos foi de 10,3%, na comparação com 2016. Mais uma vez os volumes de vendas cresceram de forma acentuada, particularmente nas regiões APAC e NAFTA. O EBITDA ajustado subiu 25,7%, atingindo 704 milhões de euros no segmento. A demanda da indústria eletroeletrônica foi um dos principais fatores de crescimento.

No segmento de Coatings, Adesivos e Especialidades (CAS), os volumes totais permaneceram estáveis, apesar da já prevista rescisão contratual de operações comerciais. O EBITDA ajustado subiu 1,8% para 500 milhões de euros. A redução no preço das matérias-primas teve um efeito positivo no resultado. Além disso, a tendência por produtos de maior qualidade também aumentou a demanda por produtos do CAS.

Maior rentabilidade no Q4 de 2016

O bem sucedido desempenho da Covestro continuou no quarto trimestre de 2016. De outubro a dezembro, os volumes totais subiram 4,8% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Graças ao aumento nos preços de vendas, as vendas do Grupo subiram 7,8%, alcançando 3 bilhões de euros. O EBITDA ajustado cresceu 52,3% para 390 milhões de euros. O lucro líquido de 124 milhões de euros também ficou bem acima do quarto trimestre de 2015 (-84 milhões de euros). O Fluxo de Caixa Operacional Livre subiu 3,6%, atingindo 407 milhões de euros.

Crescimento rentável previsto

Em 2017, a Covestro continuará trabalhando para desenvolver materiais inovadores, em linha com a visão da companhia: ‘Fazer do mundo um lugar melhor’. “Com nosso claro foco em um crescimento sustentável em linha com as macrotendências globais, nós estabelecemos uma forte posição para lucrar com a evolução do mercado no longo prazo. Encaramos 2017 com muita confiança”, declara Patrick Thomas.

Como uma empresa global com operações em estreita proximidade com seus clientes regionais, a Covestro também se considera bem posicionada em um mercado marcado por incertezas geopolíticas e volatilidade econômica. Baseada nas atuais previsões econômicas globais e nas perspectivas das indústrias que atende, a Covestro espera um desempenho sólido em relação aos indicadores-chave em 2017. A companhia antecipa um aumento percentual de um dígito (baixo a médio) no crescimento do volume total do Grupo. A Covestro projeta Fluxo de Caixa Operacional Livre levemente acima da média dos últimos três anos e um ROCE um pouco maior que o nível de 2016.

Com vendas de 11,9 bilhões de euros em 2016, a Covestro está entre os maiores fabricantes mundiais de polímeros. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, eletroeletrônico, construção e também as indústrias de esportes e lazer. A Covestro possui 30 sites de produção em todo o mundo e, no final de 2016, empregava cerca de 15.600 pessoas.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Evonik apresenta material que proporciona mais liberdade de design em aplicações ópticas

19/02/2017

evonik-trogamid-camadasA Evonik participará da edição deste ano da MIDO – Feira Internacional de Ótica, Optometria e Oftalmologia , em Milão, Itália, em fevereiro. Durante a feira, a Evonik apresentará uma inovação para a fabricação de armações de óculos: o Implex, tecnologia baseada em Trogamid®, uma poliamida transparente que, segundo a empresa, permite mais liberdade de design aos fabricantes.

Ao contrário dos métodos de produção tradicionais, esta nova tecnologia envolve o recorte das armações acabadas a partir de uma pré-forma única, curva, omitindo assim  as etapas de usinagem e acabamento necessárias após o processo de moldagem por injeção, afirma a Evonik. A pré-forma é fabricada com antecedência a partir de múltiplas camadas funcionais – a base, feita em Trogamid®, a camada de adesivo e o revestimento – ou o filme resistente a arranhões – e pode ser produzida de modo relativamente rápido e flexível, permitindo variar tanto o tamanho da pré-forma quanto o seu raio de curvatura.

Variedade de design

De acordo com a Evonik, a tecnologia Implex conquista os clientes por seus atributos de fácil manuseio, boa produtividade e a capacidade de ser personalizada segundo uma variedade de cores, texturas e padrões. Para os fabricantes de armações de óculos, a capacidade de desenvolver designs de modo ainda mais rápido constitui uma vantagem importante da tecnologia inovadora.

A inovação atende à demanda dos clientes pelo uso de duas soluções em material da Evonik: o Trogamid® CX9704, uma poliamida transparente, é usada na armação de base – sua maleabilidade permite aos fabricantes variar a forma do produto;  a segunda camada, estrutural, que é produzida com Trogamid® CX9711, possui excelentes características de processamento, além de ser altamente resistente a produtos químicos, afirma a Evonik.

A cooperação entre a Evonik e a Tungfung

O desenvolvimento do Implex foi baseado em décadas de experiência em materiais acumulada pela Evonik no setor de plásticos e na expertise técnica da Tungfung, um fabricante profissional de óculos de Hong Kong, na indústria óptica. A Evonik oferece o material e o know-how em produto, enquanto a Tungfung atua como parceira especializada na produção de armações de óculos de ótima qualidade.

O Grupo Tungfung é o principal fornecedor de matérias-primas e componentes para óculos e dispõe da maior variedade de produtos de Hong Kong. O Grupo oferece soluções de produção one-stop: da aquisição e fabricação das matérias-primas e componentes para os óculos à prestação de serviços pós-venda aos seus clientes.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no

Termotécnica contabiliza mais de 30 mil toneladas de EPS reciclado

19/02/2017

reciclar-eps

Na condição de maior indústria transformadora de EPS (isopor®) da América Latina, a Termotécnica também atua na conscientização da sociedade para a reciclagem do material, disponibilizando pontos de coleta e usinas de reciclagem para a transformação do material pós-consumo em novos produtos e soluções.

Ao sair da fábrica, eletrodomésticos, eletroeletrônicos, refrigeradores e fogões são embalados em EPS – sigla para poliestireno expandido, mais conhecido como isopor®. Ao comprá-los, o consumidor recebe um volume grande deste produto, mas, na hora do descarte, fica a dúvida sobre qual o destino correto para o EPS.

A Termotécnica vem orientando a comunidade sobre como proceder com o material a ser descartado através do Programa Reciclar EPS, nascido em 2007, antes, inclusive, da implementação do PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos).

A partir da implantação do programa, a Termotécnica passou a investir no desenvolvimento de uma ampla cadeia de logística reversa, o que foi um desafio substancial pelo fato do EPS ser um material extremamente leve (98% de seu volume é composto por ar). Com investimentos da ordem de R$15 milhões, instalaram-se unidades de reciclagem em Manaus, Indaiatuba, Rio Claro, São José dos Pinhais, Joinville, Petrolina e Sapucaia do Sul.

Portal online indica o ponto de entrega mais próximo

Com o objetivo de fortalecer a divulgação do Programa, a Termotécnica disponibilizou o Portal Reciclar EPS: http://www.reciclareps.com.br .Se o usuário tem a intenção de verificar onde está o ponto de entrega mais próximo, é só acessar o portal. Ao clicar no link “Onde reciclar”, o site identifica e direciona, em qualquer ponto do território nacional, o local mais próximo para recolhimento de EPS para reciclagem.

É importante esclarecer que o EPS é 100% reciclável. De acordo com a Plastivida – Instituto Sócio-ambiental dos Plásticos, no Brasil, cerca de 34,5% do EPS pós-consumo é reciclado. Um terço de toda esta reciclagem é feita pela Termotécnica.

Números representativos do Programa Reciclar EPS são:
– Mais de 30 mil toneladas de EPS reciclado pela Termotécnica desde 2007;
– 100 empregos diretos;
– Redução de 1/3 em energia e insumos;
– Mais de 1.200 Pontos de Coleta;
– 391 cooperativas envolvidas;
– mais de 5mil famílias impactadas.

A Termotécnica é a maior indústria transformadora de EPS da América Latina e líder no mercado brasileiro deste segmento. Produz soluções para Construção Civil, Embalagens e Peças Técnicas, Conservação, Agronegócios e Movimentação de Cargas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Termotécnica

Curta nossa página no

Acrílico destaca-se entre os materiais usados por empresas de comunicação visual

19/02/2017

indac-acrilico-blazzi

Beleza, durabilidade, brilho e oferta ampla de cores, texturas e espessuras, além da qualidade no acabamento e alta resistência ao calor e às intempéries – estes são alguns dos atributos que fazem do acrílico a matéria-prima preferida em inúmeros projetos de comunicação visual – principalmente os externos.

Na PPCaponi, fundada em 1943, Pedro Caponi conhece bem esses atributos e, por experiência própria, não recomenda a troca do acrílico por plásticos mais baratos: “Estou no ramo há mais de 45 anos, de modo que vivi plenamente a evolução do setor. Vejo que a troca, na maioria das vezes, acontece porque falta conhecimento dos profissionais de criação para especificar melhor os materiais”.

Para Thiago L. Carneiro, sócio-diretor da Acrilopes, empresa que está há 15 anos no mercado, antes de fazer sua escolha, o consumidor precisa ser bem orientado. “Primeiro, devemos entender a real necessidade do cliente. O acrílico é nosso carro-chefe e quase sempre é a melhor indicação pois suas características são de primeira linha. Temos condições de aplicar nele diversas técnicas, sem que se perca sua beleza final. Aliás, a qualidade final do trabalho sempre é excelente”, afirma.

Carneiro assume que é preciso reconhecer quando oferecer algo diferente. “Muitas vezes nós indicamos a troca por outros materiais. Os clientes chegam com uma idéia de trabalho que não precisa de alta qualidade, mas, sim, custo menor. Então indicamos o material que mais atende a esses casos. No entanto, é preciso sempre frisar que alguns materiais oferecem um resultado final e acabamento estético muito inferiores ao acrílico. Os processos acabam sendo mais trabalhosos também.  Daí, é preciso que o transformador leve tudo isso em conta ao oferecer o que parece mais barato.”

Thiago observa ainda que, se a escolha do material for pautada apenas por preço, pode haver comprometimento da qualidade. E o escritório de design ou publicidade pode acabar fazendo a compra errada: “A escolha só por preço é ruim para o cliente e sua marca. Não se pode esperar uma qualidade de primeira de um material de segunda. Por isso, o projetista deve fazer bem sua análise e orientar bem o comprador”.

Raymon Soares, da Support Brand, sabe que a inovação é palavra-chave neste mercado em que quase tudo é efêmero, principalmente as campanhas publicitárias. Assim, só sobrevivem nele as empresas transformadoras que conseguem acompanhar a velocidade das mudanças. “Devemos estar atentos às tendências. Oferecer produtos que nem o mercado imagina que sejam possíveis”.

Nesse mercado, as matérias-primas assumem papel importante, principalmente quando permitem maior versatilidade ao transformador. “Beleza, fácil aplicação e usinagem, alta resistência e flexibilidade. Tudo isso faz do acrílico um material de 1001 utilidades. Quando os materiais e a relação de custo/benefício são devidamente apresentados, o cliente facilmente irá decidir pelo acrílico”, explica Soares. Há 32 anos no mercado, a Support Brand contabiliza trabalhos de referência no mercado, tendo entre os clientes o Banco Original, Colunas, ATM e Itaú – para esse, aliás, exportou letras e logos de acrílico blindados.

O mercado de comunicação visual consome cerca de 60% de todo o acrílico distribuído no país, correspondente a 7.500 toneladas em 2016, segundo estimativa do INDAC (Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico).

Embora a cifra pareça elevada, o Instituto acredita que o acrílico possa contribuir ainda mais para o mercado de comunicação visual, sendo que a falta de informação sobre o material ainda inibe seu consumo. “Além de tornar os produtos mais atraentes e duráveis, o acrílico ainda agrega valor ao produto e à marca que ele ostenta. É muito importante que o transformador ressalte isso ao seu cliente antes de oferecer um material de qualidade inferior. Até porque, a satisfação do cliente final é parte deste negócio”, explica Soares.

Para projetistas, designers e arquitetos que têm dúvidas sobre o material, o INDAC mantém o programa Acrílico em Ação, por meio do qual ajuda o cliente a pensar seu projeto e encontrar um transformador de acrílico indicado para cada caso.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico (INDAC) é uma organização criada há 17 anos por empresários do setor com o objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado, por meio da indicação de seus associados.

A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 40 filiados em todo o país.

Fonte: Assessoria de Imprensa – INDAC

Curta nossa página no

Faturamento da Lord cresce em 2016

19/02/2017

Empresa opera em Jundiaí (SP) uma fábrica de adesivos e coatings

Fabricante de adesivos estruturais e coatings, a Lord, subsidiária local da norte-americana Lord Corporation, registrou alta de 15% no faturamento de 2016, afirma a empresa.

“Apesar das condições de mercado muito difíceis, a Lord encerrou o ano passado numa posição muito mais eficiente e competitiva para atuar num cenário ainda repleto de desafios econômicos e estruturais”, comenta Danny Siekierski, gerente geral da empresa na América do Sul.

O bom resultado, a despeito da retração econômica generalizada, baseou-se na combinação entre o suporte aos clientes globais do setor de borracha que passaram a atuar no Brasil, ganho de fatia de mercado sustentado por novos projetos e melhora do nível de exportação para os países do Mercosul.

“Também foi importante a ampliação da nossa rede de distribuidores, com a introdução de mais um player voltado para o segmento de elastômeros”, ressalta. O mercado de borracha responde por 60% da operação da empresa no Brasil.

Na área industrial – que, para a Lord, também engloba as aplicações em transporte –, os destaques ficaram por conta principalmente da obtenção de homologações para o fornecimento a determinadas montadoras de ônibus e caminhões.

“Em paralelo, tivemos a consolidação da produção no Brasil e Argentina de veículos leves, como Jeep Renegade, Fiat Toro e GM Cruze, modelos que usam os nossos produtos no processo de grafagem do capô”, detalha o executivo.

Para 2017, Siekierski confia numa elevação de 6% da receita da Lord, movimento apoiado basicamente por lançamentos de produtos. “Parte do nosso plano de investimento será dedicada à otimização da planta que operamos em Jundiaí (SP) e à melhoria dos processos produtivos. Também teremos um programa bastante sólido de 5S, que demandará recursos em diversas áreas da empresa”, completa.

Com matriz em Cary (EUA), a Lord Corporation atua no Brasil desde 1972. Fundada em 1924, é uma companhia especializada no desenvolvimento de adesivos, coatings, sistemas de controle de vibração e ruído e tecnologias de sensoriamento para os mercados automotivo, aeroespacial e defesa, óleo/gás e industrial.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Lord

Curta nossa página no

Adirplast busca eliminar perda de pellets no segmento de plásticos

19/02/2017

adirplast-estoque

Iniciativa tem o objetivo de promover a sustentabilidade e a responsabilidade socioambiental entre os distribuidores associados e seus clientes transformadores de plásticos

A Adirplast (Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas e Afins) estabeleceu como objetivo que a perda de pellets plásticos nas empresas associadas e nos transformadores seja zero. Para alcançar a meta, a associação realizará um trabalho ostensivo de conscientização junto às empresas do setor para conter e evitar o descarte incorreto do material.

A iniciativa tem como base as regras preconizadas pela Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico) e segue recomendações da Operation Clean Sweep (OCS) e do programa de gestão ambiental conduzido pelas organizações norte-americanas APC (American Plastics Council) e SPI (Society for the Plastics Industry). “No que se refere à implantação de políticas mais sustentáveis, a Adirplast tem um importante papel a desempenhar junto à indústria transformadora. Devido a nossa capilaridade, temos condições de nos comunicar com um número expressivo de indústrias e contribuir para o processo de conscientização de práticas que traduzam a responsabilidade socioambiental a ser expressa pelo setor”, afirma Ricardo Mason, diretor da Fortymil, da Adirplast e da Plastivida.

Ainda segundo Mason, ao difundir e adotar as práticas recomendadas pela OCS, as empresas do setor também podem ganhar: “Temos a oportunidade de elevar a indústria brasileira de transformação a um patamar de excelência, superior até aos índices mundiais de eficiência. É um desafio enorme e uma oportunidade única, com potencial de ganhos expressivos para a cadeia”, diz.

Investir para a menor perda de pellets não é bom apenas para o meio ambiente, concorda José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast. O compromisso da entidade traz também benefícios financeiros para as empresas que evitarem desperdícios: “A parceria da Abiplast nessa campanha vai ampliar ainda mais a divulgação dos benefícios em se adotar melhores práticas de produção dentro de toda a cadeia de negócios, de pequenas a grandes empresas”.

Estima-se que, por ano, o setor perca toneladas de plástico, seja pelo desperdício ou pela falta de um sistema mais eficiente de reciclagem. Não por menos, a OCS recomenda às empresas do setor o aperfeiçoamento e melhor organização do local de trabalho. Suas normas regem os trabalhos de cerca de 200 empresas norte-americanas e dez organizações internacionais do setor do plástico. “Evitar e corrigir derramamentos, criar e publicar procedimentos internos para atingir metas de perda zero de pellets, fornecer treinamento para os funcionários e responsabilizá-los pela prevenção, contenção, limpeza e descarte desses derramamentos – são algumas das práticas que devemos incentivar, também com a distribuição de uma cartilha”, conta Laércio Gonçalves, presidente da Adirplast e da Activas Plásticos Industriais.

Sustentabilidade é uma das três bandeiras levantadas pela Adirplast neste ano. “Ao alcançar a perda zero de pellets, nossa cadeia dará uma contribuição significativa à sociedade e confirmará sua responsabilidade socioambiental”, acrescenta Gonçalves.

A Adirplast, fundada em 2007, tem como diretrizes o fortalecimento da distribuição, o apoio aos seus associados e a integração do setor de varejo de resinas plásticas e filmes de BOPP-PET. Seu objetivo é demonstrar a importância que os distribuidores têm para o setor e para o desenvolvimento do mercado brasileiro de plásticos. A entidade trabalha ainda para promover a imagem sustentável do plástico, melhorar a gestão financeira dos transformadores e ajustar o desordenamento tributário sobre a indústria.

Atualmente, a entidade agrega empresas distribuidoras de resinas plásticas e filmes BOPP-PET que, juntas, tiveram um faturamento bruto de cerca de R$ 3,5 bilhões, em 2016, e responderam por cerca de 10% de todo o volume de polímeros e filmes comercializados no país.

Credenciadas pelos fabricantes, as empresas associadas à Adirplast contam com uma carteira de 7.000 clientes, em um universo de 11.500 transformadores de resinas plásticas no Brasil. Para atendê-los, emprega 180 representantes externos e mantém 150 postos de atendimento, além de equipes de assistência técnica e de pós-venda.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Adirplast

Curta nossa página no

Acionistas da Chemtura aprovam aquisição feita pela Lanxess

19/02/2017

lanxesschemtura

A Lanxess, empresa alemã do segmento de especialidades químicas, deu um passo significativo na aquisição da companhia norte-americana Chemtura. Os acionistas da Chemtura aprovaram a fusão em uma reunião especial na Filadélfia, Estados Unidos. 99,88% dos votos foram favoráveis à fusão, representando 81,77% das ações ordinárias da empresa. Nos termos do acordo de fusão, os acionistas da Chemtura receberão 33,50 dólares por cada ação em circulação no fechamento da transação.

Matthias Zachert, Presidente da Lanxess, comentou a aprovação da incorporação por parte dos acionistas. “Estamos satisfeitos com o apoio dos acionistas da Chemtura. Essa aprovação é um marco importante no caminho da Lanxess para se tornar um dos principais players no campo da química de aditivos”.

No final de dezembro de 2016, as autoridades antitrust dos Estados Unidos já haviam liberado a aquisição. A Lanxess espera fechar a transação em meados de 2017, depois que todas as aprovações regulamentares restantes forem recebidas.

Aditivos, retardantes de chamas e lubrificantes são os principais produtos da Chemtura e complementam o atual portfólio da Lanxess. Após o fechamento da transação, essas atividades serão integradas à unidade de negócios Rhein Chemie Additives (ADD) da Lanxess para formar um novo segmento. Hoje, a unidade já fornece uma ampla gama de aditivos especiais e produtos de serviço para a fabricação de plásticos, borrachas, lubrificantes e revestimentos e emprega cerca de 1.600 pessoas, em mais de 20 locais em todo o mundo.

Além dos aditivos, o portfólio da Chemtura também inclui uretanos e organometálicos, que também serão integrados à Lanxess. A Chemtura tem cerca de 2.500 funcionários em todo o mundo e opera em 20 locais em 11 países.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Lanxess

Curta nossa página no

Dilutec dribla crise e cresce 15% em 2016

19/02/2017

Empresa é uma das maiores fabricantes brasileiras de gelcoat e thinner

O ano passado foi ruim para a indústria brasileira, mas houve algumas exceções. Entre elas, a Dilutec, uma das principais fabricantes de gelcoat e thinner do país. “Seguimos na contramão de todos os indicadores e fechamos o período com um crescimento de 15%, tanto em volume produzido como em faturamento”, comemora Marcos Pannellini, gerente comercial.

No caso do gelcoat, operação baseada em Senador Canedo (GO) e que responde por 60% dos negócios da Dilutec, o desempenho positivo deveu-se principalmente à solução de problemas vivenciados por moldadores de compósitos carentes de atendimento especializado – gelcoat é um híbrido de resinas e pigmentos que dá cor a esse tipo de plástico especial.

“Muitas empresas enfrentavam dificuldades na produção das peças de compósitos devido à limitação de oferta de gelcoat e, em alguns casos, baixa qualidade. Então, fomos para a rua, identificamos os moldadores que estavam insatisfeitos e homologamos produtos que realmente atendem às suas necessidades. Com isso, a demanda subiu mês a mês”, lembra.

Destaque também para o foco na customização dos gelcoats, estratégia adotada sempre pela Dilutec para se diferenciar da concorrência. Além de formular cores exclusivas – por exemplo, tons que lembram as louças sanitárias antigas, como pergamon e rosa shell –, a empresa afirma que “acerta” o gelcoat conforme as peculiaridades dos processos de moldagem dos seus usuários. “Não trabalhamos com dois ou três produtos de prateleira, o que obrigaria o fabricante da peça a se adaptar. Ao contrário, entendemos o seu sistema produtivo e ajustamos o nosso gelcoat para garantir o melhor resultado em termos de aplicação, acabamento e durabilidade”.

Acontece o mesmo em relação ao thinner, observa Pannellini. Em vez de se especializar em apenas dois tipos – um para limpeza; outro para diluição de tintas –, a empresa buscou na produção sob medida o seu maior diferencial. Tanto é assim que, hoje em dia, estão catalogadas no laboratório da Dilutec mais de 200 formulações.

“Por conta disso, programamos para o primeiro trimestre de 2017 uma expansão que nos dará capacidade para fabricar 1 milhão de litros de thinner por mês”. Localizada em Piracicaba (SP), a planta da Dilutec tem potencial atualmente para produzir 400 mil litros/mês. Em paralelo, a fábrica de gelcoat receberá em abril novos equipamentos que ampliarão em 40% a capacidade instalada.

Além de fabricar gelcoat e thinner, a Dilutec é distribuidora das resinas da Ashland na Região Centro-Oeste e dos equipamentos para a moldagem de compósitos da BÜFAtec Spain na América Latina.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dilutec

Curta nossa página no

Romi apresenta soluções para paredes finas em ciclos ultrarrápidos e automação na feira Plástico Brasil

17/02/2017
Injetora ROMI ES 300

Injetora ROMI ES 300

Desenvolvendo continuamente soluções que proporcionam vantagens competitivas para seus clientes, a Romi estará presente na Plástico Brasil, que será realizada entre os dias 20 e 24 de março de 2017, no São Paulo Exhibition & Convention Center. A Plástico Brasil apresentará os últimos avanços tecnológicos e as principais tendências globais que envolvem a cadeia produtiva do plástico.

Em seu stand, a Romi apresentará seis equipamentos: as injetoras ROMI EN 600 e ROMI EN 220, a injetora para paredes finas em ciclos ultrarrápidos ROMI ES 300, as sopradoras ROMI C 5TS e ROMI MX 20L e o Centro de Usinagem ROMI D 800. Além do baixo nível de consumo energético e de ruído, performance e confiabilidade, toda a linha de injetoras e sopradoras está equipada com o novo comando de operação CM20, afirma a Romi.

Interface - Comando CM20

Interface – Comando CM20

Segundo a empresa, o comando CM20 possui altíssima velocidade e capacidade de processamento, interface gráfica multitouch de 19″ full HD e plena conectividade, sendo possível acessá-lo remotamente via browser, tablets ou smartphones. Os recursos interativos do comando CM20 e as diversas possibilidades de automação dos equipamentos Romi proporcionam aos clientes o aumento da eficiência e da produtividade em sua cadeia produtiva, rumo à Indústria 4.0, assegura a fabricante de máquinas para processamento de plásticos e ferramentaria industrial com sede em Santa Bárbara do Oeste (SP).

No stand da Romi, o visitante poderá contar com o suporte técnico da equipe, recebendo orientações sobre aplicações, suporte comercial e informações sobre as opções de financiamento disponíveis. “Nossos esforços estão totalmente direcionados para oferecer aos nossos clientes soluções completas e tecnológicas para aumentar a sua competitividade no mercado. Os visitantes da Plástico Brasil podem contar com a Romi em todos os momentos para, juntos, buscarmos as melhores oportunidades, adequadas às necessidades de cada empresa”, afirma William dos Reis, Diretor da Unidade de Máquinas para Plásticos.

Fonte: Romi

Curta nossa página no

Indústria de bebidas aposta em Polietileno de origem renovável

17/02/2017

braskem-pe-verde-bebidas

Adoção do PE verde é crescente entre empresas do segmento

Em todo o mundo, o setor de bebidas é um dos mais engajados na busca de soluções inovadoras que tornem seu negócio mais sustentável e, portanto, com menor impacto no meio ambiente. O segmento é, por exemplo, um dos que adota o polietileno produzido a partir de etanol de cana-de-açúcar -tecnologia desenvolvida pela Braskem.

A última empresa brasileira a adotar o Plástico Verde “I’m green”, foi a Serra da Cantareira Águas Minerais. A companhia passou a utilizar a matéria-prima renovável em tampas de água mineral da marca Puraqua.  Ainda em 2016, a Woolworths, uma das principais redes de supermercados da África do Sul, também anunciou o uso do polietileno de origem renovável em suas embalagens de leite. Já a alemã Eckes-Guanini passou a usar o Plástico Verde em seus sucos orgânicos para as marcas Bramhults e Valsolille.

Outras empresas que firmaram parceria com a Braskem foi a japonesa Asahi, aplicando o Plástico nas tampas dos refrigerantes da marca Mitsuya Cider, de 1,5 litro. Já a  a Suntory, também japonesa e líder no segmento, recentemente passou a utilizar a resina nas tampas de suas garrafas de água mineral de 550 ml “Suntory Aso Tennensui”, cuja produção anual é estimada em 26 milhões de unidades.

Em 2015, a Pernod Ricard Brasil, afiliada da multinacional francesa de destilados, vinhos e champanhes, foi a primeira empresa de destilados a adotar o Plástico Verde  nas tampas dos seus produtos Rum Montilla e Vodka Orloff. O polietileno de origem renovável também pode ser encontrado em rolhas de garrafas de vinho fabricadas pela Nomacorc. Denominadas Select®Bio, as rolhas são 100% recicláveis e apresentam o mesmo desempenho em controle do oxigênio que a linha convencional, além de evitar a deterioração e desperdício causados por processos como oxidação e redução, afirma a Braskem.

A Tetra Pak, maior fornecedora mundial de embalagens tipo longa vida, usa desde 2012 tampas feitas de Plástico Verde. Além disso, há mais de dois anos, a companhia também usa polietileno de baixa densidade (LDPE) “I’m green” como componente das camadas de suas embalagens cartonadas. A Nestlé foi uma das indústrias pioneiras no uso do Plástico Verde, ao adotar a solução nas linhas Ninho e Molico em junho de 2011, pouco depois do lançamento da resina.

Pegada de Carbono

Em abril, o plástico verde “I’m green” recebeu a certificação da pegada de carbono do Ministério do Desenvolvimento da Indústria e do Comércio (MDIC), dentro das ações para implementar a Política Nacional de Mudanças Climáticas em setores prioritários. De acordo com a medição, realizada pela Carbon Trust e pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), o polietileno de origem renovável tem uma pegada de emissões negativa, ou seja, ajuda a sequestrar o gás poluente da atmosfera.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Grupo Solvay e IndustriALL renovam acordo social global por cinco anos

13/02/2017
Valter Sanches, secretário-geral da IndustriAll Global Union (esq.) e Jean-Pierre Clamadieu, CEO do Grupo Solvay

Valter Sanches, secretário-geral da IndustriAll Global Union (esq.) e Jean-Pierre Clamadieu, CEO do Grupo Solvay

Acordo vai assegurar os mesmos direitos trabalhistas e sociais básicos para todos os empregados da Solvay no mundo

O Grupo Solvay renovou o acordo estrutural global (GFA, na sigla em inglês) com a IndustriALL Global Union por cinco anos, reforçando e acrescentando compromissos que assegurem os mesmos direitos trabalhistas e sociais básicos para todos os empregados da Solvay em suas operações no mundo.

Com o acordo, o Grupo Solvay reafirma o respeito pelas normas sociais da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e pelos princípios do Pacto Global das Nações Unidas. E também inclui o compromisso com as diretrizes da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) para empresas multinacionais. O Grupo Solvay espera que os seus fornecedores e terceirizados apliquem estes mesmos princípios.

O acordo social global foi atualizado para acrescentar novos projetos sociais, tais como a proteção da saúde mental no trabalho e outras ações, além de reforçar os compromissos do Grupo Solvay com o equilíbrio entre o trabalho e vida pessoal, saúde e segurança no trabalho, a não-discriminação, a diversidade e a proteção ao Meio Ambiente.

O Grupo Solvay e a IndustriALL continuarão a realizar duas missões conjuntas por ano para avaliar as políticas de segurança do Grupo Solvay e a implementação do acordo em um país e em um site industrial escolhido em conjunto pela empresa e pela organização. O Solvay Global Forum, composto por oito representantes sindicais dos principais países nos quais o Grupo Solvay está presente, será a partir de agora responsável pelo acompanhamento do cumprimento do acordo.

“Para o Grupo Solvay, a renovação por cinco anos é uma prova da relação de confiança que desenvolvemos com o IndustriALL há mais de uma década, defendendo um diálogo aberto e construtivo com nossos empregados e seus representantes. Este diálogo faz parte de nossos compromissos de sustentabilidade e colabora para o nosso desempenho global como empresa”, afirmou Jean-Pierre Clamadieu, CEO do Grupo Solvay

Valter Sanches, secretário-geral da IndustriALL disse que “este acordo é uma referência em termos de diálogo social na indústria química, por ter estabelecido uma cultura forte e relações de trabalho construtivas em todo o mundo nos últimos 12 anos. A renovação inclui um Fórum Global que será uma plataforma importante para o diálogo entre representantes dos sindicatos e trabalhadores”.

O CEO do Grupo Solvay, Jean-Pierre Clamadieu, e o secretário-geral da IndustriALL, Valter Sanches, assinaram a renovação do acordo na sede da empresa. Também estiveram presentes Kemal Ökzan, secretário-geral adjunto da IndustriALL; Albert Kruft, coordenador do Solvay Global Forum, e Caroll Landry, vice-presidente internacional do United Steelworkers.

Fonte e foto: Solvay

Curta nossa página no

Indústrias de Máquinas e Equipamentos participam da FEIPLASTIC 2017

13/02/2017

Feiplastic-2017

Evento reúne empresas especializadas da cadeia do plástico e o setor de máquinas é um dos que mais geram interesse entre os visitantes, segundo pesquisa da Reed Exhibitions Alcantara Machado

Importantes empresas do segmento de máquinas e equipamentos para a indústria de plásticos já acertaram sua participação na FEIPLASTIC 2017 – Feira Internacional do Plástico. Algumas das indústrias do setor com presença confirmada na Feira são a Haitian, uma das maiores fabricantes de máquinas injetoras de plástico do mundo; a Wortex Máquinas, especializada em equipamentos de extrusão e reciclagem e roscas para processamento de plástico; a Kiefel, do grupo alemão GmbH, que desenvolve, projeta, fabrica e fornece máquinas e sistemas de instalações para o processamento de plásticos; a MH Equipamentos, fabricante de equipamentos especiais de laboratório e produção para misturas de compósitos; a Primotécnica, especializada na fabricação de máquinas e equipamentos para reciclagem de materiais plásticos; e a Maqplas, fabricante de máquinas para embalagens flexíveis, entre outras.

A FEIPLASTIC 2017 é organizada pela Reed Exhibitions Alcantara Machado e acontece no Expo Center Norte, em São Paulo, de 3 a 7 de abril.

De acordo com levantamento da Abiplast – Associação Brasileira da Indústria do Plástico -, a indústria de máquinas e equipamentos responde por 7,3% do total do faturamento do setor plástico, sendo, portanto, o 4° maior segmento consumidor de plástico, ficando atrás apenas dos setores da construção civil, indústria alimentícia e automotiva. Além disso, em termos de investimento, a estimativa do montante total investido do setor plástico em 2016 foi de cerca de R$ 1,22 bilhão, com o setor de bens de capital sendo responsável por R$ 999,9 milhões. “Entretanto, apesar dessa indústria possuir uma participação significativa no montante total investido em 2016, quando fazemos a comparação com 2015, observamos que houve no ano passado uma migração dos investimentos de máquinas e equipamentos para investimentos em inovação, tanto em produto quanto em processo – de 2015 para 2016 houve um aumento de 1,5 ponto percentual de representatividade dessa categoria no montante total investido”, diz José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast.

Este resultado já revela as novas formas de negócio das empresas brasileiras, tanto no processo produtivo quanto na área de gestão e produto. Visando uma produção mais integrada, com áreas cada vez mais interligadas e eficientes, os empresários estão reduzindo seus investimentos em capacidade produtiva e, consequentemente, em máquinas e equipamentos, e direcionando suas aplicações em ferramentas que possibilitem a integração do processo através da Teconologia da Informação e Instrumentos de Gestão. “Resultado desse desencadeamento, todo esse cenário tem influenciado diretamente os negócios e, por isso, as grandes feiras, como a FEIPLASTIC, têm alterado seu formato. As novas soluções não mais estão baseadas somente em matérias-primas e máquinas e equipamentos, mas em inovação, automação, robótica, softwares e outras tecnologias de processo”, afirma Roriz.

Outros expositores de Máquinas e Equipamentos confirmados para a FEIPLASTIC 2017 são: Alfainjet, Alfamach, Brasfixo, EMH, Haitian, Coperion, Digitrol, Jonwai, MH Equipamentos, Maqplas, Tederic, Simco, Laserflex, Windmoller & Holscher,HRS Flow, Sepro (foto), Eurostec, Primotécnica, Star Seiki, Starlinger, Brasia, Kiefel, Tomra, Pallmann, Alphaquip, Shini, Primata, Previsão, Mecanoplast, Bruma, Plastbase, Yizumi, Yudo, Apex LAtin América e Stratasys.

Realizada desde 1987 como uma parceria entre a Abiplast – Associação Brasileira da Indústria do Plástico – e a Reed Exhibitions Alcantara Machado como BRASILPLAST, e desde 2013 como FEIPLASTIC, a FEIPLASTIC apresenta novas tecnologias das principais empresas que são referência no setor, em segmentos como plásticos, resinas, máquinas e reciclagem, proporcionando aos seus visitantes interação com as novidades do mercado, além de geração de negócios e networking qualificado.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Feiplastic

Curta nossa página no

Indústria de Reciclagem terá destaque durante a Feiplastic 2017

13/02/2017

operacao-reciclar

Evento reúne empresas especializadas em equipamentos, serviços e soluções para renovação de materiais plásticos, oferecendo opções de sustentabilidade à cadeia de produção

A indústria da reciclagem de plásticos terá lugar de destaque na FEIPLASTIC 2017 – Feira Internacional do Plástico. O segmento compreende mais de mil empresas recicladoras em todo o país e emprega mais de 10 mil trabalhadores, segundo informações da Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico). Empresas como Wortex Máquinas, Wisewood Soluções Ecológicas, Pallmann e By Engenharia levarão à Feira equipamentos e soluções para renovação e reaproveitamento de materiais plásticos, viabilizando opções para ampliar a sustentabilidade da cadeia produtiva do setor.

A FEIPLASTIC 2017 é organizada pela Reed Exhibitions Alcantara Machado e acontecerá no Expo Center Norte, em São Paulo, de 3 a 7 de abril. O setor de Reciclagem é um dos principais, juntamente com os segmentos de “Produtos Básicos e Matérias-Primas”, “Máquinas, Equipamentos e Acessórios”, “Moldes e Ferramentas”, “Transformadores de Plástico”, “Resinas Sintéticas”, “Instrumentação, Controle e Automação” e “Serviços e Projetos Técnicos”.

As empresas especializadas em reciclagem que participam da FEIPLASTIC 2017 terão a disponibilidade de mostrar produtos e serviços para um público esperado de 70 mil visitantes. A Wortex, por exemplo, vai mostrar sua segunda geração das linhas Challenger Recycler e Compounder, que oferecem melhor ganho de produtividade e de desempenho em reprocessamento de plásticos, segundo a empresa. A Wisewood, especializada em reaproveitamento do plástico pós-uso, é pioneira na produção de madeira plástica em escala industrial, atuando também na fabricação de resina reciclada.

A Pallmann fornece máquinas e sistemas completos para trituração, preparação, moagem, micronização, aglomeração e reciclagem dos mais diferentes materiais para indústrias. A By Engenharia, apresentará sua tecnologia para extrusão de plásticos.

Operação Reciclar

Dada a importância dos temas relacionados à reciclagem e sustentabilidade, a FEIPLASTIC 2017 organiza mais uma vez a Operação Reciclar paralelamente ao evento. Essa operação visa incentivar a coleta e reciclagem de materiais plásticos mostrando, na prática, todo o potencial de reciclabilidade e variedade de aplicações da resina plástica em diversos segmentos da indústria. Durante os dias do evento, todo o resíduo plástico gerado na feira, desde a montagem até a desmontagem, será coletado e armazenado em containeres. Parte desse material será reciclado.

De acordo com a Abiplast, o potencial ambiental e econômico desperdiçado com a destinação inadequada de plástico é em média de R$ 5,8 bilhões por ano. Outro dado importante para o setor refere-se a um mapeamento da indústria de reciclagem realizado pela FIA (Fundação Instituto de Administração da USP/SP), em conjunto com a cadeia – (Iniciativa PICPLAST – ABIPLAST e Braskem), estimando que são retirados do meio ambiente 681 mil toneladas de resíduos plásticos pós-consumo, o que originam mais de 615 mil toneladas de materiais plásticos reciclados”.  E para aproveitar o potencial ambiental e econômico da reciclagem, a Abiplast vem desenvolvendo intenso trabalho para fomento da atividade de reciclagem. Para facilitar a vida da população que deseja dar um destino ambientalmente correto para seus resíduos plásticos, está disponível gratuitamente o aplicativo “Reciclagem de Plásticos” que aponta onde estão localizados os PEV´s (postos de entrega voluntária) e cooperativas e comércio atacadista de materiais recicláveis aptos a receber resíduos plásticos para posterior reciclagem.

Entre os visitantes da FEIPLASTIC, os assuntos reciclagem e sustentabilidade possuem grande importância, de acordo com pesquisa realizada pela Reed Exhibitions.   A reciclagem é considerada por 51% dos pesquisados como segmento que gera maior interesse na FEIPLASTIC, indicando que esses visitantes deverão comparecer ao evento especialmente para conhecer de perto as novidades desse setor.

Realizada desde 1987 como uma parceria entre a Abiplast – Associação Brasileira da Indústria do Plástico – e a Reed Exhibitions Alcantara Machado como BRASILPLAST, e desde 2013 como FEIPLASTIC, a FEIPLASTIC apresenta novas tecnologias das principais empresas que são referência no setor, em segmentos como plásticos, resinas, máquinas e reciclagem, proporcionando aos seus visitantes interação com as novidades do mercado, além de geração de negócios e networking qualificado.

Além da exposição de produtos, a edição de 2017 traz diversas novidades: palestras que abordarão temas relevantes para o setor do plástico, inovação, sustentabilidade e tecnologia, além da Área de Inovação e a realização do evento em um novo local, o Expo Center Norte, um dos mais modernos pavilhões do Brasil.

Serviço
FEIPLASTIC 2017 – Feira Internacional do Plástico
Data: de 3 a 7 de abril de 2017
Local: Expo Center Norte
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme – São Paulo
http://www.feiplastic.com.br

Fonte: Assessoria de Imprensa – Feiplastic

Curta nossa página no

Plástico Brasil vai realizar ação para promover educação ambiental relacionada à reciclagem do plástico

13/02/2017

plastico-brasil

Batizado de Recicla Plástico Brasil, projeto tem o objetivo de disseminar a educação ambiental em torno da reciclagem do plástico e sua reutilização

Numa iniciativa da Plastivida, Instituto Brasileiro do PVC, ABIMAQ, ABIQUIM e Informa Exhibitions, a Plástico Brasil – Feira Internacional do Plástico e da Borracha, que ocorrerá entre 20 e 24 de março, vai realizar o Recicla Plástico Brasil, uma ação com objetivo de disseminar a educação ambiental em torno da reciclagem do plástico e sua reutilização bem como promover a sua imagem.

O projeto, que conta com o apoio institucional da Secretaria do Verde e Meio Ambiente da cidade de São Paulo, vai mostrar o ciclo de vida dos plásticos e como ele participa do dia a dia das pessoas. O Recicla Plástico Brasil também vai destacar a coleta seletiva dos plásticos, usando o stand como modelo para simular a coleta seletiva de uma cidade, formatada com a responsabilidade compartilhada entre prefeitura, sociedade civil, indústria e varejo, nos moldes da PNRS – Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Ações práticas e conhecimento

O stand do Recicla Plástico Brasil será construído para valorizar as aplicações dos plásticos nos diversos setores da sociedade e será ambientado de forma a expor produtos feitos em plástico. Na prática, o espaço vai simular ambientes como cozinha, sala/home office (ambientação, mobília e decoração utilizando o plástico), área para lazer e brinquedos, com grama sintética, mobiliários plásticos, brinquedos, deck de madeira plástica e materiais esportivos e uma área médica com os produtos de plástico, como frascos de medicamentos, próteses, bolsas de sangue e seringas, entre outros. Convidados da Plástico Brasil poderão fazer visitas guiadas ao Stand para obter uma visão mais detalhada do processo de reciclagem dos plásticos e sua aplicabilidade nos diversos segmentos da economia.

Simultaneamente e de forma complementar, o espaço vai rodar uma Linha de reciclagem e transformação do plástico, que vai funcionar ao vivo dentro da feira. Neste espaço, os resíduos gerados no evento serão selecionados, tratados, moídos e transformados em novos produtos reciclados.

O Recicla Plástico Brasil conta também com a promoção de conteúdo e conhecimento, com a realização de 2 workshops. No de Sustentabilidade, palestrantes vão abordar temas como o Fórum Setorial dos Plásticos – Por um Mar Limpo; Estudo de Ecoeficiência de Janelas de PVC; Programa Atuação Responsável – Melhoria Contínua da Indústria Química; Reciclagem de EPS; Sistema Completo de Reciclagem de Material Pós-Consumo. No Workshop Mobiliários Adaptados em PVC, profissionais convidados vão aprender a usar produtos de PVC na confecção de mobiliários adaptados (cadeiras, mesas, andadores) a crianças com disfunção neuromotora. Além da oficina de construção do mobiliário, a programação incluir palestra

Mais sustentabilidade

O Recicla Plástico Brasil conta ainda com outras atividades, que acontecem durante a feira.

Reciclagem de credenciais: as credencias da feira, confeccionadas em plástico, serão coletadas em máquinas de Papa Cartão localizadas na saída do pavilhão e no estande do Recicla Plástico Brasil. Esse material será destinado à reciclagem, viabilizando a fabricação de porta copos, placas de sinalização, caixas, marcadores de páginas, cartões de visitas e outros, que ficarão expostos no estande do projeto.

Reciclagem de EPS: haverá no estande um espaço dedicado exclusivamente ao EPS, em que será demonstrado como uma degasadora retira o ar do material reduzindo seu volume, eliminando o principal entrave para reciclagem do EPS. Haverá também uma exposição de produtos fabricados a partir de EPS reciclado.

Projeto Tampinha Legal: lançado no 2º Congresso Brasileiro do Plástico, o projeto foi idealizado pela Plastivida em parceria com o Sinplast, Simplás e Simplav, tem como objetivo incentivar coleta de tampas plásticas de garrafa para que sejam reutilizadas e recicladas. Ao final da Plástico Brasil, o material reciclado será recolhido pela Recicladora a fim de gerar recursos que viabilizem a produção de mobiliários adaptados para crianças com disfunção neuromotora.

Sobre a Plástico Brasil: Uma iniciativa da ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos e da ABIQUIM – Associação Brasileira da Indústria Química, com organização e promoção da Informa Exhibitions, a Plástico Brasil será palco de avanços tecnológicos e tendências globais dos diversos segmentos que compõem a cadeia produtiva do plástico: instrumentação, controle e automação, máquinas, equipamentos e acessórios, moldes e ferramentas, produtos básicos e matérias-primas, reciclagem, resinas sintéticas, serviços e projetos técnicos e outros. É esperado que o evento receba uma visitação altamente qualificada de transformadores e profissionais de setores consumidores, como como construção civil, automóveis e autopeças, agricultura, móveis, eletrônicos, instrumentos médicos, vestuário e calçados, eletrodomésticos e químico.

Serviço:

PLÁSTICO BRASIL – Feira Internacional do Plástico e da Borracha
Data: 20 a 24 de março de 2017
Local: São Paulo Expo Exhibition & Convention Center
Realização: ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos e ABIQUIM – Associação Brasileira da Indústria Química.
Promoção e organização: Informa Exhibitions
Mais informações, acesse: http://www.plasticobrasil.com.br

Fonte: Plástico Brasil

Curta nossa página no

Ponte fabricada por pultrusão substitui concreto armado em terminal marítimo

13/02/2017

ponte-pultrudada

A Pultrusão do Brasil projetou e fabricou uma ponte pultrudada (foto acima) que foi instalada no Terminal Marítimo de Carga e Descarga da Cosan Lubrificantes, na Ilha do Governador, Rio de Janeiro. A ponte pultrudada tem 12,50 m de vão livre (comprimento) e 1,10 m de largura útil (2,60 m com os contrafortes). Ela substituiu uma ponte de concreto armado que se deteriorou sob a ação da intempérie marítima (foto abaixo) . A ponte pultrudada interligou duas estruturas de concreto que estão localizadas dentro do mar.

ponte-substituida

O perfil pultrudado (resina plástica reforçada com fibra de vidro) é imune à corrosão e tem alta resistência à produtos químicos e intempéries (maresia, raios ultravioletas, chuva ácida, etc.), o que permite longa durabilidade. Segundo a fabricante da ponte, o perfil pultrudado é estrutural e pode ser utilizado para substituir materiais convencionais como madeira, aço, alumínio e concreto. Seu peso também é um importante diferencial, pois é 75% mais leve que o aço e 30% mais leve que o alumínio. A leveza facilita o transporte e a instalação.

A ponte pultrudada construída para a Cosan é uma obra única. O projeto e o cálculo estrutural para verificar a viabilidade de sua construção é da equipe de Engenharia da Pultrusão do Brasil. Ela foi pré-montada na unidade industrial da Pultrusão do Brasil, em Passo de Torres, SC, e depois parcialmente desmontada para transporte ao Rio de Janeiro para a montagem final.

Fonte: Pultrusão do Brasil

Curta nossa página no

Abiplast prevê que o faturamento e a produção da indústria do plástico devem aumentar em 2017

13/02/2017

Estima-se que o faturamento do setor em 2017 chegue à casa de R$ 55,8 bilhões, ou seja, um aumento de 1% frente a 2016, quando o valor foi de 55,3 bilhões

roriz_1De acordo com balanço econômico produzido pela Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), estima-se que o faturamento do setor em 2017 chegue à casa de R$ 55,8 bilhões, ou seja, um aumento de 1% em relação a 2016, quando o valor foi de 55,3 bilhões. Este montante significou queda de 11,1% na comparação com 2015. “Mesmo que em um nível ainda pequeno, é importante a expectativa de retomada do crescimento este ano”, salienta José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast (foto), acrescentando: “Os dados indicam que o pior já passou”.

A projeção para 2017 é de que a produção física de produtos plásticos também apresente resultado positivo, com aumento de 1,24% ante 2016, alcançando a casa dos 6,32 milhões de toneladas. Estima-se, também, que, em 2017, o consumo aparente de transformados plásticos (resultado da soma da produção com importações, menos exportações) cresça 1,8, atingindo 6,68 milhões de toneladas.

Ainda de acordo com o balanço da entidade, os setores demandantes do plástico também vêm apresentando expectativas mais positivas para 2017. A indústria de alimentação deverá avançar 1,5%; 67% dos fabricantes de eletroeletrônicos projetam crescimento para 2017; o agronegócio brasileiro será melhor do que a média mundial para produtos como soja, milho, açúcar e carnes (bovina, suína e frango) e o setor de construção espera o início de uma recuperação para este ano, avalia a Abiplast.

No que diz respeito à mão de obra empregada, mesmo com um avanço econômico, a Abiplast estima que haja uma retração de 1,8% em relação ao ano anterior. A entidade prevê em 2017 o fechamento de seis mil postos de trabalho.

“É premente que, além de melhores estimativas, o ano de 2017 tenha um cenário político menos conturbado e que sejam realizadas as reformas estruturais, que darão mais segurança jurídica e competitividade à nossa indústria. Mais rapidez no recuo da taxa de juros, para incentivar o investimento, reformas que modernizem e tragam maior segurança jurídica às relações do trabalho e uma reformulação para simplificar o complexo e custoso sistema tributário brasileiro são temas fundamentais para que nossa indústria volte a produzir mais e empregar” –  afirma Roriz.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Abiplast

Curta nossa página no

Evonik seleciona Carolina do Sul (EUA) para nova planta de sílicas precipitadas

13/02/2017

evonik-silicas

  • Tendência para pneus eficientes em termos energéticos gera demanda por sílica precipitada na América do Norte.
  •  O investimento é de cerca de US$ 120 milhões

A Evonik Industries está construindo uma fábrica de sílica precipitada no estado da Carolina do Sul (EUA) para abastecer a indústria de pneus. Tal indústria necessita de sílica precipitada de alta qualidade para produzir pneus com eficiente consumo de combustível e boas propriedades de aderência em pistas molhadas. Esses pneus podem economizar até 8% de combustível em comparação aos pneus convencionais para automóveis. Na América do Norte, a demanda por pneus com baixa resistência ao rolamento e maior eficiência energética está crescendo a taxas acima da média. A nova fábrica da Evonik está em construção em local próximo a Charleston, Carolina do Sul, perto das unidades de produção de grandes fabricantes de pneus. A instalação em escala mundial, com volume de investimento próximo de US$ 120 milhões, deve ser concluída em 2018. Com esse investimento, a Evonik executa um novo projeto no âmbito do seu orçamento global de investimento pré-definido.

Klaus Engel, Presidente da Diretoria Executiva da Evonik Industries AG, disse: “O investimento é parte importante da nossa estratégia para expandir nossa posição como um parceiro global para a indústria de fornecedores automotivos. Com a construção da planta no sudeste dos Estados Unidos e a planejada aquisição da divisão de sílica da Huber, estamos fortalecendo o nosso segmento Resource Efficiency e expandindo a nossa posição de liderança como fornecedor de sílica”. Há alguns dias, a Evonik anunciou a aquisição das atividades de sílica da Huber por US$ 630 milhões.

“A proximidade aos principais clientes da indústria de pneus foi algo decisivo para a escolha da Carolina do Sul. Nós queremos garantir aos fabricantes globais de pneus a segurança de fornecimento e a flexibilidade que eles esperam de nós na produção local. É por isso que investimos em locais que estão próximos aos nossos clientes”, disse Johannes Ohmer, membro da Diretoria Executiva da Evonik Resource Efficiency GmbH. A nova fábrica estará localizada na área industrial de Bushy Park, perto de Charleston.

O uso de sílica em combinação com silanos permite a fabricação de pneus com resistência ao rolamento significativamente reduzida que economizam combustível (em comparação com os pneus convencionais para automóveis). Desse modo, os “pneus verdes” contribuem para a proteção climática. A Evonik afirma ser a única empresa que fabrica ambos os componentes, tornando-se parceira dos clientes das indústrias de pneus e borracha quando se trata de formulações de alto desempenho.

Evonik é uma das fabricantes de sílica líderes do mundo. Além da sílica precipitada ULTRASIL® e SIPERNAT®, o grupo também fabrica a sílica pirogênica AEROSIL® e agentes fosqueantes à base de sílica sob a marca ACEMATT®. A Evonik dispõe de uma capacidade de produção anual global para sílica precipitada e pirogênica, bem como agentes fosqueantes, de cerca de 600.000 toneladas métricas.

A Evonik é um dos principais líderes mundiais em especialidades químicas e atua em mais de 100 países no mundo inteiro. No ano fiscal de 2015, mais de 33.500 colaboradores geraram vendas em torno de 13,5 bilhões de Euros e um lucro operacional (EBITDA ajustado) de cerca de 2,47 bilhões de Euros. No Brasil, a empresa conta hoje com cerca de 600 colaboradores.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no

Arlanxeo inaugura novo Laboratório de Controle de Qualidade de fabricação de EPDM na Holanda

13/02/2017

arlanxeo-geleen

O laboratório de Controle de Qualidade de Fabricação será vinculado diretamente à planta de Keltan EPDM

A Arlanxeo, empresa atuante no segmento de elastômeros sintéticos, inaugurou um laboratório de controle de qualidade de fabricação no site Chemelot em Geleen, Holanda (foto). A nova unidade de 250 m² está localizada ao lado da planta de Keltan EPDM da Arlanxeo. Ela está diretamente conectada à sala de controle, o que torna possível implementar mudanças direcionadas pelos resultados dos testes imediatamente nas operações da planta.

A equipe do laboratório realizará uma gama completa de testes sobre o produto Keltan EPDM, incluindo todos os padrões da indústria, tais como Mooney e testes em gel. Até o momento, estes testes de qualidade de produção foram realizados com recursos externos. O Laboratório de Qualidade da Arlanxeo operará continuamente 24 horas por dia, 7 dias por semana, para garantir um nível elevado de qualidade da produção da fábrica.

Ao realizar testes internos no novo Laboratório de Qualidade, a Arlanxeo fortalece a posição competitiva de seus negócios globais de EPDM no atual ambiente desafiador do mercado, ao mesmo tempo em que otimiza sua presença global. A inauguração do novo Laboratório de Qualidade acontece quando a Arlanxeo marca o 50º aniversário da introdução da marca Keltan EPDM. A Keltan tem uma presença global com fábricas em todas as regiões estratégicas, com a capacidade de atender clientes com produtos premium localmente.

Na inauguração do novo Laboratório de Qualidade, Christian Widdershoven, Head de Elastômeros Keltan® e Diretor Administrativo da Arlanxeo nos Países Baixos, afirmou ser esse um importante passo para consolidar a qualidade da marca.  “Este ano, a Keltan EPDM completa seu 50º aniversário. Estamos orgulhosos do inigualável histórico de produtos e padrões de alta qualidade globalmente reconhecidos, estabelecidos aqui em Geleen. Como os nossos clientes confiam na qualidade e consistência de nossos produtos, os testes de controle de qualidade de fabricação sempre fizeram parte do processo primário. A abertura desta nova instalação destaca a importância que atribuímos à qualidade contínua e demonstra o nosso compromisso com este site de produtos. Além disso, destaca nossa confiança no futuro da Keltan, à medida que levamos o controle de qualidade para o próximo nível.” Ressalta Christian Widdershoven.

Sustentabilidade é outro ponto de destaque que essa inovação traz à marca. “A marca Keltan está se preparando para o futuro, desenvolvendo uma tecnologia de produção de EPDM mais sustentável. Os principais exemplos incluem o uso da tecnologia de catalisadores Keltan ACE™ e a recente introdução das grades de Keltan® Eco EPDM, primeira borracha de EPDM do mundo com base em bio-etileno. Afirma Christian Widdershoven.

De acordo com a Arlanxeo, os elastômeros Keltan® EPDM são caracterizados por uma resistência superior à água, ao ozônio, aos raios UV e às intempéries; boas propriedades dinâmicas em uma ampla faixa de temperatura, bem como um alto nível de resistência ao calor; um elevado nível de flexibilidade e durabilidade; e excelentes propriedades elétricas. A Keltan® EPDM tem boas propriedades de processamento e manuseio, e está em conformidade com as regulamentações globais de segurança, saúde e meio ambiente, afirma a empresa.

Essas propriedades, segundo a Arlanxeo, tornam a Keltan® EPDM adequada para muitas aplicações em segmentos como o de automóveis, construções, modificações de plásticos, bens de consumo, cabos, fios e tubulações.

A Arlanxeo é uma empresa líder mundial em borracha sintética, com vendas de cerca de 2,8 bilhões de Euros em 2015 e cerca de 3.800 funcionários, estando presente em 20 locais de produção, em nove diferentes países. A principal atividade da empresa é o desenvolvimento, fabricação e comercialização de borrachas sintéticas de alto desempenho para uso nas indústrias automotivas e de pneus, indústria de construção e as indústrias de petróleo e gás. A Arlanxeo foi fundada em abril de 2016, como uma joint venture da Lanxess e Saudi Aramco.

Fonte: Arlanxeo

Curta nossa página no

Milliken apresentará clarificante para embalagens termoformadas em PP durante a Feiplastic 2017

11/02/2017

milliken-feiplastic

Produto confere ao polipropileno (PP) alta transparência, aliando aspectos ideais para embalagens alimentícias a vantagens ambientais e comerciais do material

A Milliken, empresa global de especialidades químicas, revestimento e materiais de alto desempenho, participa da FEIPLASTIC 2017 – Feira Internacional do Plástico, que acontece de 3 a 7 de abril, em São Paulo, com um produto inovador. Trata-se do clarificante concentrado NX UltraClear®, que, segundo a empresa, proporciona ao polipropileno (PP) alta transparência, ideal para a confecção de embalagens e recipientes cujo conteúdo precisa estar protegido e à vista. A Milliken afirma que a ação do clarificante é capaz de superar o tradicional aspecto translúcido do PP em embalagens termoformadas (moldadas a altas temperaturas), criando uma transparência similar àquela do PET e PS (poliestireno), mas com os benefícios ambientais e de desempenho do Polipropileno.

Edmar Nogueira, Gerente Técnico da Milliken, explica que o uso do PP apresenta vantagens tais como a baixa pegada de carbono durante a produção da resina, a baixa densidade do material e altos valores de recuperação de energia. “O PP consome uma menor quantidade de energia durante sua produção, quando comparado com outros plásticos, e sua baixa densidade resulta em menor volume de resíduos. É um plástico ideal para a economia circular”. A diferença de peso entre embalagens de PP e outros materiais está normalmente entre 15% e 20% a menos para o polipropileno. A resistência ao calor do PP permite o uso em micro-ondas, agregando conveniência à embalagem, afirma a empresa

Além do uso em termoformagem o clarificante Millad NX8000®, presente no concentrado, também é utilizado em outras aplicações como frascos, utensílios domésticos e outros recipientes.

O segmento de embalagens é o que tem maior presença na FEIPLASTIC 2017. Pesquisa realizada pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, organizadora do evento, ouviu pessoas que já visitaram outras edições da feira, além de profissionais que atuam em toda a cadeia produtiva do setor plástico, e aponta que o segmento de “embalagens” é o que leva mais profissionais a visitar a feira, a fim de procurar novos produtos e lançamentos, entre outras razões.

De acordo com essas sondagens, chama a atenção o fato de que 96% dos pesquisados disseram que vão visitar a FEIPLASTIC 2107. Desses, 15% trabalham diretamente com embalagens. Outro segmento representativo, o de transformadores de plásticos, responde por 11% dos profissionais que visitam a feira, seguido por “produtos de borracha e plástico” (10%) e “matérias-primas e insumos” (7%).

Sobre a Milliken: A Milliken atua no setor de revestimentos, especialidades químicas e aditivos e tecnologias de coloração para uma variedade de aplicações desde plásticos automotivos até itens para crianças.

Com um expertise multidisciplinar, que inclui revestimentos de piso e materiais de performance, a equipe da Milliken compreende mais de 100 PhDs e acumula mais de 2.200 patentes nos EUA e mais de 5 mil patentes no mundo todo, desde sua fundação em 1865.

Sobre a FEIPLASTIC: Realizada desde 1987 como uma parceria entre a Abiplast – Associação Brasileira da Indústria do Plástico e a Reed Exhibitions Alcantara Machado como BRASILPLAST, e desde 2013 como FEIPLASTIC, é o mais importante e tradicional evento da América Latina. A FEIPLASTIC apresenta novas tecnologias das principais empresas que são referência no setor, em segmentos como plásticos, resinas, máquinas e reciclagem, proporcionando aos seus visitantes interação com o que há de mais moderno no mercado, além de geração de negócios e networking qualificado.

Serviço
FEIPLASTIC 2017 – Feira Internacional do Plástico
Data: de 3 a 7 de abril de 2017
Local: Expo Center Norte
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme – São Paulo
http://www.feiplastic.com.br

Fonte: Assessoria de Imprensa – Milliken

Curta nossa página no

Centro de Tecnologia e Inovação da Braskem investe R$ 1,7 milhão em novo laboratório para moldagem rotacional

09/02/2017

braskem-rotomoldagem

Espaço apoiará no atendimento aos clientes e na busca de soluções para o setor

O Centro de Tecnologia e Inovação (CTI) da Braskem em Triunfo investiu R$ 1,7 milhão em equipamentos para um completo laboratório de rotomoldagem, que será inaugurado em março deste ano com a presença de clientes. O laboratório será utilizado para desenvolver novas soluções para o mercado de rotomoldagem – segmento responsável por produção de peças grandes, como, por exemplo, caixas d’água, brinquedos e peças do setor agrícola.

Entre os testes que poderão ser realizados no novo espaço estão análises de produtividade, comparação técnica entre materiais e grades do portfólio, avaliação da resistência para cumprimento das normas vigentes e atendimento técnico às demandas de clientes. “O laboratório colocará em evidência o segmento da rotomoldagem, permitindo à Braskem posicionar-se como provedora de soluções técnicas para o mercado. Adicionalmente, estaremos capacitando as equipes em um novo processo de produção”, diz Eliomar Pimenta, engenheiro de aplicação da Braskem.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Resultados de pesquisa apontam potencial da Feiplastic 2017 para contato com novas empresas e produtos

09/02/2017

Feiplastic-2017

No perfil do público pesquisado, mais de 40% dos visitantes possuem cargos de direção em suas empresas ou são os próprios proprietários

A pesquisa, realizada realizada pela Reed Exhibitions Alcântara Machado, organizadora da feira, em dezembro passado, ouviu pessoas que já visitaram outras edições do evento, além de profissionais que atuam em toda a cadeia produtiva do setor plástico. Pelo perfil do público pesquisado, o percentual de “sócios ou proprietários de empresas”, “presidentes”, “diretores” e “gerentes” chega a 45%. O primeiro dado que se destaca se refere ao percentual de pessoas que escolheram a FEIPLASTIC 2017 para visitar neste ano: 96%. Essa escolha foi feita a partir de uma lista definida das principais feiras do setor que acontecem no ano. A FEIPLASTIC – Feira Internacional do Plástico ocorrerá no Expo Center Norte, em São Paulo, de 3 a 7 de abril.

Uma das empresas que decidiu participar da FEIPLASTIC por conta da sua relevância no setor e pelo seu potencial de negócios é a Pro-Color Masterbatches, que produz compostos plásticos, aditivos e pigmentos. Segundo o diretor Roberto Clauss, a decisão de estar na feira veio em decorrência do desejo de seus clientes em visitá-la. Assim como a pesquisa da Reed, a Pro-Color chegou a essa constatação por meio de uma pesquisa do seu próprio departamento de Marketing. “O resultado foi unânime. Isso só comprova que a FEIPLASTIC foi a melhor escolha e estamos apostando nisso”, afirmou.

Os resultados da pesquisa elaborada pela Reed Exhibitions apontam que a FEIPLASTIC 2017 oferecerá grande potencial para novas oportunidades, uma vez que a expectativa dos visitantes é a de encontrar novas empresas e produtos, bem como ampliar o networking dos representantes do setor. De acordo com a pesquisa, 72% dos pesquisados procuram “novas empresas ou produtos para ver o que é lançamento e interessante na indústria”. Para 60%, o evento também é uma oportunidade para se estabelecer networking a fim de “conhecer novas pessoas e criar novas oportunidades”. E 54% também disseram que vão à FEIPLASTIC para “encontrar com fornecedores ou parceiros para rever ou discutir negócios”. Um mesmo pesquisado pode ter respondido que vai ao evento para cumprir mais de um objetivo, como “procurar novas empresas” e “conhecer novas pessoas”, por exemplo.

Os pesquisados também apontaram o segmento em exposição na FEIPLASTIC que mais lhes interessa. O setor de “máquinas, equipamentos e acessórios” responde por 81%, o de “produtos básicos e matérias primas” é apontado por 70%; “transformadores de plástico”, 54%; “reciclagem”, 51%; “moldes e ferramentas”, 49%; “instrumentação, controle e automação”, 42%; “resinas sintéticas”, 39%. Seguem na preferência “serviços e projetos técnicos”, 36%; “compósitos”, 19% e “borracha”, 17%. Da mesma forma, um mesmo pesquisado pode ter escolhido mais de um segmento de interesse.

Novo local

O fato de a FEIPLASTIC 2017 ser realizada pela primeira vez no Expo Center Norte também agrada a maioria. A facilidade de acesso foi apontada por 65% dos entrevistados e 78% disseram preferir a localização desse centro de exposições, na zona Norte de São Paulo. O local, com seus cinco pavilhões, é um dos mais modernos espaços para eventos e feiras na capital paulista, com 98 mil m² de área total e 22 salas próprias de reuniões, localizadas nos seus pisos superiores, além de climatização que permite até 15% de economia de energia elétrica e facilidade de acesso para estacionamentos, além da conveniência de estar ao lado de shoppings e metrô.

Sobre a FEIPLASTIC

Realizada desde 1987 como uma parceria entre a Abiplast – Associação Brasileira da Indústria do Plástico –  e a Reed Exhibitions Alcantara Machado como BRASILPLAST, e desde 2013 como FEIPLASTIC, a feira é o mais tradicional evento do setor na América Latina. A FEIPLASTIC apresenta novas tecnologias das principais empresas que são referência no setor, em segmentos como plásticos, resinas, máquinas e reciclagem, proporcionando aos seus visitantes interação com as últimas novidades no mercado, além da geração de negócios e networking qualificado.

Além da exposição de produtos, a edição de 2017 traz diversas novidades: palestras que abordarão temas relevantes para o setor do plástico, inovação, sustentabilidade e tecnologia, além da Área de Inovação e da realização do evento em um novo local, o Expo Center Norte.

Serviço:
FEIPLASTIC 2017 – Feira Internacional do Plástico
Data: de 3 a 7 de abril de 2017
Horário: das 11h às 20h
Local: Expo Center Norte
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme – São Paulo
http://www.feiplastic.com.br

Fonte: Assessoria de Imprensa – Feiplastic

Curta nossa página no

Braskem inicia operações da nova planta de Polietileno de Ultra-Alto Peso Molecular nos EUA

24/01/2017

braskem-utec

  • A nova planta de UTEC em La Porte, no Texas, representa mais um marco de investimento na estratégia de crescimento da Braskem na América do Norte
  • A Braskem fortalece a sua posição como uma das maiores produtoras de PEUAPM do mundo

A Braskem anunciou no último dia 18 o início da operação da sua nova planta de Polietileno de Ultra-Alto Peso Molecular (PEUAPM) UTEC em La Porte, no estado norte-americano do Texas. Comercializado sob a marca UTEC, o PEUAPM de alto desempenho da Braskem foi desenvolvido e produzido utilizando tecnologias proprietárias da empresa.

“Com a partida da planta, a Braskem fortalece substancialmente a sua posição como uma das maiores produtoras de PEUAPM do mundo, desenvolvendo e produzindo aplicações avançadas do polímero UTEC para atender as necessidades dos nossos clientes e dos seus respectivos clientes finais. Estamos ansiosos por continuar expandindo e avançando o negócio de PEUAPM da Braskem globalmente”, destacou Christopher Gee, Diretor Global de Negócios UTEC da Braskem.

A nova planta de UTEC permitirá à Braskem atender melhor aos seus clientes na América do Norte e também na Europa, através de exportações. Com mais de 700 Integrantes nos EUA, a Braskem America tem sede regional na Filadélfia, estado da Pensilvânia, e conta com seis unidades industriais: quatro no Texas (La Porte, Oyster Creek e Seadrift), uma na Pensilvânia (Marcus Hook) e uma em West Virginia (Kenova). Adicionalmente, seu moderno Centro de Inovação & Tecnologia, em Pittsburgh, Pensilvânia, contribui para fortalecer a parceria entre a Braskem e seus clientes na América do Norte. Em meados de 2016, a Braskem anunciou melhorias em seu Centro de Inovação e Tecnologia de Pittsburgh, com o aumento da capacidade de pesquisa e desenvolvimento em PEUAPM, visando apoiar o lançamento da produção de UTEC nos EUA.

De acordo com a Braskem, o polímero UTEC possui excelentes propriedades mecânicas, tais como elevada resistência à abrasão, resistência ao impacto e baixo coeficiente de atrito. Autolubrificante, o polímero possui alta resistência e baixo peso, além de ser usinável, com aplicação em produtos semiacabados. A resina UTEC é oito vezes mais leve que o aço e dez vezes mais durável que o polietileno de alta densidade (PEAD), afirma a Braskem. Suas diversas aplicações abrangem setores como automotivo e de transporte, eletroeletrônicos, fibras e têxteis, industrial e de maquinário pesado, manuseio de materiais, óleo e gás, dutos e mineração, plásticos porosos, recreação e para o consumidor final.

Fonte – Braskem

Curta nossa página no

Wortex leva novas soluções em equipamentos de reciclagem para as feiras do setor

24/01/2017

challenger-coumpounder-geracao-ii

Empresa desenvolve a segunda geração de máquinas para a indústria plástica que oferecem maior ganho de produtividade e melhor desempenho

A Wortex Máquinas, fabricante de equipamentos para a indústria plástica, vai levar para as feiras do setor deste ano – Feiplastic e Plástico Brasil – novas soluções em reciclagem com o desenvolvimento da segunda geração das linhas Challenger Recycler e Compounder. Os novos equipamentos, segundo a empresa, oferecem maior ganhos de produtividade e de desempenho. A Plástico Brasil – Feira Internacional do Plástico e da Borracha – acontece em março, no São Paulo Expo, e a Feiplastic – Feira Internacional do Plástico – ocorre no mês de abril, no Expo Center Norte, na capital paulista.

De acordo com a Wortex, a linha Challenger Recycler processa uma grande variedade de resíduos de filmes lisos/impressos e rígidos, com eficiência e baixo custo. Os equipamentos Recycler utilizam um eficiente sistema de alimentação forçada, o que permite o processamento do material sem a necessidade de aglutinação. Seu sistema de granulação é adequado ao processamento de todos os tipos de termoplásticos, proporcionando maior produtividade e homogeneidade dos grãos e otimizando a qualidade do produto final, assegura a Wortex.

Nas feiras será apresentado a Linha Challenger Recycler Geração II (foto), a qual, além de melhorias técnicas, tem capacidade de processar até 20% de material rígido no material flexível ou processar 100% de material rígido ou aglutinado. A geração II apresenta avanços na degasagem de materiais altamente impressos com um sistema opcional de dupla filtragem para materiais com maiores níveis de contaminação, afirma a Wortex.

A Linha Challenger Compounder Geração II também apresenta grandes melhorias técnicas e produtivas, segundo o fabricante. Essa linha de reciclagem de plásticos é direcionada para as indústrias que precisam desenvolver e compor suas próprias blendas, aditivar cargas minerais e peletizar materiais provenientes de sopro, injeção, termoformagem e outros, tais como: ABS, OS, PP, PE, POM, PC e Nylon. A Compounder é uma extrusora mono rosca, idealizada para substituir com qualidade e eficiência algumas máquinas de dupla rosca.

A Wortex também vai mostrar nas feiras uma nova linha de moinhos, inédita na sua concepção, podendo ser operada a seco ou com água, aliada a um sistema de ajustes de facas em dispositivo que fica localizado fora do equipamento, que agiliza e traz mais segurança para o operador. Além disso, a empresa traz uma linha de triagem de filmes ou rígidos, que facilita a seleção de materiais e, ao serem acoplados à linha de granulação e lavagem, tornam o custo da reciclagem muito atrativo, afirma a empresa.

Depois de um ano de crise, a indústria de plásticos estima que em 2017 haverá recuperação na sua produção. De acordo com a Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico), a projeção para 2017 é de que a produção física de produtos plásticos cresça 2,15%, em relação a 2016. A entidade espera que o faturamento do setor tenha aumento de 1,9%, atingindo a casa dos R$ 56,3 bilhões.

Fundada em 1976 na cidade de Campinas (SP), a Wortex é uma empresa 100% nacional que fabrica equipamentos para extrusão, reciclagem, acessórios, moinhos, roscas e cilindros. Mais informações: http://www.wortex.com.br

Serviços:

FEIPLASTIC – Feira Internacional do Plástico
Data: 3 a 7 de abril de 2017
Local: Expo Center Norte
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme – São Paulo
www.feiplastic.com.br

Plástico Brasil – Feira Internacional do Plástico e da Borracha
Data: 20 a 24 de março de 2017
Local: São Paulo Expo
Endereço: Rodovia dos Imigrantes, Km 1,5 – São Paulo
www.plasticobrasil.com.br

Fonte: Assessoria de Imprensa – Wortex

Curta nossa página no

Tomra associa-se à New Plastics Economy, iniciativa global para reorientar o uso dos plásticos segundo os princípios da economia circular

24/01/2017

tomra-environmental-pollution

O fornecedor global de soluções baseadas em sensores de alta tecnologia Tomra Sorting Recycling, se inscreveu como membro da New Plastics Economy, uma iniciativa de três anos que trabalha para um sistema global de plásticos guiado pelos princípios da economia circular.

Liderada pela Fundação Ellen MacArthur, a iniciativa reúne empresas, governos, cientistas e cidadãos para acelerar a transição para um sistema global mais eficaz para os plásticos. Os três objetivos principais do projeto são: a criação de uma melhor economia de plásticos pós-consumo, a redução do desvio de plásticos para o meio ambiente e a dissociação da produção de plásticos de matérias-primas à base de combustíveis fósseis.

A Tomra é um dos cinco novos membros da iniciativa New Plastics Economy, que trabalha com mais de 40 organizações de toda a cadeia de valor dos plásticos e é apoiada por acadêmicos, empresários e filantropos.

Como parte da iniciativa, os novos membros apresentaram detalhes de projetos piloto inovadores voltados a repensar o futuro dos plásticos em um workshop em Londres, em dezembro de 2016. Entre esses, um projeto inicial proposto pela Tomra Sorting Recycling focaliza-se na classificação de plásticos.

“Trabalhar com a Fundação Ellen MacArthur como membro da rede New Plastics Economy é uma boa oportunidade para continuar nossos esforços para rever a forma como o plástico é usado e reciclado em todo o mundo”, disse Stefan Ranstrand, presidente e CEO da Tomra. Os objetivos da iniciativa complementam nossa própria visão de liderar a revolução dos recursos e ajudam a desenvolver uma economia circular para os plásticos “.

“Lixo marinho é uma preocupação crescente em todo o mundo e será o nosso foco principal como um membro da iniciativa. Resíduos plásticos representam uma grande proporção do lixo marinho e aumentando-se o valor do plástico recuperado, ao torná-lo útil para a reciclagem e reutilização, se reduzirão os volumes de lixo marinho. Nossas tecnologias são capazes de mudar a forma como os plásticos são reciclados, em termos de qualidade e quantidade, e estamos ansiosos para fazer uma contribuição significativa para o desenvolvimento de um melhor sistema global de plásticos “, diz Ranstrand.

Em janeiro de 2017, a New Plastics Economy apresentou suas últimas conclusões aos líderes governamentais e empresas na Reunião Anual do Fórum Econômico Mundial, em Davos.

Rob Opsomer, líder da iniciativa, comenta: “A New Plastics Economy está trabalhando para repensar completamente e redesenhar o nosso sistema global de plásticos, e melhorar a forma como os plásticos são gerenciados após o seu uso, e queremos dar um passo muito importante nesse campo. Tenho satisfação por poder contar com o envolvimento ativo de todos os participantes, incluindo a Tomra, na colaboração para definir direção, estabelecer sistemas e normas comuns e dar início à inovação – para avançar para um sistema de plásticos que funcione”.

Sobre a Tomra Sorting Recycling

A Tomra Sorting Recycling desenvolve e fabrica tecnologias de separação baseada em sensores para a indústria global de reciclagem e gestão de resíduos. A empresa já instalou mais de 4.400 sistemas em 50 países de todo o mundo. Responsável pelo desenvolvimento do primeiro sensor de infravermelho próximo para aplicações de separação de resíduos, a Tomra Sorting Recycling faz parte da Tomra Sorting Solutions, que também desenvolve sistemas baseados em sensores para a separação, descascamento e controle de processos para a indústria alimentícia e de mineração, entre outras. A Tomra Sorting é afiliada da empresa norueguesa Tomra Systems ASA com capital aberto na Bolsa de Oslo. Fundada em 1972, a Tomra Systems ASA tem faturamento de cerca de 650 milhões de euros e emprega mais de 2.600 pessoas. Para obter mais informações sobre a Tomra Sorting Recycling visite www.Tomra.com/recycling

Fonte: Assessoria de Imprensa Tomra

Curta nossa página no

Feira Plástico Brasil terá dois dias dedicados ao PETtalk

24/01/2017

plastico-brasil

Parceria estabelecida entre a Informa Exhibitions e a ABIPET – Associação Brasileira da Indústria do Pet traz para a Plástico Brasil palestras com informações técnicas e mercadológicas para os profissionais do setor. Inscrições podem ser feitas no site do PETtalk (www.pettalk.org.br) a partir de meados de janeiro.

Promovidas tradicionalmente pela Associação Brasileira da Indústria do Pet, os encontros da entidade são concorridos por trazerem novidades tecnológicas, números atualizados do setor e debates importantes. Pesquisa realizada pela ABIPET confirma o acerto das PETtalks, que têm 90% de conceito relevante, por parte dos participantes, do seu conteúdo.

Durante a Plástico Brasil – Feira Internacional do Plástico e da Borracha, de 20 a 24 de março, será realizada o PETtalk – Conferência Internacional da Indústria do Plástico, evento que traz informações, novidades internacionais, palestras e debates aprofundados. Também será apresentado o novo núcleo industrial da ABIPET, o Núcleo de Chapas e Termoformagem. Os termoformadores utilizam resina PET virgem e reciclada e produzem embalagens para diversos segmentos – inclusive o alimentício. Na ocasião serão apresentados os números de mercado relativos a 2016, palestrantes inéditos e cases de mercado.

Um movimento importante vem acontecendo desde 2010 com a aprovação e regulamentação da Lei da Política nacional de Resíduos Sólidos, tema que deverá ser abordado em virtude da sua relevância para toda a cadeia industrial de embalagens – corresponsável pela destinação adequada dos resíduos sólidos.

Serviço

PLÁSTICO BRASIL – Feira Internacional do Plástico e da Borracha
Data: 20 a 24 de março de 2017
Local: São Paulo Expo Exhibition & Convention Center
Realização: ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos e ABIQUIM – Associação Brasileira da Indústria Química.
Promoção e organização: Informa Exhibitions
Patrocínio: Romi
Mais informações: www.plasticobrasil.com.br

Fonte: Assessoria de Imprensa – Plástico Brasil

Curta nossa página no

Vomm oferece solução para secagem de resinas

24/01/2017

foto-7

A Vomm (www.vomm.com.br) afirma ter desenvolvido uma técnica de retirada da umidade de resinas que conjuga um resultado qualitativo com a mínima exposição do material ao calor.

Com o novo processo desenvolvido pela Vomm, uma unidade integrada de processamento, secagem e padronização granulométrica é disponibilizada para indústrias que tenham quantidades significativas de produto a serem recuperadas (acima de 10 t/mês).

Produção sob demanda

Segundo a Vomm, o teor de umidade final alcançado com o sistema VOMM de auto regulagem da dosagem pode ser menor que 1% , em função do teor de umidade inicial da resina hidratada ou do plástico lavado e moído.

A solução desenvolvida pela VOMM de São Paulo prevê que a unidade de secagem possa ser deslocada até a fonte geradora, evitando inclusive custos de transporte, quando não seja viável secar o plástico na específica unidade da VOMM.

Com esta nova técnica já estão sendo processadas resinas de PVC, PVC recuperado das linhas de produção ou de remoagem de descartes de produção. Resinas de PP hidratadas na origem ou na recuperação também sofrem mínima degradação térmica, assegura a empresa.

A Vomm afirma que também disponibiliza ao recicladores de PET a realização da secagem e cristalização dos flakes em um módulo VOMM. A empresa diz haver substancial economia energética com o uso do seu processo, substituindo-se a secagem clássica e a cristalização realizada com energia elétrica, que é uma fonte com alto custo.

Existe a possibilidade de realizar o aquecimento indireto utilizando biomassa, dentro de um contexto sustentável de fontes energéticas.

Fonte- Vomm

Curta nossa página no

Tecnologia da Evonik otimiza viscosidade de fluidos hidráulicos usados em máquinas injetoras de plásticos

24/01/2017

EvonikPainel

A tecnologia DYNAVIS® da Evonik Industries, uma das líderes mundiais em especialidades químicas, oferece uma abordagem promissora para máquinas hidráulicas para processamento de plásticos.

Por meio da otimização da viscosidade do fluido hidráulico, é possível obter uma economia de energia no processamento do material e, ao mesmo tempo, preservar recursos. Segundo a Evonik, os fluidos formulados com a tecnologia DYNAVIS® podem reduzir o consumo de energia de algumas máquinas injetoras em mais de 10% em comparação aos fluidos convencionais. DYNAVIS® é usado por várias empresas relevantes como a TOTAL, Indian Oil Corporation e PT Pertamina Lubricants, da Indonésia. A tecnologia está se tornando cada vez mais popular no mercado.

A tecnologia melhora as características de fluidez dos fluidos hidráulicos mediante a ampliação da faixa de temperatura e da eficiência das unidades hidráulicas, afirma a Evonik. Em geral, os equipamentos hidráulicos apresentam alta eficiência somente em uma faixa de temperatura em particular; em temperaturas muito altas ou muito baixas, o desempenho da máquina pode cair. A Evonik afirma que os óleos formulados com a tecnologia DYNAVIS® apresentam viscosidade otimizada: a baixas temperaturas, eles fluem melhor e em altas temperaturas, permanecem mais viscosos. Segundo a Evonik, quando usados em máquinas injetoras, a máquina não só utiliza menos energia; os fluidos com DYNAVIS® também não se tornam tão quentes e resistem às forças de cisalhamento. “Graças aos fluidos formulados com a tecnologia DYNAVIS®, não só é possível aumentar a eficiência da máquina como também se pode exercer papel ativo na preservação de recursos e na redução das emissões de CO2”, alega Rolf Rianke, Global Marketing Manager DYNAVIS® a respeito das vantagens da tecnologia de aditivos.

Estudos de casos

A eficiência da tecnologia DYNAVIS® já foi demonstrada em diversos estudos de casos conduzidos em cooperação com importantes empresas de construção. Usado em escavadeiras hidráulicas e outros equipamentos de construção, o fluido permitiu economizar 10-15%, em média, em comparação ao consumo de combustível anterior.

Para o uso no segmento plástico, DYNAVIS® foi testado em equipamentos de moldagem por injeção automatizados das marcas BOY e Engel. Foi constatado que os fluidos formulados com a tecnologia DYNAVIS® atingiram a faixa de temperatura ideal com mais rapidez, além de mantê-la mais precisa, afirma a Evonik. Esse fato resultou em uma economia de energia de 7-10%, correspondendo a economias de custo de cerca de 400 Euros por ano no caso do equipamento BOY 35E. No caso do equipamento Engel Victory 330 / 120 Tech, a economia de energia foi de 6,2%, correspondendo a uma economia de custos de cerca de 1.200 Euros ao ano.

Fonte – Assessoria de Imprensa Evonik

Curta nossa página no

Lanxess apresenta novas soluções para a indústria de pneus durante feira Tire Technology Expo 2017

24/01/2017

Lanxess_headquartersA unidade de negócio da Lanxess Rhein Chemie Additives (ADD) apresentará uma variedade de soluções para fabricantes de pneus na Tire Technology Expo (Exposição de Tecnologia para Pneus), que ocorrerá entre 14 e 16 de fevereiro de 2017, em Hanover, na Alemanha – ala 2, stand C224. A apresentação inclui seu portfólio completo de agentes Rhenodiv ecologicamente corretos para remoção de pneus, tintas de marcação de pneus Rhenomark, câmaras de ar para pneus Rhenoshape e compostos de alta concentração de fibra de aramida Rhenogran.

Novos lubrificantes para pneus para uma fabricação de pneus mais limpa

A Rhein Chemie Additives desenvolveu uma nova variedade de lubrificantes internos para uma produção mais limpa de pneus, afirma a empresa. Novos produtos permitem que os produtores de pneus apliquem baixíssimas quantidades de lubrificantes internos no pneu verde. Quando combinado com equipamentos de spray robotizado, o procedimento de revestimento sem contaminação das áreas do pneu ao lado do liner interno é garantido, assegura a Rhein Chemie Additives. O local de trabalho permanece mais limpo. Como benefício adicional, a base do novo produto Rhenodiv BP-337 é a química de ligações cruzadas isentas de hidrogênio.

Há uma crescente demanda pela ausência de silício migrante no processo de moldagem de pneus. Este é, particularmente, o caso, se for necessária uma superfície de pneu limpa e isenta de silício após a vulcanização. A Rhein Chemie Additives está atendendo a essa tendência com dois novos lubrificantes internos com liberação de jato único.

Câmaras de ar para pneus Rhenoshape: processos robotizados para câmaras de ar permanentemente revestidas

A Rhein Chemie Additives tem aumentado constantemente suas capacidades para câmaras de ar de alto desempenho permanentemente revestidas. Para garantir os aspectos de qualidade, de acordo com os requisitos do cliente, as operações em diferentes locais de produção de câmaras de ar têm sido continuamente aperfeiçoadas com processos robotizados. As câmaras de ar para pneus Rhenoshape equipadas com revestimentos permanentes Rhenodiv, permitem que fabricantes de pneus produzam pneus sem utilizar um agente de remoção adicional, afirma a empresa. Isto é importante para a produção de pneus de alto valor, tais como pneus de esvaziamento lento (capazes de continuar a rodar, mesmo furados), pneus vedantes e de baixo ruído – nos quais a ausência de migração de silício dos agentes de remoção tradicionais é obrigatória. Além disso, a operação de esguichar o spray no caso dos pneus verdes, incluindo-se a contaminação colateral de áreas críticas do pneu e das áreas de trabalho, torna-se obsoleta.

Compostos de alta concentração de fibra de aramida Rhenogran.  Opções versáteis de reforço mecânico para pneus

A Rhein Chemie Additives afirma que, sob intensos esforços mecânicos, dinâmicos e térmicos, o seu produto Rhenogran P91-40 proporciona excelente desempenho no reforço de compostos para pneus. O Rhenogran P91-40 incorpora a polpa de fibra curta de aramida Twaron, altamente elástica e de baixíssimo peso, no composto de borracha. Além dos polímeros tipicamente utilizados, tais como NR, IR, BR e SBR, o Rhenogran P91-40 é adequado para diversos tipos de borracha, incluindo-se EPDM, CR, NBR e HNBR.

A unidade de negócio Lanxess ADD fornece à indústria da borracha uma ampla gama de aditivos pré-dispersos ligados a polímeros, aceleradores de processos, ativadores de reforço e vulcanização, ceras de retorno antissolar, agentes de remoção, tintas para marcação de pneus e câmaras de ar de alto desempenho para cura de pneus .

Fonte – Lanxess

Curta nossa página no

Braskem vende a quantiQ

24/01/2017

braskem-quantiq

A Braskem assinou no último dia 10 uma contrato com a GTM do Brasil, subsidiária da GTM Holdings S.A., por meio do qual se comprometeu a vender a totalidade do capital social da sua controlada quantiQ, uma das maiores distribuidoras de produtos químicos do Brasil.

O valor da transação é de R$ 550 milhões, dos quais R$ 450 milhões serão pagos no ato da venda e o restante em até 12 meses. A conclusão da alienação está sujeita a condições precedentes usuais nesse tipo de operação, dentre as quais se inclui a aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

“A alienação da quantiQ está em linha com a estratégia de reforçar nossa atuação no setor petroquímico, otimizando o portfólio de ativos da Braskem dentro do nosso compromisso com a disciplina financeira”, diz Fernando Musa, presidente da Braskem.

A GTM é um dos maiores distribuidores químicos da América Latina com operações no Brasil, México, Guatemala, El Salvador, Honduras, Nicarágua, Costa Rica, Panamá, Colômbia, Equador, Peru e Argentina. É controlada pela Advent International, um dos maiores investidores globais de private equity.

Os ativos da quantiQ, criada em 1991 como Ipiranga Química, são oriundos da aquisição e posterior incorporação dos negócios de distribuição do grupo Ipiranga em 2007 e da Quattor em 2010. Com quatro centros de distribuições e sete bases logísticas, a distribuidora atende mais de 50 segmentos de mercado, incluindo commodities e especialidades químicas. A Braskem manterá relações comerciais com a quantiQ.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Revista canadense classifica DSM entre as 10 empresas mais sustentáveis do mundo

24/01/2017

dsmA revista canadense de economia e negócios Corporate Knights divulgou a edição 2017 do ranking das 100 empresas mais sustentáveis do planeta, o “100 World´s Most Sustainable Corporations in the World”, estruturado com base em uma série de indicadores de desempenho. Nesta 13ª edição (www.corporateknights.com/reports/2017-global-100/2017-global-100-results), a DSM ocupa a nona posição, tendo evoluído significativamente em comparação ao levantamento de 2016, quando ocupou a 26ª colocação. A companhia, de origem holandesa e que tem foco no desenvolvimento e fornecimento de soluções inovadoras baseada na ciência nas áreas de saúde, nutrição e materiais, com forte atuação no Brasil e na América Latina, tem na sustentabilidade um tema prioritário.

De acordo com a publicação, as empreas citadas no ranking dão muita atenção para questões como as mudanças climáticas e a redução das emissões de carbono, atuando com foco no desenvolvimento limpo e sustentável. Na visão estratégica da DSM, por exemplo, a companhia entende a sustentabilidade como o “atendimento das necessidades da geração atual sem comprometer a capacidade das gerações futuras de atenderem às suas próprias necessidades – que, por sua vez, significa promover a prosperidade econômica, a qualidade ambiental e a responsabilidade social para o benefício das pessoas, planeta e lucratividade”.

Diante da perspectiva de o planeta ter 9 bilhões de pessoas até 2050, por exemplo, a DSM afirma que desenvolve e fornece soluções (ingredientes e matérias-primas) para várias indústrias, pautada pelo respeito ao meio ambiente e pela qualidade de vida das pessoas como um elemento fundamental para impulsionar os negócios. Neste cenário, as suas ações e as tecnologias que desenvolve seguem o conceito “People, Planet and Profit” (Pessoas, Planeta e Lucratividade). Um dos exemplos que mostra a preocupação da companhia com a sustentabilidade é o fato de que, hoje, 95% dos seus produtos da linha de inovação são ECO+, ou seja, geram menor impacto de carbono do que os produtos equivalentes. E, como essa postura também requer a viabilidade do ponto de vista econômico, com foco em lucratividade, muito dos produtos ECO+ da companhia, dos plásticos aos ingredientes naturais de enzimas alimentares, oferecem benefícios superiores também em termos de custos, assegura a empresa.

Fonte – Assessoria de Imprensa – DSM

Curta nossa página no

Thyssenkrupp desenvolve processo próprio de produção do bioplástico PLA e constrói primeira planta na China

09/01/2017

thyssenkrupp

Para reduzir a dependência de plásticos derivados de petróleo, a Thyssenkrupp desenvolveu o seu próprio processo de fabricação para o bioplástico PLA – Ácido Polilático. Agora, a empresa está construindo em Changchun, na China, a primeira planta comercial baseada em sua tecnologia patenteada de nome PLAneo®. O cliente é a COFCO Corporation, um fornecedor líder de produtos agrícolas que oferece uma ampla gama de produtos alimentícios e serviços. Uma vez concluída, a nova fábrica produzirá cerca de 10.000 toneladas de PLA por ano. O comissionamento está previsto para o primeiro trimestre de 2018.

O Ácido Polilático (PLA) é um plástico 100% derivado de fontes biológicas e também compostável, sendo adequado, entre outras fins, para a produção de materiais de embalagem, filmes e plásticos de engenharia, podendo, portanto, substituir polímeros derivados de petróleo em muitas áreas. A matéria-prima para a produção do PLA é o ácido lático, que é produzido a partir de recursos renováveis, como açúcar, amido ou celulose. O ácido polilático é, portanto, tanto bio-baseado como bio-degradável.

Ao desenvolver a tecnologia PLAneo®, a Uhde Inventa-Fischer, uma subsidiária da Thyssenkrupp Industrial Solutions, aproveitou a experiência adquirida com a construção de mais de 400 fábricas de polimerização e uma vasta experiência no scale-up de novas tecnologias. Segundo a Thyssenkrupp, a tecnologia PLAneo® converte o ácido láctico em PLA de uma forma particularmente eficiente e amigável aos recursos. Outra vantagem é a possibilidade de sua transferência para plantas de grande porte com capacidade de até 300 toneladas por dia (100.000 t/ano). Graças à sua grande flexibilidade, o processo permite a produção de tipos de PLA sob medida com diferentes graus de cristalinidade e viscosidade para uma variedade de aplicações, afirma a Thyssenkrupp.

Sami Pelkonen, CEO da Unidade de Negócio de Eletrólise & Tecnologia de Polímeros da Thyssenkrupp Soluções Industriais afirmou: “Com a nossa tecnologia, queremos ajudar a consolidar os bioplásticos no mercado. Eles reduzem o uso de matérias-primas fósseis e diminui significativamente as emissões de CO2. Com isso, nós habilitamos nossos clientes a produzir bioplásticos de alta qualidade com propriedades sob medida – e a um preço cada vez mais competitivo em relação aos plásticos petroquímicos convencionais”. A Thyssenkrupp está fornecendo engenharia básica e de detalhamento, componentes-chave da planta e supervisão de montagem e comissionamento para a nova planta de PLA.

A área de negócios de Soluções Industriais da Thyssenkrupp atua no segmento de engenharia, construção e manutenção de instalações e sistemas industriais. Com base em mais de 200 anos de experiência, a empresa fornece plantas turnkey sob medida para clientes industriais, químicos, fertilizantes, cimentos, mineração e siderurgia. É parceiro de sistemas para os setores automotivo, aeroespacial e naval e conta com cerca de 19.000 funcionários em mais de 70 sites ao redor do mundo.

A Uhde Inventa-Fischer, subsidiária da Thyssenkrupp Industrial Solutions, é uma empresa de engenharia localizada em Berlim, Alemanha, e Domat/ Ems, na Suíça. Seu escopo de serviços inclui o desenvolvimento, engenharia e construção de plantas industriais para a produção de poliésteres, poliamidas e ácido polilático.

Fonte – Thyssenkrupp

Curta nossa página no

França inaugura trecho experimental de estrada geradora de energia solar

09/01/2017

colas-solar-energy

Na quinta-feira, 22 de Dezembro de 2016, foi inaugurado na França pela Ministra do Meio Ambiente, Ségolène Royal, o primeiro grande projeto da estrada solar Wattway desenvolvido pela empresa Colas, subsidiária do Grupo Bouygues.

O trecho de testes da Wattway, constituído por 2.880 painéis fotovoltaicos, está instalado entre a saída sul de da cidade de Tourouvre, na Normandia, e a localidade de le Gué-à-Pont.

O trecho da Wattway que foi inaugurado é pavimentado com painéis solares que fornecem energia suficiente para alimentar as luzes de Tourouvre. O trecho do “Wattway” possui 1 km de comprimento e é coberto com aproximadamente 2.800 metros quadrados de painéis solares.

Cada painel contém células de silício policristalino de 15 cm de largura que transformam a energia solar em eletricidade. Estas células fotovoltaicas extremamente frágeis são revestidas em um substrato em multicamadas composto por resinas e polímeros, suficientemente translúcidos para permitir que a luz solar passe e resistentes o suficiente para suportar o tráfego de caminhões. A superfície que está em contato com os pneus dos veículos é tratada para garantir uma resistência ao deslizamento equivalente às misturas convencionais de asfalto.

Já foram feitos ensaios iniciais do sistema “Wattway” em áreas de estacionamento e espaços ao redor de edifícios públicos, assim como em uma ciclovia de 70 metros de comprimento na Holanda. O projeto Wattway recebeu um subsídio total do governo francês de 5 milhões de euros.

Em média, aproximadamente 2.000 carros usam a estrada em Tourouvre todos os dias, os quais irão testar a durabilidade dos painéis instalados pela Colas. A empresa observa que a estrada típica é ocupada por carros apenas cerca de 10 por cento do tempo. “O resto do tempo fica olhando para o céu”.

Este projeto faz parte da lei de transição energética francesa, que envolve empreendimentos inovadores e ambiciosos. A eletricidade produzida por este trecho de estrada solar será enviada à rede Enedis, o fornecedor francês de eletricidade. A produção anual esperada é de 280 MWh. A produção diária irá flutuar de acordo com o tempo e as estações. Em média, a produção elétrica estimada chegará a 767 kWh por dia, com picos de até 1.500 kWh por dia no verão.

Um painel de informações instalado perto da estrada solar irá indicar a produção em andamento, bem como a produção total desde a instalação. Este painel será alimentado por eletricidade gerada através dos painéis da Wattway.

O projeto da estrada solar Wattway é uma inovação de Colas concebido para fornecer uma segunda função às estradas, permitindo que produzam energia solar. Resultante de cinco anos de pesquisa e desenvolvimento conjuntos com o Instituto Nacional Francês de Energia Solar, a Wattway entrou agora em uma fase experimental para determinar usos através de uma série de locais de teste.

Para o diretor da Wattway, Jean-Charles Broizat, este projeto é um passo importante no desenvolvimento das estradas solares Wattway: “Estamos ainda numa fase experimental. Construindo um site experimental desta escala é uma oportunidade real para a nossa inovação.Este site de teste nos permitiu melhorar o processo de instalação dos nossos painéis fotovoltaicos, bem como a sua fabricação, a fim de continuar a otimizar a nossa inovação”.

Segundo os cálculos da Colas, a França poderia teoricamente se tornar independente de energia ao pavimentar com painéis solares apenas um quarto de seu 1 milhão de quilômetros de estradas.

Uma desvantagem atribuída ao sistema é que os painéis solares são mais eficazes quando inclinados em direção ao sol, ao invés de que quando eles são colocados planos. Além disso, os custos ainda são altos: cada kilowatt-pico gerado pela Wattway atualmente custa quase 19 euros, em comparação com cerca de 1,3 euros para uma instalação de grande porte montados em telhados. A Colas tem por objetivo atingir custos competitivos até o ano 2020, observando que o custo da produção de energia solar por meios convencionais reduziu-se em 60% entre 2009 e 2015.

A Colas, subsidiária do Grupo Bouygues, é uma empresa líder mundial na construção e manutenção de infra-estruturas de transporte. Com 57.000 colaboradores em mais de 50 países em cinco continentes, o Grupo realiza cerca de 80.000 projetos por ano por meio de 800 unidades de negócio de construção e 2.000 unidades de produção de materiais. Em 2015, a receita consolidada da Colas totalizou 12 bilhões de euros (49% fora da França). O resultado líquido do Grupo atingiu 234 milhões de euros.

Fonte: Colas

Curta nossa página no

Arburg fornece décima máquina injetora para produção de Head Up Displays (HUDs) na Continental

08/01/2017

arburg-continental

• A Continental usa a tecnologia e a experiência de Arburg para produzir seus Head Up Displays (painéis informativos projetados no pára-brisa do veículo, no campo de visão do motorista)
• Espelhos esféricos de alta precisão produzidos exclusivamente em máquinas elétricas Alldrive
• Cooperação bem-sucedida no segmento HUD desde 2010

Em novembro de 2016, a Arburg entregou a décima Allrounder à Continental para a produção de espelhos esféricos para HUDs. A empresa tem colaborado desde 2010 com a Arburg de forma exclusiva neste segmento altamente exigente, no qual utiliza exclusivamente máquinas elétricas da série Alldrive especialmente equipadas. A demanda por Head Up displays está crescendo constantemente: a produção anual aumentou em 70% para cerca de 600 mil peças entre os anos de 2015 e 2016. Não há fim à vista para este crescimento.

Os Head Up displays da Continental são instalados em carros de várias marcas em todo o mundo. Eles utilizam espelhos esféricos para projetar no pára-brisas todas as informações relacionadas com a condução (como a velocidade atual da estrada), entrando assim diretamente no campo de visão do motorista – uma contribuição importante para uma maior segurança do condutor. A exibição sem distorções desta informação na tela requer moldes com contornos precisos e superfícies de alta precisão. Durante a produção dos espelhos, é essencial reproduzir com exatidão as diferentes curvaturas de uma grande variedade de pára-brisas de carros.

Cooperação tecnológica desde 2010

A Continental tem utilizado Allrounders no processamento de plásticos desde 1970. Em 2010, a cooperação se intensificou no campo dos Head Up displays, pois a produção de espelhos esféricos tem necessidades extremamente rigorosas em termos de precisão. No caso da parte injetada, o desvio permitido da geometria- alvo é inferior a cinco micra, ou seja, o diâmetro de um cabelo humano.

Por conseguinte, a cooperação tecnológica entre as duas empresas abrange não apenas o design da máquina, mas também a otimização conjunta de processos em termos de seqüenciamento e programação.

As oito primeiras máquinas Arburg, especialmente configuradas para a produção de HUD, foram injetoras Allrounder 720 A, com uma força de fechamento de 3.200 kN e unidades de injeção de tamanho 400 e 800. Duas máquinas Alldrive maiores vieram a seguir, em 2016: as máquinas Allrounder 920 A, com uma força de fechamento de 5.000 kN e unidade de injeção de tamanho 1300, também são usadas pela Continental para moldes de duas cavidades, permitindo que a capacidade de produção seja duplicada.

Allrounders especialmente equipadas

A fim de moldar os espelhos a partir de Copolímero-Cicloolefínico (COC), um termoplástico transparente especial, os Allrounders elétricos da série Alldrive dispõem do recurso de moldagem por injeção-compressão. Um sensor no molde detecta a folga de cunhagem (coining gap) e a pressão interna do molde durante a moldagem por injeção-compressão. O sistema Selogica de controle da máquina monitora esses sinais de medição. O controle de temperatura próxima ao contorno é implementado em até doze zonas individuais de controle de temperatura de molde. O canal da bucha é removido imediatamente no molde. Após o processo de moldagem por injeção, um robô de seis eixos com garra especialmente adaptada remove os espelhos sem dobrá-los e os transfere para uma estação de laser. Aqui, cada peça é marcada com seus próprios dados de produção individuais, de modo que possa ser identificada diretamente e rastreada através da linha de produção. Este passo está em conformidade com as exigências da Indústria 4.0. Em seguida, os espelhos são colocados em uma estação de resfriamento, onde são resfriados de baixo para cima com ar ionizado. Isto é seguido por medição 100% e deposição a vácuo de alumínio altamente refletivo no lado da frente. Todo o processo, incluindo o empacotamento, é totalmente automatizado e ocorre em uma sala limpa. Isto evita, de forma confiável, a contaminação com partículas de poeira.

Avanços contínuos no desenvolvimento

A Continental está agora produzindo sua terceira geração de Head up Displays. As peças moldadas na primeira geração ainda requeriam operações de montagem a posteriori, mas as funções óticas e mecânicas são agora diretamente integradas nas versões atuais. Eles podem ser instalados diretamente na estrutura, o que melhora a eficiência da produção. O desenvolvimento de HUD está se movendo na direção de espelhos maiores, melhor qualidade de imagem, integração de sistemas de assistência e aplicações de realidade aumentada.

Fonte – Arburg

Curta nossa página no

RadiciGroup é premiado pela TecFil como principal produtor de filtros de combustível da América Latina

08/01/2017

radici-tecfil

A Radici Plastics Ltda, empresa com sede no Brasil e pertencente à Área de Negócio RadiciGroup Performance Plastics, recebeu o prêmio “Destaque de Qualidade”, promovido pela Tecfil, líder de mercado na América Latina na produção de filtros de combustíveis para automóveis, com mais de 5 milhões de peças produzidas por mês.

Entre os motivos que a Tecfil mencionou para a concessão do prêmio,  destaca-se a qualidade no fornecimento de tecnopolímeros inovadores e de um serviço preciso e contínuo de monitoramento dos processos.

«Trata-se de um prêmio importantíssimo para a Radici Plastics Ltda – enfatizou Jane Campos, executiva principal da Empresa – que testemunha nossa inimitável capacidade de seguir o cliente ao longo de todas as fases do processo, do projeto à realização do produto acabado. Junto com o departamento de engenharia da Tecfil, conseguimos encontrar uma solução específica para as suas exigências, disponibilizando dois produtos de marca Radilon® capazes de melhorar o desempenho conjunto do filtro de combustível».

A Radici afirma que a gama de produtos Radilon® compreende tecnopolímeros que oferecem resistências melhores em condições de temperaturas elevadas (até 230° para o Radilon® XTreme), materiais reforçados para a substituição metálica e as poliamidas a cadeia longa.

Segundo a Radici, a oferta dos produtos Radilon® está entre as mais amplas disponíveis no mercado de poliamidas e compreende compostos termoplásticos com base PA6, PA66, copolímeros, PA610, PA612, e PA especiais para usos a altas temperaturas. As poliamidas Radilon® estão disponíveis como produtos não reforçados, reforçados com fibra de vidro ou carga mineral, modificados ao impacto e com formulações especiais para aplicações específicas.

Os produtos Radilon® apresentam as características excepcionais típicas das poliamidas, como a elevada rigidez e a resistência mecânica, a tenacidade ao impacto, sobretudo no estado condicionado, além das ótimas propriedades de escorrimento e gasto, boas propriedades de isolamento elétrico e uma alta resistência química, afirma a Radici. Além de uma excelente processabilidade com as tecnologias de transformação mais comuns.

A Radici assegura que a versatilidade das poliamidas também torna possível estender as suas propriedades, adaptando-as a uma ampla gama de exigências, através do desenvolvimento de formulações especiais, e em alguns casos, de produtos sob medida segundo as exigências específicas de uso, que foi o que ocorreu na interação entre o RadiciGroup e do Tecfil.

No Brasil, o RadiciGroup está presente há quase vinte anos e hoje a Radici Plastics Ltda, com 60 funcionários. Apesar do período de recessão, a Radici Plastics Ltda afirma ter registrado um aumento do faturamento. A impulsionar as vendas, além dos setores automotivos, elétrico e eletrônico, se juntam também as aplicações especifícas para os estádios: os Radiflam®, tecnopolímeros anti-fogo com base nas poliamidas PA6 com 30% de fibra de vidro, foram utilizados para realizar as arquibancadas de cinco estruturas protagonistas dos Jogos do Rio de Janeiro: o Centro olímpico de tiro esportivo, a Arena da juventude, o Centro olímpico de Hóquei, a Arena do futuro e o Centro aquático Maria Lenk.

«Fomos os primeiros no Brasil a fornecer tecnopolímeros de poliamidas homologadas, empregadas para a realização de assentos de estádio – lembrou Jane Campos. O RadiciGroup já havia fornecido os seus tecnopolímeros para as cadeiras de oito estádios brasileiros que sediaram a Copa do Mundo de futebol em 2014».

Fonte – Assessoria de Imprensa – Radici ; foto – Twitter-Radici

Curta nossa página no

Cidade de Paris proíbe sacos plásticos de fontes não renováveis e não compostáveis em supermercados

07/01/2017

paris-plastic-ban

Em 16 de dezembro, Paris proibiu o uso de sacolas plásticas convencionais em seus supermercados, permitindo somente a utilização de sacolas plásticas compostáveis obtidas a partir de fontes biológicas, assim como sacolas de papel e algodão.

Para justificar a decisão, a prefeitura disse que a medida tinha como objetivo reforçar a provisão da “lei de transição de energia” em embalagens, além de dar ênfase aos esforços da cidade para se tornar líder na luta contra a mudança climática e na campanha por uma economia circular.

Serão realizados seminários para conscientização da população sobre a destinação final das sacolas plásticas descartáveis e também para informar o público sobre os diferentes tipos de sacolas biodegradáveis.

Esta medida vai complementar uma outra iniciativa já em execução pelos supermercados, relativa à coleta de produtos alimentícios que não foram vendidos e restos de verduras e legumes.

Curta nossa página no

Covestro inicia a entrega do primeiro produto à base de CO2

06/01/2017
Caminhão chega à estação onde será carregado com o poliol à base de CO2 da Covestro - o primeiro a nível  mundial.

Caminhão chega à estação onde será carregado com o poliol à base de CO2 da Covestro – o primeiro a nível mundial.

  • Debut de dióxido de carbono como matéria-prima
  • Gás causador de efeito estufa usado para fabricar componentes de espuma para colchões

Inovação no mercado de plásticos: o fabricante de materiais Covestro iniciou a entrega de um novo produto à base de dióxido de carbono. O primeiro caminhão tanque deixou a planta da empresa em Dormagen perto de Colônia, Alemanha, na primeira quinzena de dezembro. A Covestro iniciou oficialmente a produção na fábrica inaugurada em Dormagen no verão passado. A planta usa o gás que está contribuindo para o aquecimento global para produzir um componente chave para as espumas usadas em colchões e móveis estofados.

O CO2 serve como uma nova matéria-prima, substituindo uma fração do petróleo a partir da qual o poliol é normalmente baseado. Esta contribuição para a sustentabilidade e feito científico pioneiro já está na fase de produção industrial.

Marco alcançado

“Alcançamos um outro marco. A fábrica está funcionando sem problemas e o primeiro carregamento de nosso novo componente de espuma flexível feito com CO2 está a caminho do cliente “, disse o gerente de projeto, Dr. Karsten Malsch. “Trabalhamos continuamente para atingir este momento desde a nossa pesquisa inicial, há vários anos. Estamos entusiasmados por ter chegado a esse ponto e estamos usando isso como motivação para continuar nossos esforços nessa área “.

A Covestro está trabalhando para integrar ainda mais dióxido de carbono em seus produtos. No caso do precursor da planta de Dormagen, um poliol, o teor de CO2 é de aproximadamente 20 por cento. Outros projetos já alcançaram conteúdo de mais de 40% no laboratório. A Covestro também está se esforçando para usar dióxido de carbono para a fabricação de outros produtos além da espuma flexível. Os produtos potenciais que já foram testados no laboratório incluem precursores para espuma rígida e elastómeros. A empresa também está disposta a licenciar a tecnologia. Isso conservaria recursos petrolíferos limitados em toda a indústria ao mesmo tempo em que reduziria o refino, que é intensivo em energia e emissões.

Com 2015 vendas de EUR 12.1 bilhões, Covestro está entre as maiores empresas de polímero do mundo. As atividades empresariais centram-se na fabricação de materiais poliméricos de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos utilizados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são os setores automotivo, elétrico e eletrônico, de construção e de esporte e lazer. A Covestro, antes Bayer MaterialScience, tem 30 plantas de produção em todo o mundo e no final de 2015, empregava aproximadamente 15.800 pessoas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Covestro

Curta nossa página no

Evonik conclui com sucesso a aquisição do negócio de aditivos especiais da Air Products

05/01/2017

EvonikPainel

  • A operação foi aprovada pelas autoridades antitruste
  • Processo de integração está em andamento
  • Sinergias de US$80 milhões e benefícios fiscais de valor líquido atual superior a US$500 milhões são esperados durante os próximos anos
  • A expectativa é a de aumentar o lucro ajustado por ação no ano fiscal de 2017

A Evonik Industries AG concluiu as atividades em torno da aquisição do negócio de aditivos especiais (Performance Materials Division) da empresa norte-americana Air Products, Inc. pelo valor de US$3,8 bilhões (cerca de €3,5 bilhões) no final do ano passado, conforme inicialmente previsto. O fechamento está previsto para 3 de janeiro de 2017. Todas as autoridades antitruste relevantes aprovaram a operação, e a integração do negócio adquirido está em andamento. O financiamento da operação foi concluído de modo satisfatório em setembro e consistirá em fundos próprios da empresa no valor de €1,6 bilhão, e títulos com valor nominal de €1,9 bilhão.

A Divisão de Materiais de Performance (Performance Materials Division – PMD) engloba agentes de cura para epóxi (40 % do faturamento), aditivos para poliuretanos (32 %) e negócios de especialidades de aditivos (28 %. A PMD tem aproximadamente 1.100 funcionários e inclui unidades de produção relevantes nos Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido, China e Japão. Aplicações dos produtos da PMD são encontradas nos setores de construção civil, automotivo, limpeza industrial, aplicações marinhas e outros mercados.

“A conclusão bem-sucedida da aquisição constitui a base para a rápida fusão das atividades da Evonik com as unidades adquiridas do negócio de Performance Materials da Air Products, afirmou Klaus Engel, Presidente da Diretoria Executiva da Evonik Industries AG. “Com isso, ficaremos em uma excelente posição para um crescimento rentável ainda maior no futuro, no atraente mercado de aditivos especiais”.

“Estamos devidamente preparados para assegurar uma transição comercial tranquila e uma integração de sucesso. Trabalhamos intensamente com a Air Products ao longo dos últimos meses a fim de desenvolver planos de integração”, confirmou Ralf Sven Kaufmann, Diretor de Operações e integrante da Diretoria Executiva da Evonik responsável pela integração do negócio.

Lucro por ação positivo no exercício fiscal de 2017

Os efeitos da sinergia anual no valor de US$80 milhões podem ser confirmados nesta ocasião e devem estar plenamente realizadas até, no máximo, 2020. A Evonik espera alavancar sinergias no valor de €10 a 20 milhões no ano de 2017.

A aquisição deve aumentar o lucro ajustado por ação (EPS) da Evonik no ano fiscal de 2017.

Como a operação foi parcialmente estruturada como cessão de ativos, ela ocasionará benefícios fiscais em consequência de amortizações, algo típico em negócios dessa natureza. Esses benefícios correspondem a um valor atual líquido superior a US$ 500 milhões, que pode ser usado em uma base pro rata no ano fiscal de 2017.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no

Abiplast divulga balanço parcial de 2016 e as expectativas para 2017

05/01/2017

De acordo com balanço econômico produzido pela Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), estima-se que o faturamento do setor em 2016 chegue à casa de R$ 55,3 bilhões, ou seja, uma queda de 11,1%, frente ao ano de 2015.

Estima-se também que, em 2016, o consumo aparente de transformados plásticos (resultado da soma da produção com importações, menos exportações) sofra uma retração de 6,1%. Além disso, a produção física do setor de transformados plásticos deve cair 5,35% frente a 2015, alcançando 6,24 milhões de toneladas, resultando no terceiro ano consecutivo de retrocesso. São 17,0% de redução acumulada em 2014/2015/2016.

Caso essa retração se confirme, será o menor volume produzido pelo setor no âmbito da série histórica iniciada em 2007. Os dados são coerentes com o pior triênio da economia brasileira desde 1901, com estagnação do PIB em 2014 e retração de 7,5% em 2015 e 2016.

No que diz respeito à mão de obra empregada, estima-se que haja uma retração de 3,4% em relação ao ano anterior. A entidade prevê o fechamento de 11 mil postos de trabalho, resultando em 41 mil vagas a menos, no período de dois anos.

Expectativas para 2017

No entanto, a projeção para 2017 é de que a produção física de produtos plásticos apresente um resultado positivo, com aumento de 2,15%, em relação a 2016. A Abiplast indica uma retomada da atividade econômica no próximo ano, com expectativa de uma inflação de 5%, taxa básica de juros de 10,75% e crescimento do PIB de 1,2%.

Segundo José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast , existe esperança, embora o cenário atual de recessão reflita o momento político-econômico vivenciado pelo País. Ele ressalta que “os mercados demandantes do plástico mostram-se mais otimistas quanto aos resultados de 2017”.

No novo ano, espera-se que o faturamento do setor tenha aumento de 1,9%, atingindo a casa dos R$ 56,3 bilhões. Outros números positivos esperados são o aumento na importação de produtos plásticos, crescimento de 2,5% no consumo aparente do setor e a criação de novos postos de trabalho.

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

Alpek assina acordo com a Petrobras para aquisição da Petroquímica Suape e Citepe

28/12/2016

alpek-suape

A Alpek, S.A.B. de C.V. anunciou hoje, 28 de dezembro, ter assinado um contrato de compra das ações da Petrobras correspondentes à participação de 100% da empresa no capital da Companhia Petroquímica de Pernambuco (“Petroquímica Suape”) Companhia Integrada Têxtil de Pernambuco (“Citepe “).

A Petroquímica Suape e a Citepe operam uma planta integrada de PTA-PET em Ipojuca, em Pernambuco (foto), com uma capacidade instalada de 700 e 450 mil toneladas por ano de PTA e PET, respectivamente. A Citepe também opera uma planta de filamentos de poliéster texturizado no mesmo local.

O preço acordado para a participação de 100% da Petrobras na Petroquímica Suape e Citepe é de US $ 385 milhões. Este valor será pago em Reais na data de fechamento do negócio e está sujeito a ajustes no capital e dívida corrente, entre outros.

O fechamento desta transação exigirá aprovações corporativas adicionais e está sujeito a várias condicionantes, incluindo a aprovação pelas autoridades governamentais competentes.

A Alpek é uma empresa petroquímica com sede no México que opera dois segmentos de negócio: “Poliéster” (PTA, PET e Fibras de Poliéster), e “Plásticos & Químicos” (Polipropileno, Poliestireno expandido, caprolactama e outras especialidades e produtos químicos industriais). A Alpek é um produtor integrado de PTA e PET na América do Norte e o maior produtor de poliestireno expandido nas Américas, além de ser o único produtor de caprolactama no México. A Alpek também opera uma das maiores plantas de polipropileno na América do Norte. Em 2015, a Alpek registrou receitas de US $ 5,3 bilhões e EBITDA de US $ 630 milhões. A empresa opera 23 plantas nos Estados Unidos, México, Canadá, Brasil, Argentina e Chile e emprega mais de 5.000 pessoas. A Alpek é uma empresa de capital aberto com ações na Bolsa de Valores Mexicana.

Fonte: Alpek

Curta nossa página no

Italiana Bio-On anuncia acordo de licenciamento para produção e comercialização de bioplásticos biodegradáveis PHAs

22/12/2016

bio-on-pha

  • Assinado um novo contrato de licenciamento múltiplo no valor total de 55 milhões de euros
  • Previstas novas instalações na Europa e Ásia para produzir até 100 mil toneladas/ano de bioplásticos PHAs
  • O objetivo é substituir o plástico tradicional por biopolímeros obtidos pela fermentação bacteriana de resíduos agroindustriais

A Bio-on, empresa italiana de biotecnologia especializada na produção de Polihidroxialcanoatos (PHAs), anunciou a assinatura de um novo contrato de licenciamento múltiplo no valor de 55 milhões de euros com uma multinacional de destaque, líder do setor, cujo nome não foi divulgado. O objetivo do novo cliente da Bio-on é, ao longo dos próximos três anos, substituir o plástico tradicional por biopolímeros biodegradáveis derivados de resíduos agroindustriais, utilizando bioplásticos PHAs da Bio-on. Assim, afirma a Bio-on, um refugo se transformará em matéria prima para um novo plástico, com um impacto positivo para as pessoas e para o planeta.

A primeira licença passa a vigorar com a assinatura do acordo, enquanto que uma segunda licença será ativada no primeiro semestre de 2017, com a conclusão das atividades preparatórias no lançamento do projeto industrial. Todas os licenciamentos e as respectivas receitas, que totalizam 55 milhões de euros, ocorrerão continuamente dentro dos próximos 24 a 36 meses. Para apoiar o desenvolvimento industrial, as duas empresas assinaram outros dois acordos para estudar e desenvolver novas aplicações dos materiais até o segundo trimestre de 2017. O valor envolvido nessa atividade é de um milhão de euros.

O plano prevê a construção de uma série de instalações para a produção de PHAs, com uma capacidade de produção de 100.000 toneladas por ano. As instalações de produção terão, cada uma, a capacidade de produzir de 10.000 a 30.000 toneladas por ano e serão construídas na Europa e na Ásia de acordo com um programa trienal para atender às necessidades de produção autônoma dos biopolímeros PHAs por parte da multinacional cliente da Bio-on. Graças a esse acordo, a empresa poderá, já a partir de 2020, substituir uma parte significativa do plástico tradicional usado nos próprios produtos por um material 100% natural e biodegradável ao mesmo tempo, afirma a Bio-on.

“Este acordo múltiplo representa para nós um uma importante conquista – explica Marco Astorri, Presidente e CEO da Bio-on. É o coroamento do longo trabalho e da negociação complexa que realizamos a partir do segundo trimestre de 2016 e está em conformidade com as previsões para 2017 e 2018,indicadas no novo plano industrial que apresentamos em novembro passado. A assinatura de um contrato desse valor com uma multinacional prestigiosa e líder no próprio setor confirma o grande valor da nossa tecnologia e representa mais uma afirmação no mercado dos bioplásticos PHAs, hoje a única verdadeira alternativa ao problema ambiental gerado pelos plásticos tradicionais”.

Segundo a Bio-on, os bioplásticos PHAs desenvolvidos pela empresa são poliésteres lineares obtidos a partir da fermentação bacteriana de fontes vegetais renováveis, sem nenhuma competição com a produção de alimentos, e garantem as mesmas propriedades termomecânicas dos plásticos tradicionais, com a vantagem de serem ecossustentáveis e totalmente biodegradáveis de modo natural à temperatura ambiente.

Com base no acordo anunciado hoje, os bioplásticos PHAs que serão produzido com a tecnologia licenciada pela Bio-on será obtido de subprodutos da indústria açucareira (entre eles melaço e caldos de refugo de cana de açúcar e de beterraba açucareira) e da produção do amido e seus derivados. Todo o bioplástico obtido nas novas instalações, 100 mil toneladas por ano, será utilizado pela multinacional exclusivamente dentro do seu próprio ciclo produtivo para criar produtos acabados prontos para a venda. Em outros casos, as licenças da Bio-on prevêem que o bioplástico possa ser colocado no mercado e vendido para outras empresas de impressão.

A Bio-on S.p.A., uma Intellectual Property Company (IPC) italiana que opera no setor de bioplásticos efetuando pesquisa aplicada e desenvolvimento de tecnologias modernas de biofermentação no campo dos materiais ecossustentáveis e biodegradáveis de maneira natural. Em particular, a Bio-on desenvolve aplicações industriais através da criação de caracterizações de produtos, componentes e manufaturados de plástico. Desde fevereiro de 2015, a Bio-on S.p.A. se ocupa também do desenvolvimento da química natural e sustentável do futuro.

A Bio-on afirma que o seu PHA tem a capacidade de substituir as principais famílias de plásticos tradicionais pelas suas propriedades, características termomecânicas e versatilidade. Os PHAs da Bio-on é um plástico biológico classificável como 100% natural e completamente biodegradável: essas características foram certificadas pela Vinçotte e USDA (United States Department of Agriculture), afirma a empresa. A estratégia do emissor prevê a comercialização de licenças de uso para a produção de PHAs e dos serviços acessórios relativos, o desenvolvimento de atividades de pesquisa e desenvolvimento (também por meio de novas colaborações com universidades, centros de pesquisa e parceiros industriais), além da construção de instalações industriais projetadas pela Bio-on.

Fonte: Bio-on

Curta nossa página no

Evonik e HP cooperam no desenvolvimento de matérias primas para impressão 3D

22/12/2016
Componentes produzidos com a tecnologia Multi Jet Fusion da HP para impressão 3D

Componentes produzidos com a tecnologia Multi Jet Fusion da HP para impressão 3D

A Evonik Industries e a HP Inc. estão intensificando a sua cooperação no desenvolvimento de novos pós plásticos para impressão 3D. Segundo a Evonik, com o seu VESTOSINT® 3D Z2773, a empresa é o primeiro fabricante de materiais a colocar um produto certificado no “Open Platform Program” da Hewlett Packard.

“Em decorrência da estreita parceria com a HP e a nossa participação ativa no programa de plataforma aberta, nós esperamos um impulso adicional no desenvolvimento de novos pós plásticos para impressão 3D”, disse Dr. Matthias Kottenhahn, Diretor da Linha de Negócios High Performance Polymers da Evonik.

Os novos pós de Poliamida-12 do segmento Resource Efficiency da Evonik possuem propriedades mecânicas superiores e estão em conformidade com as exigências da FDA, afirma a empresa. Isso significa que os componentes impressos com base no VESTOSINT® podem ser liberados pela FDA para entrar em contato com alimentos.

Desse modo, é concebível adotar tecnologias de impressão 3D no setor de produção de alimentos que, em decorrência de quantidades menores ou designs exclusivos e complexos, requerem constante flexibilidade.

Pós de polímeros customizados para impressões 3D

A Evonik desenvolve e produz materiais plásticos especiais que permitem a produção industrial de componentes para impressão 3D já há anos. Segundo a empresa, os pós à base de poliamida 12 da marca VESTOSINT® são ajustados à tecnologia de impressão 3D por sua qualidade, características de processamento e perfil de propriedades.

Fonte: Evonik

Curta nossa página no

BASF estreita colaboração com a HP para o desenvolvimento de materiais de impressão 3D

22/12/2016

basf-hp-multijetfusion

  • Trabalho visa desenvolvimento de materiais para produção em larga escala para a tecnologia Multi Jet Fusion da HP
  • BASF desenvolve novos materiais para o mercado de impressão 3D tendo como base seu amplo portfólio

A BASF está se unindo à HP para oferecer novos materiais de impressão 3D por meio da plataforma aberta Multi Jet Fusion da HP. A plataforma aberta permite que os clientes selecionem um fornecedor de materiais, como a BASF, e entrem em contato direto para desenvolver materiais para aplicações específicas de produção em 3D. A BASF e a HP estão agora estreitando a colaboração para acelerar o ciclo de aprendizagem sobre os requisitos e especificações necessárias para desenvolver materiais para produção em larga escala. A BASF está empenhada em integrar as idéias geradas a partir desta troca, a fim de acelerar o desenvolvimento de uma variedade de novos materiais para produtos de impressão 3D melhorados.

Para coordenar suas atividades de desenvolvimento do mercado de impressão em 3D e a estratégia de inovação, a empresa alemã montou uma nova unidade de negócios na BASF New Business GmbH (BNB) e criou um Centro de Aplicação de Tecnologia para impressão 3D em Heidelberg, na Alemanha. Este centro dedica-se ao desenvolvimento de soluções personalizadas de materiais e aplicações para clientes finais.

Materiais para produção em larga escala

Na indústria química, a BASF possui um amplo portfólio de materiais que podem ser desenvolvidos para impressão 3D. Entre eles está uma extensa gama de termoplásticos de engenharia, poliuretanos, sistemas de acrilato (foto-polímeros, por exemplo), fotoiniciadores, aditivos funcionais, estabilizantes, pigmentos e sistemas de metais. Esta gama de produtos serve como base para formulações prontas para uso para impressão 3D.

“A BASF traz um vasto conhecimento em materiais de produção em massa para a indústria de impressão 3D”, explica Tim Weber, Diretor Global de Materiais 3D e Aplicações Avançadas da HP. “Ao fazer parcerias com empresas que têm uma longa história no desenvolvimento de novos materiais com clientes na indústria de manufatura, queremos alterar a impressão 3D, que é feita em séries de pequenos lotes, para a produção industrial em larga escala”.

O portfólio da BASF inclui plásticos de engenharia como Ultramid® à base de poliamida, Ultradur® à base de poli (tereftalato de butileno), Ultrason® à base de polissulfonas e Ultraform® à base de poliacetal. Outro grupo importante de produtos são as soluções de poliuretano, que são usadas para melhorar o isolamento térmico de construções e a redução de peso e o design dos carros. Fabricantes de componentes para calçados, utensílios domésticos, bem como equipamentos esportivos usam as vantagens únicas dos poliuretanos. Este grupo de produtos é composto por elastômeros termoplásticos (Ex: Elastollan® -TPU) e elastômeros microcelulares. Com tais negócios existentes, a BASF possui as características fundamentais relacionadas ao desenvolvimento de materiais específicos para aplicações industriais de impressão 3D.

“Em colaboração com a HP, combinamos o nosso entendimento das necessidades dos clientes e aplicações, juntamente com a expertise em materiais”, disse Dietmar Geiser, responsável pela estratégia de impressão 3D da BASF nos Novos Negócios da BASF (BASF New Businesses). “A Plataforma Aberta da HP está direcionando o avanço de materiais para o uso industrial em grande escala da impressão 3D na produção e a BASF desempenhará um papel crucial no desenvolvimento desses materiais”.

A tecnologia Multi Jet Fusion da HP é semelhante à impressão 2D, em que uma cabeça de impressão aplica os agentes no formato desejado sobre um pó de polímero. Os agentes e o pó são então expostos à energia para permitir a fusão. Devido à condutividade térmica específica dos agentes, o pó de polímero derrete apenas nas áreas onde a cabeça de impressão aplicou o agente de fusão, não derretendo onde o agente de detalhamento foi aplicado. Este processo difere da sinterização a laser, amplamente utilizada, no qual o pó é aplicado e depois derretido gradativamente com um laser em movimento. Comparada com outras tecnologias de impressão 3D, a tecnologia Multi Jet Fusion da HP está preparada para acelerar em até dez vezes a produção em grande escala, reduzindo os custos pela metade, afirma a empresa.

Em geral, a BASF desenvolve vários materiais e formulações prontas para uso, englobando todas as tecnologias de impressão 3D estabelecidas para fabricação de peças de plástico, cerâmica ou metais. Recentemente, a BASF lançou o Ultrasint PA6 X028, uma poliamida 6 em pó para sinterização que proporciona maior estabilidade mecânica e maior resistência térmica quando comparado aos componentes fabricados com outras poliamidas atualmente utilizadas na indústria 3D. “Estamos trabalhando para desenvolver materiais duráveis que possam ser usados em automóveis, eletroeletrônicos, artigos esportivos ou materiais para a indústria de usinagem”, disse Geiser.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Serra da Cantareira Águas Minerais lança marca Puraqua e passa a utilizar o Plástico Verde

22/12/2016

braskem-puraqua

Bioplástico renovável da Braskem estará presente nas tampas das embalagens de água mineral

A Serra da Cantareira Águas Minerais lançou a Puraqua, primeira marca brasileira de seu segmento a adotar o Plástico Verde em tampas de garrafas. A resina, cuja origem é o etanol da cana-de-açúcar, reforça a proposta da empresa de adotar elevados padrões de sustentabilidade em todo o processo produtivo.

A fonte utilizada pela linha Puraqua fica dentro na reserva ambiental do Parque da Cantareira, dentro de um cinturão de preservação da fauna e flora, o que garante a leveza e pureza da água, afirma a empresa. Além disso, o processo de engarrafamento foi elaborado para assegurar que as características naturais permaneçam as mesmas desde a extração até o consumo final.

O consumidor poderá identificar a embalagem a partir do selo “I’m greenT“, visível na frente e no verso do produto. A marca é a identificação da Braskem para embalagens que são de origem renovável. Atualmente, mais de 80 produtos são feitos de PE Verde, desde embalagem de bebidas, alimentos até produtos de beleza, ferramentas de jardinagem e componentes automotivos.

No ramo de envase de água mineral há 6 anos, a Serra da Cantareira Águas Minerais possui uma linha completa de produtos de água mineral natural. Com embalagens descartáveis e retornáveis a empresa conta com uma base sólida de distribuidores na região da Grande São Paulo e litoral paulista. Localizada dentro de uma reserva ambiental, qualidade e sustentabilidade são os focos da operação.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Termotécnica lança Portal da Inovação

22/12/2016

termotecnica-inovacao

Plataforma é uma oportunidade para estudantes e pesquisadores que querem transformar soluções e projetos em oportunidades de negócios

Com o objetivo de estimular a geração de ideias inovadoras e a sua concretização em oportunidades de negócios, a Termotécnica lançou o Portal da Inovação. É uma plataforma online, onde pesquisadores, estudantes e profissionais das mais diversas áreas podem inscrever seus projetos e soluções e firmar uma parceria com a empresa para desenvolvê-los e implementá-los. O portal é aberto a toda a comunidade.

Podem ser inscritas pesquisas em áreas variadas, como nanotecnologia, tecnologia para rastreabilidade, embalagem ativa, embalagem inteligente, sustentabilidade, soluções híbridas, entre outros. “Precisamos trazer para a indústria pessoas que tenham suas ideias e projetos para, juntos, criarmos oportunidades de negócios”, destaca Nivaldo Fernandes de Oliveira, Diretor-superintendente da Termotécnica.

Maior indústria transformadora de EPS (isopor®) da América Latina e líder no mercado brasileiro deste segmento, a Termotécnica produz soluções para Construção Civil, Embalagens e Peças Técnicas, Conservação, Agronegócios e Movimentação de Cargas. A busca constante por inovação permeia toda a empresa, que se mantém atenta às novidades do mercado e prospecta oportunidades de geração de valor e desenvolvimento de produtos, além de marcar presença nos principais eventos de negócios no Brasil e no exterior para acompanhar as tendências mundiais de aplicações no segmento de EPS.

Para participar é só acessar o link www.termotecnica.com.br/inovacao e inscrever o projeto. Ou entrar em contato pelo email inovacao@termotecnica.com.br ou pelo fone (47) 3451-2725.

Fundada há 55 anos, a Termotécnica tem matriz em Joinville (SC) e unidades de negócios em Manaus (AM), Petrolina (PE), Rio Claro (SP), Indaiatuba (SP), São José dos Pinhais (PR) e Sapucaia do Sul (RS).

Fonte: Assessoria de Imprensa – Termotécnica

Curta nossa página no

Mercado de chapas acrílicas encolhe 22% em 2016

22/12/2016

 indac-estatisticas1Ano tumultuado faz vendas voltarem ao patamar de oito anos atrás; sendo otimistas, empresas do segmento lutam pela estabilidade em 2017

O INDAC – Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico –, divulgou, nesta semana, números do setor de acrílicos. Em resumo, o mercado não vai bem. Sente-se nas planilhas o impacto das crises econômica e política pelas quais atravessa o país nos últimos anos. Para se ter ideia, o setor deve fechar o ano com a venda de 7.400 toneladas de chapas acrílicas, 22% a menos do que em 2015. Ano que também já contabilizava 10% de queda em relação a 2014. A situação é tão grave que esse montante faz com que setor volte cerca de oito anos, entre 2007 e 2008, quando foi contabilizado aumento de vendas de 6.800 toneladas para 8.200 toneladas.

As importações também têm sentido a queda na demanda do produto – caíram de 5.146 toneladas em 2015 para cerca de 3.900 toneladas neste ano. Apesar disso, os produtos vindos de fora já contabilizam 53% do market share, o que agrava ainda mais a situação dos produtores nacionais. “O mercado hoje é pouco favorável para o produtor nacional. Por mais estranho que possa parecer, os produtos vindos de outros países conseguem se beneficiar da complexidade tributária brasileira – principalmente devido à falta de equalização do ICMS entre os estados – gerando inúmeras discrepâncias e problemas e interferindo na capacidade competitiva de qualquer setor”, explica Fernando de Oliveira, presidente do conselho deliberativo do Indac e diretor da Castcril.

Para 2017, aparentes melhorias do cenário macroeconômico nacional, como do PIB (Produto Interno Bruto), que deve sair dos 3,5% negativos deste ano para 0,5% positivos, e da previsão de produção industrial do país, que hoje amarga 6,3% de queda e deve ficar 1,0% maior neste próximo ano, acalentam o segmento, que espera manter-se estável.

Além da melhoria do mercado, para retomar o crescimento, as empresas do segmento sabem que irão precisar trabalhar muito para mostrar aos clientes que, mesmo em tempos de crise, investir em matéria-prima diferenciada, como o acrílico, é sempre melhor do que reduzir custos em detrimento da valorização da marca do anunciante, principalmente em comunicação visual – o maior segmento final das chapas acrílicas.

Entre as ações já anunciadas pelas empresas do setor para 2017, destaca-se a participação na feira Sign 2017, onde será realizado o Fórum Acrílico, no dia 13 de julho. Adicionalmente, o Indac continuará promovendo o curso “Transformação de Chapas Acrílicas”, além do lançamento de um novo treinamento “Desenvolvimento de Produtos em Acrílico”, voltado às especificações de produtos. A retomada do programa de qualidade de chapas acrílicas, que busca diferenciar o acrílico de outros plásticos de baixa adequação à comunicação visual, móveis e iluminação, também faz parte dos planos da entidade.

Para Carlos Marcelo Thieme, da Oswaldo Cruz Química, que assume, em 2017, a presidência do INDAC, além de treinar especificadores e ressaltar a imagem do produto no mercado, a indústria do acrílico irá se juntar a outras entidades para cobrar dos governos federal e estaduais uma reforma tributária que equilibre as condições competitivas do mercado. “ Da forma que está, será cada vez mais difícil trabalhar: Temos capacidade instalada para atender toda a demanda nacional. Geramos milhares de empregos e contribuímos para o crescimento do PIB; assim, não é possível que tenhamos que continuar pagando mais impostos do que os produtos importados. Por isso, equalização e simplificação tributária são algumas de nossas bandeiras neste novo ano”.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico é uma organização composta por empresários da livre iniciativa do setor para promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado, por meio da indicação de seus associados. A entidade, criada em novembro de 2000, é geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reunindo atualmente 40 filiados em todo o país.

Fonte: Assessoria de Imprensa – INDAC

Curta nossa página no

Apesar da queda no consumo de resinas plásticas, Adirplast está confiante nas perspectivas para 2017

22/12/2016

adirplastCom queda prevista de 4% no consumo de resinas plásticas no país neste ano, em relação ao ano anterior, distribuidores associados à Adirplast acreditam que iniciativas de valorização às empresas transformadoras nacionais podem fortalecer a indústria brasileira do plástico

A Adirplast (Associação de Distribuidores de Resinas Plásticas) apresentou no dia 8 de dezembro, em São Paulo, estudo que aponta queda prevista de 4% a 5% na comercialização de resinas plásticas no país em relação a 2015. O material, analisado pela 2U Inteligência de Marketing, considerou, entre outras informações, as vendas de PE’s (polietilenos) e PP’s (polipropilenos) feitas durante janeiro e setembro deste ano no Brasil – não apenas por empresas vinculadas à entidade. Não bastasse a queda deste ano, é preciso lembrar que o setor já amargava números 5% menores em 2015, quando comparado a 2014.

Considerando apenas o mercado de PE’s e levando em conta apenas o primeiro semestre deste ano, já que números totais ainda não foram consolidados, as quedas são mais acentuadas. Na comparação com mesmo período do ano passado, as vendas caíram 12,2%. A explicação pode estar na importação, mas não de resinas apenas. Isso porque, apesar de as PE’s terem sido as resinas plásticas mais importadas no período, com 30% do mercado, as importações também estão caindo e devem fechar este ano ao menos 5,5% menores do que ao final de 2015. A importação de produtos acabados, inclusive embalagens, além, claro, da própria diminuição de consumo no país, colaboraram em muito para esse cenário. O consumo aparente de resinas de PE’s, PP’s e PS+EPS no país em 2016 será aproximadamente 4% menor que o de 2015, quando foram comercializadas 3,8 milhões de toneladas de resinas PE’s e PP’s.

Apesar do cenário negativo, os associados à entidade, responsáveis por um faturamento de R$ 3,5 bilhões por ano, comemoram estabilidade em suas atividades e contabilizam quase 50% do setor de varejo. O que é uma conquista, considerando que o setor é muito pulverizado e sem regras claras de competição, no qual concorrem centenas de empresas, entre distribuidores sem bandeiras e transformadores revendedores.

No mercado nacional de resinas, o varejo atende a cerca de 20% da demanda. A comercialização dos outros 80% é feita diretamente pelas petroquímicas aos grandes transformadores. No entanto, o mercado é formado, quase que em sua totalidade (80%) por pequenas e médias empresas que precisam de apoio.

Entre os diferenciais oferecidos pelas afiliadas à Adirplast aos clientes, destaca a entidade, está a procedência e qualidade dos produtos, a grande gama de resinas ofertadas, com mais de 2.500 grades, assistência técnica, o financiamento das compras e a entrega em menos de 24 horas. “Nosso foco é o cliente. Sabemos que quando um transformador brasileiro perde venda para as importações de produtos acabados, todos nós perdemos. Por isso, resolvemos ter uma postura mais ativa diante de temas que influenciam diretamente o nosso negócio e, consequentemente, a cadeia do plástico. Um deles é na forma como nossos clientes gerem seu negócio”, explica Laercio Gonçalves, presidente da entidade e da Activas Plásticos Industriais.

A preocupação com a eficiência da gestão empresarial é o que tem permitido que as empresas associadas à Adirplast obtenham resultados acima da média do mercado, apesar da significativa redução de tamanho do mercado e dos sérios inconvenientes causados pela inadimplência no setor. Por isso, gestão é uma das bandeiras da entidade, que deve promover cursos e palestras sobre o assunto para seus clientes: “Acreditamos que a gestão aprimorada é o que pode de fato mudar a história dos pequenos e médios transformadores de plástico no país. Por isso, pedimos que as petroquímicas entrem conosco neste desafio. É preciso mais atenção com mercado local e transformador fidelizado”, explica Osvaldo Cruz, diretor da Entec Polímeros e vice-presidente da Adirplast.

A Adirplast, que completa 10 anos em 2017, tem como diretrizes o fortalecimento da distribuição, o apoio aos seus associados e a integração do setor de plásticos. Seu objetivo é estreitar os laços que unem os segmentos da indústria, além de demonstrar a importância que os distribuidores têm para o setor e para o desenvolvimento do mercado brasileiro de plásticos. A entidade trabalha ainda para promover a imagem sustentável do plástico, melhorar a gestão financeira dos transformadores e ajustar o desordenamento tributário sobre a indústria.

Atualmente, a entidade agrega empresas distribuidoras de resinas plásticas e filmes BOPP-PET que, juntas, tiveram um faturamento bruto de cerca de R$ 3,5 bilhões, em 2015, e responderam por cerca de 10% de todo o volume de polímeros comercializados no país. Credenciadas pelos fabricantes, essas empresas ostentam bandeiras dos produtores, o que garante ao cliente final a qualidade do produto e do serviço de logística. Além disso, contam com uma carteira de 7.000 clientes, em um universo de 11.500 transformadores de resinas plásticas no Brasil. Para atendê-los, emprega 180 representantes externos e mantém 150 contact centers, além de equipes de assistência técnica e de pós-venda.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Adirplast

Curta nossa página no

Indústria química brasileira perde duas posições no ranking mundial do setor

22/12/2016

enaiq

Abiquim divulgou dados do segmento no Encontro Anual da Indústria Química

A Abiquim – Associação Brasileira da Indústria Química divulgou “O Desempenho da Indústria Química Brasileira” durante a 21ª edição do ENAIQ – Encontro Anual da Indústria Química, realizado no WTC Events Center, em São Paulo, no dia 2 de dezembro.

Refletindo a grave situação do setor, a indústria química brasileira caiu da 6ª para a 8ª posição no ranking mundial entre 2014 e 2015. Em 2015, a indústria química brasileira faturou US$ 111,8 bilhões, em comparação com US$ 147 bilhões em 2014. Com isso,  o Brasil foi ultrapassado por Índia e França no ranking do setor. Os primeiros colocados permanecem: China, Estados Unidos, Japão, Alemanha e Coreia do Sul. O setor químico brasileiro, no entanto, subiu para a terceira posição no PIB industrial nacional, estimulado pela queda da indústria automobilística, representando 10,4% de toda a indústria de transformação.

A indústria química brasileira deverá encerrar 2016 com um faturamento líquido de US$ 113,5 bilhões, segundo estimativa da Abiquim e associações específicas dos segmentos ligados ao setor. Esse valor é 1,4% superior ao registrado em 2015. Entre os segmentos, o destaque é o de Produtos Químicos de Uso Industrial, que deverá encerrar 2016 com um faturamento de US$ 54,9 bilhões. Já o déficit da balança comercial de produtos químicos deverá fechar o ano em US$ 16,9 bilhões, pois o Brasil importou US$ 26,7 bilhões em produtos químicos e exportou US$ 9,8 bilhões.

O presidente do Conselho Diretor da Abiquim, Marcos De Marchi, contou que o cenário econômico do País em 2016 afetou o desempenho do setor, mas que a perspectiva é de um cenário melhor no início do próximo ano. Ele explicou que a indústria opera com 80% de sua capacidade e antes de investir em novas plantas ou expansões os empresários trabalham para aumentar o índice de operação. “No entanto é necessário ter garantia de fornecimento de energia elétrica e matéria-prima a preços competitivos e por longo prazo para que possa haver mais investimentos”, concluiu.

Durante o evento foi realizada a cerimônia de entrega dos troféus aos vencedores do Prêmio Kurt Politzer de Tecnologia 2016, que prestigia a PD&I do País, reconhecendo projetos de inovação tecnológica na área química que demonstrem inventividade e criatividade.

Fonte: Abiquim

Curta nossa página no

Evonik investe na expansão de capacidade de produção de espumas estruturais na Alemanha

15/12/2016

evonik-rohacell

  • Expansão da capacidade na planta de Darmstadt, Alemanha
  • Incremento inicial de 20%
  • Início das operações estimado para o segundo semestre de 2017

A Evonik Resource Efficiency irá investir na expansão da capacidade de seu negócio de Performance Foams (espumas de desempenho) na unidade de produção em Darmstadt, Alemanha. Inicialmente, o investimento aumentará a produção da unidade em cerca de 20%. O Grupo irá adicionar equipamentos de produção ao seu complexo operacional que fabrica produtos de espuma estrutural rígida de polimetacrilimida (PMI) comercializados sob a marca ROHACELL®. A nova capacidade de produção deverá estar disponível no segundo semestre de 2017.

“A marca ROHACELL® vem apresentando crescimento de dois dígitos nos últimos anos e tudo indica que esse sucesso se manterá. Com esse nível consistente de aumento da demanda global, nós entendemos essa expansão da capacidade como um passo positivo e necessário para garantir que os nossos clientes tenham acesso contínuo aos nossos produtos inovadores – agora e em qualquer ocasião no futuro”, disse o Dr. Matthias Kottenhahn, Senior Vice President da Linha de Negócios High Performance Polymers no segmento Resource Efficiency da Evonik.

A planta de Darmstadt atualmente produz a espuma ROHACELL® para ser usada como material básico na construção de compósitos tipo sanduíche. O mercado global vem apresentando um crescimento anual estável no uso de compósitos na medida em que múltiplas indústrias enfrentam o desafio de fabricar produtos para os seus clientes que são mais leves em peso, fortes e confiáveis, além de eficientes do ponto de vista da produção.

“À medida que a tendência da utilização de compósitos continua em alta, nós estamos preparados para responder por meio das soluções leves em peso disponíveis em nossa linha de produtos de espuma ROHACELL®. Seja o produto um avião, um automóvel, um navio, a pá de uma turbina eólica, um dispositivo eletrônico ou até mesmo um taco de hóquei – todos podem se beneficiar de um menor peso global. A espuma ROHACELL® constitui a solução ideal para futuros avanços nesses produtos e, expandindo a nossa capacidade, estaremos prontos para atender as necessidades desse mercado em transformação”, observou o Dr. Andreas Hoff, Vice-Presidente da linha de Peformance Foams no segmento Resource Efficiency.

ROHACELL® é uma espuma estrutural rígida de polimetacrilimida usada no projeto e na produção de compósitos tipo sanduíche empregados em tecnologias aeroespaciais, automotivas, marinhas, eletrônicas, médicas e de equipamentos esportivos. A espuma de peso ultraleve permite aos fabricantes de peças de compósito uma solução em material básico resistente a altos níveis de pressão e temperatura, afirma a Evonik. Esse fato respalda a adoção de uma produção de peças rápida e eficiente, reduzindo, dessa forma, o tempo de produção e os custos do fabricante.

A fábrica de Darmstadt é a unidade de produção original das espumas de performance, e operamos plantas adicionais em Mobile (Alabama, EUA) e Xangai (China) que dispõem de equipes de fornecimento regional para apoiar os clientes nas Américas do Norte e do Sul e na Ásia.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no

Material da Eastman possibilita design inovador das embalagens dos recém lançados sabonetes de O Boticário

15/12/2016

eastman-glass-polymerUma resina da família Glass Polymer™ da Eastman Chemical Company foi a aposta de O Boticário para inovar em seus recém lançados sabonetes líquidos Desejos Incríveis e Sonhos de Natal. A matéria prima foi a escolhida para o desenvolvimento de uma embalagem bonita e funcional, especial para datas comemorativas.

Segundo a Eastman, a familia Glass Polymer™ pode ser pigmentada, adesivada, selada por ultrassom, hot stamped, texturizada e impressa. Devido à alta densidade do material, é possível criar designs complexos e elaborados, conferindo flexibilidade criativa ao produto final, o que garante destaque frente ao consumidor se comparado aos demais produtos. O resultado são embalagens surpreendentes, que apelam ao toque, som, beleza, brilho e resistência, atributos valorizados cada vez mais pelo mercado.

De acordo com a Eastman, a transparência e o brilho de suas resinas se assemelham muito ao vidro, material valorizado na indústria cosmética, onde o peso está diretamente relacionado à qualidade e luxo. Apesar da semelhança visual, as resinas da família Glass Polymer™ oferece resistência mecânica – tanto para quebra, quanto para riscos – ou seja, é mais durável e mantêm a beleza ao longo do tempo, afirma a Eastman. Além disso, é mais prática e sustentável que o vidro e apresenta desempenho superior a uma resina comum. “Nosso material permite o desenvolvimento de embalagens que valorizam os produtos e garantem benefícios claros tanto para a indústria, quanto para o consumidor final. Isso é o sentido de inovar”, diz Alessandra Focesi, Representante de Vendas da Eastman.

A flexibilidade e versatilidade das resinas da família Glass Polymer são perfeitas para o mundo dos cosméticos, que trabalham com o encanto. “As embalagens ajudam o consumidor a criar uma relação de fidelidade com o item, de memória emocional. Os consumidores conseguem identificar de longe qual é produto e a qual marca pertence. Propostas sofisticadas oferecem experiências diferenciadas e aumentam o valor agregado. Nossa parceria com O Boticário é um exemplo bem-sucedido de como na Eastman está focada em vencer com nossos clientes, através da inovação. Prova disso vem lá de trás, quando trabalhamos no desenvolvimento do Clipping junto ao Boticário, parceria que dura mais de 15 anos”, complementa Rogério Dias, Gerente Regional do negócio de Plásticos Especiais da Eastman para a América Latina.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Eastman

Curta nossa página no