Posts Tagged ‘Fusões e Aquisições’

Grupo Solvay vende sua participação na fabricante de compostos de PVC Dacarto Benvic

06/07/2017

O Grupo Solvay concordou em vender sua participação de 50% na Dacarto Benvic para seu parceiro de joint venture na empresa, que se tornará o único proprietário do processador brasileiro de compostos de PVC.

A venda segue a saída da Solvay de atividades de PVC na Europa, Ásia e América Latina, incluindo o negócio de compostos de PVC Benvic, que foi vendido em 2014.

As empresas parceiras são a Dupre Empreendimentos e Participações Ltda., a Tondella Empreendimentos e Participações Ltda, e a WR3C Empreendimentos e Participações Ltda.

A Dacarto Benvic tem sede em Osasco (SP) e conta com 450 funcionários em escritórios e instalações industriais em São Paulo e na Bahia.

A conclusão desta transação está prevista para o final de 2017 e está sujeita às aprovações usuais, inclusive das autoridades governamentais de defesa econômica.

A Solvay é uma empresa química de multiespecialidades, com sede em Bruxelas (Bélgica). Ela emprega 27.000 pessoas em 58 países e suas vendas líquidas pró forma foram de € 10,9 bilhões em 2016. No Brasil, a Solvay também atua com a marca Rhodia.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Anúncios

Lanxess completa aquisição da Chemtura

02/05/2017

  • Negociação foi aprovada por todos os órgãos reguladores
  • A combinação dos negócios de Aditivos das duas companhias, gerará vendas anuais de cerca de 2 milhões de euros, tornando-se um forte pilar no grupo
  • Zachert: “Essa aquisição é um grande passo no processo de realinhamento da empresa”

A Lanxess, empresa especializada em produtos químicos, completou com sucesso a aquisição da empresa norte-americana Chemtura, uma das principais fornecedoras mundiais de retardantes de chamas e aditivos lubrificantes. Todos os órgãos reguladores aprovaram a transação. Em fevereiro desse ano, os acionistas da Chemtura votaram pela aprovação da aquisição. Avaliada em EUR 2,4 bilhões, a empresa norte-americana é a maior aquisição na história da Lanxess e expande, significativamente, o portfólio de aditivos da empresa, tornando a companhia um dos principais players do mundo neste segmento em crescimento, que é um dos mais atraentes na indústria de produtos químicos especiais. Além dos aditivos, os negócios de uretanos e organometálicos da Chemtura também serão integrados ao portfólio da Lanxess. A empresa, com sede em Colônia (Alemanha), irá absorver 2500 colaboradores da Chemtura, em 20 sites localizados em 11 países. Os negócios da Chemtura geram vendas anuais de cerca de 1,5 milhão de euros.

“A aquisição da Chemtura é outro grande passo no nosso processo de realinhamento e um marco significativo no nosso curso de crescimento. A ‘nova’ Lanxess está ganhando forma. A expansão dos negócios de aditivos garante a Lanxess um importante pilar adicional. Em sua nova estrutura e com uma carteira ainda mais equilibrada, a empresa será muito mais estável e rentável. Ao mesmo tempo, a Chemtura fortalece, consideravelmente, nossa presença na América do Norte,” afirma Matthias Zachert, Presidente da Diretoria da Lanxess. “Focaremos agora nossa energia em integrar rápida e harmoniosamente as novas empresas e funcionários, bem como em servir de forma exemplar nossos atuais e novos clientes”.

Por meio dessa aquisição, a Lanxess fortalece sua presença na América do Norte. Nessa região, a companhia está representada em 24 locais de produção (anteriormente eram 12) e emprega aproximadamente 2.800 funcionários (anteriormente eram 1.500). A participação da região nas vendas globais aumenta de aproximadamente 17% para aproximadamente 21%.

O resultado anual esperados da sinergia das duas companhias é de cerca de 100 milhões de euros até 2020. A aquisição da Chemtura já deve aumentar o lucro por ação da Lanxess no primeiro ano fiscal completo após o fechamento. A Lanxess financiou a aquisição por meio de duas obrigações empresariais e uma obrigação híbrida, bem como dinheiro. Os títulos foram colocados com sucesso em termos atraentes já em 2016.

Aditivos: um pilar forte da Lanxess

Com efeito imediato, a Lanxess irá combinar todo o seu negócio de aditivos dentro do novo segmento Specialty Additives. Este segmento é um pilar adicional no grupo Lanxess, com vendas anuais de aproximadamente 2 bilhões de euros e cerca de 2.900 funcionários em todo o mundo. O segmento compreende as novas unidades de negócios Additives e Rhein Chemie. O negócio combinado com retardantes de chama e aditivos lubrificantes está ancorado na unidade de negócios Additives, que é liderado por Anno Borkowsky. A unidade de negócios Rhein Chemie, liderada por Philipp Junge, compreende os negócios existentes de aditivos de borracha e cor da Lanxess.

Lanxess fortalece negócio de aditivos, retardantes de chama e lubrificantes

A Lanxess reforça, significativamente, a sua posição na área de aditivos lubrificantes e lubrificantes sintéticos para aplicações industriais. “Somos agora um dos principais fornecedores de lubrificantes industriais e possuímos uma cadeia de valor integrada”, explica Anno Borkowsky. A Lanxess espera um crescimento médio de 3 a 4% ao ano para o mercado de aditivos para lubrificantes industriais, impulsionado principalmente pela crescente demanda de lubrificantes em termos de capacidade de desempenho e compatibilidade ambiental.

A empresa também está expandindo significativamente sua posição no mercado para aditivos retardantes de chama, operando o portfólio de aditivos retardantes de chama à base bromo da Chemtura. Devido à sua alta eficácia, estas substâncias são utilizadas, entre outros segmentos, na indústria da construção e são um complemento ideal para o negócio já existente da Lanxess de aditivos à base de fósforo. “As exigências dos retardantes de chama estão aumentando continuamente devido, particularmente, à tendência para a produção eficiente de energia. Esta aquisição nos tornará um dos principais fornecedores mundiais de aditivos retardantes de chama. A partir de hoje, podemos oferecer aos nossos clientes uma variedade de produtos complementares à base de bromo e fósforo a partir de uma única fonte,” complementa Borkowsky. A companhia também espera taxas de crescimento anual de 3 a 4% para a área de aditivos retardantes de chama.

Novos campos de atuação da Lanxess: uretanos e organometálicos

O negócio de uretanos é novo para a Lanxess. Com efeito imediato, será colocado dentro da recém-formada unidade Urethane Systems, liderada por Markus Eckert. A gama de produtos inclui pré-polímeros fundidos ao calor, dispersões aquosas especiais de uretano e polióis de poliéster. Estes são componentes de poliuretanos especiais, usados principalmente nas indústrias de construção, mineração, petróleo, gás, equipamentos atléticos e eletrônicos. Estes plásticos são utilizados, por exemplo, para fabricar rolos para correias transportadoras ou patins inline. Urethane Systems irá juntar-se à unidade de negócios High Performance Materials da Lanxess para formar o novo segmento Engineering Materials.

Também no portfólio da Lanxess é novo o negócio de organometálicos. Estes são compostos químicos utilizados, entre outras aplicações, como catalisadores na produção de polímeros ou para a síntese de produtos químicos finos e produtos farmacêuticos. Com efeito imediato, este negócio fará parte da unidade de negócios Advanced Industrial Intermediates da Lanxess.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Alpek assina acordo com a Petrobras para aquisição da Petroquímica Suape e Citepe

28/12/2016

alpek-suape

A Alpek, S.A.B. de C.V. anunciou hoje, 28 de dezembro, ter assinado um contrato de compra das ações da Petrobras correspondentes à participação de 100% da empresa no capital da Companhia Petroquímica de Pernambuco (“Petroquímica Suape”) Companhia Integrada Têxtil de Pernambuco (“Citepe “).

A Petroquímica Suape e a Citepe operam uma planta integrada de PTA-PET em Ipojuca, em Pernambuco (foto), com uma capacidade instalada de 700 e 450 mil toneladas por ano de PTA e PET, respectivamente. A Citepe também opera uma planta de filamentos de poliéster texturizado no mesmo local.

O preço acordado para a participação de 100% da Petrobras na Petroquímica Suape e Citepe é de US $ 385 milhões. Este valor será pago em Reais na data de fechamento do negócio e está sujeito a ajustes no capital e dívida corrente, entre outros.

O fechamento desta transação exigirá aprovações corporativas adicionais e está sujeito a várias condicionantes, incluindo a aprovação pelas autoridades governamentais competentes.

A Alpek é uma empresa petroquímica com sede no México que opera dois segmentos de negócio: “Poliéster” (PTA, PET e Fibras de Poliéster), e “Plásticos & Químicos” (Polipropileno, Poliestireno expandido, caprolactama e outras especialidades e produtos químicos industriais). A Alpek é um produtor integrado de PTA e PET na América do Norte e o maior produtor de poliestireno expandido nas Américas, além de ser o único produtor de caprolactama no México. A Alpek também opera uma das maiores plantas de polipropileno na América do Norte. Em 2015, a Alpek registrou receitas de US $ 5,3 bilhões e EBITDA de US $ 630 milhões. A empresa opera 23 plantas nos Estados Unidos, México, Canadá, Brasil, Argentina e Chile e emprega mais de 5.000 pessoas. A Alpek é uma empresa de capital aberto com ações na Bolsa de Valores Mexicana.

Fonte: Alpek

Curta nossa página no

Armacell adquire 100% das ações da PoliPex, fabricante brasileira de espumas em polietileno para isolamento térmico

20/10/2016

polipex-isolante A Armacell (www.armacell.com) , empresa com sede em Luxemburgo e líder global em espumas flexíveis para o mercado de isolamento de equipamentos, além de fornecedora de espumas de engenharia, adquiriu 100% das ações da PoliPex (www.polipex.com.br), uma importante fabricante brasileira de espumas de PE extrudado para isolamento, em um acordo de participação por uma quantia não revelada. Esta transação reforça significativamente o portfólio de produtos da Armacell na América Latina e aumenta os níveis de serviço para clientes brasileiros, bem como, o apoio para os OEMs regionais. Com a adição da planta da PoliPex em Florianópolis (SC), a Armacell fica bem posicionada para continuar a desenvolver a sua presença de fabricação na América Latina.

“A PoliPex tem décadas de know-how na produção de PE extrudado, bem como uma forte equipe nacional. Estamos ansiosos para servir aos nossos clientes em toda a América Latina com um portfólio de produtos mais amplo e maiores níveis de serviço ao cliente”, explica Patrick Mathieu, Presidente e CEO da Armacell Internacional S.A.” Historicamente, a PoliPex exibiu taxas de crescimento sólidas e margens operacionais saudáveis. A recuperação prevista para a economia brasileira e o mercado de construção tornam a PoliPex um investimento atraente para nós. ”

A PoliPex atua no mercado de espumas extrudadas de Polietileno para isolamento e tem cerca de 80 funcionários. A empresa foi fundada por John Johannes van Mullem em 1991 e mantém sede em Santa Catarina, bem como, centros de distribuição no Sul e no Nordeste do país. No ano de 2015, a Polipex teve um faturamento de aproximadamente R$ 43 milhões.

Fonte: Armacell / foto: site Polipex

Curta nossa página no

Bemis adquire operações de embalagens médico-hospitalares da SteriPack

03/05/2016

Bemis-Steripack

Aquisição inclui instalações da empresa na Irlanda e ativos e bens de produção de embalagens na Malásia e nos Estados Unidos

A Bemis Company, Inc, uma das maiores fabricantes de embalagens do mundo, anunciou a aquisição das operações de embalagem para instrumentos médicos e serviços de valor agregado relacionados ao Grupo SteriPack, fabricante mundial de soluções para embalagens esterilizadas para instrumentos médicos e aplicações farmacêuticas.

A aquisição inclui as instalações da empresa na Irlanda e ativos e bens de produção de embalagens na Malásia e nos Estados Unidos. O Grupo SteriPack continuará operando individualmente.

“Esta aquisição dá suporte à estratégia de crescimento da Bemis no setor de embalagem para produtos relacionados à saúde. O forte relacionamento da SteriPack com seus clientes e suas operações complementarão nosso processo de expansão global nas áreas médico-hospitalar e farmacêutica aumentarão nossa capacidade de atender às necessidades de uma indústria em pleno crescimento. Com essa aquisição, esperamos conseguir aumentar nossas ações em 2016”, afirma William F. Austen, presidente e CEO da Bemis Company.

A Bemis é uma das maiores fabricantes de embalagens do mundo. Com sede em Neenah, Wisconsin (EUA), a companhia atende aos mercados de alimentos, bebidas, cosméticos, farmacêuticos, higiene pessoal, limpeza doméstica, médico-hospitalares e pet food com embalagens flexíveis, rígidas, cartonadas, tubos laminados e rótulos. A companhia conta com 17 mil funcionários em 67 unidades, localizadas em 11 países nas Américas do Norte e Latina, Europa e Ásia-Pacífico.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Bemis

Curta nossa página no

Lanxess e Saudi Aramco concluem negociação de joint venture

07/04/2016

Arlanxeo

  • Joint venture Arlanxeo lançada em 1º de abril, 2016 como planejado
  • Lanxess recebeu recursos de caixa de cerca de 1,2 bilhões de euros
  • Anunciada composição do comitê de acionistas da Arlanxeo

Em 1º de abril, a empresa de especialidades químicas Lanxess e a Saudi Aramco concluíram a formação da joint venture em base de 50-50 para borracha sintética, a Arlanxeo. O negócio foi anunciado pela primeira vez em setembro de 2015 e todas as autoridades antitruste relevantes liberaram a transação em fevereiro de 2016.

Com o fechamento da transação, uma participação de 50 por cento da joint venture Arlanxeo foi transferida para a subsidiária holandesa da Saudi Aramco, a Aramco Overseas Holdings Coöperatief U.A. Por sua vez, a Lanxess recebeu recursos em dinheiro de cerca de 1,2 bilhões de euros.

A Lanxess planeja investir cerca de 400 milhões de euros dos recursos da transação em crescimento orgânico. Outro valor de cerca de 400 milhões de euros está destinado a uma redução na posição financeira de débitos e cerca de 200 milhões de euros deverão ser usados em um programa de recompra de ações.

Com o lançamento da Arlanxeo, a composição do comitê de acionistas da empresa também foi anunciada. O comitê será presidido pelo presidente do conselho de administração, Matthias Zachert. Warren W. Wilder, Vice Presidente de Produtos Químicos da Saudi Aramco, é o Vice Presidente. Os membros adicionais do comitê de acionistas da Arlanxeo são Michael Pontzen, diretor financeiro da Lanxess; e Khalid H. Al-Dabbagh, Controller da Saudi Aramco.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess e Saudi Aramco lançam a Arlanxeo, joint venture na área de borracha sintética

11/02/2016

Arlanxeo

A empresa de especialidades químicas Lanxess e a Saudi Aramco anunciaram a Arlanxeo, nome da sua nova joint venture na área de borracha sintética. O novo nome e logo combinam elementos dos nomes e logotipos de ambos os parceiros. O logotipo é complementado pelo descritor “Elastômeros de Desempenho” para destacar a gama de produtos da nova empresa. Todas as mais importantes autoridades antitruste autorizaram a transação. Desta maneira, a joint venture será lançada como Arlanxeo em 10 de Abril de 2016.

“A Arlanxeo será uma empresa forte formada por dois parceiros fortes” “Isto está refletido também no novo nome da empresa”, disse Matthias Zachert, Presidente do Conselho de Administração da Lanxess AG e futuro Presidente do Comitê de Acionistas da Arlanxeo. “Nós estabeleceremos a Arlanxeo como um player novo e independente no mercado mundial de borracha sintética. E estamos convencidos de que, no mundo de borracha, a Arlanxeo vai se tornar uma marca forte.”

“Sob seu novo nome, a Arlanxeo terá como base o foco no cliente, o reconhecimento e a reputação, tanto da Saudi Aramco como da Lanxess, o que torna ambos os parceiros muito orgulhosos”, disse Abdulrahman Al-Wuhaib, Senior Vice-Presidente de Empresas Derivadas, da Saudi Aramco.

Em 22 de setembro de 2015, a Lanxess e a Saudi Aramco assinaram um acordo para criar uma joint-venture, com composição igualitária de 50% para cada parceiro, para o desenvolvimento, produção, comercialização, venda e distribuição de borracha sintética usada na indústria mundial de pneus, fabricação de autopeças e uma ampla gama de outras aplicações.

A Arlanxeo terá sua sede na Holanda. Os parceiros em breve nomearão a equipe de gestão que irá comandar a joint venture. Cada parceiro terá representação igualitária nos conselhos que supervisionarão a empresa. O CEO será nomeado pela Lanxess e CFO pela Saudi Aramco.

“Com este empreendimento, o maior produtor mundial de borracha sintética e a maior companhia integrada de energia do mundo, lançamos as bases para o desenvolvimento sustentável e positivo da Arlanxeo”, disse Zachert. “Esta é uma vitória para nossos clientes, bem como para os funcionários da Arlanxeo. Estamos ansiosos para o lançamento desta nova e promissora parceria”.

A Lanxess é uma empresa líder de especialidades químicas com vendas de 8 bilhões de euros em 2014 e aproximadamente 16.300 funcionários em 29 países. Atualmente a empresa está representada em 52 locais de produção, em todo o mundo. O core business da Lanxess é o desenvolvimento, fabricação e comercialização de plásticos, borracha, intermediários e especialidades químicas.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

LyondellBasell conclui venda da Petroken na Argentina

09/02/2016

PetrokenA LyondellBasell comunicou em 05/02 ter concluído a venda de sua subsidiária argentina Petroquímica Ensenada (Petroken) para o Grupo Inversor Petroquímica (GIP), da Espanha.

O negócio foi de US $ 184m, segundo a LyondellBasell.

A Petroken é uma dos produtores líderes de polipropileno na Argentina, com uma capacidade de produção de 180.000 toneladas/ano. A planta (foto) está localizada em Ensenada, ao lado do Complexo La Plata da YPF.

O acordo havia sido anunciado originalmente em agosto de 2015, quando se mencionou que a LyondellBasell havia aceitado uma oferta conjunta da YPF e GIP. Na época, o acordo anunciado era de US $ 145 milhões, sendo que a YPF e a GIP passariam a ter, cada uma, participações de 50% na Petroken. Todavia, em Dezembro foi comunicado que o acordo havia sido adiado.

Agora, a LyondellBasell não fez menção a YPF quando anunciou a conclusão do negócio.

A venda da unidade Petroken é parte da estratégia de crescimento de longo prazo da LyondellBasell, à medida que a empresa continua a se concentrar em ativos e mercados que vão criar maior valor para os seus acionistas.

Fonte: LyondellBasell

Curta nossa página no

Fabricante alemão de filmes Infiana vende sua unidade de produção na Bahia para o Packing Group

09/02/2016

Infiana

Em 1º de fevereiro, o Grupo Infiana vendeu sua unidade de produção de filmes na Bahia (foto) para o fabricante brasileiro Packing Group. A Infiana está agora operando a partir de três locais no mundo: de sua sede localizada em Forchheim (Alemanha), e de sites de produção em Malvern (EUA) e Samutsakorn (Tailândia). O grupo, especialista em filmes, emprega 800 funcionários em todo o mundo.

O motivo para a venda é a estratégia da Infiana. “Nós continuamos a nos concentrar no desenvolvimento e produção de soluções de especialidades em filmes”, explica Peter K. Wahsner, CEO do Grupo Infiana. Em geral, há potencial no Brasil, mas, “o cenário económico difícil impede – mesmo a médio prazo -. a substituição de produtos commodity por produtos premium, que são o nosso foco. Nós encontramos no Packing Group um comprador que irá, de forma bem sucedida, integrar a unidade da Bahia ao seu grupo empresarial e será capaz de explorar as sinergias esperadas em seu negócio atual “.

O Packing Group produz cerca de 110 mil toneladas por ano e está entre os maiores fabricantes de embalagens flexíveis na América do Sul. Com a aquisição da unidade da Infiana na Bahia, o Packing Group vai aumentar a produção em 14,4 mil toneladas por ano. Antes da aquisição, o Packing Group tinha seis fábricas no Brasil e centros de distribuição na Alemanha, Espanha e Estados Unidos.

A venda ocorre um ano após o Grupo Infiana, anteriormente denominado Huhtamaki Films, tornar-se independente. Com isso, o grupo continuará a implementar a sua estratégia de marca premium. Wahsner diz: “Vender o nosso site no Brasil não terá impacto sobre o nosso negócio global, uma vez que a carteira de produtos produzidos no Brasil não apresenta sinergias com os outros sites. Na verdade, com a venda do site brasileiro, damos mais um passo no sentido de nos posicionarmos como especialistas nos setores de filmes de engenharia, filmes de processos e filmes especiais. Para este mercado, nós esperamos um considerável potencial de crescimento em todo o mundo nos próximos anos. “

Fonte: Infiana Group

Curta nossa página no

PolyOne adquire ativos de TPE da Kraton

09/02/2016

PolyOne-Acquires-Kraton

Ampliando sua presença global e expertise em inovação e design de elastômeros termoplásticos  (TPE), a PolyOne Corporation anunciou em 03 de feveiro que adquiriu certas tecnologias e ativos da Kraton Performance Polymers, Inc.  As duas empresas também celebraram um acordo de fornecimento, através do qual a Kraton irá fornecer à PolyOne certas matérias-primas utilizadas no processo produtivo das unidades que foram vendidas.

Os mercados finais que utilizam as tecnologias vendidas pela Kraton abrangem aplicações novas e de crescimento rápido em adesivos e filmes protetores removíveis, bem como as aplicações existentes já servidas pela PolyOne, tais como embalagens, dispositivos médicos e produtos para cuidados pessoais. O preço da transação (US $ 72 milhões) representa um múltiplo de 9x EBITDA.

“Desde a nossa bem-sucedida aquisição em TPE da GLS em 2008, temos investido continuamente e promovido a globalizado e crescimento em inovação no segmento de TPE e seus vários usos de valor agregado”, disse Robert M. Patterson, presidente e CEO da PolyOne Corporation. “Estamos muito satisfeitos por termos feito este investimento para nossos clientes e seus objetivos de design de produto, desenvolvimento e desempenho.”

“Eu vejo esta transação como uma vitória para ambas as empresas, e mais importante, para os nossos respectivos acionistas e clientes”, disse Kevin M. Fogarty, presidente e diretor executivo da Kraton. “Ele permitirá que a PolyOne e Kraton se concentrem em suas principais competências e ajudará nossos clientes com soluções novas e únicas que os diferenciarão no mercado.”

Patterson acrescentou: “A integração será rápida e sem problemas, à medida que potencializamos o nosso know-how existente em TPE,  nosso alcance global e experiência comercial para ajudarmos os nossos clientes de maneiras novas e inovadoras.”

A PolyOne Corporation, com receitas de US $ 3,8 bilhões em 2014, é uma provedora de materiais, serviços e soluções especializadas em polímeros.

Fonte: PolyOne

Curta nossa página no

GE vende divisão de eletrodomésticos para fabricante chinês Haier

19/01/2016

GErefrigeradoresA General Electric anunciou acordo para vender seus negócios de eletrodomésticos para a fabricante chinesa Haier por 5,4 bilhões de dólares em dinheiro. Segundo comunicado divulgado no dia 15/01, as duas empresas também irão cooperar a nível global para expandir as atividades nos setores industrial e de saúde.

O acordo com a Haier ocorre semanas depois da GE abandonar entendimentos com a sueca Electrolux para a venda da divisão de eletrodomésticos por 3,3 bilhões de dólares. O Departamento de Justiça americano impediu o negócio de seguir adiante por julgar que ele ameaçava a concorrência dentro dos Estados Unidos.

A aquisição deve melhorar a competitividade global da empresa chinesa e ajudar a Haier a  vender refrigeradores, máquinas de lavar louça e outros eletrodomésticos em outros mercados além da China, onde a empresa é bem conhecida. O acordo prevê o direito do uso da marca GE Applicances por 40 anos e manterá os escritórios da empresa em Louisville, Kentucky, assim como a atual equipe administrativa, segundo informaram as duas companhias.

Segundo a Haier, o negócio inclui uma fatia de 48,4 % da GE Applicances na fabricante mexicana de eletrodoméstico Mabe, que opera uma joint-venture e fornece para a GE Appliances há 28 anos.

Em 2014, as receitas da GE Appliances totalizaram 5,9 bilhões de dólares e a empresa teve 400 milhões em Ebitda  (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização). A força de trabalho total da GE Appliances ao redor do mundo é de 12 mil funcionários, sendo que 96% deles estão baseados nos Estados Unidos.

O negócio permitirá à GE redicionar o foco para seus negócios principais, concentrados na área industrial, como a fabricação de turbinas para aviação e para geração de energia eólica.

A transação terá que ser avaliada por autoridades regulatórias na China e em outros países e estará também sujeito à aprovação por dois terços de acionistas da Qingdao Haier (empresa com fatia de 41% detida pela Haier).

Fonte: Reuters / Valor / IstoÉ Dinheiro

Curta nossa página no

KraussMaffei é vendida para grupo chinês ChemChina

12/01/2016
Ting Cai, Chairman e CEO da China National Chemical Equipment Co. Ltd. (CNCE), Frank Stieler, CEO da KraussMaffei Group e Chen Junwei, CEO da ChemChina Finance Co. Ltd

Ting Cai, Chairman e CEO da China National Chemical Equipment Co. Ltd. (CNCE), Frank Stieler, CEO da KraussMaffei Group e Chen Junwei, CEO da ChemChina Finance Co. Ltd

  • Grupo chinês ChemChina adquiriu a empresa alemã fabricante de máquinas para processamento de plásticos KraussMaffei por 925 milhões de euros (aproximadamente 1 bilhão de dólares)
  • A transação deverá acelerar o crescimento do Grupo KraussMaffei
  • Sede e demais instalações da KraussMaffei Grupo permanecerão nos mesmos locais
  • Número de empregos deverá aumentar

A maior aquisição de todos os tempos de uma empresa alemã por um grupo chinês foi anunciado na segunda-feira, 11/01. Um consórcio liderado pela estatal China National Chemical Corp (ChemChina) comprou a fabricante de máquinas industriais KraussMaffei por cerca de US $ 1 bilhão.

O acordo é o mais recente exemplo, nos últimos anos, de empresas chinesas capitalizadas que buscam adquirir a experiência tecnológica, as redes de distribuição e marcas de empresas ocidentais, muitas vezes construídas ao longo de várias décadas.

A transação também ocorre em um momento no qual o enfraquecimento da moeda chinesa está incentivando as empresas do país a transferir investimentos para o exterior, de modo que são esperadas mais negócios similares ainda neste ano.

O consórcio liderado pela ChemChina, que inclui também a Guoxin International Investment Corp e a empresa de private equity Agic Capital, concordou em comprar a KraussMaffei do grupo canadense Onex Corp por 925 milhões de euros, segundo a Agic e a Onex.

A ChemChina ficará com dois terços da KraussMaffei, que começou suas atividades como um fabricante de locomotivas em Munique na década de 1830, antes de se expandir para o segmento deconstrução de tanques na década de 1930, fabricando agora máquinas para processamento de plásticos e borracha.

ChemChina é um investidor estratégico e orientado a longo prazo

“Com a ChemChina, nós encontramos um investidor estratégico e orientado a longo prazo que vinha se interessando por nossa empresa há muitos anos”, disse Frank Stieler, CEO do Grupo KraussMaffei. O Grupo KraussMaffei continuará a operar com a sua atual estrutura corporativa.

“Estamos reforçando a nossa empresa com um dos principais grupos de engenharia mundiais, abrangendo uma história corporativa 178 anos. Ao fazê-lo, esperamos que o Grupo KraussMaffei mantenha a sua identidade e independência “, disse Jianxin Ren, Chairman da ChemChina. “Estamos investindo na forte equipe de gestão da KraussMaffei e na sua competência tecnológica e acreditamos que isso irá beneficiar nossas subsidiárias chinesas e posicionar o negócio de máquinas para o setor químico e de plásticos da ChemChina, que irá construir e vender equipamentos para a indústria de borracha e plásticos, para tornar-se um pioneiro no atingimento do “Made in China 2025”, programa que visa reforçar a indústria chinesa. O potencial de crescimento do Grupo KraussMaffei é enorme, especialmente através da melhoria do acesso ao mercado chinês, o que nós podemos tornar possível. Nós esperamos que as tendências na indústria automotiva na direção da fabricação avançada e de componentes leves irão proporcionar uma enorme oportunidade de desenvolvimento para a indústria de injeção de plásticos de ponta. Juntos, a ChemChina e o Grupo KraussMaffei estarão bem posicionados para o crescimento futuro “, acrescentou Ren Jianxin.

Crescimento deverá se acelerar consideravelmente

“Após a aquisição pela Onex no final de 2012, o Grupo KraussMaffei alcançou um forte crescimento e teve um ano de muito sucesso em 2015. Como parte da ChemChina, nós esperamos acelerar consideravelmente a nossa estratégia de crescimento, especialmente na China e na Ásia, e reforçar ainda mais a empresa na Alemanha e na Europa “, enfatizou Stieler. Na China, a KraussMaffei deverá se beneficiar, em especial, das tendências no sentido de maior qualidade e sustentabilidade. As máquinas e os sistemas das três marcas – KraussMaffei, KraussMaffei Berstorff e Netstal – são especialmente adequadas para atender às necessidades mais exigentes dos clientes. Como resultado da transação, o Grupo KraussMaffei será capaz de acelerar sua expansão planejada na China.

Locais de atuação permanecem – aumento de postos de trabalho planejado para a Alemanha em 2016

“O crescimento acelerado terá um impacto sustentado positivo para a Companhia a nível global. Nossa empresa tem uma base forte e vamos continuar a construir sobre os nossos pontos fortes e criar novos postos de trabalho em todo o mundo “, disse Stieler. Nossas marcas KraussMaffei, KraussMaffei Berstorff e Netstal sempre serão sinônimos de alta qualidade e sustentabilidade. A sede do Grupo KraussMaffei permanecerá em Munique e a responsabilidade operacional e corporativa pela Companhia vão ficar na Europa. Isso se aplica, em especial, à produção, tecnologia, patentes, bem como pesquisa e desenvolvimento. O Grupo KraussMaffei continuará a operar como uma empresa alemã com um Conselho de Administração baseado na co-determinação. Todos os acordos coletivos existentes e compromissos locais da empresa ao redor do mundo permanecerão inalterados. Atualmente, a empresa tem cerca de 4.500 funcionários no mundo, dos quais 2.800 são baseados na Alemanha. A Companhia pretende aumentar sua força de trabalho em 2016, inclusive na Alemanha.

Conselho de trabalhadores e do IG Metall dão boas-vindas à mudança de propriedade

Os representantes dos trabalhadores e a IG Metall dão boas-vindas à mudança planejada na propriedade. “Nós consideramos a transação como uma oportunidade significativa para o Grupo KraussMaffei e seus funcionários. Estamos confiantes de que, através de um maior crescimento, os postos de trabalho existentes na Alemanha e na Europa serão garantidos e ampliados “, comentou Peter Krahl, presidente do conselho de trabalho do Grupo KraussMaffei. A IG Metall também é favorável à mudança de propriedade. “Esta mudança vem no momento certo para a empresa e oferece uma boa perspectiva para o crescimento futuro”, disse Horst Lischka,  Representante da IG Metall para a empresa, responsável por Munique e membro da Comissão Presidencial do Conselho de Administração do Grupo KraussMaffei. “Estou contento com o fato de que o princípio alemão de co-determinação também está desfrutando de maior valorização no exterior como uma base para o sucesso empresarial sustentável”, acrescentou.

ChemChina focaliza-se na sua expertise em gestão, bem como na qualidade e valor das empresas adquiridas

A ChemChina é o maior grupo do setor de produtos químicos da China, tendo gerado receitas em torno de € 37 bilhões em 2015, com aproximadamente 140.000 funcionários, dos quais 45.000 estão localizados fora da China. O grupo opera internacionalmente e tem uma estratégia de expansão global, tendo adquirido ou investido em empresas na Itália, França, Noruega, Reino Unido e Cingapura nos últimos anos, sendo que a sua mais recente aquisição foi o fabricante de pneus Pirelli. Quando se trata de investimentos de capital, a ChemChina focaliza-se na sua experiência de gestão, bem como a qualidade e valor das empresas adquiridas.

Após a aquisição pela Onex em 2012, o Grupo KraussMaffei demonstrou melhoria sustentada em seu desempenho financeiro e operacional. Em 2014, a empresa gerou receitas de aproximadamente € 1,1 bilhão e espera alcançar um crescimento anual de receita de aproximadamente 10 por cento para 2015. “Agradecemos à Onex por construtivamente apoiar nossa empresa ao longo dos últimos três anos, o que nos permitiu alcançar um desempenho recorde em 2015 e posicionar a empresa para o futuro “, comentou Stieler.

“Ao longo dos últimos anos, nós temos trabalhado em estreita colaboração com a equipe de gestão do Grupo KraussMaffei para melhorar o desempenho da empresa, fortalecendo ainda mais sua posição de liderança na indústria global de processamento de plásticos e borracha”, disse David Mansell, diretor-geral da Onex. “Gostaríamos de agradecer a todos os colaboradores e administradores do Grupo KraussMaffei por sua dedicação e trabalho duro”, acrescentou Mansell.

Fonte: KraussMaffei / Reuters

Curta nossa página no

Solvay finaliza com sucesso a aquisição da Cytec e lança planos de integração

07/01/2016

No início de dezembro, o Grupo Solvay concluiu com êxito a aquisição da Cytec, começando imediatamente a integração dos negócios da empresa para obter sinergias de custos e aproveitar oportunidades significativas de negócios em materiais leves avançados para as indústrias aeroespacial/aeronáutica e automotiva, e em especialidades químicas para mineração.

“A Cytec representa um marco decisivo na transformação da Solvay e abre novos horizontes para o crescimento e a inovação. A Solvay é agora um dos principais fornecedores de materiais leves para a indústria aeroespacial”, disse Jean-Pierre Clamadieu, CEO da Solvay. “Graças aos extensos preparativos, vamos iniciar agora uma integração rápida e eficaz dos negócios da Cytec e de suas equipes talentosas à Solvay e acelerar a geração de valor para nossos acionistas.”

Uma grande equipe de pessoal da Solvay e da Cytec foi mobilizada desde o início de outubro para preparar planos detalhados de integração. A Solvay também vai criar duas novas Unidades de Negócios Globais (GBU’s, na sigla em inglês):

– Uma Unidade de Negócio Global (GBU) vai agrupar os negócios de compósitos da Cytec, Aerospace Materials e Industrial Materials. Bill Wood foi nomeado presidente desta GBU, que fará parte do segmento operacional Advanced Materials;

– Outra Unidade de Negócio Global combinará as atividades In Process Separation, que atua em aditivos para polímeros e resinas formuladas da Cytec, com intermediários a partir de fósforo da Novecare da Solvay. Mike Radossich foi nomeado presidente desta GBU, que fará parte do segmento operacional Advanced Formulations.

A expectativa da Solvay é gerar um mínimo de €100 milhões em sinergias anuais no prazo de três anos após a aquisição. A aquisição deverá ser adicionada aos lucros ajustados e fluxo de caixa livre após o primeiro ano da aquisição e para o Retorno de Fluxo de Caixa sobre o Investimento (CFROI) no médio prazo.

O financiamento da aquisição está quase concluído. Ele consiste na emissão de cerca de € 4,7 bilhões em títulos seniores e híbridos, e a emissão de direitos de €1,5 bilhão, que está em curso.

A Cytec estará totalmente consolidada no Grupo Solvay a partir de 1º de janeiro de 2016.

O grupo Solvay, com sede em Bruxelas, emprega cerca de 30.000 pessoas em 52 países, tendo obtido um faturamento de €11,7 bilhões em 2014. No Brasil, o grupo também atua com a marca Rhodia, cujas atividades internacionais foram adquiridas em 2011.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no