Covestro tem resultados positivos no 3o.Trimestre em um ambiente de mercado cada vez mais desafiador

01/11/2018

  • Vendas totais sobem 4,8% para 3,7 bi €
  • Volumes principais se mantêm estáveis
  • EBITDA de 859 mi € no nível do ano anterior
  • Receita líquida total de 496 mi €, com alta de 1,0% sobre o ano anterior
  • Fluxo de caixa operacional livre cai 12,2% para 578 mi € devido à elevação dos investimentos
  • Meta de economia de custos de 350 mi € por ano

A Covestro mantém seu desempenho comercial positivo em 2018 com um sólido terceiro trimestre em um ambiente de mercado cada vez mais difícil. As vendas totais subiram 4,8% para 3,7 bilhões de euros em relação ao mesmo trimestre de 2017, devido à elevação dos preços de venda e dos volumes vendidos. Os volumes principais tiveram alta marginal de 0,2%, mantendo-se no nível do ano anterior apesar da disponibilidade limitada de produtos. Com 859 milhões de euros, o EBITDA do grupo também foi equivalente ao do período do ano anterior. No segmento de poliuretanos, a normalização esperada dos preços de TDI levou a um declínio nas margens, fenômeno compensado pelas margens mais altas no segmento de policarbonatos. A receita líquida sofreu leve alta de 1,0% para 496 milhões de euros. O fluxo de caixa operacional livre (FOCF) caiu 12,2% para 578 milhões de euros devido à elevação dos investimentos.

Dr. Markus Steilemann, CEO da Covestro, afirma: “Continuamos no caminho certo. Os investimentos que decidimos fazer nos apontam nossa direção futura e firmam as bases para crescimento orgânico daqui para a frente. Expandiremos nossas capacidades em todos os segmentos e, assim, fortaleceremos nossa posição de liderança em áreas atraentes que crescem mais rápido que a economia global. Nosso programa de eficiência também melhorará as estruturas de custos no médio prazo.”

Com investimentos totais de cerca de 1,5 bilhão de euros, a Covestro anunciou recentemente a expansão das suas capacidades de MDI em Baytown, Texas (EUA). Lá espera-se que uma nova fábrica de escala mundial comece a produzir aproximadamente 500 quilotoneladas de MDI por ano até 2024. Ao mesmo tempo, há projetos de investimento em curso em Brunsbüttel (Alemanha), Tarragona (Espanha), Antuérpia (Bélgica) e Caojing (China) para elevar as capacidades de produção de MDI e seus precursores da Covestro, a fim de se beneficiar com o crescimento do mercado global. A projeção é de que o mercado de MDI cresça cerca de 5% por ano no longo prazo, superando o PIB global em cerca de 2%.

A Covestro também tem o compromisso de desenvolver produtos inovadores movidos principalmente pela sustentabilidade: desde meados do segundo semestre de 2018, a companhia comercializa o primeiro de uma nova série de poliuretanos termoplásticos fabricados com o auxílio de matérias-primas baseadas em CO2. Comparados aos materiais convencionais, esses novos poliuretanos têm menor impacto ambiental e, por isso, contribuem para suprir a demanda por soluções mais sustentáveis.

Confirmadas previsões para o ano completo

Dr. Thomas Toepfer, CFO da Covestro, declara: “O terceiro trimestre atingiu nossas expectativas. Presenciamos condições comerciais globais cada vez mais desafiadoras e também passamos por limitações na disponibilidade de produtos na Europa e na Ásia no último trimestre. Ainda assim, conseguimos manter os volumes estáveis. Nesse contexto, hoje confirmamos nossas previsões para 2018 como um todo.”

A Covestro antecipa ainda um crescimento de até 5% do volume principal para o ano completo de 2018. A expectativa é de fluxo de caixa operacional acima de 2 bilhões de euros. A empresa espera que o ROCE se mantenha próximo do nível de 2017, enquanto conserva a projeção de EBITDA acima de 2017.

No último trimestre, a Covestro continuou seu programa de recompra de ações, lançando a terceira etapa em agosto. Desde o início do programa, foram recompradas ações no total de cerca de 1,2 bilhão de euros, ou quase 8% do capital social. No geral, até meados de 2019, a Covestro pretende recomprar ações próprias no total de até 1,5 bilhão de euros ou 10% do seu capital social.

Meta de economia de custos de 350 mi € por ano

Simultaneamente, a Covestro está fazendo ótimo progresso com outra iniciativa estratégica: a intensificação da colaboração entre as divisões da empresa e o aumento do uso de soluções digitais devem aumentar a eficácia e a eficiência. A partir de 2021, no mais tardar, estima-se que a economia de custos seja da ordem de 350 milhões de euros por ano, com a meta de limitar o aumento geral dos custos operacionais. O objetivo principal das medidas identificadas é reduzir permanentemente os custos não salariais, apesar da futura redução de aproximadamente 900 postos de jornada integral no mundo todo,  em áreas administrativas, por exemplo. As demissões serão feitas empregando soluções socialmente aceitáveis que já foram acordadas com o conselho de trabalhadores na Alemanha.

Forte crescimento em policarbonatos e Coatings, Adhesives, Specialties

No segmento de poliuretanos, as vendas tiveram queda marginal de 1,2% no terceiro trimestre de 2018 para 1.849 milhões de euros. O declínio nas vendas nas regiões EMLA e APAC foi equilibrado por um aumento na região NAFTA. Alterações nos preços, efeitos de câmbio e interrupções não planejadas na produção causaram impacto negativo. Os volumes principais no segmento de poliuretanos caíram 2,0%, e o EBITDA no segmento caiu 21,5% para 432 milhões de euros. O fenômeno pode ser atribuído principalmente à normalização da situação de fornecimento de TDI e ao aumento dos preços de compra de matérias-primas específicas do segmento.

O segmento de policarbonatos continuou registrando forte crescimento no terceiro trimestre, com alta de 11,3% nas vendas para 1.038 milhões de euros. O crescimento dos volumes principais (de 2,6%) e a elevação dos preços de venda influenciaram positivamente as vendas. As vendas nas regiões EMLA (Europa, Oriente Médio e África) e APAC (Ásia e Pacífico) cresceram substancialmente, compensando a baixa na região NAFTA (América do Norte). O EBITDA do segmento de policarbonatos beneficiou-se com a alta das margens e preços, crescendo 49,3% para 315 milhões de euros. Esse resultado também inclui a receita não recorrente de 36 milhões de euros com a venda do setor de chapas nos EUA.

No segmento de Coatings, Adhesives, Specialties, as vendas subiram 8,8% para 606 milhões de euros. Todas as regiões contribuíram para o crescimento nas vendas. No terceiro trimestre, os volumes principais do segmento também tiveram alta acentuada de 7,2%. O EBITDA atingiu 126 milhões de euros, mantendo-se em nível similar ao do ano anterior.

Desempenho comercial de sucesso nos primeiros nove meses de 2018

Nos primeiros nove meses, a Covestro já firmou bases gerais sólidas para o ano como um todo. Cumulativamente, os volumes principais subiram 1,5% em relação aos números do ano anterior. As vendas saltaram 6,9% para 11,3 bilhões de euros e o EBITDA cresceu 13,7% para 2,9 bilhões de euros. A empresa ainda elevou seu fluxo de caixa operacional livre em 9,9% para 1,3 bilhão de euros.

Com 14,1 bilhões de euros em vendas em 2017, a Covestro é uma das maiores empresas mundiais de polímeros. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de materiais de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, de construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem cerca de 30 unidades produtivas no mundo todo e, no final de 2017, empregava aproximadamente 16,2 mil pessoas (em equivalência à jornada integral).

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Anúncios

Sindiplast-ES premia empresas e estimula inovação no setor de Plásticos do Estado

01/11/2018

Inovações reduziram custos, desenvolveram as equipes, aumentaram a produtividade e o potencial de faturamento das empresas

As empresas Plasvit e a Sacaria Serrana foram as vencedoras da segunda edição do Prêmio InovaPlast, promovido pelo Sindicato da Indústria de Material Plástico do Espírito Santo (Sindiplast-ES). Os ganhadores foram conhecidos na noite de terça-feira, 23 de outubro, durante a solenidade de abertura da 11ª Semana do Plástico, na Findes.

A premiação é destinada a micro, pequenas, médias e grandes empresas associadas que implementaram práticas inovadoras nas categorias Produtos, Processos e Modelo de Negócio. A escolha dos vencedores foi feita por uma comissão julgadora com membros de entidades como Findes, Sesi-ES, Senai-ES, Secretaria da Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Profissional (Secti) e da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), e que avaliou critérios como relevância; benefícios econômicos, ambientais e de segurança do trabalho; método; grau de desafio e/ou dificuldade e impacto inovador.

A Plasvit venceu na categoria Produto, com o projeto “Tampa Pet 1881”, que diminuiu em 20% o custo com matérias-primas para a produção de tampas sem reduzir a qualidade do produto. A empresa ainda inovou no processo de impressão das logomarcas dos clientes nas tampas, que passou a ser feito diretamente no molde do produto em baixo relevo, aumentando a segurança contra reproduções ilegais.

Outro resultado foi a diminuição do tempo do ciclo de injeção em 2,5%, possibilitando o aumento da produção e do potencial de faturamento da empresa. “Este projeto nos mostrou que é possível se diferenciar no mercado, por isso iniciamos a aplicação de novas idéias em outros produtos”, afirmou o diretor comercial da Plasvit, Ramon Scardua.

Já a Sacaria Serrana foi duplamente premiada nas categorias Processo, com o projeto “Mais com Menos”, e Modelo de Negócio, com o programa “Mico gestão aqui não”. A diretora geral da empresa, Juliana Prado, explicou que a empresa contou com várias consultorias no último ano e implementou diferentes mudanças visando melhorias na produtividade e na própria cultura da organização.

“Tivemos um ano de muito empenho, com mudanças na linha de produção, otimização do quadro funcional, mentorias para reposicionar a empresa no mercado, mudança na política de vendas, entre outras. Aumentamos em 200% a nossa produtividade, trabalhamos o treinamento comportamental dos profissionais e remodelamos nossas equipes”, destacou.

De acordo com o presidente do Sindiplast-ES, Gilmar Regio, a segunda edição do Prêmio InovaPlast teve um aumento nas inscrições que chegou a 42% em relação ao ano de 2017. “Este prêmio é um incentivo à melhoria contínua, para que as organizações busquem introduzir novos produtos no mercado, otimizem processos de produção e logística e aprimorem métodos de gestão organizacional, de maneira a crescerem e desenvolverem o setor como um todo aqui no Estado”, pontua.

A 11ª Semana do Plástico é o principal evento da indústria capixaba de Transformados Plásticos e terminou no sábado, 27 de outubro, reunindo autoridades, empresários, profissionais da indústria e estudantes, em uma programação com workshops, rodada de negócios, minicursos e palestras.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Sindiplast-ES

Curta nossa página no

Eastman e DW Designs apresentam resultados de testes com polímeros em aplicações de áudio

01/11/2018

A Eastman e a DW Designs demonstram a clareza de áudio do copoliéster Tritan™ e do bioplástico de engenharia Trëva™

A fabricante global de materiais plásticos Eastman, em colaboração com a DW Designs, moldou e testou modelos em berílio para invólucros de monitor auditivo usando uma variedade de materiais. As duas empresas apresentaram suas descobertas no festival anual Rocky Mountain International Audio Fest (CanJam), realizado no mês de outubro, em Denver.

“A Eastman desejava entender como os nossos polímeros poderiam incrementar a performance acústica em aplicações de áudio”, afirma John Quigley, Engenheiro Sênior de Desenvolvimento de Aplicações da Eastman. “Nós trabalhamos com a DW Designs para testar invólucros modelados em um material de policarbonato, assim como as resinas de copoliéster e celulósica da Eastman”.

A Eastman e a DW Designs testaram cada um dos polímeros tanto pelo espectro cumulativo de decaimento (cumulative spectral decay – CSD) quanto pela distorção harmônica total (total harmonic distortion – THD). Dados indicam que o copoliéster superou o policarbonato, enquanto a celulósica ofereceu resultados superiores, ambos em termos de resposta limpa e baixa distorção. Especificamente, o policarbonato teve os maiores picos de ressonância, ao passo que a celulósica apresentou o nível total mais baixo de THD medido.

“Os polímeros da Eastman demonstraram, por meio de meus testes e experimentações independentes, fornecer melhorias mensuráveis e audíveis em muitos produtos que utilizam plástico”, diz Dan Wiggins, consultor da DW Designs. “Fácil de moldar, durável, com dissipação de energia interna incrivelmente alta e acessibilidade fazem com que produtos como o Tritan e o Trëva sejam simples para muitos consumidores de produtos auditivos. Agora, eles são minha mais alta recomendação para moldar caixas acústicas. ”

Segundo a Eastman, os dados demonstraram que o copoliéster Tritan™ e o bioplástico de engenharia Trëva™ fabricados pela empresa Eastman têm características superiores em abafamento de som em relação ao policarbonato. Além disso, o comentário de ouvintes especialistas demonstraram que os consumidores foram capazes de ouvir melhor os detalhes de fino e preferiram a performance acústica do Tritan e do Trëva.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Eastman

Curta nossa página no

Dow criar dois novos cargos de liderança para tratar dos desafios globais de reciclagem

01/11/2018

Carsten Larsen

Diretores comerciais de reciclagem irão se concentrar no desenvolvimento de novos modelos de negócios e estratégias de crescimento para recuperar fluxos de reciclagem de resíduos plásticos em todo o mundo

A Dow Embalagens e Plásticos de Especialidades, uma unidade de negócios da Dow, acaba de anunciar a criação de dois novos cargos de liderança sênior para tratar dos desafios globais que envolvem o gerenciamento de resíduos e a reciclagem de plásticos. Tim Boven, ex-Diretor Global da Cadeia Integrada de Suprimentos para Hidrocarbonetos, foi nomeado Diretor Comercial de Reciclagem para a América Latina e América do Norte. Carsten Larsen, ex-Diretor Comercial da Dow Industrial Solutions para a Europa, Oriente Médio, África e Índia, ocupará o cargo de Diretor Comercial de Reciclagem para a EMEA (Europa, Oriente Médio, África) e Ásia-Pacífico.

Tim Boven

Em seus novos cargos, Tim e Carsten serão responsáveis pelo desenvolvimento de novos modelos de negócios e estratégias de crescimento voltadas para a recuperação de fluxos de reciclagem de resíduos plásticos nas Américas, Europa, Oriente Médio, África e Ásia-Pacífico. Irão trabalhar com suas respectivas lideranças comercias na elaboração de uma estrutura de recursos adequada em suas regiões para promover essa iniciativa.

“É grande a quantidade de plásticos que se transformam em resíduos e acabam ingressando no meio ambiente em todo o mundo devido às variações na disponibilidade de infraestrutura suficiente, baixas taxas de reciclagem e itens que são descartados sem o devido cuidado após o uso”, afirma Diego Donoso, Presidente da Dow Embalagens e Plásticos de Especialidades. “A Dow está comprometida em investir nos líderes certos e em inovações de reciclagem para ajudar a promover soluções para o fim de vida dos plásticos. Com Tim e Carsten impulsionando a nossa estratégia de reciclagem global, seremos capazes de ajudar clientes em todo o mundo a atingirem seus objetivos de sustentabilidade e viabilizar a mudança em direção a uma cadeia de valor mais circular para os plásticos”, ressalta Donoso.

Os executivos estão avaliando fluxos de resíduos plásticos no mundo todo e trabalhando para identificar inovações tecnológicas de reciclagem que contribuirão para uma economia circular global para os plásticos. Na América do Norte e EMEA, eles irão focar principalmente na promoção da economia circular dos plásticos por meio de novas ofertas de produtos via tecnologias que serão usadas para transformar os resíduos em recursos valiosos. Na América Latina e Ásia-Pacífico, onde a infraestrutura de reciclagem é menos avançada e a quantidade de resíduos plásticos continua a crescer, irão se concentrar em novas plataformas de reciclagem, coleta e infraestrutura para a Dow e em iniciativas que ajudem os parceiros locais da cadeia de valor a interromperem o descarte de plásticos no meio ambiente.

Como parte da estratégia de reciclagem, Tim e Carsten irão explorar as colaborações atuais da Dow e trabalhar com os parceiros da cadeia de valor da Companhia a fim de tratar dos desafios dos resíduos plásticos por meio de tecnologias e iniciativas da Dow que aumentam a sua reciclabilidade. O trabalho de ambos ajudará a Dow a alcançar sua Meta de Sustentabilidade para 2025 de promover uma economia circular por meio da oferta de soluções capazes de fechar os ciclos de recursos em mercados importantes.

“A criação desses novos cargos na Dow é apenas uma das muitas iniciativas que fazem parte do nosso compromisso de promover o valor de sustentabilidade dos plásticos”, destaca Donoso. “Sabemos, porém, que não podemos solucionar esse problema sozinhos, razão pela qual incentivamos nossos pares do setor, parceiros e clientes a nos ajudarem a criar e entregar soluções que interrompam o descarte de resíduos e mantenham o valor dos plásticos por todo o ciclo”, completa.

A Dow Embalagens e Plásticos de Especialidades oferece soluções em plásticos que atendem às demandas dos consumidores em mercados de uso final como embalagens para alimentos, higiene pessoal, calçados, transportes e infraestrutura. A unidade de negócios é uma das maiores produtoras de polietileno do mundo.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

BASF registra aumento de vendas no terceiro trimestre de 2018

01/11/2018

Lucros menores do que o trimestre correspondente do ano anterior

No terceiro trimestre de 2018, as vendas do Grupo BASF cresceram 8%, atingindo €15,6 bilhões, atribuído principalmente aos maiores preços de venda em todos os segmentos. O crescimento dos volumes e a aquisição dos negócios da Bayer, em agosto de 2018, também contribuíram para o aumento das vendas. Os efeitos cambiais negativos tiveram um impacto de compensação. O resultado das operações antes dos itens extraordinários (EBIT) diminuiu em €232 milhões, indo para €1,5 bilhão, principalmente devido à significativa menor contribuição do segmento de Químicos. O EBIT antes dos itens extraordinários também diminuiu consideravelmente nos segmentos de Materiais e Soluções Funcionais e Soluções para Agricultura, apresentando um ligeiro declínio no segmento de Produtos de Performance – fato parcialmente compensado por lucros melhores em Outros.

Os itens extraordinários no EBIT totalizaram menos €75 milhões no terceiro trimestre de 2018, comparados a €122 milhões no mesmo período do ano anterior. Além dos custos de integração incorridos, relacionados à aquisição de significativos negócios e ativos da Bayer, as despesas com medidas de reestruturação e outros encargos também foram fatores contribuintes. O terceiro trimestre do ano anterior incluiu receitas especiais no segmento de Produtos de Performance, resultante da transferência do negócio de produtos químicos para couro da BASF para o grupo Stahl. Comparado ao terceiro trimestre de 2017, o EBIT diminuiu em €429 milhões, indo para €1,4 bilhão. O resultado operacional antes da depreciação, amortização e itens extraordinários (EBITDA antes dos itens extraordinários) diminuiu em €254 milhões, indo para €2,3 bilhões e o EBITDA em €465 milhões, indo para €2,2 bilhões.

Na apresentação dos números trimestrais do Grupo BASF, o Presidente do Conselho Administrativo, Dr. Martin Brudermüller, e o CFO Dr. Hans-Ulrich Engel apontaram alguns fatores especiais do terceiro trimestre: “Concluímos a aquisição de negócios significativos e ativos da Bayer e chegamos a um acordo sobre a fusão da Wintershall e DEA”, disse Brudermüller. Após a assinatura do contrato de cessão entre a BASF e a LetterOne, foi necessário ajustar os relatórios financeiros de forma retroativa a partir de 1º de janeiro de 2018. Os valores do ano anterior também foram atualizados.

O baixo nível de água no rio Reno, na Europa, causou impacto nos negócios. “Durante todo o terceiro trimestre, tivemos que lidar com isso, o que levou a cortes de produção e maiores custos com transporte”, disse Brudermüller. E o período apurado está sendo comparado com o excelente terceiro trimestre de 2017 do Grupo BASF, quando o clima de negócios era consideravelmente mais favorável. Brudermüller disse: “Os desafios no ambiente macroeconômico estão crescendo, fato que pode ser notado nos resultados do terceiro trimestre de 2018.”

Panorama para o exercício de 2018

O crescimento da produção industrial ficou aquém das expectativas no terceiro trimestre de 2018, principalmente devido aos acontecimentos na indústria automotiva em setembro, especificamente. A introdução de novos padrões de emissões causou impacto na Europa. Os efeitos do conflito comercial entre os Estados Unidos e a China também estão sendo sentidos, levando a uma desaceleração do crescimento econômico na Ásia em particular, principalmente na China.

Assim, a BASF ajustou sua avaliação do ambiente econômico global em 2018 da seguinte forma (previsão do Relatório Financeiro Semestral de 2018 entre parênteses):

  • Crescimento do produto interno bruto: 3,0% (3,0%)
  • Crescimento da produção industrial: 3,1% (3,2%)
  • Crescimento da produção de químicos: 3,1% (3,4%)
  • Taxa de câmbio média entre o euro e o dólar de $1,20 dólar por euro ($1,20 por euro)
  • Preço médio do petróleo (Brent) para o ano de $70 dólares por barril ($70 por barril)

A assinatura do acordo definitivo de cessão relativa à incorporação da Wintershall e da DEA reduz as vendas e o EBIT do Grupo BASF pela contribuição de suas atividades de petróleo e gás – retroativo a partir de 1º de janeiro de 2018 e com os números do ano anterior corrigidos, fruto da apresentação como operações descontinuadas.

Como resultado, a previsão do Grupo BASF para o exercício de 2018, contida no relatório de 2017, foi ajustada ao final de setembro (previsão anterior do Relatório BASF 2017 entre parênteses abaixo):

  • Discreto aumento das vendas (discreto aumento)
  • Ligeira queda no EBIT antes dos itens extraordinários (ligeiro aumento)
  • Declínio considerável no EBIT (ligeiro declínio)
  • Evolução dos segmentos no terceiro trimestre de 2018

As vendas no segmento de Químicos aumentaram 7% em comparação ao trimestre do ano anterior, indo para €4,3 bilhões, fruto de preços mais altos em todas as divisões, especialmente em Petroquímicos. Na casa dos €851 milhões, o resultado operacional antes dos itens extraordinários (EBIT) apresentou queda de €251 milhões, comparado ao forte terceiro trimestre de 2017, resultado principalmente das margens menores de isocianatos na divisão de Monômeros e produtos de craqueamento a vapor na divisão de Petroquímicos. Os lucros também foram negativamente impactados por custos fixos mais altos, devido, entre outros fatores, ao aumento das despesas de manutenção. Os lucros maiores da divisão de Intermediários não foram suficientes para compensar tal fator.

As vendas de aproximadamente €4 bilhões no segmento de Produtos de Performance ficaram niveladas com o trimestre do ano anterior. A BASF alcançou preços mais altos em todas as divisões; no entanto, os volumes de vendas diminuíram nas divisões de Nutrição e Saúde, Dispersões e Pigmentos e Care Chemicals. As vendas foram prejudicadas também pelos efeitos cambiais e de portfólio. O resultado das operações antes dos itens extraordinários (EBIT) diminuiu 6% comparado ao terceiro trimestre de 2017, indo para €360 milhões, resultado de volumes menores, custos fixos mais altos e efeitos cambiais negativos. As melhores margens tiveram um efeito de compensação. Excluindo os efeitos cambiais negativos, o EBIT antes dos itens extraordinários foi linear durante o período.

No segmento de Materiais e Soluções Funcionais, as vendas aumentaram 5% em comparação ao terceiro trimestre de 2017, alcançando €5,2 bilhões, fruto principalmente dos preços mais altos em todas as divisões, especialmente nos Catalisadores e Produtos de Performance. Os volumes também aumentaram, enquanto as vendas foram prejudicadas pelos efeitos cambiais. Apesar do crescimento de volumes, o EBIT antes dos itens extraordinários de €347 milhões ficou consideravelmente abaixo do nível do trimestre do ano anterior, principalmente devido aos custos fixos mais altos e margens menores em quase todas as divisões. Entretanto, este segmento da BASF apresentou um aumentou de lucros de um trimestre para o outro ao longo de 2018 e reduziu continuamente a diferença em relação ao trimestre do ano anterior.

As vendas de €1,2 bilhão no segmento de Soluções para Agricultura aumentaram consideravelmente em 26%, comparadas ao terceiro trimestre de 2017 – fator atribuído aos efeitos do portfólio resultantes da transação com a Bayer, de um nível de preço mais alto e de volumes ligeiramente maiores. Os efeitos cambiais negativos continuaram prejudicando a evolução das vendas. Apesar dos resultados sazonalmente negativos dos negócios adquiridos da Bayer, o EBIT antes dos itens extraordinários apresentou queda de apenas €26 milhões no trimestre do ano anterior. A receita gerada pelas operações da BASF, excluindo as atividades da Bayer, aumentou consideravelmente ao compararmos com o terceiro trimestre de 2017. Excluindo os efeitos cambiais negativos, o EBIT antes dos itens extraordinários também aumentou discretamente no geral.

“Após a assinatura do acordo com a LetterOne, as vendas e o EBIT do negócio de óleo e gás não fazem mais parte dos números do Grupo BASF – retroativo a partir de 1º de janeiro de 2018, e com os números do ano anterior corrigidos”, comentou Engel. “Tais atividades não são mais apresentadas como um segmento em nossos relatórios”. Até a conclusão, o resultado do Grupo Wintershall após os impostos será apresentado no resultado antes dos interesses minoritários do Grupo BASF como um item separado (“lucro antes da participação de minoritários advindo de operações descontinuadas”). No terceiro trimestre de 2018, o resultado antes da participação de minoritários advindo de operações descontinuadas aumentou em €86 milhões, indo para €235 milhões, principalmente atribuível a preços e volumes mais elevados, bem como a operações offshore na Líbia no terceiro trimestre de 2018; no ano anterior, tal fato se deu no segundo trimestre. O preço do barril de petróleo bruto Brent foi em média de 75 dólares no terceiro trimestre de 2018 (terceiro trimestre de 2017: $52). Os preços de gás nos mercados à vista na Europa também registraram fortes ganhos em comparação ao trimestre do ano anterior.

As vendas de €827 milhões em Outros foram consideravelmente maiores do que o trimestre do ano anterior (51%), fruto principalmente de maiores volumes de vendas e preços no comércio de matérias-primas. O EBIT antes dos itens extraordinários melhorou consideravelmente, de menos €203 milhões para menos €83 milhões, resultado dos efeitos do valuation do programa de incentivo a longo prazo.

Evolução dos lucros do Grupo BASF e fluxo de caixa

O lucro líquido diminuiu em €136 milhões, indo para €1,2 bilhão. O lucro por ação totalizou €1,31 (terceiro trimestre de 2017: €1,45). O lucro por ação ajustado para itens extraordinários e a amortização do imobilizado incorpóreo foi de €1,51 (terceiro trimestre de 2017: €1,40).

No terceiro trimestre de 2018, o fluxo de caixa das atividades operacionais foi de €2,9 bilhões, €865 milhões abaixo do valor do trimestre homólogo no ano anterior, devido principalmente à mudança no capital de giro líquido, em particular ao aumento no período de caixa vinculado a estoques e à queda no caixa advindo de recebíveis. O fluxo de caixa do acionista foi de €2 bilhões, comparado aos €2,8 bilhões no mesmo trimestre do ano anterior.

Os ativos totais do Grupo BASF aumentaram €6,8 bilhões, indo para €85,6 bilhões. A aquisição de significativos negócios e ativos da Bayer contribuiu com €8 bilhões para este aumento. Como resultado do pagamento do preço de compra para a Bayer, a dívida líquida aumentou €6,5 bilhões em relação a 31 de dezembro de 2017, indo para €18 bilhões. O índice de patrimônio líquido do Grupo BASF ficou na casa dos 43% em 30 de setembro de 2018.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Dow apresenta soluções em poliuretano durante a Feipur 2018

30/10/2018

– Sob o conceito “Transforme a Sensação”, companhia aposta em tecnologias voltadas para colchões, calçados, infraestrutura, construção civil e automóveis
– Diretamente do evento, Maurício Arruda, arquiteto, designer e apresentador, fará uma live no Facebook da Dow mostrando as principais opções do mercado para proporcionar bem-estar ao dia a dia das pessoas

A Dow, uma das empresas líderes globais no fornecimento de soluções de poliuretano (PU), exibirá seu portfólio para espumas rígidas e flexíveis durante a Feipur 2018. A companhia apresenta sua completa linha de tecnologias dividida nas plataformas ComfortScience, InsulationScience, DurableScience e Mobility. Sob o conceito “Transforme a sensação”, pretende mostrar a versatilidade do material em aplicações que promovem conforto, bem-estar, segurança, eficiência energética, inovação e sustentabilidade para diferentes setores.

Sendo uma companhia integrada na produção de poliol na América Latina, a Dow afirma ter o compromisso de entregar aos clientes soluções customizadas em poliuretanos que atendam às necessidades mais específicas de cada mercado. “Temos vivido uma grande transformação na Dow que nos permite entender melhor os desafios da cadeia de valor e as demandas dos nossos parceiros para oferecer produtos mais inovadores e sustentáveis. Dessa forma, conseguimos contribuir para que eles desenvolvam produtos finais de melhor qualidade e alto valor agregado, tornando a experiência dos consumidores mais agradável, simples e positiva”, ressalta Edilson Machado, diretor de Marketing do negócio de Poliuretano da Dow na América Latina.

Destaques na Feipur

Em InsulationScience, o foco da Dow são as tecnologias de poliuretano para melhorar a eficiência energética na cadeia do frio e garantir o conforto térmico nas construções. Durante o evento, os destaques são os painéis sanduiche, desenvolvidos com espumas rígidas de Poliuretano (PUR) /Poliisocianurato (PIR) sob as linhas Voracor™ e Voratherm™. “Este é um novo modelo construtivo que acompanha as tendências do país. A região latino-americana está em busca de opções mais inteligentes e sustentáveis, com uma série de benefícios quando comparados à construção convencional, como por exemplo leveza, menor geração de resíduos, aumento de produtividade e redução dos gastos com a conta de energia e ar condicionado” reforça Machado.

Em ComfortScience, a Dow apresenta diversas opções em espuma flexíveis para colchões, travesseiros, mobiliários e calçados que, segundo a empresa, proporcionam mais conforto para o consumidor. Muitas vezes, esse atributo é um conceito subjetivo para as pessoas, mas a companhia identificou três dimensões para explicá-lo cientificamente: Ergonomia, Microclima e Sensorial. Ao configurar essas qualidades de acordo com as especificações de cada cliente, é possível responder a diferentes necessidades e adaptar o produto para oferecer a experiência mais confortável possível. O portfólio de especialidades e a expertise técnica da empresa possibilita customizar as propriedades de cada tipo de espuma, permitindo, inclusive, o desenvolvimento de colchões com mais inovação, como os colchões em caixa – tendência mundial já mais consolidada nos Estados Unidos e Europa, que chega à América Latina.

A plataforma de DurableScience, especializada em soluções industriais de alto desempenho e durabilidade para aplicações em compósitos, revestimentos, elastômeros, adesivos e selantes, promove na Feipur os aglutinantes de borracha para superfícies de pistas de esporte e lazer. “Os polímeros da linha VoramerTM são fáceis de aplicar, têm propriedades de coesão superiores e podem ser combinados com pneus usados, ajudando na economia circular desse material e combatendo um problema grave de resíduos sólidos”, relata o executivo. Além disso, segundo a Dow, o VoramerTM permite a fabricação de pisos com maior absorção de impacto e propriedades antiderrapantes que atendam as normas técnicas de segurança (ABNT NBR 16071-3) e as exigências de qualidade e segurança do Instituto Nacional de Avaliação da Conformidade em Produtos (INNAC).

Por fim, a plataforma de Mobility, fornecedora de soluções para o mercado de automóveis, destaca possibilidades que, segundo a Dow, melhoram a performance dos veículos, trazendo conforto ergonômico, isolamento acústico, durabilidade, segurança e peso – o que contribui para redução dos gastos com combustível. Sob a linha SpecflexTM, a Dow oferece opções em poliuretano para assentos, encostos de cabeça e aplicações sob o capô e que promovem baixas emissões de substâncias tóxicas que prejudicam a saúde e o meio ambiente, como compostos orgânicos voláteis (COV) e aldeídos.

As tecnologias das plataformas de negócios mencionadas acima, bem como mais informações sobre o portfólio da Dow e tendências em poliuretanos, podem ser conferidas na Mundo PU, um portal de conteúdo online que reúne as principais novidades, soluções e aplicações do setor para clientes, profissionais, acadêmicos e estudantes.

Live no Facebook

Em 06 de novembro, às 16h30, a Dow promove um encontro de clientes com o arquiteto, designer e apresentador Maurício Arruda. Ele fará uma transmissão ao vivo no Facebook diretamente do estande da companhia, mostrando as principais opções para proporcionar bem-estar ao dia a dia das pessoas. Para acompanhar, acesse a página “Dow e Maurício Arruda na Feipur 2018”.

Palestras técnicas

– Soluções versáteis e inovadoras que minimizam o impacto do aquecimento global garantem desempenho superior, além de seguirem as regulamentações e as tendências do mercado
Palestrante: Renan Mendoza, especialista técnico
Data: 06 de novembro, às 13h40

– Tecnologias inovadoras que minimizam as emissões de carbono nos automóveis
Palestrante: André Ritter, especialista técnico
Data: 07 de novembro, às 13h

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Heraeus apresenta tecnologia em Aquecimento por Infravermelho durante Feiplar/Feipur

30/10/2018

A HeraeusNoblelight (www.heraeus-noblelight.com.br), uma das maiores fabricantes de Luzes Especiais ao redor do mundo, estará na Feiplar/Feipur deste ano expondo suas soluções em Aquecimento Industrial por Infravermelho.

Com mais de 60 anos de existência, a HeraeusNoblelight desenvolve soluções em Aquecimento por Infravermelho para diversas aplicações que dependem da aplicação direcionada de calor.

Sabendo das necessidades dos fabricantes de peças plásticas, principalmente no que se refere à qualidade final de seus produtos, a HeraeusNoblelight vem desenvolvendo, ao longo dos anos, soluções que viabilizam os processos de aquecimento através de lâmpadas que podem ser fabricadas sob medida, inclusive em formatos curvos e específicos, cujos contornos tendem a executar operações de aquecimento de maneira confiável, ainda que em peças de geometria complexa. Com isto, afirma a empresa, é possível aquecer exatamente o local necessário pelo tempo necessário, sem que haja contato com o material plástico e sem a necessidade de utilização de meio intermediário para transferência de calor. Segundo a Heraeus, alguns dos benefícios são a melhoria do aspecto visual das peças e um melhor encaixe, quando se trata, por exemplo, de componentes internos de painéis veiculares.

Outras aplicações bastante comuns são a solda térmica de reservatórios plásticos e a rebarbação térmica de peças plásticas das colunas ABC, volante e quebra-sóis, entre outras.

Durante a Feiplar/Feipur, a HeraeusNoblelight trará como destaque o seu mais novo lançamento: o Spotlight Emitter.

O produto é totalmente voltado para aplicações cuja necessidade de aplicação de calor se concentra em pequenas arestas e regiões de difícil acesso. Fabricado com base no conceito de fibra ótica, o Spotlight Emitter tem foco de aquecimento pontual de diâmetro de 5mm e é responsável por garantir uma transferência direta de calor em alta intensidade e de forma direcionada, garantindo assim o aquecimento totalmente assertivo em pontos extremamente específicos, garante a Heraeus.

A empresa firma que, com o uso do Spotlight Emitter, já há casos comprovados de redução significativa de tempo de ciclo, diminuição na quantidade de peças refugadas e aumento comprovado de produtividade.

Fonte: HeraeusNoblelight

Curta nossa página no

Covestro investirá 1,5 bilhão de euros em nova fábrica de MDI de escala mundial no Texas (EUA)

19/10/2018

  • Expansão da capacidade global
  • Mercado de MDI altamente atrativo com perspectivas de crescimento em longo prazo
  • Nova fábrica de MDI com capacidade de 500 ktons para atender à demanda e acompanhar o crescimento da indústria
  • Capacidade de MDI da região do NAFTA irá atingir 740 ktons por ano até o final de 2024
  • Ampliação da posição de liderança regional e global em MDI da Covestro

A Covestro acelera suas atividades de investimento para capitalizar o forte crescimento do mercado de MDI. O Conselho de Supervisão da Covestro aprovou em 11 de outubro um investimento de cerca de 1,5 bilhão de euros para construir uma nova fábrica de MDI de escala mundial em Baytown, EUA. Esse investimento na fábrica existente em Baytown é o maior investimento único da história da empresa. A capacidade total do novo sistema será de 500 ktons de MDI por ano e a produção está prevista para começar em 2024. Paralelamente, uma unidade de MDI mais antiga e menos eficiente, com capacidade de produção de 90 quilotoneladas, será fechada. Assim, a capacidade total de MDI da Covestro na região do NAFTA atingirá cerca de 740 quilotoneladas por ano, tornando a Covestro líder em capacidade da indústria na região até 2024. Com isso, a Covestro também enfatizará firmemente sua posição global de liderança em capacidade da indústria.

“A demanda por materiais inovadores de MDI continuará crescendo no futuro previsível e, da mesma forma, promete taxas atrativas de utilização de capacidade. Já anunciamos um aumento significativo nos gastos de capital e agora é hora de colocá-lo em ação”, disse o CEO Dr. Markus Steilemann. “Com o novo sistema de MDI em Baytown, fortaleceremos ainda mais nossa posição de liderança global em Poliuretanos, atenderemos ainda melhor nossos clientes e criaremos valor em longo prazo para os acionistas”.

Mercado de MDI com perspectivas atraentes

Estima-se que o mercado global de MDI cresça cerca de 5% ao ano em longo prazo, superando o Produto Interno Bruto (PIB) mundial em cerca de 2 pontos percentuais. Os principais fatores determinantes do mercado de MDI incluem a substituição de materiais de menor desempenho e menos sustentáveis, bem como megatendências globais, como a crescente demanda por soluções de isolamento com eficiência energética. O MDI é um precursor da espuma rígida, que é um excelente material de isolamento e é usado, por exemplo, em edifícios e refrigeradores. O crescimento esperado da demanda global por MDI se traduz na necessidade de aproximadamente uma fábrica adicional de escala mundial por ano.

Embora a Covestro já esteja dobrando sua capacidade de produção de MDI em Brunsbuettel (Alemanha) de 200 para 400 ktons por ano no segundo semestre de 2019, o forte crescimento da demanda cria novas oportunidades de mercado significativas. Portanto, os investimentos – que fazem parte do investimento já anunciado de até 1,2 bilhão de euros por ano nos próximos três anos – ajudarão a Covestro a manter e fortalecer sua posição de liderança e apoiar um crescimento mais lucrativo.

Complementando o anúncio divulgado pela Covestro globalmente, Fernando d’Andrea, Head para Negócios de Poliuretanos para a América Latina e CEO da Covestro Polímeros, confirma que os investimentos têm impacto bastante positivo na região – que se beneficiará desta nova capacidade instalada – e permitirão que a empresa ainda forneça quantidades adicionais para clientes globais e regionais que utilizam esta matéria-prima. “O mercado de MDI tem demanda crescente, algo que também ocorre em nossa região”, conclui o executivo.

Abordagem de CAPEX (investimentos de capital) com boa relação custo-benefício com retorno superior sobre o investimento

O CFO da Covestro, Dr. Thomas Toepfer, explicou: “Mesmo com todos os anúncios de aumento de capacidade considerados, a oferta projetada do setor não é suficiente para equilibrar totalmente o crescimento esperado da demanda. Estamos, portanto, confiantes de que alcançaremos altas taxas de utilização de nossas novas capacidades logo após a implementação, tornando o investimento altamente eficiente. Com base na infraestrutura e nos processos existentes, será um excelente exemplo de nossa abordagem de criação de valor.”

Com seu programa global de investimentos em MDI, a Covestro segue uma abordagem de CAPEX com boa relação custo-benefício, alavancando a infraestrutura existente e as redes de fornecimento para alcançar investimentos específicos mais baixos e ROCE (Retorno sobre o Capital Investido) mais alto. O programa também inclui a continuação e a expansão das unidades de Tarragona (Espanha) e Caojing (China) da Covestro, bem como investimentos na unidade de produção da empresa em Antuérpia (Bélgica).

Baytown com condições ideais

A decisão de construir a nova fábrica de escala mundial em Baytown foi tomada após uma análise minuciosa das diferentes opções. Além da atratividade do mercado interno, as principais vantagens de Baytown são os custos, além de benefícios significativos em termos de infraestrutura e logística disponíveis. A posição de custo superior é impulsionada principalmente por economias de escala e um alto grau de integração vertical. Além disso, os baixos custos de energia e transporte devido à alta demanda interna na América do Norte se somam ao caso de Baytown. Com a nova fábrica, as futuras capacidades de MDI da Covestro na América do Norte de 740 ktons por ano até 2024 também alcançarão as futuras capacidades da empresa na Europa, Oriente Médio e África (820 quilotoneladas por ano até 2022) e na Ásia-Pacífico (670 quilotoneladas por ano até 2021).

Com vendas de 14,1 bilhões de euros em 2017, a Covestro está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. As atividades comerciais estão focadas na fabricação de materiais poliméricos e no desenvolvimento de soluções para produtos utilizados ​​em diversas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são os setores automotivo, de construção civil, de processamento e móveis de madeira e os setores elétrico e eletrônico. Outros setores incluem esporte e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem 30 unidades de produção em todo o mundo e emprega aproximadamente 16.200 pessoas (calculadas como equivalentes em tempo integral) no final de 2017.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Sidel Group adquire empresa italiana PET Engineering e diversifica portfólio de soluções de embalagem

19/10/2018

Em 11 de outubro, o Sidel Group concluiu a aquisição da PET Engineering Srl, ampliando o portfólio de soluções de embalagem do grupo. “Como a embalagem vem ocupando um espaço cada vez mais importante em qualquer mix de marketing, estamos certos de que a complementaridade das competências da Sidel e da PET Engineering em design, qualificação e processo de sopro de embalagens proporcionará mais oportunidades de negócios para o Sidel Group, além de oferecer uma gama mais variada de parceiros para materializar todas as exigências de criatividade formuladas pelos clientes”, explica Pavel Shevchuk, vice-presidente executivo de Serviços do Sidel Group.

Fundada em 1999 e situada em San Vendemiano, na Itália (foto), a PET Engineering conta com 40 funcionários e fornece uma gama ampla de soluções em embalagem para clientes na indústria de alimentos e bebidas. A empresa ganhou renome graças à criatividade dos designs de suas embalagens e dispõe de conhecimento e expertise do processo de sopro, além de desfrutar da fidelidade de uma clientela global. Sua abordagem integra design, engenharia e industrialização. Além disso, a capacidade de criar um equilíbrio delicado entre viabilidade técnica e criatividade valeu à PET Engineering prêmios prestigiosos na área de embalagem, dentre os quais, o WorldStar Award, na categoria Bebidas, conquistado no ano passado, e o A’ Design Award de ouro na categoria Design de Embalagem, em 2018.

Dois players para oferecer mais soluções

“A PET Engineering está perfeitamente posicionada para ajudar a Sidel a ampliar sua oferta de embalagens, especialmente no que se refere ao design de frascos para água, refrescos, bebidas lácteas e cerveja”, diz Moreno Barel, CEO da PET Engineering. “Com essa aquisição, também diversificamos nosso portfólio de serviços de embalagem a fim de atender melhor às necessidades dos clientes”, completa Pavel. “O design de embalagem tem um impacto determinante na eficiência de toda a cadeia de suprimentos, por isso é um fator decisivo para podermos honrar o compromisso de Performance through Understanding da marca e implementar a estratégia para alcançar esse objetivo. Consideramos que a aquisição representa mais solidez para o Sidel Group.”

O Sidel Group é formado pela união da Sidel e a Gebo Cermex, líderes no fornecimento de equipamentos e serviços de acondicionamento de líquidos, alimentos, produtos para casa e cuidado pessoal em PET, lata, vidro e outros materiais. O grupo conta com mais de 37 mil máquinas instaladas em mais de 190 paísese mais de 5 mil funcionários ao redor do mundo.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Sidel; Foto: PET Engineering

Curta nossa página no

Maligan desenvolve mala de poliéster à prova d´água

19/10/2018

Mala à prova d´água da Maligan durante ensaio realizados no IPT

A empresa paulistana Maligan desenvolveu a primeira mala à prova d´água da América do Sul. Depois de três anos de estudos, a empresa submeteu o modelo à qualificação técnica do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) para atender às exigências do grau de proteção IP67, que atesta se determinado produto é à prova d´água e poeira.

“Apresentamos uma inovação ao mercado brasileiro quando o assunto é transporte hermético dos mais diferentes tipos de itens. Ao mesmo tempo, nos credenciamos para exportar, pois a exigência dessa qualificação é bastante comum em outros países”, afirma Marcelo Sartore, diretor da Maligan.

Ideal para profissionais que atuam em plataformas offshore, militares, mergulhadores, médicos e equipes de TV, entre outros, a mala à prova d´água da Maligan é feita de poliéster reforçado com fibras de vidro, combinando leveza e resistência.

“A parte interna, de espuma de polietileno cortada a laser, é totalmente customizada de acordo com o design do produto que será transportado. Também é possível gravar o logo do cliente e embutir carrinho e rodas”.

Fundada em 1978, na cidade de São Paulo (SP), a Maligan é a maior fabricante brasileira de malas e cases especiais. Ao longo desse período, produziu mais de 200 mil malas para o transporte de equipamentos e ferramentas usadas nos setores hospitalar, industrial, comercial e de automação, entre outros. Além de fabricar dezenas de modelos de “prateleira”, a Maligan conta com um departamento dedicado exclusivamente ao desenvolvimento de produtos customizados.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Maligan

Curta nossa página no

Terphane lança versão VMAT de filme de poliéster com aspecto mais fosco e toque aveludado

19/10/2018

Novo filme é especialmente indicado para a produção de embalagens de alimentos.

Atenta à necessidade dos proprietários de marcas de destacarem seus produtos e marcas no ponto de venda, a Terphane, empresa fabricante de filmes PET (poliéster) especiais, lançou a versão VMAT em sua linha de filmes mate (foscos). Como principais atributos, o novo filme é bem mais fosco e tem um toque aveludado, afirma a empresa. Como explica Marcos Vieira, Diretor de Pesquisa & Desenvolvimento Global Terphane, “até então os filmes mate tinham, no mínimo, 50 unidades de brilho. No VMAT, conseguimos atingir um índice praticamente inédito no mercado de PET, com 10 unidades de brilho”. Na prática, isto significa que o filme está muito próximo do fosco total, ou seja, do brilho zero.

Por estas características, o novo filme VMAT é indicado para embalagens de diversas categorias de produtos, embora o foco inicial da Terphane seja a indústria de alimentos. “O fato de não ter brilho garante à embalagem um enorme diferencial no ponto de venda”, reforça Vieira. Isto porque a leitura da embalagem melhora muito, especialmente num ambiente como o do supermercado, cuja luz normalmente gera reflexos; no caso do filme fosco, a luz não é refletida e a leitura e os grafismos ganham destaque aos olhos do consumidor.

“Para completar, ao pegar a embalagem o consumidor sente um toque aveludado, outro importante diferencial. Sem contar que, apesar de fosco, o VMAT é extremamente transparente. A face fosca é a externa e a face interna, que recebe a impressão, é brilhante e de altíssima transparência, garantindo grande destaque para a embalagem final”, explica Marcos Vieira.

O novo filme VMAT da Terphane, que faz parte da família MATE composta por três outros filmes, já está disponível em todo o mundo na espessura de 13 micra. Outras espessuras, num interalo de 5 a 75 micra, podem ser desenvolvidas de acordo com a necessidade do cliente. “Entendemos que o VMAT também tem um forte apelo sustentável por garantir um alto rendimento e por seu baixo peso”, completa o Diretor. Clientes no Brasil, na área de alimentos, já estão testando o novo VMAT da Terphane.

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). Sua equipe possui experiência e conhecimento em produção, revestimento e metalização de filmes. A empresa possui uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até os filmes especiais, sendo uma das líderes de mercado na América Latina e um importante player global. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar Corporation.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Terphane

Curta nossa página no

IPA conquista certificação IATF 16949:2016 para o setor automotivo

19/10/2018

Fabricante de tanques de combustível também possui as chancelas ISO 14001 e VDA 6.3 para a Volkswagen; auditorias foram realizadas pela DQS do Brasil

A IPA, empresa nacional que atua no setor de produtos de plástico fabricados por processos de sopro e injeção, especializada na fabricação de tanques de combustível, acaba de conquistar as certificações IATF 16949:2016 e ISO 9001:2015 (ambas para a unidade de Jaguariúna-SP), sendo que a primeira atende aos requisitos mais recentes do setor automotivo e é uma das mais importantes chancelas para o segmento.

Com isso, a IPA fecha o ciclo das duas certificações para todas as suas plantas no Brasil – além de Jaguariúna, as unidades de Caçapava-SP, Gravataí-RS, Porto Real-RJ e Anchieta, em São Bernardo do Campo-SP, também já haviam obtido as duas chancelas em 2017. Para Alexandre Keiji, diretor de Engenharia da IPA, “os reconhecimentos obtidos nos últimos anos em todas as fábricas comprovam que a empresa está evoluindo constantemente no desenvolvimento do controle de seus processos, dentro de um conceito globalizado e padronizado que é exigido atualmente pelas montadoras em todo o mundo”.

Além da IATF 16949 e da ISO 9001, a IPA também é certificada na ISO 14001 (Sistema de Gestão Ambiental), obtida em 2018 para a unidade de Gravataí-RS. O objetivo da empresa é que as outras unidades também consigam a mesma certificação até 2019. E, especificamente para o setor automotivo, a empresa possui o selo VDA 6.3 – para a Volkswagen – para três de suas fábricas, em Caçapava, Jaguariúna e Anchieta (esta com nota 90A). A norma VDA (Verband der Automobilindustrie e.V.) foi desenvolvida pela indústria automotiva da Alemanha para certificação do sistema de gestão da qualidade dos fornecedores de montadoras do país, como Volkswagen, Audi, BMW, Porsche, Mercedes-Benz e outros. Com isso, a IPA está credenciada como fornecedora para a fabricante alemã.

As auditorias foram realizadas no 2º semestre de 2018, em processo conduzido pela DQS do Brasil, com foco no comprometimento pela melhoria contínua da qualidade dos processos, produtos e atendimento aos requisitos dos clientes dentro da operação. Entre os pontos positivos destacados pelos auditores estiveram a sistemática de planejamento anual, a sistemática de análise de risco para gestão de auditorias, a competência para realização de auditorias internas de processo com base nos requisitos de clientes, as verificações de produtos diárias em cada processo de manufatura e a experiência dos operadores de produção.

A implementação de kaizens (metodologia que permite baixar custos e aumentar a produtividade) e os resultados alcançados como a redução de estoques de componentes na montagem – por meio da estratégia de gestão FIFO (first in, first out) em tanques e gargalos – também serviram para fortalecer o engajamento da equipe.

O CEO da IPA, Tarcísio Telles, completa: “essa é uma conquista de todos os envolvidos. O conjunto de certificações envolvendo todas as unidades mostra que continuamos buscando o nível máximo tanto no aperfeiçoamento das nossas operações como no atendimento de demandas cada vez mais rígidas e específicas dos clientes”.

Fundada em 1997, a IPA fabrica tanques e tubos de combustível para veículos, reservatórios de água e de expansão, entre outros, fornecendo para as principais montadoras do País. A empresa conta com 600 colaboradores distribuídos em suas quatro unidades de produção industrial no Brasil e na Argentina, em Caçapava e Jaguariúna (SP), Gravataí (RS) e Zárate (ARG). Outras duas – Porto Real (RJ) e Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP) – operam como unidades de montagem, totalizando mais de 84 mil m2.

Fonte: Assessoria de Imprensa – IPA

Curta nossa página no

Palestra inicial do 3o. Congresso Brasileiro do Plástico, proferida por Jaime Lorandi, deu o tom dos debates sobre o uso dos plásticos e sustentabilidade

19/10/2018

O 3º Congresso Brasileiro do Plástico (3CBP) foi aberto na terça-feira, 16 de outubro na PUCRS, em Porto Alegre. Na abertura do evento, o presidente do Simplavi, Ivanio Angelo Arioli, destacou a importância do 3CBP para a discussão sobre o uso dos plásticos. “Precisamos falar mais sobre o plástico como matéria-prima, pois é usado em praticamente todas as finalidades e pode ser reciclado infinitas vezes, possibilitando soluções para problemas de todos os tamanhos”, pontuou. “Um evento como este reúne especialistas nacionais e internacionais que mostram o quanto a tecnologia é uma aliada da sociedade. O 3CBP nos ajuda a entender o quanto o plástico pode ser versátil e útil para o desenvolvimento da nossa civilização. ”, ressaltou.

Na primeira palestra do 3CBP, o presidente do Simplás, Jaime Lorandi, falou sobre o plástico como solução. “A faca, sozinha, não consegue matar. Para isso é necessária ação humana. Assim é a poluição, resultado do destino inadequado dos resíduos. Quem gera poluição é o ser humano”, frisou. Ele citou ainda a ampla aplicabilidade do plástico na vida moderna, desde as embalagens de alimentos – hoje quase 90% dos alimentos são embalados com plástico – até a produção de órgãos humanos, como coração artificial.

Lorandi pontuou o fato de que as embalagens plásticas são muito mais leves que outros materiais e, consequentemente, muito mais econômicas. “Se não usássemos os plásticos, o acesso à água potável e aos alimentos seria ainda mais difícil, o que levaria ao aumento de taxas de mortalidade por fome”, pontuou. Ele finalizou sua fala argumentando que a questão não é substituir o plástico, mas sim desenvolver a cultura da reciclagem nas pessoas, de que é preciso que cada um faça a sua parte na destinação correta dos resíduos, pensando nas gerações futuras.

A segunda palestra do 3CBP foi ministrada por Fabiana Quiroga, diretora da área de reciclagem e plataforma Wecycle da Braskem. Fabiana abriu sua apresentação “Wecycle: plástico reciclável, ciclo consciente”, com dados atuais referentes ao uso do plástico, que foram discutidos em um evento do setor que ocorreu recentemente na China.

A palestrante destacou que a gestão dos resíduos é um assunto que vem chamando cada vez mais a atenção da indústria e que a Braskem tem avançado na redução do uso de recursos naturais, decidindo aumentar o investimento em projetos sociais, de educação ambiental e nas diversas formas de reciclagem. “A Braskem tem como objetivo estratégico ser reconhecida como uma empresa inovadora para o desenvolvimento da cadeia de reciclagem e para o seu portfólio”, afirmou. Ela contou que a empresa lançou neste ano um desafio chamado Innocentive, que tem como objetivo encontrar soluções para a retirada de odor e melhoria de propriedade dos resíduos, por meio de sugestões de empresas e pessoas físicas. “No total recebemos 154 inscrições, sendo que 11 estão em fase de testes. O vencedor ganhará um premio de 30 mil dólares”, explicou.

O 3° Congresso Brasileiro do Plástico, que tem como presidente Alfredo Schmitt, é um evento bianual promovido pelo Instituto SustenPlast e pelos três sindicatos gaúchos do setor: Sinplast – Sindicato das Indústrias de Material Plástico no Estado do RS, Simplás – Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho, e Simplavi – Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Vale do Vinhedos.

Fonte: Congresso Brasileiro do Plástico

Curta nossa página no

Evonik inaugura instalações de teste para engrenagens plásticas de alto desempenho em Darmstadt (Alemanha)

19/10/2018

Esta engrenagem, confeccionada em PEEK, é exemplo de peças que serão testadas na nova bancada de teste de engrenagens da Evonik no Friction and Motion Competence Center em Darmstadt.

Seja em bombas de ARLA 32 ou de óleo, diferenciais de balanço de massa, motores elétricos ou sistemas de sensores para interiores de veículos, os níveis de desempenho que se esperam das engrenagens de materiais sintéticos estão sempre aumentando.

Essa realidade demanda o desenvolvimento de sistemas de engrenagens que possam operar em condições secas e lubrificadas, não só em veículos, mas também em máquinas e equipamentos.

A Evonik afirma que seus produtos à base de resinas PEEK, Poliimidas e Poliamidas são adequados para esse tipo de aplicação.

Menos atrito, menor consumo de energia

Estudos comprovam que se perde até 20% da energia de um automóvel para o atrito que ocorre “debaixo do capô do motor”. É por isso que as engrenagens instaladas em motores e transmissões desempenham uma função particularmente importante. Elas têm de funcionar com alta precisão, ao mesmo tempo em que resistem a grandes desvios de tolerância causados por fatores externos como umidade, lubrificação e variação de temperatura.

Uma vez que as engrenagens plásticas de alta tecnologia estão associadas a menores perdas por atrito que as engrenagens metálicas convencionais, elas podem reduzir não só o consumo de combustível e de energia, mas também o custo envolvido no intensivo retrabalho do metal. Além disso, as engrenagens plásticas oferecem o benefício adicional de serem muito mais silenciosas.

A Evonik oferece uma variedade de compostos para moldagem, já usados há anos em engrenagens de alto desempenho, incluindo a linha de PEEK, Vestakeep®, reforçados e não reforçados, especificamente aditivados para atender aos diferentes requisitos dos clientes. Além de outros produtos como: a poliimida P84® NT, a poliamida 12 Vestamid® e a poliftalamida Vestamid® HTplus.

Nova bancada de teste para engrenagens plásticas

Em setembro de 2018, foram instalados os equipamentos de teste de engrenagens plásticas no Friction and Motion Competence Center, em Darmstadt (Alemanha), com o objetivo de estimular novos desenvolvimentos, atuando em estreita colaboração com os clientes em aplicações específicas.

A nova bancada de teste para engrenagens pode ser operada a temperaturas variando de -20°C a 260°C, dependendo da lubrificação, ou em operação a seco (dry-run).

“Os resultados nos trazem importantes características de engrenagens, como resistência do pé do dente ou do flanco do dente, além de dados sobre abrasão. É possível até mesmo estabelecer diferentes condições de processo e simular condições de lubrificação”, afirmam David Schmitz e Volker Strohm a respeito das novas opções para o desenvolvimento de compostos customizados para aplicações futuras. Os dois atuam no desenvolvimento de aplicações na linha de negócios High Performance Polymers da Evonik e apresentaram suas primeiras experiências com a palestra sobre “Redução de Atrito e Abrasão com Polímeros de Alta Performance” no FAKUMA Forum, em 18 de outubro .

Fonte: Assessoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no

11ª Semana do Plástico do Espírito Santo coloca o plástico em debate a partir da próxima semana

19/10/2018

O setor de Transformados Plásticos do Espírito Santo participa na próxima semana de mais uma edição da Semana do Plástico. O evento promovido pelo Sindiplast-ES será realizado entre os dias 23 e 27 de outubro, na Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes) e em unidades do Sesi-ES e Senai-ES. Entre os atrativos da programação estão palestras, workshops, Interface Setorial e Dia de Lazer e Cultura.

A abertura oficial do evento está marcada para as 19h de terça-feira, 23, no Salão da Indústria da Findes, que será o ponto de encontro de empresários e parceiros do setor, além de reunir representantes do poder público e de entidades ligadas à indústria e ao segmento de Plásticos. Durante a cerimônia, serão premiados os vencedores dos prêmios Honra Mérito Empresarial, InovaPlast, Melhor Aluno Escola do Plástico e Gincana do Plástico (Tampinha Legal), promovidos para valorizar o segmento e destacar iniciativas de empreendedorismo, inovação, qualificação e consciência ambiental.

O presidente do Sindiplast-ES, Gilmar Regio, ressalta a importância do evento para aprimorar as práticas de gestão nas empresas e desenvolver, ainda mais, o setor de Transformados Plásticos. Segundo ele, a programação foi pensada, entre outros fatores, para discutir ideias que possam levar a redução de custos e a melhorias de produção das indústrias do setor no Estado.

“Nosso objetivo é fortalecer a imagem do plástico diante da sociedade, promover inovação, buscar novas parcerias e nos aproximarmos de empresas que já são parceiras. A temática deste ano, O Plástico no Agronegócio, foi escolhida por acreditarmos que o agronegócio é um grande eixo de sustentabilidade da economia nacional que pode se desenvolver, ainda mais, com as inovações tecnológicas de nosso setor”, pontua.

Qualificação e relacionamento para empresários e profissionais da área

Esta será a 11ª edição da Semana do Plástico que, já em seu primeiro dia, 23 de outubro, às 10h, no Salão da Indústria da Findes, contará com a Interface Setorial – iniciativa que busca gerar mais negócios regionais. O encontro reunirá empresários de diferentes Arranjos Produtivos Locais e contará ainda com a palestra “Perspectivas da Economia para o Setor de Transformados Plásticos”, ministrada pelo assessor Econômico da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), Marcos Nascimento.

À noite, durante a solenidade oficial de abertura do evento, será a vez de Daniel Fleischer, analista de Relações Institucionais da Braskem, apresentar a palestra “Plástico: vilão ou solução” para os convidados.

Na quarta-feira, dia 24, de 13h30 às 17h30, no Plenário da Findes, haverá o workshop “Compliance como diferencial para a competitividade”, realizado por meio do Programa PicPlast, de capacitação para empresários. Já na quinta-feira, 25, mais um workshop acontece das 14h às 16h, no auditório Federação da Agricultura e Pecuária do Espírito Santo (Faes). Com o tema “O Plástico no Agronegócio”, será ministrado por representantes da Braskem e do Instituto Senai de Inovação e realizado em parceria com instituições do agronegócio.

De terça a sexta-feira, no período noturno, ocorrerá ainda curso e palestra técnica para alunos da Escola Senai do Plástico, com os temas “Avançado em injeção para preparadores e reguladores de máquinas” e “Otimização do Processo de Injeção”.

Espaço para Lazer, Cultura e Família

Para encerrar a semana mais importante para o setor de Plásticos do Estado, o clima será de descontração com a tradicional PlastKids e Dia de Lazer e Cultura. Os profissionais e empresários das empresas associadas ao Sindiplast-ES poderão levar seus familiares para uma confraternização que acontece, a partir de 13h, no Sesi de Jardim da Penha, em Vitória.

Incentivando a criatividade e a cultura, serão apresentados os vencedores do Concursos de Desenho e Redação, promovido com familiares dos colaboradores do setor e destinados a crianças de 7 a 12 anos, em duas categorias específicas para as faixas etárias. Haverá, ainda, brincadeiras, jogos, gincanas e atividades lúdicas desenvolvidas para o entretenimento e a integração.

Programação Completa

23/10 (Terça-feira)
10h às 15h – Interface Setorial com Palestra “Perspectivas da Economia para o Setor de Transformados Plásticos” – Salão da Indústria
19h – Cerimônia de Abertura: Palestra: “Plástico: vilão ou solução” e Premiações dos Prêmios Honra Mérito Empresarial, InovaPlast, Melhor Aluno Escola do Plástico e Gincana do Plástico (Tampinha Legal) – Salão da Indústria

24/10 (Quarta-feira)
13h30 às 17h30 – Picplast: Capacitação para Empresários e Workshop “Compliance como diferencial para a competitividade” – Plenário da Findes

25/10 (Quinta-feira)
14h às 16h – Workshop: “O Plástico no Agronegócio” – Auditório Federação da Agricultura e Pecuária do Espírito Santo (Faes).

De 23 a 26/10 (terça a sexta-feira)
Palestras Técnicas “Otimização do Processo de Injeção” e minicurso “Avançado em injeção para preparadores e reguladores de máquinas” – Escola Senai do Plástico Antônio Carlos Torres

Entrega de Medalhas aos participantes da 2ª Gincana Tampinha Legal nas Unidades Operacionais Sesi/Senai ES – Sesi / Senai ES

27/10 (Sábado)
13h às 17h – Plastkids – Dia de Lazer e Cultura – Sesi Jardim da Penha

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

Tampa de novo perfume da Eudora é destaque da Dow na Luxe Pack 2018

19/10/2018

O projeto brasileiro liderado pelo grupo O Boticário no lançamento do novo eau de parfum “La Victorie”, da Eudora, foi um dos destaques da Dow durante a Luxe Pack 2018, feira que recebe especialistas em embalagens para produtos de luxo, em Mônaco. A tampa, desenvolvida pela Pochet do Brasil, trouxe os atributos de design que o fabricante esperava graças à escolha da resina ionômero Surlyn®. Segundo a Dow, o material apresenta transparência cristalina e brilho distintivo, combinados com sua capacidade de reproduzir todas as formas com grandes possibilidades de efeitos decorativos.

O maior desafio técnico da Pochet foi produzir a peça sem que os flocos dourados se quebrassem e comprometessem a transparência esperada. As partículas foram misturadas ao Surlyn® antes do processamento, e, aliadas à técnica de sobreinjeção, ganharam o aspecto de estarem flutuando no interior de uma esfera maciça e transparente, remetendo ao imaginário de sonhos femininos.

Durante a Luxe Pack, o projeto foi apresentado junto com outros destaques do mercado mundial produzidos com Surlyn®, tais como perfumes como o Goldea (Bvlgari) e o Amo Ferragamo. Esse último projeto, de grande complexidade, foi confiado à empresa italiana G. Candiani Srl, que também optou pelo Surlyn® por ser, segundo Carlo Candiani, “o único material que poderia atender às especificações técnicas e estéticas deste projeto”. A tampa do perfume em forma de coroa é sobremoldada e luminosa e se harmoniza ao frasco, com um design de pequenas facetas interligadas em forma de prisma.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Kömmerling lança perfis de PVC na cor bronze

19/10/2018

Alinhada com a tendência mundial e com os novos padrões de inovação, a Kömmerling está lançando perfis de PVC na tonalidade bronze. A empresa traz esta novidade em virtude da alta demanda por retrofit – trocas das janelas antigas por novas – principalmente em prédios que necessitam manter a arquitetura externa, intensificando a entrada dessa cor no mercado nacional.

“Com a opção dessa cor especial, apostamos na nova demanda de mercado”, ressalta Tonia Lima, diretora comercial da empresa. Segundo ela, atualmente, os construtores valorizam um design moderno, harmonizando a estética funcional com qualidade e resistência. “E isso se aplica diretamente à nova percepção de construir janelas, sobretudo para o mercado vertical”, complementa Lima.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Kömmerling

Curta nossa página no

BASF amplia produção de poliuretano termoplástico expandido em Taiwan

05/10/2018

A BASF anunciou a abertura de uma nova unidade de produção do seu poliuretano termoplástico expandido (E-TPU), o Infinergy®, em sua fábrica em Taiwan (foto). O aumento da capacidade de fornecimento do material inovador vai atender à demanda crescente pela solução para diversas aplicações e indústrias. A inovação tem diversas aplicações e é largamente usada no transporte, mobiliário, construção e equipamentos esportivos.

“A unidade de produção de Changhua terá um papel crucial para nos ajudar a atender à crescente demanda por E-TPU”, afirma Jens Dierssen, diretor global Business Management Infinergy da BASF. “Com a nova unidade de produção, expandimos nosso alcance global para melhor atender aos clientes na região da Ásia-Pacífico”, afirma.

“Este investimento reflete nosso compromisso com o mercado, oferecendo produção eficiente e um processo de qualificação adequado para atender às crescentes demandas de mercado e necessidades dos clientes”, acrescenta Kin Wah Chay, diretor geral da BASF Taiwan.

A espuma de célula fechada e partícula elástica tem uma combinação única de propriedades, como alta recuperação, baixa densidade, durabilidade em uma ampla faixa de temperaturas, resistência química e baixo peso, assegura a empresa. Esta inovação tem sido largamento usada nos transportes, indústria de móveis, construção e equipamentos esportivos, tais como em um assento de bicicleta criado pela Ergon, uma empresa de inovação em ciclismo com sede em Koblenz, Alemanha.

Os assentos de bicicleta da Ergon são compostos por duas estruturas em concha que funcionam isoladamente uma da outra, em um arranjo tipo “sanduíche”. Elas são soprepostas e sustentadas em um mecanismo flutuante pelo amortecedor de elastômero de alto desempenho, fabricado com o Infinergy.

Em um veículo conceitual de três rodas, o 05GEN da Yamaha Motor Co., Ltd., o Infinergy da BASF foi usado nos pneus para melhorar a experiência geral de direção. Sua estrutura celular característica contribuiu com o design marcante do projeto

O material também tem sido adotado na construção, oferecendo uma experiência esportiva mais segura e melhor em pistas de corrida e campos, graças ao excelente efeito de amortecimento das partículas de E-TPU.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Embalagens do Café Favorito serão produzidas com Polietileno Verde da Braskem

05/10/2018

A Braskem será fornecedora de Plástico Verde para a tradicional marca carioca Café Favorito. A resina será aplicada nas embalagens para café almofada de 500g.

“Anualmente, produzimos mais de um milhão de toneladas de café, vendido principalmente nas regiões dos Lagos e Serrana e no sul do estado do Rio de Janeiro. O uso do Plástico Verde em nossas embalagens reforça nosso esforço na busca de uma atuação sustentável”, explica Adriana de Oliveira, diretora comercial do Café Favorito.

Atualmente, mais de 150 marcas mundo afora já adotaram o Plástico Verde em embalagens para os mais diversos segmentos, como alimentício, higiene pessoal e bens duráveis. Com as mesmas propriedades e desempenho do polietileno de origem fóssil, a resina renovável pode ser utilizada nas mesmas cadeias produtivas do plástico e da reciclagem convencionais.

A embalagem do Café Favorito utilizará o selo I’m greenTM para que o consumidor possa reconhecer a aplicação do Plástico Verde em sua composição. “Para conquistar o diferencial do uso do selo, o produto precisa conter, ao mesmo, 51% de material renovável. A avaliação é feita por meio de um teste de verificação de carbono 14”, explica Gustavo Sergi, diretor de Químicos Renováveis da Braskem.

A Braskem produz polietileno de origem renovável desde 2010, no Polo Petroquímico de Triunfo (RS). Com capacidade de produção de 200 mil toneladas por ano, esta é a maior unidade industrial de eteno derivado do etanol do planeta.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

4º Fórum Milliken reúne profissionais da cadeia do plástico para discutir inovação e casos de sucesso tecnológico

05/10/2018

Evento apresentou ferramentas de inovação que podem ser usadas dentro das próprias empresas, além de cases de embalagens, tampas e filmes plásticos

O 4º Fórum Milliken, com foco em soluções para a indústria do plástico, reuniu mais de 100 profissionais, entre consumidores, convertedores, proprietários de marcas e fabricantes de resina para promover debates sobre inovação e colaboração dentro do setor de embalagens de polietileno e polipropileno. “Essa integração gera conhecimento, parcerias e soluções dentro das nossas áreas de atuação. Juntamos o que temos a oferecer com as necessidades de vocês”, anunciou Cristina Neri, diretora regional para a América Latina da companhia.

Denilson Shikako, CEO da Fábrica de Criatividade, foi o palestrante convidado para apresentar as ferramentas de inovação disponíveis para se trabalhar dentro de cada empresa, tais como Design Thinking, Inexistente, Agrupar, Open Innovation, entre outras. “Há padrões e processos que podem ser implementados para a geração de inovação. Apenas 15% das patentes do mundo vêm de laboratórios de inovação; todo o resto, de profissionais comuns”, destacou.

Vários executivos da Milliken apresentaram casos de sucesso com tecnologias inovadoras em embalagens, tampas e filmes plásticos, oferecendo também projetos personalizados aos participantes. Henrique Noguchi, gerente da linha Keyplast América Latina de pigmentos, corantes e efeitos especiais, abordou as tendências para embalagens injetadas, considerando a demanda por sustentabilidade e perfil dos consumidores de acordo com a pirâmide etária. “Dessa forma, repriorizamos processos e modificamos algumas estruturas, pois cada vez mais as embalagens são diferenciais para as empresas”.

Rodrigo Silva, gerente de contas sênior, falou sobre as embalagens plásticas no segmento de utilidades domésticas que usam o Millad NX8000, o qual, segundo a Milliken, traz máxima transparência e confere ao polipropileno uma aparência mais “limpa” quando comparada aos clarificantes tradicionais. Devido à maior janela de processo obtida pelo uso do plástico com esta solução, a transparência da peça é pouco afetada por variações de processo. Há também benefícios na redução no consumo de energia e potencial redução de ciclo devido à possibilidade de processamento a temperaturas mais baixas, garante a empresa.

Já o gerente técnico Edmar Nogueira deu enfoque às tampas, que têm um equilíbrio químico complexo onde a pigmentação pode afetar a cristalização e a dimensão das peças, o que pode causar vazamentos ou dificuldades de abertura, entre outros problemas. “Nossas soluções neutralizam esses efeitos e é importante lembrar que, se a tampa falhar, a embalagem, o produto, a marca e a fabricante serão comprometidos aos olhos dos consumidores finais”, ressaltou.

As embalagens plásticas termoformadas de alta transparência são outra especialidade da Milliken. Para o segmento, a empresa fornece o NX UltraClear, que atende à demanda por sustentabilidade, alimentação saudável e refeição pronta, além da conveniência de poder ser levado ao microondas. Márcio Biaso, gerente de contas sênior, apresentou dois casos de sucesso, incluindo o de uma das redes de fast food mais famosas do mundo e de uma das maiores cafeterias. O executivo também citou a conclusão observada, através do uso de óculos especiais, de que os consumidores olham muito mais para embalagens transparentes.

Já Aparecido Albarici, gerente técnico, falou sobre os filmes flexíveis de polietileno de alto desempenho e a importância da barreira a vapor de água para manter os alimentos frescos por mais tempo. “Novamente, o fator sustentabilidade está incluído na nossa linha de produção. Além de aumentarmos de 30% a 43% a barreira a vapor, conseguimos reduzir a opacidade e aumentar o brilho dos produtos produzidos com nossos agentes químicos”, concluiu, antes de convidar a todos para apresentar projetos de interesse para serem testados e prototipados no laboratório da Milliken.

A Milliken foi fundada em 1865. A empresa emprega mais de 100 PhDs e acumula mais de 2.200 patentes nos EUA e mais de 5 mil patentes no mundo todo, desde sua fundação.

Fonte: Milliken

Curta nossa página no

Poliamida transparente da Evonik obtém aprovação para contato com alimentos nos Estados Unidos

05/10/2018

O FDA americano emitiu a chamada “Food Contact Notification” aprovando a poliamida microcristalina Trogamid® CX 7323 da Evonik para o contato com alimentos

Segundo a Evonik, com essa aprovação, a empresa pode oferecer um polímero transparente, de alto desempenho e com resistência térmica e química, como alternativa de material livre de bisfenol-A (BPA) para aplicações na indústria alimentícia do mundo inteiro. A Agência Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) já havia concedido a sua aprovação.

A Evonik oferece o Trogamid® CX como uma poliamida de transparência permanente há muitos anos. O produto é utilizado em aplicações nas indústrias esportiva, de lazer, automobilística, cosmética, de tecnologia médica e óptica.

Exclusivo perfil de propriedades

Para uso como material de lentes em óculos esportivos e de esqui, o polímero oferece uma visibilidade cristalina, alta proteção UV e resistência mecânica, além de resistência a substâncias químicas como as contidas em cremes para a pele ou sprays para os cabelos, garante a Evonik. No segmento automotivo, o Trogamid® CX é conhecido como material decorativo que se destaca por sua alta transparência e resistência a riscos, afirma a empresa.

As recentes aprovações para contato com alimentos pelo FDA e pela EFSA habilitam o composto para moldagem Trogamid® CX para aplicações como, por exemplo, peças transparentes em cafeteiras, liquidificadores/mixers, recipientes, panelas a vapor, etc. Graças à sua estrutura microcristalina, afirma a Evonik, o Trogamid CX7323 oferece um perfeito equilíbrio entre alta transparência e resistência térmica e química para prevenir a formação de stress cracking.

Processamento simples e de alta produtividade

A poliamida transparente da Evonik é fácil de processar em processos de moldagem por injeção e também pode ser transformada em filmes ultratransparentes para criar designs atraentes, finos e complexos, sem afetar a produtividade na fabricação.

A Evonik é uma das empresas líderes mundiais em especialidades químicas. Com mais de 36.000 colaboradores, a Evonik atua em mais de 100 países no mundo inteiro. No ano fiscal de 2017, a empresa gerou vendas da ordem de 14,4 bilhões de euros e um lucro operacional (EBITDA ajustado) de 2,36 bilhões de Euros. A empresa conta hoje com cerca de 600 colaboradores no Brasil e seus produtos são utilizados como matéria-prima em importantes setores industriais, como: automotivo, agroquímico, biodiesel, borracha, construção civil, cosmético, farmacêutico, nutrição animal, papel e celulose, plástico, química e tintas.

Fonte: Evonik

Curta nossa página no

SIG ganha Prêmio Alemão de Embalagem pela Signature Pack

04/10/2018

A Signature Pack, embalagem asséptica cartonada da SIG, fabricada com materiais renováveis de origem vegetal, recebeu o “Prêmio Alemão de Embalagem” na categoria Sustentabilidade.

Este ano, o Prêmio recebeu 226 inscrições de 10 países; a premiação aconteceu durante a FachPack, em Nuremberg. O Prêmio Alemão de Embalagem é uma competição internacional, multi-setorial e multi-materiais. Anualmente, o Instituto Alemão de Embalagem (Deutsches Verpackungsinstitut – dvi) premia projetos de embalagem inovadores e criativos. O Instituto tem todos os elos da cadeia de valor do setor de embalagem como seus associados.

Como sentenciou Bettina Horenburg, membro do Board do Instituto e responsável pelo Prêmio Alemão de Embalagem: “A embalagem é um ponto chave na infraestrutura. E é por isso que ela tem uma atenção especial do público. As crescentes demandas nas áreas de sustentabilidade, eficiência e conveniência só podem ser atingidas pela inovação contínua”.

Embalagem com valor agregado

Segundo a SIG, a sua embalagem Signature Pack agrega valor à indústria e, ao mesmo tempo, atende às expectativas dos consumidores que dão cada vez mais importância a embalagens amigas do meio ambiente e sustentáveis. Os polímeros usados na laminação do material cartonado e também na fabricação da tampa da embalagem vem de fontes renováveis de madeira na Europa e são certificadas por sistemas de sertificação reconhecidos e aprovados (ISCC PLUS e TÜV SÜD CMS71), via um sistema de balanço de massa. Isto significa que, para os polímeros usados na Signature Pack, uma quantidade equivalente de biomateriais é usada como matéria-prima na fabricação dos polímeros. O óleo alto (Tall oil) foi selecionado como matéria-prima pois, como um subproduto da produção de papel, ele é considerado como um resíduo, ao invés de ser uma cultura agrícola que necessita de terra e recursos para crescer.

O veredito do júri foi: “Signature Pack estabelece um marco de sustentabilidade. A embalagem se caracteriza pelo uso de matérias-primas renováveis, pela conservação dos recursos fósseis e pela redução das emissões de CO2 em comparação às embalagens convencionais”.

Nora Wigand, Gerente de Marketing D-A-CH e Udo Felten, Gerente de Produto Relacionado a Sustentabilidade Ambiental Global & Assuntos da SIG, receberam o prêmio em nome da SIG durante a cerimônia em Nuremberg. “Estamos muito satisfeitos pelo fato de que, após o Prêmio de Inovação Mundial em Bebida, a Signature Pack também tenha recebido o Prêmio Alemão de Embalagem. O compromisso com produtos amigos do meio ambiente e soluções de embalagem sustentáveis é um dos pontos mais relevantes para a indústria e para os consumidores, nacional e internacionalmente. Estamos orgulhosos de que a Signature Pack seja vista e apreciada como um marco no setor de embalagens assépticas. Ela leva à substituição do plástico convencional, de origem fóssil, por materiais de base vegetal”.

A SIG é líder no fornecimento de sistemas e soluções para embalagem asséptica. Fundada em 1853, a SIG está sediada em Neuhausen, Suíça, possuindo 5.000 colaboradores em todo o mundo permite para atender clientes em 65 países. Em 2017, a SIG produziu 33,6 bilhões de embalagens cartonadas e faturou €1,66 bilhão.

Fonte: SIG

Curta nossa página no

Solvay vai aumentar em 35% a produção de polímero especial PVDF para atender ao crescimento da demanda por baterias de veículos elétricos

04/10/2018

A Solvay aumentará em 35% a capacidade de produção de seus polímeros de alto desempenho da linha Solef® PVDF (fluoreto de polivinilideno) para atender ao forte crescimento da demanda global, principalmente para aplicações em baterias de íon-lítio para veículos elétricos.

“A decisão da Solvay de aumentar a capacidade do Solef® PVDF, em nossa planta industrial de Tavaux, na França, mostra nosso compromisso contínuo para atender às crescentes necessidades de nossos clientes em todo o mundo”, disse Michael Finelli, Presidente da Unidade de Negócios Global Specialty Polymers da Solvay.

A nova capacidade, com investimento em novos ativos (máquinas e equipamentos), deverá entrar em operação até o final de 2019.

Os polímeros especiais da linha Solef® PVDF otimizam a eficiência do armazenamento de energia e contribuem para redução do peso da bateria em veículos elétricos e aparelhos eletrônicos de consumo.

Outras aplicações desses polímeros que têm registrado crescimento de vendas ocorrem em tubos e revestimentos na exploração e produção de petróleo e gás em plataformas offshore e em membranas para purificação de água.

A Solvay tem sede em Bruxelas (Bélgica) e emprega 26.800 pessoas em 61 países. As vendas líquidas pro forma foram de € 10,1 bilhões em 2017, resultando em uma margem de EBITDA de 22%. No Brasil, a Solvay também atua com a marca Rhodia. Os produtos da Solvay são usados em diversos mercados finais globais, em produtos como aviões, carros, dispositivos inteligentes e médicos, baterias, na extração de minerais e petróleo, entre muitas outras aplicações.

Fonte: Solvay

Curta nossa página no

Arburg lança novo Freeformer para impressão 3D de peças maiores durante Formnext 2018

30/09/2018

  • Estréia mundial: Freeformer maior com três unidades de descarga e mais espaço na câmara de fabricação.
  • Exclusivo: fabricação aditiva de peças funcionais complexas e resilientes em combinação dura / macia.
  • Arburg oferece mais tamanhos de máquina e mais peças.

Na Formnext, a ser realizada de 13 a 16 de novembro de 2018 em Frankfurt am Main, na Alemanha, a Arburg estará celebrando uma estréia mundial com o Freeformer 300-3X. A nova máquina de maior porte processará três componentes usando o processo APF (Arburg Plastic Freeforming), tornando possível a fabricação aditiva industrial de peças funcionais complexas em combinações resilientes duras/macias com estrutura de suporte. Além da nova “versão grande” do Freeformer, duas máquinas do já provado modelo Freeformer 200-3X estarão sendo expostas. No estande de exposição E70 da Arburg, no Hall 3.1, os visitantes da feira também poderão ver mais amostras de peças e testá-las em quatro estações interativas.

“Por vários anos, os usuários têm apreciado os benefícios do nosso Freeformer 200-3X e as possibilidades que o sistema e o processo Arburg Plastic Freeforming têm a oferecer”, diz Lukas Pawelczyk, responsável pelas vendas do Freeformer em todo o mundo desde julho de 2018. “Como um próximo passo revolucionário, estaremos celebrando a estréia mundial do Freeformer 300-3X na Formnext 2018, que expandirá a linha de produtos Arburg e abrirá novos campos de aplicação. Pela primeira vez em todo o mundo, peças funcionais complexas e resilientes podem ser produzidas a partir de três componentes, em combinação dura / macia com estrutura de suporte, usando esta máquina para fabricação aditiva industrial – isso é único na indústria. “

Espaço para peças maiores

Na denominação do Freeformer 300-3X,  “300” representa a área da superfície, em centímetros quadrados, disponível para o suporte da peça. Isso é quase 50% maior do que no Freeformer 200-3X. A câmara de fabricação agora oferece espaço para lotes maiores de pequeno volume e também peças 50% mais largas, com dimensões de até 234 x 134 x 200 milímetros. “3X” representa os eixos móveis do suporte da peça nas direções x, y e z.

Câmara de fabricação projetada para automação

Um novo recurso do Freeformer 300-3X é a porta da câmara de fabricação com duas partes. Isso permite que os funis de alimentação, por exemplo, sejam recarregados durante a operação em andamento ao se abrir a metade superior da porta. A câmara de fabricação aquecida agora só precisa ser aberta para inserir a plataforma da peça e remover as peças acabadas. A abertura e o fechamento automático da porta da câmara de fabricação, bem como as interfaces opcionais, também permite a automação do processo de manufatura aditiva e a integração do Freeformer em linhas completas de produção.

Ampla gama de aplicações

Com os dois Freeformers 200-3X e 300-3X, a Arburg irá no futuro cobrir uma gama significativamente mais ampla de aplicações. Os visitantes da feira poderão obter uma impressão delas durante a Formnext 2018 com base em três exposições e uma série de peças, incluindo uma seleção de itens de dois e três componentes. As partes funcionais exibidas incluem, por exemplo, uma pinça de dois componentes com uma combinação dura / macia, presilhas de cabos feitos de PP, discos de teste transparentes feitos de PMMA e sanfonas fabricadas de TPE-S para uso médico.

Sistema aberto oferece grande liberdade de uso de materiais

Os usuários podem processar seus próprios materiais originais e otimizar o tamanho das gotas, bem como controlar o processo com o sistema aberto do Freeformer. O banco de dados de materiais de Arburg inclui granulados padrão qualificados tais como ABS (Terluran GP 35), PA10 (Grilamid TR XE 4010), PC (Makrolon 2805), TPE-U (Elastollan C78 A15) e PP (Braskem CP 393). Outros exemplos incluem plásticos especiais para aplicações específicas, como o PLLA médico (Purasorb PL18, Resomer LR 708) e um PC (Lexan 940) aprovado para uso aeroespacial. A gama de materiais qualificados está sendo continuamente expandida.

Fonte: Arburg

Curta nossa página no

DSM anuncia novo filamento de Poliamida 6/66 com 10% de fibra de carbono para Impressão 3D

30/09/2018

A Royal DSM anunciou em 18 de setembro o lançamento de seu novo filamento PA6 / 66 com fibra de carbono Novamid® ID1030 CF10 para impressão 3D. Apesar do baixo teor de fibra de carbono (10%, que é muito mais baixo do que outros polímeros com reforço de carbono) , o material produz protótipos funcionais e peças industriais com propriedades próximas do que normalmente só é possível através de moldagem por injeção, garante a DSM. Ao mesmo tempo, apresenta a mesma facilidade e a rapidez de impressão dos plásticos não reforçados.

“A tecnologia FFF está crescendo rapidamente, para uso tanto em protótipos quanto em aplicações industriais”, disse Hugo da Silva, vice-presidente de Manufatura Aditiva da DSM. “Com materiais de alto desempenho como o nosso novo filamento reforçado com fibra de carbono, os fabricantes podem utilizá-lo em muitas outras aplicações, tais como protótipos funcionais e peças industriais estruturais e duráveis para uso em ambientes agressivos.”

Reforçado com apenas 10% da fibra de carbono real – muito menos do que a maioria dos materiais com reforços de carbono – o Novamid ID1030 CF10 3D foi projetado para imprimir peças estruturais claramente mais fortes, rígidas e resistentes, com maior resistência e módulo de tração, alta estabilidade dimensional e livre de empenamentos, assegura a DSM.

Essas excelentes propriedades mecânicas e aparência suave tornam o material indicado para uma ampla variedade de aplicações que exigem desempenho robusto, possivelmente a temperaturas elevadas, como por exemplo, aplicações automotivas sob o capô, gabaritos e acessórios de fabricação, peças funcionais de alto desempenho, próteses e outras, afirma a empresa holandesa. É também um material para aplicações leves em vários mercados verticais.

O material pode ser impresso em máquinas padrão de fabricação de filamentos fundidos (FFF) com um bocal endurecido. Testes mostraram que os usuários podem operar suas impressoras com as mesmas velocidades em que trabalham com plásticos não reforçados, ao mesmo tempo em que obtêm resistência e absorção de impactos consideravelmente melhores.

O Novamid ID 1030 CF10 foi testado em várias plataformas FFF abertas, incluindo no GermanRepRap e no novo Ultimaker S5.

Fonte: Royal DSM

Curta nossa página no