Posts Tagged ‘Braskem’

Braskem reforça seu compromisso com Economia Circular e transformação digital na Feira K

04/11/2019

Produtos e soluções apresentados na Feira K 2019 incluíram uma nova solução para o setor de saúde (Braskem Medcol) e novas resinas que terão impacto positivo na circularidade

A Braskem apresentou soluções, tecnologias e novas parcerias com foco na Economia Circular, além de também reforçar os avanços do seu Centro Digital na Feira K 2019, maior evento mundial do setor de plásticos e borrachas.

A feira foi uma grande oportunidade para a Braskem apresentar seus compromissos com a Economia Circular e incentivar clientes e visitantes a se envolverem na missão pelo uso de recursos renováveis, reciclagem e reutilização do plástico. A companhia é pioneira na produção de Polietileno e EVA de origens renováveis , resinas produzidas a partir da cana-de-açúcar, e definiu no ano passado uma meta referente à Economia Circular: todas as embalagens de plástico fabricadas com produtos da Braskem serão reutilizadas, recicladas ou recuperadas até 2040. A empresa tem um compromisso com a criação de um ciclo de produção sustentável, desde a matéria-prima até o descarte.

O CEO da Braskem, Fernando Musa, destaca a importância da nova estratégia da companhia, que reforça seu compromisso com a sustentabilidade , crescimento e presença em novos mercados: “Apresentamos na Alemanha nossos novos desenvolvimentos inéditos e estabelecendo nosso portfólio circular, mostrando que podemos oferecer as melhores e mais sustentáveis soluções aos nossos clientes”.

Walmir Soller, vice-presidente de Olefinas e Poliolefinas Europa e Ásia, comentou a importância do evento para a indústria mundial. “A Feira K é o maior evento do mundo do setor de plásticos. Participar dessa feira e lançar novos produtos, parcerias, projetos e soluções, ressaltando a importância da Economia Circular, confirma a presença global da Braskem e sua capacidade de atender clientes do mundo todo”, diz ele.

Redução da pegada de CO2 em parceria com a Kautex Maschinenbau

Ciente da crescente relevância das Mudanças Climáticas, a Braskem está atenta para a redução de emissões de CO2 e adaptação a tais mudanças. Como uma empresa de capital aberto presente nas listas CDP Climate A, CDP Water A e CDP Supply A, a Braskem já reduziu o seu nível de emissões de gases do efeito estufa em 21% desde 2008, afirma a empresa. Para aumentar ainda mais sua contribuição, a Braskem anunciou oficialmente na Feira K sua parceria com a Kautex Maschinenbau , onde começará a fornecer uma resina que corresponde a uma mistura plástico de fonte renovável, produzido a partir da cana-de-açúcar, com resina pós-consumo (PCR), para a produção inovadora de garrafas feitas com três camadas de polietileno de alta densidade (PEAD), incluindo uma embalagem que consiste em espuma. Essa nova resina oferecerá uma solução circular completa, que também reduzirá a pegada de CO2 dos produtos finais. As duas companhias têm trabalhado em parceria com a EREMA , fabricante de maquinário para reciclagem de plástico, que coletou as garrafas produzidas na Feira K e as encaminhou para reciclagem.

Além disso, outros produtos selecionados do portfólio de resinas da Braskem foram apresentados nos estandes dos principais fornecedores de maquinário na Feira K. Por exemplo, as resinas Flexus 3600 e PP RF70, da Braskem, foram utilizadas em máquinas da SML; uma nova solução em filme stretch, produzida a partir de conteúdo de filme shrink de fonte renovável, foi utilizada pela Carnevalli; a resina Prisma 6810 foi utilizada pela Gabler; as resinas I’m greenTM , também produzidas a partir de fontes renováveis, foram empregadas pela Euro Machinery; e a resina Maxio® PG480 foi utilizada nas máquinas da Windmöller & Hölscher.

Edison Terra, vice-presidente da Unidade de Olefinas e Poliolefinas da América do Sul, acrescenta: “Toda a cadeia deveria buscar uma mentalidade circular, a partir da integração de produção, uso, descarte e reciclagem. Acreditamos que a Feira K foi uma grande oportunidade de dar destaque à nossa abordagem referente à economia circular. Pensamos que isso levará a novas parcerias com outras empresas comprometidas, que incorporarão a circularidade a novos produtos, aumentando a eficiência e facilitando a reciclagem e reutilização dos produtos de plástico”.

Apresentando a Transformação Digital

No evento, a Braskem também apresentou sua estratégia de Transformação Digital, uma jornada conduzida por seu recém-criado Centro Digital, que funciona como um catalisador de mudanças para a transformação do coração da Braskem, a partir de iniciativas que façam uso de tecnologias como drones, sensores e machine learning para capturar ganhos de eficiência operacional e melhorar a relação custo-benefício. O Centro Digital também funciona como incubadora de novos modelos de negócios, por meio de uma série de novos projetos. A estratégia Digital da Braskem auxiliará na melhoria de processos-chave, desde o desenvolvimento de produto até a venda, incluindo a Fábrica Inteligente (Indústria 4.0) e o Planejamento Avançado.

Um dos objetivos é criar um ambiente de trabalho digital, no qual os funcionários possam utilizar e tirar vantagem de tecnologias de ponta para promover inovações. O CEO da Braskem, Fernando Musa, explica que essa transformação digital é um grande marco na história da companhia: “Da análise avançada até a automação, inteligência artificial e aplicações em Internet das Coisas, a Braskem está aproveitando as mais novas tecnologias digitais e metodologias ágeis para aumentar significativamente o seu desempenho e, desta forma, transformar a maneira como fazemos negócios. Isso nos dá uma grande vantagem competitiva, permitindo que tenhamos novas oportunidades de margem e continuemos a oferecer máxima qualidade aos nossos clientes”.

Em busca de oportunidades globais de crescimento

Em 2017, a companhia anunciou um investimento de U$ 675 milhões para a construção da sua sexta unidade industrial de polipropileno (PP) nos Estados Unidos. Segundo a Braskem, o projeto está sendo construído em La Porte, Texas, e será a maior unidade de PP e com maior eficiência energética da América do Norte, com capacidade produtiva de 450 milhões de toneladas por ano. Ao final do segundo trimestre de 2019, a planta já estava quase dois terços concluída, sendo que a produção deve ser iniciada no primeiro semestre de 2020.

Prometida como uma das maiores entregas da Feira K de 2016, a Braskem concluiu a construção do Complexo Petroquímico Idesa, em Veracruz, no México. O projeto de US$5,2 bilhões aumentou a produção de resinas da companhia em 1,05 milhão de toneladas, totalizando 8,7 milhões de toneladas de capacidade produtiva global.

Esses dois grandes projetos reforçam a capacidade da Braskem de crescimento e entrega de seus projetos no prazo.

Fernando Musa afirma: “Em 2007, apresentamos aqui que estávamos desenvolvendo o Polietileno Verde, que trouxemos pronto em 2010. Em 2013, afirmamos que estávamos construindo o complexo no México, a planta petroquímica mais moderna das Américas, que em 2016 se tornou realidade. E agora estamos anunciando nossa nova linha de produção de PP denominada Delta, que será concluída e iniciará sua operação em 2020”.

Os novos produtos na Feira K

A Braskem selecionou vários novos produtos que foram apresentados na Feira K 2019:

1. Grade de polietileno de baixa densidade tubular, desenvolvido para atender o segmento de revestimento por extrusão. Segundo a empresa, oferece estabilidade e resistência superiores para revestimento de diversos substratos, incluindo papel, papelão, alumínio e outros polímeros, bem como aplicações em embalagens assépticas, não assépticas e rafia.

2. A mais nova marca de produtos de saúde da Braskem, Medcol, foi apresentada no evento. Medcol se trata do novo portfólio de produtos médicos da Braskem, que, segundo a empresa, construirá vínculos duradouros e confiáveis na indústria de saúde, com a cocriação de soluções únicas e customizadas para melhorar a vida das pessoas.

3. Novo grade de PP denominado DP213A, o mais novo grade da linha Maxio, com baixo índice de fluidez e aditivação anti-UV. Segundo a Braskem, a resina foi especialmente desenvolvida para atender às demandas dos clientes por fitas de rafia e maior produtividade na etapa de extrusão. Sua utilização permite às empresas do segmento de big bags (grandes sacas utilizadas para embalar e transportar grãos, fertilizantes, minérios e produtos químicos) elevarem sua produção em 30% sem aumento do consumo de energia, assegura a Braskem.

4. No segmento de Tampas e Fechamentos, a Braskem oferece um portfólio de soluções em PE, PP, Renováveis e PCR para atender às necessidades do mercado. A Braskem exibiu no evento tampas para aplicações em bebidas carbonatadas, água mineral, alimentos, limpeza e higiene.

5. A Braskem também apresentou suas soluções para os segmentos de agronegócio, construção civil, automotivo, calçados e outros setores, incluindo Braskem Evance, Braskem Proxess e Braskem Rigeo Lumios.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem é reconhecida como Empresa Líder em Desenvolvimento Sustentável pelo Pacto Global da ONU

24/09/2019

O reconhecimento da Braskem como Empresa Líder em Desenvolvimento Sustentável pelo Global Compact LEAD, pelo sexto ano consecutivo, foi anunciado nesta segunda-feira (23) na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, nos Estados Unidos.

O Global Compact LEAD é um seleto grupo de empresas que tiveram reconhecidos seus compromissos com o Pacto Global da ONU e que assumem um papel de liderança dentro do Global Compact, considerada a maior iniciativa corporativa de sustentabilidade do mundo. Mais de 10 mil empresas do mundo inteiro participam do Pacto Global e, deste total, somente 36 empresas receberam o reconhecimento da ONU, sendo a Braskem a única empresa brasileira presente entre as reconhecidas.

“Nós temos a preocupação de reforçar constantemente o nosso engajamento e as nossas contribuições para as agendas socioambientais. Nosso propósito é melhorar a vida das pessoas criando soluções sustentáveis a partir da química e do plástico e ficamos muito orgulhosos por sermos mais uma vez reconhecidos como Empresa Líder em Desenvolvimento Sustentável por uma organização tão importante. Isso mostra que estamos no caminho certo”, afirma Fernando Musa, presidente da Braskem, que esteve presente em eventos da Semana do Clima da ONU em Nova York. Jorge Soto (foto), diretor de Desenvolvimento Sustentável recebeu o reconhecimento em nome da Braskem.

Musa representou a Braskem em dois eventos que fazem parte da programação da Semana do Clima: Transformative Business Leadership for 1.5oC future e UN Private Sector Forum, dois encontros de líderes de governos, executivos de grandes empresas e representantes da sociedade civil e da própria ONU para tratar da importância de ampliar a ambição para evitar maiores impactos decorrentes das mudanças climáticas.

Para Lise Kingo, CEO e diretora Executiva do Pacto Global da ONU, “as empresas LEAD representam o mais alto nível de engajamento com o Pacto Global da ONU. Mais do que nunca, o mundo precisa de empresas de todos os tamanhos – como as anunciadas hoje como LEAD – que trabalham continuamente para melhorar seu desempenho em sustentabilidade e tomam medidas para construir um mundo melhor”.

Para receber o reconhecimento, as companhias devem participar ativamente de pelo menos duas Plataformas de Ação do Pacto Global, demonstrando envolvimento e compromisso na definição e promoção de práticas de liderança alinhadas com os Dez Princípios Universais do Pacto, que são valores fundamentais e internacionalmente aceitos nas áreas de direitos humanos, relações de trabalho, meio ambiente e combate à corrupção, e com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que tratam-se de uma agenda com ações mundiais construída em comum acordo com várias nações, incluindo o Brasil, e com metas a serem atingidas até 2030.

Desenvolvimento Sustentável na Braskem

Segundo a Braskem, o Desenvolvimento Sustentável é considerado por ela em todos os negócios, projetos e processos. Nos temas Clima e Água, por exemplo, a companhia segue buscando engajar parceiros, clientes e fornecedores. Em 2019, se manteve na “Lista A” do ranking do CDP Supply Chain, da organização sem fins lucrativos CDP que avalia quais as empresas que melhor influenciam suas cadeias de suprimentos na adoção de novas abordagens para mudanças climáticas e gestão da água. A Braskem é a única brasileira com classificação máxima nos rankings de Clima, por três vezes consecutivas, e Água, pela segunda vez, afirma a empresa.

Em julho deste ano, a Braskem passou a integrar o CEO Water Mandate do Pacto Global, uma comunidade global formada por mais de 150 empresas comprometidas com o avanço na gestão da água. E a companhia segue investindo no desenvolvimento de produtos e soluções que possam minimizar ao máximo impactos ambientais e sociais, alinhada a uma estratégia de negócio que considera dez macro-objetivos com metas definidas para 2020, atreladas aos ODS da ONU.

Os dez macro-objetivos da Braskem para contribuição ao Desenvolvimento Sustentável são: Segurança, Resultados Econômicos-Financeiros, Pós-consumo, Desenvolvimento local, Eficiência Hídrica, Mudança Climática, Desenvolvimento de Soluções, Fortalecimento das Práticas, Eficiência Energética e Recursos Renováveis. Todas as ações podem ser conferidas no Relatório Anual de Sustentabilidade – o detalhamento do progresso das iniciativas de cada empresa também é uma condição para ser reconhecida como Empresa Líder nesta área pelo Global Compact LEAD.

Uma das ações da Braskem na área de Recursos Renováveis, por exemplo, é o desenvolvimento do polietileno de fonte 100% renovável. Segundo a empresa, o material é produzido a partir da cana-de-açúcar e apresenta uma captura líquida de CO2, um dos gases causadores do efeito estufa, ao longo de todo o seu processo de obtenção, compreendendo o cultivo agrícola e o processamento industrial. A Braskem passou a produzir em 2018, também a partir da cana-de-açúcar, o EVA Verde, solução destinada a aplicações em setores como calçadista, automotivo e transporte, entre outros.

Ainda em 2018, a Braskem se posicionou publicamente a favor da Economia Circular, aderindo a compromissos voluntários e definindo uma série de iniciativas globais para o desenvolvimento de parcerias com os clientes na concepção de produtos para ampliar e facilitar a reciclagem e a reutilização de embalagens plásticas, especialmente as de uso único. As iniciativas contemplam ainda o avanço de investimentos em novas resinas de origem renováveis e o apoio a novas tecnologias, modelos de negócios e sistemas de coleta, triagem, reciclagem e recuperação de materiais, além de ações educacionais que promovam o engajamento de consumidores a programas de reciclagem e consumo consciente.

Curta nossa página no

Braskem aprimora portfólio de resinas hidrocarbônicas com baixo odor para mercado de adesivos

15/09/2019

Novo grade atende à demanda do mercado de tintas e adesivos e será lançado durante a Feica, maior evento europeu do setor de Adesivos e Selantes

A Braskem divulgará durante a Feica , maior feira do mercado europeu de adesivos e selantes, a evolução do portfólio de resinas hidrocarbônicas Unilene, que passa a contar com uma linha ‘LN’ – resinas C9 com baixo odor. A feira será realizada de 11 a 13 de setembro, na Croácia.

Com capacidade de produção de 5 mil toneladas anuais, a linha Unilene LN alcança um teor de naftaleno menor do que 100 partículas por milhão, afirma a Braskem. Este desenvolvimento atende à demanda dos mercados de tintas e adesivos, além de garantir a redução de odor tanto na fabricação quanto no produto final, assegura a empresa.

Amplamente aplicada no mercado de adesivos em tecnologias de hotmelt, PSA e base solvente, as resinas hidrocarbônicas Unilene, disponíveis em diferentes pontos de amolecimento, tem alta fixação e aderência, melhora o tempo de aplicação, além de ser compatível com diversos polímeros, como borracha natural, SBR e policloropreno, garante a Braskem.

A fabricante afirma que o novo grade conta também alta velocidade de secagem e adesão da tinta à diferentes substratos, além de aumentar o brilho e o teor de sólidos, sendo também considerada como um agente repelente de água. Sua estabilidade química, facilita o manuseio e a compatibilidade com diversos polímeros e a elevada pureza conferem às resinas elevado desempenho para a aplicação industrial, afirma a empresa.

Annik Varela, responsável Comercial pelo Negócio de Especialidades Químicas da Braskem, explica que a Unilene já é uma linha consolidada em seu mercado de atuação, mas que a evolução do portfólio amplia suas possibilidades. “Como líderes na produção de resinas hidrocarbônicas na América Latina, buscamos ouvir as necessidades de nossos clientes para, juntos, encontrarmos as melhores soluções. Estamos muito satisfeitos com essa evolução em nosso portfólio, garantindo especialidades químicas que melhorem a produtividade e aumentem a competitividade do setor”, afirma.

Desenvolvida pela equipe de especialidades e engenheiros químicos da planta da Braskem localizada no Polo Petroquímico do ABC, a solução Unilene LN já está disponível para venda no Brasil, América Latina, Estados Unidos, Ásia e Europa.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem fecha parceria com consórcio francês especializado em bioprodução e biociência

21/08/2019

Colaboração terá foco em Pesquisa & Desenvolvimento para novas soluções renováveis

A Braskem anunciou acordo de colaboração com o prestigiado Centro de Pesquisa europeu Toulouse White Biotechnology (TWB) para desenvolvimento de soluções renováveis. Especialista em projetos científicos, o centro será um parceiro importante no avanço de novas rotas de pesquisa e desenvolvimentos a partir de recursos naturais, visando obter soluções sustentáveis, inovadoras e economicamente viáveis.

O acordo de cooperação com a Braskem, única empresa brasileira entre as mais de 50 parceiras do TWB, valerá por três anos e contempla o desenvolvimento conjunto de novas tecnologias químicas renováveis baseadas em patentes de ambos os grupos. Sob orientação de líderes de pesquisa da Braskem e do TWB, nove pesquisadores do Laboratório de Engenharia de Sistemas e Processos Biológicos do Instituto Nacional de Ciências Aplicadas de Toulouse, identificados pelo trabalho neste campo, utilizarão a avançada estrutura do TWB para alavancar os resultados esperados.

“O TWB se destaca como um dos principais centros de pesquisa em biotecnologia industrial. Somos membro do consórcio desde 2018 e agora estamos expandindo a colaboração em projetos que corroboram nossa visão de utilizar a química e materiais renováveis como ferramentas de captura de carbono”, explicou Mateus Schreiner Garcez Lopes, responsável por Inovação em Tecnologias Renováveis da Braskem.

Iniciada em outubro de 2011, o TWB utiliza a inteligência coletiva para impulsionar vínculos pioneiros entre pesquisadores, grupos industriais e investidores, acelerando a transição para indústrias ecologicamente responsáveis. No início, eram cerca de 30 parceiros que, posteriormente, se agruparam para formar um consórcio público-privado de ponta, com o objetivo de acelerar o desenvolvimento da biotecnologia industrial e promover a bioeconomia.

Atualmente são 51 parceiros, entre grupos industriais, startups, investidores, autoridades locais e regionais. E já foram lançados 105 projetos colaborativos de pesquisa e desenvolvimento, que impulsionaram o crescimento de negócios disruptivos, arrecadando mais de 100 milhões de euros.

“Estamos orgulhosos em receber a Braskem, uma das líderes globais em química renovável. Esperamos contribuir de todas as maneiras possíveis para este projeto de P&D, com o intuito de promover o desenvolvimento de novos caminhos de produção sustentáveis, um objetivo que compartilhamos”, comentou Olivier Rolland, Diretor Executivo da TWB.

A Braskem expande cada vez mais seus esforços de pesquisa, desenvolvimento e comercialização de químicos e materiais de origem renovável. Em maio de 2018, a companhia iniciou uma operação na cidade de Boston , nos Estados Unidos, que complementa suas atividades no Centro de Pesquisa em Química Renovável, em Campinas, além de suas competências em ciência de materiais nos centros de Tecnologia & Inovação em Triunfo (Brasil) e Pittsburgh (EUA). A companhia é pioneira na fabricação em escala industrial de Polietileno Verde e EVA Verde , ambas resinas desenvolvidas a partir da cana-de-açúcar. As soluções são 100% recicláveis e o CO2 é capturado em seu processo produtivo.

A parceria com o TWB está alinhada com o compromisso da Braskem para promover a sustentabilidade na cadeia do plástico. Em novembro de 2018, a empresa definiu uma série de iniciativas globais para impulsionar a Economia Circular, entre eles, “continuar a investir no desenvolvimento de novos produtos Renováveis, a fim de apoiar a economia circular no início da cadeia de valor”.

Mais informações (em inglês): https://www.toulouse-white-biotechnology.com/en/

Curta nossa página no

Braskem registra Ebitda de R$ 1,6 bilhão no segundo trimestre de 2019

15/08/2019

Companhia reafirma compromisso com disciplina financeira para enfrentar tempos desafiadores

A Braskem registrou Ebitda recorrente de R$ 1,6 bilhão (US$ 375 milhões) no segundo trimestre de 2019, 12% superior ao trimestre anterior , porém quase 60% menor do que o mesmo período do ano passado. Considerando os efeitos não recorrentes, o Ebitda foi de US$ 412 milhões. A Companhia também registrou uma geração livre de caixa de R$ 2,3 bilhões, superior ao registrado no primeiro trimestre de 2019 em R$ 2,1 bilhões. Em relação ao segundo trimestre de 2018, a geração livre de caixa foi 31% inferior.

“Enfrentamos um cenário petroquímico desafiador, principalmente para Polietileno, por causa do crescimento econômico ainda lento e por uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China com efeitos ainda incertos. Em momentos assim, temos de ser ainda mais diligentes e focados na nossa gestão de custos e seguir criando valor para a companhia. Nosso compromisso com a disciplina e a higidez financeira segue inalterado”, afirma o presidente da Braskem, Fernando Musa.

A variação positiva do Ebitda em relação ao primeiro trimestre do ano se deve principalmente pelo melhor desempenho operacional das plantas de Polipropileno (PP) nos Estados Unidos, pelo maior volume de vendas de químicos no mercado brasileiro e pelos maiores spreads internacionais de químicos e os spreads de PP nos Estados Unidos mantidos em patamares elevados. No segundo trimestre, o lucro líquido da Braskem foi de R$ 129 milhões, 91% e 76% inferior ao 1T19 e ao 2T18, respectivamente. A alavancagem corporativa, medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda em dólares, foi de 2,16x.

Resultado por região

A demanda de resinas no mercado brasileiro (PE, PP e PVC) foi de 1,3 milhão de toneladas, uma retração de 7% em relação ao trimestre anterior, que foi impactado pelo movimento de recomposição de estoques da cadeia de transformação. Em relação ao mesmo período do ano anterior, a demanda de resinas foi 1% superior, período que foi impactado pelas restrições logísticas decorrentes da greve dos caminhoneiros.

A taxa de utilização das centrais petroquímicas no Brasil foi de 89%, 1 p.p. superior ao primeiro trimestre de 2019, explicada pela maior disponibilidade de matéria-prima para a central do Rio de Janeiro, que compensou a redução de carga de central da Bahia. Ante ao segundo trimestre de 2018, a taxa de utilização foi 1 p.p. inferior.

No segundo trimestre de 2019, a companhia exportou 356 mil toneladas de resinas, em linha com o primeiro trimestre de 2019. Em relação ao segundo trimestre de 2018, período que foi impactado pela menor disponibilidade de produto para exportação em função da greve dos caminhoneiros, as exportações de resinas foram 11% superiores. As exportações dos principais químicos totalizaram 146 mil toneladas, 25% inferior ao 1T19, devido, principalmente, a priorização do fornecimento no mercado brasileiro. Ante ao segundo trimestre de 2018, as exportações foram 62% superiores, positivamente impactadas também pela maior disponibilidade de eteno. No trimestre, as unidades do Brasil e exportações apresentaram Ebitda de US$ 154 milhões (R$ 604 milhões), representando 44% do consolidado de segmentos da Companhia.

Nos Estados Unidos, a demanda de PP foi superior em relação ao primeiro trimestre de 2019 e ao segundo trimestre de 2018, impulsionada pelos preços mais baixos de resinas. Na Europa, a demanda em queda é explicada, principalmente, pela desaceleração da economia e pelo verão europeu, quando a demanda é sazonalmente mais fraca.

A taxa de utilização das plantas foi de 92%, 2 p.p. e 8 p.p. superior ao 1T19 e ao 2T18, devido principalmente ao bom desempenho das unidades nos EUA. Na Europa, como consequência de problemas operacionais do fornecedor de propeno e consequente indisponibilidade de matéria-prima para a unidade de Schkopau, a parada de manutenção programada para esta planta foi antecipada para o 2T19, provocando queda das taxas de utilização das plantas da Europa no trimestre. No trimestre, as unidades dos Estados Unidos e Europa apresentaram Ebitda de US$ 107 milhões (R$ 414 milhões), representando 30% do consolidado de segmentos da Braskem.

No México, a demanda de PE foi de 510 mil toneladas, 1% superior ao 1T19. Na comparação com o 2T18, a demanda apresentou uma retração de 19%, explicada pelo fraco crescimento da economia mexicana, que sofre com o enfraquecimento da confiança dos investidores, com a ameaça da imposição de tarifas de importação por parte dos EUA, com juros altos e com a diminuição da produção industrial. A taxa de utilização das plantas de PE foi de 72%, 7% inferior em relação ao 1T19, devido ao baixo fornecimento de etano, e em linha com o 2T18. No trimestre, a unidade do México apresentou EBITDA de US$ 88 milhões (R$ 343 milhões), representando 25% do consolidado de segmentos da Companhia.

A Braskem segue em ritmo acelerado na construção da sua sexta fábrica de Polipropileno (PP) nos EUA. Ao fim do segundo trimestre, o progresso físico da obra atingiu 65,5%, com investimento total já realizado de US$ 485 milhões. A previsão é que a unidade de PP, a primeira a ser erguida no mercado americano desde 2005, entre em operação no primeiro semestre de 2020.

Curta nossa página no

Desafio da Braskem busca soluções para retirar odor de resinas recicladas

19/07/2019

O projeto recebeu mais de 150 inscrições dos cinco continentes com idéias para a produção de resina pós-consumo de qualidade e sem cheiro. Pesquisadores alemães apresentaram o melhor projeto e receberam 30 mil dólares.

A Braskem lançou no ano passado uma parceria com a Innocentive, uma plataforma global que incentiva desenvolvimento de pesquisas, com o objetivo de retirar cheiro de resina reciclada. Foram 154 inscritos de todo o mundo, com 25 selecionados para a segunda fase e oito finalistas escolhidos para testes. Dois pesquisadores alemães apresentaram a melhor opção e receberam 30 mil dólares por seu desenvolvimento tecnológico.

A proposta do desafio vai ao encontro com o compromisso com a Economia Circular da Braskem , divulgado em novembro de 2018, em que a empresa definiu oito iniciativas que contribuem com a cadeia do setor plástico para a indústria e sociedade, e que inclui no terceiro item: “Desenvolver ou apoiar o desenvolvimento de novas tecnologias, modelos de negócios e sistemas de coleta, triagem, reciclagem e recuperação de materiais, considerando o melhor equilíbrio dos impactos econômicos, sociais e ambientais”.

Dentro deste cenário, a petroquímica conduziu durante 2018 o desafio, visando desenvolver a cadeia de reciclagem do plástico. Foram realizados testes em laboratórios, tanto da Braskem como externos, em oito soluções apresentadas por pesquisadores inscritos no programa. A partir destas avalições, uma solução se destacou: trata-se de um processo que reduz o odor do resíduo sem diminuir as propriedades da poliolefina, ampliando o leque de possibilidades de aplicação do material.

“A parceria com a Innocentive foi um sucesso. Conseguimos atender a uma demanda interna e externa ao abrir para pesquisadores do mundo inteiro uma forma de colaborar com a reciclagem do plástico, permitindo identificar uma nova tecnologia que, desenvolvida em parceria com a Braskem, poderá impactar positivamente o mercado de reciclados. Estamos totalmente comprometidos em pesquisar e desenvolver soluções mais sustentáveis para a cadeia do plástico”, explica Fabiana Quiroga, diretora de Reciclagem e da Plataforma Wecycle.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Brasília recebe o PlastCoLab, instalação que une interatividade e o movimento maker no universo do plástico

17/07/2019

Iniciativa gratuita, que foi sucesso em São Paulo, Porto Alegre e Salvador, destaca projetos que unem inovação à versatilidade do plástico.

Brasília será palco da iniciativa que mostra como o plástico, por meio do movimento maker, pode se transformar em projetos que reúnem interatividade, tecnologia e inovação. O PlastCoLab, chega à capital nacional na próxima sexta-feira, 19 de julho, após seu sucesso em São Paulo, Porto Alegre e Salvador, onde já atraiu mais de 25 mil visitantes. A proposta é ressaltar a utilização do plástico de forma criativa e responsável. A atração gratuita funcionará entre 19 a 28 de julho no shopping Conjunto Nacional, das 9h às 22h (segunda a sábado) e das 14h às 20h (domingo).

O PlastCoLab é uma instalação formada por quatro estações, cada uma de uma cor diferente, todas inspiradas no icônico cubo mágico, famoso brinquedo dos anos 80. Na estação azul funcionará o Robô resolvedor de Cubo Mágico que promete desvendar os segredos do ícone da cultura geek em poucos segundos. No mesmo local também será possível interagir com uma prótese humana impressa em 3D e um braço mecânico, protótipos que mostram como o plástico contribui para a acessibilidade das pessoas.

A Horta Urbana é a estrela da estação verde. Com sensores e válvulas automatizadas, ela recebe água com nutrientes na quantidade necessária para as plantas. A horta, pensada para pequenos espaços, foi criada com a reutilização e reciclagem de diversos itens de plástico, como recipientes transformados em vasos, tubos de PVC que demonstram como o material é versátil e acessível.

Na estação vermelha será possível observar uma impressora 3D em funcionamento, produzindo vários diferentes objetos com filamentos plásticos.

Já na estação laranja o público terá acesso à uma mesa interativa, que traz caneta de impressão 3D, convidando os visitantes a soltarem a imaginação e criar as mais diferentes formas. Diversos outros brinquedos inteligentes também estarão disponíveis para serem manuseados. Este também será o espaço dos personagens impressos em 3D do jogo Eckoblocks. O jogo, já disponível para plataformas mobile, tem como objetivo engajar crianças sobre a importância da reciclagem e o fundamental papel que elas exercem nesse processo

No PlastCoLab será possível ainda ver e interagir com o Robô BEO, um robô inteiro confeccionado em plástico que dança e interage com as pessoas, respondendo perguntas e executando ações solicitadas por elas.

“Brasília, por concentrar um público que vive o dia a dia das políticas públicas e também antenado nos avanços da tecnologia do país, tem tudo a ver com o projeto PlastCoLab. É mais uma oportunidade de apresentar o universo de aplicação, a inovação e os benefícios do plástico em projetos totalmente ligados a nova economia”, diz José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast.

“A característica itinerante do PlastCoLab nos possibilita reforçar, nas mais diferentes localidades do país, como o plástico é importante para a cultura maker, um movimento que está crescendo cada vez mais. Por meio de experiências e interações, o público conhecerá como o plástico é fundamental como tendência para o desenvolvimento de projetos inovadores, sustentáveis e acessíveis”, diz Edison Terra, Vice-Presidente executivo da Braskem.

Serviço:
PlastCoLab
Data: 19 a 28 de julho
Horário: 9h às 22h (segunda a sábado) e das 14h às 20h (domingo).
Local: SDN CNB – Conjunto A. Asa Norte – B
Quanto: Gratuito.

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast) é uma iniciativa criada em 2013 pela Braskem e Abiplast, Associação Brasileira da Indústria do Plástico, e prevê o desenvolvimento de programas estruturais que contribuam com a competitividade e o crescimento da transformação plástica. Baseado em três pilares: aumento da competitividade e inovação do setor de transformação, estímulo às exportações de transformados plásticos e promoção das vantagens do plástico, o PICPlast também conta com investimentos voltados ao reforço na qualificação profissional e na gestão empresarial.

No pilar de vantagens do plástico, as frentes de trabalho são voltadas para reciclagem, estudos técnicos, educação e comunicação, com destaque para o Movimento Plástico Transforma. Para saber mais, acesse www.picplast.com.br e plasticotransforma.com.br

Curta nossa página no

PICPlast investe em plataforma digital de educação e lança game Eckoblocks

20/06/2019

Jogo foi criado com o objetivo de incentivar práticas sustentáveis e ressaltar a importância da reciclagem e o papel fundamental das pessoas nesse processo.

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico, o PICPlast, anuncia mais uma iniciativa visando a educação e conscientização sobre a importância da reciclagem: o lançamento do Eckoblocks, um game para plataforma móvel que tem como objetivo engajar crianças sobre questões relacionadas à sustentabilidade e à preservação do meio ambiente. Pioneiro, o PICPlast é fruto da parceria da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), e da Braskem.

A ação faz parte do Movimento Plástico Transforma, a plataforma de conteúdo do PICPlast direcionado para a sociedade, que tem como objetivo mostrar como o plástico, aliado à tecnologia, à inovação e à utilização responsável, podem mudar o futuro da sociedade. Ao longo de cinco anos de atuação, o Plano já investiu R$ 10 milhões em ações, com grande foco em Educação, que destacam as vantagens da matéria-prima.

“Com o Eckoblocks, queremos desenvolver essa consciência na criança, com uma atividade que educa ao mesmo tempo que diverte”, diz Edison Terra, Vice-Presidente Executivo da Braskem. “Trata-se de mais um importante passo de aproximação com a sociedade, uma forma lúdica de evidenciar a relevância do consumo consciente e do descarte correto”, afirma José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast.

Voltado para crianças de 6 a 11 anos, o Eckoblocks possui download gratuito para celulares e tablets com sistemas iOS e Android. O visual é inspirado no game Minecraft®, sucesso mundial entre o público infantil. Os jogadores navegam por dois ambientes – cidade e natureza – e são estimulados a coletar resíduos recicláveis contemplando diversos tipos de matérias-primas. O objetivo principal é promover o crescimento da cidade de forma sustentável, por meio da administração de recursos.

Desde 2017, o PICPlast vem investindo em ações que geram agenda positiva para o plástico e que ultrapassam os interlocutores da indústria da transformação. É o caso, por exemplo, do PlastCoLab, espaço interativo, inspirado no movimento maker, que reúne inovação e tecnologia associado ao plástico. Realizado em São Paulo, Porto Alegre e Salvador, o espaço deve contar com novas edições em outras cidades ainda este ano.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Picplast

Curta nossa página no

LyondellBasell e Odebrecht S.A. encerram tratativas sobre a venda da Braskem

04/06/2019

Em nota divulgada hoje, a LyondellBasell, uma das maiores empresas de plásticos, produtos químicos e refino do mundo, anunciou o encerramento de discussões com a Odebrecht S.A. sobre a potencial aquisição da Braskem.

“A combinação da LyondellBasell com a Braskem é muito atrativa por conta dos fortes complementaridades, portfólios de produtos e pegadas operacionais das duas empresas. No entanto, após uma análise cuidadosa, decidimos conjuntamente não prosseguir com a transação. Queremos agradecer às equipes da Odebrecht e da Braskem cooperação durante todo o processo “, disse o CEO da LyondellBasell, Bob Patel.

Em comunicado divulgado hoje sob a forma de “Fato Relevante”, a Braskem também informou o encerramento das negociações.

“A Braskem S.A., em prosseguimento ao Fato Relevante divulgado em 15 de junho de 2018, vem comunicar aos seus acionistas e ao mercado que foi informada pela Odebrecht S.A., sua acionista controladora, da decisão em conjunto com a LyondellBasell de encerrar as tratativas a respeito da potencial transação envolvendo a transferência à LyondellBasell da totalidade da participação da Odebrecht no capital social da Braskem. A administração da Companhia seguirá em busca de oportunidades que tenham o potencial de agregar valor à Braskem e, consequentemente, a todos os seus acionistas”, informa a nota informativa da empresa.

A Braskem é controlada pela Odebrecht S.A., que possui 50,1% do capital votante da empresa. A Petrobrás detém 47 % do total das ações com direito a voto.

Se a transação entre a LyondellBasell e a Odebrecht tivesse sido fechada, a nova empresa resultante da operação se tornaria uma das maiores produtoras mundiais de resinas plásticas, com receitas líquidas de cerca de U$ 50 bilhões por ano.

De acordo com o Brazil Journal, publicação que divulgou a notícia em primeira mão ontem à noite (03/06), o fator decisivo para a LyondellBasell desistir da compra foi o pedido de recuperação judicial da Atvos, empresa que comercializa etanol, feita pela Odebrecht na semana passada. Estimada em R$ 12 bilhões, a dívida da Atvos tem ações da Braskem como garantia. Além disso, existe a possibilidade de um dos credores invocar uma cláusula de “cross default”, como chamam o processo de aceleração das dívidas das outras empresas do Grupo Odebrecht.

Como a Odebrecht Engenharia e Construção (OEC) e a ODB SA controlam as ações da Braskem indiretamente, o portal explica que o cross default fará com que a recuperação judicial da Atvos torne as dívidas vencidas e, por consequência, coloque as ações da Braskem nas mãos dos credores dos dois veículos.

“Deixou de haver o que os advogados de M&A chamam de ‘rep fundamental’ num contrato de compra e venda: a representação [feita pelo vendedor] de que as ações estão livre e desembaraçadas”, explicou uma das fontes.

A Braskem também sofreu impacto financeiro de desdobramentos recentes da Operação Lava Jato, como o acordo de leniência fechado no último dia 31 de maio com a Controladoria Geral da União e a Advocacia Geral da União, no valor de 2,87 bilhões, relacionado ao pagamento de danos e multas ligados a contratos irregulares envolvendo recursos públicos.

A venda da Braskem também já vinha enfrentando outras incertezas, tais como uma ação do Ministério Público de Alagoas devido a rachaduras e fissuras em alguns logradouros de Maceió, um problema que aparentemente pode estar relacionado à sua extração de sal gema na região e que pode resultar em exigências de indenizações à empresa, ainda de valor indeterminado.

Fontes: LyondellBasell, Braskem, Brazil Journal

Curta nossa página no

Braskem unifica portfólio de soluções para o segmento de tampas

27/05/2019

A iniciativa da Braskem de unificar seu portfólio reforça a atuação da companhia neste segmento que, em contínua expansão, tem potencial de crescimento estimado em até 8% ano. “O segmento de tampas possui diversos desafios, desde a garantia da integridade do produto envasado e a facilidade de manuseio e descarte, até a busca continua por soluções cada vez mais sustentáveis para os processos e produtos. Em conjunto com especialistas do nosso Centro de Inovação e Tecnologia, oferecemos aos nossos clientes o portfólio mais completo do mercado, com soluções capazes de atender necessidades técnicas específicas do segmento, como a redução de peso, processabilidade, controle de gosto e odor além da segurança do produto”, afirma Flávio Costa, líder do Segmento de Tampas da Braskem.

Segundo a empresa, o seu portfólio oferece respostas para as megatendências e outras questões que impactam não apenas a indústria de embalagens, mas também o mundo em geral. Com essa iniciativa a empresa afirma contribuir para a redução do desperdício de alimentos (por meio de resinas que proporcionem maior vida útil), redução do peso das tampas e reciclabilidade, aspecto que está de acordo com o compromisso público em prol da Economia Circular que a companhia assumiu em 2018.

Para o segmento de bebidas, um dos maiores dentro do mercado de tampas, que abrange desde leites e refrigerantes até líquidos envasados a quente, como chá e energéticos, a Braskem continua oferecendo uma grande variedade de resinas de polietileno e polipropileno. O destaque do portfólio são as soluções desenvolvidas para tampas destinadas a bebidas carbonatadas, que podem ser moldadas por meio dos processos de injeção ou compressão. De acordo com Costa, este mercado possui hoje dois tipos de tampa, as de duas peças, que utilizam uma tampa somada a um liner interno, e as de uma peça única.

“A tecnologia desenvolvida pela Braskem possibilita a combinação de molde e resina, trazendo bom desempenho para as tampas de uma peça só. Neste caso, o produto possui um batoque interno que, quando aplicado no gargalo, garante a total vedação para reter o gás da bebida sem a necessidade da deposição do liner interno. O polietileno de alta densidade (PEAD) aplicado nesta solução permite a deformação necessária do mecanismo interno sobre o gargalo, mesmo sob as variações devido à pressão interna da embalagem, garantindo total vedação para a bebida”, destaca o executivo.

Outro nicho importante deste mercado é o de água mineral: por ser um líquido extremamente sensível a variações externas, há um rigoroso controle das propriedades organolépticas das resinas, visando garantir que não sejam alteradas as características da bebida relativas a odor, sabor e coloração quando em contato com o produto plástico. Estas alterações podem ser relacionadas tanto à presença de uma série de compostos inerentes ao processo de fabricação da resina, como à moldagem da tampa, aditivos e pigmentos utilizados.

“Nossas resinas passam pelo VOC teste, processo realizado na homologação da tampa. Para ampliar a garantia, desenvolvemos em nosso portfólio processos produtivos de acordo com parâmetros de homologação ainda mais exigentes, seguindo a especificidade de nossos clientes. Também aumentamos nosso conhecimento técnico e de controle de condições de fabricação, no caso das resinas de classe organoléptica realizamos o controle lote a lote”, completa.

As resinas do selo Maxio também integram o portfólio da Braskem para o segmento de tampas. A linha é composta por matérias-primas que, segundo a Braskem, proporcionam redução do consumo de energia, maior produtividade e redução de peso do produto final, o que garante mais eficiência e, consequentemente, ganhos ambientais. A empresa afirma que os benefícios são obtidos graças à evolução contínua das resinas, preservando ou melhorando propriedades mecânicas, químicas e óticas de produtos acabados.

A Braskem oferece ainda uma ampla gama de soluções para o mercado de tampas utilizadas nos setores alimentício, industrial e cosméticos e higiene pessoal. “Nossa equipe de Desenvolvimento de Mercado está preparada para apoiar o cliente, de forma customizada, na identificação do material mais adequado para cada aplicação, dentro da variedade de opções em polipropileno e em polietileno disponível em nosso portfólio”, conclui.

Tampinha Legal

Em linha com o compromisso público assumido pela Braskem em prol da Economia Circular, a companhia apóia o projeto Tampinha Legal, que estimula a coleta de tampas de plástico e as encaminha para venda em indústrias recicladoras, sendo que 100% dos recursos obtidos são revertidos para entidades assistenciais.

Criado no Rio Grande do Sul, o Tampinha Legal é o maior programa socioambiental de caráter educativo da indústria de transformação do plástico na América Latina. Com o apoio da Plastivida (Instituto socioambiental dos plásticos), o projeto tem se expandido pelo Brasil com o objetivo de propor a mudança do comportamento social e a disseminação de informação quanto a importância da destinação correta dos resíduos plásticos, incentivando sua valorização no retorno à cadeia produtiva.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem apresenta novos grades para produção de baldes industriais

23/05/2019

Soluções foram criadas para aumentar a resistência e capacidade de empilhamento dos baldes

A Braskem apresentou na Feiplastic 2019 dois novos grades de polipropileno desenvolvidos para a produção de baldes industriais, com foco em resistência e capacidade de empilhamento. Uma das novas soluções é o Polipropileno CG 600NA, um copolímero produzido para a injeção de baldes industriais. Segundo a Braskem, o produto tem maior rigidez e permite que os seus clientes desenvolvam baldes com paredes mais finas e, ao mesmo tempo, mais resistentes, mantendo a capacidade de alto empilhamento.

A outra solução apresentada foi o Polipropileno CG 220NA, um tipo de copolímero também produzido para aplicação em baldes industriais. Neste caso, afirma a empresa, o diferencial é a resistência ao impacto, aplicando-se à armazenagem de materiais que possam, por exemplo, sofrer algum tipo de colisão durante o transporte.

Carolina Bulhões, gerente de Engenharia de Aplicação Polipropileno na Braskem, destaca que os novos grades também podem ser utilizados nas embalagens para alimentos que requerem baixa transferência de odor e sabor. “A empresa tem investido cada vez mais em inovação e tecnologia para oferecer ao mercado o portfólio mais completo para embalagens rígidas”, explica a gerente.

As soluções de polipropileno já estão disponíveis no mercado e são 100% recicláveis. “Temos a preocupação de criar soluções que tragam cada vez mais valor para as embalagens, mas também temos o compromisso de promover a sustentabilidade na cadeia do plástico, formando um ciclo sustentável da produção ao descarte”, afirma Carolina Bulhões.

A Braskem definiu uma série de iniciativas em prol da Economia Circular, um novo conceito de consumo que propõe um processo produtivo que contemple a redução, reutilização, a recuperação e a reciclagem de materiais e energia. Esta nova forma de pensar os processos produtivos e os hábitos busca trazer equilíbrio e racionalidade a cada fase do ciclo, minimizando o impacto das atividades das empresas e da sociedade ao meio ambiente.

Além das resinas para baldes industriais, os participantes da Feiplastic também tiveram a oportunidade de conhecer uma solução recém-lançada pela Braskem para ser aplicada na produção de big bags, sacarias utilizadas para embalar e transportar grãos, fertilizantes e produtos químicos. A resina Maxio® PG35L, com baixo índice de fluidez e que contém aditivação anti-UV, foi desenvolvida especialmente para atender ao elevado nível de exigência dos clientes em relação a propriedades mecânicas da fita de ráfia e para garantir benefícios de aumento de produtividade da etapa de extrusão.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem e Antilhas lançam embalagem monomaterial para embalagens Stand up Pouch

17/05/2019

O produto reforça o conceito de Economia Circular ao favorecer o processo cíclico de reciclagem e retorno do produto à cadeia.

Em linha com seu compromisso em Economia Circular, a Braskem se uniu à Antilhas Flexíveis, empresa brasileira e reconhecida no mercado por suas inovações em embalagens, para o desenvolvimento de uma embalagem stand-up pouch monomaterial. A novidade foi apresentada durante a Feiplastic 2019, de 22 a 26 de abril, no Expo Center Norte, em São Paulo (SP).

“A transformação da Economia Linear para a Economia Circular passa por desenvolvimentos como esta embalagem, que tem todo o seu ciclo produtivo considerado de forma sustentável. Estamos muito satisfeitos em apresentar esta solução ao mercado durante a Feiplastic, demonstrando que a tecnologia é uma grande aliada na criação de produtos que favorecem a reciclagem e se mantém competitivos”, afirma Yuri Tomina, gerente de Desenvolvimento de Mercado de Polietileno da Braskem.

Embalagens monomateriais, ou seja, produzidas a partir de uma única matéria-prima, favorecem a cadeia de reciclagem plástica, pois facilitam o processo de separação dos materiais. Segundo Tomina, o compromisso da Braskem em prol da Economia Circular define iniciativas que a companhia adotou para estimular o ciclo sustentável da cadeia plástica e, entre elas, está o trabalho com parceiros na concepção de produtos que ampliem a eficiência da reciclagem e o retorno do produto à cadeia.

Fabio Sant’ana, especialista de Desenvolvimento de Mercado de Polietileno da Braskem, explica que a companhia se uniu à Antilhas Flexíveis para chegar nesta solução. “Feita totalmente à base de polietileno, este produto tem alto índice de reciclabilidade por não possuir mistura de matérias-primas. Desta forma, sua reciclagem gera uma resina pós-consumo de maior qualidade e, consequentemente, com uma gama maior de possibilidades de aplicação”, explica.

A produção de embalagens stand-up pouch – que se mantém em pé independentemente da matéria que envolve – em puro polietileno, sem laminação, foi realizada com a tecnologia EB (Electron Beam). O processo inovador de impressão externa por cura com feixe de elétrons foi patenteado com exclusividade pela Antilhas.

“O processo garante qualidade de impressão superior, com o mesmo brilho de material laminado e possibilidade de acabamentos externos com apelo sensorial. A tecnologia permite ainda benefícios adicionais com um processo que gera a redução de até 50% no consumo de energia elétrica, sem perder a qualidade de cor e brilho do material final e redução de até 95% dos compostos orgânicos voláteis, fator que reduz a emissão de gases causadores do efeito estufa”, afirma Rodrigo Massini, gerente executivo da Antilhas Flexíveis.

A embalagem stand-up pouch monomaterial já está disponível ao mercado e pode ser utilizada em aplicações nos setores de cosméticos e alimentício. Os visitantes da Feiplastic puderam conferir protótipos do material no estande da Braskem, onde também foram expostos exemplos do produto já produzido a partir da embalagem monomaterial reciclada, com identificação de matéria-prima 100% oriunda de polietileno reciclado.

“Estamos muito satisfeitos em apresentar aos clientes a solução completa, com demonstração do desenvolvimento tecnológico aplicado na solução e a qualidade do produto pós-consumo gerado a partir desta inovação”, ressalta Sant’ana.

A Antilhas atua no mercado de embalagens em papel, cartão e plástico flexível. Fundada há 30 anos, a unidade de negócios de flexíveis da Antilhas Embalagens possui o selo FSSC 22000 – Certificação de Sistema de Segurança de Alimentos. A Antilhas Flexíveis tem como destaque entre seus produtos, além do processo de impressão com a tinta Gelflex-EB®, o Stretch Hood, filme de Polietileno (PE) extrudado utilizado para a unitização de embalagens de transporte.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem registra lucro líquido de 1 bilhão no primeiro trimestre de de 2019

15/05/2019

A Braskem registrou Ebitda de R$ 2,77 bilhões no primeiro trimestre de 2019, um crescimento de 45% em relação ao último trimestre de 2018 e de 5% sobre o mesmo período do ano passado. Em dólar, o Ebitda foi de US$ 729 milhões, uma queda de 11% na comparação com igual trimestre do ano passado.

Esses resultados foram impactos por efeitos não recorrentes como a receita com PIS/COFINS pagos a maior entre janeiro de 2012 a fevereiro de 2017 e a reversão de provisões relacionadas à Conta de Desenvolvimento Energético e ao Regime Especial da Indústria Química (Reiq). Sem esses efeitos, o Ebitda foi de US$ 336 milhões, queda de 16% e 60%, respectivamente, ao quarto trimestre e ao primeiro trimestre de 2018.

“O primeiro trimestre se mostrou desafiador em razão dos menores spreads petroquímicos no mercado internacional, dada a revisão de crescimento da economia global para o ano de 2019”, afirma o presidente da Braskem, Fernando Musa. “Neste cenário, seguiremos focados com a nossa estratégia de atuação a fim de superar os desafios globais do ciclo petroquímico”, completa Musa, referindo-se à diversificação geográfica e de base de matéria-prima equilibrada entre nafta e gás.

A receita líquida de vendas da Braskem atingiu R$ 13 bilhões no primeiro trimestre de 2019, praticamente em linha ao registrado no mesmo período do ano passado. O lucro líquido da companhia foi de R$ 1,03 bilhão, revertendo o prejuízo de R$ 78 milhões observado no trimestre anterior e mantendo-se em linha ao primeiro trimestre do ano passado.

No lado operacional, a taxa de utilização das centrais petroquímicas no Brasil foi de 88% no primeiro trimestre, dois pontos percentuais inferiores ao mesmo trimestre do ano passado, impactada por problemas operacionais. A taxa de utilização das plantas nos EUA e na Europa foi de 90%, superior ao 4T18 devido à normalização do fluxo logístico na Europa, porém inferior ao mesmo período do ano passado em função de paradas não programadas. No México, a taxa de utilização das plantas de polietileno foi de 79%, seis pontos percentuais acima do quarto trimestre de 2018 devido ao maior fornecimento de etano no período.

Mercado brasileiro de resinas

A demanda de resinas no mercado brasileiro foi de 1,4 milhão de toneladas, 7,8% e 4,2% superior ao quarto trimestre e ao primeiro trimestre do ano passado, respectivamente, em função do movimento de reabastecimento ocorrido no período. As vendas de resinas da Braskem totalizaram 878 mil toneladas, resultado 10% superior ao último trimestre do ano passado e superior ao crescimento do mercado. A participação de mercado da Braskem ficou em 64% no período.

No primeiro trimestre de 2019, a companhia exportou, a partir do Brasil, 356 mil toneladas de resinas, um crescimento de 16% em relação ao quarto trimestre de 2018. Foram exportadas 194 mil toneladas dos principais químicos produzidos no Brasil, uma queda de 10% sobre o trimestre anterior, influenciado pelo menor volume de gasolina.

Nos Estados Unidos, a demanda de polipropileno foi inferior devido ao alto nível de estoque na cadeia e ao fraco desempenho do segmento de fibras têxteis. Na Europa, a demanda se recuperou no trimestre e o mercado mostrou crescimento principalmente em função de uma antecipação à temporada de paradas programadas que irão acontecer no segundo trimestre deste ano. A demanda de polietileno no México foi de 504 mil toneladas, uma retração de 8% em relação ao mesmo período do ano anterior, em função da queda no investimento público e privado e à desaceleração no crescimento econômico.

Investimento e competitividade

Os planos de expansão da Braskem seguem avançando. A empresa já concluiu 56,2% do investimento total previsto para construção da nova planta de Polipropileno nos Estados Unidos, a sexta unidade industrial desta resina no país. Já foram aportados US$ 426 milhões na nova unidade, que deve começar a operar em 2020.

Durante a Feiplastic, a maior feira do Plástico na América Latina, a Braskem anunciou uma nova solução para o mercado de embalagem conhecida como stand-up pouch monomaterial, um produto que facilita o processo de reciclagem dos materiais por conter apenas uma matéria-prima. Esse lançamento feito de polietileno é voltado ao segmento de cosméticos e alimentos e foi realizado em parceria com a Antilhas Flexíveis.

Além disso, a Braskem lançou uma nova solução que une a resina pós-consumo oriunda da logística reversa de sacarias da empresa ao Polietileno Verde (I’m greenT). A matéria prima traz o conceito de zero emissão de gás carbônico, uma vez que a emissão de CO2 durante o processo de reciclagem é compensada pela fixação do gás durante o processo produtivo do polietileno verde.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem enfatiza compromisso com Economia Circular na Feiplastic 2019

23/04/2019

Empresa apresenta os portfólios de reciclados e renováveis, além de soluções que reforçam a eficiência operacional

A Braskem está enfatizando durante a Feiplastic o seu posicionamento em prol da Economia Circular, conceito de consumo que busca formar um ciclo sustentável da produção ao descarte. Durante o evento, realizado de 22 a 26 de abril, no Expo Center Norte, em São Paulo (SP), o público pode conferir novidades no portfólio da companhia, como a ampliação das soluções em pós-consumo.

“Estamos empenhados em contribuir para a transformação da Economia Linear, pautada pela produção e descarte, em uma Economia Circular, que considera o descarte e a produção de forma cíclica. Acreditamos que a Feiplastic será um importante canal para ampliarmos a discussão a favor deste tema, sensibilizando a cadeia onde estamos inseridos”, explica Edison Terra, vice-presidente da Unidade de Poliolefinas América do Sul e Europa. A companhia assumiu, em novembro de 2018, um compromisso público onde comunica oito iniciativas em prol da Economia Circular, entre elas estão: os esforços para o desenvolvimento de parcerias com os clientes na concepção de novos produtos para ampliar a eficiência e facilitar a reciclagem e a reutilização de produtos plásticos.

Criada com o objetivo de estimular negócios que valorizam o resíduo plástico pós-consumo, a iniciativa Wecycle evolui trazendo novos grades ao mercado. O desenvolvimento de produtos e soluções a partir de resíduos plásticos é realizado por meio de parcerias com clientes, recicladores, cooperativas e brand owners, como o Grupo Pão de Açúcar, a Condor, a Embalixo e a Martiplast. A Braskem afirma que o novo portfólio de resinas recicladas reforça o seu compromisso com a cadeia do plástico no Brasil, a inovação e a sustentabilidade, alinhadas ao posicionamento em Economia Circular.

Outras soluções sustentáveis da companhia também são destaque no evento, tais como o portfólio renovável I’m greenTM, que conta com o Plástico Verde e o EVA Verde, ambas resinas produzidas a partir da cana-de-açúcar. Assim como a linha Maxio, composta por resinas que, segundo a Braskem, proporcionam redução do consumo de energia, maior produtividade e redução de peso do produto final.

No espaço da Braskem, os participantes da feira ainda tem a oportunidade de conhecer uma nova solução para o mercado de embalagem em stand-up pouch monomaterial, produto que facilita o processo de reciclagem. A empresa também está destacando os portfólios robustos para os segmentos de embalagens rígidas para produtos químicos e agroquímicos, tampas e resinas para produção de baldes de tintas.

“A Braskem tem acompanhado as principais tendências do mercado, mantendo-se na vanguarda do setor, sendo que este será o maior portfólio que já apresentamos em uma Feiplastic. Somos uma empresa apaixonada por transformar e, prezando pelo atendimento próximo e personalizado aos clientes, conseguimos desenvolver soluções que atendem as mais diversas necessidades”, afirma Terra.

Sensibilização interativa sobre reciclagem

O pós-consumo é parte fundamental do processo circular da economia e que necessita da participação ativa das pessoas para que funcione plenamente. Com o intuito de promover e apoiar o engajamento do consumidor neste ciclo, a Braskem traz à Feiplastic uma estrutura modular que comunica todas as etapas do processo de reciclagem de forma dinâmica e didática.

O projeto “Reciclar é Transformar” tem o objetivo de demonstrar todo o processo para o consumidor, desde a etapa de separação do resíduo até chegar na transformação de um novo produto, enfatizando a importância do descarte correto neste ciclo. A ativação esteve na Virada Sustentável de Porto Alegre (RS), realizada no início de abril, e estará presente em outros eventos ao longo de 2019.

Fabiana Quiroga, diretora de Reciclagem e Plataforma Wecycle da Braskem, explica que a companhia está comprometida com a educação e engajamento de toda a cadeia do plástico para com a reciclagem do material. “Acreditamos que iniciativas como esta são importantes para aumentar o conhecimento, bem como a valorização de resíduos plásticos na economia e, principalmente, o papel de todos nós no processo”, afirma a executiva.

Ainda na linha educacional, o Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico – PICPlast, iniciativa fruto da parceria entre ABIPLAST (Associação Brasileira da Indústria do Plástico) e Braskem, também tem espaço no estande da companhia. No local, estão sendo compartilhadas informações sobre a importância do consumo consciente e do descarte adequado de resíduos.

A participação do PICPlast faz parte de uma série de atividades previstas pelo programa para promover ações de estímulo à inovação, competitividade e desenvolvimento sustentável da indústria brasileira de transformação plástica.

Espaço Inova Plastic

Durante a Feiplastic, a Braskem participa também do Inova Plastic, espaço que busca debater tecnologia, inovação e tendências durante o evento. A empresa está presente de duas formas no espaço: Fabio Buckeridge, CDO da companhia, estará no painel “A Inovação na Era Digital”, abordando como soluções disruptivas contribuem para a competitividade e a produtividade da indústria química e petroquímica, favorecendo a cadeia do plástico. No espaço reservado para reciclagem, a Braskem participa com o 3R – Um novo conceito de resina reciclada, onde apresenta soluções que vem buscando para o desenvolvimento de novos materiais com foco em soluções mais disruptivas e que tenham maior potencial para melhorar o desempenho das propriedades dos materiais reciclados em diversas aplicações, ampliando a contribuição para Economia Circular.

Serviço:
Feiplastic 2019 – Feira Internacional do Plástico
Data: de 22 a 26 de abril, das 11h às 20h
Local: Expo Center Norte – Rua D – Pavilhão Vermelho
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme, São Paulo (SP)

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem demonstra soluções em conjunto com parceiros durante a Plástico Brasil

28/03/2019

Por meio de parcerias com fabricantes de equipamentos, soluções da companhia estão rodando em mais de 20 estandes durante o evento

A Braskem está presente na Plástico Brasil 2019 – Feira Internacional do Plástico e da Borracha. Realizada de 25 a 29 de março, no São Paulo Expo Exhibition & Convention Center, este é um dos principais eventos do setor. Por sua abrangência tecnológica, a Plástico Brasil reúne importantes elos da cadeia produtiva do plástico, em especial do setor de máquinas e equipamentos. Por isso, a Braskem estabeleceu parcerias que estão viabilizando a demonstração de diversas soluções da companhia em máquinas que fabricam produtos plásticos durante o evento.

Edison Terra, vice-presidente da Unidade de Poliolefinas da América do Sul e Europa da Braskem, explica que o formato da feira facilita a exibição do desempenho das resinas da companhia. “Participamos da Plástico Brasil desde sua primeira edição, em 2017, e temos grandes expectativas para este ano de estreitar ainda mais nosso relacionamento com o setor. A demonstração prática das nossas soluções é um canal privilegiado para que o público veja o desempenho dos nossos produtos e suas diferentes possibilidades”, explica.

Para reforçar essa inovação, a Braskem está oferecendo um tour guiado por engenheiros da companhia para os visitantes do evento. Em duas edições diárias, ao longo dos cinco dias da feira, organizados em grupos de até 20 pessoas, a Braskem conduz os participantes por estandes que estão operando com resinas da Braskem, fornecendo informações técnicas sobres processos e esclarecendo dúvidas sobre as aplicações expostas. Os interessados podem se inscrever no balcão identificado da ação a partir do 1º dia da Plástico Brasil.

Em linha com o compromisso assumido pela companhia em novembro do ano passado, Fabiana Quiroga, diretora de Reciclagem e Plataforma Wecycle da Braskem, proferiu palestra no dia 27 sobre Economia Circular, abordando a importância do estímulo ao mercado de resinas recicladas e da destinação correta do resíduo plástico.

“O uso do plástico trouxe importantes avanços para a sociedade. Mas, quando olhamos para a cadeia, é importante nos preocuparmos desde a produção, utilizando menos recursos naturais, até o descarte”, explica Fabiana. “Sem dúvidas, todos, desde a indústria até o consumidor final, devemos estar engajados neste processo e quando fomentamos o mercado da resina reciclada, incentivamos todo o setor em prol da reciclagem”, conclui.

Os interessados em participar do painel deverão comparecer ao “Parque de Ideias”.

Serviço:
Plástico Brasil 2019 – Feira Internacional do Plástico e da Borracha
Data: 25 a 29 de março, das 10h às 19h
Local: São Paulo Expo Exhibition & Convention Center
Endereço: Rodovia dos Imigrantes, KM 1,5 – São Paulo (SP)

Curta nossa página no

Olimpíadas de 2020: hóquei sobre a grama contará com gramado de polietileno derivado da cana-de-açúcar da Braskem

26/01/2019

Braskem e alemã Polytan serão as fornecedoras dos campos de hóquei, produzidos a partir do polietileno “verde” I’m greenT, para os Jogos Olímpicos de Tóquio, no ano que vem

Tóquio estabeleceu para si mesma o objetivo de organizar, em 2020, a primeira edição dos Jogos Olímpicos da história com neutralização de carbono, utilizando tecnologias verdes. A Polytan, fornecedora líder de campos de hóquei de primeira linha, e Parceira Global da FIH (Federação Internacional de Hóquei), está contribuindo de maneira importante com esta meta ao desenvolver o gramado sustentável Poligras Tokyo GT produzido com 60% de seus filamentos a partir da tecnologia do polietileno renovável I’m greenTM, da Braskem. A Polytan está utilizando o plástico verde para adicionar uma dimensão sustentável ao campo de fibras de monofilamento (grama sintética), feitas a partir do polietileno e já reconhecidas pelo mercado.

Uma camada feita de base elástica garante absorção ideal e constitui parte importante de todo o sistema do gramado de hóquei. A camada elástica da Polytan PolyBase GT confere ao gramado um equilíbrio ambiental ainda maior. Um aglutinante de alto desempenho, graças às suas baixas emissões de CO2, é utilizado para a amarração elástica permanente dos grânulos.

“A FIH está contente com o fato de que essa nova tecnologia de gramado apoiará o objetivo de Tóquio quanto à neutralização de carbono e contribuirá de forma positiva para os Jogos. Temos uma prioridade estratégica de melhorar a pegada ambiental do hóquei, por isso parcerias com empresas progressivas, como Polytan e Braskem, são cruciais. Estamos satisfeitos em constatar que este gramado sintético utiliza 66% menos água do que os campos de edições anteriores dos Jogos Olímpicos. A FIH acredita que o hóquei pode contribuir para um meio ambiente mais sustentável a partir da utilização de todas as possibilidades tecnológicas oferecidas pelo gramado moderno”, afirma o CEO da FIH, Thierry Weil.

“Com o desenvolvimento da Poligras Tokyo GT, conseguimos não apenas tornar o campo de hóquei mais sustentável, como também melhorar seu desempenho de maneira significativa. O gramado da modalidade nunca foi tão ecologicamente correto e nunca antes permitiu um jogo tão dinâmico e preciso”, diz Friedemann Söll, diretor de Gestão de Produtos da Polytan.

“Estamos muito orgulhosos pela escolha da Polytan e da FIH pelo polietileno I’m greenTM da Braskem para os campos de hóquei dos jogos de Tóquio em 2020. A cidade estabeleceu para si mesma o objetivo de organizar a primeira edição dos jogos com neutralização de carbono, e estamos felizes pelo fato de que a Braskem possa contribuir também”, acrescenta Marco Jansen, diretor comercial de Química Renovável da Braskem para Europa e América do Norte.

O polietileno verde I’m greenTM é um plástico obtido a partir do etanol da cana-de-açúcar. A Polytan optou por essa matéria-prima para a produção do seu gramado artificial pelo impacto positivo da pegada de carbono do polietileno verde I’m greenTM em relação ao polietileno de origem fóssil. Cada quilo do polietileno verde utilizado nos campos durante as olímpiadas evitará a emissão de quase 5kg de CO2, afirma a Braskem

Os pisos sintéticos da Polytan incluem desde superfícies de absorção de impacto leve até campos multifuncionais para todos os tipos de clima, além de superfícies de alta velocidade para eventos esportivos internacionais. Além do desenvolvimento, da fabricação e da instalação de suas próprias superfícies esportivas, a gama de serviços oferecidos pela Polytan também inclui marcação de linhas, reparo, limpeza e manutenção.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no </

Salvador recebe instalação PlastCoLab no Shopping da Bahia

25/01/2019

Iniciativa gratuita destaca projetos locais que unem inovação e a versatilidade do plástico

Após receber cerca de 15 mil pessoas em São Paulo e Porto Alegre, o PlastCoLab desembarca em Salvador, escolhida como a primeira capital nordestina a ser palco da atração. A iniciativa, que reúne interatividade, inovação e tecnologia, mostra quanto o plástico, nas mãos dos makers e utilizado de forma criativa e responsável, é um material nobre para projetos que podem transformar o nosso futuro. A atração gratuita funciona desde ontem, 24 de janeiro, e ficará disponível para visitaras até 3 de fevereiro, das 9h às 22 horas, no Shopping da Bahia.

O PlastCoLab tem cores e instalações inspiradas no icônico cubo mágico, brinquedo famoso dos anos 80 e símbolo da cultura geek. Na estação azul funcionam atrações soteropolitanas, assinadas por makers locais como o o boneco Animatronics, um reprodutor do gestual da fala que mostrará as inúmeras possibilidades da robótica e o Antigravidade, que tem como proposta despertar a curiosidade por movimentos aparentemente impossíveis. Na mesma estação, o Robô Resolvedor de Cubo Mágico promete desvendar os segredos do símbolo geek em poucos segundos.

A Horta com Inteligência Programada é uma das estrelas da estação verde. O curioso equipamento, produzido com 100% de plástico reaproveitado, apresenta o conceito da hidroponia – técnica que cultiva plantas na água – de forma simples e didática, otimizando por completo o recurso hídrico. Além da horta, os visitantes também podem conhecer o captador de energia solar Girassol, que mostra como o plástico torna mais acessível o uso deste tipo de recurso.

Na estação vermelha é possível observar uma impressora 3D em funcionamento, produzindo os mais diferentes objetos com filamentos plásticos, além de assistir a um vídeo que tem como objetivo apresentar todos os detalhes da ação.

Já na estação laranja, o público tem acesso à mesa interativa, com a caneta de impressão 3D, que convida os visitantes a soltarem a imaginação e a criarem as mais diferentes formas. Na superfície também são encontrados diversos outros brinquedos inteligentes, disponíveis para serem manuseados. Este também é o espaço dos personagens do jogo EckoBlocks feitos por meio de impressão 3D. O jogo, disponível para plataformas mobile, tem como objetivo engajar crianças sobre a importância da reciclagem.

No PlastCoLab é possível ver e interagir com o que há de mais moderno no ambiente maker como, por exemplo, o Robô BEO, um robô inteiro confeccionado em plástico que dança e interage com as pessoas, respondendo perguntas e executando ações solicitadas por elas.

“A Bahia, com sua tradição cultural, receberá o PlastCoLab, que leva de modo interativo e moderno a alta tecnologia e contemporaneidade dos produtos que utilizam o plástico como matéria-prima, explorando a criatividade local e enfatizando as novidades do setor plástico,”diz José Ricardo Roriz Coelho, presidente da ABIPLAST.

“É muito gratificante poder trazer a 3ª edição dessa iniciativa para a Bahia, estado onde a indústria do plástico é tão importante. Nosso propósito é reforçar nesta comunidade a cultura maker, mostrar como o plástico é fundamental como tendência para o desenvolvimento de projetos inovadores, sustentáveis e acessíveis”, diz Fabio Santos, Diretor executivo da Braskem.

Serviço:
PlastCoLab
Data: 24 de janeiro a 3 de fevereiro
Horário: das 9 às 22 horas
Local: 2º Piso do Shopping da Bahia, Av. Tancredo Neves, 148, Caminho das Árvores.
Quanto: Gratuito.

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast) é uma iniciativa criada em 2013 pela Braskem e pela ABIPLAST, Associação Brasileira da Indústria do Plástico, e prevê o desenvolvimento de programas estruturais que contribuam com a competitividade e o crescimento da transformação plástica. Baseado em três pilares: aumento da competitividade e inovação do setor de transformação, estímulo às exportações de transformados plásticos e promoção das vantagens do plástico, o PICPlast também conta com investimentos voltados ao reforço na qualificação profissional e na gestão empresarial.

No pilar de vantagens do plástico, as frentes de trabalho são voltadas para reciclagem, estudos técnicos, educação e comunicação, com destaque para o Movimento Plástico Transforma.

Fonte: Assessoria de Imprensa – PICPlast

Curta nossa página no </

Braskem adere a Aliança global para combater descarte de resíduo plástico no meio ambiente

16/01/2019

Organização sem fins lucrativos que inclui toda a cadeia de valor do plástico planeja investir até US$ 1,5 bilhão em cinco anos

A Braskem se juntou a um grupo de cerca de 30 grandes empresas em uma iniciativa para ajudar a acabar com os resíduos de plástico no meio ambiente. A Aliança para o Fim dos Resíduos Plásticos – em inglês, Alliance to End Plastic Waste (AEPW) -já inicia suas atividades dedicando US$ 1 bilhão (R$ 3,7 bilhões) a projetos e desenvolvimento de tecnologias para acabar com o descarte de plásticos no meio ambiente, especialmente nos oceanos. A Aliança (www.endplasticwaste.org) foi lançada hoje (16/01/19) e tem a meta de aumentar o investimento para até US$ 1,5 bilhão (R$ 5,5 bilhões) nos próximos cinco anos.

“Nenhum de nós deseja um meio ambiente repleto de resíduos plásticos. Este é um desafio global sério e complexo que exige ações rápidas e forte liderança. Esta nova Aliança é o esforço mais abrangente já feito para dar fim ao descarte de plásticos no meio ambiente”, disse Fernando Musa, presidente da Braskem. “O plástico é um material extremamente eficiente que ajuda a minimizar nosso impacto no meio ambiente em quase todos os aspectos da vida moderna. Mas precisamos trabalhar para minimizar o descarte, assim como para reciclar e recuperar o plástico depois de usado.”

Essa iniciativa ocorre na sequência do anúncio do posicionamento realizado pela Braskem a favor da Economia Circular, que definiu iniciativas próprias para ampliar sua atuação em reciclagem e na produção de novas resinas renováveis. Além disso, a empresa anunciou o esforço em prol de novas tecnologias e modelos de negócios que privilegiem o reuso do plástico.

Agora a Braskem se une à Aliança, que é uma organização sem fins lucrativos e inclui toda a cadeia de valor dos plásticos: empresas que produzem, utilizam, vendem, processam, coletam e reciclam plásticos. Isso inclui fabricantes de químicos e plásticos, transformadores, companhias de bens de consumo, revendedores e empresas que trabalham com gestão de resíduos. A Aliança tem como parceiro estratégico o Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável.

Entre os projetos iniciais anunciados pela aliança destacam-se as parcerias com prefeituras de diversas cidades para projetar sistemas integrados de gestão de resíduos em grandes áreas urbanas com baixa infraestrutura, especialmente aquelas onde há rios que transportam vastas quantias de resíduos plásticos do continente para o oceano.

Além disso, ela vai colaborar com organizações intergovernamentais, como as Nações Unidas, e custear a rede de incubadoras da Circulate Capital para desenvolver e promover tecnologias, modelos de negócios e empreendedores que trabalham pela prevenção de plásticos no oceano e pela gestão de resíduos e reciclagem, entre outras iniciativas.

As empresas a seguir são membros fundadores da Aliança: a brasileira Braskem, BASF, Berry Global, Chevron Phillips Chemical Company LLC, Clariant, Covestro, Dow, DSM, ExxonMobil, Formosa Plastics Corporation, U.S.A., Henkel, LyondellBasell, Mitsubishi Chemical Holdings, Mitsui Chemicals, NOVA Chemicals, OxyChem, PolyOne, Procter & Gamble, Reliance Industries, SABIC, Sasol, SUEZ, Shell, SCG Chemicals, Sumitomo Chemical, Total, Veolia, e Versalis (Eni).

Fonte: Braskem

Curta nossa página no </

Braskem expandirá Centro de Tecnologia e Inovação com novo prédio em Triunfo (RS)

20/12/2018

Prédio terá 2,8 mil metros quadrados, com investimento de R$ 50 milhões

A Braskem investirá R$ 50 milhões na expansão da sua estrutura de inovação no Brasil. A iniciativa engloba a construção de um novo prédio de 2,8 mil metros quadrados de área no Centro de Tecnologia e Inovação da Braskem no Polo Petroquímico de Triunfo (RS) para receber novos equipamentos e laboratórios em que serão desenvolvidas e testadas tecnologias para a fabricação de resinas termoplásticas em todo o mundo. Os novos equipamentos e técnicas a serem implementados com a expansão são complementares às competências existentes no local, que já conta com 6 plantas piloto.

O espaço ampliado receberá laboratórios de caracterização avançada de polímeros, o que inclui análises como cromatografia, fracionamento de polímeros, microscopia, além de laboratórios de catálise e de tecnologia de processos petroquímicos. Os laboratórios de controle de qualidade das plantas de segunda geração serão centralizados no mesmo prédio. O investimento foi deflagrado este mês, e a conclusão do prédio está prevista para até o final de 2019.

O Centro de Tecnologia e Inovação em Triunfo é o maior dos quatro centros de tecnologia da Braskem, e um dos principais centros de pesquisa em polímeros do América Latina. Das cerca de 300 pessoas que compõem o time de Inovação & Tecnologia da Braskem no mundo, 170 atuam em Triunfo. De acordo com o diretor Global de Inovação da Braskem, Gilfranque Leite, a expansão aproveita a expertise desenvolvida na região ao longo dos últimos 16 anos, desde que o CTI foi inaugurado:

“Foi no CTI de Triunfo que ocorreu o desenvolvimento de tecnologias como o polietileno verde, que continua a ser aprimorada dando origem a materiais como o EVA Verde, lançado neste ano”, comente Leite. Em junho, um novo conceito de resina plástica reciclada (3R), com melhor qualidade e resistência, desenvolvido no CTI, foi apresentado em um evento em Vancouver. Outro destaque em 2018 foi o lançamento da linha Braskem Evance, com resinas inovadoras de alto desempenho e avançada customização para aplicações na indústria calçadista, automotiva e de construção, por exemplo. “Outro ponto de destaque é o alto nível de ensino técnico da região, onde temos excelentes pessoas sendo formadas e capacitadas para atuarem nos laboratórios da Braskem, provenientes de instituições como SENAI, UFRGS e PUCRS”, ressalta Leite.

Desde 2017, o CTI tem trabalhado de forma integrada com as unidades de pesquisa e desenvolvimento do Brasil, Estados Unidos, México e Alemanha. Soluções desenvolvidas neste centro, como resinas de alto desempenho para redução de peso de embalagens, resinas para filmes e embalagens desenvolvidas para o mercado internacional, materiais com resistência a altas temperaturas para a indústria automotiva e aditivação mais eficiente são usadas no mundo todo. Além disso, o CTI de Triunfo suporta pesquisas desenvolvidas em outras regiões, realizando testes de caracterização avançada em plantas piloto só disponíveis nesse centro. Trabalha ainda no aprimoramento de tecnologias para uso do plástico reciclado, novas resinas para impressoras 3D e embalagens inteligentes e outros. O local, além das atividades de P&D, atende mais de 400 clientes que buscam testar e aprimorar seus produtos.

A estrutura de inovação da Braskem conta com dois Centros de Tecnologia e Inovação, em Triunfo e em Pittsburgh (EUA), um Centro de Pesquisa em Tecnologias e Renováveis em Campinas e um Centro Técnico em Wesseling (Alemanha), totalizando 23 laboratórios e sete plantas piloto. Juntos, possuem 276 projetos no pipeline de inovação e tecnologia e mais de 900 documentos de patentes. A empresa investe na área cerca de R$ 300 milhões/ano.

Projeto Inovador

O novo prédio tem o desafio de incentivar a inovação antes mesmo de ser erguido. A equipe responsável pelo projeto identificou mais de 30 aplicações do plástico na construção, com soluções que levam em conta a economia, a durabilidade, resistência e a versatilidade dos materiais. A ideia é que o prédio todo funcione como uma espécie de showroom, com as estruturas em plástico aparentes e identificadas, onde a produção da Braskem e de seus parceiros vai da teoria à prática.

São muitas as possibilidades a serem empregadas: do piso às telhas, dos sistemas hidráulicos aos revestimentos usados para isolamento térmico e acústico ou elemento de design, o plástico apresenta entre suas qualidades a leveza, resistência à corrosão e facilidade para limpeza, dentre outros atributos que levam cada vez mais à sua incorporação na construção civil.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no </

PICPlast encerra 2018 acumulando R$ 200 milhões de investimentos em prol da cadeia

20/12/2018

Desde 2013,  o Plano realizou mais de 30 iniciativas que contemplaram cerca de mil participantes.

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico – PICPlast – chega ao final de 2018 completando cinco anos de atuação. Desde o seu lançamento, já foram investidos mais de R$ 17 milhões em ações voltadas para aumento da competitividade do setor, R$ 170 milhões no incentivo à exportação e cerca de R$ 10 milhões em ações de promoção das vantagens do plástico. O foco se mantém: aproximar os elos da cadeia e executar iniciativas para promover a competitividade e a produtividade na indústria de transformação de plástico.

“Completamos cinco anos com a certeza que estamos no caminho certo. Ao longo deste período, foram R$ 200 milhões de investimentos, distribuídos entre os pilares Competitividade e Inovação, Exportação de Transformados e Vantagens do Plástico. O retorno que temos da indústria reforça a contribuição de todas as iniciativas do PICPlast, construindo uma cadeia cada vez mais desenvolvida e competitiva, capaz de enfrentar os inúmeros desafios do nosso mercado”, diz Edison Terra, Vice-Presidente Executivo da Braskem.

“O PICPlast vem sendo o parceiro estratégico de quem atua na indústria da transformação do plástico. Para os próximos anos, buscaremos ampliar ainda mais esta parceria, por meio da promoção de conhecimento e da viabilização de oportunidades de negócios para os nossos associados, para propiciar um mercado robusto, maduro e sustentável”, afirma José Ricardo Roriz Coelho, presidente da ABIPLAST.

O PICPlast é uma iniciativa pioneira, fruto da parceria da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), e da Braskem. Baseado em três pilares: aumento da competitividade e inovação do setor de transformação, estímulo às exportações de transformados plásticos e promoção das vantagens do plástico, o PICPlast também conta com investimentos voltados ao reforço na qualificação profissional e na gestão empresarial.

No pilar de vantagens do plástico, as frentes de trabalho são voltadas para reciclagem, estudos técnicos, educação e comunicação, com destaque para o Movimento Plástico Transforma.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Picplast

Curta nossa página no </

Linha de Resinas Maxio, da Braskem, incorpora primeira resina em polietileno para rotomoldagem

12/12/2018

Lançamento tem foco nos setores de construção civil, infraestrutura e agronegócio

Para atender a mercados com níveis técnicos e de qualidade mais exigentes, a Braskem lançou o primeiro grade de polietileno para se juntar à família Maxio, o PEAD HD4601U, que permite aumento da produtividade e economia de insumos, segundo a empresa.

A Braskem afirma que a resina HD4601U, com sua alta resistência e durabilidade, atenderá a clientes que atuam nos setores de construção civil / infraestrutura e do agronegócio, podendo ser aplicado em cisternas, tanques grandes, poços de visita e peças para máquinas agrícolas que exigem elevada resistência mecânica.

A nova resina possibilita que o processo de transformação por rotomoldagem ocorra de maneira mais rápida se comparada às resinas similares, resultando em menor consumo de energia e maior produtividade, garante a empresa

A linha Maxio é composta por resinas que proporcionam redução do consumo de energia, maior produtividade e redução de peso do produto final, o que gera mais eficiência e, consequentemente, ganhos ambientais. Os benefícios são obtidos graças à evolução contínua das resinas, preservando ou melhorando propriedades mecânicas, químicas e óticas de produtos acabados.

De acordo com o especialista em rotomoldagem da área de Engenharia de Aplicação da Braskem, Eliomar Pimento, com o uso do novo grade foi possível verificar que houve a redução de 7% a 10% do tempo de ciclo de produção de cada peça, uma economia anual com gás natural de aproximadamente R$ 130 mil e de 1.600 kWh de energia elétrica, além da redução das emissões de CO2 em mais de 130 toneladas (dados reais aplicados).

“Com o desenvolvimento desta resina em novas aplicações, identificamos junto aos nossos clientes um potencial ganho de produtividade e economia no processo, mantendo seu excelente balanço entre rigidez e resistência ao impacto em peças de grandes volumes e alinhado ao conceito da família Maxio”, destaca Pimenta.

“A Braskem está trazendo ao mercado uma resina com propriedades já conhecidas atendendo demandas de alto desempenho, porém, a partir de agora, contribuindo também com uma maior eficiência produtiva de nossos clientes e redução do impacto ambiental”, afirma Fabiano Zanatta, responsável comercial de rotomodagem da Braskem.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no </

Braskem assume compromisso de compra de energia gerada em parque eólico e ajuda a viabilizar empreendimento da EDF Renewables na Bahia

02/12/2018

Estado caminha para se tornar líder nacional no setor de energia renovável

A Braskem vai investir na compra de energia eólica e assim ajudar a viabilizar a expansão do Complexo de Folha Larga, que a EDF Renewable do Brasil está desenvolvendo na Bahia. A Braskem se comprometeu a comprar energia eólica por 20 anos, em um contrato estimado em R$ 400 milhões. Esse novo parque de energia renovável, localizado no município de Campo Formoso, a 350 km a noroeste de Salvador, contribuirá para colocar a Bahia entre os líderes no setor nos próximos anos.

O empreendimento de Folha Larga foi viabilizado pela contratação de venda de energia de longo prazo nos leilões do governo e também pela celebração do compromisso da Braskem no ambiente de contratação livre.

“A Bahia tem se tornado referência nacional em energia renovável”, afirma Gustavo Checcucci, diretor de Energia da Braskem. “Estamos fazendo nossa parte para o desenvolvimento desse setor. Ao investir numa matriz limpa e sustentável, estamos reduzindo a quantidade de emissões de CO2 em 325 mil toneladas ao longo do período do contrato”, diz Checcucci.

A Bahia tem atualmente 113 parques eólicos em operação, com potência instalada de aproximadamente 3,0 GW, segundo dados da Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Os investimentos já contratados no setor durante o ano por meio dos leilões de energia devem fazer o Estado da Bahia ganhar mais 622 MW de energia eólica até 2024. A região de Campo Formoso, onde está localizado o parque eólico, apresenta vento forte e constante, muito favorável a eficiência da geração de energia eólica.

“Esse primeiro contrato privado de compra e venda de energia, assinado com a Braskem, um dos maiores consumidores do país, demonstra nossa competitividade no mercado livre e a vontade da EDF Renewables de se posicionar como um dos principais atores deste mercado” disse Paulo Abranches, diretor presidente da EDF Renewables no Brasil. Estabelecida há três anos no Brasil, a EDF Renewables encontra-se entre as líderes do país no setor de energias renováveis, totalizando cerca de 1 GW em projetos de energia eólica e solar, já considerando as iniciativas que estão em operação e em fase de construção. Na Bahia, a empresa francesa conta ainda com o Complexo Eólico Ventos da Bahia, município de Bonito e de Mulungu do Morro, com capacidade para produzir 183 MW.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no </

Lucro da Braskem chega a R$ 1,34 bilhões no terceiro trimestre de 2018

15/11/2018

Após greve dos caminhoneiros, as vendas se recuperam no Brasil e crescem nos Estados Unidos e no México

A recuperação das vendas no Brasil depois da greve dos caminhoneiros e o crescimento nos Estados Unidos e no México levaram a Braskem a registrar um Ebitda de R$ 3,6 bilhões (US$ 909 milhões) no terceiro trimestre de 2018, 30% maior do que igual período do ano passado. O lucro líquido cresceu 68% na mesma comparação, chegando a R$ 1,34 bilhão. A geração livre de caixa alcançou R$ 1,5 bilhão.

“As vendas maiores no exterior e a recuperação brasileira pós-greve dos caminhoneiros compensaram os menores níveis de spreads de resinas no Brasil, de polipropileno na Europa e de polietileno na América do Norte”, disse o presidente da Braskem, Fernando Musa. “Continuamos a registrar resultados vigorosos em geral, apesar da volatilidade do mercado e de alguns desafios operacionais, mais uma prova da resiliência da Companhia e um grande indicativo de que estamos trilhando um caminho seguro de crescimento.”

A normalização da produção no período pós-greve no Brasil fez com que a taxa média de utilização das centrais petroquímicas chegasse a 95%, 5 p.p. superior ao registrado no segundo trimestre. Em relação ao terceiro trimestre do ano passado, a taxa média de utilização foi 3 p.p. superior, período que foi negativamente impactado pela parada programada da central do Rio de Janeiro.

A demanda de resinas no mercado brasileiro (PE, PP e PVC) foi de 1,4 milhão de toneladas no trimestre, 9% superior ao trimestre anterior, que foi impactado pelas restrições logísticas decorrentes da greve e também influenciada pela sazonalidade. Em relação ao 3T17, a demanda de resinas foi 3% superior. No acumulado do ano, a demanda de resinas apresentou expansão de 3%, devido ao maior nível de atividade, principalmente, nos setores de embalagens, agricultura e consumo.

As vendas de resinas da Braskem totalizaram 917 mil toneladas, um aumento de 12% em relação 2T18 e superior ao desempenho do mercado. Em relação ao 3T17, as vendas ficaram em linha. No acumulado do ano, as vendas de resinas no Brasil apresentaram expansão de 1%, totalizando 2.624 mil toneladas.

A taxa de utilização nos EUA e na Europa foi de 87% no trimestre, 3 p.p. superior ao segundo trimestre, com vendas de 477 mil toneladas de PP. No México, a taxa de utilização das plantas de polietileno foi de 78%, 6 p.p. superior ao segundo trimestre do ano, o qual havia sido negativamente impactado pela parada programada em maio. As vendas de PE totalizaram 136 mil toneladas no mercado mexicano, alta de 1% sobre o trimestre anterior. As exportações a partir do México se mantiveram estáveis devido a estratégia de priorizar o atendimento do mercado mexicano.

Unidade de PP nos EUA

Ao término do terceiro trimestre, a Braskem já investiu US$ 341 milhões de um total de US$ 675 milhões previstos para a construção da nova planta de produção de polipropileno (PP) nos EUA. A planta com capacidade de produção de 450 mil toneladas por ano, localizada em La Porte, no Texas, será a sexta fábrica de PP nos EUA. Até o fim do trimestre, o projeto atingiu 32,8% de progresso físico, incluindo 96,5% do detalhamento de engenharia, 86,5% da aquisição de equipamentos e materiais e 24,3% da construção civil. A previsão é que a planta comece a operar em 2020.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem define iniciativas a favor da Economia Circular

12/11/2018

Empresa está engajada com a meta que prevê que a totalidade das embalagens plásticas seja reutilizada, reciclada ou recuperada até 2040

A Braskem definiu uma série de iniciativas globais para impulsionar a Economia Circular na cadeia de produção de produtos transformados plásticos.

“Estamos firmes no propósito de contribuir na transformação da economia linear em uma Economia Circular, demonstrando nosso compromisso com o desenvolvimento sustentável”, diz Fernando Musa, presidente da Braskem. “Ao estabelecer um rol de iniciativas globais, aderindo a compromissos voluntários e expressando publicamente um posicionamento global a favor da Economia Circular, a Braskem está convidando clientes, parceiros da cadeia de valor, seus Integrantes e a sociedade em geral para ampliar o esforço conjunto em busca de soluções inovadoras e sustentáveis por meio do uso do plástico”.

Intitulado “Posicionamento da Braskem em Economia Circular”, o documento define iniciativas para o desenvolvimento de parcerias com os clientes na concepção de novos produtos para ampliar e facilitar a reciclagem e a reutilização de embalagens plásticas, especialmente as de uso único. Ele contempla ainda o avanço de investimentos em novas resinas de origem renováveis, como o Plástico Verde feito à base de cana-de-açúcar, e o apoio a novas tecnologias, modelos de negócios e sistemas de coleta, triagem, reciclagem e recuperação de materiais.

As iniciativas também englobam a promoção o engajamento de consumidores a programas de reciclagem por meio de ações educacionais de consumo consciente, o uso de ferramentas de avaliação de ciclo de vida e o apoio a ações para melhoria do gerenciamento de resíduos sólidos a fim de prevenir o descarte de lixo nos mares.

Além dessas iniciativas, a Braskem também assumiu o compromisso voluntário de que todas as suas unidades industriais adotem as melhores práticas para reduzir ainda mais a perda de pellets (matéria-prima para a produção de embalagens plásticas) nos seus processos até 2020 e aderiu aos compromissos setoriais de trabalhar para que a totalidade das embalagens plásticas sejam reutilizadas, recicladas ou recuperadas até 2040.

A Braskem se compromete também a reportar os progressos dessas iniciativas em seu Relatório Anual.

“Os plásticos têm função essencial no desenvolvimento sustentável porque evitam o desperdício e aumentam a eficiência em diversos setores da economia, como na produção agrícola e na indústria automotiva. É um material que contribui para a segurança alimentar e a higiene hospitalar, além de integrar o cotidiano das pessoas por meio de várias aplicações”, diz Fernando Musa. “Inserido na economia circular, o potencial do plástico de gerar benefícios com menor impacto se amplia ainda mais.”

Para conhecer o “Posicionamento da Braskem em Economia Circular”, acesso o seguinte link: www.braskem.com/economiacircular

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

PICPlast comemora cases de inovação

04/11/2018

Em cinco anos de atuação, o Plano investiu mais de R$ 17 milhões na realização de cerca de 30 iniciativas, com mais de mil participantes de dezenas de empresas.

Com o intuito de promover a competitividade e a produtividade na indústria de transformação de plástico, o Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico – PICPlast – segue comemorando os resultados de suas propostas voltadas à inovação. Em cinco anos de atuação, o Plano investiu mais de R$ 17 milhões na realização de mais de 30 iniciativas. O PICPlast é fruto da parceria da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), e da Braskem.

Entre as ações que mais fazem sucesso estão os Programas de Inovação. Foi após participar de uma das turmas que o empresário Leandro Cavallaro, da Styroplast, passou a diversificar sua oferta de produtos. “Participar do treinamento nos possibilitou acrescentar dois novos produtos ao nosso portfólio: a manta de subcobertura de telhado para o varejo e o filme stretch para paletização de cargas”, revela o administrador. “As pessoas pensam que inovar é apenas criar, quando, na verdade, inovar também pode ser introduzir produtos já existentes no mercado no seu leque de ofertas ou acrescentar processos novos na sua linha de produção”.

Segundo o empresário, o PICPLast foi fundamental para a capacitação e o desenvolvimento em áreas como pesquisa e análise de mercado, planejamento de negócios e gestão de pessoas. “Além disso, ganhamos em networking e em qualificação dos nossos profissionais. Com a participação nos treinamentos, nós, da indústria de transformação, só temos a ganhar”.

Outra beneficiada com o programa de inovação foi a Promaflex, empresa do segmento de filmes plásticos. Segundo Andrea Martins, que coordena o grupo interno de inovação da transformadora, após a participação no programa a Promaflex criou seu primeiro produto com foco no consumidor final: uma manta de proteção antimofo. Segundo Andrea, o treinamento ajudou a colocar no papel e organizar os pensamentos de forma mais prática. “Aprendemos a organizar a equipe formada por pessoas de todas as áreas da empresa, alinhando a estratégia e, principalmente, aprendemos a dar o peso certo para cada etapa. Com isso, em um ano saímos da ideia no papel para o lançamento do produto”.

Outro aprendizado que veio do curso, segundo a executiva, foi o de dar credibilidade para o lançamento. “Para estarmos referenciados, procuramos o biomédico Roberto Figueiredo, conhecido como Dr. Bactéria, para que ele analisasse o produto. Ele constatou que o uso da manta impossibilita o crescimento do mofo em 99,9% dos casos, o que nos deu bastante segurança para seguir em frente”, explica Andrea.

Para realizar os programas, o PICPlast faz parcerias com instituições renomadas, entre elas Fundação Dom Cabral, Sebrae e Avantec. Após realização de duas turmas em São Paulo, o PICPlast levou o Programa de Inovação para a região de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, envolvendo cerca de 60 profissionais da área de transformação.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Picplast

Curta nossa página no