Posts Tagged ‘Covestro’

Covestro divulga resultados do terceiro trimestre de 2019

10/11/2019

  • Volumes principais crescem 5,3%
  • Vendas totais de cerca de 3,2 bi de euros (-14,6%)
  • Previsão de Ebitda atingida com 425 mi de euros (-50,5%)
  • Receita líquida cai para 147 mi de euros (-70,4%)
  • Fluxo de caixa operacional livre de 243 mi de euros (-58,0%)
  • Perspectiva para 2019 atualizada na previsão existente

No terceiro trimestre de 2019, a Covestro conseguiu atingir crescimento do volume principal de 5,3% em relação ao mesmo período do ano anterior, em um ambiente econômico continuamente desafiador. Ao mesmo tempo, as vendas totais recuaram 14,6% para 3,2 bilhões de euros, devido aos preços de venda continuamente mais baixos. Com 425 milhões de euros, a previsão de Ebitda foi cumprida para o trimestre, mas caiu 50,5% em relação ao trimestre do ano anterior, como resultado dos efeitos negativos dos preços. A receita líquida caiu para 147 milhões de euros (-70,4%), enquanto o fluxo de caixa operacional livre (FOCF) ficou em 243 milhões de euros (-58,0%). Isso se deu, principalmente, devido à redução dos fluxos de caixa das atividades operacionais e a investimentos planejados.

“Após gerar sólido crescimento de volume no segundo trimestre, a demanda voltou a crescer no terceiro trimestre”, diz o CEO Markus Steilemann. “O ambiente econômico segue desafiador, principalmente no setor automotivo. No entanto, nosso crescimento de volume indica que nossos negócios são bem diversificados em várias indústrias”, afirma. O crescimento pode ser atribuído, sobretudo, às indústrias de construção, móveis, elétrica e eletrônica.

Projeção para o ano confirmada

Com base nos resultados do terceiro trimestre, o CFO Thomas Toepfer confirmou a previsão para o ano como um todo. “Continuamos confiantes de que atingiremos as metas que estabelecemos para o ano fiscal”, enfatiza Toepfer. “As margens do mesmo trimestre do ano anterior foram atipicamente altas, razão pela qual a queda ano a ano nas vendas e nos lucros está alinhada às nossas expectativas.”

Após o terceiro trimestre, o grupo refinou a previsão para o ano fiscal de 2019 dentro das margens publicadas: a Covestro antecipa um crescimento de um dígito do volume principal para 2019. Espera-se que o FOCF do grupo fique entre 300 e 500 milhões de euros, com ROCE de 8% a 10%. A projeção para o Ebitda do ano fiscal é que fique entre 1.570 e 1.650 milhões de euros.

Lançado novo programa de Economia Circular

Para manter o sucesso a longo prazo com suas soluções sustentáveis e inovadoras, a Covestro pretende reforçar seu foco na economia circular para o futuro e lançou um novo programa estratégico com essa finalidade. Nos seus processos produtivos, em particular, o grupo tem como objetivo utilizar, o máximo possível, matérias-primas de fontes sustentáveis, como matéria vegetal, resíduos e CO2. Isso deve eliminar o uso de recursos fósseis como petróleo bruto tanto quanto possível. Acima de tudo, os plásticos usados devem ser reciclados sistematicamente e o máximo possível.

Sustentabilidade e inovação também foram as palavras-chave na K2019, a maior feira comercial de plásticos do mundo realizada em Düsseldorf, Alemanha. Na feira, a Covestro apresentou muitos produtos e tecnologias diferentes que oferecem soluções para desafios globais urgentes. Por exemplo, expôs materiais de alta tecnologia que utilizam carbono em tecidos mais ecológicos, elevam o desempenho de turbinas eólicas e aceleram a expansão da tecnologia 5G.

Crescimento de volume no terceiro trimestre nos segmentos de Poliuretanos e Policarbonatos

Os volumes principais no segmento de Poliuretanos subiram 5,1%. O aumento da demanda nas indústrias de móveis, elétrica e eletrônica, especialmente em aparelhos domésticos e no setor de construção, mais que compensaram a demanda mais fraca na indústria automotiva. Contudo, as vendas nesse segmento caíram 20,1% para 1.478 milhões de euros devido à queda dos preços de venda, ocasionada pela maior pressão competitiva. Esse fenômeno também se refletiu no Ebitda, que caiu para 196 milhões de euros (-54,6%).

Os volumes principais em Policarbonatos subiram 9,3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. A indústria elétrica e eletrônica e o setor de construção foram os que mais contribuíram para esse crescimento. As vendas nesse segmento caíram 13,2% para 901 milhões de euros no terceiro trimestre de 2019. O Ebitda caiu 58,1% para 132 milhões de euros, devido, principalmente, à mudança negativa nos preços de venda.

O segmento de Revestimentos, Adesivos e Especialidades registrou queda de 4,0% nos volumes principais como resultado da demanda mais fraca por matérias-primas para revestimento por parte de todas as principais indústrias, especialmente do setor automotivo. Como resultado, as vendas caíram 3,0% para 588 milhões de euros. No terceiro trimestre de 2019, o Ebitda caiu 11,9% para 111 milhões de euros, movido por volumes menores e margens mais baixas.

Maior concorrência e novo patamar de preços marcam os primeiros nove meses

Conforme esperado, os primeiros nove meses foram marcados por concorrência crescente e mudança nos preços. O crescimento do volume principal atingiu 1,5%. As vendas totais caíram 15,8% para 9.548 milhões de euros, principalmente como resultado da baixa nos preços de venda. O Ebitda caiu 54,4% para 1.326 milhões de euros. A receita líquida atingiu 515 milhões de euros (-70,5%). O fluxo de caixa operacional livre decresceu para 143 milhões de euros (-89,1%).

Com 14,6 bilhões de euros em vendas em 2018, a Covestro é uma das maiores empresas mundiais de polímeros. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de materiais de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, de construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem 30 unidades de produção no mundo todo e empregava aproximadamente 16,8 mil pessoas (calculadas equivalendo à jornada integral) no fim de 2018.

Curta nossa página no

Covestro na K 2019 – Movendo as fronteiras para um mundo sustentável e digital

05/11/2019

  • Programa estratégico para economia circular
  • Soluções inovadoras para indústrias-chave
  • Conceito abrangente de interior de veículo para mobilidade futura
  • Foco em definição de tendências

Na feira de plásticos K 2019, a Covestro apresentou produtos e soluções inovadoras, particularmente para sustentabilidade e digitalização, as principais tendências de nosso tempo. Com um programa estratégico, a Covestro visa promover a economia circular e o uso de matérias-primas não fósseis na indústria de plásticos. A empresa também apresentou produtos e tecnologias para setores-chave, como as indústrias automotiva, de construção e eletrônica, além de aplicações inovadoras e funcionais nos setores de saúde, móveis, esportes e lazer.

Além da digitalização, os objetivos da ONU para o desenvolvimento sustentável irão influenciar de modo especial a economia e a sociedade nos próximos anos. A Covestro afirma estar determinada a cumprir essas metas de sustentabilidade em vários níveis. Segundo a empresa, atendê-las não é apenas um pré-requisito para um mundo melhor, mais limpo e saudável, mas traz consigo também possui um grande potencial econômico a longo prazo.

Mudança para a economia circular é indispensável

“Megatendências como a proteção climática e o crescimento populacional exigem um fundamental repensar sobre o estilo de vida e o comportamento do consumidor, assim como da produção global”, disse o CEO Dr. Markus Steilemann. “Precisamos de uma transição completa de uma economia descartável para uma economia circular, a fim de lidar com recursos limitados com mais responsabilidade e proteger o clima.”

A Covestro está comprometida em estabelecer novos ciclos de materiais em toda a cadeia de processos, com o objetivo de contribuir de maneira tangível para alcançar esse objetivo principal. “Criamos um programa abrangente e de longo prazo que também abrirá novas oportunidades para criação de valor”, explicou Steilemann. “Os plásticos de alta qualidade são e continuarão sendo o motor para a sustentabilidade e superação dos desafios globais. No entanto, é crucial desacoplar o crescimento econômico do consumo de recursos fósseis, como o petróleo bruto. ”

Afastando-se do petróleo

Um aspecto fundamental para o desenvolvimento de uma economia circular na indústria de plásticos e de produtos químicos é o fechamento do ciclo do carbono através da reciclagem de matérias-primas. “A longo prazo, queremos fazer o máximo possível sem usar recursos fósseis e, alternativamente, usar fontes como resíduos, plantas e CO2”, disse Steilemann. “Em particular, os plásticos usados ​​são um recurso valioso. É por isso que queremos trabalhar com parceiros para desenvolver intensivamente métodos inovadores de reciclagem ”, afirmou o CEO da Covestro. Sob nenhuma circunstância o lixo plástico deve mais entrar sem controle no meio-ambiente, além do que já ocorreu até hoje. A indústria de plásticos está trabalhando intensivamente em todo o mundo para uma melhor gestão de resíduos – por exemplo, na Alliance to End Plastic Waste, da qual a Covestro é membro.

Dada a sua importância, a empresa dedicou um Dia Temático especial à Economia Circular em seu estande na quarta-feira, 23 de outubro. Especialistas externos e internos apresentaram exemplos práticos e discutiram com os visitantes. No estande da Covestro, eles também encontraram muitos exemplos de produtos e tecnologias que podem ajudar a fechar ciclos de materiais em vários setores.

A Covestro é uma das pioneiras no uso do CO2 de emissões industriais como nova matéria-prima. Uma equipe da Covestro e da Universidade RWTH Aachen está agora competindo na rodada final do Prêmio do Presidente Alemão em virtude do desenvolvimento de um processo correspondente. As exposições baseadas nessa tecnologia foram especialmente apresentadas no estande. Com materiais e tecnologias modernas, a empresa também apóia o fornecimento de energia a partir de fontes renováveis.

A digitalização como fator de crescimento

Outra força motriz para o desenvolvimento da economia e da sociedade nos próximos anos é a digitalização ora em andamento. A Covestro quer aproveitar as oportunidades resultantes e iniciou um programa estratégico abrangente, com foco no cliente. Para isso, a empresa está ancorando tecnologias e processos digitais ao longo da cadeia de valor – desde a cadeia de suprimentos até a produção, pesquisa e todas as interfaces com os clientes, incluind também o desenvolvimento de novos modelos de negócios. Vários desenvolvimentos e exposições na K 2019, bem como um Dia Temático separado, na terça-feira, 22 de outubro, destacaram a grande importância da digitalização para a Covestro e seus clientes.

Dias Temáticos – do Automóvel à Ciência

Em cada um dos oito dias da feira, os visitantes puderam experimentar como a Covestro está explorando as fronteiras de temas diferentes. Palestras e discussões com especialistas da indústria e da academia serviram para aprofundar o tópico e promover o intercâmbio pessoal.

Setor Automotivo (16 de outubro)

O destaque da apresentação da Covestro na feira foi um conceito interior abrangente para a mobilidade futura: tendências como direção autônoma, acionamento elétrico e compartilhamento de carros fazem do automóvel um espaço multifuncional para a vida e o trabalho em movimento. É tudo uma questão de funcionalidade, conforto, design e também de eficiência. A Covestro desenvolveu o conceito em conjunto com importantes parceiros ao longo da cadeia de valor automotivo. As principais características são superfícies recém-projetadas, integração de iluminação ambiente, sistemas de infotainment mais recentes e conceitos de assentos futurísticos. Na quarta-feira, 16 de outubro, a empresa dedicou um Dia Temático especial à indústria automotiva.

Celebração da Ciência (17 de outubro)

O segundo dia da K 2019 foi dedicado às atuais descobertas de pesquisas em ciência de polímeros.

O destaque foi a entrega do Covestro Science Award ao cientista americano Dr. Newell Washburn, em reconhecimento ao seu papel pioneiro em uma inovação científica digital que acelera o desenvolvimento de formulações personalizadas de polímeros. O Dr. Washburn é professor associado de química e engenharia biomédica no departamento de ciência e engenharia de materiais da Universidade Carnegie Mellon (CMU) de Pittsburgh.

O segundo prêmio, a Covestro Science Medal, foi atribuído a uma equipe de químicos e engenheiros da Covestro. Rainer Weber, Andreas Bulan, Michael Großholz, Rainer Hellmich e Giorgio Dolfini desenvolveram e aplicaram com êxito uma pesquisa científica inovadora sobre a produção de um produto químico básico com menos consumo de energia e, portanto, menos impacto ambiental: eles conseguiram economizar 25% de eletricidade durante a produção de cloro.

Desafio de start-up (20 de outubro)

Com o Start-Up Challenge, a Covestro tem como objetivo promover a criatividade e o pensamento empreendedor de seus funcionários e encontrar a melhor ideia de negócios de 2019. Os vencedores da primeira competição foram escolhidos na feira: eles poderão trabalhar como fundadores , implemente suas idéias e testar sua comercialização. Em troca, eles receberão um financiamento inicial de até um milhão de euros, serão liberados de suas tarefas por até um ano e poderão trabalhar na empresa como start-ups. As idéias das seis equipes finalistas estavam focadas no desenvolvimento da economia circular.

A idéia ganhadora é promissora: novos materiais plásticos podem contribuir para tempos mais rápidos de carregamento de baterias em veículos elétricos. Com a idéia de “Separador de energia”, a equipe vencedora do Start-up Challenge deste ano deseja usar o know-how da Covestro no campo de materiais de alta tecnologia para lançar uma nova geração de separadores de bateria no mercado. Seu objetivo é melhorar a confiabilidade e a eficiência operacional das baterias de íons de lítio e contribuir para o desenvolvimento sustentável do setor de eletromobilidade. Dessa maneira, a idéia apóia vários dos objetivos das Nações Unidas para o desenvolvimento sustentável.

Pesquisa de talentos

No K 2019, a Covestro também se apresentou como um empregador atraente para estudantes, funcionários juniores e profissionais experientes.

Com vendas de 14,6 bilhões de euros em 2018, a Covestro está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. As atividades comerciais estão focadas na fabricação de materiais poliméricos de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos utilizados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são as indústrias automotiva, de construção, processamento de madeira e móveis e elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esporte e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro possui 30 unidades de produção em todo o mundo e emprega aproximadamente 16.800 pessoas (calculadas como equivalentes em período integral) no final de 2018.

Curta nossa página no

Covestro divulga balanço do segundo trimestre de 2019

24/07/2019

  • Leve crescimento nos volumes principais (+1,1%)
  • Vendas totais de cerca de 3,2 bi de euros (-16,9%)
  • EBITDA de 459 milhões de euros (-53,4%)
  • Receita líquida cai para 189 milhões de euros (-68,7%)
  • Fluxo de caixa operacional livre 55 milhões de euros negativo
  • Previsão de EBITDA de cerca de 410 milhões de euros no 3º tri

A atual pressão da concorrência intensa e as incertezas em grandes mercados de vendas persistiram ao longo do segundo trimestre. Enquanto os volumes principais cresceram 1,1%, as vendas totais caíram para 3,2 bilhões de euros (-16,9%), devido à baixa nos preços de venda. Em 459 milhões, o EBITDA estabilizou-se no nível do primeiro trimestre de 2019 (442 milhões de euros), mas ficou abaixo dos excepcionais resultados registrados no mesmo trimestre do ano anterior (-53,4%). O declínio dos lucros decorreu, principalmente, das margens mais baixas nos segmentos de poliuretanos e policarbonatos. A receita líquida decresceu para 189 milhões de euros, enquanto o fluxo de caixa operacional livre (FOCF) atingiu -55 milhões de euros, em decorrência dos fluxos de caixa mais baixos de atividades operacionais e investimentos mais altos.

“A situação econômica segue desafiadora, já que as incertezas globais econômicas e políticas persistem”, afirma o CEO Markus Steilemann. “Ainda assim, atingimos nossas metas de lucros e conseguimos aumentar novamente o nosso volume principal no segundo trimestre. Isso reforça a tendência de soluções mais sustentáveis, que oferecemos a muitas indústrias.”

Covestro confirma previsões para 2019

Os resultados dos primeiros seis meses ficaram bem abaixo do nível do ano anterior. Segundo a Covestro, isso se deve ao fato de 2018 ter sido marcado por margens excepcionalmente altas em alguns grupos de produtos. Por isso, afirma a empresa, os resultados do primeiro semestre de 2019 atingiram as expectativas no ambiente econômico atual.

“Com base nos resultados dos primeiros seis meses, confirmamos as nossas previsões para o ano fiscal. Ao mesmo tempo, também precisamos acompanhar de perto os próximos desenvolvimentos econômicos nos nossos principais mercados de vendas”, explica o CFO Thomas Toepfer. “O desenvolvimento da indústria automobilística foi bem mais fraco que o esperado; por outro lado, o desempenho no setor de construção e na indústria de móveis e madeira foi melhor.”

Para o ano fiscal de 2019, a Covestro mantém a projeção de crescimento do volume principal de até 5%. Espera-se que o FOCF fique entre 300 e 700 milhões de euros, com ROCE de 8% a 13%. A previsão é que o EBITDA do ano fiscal atinja de 1,5 a 2 bilhões de euros, com expectativa de que o EBITDA do terceiro trimestre atinja aproximadamente 410 milhões de euros.

Progressos em investimentos e na otimização do portfólio

No segundo trimestre, a Covestro otimizou ainda mais seu portfólio. O negócio europeu de casas de sistemas está sendo vendido para a H.I.G. Capital por um valor da ordem de dois dígitos de milhões de euros.

Paralelamente, o Grupo continua mantendo o foco em investimentos para geração de valor: em maio, a Covestro avançou na expansão da produção de filmes de policarbonato em Dormagen, Alemanha. O investimento faz parte de um programa que totaliza 100 milhões de euros, com o qual a Covestro pretende reforçar a área de filmes especializados, dotada de altas margens.

Uma vez obtidas as licenças oficiais necessárias, será iniciada a construção de uma unidade dedicada para fornecimento de cloro para a já existente produção de MDI em Tarragona, Espanha, no fim do ano. O primeiro marco interno foi atingido em Baytown, Texas (EUA), onde está prevista uma nova planta de grande escala para produção do precursor de espuma rígida MDI. Agora começará o planejamento técnico detalhado por uma equipe de projeto com 100 integrantes.

Crescimento nos volumes principais de poliuretanos e policarbonatos

No segmento de poliuretanos, os volumes principais cresceram 0,7%. As vendas caíram 24,3% para 1.489 milhões de euros, movidas pela queda nos preços de venda decorrente do aumento da concorrência. A baixa nos preços de venda também se refletiu no EBITDA, que caiu para 172 milhões de euros (-70,5%).

Os volumes principais em policarbonatos subiram 4,4% em relação ao trimestre do ano anterior. Apesar da indústria eletroeletrônica e o setor de construção terem contribuído para esse crescimento, os volumes caíram na indústria automobilística. As vendas apresentaram queda de 15,0% para 898 milhões de euros no segundo trimestre de 2019. O EBITDA no segmento de policarbonatos foi 46,0% mais baixo, somando 154 milhões de euros, principalmente devido à queda nos preços de venda.

O segmento de revestimentos, adesivos e especialidades apresentou um declínio de 4,7% nos volumes principais. Como resultado, as vendas caíram 1,3% para 621 milhões de euros. Contudo, os movimentos da taxa de câmbio e a aquisição gradual das participações na DIC Covestro Polymer Ltd., sediada no Japão, tiveram efeito positivo. O aumento da participação na joint venture japonesa também gerou um efeito positivo não recorrente sobre o EBITDA, que subiu 7,9% para 150 milhões de euros no segundo trimestre de 2019.

Concorrência intensa: um marco do 1º semestre de 2019

No geral, os primeiros seis meses de 2019 foram marcados pelo aumento da concorrência. Os volumes vendidos mantiveram-se predominantemente estáveis (-0,4%), enquanto as vendas totais caíram 16,4% para 6.386 milhões de euros, devido aos preços mais baixos de venda. Especialmente nos segmentos de poliuretanos e policarbonatos, os preços de venda ficaram bem abaixo daqueles do mesmo período do ano anterior. Como resultado, o EBITDA caiu 56,0% para 901 milhões de euros. A receita líquida atingiu 368 milhões de euros (-70,5%). O fluxo de caixa operacional livre caiu para 100 milhões de euros negativos.

Com 14,6 bilhões de euros em vendas em 2018, a Covestro é uma das maiores empresas mundiais de polímeros. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de materiais de polímeros voltados principalmente para os segmentos automotivo, de construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem 30 unidades de produção no mundo todo e empregava aproximadamente 16,8 mil pessoas (equivalendo à jornada integral) no fim de 2018.

Curta nossa página no

Prévia da K 2019 – Covestro destaca sua visão de um mundo sustentável e digital

17/07/2019

  • Busca por ciclo de material em toda a cadeia de valor
  • Pioneira no caminho para um futuro sem matérias-primas fósseis
  • Programa abrangente para digitalização
  • Soluções inovadoras para indústrias-chave

Durante a conferência de imprensa Prévia da K2019, realizada no Centro de Convenções da Messe Duesseldorf em 2 de julho passado, a fabricante de materiais Covestro apresentou em primeira mão as novidades a serem exibidas na Feira K 2019 em Outubro. Apresentado pelo CEO da Covestro, Dr. Markus Steilemann, e por Jochen Hardt, vice-presidente e especialista em marketing da Covestro, a empresa divulgou suas várias inovações e projetos que visam ampliar as fronteiras de um mundo sustentável e digital.

Na feira de plásticos K 2019, em Düsseldorf, a Covestro apresentará soluções inovadoras em materiais que, segundo a empresa, fornecem respostas aos desafios atuais do mundo. Os visitantes da principal feira do mundo para a indústria de plásticos e borracha encontrarão exemplos disso apresentados pela Covestro no estande A75, no Hall 6. De 16 a 23 de outubro de 2019, produtos e tecnologias para as indústrias automotiva, de construção e eletrônica estarão em exibição , além de aplicações inovadoras e funcionais nos setores da saúde, móveis, esportes e lazer.

“Além do avanço da digitalização, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas serão uma força motriz na sociedade e na economia para os próximos anos”, disse o CEO Markus Steilemann aos jornalistas. “O atingimento desses objetivos não é apenas imperativo para um mundo melhor, mais limpo e mais saudável, mas também possui um grande potencial econômico a longo prazo”, explicou o CEO. “A Covestro está determinada a implementar as metas de sustentabilidade da ONU em muitos níveis.”

Steilemann apontou o desenvolvimento de uma economia circular funcional e uma melhor gestão de recursos fósseis limitados, principalmente o petróleo bruto, como pontos centrais para o aumento da sustentabilidade. “Essas são metas que impactarão a sociedade como um todo e a Covestro quer contribuir para isso. Dentro de nossa empresa, queremos estabelecer ciclos de materiais ao longo de toda a cadeia de valor, desde os fornecedores, passando pela produção e logística, até o uso de nossos produtos e sua reutilização ”, explica Steilemann.

Ao reciclar plásticos usados, será importante poder esgotar todas as possibilidades técnicas. “O método relativamente novo de reciclagem química também é uma opção, que requer suporte adicional”, disse o CEO.

Um aspecto fundamental para o desenvolvimento de uma economia circular na indústria de plásticos e indústria química é fechar o ciclo de carbono com recursos reciclados. Aqui, vale a pena considerar o uso de resíduos de plantas e, cada vez mais, a utilização de gás carbônico como alternativas para os recursos fósseis. A Covestro já alcançou vários resultados nessas áreas. “Queremos nos tornar pioneiros no caminho para um futuro sem recursos baseados em materiais fósseis e enfatizar nossa reivindicação de liderança no setor”, enfatizou Steilemann.

Digitalização cria valor agregado

Outra força motriz é o avanço da digitalização. A Covestro quer aproveitar as oportunidades nessa área e iniciou um programa abrangente, com foco no cliente. Para isso, a empresa está incorporando tecnologias e processos digitais na produção, na cadeia de suprimentos, na pesquisa e desenvolvimento, em todos os pontos de contato com os clientes e no desenvolvimento de novos modelos de negócios. Vários tópicos e exposições na K 2019 destacam a importância da digitalização para a empresa, que espera estabelecer referências nesse campo na indústria de plásticos e de produtos químicos.

Os exemplos abaixo dão uma ideia dos desenvolvimentos que a Covestro apresentará na K 2019.

Sociedade completamente conectada

Um requisito importante para a mobilidade do futuro e a digitalização de todas as áreas da vida e dos negócios é a nova tecnologia de transmissão 5G. Para construir a infra-estrutura para isso, a Covestro está trabalhando em conjunto com a Deutsche Telekom e o Umeå Institute of Design para desenvolver soluções inovadoras em materiais para estações base, antenas e outros componentes do sistema. A Covestro também está trabalhando em uma solução em filme de múltiplas camadas em conjunto com um novo processo de fabricação para as partes de trás da estrutura de smartphones. Ao contrário dos elementos convencionais de metal, estes filmes de policarbonato são permeáveis ​​à radiação de alta frequência.

Interiores de automóveis do futuro

O destaque da exposição na K 2019 é um conceito de interior automotivo abrangente para a mobilidade futura. Em linha com a última tendência, a mostra pretende transformar interiores de automóveis em espaços multifuncionais e móveis para a vida e o trabalho. “Desenvolvemos o conceito em conjunto com parceiros-chave industriais e acadêmicos”, explicou Jochen Hardt, especialista em marketing da Covestro e líder do projeto. “Isso envolve funcionalidade, conforto e design em igual medida, além de eficiência.” O carro do futuro é totalmente conectado em rede e é perfeitamente integrado à vida cotidiana. Os principais recursos de design são superfícies com aparência e toque decorativos, iluminação ambiente integrada, os últimos sistemas de entretenimento digitais e conceitos em assentos de última geração.

Produtos têxteis derivados de gás carbônico

Juntamente com parceiros como a RWTH Aachen University e vários fabricantes de têxteis, a Covestro conseguiu produzir fibras têxteis elásticas a partir de poliuretano termoplástico derivado parcialmente de CO2 e, como resultado, substituiu em parte o petróleo bruto como matéria-prima. O ponto de partida é um produto intermediário chamado cardyon®, que já é usado para para produzir a espuma macia encontrada em colchões e nas camadas de base dos campos esportivos. Os parceiros estão atualmente trabalhando no desenvolvimento da produção de têxteis em escala industrial e querem introduzir um ciclo de material que seja baseado em recursos sustentáveis ​​para a indústria têxtil e de vestuário.

Energias renováveis ​​em ascensão

Além de promover uma economia circular eficiente, a Covestro também está comprometida em expandir ainda mais o uso dos plásticos em energias renováveis, como a energia eólica. A cooperação com parceiros levou ao desenvolvimento de uma resina de poliuretano, bem como de uma tecnologia de processo, que torna possível a fabricação de pás de rotores de turbinas eólicas de forma eficiente e econômica, afirma a empresa. A Covestro recentemente processou seu primeiro pedido comercial nessa área proveniente da China.

Com 2018 vendas de 14,6 bilhões de euros, a Covestro está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de materiais poliméricos de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados ​​em muitas áreas da vida diária. Os principais segmentos atendidos são os setores automotivo, de construção civil, processamento de madeira e móveis, e elétricos e eletrônicos. Outros setores incluem esporte e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro possui 30 unidades de produção em todo o mundo e emprega aproximadamente 16.800 pessoas (calculadas como equivalentes em tempo integral) no final de 2018.

Curta nossa página no

Covestro confirma previsão para o ano após balanço do 1º trimestre

21/05/2019

  • Leve queda nos volumes principais (-1,8%)
  • Vendas totais de cerca de 3,2 bi de euros (-16,0%)
  • Ebitda de 442 mi de euros alinhado às expectativas (-58,4%)
  • Receita líquida de 179 mi de euros menor que ano anterior (-72,2%)
  • Fluxo de caixa operacional livre 45 mi de euros negativo
  • Previsões para o ano fiscal de 2019 confirmadas

A alta pressão competitiva influenciou os resultados do primeiro trimestre de 2019 da Covestro. Apesar da demanda sólida no geral, os volumes principais tiveram leve queda de 1,8%, principalmente devido aos volumes mais baixos no segmento de policarbonatos. Uma expressiva queda nos preços de venda levou a uma redução de 16,0% nas vendas totais, para 3,2 bilhões de euros. O Ebitda do Grupo, de 442 milhões de euros (-58,4%), que contrasta com os resultados excepcionalmente positivos do ano anterior, mostrou-se alinhado às previsões. Como resultado, a receita líquida também caiu para 179 milhões de euros (-72,2%). Com 45 milhões de euros negativos, o fluxo de caixa operacional livre (FOCF) ficou abaixo do ano anterior (364 milhões de euros), devido à redução nos fluxos de caixa de atividades operacionais e à elevação dos investimentos. Segundo a empresa, embora os resultados como um todo tenham ficado significativamente abaixo dos excepcionais resultados do trimestre do ano anterior, eles ficaram na faixa esperada.

“O primeiro trimestre manteve-se alinhado às nossas previsões e confirma nossas expectativas reduzidas para o ano completo”, explica o CEO Markus Steilemann. “Por isso, agora é ainda mais importante definir o rumo correto para o nosso crescimento futuro, com investimentos e esforços para elevar a eficiência. Afinal, a demanda por nossos materiais inovadores e sustentáveis continua intacta.”

Covestro confirma metas para o ano fiscal de 2019

Thomas Toepfer, CFO da Covestro, compara os resultados do primeiro trimestre ao mesmo período de 2018: “O trimestre do ano anterior foi influenciado por margens excepcionalmente altas em vários grupos de produtos. Por isso, em linha com nossas expectativas, nossos resultados ficaram abaixo dos do mesmo período do ano passado. Antecipando a continuidade do ambiente desafiador que influenciará os resultados ao longo do ano, estamos focando especialmente na eficiência da produção e dos processos e em investimentos direcionados.”

Seguindo esse foco, a Covestro elevou sua participação para 80% na joint venture DIC Covestro Polymer no Japão a partir de 1º de abril de 2019, expandindo seus promissores negócios globais de poliuretanos termoplásticos. A Covestro planeja investimentos totais de mais de 900 milhões de euros este ano para reformar e expandir suas plantas produtivas e ampliá-las para áreas em crescimento, tais como a de filmes especializados. A expectativa é de que os programas de eficiência proporcionem economias de custos de 350 milhões de euros por ano no médio prazo.

Para o ano fiscal de 2019, a Covestro mantém a projeção de crescimento do volume principal de até 5%. Espera-se que o FOCF fique entre 300 e 700 milhões de euros, com ROCE de 8% a 13%. A previsão é que o Ebitda do ano fiscal atinja de 1,5 a 2,0 bilhões de euros, com expectativa de que o Ebitda do segundo trimestre se mantenha próximo do nível do primeiro trimestre de 2019.

Iniciativas estratégicas mostram avanços

As iniciativas estratégicas para avançar na digitalização e na inovação trouxeram benefícios no primeiro trimestre. A nova plataforma comercial digital B2B Asellion foi lançada com sucesso no fim de março, permitindo que os clientes da Covestro façam pedidos de produtos on-line e comprem 24h por dia com apenas alguns cliques no link covestro.asellion.com.

A Covestro também uniu forças à empresa de biotecnologia sediada nos EUA Genomatica para pesquisar e desenvolver materiais de alto desempenho baseados em matérias-primas renováveis. O objetivo da cooperação é reduzir o uso de recursos de origem fóssil como petróleo bruto, usando matérias-primas sustentáveis no lugar.

Crescimento de vendas e lucro no segmento de Revestimentos, Adesivos e Especialidades

Os volumes principais no segmento de poliuretanos mantiveram-se amplamente estáveis (-0,2%) no primeiro trimestre de 2019. As vendas no segmento caíram 24,3% para 1,476 milhão de euros devido à queda nos preços de venda, com todas as três regiões registrando vendas mais baixas. O Ebitda caiu para 157 milhões de euros (-75,4%) devido às margens mais baixas.

Puxados pela queda na demanda da indústria automotiva, os volumes principais no segmento de policarbonatos caíram 6,3%. As vendas nesse segmento caíram 16,7% para 860 milhões de euros, também devido aos preços de venda mais baixos. Com margens em queda e preços estáveis das matérias-primas, o Ebitda caiu para 155 milhões de euros (-48,8%).

No segmento de Revestimentos, Adesivos e Especialidades, os volumes principais praticamente não sofreram alterações em relação ao trimestre do ano anterior (-0,1%). As vendas no segmento subiram 5,9% para 627 milhões de euros, impulsionadas pela alta na média dos preços de venda, por volumes levemente mais altos e movimentos da taxa de câmbio. Alavancado pela alta das margens e dos volumes de vendas, o Ebitda subiu 7,4% para 146 milhões de euros.

Com 14,6 bilhões de euros em vendas em 2018, a Covestro é uma das maiores empresas mundiais de polímeros. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de materiais de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em segmentos como o automotivo, de construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem cerca de 30 unidades produtivas no mundo todo e, no final de 2018, empregava aproximadamente 16,8 mil pessoas (em equivalência à jornada integral).

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Covestro apresenta soluções para áreas de saúde, eletroeletrônica e automotiva na Feiplastic 2019

22/04/2019

  • A participação da fabricante de polímeros na Feiplastic 2019 destaca a versatilidade do policarbonato, inventado há mais de 70 anos.
  • A Covestro destaca suas mais recentes inovações divididas entre os segmentos de saúde, eletroeletrônico e automotivo.
  • A sustentabilidade também se destaca como tema central e a empresa apresenta seus compromissos para o ano de 2025, em acordo com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, além de iniciativas específicas assinadas pela companhia na cadeia do plástico.

As principais novidades que estão sendo apresentadas no evento abrangem as seguintes áreas:

Saúde

Na indústria de saúde é crescente a necessidade de miniaturização dos componentes. Dispositivos cada vez menores pedem materiais com propriedades específicas que aumentem o conforto do paciente. Entre os destaques para a Feiplastic estão cateteres intravenosos com dispositivos de segurança, dispositivos para fixação óssea, sensores para cirurgias de reconstituição de joelhos, dispositivos de acessos venosos e ampolas de injeção sem agulha.

Eletroeletrônico

No segmento eletroeletrônico, o destaque vai para sistemas de iluminação LED que, segundo a Covestro, promovem eficiência em energia, tais como a luminária CircLED, que conta com um corpo integrado a partir do Makrolon® TC, além de uma solução para moldagem com sobreinjeção de LED e circuito impresso. De acordo com a fabricante de polímeros, estas soluções promovem ganhos em liberdade de design e redução de custos.

Automotivo

Novas tecnologias alternativas, novas formas de conectividade e o advento dos veículos autônomos induzem a indústria a pensar em novos conceitos de automóveis. Um dos principais focos do trabalho da Covestro hoje é o uso do policarbonato em veículos elétricos. Na Feiplastic, os visitantes poderão conferir um conjunto de baterias de alta densidade de energia, dissipadores de calor integrado, diversas opções de iluminação estética e uma grade com inserto iluminado.

Além disso, os participantes do evento poderão embarcar em uma experiência de realidade virtual a fim de conhecer o futuro da mobilidade – óculos de realidade virtual levarão os passageiros em uma jornada dentro de dois veículos autonômos até o ano de 2030.

Digitalização está em tudo

Não é só na experiência de realidade virtual que a Covestro mostra sua assinatura digital. O stand da Covestro na Feiplastic também trará aos visitantes a possibilidade de conhecer os materiais e suas aplicações por meio do aplicativo Sample Lab e os clientes poderão ter acesso aos novos canais digitais da empresa, com apoio da equipe local.

Com 14,6 bilhões de euros em vendas em 2018, a Covestro é uma das maiores empresas mundiais de polímeros. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de materiais poliméricos avançados e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, de construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem cerca de 30 unidades produtivas no mundo todo e, no final de 2018, empregava aproximadamente 16,8 mil pessoas (em equivalência à jornada integral).

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Covestro eleva dividendos após divugação do desempenho dos negócios em 2018

12/03/2019

  • Demanda crescente em um ambiente de mercado cada vez mais desafiador
  • Crescimento do volume principal mantido em 1,6%
  • Vendas totais sobem para 14,6 bi de euros
  • EBITDA cai para 3,2 bi de euros
  • Dividendos propostos de 2,40 de euros por ação
  • Cerca de 1,7 bi de euros devolvido aos acionistas por meio de recompra de ações e dividendos
  • Previsões para 2019 influenciadas por maior crescimento dos volumes e margens menores

A Covestro obteve fortes resultados em 2018, mesmo com desafios crescentes ao longo do ano. Os volumes principais subiram 1,6% e as vendas totais cresceram 3,4% para 14,6 bilhões de euros. Após um quarto trimestre mais fraco, a Covestro não pôde atingir o patamar de lucro do ano anterior, marcado por um ambiente comercial excepcionalmente positivo. Apesar da baixa dos preços de venda, aliada a margens em declínio no segundo semestre, a Covestro gerou um EBITDA de 3,2 bilhões de euros, 6,8% abaixo do ano recorde de 2017. A receita líquida atingiu 1,8 bilhão de euros (-9,3%). Com base nesse desempenho, a Covestro planeja elevar os dividendos em cerca de 9% para 2,40 euro por ação (ano anterior: 2,20 euro).

“A demanda por nossos materiais de alta tecnologia se mantém intacta. Esse é um forte alicerce para o nosso crescimento rentável no longo prazo, especialmente em um ambiente de mercado cada vez mais desafiador”, explica o CEO Dr. Markus Steilemann. “Lançamos iniciativas estratégicas importantes em 2018 para promover ativamente essa trajetória de crescimento. Elas incluem investimentos em segmentos comerciais específicos com potencial de demanda acima da média e foco reforçado em eficiência.”

Maior demanda e margens menores, ao mesmo tempo

Em um ano instável, a Covestro atingiu resultados sólidos também em números importantes em 2018. O fluxo de caixa operacional livre (FCO) caiu para 1,7 bilhão de euros devido a investimentos em alta. Com 29,5%, o retorno sobre o capital empregado (ROCE) ficou bem acima da média plurianual. A dívida financeira líquida manteve o nível baixo de 348 milhões de euros no final do ano fiscal de 2018.

“2018 foi um ano de sucesso para a Covestro, mesmo que, após um início forte, não tenhamos chegado perto do nosso ano recorde de 2017 no geral”, afirma o Dr. Thomas Toepfer, CFO da Covestro. “Os últimos dois anos foram marcados por margens atipicamente altas. Para 2019, esperamos que a demanda continue a crescer; no entanto, as margens cairão significativamente devido à pressão competitiva.”

Previsões influenciadas pela cenário competitivo

A Covestro antecipa um crescimento de meio dígito único no volume principal para 2019 como um todo. A expectativa é que o FCO fique entre 300 e 700 milhões de euros, enquanto a projeção para o ROCE é de 8% a 13%. Devido à elevada pressão competitiva, a Covestro espera registrar entre 1,5 e 2,0 bilhões de euros de EBITDA. No primeiro trimestre de 2019, antecipa-se cerca de 440 milhões de EBITDA.

Investimentos garantem crescimento no longo prazo

Em 2018, a Covestro deu passos estratégicos importantes para reforçar ainda mais a posição do Grupo perante a concorrência. Um elemento-chave são os investimentos a serem feitos em segmentos de crescimento rentável. O Grupo pretende construir uma nova planta de escala mundial para produzir o precursor de espuma rígida MDI em Baytown, Texas (EUA). Outro exemplo é a expansão das atividades produtivas da área de filmes especializados, que oferece altas margens, em quatro unidades no mundo. Simultaneamente, o objetivo é diversificar o portfólio do Grupo para garantir independência ainda maior de flutuações cíclicas. Hoje a Covestro gera mais de 50% das vendas do Grupo com negócios resilientes.

Foco reforçado em eficiência e eficácia

Por meio de um programa lançado em 2018, a Covestro aumentará seu foco na eficácia e na eficiência no futuro. Até no máximo 2021, estima-se que a economia de custos será da ordem de 350 milhões de euros por ano, com a meta de limitar o aumento dos custos operacionais. Esse objetivo será atingido principalmente com a intensificação de parcerias entre divisões e do uso de soluções digitais. Medidas iniciais serão implementadas nos próximos meses: será montado um departamento centralizado de marketing para consolidar as funções globais de marketing e comunicação dos segmentos.

Transformação digital ganha forma

Desde 2017, a empresa vem consolidando todas as atividades digitais no programa estratégico Digital@Covestro, com o objetivo de avançar na transformação digital do Grupo. Sucessos iniciais já se evidenciaram nos últimos meses, como a expansão de canais de vendas e marketing e o desenvolvimento de novas plataformas on-line de vendas. Desde 2018, uma equipe global de pesquisa e desenvolvimento está trabalhando para o desenvolvimento mais rápido e eficiente de aplicações, com o auxílio de sistemas informatizados de alto desempenho. Novas soluções de software para manutenção e reparo de equipamentos foram desenvolvidas na produção.

Recompra de ações concluída

Em 2018, a Covestro deu continuidade ao programa de recompra de ações iniciado no ano anterior. A companhia adquiriu ações em três etapas, totalizando mais de 9,8% do capital social e quase 1,5 bilhão de euros. Assim, considerando também os dividendos pagos, a Covestro ofereceu aos acionistas um retorno total de cerca de 1,7 bilhão de euros no último ano fiscal. Para a próxima Reunião Geral Anual, a diretoria planeja propor uma nova autorização para adquirir ações em tesouraria no montante de até 10% do capital social.

Crescimento de volume em todos os segmentos

O segmento de poliuretanos registrou desempenho estável nos volumes principais vendidos em 2018 com modesto crescimento de 0,8%. Em comparação com 2017, o EBITDA caiu 19,1% para 1.763 milhões de euros. Apesar da alta nos volumes totais e nos preços médios de venda que elevou os lucros no ano completo, essas elevações não foram capazes de compensar os efeitos negativos da concorrência cada vez mais intensa, especialmente no quarto trimestre de 2018. Além disso, houve efeitos positivos não recorrentes no ano fiscal de 2017, razão pela qual havia expectativa de queda do EBITDA em 2018.

Os volumes principais em policarbonatos subiram 3,0%. O EBITDA cresceu 21,5% para 1.036 milhões de euros. Uma tendência geral de margens positivas e aumento dos volumes totais elevou os lucros, assim como os recursos provenientes da venda do setor de chapas nos EUA. Ao longo do quarto trimestre de 2018, os lucros sofreram o impacto de um ambiente competitivo cada vez mais desafiador.

Os volumes principais no segmento Revestimentos, Adesivos e Especialidades subiram 2,5%. A alta nos preços de matérias-primas e os efeitos negativos do câmbio exerceram pressão sobre o EBITDA, que caiu 4,5% para 464 milhões de euros.

Concorrência intensificada e despesas excepcionais no quarto trimestre

No quarto trimestre de 2018, a Covestro atingiu um crescimento de volume de 1,7%. Ao mesmo tempo, o ambiente de mercado tornou-se significativamente mais desafiador. As vendas totais cederam 7,1%. Além da competição intensificada, efeitos não recorrentes como a alta dos custos de logística causadas pela baixa no nível do rio Reno e despesas relacionadas ao programa de eficiência em curso geraram impacto negativo. Como resultado, o EBITDA caiu 66,7% para 293 milhões de euros. A receita líquida caiu 86,0% para 79 milhões de euros (4º tri de 2017: 566 milhões de euros). Com 363 milhões de euros, o FCO ficou 44,6% abaixo do número do trimestre do ano anterior (655 milhões de euros).

A Covestro é uma das maiores empresas mundiais de polímeros, com atividades comerciais na produção de materiais de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em segmentos como o automotivo, de construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem cerca de 30 unidades produtivas no mundo todo e, no final de 2018, empregava aproximadamente 16,8 mil pessoas (em equivalência à jornada integral).

Fonte: Assessoria de Imprensa – Covestro

Curta nossa página no

Empresa alemã usa sistema de poliuretano da Covestro, parcialmente derivado de CO2, para a produção de pisos esportivos

02/12/2018

  • Première para novos produtos em quadras de Hockey em Krefeld
  • Processo inovador para preservação de recursos
  • Próximo passo no uso de CO2 para plásticos

Pela primeira vez, os pisos sintéticos para esportes podem ser produzidos com dióxido de carbono – o que significa que menos petróleo bruto é necessário como matéria prima. O primeiro contrapiso deste tipo no mundo foi inaugurado no centro de jogos de hockey de um renomado clube de esportes no oeste da Alemanha. O novo material especialmente sustentável é originado do fabricante de materiais Covestro, que desenvolveu um processo revolucionário para utilização de CO2. Segundo a empresa, isto pode economizar até um quinto de petróleo bruto durante a produção – uma contribuição inovadora para preservação de recursos e controle de reciclagem.

O CO2 para contrapisos é retido em um de seus componentes, o poliol. Até esse momento, o novo material à base de CO2, chamado cardyon®, vinha sendo utilizado para produzir espuma macia de poliuretano para colchões e móveis estofados, que já estão sendo comercializados. O desenvolvimento para uso nos esportes é, agora, o próximo passo na expansão da gama de aplicações.

Utilizando CO2 e economizando petróleo

“O uso de dióxido de carbono como uma nova matéria prima é uma abordagem promissora para tornar a produção na indústria de químicos e plásticos mais sustentável”, explicou o Dr. Markus Steilemann, CEO da Covestro. “Desta forma, nós utilizamos CO2 em um processo de loop fechado e economizamos petróleo. Baseados nisto, queremos oferecer uma carteira de produtos abrangente, para o máximo de áreas de aplicação possível – alinhados com nossa visão de deixar o mundo um lugar melhor”.

O primeiro cliente para o novo poliol produzido com CO2 é o produtor de pisos esportivos atuante em todo o globo, Polytan. A empresa de Burgheim, na região da Bavária, que pertence ao Sport Group, utiliza o material para produzir contrapisos elásticos junto com o granulado de borracha. “Nós damos grande importância ao uso de matérias primas sustentáveis e estamos sempre buscando alternativas ecologicamente mais sensíveis aos produtos convencionais. Preferencialmente, até mesmo a qualidade do produto pode ser melhorada. A Covestro garante exatamente isso com o cardyon”, disse o Gerente de Compras do Sport Group, Daniel Klomp.

O primeiro piso à base de CO2 agora está sendo utilizado no Crefelder Hockey and Tennis Club (foto). O tradicional clube mantém uma das principais instalações de quadras de hockey na Alemanha, que serve como um local frequente para jogos e campeonatos internacionais. O contrapiso foi feito em uma quadra de jogos de 99 x 59 metros e serve para amortecer o efeito de um novo piso artificial azul brilhante, também da Polytan. “O esporte não é apenas saudável, ele também pode contribuir para a sustentabilidade. Estamos comprovando isso com a recém-equipada quadra de hockey, que certamente deixará nosso clube ainda mais atraente”, explicou o gerente do clube Robert Haake.

Tecnologia Inovadora

O uso de CO2 como uma matéria prima para plásticos foi possibilitado por uma tecnologia especial, amigável ao meio-ambiente, que a Covestro desenvolveu com seus parceiros. O CO2 é utilizado como um fornecedor do elemento carbono – ao invés das matérias primas baseadas em petróleo. Até 20% das matérias primas de origem fóssil podem, então, ser substituídas pelo dióxido de carbono. A Covestro produz os novos poliois à base de CO2 em sua unidade de Dormagen, próxima à Colônia. O dióxido de carbono vem de uma empresa química vizinha, que o produz como um subproduto.

Sobre a Polytan: A especialista para pisos esportivos em áreas externas está continuamente desenvolvendo suas superfícies esportivas sintéticas e sistemas de gramado artificial. Além de seu próprio desenvolvimento, a fabricação e a instalação de pisos esportivos, a gama de serviços da Polytan também inclui revestimento, reparo, limpeza e manutenção. Todos os produtos atendem aos padrões nacionais e internacionais atuais e possuem todos os certificados relevantes das associações esportivas internacionais, como FIFA, FIH, World Rugby e IAAF.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Covestro

Curta nossa página no </

Covestro Elastomers e Raw Material inauguram novo centro técnico de suporte para elastômeros de poliuretano

04/11/2018

Juntamente com a RAW Material, distribuidora de seus produtos no Brasil, a Covestro Elastomers está inaugurando um Centro Técnico que permitirá aos seus clientes acompanhar demonstrações de produtos, capacitar os operadores com treinamentos exclusivos e realizar testes pilotos simulando o ambiente de produção.

Unindo a sua ampla experiência em equipamentos de processamento e na química dos poliuretanos, a Covestro Elastomers busca compartilhar o seu conhecimento no segmento de Poliuretano derramado. Atuando no Brasil há mais de 25 anos, a RAW Material representa e distribui produtos de indústrias químicas globais a vários mercados industriais. A RAW é a distribuidora exclusiva dos produtos da Covestro Elastomers no Brasil desde 2015, promovendo sistemas, máquinas e serviços pós-vendas.

“Equipamos o Centro Técnico com todas as ferramentas necessárias para processar peças em poliuretano derramado, desde os equipamentos necessários para fundição manual, à última geração das máquinas Baulé® Alpha” esclarece Nilson Sako, Diretor Presidente da RAW Material.

“Os três técnicos que trabalham no Centro Técnico foram treinados por nossos especialistas na sede da Covestro Elastomers na França, completa Jean-Paul Rodrigues, Gerente Regional de Vendas da Covestro. Os treinamentos os capacitaram para lidar com todos os desafios enfrentados pelos clientes em sua produção e os habilitam a fornecer aos operadores a assistência necessária para aumentar suas competências de moldagem.”

Através dessa iniciativa, a Covestro Elastomers e a RAW Material fornecem a seus clientes uma solução local para melhorar sua produção com os treinamentos e serviços oferecidos: testes em escala industrial, otimização de processos e prototipagem.

Ao longo da feira FEIPUR, os visitantes poderão visitar o Centro Técnico. Um transporte será oferecido durante todo o dia para os clientes, levando-os desde a feira até as instalações da RAW Material (a 45 minutos do Expo Center Norte), onde está localizado o Centro Técnico.

Com vendas de € 14,1 bilhões em 2017, a Covestro é uma das maiores empresas de polímeros do mundo. As atividades comerciais se concentram na manufatura de materiais poliméricos de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos empregados em inúmeras áreas do cotidiano. Os principais segmentos atendidos são o setor automotivo, a construção civil, indústrias de processamento de madeira e móveis, e eletroeletrônicos. Outros setores atendidos são o esporte, lazer, o setor de cosméticos e saúde, além da própria indústria química. A Covestro conta com 30 unidades de produção no mundo e emprega aproximadamente 16.200 pessoas (calculadas como equivalentes de período integral) ao fim de 2017.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Covestro

Curta nossa página no

Covestro tem resultados positivos no 3o.Trimestre em um ambiente de mercado cada vez mais desafiador

01/11/2018

  • Vendas totais sobem 4,8% para 3,7 bi €
  • Volumes principais se mantêm estáveis
  • EBITDA de 859 mi € no nível do ano anterior
  • Receita líquida total de 496 mi €, com alta de 1,0% sobre o ano anterior
  • Fluxo de caixa operacional livre cai 12,2% para 578 mi € devido à elevação dos investimentos
  • Meta de economia de custos de 350 mi € por ano

A Covestro mantém seu desempenho comercial positivo em 2018 com um sólido terceiro trimestre em um ambiente de mercado cada vez mais difícil. As vendas totais subiram 4,8% para 3,7 bilhões de euros em relação ao mesmo trimestre de 2017, devido à elevação dos preços de venda e dos volumes vendidos. Os volumes principais tiveram alta marginal de 0,2%, mantendo-se no nível do ano anterior apesar da disponibilidade limitada de produtos. Com 859 milhões de euros, o EBITDA do grupo também foi equivalente ao do período do ano anterior. No segmento de poliuretanos, a normalização esperada dos preços de TDI levou a um declínio nas margens, fenômeno compensado pelas margens mais altas no segmento de policarbonatos. A receita líquida sofreu leve alta de 1,0% para 496 milhões de euros. O fluxo de caixa operacional livre (FOCF) caiu 12,2% para 578 milhões de euros devido à elevação dos investimentos.

Dr. Markus Steilemann, CEO da Covestro, afirma: “Continuamos no caminho certo. Os investimentos que decidimos fazer nos apontam nossa direção futura e firmam as bases para crescimento orgânico daqui para a frente. Expandiremos nossas capacidades em todos os segmentos e, assim, fortaleceremos nossa posição de liderança em áreas atraentes que crescem mais rápido que a economia global. Nosso programa de eficiência também melhorará as estruturas de custos no médio prazo.”

Com investimentos totais de cerca de 1,5 bilhão de euros, a Covestro anunciou recentemente a expansão das suas capacidades de MDI em Baytown, Texas (EUA). Lá espera-se que uma nova fábrica de escala mundial comece a produzir aproximadamente 500 quilotoneladas de MDI por ano até 2024. Ao mesmo tempo, há projetos de investimento em curso em Brunsbüttel (Alemanha), Tarragona (Espanha), Antuérpia (Bélgica) e Caojing (China) para elevar as capacidades de produção de MDI e seus precursores da Covestro, a fim de se beneficiar com o crescimento do mercado global. A projeção é de que o mercado de MDI cresça cerca de 5% por ano no longo prazo, superando o PIB global em cerca de 2%.

A Covestro também tem o compromisso de desenvolver produtos inovadores movidos principalmente pela sustentabilidade: desde meados do segundo semestre de 2018, a companhia comercializa o primeiro de uma nova série de poliuretanos termoplásticos fabricados com o auxílio de matérias-primas baseadas em CO2. Comparados aos materiais convencionais, esses novos poliuretanos têm menor impacto ambiental e, por isso, contribuem para suprir a demanda por soluções mais sustentáveis.

Confirmadas previsões para o ano completo

Dr. Thomas Toepfer, CFO da Covestro, declara: “O terceiro trimestre atingiu nossas expectativas. Presenciamos condições comerciais globais cada vez mais desafiadoras e também passamos por limitações na disponibilidade de produtos na Europa e na Ásia no último trimestre. Ainda assim, conseguimos manter os volumes estáveis. Nesse contexto, hoje confirmamos nossas previsões para 2018 como um todo.”

A Covestro antecipa ainda um crescimento de até 5% do volume principal para o ano completo de 2018. A expectativa é de fluxo de caixa operacional acima de 2 bilhões de euros. A empresa espera que o ROCE se mantenha próximo do nível de 2017, enquanto conserva a projeção de EBITDA acima de 2017.

No último trimestre, a Covestro continuou seu programa de recompra de ações, lançando a terceira etapa em agosto. Desde o início do programa, foram recompradas ações no total de cerca de 1,2 bilhão de euros, ou quase 8% do capital social. No geral, até meados de 2019, a Covestro pretende recomprar ações próprias no total de até 1,5 bilhão de euros ou 10% do seu capital social.

Meta de economia de custos de 350 mi € por ano

Simultaneamente, a Covestro está fazendo ótimo progresso com outra iniciativa estratégica: a intensificação da colaboração entre as divisões da empresa e o aumento do uso de soluções digitais devem aumentar a eficácia e a eficiência. A partir de 2021, no mais tardar, estima-se que a economia de custos seja da ordem de 350 milhões de euros por ano, com a meta de limitar o aumento geral dos custos operacionais. O objetivo principal das medidas identificadas é reduzir permanentemente os custos não salariais, apesar da futura redução de aproximadamente 900 postos de jornada integral no mundo todo,  em áreas administrativas, por exemplo. As demissões serão feitas empregando soluções socialmente aceitáveis que já foram acordadas com o conselho de trabalhadores na Alemanha.

Forte crescimento em policarbonatos e Coatings, Adhesives, Specialties

No segmento de poliuretanos, as vendas tiveram queda marginal de 1,2% no terceiro trimestre de 2018 para 1.849 milhões de euros. O declínio nas vendas nas regiões EMLA e APAC foi equilibrado por um aumento na região NAFTA. Alterações nos preços, efeitos de câmbio e interrupções não planejadas na produção causaram impacto negativo. Os volumes principais no segmento de poliuretanos caíram 2,0%, e o EBITDA no segmento caiu 21,5% para 432 milhões de euros. O fenômeno pode ser atribuído principalmente à normalização da situação de fornecimento de TDI e ao aumento dos preços de compra de matérias-primas específicas do segmento.

O segmento de policarbonatos continuou registrando forte crescimento no terceiro trimestre, com alta de 11,3% nas vendas para 1.038 milhões de euros. O crescimento dos volumes principais (de 2,6%) e a elevação dos preços de venda influenciaram positivamente as vendas. As vendas nas regiões EMLA (Europa, Oriente Médio e África) e APAC (Ásia e Pacífico) cresceram substancialmente, compensando a baixa na região NAFTA (América do Norte). O EBITDA do segmento de policarbonatos beneficiou-se com a alta das margens e preços, crescendo 49,3% para 315 milhões de euros. Esse resultado também inclui a receita não recorrente de 36 milhões de euros com a venda do setor de chapas nos EUA.

No segmento de Coatings, Adhesives, Specialties, as vendas subiram 8,8% para 606 milhões de euros. Todas as regiões contribuíram para o crescimento nas vendas. No terceiro trimestre, os volumes principais do segmento também tiveram alta acentuada de 7,2%. O EBITDA atingiu 126 milhões de euros, mantendo-se em nível similar ao do ano anterior.

Desempenho comercial de sucesso nos primeiros nove meses de 2018

Nos primeiros nove meses, a Covestro já firmou bases gerais sólidas para o ano como um todo. Cumulativamente, os volumes principais subiram 1,5% em relação aos números do ano anterior. As vendas saltaram 6,9% para 11,3 bilhões de euros e o EBITDA cresceu 13,7% para 2,9 bilhões de euros. A empresa ainda elevou seu fluxo de caixa operacional livre em 9,9% para 1,3 bilhão de euros.

Com 14,1 bilhões de euros em vendas em 2017, a Covestro é uma das maiores empresas mundiais de polímeros. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de materiais de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, de construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem cerca de 30 unidades produtivas no mundo todo e, no final de 2017, empregava aproximadamente 16,2 mil pessoas (em equivalência à jornada integral).

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Covestro investirá 1,5 bilhão de euros em nova fábrica de MDI de escala mundial no Texas (EUA)

19/10/2018

  • Expansão da capacidade global
  • Mercado de MDI altamente atrativo com perspectivas de crescimento em longo prazo
  • Nova fábrica de MDI com capacidade de 500 ktons para atender à demanda e acompanhar o crescimento da indústria
  • Capacidade de MDI da região do NAFTA irá atingir 740 ktons por ano até o final de 2024
  • Ampliação da posição de liderança regional e global em MDI da Covestro

A Covestro acelera suas atividades de investimento para capitalizar o forte crescimento do mercado de MDI. O Conselho de Supervisão da Covestro aprovou em 11 de outubro um investimento de cerca de 1,5 bilhão de euros para construir uma nova fábrica de MDI de escala mundial em Baytown, EUA. Esse investimento na fábrica existente em Baytown é o maior investimento único da história da empresa. A capacidade total do novo sistema será de 500 ktons de MDI por ano e a produção está prevista para começar em 2024. Paralelamente, uma unidade de MDI mais antiga e menos eficiente, com capacidade de produção de 90 quilotoneladas, será fechada. Assim, a capacidade total de MDI da Covestro na região do NAFTA atingirá cerca de 740 quilotoneladas por ano, tornando a Covestro líder em capacidade da indústria na região até 2024. Com isso, a Covestro também enfatizará firmemente sua posição global de liderança em capacidade da indústria.

“A demanda por materiais inovadores de MDI continuará crescendo no futuro previsível e, da mesma forma, promete taxas atrativas de utilização de capacidade. Já anunciamos um aumento significativo nos gastos de capital e agora é hora de colocá-lo em ação”, disse o CEO Dr. Markus Steilemann. “Com o novo sistema de MDI em Baytown, fortaleceremos ainda mais nossa posição de liderança global em Poliuretanos, atenderemos ainda melhor nossos clientes e criaremos valor em longo prazo para os acionistas”.

Mercado de MDI com perspectivas atraentes

Estima-se que o mercado global de MDI cresça cerca de 5% ao ano em longo prazo, superando o Produto Interno Bruto (PIB) mundial em cerca de 2 pontos percentuais. Os principais fatores determinantes do mercado de MDI incluem a substituição de materiais de menor desempenho e menos sustentáveis, bem como megatendências globais, como a crescente demanda por soluções de isolamento com eficiência energética. O MDI é um precursor da espuma rígida, que é um excelente material de isolamento e é usado, por exemplo, em edifícios e refrigeradores. O crescimento esperado da demanda global por MDI se traduz na necessidade de aproximadamente uma fábrica adicional de escala mundial por ano.

Embora a Covestro já esteja dobrando sua capacidade de produção de MDI em Brunsbuettel (Alemanha) de 200 para 400 ktons por ano no segundo semestre de 2019, o forte crescimento da demanda cria novas oportunidades de mercado significativas. Portanto, os investimentos – que fazem parte do investimento já anunciado de até 1,2 bilhão de euros por ano nos próximos três anos – ajudarão a Covestro a manter e fortalecer sua posição de liderança e apoiar um crescimento mais lucrativo.

Complementando o anúncio divulgado pela Covestro globalmente, Fernando d’Andrea, Head para Negócios de Poliuretanos para a América Latina e CEO da Covestro Polímeros, confirma que os investimentos têm impacto bastante positivo na região – que se beneficiará desta nova capacidade instalada – e permitirão que a empresa ainda forneça quantidades adicionais para clientes globais e regionais que utilizam esta matéria-prima. “O mercado de MDI tem demanda crescente, algo que também ocorre em nossa região”, conclui o executivo.

Abordagem de CAPEX (investimentos de capital) com boa relação custo-benefício com retorno superior sobre o investimento

O CFO da Covestro, Dr. Thomas Toepfer, explicou: “Mesmo com todos os anúncios de aumento de capacidade considerados, a oferta projetada do setor não é suficiente para equilibrar totalmente o crescimento esperado da demanda. Estamos, portanto, confiantes de que alcançaremos altas taxas de utilização de nossas novas capacidades logo após a implementação, tornando o investimento altamente eficiente. Com base na infraestrutura e nos processos existentes, será um excelente exemplo de nossa abordagem de criação de valor.”

Com seu programa global de investimentos em MDI, a Covestro segue uma abordagem de CAPEX com boa relação custo-benefício, alavancando a infraestrutura existente e as redes de fornecimento para alcançar investimentos específicos mais baixos e ROCE (Retorno sobre o Capital Investido) mais alto. O programa também inclui a continuação e a expansão das unidades de Tarragona (Espanha) e Caojing (China) da Covestro, bem como investimentos na unidade de produção da empresa em Antuérpia (Bélgica).

Baytown com condições ideais

A decisão de construir a nova fábrica de escala mundial em Baytown foi tomada após uma análise minuciosa das diferentes opções. Além da atratividade do mercado interno, as principais vantagens de Baytown são os custos, além de benefícios significativos em termos de infraestrutura e logística disponíveis. A posição de custo superior é impulsionada principalmente por economias de escala e um alto grau de integração vertical. Além disso, os baixos custos de energia e transporte devido à alta demanda interna na América do Norte se somam ao caso de Baytown. Com a nova fábrica, as futuras capacidades de MDI da Covestro na América do Norte de 740 ktons por ano até 2024 também alcançarão as futuras capacidades da empresa na Europa, Oriente Médio e África (820 quilotoneladas por ano até 2022) e na Ásia-Pacífico (670 quilotoneladas por ano até 2021).

Com vendas de 14,1 bilhões de euros em 2017, a Covestro está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. As atividades comerciais estão focadas na fabricação de materiais poliméricos e no desenvolvimento de soluções para produtos utilizados ​​em diversas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são os setores automotivo, de construção civil, de processamento e móveis de madeira e os setores elétrico e eletrônico. Outros setores incluem esporte e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem 30 unidades de produção em todo o mundo e emprega aproximadamente 16.200 pessoas (calculadas como equivalentes em tempo integral) no final de 2017.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Covestro eleva previsões financeiras após um segundo trimestre de resultados positivos

02/08/2018

 

  • Vendas totais sobem 10,4% para 3,9 bi €
  • Volumes principais crescem 4,4%
  • EBITDA aumenta 16,2% para 985 mi €
  • Receita líquida sobe 24,8% para 604 mi €
  • Fluxo de caixa operacional livre cresce 14,1% para 364 mi €
  • Elevação das projeções para EBITDA, FOCF e ROCE
  • Planos de aumentar investimentos para continuar crescendo

A Covestro manteve, no segundo trimestre de 2018, o ótimo desempenho que tem tido ao longo do ano. As vendas totais foram de 3,9 bilhões de euros, um aumento de 10,4% em comparação com o trimestre do ano anterior, graças à alta na demanda e nos preços de venda. Os volumes principais aumentaram 4,4%, com contribuição de todos os três segmentos da empresa, que apresentaram taxas de crescimento positivas. O EBITDA cresceu 16,2% para 985 milhões de euros. Atingindo 604 milhões de euros, a receita líquida subiu 24,8% em relação ao período do ano anterior. O fluxo de caixa operacional livre (FOCF) teve elevação de 14,1% para 364 milhões de euros.

“Há demanda sustentada por nossos produtos no mundo todo, provando que nossa estratégia continuará rendendo frutos, já que nossos produtos atendem a importantes tendências globais”, afirma o CEO Dr. Markus Steilemann. “Melhoramos todos os nossos principais números no segundo trimestre. Graças a esse forte desempenho, estamos elevando nossas previsões para o ano todo.” Isso vale para o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA), para o fluxo de caixa operacional livre (FOCF) e o retorno sobre o capital empregado (ROCE).

“Para manter o crescimento no longo prazo, também seguiremos elevando os investimentos”, explica Steilemann. O programa de investimentos inclui a expansão da produção em todos os três segmentos, em diversas localidades e em todas as regiões. Por exemplo, foi anunciada uma expansão significativa da produção global de filmes, com investimentos da ordem de 100 milhões de euros para atender à demanda em alta acentuada. Na unidade de Tarragona (Espanha), estão sendo investidos cerca de 200 milhões de euros para montar uma produção própria de cloro e expandir as instalações atuais para fabricação do precursor de espuma rígida MDI. Além disso, estão sendo expandidas as capacidades de MDI em Brunsbüttel (Alemanha) e a produção de policarbonatos em Caojing (China).

Previsões de crescimento sustentado confirmadas

“Vemos crescimento sólido nas nossas principais indústrias consumidoras e estamos elevando os investimentos para 650 a 700 milhões de euros este ano”, afirma o CFO Dr. Thomas Toepfer. Nos próximos três anos, continuaremos aumentando essas despesas de capital anuais (CAPEX) para até 1,2 bilhão de euros. Isso viabilizará uma expansão focada das capacidades produtivas, além da construção de novas unidades.

Atualmente há sinais de que os preços de mercado estão se normalizando em algumas áreas de produtos, especialmente para o precursor de espuma flexível TDI. “Por isso, nossa meta é reduzir ainda mais a ciclicidade do nosso portfólio de produtos e continuar nos desenvolvendo com sucesso”, acrescenta Toepfer. Esse objetivo poderá ser cumprido principalmente com aplicações adicionais altamente diferenciadas, para os setores automotivo, eletrônico e de saúde, por exemplo.

Com a expectativa de alta demanda sustentada a médio prazo nas principais indústrias consumidoras, a projeção é de elevação do volume principal de cerca de 4% ao ano. Por essa razão, a empresa planeja continuar crescendo mais rápido que o produto interno bruto global (GDP Global). Ao mesmo tempo, a Covestro está monitorando as atuais incertezas geopolíticas.

O programa de recompra de ações da Covestro fez novos progressos, com a segunda etapa lançada no segundo trimestre. Até o momento, foram recompradas ações no valor total de mais de 800 milhões de euros (cerca de 5% do capital social).

No geral, até meados de 2019, a Covestro pretende recomprar ações próprias no total de até 1,5 bilhão de euros ou 10% do seu capital social. Os lucros por ação subiram 28,5% para 3,07 euros, em parte devido ao atual programa de recompra de ações.

Elevação das projeções para EBITDA, FOCF e ROCE

Em vista dos fortes resultados do primeiro semestre, a Covestro está elevando suas previsões para EBITDA, FOCF e ROCE em 2018. A nova expectativa da empresa é que o EBITDA do ano fiscal supere o nível do ano anterior e que o FOCF ultrapasse 2 bilhões de euros. Agora espera-se que o ROCE se mantenha próximo ao de 2017. A Covestro antecipa ainda um crescimento de até 5% do volume principal em 2018. Como sempre, essa previsão baseia-se em uma conjuntura normal de produto interno bruto. Para o terceiro trimestre de 2018, a expectativa é de EBITDA próximo ao nível do ano anterior.

Segundo trimestre de 2018: crescimento em todos os três segmentos

As vendas no segmento de poliuretanos subiram 8,1% para 1.966 milhões de euros no segundo trimestre deste ano. As vendas tiveram evolução positiva em todas as regiões e os volumes principais cresceram 3,9% no segmento, principalmente devido à elevação no grupo de produtos MDI. O EBITDA do segmento subiu 6,2% para 583 milhões de euros.

O segmento de policarbonatos registrou crescimento especialmente forte nas vendas no segundo trimestre, de 15,9% para 1.056 milhão de euros – uma tendência positiva ocasionada principalmente pela alta nos preços de venda. Os volumes principais subiram 5,3%. A região Ásia-Pacífico contribuiu especialmente para a alta. O EBITDA de policarbonatos cresceu 44,7% para 285 milhões de euros.

O segmento de Coatings, Adhesives and Specialties também registrou evolução significativa em relação ao trimestre do ano anterior, com vendas em alta de 4,1% para 629 milhões de euros. Os volumes principais de Coatings, Adhesives and Specialties cresceram 5,8%, a maior taxa de crescimento dos três segmentos. O EBITDA subiu 14,9% para 139 milhões de euros.

Desempenho positivo mantido no primeiro semestre de 2018

No geral, a Covestro teve desempenho muito forte nos primeiros seis meses de 2018. As vendas totais subiram 7,9% ao ano para 7,6 bilhões de euros, impulsionadas principalmente pela alta nos preços de venda em todos os três segmentos. No grupo como um todo, os volumes principais aumentaram 2,2% ao ano nos primeiros seis meses. O EBITDA cresceu 20,9% para cerca de 2 bilhões de euros, motivado principalmente pela elevação dos lucros nos segmentos de poliuretanos e policarbonatos. A receita líquida foi de 1,2 bilhão de euros, com alta de 31,1%. O FOCF cresceu 37,4% para 728 milhões de euros.

Com 14,1 bilhões de euros em vendas em 2017, a Covestro é um dos maiores produtores mundiais de polímeros. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de materiais de polímeros de alta tecnologia, atendendo aos segmentos automotivo, de construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem cerca de 30 unidades produtivas no mundo todo e, no final de 2017, empregava aproximadamente 16,2 mil pessoas (em equivalência à jornada integral).

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Covestro inaugura sua nova sede para a América Latina

17/04/2018

A fabricante de materiais Covestro está de casa nova. Inaugurado no último dia 16 de abril, o novo prédio está localizado no bairro do Socorro, em São Paulo, e abriga a sede administrativa da empresa no Brasil – servindo de hub para América Latina –, além de dois laboratórios técnicos e de aplicação de produtos das áreas de Poliuretanos e Revestimentos, Adesivos e Especialidades.

A inauguração reforça o compromisso da empresa com o mercado brasileiro e também da América Latina nas indústrias-chave em que a Covestro atua, como a automotiva, construção, móveis e colchões.

“A nova sede da Covestro reflete os valores da companhia não só em sua estética, mas também no uso proposto para os espaços”, destaca Fernando d´Andrea, CEO Covestro Latam. “Com este novo espaço estamos mais que preparados para manter o padrão de excelência no atendimento e na oferta de produtos oferecidos a nossos clientes”.

O prédio é também um importante showroom das soluções desenvolvidas com os principais parceiros da empresa na região – no espaço foram utilizadas diversas tecnologias feitas a partir de materiais da Covestro. Por exemplo, 100% dos interruptores e tomadas instalados no prédio utilizam Makrolon®, policarbonato fabricado pela Covestro, e as pinturas de áreas horizontais de alto tráfego foram feitas com poliuretanos de base água da Covestro.

Com 14,1 bilhões de euros em vendas em 2017, a Covestro é um dos maiores produtores de polímeros do mundo. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para diversos segmentos tais como o automotivo, construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem cerca de 30 unidades produtivas no mundo todo e, no final de 2017, empregava aproximadamente 16,2 mil pessoas.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Covestro vende negócio de chapas de policarbonato na América do Norte para Plaskolite

24/03/2018

  • Outras unidades de negócio regionais da Covestro sob revisão para otimização do portfólio
  • Clientes norte-americanos poderão recorrer a uma única fonte para um portfólio abrangente de produtos de chapas plásticas transparentes

A Covestro, fabricante líder global de materiais, continua o processo de otimização do seu portfólio. Como parte dessa estratégia, a empresa pretende vender seu negócio global de chapas de policarbonato (PCS). As chapas de policarbonato tem alta durabilidade e são moldáveis livremente, sendo usadas em transporte público, sistemas de cobertura ou aplicações de sinalização.

Como primeiro passo, a unidade norte-americana de chapas de PCS da Covestro,  que gerou vendas de cerca de US $ 170 milhões em 2017, foi vendida para a Plaskolite LLC, maior fabricante de chapas de acrílico da América do Norte. O acordo será conduzido como um acordo de ativos, o que significa que, assim como a transferência de propriedade intelectual e ativos fixos dedicados, os funcionários da Covestro serão incorporados à Plaskolite. Como parte da transação, a Plaskolite está adquirindo a sede do negócio de chapas, plantas de produção e instalações de armazenamento da Covestro localizada em Sheffield, Massachussets (EUA) e manterá a instalação terceirizada de depósito para distribuição existente em Hebron, Ohio. As operações continuarão na instalação fabril atual. Com esta aquisição, a Plaskolite empregará 950 pessoas. As empresas concordaram com um preço de venda de várias dezenas de milhões de dólares. A conclusão do fechamento do negócio está prevista para 01 de agosto de 2018.

“Nós avaliamos e otimizamos continuamente nosso portfólio para garantir crescimento futuro e criação de valor. Durante esse processo, ficou claro que o nosso negócio de chapas não se encaixaria estrategicamente, no longo prazo, no nosso negócio de policarbonatos ”, disse o CEO da Covestro, Patrick Thomas. “Por isso, decidimos que a unidade de chapas pode se desenvolver e crescer melhor sob um novo proprietário e estamos felizes por ter encontrado na Plaskolite um excelente comprador para nossas operações nos EUA.”

Em relação às suas unidades de chapas de policarbonato na Europa, a Covestro abrirá em breve um processo de venda em separado e, no devido tempo, anunciará detalhes sobre suas unidades remanescentes na região Ásia-Pacífico.

A aquisição transformará a indústria de chapas plásticas norte-americana, através da combinação do líder em fabricação em acrílico com o líder na fabricação em policarbonato.

“Esta aquisição é transformadora para a Plaskolite e fortalece nossa posição de liderança no setor”, disse Mitchell Grindley, Presidente e CEO da Plaskolite. “Isso amplia nossa oferta e fortalece ainda mais nossas parcerias. A Plaskolite será o único fabricante a oferecer um portfólio completo de produtos de chapas transparentes, incluindo acrílico, policarbonato, PETG e ABS, o que é benéfíco para os nossos clientes, que agora podem usar uma única fonte para todas as suas necessidades de chapas. ”

Este será o segundo negócio que a Plaskolite adquire da Covestro. Em 2012, a Plaskolite comprou a linha norte-americana Vivak® de chapas de PETG da empresa.

O comunicado de hoje sucede o anúncio feito pela Plaskolite em 12 de fevereiro passado sobre a aquisição do Negócio de Chapas Acrílicas Fundidas Contínuas da Lucite International, Inc., que ampliou sua oferta de chapas de acrílico e viabilizou a entrada no negócio de chapas de spa e banho.

Fundada em 1950 em Columbus, Ohio, por Donald G. Dunn e sua família, a Plaskolite, LLC é a maior fabricante norte-americana de chapas termoplásticas transparentes. Os produtos personalizados da Plaskolite são utilizados em uma ampla variedade de aplicações, incluindo janelas, portas, iluminação, placas, displays de ponto de venda e produtos de banho. A Plaskolite atende a uma base diversificada de clientes, incluindo distribuidores, OEMs e varejistas. Em 2015, o Charlesbank Capital Partners tornou-se o primeiro investidor externo de equity capital na Plaskolite.

Com vendas de 14,1 bilhões de euros em 2017, a Covestro está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. As atividades de negócio estão focalizadas na fabricação de materiais poliméricos de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras. Os principais segmentos atendidos são os setores automotivo, de construção civil, processamento e móveis de madeira e os setores elétrico e eletrônico. Outros setores incluem esporte e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro possui 30 unidades de produção em todo o mundo e emprega aproximadamente 16.200 pessoas. A sede corporativa da empresa fica em Leverkusen, na Alemanha.

Fontes: Covestro e Plaskolite

Curta nossa página no

Covestro mantém trajetória de crescimento rentável com ano recorde

20/02/2018

  • Vendas totais sobem 18,8% para 14,1 bilhões de euros
  • EBITDA cresce 70,6% para 3,4 bilhões de euros
  • Receita líquida mais que dobra para 2 bilhões de euros
  • Fluxo de caixa operacional livre recorde – 5 bilhões de euros até 2019
  • Dividendos propostos: 2,20 euros por ação
  • Previsão positiva para 2018

A fabricante de materiais Covestro teve um ano fiscal excepcional em 2017. Impulsionada pela alta demanda de plásticos de alto desempenho e por margens significativamente mais altas, a Covestro elevou as vendas totais em 18,8% para 14,1 bilhões de euros durante o último ano fiscal. A alta veio acompanhada de uma elevação no EBITDA do Grupo no ano todo de 70,6% para 3,4 bilhões de euros em relação ao mesmo período do ano anterior. A receita líquida mais que dobrou, de 795 milhões para 2 bilhões de euros. Como fruto desses excelentes resultados, a Covestro pretende pagar dividendos aos seus acionistas no valor de 2,20 de euros por ação (contra 1,35 de euros no ano anterior).

“Alcançamos resultados impressionantes em 2017, superando significativamente nossas metas gerais”, afirma o CEO Patrick Thomas. “Em comparação com nosso primeiro ano como empresa independente, melhoramos visivelmente mais uma vez e demonstramos que nosso sucesso é sustentável. Há uma razão simples para isso: conseguimos desvendar ainda mais o potencial da Covestro. Agora estamos em posição fortalecida para acelerar ainda mais a geração de valor.”

No ano fiscal de 2017, a Covestro obteve resultados muito fortes: os volumes totais do Grupo subiram 3,4% sobre o período do ano anterior, em meio à utilização contínua de alta capacidade. O fluxo de caixa operacional livre (FOCF) da Covestro atingiu novo recorde ao subir para 1,8 bilhão de euros, o equivalente a 34,8% de alta em comparação a 2016. O retorno sobre o capital empregado (ROCE) foi de 33,4%, muito mais alto, portanto, que no ano anterior (14,2%).

Com a forte evolução, a Covestro espera atingir um fluxo de caixa operacional livre acumulado de 5 bilhões de euros dentro de três anos. A estimativa anunciada em 2017 era de cinco anos. Devido à alta entrada de caixa, o Conselho de Administração da Covestro decidiu, em outubro de 2017, recomprar ações próprias no valor de até 1,5 bilhão de euros ou até 10% do capital social. A recompra de ações começou em novembro de 2017, conforme planejado. Além disso, a dívida financeira líquida caiu 1,216 milhões de euros para 283 milhões em 2017 (ano anterior: 1,499 milhões de euros).

Sustentabilidade como motor de crescimento

Para 2018, a Covestro tem expectativa de crescimento sólido nas principais indústrias consumidoras, incluindo a indústria automotiva, de móveis e de construção e ainda a elétrica e eletrônica. Nessas indústrias, a Covestro considera, em especial, a tendência social de maior sustentabilidade como motor de crescimento. “Em cada vez mais indústrias, cresce progressivamente a procura dos clientes por soluções sustentáveis – e é exatamente isso que oferecemos. Estamos extremamente bem posicionados para aproveitar o potencial de crescimento excepcional nesses segmentos, com foco no futuro”, destaca Patrick Thomas. Ele ainda menciona áreas de crescimento como e-mobility, construção eficiente em energia e lâmpadas LED de baixo consumo energético.

Nos próximos anos, a Covestro pretende aumentar significativamente seus investimentos para continuar aproveitando as vantagens deste crescimento esperado nas principais indústrias consumidoras. Esses investimentos incluem todos os segmentos e regiões e devem superar o nível de depreciação. Além disso, a Covestro continua preparada para aproveitar oportunidades de aquisições que fortaleçam seu portfólio e gerem valor.

Digitalização e sustentabilidade como elementos-chaves da estratégia

A Covestro sempre teve a sustentabilidade como elemento essencial da sua estratégia. Reforçando esse compromisso, a Covestro incorporou os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas (ONU) à sua estratégia. “A sustentabilidade é e continuará sendo um elemento-chave para a inovação”, explica o Dr. Markus Steilemann, Chief Commercial Officer e futuro CEO da Covestro. “Até 2025, pretendemos destinar 80% dos nossos investimentos em pesquisa e desenvolvimento a áreas que contribuam para os ODS.”

Steilemann vê a digitalização como outro motor da inovação: “Com nosso amplo programa, estamos aproveitando as oportunidades que a digitalização oferece, transformando-a em um foco central da nossa empresa. Como parte disso, estabeleceremos novos padrões de colaboração com nossos clientes.” Um exemplo disso é uma plataforma comercial digital que será lançada em breve e simplificará o acesso a produtos básicos, conectando os clientes com a Covestro e outros fornecedores. Até o final de 2019, a expectativa é que novos modelos de negócios digitais, como a plataforma comercial digital, gerem vendas acumuladas de até um bilhão de euros.

Tendência positiva deve se manter em 2018

Com base no crescimento estável previsto nas principais indústrias consumidoras e nos prognósticos econômicos atuais, a expectativa da Covestro é que sua evolução positiva se mantenha ao longo de 2018. A companhia prevê um crescimento de até meio dígito no volume total. A Covestro antecipa um fluxo de caixa operacional livre significativamente acima da média dos últimos três anos. Em 2018, a previsão é que o retorno sobre o capital empregado (ROCE) fique próximo do nível do ano anterior. Estima-se que o EBITDA se mantenha em patamar semelhante ao de 2017. Para o 1º trimestre de 2018, a Covestro prevê um EBITDA significativamente acima do nível do 1º trimestre de 2017.

Poliuretanos e Policarbonatos elevam rentabilidade

No segmento de Poliuretanos, a Covestro registrou volumes principais acima do ano anterior em todas as três regiões, com alta geral de 3,4%. Enquanto isso, o EBITDA cresceu 151,1% para 2,212 milhões de euros. Esse crescimento deveu-se, principalmente, às melhorias significativas nas margens nos grupos de produtos MDI e TDI. Além disso, o aumento no volume de vendas e os proventos da venda de uma casa de sistemas na América do Norte (39 mi €) e de um ressarcimento de seguro (35 mi €) também exerceram influência positiva. A decisão de continuar a produção em Tarragona, na Espanha, ainda ocasionou uma reversão de provisões (72 mi €).

Os volumes principais no segmento de Policarbonatos subiram 5%, também com contribuição das três regiões. O EBITDA do segmento cresceu 21,2% para 853 milhões de euros. A alta nos volumes principais e nos preços de venda teve efeito positivo sobre o lucro, enquanto as vendas foram impulsionadas principalmente pela demanda crescente nas indústrias automotiva, elétrica e eletrônica.

Em 2017 como um todo, os volumes principais no segmento Coatings, Adesivos e Especialidades praticamente não sofreram alterações (-0,3%), em meio a um ambiente competitivo desafiador. O EBITDA caiu 9,4% em relação ao número do ano anterior, para 453 milhões de euros. Em média, a elevação dos preços de venda não conseguiu compensar totalmente o aumento de custo das mercadorias vendidas.

Enquanto isso, foi iniciada a expansão da produção de dispersões de poliuretano em Dormagen (Alemanha) e Barcelona (Espanha) para atender à crescente demanda da indústria de revestimentos e adesivos. A Covestro também iniciou as operações de uma nova unidade de produção em Dormagen para filmes multicamadas de alta qualidade usados em cartões de segurança ou interiores automotivos.

4º trimestre de 2017 com novos resultados recordes

O 4º trimestre de 2017 foi o mais bem-sucedido na história da Covestro, que manteve o desempenho excepcional atingido ao longo do ano fiscal. As vendas totais do Grupo subiram 16,7% para 3,5 bilhões de euros no trimestre final, em comparação com o 4º trimestre de 2016, impulsionadas pela elevação nos preços e nos volumes de vendas. O EBITDA teve alta ainda mais acentuada de 390 milhões para 879 milhões de euros, atingindo mais do que o dobro do ano anterior. Com 566 milhões de euros, a receita líquida foi multiplicada várias vezes em relação ao 4º trimestre de 2016 (124 mi €). O fluxo de caixa operacional livre subiu 45,9% para 890 milhões de euros.

Com 14,1 bilhões de euros em vendas em 2017, a Covestro é um dos maiores produtores de polímeros do mundo. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem cerca de 30 unidades produtivas no mundo todo e, no final de 2017, empregava aproximadamente 16,2 mil pessoas.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Covestro comemora 80 anos de invenção do Poliuretano

30/11/2017

  • Uma versátil classe de plásticos celebra seu aniversário
  • Covestro conduz a história de sucesso
  • Projetos inovadores e sustentáveis que fazem do mundo um lugar melhor

Os poliuretanos mudaram o mundo. Devemos agradecê-los pelos refrigeradores com eficiência energética, móveis estofados confortáveis, assentos de carro seguros, revestimentos protetores e compósitos leves. Há 80 anos, o Dr. Otto Bayer (foto) descobriu a química do poliuretano praticamente por acidente. Sua perseverança e criatividade lançaram o sucesso arrebatador de um dos plásticos mais versáteis do mundo – e a história de sucesso está longe de acabar (vídeo da empresa (em inglês) no Youtube em https://youtu.be/Brwl9ASvSJs)..

“Com curiosidade e coragem, a Covestro está avançando no desenvolvimento de poliuretanos para fazer do mundo um lugar melhor”, diz Daniel Meyer, Head Global da Unidade de Poliuretanos. “Estamos desafiando os limites para desenvolver materiais isolantes mais eficientes, materiais ainda mais leves e produtos com maior economia de recursos”.

Todos os novos desenvolvimentos devem atender aos objetivos de sustentabilidade da Covestro. “Tomamos uma abordagem abrangente para todo o ciclo de vida do produto, incluindo os aspectos sociais, ecológicos e econômicos”, diz Daniel Meyer. “Nossos produtos são fabricados com base no carbono. Nosso objetivo é tirar o benefício máximo do carbono que utilizamos”.

Refrigeradores mais eficientes

Os poliuretanos contribuem de maneira importante para garantir o fornecimento global dos alimentos: cerca de 95% dos refrigeradores do mundo contêm isolamento térmico com espuma rígida de poliuretano. Segundo a Covestro, o seu sistema de poliuretano Baytherm® Microcell pode elevar a sua performance de isolamento em mais 10%. Isto significa maior economia de energia e custos domésticos e redução da emissão de CO2. Uma fabricante líder em utensílios já está utilizando este sistema em sua produção.

Dióxido de carbono como matéria-prima

A Covestro desenvolveu um método para utilizar o gás do efeito estufa CO2 para sintetizar os componentes do poliuretano. A empresa comercializa essas matérias-primas, conhecidas como polióis, sob a marca cardyon™, para a produção de espuma flexível de poliuretano e opera uma nova planta de produção para isto em seu site de produção em Dormagen, na Alemanha. Até 20% das matérias-primas fósseis anteriormente utilizadas nesses produtos foram substituídas pelo dióxido de carbono. Um catalisador especial proporciona o nível de reatividade desejado à molécula.

Novo modelo de habitação a preços acessíveis

A disponibilidade de habitação rápida, acessível e sustentável é um desafio global. A Covestro está trilhando novos caminhos em sua busca por soluções criativas. Junto com parceiros industriais, governos, agências governamentais e a sociedade, a Covestro está desenvolvendo modelos de habitação acessível e executando projetos específicos na Alemanha. Um exemplo é uma construção multiuso em Bergisch Gladbach, na Alemanha, que foi planejada e construída pelo conselho local, pela empresa de construção pré-fabricada francesa Logelis e a Covestro.

Pás de rotor da próxima geração para energia eólica

De acordo com a sua estratégia de sustentabilidade, a Covestro desenvolve materiais e tecnologias para gerar energia renovável – com foco na energia eólica. A empresa desenvolveu uma tecnologia inovadora para a fabricação de pás de rotor para turbinas eólicas. Os rotores são fabricados em um processo especial a partir de uma resina de poliuretano e um tecido de fibra de vidro. Para a resina, a Covestro recebeu recentemente a certificação da DNV GL para a China e agora pode fornecer seus produtos para fabricantes de pás de rotor no país.

Passado orgulhoso

O Dr. Otto Bayer apenas poderia ter sonhado com esses desenvolvimentos. Mas mesmo 80 anos atrás, buscou obstinadamente seu objetivo de melhorar a eficiência da fabricação de plásticos e, assim, descobriu a química do poliuretano, que se tornou sua paixão. E ainda se manteve firme em suas convicções quando seus superiores desdenharam a massa borbulhante que produzira em seus experimentos, dizendo que era no máximo um “substituto do queijo suíço”. Longe disso! Com uma criatividade incrível, ele e sua equipe descobriram toda uma série de aplicações possíveis.

Poliuretanos: Marcos de uma história de sucesso
1937 – Otto Bayer inventa a química do poliuretano
1943 – Novas marcas: Desmodur® (isocianatos) e Desmophen® (polióis)
1952 – Primeira espuma flexível feita de TDI e polióis
1958 – Revestimentos premium feitos de Desmodur® e Desmophen® (“Revestimentos DD”)
1962 – Estreia da espuma rígida de poliuretano como um material isolante em refrigeradores
1967 – Primeiro carro com um corpo totalmente plástico na feira comercial K’67
1970 – Painéis sanduíche com revestimento de metal para envelopes de construção
A partir de 1970 – Introdução dos sistemas de poliuretano Baydur® para espumas rígidas integrais
1980 – Assentos de carro com vários níveis de dureza
1990 – Espumas viscoelásticas abrem uma nova dimensão em conforto
1995 – Agentes de expansão sem HCFCs
1998 – Introdução do sistema de pulverização Baypreg® para compósitos
2000 – Polióis para revestimentos e adesivos à base da tecnologia Impact™
2005 – Avanços nos compósitos de poliuretano
2012 – Baytherm® Microcell para sistemas de refrigeração isolantes – tecnologia CO2
2016 – Lançamento no mercado do cardyon™ – Primeira pá de rotor feita de resina de poliuretano na Ásia

Fonte: Covestro; foto: Wikipedia

Curta nossa página no

Covestro expande a capacidade de produção global de dispersões de poliuretano

22/11/2017

  • Investimentos em matérias-primas sustentáveis para adesivos e revestimentos
  • Novas instalações em Dormagen e Barcelona
  • Aumento significativo da capacidade na Europa
  • Expansão da produção na China e nos Estados Unidos
  • Ampla variedade de aplicações em automóveis, móveis, têxteis e calçados

A Covestro iniciou operações em uma nova instalação para produzir dispersões de poliuretano aquosas em seu site em Dormagen, na Alemanha. Juntamente com uma expansão da produção em curso na unidade de Barcelona, a empresa está, consequentemente, reforçando significativamente sua capacidade de produção na Europa. Para cumprir a demanda global, a Covestro também está construindo uma nova instalação na China, bem como planejando retomar a produção nos Estados Unidos e, ao mesmo tempo, modernizando e expandindo as instalações na Alemanha.

A nova capacidade é necessária primariamente para satisfazer à demanda crescente da indústria de revestimentos e adesivos: os fabricantes permanecem determinados a substituir produtos baseados em solvente por sistemas de base aquosa mais sustentáveis, que tenham propriedades similares. A tendência também está sendo impulsionada pelas regulamentações, que exigem emissões mais baixas de compostos orgânicos voláteis (VOC).

“Com estes investimentos, estamos nos preparando para a demanda continuamente crescente por dispersões de poliuretano, bem como expandindo nossa posição de liderança global”, diz Michael Friede, Líder Global da Unidade de Negócios de Revestimentos, Adesivos e Especialidades na Covestro. “Ao mesmo tempo, graças à nossa produção diversificada, temos a flexibilidade para cumprir diferentes exigências.”

Essa diversidade também é a chave para a abrangente linha de dispersões de poliuretano que a Covestro oferece. “Nossos produtos sob medida permitem muitas aplicações em indústrias bastante diferentes”, explica Michael Friede. “Dessa maneira, criamos oportunidades para crescer e reforçamos a competitividade de nossos clientes.”

Como o principal fornecedor global de Dispersões de Poliuretano (DUP), a Covestro também mantém uma posição de liderança em pesquisa e desenvolvimento e em tecnologia de processo. A empresa presta serviços técnicos e de suporte aos clientes mundialmente.

Muitas aplicações diferentes

As dispersões de poliuretano podem ser usadas em uma ampla variedade de aplicações. Por exemplo, os produtos das séries Bayhydrol® UH, U e UV e Baytherm® são componentes de revestimentos básicos para OEM automotivos e revestimentos de acabamento, bem como componentes de revestimentos de madeira e móveis e revestimentos de pisos de desgaste prolongado. Os adesivos formulados com Dispercoll® U são usados na produção de móveis e calçados, bem como na indústria automotiva.

Sob o nome de Impranil®, as matérias-primas com pouco solvente também exercem um papel importante na produção de sintéticos de poliuretano e têxteis revestidos. As dispersões da linha de produtos Baybond® são usadas na forma de colas de fibra de vidro para produzir plásticos reforçados com fibra de vidro. As substâncias formadoras de filme aderem muito bem às fibras, mas, em compostos com termoplásticos, ainda ficam suficientemente elásticas para assegurar a estabilidade necessária, afirma a empresa

Com vendas de 11,9 bilhões de euros em 2016, a Covestro está entre os maiores fabricantes mundiais de polímeros. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de polímeros de alta tecnologia, para atender segmentos como o automotivo, eletroeletrônico, construção e também as indústrias de esportes e lazer. A Covestro possui 30 sites de produção em todo o mundo e, no final de 2016, empregava cerca de 15.600 pessoas.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Covestro registra trimestre recorde e anuncia recompra de ações

25/10/2017

  • Vendas totais sobem 16,9% para 3,5 bi de euros
  • Alta de 2,6% nos volumes totais sobre o trimestre do ano anterior
  • EBITDA cresce 50,2% para 862 mi de euros
  • Receita líquida aumenta 89,6% para 491 mi de euros
  • Fluxo de caixa operacional livre sobe 1,9% para 658 mi de euros
  • Anunciado 1 bi de euros em vendas via plataforma on-line
  • Recompra de ações em até 1,5 bi de euros de capital social

No terceiro trimestre de 2017, a fabricante de materiais Covestro apresentou o trimestre mais forte da história da empresa, mantendo a tendência positiva dos primeiros seis meses. Atingindo 491 milhões de euros, a receita líquida subiu 89,6% sobre o trimestre do ano anterior. Ao mesmo tempo, o EBITDA foi 50,2% mais alto e as vendas cresceram 16,9% sobre o mesmo período do último ano. Os volumes totais subiram 2,6%. O impulso nas vendas deu-se, principalmente, à elevação dos preços de venda, sobretudo no segmento de poliuretanos, com efeito positivo de 18,4%. O FOCF (fluxo de caixa operacional livre) atingiu 658 milhões de euros, com alta de 1,9% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. Com base nesses resultados sólidos, a Covestro decidiu revisar seu objetivo anunciado de atingir um FOCF (fluxo de caixa operacional livre) acumulado de 5 bilhões de euros até o final de 2021. No entanto, a nível de grupo, a empresa reitera suas previsões para o ano todo de 2017.

O excelente desempenho pode ser atribuído à robusta demanda atual nos principais setores clientes da empresa e ao desempenho positivo nas margens, também principalmente no segmento de poliuretanos.

“Atualmente, estamos desfrutando de um tremendo impulso de crescimento e apresentando recordes de receita, rentabilidade e geração de caixa. Essa extraordinária geração de caixa nos oferece a oportunidade de retornar quantias significativas de dinheiro aos nossos acionistas antes do esperado, ao mesmo tempo que preservamos a capacidade de considerar as oportunidades de aquisição”, diz o CEO Patrick Thomas. “Por isso, decidimos iniciar imediatamente uma recompra de ações para até 1,5 bilhões de euros ou até 10% do capital social em circulação”.

“Estamos atualizando nossa estratégia para continuar aproveitando da oportunidade geracional que nosso atual impulso oferece. A digitalização será uma parte integral da nossa estratégia corporativa. Queremos oferecer aos clientes uma maneira mais simples e eficiente de comprar nossos produtos básicos. Atualmente estamos desenvolvendo a nova plataforma on-line, que, segundo nossas projeções, gerará cerca de um bilhão de euros em vendas já no fim de 2019”, explica o Dr. Markus Steilemann, membro do Conselho responsável por marketing, vendas e inovação.

Neste contexto, a Covestro identificou três dimensões da digitalização: processos digitais, experiência digital do cliente e novos modelos digitais de negócios.

Poliuretanos e policarbonatos altamente rentáveis

No terceiro trimestre, os volumes totais no segmento de poliuretanos cresceram 4,3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. O grupo de produtos TDI foi o que mais contribuiu para essa evolução. O EBITDA do segmento mais que dobrou a partir do mesmo trimestre do ano anterior, para 556 milhões de euros – um desenvolvimento que se deve, em grande parte, à elevação das margens como resultado de fornecimento e situação de demanda positivos em termos gerais. No processo de dobrar a capacidade de MDI na unidade de Brunsbüttel, no norte da Alemanha, para cerca de 400 mil toneladas métricas por ano até o fim de 2018, a empresa já realizou uma cerimônia para comemorar a conclusão da construção da estrutura básica na planta.

O segmento de policarbonatos registrou crescimento de 1,5% nos volumes totais em comparação ao trimestre do ano anterior. Como esperado, esse crescimento ficou no nível do segundo trimestre de 2017. O EBITDA do segmento apresentou melhora de 8,8% para 211 milhões de euros. A elevação das margens e o crescimento dos volumes vendidos tiveram efeito positivo. Nas indústrias-chave de clientes deste segmento, a Covestro trabalha de perto com designers para desenvolver os produtos do futuro. Para esse propósito, a companhia lançou em setembro uma plataforma on-line para design industrial, entre outros projetos.

Os volumes totais no segmento de Coatings, Adesivos e Especialidades caíram 5,0% em relação ao trimestre do ano anterior devido ao ambiente competitivo desafiador. Com 119 milhões de euros no segundo trimestre, o EBITDA ficou 12,5% abaixo do valor do ano anterior. O grupo vem desafiando limites para atualizar continuamente seu portfolio de produtos: recentemente, um carro movido a energia solar projetado por estudantes da Universidade RWTH de Aachen, Alemanha, participou do desafio World Solar Challenge, que percorre quase 3 mil quilômetros no deserto australiano, protegido por revestimentos da Covestro.

Primeiros nove meses de 2017 muito positivos

A Covestro demonstrou um desempenho excelente nos primeiros três trimestres de 2017. Os volumes totais cresceram 3,2% em relação ao período do ano anterior graças a uma demanda continuada e favorável. As vendas saltaram 19,5% para 10,6 bilhões de euros, e o EBITDA cresceu 57,4% para 2,6 bilhões de euros. O FOCF também teve aumento significativo de 23,8% para 1,2 bilhão de euros. Graças ao acordo de término de controle firmado com a Bayer AG em setembro, a Covestro deu mais um passo rumo à independência total.

Com vendas de 11,9 bilhões de euros em 2016, a Covestro (antiga Bayer MaterialScience) está entre os maiores fabricantes mundiais de polímeros. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, eletroeletrônico, construção e também as indústrias de esportes e lazer. A Covestro possui 30 sites de produção em todo o mundo e, no final de 2016, empregava cerca de 15.600 pessoas.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Covestro é eleita Empresa do Ano pela ICIS

25/09/2017

Primeira colocada em ranking global

A Covestro foi eleita Companhia do Ano ICIS baseada em suas métricas de negócios e financeiras para 2016. O prêmio foi conceido pela publicação global ICIS Chemical Business, que é parte da ICIS, a maior provedora mundial de informações sobre o mercado petroquímico.

A análise feita para a escolha da Companhia do Ano é baseada no crescimento anual em vendas, lucros e margens dos principais fabricantes químicos globais, levando em consideração o nível absoluto de retornos em termos operacional e líquido em relação às vendas e ao total de ativos.

“Nós parabenizamos a Covestro por um desempenho financeiro estelar em seu primeiro ano completo como uma empresa pública em 2016, quando o Ebitda cresceu 41% em termos anuais e o preço das ações mais que duplicou, mesmo em um ambiente com dúvidas sobre o possível excesso de capacidade no mercado de poliuretanos”, afirmou Joseph Chang, editor global da ICIS Chemical Business.

“A empresa teve um desempenho particularmente forte em seu ano de estréia e os ganhos obtidos em lucros e retornos garantiram o primeiro lugar na análise detalhada de métricas financeiras da ICIS, reunidas para listar as Top 100 Companhias Químicas da ICIS”, pontuou Nigel Davis, editor da ICIS Insight.

Em 2016, o resultado líquido da Covestro subiu 132%, atingindo 795 milhões de euros, apesar de um declínio de 1,5% em vendas, fechando em 11,9 bilhões de euros. A empresa registrou crescimento de 7,5% em volume total, em meio a um cenário desafiador de preços.

“Estamos honrados com a escolha da Covestro como Companhia do Ano da ICIS – o que também serve como um grande prêmio a todos os colaboradores em todo o mundo”, afirmou o CEO Global da Covestro, Patrick Thomas. “Os seis primeiros meses de 2017 foram muito positivos para a Covestro e reforçam o nosso forte posicionamento nas indústrias de nossos clientes em regiões-chave. Nosso desempenho é sustentado por uma demanda consistentemente forte por nossos produtos, levando a dez trimestres consecutivos com aumento no Ebitda, até 30 de junho de 2017. Continuamos comprometidos em gerar valor para nossos acionistas, focalizando em Pesquisa & Desenvolvimento e inovação”.

O prêmio Companhia do Ano da ICIS é a 3ª parte da série Top 100 Companhias Químicas da ICIS, que reúne a listagem das empresas Top 100 como a parte 1, publicada na edição de 1º de setembro, e a parte 2, referente aos Líderes Regionais, publicada na revista Chemical Business em 8 de setembro.

Sobre a Covestro: Com vendas de 11,9 bilhões de euros em 2016, a Covestro está entre os maiores fabricantes mundiais de polímeros. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em segmentos como o automotivo, eletroeletrônico, construção e também as indústrias de esportes e lazer. A Covestro possui 30 sites de produção em todo o mundo e, no final de 2016, empregava cerca de 15.600 pessoas.

Sobre a ICIS Chemical Business: A ICIS Chemical Business é parte da ICIS, a maior provedora mundial de informações sobre o mercado petroquímico, com divisões de energia e fertilizantes. Dados sobre preços, notícias, análise e consultoria independente são ofertados aos clientes da ICIS para fundamentar a tomada de decisões comerciais e de planejamento. Com uma equipe global de mais de 600 colaboradores, a ICIS tem funcionários em Houston, Washington, Nova York, Londres, Montpellier, Karlsruhe, Milão, Mumbai, Cingapura, Guangzhou, Pequim, Xangai, Yantai, Tóquio e Perth. Cerca de 350 colaboradores são jornalistas engajados em reportar preços de mercado e notícias. A ICIS é uma divisão da Reed Business Information, parte do RELX Group.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Covestro tem novo presidente para a América Latina

22/05/2017

A Covestro, uma das maiores fabricantes mundiais de polímeros nas áreas de Poliuretanos, Policarbonatos, Revestimentos, Adesivos e Especialidades, anuncia Fernando d´Andrea (foto) como novo Presidente para América Latina. Fernando assumiu o posto até então ocupado por Harald Liedtke, que foi transferido para a Suíça, onde atuará em outra posição.

Formado em Engenharia Mecânica pela Universidade Mackenzie e MBA pela FEA-USP, d´Andrea está de volta ao Brasil 16 anos após sua jornada profissional no exterior, tendo passagens tanto pela área técnica como comercial – sua última atuação foi como Head Comercial e de Produção de Thermoplastic Polyurethanes para região NAFTA.

“A Covestro está muito bem posicionada no mercado brasileiro e latino-americano e voltar para comandar este time, com um portfolio de produtos e serviços de extrema qualidade, é um grande prazer, particularmente neste momento de complexos desafios”, celebra Fernando d´Andrea.

Com vendas de 11,9 bilhões de euros em 2016, a Covestro está entre os maiores fabricantes mundiais de polímeros. Entre os principais segmentos atendidos estão as indústrias automotiva, construção, madeira e móveis e eletroeletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro, anteriormente Bayer MaterialScience, possui 30 sites de produção em todo o mundo e emprega cerca de 15.600 pessoas (calculados como equivalentes em tempo integral) no final de 2016.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Balanço da Covestro registra um primeiro trimestre forte

02/05/2017

  • Volumes totais cresceram 9,0% em relação ao ano anterior
  • EBITDA ajustado subiu 66,5% para 846 milhões de euros
  • Lucro líquido subiu 157,1% para 468 milhões de euros
  • Fluxo de Caixa Operacional Livre 174% maior na comparação anual
  • Projeção foi elevada

Após um ano fiscal bem sucedido em 2016, a fabricante de polímeros Covestro manteve os bons resultados no primeiro trimestre de 2017 e elevou suas projeções para o ano. Graças a uma demanda ainda forte por polímeros inovadores, os volumes totais do Grupo cresceram 9,0%. O aumento na capacidade de utilização de produção e as consequentes melhorias nas margens também permitiram um crescimento no EBITDA. Em 846 milhões de euros, o EBITDA subiu 66,5% na comparação com o mesmo período do ano anterior. O lucro líquido registrou crescimento de 157,1%, atingindo 468 milhões de euros. No primeiro trimestre de 2016 o lucro líquido totalizou 182 milhões de euros.

“A alta demanda pelos nossos produtos indica que plásticos inovadores são importantes para lidar com os desafios impostos por megatendências globais, como urbanização, mudança climática ou a evolução da mobilidade. Prova disso é nosso forte crescimento em volumes e os ganhos resultantes em todos os segmentos”, afirma o CEO da Covestro, Patrick Thomas. “Nós mantemos nosso clima positivo e entregamos um EBITDA melhorado pelo nono trimestre consecutivo. Continuamos otimistas para o restante do ano e, portanto, elevamos nossa projeção”.

Baseada na performance positiva do primeiro trimestre, a companhia ajustou as projeções apresentadas no Relatório Anual 2016 para o ano de 2017. A Covestro ainda espera um crescimento no volume total de baixo a médio dígito. A empresa agora projeta um Fluxo de Caixa Operacional Livre significativamente acima da média dos últimos três anos (a previsão anterior era de crescimento levemente acima da média dos últimos três anos). Além disso, a Covestro agora espera um retorno sobre o capital investido (ROCE) significativamente maior que o nível de 2016 (a projeção inicial era de um ROCE um pouco maior que o nível de 2016).

Vendas e fluxo de caixa substancialmente maiores

O robusto crescimento no volume total e um aumento geral de 13,4% nos preços de venda – especialmente no segmento de Poliuretanos, onde os preços subiram até 25,8% na comparação com o mesmo trimestre de 2016 – resultaram em um aumento de 24,7% nas vendas, atingindo 3,586 bilhões de euros. O Fluxo de Caixa Operacional Livre também teve uma trajetória positiva, representando 211 milhões de euros – 174% acima do mesmo período na comparação com o ano anterior graças à melhoria no fluxo de caixa operacional.

“Nosso otimismo para o ano fiscal de 2017 foi confirmado no primeiro trimestre”, afirma o CFO Frank H. Lutz. “Nossos números provam que estamos em posição de nos beneficiarmos do crescimento nas indústrias em que atuamos junto a nossos clientes e, também, melhorar nossa eficiência operacional. Além disso, nossa estratégia de criar uma forte presença global está valendo a pena. As vendas e rentabilidade em nossos três principais mercados – China, Alemanha e Estados Unidos – estão cada vez mais equilibradas”.

Aumento acentuado nos volumes totais em todos os segmentos

No primeiro trimestre, os volumes totais no segmento de Poliuretanos cresceram substancialmente – 6,8% na comparação anual. Todos os grupos de produtos, particularmente MDI e TDI, contribuíram para este aumento. O fator chave aqui foi uma maior demanda do setor de construção em todo o mundo, bem como das indústrias de móveis e colchões nas regiões NAFTA e APAC. Em 482 milhões de euros, o EBITDA mais que dobrou na comparação anual. Isso se deu principalmente devido a margens maiores.

Diante da positiva demanda de mercado neste segmento foi decidido manter a produção do MDI em Tarragona, na Espanha. Ao mesmo tempo, a Covestro está trabalhando para converter uma fábrica na cidade alemã de Brunsbüttel. A empresa espera dobrar a capacidade de produção de MDI nesta planta para cerca de 400 mil toneladas métricas no decorrer de 2018.

O segmento de Policarbonatos também registrou novamente forte crescimento – 14,7% nos volumes totais na comparação anual. Os volumes vendidos nas três regiões subiram, principalmente devido a uma maior demanda das indústrias automotiva e eletroeletrônica. O EBITDA do segmento subiu 31,1%, atingindo 232 milhões de euros. Para atender a crescente demanda, a Covestro duplicou sua capacidade de produção de policarbonato em Xangai, na China, para cerca de 400 mil toneladas métricas por ano em 2016. Com uma capacidade de produção total de cerca de 1,5 milhão de toneladas métricas por ano, a empresa é hoje a principal fabricante do plástico de alta performance.

Os volumes totais no segmento de Revestimentos, Adesivos e Especialidades subiram 8,1% na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. Os volumes mais significantes vieram particularmente das regiões APAC e EMLA. Em 146 milhões de euros no primeiro trimestre, o EBIDTA subiu 5,0% na comparação anual. No ano passado, a Covestro inaugurou uma fábrica de escala mundial para matérias-primas de revestimentos na China. Em contraste aos dois outros segmentos, os preços do segmento permaneceram, em média, no mesmo nível do ano anterior.

Início de ano positivo

No geral, a Covestro  teve um início de ano muito positivo em 2017. Neste sentido, a posição estratégica da empresa é forte, tanto com relação às principais tendências nas indústrias atendidas quanto em regiões-chave. Além disso, inovações e cooperações têm um papel cada vez mais importante. Um bom exemplo é a recém-anunciada colaboração entre Audi, BASF e Covestro que levaram ao desenvolvimento de um novo revestimento com endurecedor biodegradável para a indústria de automóveis. Pela primeira vez, um revestimento contendo um endurecedor biodegradável foi aplicado em corpos de prova do Audi Q2 na planta da montadora. O carro com o novo revestimento foi apresentado na European Coatings Show (ECS) 2017 em Nuremberg, na Alemanha.

Com vendas de 11,9 bilhões de euros em 2016, a Covestro está entre os maiores fabricantes mundiais de polímeros. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados na vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, eletroeletrônico, construção e também as indústrias de esportes e lazer. A Covestro possui 30 sites de produção em todo o mundo e, no final de 2016, empregava cerca de 15.600 pessoas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Covestro

Curta nossa página no

Covestro divulga balanço anual recorde

20/02/2017
Conselho de Administração da Covestro

Conselho de Administração da Covestro

•Volumes totais cresceram 7,5% em relação ao ano anterior
• EBITDA ajustado subiu 22,7% para 2,0 bilhões de euros
• Forte crescimento no Fluxo de Caixa Operacional Livre
• Lucro líquido mais que dobrou
• Dividendo proposto de 1,35 euro por ação
• Cenário confiante para 2017

2016 foi um ano recorde para a fabricante de polímeros Covestro. Impulsionados pela demanda por materiais inovadores, os volumes totais do Grupo cresceram 7,5%. Com maior capacidade de utilização em suas plantas ao redor do mundo, o EBITDA ajustado subiu 22,7% para 2,0 bilhões de euros, um crescimento frente 2015. O lucro líquido mais que dobrou, de 343 milhões de euros para 795 milhões de euros. Com base nisso, a Covestro espera pagar a seus acionistas um dividendo de 1,35 euro por ação.

“Nossa estratégia está dando resultado. Estes excelentes números destacam a força fundamental da Covestro”, explica o CEO Patrick Thomas. “A crescente demanda por nossos produtos inovadores e sustentáveis mostra que estamos conseguindo substituir os materiais tradicionais por plásticos de qualidade superior”.

O Fluxo de Caixa Operacional Livre cresceu 41,8%, atingindo 1,4 bilhão de euros. A Covestro também melhorou sua rentabilidade: o retorno sobre capital empregado (ROCE) atingiu 14,2%, excedendo significativamente o ano anterior. Em contraste, as vendas do Grupo Covestro caíram 1,5%, alcançando 11,9 bilhões de euros como resultado de menores preços de vendas e efeitos financeiros.

Capacidade de produção otimizada e crescente demanda

Em 2016, o crescimento dos volumes totais superou o PIB global de forma significativa, enfatizando, portanto, o forte posicionamento estratégico da Covestro com relação a importantes tendências nas principais indústrias de clientes atendidos. A companhia foi capaz de aumentar consistentemente os volumes de vendas e otimizar ainda mais a utilização de suas capacidades de produção já existentes.

A Covestro também deu início à expansão de sua capacidade em regiões de grande crescimento a fim de atender à crescente demanda. Isso acontece particularmente no mercado da Ásia, onde a empresa deu início a uma operação para a produção de matérias-primas para revestimentos (HDI) e duplicou sua capacidade para policarbonatos.

Na Europa, a plataforma de produção está sendo também otimizada. A expansão da capacidade de produção do MDI, o precursor da espuma rígida, no site de Brunsbüttel (Alemanha) foi iniciada em junho. A capacidade será duplicada para 400 mil toneladas métricas por ano até 2018. Além disso, a Covestro provou, em 2016, que o CO2 pode ser usado como uma matéria-prima para produtos disponíveis no mercado: no ano passado, em Dormagen (Alemanha), a empresa colocou em funcionamento a primeira planta industrial do mundo a usar o CO2 como matéria-prima para componentes de espuma flexível.

Maior flexibilidade financeira

A Covestro pagou todos os empréstimos pendentes da Bayer no ano fiscal passado. Em março, a companhia fez a primeira emissão no valor total de 1,5 bilhão de euros como parte de um programa de emissão de títulos, facilitando os fundos para a quitação total dos empréstimos. Ao final de 2016, a dívida financeira líquida era de 1,5 bilhão de euros, cerca de 700 milhões de euros abaixo do nível do ano anterior.

“O programa de emissão nos dá maior flexibilidade financeira”, pontua o CFO Frank H. Lutz. “Junto com nosso fluxo de caixa positivo, agora temos fundos suficientes para financiarmos investimentos de forma independente”.

Forte demanda para Poliuretanos e Policarbonatos

Em 2016, o segmento de Poliuretanos da Covestro atingiu um crescimento de volume total de 7,7%, na comparação com o ano anterior, motivado por um forte crescimento em todos os grupos de produtos, particularmente no MDI, assim como o aumento de 41,2% no EDITDA ajustado, alcançando 881 milhões de euros. A demanda foi impulsionada por indústrias-chave como os setores automotivo e de construção. Em outubro, devido a uma parada de produção não planejada em um fornecedor, a Covestro se viu forçada a operar os sites europeus de MDI e TDI em capacidade reduzida e, portanto, declarou força maior. A situação foi revertida no final do ano.

O crescimento de volume total em Policarbonatos foi de 10,3%, na comparação com 2016. Mais uma vez os volumes de vendas cresceram de forma acentuada, particularmente nas regiões APAC e NAFTA. O EBITDA ajustado subiu 25,7%, atingindo 704 milhões de euros no segmento. A demanda da indústria eletroeletrônica foi um dos principais fatores de crescimento.

No segmento de Coatings, Adesivos e Especialidades (CAS), os volumes totais permaneceram estáveis, apesar da já prevista rescisão contratual de operações comerciais. O EBITDA ajustado subiu 1,8% para 500 milhões de euros. A redução no preço das matérias-primas teve um efeito positivo no resultado. Além disso, a tendência por produtos de maior qualidade também aumentou a demanda por produtos do CAS.

Maior rentabilidade no Q4 de 2016

O bem sucedido desempenho da Covestro continuou no quarto trimestre de 2016. De outubro a dezembro, os volumes totais subiram 4,8% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Graças ao aumento nos preços de vendas, as vendas do Grupo subiram 7,8%, alcançando 3 bilhões de euros. O EBITDA ajustado cresceu 52,3% para 390 milhões de euros. O lucro líquido de 124 milhões de euros também ficou bem acima do quarto trimestre de 2015 (-84 milhões de euros). O Fluxo de Caixa Operacional Livre subiu 3,6%, atingindo 407 milhões de euros.

Crescimento rentável previsto

Em 2017, a Covestro continuará trabalhando para desenvolver materiais inovadores, em linha com a visão da companhia: ‘Fazer do mundo um lugar melhor’. “Com nosso claro foco em um crescimento sustentável em linha com as macrotendências globais, nós estabelecemos uma forte posição para lucrar com a evolução do mercado no longo prazo. Encaramos 2017 com muita confiança”, declara Patrick Thomas.

Como uma empresa global com operações em estreita proximidade com seus clientes regionais, a Covestro também se considera bem posicionada em um mercado marcado por incertezas geopolíticas e volatilidade econômica. Baseada nas atuais previsões econômicas globais e nas perspectivas das indústrias que atende, a Covestro espera um desempenho sólido em relação aos indicadores-chave em 2017. A companhia antecipa um aumento percentual de um dígito (baixo a médio) no crescimento do volume total do Grupo. A Covestro projeta Fluxo de Caixa Operacional Livre levemente acima da média dos últimos três anos e um ROCE um pouco maior que o nível de 2016.

Com vendas de 11,9 bilhões de euros em 2016, a Covestro está entre os maiores fabricantes mundiais de polímeros. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, eletroeletrônico, construção e também as indústrias de esportes e lazer. A Covestro possui 30 sites de produção em todo o mundo e, no final de 2016, empregava cerca de 15.600 pessoas.

Fonte: Covestro

Curta nossa página no

Covestro inicia a entrega do primeiro produto à base de CO2

06/01/2017
Caminhão chega à estação onde será carregado com o poliol à base de CO2 da Covestro - o primeiro a nível  mundial.

Caminhão chega à estação onde será carregado com o poliol à base de CO2 da Covestro – o primeiro a nível mundial.

  • Debut de dióxido de carbono como matéria-prima
  • Gás causador de efeito estufa usado para fabricar componentes de espuma para colchões

Inovação no mercado de plásticos: o fabricante de materiais Covestro iniciou a entrega de um novo produto à base de dióxido de carbono. O primeiro caminhão tanque deixou a planta da empresa em Dormagen perto de Colônia, Alemanha, na primeira quinzena de dezembro. A Covestro iniciou oficialmente a produção na fábrica inaugurada em Dormagen no verão passado. A planta usa o gás que está contribuindo para o aquecimento global para produzir um componente chave para as espumas usadas em colchões e móveis estofados.

O CO2 serve como uma nova matéria-prima, substituindo uma fração do petróleo a partir da qual o poliol é normalmente baseado. Esta contribuição para a sustentabilidade e feito científico pioneiro já está na fase de produção industrial.

Marco alcançado

“Alcançamos um outro marco. A fábrica está funcionando sem problemas e o primeiro carregamento de nosso novo componente de espuma flexível feito com CO2 está a caminho do cliente “, disse o gerente de projeto, Dr. Karsten Malsch. “Trabalhamos continuamente para atingir este momento desde a nossa pesquisa inicial, há vários anos. Estamos entusiasmados por ter chegado a esse ponto e estamos usando isso como motivação para continuar nossos esforços nessa área “.

A Covestro está trabalhando para integrar ainda mais dióxido de carbono em seus produtos. No caso do precursor da planta de Dormagen, um poliol, o teor de CO2 é de aproximadamente 20 por cento. Outros projetos já alcançaram conteúdo de mais de 40% no laboratório. A Covestro também está se esforçando para usar dióxido de carbono para a fabricação de outros produtos além da espuma flexível. Os produtos potenciais que já foram testados no laboratório incluem precursores para espuma rígida e elastómeros. A empresa também está disposta a licenciar a tecnologia. Isso conservaria recursos petrolíferos limitados em toda a indústria ao mesmo tempo em que reduziria o refino, que é intensivo em energia e emissões.

Com 2015 vendas de EUR 12.1 bilhões, Covestro está entre as maiores empresas de polímero do mundo. As atividades empresariais centram-se na fabricação de materiais poliméricos de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos utilizados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são os setores automotivo, elétrico e eletrônico, de construção e de esporte e lazer. A Covestro, antes Bayer MaterialScience, tem 30 plantas de produção em todo o mundo e no final de 2015, empregava aproximadamente 15.800 pessoas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Covestro

Curta nossa página no

Covestro mantém fortes resultados no terceiro trimestre

27/10/2016
  • Volumes totais aumentaram 9,1% com relação ao ano anterior
  • EBITDA ajustado subiu para 21,9% atingindo 574 milhões de euros 
  • Lucro líquido cresceu 61,9% para 259 milhões de euros
  • Fluxo de caixa operacional livre mais do que dobrou
  • Previsão para o ano de 2016 é novamente elevada

covestroA fabricante de materiais Covestro manteve sua bem-sucedida tendência de crescimento no terceiro trimestre de 2016 com um alto fluxo de caixa operacional livre e fortes ganhos. O EBITDA ajustado aumentou significativamente para 21, 9% face ao ano anterior atingindo 574 milhões de euros, motivado principalmente por volumes maiores combinados com margens maiores. Os volumes totais do Grupo (em quilotoneladas) cresceram 9.1% com relação ao mesmoperíodo do ano anterior.

“Nós mantivemos a tendência positiva da primeira metade do ano neste terceiro trimestre e nos beneficiamos da forte demanda por nossos produtos”, afirmou Patrick Thomas, CEO da Covestro. “O crescimento no EBITDA e o fluxo de caixa operacional livre foram particularmente saudáveis e, portanto, estamos elevando novamente nosso forecast para o ano de 2016.”

A empresa continua a esperar um aumento percentual de médio a elevado de um dígito no crescimento do volume total. Agora, a Covestro prevê um fluxo de caixa operacional livre acima do nível do ano anterior (anteriormente: no nível do ano anterior). A empresa também prevê um ROCE significativamente acima dos números do ano anterior (anteriormente: acima do último ano).

Vendas estáveis e mais que o dobro de fluxo de caixa operacional livre

As vendas do grupo chegaram a 3,0 bilhões de euros no terceiro trimestre, semelhante ao trimestre do ano anterior. Após uma queda nos dois primeiros trimestres, as vendas subiram principalmente como resultado dos elevados volumes totais de vendas que aumentaram 6,3%. Os Poliuretanos e Policarbonatos, particularmente, representaram volumes significativamente mais elevados. Ao mesmo tempo, os dois segmentos novamente viram os preços de vendas diminuírem à custa dos menores preços das matérias-primas, o que empurrou as vendas para baixo. Os efeitos da moeda também tiveram um impacto levemente negativo.

Em 259 milhões de euros, o lucro líquido no terceiro trimestre confirmou a tendência do H1 e registrou um aumento significativo de 61,9% na comparação com o período do ano anterior. O fluxo de caixa operacional livre desenvolveu-se particularmente de maneira positiva, crescendo 157,4% e atingindo 646 milhões de euros. O aumento se dá principalmente devido a um fluxo de caixa melhorado nas atividades operacionais, bem como uma redução das saídas de caixa para adições em propriedade, planta, equipamentos e ativos intangíveis.

Crescimento em todos os segmentos – EBITDA significativamente maior em Poliuretanos

Os volumes totais do segmento de Poliuretanos subiram novamente 9,0% – na comparação com o ano anterior – no terceiro trimestre. Todos os grupos de produtos contribuíram para este aumento, principalmente o diisocianato difenilmetano (MDI). Volumes de vendas maiores e margens melhoradas aumentaram o EBITDA ajustado em 50,3% para 263 milhões de euros.

O segmento de Policarbonatos novamente registrou forte crescimento de 11,6% nos volumes totais em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. A região APAC, em particular, registrou volumes de vendas muito maiores. O EBITDA ajustado do segmento subiu 13,5% para 194 milhões de euros, sustentado por volumes de vendas mais elevados.

Os volumes totais no segmento de Revestimentos, Adesivos e Especialidades cresceram 3,5% em comparação com o período do ano anterior. O crescimento se deu apesar do encerramento contratual antecipado de atividades comerciais. Em 136 milhões de euros, o EBITDA ajustado ficou praticamente inalterado no terceiro trimestre. Os preços de vendas menores foram compensados por maiores volumes de vendas e a queda no preço das matérias-primas teve um efeito positivo.

Nove meses positivos – melhores volumes de vendas e maior rentabilidade

No geral, o Grupo apresentou um desempenho muito positivo nos nove primeiros meses de 2016. Seus volumes totais cresceram 8,4% com relação ao ano anterior. Isto se dá principalmente aos aumentos nos segmentos de Policarbonatos e Poliuretanos, que registraram fortes taxas de crescimento de 9,6% e 9,4%.

O EBITDA ajustado subiu 17,3% para 1,6 bilhão de euros. As vendas diminuíram 4,3% para 8,9 bilhões de euros nos primeiros noves meses, principalmente devido a uma diminuição de 8,1% nos preços gerais de vendas. Os preços médios de vendas diminuíram na comparação, principalmente no segmento de Poliuretanos. As movimentações da taxa de câmbio também tiveram um efeito levemente negativo.

Em 671 milhões de euros, o lucro líquido do Grupo Covestro subiu significativamente 57,1% com relação ao do ano anterior. O fluxo de caixa operacional livre também melhorou, subindo 68,1% para 960 milhões de euros com relação ao Grupo.

Com vendas de EUR 12,1 bilhões em 2015, a Covestro está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. Suas principais atividades incluem a produção de polímeros tecnológicos e o desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos empregados em diversas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, eletroeletrônico, construção civil e a indústria de esporte e lazer. A Covestro, antiga Bayer MaterialScience, possui 30 unidades fabris em todo o mundo e, no final de 2015, empregava aproximadamente 15.800 pessoas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Covestro

Curta nossa página no

Covestro realiza série de palestras em seu stand durante a Feira K2016

20/10/2016

covestro_k2016a

Com um conjunto de novidades e lançamentos programados para a Feira K, que acontece de 19 a 26 de outubro, em Düsseldorf, na Alemanha, a Covestro também já se prepara para levar conhecimento e informações para o público desta que é a maior feira do setor em todo o mundo. Com a participação de alguns de seus principais especialistas, a empresa apresentará palestras que revelam as tendências, mas principalmente o compromisso com a inovação. Serão oito dias e oito tópicos diferentes, todos apresentados no stand da Covestro (foto) . Confira a programação:

19 de outubro
Automotivo
Mesa-redonda: “A história por trás do carro da Covestro para a Feira K 2016”

20 de outubro
Science Award Celebration
Mesa-redonda: “CO2 – sonho ou realidade para a indústria do plástico?”

21 de outubro
Sustentabilidade
Palestra: “Solar Impulse – como alcançar o impossível”

22 de outubro
Construção
Mesa-redonda: “Revolução energética sem eficiência?”

23 de outubro
Moda
Palestra: “Química verde na indústria da moda”

24 de outubro
Design
Palestra: “Como os materiais modelam o design e o design ajuda na criação de novos materiais”

25 de outubro
Eletrônica
Palestra: “A importância do termoplástico na eletrônica”.

26 de outubro
Impressão 3D
Palestra: “Como as máquinas, materiais e software permitem novas aplicações”

Sobre a Covestro:
Com vendas de EUR 12,1 bilhões em 2015, a Covestro está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. Suas principais atividades incluem a produção de polímeros altamente tecnológicos e o desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos empregados em diversas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, eletroeletrônico, construção civil e a indústria de esporte e lazer. A Covestro, antiga Bayer MaterialScience, possui 30 unidades fabris em todo o mundo e, no final de 2015, empregava aproximadamente 15.800 pessoas.

Curta nossa página no