Posts Tagged ‘Polímeros Superabsorventes’

Evonik apresenta aplicações de Polímeros Superabsorventes na produção agrícola

20/06/2019

Ao ser utilizado em solos e substratos, o produto aumenta a eficiência do uso de água, nutrientes e ativos, possibilita o plantio em condições extremas e aumenta o rendimento e qualidade das culturas, afirma a Evonik.

Entre as soluções da Evonik para o setor do agrenegócio está uma linha de produtos que contempla os Polímeros Superabsorventes utilizados na agricultura e outros segmentos. Um dos destaques é o Stockosorb 660, desenvolvido especialmente para o uso na produção agrícola.

Segundo a Evonik, este seu Polímero Superabsorvente (SAP) altamente reticulado é capaz de absorver e disponibilizar às plantas um grande volume de água de até 300 vezes o seu próprio peso. Em contato com a água, os cristais sintéticos (grânulos) “incham” rapidamente, formando o hidrogel através da absorção e retenção de água, nutrientes e ativos, que são liberados para a planta de forma gradual e eficiente durante o processo de secagem do solo.

Esta absorção de nutrientes ocorre através da troca de cátions que são liberados gradualmente para as plantas segundo um Processo Osmótico. “Desta forma, o Stockosorb 660 pode ser aplicado em cultivos perenes, semi-perenes e anuais, como Silvicultura, Cafeicultura, Citricultura, Cultivo de Cana-de-Açúcar, Horticultura, Paisagismo, Gramados e Sojicultura, entre outros”, explica Henrique Oliveira, Executivo de Contas da linha Agro, da Evonik.

Vantagens para o solo e a planta

A Evonik afirma que o seu Polímero Superabsorvente oferece vantagens para o solo tais como o aumento da sua capacidade de retenção de água e a melhoria das suas características físicas. Além disso, assegura o fabricante, o material promove a descompactação, reduz a taxa de erosão e a perda de nutrientes por lixiviação, aumenta a capacidade de troca catiônica (CTC) e é fonte de K2O.

Segundo a empresa, o SAP também traz benefícios para a planta pois promove o aumento da taxa de sobrevivência das mudas, possibilita o plantio em condições extremas de solo e clima, aumenta a produtividade e qualidade da cultura, promove aumento da biomassa das raízes e uniformidade da cultura, prolonga “shelf-life” (sobrevida) de mudas e plantas e confere maior vigor e sanidade à cultura.

Sustentabilidade

A Evonik assegura que o Stockosorb 660 não é tóxico e é ambientalmente correto, sendo biodegradável e, portanto, não contaminando plantas, solo ou lençóis freáticos. Possui degradação fúngica (Phanerochaete chrysosporium, Pleurotus ostreatus, etc.) e bacteriana, afirma a empresa. Isento de acrilamida, o produto é totalmente solubilizado e mineralizado, após um período de 6 a 8 anos, garante a fabricante alemã.

Pesquisas demonstram que o SAP é totalmente reintegrado no ciclo do carbono do solo, sem efeitos negativos ou tóxicos no solo e/ou sobre os microrganismos, informa a empresa.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no

Anúncios

BASF inaugura Complexo Acrílico de escala mundial em Camaçari

19/06/2015

Fotos_noturnas_11022015-(29)

  • Primeiras fábricas de ácido acrílico e polímeros superabsorventes na América do Sul
  • Investimento de mais de € 500 milhões é o maior aporte da história da BASF em mais de 100 anos na América do Sul.
  • Planta de acrilato de butila em Guaratinguetá passará a produzir acrilato de 2-etil-hexila

A BASF inaugurou hoje (19/06) o seu complexo de produção em escala mundial de ácido acrílico, acrilato de butila e polímeros superabsorventes (SAP) em Camaçari, Bahia. Estas são as primeiras fábricas de ácido acrílico e polímeros superabsorventes na América do Sul, com capacidade para 160 mil toneladas de ácido acrílico por ano. Com um investimento de mais de € 500 milhões, este é o maior aporte da história da BASF em mais de 100 anos na América do Sul.

“A BASF é líder global na cadeia de valor de ácido acrílico. Este grande investimento irá fortalecer ainda mais a nossa posição no crescente mercado sul-americano”, diz Michael Heinz, membro do Conselho de Administração Executivo da BASF SE.

Polímeros superabsorventes (SAPs) são importantes produtos na cadeia de valor de ácido acrílico e são utilizados na produção de fraldas para bebês e outros produtos de higiene. O acrilato de butila, um importante derivado do ácido acrílico, é utilizado para produzir adesivos, produtos químicos para construção e tintas decorativas.

“Este complexo vai garantir o abastecimento nacional e regional de produtos que atualmente são importados”, diz Ralph Schweens, Presidente da BASF na América do Sul. “Além disso, ele vai impactar positivamente a economia local, incentivando o investimento e a inovação na região, e atrair novas empresas para o polo industrial de Camaçari”, acrescentou.

A BASF espera que o investimento traga um impacto positivo à balança comercial do País, de cerca de US$ 300 milhões por ano, sendo US$ 200 milhões por meio da redução das importações e US$ 100 milhões em função da criação de exportações.

Colaboradores treinados nos EUA, Bélgica e China

A construção do novo complexo começou em março de 2012. Para operação, as três unidades produtivas criaram 230 empregos diretos e 600 indiretos na região. A BASF está estabelecendo os mais altos padrões no Brasil, aproveitando a expertise da unidade chinesa que entrou em operação recentemente.

Com o novo complexo de Camaçari, a BASF irá converter sua fábrica de acrilato de butia, localizada em seu site em Guaratinguetá, em uma unidade de produção de acrilato de 2-etil-hexila, uma importante matéria-prima para as indústrias de adesivos e revestimentos especiais. Esta será a primeira fábrica desse tipo na América do Sul. A produção está prevista para começar em 2016, com base no ácido acrílico produzido em Camaçari.

O portfólio de produtos da BASF oferece desde químicos, plásticos, produtos de performance e para proteção de cultivos, até petróleo e gás. Empresa química líder mundial, a BASF tem 150 anos de história e contabilizou vendas de mais de €74 bilhões em 2014, contando com mais de 113 mil colaboradores no final do ano.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

BASF, Cargill e Novozymes estabelecem marco em processo biotecnológico para produção de ácido acrílico, matéria prima para polímeros superabsorventes

09/07/2013

 Sucesso na produção do ácido 3-hidroxipronanóico para ácido acrílico com base biológica

As empresas BASF, Cargill e Novozymes anunciaram nesta semana o estabelecimento de um importante marco no desenvolvimento conjunto de tecnologias para produzir o ácido acrílico a partir de matérias-primas renováveis ao demonstrarem com sucesso a produção do ácido 3-hidroxipropiónico (3-HP) em escala piloto.

O 3-HP é um bloco construtivo com base renovável e um possível precursor químico para o ácido acrílico. As empresas também estabeleceram com sucesso diversas tecnologias para desidratar o 3-HP para o ácido acrílico em escala laboratorial. Esta etapa do processo é essencial, pois ela é a base para a produção do ácido acrílico. Em agosto de 2012, as empresas BASF, Cargill e Novozymes anunciaram uma cooperação conjunta para o desenvolvimento de um processo para a conversão de matérias-primas renováveis em um ácido acrílico 100% à base biológica.

“O 3-HP é uma matéria-prima potencialmente importante para a produção do ácido acrílico com base tecnológica que é um precursor de polímeros superabsorventes”, disse Teressa Szelest, Vice-Presidente Sênior Mundial da Unidade de Negócio Higiene da BASF. “Ainda temos muito trabalho a fazer antes que o processo esteja pronto comercialmente, mas este é um marco importante e estamos confiantes que avançaremos para o próximo nível de expansão do processo como um todo em 2014.”

O ácido acrílico é um químico de alto volume que contribui para uma ampla linha de produtos. A BASF é maior produtora mundial de ácido acrílico e conta com grandes capacidades em sua produção e processamento interno. Inicialmente, a BASF planeja utilizar o ácido acrílico à base biológica para fabricar polímeros superabsorventes capazes de absorver grandes quantidades de líquido e são usados em fraldas para bebês e outros produtos de higiene. Atualmente, o ácido acrílico é produzido por meio da oxidação de propileno derivado da refinação do óleo bruto.

A equipe do projeto em parceria das empresas combina a experiência de excelência mundial em biotecnologia, matérias-primas renováveis, fermentação em escala industrial e no desenvolvimento de novos processos químicos.

“As três empresas formaram conjuntamente equipes de trabalho altamente talentosas e experientes para o projeto”, disse Jack Staloch, Vice-Presidente de P&D em Biotecnologia da Cargill. “As equipes estão avançando com rapidez e intensidade, e já demonstraram um grande progresso rumo à conquista dos nossos objetivos.”

“Estabelecemos um importante marco com a produção do 3-HP em escala piloto,” disse Rasmus von Gottberg, Vice-Presidente de Desenvolvimento Corporativo e Criação de Negócios da Novozymes. “Já demonstramos que é possível produzir este importante bloco químico construtivo a partir de matérias-primas renováveis em condições industriais robustas. E agora o trabalho de desenvolvimento seguirá para sua comercialização.”

Os polímeros superabsorventes derivados do ácido acrílico à base biológica será uma nova oferta inovadora para o mercado. As fraldas produzidas com esses polímeros superabsorventes atenderão à demanda de um grupo de consumidores significativo e crescente particularmente em mercados desenvolvidos. Eles também poderão permitir que os fabricantes de fraldas atendam à demanda dos consumidores, diferenciem seus produtos e contribuam para seus objetivos de sustentabilidade.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

BASF lança construção de Complexo Acrílico de escala global no Brasil

24/11/2011
  • Maior investimento da história da BASF na América do Sul: 500 milhões de Euros
  • Início das atividades produtivas planejado para 2014
  • Braskem S.A. será o parceiro estratégico no fornecimento de matérias-primas e utilidades

A BASF lança hoje a pedra fundamental de seu Complexo Produtivo de escala global para a produção de ácido acrílico, acrilato de butila e polímeros superabsorventes (SAP) em Camaçari, Bahia, Brasil. Será a primeira fábrica de ácido acrílico e superabsorventes da América do Sul. Com um investimento superior a 500 milhões de Euros, este será o maior aporte da BASF ao longo de sua história de 100 anos na América do Sul.

Além disso, a BASF passará a produzir acrilato de 2-etil-hexila, uma importante matéria-prima para as indústrias de adesivos e tintas especiais, no atual Complexo Químico de Guaratinguetá, São Paulo. Esta também será a primeira fábrica do produto na América do Sul.

A BASF é líder global e regional na cadeia acrílica e, com o novo Complexo Acrílico, vai assegurar o fornecimento de matéria-prima para importantes produtos, como: fraldas, químicos para construção civil, resinas acrílicas para tintas, tecidos e adesivos.

“Este momento é muito importante. Estamos evoluindo para a construção de nosso Complexo Acrílico no Brasil”, afirma Alfred Hackenberger, Presidente da BASF para a América do Sul.

O Polo de Camaçari foi escolhido em função da disponibilidade de matéria-prima (propeno) e utilidades, fornecidas pela Braskem S.A., a maior indústria química do Brasil e parceira estratégica da BASF neste projeto.

A construção do novo Complexo Acrílico começará em 2011, gerando cerca de 1.000 empregos durante a construção. O início das atividades produtivas está previsto para o quarto trimestre de 2014, gerando 230 empregos diretos e 600 indiretos. A produção de acrilato de 2-etil-hexila em Guaratinguetá está planejada para iniciar em 2015, com base no ácido acrílico produzido em Camaçari, BA.

“Esperamos que o investimento traga um impacto muito positivo para a balança comercial do País de cerca de US$ 300 milhões ao ano, sendo US$ 200 milhões por meio da redução de importações e US$ 100 milhões em função do aumento das exportações”, diz Hackenberger.

O ácido acrílico é um importante produto na cadeia de valor dos superabsorventes, componentes ativos de fraldas de bebês e outros produtos de higiene. Éster acrílico, o mais importante derivado do ácido acrílico, é utilizado para produzir matérias-primas para adesivos, químicos para construção e tintas decorativas, como as da Suvinil, marca de tintas decorativas da BASF e líder no segmento Premium no Brasil.

Fonte: BASF

BASF fortalece sua posição em polímeros superabsorventes (SAP) nos mercados emergentes

16/10/2011
  • BASF acompanha o crescimento de clientes nos mercados emergentes com unidades de produção locais
  • As novas fábricas de SAP em Camaçari, Brasil, e Nanjing, China, têm capacidade produtiva de 60.000 toneladas cada
  • Produção será inicia em 2014

A BASF fortalece sua posição no mercado de polímeros superabsorventes com investimentos em unidades de produção locais em mercados emergentes de rápido crescimento. Recentemente, a BASF anunciou a finalização do estudo de viabilidade da construção de uma nova fábrica de polímeros superabsorventes (SAP) em Camaçari, Brasil. O início da produção está previsto para 2014 e a capacidade produtiva anual será de 60 mil toneladas.

O segundo estudo de viabilidade, que está relacionado a um investimento em uma unidade fabril de SAP da BASF com a co-participação da SINOPEC em Nanjing, China (BASF-YPC Company Limited), também foi concluído e as empresas decidiram começar a construção das novas instalações em meados de 2012. A fábrica de SAP em Nanjing também irá operar a uma capacidade anual de 60 mil toneladas e o primeiro produto manufaturado pela nova fábrica estará disponível no mercado no início de 2014.

 A BASF acompanha o crescimento de seus clientes

O crescimento mais relevante da demanda por polímeros superabsorventes é nos mercados emergentes. “O objetivo das duas iniciativas é acompanhar o crescimento de nossos clientes e torná-los mais independentes das importações”, diz Gabriel Tanbourgi, Presidente Global da Divisão de Care Chemicals da BASF. “Com nossos dois investimentos podemos facilmente servir o crescente mercado de polímeros superabsorventes da América do Sul e China”.

 Os investimentos no Brasil e na China marcam o compromisso da BASF em longo prazo com seus clientes e os mercados emergentes.

 “As duas fábricas serão construídas com as últimas tendências em tecnologias, sendo considerada uma futura integração à fábrica de ácido acrílico”, diz Teressa Szelest, Vice-presidente Sênior Global dos Negócios de Higiene. “Isso permite a produção do nosso SAP premium de alta qualidade também nos mercados emergentes.” Com seus inovadores polímeros superabsorventes, a BASF segue as tendências dos mercados de fraldas, produtos de incontinência para adultos e aplicações para higiene feminina. “As fraldas, em particular, tornam-se cada vez mais finas”, comenta Szelest. “Com nossas inovações apoiamos nossos clientes no desenvolvimento de uma nova geração de fraldas”, ela conclui.

 Como já anunciado no início deste ano, a BASF está conduzindo outro estudo para avaliar a viabilidade técnica e econômica de operar um sistema integrado na fábrica de SAP em Kuantan, na Malásia, que ainda não foi concluído. A decisão sobre qualquer investimento em Kuantan depende dos resultados do estudo de viabilidade.

 Variedade de aplicações dos Polímeros Superabsorventes

Polímeros superabsorventes têm capacidade de absorver e armazenar até 500 vezes seu próprio peso em líquido – mesmo sob pressão. A absorção é reduzida, surpreendentemente para 50 vezes o seu peso com fluidos corporais, como urina. O produto é utilizado na forma de pó branco e granulado principalmente para fazer fraldas para bebês. Os produtos para incontinência para adultos e higiene feminina são outras áreas prioritárias de pesquisa para os grânulos brancos. Outras aplicações, não consideradas de higiene, são o poder de absorção de polímeros superabsorventes usados para o controle de umidade em assentos de carros e embalagens de alimentos.

Fonte: BASF

Braskem poderá fornecer propeno para novo projeto da Basf no Brasil

10/03/2011
Empresa deixará de exportar o excedente de propeno produzido e fortalecerá a cadeia produtiva

A BASF acaba de anunciar mundialmente sua intenção de avaliar um novo projeto de produção em escala mundial de ácido acrílico, acrilato de butila e polímeros superabsorventes (SAP) no Brasil. Caso o projeto seja de fato implantado, a Braskem, maior petroquímica das Américas, será a fornecedora de longo prazo de propeno, que é a matéria-prima para a fabricação do ácido acrílico.

O propeno que será destinado a BASF é, atualmente, exportado. Assim, ao optar por fornecer o produto para uma planta local, a Braskem contribui para garantir o abastecimento para importantes segmentos no país como SAP para fraldas – um mercado que movimentou US$ 2 bi em 2009 -, resina acrílica para tintas (US$ 3 bi em 2009), construção civil, adesivos e têxtil, entre outros. Já os acrilatos de butila e poliacrilatos estão presentes no detergente em pó e no tratamento de água industrial. O ácido acrílico possui larga utilização no setor de mineração.

“Certamente, a parceria com a BASF incentivará maior investimento de empresas de terceira geração no país e criará oportunidades para consumos adicionais de petroquímicos básicos e resinas”, afirma Manoel Carnaúba, vice-presidente de Petroquímicos Básicos da Braskem.

A  BASF  será a primeira empresa a produzir ácido acrílico e SAP na América do  Sul.  Para  garantir  a  competitividade  dos investimentos,  as  duas companhias  assinaram um Memorando de Entendimento, que define as condições de  fornecimento  de  longo prazo para o propeno e soda – ambos usados como matéria-prima  para a produção de ácido acrílico -, bem como o fornecimento de serviços pela Braskem à BASF.

Fonte: Braskem

BASF realiza estudo de viabilidade de nova planta de polímeros superabsorventes e ácido acrílico no Brasil.

10/03/2011

A BASF está explorando oportunidades para um novo investimento no Brasil. Os projetos em análise incluem a produção de ácido acrílico, acrilato de butila e polímeros superabsorventes (SAP).  A empresa está realizando estudos para avaliar a viabilidade técnica, comercial e econômica de operar um complexo de escala mundial no Brasil.

A decisão sobre as plantas a serem construídas, assim como as suas capacidades de produção, será tomada depois da conclusão do estudo de viabilidade, o qual se espera ser concluído em 2011. Com este investimento, a BASF está mirando o mercado Sul-Americano, com foco especial no Brasil.

“A BASF está atualmente produzindo acrilato de butila no Brasil, mas, no momento, não há nenhuma planta na América do Sul para a produção de ácido acrílico e polímeros superabsorventes (SAP) – todo o produto é importado,” afirma Dr. Alfred Hackenberger, Presidente da BASF para a América do Sul. “Com estes novos investimentos, nós seremos a primeira empresa a produzir ácido acrílico e SAP na América do Sul, o que nos permitirá servir melhor a nossos clientes,  promover mais a nossa posição nesses mercados e abrir oportunidades adicionais para nossos negócios na América do Sul,“ conclui Hackenberger.

Para garantir a competitividade do investimento em análise, a BASF e a Braskem assinaram um Memorando de Entendimento. Este memorando define as condições de suprimento, a longo prazo, do propileno que é usado como matéria prima para a produção de ácido acrílico, assim como o suprimento de utilidades da Braskem para a BASF.

O ácido acrílico é um importante precursor na cadeia de produção dos polímeros superabsorventes, que são componentes ativos de fraldas descartáveis e outros produtos do setor de  higiene. Ésteres acrílicos, os mais importantes derivados do ácido acrílico, são usados para produzir revestimentos arquitetônicos, matérias primas para adesivos e produtos químicos para construção.

Fonte: BASF