Posts Tagged ‘Abiplast’

PICPlast comemora cases de inovação

04/11/2018

Em cinco anos de atuação, o Plano investiu mais de R$ 17 milhões na realização de cerca de 30 iniciativas, com mais de mil participantes de dezenas de empresas.

Com o intuito de promover a competitividade e a produtividade na indústria de transformação de plástico, o Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico – PICPlast – segue comemorando os resultados de suas propostas voltadas à inovação. Em cinco anos de atuação, o Plano investiu mais de R$ 17 milhões na realização de mais de 30 iniciativas. O PICPlast é fruto da parceria da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), e da Braskem.

Entre as ações que mais fazem sucesso estão os Programas de Inovação. Foi após participar de uma das turmas que o empresário Leandro Cavallaro, da Styroplast, passou a diversificar sua oferta de produtos. “Participar do treinamento nos possibilitou acrescentar dois novos produtos ao nosso portfólio: a manta de subcobertura de telhado para o varejo e o filme stretch para paletização de cargas”, revela o administrador. “As pessoas pensam que inovar é apenas criar, quando, na verdade, inovar também pode ser introduzir produtos já existentes no mercado no seu leque de ofertas ou acrescentar processos novos na sua linha de produção”.

Segundo o empresário, o PICPLast foi fundamental para a capacitação e o desenvolvimento em áreas como pesquisa e análise de mercado, planejamento de negócios e gestão de pessoas. “Além disso, ganhamos em networking e em qualificação dos nossos profissionais. Com a participação nos treinamentos, nós, da indústria de transformação, só temos a ganhar”.

Outra beneficiada com o programa de inovação foi a Promaflex, empresa do segmento de filmes plásticos. Segundo Andrea Martins, que coordena o grupo interno de inovação da transformadora, após a participação no programa a Promaflex criou seu primeiro produto com foco no consumidor final: uma manta de proteção antimofo. Segundo Andrea, o treinamento ajudou a colocar no papel e organizar os pensamentos de forma mais prática. “Aprendemos a organizar a equipe formada por pessoas de todas as áreas da empresa, alinhando a estratégia e, principalmente, aprendemos a dar o peso certo para cada etapa. Com isso, em um ano saímos da ideia no papel para o lançamento do produto”.

Outro aprendizado que veio do curso, segundo a executiva, foi o de dar credibilidade para o lançamento. “Para estarmos referenciados, procuramos o biomédico Roberto Figueiredo, conhecido como Dr. Bactéria, para que ele analisasse o produto. Ele constatou que o uso da manta impossibilita o crescimento do mofo em 99,9% dos casos, o que nos deu bastante segurança para seguir em frente”, explica Andrea.

Para realizar os programas, o PICPlast faz parcerias com instituições renomadas, entre elas Fundação Dom Cabral, Sebrae e Avantec. Após realização de duas turmas em São Paulo, o PICPlast levou o Programa de Inovação para a região de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, envolvendo cerca de 60 profissionais da área de transformação.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Picplast

Curta nossa página no

Anúncios

Rede Empresarial de Cooperação para o Plástico apresenta proposta de ações

13/09/2018

A Abiplast promoveu no último dia 5 uma nova reunião da Rede Empresarial de Cooperação para o Plástico. Com representantes dos transformadores plásticos, recicladores, cooperativas, petroquímicas, indústria de consumo e varejo, a iniciativa reuniu quase 40 pessoas.

No encontro, foram apresentados os trabalhos desenvolvidos pelos Eixos com o objetivo de estruturar ações previstas até o final do ano, bem como debateram a inclusão de novos stakeholders.

Os participantes também tiveram a oportunidade de conhecer os cases da Unilever – que tem utilizado o plástico reciclado na concepção de embalagens – e da Danone, que desenvolve treinamentos em cooperativas.

A Rede Empresarial engaja as principais empresas representantes da cadeia produtiva do plástico, reunidas pelo desafio de viabilizar a economia circular e, em última instância, de evitar que o plástico vá parar no meio ambiente. A Rede faz parte de diversas iniciativas da Abiplast de promover o plástico no contexto ambiental de forma positiva.

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

Abiplast ressalta diferenças entre Bioplásticos, e Plásticos Oxidegradáveis e Biodegradáveis

13/09/2018

Em matéria publicada em seu site, reproduzida a seguir, a Abiplast – Associação Brasileira da Indústria do Plástico procura esclarecer as diferenças de terminologia e conceito entre plásticos de origem fóssil e biológica, assim como aspectos relacionados à degradação de plásticos. posicionando-se contra o uso de aditivos oxidegradáveis. Segue o texto:

“Muito se fala sobre os diferentes tipos de embalagens e sua reciclagem, mas nem sempre a sua denominação é clara, o que provoca dúvidas no consumidor tanto na hora de adquirir um produto quanto em seu descarte. Dois desses conceitos envolvem diretamente a reciclagem: os termos reciclável e reciclado. O primeiro indica que um produto foi fabricado com um material plástico que após cumprir sua finalidade inicial pode passar por um novo processo de transformação originando novos produtos, enquanto que reciclado indica que o produto foi fabricado com uma matéria-prima recuperada.

Mas as dúvidas não param por aí. A discussão sobre o consumo de determinados plásticos também gera confusão. Os convencionais são de origem fóssil e são derivados do petróleo – 4% da produção mundial de petróleo se destinam à indústria do plástico. Esse plástico pode ser reciclado, ou seja, depois de sua primeira aplicação ele pode voltar para a indústria e se transformar em um outro produto para os segmentos de construção civil, automotivo, mobiliário, embalagens para produtos de limpeza, bebidas, etc.

Já o bioplástico tem as mesmas propriedades do plástico convencional , mas se difere por ter como matéria-prima fontes renováveis como soja, amido de arroz, milho e de cana- de- açúcar. Embora sua fonte seja de origem renovável, não necessariamente o bioplástico será biodegradável, embora seja possível reciclá-lo.

O plástico biodegradável é aquele que ao término de seu ciclo de vida sofre processo de compostagem em até 180 dias pela ação de microrganismos, sob condições específicas de calor, umidade, luz, oxigênio e nutrientes orgânicos . Em geral, esse produto deriva de fontes vegetais tais como a celulose, amido, etc.

Já o oxidegradável tem sido comercializado em muitos países com o apelo de proporcionar a biodegradação, o que não é verdade segundo alerta o atual relatório da Nova Economia do Plástico da Fundação Ellen MacArthur. O estudo alerta que os plásticos que recebem aditivos oxidegradáveis para acelerar seu processo de degradação não se degradam em resíduos inofensivos. Pelo contrário, como se fragmentam em pequenos pedaços contribuem para a poluição microplástica, tornando-se um risco para oceanos e outros ecossistemas.

“Além disso, estes materiais não são adequados para a reutilização efetiva a longo prazo, reciclagem em escala ou compostagem, o que significa que eles não podem fazer parte de uma economia circular”, ressalta Rob Opsomer, da Fundação Ellen MacArthur.

Com o intuito de evitar o risco ambiental em larga escala, a Fundação Ellen MacArthur elaborou um documento em que propõe a proibição de aditivos oxidegradáveis em embalagens e produtos plásticos em todo o mundo. A Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast) foi a única representante da indústria brasileira a endossar o documento, que foi assinado por mais de 150 organizações de todo o planeta, como empresas líderes, associações industriais, ONGs, cientistas e membros do Parlamento Europeu.

Desde 2015, a Abiplast não recomenda o uso de materiais plásticos aditivados com pró-degradantes. A entidade defende que a solução eficaz para o tratamento dos resíduos pós-consumo está na educação ambiental da população, no consumo consciente, na produção responsável e no descarte adequado das embalagens – o que faz com que os resíduos plásticos retornem para a indústria de transformação e formem novos produtos plásticos. Além disso, por acreditar que toda a cadeia do plástico possui responsabilidade nesse processo, a entidade promoveu a criação da Rede Empresarial de Cooperação para o Plástico, que engaja as principais empresas representantes da cadeia produtiva do plástico, reunidas pelo desafio de viabilizar a economia circular e, em última instância, de evitar que o plástico vá parar no meio ambiente.

A versatilidade do plástico, tanto do ponto de vista de utilização quanto pela diversidade de matérias-primas, possibilita sua total adaptação aos preceitos da Economia Circular. Para isso é fundamental que se trabalhe a viabilidade econômica dessas matérias-primas, principalmente dos materiais reciclados. Atenta a essa necessidade, a Associação promove o debate e a divulgação da importância da produção e do consumo conscientes, da reutilização de embalagens e produtos e também do descarte correto dos produtos plásticos – para que esses sejam sempre destinados à reciclagem retornando dessa forma à cadeia produtiva e otimizando a utilização de recursos naturais e eficiência energética.”

Fonte: Site da Abiplast / Foto: ThisisPlastics (Plastics Industry Association)

Curta nossa página no

PICPlast lança 2ª edição da Promoção Plástico Premiado

09/08/2018

Quiz educativo sobre o plástico é direcionado aos colaboradores da indústria de transformação e reciclagem.

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico, PICPlast, lança a segunda edição da Promoção Plástico Premiado. A iniciativa é do Movimento Plástico Transforma – ação pertencente ao PICPLast – e é voltada para a indústria de transformação e reciclagem do plástico, com o objetivo de reforçar o conhecimento dos seus colaboradores sobre os importantes atributos e possibilidades desse versátil material.

“De forma didática, queremos disseminar informações que valorizem as características do plástico para os setores da transformação e da reciclagem, a fim de que cada colaborador possa se tornar um multiplicador dessas informações”, explica Edison Terra, Vice-Presidente Executivo da Braskem.

As questões de múltipla escolha que compõem o quiz trazem curiosidades sobre aplicações, benefícios e características próprias do plástico.

“A primeira edição da Promoção foi um sucesso e contou com a participação de mais de 7 mil colaboradores dessas indústrias. A nossa expectativa com a nova edição é impactar ainda mais pessoas, compartilhando informações de qualidade para torná-las verdadeiras embaixadoras do plástico”, afirma José Ricardo Roriz Coelho, presidente da ABIPLAST.

Os interessados em participar da Promoção devem acessar, até 21 de setembro, o site www.plasticotransforma.com.br/plasticopremiado, cadastrar-se, navegar pelo conteúdo e responder às 15 questões propostas. Os participantes que acertarem no mínimo 10 perguntas concorrerão automaticamente a 50 Smartphones Samsung Galaxy S8 Edge, que serão sorteados no sábado, dia 29 de setembro.

Para mais informações sobre o Movimento Plástico Transforma acesse: www.plasticotransforma.com.br.

Fonte: Assessoria de Imprensa – PICPlast

Curta nossa página no

PICPlast intensifica ações no Rio Grande do Sul

02/08/2018

Região é cenário de iniciativas para o desenvolvimento da indústria da transformação e promoção da imagem do plástico

Com o objetivo de fortalecer ainda mais o mercado do sul do país, o Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico, PICPlast, leva para a região iniciativas que vão desde desenvolvimento e capacitação da indústria da transformação até a conscientização da sociedade sobre a importância do plástico na inovação e tecnologia. O PICPlast é fruto da parceria da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), e da Braskem.

Em junho deste ano, cerca de 60 colaboradores e empresários do setor participaram do primeiro módulo do Programa de Gestão de Inovação, realizado com apoio da consultoria Avantec, no SENAI de São Leopoldo, Grande Porto Alegre. Trata-se da primeira turma organizada fora de São Paulo. O Programa é composto por dez módulos, além de coaching individual para cada empresa participante. A ideia é fortalecer a cadeia local, possibilitando que as empresas implementem um sistema de inovação capaz de ampliar sua competitividade e suas possibilidades de oferecer novos produtos e serviços, tanto para o nosso mercado como para a atuação no exterior.

Além do compromisso de promover o aumento da competitividade e inovação no setor de transformação, com iniciativas como o Programa citado anteriormente, o PICPlast também possui entre os seus pilares a promoção das vantagens do plástico, com frentes de trabalho voltadas para reciclagem, estudos técnicos, educação e comunicação. Entre os destaques deste pilar está o Movimento Plástico Transforma, responsável por um dos projetos de maior impacto junto à sociedade, o PlastCoLab.

O PlastCoLab é um makerspace com experiências gratuitas que evidenciam o importante papel do plástico em soluções inovadoras e em novas tecnologias. Depois do sucesso da primeira edição, realizada em dezembro de 2017 em São Paulo, foi a vez da capital gaúcha receber a atração. Com atividades para todas as idades, a instalação, no formato de cubo mágico com 9 metros de altura, recebeu cerca de seis mil pessoas entre os dias 22 de junho e 1º de julho, no shopping Iguatemi.

A região de Porto Alegre é bastante relevante para esta cadeia, já que concentra um expressivo número de transformadores da indústria do plástico. Em sequência às ações com foco na região, será realizado, no próximo dia 23 de agosto, o Seminário sobre Vendas e Mercado. Em todo o Brasil, desde 2013 mais de mil empresas foram beneficiadas pelas iniciativas desenvolvidas pelo PICPlast, em parceria com instituições renomadas como SEBRAE e Fundação Dom Cabral.

Fonte: Assessoria de Imprensa – PICPlast

Curta nossa página no

José Ricardo Roriz Coelho assume presidência da Fiesp

07/06/2018

Notícia veiculada pelo Valor informa que o presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), José Ricardo Roriz Coelho (foto),  assumiu, nesta quarta-feira, o comando da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Paulo Skaf, que era presidente da entidade, licenciou-se do cargo para concorrer ao governo de São Paulo nas próximas eleições.

O primeiro vice-presidente da Fiesp, Benjamim Steinbruch, estava cotado para assumir o cargo durante a licença de Skaf mas também licenciou-se da diretoria da entidade. Especula-se que Steinbruch poderá ser o candidato a Vice-presidente da República na chapa de Ciro Gomes.

José Ricardo Roriz Coelho faz parte da diretoria da Fiesp há 13 anos como Diretor de Economia, Competitividade e Tecnologia e ocupava também o cargo de 2o. vice-presidente da entidade.

Link para notícia do Valor: http://www.valor.com.br/empresas/5572089/jose-roriz-coelho-presidente-da-abiplast-assume-comando-da-fiesp

Curta nossa página no

PICPlast reforça a versatilidade do plástico em soluções para o agronegócio na Agrishow 2018

01/05/2018

Iniciativa dá visibilidade a 15 transformadores de plástico, que mostram na prática a funcionalidade de 20 soluções e seus diferenciais para a performance nas atividades agrícola e pecuária no Brasil

Dar visibilidade aos fabricantes que usam o plástico como matéria-prima para contribuir para o desenvolvimento e crescimento do agronegócio brasileiro. Este é objetivo da participação do Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast) na Agrishow 2018, o principal evento do setor no Brasil. O PICPlast é fruto da parceria da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast) e da Braskem. O espaço do PICPlast contará, ao todo, com 15 empresas que apresentarão na prática a funcionalidade de 20 soluções e seus diferenciais nas atividades agrícola e pecuária.

Entre os destaques do estande está o Wrap, uma solução de armazenagem de silagem pré-secada. Produzido pelos transformadores de plástico Manulli e Extraplast, trata-se de um filme stretch de polietileno de alta aderência para envelopamento de fardos pré-secados, mais palatáveis para o gado. O filme também tem a função de manter o valor nutricional do alimento e permite armazenamento por até 12 meses.

Outro atração da feira é o Silo Bolsa produzido pela Pacifil para armazenagem de grãos e silagem. Em formato de túnel flexível de polietileno, medindo de 70 a 100 metros de comprimento, o produto foi concebido para criar um ambiente sem oxigênio, o que impede o surgimento e desenvolvimento de pragas e insetos durante a armazenagem. Dessa forma, é possível estocar grãos e silagem por até 12 meses, preservando a qualidade do produto armazenado. Com baixo custo, esta solução permite ainda a segregação de lotes e contribui com a redução na perda de alimentos.

Com um grande apelo sustentável, os Big Bags – embalagens de ráfia de polipropileno com alta capacidade de armazenagem, produzidas pela Propex – prometem atrair a atenção dos visitantes do espaço. Pela primeira vez, o PICPlast apresentará uma versão fabricada com 50% de resina reciclada, ou seja, novos big bags produzidos a partir de unidades já utilizadas. Aplicando o princípio da logística reversa, a iniciativa estimula o descarte correto do produto e permite que a matéria-prima volte para a cadeia produtiva. O espaço também disponibilizará big bags produzidos com resina virgem.

No estande do PICPlast na Agrishow também será possível conferir de perto o Sistema de Irrigação por gotejamento apresentado pela NaanDan Jain, empresa especialista em sistemas de irrigação. O gotejamento garante que mais de 90% da água chegue à raiz da planta, o que permite controle e uso racional do recurso hídrico. Na exposição, o sistema de gotejamento exposto usará mangueiras de polietileno verde, material produzido a partir do etanol, para irrigação de cana-de-açúcar. Este fechamento do ciclo da cadeia, cana-de-açúcar irrigada com mangueiras feitas com material produzido a partir da cana-de-açúcar, corresponde a uma atração adicional.

Consolidado como uma ótima opção para plantas de ciclo curto, o Mulching é outro destaque da feira. O diferencial é que, desta vez, a Rioplastic vai apresentar esta solução para um cultivo de ciclo longo, como o café. Neste caso, trata-se de um filme agrícola de dupla face, à base de polietileno e aditivos especiais, utilizado na cobertura de solo. A tecnologia leva à retenção da umidade do solo e impede o crescimento de plantas daninhas, o que promove um melhor desenvolvimento vegetativo da planta e, consequentemente, maior produtividade da lavoura.

Já a exposição das Sacarias de Ráfia, para embalar sementes tratadas, reforça as vantagens da solução em relação às embalagens tradicionais. A sacaria de ráfia apresenta maior resistência ao rasgo e à umidade, preço mais competitivo e tem como diferencial a possibilidade de ser transparente, o que permite visualizar seu conteúdo. As sacarias utilizam a tecnologia da solda quente ao invés da costura convencional e proporcionam melhor acomodação. Este projeto conta com a parceria da Embrasa.

“É com muita satisfação que marcamos presença do PICPlast pela quinta vez na Agrishow, mostrando nosso compromisso em estimular as empresas transformadoras de plástico para criar soluções inovadoras, que contribuam para o crescimento do agronegócio no Brasil. Esta é, sem dúvida, uma grande oportunidade para os empreendedores do setor fecharem grandes negócios”, afirma Edison Terra, Vice-Presidente Executivo da Braskem.

Já José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast, acredita que este tipo de iniciativa mostra a versatilidade do plástico e o investimento dos transformadores na fabricação de soluções para diversas necessidades. “A participação dessas empresas na Agrishow reforça o aspecto sustentável e tecnológico do plástico enquanto matéria-prima pois evidencia o quanto as aplicações contribuem para o aumento da produtividade no agronegócio e para a redução de possíveis perdas”, ressalta Roriz.

O estande do PICPlast na Agrishow fica localizado na rua F, estande nº F9a. Comprometido com a capacitação do setor, o Plano conta com várias iniciativas que visam reforçar a qualificação e incentivar empresas transformadoras de plástico. Desde 2013 mais de 1.000 empresas foram beneficiadas pelas iniciativas desenvolvidas pelo PICPlast, que possui parcerias com instituições renomadas, como SEBRAE e Fundação Dom Cabral.

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast) é uma iniciativa criada em 2013 pela Braskem e Abiplast que prevê o desenvolvimento de programas estruturais que contribuam com a competitividade e o crescimento da transformação plástica. Baseado em três pilares: aumento da competitividade e inovação do setor de transformação, estímulo às exportações de transformados plásticos e promoção das vantagens do plástico, o PICPlast também conta com investimentos voltados ao reforço na qualificação profissional e na gestão empresarial.

Na linha de vantagens do plástico, as frentes de trabalho são voltadas para reciclagem, estudos técnicos, educação e comunicação, com destaque para o Movimento Plástico Transforma.

A Braskem conta com 8 mil colaboradores e produção anual de 20 milhões de toneladas, incluindo produtos químicos e petroquímicos básicos. A empresa exporta para Clientes em aproximadamente 100 países e teve faturamento de R$ 55 bilhões em 2016, contando com 41 unidades industriais, localizadas no Brasil, EUA, Alemanha e México, esta última em parceria com a mexicana Idesa.

A Associação Brasileira da Indústria do Plástico — Abiplast representa o setor de transformados plásticos e reciclagem desde 1967, atuando para aumentar a competitividade da indústria. Para isso, realiza ações que promovem novas tecnologias, novos processos, pesquisa de produtos com foco na sustentabilidade, entre outras. A Abiplast representa atualmente 12.384 empresas que empregam um total de 320.247 mil pessoas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – PICPlast

Curta nossa página no

PICPlast divulga pesquisa apontando o perfil e expectativas do transformador de plástico no Brasil

23/02/2018

Estudo mostra os principais interesses dos empreendedores da indústria de transformação.

O transformador de plástico no Brasil busca por iniciativas que o ajude a vender mais (59,4%) e acredita que inovação em produtos (49,3%) é o caminho para o crescimento. É o que mostra o estudo de mercado encomendado pelo PICPlast, Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico, uma iniciativa setorial da Abiplast e da Braskem. Para 59,4% desta amostra, abrir novos mercados é a prioridade.

A pesquisa revelou ainda o perfil destes empresários: homens (78,1%), com mais de 35 anos (82,3%) e com escolaridade superior à graduação (86,7%), que conduzem empresas familiares (70,1%), com 50 a 500 funcionários (61,5%), localizadas no estado de São Paulo (46,8%).

O estudo também mostra a participação de diferentes áreas da transformação. Para a produção de filmes (ramo de 55,8% dos participantes da pesquisa) são usados equipamentos de extrusão onde a matéria-prima fundida forma filmes flexíveis que, posteriormente, serão transformados em embalagens. Já para a injeção de plásticos (31,7%), são usadas máquinas que injetam o material fundido sob pressão no interior de um molde, formando peças de formatos e aplicações diversas. Outro tipo de transformação do material plástico que aparece em destaque é o sopro-extrusão (20,5%) que produz, por exemplo, frascos para alimentos e bebidas, através da aplicação de ar comprimido que expande o material fundido dentro de um molde.

A pesquisa traz também a participação do setor da reciclagem dos materiais plásticos (9%) onde há a fabricação de grânulos de material reaproveitado que retornarão à cadeia produtiva na forma de novos produtos plásticos, evitando a extração de novos recursos naturais e aplicando o contexto da economia circular.

As empresas ouvidas produzem os mais diferentes tipos de produtos, principalmente embalagens para alimentos e bebidas ou tampas (37,4%). Bobinas plásticas (29,5%), produtos para agronegócios (22,3%), construção civil (18,7%) e embalagens para cosméticos (15,1%) também aparecem com grande relevância entre os itens produzidos.

Investir em renovação tecnológica, principalmente na área de processos e equipamentos, é o desejo de 38,5% dos empresários. O mercado e a concorrência são considerados os principais desafios para o crescimento para cerca de 30% dos entrevistados. Os empreendedores da indústria do plástico têm interesse em iniciativas voltadas à eficiência operacional, comprovado pelos percentuais altos daqueles que querem reduzir perdas (67,7%) e aumentar o controle de qualidade (61,2%).

Para atender a estas demandas, o PICPlast realiza, ao longo do ano, uma série de ações que visa beneficiar os atuantes do setor. Desde 2013 já foram investidos cerca de R$ 15 milhões em iniciativas direcionadas aos transformadores. São projetos que auxiliam desde o pensamento com foco em inovação até gestão financeira e controle de qualidade.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Picplast

Curta nossa página no

Movimento Plástico Transforma promove a versatilidade e o potencial dos plásticos em “Cubo Mágico” na Avenida Paulista

09/12/2017

  • Batizada de PlastCoLab, iniciativa busca inspiração no movimento maker para apresentar a versatilidade e o potencial de transformação do plástico
  • Instalação oferece experiências gratuitas ligadas à inovação, criatividade e conhecimento

Com a proximidade do Natal, a avenida Paulista, no coração de São Paulo, ganha ainda mais visibilidade com as decorações típicas desta época do ano. A surpresa deste ano ficou por conta de um “cubo mágico”, icônico brinquedo dos anos 80, com nove metros de altura. Nele está funcionando o PlastCoLab, um makerspace pop up de três andares que oferece gratuitamente experiências ligadas à inovação, criatividade e conhecimento associados à versatilidade do plástico e seu potencial de transformação. A ação, que se iniciou no dia 3 e se encerrará no dia 17 de dezembro, é realizada pelo Movimento Plástico Transforma, pertencente ao Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast), uma iniciativa setorial, e funcionará de terça a sexta, das 11h às 19h e sábados e domingos, das 10h às 18h.

O PlastCoLab tem como mote principal o movimento maker, uma extensão da cultura do “faça você mesmo”, que tem como base a idéia de que pessoas comuns podem construir, consertar, modificar e fabricar os mais diversos tipos de objetos e projetos com suas próprias mãos. Esta filosofia está presente por todo o PlastCoLab: por exemplo, no espaço Expo, no primeiro andar da instalação, está sendo possível ver de perto o funcionamento da impressora 3D criada pela Made In Space, empresa norte-americana líder no desenvolvimento de impressoras 3D para operação em gravidade zero e fornecedora da NASA. A máquina foi utilizada por astronautas para a produção de ferramentas utilizando o plástico feito a partir de fonte renovável, cana de açúcar, fornecido pela Braskem.

“O PlastCoLab traz ao público, de um jeito interativo e moderno, a alta tecnologia e a contemporaneidade dos produtos que utilizam o plástico como matéria-prima. Acreditamos que é importante aproximar a sociedade deste produto, dando a todos a possibilidade de participar de oficinas colaborativas, criando seus próprios projetos”, enfatiza José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast.

“Queremos aproximar a população das novas tecnologias e mostrar, de forma prática, o quanto a versatilidade do plástico já faz parte das nossas vidas e como ele continuará importante no futuro”, diz Edison Terra, Vice-Presidente Executivo da Braskem.

Andares e atrações:

O PlastCoLab está dividido em três andares. No primeiro andar há uma série de exposições interativas, entre elas o hockey de robôs, uma demonstração das inúmeras possibilidades da robótica, e os Bonecxs para Todxs, brinquedos criados pelo pessoal da MiranteLab que têm como proposta uma reflexão sobre padrões e identidades. Ainda, no mesmo espaço, também é possível manipular objetos produzidos na impressora 3D do Made In Space.

No segundo andar acontecem as oficinas, tais como: Impressão 3D na Prática, Robótica para Crianças, Construção de Fliperama e de Moldes Plásticos, Hortas Automatizadas, Oficina de Brinquedos e Oficina de Drones.

A troca de conhecimento continua no terceiro pavimento do PlastCoLab, onde acontecem palestras com especialistas ligados ao movimento maker. Entre eles, marcam presença Silvana Bahia, diretora de Projetos da Olabi & Preta Lab, projeto que estimula o protagonismo de meninas e mulheres negras e indígenas no campo da inovação e da tecnologia; Heloisa Neves, diretora Executiva da Associação Fab Lab Brasil e que lançou recentemente o livro “Fab Lab: a vanguarda da nova revolução industrial” e a palestrante mirim de 9 anos Manoela Meroti, que empreende desde os 6, vendendo pulseiras de elástico e quadros pintados à mão.

No terceiro andar também são realizados os Hackathons. O professor Charles Esteves Lima, diretor pedagógico do Adoro Robótica, e Maria Augusta Bueno, diretora do São Paulo Lab, organizam grupos de até 30 pessoas divididas em times de quatro ou cinco que irão gerar prototipos de acessórios em plástico e kits associados ao pensamento maker.

À noite, o público também pode participar de uma obra de arte e tecnologia interativa em escala urbana, “O Mestre Mandou”, de Lina Lopes. A fachada do PlastCoLab apresenta uma sequência de luz e cores que o participante deverá reproduzir com passos em um tablado com botões nas cores correspondentes. À medida que acertar, passará ao próximo nível de dificuldade. Para interagir com a obra, bastará postar uma foto com a hashtag da ação: #plasticotransforma. A atividade está disponível de terça a domingo, na área externa do PlastCoLab, das 18h às 22h.

Programação:

1o. andar
De terça a sexta, das 11h às 19h e sábados e domingos, das 10h às 18h.
Entre 3 e 17/12: Exposições Hockey de Robôs, Robôs Humanoides, Bonecxs para Todxs, O que é o Plástico?, Imprimindo o Futuro.

2o. andar
Oficinas sempre das 14h às 17h.
05/12 (terça-feira): Oficina de Objetos de Plástico com Moldes de Fabricação Digital;
06/12 (quarta-feira): Oficina de Stencil;
07/12 (quinta-feira): Oficina Impressão 3D na Prática;
08/12 (sexta-feira): Oficina de Robótica para Crianças;
09/12 (sábado): Oficina de Construção de Fliperamas;
12/12 (terça-feira): Oficina de Montagem e Pilotagem de Drones;
13/12 (quarta-feira): Oficina de Hortas Automatizadas;
14/12 (quinta-feira): Oficina de Vacuum Forming;
15/12 (sexta-feira): Oficina de Brinquedos em Impressoras 3D;
16/12 (sábado): Oficina de Acessórios em Acrílico com Corte a Laser

3o. andar
Palestras e Hackathons
08/12 (sexta-feira) das 15h às 16h: Palestra “Você Ainda vai Ser um Maker”, com Heloisa Neves;
09/12 (sábado) das 14h às 15h: Palestra “Maker Inclusivo”, com Silvana Bahia;
10/12 (domingo) das 10h às 18h: Hackathon “Educação Maker” com o Professor Charles Esteves Lima;
16/12 (sábado) das 14h às 15h: Palestra “Como Ganhei meu Primeiro Hackathon criando Brinquedo” com Manoela Meroti;
17/12 (domingo) das 10h às 18h: Hackathon “Mobilidade Urbana”, com Maria Augusta Bueno.

Serviço:
PlastCoLab
Data: 3 e 17 de dezembro
Horário: terça a sexta, das 11h às 19h e sábados e domingos, das 10h às 18h.
Local: calçada do Shopping Cidade São Paulo, localizado na avenida Paulista, 1230 – Bela Vista, São Paulo – SP
Quanto: a entrada é gratuita e por ordem de chegada. Para participar das oficinas, palestras e Hackathons, é necessário fazer uma pré-inscrição pelo site http://www.plastcolab.com.br.

Sobre o PICPlast: O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast) é uma iniciativa criada em 2013 pela Braskem e ABIPLAST, Associação Brasileira da Indústria do Plástico, e prevê o desenvolvimento de programas estruturais que contribuam com a competitividade e o crescimento da transformação plástica. Baseado em três pilares: aumento da competitividade e inovação do setor de transformação, estímulo às exportações de transformados plásticos e promoção das vantagens do plástico, o PICPlast também conta com investimentos voltados ao reforço na qualificação profissional e na gestão empresarial.

No pilar de vantagens do plástico, as frentes de trabalho são voltadas para reciclagem, estudos técnicos, educação e comunicação, com destaque para o Movimento Plástico Transforma. Para saber mais, acesse http://www.picplast.com.br e plasticotransforma.com.br

Fonte: Assessoria de Imprensa – Movimento Plástico Transforma

Curta nossa página no

PICPlast apresentou ferramenta inédita de gestão na Feiplastic 2017

19/04/2017

Voltada para pequenas e médias empresas de transformação plástica, plataforma auxilia companhias na tomada de decisões estratégicas e realizações de novos investimentos

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast), iniciativa da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST) e da Braskem, marcou presença na Feiplastic 2017 e apresentaou uma ferramenta inédita que irá auxiliar as pequenas e médias empresas do setor plástico na tomada de decisões estratégicas e controle do fluxo de caixa. Com um espaço exclusivo no stand da Braskem, os visitantes puderam conhecer de perto os programas de capacitação desenvolvidos pelo PICPlast, que já ajudou mais de 500 empresas transformadoras da indústria do plástico no Brasil nos últimos 3 anos.

Entre as novidades que foram apresentadas pelo Plano na feira, o destaque ficou por conta da ferramenta “Análises de investimentos”, que foi desenvolvida para ajudar a empresas que estejam planejando realizar algum investimento ou avaliar um projeto como por exemplo adquirir um novo equipamento ou molde. Para tanto, o PICPlast contratou a consultoria Advisia OC&C para desenvolver uma ferramenta que fosse intuitiva e prática e que atendesse a indústria de transformação.

Construído na linguagem Excel, o programa realiza cálculos sofisticados e indica resultados que apontam se os investimentos previstos são realmente vantajosos ou negativos. Disponibilizada gratuitamente para os visitantes da feira, a ferramenta é uma boa solução do ponto de vista financeiro capaz de apontar informações como a taxa de retorno projetada para os investimentos e se é realmente interessante para o empresário tomar crédito para uma expansão que esteja pensando em realizar.

“Com essa nova plataforma, queremos capacitar e profissionalizar as empresas do setor para que elas se tornem mais competitivas no mercado nacional e internacional”, afirma Edison Terra, vice-presidente da Braskem. Já para José Ricardo Roriz Coelho, presidente da ABIPLAST, a ferramenta irá beneficiar empresas que atuam em diversos segmentos. “São investimentos como esse que impactam positivamente o dia a dia da indústria de transformação”, conta.

Também durante a Feiplastic, os visitantes tiveram a oportunidade de conhecer a versão atualizada do programa “Custos e rentabilidade”, que já está disponível para as empresas do mercado de forma gratuita. Desenvolvida para companhias que ainda não possuem sistemas de alta performance, ela funciona como uma plataforma simples e auxilia os transformadores na gestão dos negócios. Nela é possível inserir informações importantes sobre a rotina da companhia e gerar relatórios que apontam para cenários futuros e real capacidade da empresa em atender as demandas dos seus clientes.

Para ter acesso ao material, os visitantes devem se cadastrar previamente no site do PICPlast: http://www.picplast.com.br

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

O valor das empresas no Brasil

06/03/2017

Por José Ricardo Roriz Coelho (Presidente da Abiplast – Associação Brasileira da Indústria do Plástico)*

Hoje o maior sonho de boa parte dos empresários brasileiros é vender sua empresa.

Com o negócio, vão-se as dores de cabeça: sucessivos litígios trabalhistas, licenças que levam anos para sair em definitivo, crédito escasso, juros altos, tributos sobre tributos e tantos outros inconvenientes que prejudicam o dia a dia do empreendedor no país.

O diagnóstico é aterrorizante, mas é a realidade que vivemos. Precisamos urgentemente resgatar o valor que as empresas têm para o país. Elas são o maior vetor para o crescimento de investimento, emprego e capacitação profissional, pesquisa e inovação.

Não estão incluídas aqui companhias que não têm em seu DNA a busca incessante por excelência em gestão, rigorosos padrões éticos e de compliance.

Uma empresa deve ter o foco em inovação e no desenvolvimento de produtos. Precisa encantar seus clientes -e não desperdiçar suas energias em vencer a burocracia, enfrentar a insegurança jurídica e honrar as sufocantes e desproporcionais despesas financeiras, como acontece hoje no Brasil.

No final do ano passado, o governo federal lançou um minipacote de reformas para reaquecer a economia, centrado no crescimento, na produtividade e na desburocratização. A iniciativa é salutar. Agora em março se encerram os primeiros prazos para a implantação do programa.

O cenário ainda é preocupante. O ano passado terminou com um expressivo aumento no número de pedidos de recuperação judicial – incríveis 44,8% em relação a 2015. Há que se somar a isso o elevado endividamento das empresas, a dificuldade de acesso ao crédito e a baixa perspectiva de crescimento econômico para este ano.

A atividade industrial é fundamental para o país voltar a crescer. Um ambiente de negócios mais favorável proporciona a retomada da indústria e abre oportunidades de desenvolvimento de atividades empreendedoras de alto valor agregado.

Todos os setores são importantes, mas com as dificuldades apresentadas tem perdido espaço a indústria de transformação, que é justamente a área com maior capacidade de alavancar a economia.

A indústria de transformação é também a que mais inova, com maior capacidade de desenvolvimento tecnológico. É responsável por cerca de 30% do total do investimento produtivo privado (excluído setor público e famílias) e por aproximadamente 25% das vagas de emprego acima de cinco salários mínimos, além de representar perto de 30% da arrecadação tributária nacional, a despeito de corresponder por apenas 11,8% do PIB em 2015.

Se por um lado o governo está atuando para melhorar a manutenção de empresas no país, por outro tem realizado ações que reforçam a percepção de que o setor industrial deve perder ainda mais espaço.

Houve um claro direcionamento de menor atuação do BNDES no crédito de longo prazo e enfraquecimento do conteúdo local.

Com desburocratização e incentivos à produtividade e ao crescimento, conseguiremos resgatar a capacidade das empresas. Negócios que estão em dificuldade não investem, não contratam, não inovam. Quando quebram, geram desemprego, débitos com fornecedores, clientes e com o fisco.

Acabam destruindo elos importantes da cadeia produtiva e jogam fora décadas de conhecimento desenvolvido e talentos tão necessários ao país.

A principal tarefa do governo neste momento deve ser ajudar a resgatar a força das empresas para que elas fomentem investimentos e novos negócios. Caso contrário, permaneceremos estagnados, vendo nossa competitividade se distanciar cada vez mais dos países que concorrem conosco.

*Artigo publicado na Folha de S.Paulo;

Foto: arquivo

Curta nossa página no

Feiras IPACK-IMA E PLAST 2018 preparadas para exibir materiais inovadores em Milão, em 2018

22/02/2017

plast2015

As duas feiras, integradas na Aliança para a Inovação que irá ocorrer no Pavilhão da Fiera Milano, de 29 de Maio a 1 de Junho de 2018, criaram uma nova exposição satélite dedicada a materiais e embalagens inovadores, organizada em colaboração com a Material ConneXion Italia e apresentada em 7 de Fevereiro no Museu Triennale Design, em Milão

Materiais e produtos inovadores e funcionalizados para o segmento premium são o foco da Innovative Material Solutions 2018, a nova exibição satélite da IPACK-IMA e PLAST que fará sua estréia na Fiera Milano como parte do evento “Innovation Alliance”, a ser realizado de 29 de maio a 1 de junho de 2018. A nova exposição foi apresentado em 7 de fevereiro no Museu Triennale Design, em Milão.

Organizada em colaboração com a Material ConneXion Italia, a feira será totalmente dedicada a soluções de materiais inovadores, incluindo matérias-primas, produtos semi-acabados e componentes para produtos de alto valor agregado, embalagens e recipientes inovadores. Ele servirá como um caldeirão de idéias e inspirações criativas para áreas corporativas estratégicas, desde o P&D até o Marketing.

Para satisfazer às necessidades das empresas e dar a melhor cobertura possível aos vários setores de produtos, o evento será dividido em duas seções, localizadas nos pavilhões da PLAST e da IPACK-IMA no centro do recinto de exposições Rho-Pero: PLAST-MAT e IPACK-MAT.

A primeira (PLAST-MAT) será dedicado à inovação em materiais plásticos, com um forte enfoque na sustentabilidade ambiental e desempenho técnico avançado.

A segunda (IPACK-MAT) irá focalizar soluções de embalagens avançadas, com uma ênfase específica em anti-falsificação, embalagens inteligentes e embalagens de alto valor agregado e / ou de baixo impacto ambiental.

Além da área de exposição que abrange dois pavilhões, a Innovative Material Solutions 2018 também terá uma mostra que apresentará uma visão geral de todas as empresas que participam da iniciativa e demonstrará os produtos mais significativos. Serão também organizadas iniciativas para empresas que oferecem e procuram soluções e materiais avançados para o design, fabricação e embalagem de produtos.

A IPACK-IMA 2018 é a feira das tecnologias de processamento e embalagem para as indústrias alimentícias e não-alimentícias, organizada pela Ipack Ima srl, uma empresa criada em conjunto pela UCIMA (Associação Italiana dos Fabricantes de Máquinas Automáticas de Embalagem) e pela Fiera Milano.

A PLAST 2018 é a feira de tecnologias para a indústria de materiais plásticos e de borracha, organizada pela Promaplast srl, uma empresa de serviços da ASSOCOMAPLAST (Associação Italiana dos Fabricantes de Máquinas e Moldes para Plásticos e Borrachas).

A Material ConneXion é uma rede mundial de pesquisa e consultoria para materiais inovadores e sustentáveis. Fundada em 1997 em Nova York, a Material ConneXion é agora propriedade da editora americana Sandow Media Group e também tem filiais na Europa e na Ásia.

Fonte: Assessoria de Imprensa – PLAST 2018

Curta nossa página no

Abiplast prevê que o faturamento e a produção da indústria do plástico devem aumentar em 2017

13/02/2017

Estima-se que o faturamento do setor em 2017 chegue à casa de R$ 55,8 bilhões, ou seja, um aumento de 1% frente a 2016, quando o valor foi de 55,3 bilhões

roriz_1De acordo com balanço econômico produzido pela Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), estima-se que o faturamento do setor em 2017 chegue à casa de R$ 55,8 bilhões, ou seja, um aumento de 1% em relação a 2016, quando o valor foi de 55,3 bilhões. Este montante significou queda de 11,1% na comparação com 2015. “Mesmo que em um nível ainda pequeno, é importante a expectativa de retomada do crescimento este ano”, salienta José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast (foto), acrescentando: “Os dados indicam que o pior já passou”.

A projeção para 2017 é de que a produção física de produtos plásticos também apresente resultado positivo, com aumento de 1,24% ante 2016, alcançando a casa dos 6,32 milhões de toneladas. Estima-se, também, que, em 2017, o consumo aparente de transformados plásticos (resultado da soma da produção com importações, menos exportações) cresça 1,8, atingindo 6,68 milhões de toneladas.

Ainda de acordo com o balanço da entidade, os setores demandantes do plástico também vêm apresentando expectativas mais positivas para 2017. A indústria de alimentação deverá avançar 1,5%; 67% dos fabricantes de eletroeletrônicos projetam crescimento para 2017; o agronegócio brasileiro será melhor do que a média mundial para produtos como soja, milho, açúcar e carnes (bovina, suína e frango) e o setor de construção espera o início de uma recuperação para este ano, avalia a Abiplast.

No que diz respeito à mão de obra empregada, mesmo com um avanço econômico, a Abiplast estima que haja uma retração de 1,8% em relação ao ano anterior. A entidade prevê em 2017 o fechamento de seis mil postos de trabalho.

“É premente que, além de melhores estimativas, o ano de 2017 tenha um cenário político menos conturbado e que sejam realizadas as reformas estruturais, que darão mais segurança jurídica e competitividade à nossa indústria. Mais rapidez no recuo da taxa de juros, para incentivar o investimento, reformas que modernizem e tragam maior segurança jurídica às relações do trabalho e uma reformulação para simplificar o complexo e custoso sistema tributário brasileiro são temas fundamentais para que nossa indústria volte a produzir mais e empregar” –  afirma Roriz.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Abiplast

Curta nossa página no

Abiplast divulga balanço parcial de 2016 e as expectativas para 2017

05/01/2017

De acordo com balanço econômico produzido pela Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), estima-se que o faturamento do setor em 2016 chegue à casa de R$ 55,3 bilhões, ou seja, uma queda de 11,1%, frente ao ano de 2015.

Estima-se também que, em 2016, o consumo aparente de transformados plásticos (resultado da soma da produção com importações, menos exportações) sofra uma retração de 6,1%. Além disso, a produção física do setor de transformados plásticos deve cair 5,35% frente a 2015, alcançando 6,24 milhões de toneladas, resultando no terceiro ano consecutivo de retrocesso. São 17,0% de redução acumulada em 2014/2015/2016.

Caso essa retração se confirme, será o menor volume produzido pelo setor no âmbito da série histórica iniciada em 2007. Os dados são coerentes com o pior triênio da economia brasileira desde 1901, com estagnação do PIB em 2014 e retração de 7,5% em 2015 e 2016.

No que diz respeito à mão de obra empregada, estima-se que haja uma retração de 3,4% em relação ao ano anterior. A entidade prevê o fechamento de 11 mil postos de trabalho, resultando em 41 mil vagas a menos, no período de dois anos.

Expectativas para 2017

No entanto, a projeção para 2017 é de que a produção física de produtos plásticos apresente um resultado positivo, com aumento de 2,15%, em relação a 2016. A Abiplast indica uma retomada da atividade econômica no próximo ano, com expectativa de uma inflação de 5%, taxa básica de juros de 10,75% e crescimento do PIB de 1,2%.

Segundo José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast , existe esperança, embora o cenário atual de recessão reflita o momento político-econômico vivenciado pelo País. Ele ressalta que “os mercados demandantes do plástico mostram-se mais otimistas quanto aos resultados de 2017”.

No novo ano, espera-se que o faturamento do setor tenha aumento de 1,9%, atingindo a casa dos R$ 56,3 bilhões. Outros números positivos esperados são o aumento na importação de produtos plásticos, crescimento de 2,5% no consumo aparente do setor e a criação de novos postos de trabalho.

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

33º Encontro Nacional do Plástico foi marcado por homenagens

08/12/2016
José Ricardo Roriz Coelho e Ticiane Pinheiro ( apresentadora do programa Hoje em Dia da TV Record)

José Ricardo Roriz Coelho e Ticiane Pinheiro ( apresentadora do programa Hoje em Dia da TV Record)

Na última sexta-feira (2), aconteceu na Casa Fasano, em São Paulo, o 33º Encontro Nacional do Plástico. O evento que reuniu cerca de 400 pessoas, teve como mestre de cerimônias, Ticiane Pinheiro, apresentadora do programa Hoje em Dia, da TV Record, e contou com a presença de diversas autoridades, executivos, jornalistas e membros da cadeia produtiva e do setor de transformação do plástico.

Durante a cerimônia de abertura o presidente da Abiplast, José Ricardo Roriz Coelho, discursou reafirmando o papel de sua gestão em trabalhar na defesa do setor e pelo desenvolvimento e competitividade da indústria de transformação do plástico, convidando os presentes a refletirem a respeito da importância do plástico na economia e nos diversos segmentos da sociedade civil.

“Precisamos ressaltar que a indústria do plástico é um importante componente para superação da crise que assola o País. Somos a quarta maior indústria de transformação geradora de emprego. Dentre os grandes empregadores industriais, somos o setor que absorve mão de obra mais qualificada e que agrega valor. A importância da indústria de transformados plásticos não é apenas no Brasil. Nos Estados Unidos, a indústria plástica é a segunda maior indústria manufatureira em termos de empregos, salários e geração de valor adicionado. Na Europa, o setor também figura como a quarta principal indústria, considerando um índice de performance setorial (valor adicionado na economia e empregos). Ou seja, contribuímos com a geração de emprego e renda e com o desenvolvimento tecnológico, econômico, social e sustentável, não somente no País, mas no mundo”. Roriz reforçou: “Hoje, é inimaginável pensar o mundo sem a existência do plástico. A cada dia reafirma-se a importância do nosso produto na vida das pessoas. Ele está presente em todos os seguimentos e áreas da vida.

Homenageados da noite e vídeos

Durante a noite, foram homenageadas três personalidades do setor. José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast, entregou a placa de homenagem a Lírio Parisotto, empresário da Videolar-Innova. Eli Kattan, conselheiro da Abiplast e do Sindiplast e diretor da Zaraplast, homenageou Otavio da Justa, engenheiro mecânico e ex-vice-presidente da Abiplast. E, por fim, o último homenageado da noite foi o presidente do conselho e sócio da Embrasa, Ricardo Vivolo, que recebeu placa das mãos de Rogério José Mani, conselheiro da Abiplast e do Sindiplast e sócio-diretor da Epema.

O encontro ainda contou com a apresentação de vídeos sobre as conquistas do PICPlast (Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico), iniciativa da Braskem em parceria com a Abiplast, que completou três anos. Logo após, foi transmitido outro vídeo com os resultados da Promoção Plástico Premiado, referente à primeira fase do Movimento Plástico Transforma, que tem como objetivo promover as vantagens desse importante material na sociedade moderna.

A cerimônia também contou com a transmissão do vídeo da feira Feiplastic, evento referencial do setor que a Abiplast idealizou há 30 anos. A feira que chamava-se Brasilplast, ampliou seu universo, internacionalizando-se e agregando a participação de 94 países. Em 2011, mudou o nome para Feira Internacional do Plástico (Feiplastic). Nas últimas edições, recebeu mais de 66 mil visitantes. Mais de 90% deles estão satisfeitos com o evento e 78% o recomendam e/ou tomam decisão final de compra durante sua realização. Em abril de 2017, ocorrerá a 16º edição do evento.

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

Movimento Plástico Transforma mobiliza mais de 7 mil profissionais do setor

29/11/2016

movimento_plastico_transforma16-copiaMais de 7 mil colaboradores da indústria brasileira da transformação e reciclagem do plástico aderiram à primeira fase do Movimento Plástico Transforma, encerrada no mês de agosto, a Promoção Plástico Premiado. Trata-se de uma ação do Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast), uma iniciativa da Braskem e da ABIPLAST – Associação Brasileira da Indústria do Plástico, que realiza uma série de ações de educação e conscientização para mostrar, de forma didática e objetiva, a importância do plástico no cotidiano das pessoas.

A Promoção Plástico Premiado teve como objetivo oferecer ao setor da transformação e reciclagem informações que valorizam as características, as vantagens do uso do plástico e mostram sua considerável evolução ao longo da história, para que cada colaborador deste segmento pudesse se tornar um multiplicador dessas informações.

Convidados a navegar pelo rico conteúdo informativo do site oficial da campanha (www.plasticotransforma.com.br), os colaboradores também foram estimulados a responder ao quiz de 15 questões de múltipla escolha, com perguntas sobre aplicações, benefícios e curiosidades sobre os plásticos para concorrerem a 50 TV’s 48” Full HD Smart.

A cadeia produtiva do plástico tem protagonizado movimentos positivos de integração entre indústria e sociedade. “Intensificar as ações de capacitação que englobem todos os agentes da cadeia do plástico é fundamental para que eles reúnam argumentos positivos e corretos sobre a real importância do plástico na vida das pessoas”, afirma o vice-presidente da unidade de Poliolefinas, Vinílicos e Químicos Renováveis da Braskem, Luciano Guidolin.

A característica da indústria da transformação e reciclagem do plástico no Brasil mostra uma composição de pequenas, médias e grandes empresas com atuações destacadas no cenário global. “Somos um dos maiores empregadores industriais do Brasil e é fundamental transferirmos conhecimento para cada colaborador, e que esse conhecimento seja motivo de orgulho e motivação para o desenvolvimento sustentável desse setor”, afirma o presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), José Ricardo Roriz Coelho.

O segundo e terceiro momentos do Movimento Plástico Transforma serão voltados aos formadores de opinião e à sociedade, respectivamente. Para saber mais sobre a ação, acesse o site do Movimento Plástico Transforma www.plasticotransforma.com.br .

O PICPlast – Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico, é uma iniciativa criada há três anos pela ABIPLAST – Associação Brasileira da Indústria do Plástico e pela Braskem. Prevê o desenvolvimento de programas estruturais que contribuam com a competitividade e crescimento da transformação plástica, incluindo investimentos para aumentar as exportações de produtos transformados, incentivo à inovação e o reforço na qualificação profissional e na gestão empresarial. Para mais informações sobre o PICPlast, acesse: http://www.picplast.com.br.

Fonte /foto: Abiplast

Curta nossa página no

Movimento “Plástico Transforma” lança promoção para ampliar os conhecimentos sobre o plástico na indústria de transformação

14/07/2016

plasticopremiado

Promoção Plástico Premiado tem o objetivo de capacitar o setor

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast), uma iniciativa da Braskem e da ABIPLAST – Associação Brasileira da Indústria do Plástico, lançou hoje (14 de julho) a primeira etapa do Movimento Plástico Transforma, com a Promoção Plástico Premiado.

Ao todo, o Movimento está dividido em três momentos, sendo o primeiro deles a Promoção, voltada aos colaboradores que atuam na indústria da transformação do plástico. O objetivo é fornecer informações que valorizem e desmistifiquem a imagem equivocada a respeito desse material, que teve uma evolução considerável ao longo de sua história. O segundo e terceiro momentos serão focados nos formadores de opinião e sociedade, respectivamente.

A dinâmica do movimento compreende convidar os colaboradores a entrar no site oficial da campanha (www.plasticotransforma.com.br), que terá um extenso conteúdo disponível, e responder a um questionário com 15 perguntas de múltipla escolha, com questões conceituais, aplicações, benefícios, curiosidades e entre outros tópicos aplicados ao tema “plástico”. Os participantes que acertarem, no mínimo, 10 questões serão qualificados automaticamente para um sorteio que distribuirá 50 TV’s 48” Full HD Smart.

A cadeia produtiva do plástico tem protagonizado movimentos positivos de integração entre indústria e sociedade. “Intensificar as ações de capacitação que englobem todos os agentes da cadeia do plástico é fundamental para que eles reúnam argumentos positivos e corretos sobre a real importância do plástico na vida das pessoas”, afirma o vice-presidente da unidade de Poliolefinas, Vinílicos e Químicos Renováveis da Braskem, Luciano Guidolin.

A característica da indústria da transformação do plástico no Brasil mostra uma composição de pequenas, médias e grandes empresas com atuações destacadas no cenário global. “Somos um dos maiores empregadores industriais do Brasil e é fundamental transferirmos conhecimento para cada colaborador, e que esse conhecimento seja motivo de orgulho e motivação para o desenvolvimento sustentável desse setor”, afirma o presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), José Ricardo Roriz Coelho.

Para mais informações sobre a ação, acesse o site do Movimento Plástico Transforma www.plasticotransforma.com.br

Fonte – Abiplast

Curta nossa página no

PICPLAST e Fundação Dom Cabral finalizam capacitação empresarial para empresários da indústria do plástico

10/07/2016

Ao todo, representantes de mais de 30 empresas acompanharam palestras sobre temas fundamentais para o aprimoramento da gestão de suas empresas

PicplastO PICPlast finalizou no mês de maio os dois últimos módulos do programa de capacitação destinado à empresários da indústria da transformação plástica brasileira. Os trabalhos se iniciaram em março e contaram com a participação de mais de 30 empresas, que puderam acompanhar palestras  sobre estratégia e competitividade empresarial, governança e sucessão, liderança e gestão de processos, custos e finanças e inovação. Todos os trabalhos contaram foram conduzidos pela Fundação Dom Cabral,  em sua sede,  em São Paulo.

No penúltimo módulo, realizado no dia 10/05, os temas discutidos foram custos e finanças. Na oportunidade, os alunos tiveram acesso aos principais indicadores e métricas que impactam diretamente no resultado do negócio e as formas de gerenciá-lo de maneira eficaz para evitar perdas.

Já no último módulo, sobre inovação, dia 11/05, os empresários foram capacitados para compreender o modelo de inovação, criado pela própria Fundação Dom Cabral, e como ele pode ser implementado a partir de um estilo de gestão participativo em todos os processos da companhia. Ao final da capacitação, todos os representantes das empresas que participaram dos seis módulos receberam certificado de conclusão.

Uma das empresas participantes foi a distribuidora Mais Polímeros, que esteve representada por seu gerente comercial, Aparecido Camacho. “Tirar os executivos da empresa para levá-lo à reflexão é uma tarefa complicada, mas executada com maestria pelo PICPlast e a FDC. Dar um tempo e se reunir com outros empresários para falar de estratégia é fundamental para definir objetivos, pensar em novos projetos e trocar experiências”, afirma Camacho.

Outra empresa que esteve presente nas capacitações foi a Pisani, fabricante de embalagens plásticas para as indústrias de bebidas e alimentos. Na ocasião, a empresa esteve representada por Paulo Weber, diretor geral da companhia, que é sediada em Caxias do Sul. De acordo com o executivo, as matérias apresentadas nos dois módulos atendem às necessidades de todas as empresas. “O PICPlast está de parabéns. Os temas discutidos nos dois módulos atenderam às necessidades dos empresários. Na medida em que todas as empresas se capacitam, o mercado fica mais acirrado, nivelado por cima”, afirma o executivo.

O PICPlast é uma iniciativa da Braskem, em conjunto com a Associação Brasileira do Plástico (Abiplast), entidade que representa a indústria da transformação plástica no Brasil. O plano foi lançado em 2013 com o objetivo de desenvolver programas estruturais que contribuam com a competitividade e crescimento da transformação plástica de forma conjunta entre a 2ª e 3ª gerações da cadeia produtiva do plástico.

Essa foi a terceira turma capacitada pela Fundação Dom Cabral desde o lançamento do PICPlast, em 2013. Desde então, foram quase 100 empresas capacitadas em todas as regiões do Brasil.

Fonte: Assessoria de Imprensa – PICPLAST

Curta nossa página no

Tomra Recycling celebra 20º aniversário na IFAT Munique desenvolvendo a indústria de separação baseada em sensores

23/06/2016

TOMRA_Optimal-performance_why-risk-anything-elseNo 50º aniversário da IFAT Munique, ocorre uma outra comemoração: a seção da Tomra Recycling comemora duas décadas de negócios. Lançada inicialmente como empresa norueguesa Titech Autosort em 1996, a empresa emergiu a partir de um projeto P&D que se iniciou em 1993.

Combinando a sua experiência prática com a sua pioneira tecnologia, a Tomra Sorting Recycling projeta e fabrica atualmente uma inovadora tecnologia de separação baseada em sensores óticos para a indústria de reciclagem global e de tratamento de resíduos.

Inovação contínua e avanços tecnológicos

Responsável pela introdução do primeiro sensor de infravermelho próximo (NIR) utilizado para a separação de resíduos, a Tomra Sorting Recycling continua a ser pioneira na indústria, com os seus métodos de extração de frações de alta pureza a partir de resíduos urbanos, contribuindo para maximizar produtividade e lucros.

O portfólio de sensores da empresa se expandiu principalmente pelas significativas aquisições de empresas como a RealVisionsort, CommodasUltrasort, Odenberg e Best, bem como através do uso simples ou de multi-sensores que permitiu estender o número de aplicações de seleção por sensores. Esta estratégia continua a criar novas oportunidades para as empresas no que diz respeito à recuperação de materiais recicláveis, permitindo-as dar resposta de forma cada vez mais flexível às exigências atuais e futuras de mercado.

Da mesma forma, o número aplicações desenvolvidas pela Tomra Sorting Recycling em colaboração com os clientes tem crescido nos últimos anos e tem assumido um perfil internacional: Atualmente mais de 4.400 sistemas já foram instalados em 50 países no mundo, afirma a empresa.

A tecnologia de triagem automatizada tem experimentado um salto ao longo de duas décadas, que produzem melhorias expressivas na resolução do sensor. Avançadas fontes de luz facilitam a separação de materiais com alta precisão e eficiência, sendo que ao mesmo tempo se reduziu o consumo de energia. Tais avanços tecnológicos permitem agora a detecção de objetos ultra-finos – tais como materiais de 0,5mm, enquanto que objetos maiores podem ser digitalizados com melhor precisão.

As tendências do mercado e outros fatores de pressão

Com legislações nacionais que estabeleçam claramente as taxas de recuperação de resíduos e que promovam vigorosamente a separação de muitos tipos diferentes de materiais em frações homogêneas, a separação baseada em sensor sustentada por um compreensivo serviço de suporte desde o início, oferece uma solução técnica, comercial e ambiental ideal para cumprir essas metas cada vez mais rigorosas.

Melhor desempenho, estabilidade e segurança

Num mercado onde o preço das matérias-primas é baixo, as margens de lucro são apertadas e o acesso ao financiamento continua a ser um desafio, a confiança e a consistência da qualidade do produto tornam-se ainda mais importantes.

Tom Eng, Diretor-Geral da Tomra Sorting Recycling, explica: “Todo o futuro da empresa está em linha quando investes em equipamento. Então, nós apreciamos o quanto é importante acertarmos desde a primeira vez”.

Eng continua: “20 anos é um verdadeiro marco na indústria de separação por sensores. Vinte anos significa que um cliente pode confiar nos nossos produtos. É importante trazer para o cliente a sensação de segurança”.

A razão pela qual os clientes se podem sentir seguros, acredita Eng, é muito simples: “Desde o início, trata-se de pessoas. Temos pessoas de qualidade desde o início que ainda hoje estão na empresa. Isso é uma riqueza e profundidade de conhecimento que vai além do produto que você vende”.

Titech em Tomra

A empresa passa por um programa de mudança de marca desde Fevereiro de 2012, de forma a tornar-se mais alinhada com a sua matriz norueguesa, Tomra Systems ASA. A empresa adquiriu a Titech em 2004.

O passo final no processo de mudança de marca da Tomra Sorting Recycling passava por racionalizar o seu portfólio de produtos, removendo a palavra ‘Titech’ dos nomes dos modelos associados aos seus sistemas de classificação do ano passado. Por exemplo, o produto mais vendido pela companhia, uma vez conhecido como Titech Autosort, agora é simplesmente designado ‘AUTOSORT ‘.

Comentando sobre a mudança de marca, o Diretor-Comercial da Tomra Sorting Recycling, Jonathan Clarke, disse: “Ao completar a mudança de marca dentro do nosso negócio, estamos aumentando significativamente a visibilidade da Tomra em todo o mundo. Sinergias entre tecnologias dos diversos segmentos tem ressaltado a habilidade da Tomra Sorting para desenvolver a classificação baseada em sensores para novos segmentos, mercados e aplicações. Estamos agora melhor posicionados para responder aos desafios dos clientes e da indústria mais rápido do que antes, enquanto continuamos a oferecer os produtos com melhor valor”.

A Tomra Sorting Recycling desenvolve e fabrica tecnologias de separação baseada em sensores para a indústria global de reciclagem e gestão de resíduos. A Tomra Sorting Recycling faz parte da Tomra Sorting Solutions, que também desenvolve sistemas baseados em sensores para a separação, descascamento e controle de processos para a indústria alimentícia e de mineração, entre outras.

Fundada em 1972, a Tomra Systems ASA tem faturamento de cerca de 650 milhões de euros e emprega mais de 2.600 pessoas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tomra Recycling

Curta nossa página no

Abiplast e Feiplastic estarão juntas na Argenplás 2016

13/06/2016

Abiplast-Argenplas

De 13 a 16 de junho será realizada a 16ª Argenplas no Centro Costa Salguero, em Buenos Aires (Argentina)

A ABIPLAST – Associação Brasileira da Indústria do Plástico, em parceria com a FEIPLASTIC – Feira Internacional do Plástico , representarão o Brasil no evento. Serão mais de 180 expositores da Argentina e de outros dez países, com participação de aproximadamente 17 mil profissionais do setor.

De acordo com José Ricardo Roriz Coelho, presidente da ABIPLAST, além de estreitar o relacionamento com outros países e representantes mundiais do plástico, a participação da entidade é importante, pois ressalta sua relevância na cadeia produtiva do plástico, não apenas no Brasil, mas também internacionalmente.

Na oportunidade a ABIPLAST também divulgará a FEIPLASTIC, que ocorrerá de 03 a 07 de Abril de 2017 em São Paulo.

“A Argentina é o segundo destino das exportações brasileiras de transformados plásticos. Historicamente, o Brasil tem saldo comercial com superavit no comércio bilateral”, comenta Roriz Coelho. “Em 2015, exportamos 43,1 mil toneladas de transformados plásticos para Argentina somando US$ 242 milhões, e importamos 37 mil toneladas, por US$ 144 milhões, com saldo positivo de US$ 98 milhões”.

O estande da Abiplast estará localizado no pavilhão 4 / I-05.

Serviço:

Evento: Argenplás – 16ª Exposição Internacional de Plástico
Data: De 13 a 16 de junho de 2016
Endereço: Av. Costanera R. Obligado y J. Salguero, 1445, Buenos Aires, Argentina
Informações: http://www.argenplas.com.ar/pt/

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

Feiplastic e Abiplast participam da ExpoPlast – Peru 2016

10/05/2016

Expoplast-Peru-Abiplast

Dos dias 3 a 6 de maio, foi realizada a 7º edição da ExpoPlast Peru 2016 (Feira Internacional da Indústria do Plástico). O evento aconteceu no Centro de Exposições Jockey (Hipódromo Monterrico, em Lima), simultaneamente com a Pack Peru Expo 2016 .

A ABIPLAST – Associação Brasileira da Indústria do Plástico em parceria com a FEIPLASTIC – Feira Internacional do Plástico (antiga BRASILPLAST), estiveram presentes no evento.

José Ricardo Roriz Coelho, presidente da ABIPLAST,  ressalta que o Brasil tem o principal mercado consumidor de plásticos da América Latina, com um potencial de crescimento significativo. Desta forma, é relevante a participação da Entidade para estreitar relacionamento com outros países.

“Além de viabilizar possíveis parcerias, visamos levar ao público o conhecimento das nossas atividades em prol da indústria brasileira de transformados plásticos, bem como divulgar a nossa feira, maior feira do setor plástico da América Latina que ocorrerá de 03 a 07 de Abril de 2017 em São Paulo”.

Ao falar sobre a participação no evento, o presidente da Reed Exhibitions Alcantara Machado, Juan Pablo de Vera, ressalta que a feira é fundamental para realçar a marca FEIPLASTIC e também gerar negócios.

“Na ExpoPlast 2016, nossa equipe levou as mensagens-chave da indústria brasileira do plástico para influenciadores do mercado latino americano. Foi uma rica oportunidade para aumentar a visibilidade e gerar ainda mais negócios para todos os nossos expositores e compradores”.

A ExpoPlast Peru foi organizada pelo G-Trade Group S.A.C. e teve o apoio da APIPLAST (Asociación Peruana de la Industria del Plástico) e da SNI ( Sociedad Nacional de Industrias); além da ALIPLAST (Asociación Latinoamericana de la Industria Plástica).

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

Seminário na Abiplast destaca importância das embalagens plásticas para a indústria de alimentos

09/05/2016

Abiplast_AgriculturaAo abrir sessão de palestras sobre a conjuntura nacional, na sede da ABIPLAST, o presidente da entidade, José Ricardo Roriz Coelho, reiterou a importância da indústria do plástico no agronegócio, tema abordado no encontro por representantes da FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). “As embalagens plásticas foram fundamentais para mudar o comportamento do consumidor, melhorando a conservação dos alimentos e diminuindo o preço final dos produtos no varejo”.

O evento, que aconteceu no último dia 14, teve palestras do diretor do Departamento do Agronegócio da FIESP, Mario Sergio Cutait, acompanhado do gerente Antonio Carlos Costa, e também do jornalista José Nêumanne Pinto.

Mario Sérgio destacou que o agronegócio continua ganhando folego e apresentou dados sobre o crescimento do setor. Em 2015, o Brasil liderou a exportação de ovo, café, frango, milho e soja em grão, dentre outros produtos. O agronegócio representou 21,5 % do PIB.

Ressaltou, ainda, que o produtor da cadeia de alimentos no Brasil tem tecnologia e condições climáticas favoráveis. Quanto à conjuntura econômica, ponderou que, “com a queda da renda e do consumo no País, a exportação é um grande caminho”. Em 2015, os ganhos com as vendas externas foram de US$ 88,2 bilhões. Diante desse quadro, os produtos processados são um segmento em expansão. “Por isso, são muito importantes as tecnologias novas de embalagens para exportação”.

O gerente do Deagro, Antonio Carlos, disse que, “apesar da falta de confiança dos empresários e da possibilidade de novos tributos, o clima e o custo são fatores que favorecem os produtores. As projeções feitas pela FIESP apontam crescimento significativo da agropecuária. Até 2025, a expectativa é de que o Brasil seja o maior produtor de soja, milho e açúcar do mundo. Sendo assim, precisará de investimentos em infraestrutura e tecnologia.

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

Abiplast lança cartilha de reciclabilidade de materiais plásticos pós-consumo

18/04/2016

Evento reuniu diversos representantes do setor e teve o intuito de conscientizar as empresas e organizações da cadeia produtiva do plástico para a reciclagem

Tendo em vista que 34,5% do consumo aparente de materiais plásticos é destinado às embalagens pós-consumo e por objetivar a sustentabilidade, a ABIPLAST (Associação Brasileira da Indústria do Plástico) e a CNRMP (Câmara Nacional dos Recicladores de Materiais Plásticos), se dedicaram a elaborar um material que criasse uma sinergia entre a indústria de transformados plásticos e seus usuários.

A “Cartilha de Reciclabilidade de Materiais Plásticos Pós-consumo”, foi lançada na sexta-feira (15) na sede da Abiplast, em São Paulo, durante o workshop de reciclabilidade, que contou com a presença da ABRE (Associação Brasileira de Embalagem), do CEMPRE (Compromisso Empresarial para Reciclagem) e do CETEA (Centro de Tecnologia de Embalagem), apresentando suas respectivas visões sobre ecodesign e reciclabilidade, ressaltando as possibilidades, ações e práticas para o desenvolvimento de embalagens sustentáveis.

Atualmente, o Brasil recicla o equivalente a 24% dos materiais descartados. Considerando que existe uma necessidade prevista na Lei 12.305/2010 de Política Nacional de Resíduos Sólidos em aumentar os índices de reciclagem das embalagens, sendo também prevista a responsabilidade compartilhada da cadeia, a cartilha foi idealizada com o intuito de criar uma visão convergente sobre o ecodesign, compatibilização de materiais plásticos e uso de aditivos que contribuam para o aumento dos índices de reciclagem de embalagens pós-consumo. O material será destinado às indústrias usuárias das embalagens, como as de alimentos e bebidas e produtos de limpeza, dentre outras.

Segundo o presidente da Abiplast, José Ricardo Roriz Coelho, a iniciativa visa auxiliar os diversos elos da cadeia na adequação de seus processos e produtos aos modelos contemporâneos sustentáveis. “Acreditamos que a presente publicação possa contribuir com as indústrias usuárias de embalagens plásticas, com as de transformação e com as recicladoras, para que os produtos desenvolvidos e os consequentes resíduos plásticos gerados estejam de acordo com os atuais conceitos de sustentabilidade” – afirma.

A publicação será distribuída nas indústrias de transformação de plástico do Brasil, assim como nas empresas de reciclagem, sindicatos estaduais, indústrias usuárias de embalagens plásticas e suas respectivas associações de classe. O objetivo é promover ampla conscientização da cadeia produtiva quanto à concepção de embalagens que sejam passíveis de aumento nos índices de aproveitamento para a reciclagem, com foco na sustentabilidade.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Abiplast

Curta nossa página no

Com ações para impulsionar a competitividade do setor de plásticos, Abiplast apoia a Interplast 2016

18/03/2016

Feira e Congresso de Integração da Tecnologia do Plástico acontecerá de 16 a 19 de agosto, em Joinville (SC)

Interplast_2012O segundo principal mercado consumidor brasileiro do setor de plásticos está na região Sul do país, que também ocupa a segunda posição em concentração de empresas transformadoras de material plástico. O Sul merece destaque ainda pela presença de um importante polo petroquímico e consequente proximidade a fornecedoras de matérias-primas. É o que enfatiza José Roriz Coelho, presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), apoiadora da 9ª Interplast – Feira e Congresso de Integração da Tecnologia do Plástico -, de 16 a 19 de agosto, em Joinville (SC).

O apoio vai ao encontro do objetivo estratégico da associação de promover o aumento de competitividade da indústria brasileira de transformados plásticos.

“Eventos como a Interplast, que difundem conhecimento e tecnologia, auxiliam o aprimoramento da produtividade de nossa indústria, o que impacta positivamente na melhoria da competitividade das indústrias brasileiras de transformados plásticos”, destaca Coelho.

Recentemente a entidade divulgou os dados do setor, afirmando que a produção da indústria brasileira de transformados plásticos caiu 8,7% em 2015, com uma produção de 6,1 milhões de toneladas de artefatos plásticos. Essa foi a pior queda já enfrentada pelo segmento desde a crise iniciada em setembro de 2008, que apresentou sérios reflexos no mercado mundial e brasileiro durante o ano de 2009, período em que a produção do setor recuou 13,3%.

Segundo Coelho, o setor de transformados plásticos é um dos quatro maiores empregadores industriais, e dentre os grandes empregadores é o que paga melhores salários e emprega pessoal mais qualificado. Para 2016, ele acredita que haverá um recuo de 3,5% na produção do setor de transformados e de 1,3% no emprego. As exportações, por outro lado, devem seguir com um desempenho positivo de 12%.

A Interplast é uma realização do Simpesc (Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado de Santa Catarina) e organização da Messe Brasil. A feira é realizada nos anos pares e em 2014 teve 30 mil visitantes de 22 estados brasileiros e 19 países. Estimam os organizadores da feira que o evento tenha gerado cerca de R$ 500 milhões em negócios durante sua realização e nos seis meses seguintes.

“Um evento do porte da Interplast oferece às empresas o acesso a novidades e o intercâmbio de conhecimento e tecnologia para aumento de produtividade”, afirma Coelho, que complementa: “Os números da edição anterior da feira mostram a importância dessa troca de informações: foram 550 expositores de 12 diferentes países, abrangendo soluções e tecnologias nos segmentos de máquinas e equipamentos, transformadores, ferramentarias, embalagens, matéria-prima, periféricos, design e serviços”.

Pela terceira vez a Euromold Brasil – Feira Mundial de Construtores de Moldes e Ferramentarias, Design e Desenvolvimento de Produtos será realizada paralelamente à Interplast. Simultaneamente também acontece o Cintec 2016 Plásticos – Congresso de Inovação Tecnológica -, organizado pela UniSociesc, e a Rodada de Negócios, uma organização da Bolsa de Negócios e Subcontratação de Santa Catarina BNS/SC.

Para credenciamento online de visitantes e mais informações, acesse www.interplast.com.br.

Serviço:
Interplast 2016 – Feira e Congresso de Integração da Tecnologia do Plástico – http://www.interplast.com.br
EUROMOLD BRASIL – Feira Mundial de Construtores de Moldes e Ferramentarias, Design e Desenvolvimento de Produtos – http://www.euromoldbrasil.com.br
Data: 16 a 19 de agosto de 2016
Horário: 14 às 21 horas
Local: Expoville – Joinville-SC – Brasil
Organização: Messe Brasil

Curta nossa página no

Produção de transformados plásticos caiu 8,7% em 2015

25/02/2016

A produção industrial de transformados plásticos no Brasil caiu 8,7% em 2015 em relação a 2014. O total de artefatos plásticos fabricados ficou na casa dos 6,1 milhões de toneladas de artefatos,  segundo a Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast).

De acordo com a Abiplast, a retração no setor foi a pior enfrentada desde a crise internacional de 2008, ocasião em que a produção despencou13,3%.

A redução na produção foi causada por quedas expressivas de importantes segmentos industriais que consomem plásticos, tais como o setor automotivo (-25%), alimentos (-2,4%), bebidas (-5,4%), eletroeletrônicos (-30%) e higiene e perfumaria (-3,8%), explicou a Abiplast.

Por um lado, o dólar mais alto está ajudando os setores a aumentarem a sua competitividade no mercado externo. A Abiplast reportou crescimento de 8,8% nas exportações do segmento em 2015. Por outro lado, porém, a valorização do dólar tem um impacto nos custos da indústria e nos preços de matéria-prima.

“Infelizmente, ainda não vemos alteração desse cenário e em 2016 estimamos um recuo de 3,5% na produção do setor de transformados e de 1,3% no emprego”, afirmou na nota o presidente da Abiplast, José Ricardo Roriz Coelho, ressaltando que o setor já fechou quase 30 mil postos de trabalho. “Somente as exportações devem seguir com um desempenho positivo, de 12%”, concluiu ele.

Fonte: Abiplast / DCI

Curta nossa página no