Posts Tagged ‘Dow’

Dow lança tecnologia para sapatos esportivos casuais na FIMEC 2018

02/03/2018

Tendência de consumo global que alia conforto e estética é inspiração para nova solução destinada aos fabricantes de solas e entressolas

Pelo 3º ano consecutivo, a Dow participa da FIMEC (Feira Internacional de Couros, Produtos Químicos, Componentes, Equipamentos e Máquinas para Calçados e Curtumes), de 6 a 8 de março, em Novo Hamburgo (RS), e apresenta um lançamento para o mercado de solas e entressolas. Segundo a Dow, o novo elastômero de poliuretano Enerlyte™ é um sistema de alto desempenho que permite a criação de calçados, ao mesmo tempo, leves, confortáveis, duráveis e esteticamente bonitos. A solução atende à tendência dos chamados sapatos “esportivos casuais”, expressão que se originou do inglês athleisure (junção de athletic e leisure) e que já tem como adeptos grandes marcas e estilistas no mundo todo.

Durante o evento, a companhia também promoverá suas soluções para calçados já conhecidas do mercado, Voralast™ GT, voltados à segurança, e o Voralast™ Soft Touch, para o público masculino. Além disso, reforçará sua parceria com a Agile, empresa do grupo italiano POZZI, especialista no setor. O trabalho conjunto tem como foco o desenvolvimento de sistemas de poliuretano para solas, entressolas e palmilhas. As companhias seguem confiantes no mercado, que registrou aumento das exportações e teve uma leve recuperação interna em 2017, e deve manter um ritmo positivo também em 2018.

As empresas estão destinando seus esforços aos segmentos de calçados casuais, casuais esportivos e de segurança, que têm um grande potencial de crescimento. Segundo a Dow, no setor de segurança, por exemplo, o seu VoralastTM GT é resistente à hidrólise, diferentemente das tradicionais soluções de poliuretano. No segmento casual, a Dow tem um amplo portfólio para atender as necessidades dos clientes.

Para isso, dentro do negócio de Poliuretano, a Dow conta com a divisão ComfortScience, que desenvolve inovações para proporcionar a experiência mais confortável possível ao consumidor final. “Conforto é fundamental para alcançar uma boa qualidade de vida e garantir a sensação de bem-estar”, comenta Nilton Manfrotti, executivo de vendas do negócio de Poliuretanos da Dow no Brasil.

“Estamos acompanhando de perto, com nossos clientes, os seus maiores desafios técnicos e operacionais, bem como suas aspirações à criação de sapatos. Contamos com a Dow como nosso parceiro tecnológico e seguimos preparados para atender às demandas, oferecendo soluções modernas, mais produtivas e melhor custo-benefício”, ressalta Edgard Mingoni, diretor da Agile.

Enerlyte™

De acordo com a Dow, o seu elastômero de poliuretano Enerlyte™ possui uma composição e morfologia particulares, superior aos sistemas de poliuretano tradicionais, que melhora o desempenho de solas e entressolas em calçados esportivos, de caminhada e casuais. Seu baixo peso reduz o cansaço em percursos de média e longa distância, além de contribuir com a durabilidade do produto final, já que tem boa adaptação aos pés, flexibilidade, resistência à tração, ao desgaste e à hidrólise, afirma a empresa. “A nova tecnologia também se destaca no sensorial, já que transmite a sensação natural de borracha e tem excelente amortecimento, inclusive em baixíssimas temperaturas (até -20ºC)”, ressalta Manfrotti.

Para os fabricantes e convertedores, o Enerlyte™ tem outras vantagens: supera o EVA e espumas padrão de PU em relação rebote e retorno de energia, oferecendo maior amortecimento e resistência, garante a Dow. A empresa também relata que o produto garante alta estabilidade dimensional, processamento mais fácil e melhor produtividade, o que aumenta a quantidade de sapatos acabados, garante a Dow.

Linha Voralast™

A Dow afirma que O Voralast™ GT é uma solução que se adapta a rigorosas condições de uso, trazendo mais desempenho, segurança e conforto, sendo por isso indicada para botas e calçados de segurança (EPI) já que possui resistência à hidrólise, além das resistências tradicionais do poliéster a hidrocarbonetos e ácidos. Isso resulta em um melhor desempenho funcional e mais economia, sem a utilização de aditivos de alto custo na produção. Possui mais aderência, tração em superfícies variadas e durabilidade, segundo a empresa. Devido ao conforto proporcionado pela tecnologia, é ideal para calçados usados por longos períodos do dia.

O Voralast™ Soft Touch oferece mais funcionalidade, com toque macio. Segundo a Dow, a combinação para formulações diferenciadas de polióis e pré-polímeros proporciona uma sensação agradável, similar ao toque macio da borracha, perfeitos para calçados sociais masculinos – que precisam de flexibilidade e conforto. Com boas propriedades mecânicas, tem memória de elasticidade, e baixa abrasão, além de oferecer resistência ao atrito. Sua formulação é inovadora, com composição à base de éter e livre de ftalatos (compostos nocivos à saúde e de complexa biodegradação), sendo 40% mais leve em comparação a materiais termoplásticos típicos e 25% mais leve que outras borrachas, assegura a empresa.

A linha Voralast™ conta ainda com soluções que oferecem leveza, resistência e conforto para a produção de sandálias, chinelos e sapatos femininos, além de esportivos.

Fonte: Dow

Curta nossa página no

Anúncios

Dow integra portfólio de silicones da Dow Corning sob nova marca

07/02/2018

Os produtos que fazem parte do portfólio de silicones com a marca Dow Corning® passaram a se chamar DOWSIL™ a partir do mês de fevereiro. A mudança não altera as descrições que fazem parte dos nomes dos produtos atualmente e mantém as formulações originais e o nível de desempenho. A modificação envolve os portfólios destinados aos segmentos de cuidados pessoais e com a casa, construção e infraestrutura, embalagem, agronegócio, transporte e industrial.

Os produtos da marca DOWSIL™ darão continuidade ao legado da Dow Corning. Seus produtos colaboram na resolução dos desafios de diversos mercados, com tecnologias à base de silicone que reúnem expertise e conhecimento técnico.

Soluções para o Consumidor – Silicone em novo site da Dow

A partir do início deste mês, os clientes vem tendo à disposição uma experiência de compras e busca on-line graças ao novo site que substituiu a atual plataforma dowcorning.com. Para orientá-los durante a transição, a Dow criou um centro de informações sobre a integração – dowcorning.com/integration – que será continuamente atualizado. O centro traz novidades sobre a implantação, materiais sobre as atividades de integração e perguntas frequentes, além de uma ferramenta para a geração de certificado de equivalência química para produtos específicos.

A lista de soluções com os nomes atualizados está disponível no centro de informações da Dow Corning e os representantes de vendas estão aptos para esclarecer questionamentos a respeito.

Histórico

Em 1 de junho de 2016, a Dow Corning tornou-se uma subsidiária integral da The Dow Chemical Company, uma integração que combinou pontos fortes complementares de pessoas, tecnologia e soluções de cada empresa. A integração reuniu dois líderes da indústria com 73 anos de história compartilhada, proporcionando maior oferta de produtos em vários negócios, e mais canais para atender o mercado.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

A trajetória de inovação em embalagens multicamadas para a indústria de alimentos

11/01/2018

Por Angels Domenech (*)

A demanda global por embalagens plásticas de alto desempenho continua a crescer e estar na vanguarda de avanços importantes que possibilitem o desenvolvimento de embalagens inovadoras e com novas funcionalidades, além de sustentáveis, é essencial. As soluções devem atender às principais exigências e tendências dos consumidores, entre as quais, embalagens capazes de manter os alimentos frescos por mais tempo, que sejam mais leves e resistentes e que ofereçam sistemas de abertura e fechamento rápido, características que garantem mais praticidade para o consumidor.

Um dos grandes desafios globais é melhorar a conservação dos alimentos para, com isso, atender ao crescimento estimado de 70% na demanda global por alimentos entre 2000 e 2050. Esse cenário tem levado a um aumento nas instalações de equipamentos de coextrusão de filmes de barreira e no uso de materiais com propriedades de barreira ao oxigênio a fim de ampliar o tempo de vida útil dos alimentos, minimizando os processos oxidativos. Entre os materiais de barreira tradicionais estão os copolímeros de etileno e álcool vinílico (EVOH), que oferecem barreira ao oxigênio; as poliamidas (PA), que se caracterizam por sua resistência à perfuração; e os politereftalatos de etileno (PET), que apresentam alta rigidez, além de características óticas que possibilitam embalagens diferenciadas por suas propriedades de brilho e transparência.

As embalagens também devem ser tratadas com base em um enfoque holístico que vai além da camada estrutural, ou seja, que considere os requisitos funcionais de todas as camadas que acompanham os materiais de barreira. Dessa forma, é fundamental oferecer soluções capazes de melhorar a qualidade dos produtos reciclados, independentemente de incluírem ou não materiais com propriedades de barreira e, com isso, contribuir para ampliar o valor funcional e sustentável das embalagens.

Entre as camadas que compõe as embalagens, estão

· Camada de selagem: no caso das embalagens com altas propriedades de barreira, se o selante não oferecer a hermeticidade adequada, há o risco de se perder totalmente a barreira e, consequentemente, o conteúdo.
· Camada de adesivo: as resinas tradicionais de barreira (EVOH, PA ou PET) contêm grupos polares, enquanto as outras camadas de filme (a de selagem, por exemplo) são compostas de material poliolefínico não polar, o que requer uma camada de adesivo para unir as camadas durante todo o ciclo de vida da embalagem.
· Camada de tenacidade: previne a perda de barreira resultante de rupturas durante o transporte e manipulação da embalagem. Essa camada, que geralmente tem como base uma poliolefina como, por exemplo, o polietileno, requer o uso de adesivos para se manter unida ao material de barreira.

Como mencionado, as embalagens contêm uma camada de selante que deve garantir sua hermeticidade e, consequentemente, uma melhor conservação dos alimentos. As resinas que garantem essa melhor conservação dos alimentos, amplamente utilizadas no setor de embalagens flexíveis com barreira, vêm demonstrando excelente eficácia de selagem contra os contaminantes presentes em alimentos tradicionais acondicionados em embalagens de barreira, como carnes, queijos e molhos, entre outros.

Para a camada de adesão em processos de coextrusão com materiais de barreira, existem soluções exclusivas para o mercado crescente de embalagens de barreira submetidas a tratamentos térmicos como, por exemplo, as embalagens para alimentos prontos. Entre as resinas, estão produtos que oferecem uma ótima adesão entre as camadas de barreira: por exemplo, entre EVOH ou PA e a camada subsequente da embalagem, geralmente à base de polipropileno para resistir ao tratamento térmico.

Para a camada de tenacidade, existem resinas que se destacam por seu excelente desempenho em termos de propriedades mecânicas e óticas. Neste ponto, as resinas que oferecem um equilíbrio inédito entre rigidez e resistência, facilidade de processamento e uso mais eficiente dos materiais sem prejuízo para as propriedades, possibilitam embalagens mais sustentáveis.

Em função do compromisso das empresas com a sustentabilidade e a demanda entre os consumidores por embalagens com menor impacto ambiental, torna-se cada vez mais imprescindível oferecer soluções que possibilitem a reciclagem, com perda mínimo de valor, tanto dos materiais de barreira (polares) quanto dos materiais poliolefínicos (não polares) presentes nas embalagens, o que é possível no caso do propileno e do polietileno.

Dadas as vantagens claras que oferecem, o uso das embalagens de barreira deverá continuar a crescer, razão pela qual torna-se cada vez mais necessário gerenciar soluções que facilitem a reciclagem dos filmes de barreira pós-consumo sem comprometer seu desempenho ou estética.

Para que esses filmes de barreira pós-consumo possam ser reciclados, é necessário uma boa compatibilidade entre os materiais de barreira e os outros materiais. Compatibilizantes que apresentam alta reatividade e viscosidade ultrabaixa. A viscosidade facilita a dispersão de uma maneira uniforme na matriz poliolefínica e a reatividade faz com que as resinas de barreira polares, como EVOH ou PA, fiquem encapsuladas, rodeadas pelo compatibilizante, que atua como um surfactante. Os benefícios oferecidos por essa nova tecnologia vão além da sustentabilidade: é possível reutilizar os resíduos dos materiais de barreira gerados durante a conversão das embalagens nas próprias embalagens.

Testes têm demonstrado que os novos filmes fabricados com os compatibilizantes que apresentam alta reatividade e viscosidade ultrabaixa mantêm a mesma transparência que a do filme de controle e que a resistência ao impacto é mantida ou melhorada. Estes compatibilizantes oferecem a possibilidade de se utilizar os resíduos dos filmes de barreira para substituir parte do polietileno, garantindo, assim, melhor aproveitamento dos produtos reciclados.

Assim, é fundamental trabalhar em conjunto com todos os participantes da cadeia de valor de embalagens e liderar o desenvolvimento de produtos e soluções integradas para as embalagens para alimentos, tratando de um dos problemas mais urgentes da nossa sociedade: a redução do desperdício de alimentos.

(*) Angels Domenech é diretora de Pesquisa & Desenvolvimento para Embalagens & Plásticos de Especialidades da Dow para a América Latina.

Curta nossa página no

Dow passa a comercializar aditivos de silicone para poliuretano da antiga Dow Corning sob a marca VORASURF™

22/11/2017

A divisão de Ciência dos Materiais da DowDuPont anuncia que, a partir de agora, os aditivos de silicone da Dow Corning, empresa que foi integrada à Dow em 2016, serão comercializadas pela companhia sob a marca Vorasurf™. As soluções são destinadas aos mercados de conforto (colchões e calçados) e eficiência energética (espumas em spray) e contribuirão com o atendimento à crescente demanda por materiais de alto desempenho.

“São mais de 100 produtos da antiga Dow Corning voltados ao setor de poliuretanos que foram incorporados pela Dow, expandindo nosso portfólio de surfactantes de silicone para espumas de poliuretano com desempenho superior”, afirma Andres Posada, gerente de Marketing de Perforance Silicones da divisão. “Além de ampliar nossa linha, continuamos investindo em inovação, como os novos surfactantes automotivos, com baixo composto orgânico volátil (COV) e novas soluções para espumas rígidas compatíveis com os novos agentes de expansão hidrofluoroolefina (HFOs).”

A transição à marca Vorasurf™ começa em novembro de 2017 e será concluída no final de 2018. Todos os produtos de silicone da Dow Corning continuarão sendo oferecidos e para ajudar a garantir uma passagem tranquila, os nomes atualizados dos produtos apresentarão o “DC” da Dow Corning e manterão os números originais de grau do produto (como DC 193, DC 2525 e DC 5950). A lista com todos os nomes atualizados está disponível no centro de informações da Dow Corning e para mais informações os clientes podem entrar em contato com os representantes de vendas ou visitar http://www.dowcorning.com/content/polyuret/

A Divisão de Ciência dos Materiais da DowDuPont, uma divisão da DowDuPont, tem um portfólio abrangente, compreendendo materiais avançados, intermediários industriais e plásticos destinados a clientes de mercados de alto crescimento, como embalagens, infraestrutura e cuidados do consumidor. A DowDuPont pretende separar a Divisão de Ciência dos Materiais em uma empresa independente e de capital aberto.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Dow anuncia investimentos de mais de US$ 200 milhões em fábrica na Argentina

04/10/2017

A Dow acaba de anunciar investimentos de mais de US$ 200 milhões destinados a otimizar o desempenho de sua unidade petroquímica localizada em Ingeniero White (província de Buenos Aires).

O montante será investido nos próximos dois anos para aumentar a confiabilidade das instalações produtivas de etileno e polietileno. O polietileno é amplamente utilizado pela indústria local na fabricação de embalagens rígidas e flexíveis para setores de bens de consumo diversos, entre os quais embalagens para alimentos, produtos de saúde e higiene, tubos e filmes industriais e agrícolas.

Entre as ações anunciadas também estão projetos de modernização e expansão de algumas unidades operacionais, além da execução de trabalhos corretivos e preventivos em maquinas de grande porte, reforma e otimização de equipamentos existentes e implantação de novas tecnologias para se alcançar melhorias significativas na produção.

Além dos trabalhos de manutenção, serão implantados aperfeiçoamentos tecnológicos que permitirão um melhor desempenho em termos de meio ambiente e segurança, em conformidade com padrões globais e alinhados às necessidades da companhia e objetivos de desenvolvimento em longo prazo.

Com esses projetos, as unidades passarão a operar com eficiência máxima, o que é necessário para dar continuidade ao processo de captação de investimentos futuros para ampliar a capacidade do complexo.

A decisão da Dow trará impactos significativos para o complexo de Bahía Blanca (foto) durante a execução dos projetos. Estima-se que, durante a fase de pico, mais de 1000 pessoas participarão dos trabalhos por meio de empresas contratadas para a prestação de serviços, a maioria das quais são negócios de pequeno e médio porte localizados em Bahía Blanca e no seu entorno. Além disso, outras atividades serão executadas por companhias petroquímicas cujas operações são integradas com as da Dow. Tudo isso aumentará os investimentos no complexo e a geração de empregos na região.

Dada a demanda por mão de obra qualificada, a Dow coordenará um plano integrado e oferecerá treinamento para trabalhadores em conjunto com associações do setor e sindicatos. Esse trabalho será coordenado em conjunto com o Ministério do Trabalho e Desenvolvimento Social nos âmbitos nacional e local.

A Dow Embalagens & Plásticos de Especialidade é uma unidade de negócio da DowDuPont Ciência dos Materiais e enfoca os segmentos de alto crescimento nos mercados de embalagens flexíveis e rígidas para alimentos, embalagens secundárias e terciárias, higiene pessoal e produtos médicos, e aplicações adesivas. A Dow Embalagens & Plásticos de Especialidade é a maior produtora de polietileno no mundo.

A DowDuPont Ciência dos Materiais é uma divisão da empresa DowDuPont, recém constituída pela fusão da Dow e da DuPont. O portfólio de materiais avançados, intermediários industriais e plásticos da Divisão de Ciência dos Materiais da DowDuPont oferece uma variedade de produtos e soluções de base tecnológica a clientes em mercados de alto crescimento, como embalagens, infraestrutura e cuidados do consumidor. A DowDuPont pretende separar a Divisão de Ciência dos Materiais em uma empresa independente e de capital aberto.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Dow lança plataforma digital com conteúdo sobre poliuretanos

15/09/2017

Canal da empresa terá informações específicas, tecnologias e inovações para os setores calçadista, de colchões, construção civil e cadeia do frio

A Dow acaba de lançar nova plataforma de conteúdo online (foto) para apresentar suas soluções de poliuretanos e reunir informações sobre tendências e mercados que utilizam o material para seus produtos, em especial os setores moveleiro, calçadista, construção civil e refrigeração. A Mundo PU.com tem como objetivo ser um ponto confiável de informações para clientes, profissionais dos setores-foco, academia e estudantes.

Haverá informações segmentadas, principalmente, sobre as três áreas de negócio: ComfortScience, que engloba produtos que proporcionam mais conforto e comodidade ao consumidor final; DurableScience, com tecnologias de mais durabilidade, resistência e produtividade para mercados diversos; e InsulationScience, que traz maior eficiência energética a diversas indústrias. Também haverá conteúdo sobre as outras áreas que compõem o portfólio, como PO&PG e mercado automotivo, além de novidades sobre ações da Dow em poliuretanos na América Latina.

As reportagens do canal apresentarão tendências, inovações, negócios, soluções e prestação de serviço relacionados ao amplo universo de uso do poliuretano. Para isso, utilizará recursos como infográficos, vídeos, cases, demonstrações interativas e webinars. “A nova Mundo PU possibilitará uma exibição superior e mais dinâmica dos assuntos relevantes ao nosso negócio, oferecendo melhor navegação e exposição dos conteúdos”, afirma Marcelo Fiszner, diretor de Marketing para Poliuretanos da Dow na América Latina.

Com a nova plataforma, a companhia deseja reforçar sua expertise, elevar seu nível de serviço e participação no mercado, além de fidelizar o cliente.

Webinars técnicos

O canal também terá webinars com os especialistas da Dow sobre temas atuais e desafios de mercado. O primeiro deles, que está disponível para visualização, trata sobre proteção da camada de ozônio e o papel da indústria de poliuretanos nesse contexto. O próximo acontecerá em outubro e abordará o mercado de revestimentos, apresentando os novos produtos que serão promovidos no Congresso Internacional de Tintas da ABRAFATI 2017. Para participar, basta acessar a plataforma Mundo PU e se inscrever.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Fusão entre a Dow e a Du Pont é concluída e ações da nova holding DowDuPont começam a ser negociadas na Bolsa de Nova Iorque

01/09/2017

  • A companhia agora avança rumo à separação pretendida que dará origem a empresas líderes nos mercados de Agricultura, Ciência dos Materiais e Produtos Especializados;
  • As separações estão previstas para ocorrer em até 18 meses.

A DowDuPont™ concluiu com sucesso a fusão de iguais entre The Dow Chemical Company (“Dow”) e E.I. du Pont de Nemours & Company (“DuPont”), efetiva em 31 de agosto de 2017. A entidade combinada está operando como uma holding sob o nome “DowDuPont” e com três divisões: Agricultura, Ciência dos Materiais e Produtos Especializados.

As ações da DuPont e da Dow tiveram suas negociações encerradas na Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE) no dia 31 de agosto de 2017. A partir de hoje, a DowDuPont começará a negociar na NYSE sob o símbolo “DWDP”. Em linha com os termos estabelecidos no acordo de fusão, os acionistas da Dow receberam uma taxa de troca fixa de 1.00 de ação da DowDuPont por cada ação da Dow e os acionistas da DuPont receberam uma taxa fixa de troca de 1.282 ações da DowDuPont por cada ação da DuPont.

“Este dia representa um importante marco na história das duas companhias”, disse Andrew Liveris, Presidente Executivo da DowDuPont. “Estamos muito felizes por concluir essa fusão e avançar rumo à criação de três empresas independentes e líderes em seus mercados de atuação. Embora o patrimônio e a força conjunta das duas empresas sejam impressionantes, o verdadeiro valor dessa fusão reside na pretendida criação de três empresas poderosas que influenciarão mercados e impulsionarão o crescimento para o benefício de todos os seus públicos. Nossas equipes estão trabalhando há mais de um ano no plano de integração e, a partir de hoje, iniciaremos a execução desses planos com a intenção de completar as separações o mais rápido possível.”

“Para os acionistas, clientes e funcionários, a conclusão dessa fusão representa um passo definitivo rumo à geração de mais valor e maiores oportunidades por meio de um futuro construído em crescimento sustentável e inovação”, comenta Ed Breen, CEO da DowDuPont. “A DowDuPont é uma plataforma para o lançamento das três empresas pretendidas e fortes, que estarão muito bem posicionadas para investir em Ciência e Inovação, ajudar nossos clientes na solução de importantes desafios e gerar retornos de longo prazo para os nossos acionistas. Com a conclusão da fusão, nosso foco está em finalizar as estruturas organizacionais que serão os alicerces das três empresas pretendidas e capturar as sinergias para gerar valor. Com objetivos claros, visibilidade no mercado e uma estrutura de Pesquisa & Desenvolvimento mais produtiva, cada empresa pretendida estará preparada para competir com sucesso como uma líder de mercado”.

Conselho e Governança

O Conselho de Administração da DowDuPont é formado por 16 membros: oito são ex-diretores do Conselho da DuPont e os demais são diretores que fizeram parte do Conselho da Dow. Há dois diretores principais: Jeffrey Fettig, que atuou como o principal diretor independente da Dow, e Alexander Cutler, ex-diretor independente da DuPont. Andrew Liveris é o presidente do Conselho de Administração e Ed Breen também atua no Conselho. Abaixo, a relação dos demais membros do Conselho de Administração:

Dow:
o James A. Bell, ex-Chief Financial Officer da Boeing
o Raymond J. Milchovich, ex-presidente e CEO da Foster Wheeler AG
o Paul Polman, CEO da Unilever PLC e Unilever N.V.
o Dennis H. Reilley, Presidente executivo da Marathon Oil Corp.
o James M. Ringler, Presidente da Teradata Corporation
o Ruth G. Shaw, ex-executivo da Public Policy e Presidente da Duke Nuclear

DuPont:
o Lamberto Andreotti, ex-Presidente do Conselho e CEO da Bristol-Myers Squibb Company
o Robert A. Brown, Presidente da Boston University
o Marilly A. Hewson, Presidente e Chefe Executivo da Lockheed Martin Corporation
o Lois D. Juliber, Vice-Presidente e Chief Operating Officer da Colgate-Palmolive Company
o Lee M. Thomas, Ex-Presidente e CEO da Rayonier Inc.
o Patrick J. Ward, Chief Financial Officer da Cummins, Inc.

Três comitês consultivos foram estabelecidos pelo Conselho de Administração da DowDuPont para supervisionar o estabelecimento das divisões de Agricultura, Ciência dos Materiais e Produtos Especializados em preparação para a separação pretendida. Além disso, cada Comitê Consultivo desenvolverá uma estrutura de capital em linha com os princípios estabelecidos em nosso Estatuto Social e designará o futuro CEO e o time de liderança de cada empresa pretendida.

Executivos da DowDuPont:

Como já anunciado, DowDuPont será liderada por uma equipe que reflete os pontos fortes e as capacidades de ambas as empresas. Junto com Liveris e Breen, estarão os seguintes executivos:
o Howard Ungerleider, Chief Financial Officer (CFO)
o Stacy Fox, Conselheira Geral e Corporate Secretary
o Charles J. Kalil, Conselheiro Especial da Presidência e Conselheiro Geral para a Divisão de Ciência dos Materiais
o James C. Collins, Jr., Chief Operating Officer da Divisão Agrícola
o Jim Fitterling, Chief Operating Officer da Divisão de Ciência dos Materiais
o Marc Doyle, Chief Operating Officer da Divisão de Produtos Especializados

Gerando Valor para os Acionistas

Por meio da fusão de portfólios altamente complementares da Dow e DuPont e, subsequentemente, com a criação das pretendidas empresas líderes, DowDuPont espera maximizar valor para os seus acionistas.

A DowDuPont afirma que os acionistas serão beneficiados com um perfil de investimento mais forte e focado de cada empresa pretendida e substanciais sinergias de custos, bem como do crescimento a longo prazo e criação de valor sustentável após as separações pretendidas em três empresas. Espera-se que a transação resulte em sinergias de custo de aproximadamente US$ 3 bilhões e potencial de atingir US$ 1 bilhão em sinergias de crescimento. A empresa espera alcançar uma taxa de execução de 100% nas sinergias de custo nos primeiros 24 meses após a conclusão da fusão.

Caminhos para a Separação

Os líderes e as equipes de integração da Dow e DuPont estão desenvolvendo os futuros modelos operacionais e a estrutura organizacional que apoiarão a estratégia de cada empresa pretendida. Assim que cada divisão estabelecer seus próprios processos, pessoas, ativos, sistemas e licenças para operar de forma independente, a DowDuPont pretende separar as divisões de forma que as mesmas passem a operar com suas próprias entidades legais, sujeito à aprovação do Conselho de Administração e de outras aprovações regulatórias. Espera-se que as separações pretendidas ocorram dentro de 18 meses.

Espera-se que as empresas pretendidas contemplem:

  • Uma Empresa Líder em Agricultura que reunirá os pontos fortes da DuPont Pioneer, DuPont Proteção de Cultivos e Dow AgroSciences para melhor servir aos produtores rurais em todo o mundo, com um portfólio superior de soluções, maior opção de escolhas e preços competitivos por valor. As capacidades combinadas e o mecanismo de inovação altamente produtivo permitirão que a pretendida empresa agrícola traga um conjunto ainda mais amplo de produtos para o mercado de forma mais rápida, podendo ser uma parceira ainda melhor para agricultores, entregando inovação e ajudando-os a aumentar a produtividade e rentabilidade. A pretendida empresa agrícola estará sediada em Wilmington (Delaware, EUA), com centros de negócios globais em Johnston (Iowa, EUA) e Indianápolis (Indiana, EUA).
  • Uma Empresa Líder em Ciência dos Materiais, que será denominada Dow e consistirá nos negócios que compõem os seguintes segmentos atuais da Dow: Plásticos de Performance, Materiais de Performance & Químicos, Soluções em Infraestrutura e Soluções de Consumo (Consumer Care e Dow Automotive Systems. Dow Electronic Materials fará parte da empresa de Produtos Especializados), assim como o atual negócio de Materiais de Performance da DuPont. A pretendida empresa de Ciência dos Materiais oferecerá o portfólio mais forte em químicos e polímeros da indústria, com escala e capacidades competitivas para permitir o desenvolvimento de soluções diferenciadas para clientes e mercados de elevado crescimento, como os de embalagem, transporte, infraestrutura e cuidados do consumidor. A pretendida empresa de Ciência dos Materiais terá a sua sede em Midland (Michigan, EUA).
  • Uma empresa líder em Produtos Especializados que será formada por negócios fortes e líderes de mercado, incluindo a DuPont Soluções em Proteção, Soluções Sustentáveis, Biociências Industriais e Nutrição & Saúde; que vai incorporar o negócio de Health & Nutrition da FMC que está pendente apenas da conclusão da transação. A empresa também será formada pelo negócio de Tecnologias em Eletrônicos, que combina a DuPont Eletrônicos & Comunicação com a Dow Electronic Materials. A empresa pretendida de Produtos Especializados será uma líder em inovação composta por empresas especializadas em tecnologia com produtos diferenciados e soluções que transformam indústrias e a vida das pessoas. A pretendida empresa terá sede em Wilmington (Delaware, EUA).

Como já anunciado, a Diretoria da DowDuPont está conduzindo uma revisão detalhada do portfólio para avaliar a realidade dos atuais negócios e alavancar conhecimento adquirido ao longo do último ano e meio para identificar oportunidades de valor agregado em preparação para a criação das pretendidas empresas líderes do setor.

Klein and Company, Lazard e Morgan Stanley & Co. LLC têm sido os conselheiros financeiros da Dow para a transação, tendo Weil, Gotshal & Manges LLP como conselheiros jurídicos.

Evercore e a Goldman, Sachs & Co. têm sido os conselheiros financeiros da DuPont para esta transação, tendo Skadden, Arps, Slate, Meagher & Flom LLP como os conselheiros jurídicos.

Sobre a DowDuPont

DowDuPont (NYSE: DWDP) é uma holding composta pela The Dow Chemical Company e pela DuPont com a intenção de formar empresas fortes, independentes e de capital aberto nos mercados de Agricultura, Ciência dos Materiais e Produtos Especializados, liderando suas respectivas indústrias por meio da produtividade, tendo a ciência como base para o desenvolvimento de inovações que atendam as demandas dos clientes e que ajudem a resolver os desafios globais.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Novo adesivo concentrado da Dow para laminação permite redução do uso de energia

27/07/2017

A Dow acaba de lançar seu mais recente adesivo para laminação Adcote™ L805 A/C (High Solids). Segundo a empresa, ele é um adesivo base solvente de alto desempenho e com alto conteúdo de sólidos, que possibilita aumentar a produtividade e a eficiência e, ao mesmo, tempo reduzir o consumo de energia, trazendo menor custo como resultado final. O adesivo é ideal na produção de embalagens que necessitam de alta resistência térmica, tais como alimentos envasados a quente à base de tomate e maioneses, ou alta resistência química, como cloro e outros produtos de limpeza, afirma a Dow. Além disso, ele é livre de BPA (Bisfenol A) e provado pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA, além de cumprir a regulação europeia.

De acordo com a empresa, esses benefícios são possíveis devido ao seu alto conteúdo de sólidos, que reduz a quantidade de solvente em sua formulação em relação aos produtos existentes no mercado. A Dow asssegura que o Adcote™ L 805 A/C possibilita uma formulação com 15% a 20% menos solvente na composição do adesivo. Segundo o fabricante, outros benefícios proporcionados pelo alto conteúdo de sólidos são:

  • Aumento na velocidade de aplicação, que pode superar 350 m/min;
  • Aumento da produtividade na máquina, pois contém menos solvente para secar;
  • Uma das melhores resistências térmicas e químicas do mercado;
  • Redução do consumo de energia;
  • Menor emissão de Compostos Orgânicos Voláteis (VOC);
  • Mais competitivo economicamente.

“Estamos oferecendo um produto mais concentrado e com alto teor de sólidos, o que ajuda a tornar o processo de produção da embalagem mais sustentável do ponto de vista ambiental, social e econômico, pois reduz a emissão de compostos orgânicos voláteis, garante a segurança da embalagem de produtos agressivos ou envasados a quente e é mais econômico em função da maior produtividade no processo de laminação”, afirma Yasmin Gomez, gerente de Marketing de Adesivos para Embalagens na América Latina.

Segundo a Dow, estudos e testes realizados pela empresas mostram que em uma embalagem de café cujo desafio era manter as cores e brilho numa alta velocidade e com grande quantidade de tinta, o Adcote™ 805 A/C trouxe resultados significativos: a velocidade de laminação atingida aumentou de 90m/min para 350m/min e a temperatura de secagem que era entre 85°C e 95°C foi reduzida para 75°C a 85°C.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Programa Incubapack apresenta novo portfolio de embalagens flexíveis na Fispal Tecnologia 2017

28/06/2017

  • O programa oferece uma solução completa em embalagens flexíveis e empacotamento, incluindo a formatação, design, impressão e envase do produto;
  • Está trazendo agora novos formatos que ajudam a destacar os produtos no ponto de venda

A IncubaPack, programa que facilita a adoção de embalagens flexíveis para pequenas e médias empresas que buscam diferenciação no mercado, apresenta dois novos formatos de embalagens durante a Fispal Tecnologia – Feira Internacional de Tecnologia para a Indústria de Alimentos e Bebidas, realizada entre os dias 27 a 30 de junho, em São Paulo.

Além da embalagem termoformada, já consolidada, os donos de marca poderão encontrar no portfólio de soluções outros dois modelos de embalagem: o Stand Up Pouch, opção mais atraente, conveniente e favorável ao varejo, pois pode ser estocada e armazenada em pé e o PacXpert™, uma alternativa de emnbalagem inovadora e premiada mundialmente devido ao seu formato de cubo, o qual lhe dá estabilidade nas prateleiras e pode mantê-la em pé, independentemente da maneira como for posicionada. Seu fecho móvel e as duas alças ergonômicas integradas possibilitam maior precisão no derramamento do produto, facilidade de abertura e fechamento, e conveniência no transporte, segundo a Incubapack.

A Incubapack é uma parceria entre a Dow e Saberpack. Após um ano de lançamento do projeto e boa aceitação, especialmente no segmento de alimentos saudáveis, o programa oferece uma solução completa para embalagens flexíveis, desde a formatação da embalagem, design, impressão e envase do produto – tudo em um só lugar. “Além das PMEs, a Incubapack é ideal tanto para empresas que não possuem unidades fabris ou que não sabem que tipo de embalagem utilizar, como aquelas que desejam inovar na embalagem, lançar e testar novos produtos, sejam elas de pequeno, médio ou grande porte. Já alcançamos êxito ao trabalhar com marcas como a Snack Organic e a Empório Tartufi, no desenvolvimento de embalagens para bananas liofilizadas e funghi seco”, conta Cesar Saber, sócio da Saberpack.

O programa parte da constatação de que as embalagens são uma importante ferramenta de marketing, mas nem sempre são de fácil acesso, em função das barreiras de escala. Além disso, embalagens com um design diferenciado ajudam a promover o produto e aprimoram a comunicação com o consumidor. “A iniciativa traz uma oportunidade de negócios única, ao facilitar seu acesso a embalagens flexíveis inovadoras que se destaquem no ponto de venda”, explica Marcus Vinícius Carvalho, gerente de marketing do Brasil para o segmento de embalagens e especialidades plásticas da Dow. “A iniciativa simplifica etapas e acelera o time-to-market, uma vez que produtos saem prontos para serem comercializados”, completa o executivo.

As novas tecnologias disponibilizadas por meio da Incubapack também atendem às mudanças nos hábitos de consumo da população. Entre as tendências estão a demanda por maior conveniência e funcionalidade, como embalagens “abre fácil”, porcionamento e apresentações adequadas aos diversos momentos de consumo. Além disso, as tecnologias reduzem custos ao mesmo tempo em que mantém ou incrementam a qualidade das embalagens. A sustentabilidade é levada em conta ao permitir maior vida útil dos produtos (com uso de barreiras de oxigênio, quando necessário) e uso completo do conteúdo dos recipientes, evitando o desperdício.

Sobre a SaberPack: A Saberpack atua em diversos setores da indústria alimentícia, oferecendo filmes e bandejas plásticas, além de equipamentos. Para atender à atual demanda do mercado, a Saberpack utiliza sua expertise para oferecer o serviço de terceirização “Co-Packer” para indústrias que precisam viabilizar suas necessidades de produção de envase e dosagem, selagem de bandejas, potes e pouches, blister e encaixotamento.

Sobre a Dow: A Dow tem um portfólio integrado nas áreas de Especialidades Químicas, Materiais Avançados, Ciências Agrícolas e Plásticos e oferece uma ampla variedade de soluções e produtos baseados em tecnologia para aproximadamente 180 países e em setores de grande crescimento, como embalagens, eletrônicos, água, revestimentos e agricultura. Em 2015, a Dow teve vendas anuais de mais de US$ 49 bilhões e empregou aproximadamente 49,500 funcionários em todo o mundo. Os mais de 6.000 produtos da Companhia são produzidos em 179 unidades fabris em 35 países ao redor do mundo.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Dow apresentará soluções para embalagens flexíveis durante Circuito de Palestras na Fispal 2017

27/06/2017

Empresa apresenta seu portfólio de soluções para lidar com os principais desafios relacionados às embalagens, como produtividade, usabilidade e sustentabilidade

Quando se trata de embalagens para atender aos novos hábitos de consumo da população, os donos de marca têm buscado soluções inovadoras que atendam às necessidades e expectativas de seus clientes. Para auxiliar as empresas de bens de consumo embalados nessa jornada, a Dow trará para a FISPAL Tecnologia (27 a 30 de junho) sua expertise em embalagens flexíveis de alto desempenho.

Durante o Circuito ABRE de Palestras, patrocinado pela Dow, a empresa apresentará todos os dias do evento, a partir das 16h20, as “Receitas Dow para o sucesso de Embalagens Flexíveis” nas quais especialistas da companhia falarão sobre as mais recentes tecnologias e soluções desenvolvidas para superar os principais desafios relacionados às embalagens, como produtividade, usabilidade e sustentabilidade.

Entre elas estão o Dowlex™GM e o Innate™, famílias de resinas de última geração que podem ser utilizadas de forma combinada ou independente para garantir a melhor embalagem para cada segmento, afirma a Dow. Para sacarias industriais, por exemplo, essas resinas possibilitam um filme 10% mais fino e 60% mais resistente à rasgos, assegura a empresa. Já os stand up pouches, desde os tradicionais até os 100% recicláveis, permitem hermeticidade e aumento da produtividade e da capacidade da embalagem, podendo suportar até 14 kg, segundo a fabricante de matérias-primas. Essas características contribuem ainda para otimizar as operações logísticas, aumentar a vida útil do produto e reduzir o desperdício.

“Nosso objetivo é levar conhecimento a cadeia de valor da embalagem flexível para que esta possa atrair um maior engajamento dos consumidores com seus produtos”, explica Marcus Vinícius Carvalho, gerente de marketing do Brasil para o segmento de embalagens e especialidades plásticas da Dow. “Trabalhamos de forma colaborativa com toda a cadeia para que os nossos clientes possam oferecer embalagens de alto desempenho para diferentes aplicações, garantindo maior produtividade e redução do desperdício, e uma melhor experiência do cliente com a marca”, completa.

Uma das iniciativas da Dow que fomentam o desenvolvimento colaborativo é o Pack Studios, rede global de especialistas, laboratórios e equipamentos de teste criada para atender às demandas atuais e futuras da indústria de embalagens por meio da cocriação entre a Dow, transformadores e donos de marca. Nesse ambiente, o aprimoramento das embalagens com base nas necessidades do mercado é a diretriz principal na busca contínua por melhores soluções. “Ao disponibilizar ferramentas para aumentar a colaboração em toda a cadeia de valor aceleramos o processo de desenvolvimento de tecnologias para levar novas embalagens mais rapidamente ao mercado”, diz Carvalho.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Dow recebe prêmio da Moto Honda

15/06/2017

A Moto Honda elegeu a Dow como uma das suas melhores fornecedoras do ano de 2016. A indústria química foi reconhecida na categoria “Excelência em Qualidade e Entrega” como uma das parceiras que mais se destacaram no cumprimento da prestação de serviços, contribuindo para o alcance das metas anuais e bons resultados da Moto Honda.

A parceria entre Dow e a líder de mercado Moto Honda já dura mais de 20 anos. A Dow fornece sistemas de poliuretanos para os bancos, que são 100% produzidos no Brasil.

“Estamos muito contentes com esse prêmio, que fortalece a relação entre a Dow e a Moto Honda e reforça a nossa credibilidade como fornecedor para esse mercado”, afirma Denys Datti, diretor do negócio de Poliuretanos da Dow Brasil. “A Dow atua de forma muito comprometida com seus clientes e desenvolve soluções personalizadas para ajudá-los a alcançar seus objetivos de negócios. Por contar com laboratório de pesquisas e equipes de suporte técnico nacionais, a companhia garante fornecimento contínuo do material e oferece assistência técnica local com agilidade.”

A Dow é uma das empresas líderes no fornecimento de elastômeros, fluídos, adesivos e materiais de isolamento acústico e interiores para a indústria automotiva mundial. Oferece soluções e tecnologias para melhorar a performance, conforto e segurança nos veículos para as montadoras, além do mercado de reposição e manutenção.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Dow inaugura seu maior terminal logístico para polietileno na América Latina fora de suas unidades

31/05/2017

  • Com incremento de 60% na capacidade de armazenagem em polietileno no Brasil, o empreendimento está localizado em Itajaí (SC) e dará suporte ao aumento de volume produzido na Costa do Golfo dos Estados Unidos
  • Projeto irá gerar empregos e receita para a região e foi desenvolvido em parceria com a Log-In, que será o operador logístico.

A Dow colocou em operação seu maior terminal logístico para polietileno na América Latina fora de suas unidades produtivas. Localizado em Itajaí (SC), trará incremento de 60% na capacidade de armazenagem da empresa para polietileno e produtos das áreas de especialidades plásticas. Este aumento de capacidade dará suporte à maior produção de polietileno proveniente das novas unidades de produção da Dow na Costa do Golfo dos Estados Unidos e que deverá ser embarcada para a América Latina.

Um aspecto importante do projeto é a eliminação da capacidade ociosa, uma vez que os produtos são estocados diretamente em contêineres. A operação logística do terminal está a cargo da Log-In, empresa de soluções em logística porta a porta, e a expectativa é que o novo projeto logístico gere 55 empregos, além de receita para a região de Itajaí.

“Esse projeto marca a segunda etapa de ações que a Dow tem desenvolvido desde 2011 para aprimorar sua eficiência logística no Brasil, trazendo benefícios para toda a cadeia”, afirma Leonardo Feltrinelli, diretor de Supply Chain da Dow América Latina. ”Esse terminal logístico está alinhado à estratégia de crescimento da área de Embalagens e Plásticos de Especialidades da Dow, armazenando produtos vindos, principalmente, de unidades na Argentina e Estados Unidos”.

O desenho do projeto do novo terminal logístico começou em 2015, quando foram definidas as estratégias para o volume adicional de polietileno. Como parte desta produção adicional seria enviada ao Brasil, houve a necessidade de adequação da cadeia logística da companhia para absorver e gerenciar todo o volume envolvido. Diante deste cenário, a Dow optou pela transferência do terminal existente em São Francisco do Sul, também em Santa Catarina, para o novo local em Itajaí, que passaria a ter capacidade de absorver a crescente demanda.

O terminal logístico, desenvolvido pela Log-In, possui 44 mil m2 de área total (sendo 5,2 mil m2 apenas para cross docking) e oferece ferramentas planejadas para o projeto da Dow, como empilhadeiras de até 41 toneladas de capacidade, porta paletes, sistema inteligente de rastreamento e circuito interno de TV para monitoramento. De acordo com João Correia, gerente de Operação de Terminais da Log-In, o empreendimento demonstra a capacidade da empresa em fornecer soluções logísticas customizadas de acordo com as necessidades dos clientes. “O projeto foi desenvolvido para proporcionar um acréscimo de 23% em ganhos de produção operacional, levando em consideração o aumento de demanda previsto pela Dow”, afirma Correia.

Atualmente, grande parte do volume da Dow destinado ao Brasil chega ao país pelos portos de Itajaí, Navegantes e Itapoá, todos em Santa Catarina. A Dow iniciou a operação em Santa Catarina em 2001 e, durante estes anos, desenvolveu parceria com fornecedores e, assim, manteve a operação na região e numa localização próxima ao terminal que garante segurança na retirada dos produtos dos portos, na sua distribuição e entrega aos clientes.

A partir da mudança para Itajaí, a capacidade de carregamento passará de 85 para 110 veículos em 15 horas. “Por se tratar de uma área industrial, há possibilidade da Log-In operar em uma escala noturna, o que pode tornar ainda maior nossa capacidade de expedição no terminal”, destaca o gerente da Log-In.

A mudança de São Francisco do Sul para Itajaí também impactará positivamente na otimização operacional e nas metas de sustentabilidade da empresa. Com o novo projeto, o acesso ao porto de Navegantes pela Dow terá uma redução de 76km no trajeto percorrido – dos 80 km atuais para apenas 10km. “Essa redução de 87% no trajeto percorrido entre o porto e nosso terminal trará importantes benefícios à operação como otimização nos tempos de operação impactados diretamente pela distância e a redução de perdas por excesso de manuseio das cargas”, afirma Alexandre Magno, gerente de Logística para Embalagens e Plásticos de Especialidades no Brasil. “Outro aspecto importante é a diminuição significativa nas emissões de CO2 na atmosfera, já que estão diretamente conectadas à distância que é percorrida pela movimentação da carga. Esta nova operação será mais um avanço em relação aos já conquistados pela companhia em projetos anteriores de aprimoramento logístico”.

Em 2011, a Dow foi pioneira na adição de uma camada extra de sacos em cada pallet de polietileno em cada contêiner, o que ampliou sua capacidade de transporte em quase 10%. Além dessa mudança, a empresa também passou a armazenar os produtos diretamente nos contêineres, trazendo como benefício a redução de 10% na movimentação de carga, na época.

Além de Santa Catarina, a Dow possui um segundo terminal logístico em Juiz de Fora (MG), com capacidade de 15 mil toneladas e abastecido a partir do porto do Rio de Janeiro, que possui os mesmos critérios de otimização operacional de Santa Catarina.

Fonte: Dow

Curta nossa página no

Prêmio da Dow promove o papel da embalagem no combate ao desperdício de alimentos

12/05/2017

Diamond Award é iniciativa pioneira da Dow para incentivar projetos de embalagem que combatam o desperdício e levem inovação à indústria de plásticos na América Latina

A Dow anunciou os vencedores do Diamond Award, prêmio concebido pela Área de Embalagens para Alimentos e Plásticos de Especialidades da companhia. O objetivo é reconhecer os melhores projetos desenvolvidos pelos clientes da Dow que tenham como propósito a redução do desperdício de alimentos, um dos principais desafios globais. Segundo a FAO, um terço dos alimentos (1,3 bilhão de toneladas) produzidos para consumo humano é perdido ou desperdiçado em todo o mundo anualmente.

Esta iniciativa está alinhada às metas de sustentabilidade globais da empresa e também às diretrizes de negócios da Dow para a América Latina, que busca gerar valor econômico ao lidar com os principais desafios sociais e ambientais da região. Os cases participantes no Diamond Award tiveram como desafio propor soluções para embalagens que incentivem a indústria a implementar alternativas e inovações para tópicos como tamanhos mais apropriados para cada ocasião de consumo; aumento do tempo de vida útil antes e após a abertura; melhores soluções de dosagem; possibilidade de utilização integral do produto – sem excedentes ou perdas – e redução nos danos causados durante o transporte, por meio de soluções de unitização.

Para Paloma Alonso, vice-presidente Comercial para Embalagens e Plásticos de Especialidades da Dow, “a premiação é importante para fomentar iniciativas inovadoras e sustentáveis para embalagens, ao mesmo tempo em que estimulam a colaboração em toda a cadeia de valor”.

Os três projetos vencedores, em ordem alfabética, são:

ABA, companhia mexicana, foi contemplada com o case de embalagem de alta barreira 100% reciclável. Destinado a embalagens para hambúrgueres, a embalagem possui alta barreira contra a transmissão de oxigênio, gases e humidade, evitando a criação de micro-organismos que deterioram os alimentos e, consequentemente, conservando-os por mais tempo, reduzindo perdas e desperdício. A embalagem desenvolvida pela ABA prolonga a vida dos hambúrgueres para até seis meses e além de cumprir sua função de proteger o alimento, a mesma embalagem pode ser reciclada para a fabricação de novos produtos.

Bemis, empresa norte-americana de embalagens, que atende aos mercados de alimentos, bebidas, cosméticos, farmacêuticos, higiene pessoal, limpeza doméstica, médico-hospitalares e pet food com embalagens flexíveis, rígidas, cartonadas, tubos laminados e rótulos. Por meio da sua filial brasileira, foi premiada com o case “Soltíssimo” para frios fatiados. Trata-se de uma embalagem termoformada selada hermeticamente, com filme de alta barreira que garante a integridade do produto, e tem tecnologia “abre-e-fecha”, que oferece tempo de prateleira bem superior às embalagens existentes no mercado.

Plastiandino, empresa argentina de embalagens, foi reconhecida pelo projeto “RationFilm”. Solução proposta para cortes de carnes, traz uma forma simples de porcionar as unidades de acordo com os diferentes perfis de consumo. As principais vantagens são: possibilidade de porções individuais, maior vida útil em função de melhores condições de armazenamento, visão 360º do produto para que o consumidor veja a qualidade do corte que está comprando, reciclabilidade, estética, redução de custos para o consumidor e possibilidade de exportação.

A comissão julgadora foi formada por Veronica Ramos e Mario Tonelli da Ecoplas (Argentina), Professor Fábio Mestriner, Dr. Carlos Garay, ex-presidente da Acoplasticos (Colômbia), Juan Antonio Hernández León da Anipac (Mexico), além de um corpo de especialistas em sustentabilidade, tecnologia e comunicações da Dow América Latina.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

​Mercado de fraldas para adultos cresce e demanda inovação

02/05/2017

*Por Michel Brunetto (líder de aplicação tecnológica da área de Higiene e Saúde da Dow para América Latina)

O mercado de higiênicos cresce em todo o mundo e na América Latina o Brasil é o país que mais se destaca. Dados do Euromonitor mostram que somos o terceiro mercado mundial, com vendas que representam 4,3% do volume total, e o segundo em crescimento, ficando atrás apenas da China. Este avanço é, em boa parte, resultado do crescente envelhecimento da população. Analisando especificamente o mercado de fraldas para adultos, a perspectiva é de crescimento contínuo em função do aumento da expectativa de vida da população e de maior atividade das pessoas com mais de 65 anos, muito além das gerações anteriores.

As tendências para esse mercado adulto estão em linha com as necessidades gerais do mercado de higiênicos: eficiente barreira à líquidos, suavidade, elasticidade, espessura reduzida e baixo ruído. Boa parte destas características são conferidas pelos filmes plásticos e não-tecidos com que são confeccionadas as fraldas. Esse conjunto possibilita maior qualidade de vida para os adultos que possuem incontinência urinária – cerca de 20% da população idosa – e que precisam de fraldas confortáveis, confiáveis e o mais discretas possíveis, para que possam desenvolver todas as suas atividades sem que as fraldas sejam percebidas.

Nas fraldas geriátricas, cada um destes materiais possui características específicas:

  • Não tecidos: podem ser bicomponentes – compostos por polietileno e polipropileno – ou monocomponentes de polietileno, fornecendo suavidade e sensações não antes alcançáveis com não tecidos 100% polipropileno;
  • Filmes e laminados (união de filme com não tecido): proporcionam backsheets cada vez mais finos, com excelentes processabilidades e alta barreira à liquido. Demandam menor consumo de matérias-primas e conferem reduzida espessura aos produtos finais, ao melhorar a performance e a maleabilidade, além de diminuir o ruído durante o uso do produto.
  • Filmes elásticos e não tecidos extensíveis: proporcionam mais conforto e confiabilidade ao produto, uma vez que se ajustam melhor ao corpo.

Entre os principais atributos exigidos, a suavidade é uma das tendências mais duradouras em produtos higiênicos. A maturidade dos consumidores desses produtos lhes permite perceber as diferenças e buscar por produtos mais macios. Entretanto, a suavidade é um conceito subjetivo e pode ser interpretada de diferentes formas de pessoa para pessoa. Pode ser medida pelo caimento e maleabilidade, pelo “toque de seda” ou “toque de algodão”, ou pela sensação de “fofura”. Desta maneira, os investimentos em pesquisa e desenvolvimento tornaram possível produzir fraldas com melhores características, usando as matérias-primas mais adequadas para atingir o diferencial desejado.

Já o conforto está intimamente relacionado à elasticidade e maleabilidade. Afinal, a função primeira da fralda é absorver e reter, e quanto melhor ajustada ao corpo ela estiver, menor o risco de vazamentos e maior o conforto para o usuário. Além disso, uma melhor maleabilidade e reduzida espessura dos filmes também são essenciais para o público adulto, pois evitam barulho durante a movimentação, o que poderia gerar constrangimentos para o usuário.

Para reunir todas essas características os donos de marca precisam de produtos desenvolvidos a partir de resinas elaboradas para otimizar cada uma dessas aplicações.

Nesse mercado promissor, a concorrência também é acirrada e é preciso estar preparado.  No Brasil, as fraldas para adultos continuam a ganhar mercado e a expectativa é de crescimento anual de 8% até 2020. Além disso, os produtos de incontinência leve registraram a taxa de crescimento mais rápida em 2015, com um aumento de 21% no valor das vendas. A incontinência ainda é um forte tabu e, assim, há espaço para produtos que são menos visíveis sob roupas e voltados para usuários mais ativos com problemas pequenos ou moderados de incontinência. Ou seja, há um grande mercado para conquistar e, nesta jornada, os melhores produtos, feitos com materiais de alta tecnologia, têm mais chances de se destacar e ganhar a preferência dos consumidores.

Curta nossa página no

Dow apresentou inovações para o mercado de embalagens e especialidades plásticas durante a Feiplastic 2017

19/04/2017

As novas famílias de resinas da empresa permitem a produção de embalagens e filmes de alto desempenho atendendo à demanda crescente do mercado por maior eficiência

A Dow apresentou na Feiplastic 2017 suas mais recentes tecnologias e aplicações para o mercado de embalagens e especialidades plásticas: Dowlex™GM, Innate™, Agility™ e Opulux™HGT. Segunda a empresa, essas inovações proporcionam embalagens e filmes com alto potencial para inovação, maior versatilidade e otimização dos recursos naturais, usadas de maneira combinada ou independente.

Ciente da relevância da embalagem como ferramenta de marketing, uma vez que influencia na percepção do consumidor, a Dow desenvolveu a família Dowlex™GM. De acordo com a Dow, essa tecnologia aprimora atributos como transparência e brilho, fazendo com que o produto tenha maior destaque no ponto de venda. Esse conjunto de resinas também proporciona maior resistência mecânica, garantindo a proteção do produto envasado até o consumidor final, e excelente capacidade de selagem.

Outra inovação da Dow é a família de resinas Innate™, que possui equilíbrio inédito entre tenacidade e rigidez, combinando excelente resistência ao rasgo e à perfuração e tendo como resultado é um filme mais fino, leve e resistente, que traz maior eficiência à embalagem e maior segurança ao produto, afirma a empresa.

Já o Opulux™ HGT é um verniz de alto brilho, que fomenta a produção de embalagens monomateriais e, portanto, de mais fácil reciclabilidade. Esta tecnologia possibilita a substituição do processo de laminação, incrementando as resistências térmica e mecânica de embalagens flexíveis, garante a Dow.

A quarta inovação que a Dow apresentou na Feiplastic foi a família Agility™ de resinas de polietileno de baixa densidade. De acordo com a empresa, tais resinas reduzem custos e aprimoram a eficiência ao viabilizar mais produtos por quilo de matéria-prima. Entre os principais diferenciais das resinas Agility™, em comparação com formulações convencionais, estão: redução de espessura, resistência à temperaturas, maior produtividade com desempenho uniforme, resistência à tração e excelente processabilidade, assegura a Dow.

“Com a introdução dessas novas tecnologias, a Dow possibilita o desenvolvimento de embalagens e filmes que contribuem tanto para aprimorar a eficiência quanto para a otimização do uso de recursos naturais. O resultado traz benefícios não apenas para nossos clientes, mas para a cadeia como um todo”, afirma Adriano Aun, gerente de Marketing de Embalagens de Alimentos & Especialidades da Dow para a América Latina. “Seguindo as tendências do consumo, esse mercado busca cada vez mais a diferenciação e isto só é possível com investimento constante em novas soluções que enderecem de forma colaborativa os principais desafios globais, como a produção de alimentos, mudanças climáticas, energia e água”, completa.

Inovação em rede – Pack Studios

Para atender às necessidades de inovação e tecnologia de seus clientes e da cadeia de valor, a Dow criou o Pack Studios, uma rede global de especialistas em embalagens. O desenvolvimento colaborativo no aprimoramento das embalagens é o foco principal desse time. O Pack Studios possui como objetivos: aumentar a cooperação entre a Dow e toda a cadeia de valor; entregar soluções inovadoras para melhores embalagens e acelerar o ciclo de desenvolvimento para levar embalagens mais eficientes ao mercado.

Atualmente, o Pack Studios está presente no Brasil, Estados Unidos, Itália, Suíça, China e Cingapura, sendo todos interconectados. Desta maneira, a Dow consegue fazer testes de novas embalagens em qualquer lugar do mundo. Assim, caso haja necessidade de testar uma solução em um equipamento que está em Singapura, é possível enviar as amostras e utilizar o recurso de vídeo conferência para conectar com os pesquisadores na Ásia e acompanhar os processos. A rede do Pack Studios ainda permite à Dow acompanhar os últimos desenvolvimentos e antecipar novas estruturas para seus clientes.

Fonte: Assesoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Dow Automotive Systems participa da Feiplastic 2017

07/04/2017

Companhia apresenta soluções e tecnologias inovadoras para a indústria automotiva  

A Dow Automotive Systems, área da Dow especializada em soluções para o mercado automotivo, em parceria com a área de Plásticos da companhia, participa da Feiplastic – Feira Internacional do Plástico – evento que está acontecendo entre os dias 03 e 07 de abril, no Expo Center Norte, em São Paulo.

Líder no fornecimento desempenho, conforto, segurança nos veículos para as montadoras, mercado de reposição e manutenção. Entre as soluções e tecnologias que a companhia apresenta no evento, os destaques são as linhas de adesivos para colagem de vidro e estruturais, Betaseal™ e Betamate™.

Os adesivos para colagem de vidros Betaseal™ são usados mundialmente para colagem estrutural e vedação de vidros fixos, ajudando os veículos a atenderem aos requisitos globais de segurança obrigatórios, relativos à regulamentação de barreiras, capotagens e de impacto no teto, afirma a empresa.

Os adesivos estruturais de alto desempenho Betamate™ são utilizados para colagem de chapas metálicas (aço, AHSS, alumínio, magnésio) e também em materiais dissimilares tais como aço e compósito, alumínio e aço etc. Os principais benefícios dos adesivos estruturais são redução de peso, melhoria da durabilidade do veículo, aumento da performance de segurança, redução de ruídos e melhoria da eficiência energética, garante a Dow.

“A sinergia entre os negócios automotivo e plásticos da Dow permite apresentar aos visitantes da feira e decisores da cadeia do plástico um amplo portfólio de produtos e soluções inovadoras voltados para diferentes mercados e aplicações”, afirma Rodrigo Leão, gerente de marketing da Dow Automotive Systems América Latina. “Por sermos a única empresa no Brasil e América Latina a ter uma unidade fabril de adesivos para colagem de vidro automotivo, conseguimos atender aos clientes com mais rapidez e agilidade”, finaliza Leão.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Dow traz para a Feiplastic resina plástica que compatibiliza PE e PP

30/03/2017

Intune™ Propylene OBC, com inovadora estrutura molecular, permite que produtos produzidos com materiais reciclados a partir desses dois componentes tenham a mesma qualidade daqueles elaborados com matéria-prima virgem

Uma das grandes dificuldades em se obter um material de qualidade oriundo da reciclagem de polietileno e polipropileno é causada pela impossibilidade de separação total destes materiais que são, originalmente, incompatíveis. Com isto, o resultado da reciclagem é um produto final de menor qualidade. Solucionar esta questão era algo que o mercado há muito vinha demandando para permitir uma reciclagem mais eficiente e a produção de produtos melhores e mais sustentáveis.

Assim, a área de Elastômeros da Dow investiu no desenvolvimento da resina Intune™ Propylene OBC. Este material, ao ser adicionado à formulação do produto, torna o polietileno e o polipropileno compatíveis, assegurando melhor qualidade ao produto final, comparável à matéria-prima virgem, afirma a Dow.

“Muitas vezes a indústria precisa unir duas soluções para obter características que não são encontradas em apenas um produto. E é justamente nisso que a tecnologia Intune™ Propylene OBC, da Dow, se destaca. O material combina propriedades dos polímeros polietileno e polipropileno, como resistência, flexibilidade e transparência, aumentando as possibilidades de aplicação desses polímeros e facilitando o processo de reciclagem. Intune™ Propylene OBC é um material inovador no mercado em função de sua arquitetura molecular diferenciada em bloco”, explica Marcello Mori, diretor Comercial da Dow para Elastômeros na América Latina.

Segundo a Dow, ao permitir possibilidades de combinações de propriedades dos dois materiais, a resina amplia o leque de aplicações de suas blendas e reúne seus benefícios em um único produto. Entre os objetos que podem ser reciclados e voltar ao mercado com qualidade similar estão caixas de utilidades domésticas, engradados de bebidas, móveis para jardim, entre outros. Além das aplicações destinadas ao mercado de reciclagem, Intune™ Propylene OBC também pode ser utilizado em blendas de polímeros virgens para melhorar ainda mais suas propriedades. Alguns exemplos são tambores moldados por sopro, tanques e caiaques produzidos por rotomoldagem, caixas transparentes de utilidades domésticas, além de embalagens flexíveis obtidas por extrusão de estruturas multicamadas.

Serviço
FEIPLASTIC 2017 – Feira Internacional do Plástico
Data: de 3 a 7 de abril de 2017
Horário: das 11h às 20h
Local: Expo Center Norte
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme – São Paulo
http://www.feiplastic.com.br

Curta nossa página no

Fabricantes internacionais de matérias primas apresentam novidades na Feiplastic 2017

19/03/2017

Marcas como Braskem, Dow, Rhodia Solvay e Milliken apresentam ampla gama de produtos inovadores para a confecção de embalagens, filmes e peças automotivas

Um dos setores importantes da FEIPLASTIC 2107 – Feira Internacional do Plástico, o de “Resinas”, juntamente com outros fabricantes de matérias-primas essenciais na cadeia de produção do plástico, estarão representados no evento por marcas de alto reconhecimento nacional e internacional. Braskem, Dow, Rhodia Solvay, Milliken, Eastman e Colorfix são algumas das principais marcas que levarão uma extensa gama de materiais inovadores para a confecção de embalagens, filmes e peças automotivas, por exemplo, a serem apresentados ao público da FEIPLASTIC.

A FEIPLASTIC 2017 é organizada pela Reed Exhibitions Alcantara Machado e acontece no Expo Center Norte, em São Paulo, de 3 a 7 de abril. Além do setor de “Resinas Sintéticas”, a Feira contemplará o de “Produtos Básicos e Matérias-Primas”, “Máquinas, Equipamentos e Acessórios”, “Moldes e Ferramentas”, “Transformadores de Plástico”, “Instrumentação, Controle e Automação” e “Serviços e Projetos Técnicos”.

A Braskem, maior produtora de resinas termoplásticas das Américas, com volume anual superior a 20 milhões de toneladas e faturamento anual de R$ 54 bilhões, apresenta alguns produtos como o Flexus, marca do polietileno de base metalocênica indicado para utilização em embalagens que exigem características como maior resistência, brilho, transparência e selagem; e o Flexus Cling, da mesma família de resinas, que foi especialmente desenvolvido para extrusão de filmes stretch (estiráveis), utilizados por indústrias para proteger cargas durante transporte. Junto com o Flexus, o Proxess, família de PEBDL metalocênico, é desenhado para atender ao mercado de embalagens flexíveis, indicado para o de empacotamento automático (FFS) ou sacarias industriais, e também para filmes termoencolhíveis, agrícolas e barreira.

A empresa também apresenta uma outra marca: Amppleo, resina de polipropileno de alta resistência, especialmente desenvolvida para a produção de espumas de alto desempenho, capaz de suportar temperaturas de até 100°C sem se deformar, além de possibilitar a fabricação de espumas com ampla versatilidade de aplicações dentro de uma grande escala de densidade. Com ela, a empresa pretende estabelecer parcerias para o desenvolvimento de novas aplicações nos mercados automotivo, industrial, de embalagens, construção civil e eletrodomésticos.

Durante o evento, a Dow apresentará suas mais recentes inovações em resinas: DOWLEX™GM, INNATE™, OPULUX™HGT e AGILITY™. A família DOWLEX™GM proporciona o desenvolvimento de filmes com melhores óticas e aprimora atributos como transparência e brilho, de forma a ter maior destaque no ponto de venda.  Já a família INNATE™ apresenta um equilíbrio inédito entre tenacidade e rigidez, combinado a uma excelente resistência ao rasgo e à perfuração, o que possibilita a produção de embalagens mais leves e resistentes.

O OPULUX™ HGT, solução recente em verniz de alto brilho que substitui o processo de laminação, incrementando a resistência térmica e mecânica de embalagens flexíveis, complementa o portfólio da Dow para o mercado de embalagens. E a nova família AGILITY™ de resinas de polietileno de baixa densidade, indicadas tanto para processos de filme soprado quanto de revestimento por extrusão, possibilita uma maior produtividade nas linhas de produção, mantendo a uniformidade e a qualidade dos filmes.

A Rhodia Solvay levará à FEIPLASTIC lançamentos de quatro unidades globais de negócio: “Plásticos de Engenharia”, “Specialty Polymers”e “Technology Solutions”. Uma das principais novidades no evento será o lançamento no mercado regional da nova poliamida Technyl® REDx com “molécula inteligente” para peças de alta exigência térmica. Este material inovador, que supera o desempenho dos plásticos especiais convencionais, é destinado a aplicações em peças submetidas a estresse térmico constante, especialmente para os motores automobilísticos da nova geração.

Também contemplando o setor automotivo, o projeto Polimotor 2 oferece um amplo portfólio de soluções que incluem os polímeros especiais das marcas Torlon® (PAI), Avaspire® (PAEK), Ketaspire® (PEEK) eRyton® (PPS). A empresa divulgará ainda os novos desenvolvimentos de polímeros especiais – incluindo fluorpolímeros – para aplicação de baterias automotivas em veículos híbridos e elétricos, que começam a ganhar mercado especialmente na Europa.

Outra novidade é o Technyl® 4earth®, um novo processo patenteado pela Solvay que transforma fontes estáveis de têxteis técnicos pós-industriais ou em fim de vida – tais como airbags para automóveis – em plásticos de engenharia de primeira qualidade. Esta tecnologia exclusiva oferece novos produtos ecológicos reduzindo significativamente o impacto ambiental de peças de poliamida.

O foco da unidade global de negócios “Technology Solutions /Polymer Additives” na Feiplastic são os aditivos estabilizadores a luz e antioxidantes. O destaque desse negócio são os produtos da linha Cyasorb® Cynergy Solutions desenvolvidos para aplicações com elevados requerimentos técnicos como: filmes de PE para cobertura de estufas agrícolas, compostos de PP para peças automotivas interiores e exteriores, rotomoldagem e geosintéticos.

A Milliken, empresa global de especialidades químicas, revestimento e materiais de alto desempenho, vai apresentar seu produto clarificante concentrado NX UltraClear®, que proporciona ao polipropileno (PP) altíssima transparência, ideal para a confecção de embalagens e recipientes cujo conteúdo precisa estar protegido e à vista. A ação do clarificante é capaz de superar o tradicional aspecto translúcido do PP em embalagens termoformadas (moldadas em altas temperaturas), criando uma transparência similar àquela do PET e PS (poliestireno), mas com os benefícios ambientais e de desempenho do material.

A Eastman, empresa de especialidades químicas e fibras, estará presente na FEIPLASTIC 2017 apresentando seu portfólio de Plásticos Especiais, com destaque para Tritan e Glass Polymer, além de TPU’s e Plastificantes Scandiflex. Em Plásticos Especiais, a Eastman apresentará o projeto Philips Duravita, com novas Jarras para Blenders. Neste ano, a empresa oferecerá eventos diários, com destaque para o “Eastman Strike: Desafio Tritan”: a empresa montará uma pista de boliche e o jogo será realizado com garrafas feitas com Tritan, testando sua resistência.

Após dois anos em desenvolvimento, a Colorfix Masterbatches vai lançar o ColorID. Trata-se de um aplicativo digital com a função de identificar a cor solicitada pelo cliente, de forma mais rápida e assertiva. O cliente irá apresentar a cor e o representante comercial, de forma online, fará a leitura, identificando a tonalidade e ainda indicando as possíveis variáveis e a sua ficha técnica. De acordo com a Colorfix, o ColorID conta com um armazenamento de 800 cores, nas versões com e sem textura, em PE (polietileno), PP (polipropileno) e PS (poliestireno).

Entre os expositores de Resinas e Matérias-Primas confirmados para a FEIPLASTIC 2017, estão: ETENO, VIDEOLAR –INNOVA, COLORMIX, FORTYMIL, A SCHULMAN, DRY COLOR, MAIS POLIMEROS, AKRO-PLASTIC, EASTMAN, PIRAMIDAL, AMPACET, ECOMASTER, REPLAS, COLORFIX, ELEKEIROZ, BRASKEM, CRISTAL MASTER, EVONIK, ACTIVAS, CROMEX, INBRA, PEPASA, DACARTO,
STYROLUTION, ASTON, KARINA, KURARAY, REMO, PRO-COLOR, MILLIKEN, EXXONMOBIL, SOFTER, MITSUI, KRISOLL, TERMOCOLOR, MULTICEL, CUYO, ARKEMA, MULTICOLOR, SNETOR, BAERLOCHER, NEXO, SABIC, BASELL, NZ COOPERPOLYMER, BASF, BIESTERFELD, OMYA, LANXESS, BOREALIS, ASACLEAN, APTA RESINAS, BRASCHEMICAL, PONTUAL POLIMEROS, COVESTRO, CABOT, PROQUIMIL, RAPOSO, CARBOMIL, CORBION, INNOVA, CHEMSON, RADICI PLASTIC, PETROPOL, CHEM-TREND, RHODIA SOLVAY, CLARIANT, SUN ACE, INEOS STYROLUTION, COIM, THATHI, UBE, TORAY

Fonte: Assessoria de Imprensa – Feiplastic

Curta nossa página no

Dow lança nova família de resinas de PEBDL para embalagens flexíveis e filmes industriais

28/11/2016

dow_dowlex

À medida que o consumo evolui, o mercado passa a demandar embalagens mais eficientes e sustentáveis, que ajudem a reduzir o desperdício de alimentos ou perdas na cadeia logística, por exemplo. Para atender a esta tendência, a Dow lança sua mais recente inovação do negócio de Embalagens e Plásticos de Especialidades: o Dowlex™GM, a nova família de resinas de polietileno linear de baixa densidade com foco em embalagens flexíveis e filmes industriais.

A família Dowlex™GM focaliza duas das maiores necessidades dos fabricantes de embalagens de alimentos. Segundoa Dow, a nova tecnologia possibilita o desenvolvimento de filmes com melhores propriedades óticas, que ajudam a posicionar a embalagem como uma importante ferramenta de marketing, valorizando atributos como transparência e brilho, de forma a ter maior destaque no ponto de venda. As resinas também proporcionam maior resistência mecânica, garantindo a proteção do produto envasado até o consumidor final, e boa capacidade de selagem, afirma a Dow.

“A nova família Dowlex™GM é uma importante inovação que traz mais competitividade à cadeia e que se soma aos outros lançamentos recentes, como as resinas para embalagens de precisão Innate™ e os adesivos de laminação Symbiex™, oferecendo soluções completas tanto em embalagens primárias, quanto em secundárias e terciárias”, diz Adriano Aun, gerente de Marketing de Embalagens de Alimentos & Especialidades da Dow para a América Latina.

Segundo a Dow, a nova família de resinas também pode ser aplicada na produção de filmes strech com capacidade de estiramento superior, além de aumentar a resistência à perfuração, em relação aos filmes tradicionais. O resultado é a redução tanto na quantidade de filme utilizado por pallet quanto no número de rompimentos do filme durante a unitização, afirma a empresa. Este ganho em performance é crítico uma vez que as falhas no processo logístico resultam em danos aos produtos e aumento do custo para a cadeia, diminuindo sua eficiência.

Fonte: Dow

Curta nossa página no

Dow e Adecol apresentaram resultados de adesivo premium na Feira K, na Alemanha

27/10/2016

adecol-dow-k2016

A Dow, empresa do setor químico, e a Adecol, empresa paulista fabricante de adesivos industriais, se uniram para trazer ao mercado de embalagens de supercongelados, bebidas e cartuchos plastificados uma inovação em adesivos: o Performelt CQ-4135.  Segundo a Dow, a solução, baseada na tecnologia AFFINITY™ da empresa, é capaz de reduzir em 30% os custos de desenvolvimento quando comparado às opções disponíveis no mercado já que proporciona maior velocidade de empacotamento e menor desperdício. Este caso de sucesso de colaboração entre Dow e Adecol foi apresentado durante a Feira K, o maior evento de plásticos do mundo e que acontece na Alemanha.

Para viabilizar a inovação e possibilitar à Adecol o fornecimento de um adesivo com desempenho técnico aprimorado, a Dow empregou uma tecnologia inovadora no mercado de adesivos utilizada no Performelt CQ-4135, o AFFINITY™ GA. A nova resina oferece melhor estabilidade térmica e menor oxidação da formulação adesiva. Entre os benefícios associados estão o menor desgaste e temperatura de aplicação mais baixa, além de demandar manutenções menos frequentes, o que também colabora para a redução final de custos de até 30%, afirma a Dow.

Os adesivos Hot Melt possuem um potencial de crescimento no mercado global e a Dow está sempre em contato com os clientes para entender suas necessidades. Assim, o desenvolvimento do Performelt CQ-4135, busca oferecer a este mercado crescente uma solução que atenda às demandas por maior segurança alimentar, melhor destaque na gôndola, redução de custo e sustentabilidade, ao diminuir o consumo energético, de água e de matérias-primas. Assim, o adesivo Performelt CQ-4135 é resultado do conhecimento científico da Dow e sua tecnologia, aliado à interpretação que a Adecol realizou das necessidades do mercado, considerando o clima e as principais características das indústrias nacionais.

“O resultado positivo obtido pela Adecol com o uso na nossa tecnologia AFFINITY™GA, é mais um exemplo do modelo de trabalho em colaboração adotado pela Dow com seus clientes com o objetivo de acelerar a inovação para o mercado”, diz Carlos Echague, gerente de Marketing de Elastômeros para a América Latina. “Acreditamos que, por meio destas parcerias, possamos expandir nossa atuação no mercado de adesivos fomentando o desenvolvimento do setor”.

Segundo a Dow, a nova tecnologia permite elaborar embalagens de cartuchos com diversas características de tratamento e propiciando melhor acabamento e fixação. Com isso, a Adecol busca ampliar o alcance da sua linha de adesivos e trazer aos clientes um diferencial de alta qualidade em Hot Melt. “Nós dividimos nossas expectativas com a Dow que aceitou o desafio. Trabalhando em conjunto para atingir o objetivo de desenvolver um adesivo com o melhor desempenho possível para uma ampla gama de aplicações em embalagens”, afirma Ana Julia Kiss, diretora Industrial da Adecol.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Dow apresenta soluções para unitização eficiente durante a Feira K, na Alemanha

24/10/2016

dow_k2016

Estudo-piloto feito pela empresa mostra que é possível economizar até 35% no consumo de filme por pallet por meio de melhorias no processo e uso do material adequado a cada tipo de carga

A Dow, multinacional do setor químico, entende que a embalagem terciária possui papel fundamental no processo logístico. Por este motivo, a unitização – agrupamento de volumes para melhor manuseio, armazenagem e transporte de cargas – precisa ser eficiente para garantir a segurança no transporte, a estabilidade da carga e a integridade do produto até o ponto de venda, evitando desperdícios e perdas ao longo da cadeia.

Estudos conduzidos pela Dow com parceiros mostram que uma unitização adequada aumenta a produtividade no carregamento, descarregamento, armazenagem e transporte. Na Europa, por exemplo, meio bilhão de toneladas é perdida por falhas no processo de unitização, aumentando o custo para toda a cada cadeia e diminuindo sua eficiência. E são as novidades em soluções para unitização que a Dow está apresentando durante a Feira K, o maior evento de plásticos do mundo e que acontece entre os dias 19 e 26 de outubro, em Dusseldorf, na Alemanha.

“Durante o evento, estamos falando sobre o projeto-piloto desenvolvido recentemente com algumas empresas da cadeia de valor da embalagem, que são os fabricantes de bens de consumo e os fornecedores de embalagem, para promover melhorias no uso de filmes industriais para unitização”, explica Maximiliano Zanetti, Líder Técnico para Embalagens Industriais e de Consumo da Dow. “Uma das indústrias analisadas foi a de sorvetes e o uso do filme stretch de alta performance trouxe como benefício uma redução de 35% no consumo de filme por pallet, além de melhorar a estabilidade e a segurança da carga, contribuindo para assegurar a integridade do produto até chegar ao ponto de venda”, ressalta.

A unidade de plásticos de performance da empresa investe constantemente em pesquisa e desenvolvimento de resinas de alto desempenho, que possibilitam embalar mais produtos com a mesma quantidade de filme, e também em iniciativas que auxiliem os donos de marca e convertedores a melhorarem seus processos, inclusive na escolha adequada do filme para cada carga/pallet. O resultado é maior segurança da carga, com melhor estabilidade do veículo nas estradas e redução de acidentes, garantia de integridade do produto e redução de custos.

Além do estudo mencionado acima, a Dow apresenta na K 2016 todo o seu portfólio de resinas strech para filmes industriais, ressaltando a alta capacidade da empresa em competir em um mercado que em 2015 movimentou, apenas na América Latina, um milhão de toneladas de filmes para empacotamento. Investimentos globais, como Sadara (na Arábia Saudita) –  apoiando o crescimento na Europa Oriental, Turquia, Oriente Médio, África e Ásia-Pacífico – e os projetos da Costa do Golfo (EUA) – focalizando o crescimento nas Américas –, dão suporte à estratégia de crescimento da empresa.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Dow promote debate sobre embalagens e sustentabilidade

12/06/2016

Dow-Seminario-TecnicoA Dow promoveu no dia 31 de maio uma nova edição do seu Seminário Técnico. O tema deste ano foi “Inovação e sustentabilidade como ferramentas de diferenciação e competitividade” e abordou importância da inovação nas embalagens, seu descarte correto, sustentabilidade e as mudanças nos hábitos alimentares da sociedade. O evento faz parte das várias atividades desenvolvidas pela Dow para gerar conhecimento e agregar valor para clientes e para a sociedade.

Atualmente, as embalagens podem ser produzidas de várias maneiras e com diferentes resinas. A inovação em materiais é essencial para acelerar o desenvolvimento de soluções que permitam a produção de embalagens mais resistentes, leves, sustentáveis e com mais opções de design. Para Carlos Costa, diretor de P&D para Embalagens e Plásticos de Especialidades da Dow América do Norte, “é preciso estar na vanguarda do desenvolvimento de novos materiais. E para isto é preciso não só entender o desempenho da resina, mas também auxiliar toda a cadeia a entender a o desempenho da embalagem”.

Na questão da sustentabilidade, Bruno Pereira, gerente de Marketing e Sustentabilidade para Embalagens e Plásticos de Especialidades da Dow Brasil, foi além de apresentar embalagens mais sustentáveis: mostrou a importância de todos se envolverem no seu descarte correto. Pereira lembrou a importância de considerar o sistema produto-embalagem. Para ele, “é importante usar a embalagem como ferramenta de educação ambiental”. Um exemplo é colocar informações na embalagem sobre os impactos de se aquecer o produto no micro-ondas ou no forno convencional. Neste sentido, Pereira ressaltou a relevância da cartilha “Embalagem e Sustentabilidade: desafios e orientações no contexto da economia circular”, desenvolvida pela ABRE – Associação Brasileira da Embalagem. Nela consta o “Jogo do Infinito” cujo objetivo é fazer provocações de uma maneira leve para que as pessoas tenham inspiração para incluir informações sobre reciclagem nas embalagens.

A antropóloga Lívia Barbosa lembrou que o Brasil passa por uma redefinição de categoria e espaços da vida cotidiana com novos tipos de família e espaços domésticos. Além disso, a população está envelhecendo simultaneamente à legitimação de novos arranjos familiares. Desta maneira, segundo Lívia, “existem novas dinâmicas domésticas e novos valores abrindo espaço para produtos e embalagens com dimensões multissensoriais”. E os consumidores estão mais informados e atentos a estas necessidades.

Fonte: Assesoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Tecnologia para embalagens da Dow ajudará na mitigação da pegada de carbono dos Jogos Olímpicos Rio 2016

18/04/2016

Dow_Microfoaming

Por meio de novo método que aumenta a produção de embalagem com a mesma quantidade de matérias-primas, o Microfoaming possibilita reduções nas emissões de gases de efeito estufa

Como Companhia Química Oficial dos Jogos Olímpicos e Parceira Oficial de Carbono dos Jogos Olímpicos Rio 2016, a Dow desenvolve ao longo do mês o lançamento da tecnologia Microfoaming para a indústria de embalagens da América Latina. O projeto é parte importante do abrangente programa da Dow voltado a mitigar a pegada de carbono direta dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

O Microfoaming é uma tecnologia licenciada que foi desenvolvida para atender às demandas do mercado por soluções que reduzam o peso e adicionem características mais sustentáveis aos filmes e às embalagens. Segundo a Dow, a sua tecnologia permite a redução de densidade em filmes coextrudados por meio da espumação física. O resultado é o aumento da quantidade de embalagens produzidas com a mesma quantidade de resina.

De acordo com a Dow, alguns dos principais benefícios oferecidos pela tecnologia Microfoaming, combinadas a uma vasta gama de resinas de polietileno, incluem:

  • Embalagens com desempenho aprimorado, como maior integridade de selagem e maior resistência ao desgaste provocado pelo transporte e manuseio.
  • Embalagens com propriedades óticas diferenciadas que proporcionam características de embalagens premium.
  • Perfil ambiental superior ao de embalagens tradicionais.

Leves e versáteis, as embalagens microespumadas são especialmente indicadas para a indústria alimentícia, afirma a Dow. A tecnologia também pode ser utilizada no desenvolvimento de embalagens flexíveis para os setores de cosméticos, higiene, limpeza e embalagens termoencolhíveis (shrink). Entre as aplicações, destacam-se os stand-up pouches, os filmes laminados PE, PE PET, PE e BOPP, além de filmes com carga de pigmentos reduzida, embalagens FFS (Form, Fill and Seal), sacaria industrial de alta resistência, embalagens para produtos maleáveis e embalagens de detergentes, complementa a empresa.

Fabricantes no Brasil (Valfilm), Argentina (Petropack), México (Folmex), Colômbia e Guatemala (Plastilene) investiram na tecnologia Microafoaming. O projeto também conta com uma parceria com a MuCell Extrusão LLC, fabricante de equipamentos para soluções de extrusão e colaborador exclusivo Dow na tecnologia de filmes espumados.

“A embalagem é um item essencial para a sociedade moderna e fundamental na luta contra o desperdício de alimentos. Desta forma, a promoção da tecnologia Microfoaming dentro do programa de mitigação de carbono dos Jogos Rio 2016 é uma maneira eficaz de estimular o uso racional das embalagens e demonstrar como podem ajudar a reduzir emissões no mundo”, destaca Paloma Alonso, vice-presidente comercial para o negócio de Plásticos de Performance da Dow na América Latina.

A Dow trabalhará com parceiros externos na quantificação das reduções estimadas em emissões por meio desse novo processo produtivo. Os resultados do uso da tecnologia Microfoaming serão posteriormente verificados por auditores independentes para que possam ser agregados aos benefícios climáticos gerados por outros projetos implementados pela Dow para a mitigação da pegada de carbono direta do Rio 2016.

Mais informação sobre o Microfoaming está disponível no vídeo abaixo:

Mitigando a pegada de carbono dos Jogos Rio 2016

A Dow afirma que, além de garantir desempenho diferenciado no setor de embalagens, a tecnologia Microfoaming proporciona reduções nas emissões de gases de efeito estufa por meio de novos métodos de produção que garantem maior produtividade e melhorias no processo de extrusão dos filmes.

Graças ao seu potencial em agregar atributos de sustentabilidade à produção de embalagens, essa nova tecnologia foi incorporada ao programa de mitigação de carbono elaborado pela Dow para o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016. A empresa desenvolveu um programa personalizado para abordar as necessidades tecnológicas de produtores da América Latina, que poderão contribuir diretamente com o compromisso de mitigar 500 mil toneladas de CO2 equivalentes (CO2eq) provenientes da organização e entrega dos Jogos Olímpicos.

“Como Companhia Química Oficial dos Jogos Olímpicos e Parceira Oficial de Carbono do Rio 2016, a Dow engajou diversos membros da cadeia de valor para ajudar o Comitê a cumprir as suas metas de mitigação de carbono. O projeto da tecnologia Microfoaming é um exemplo claro de como a Dow utiliza o poder dos Jogos Olímpicos para influenciar a indústria de embalagens na adoção de soluções de baixo carbono”, afirma Tania Braga, líder de Sustentabilidade, Legado e Acessibilidade do Comitê Organizador Rio 2016.

Além de mitigar as emissões de carbono provenientes da organização e entrega dos Jogos Olímpicos – 500 mil toneladas de CO2 equivalentes (CO2eq) – Dow e o Rio 2016 ainda trabalham para gerar benefícios climáticos adicionais de 1,5 milhão de CO2eq até 2026, destinados a outras emissões ligadas aos Jogos.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Tecnologia Intune da Dow recebe prêmio Kirkpatrick de Engenharia Química

07/04/2016

A 43a. edição do renomado prêmio bienal Kirkpatrick Chemical Engineering Achievement Award reconhece os maiores destaques de tecnologias relacionadas à engenharia química em todo o mundo

A Dow, por meio de seu negócio de Elastômeros, foi premiada no 43º Kirkpatrick Chemical Engineering Achievement Award, por sua tecnologia Intune™. O reconhecimento é concedido pela revista Chemical Engineering, uma das mais tradicionais e reconhecidas no setor de engenharia química no mundo.

Criado a partir da plataforma exclusiva de copolímeros olefínicos em bloco da Dow, uma revolução em ciência de catalisadores e engenharia de reação, a tecnologia Intune™ possibilita a combinação de polietileno (PE) e polipropileno (PP), de forma que as melhores propriedades de cada um desses materiais seja mantida, afirma a empresa. Tal combinação de propriedades somente é possível graças à compatibilização promovida pelo Intune™ – uma vez que antes do desenvolvimento dessa inovação, a combinação destes materiais resultava em propriedades inferiores àquelas obtidas individualmente. A tecnologia oferece uma flexibilidade totalmente inédita aos processos de mistura e compatibilização desses importantes polímeros, possibilitando atender necessidades específicas de várias aplicações, assegura a Dow.

“O desenvolvimento da tecnologia Intune™ comprova que o negócio de Elastômeros da Dow é líder em inovação, desenvolvimento e comercialização de soluções únicas e diferenciadas para o mercado. Este novo material permite que os fabricantes e usuários finais possam desenvolver novos produtos pela obtenção de características únicas de dois polímeros que tipicamente não são compatíveis. Um exemplo seria ter num só produto as propriedades de flexibilidade do polietileno e a resistência a altas temperaturas do polipropileno. O Intune™ exemplifica como soluções inovadoras podem trazer benefícios de desempenho e custo para diversas aplicações, mercados, clientes diretos e indiretos. Essa nova tecnologia baseada na plataforma copolímeros de bloco poliolefinicos foi desenvolvida através do contato direto com toda a cadeia de valor, possibilitando obter uma família de produto que pode ajudar a mudar o cenário da indústria de plástico, celebra Marcello Mori, Diretor Comercial do negócio de Elastômeros da Dow para a América Latina.

A Dow afirma que a sua tecnologia Intune™ permite o desenvolvimento de materiais com misturas ou estruturas multicamadas contendo PE e PP, combinando os melhores atributos de cada material, como a tenacidade, processabilidade e excelente propriedade de selagem do PE com a rigidez, transparência e resistência à alta temperatura do PP. A tecnologia também possibilita atingir propriedades superiores em aplicações obtidas a partir de matéria-prima pós consumo e pós-industrial em que PE e PP não foram previamente segregados. Assim, é possível produzir material reciclado com alto valor agregado, afirma a empresa.

Fonte: Dow

Curta nossa página no

Nova família de resinas INNATE da Dow equilibra rigidez e tenacidade

21/01/2016
Engenheira Gianna Buaszczyk (Dow)

Engenheira Gianna Buaszczyk (Dow)

No mês de outubro do ano passado, a Dow anunciou o lançamento de uma nova família de resinas para Embalagens de Precisão INNATE™, que, segundo a empresa, apresenta níveis de desempenho capazes de ajudar os clientes a atenderem algumas das necessidades mais desafiadoras de embalagens da atualidade. Para explorar o tema em mais profundidade, o Blog do Plástico conduziu uma entrevista com a Engenheira de Pesquisa e Desenvolvimento da Dow, Gianna Buaszczyk:

Pergunta (Blog do Plástico) – Como as novas resinas da linha INNATE se diferenciam dos outros grades de resinas de PEBDL atualmente existentes no mercado para aplicações semelhantes ?

Resposta (Eng. Gianna Buaszczyk): As Resinas para Embalagens de Precisão INNATE™ trazem o grande diferencial de balanço entre rigidez e tenacidade. Foram desenvolvidas a partir de um revolucionário catalisador molecular patenteado aliado a uma tecnologia de processo avançada que permite um controle preciso e uniforme da química de resinas, o que resulta em níveis de desempenho e combinações de propriedades de filmes inéditas que:
• Satisfazem as necessidades de embalagens até então não atendidas
• Criam novos nichos de mercado
• Oferecem desempenho superior para as embalagens

Dow-graficoA resina experimental XUS 59910.02 (densidade 0,918 g/cm3 e fluidez 0,85 g/10min a 2,16kg e 190oC), primeira resina para embalagens de precisão da nova família INNATE™, oferece à cadeia de valor de embalagens o grande diferencial de balanço entre rigidez e tenacidade, possibilitando inúmeras combinações com outras resinas e redução de espessura, apresentando também resistência ao abuso significativamente maior: em um filme de 25 μm, a resina experimental XUS 59910.02 apresentou uma resistência à queda de dardo significativamente maior do que a uma resina da concorrência de módulo similar, o metaloceno PEBDL (fluidez 1,0; 0,918 d), bem como maior resistência do que a resina de menor módulo, metaloceno ELITE™ 5400G (fluidez 1,0; 0,916 d), conforme gráfico ao lado.

Apresenta também excelente processabilidade e excelente desempenho de selagem à quente

P – Como foi possível obter em um mesmo polímero propriedades aparentemente contraditórias como rigidez e tenacidade, assim como resistência mecânica e boa processabilidade?

R – As Resinas para Embalagens de Precisão INNATE™ são uma nova categoria de copolímeros base etileno. São diferentes das outras resinas da Dow em função do uso de um revolucionário catalisador molecular patenteado aliado a uma tecnologia de processo avançada que permite um controle preciso da arquitetura molecular, de forma inédita. Isso possibilita atingir propriedades diferenciadas, como aumento da tenacidade sem sacrificar outras propriedades chaves.

P – Quais são as principais aplicações da nova família de resinas INNATE e quais as vantagem que elas oferecem sobre as concorrentes?

R – As resinas podem ser aplicadas em embalagens flexíveis para alimentos, filmes industriais, sacaria industrial de alta resistência e em gramas artificiais.

Dow-Innate_embalagemEmbalagens para Alimentos e Especialidades: Durabilidade, resistência ao abuso e excelente processabilidade, quando utilizadas sozinhas ou em combinação com outros materiais, fazem das Resinas para Embalagens de Precisão INNATE™ uma excelente opção para embalagens de alimentos e produtos de consumo em geral. Elas oferecem:

  • Filmes com a resistência necessária para otimização das embalagens
  • Filmes com a rigidez necessária para o envase de produto, exposição e armazenamento eficiente de embalagens como, por exemplo, stand-up pouches
  • Melhor tenacidade aliada a uma excelente resistência a quebras por flexão (“flex crack”), importante propriedade para embalagens para líquidos
  • Integridade da embalagem, garantindo maior durabilidade para o produto

Filmes Industriais e de Consumo: Os filmes produzidos com as Resinas para Embalagens de Precisão INNATE™ possuem a tenacidade e resistência necessárias para enfrentar praticamente qualquer desafio de aplicação como, por exemplo, sacaria industrial de alta resistência. Os usuários contarão com:

  • Resistência ao abuso significativamente superior, o que garante maior resistência à queda;
  • Desempenho de selagem à quente similar ao das resinas comuns disponíveis no mercado;
  • Possibilidade de redução da espessura dos filmes, para obter diferenciação no mercado.

P – A resinas INNATE estão sendo produzidas em que plantas da Dow Chemical ? Quais os volumes atualmente produzidos? Quais são os planos para expansão da capacidade?

R – Hoje, a Dow tem capacidade para produção nas Américas e na Europa suficiente para atender à demanda dos próximos anos. Os planos de expansão serão definidos gradativamente.

P – Foi necessária alguma alteração no processo produtivo / plantas de PEBDL para obtenção das novas resinas ou a mudança foi somente no catalisador empregado na polimerização ?

R – Trata-se da utilização de um novo catalisador em combinação com tecnologia de processo avançada.

P – É possível fornecer alguma informação adicional sobre o catalisador empregado no processo? É catalisador metaloceno ?

R – Não se trata de tecnologia de catalisador metaloceno. INNATE™ é uma nova categoria de copolímeros base etileno.

P – Como é possível reduzir o peso da embalagem ? Através da redução da espessura?

R – As resinas INNATE™ tem propriedades diferenciadas, o que torna possível fazer a redução de espessura sem comprometer a resistência do filme, que deve ser avaliado para cada aplicação.

P – Por que a estabilidade do balão em processos de blown film com as resinas INNATE é melhor do que com os polímeros convencionais de PEBDL?

R – Porque as resinas INNATE apresentam maior resistência de fundido, o que se traduz em maior estabilidade de balão. Além disso, elas apresentam uma taxa maior de redução de viscosidade com aumento da tensão de cisalhamento comparado às resinas de mercado, o que permite trabalhar com menores temperaturas de fusão, além de se observar menor amperagem no motor.

P – A nova família pode ser usada em aplicações de co-extrusão ? Quais?

R – O alvo das resinas INNATE é, justamente, clientes com recurso de coextrusão para a produção de filmes. Os filmes coextrusados produzidos com as resinas INNATE oferecem uma resistência ao abuso até duas vezes maior que os materiais padrões disponíveis atualmente no mercado.

P – A introdução da nova família de resinas INNATE cria novos nichos de mercado e aplicações para o PEBDL ? Quais?

R – As resinas INNATE possibilitam a criação de novos nichos de mercado, uma vez que trazem a oportunidade de desenvolvimento de embalagens com novas características em termos de eficiência por meio da substituição de materiais.

Curta nossa página no