Posts Tagged ‘Indústria Têxtil’

Rhodia aumenta em 20% a produção de filamentos de poliamida no Brasil

08/01/2013

 A Rhodia, empresa do grupo Solvay, ampliará em 20% a produção de filamentos de poliamida 6.6 para aplicações têxteis e industriais. O aumento da produção, que deverá ocorrer em etapas até o final  de 2013, inclui a utilização de máquinas e equipamentos de última geração instalados na unidade industrial da empresa Tork (ex-Ledervin) em Osasco (SP), conforme acordo assinado entre as duas empresas.

 O incremento da produção é uma resposta às necessidades do mercado brasileiro de filamentos de poliamida 6.6, em especial em fios têxteis texturizados e fios industriaisde alta tenacidade. Esses produtos são empregados em segmentos nos quais se projeta crescimento importante para os próximos anos.

Por exemplo, os fios industriais de alta tenacidade entram na fabricação de  tecidos de airbags, um item de segurança que será obrigatório nos veículos novos produzidos no Brasil a partir de 2014, em fios para pneus, correias transportadoras e linhas de costura industrial para calçados e estofados, entre outros, nos quais a principal exigência é a capacidade de resistência oferecida pela poliamida 6.6.

Já os fios têxteis texturizados da Rhodia são utilizados na confecção de roupas para os segmentos de moda/fashion, lingerie e moda íntima, esportivo, meias e uniformes, que valorizam a inovação, a tecnologia, a qualidade e o design diferenciado.

“Nossa intenção com esse projeto é contribuir para o crescimento da indústria nacional na área de poliamida 6.6, que enfrenta atualmente um ambiente de negócios extremamente competitivo”, afirma informa Francisco Ferraroli, presidente da Rhodia Fibras, unidade global de negócios do grupo Solvay dirigida a partir do Brasil.

Segundo Ferraroli, a empresa tem investido permanentemente na expansão dos mercados de filamentos de poliamida 6.6. “Recentemente, no final de 2011, concluímos outro investimento da ordem de 10 milhões de dólares no aumento de produção de fios inteligentes, microfibras e supermicrofibras para os diferentes segmentos têxteis que atendemos”, disse.

Fonte: Rhodia

Curta nossa página no

Anúncios

Petroquímica Suape em fase de pré-operação

27/08/2010

A Petrobras antecipou para às 14h, nesta sexta-feira (27), em Pernambuco, a cerimônia de pré-operação da unidade de fios de poliéster da PetroquímicaSuape e a inauguração do Gasoduto Pilar-Ipojuca. A cerimônia contará com as presenças do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, do presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli de Azevedo, de diretores e gerentes da Companhia e demais autoridades. Na ocasião, o presidente Lula também visitará as obras da Refinaria Abreu e Lima, em Ipojuca (PE).

Maior pólo integrado de poliéster da América Latina

A Companhia Petroquímica de Pernambuco (PetroquímicaSuape) iniciará a pré-operação da unidade de polímeros e fios de poliéster que produzirá 240 mil toneladas por ano de filamentos e polímeros têxteis. O primeiro processo a entrar em funcionamento será o de texturização, onde serão produzidos fios para malharias e tecelagens. Outras duas plantas industriais compõem o complexo petroquímico: uma para a produção de ácido tereftálico (PTA) e outra de resina PET.

A PetroquímicaSuape foi constituída para estruturar uma cadeia nacional de poliéster, capaz de estimular o desenvolvimento dos diversos segmentos que utilizam essa matéria-prima, como o de embalagens e, especialmente, o têxtil, que é o segundo maior gerador de empregos no País e o que mais emprega mulheres.

Para assegurar competitividade em padrões internacionais, a Companhia foi estruturada considerando-se três fatores importantes: tecnologia de vanguarda, capacidades de produção equivalentes às maiores empresas mundiais nesses segmentos e integração das unidades produtivas e atividades de apoio.

A planta de PTA, que é a principal matéria-prima do poliéster, tem capacidade para 700 mil toneladas/ano e a de resina PET produzirá 450 mil toneladas/ano. Do total de PTA produzido, 85% serão consumidos internamente nas unidades de fios de poliéster e resina PET e o excedente será destinado ao mercado interno.

Hoje, mais de 7 mil pessoas estão trabalhando no empreendimento e, no pico das obras, previsto para novembro, serão gerados mais de 8 mil empregos.

Construção de escola têxtil

Para promover a capacitação de pessoal para o setor têxtil, será construída a Escola Técnica Senai–Ipojuca – Centro de Formação Profissional Horacio Lugon, construída em parceria formada pela PetroquímicaSuape, município de Ipojuca e Senai/PE, que assinam, nesta sexta-feira (27/8), convênio para construção da instituição de ensino.

A escola têxtil será a primeira do País especializada na formação de pessoal para o segmento de fibras sintéticas, como o poliéster, e capacitará pessoal para todos os elos da cadeia têxtil: indústrias de fios, malharias, tecelagens, confecções e moda. A escola será localizada em uma área de 10 km², na interseção das Rodovias PE-060 e PE-042, em Ipojuca.

Na parceria, a PetroquímicaSuape repassará os recursos para a construção do imóvel e aquisição de equipamentos; o município de Ipojuca cederá o terreno, executará o projeto arquitetônico e participará de atividades administrativas e operacionais, junto com o Senai, que assumirá a operação e gestão pedagógica da escola, que estará em funcionamento no primeiro semestre de 2012. A escola é financiada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A iniciativa faz parte das práticas de responsabilidade social da PetroquímicaSuape, que elegeu a educação e a geração de trabalho e renda como principais eixos de suas ações, e atende a uma demanda do município, que está contribuindo para a viabilização do empreendimento industrial, por meio de parcerias e incentivos fiscais. Além disso, a escola conta com a experiência de ensino do Senai/PE, referência na área de educação profissional.

Fonte: Agência Petrobrás de Notícias