Posts Tagged ‘Plásticos’

Durante 36º Encontro Nacional do Plástico (ENP), Abiplast expressa otimismo e fecha alianças para 2020

06/12/2019

Acordo de cooperação técnica com a ABDI e renovação de programa de exportação com a Apex-Brasil foram assinados durante jantar institucional.

“Apesar de todas as dificuldades, estamos entrando em um período virtuoso”, disse o presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), José Ricardo Roriz Coelho, durante o 36º Encontro Nacional do Plástico (ENP). “Temos indícios de que nossa economia começa um processo de recuperação, depois da maior recessão de todos os tempos, e há indicativos de que nos próximos anos teremos mais investimento”. A perspectiva otimista para o setor foi compartilhada com representantes da indústria e do governo durante o jantar anual da entidade, realizado na noite da sexta-feira (29), em São Paulo.

Roriz Coelho falou, no entanto, que há um conjunto de reformas necessárias para a consolidação desse patamar e apontou o Custo Brasil – estimado em R$ 1,5 trilhão – como um entrave ao investimento e à competitividade do País. Para o biênio 2020-2021, o cenário deve ser melhor: “O Brasil deverá ter, no mínimo, o dobro do crescimento econômico observado em 2018 e 2019”.

O presidente da ABIPLAST também destacou que um grande desafio é a mudança do modelo de consumo e de produção, uma transição que oferece muitas oportunidades para o protagonismo do setor plástico.

Nesse contexto, a economia circular e a mineração urbana vêm ganhando cada vez mais espaço nos negócios. Para fomentar projetos e ações que acelerem esses novos modelos, a ABIPLAST assinou no jantar um acordo de cooperação técnica com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). Igor Calvet, presidente da entidade, mencionou a resiliência da indústria na defesa do setor, com um olhar para o futuro e para a produção e o consumo sustentáveis.

Ainda na cerimônia, foi assinada a renovação do programa de exportação em conjunto com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), para ampliação de aportes e maximização de metas, garantindo cada vez mais eficiência no apoio às vendas e à presença internacional das indústrias do setor. Em sua fala, o presidente da Apex, Sergio Segovia, evidenciou o sucesso do programa Think Plastic Brazil e os 16 anos dessa parceria, que compreendeu 161 iniciativas, com a geração de US$ 739,3 milhões em negócios.

Representando o governador João Doria, a secretária de Desenvolvimento Econômico de São Paulo, Patricia Ellen, disse que o governo está feliz com o setor – incluído entre os 12 Polos de Desenvolvimento do Estado –, para o qual tem grandes expectativas. Com vistas ao futuro, a executiva disse que a Secretaria está comprometida em melhorar a posição do Brasil no ranking de ambiente de negócios.

Por sua vez, a vereadora Janaina Lima ressaltou que o desafio do setor é construir pontes e ter as decisões públicas baseadas em dados e fatos.

Já os quatro homenageados da 36ª edição do ENP foram: Laura Erica Canteiro, presidente da Embaquim; Albano Schmidt, presidente da Termotécnica e do SIMPESC – Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado de Santa Catarina; Gilvan Severiano Leite, presidente do SINPLAST/AL – Sindicato das Indústrias de Plásticos e Tintas do Estado de Alagoas; e José da Rocha Pinto, ex-presidente do SIMPERJ – Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado do Rio de Janeiro.

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no

SABIC lança policarbonato parcialmente baseado em matéria-prima renovável

05/12/2019

  • Solução tem potencial para reduzir as emissões de CO2 e o uso de matéria-prima fóssil durante a produção
  • Os clientes podem usar esta resina de policarbonato em seus equipamentos existentes, sob condições de processo idênticas

A SABIC, uma das empresas líderes globais na indústria química, anunciou o lançamento de seu policarbonato (PC) baseado em matéria-prima renovável certificada. A SABIC diz que é a pioneira nesse tipo de rota para a obtenção de policarbonato, disponibilizando para a empresa e seus clientes diretos e finais uma solução com potencial para reduzir as emissões de CO2 e o uso de matéria-prima fóssil durante a produção.

“A liderança de mercado da SABIC na arena de policarbonato com base em matéria-prima renovável certificada – parte de nossa iniciativa “Trucircle” de soluções circulares – está ligada aos compromissos de nossos clientes, que cada vez mais requerem soluções sustentáveis ​​em resposta tanto às demandas reguladoras como às dos consumidores”, disse Abdulrahman Al-Fageeh, vice-presidente executivo de petroquímicos da SABIC. “Esse importante marco no caminho estratégico de sustentabilidade da SABIC agora amplia nossa oferta para além das poliolefinas, onde já possuímos nossos portfólios certificados circulares e renováveis”, acrescentou.

A SABIC diz que seu estudo de ACV “cradle-to-gate” (do berço ao portão) para o PC (*) revela reduções potencialmente significativas na pegada de carbono (até 50%) e impactos de depleção fóssil (até 35%) para a produção de resina de policarbonato com base na incorporação de matéria-prima renovável, em comparação com a produção de policarbonato fóssil.

Os clientes podem usar as resinas de policarbonato baseadas em matérias-primas renováveis ​​e certificadas em seus equipamentos existentes, sob condições de processo idênticas. Assim, contribuindo potencialmente para a redução da pegada de carbono de seus produtos.

“Na SABIC, nós engajamos a nossa cadeia de valor e a nossa posição única na Europa para produzir policarbonato usando matérias-primas renováveis ​​de segunda geração que não estão em concorrência com a cadeia alimentar, para fabricar uma resina com desempenho igual ao produzido a partir da nafta fóssil”, disse Lennard Markestein , Diretor ETP BU Petroquímicos, SABIC.

A SABIC trabalhou em estreita colaboração com a International Sustainability and Carbon Certification (ISCC) para fornecer prova da incorporação de matéria-prima renovável em sua produção de PCs e as reivindicações de sustentabilidade resultantes, verificadas por auditores independentes.

Além disso, a CEPSA – empresa multinacional espanhola de petróleo e gás – é um parceiro estratégico da cadeia de valor nesse projeto, apoiando a SABIC por meio da produção de intermediários renováveis.

O processo utiliza uma mistura de matérias-primas de origem fóssil e renovável (**) para alimentar o Steam Cracker da SABIC, onde benzeno é obtido. Através de uma reação adicional em uma planta química de terceiros, o fenol é produzido a partir de benzeno e posteriormente convertido em BPA na planta de monômeros da SABIC. O próximo passo na cadeia de produção é uma reação de polimerização por condensação para gerar policarbonato (resina Lexan), onde o BPA é um dos reagentes. Após sua produção, a resina de policarbonato pode ser enviada para uma planta de compostagem para fabricar compostos de policarbonato que serão utilizados pelos clientes da SABIC na conversão em produtos acabados.

O policarbonato da SABIC baseado em matéria-prima certificada ISCC PLUS será produzido inicialmente em suas instalações de fabricação em Bergen op Zoom, na Holanda, com disponibilidade global no futuro. A resina PC certificada pode ser usada para aplicações em todos os segmentos de mercado, como Automotivo, Consumidor, Eletrônico e Elétrico, Construção e Construção e Saúde, atualmente atendidos pelo portfólio de PCs existente.

* A SABIC concluiu um estudo detalhado da ACV (análise de ciclo de vida) que atualmente está em processo de revisão crítica por terceiros. No entanto, o estudo passou na revisão interna da SABIC, que se baseia nos protocolos da SABIC para o controle de qualidade da ACV. Como normalmente ocorre com o uso de matéria-prima de base biológica, os resultados do estudo da ACV mostram perdas e ganhos ambientais com relação à eutrofização e consumo de água. Esses impactos ambientais podem ser mitigados por meio de práticas de gerenciamento sustentável na cadeia de valor a montante.

** Apenas uma parte da matéria-prima usada na produção de policarbonato é proveniente de matéria-prima renovável. O estudo da ACV avaliou o desempenho ambiental da rota renovável em comparação com a rota baseada em origem fóssil nos níveis de escopo “Cradle to Gate“, bem como os níveis de escopo “Cradle to Gate + End of Life” e se baseia na metodologia PAS 2050 para contabilidade de carbono biogênico .

Associação americana da Indústria do Plástico (PLASTICS) pretende “transformar o amanhã” na Feira NPE 2021

05/12/2019

Associação da Indústria de Plásticos (PLASTICS) lançou oficialmente a campanha da NPE2021

A Associação da Indústria de Plásticos dos Estados Unidos (PLASTICS) iniciou oficialmente a marcha para a feira NPE2021  durante a K 2019, em Düsseldorf (Alemanha). Programada para o período de 17 a 21 de maio de 2021 no Orange County Convention Center (OCCC) em Orlando, Flórida, a NPE 2021 (www.npe.org) deve atrair mais de 55.000 participantes, vindos de aproximadamente 20.000 empresas que representam mais de U$ 100 bilhões em poder de compra.

A NPE2021 também está apresentando um visual totalmente novo – um novo logotipo, um site redesenhado e um slogan original: “Transform Tomorrow” (transforme o amanhã).

“Pense em quantas vidas os plásticos já transformaram e pense em quantos produtos e setores ainda estamos em processo de transformação”, disse o presidente e CEO da PLASTICS, Tony Radoszewski. “Quando falamos em transformar o amanhã, falamos de setores que variam desde o automotivo e transporte até produtos de consumo, embalagens e além”.

Além das centenas de máquinas que estarão em operação com capacidade total no salão da feira, a NPE 2021 também apresentará novas oportunidades educacionais e novas Zonas de Tecnologia para permitir que os participantes encontrem com facilidade exatamente o que estão procurando.

“Agora, todos os visitantes podem personalizar sua visita para aproveitar ao máximo o seu tempo na NPE. Além disso, as Zonas de Tecnologia permitem que os expositores procurem localizar seu estande em uma área onde as pessoas nos corredores estejam interessadas exatamente no que eles estão vendendo”. disse a Vice-Presidente de Feiras e Marketing da PLASTICS, Susan Krys. “Com essas mudanças e nosso compromisso contínuo com a sustentabilidade, a NPE2021 será certamente “a feira” para a indústria de plásticos do futuro. O que você estiver procurando, poderá encontrá-la na NPE2021″.

A Plastics Industry Association (PLASTICS), anteriormente SPI, é a organização que apóia toda a cadeia de suprimentos de plásticos, representando quase um milhão de trabalhadores na indústria americana que fatura US $ 451 bilhões. Desde 1937, a PLASTICS trabalha para tornar seus membros e a indústria mais competitivos globalmente, enquanto promove a reciclagem e a sustentabilidade.

Curta nossa página no

Ineos Styrolution anuncia família de materiais de SMMA para aplicações de contato com alimentos

05/12/2019

  • Conformidade com os regulamentos de contato com alimentos norte-americanos da FDA, UE, China e Mercosul
  • Combinação equilibrada de propriedades do produto
  • Grades do material usados para várias aplicações domésticas

A Ineos Styrolution, líder global em estirênicos, apresenta sua linha NAS como um material de escolha para aplicações de contato com alimentos. Segundo a empresa, clareza cintilante, fluidez, facilidade de processamento, estabilidade térmica, resistência a riscos e álcool são algumas das principais propriedades do NAS, um grade de SMMA (estireno-metilmetacrilato).

A Ineos Styrolution afirma que a sua família de materiais NAS inclui o NAS 21 (SMMA de uso geral), o NAS 30 (melhor cor, clareza, brilho e resistência a produtos químicos) e o NAS 90 (resistência). Segundo o fabricante, em virtude de apresentar conformidade com as regulamentações internacionais de contato com alimentos, incluindo a FDA americana, União Europeia (UE), os padrões GB nacionais da China e os regulamentos de contato com alimentos do Mercosul, a linha NAS apresenta-se como uma opção de material para aplicações nesse segmento. Além disso, afirma a empresa, a linha de NAS também atende às especificações USP XXIII para plásticos de classe VI, tornando-a adequada para aplicações ainda mais exigentes, como dispositivos médicos.

Os grades NAS da Ineos Styrolution são atualmente usadas em várias aplicações domésticas que exigem um plástico forte, rígido e transparente, incluindo filtros de água, copos, recipientes de água para máquinas de café e recipientes para alimentos, afirma a Ineos Styrolution.

“Com o aumento cada vez maior dos regulamentos de conformidade de segurança para contato com alimentos plásticos em todo o mundo, é importante que as aplicações desse segmento atendam aos regulamentos internacionais”, diz Paulo Motta, vice-presidente de gestão de negócios de especialidades da Ásia-Pacífico, Ineos Styrolution. “A gama NAS da Ineos Styrolution fornece uma excelente solução para atender aos requisitos internacionais de conformidade regulamentar e às necessidades de produção dos clientes.”

A Ineos Styrolution é o principal fornecedor global de estirênicos, com foco nas especialidades de monômero de estireno, poliestireno, ABS Standard e especialidades estirênicas. A empresa fornece aplicações estirênicas para muitos produtos do dia-a-dia em uma ampla gama de indústrias, incluindo Automotiva, Eletrônica, Doméstica, Construção, Saúde, Embalagens e Brinquedos / Esportes / Lazer. Em 2018, as vendas foram de 5,4 bilhões de euros. A Ineos Styrolution emprega aproximadamente 3.500 pessoas e opera 20 plantas produtivas em dez países.

Curta nossa página no

Reifenhäuser apresenta linha de produção de filme de PE totalmente reciclável para embalagens pouch

04/12/2019

Solução 100% Monomaterial foi apresentada durante a K 2019

Possuir 100% de reciclagem e excelentes propriedades de barreira não precisam ser uma contradição. A máquina EVO Ultra Stretch patenteada pela Reifenhäuser produz filme monomaterial (100 % de polietileno). Segundo a empresa, é uma alternativa econômica ao uso do PET.

Filme Stretched de PE para aplicações complexas de embalagem

Em embalagens muiticamadas convencionais, o PET fornece propriedades de estabilidade e barreira. Por outro lado, sua reciclabilidade é muito restrita. A Reifenhäuser diz que o filme de PE “stretched” produzido com sua tecnologia pode substituir totalmente o PET, sem perda de qualidade.

Segundo a empresa, o processo EVO Ultra Stretch produz filmes de PE com propriedades mecânicas que atendem a todos os requisitos da indústria de embalagens em termos de embalagens de alto desempenho e sua conversão: propriedades de selagem térmica, alta rigidez na direção da máquina, boa planicidade e impressão de qualidade.

Eficiência energética e relação custo-benefício facilitam a entrada

O processo envolve o alongamento do filme até dez vezes sua área superficial inicial. Devido ao seu posicionamento na puxada, o EVO Ultra Stretch apresenta consumo de energia muito baixo e alta estabilidade do processo, afirma a Reifenhäuser. Uma grande vantagem é que o filme PE pode ser convertido em linhas de conversão existentes, sem necessidade de adaptação. O fabricante afirma que isso facilita consideravelmente a transição para embalagens monomaterial feitas de PE.

“Para ajudar nossos clientes a apresentarem o produto da maneira mais tranquila possível, nós fornecemos um pacote completo de know-how de uma única fonte, compreendendo tecnologia, receita de filme e parâmetros de processamento”, explica Eugen Friedel, Diretor de Vendas da Reifenhäuser Blown Film.

A aplicação já passou com sucesso em testes de campo em um cliente da Reifenhäuser e proprietário de marca. É um dos 15 exemplos de economia circular que foram exibidos no estande da Reifenhäuser durante a K 2019. “A embalagem monomaterial é a chave para uma economia circular em funcionamento”, diz Eugen Friedel.

Fonte: Reifenhäuser

Curta nossa página no

Clariant lança nova marca de aditivos sequestradores de oxigênio para embalagens PET

04/12/2019

  • Extensão da validade de bebidas e alimentos embalados
  • Eercados incluem garrafas de sucos de frutas e cerveja
  • Combina proteção aprimorada de alimentos com design sustentável de embalagens

A Clariant anunciou a criação de uma nova marca patenteada de masterbatches de aditivos sequestradores de oxigênio: Cesa ProTect.

O principal mercado-alvo para o novo masterbatch de aditivos é o de embalagens monocamada de tereftalato de polietileno (PET), embora outros materiais à base de poliéster também possam se beneficiar. Bem conhecido por seu uso generalizado em garrafas de refrigerante e água, o PET tem muitas vantagens. Em comparação com outros polímeros, oferece excelente transparência, é adequado para contato com alimentos e é fácil de processar, além de ser o polímero mais reciclado atualmente.

“O PET já é um bom material de barreira”, afirma Antonello Decortes, Global Innovation Manager na Clariant, “mas aplicações sensíveis ainda podem sofrer com a entrada de oxigênio. Isso não é um problema para a água ou a maioria dos refrigerantes carbonatados, mas os sucos de laranja perdem a potência das vitaminas e mudam de cor; os laticínios podem azedar, as cápsulas de café têm perda de sabor e basta 1 ppm de oxigênio para mudar o sabor e o aroma da cerveja. Os aditivos Cesa ProTect podem ajudar a aumentar o prazo de validade desses produtos e garantir que menos alimentos sejam descartados.”

Segundo a Clariant, os ingredientes ativos dos masterbatches Cesa ProTect não desaceleram a penetração de oxigênio através das paredes PET do recipiente. Ao invés disso, trata-se de um “sequestrador de oxigênio”, que absorve moléculas de O2 à medida que entram, para que não atinjam o produto protegido.

Cesa ProTect só é ativo após o processamento e os recipientes de PET tratados com o produto estão protegidos após a produção, podendo ser enchidos e transportados. A linha de aditivos também é ideal para distribuição em cadeia frigorífica, já que apresentou bom desempenho quando usado com produtos refrigerados, afirma a empresa.

Segundo Decortes, “o período exato que os masterbatches de aditivos Cesa ProTect conseguem proteger os alimentos e bebidas depende de diversos fatores, como carga de aditivos, tamanho e design da embalagem. Em testes com uma garrafa de 23 g e 0,5 litro, uma carga de 3,6% do masterbatch Cesa ProTect conseguiu manter os níveis de oxigênio abaixo de 1 ppm por 588 dias, ou mais de 18 meses. Por outro lado, o PET não tratado manteve os níveis abaixo de 1 ppm por apenas 22 dias, e um sequestrador de oxigênio concorrente durou apenas 63 dias. Mesmo a uma carga de 2%, os masterbatches Cesa ProTect mostraram eficácia por 266 dias.”

“Com base nesses resultados”, declara Alessandro Dulli, Global Head of Segment and Business Development Packaging, “acreditamos que Cesa ProTect é um dos mais poderosos masterbatches sequestradores de oxigênio no mercado.”

Segundo a Clariant, o masterbatch Cesa ProTect também demonstra ter pouco ou nenhum impacto no aspecto visual ou nas propriedades mecânicas da embalagem. Quando Cesa ProTect é usado nas dosagens recomendadas, afirma a empresa, os recipientes acabados de diferentes tamanhos e formas mantêm um nível de transparência de acordo com as expectativas do mercado. O produto é altamente compatível com PET e não demonstra impactar o processamento, segundo o fabricante. Ainda estão pendentes as aprovações para contato com alimentos.

Curta nossa página no

Evonik confirma expectativas para o ano de 2019, apesar do contínuo enfraquecimento da economia global

04/12/2019

  • 2019: Ebitda ajustado deve continuar, no mínimo, estável
  • Expectativas de fluxo de caixa livre para o ano inteiro confirmadas e especificadas: cerca de 700 milhões de euros
  • Q3: Vendas e receitas operacionais abaixo das registradas no mesmo período do último ano
  • Disciplina de custos mais austera respalda as receitas

A Evonik confirmou as expectativas para o ano completo de 2019, apesar do contínuo enfraquecimento da economia global. A empresa prevê que o Ebitda ajustado se mantenha, no mínimo, estável na comparação com o último ano. As vendas devem ficar ligeiramente mais baixas que as do ano passado em virtude da queda na demanda. A expectativa era que as vendas permanecessem estáveis. Em 2018, a Evonik gerou vendas de 13,3 bilhões de euros e um Ebitda ajustado de 2,15 bilhões de euros – não incluindo o desinvestimento do negócio de Metacrilatos.

“Nós nos preparamos em tempo adotando uma disciplina de custos mais austera e outras medidas contingenciais frente a uma economia global desaquecida”, disse Christian Kullmann, presidente da diretoria executiva da Evonik. “Estamos sendo bastante proativos para assegurar o cumprimento das nossas expectativas para o ano”.

O programa de eficiência iniciado em 2018 com o objetivo de reduzir em 200 milhões ao ano as despesas administrativas e de vendas, foi acelerado. Até o final deste ano, a Evonik economizará 120 milhões de euros, 20 milhões de euros a mais que o originalmente planejado. Outros 20 milhões de euros serão economizados com a adoção de medidas contingenciais adicionais, como o adiamento de novas contratações e a redução de gastos com serviços externos.

A Evonik está especificando suas expectativas de fluxo de caixa livre para o ano inteiro e, agora, espera um valor em torno dos 700 milhões de euros, um fluxo de caixa livre significativamente mais alto que o do ano passado. Isso se deve sobretudo à redução de gastos de capital, à menor formação de capital de giro líquido e ao reembolso parcial de pagamentos de aposentadorias decorrente do “Contractual Trust Arrangement” (CTA). As previsões mais precisas não incluem impostos resultantes do carve-out da venda do negócio de Metacrilatos.

O desaquecimento da economia global continuou impactando o desempenho da Evonik no terceiro trimestre. Nos meses de julho a setembro, as vendas caíram 3% para 3,23 bilhões de euros devido à redução nos volumes e nos preços de venda. O Ebitda ajustado caiu 6% para 543 milhões de euros em relação ao mesmo período do ano anterior.

Desempenho por segmento

Resource Efficiency: As vendas do segmento caíram 1% para 1,4 bilhão de euros no terceiro trimestre. Os negócios de tintas assim como de adesivos e resinas foram afetados pelo arrefecimento da economia global, especialmente nas indústrias automotiva e de tintas. Os volumes de vendas da sílica para aplicações industriais baixaram. Os polímeros de alta performance, no entanto, foram beneficiados pela sólida demanda por membranas e pela indústria de impressão 3-D. Os “Crosslinkers” tiveram uma procura elevada da indústria eólica. O Ebitda ajustado do segmento baixou 4% para 322 milhões de euros.

Nutrition & Care: As vendas declinaram 2% para 1,14 bilhão de euros no terceiro trimestre. A demanda por aminoácidos essenciais para nutrição animal se manteve alta, enquanto os preços de venda caíram ainda mais. Nos negócios de Health Care as vendas aumentaram, especialmente em resultado de boa demanda por ingredientes farmacêuticos e alimentícios. As vendas de aditivos para espumas de poliuretano subiram de maneira significativa, sobretudo devido à alta demanda por bens de consumo duráveis e materiais de isolamento. O Ebitda ajustado do segmento recuou 11% para 188 milhões de euros.

Performance Materials: As vendas no terceiro trimestre caíram 20% para 475 milhões de euros na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. O avanço dos negócios de Performance Intermediates foi prejudicado pela redução do preço do petróleo e da nafta e, também, em decorrência de preços de venda ligeiramente mais baixos. Restrições continuadas no fornecimento de matérias-primas e problemas técnicos nas plantas de C4 em Marl e Antuérpia afetaram as receitas. Nos negócios de Functional Solutions o setor de alcóxidos apresentou bom avanço. O Ebitda ajustado do segmento declinou 25% para 47 milhões de euros.

A Evonik é uma das empresas líderes mundiais em especialidades químicas. Com mais de 32.000 colaboradores, a Evonik atua em mais de 100 países no mundo inteiro. No ano fiscal de 2018, a empresa gerou vendas de 13,3 bilhões de euros e um lucro operacional (Ebitda ajustado) de 2,15 bilhões de euros.

Curta nossa página no

Braskem aumenta vendas e gera Ebitda de R$ 1,5 bilhão no 3T, mas sofre impactos da depreciação cambial

03/12/2019

A Braskem registrou no seu balanço do terceiro trimestre um maior volume de vendas de resinas tanto no mercado brasileiro quanto no externo, registrando Ebitda 2% superior ao do trimestre anterior . O Ebitda recorrente da Companhia foi de R$ 1,55 bilhão (US$ 389 milhões, em linha com o 2T19) e a receita de vendas foi de R$ 13,3 bilhões nos três meses até setembro, mesmo patamar do trimestre anterior.

Em função do menor desempenho da economia global, a Companhia vem enfrentando o ciclo de baixa que atinge o setor petroquímico global. “Estamos concentrados em fazer a nossa parte para atravessar esse momento do ciclo. Melhoramos a eficiência na gestão de estoques no trimestre, reduzimos a taxa de frequência de acidentes, que está 63% abaixo da média do setor, e arquivamos os Formulários 20-F referentes aos exercícios de 2017 e 2018 na U.S. Securities Exchange Comission (SEC, órgão regulador do mercado de capitais americano)”, disse o presidente da Braskem, Fernando Musa.

A geração livre de caixa no 3T19 foi de R$ 401 milhões, 82% inferior ao 2T19, o que é explicado pelo efeito do menor consumo de matéria-prima no capital de giro, mas compensado pela eficiência na gestão de estoques. No acumulado do ano, a geração livre de caixa da Companhia atingiu R$ 2,8 bilhões.

O impacto negativo da depreciação do real frente ao dólar sobre a exposição líquida da Companhia não designada para hedge accounting resultou num prejuízo de R$ 888 milhões. A alavancagem corporativa, medida pela relação dívida líquida/Ebitda em dólares foi de 2,78x.

Em outubro, a Companhia emitiu US$ 2,25 bilhões em títulos de dívida no mercado internacional, sendo US$ 1,5 bilhão com prazo de dez anos e US$ 750 milhões com prazo de 30 anos, a maior emissão na história da Braskem. Em novembro, a Companhia emitiu R$ 550 milhões em notas promissórias com prazo de até cinco anos. Os recursos captados estão sendo utilizados principalmente para o pagamento de outras dívidas de prazos mais curtos e custos mais elevados.

No mesmo mês, foram arquivados os Formulários 20-F referentes aos exercícios de 2017 e 2018 na U.S. Securities Exchange Comission (SEC). Como consequência, as negociações das American Depositary Shares (ADSs) da Braskem foram retomadas na Bolsa de Valores de Nova York (New York Stock Exchange – NYSE).

A Braskem apresentou à Agência Nacional de Mineração (ANM) medidas para o encerramento definitivo da extração de sal e fechamento de seus poços em Maceió . Entre as ações previstas está a criação de uma área de resguardo em torno de alguns poços, que implicará realocação de pessoas e desocupação de imóveis. A Braskem disponibilizará os recursos necessários para esta situação e o planejamento e a execução ocorrerão em conjunto com Defesa Civil e demais autoridades.

Segurança, comunicação e sustentabilidade

A taxa de frequência de acidentes com e sem afastamento (taxa CAF+SAF) por milhão de horas trabalhadas, considerando integrantes e terceiros, foi de 1,17 no 3T19, 34% inferior ao 2T19 e 63% abaixo da média do setor.

Na busca por tornar mais transparente a gestão de capitais e estratégia de geração de valor da Companhia para todas as suas partes interessadas, permitindo aos investidores uma alocação de capital mais eficiente e produtiva, a Braskem dá mais um passo no aprimoramento de sua comunicação com o mercado e divulgou seu primeiro relatório elaborado com base na Estrutura Internacional do Relato Integrado desenvolvida pelo International Integrated Reporting Council (IIRC) .

No tocante à sustentabilidade, a Empresa recebeu pelo nono ano consecutivo a classificação Ouro do Programa Brasileiro GHG Protocol por ter realizado o seu inventário de emissões de Gases do Efeito Estuda (GEE) ano base 2018 abrangendo todas as categorias dos Escopos 1, 2 e 3 e com verificação externa independente.

A Braskem reforçou seu compromisso com o desenvolvimento sustentável ao aderir ao CEO Water Mandate , uma iniciativa especial da Organização das Nações Unidas e do Pacto Global da ONU em prol do uso sustentável da água no mundo.

Reforçando também o compromisso com a economia circular , a Braskem se juntou à Tramontina , uma das maiores empresas brasileiras de utensílios e equipamentos domésticos, numa parceria para lançar em setembro uma linha de cadeiras produzidas a partir de resina pós-consumo (PCR), que passou a integrar o portfólio I’m greenTM, marca que identifica as resinas da Braskem com melhor impacto.

A Companhia anunciou ainda parceria com a marca norte-americana GreenGear Supply Company , para a aplicação do Plástico Verde em capas de chuva leves, duráveis e reutilizáveis da linha EcoRain, utilizada principalmente por fãs de esportes.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Tecnologia da Logoplaste para acondicionamento de leite em garrafas PET permite reciclagem total das embalagens

03/12/2019

Por ser um material muito resistente ao impacto e transparente, o Polietileno Tereftalato é utilizado para embalagens de produtos dos mais diversos segmentos, desde o setor de alimentos e bebidas a medicamentos, cosméticos e produtos de higiene e limpeza.

Desde que chegou ao Brasil, em 1988, trazido pela indústria têxtil para a produção de tecidos, esse material foi aos poucos ganhando novas funcionalidades, ampliando os horizontes do mercado para fabricantes nacionais e empresas do exterior. Não demorou muito para as embalagens PET ocuparem espaços cada vez maiores nas prateleiras dos supermercados e nas despensas dos lares brasileiros.

Universo do PET

A verdadeira revolução, no entanto, aconteceu nos anos de 1990, com o crescimento exponencial da popularidade das embalagens de alimentos e bebidas. Por serem mais acessíveis, modernas e seguras, as garrafas PET para refrigerantes, águas, sucos e outras bebidas dominaram a produção, assim como as embalagens termoformadas para alimentos, que, desde o início, tiveram ótima aceitação.

Nesse cenário, em 1995, a empresa portuguesa Logoplaste enxergou a oportunidade de abrir uma frente operacional no Brasil. O mercado lácteo foi a porta de entrada. Segundo o Presidente do Conselho de Administração da companhia, Filipe de Botton, “nosso primeiro parceiro no país foi a Danone e, desde então, tivemos o privilégio de criar uma equipe local absolutamente extraordinária, permitindo que a Logoplaste do Brasil crescesse e se tornasse rapidamente um dos maiores players locais na produção de embalagens rígidas para grandes clientes como a Reckitt Benckiser, a Nestlé, a P&G e a Shefa, entre tantas outras”.

Inovação

Com essa visão inovadora, a Logoplaste conseguiu elevar o mercado brasileiro de garrafas PET para outro patamar. Criado em 2010, o projeto Bottle-to-bottle tinha como objetivo viabilizar uma garrafa em PET para leite longa vida UHT que protegesse adequadamente o produto, mas sem deixar de lado a ideia de criar soluções circulares para as embalagens.

Thomé Brito, Diretor da Logoplaste Brasil, classifica a tecnologia de bicamada utilizada nas garrafas para o leite Shefa como um grande trunfo do projeto. “O interessante e mais bonito desse projeto é que ele está inserido na economia circular, já que podemos reutilizar as garrafas no próprio processo de fabricação de novas garrafas, evitando, assim, o descarte indevido. A tecnologia já existia, mas fomos os primeiros a utilizá-la por aqui”.

Para conservar o produto à temperatura ambiente por um longo período, era preciso bloquear a passagem de luz. Então, a solução encontrada foi desenvolver uma tecnologia que consistisse em utilizar duas camadas de PET, sendo a interna preta, para não haver degradação do leite, e a externa branca, preservando as propriedades da embalagem. Com isso, a proteção do leite é garantida por um período de 4 a 6 meses.

Segundo Thomé, existe muita confusão por parte do consumidor e da mídia ao olhar para a garrafa com bicamada e achar que o produto não é bom para reciclar. Sobre o processo de reciclagem desenvolvido para as novas garrafas, o executivo explica que todas as etapas seguem os termos da solução de reciclagem circular, que foram desenvolvidos após extensos testes com os produtos para atender aos avanços da nova regulamentação, de novembro de 2018.

“Não são dois materiais. É um só, mas em duas camadas. Para a reciclagem e a reutilização, o material é lavado, moído e passa por um processo de pós-condensação, que traz de volta as características necessárias ao processamento e incorporação às novas garrafas. Ou seja, 100% dos resíduos são reaproveitados, desde a tampa e o rótulo, até a garrafa em si. Todo este processo de circularidade é aprovado pela Anvisa, seguindo os rígidos padrões da indústria alimentícia brasileira”, conclui.

Fonte e foto: PICPlast

Curta nossa página no

Mecalor expõe equipamentos de refrigeração na Andina Pack

03/12/2019

Colômbia se destaca como um forte mercado para a venda de chillers no setor de plástico

A Mecalor vai fechar esse ano com um expressivo crescimento nas exportações. A maior parte dessas vendas foi para a países da América do Sul e a Colômbia se destaca como um importante mercado para a empresa. É com esse cenário positivo que a Mecalor expôs na edição 2019 da Andina Pack. Esse ano, a empresa levou para a feira equipamentos mais robustos, como o Chiller RLA 260 de 80 TR e o MSA 15 de 5 TR, uma versão menor, voltados à indústria de transformação do plástico.

A empresa participa da feira desde 2007, mas essa foi a primeira vez que apresentou um equipamento de grande porte. O gerente de exportação da Mecalor, Flavio Pereira, comentou sobre a participação na feira: “A Colômbia é um dos nossos principais mercados, possuímos várias máquinas instaladas, e contamos com uma boa infraestrutura de vendas e de suporte técnico. Temos clientes em todos os grandes centros do país”, afirmou.

Embora o cenário econômico da América Latina em geral seja de instabilidade, Flávio Pereira acredita que ainda há espaço para a Mecalor crescer nesses mercados. “A Colômbia, por exemplo, conta com a segunda maior população da América do Sul. O mercado interno colombiano aumentou e a indústria local seguiu essa tendência”, disse. Flávio aponta o Peru como outro país de relevância para as vendas internacionais. “A Mecalor cresceu bem em exportações para esses países, porque há décadas faz um trabalho comercial consistente, com a venda de equipamentos de ponta”, ressaltou.

Internacionalização

A inauguração da filial do México em maio desse ano foi o marco na internacionalização da Mecalor. Flavio Pereira salientou ainda que faz parte da estratégia de crescimento da marca no mercado externo a participação em grandes feiras internacionais do setor da indústria de transformação de plástico. Dessa forma, além da Andina Pack, a Mecalor esteve presente na Feira K, realizada em Dusseldorf (Alemanha), em outubro. “Os objetivos foram fortalecer a presença da marca em um evento internacional de ponta, atender clientes do Brasil que estavam na feira, reforçar aos clientes da América Latina que agora temos uma filial no México e manter contato com novos mercados”, explicou o executivo.

Seguindo a sua estratégia de internacionalização,a empresa planeja para o ano que vem ampliar sua presença em países da África, onde já conta com um representante, e começar a prospectar a Europa, a partir de Portugal e Espanha.

Há 60 anos no mercado, a Mecalor fornece soluções de engenharia térmica para a indústria no Brasil e em outros países da América Latina, EUA e Europa. Ela atua em diversos setores, além da indústria de transformação de plástico, como: hospitalar, alimentício, farmacêutico, ar condicionado de precisão e automotivo. Neste último, destaca-se pela fabricação de câmaras climáticas para teste de veículos e auto partes.

Curta nossa página no

Stadler apresentou soluções “turn-key” ao mercado brasileiro na Waste Expo

03/12/2019

Planta de RSU e produção de CDR em Pernambuco – projeto completo da Stadler

Apresentar um leque diversificado de soluções para o mercado brasileiro foi o objetivo da empresa alemã, que procura agregar valor numa fase determinante da política de reciclagem dos resíduos sólidos urbanos.

A Economia Circular nunca foi tão falada como agora e é um tema muito relevante no Brasil, dada a sua dimensão e as oportunidades que apresenta tanto no aspecto nacional como também numa vertente internacional que cada vez tem regras mais rigorosas. De acordo com um estudo recente feito pelo Fundo Mundial para a Natureza (WWF), o Brasil produz 11 milhões de toneladas de lixo plástico por ano e recicla apenas 1%, ou seja, 145.043 toneladas.

Os números podem ser surpreendentes, mas a verdade é que o país está apenas atrás dos Estados Unidos, China e Índia no que diz respeito ao lixo plástico. As medidas para combater este problema tenderam a multiplicar-se nos últimos anos, mas a verdade é que as respostas ainda não foram encontradas e 7,7 milhões de toneladas ficam em aterros sanitários.

No entanto, com uma vasta experiência internacional, já tendo montado mais de 350 plantas de triagem e instalado mais de 3.000 máquinas de triagem em todo o mundo, a Stadler , líder de mercado no projeto e montagem de plantas de triagem para o setor de reciclagem e eliminação de resíduos, marcou presença na Waste Expo, que se realizou entre os dias 12 e 14 de Novembro no Expo Center Norte, em São Paulo, para apresentar um leque diversificado de soluções “turn-key”, que tem como objetivo ir contra esses números e ajudar o país a melhorar as taxas de reciclagem.

Com a Economia Circular como pano de fundo e um dos temas mais focalizados nos últimos meses, a empresa acredita que o início para o tratamento adequado dos resíduos passa pela recuperação dos materiais valorizáveis que atualmente estão sendo dispostos, de forma a aumentar o ciclo de vida desses produtos, colocando-os de volta ao mercado através da reciclagem.

Para isso a Stadler coloca ao dispor do mercado brasileiro “um conjunto de soluções e de serviços personalizado para cada cliente e que representa os valores da Stadler: qualidade, comprometimento, responsabilidade capacidade de desenvolver projetos de acordo com a realidade de cada cliente e mercado”, explica Sérgio M. Atienza (foto), Diretor da América Latina da Stadler.

O executivo da empresa vai mais longe e explica “que a técnica no seu melhor” é a base da estratégia e o lema de uma vida, que representa a visão da empresa. Isto significa nas palavas do Diretor, “quer se trate de concepção, planejamento, fabricação, modernização, otimização, montagem, colocação em funcionamento, modificação, desmontagem, manutenção e serviço de componentes e instalações de reciclagem ou classificações completas, oferecemos um serviço completo adaptado às exigências dos nossos clientes e cada caso é um caso, pois a mesma solução não serve para todos”.

A Stadler está no mercado brasileiro desde 2014, quando instalou uma solução completa (“turn key”) numa planta que tem uma capacidade de processar 15 toneladas de lixo por hora de coleta seletiva. Até ao momento já foram instaladas mais oito soluções, sendo que atualmente está sendo instalado em Guarulhos, São Paulo, um projeto completo totalmente arquitetado pela Stadler, que será a planta mais automática da América Latina, uma referência mundial, para o material procedente de coleta seletiva.

De acordo com Sérgio M. Atienza, “a ideia passa por reforçar estrategicamente a nossa presença no mercado brasileiro com uma equipe sólida, atraindo o comprometimento dos municípios em atender a Política Nacional de Resíduos Sólidos, principalmente no que tange à reciclagem, geração de energia limpa e redução do volume a ser disposto em aterros sanitários”.

A empresa alemã ainda reforça que não fornece apenas “serviços “turn-key””, mas também pode ajudar com equipamentos pontuais. Sérgio reitera que “os separadores balísticos e os separadores óticos são os mais vendidos no Brasil” e que o mercado está “em fase de amadurecimento, propenso a aceitar uma nova realidade sobre o futuro do modelo de negócios, destinação de resíduos e da abertura da indústria cimenteira para combustíveis alternativos”.

A importância da Waste Expo no panorama nacional

De forma a dar respostas e colocar desafios às atuais políticas do país, a Waste Expo Brasil reuniu nos dias 12, 13 e 14 de Novembro especialistas do setor, que exploraram alternativas para a gestão de resíduos sólidos e identificaram possíveis caminhos para uma mudança de mentalidade.

Para Sérgio M. Atienza, a participação da Stadler é “fundamental para apresentar novos processos e conhecer novos parceiros”. O Diretor reforçou que esta foi a quarta participação da Stadler e “queremos nos manter como número um no mercado e ajudar o Brasil a solucionar os problemas gerados pela destinação incorreta dos resíduos”.

A Stadler dedica-se ao planejamento, produção e montagem de sistemas e componentes de triagem para a indústria de tratamento e reciclagem de resíduos sólidos em todo o mundo. Sua equipe de mais de 450 funcionários oferece um serviço completo personalizado, do projeto conceitual ao planejamento, produção, modernização, otimização, montagem, comissionamento, reformas, desmontagem, manutenção e assistência técnica de componentes para completar os sistemas de reciclagem e classificação. Sua linha de produtos inclui separadores balísticos, correias transportadoras de transporte, tambores de triagem e removedores de rótulos. A empresa também é capaz de fornecer estruturas de aço e armários elétricos para as plantas que instala. Para mais informações, visite http://w-Stadler.de/pt

Curta nossa página no

Roberto Simões é indicado como novo Diretor Presidente da Braskem em substituição a Fernando Musa

22/11/2019

Em comunicado ao mercado divulgado hoje, a Braskem anunciou  a indicação do seu atual presidente do Conselho de Administração, Roberto Simões, como o novo Diretor Presidente da Companhia a partir de 1º de janeiro de 2020. Fernando Musa permanecerá como Diretor Presidente, apoiando a transição, até 31 de dezembro de 2019.

A empresa cita no comunicado que  “durante a liderança do atual Diretor Presidente,Fernando Musa, a Braskem consolidou a sua posição de sexta maior produtora de resinas plásticas do mundo, alcançou EBITDA recorde de R$ 12,3 bilhões em 2017, além de ter reforçado as práticas de governança e conformidade da Companhia, em linha com as melhores referências mundiais e deu início ao processo de transformação digital da Companhia.”

Roberto Simões foi Diretor Presidente da Ocyan Participações S.A. de 2014 a setembro de 2019, da Odebrecht Defesa e Tecnologia de 2010 a 2012 e da Santo Antonio Energia S.A de 2008 a 2010. Na Braskem, foi Vice-Presidente Executivo de 2004 a 2008. No iG-Internet Group, foi COO e Diretor Presidente de 2000 a 2004.

Roberto Simões é graduado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal da Bahia e possui o certificado do Cemant-Curso de Engenharia de Manutenção e Projetos Petroquímicos (convênio Petrobras/UFBA). Entre as prioridades do novo Diretor Presidente estão a manutenção da competitividade de todas as operações da Companhia e a continuidade da estratégia de diversificação de matéria-prima e geográfica da Braskem. A nomeação de Roberto Simões será submetida à aprovação do Conselho de Administração da Companhia. Adicionalmente, será convocada Assembleia Geral Extraordinária de Acionistas para nomeação do novo Presidente do Conselho de Administração.

Foto: LinkedIn

Curta nossa página no

Ineos Styrolution avança e está mais perto de oferecer poliestireno quimicamente reciclado em escala comercial

18/11/2019

  • O Unternehmensgruppe Theo Müller desenvolve os primeiros copos de iogurte a partir de poliestireno quimicamente reciclado
  • Ineos Styrolution recebe prêmio do ICIS pela reciclagem química de poliestireno
  • Ineos Styrolution apresentou soluções de reciclagem química na Feira K em Düsseldorf

A Ineos Styrolution, empresa líder global em estirênicos, deu um passo mais próximo de ofertar poliestireno quimicamente reciclado em escala comercial.

No início deste ano, a Ineos Styrolution anunciou seu teste bem-sucedido na produção de poliestireno a partir de material reciclado. Seis meses depois, a empresa produziu seus primeiros pequenos lotes de poliestireno quimicamente reciclado em suas instalações em Antuérpia e forneceu chapas contendo 50% de Poliestireno de uso geral à Unternehmensgruppe Theo Müller, líder em produtos lácteos, que agora produziu copos de iogurte a partir deste material reciclado.

A Ineos Styrolution e o Unternehmensgruppe Theo Müller estão colaborando em um projeto conjunto para desenvolver uma solução circular para poliestireno baseada em reciclagem química². As duas empresas concordaram em relação a uma abordagem escalonada, com uma fase de escala de laboratório a ser iniciada neste ano, uma fase de escala piloto a começar em 2020 e uma fase em escala comercial em 2022.

O departamento de desenvolvimento de embalagens do Unternehmensgruppe Theo Müller gosta da similaridade em termos de qualidade e estética dos copos de iogurte feitos de poliestireno convencional e o poliestireno reciclado fornecido pela Ineos Styrolution.

Michiel Verswyvel, especialista global em P&D, comenta: “Estamos entusiasmados em observar que o material de poliestireno reciclado iguala a qualidade e as propriedades do nosso material feito com poliestireno convencional. Nosso próximo passo é aumentar o uso de estireno reciclado em nossos produtos para vários milhares de toneladas em 2021 ”.

Os desenvolvimentos da Ineos Styrolution na reciclagem química foram reconhecidos pela escolha da empresa como vencedora conjunta do Prêmio de Inovação ICIS (ICIS Innovation Awards) na categoria “Inovação com melhor benefício para o meio ambiente e a sustentabilidade”. A demonstração pela empresa de uma solução de circuito fechado pela polimerização de estireno a partir de poliestireno despolimerizado foi selecionada por mostrar um benefício diferenciado ao meio ambiente e à sustentabilidade da empresa e de seus clientes.

Rob Buntinx, Presidente da Styrolution para a Europa, Oriente Médio e Ásia (EMEA), resume: “Estamos muito satisfeitos por alcançar mais um marco em nosso caminho no desenvolvimento de soluções de circuito fechado para nossos produtos estirênicos para nossos clientes. Nossa colaboração bem-sucedida com o Unternehmensgruppe Theo Müller e o prêmio da ICIS mostram que estamos definitivamente no caminho certo. Continuaremos a trabalhar em estreita colaboração com nossos clientes e todos os parceiros da cadeia de valor para desenvolver produtos e soluções inovadoras que atendam às suas metas de sustentabilidade. ”

A Ineos Styrolution esteve presente na K 2019, a principal feira mundial de plásticos e borracha, realizada em Düsseldorf, Alemanha, de 16 a 23 de outubro. A exposição da Ineos Styrolution se concentrou em soluções inovadoras e sustentáveis ​​e apresenta vários produtos e soluções reciclados, incluindo copos de iogurte reciclado da Unternehmensgruppe Theo Müller.

Curta nossa página no

DSM irá introduzir grades alternativos de origem biológica ou reciclada para todo o seu portfólio de plásticos de engenharia

18/11/2019

A Royal DSM, multinacional do setor químico, de nutrição e produtos de saúde com sede na Holanda, anunciou durante a Feira K em Düsseldorf, em Outubro passado, que seu negócio de plásticos de engenharia oferecerá até 2030 uma gama completa de materiais de base biológica ou reciclada como alternativa para o seu portfólio de plásticos de engenharia atualmente existente. Dessa forma, a DSM Engineering Plastics está dando o próximo passo em sua jornada de sustentabilidade, alinhada com a sua estratégia orientada por desempenho e objetivos, viabilizando uma economia circular e baseada em biomateriais.

Para atender à crescente demanda legislativa e dos consumidores por práticas de vida sustentáveis e produtos mais circulares, os fabricantes estão cada vez mais integrando biomateriais e materiais reciclados em seus projetos. Ao oferecer um portfólio completo de alternativas que contêm pelo menos 25% em peso de conteúdo reciclado e / ou de base biológica no produto final até 2030, a DSM Engineering Plastics está permitindo que seus clientes atendam a essas demandas e façam escolhas mais sustentáveis.

Em particular, o portfólio de alternativas sustentáveis ​​alavancará uma caixa de ferramentas de diferentes tecnologias e abordagens, tais como fermentação, reciclagem mecânica e mensuração por balanço de massa * de matérias-primas de base biológica e / ou recicladas quimicamente.

Como uma etapa imediata, a DSM Engineering Plastics está lançando grades de base biológica de seu portfólio de produtos Arnitel® e Stanyl®, fabricados por meio de uma abordagem de balanço de massa de matéria-prima de base biológica. Os grades de base biológica Stanyl® já estão disponíveis com a certificação de sustentabilidade ISCC Plus, reconhecida mundialmente. Joost d´Hooghe (foto, à esquerda), vice-presidente de poliamidas da DSM Engineering Plastics, disse: “Nossas alternativas de base biológica Arnitel® e Stanyl® oferecerão o mesmo desempenho funcional do nosso portfólio convencional. Isso permitirá que nossos clientes mudem facilmente para uma solução mais sustentável sem precisar requalificar os materiais. ”

Shruti Singhal (foto, à direita), presidente da DSM Engineering Plastics acrescentou: “Temos um longo histórico de fornecer provas tangíveis de nosso compromisso com a sustentabilidade. Estou muito orgulhoso de que a DSM esteja liderando nossa indústria, ao dar o próximo passo ambicioso de introduzir mais e mais alternativas baseadas em origem biológica e reciclada em nosso portfólio existente. Juntamente com nossos clientes, fornecedores e parceiros, estamos prontos para impulsionar nosso setor, aproveitar as oportunidades sustentáveis ​​à frente e cumprir nosso objetivo de criar uma vida melhor para todos! ”

* A mensuração por balanço de massa é uma abordagem bem conhecida que foi projetada para rastrear o fluxo de materiais através de uma cadeia de valor complexa. A abordagem do balanço de massa fornece um conjunto de regras sobre como alocar o conteúdo de base biológica e / ou reciclado para diferentes produtos para permitir a reivindicação do conteúdo como ‘biobaseado’ ou ‘reciclado’. Fonte: Fundação Ellen MacArthur (White Paper de Balanço de Massa) https://www.ellenmacarthurfoundation.org/assets/downloads/Mass-Balance-White-Paper.pdf

A DSM e suas empresas associadas geram vendas líquidas anuais de cerca de € 10 bilhões, com aproximadamente 23.000 funcionários. A empresa foi fundada em 1902

Curta nossa página no

Fabricante indiana de BOPP reduz variações de espessura e tempo parado e aumenta produção com nova matriz plana Nordson EDI

18/11/2019

Matriz Autoflex da EDI Nordson acabou com as variações de espessura e flacidez que forçavam a limpeza frequente da matriz e passou a produzir filmes para embalagens com menos embaçamento e melhor brilho

A Asia Poly Films Industries, uma produtora indiana de filmes de polipropileno biaxialmente orientado (BOPP) para embalagens, reduziu substancialmente o tempo de inatividade e aumentou o rendimento de uma linha de filme laminado, ao trocar uma matriz relativamente nova de um fornecedor concorrente por uma nova matriz EDI Autoflex, disse a Nordson Corporation.

Desde que começou a produzir filmes de BOPP em 2017, a Asia Poly Films frequentemente tinha problemas decorrentes variações de espessura e flacidez do filme ao usar a matriz adquirida na época, tornando impossível atingir o grau de planura exigido pelos clientes. Era necessário limpar a matriz a cada dois ou três meses – um processo que acarretava de 48 a 60 horas de inatividade na produção cada vez que era necessário parar a linha para limpeza. A matriz também exibia uma variação de espessura que só poderia ser mantida dentro de limites aceitáveis ​​se a velocidade da linha fosse limitada a não mais que 2.800 kg/hr.

Segundo a Nordson, desde a instalação da matriz EDI em fevereiro de 2019, a Asia Poly Films está operando continuamente a linha de filmes a 3.500 kg/hr, com a variação de espessura sendo mantida “bem dentro dos níveis aceitáveis”, de acordo com Dipesh Patel, diretor da empresa. “Além disso, enquanto nossa matriz anterior precisava de duas horas para se estabilizar após a partida da linha e começar a produzir filmes com um nível aceitável de variação de espessura, a nova matriz EDI se estabiliza em apenas 15 ou 20 minutos”, acrescenta ele.

Usando a nova matriz EDI com a mesma extrusora, controles e materiais plásticos anteriores, a Asia Poly Films tem produzido filmes com menor embaçamento e melhor brilho, disse Patel.

A matriz EDI é uma unidade de manifold triplo Autoflex VI-R. Da mesma forma que a matriz usada anteriormente pela Asia Poly Films, a matriz Autoflex é automática, usando dados de um sistema de medição computadorizado a jusante para ajustar o perfil de espessura transversal, fazendo mudanças na parte superior flexível da matriz, explica Nordson.

“O sistema Autoflex responde mais rapidamente às variações de espessura do que outras matrizes automáticas”, disse Mrunal Sanghvi, gerente geral de vendas na Índia para o negócio de Sistemas de Processamento de Polímeros da Nordson. “Além disso, a Nordson projetou de forma “customizada” o canal de fluxo (manifold) dentro da matriz para otimizar o fluxo de polímeros específicos usados ​​pela Asia Poly Films. Essas são duas razões pelas quais a matriz EDI permitiu à Asia Poly Films obter produtos vendáveis ​​em um tempo mais curto após a inicialização, manter tolerâncias mais rigorosas durante a produção e aumentar o rendimento, ao mesmo tempo em que mantinha a uniformidade e a qualidade do produto. ”

A Asia Poly Films Industries produz filmes de embalagens flexíveis BOPP para várias aplicações. A empresa foi criada em 2015 em Morbi, Gujarat, Índia e iniciou a produção comercial de filmes BOPP em 2017.

Curta nossa página no

Eastman colabora com a NB Coatings para oferecer plástico automotivo sustentável

18/11/2019

A fornecedora global de materiais plásticos Eastman anunciou o estabelecimento de colaboração com a NB Coatings, líder em tintas para plásticos para fabricantes de equipamentos automotivos. A colaboração visa criar uma nova solução para superfícies interiores pintadas de classe A com o bioplástico de engenharia Trēva (polímero da familia dos CAPs – propionatos acetato de celulose). Segundo a Eastman, o material oferece uma opção viável para empresas interessadas em criar produtos sustentáveis ​​e econômicos.

A Eastman produz Trēva  com conteúdo misto de base biológica e reciclado. Quando pintada com sistemas de pintura NB Coatings, o material pode atender aos exigentes requisitos de superfície Classe A, conforme especificado pelos OEMs.

“O Trēva fornece uma alternativa sustentável de base biológica ao policarbonato, ao ABS e ao PC-ABS para aplicações em interiores automotivos, em uma posição de custo neutro”, disse Chris Scarazzo, líder do segmento de mercado automotivo da Eastman. “As inovações de material da Eastman correspondem ao que os OEMs precisam para desenvolver peças duradouras com materiais sustentáveis ​​e os ajuda a atingir suas metas de conteúdo sustentável e substituição de plástico à base de petróleo”.

Oriundo de florestas gerenciadas de maneira sustentável, o Trēva possui de 42 a 46% de conteúdo de base biológica certificado pelo programa BioPreferred® do USDA, afirma a Eastman.

Para continuar reduzindo o desperdício e maximizando recursos, o bioplástico também se beneficia da tecnologia de renovação do carbono da Eastman, processo de reciclagem proprietária da empresa, que recicla resíduos de plástico tipicamente enviados para aterros sanitários ou encontrados como lixo nos cursos de água. Segundo a Eastman, a sua tecnologia de reciclagem química aproveita os resíduos de plásticos que seriam enviados para aterros e os converte em componentes moleculares simples, que são reintroduzidos na produção de uma variedade de produtos Eastman, incluindo o Trēva, sem comprometer o desempenho.

A Eastman afirma que o Trēva à base de celulose apresenta alto desempenho e impacto ambiental reduzido em aplicações automotivas. De acordo com a empresa, o Trēva exibe propriedades óticas e de birrefringência, fornece alta transparência e resistência superior e é adequado para aplicações como lentes HMI (interface homem-máquina). A fabricante afirma que o material também suporta os desafios dos interiores automotivos, incluindo altas temperaturas, umidade, UV, arranhões/estragos e requisitos gerais de durabilidade, além de possuir baixas emissões de COV (VOC, em inglês), o que é crítico para peças internas. Sua facilidade de processamento e suas características fluxo permitem boa estabilidade dimensional e design com paredes finas para menor uso de material e menor peso, garante o fornecedor do material.

“Como fornecedora de revestimentos ambientalmente consciente, a NB Coatings está animada em anunciar essa novidade em pintura, em colaboração com a Eastman”, disse Jesse Fritcher, vice-presidente técnico da NB Coatings. “Nossos testes com o Trēva consideraram a adesão de nossas tecnologias de revestimento comparável, se não mais fácil, ao dos tipos tradicionais de PC-ABS atualmente em uso, o que fornece novas opções sustentáveis ​​para os engenheiros de design automotivo”.

A Eastman é uma empresa global de materiais avançados que produz uma ampla gama de produtos para atrativos mercados finais, tais como transporte, construção civil e produtos de consumo. A Eastman emprega, aproximadamente, 14.500 pessoas ao redor do mundo e atende clientes em mais de 100 países. A companhia alcançou, em 2018, aproximadamente, 10 bilhões de dólares em receitas e está sediada em Kingsport, Tennessee, EUA.

A NB Coatings, Inc. (NBCi), antiga Bee Chemical, foi fundada em 1945 e adquirida pela Nippon Paint (USA) Inc. em 2006 da Rohm & Haas. A NBCi é líder em revestimentos automotivos para plásticos na América do Norte. A Nippon Paint é o quarto maior fabricante de tintas e revestimentos do mundo, com receita global superior a US$ 8 bilhões.

Fonte: Eastman

Curta nossa página no

Tendências em embalagens inteligentes serão apresentadas na Feira Intechtra, em São Paulo, em 2020

18/11/2019

Segundo a Associação Brasileira de Embalagem, novidades tem tido grandes avanços a nível mundial e devem ser adotadas também pela indústria nacional

Rastrear produtos por RFID (identificação por Rádio Frequência), acessar informações por QRCode, impedir a falsificação de embalagens, retardar o amadurecimento de alimentos e alertar quando um produto está para vencer graças às Smart Packagings, ou embalagens inteligentes. Esses são alguns exemplos das tecnologias que estão sendo aplicadas pela indústria no mercado mundial. Mas no Brasil ainda não são tão comuns como em outros países. No entanto, há iniciativas importantes que podem fazer com que avancem também por aqui.

Isabella Salibe, gerente Comercial e de Marketing da ABRE (Associação Brasileira de Embalagem) destaca que a evolução em outras partes do mundo levará as empresas brasileiras a adotarem as embalagens inteligentes. “Considerando o crescimento recente que esse mercado vem apresentando mundialmente, a expectativa é que as marcas comecem a utilizá-las cada vez mais”.

As novidades e tendências deste mercado serão apresentados na Intechtra, nova feira técnica promovida pela Messe München do Brasil, que acontecerá entre os dias 31 de março e 3 de abril de 2020 no Expo Center Norte, em São Paulo. A Intechtra, que será realizada a cada dois anos, é membro da rede global da drinktec, principal feira de negócios do mundo para a indústria de bebidas e alimentos líquidos em Munique.

A vantagem das embalagens inteligentes, de acordo com Isabella, atinge tanto os consumidores quanto os agentes envolvidos na cadeia de produção, trazendo, entre várias contribuições importantes, maior sustentabilidade e economia para os negócios. “Em um primeiro momento será necessário fazer investimento, mas ele será recompensado em médio prazo pois, ao se evitarem perdas, diminuem os prejuízos e devoluções de produtos”, garante.

Os benefícios das embalagens inteligentes não se restringem apenas à entrega de uma experiência positiva para o consumidor final. Isabella lembra que ao oferecer informações precisas sobre os produtos, elas se tornam úteis para a indústria como um todo, desde o transporte até o armazenamento.

Reais condições do produto

A executiva lembra que a principal característica das embalagens inteligentes é a presença de tecnologias capazes de comunicar as reais condições de um produto ou do ambiente em que ele se encontra. “Elas podem indicar desde oscilações na luminosidade até informações sobre a qualidade de um alimento – como alterações que indiquem seu vencimento, por exemplo”.

No entanto, Isabella deixa claro que, “quando falamos em tecnologias, não estamos nos referindo necessariamente àquelas digitais e conectadas à internet”. A maioria das embalagens inteligentes utiliza sensores simples – como monitores químicos e de pH – que interagem com a atmosfera interna e detectam a presença de gases, umidade e outros marcadores de qualidade.

“As embalagens inteligentes contam com sensores que apontam o grau de amadurecimento de produtos FLV, frios e carnes e peixes. Essa é mais uma garantia para que o consumidor adquira alimentos mais frescos e de qualidade. Este tipo de embalagem permite um menor manuseio dos produtos por parte dos consumidores, fator que muitas vezes faz com que a qualidade de frutas e verduras seja comprometida”, afirma Isabella.

A Messe München é uma das empresas líderes mundiais de feiras de negócios, com mais de 50 feiras técnicas de bens de capital e de consumo e de novas tecnologias. A cada ano, mais de 50.000 expositores e cerca de três milhões de visitantes participam em mais de 200 eventos realizados em Munique (Alemanha). Juntamente com suas subsidiárias, a Messe München organiza feiras em países como China, Índia, Brasil, Rússia, Turquia, África do Sul, Nigéria, Vietnã e Irã. A Messe München tem uma presença global com afiliadas na Europa, Ásia, África e América do Sul e mais de 70 representações estrangeiras trabalhando em mais 100 países.

Com escritório central em Munique, Alemanha, a Messe München iniciou as operações de sua subsidiária no Brasil no início de 2017. No mundo todo, a empresa organiza 220 eventos, com 44 mil expositores e mais de 2,4 milhões de visitantes. Com apenas mais de um ano de operações no Brasil, ela já organizou a M&T Expo, a M&T Peças e Serviços e a Construction Expo no território brasileiro.

Curta nossa página no

Prêmio Mundial de Inovação em Embalagens da Dow escolhe garrafa de PET com aparência de vidro da japonesa DNP como vencedora

18/11/2019

  • A Dai Nippon Printing Co. Ltd. conquista os Top Honors no 2019 Packaging Innovation Awards da Dow
  • Os vencedores dos prêmios representam algumas das mais inovadoras novidades em embalagens em termos de tecnologia, experiência do usuário e de sustentabilidade.

A Dow anunciou os vencedores do 2019 Packaging Innovation Awards, que reconhece as principais realizações do setor de embalagens em design, materiais, tecnologias e processos inovadores .

A maior premiação, o Diamond Award, foi concedida para a Dai Nippon Printing Co. Ltd., por sua garrafa de plástico PET DNP Functional Film Complex, uma alternativa ambientalmente amigável e consciente, que proporciona uma aparência de vidro distinta devido a uma destacável camada externa que pode atuar como barreira ao oxigênio quando combinada com o PET. Atualmente, muitas garrafas de bebidas são feitas de vidro por conta de suas propriedades de barreira e percepção de luxo, apesar de seu peso maior e maior risco de quebra. O vidro frequentemente se despedaça enquanto é coletado ou classificado e seu resíduo pode contaminar outros produtos que poderiam ser reciclados. A inovação da empresa mantém todas as qualidades que os consumidores adoram nas garrafas de vidro – a sensação e a percepção de luxo – enquanto cria um produto reciclável, leve e praticamente inquebrável.

“Este ano, recebemos um número recorde de inscrições de designs inovadores de embalagens de todo o mundo”, disse Diego Donoso, presidente de negócios da Dow Packaging & Specialty Plastics, se referindo às quase 250 inscrições de empresas de mais de 30 países. “Parabéns a todos os vencedores de 2019. Estou continuamente impressionado com as inovações de classe mundial que vemos ano após ano. ”

O prêmio Packaging Innovation Awards de 2019, organizado pela Dow, anteriormente conhecido como DuPont Awards for Packaging Innovation, está agora em sua 31ª edição e é a premiação independente mais antiga do setor de embalagens. A cada ano, o painel de juízes é composto por profissionais de todo o mundo em uma ampla gama de áreas, incluindo design, engenharia, varejo, conversão e academia.

“É uma honra fazer parte de um evento dedicado à busca das melhores inovações em embalagens, independentemente da localização e aplicação”, disse o juiz David Luttenberger, diretor global de embalagens do Mintel Group, Ltd. “Estou realmente impressionado com os vencedores deste ano e animado por ver tantas empresas de todo o mundo constantemente inovando para atender às demandas dos consumidores e práticas sustentáveis.”

Além do Diamond Award, os juízes também selecionaram oito finalistas Diamond, 10 vencedores do Gold Award, 12 vencedores do Silver Award e duas categorias de Menção Honrosa:

Vencedor do Diamond

Dai Nippon Printing Co. Ltd., Garrafa de plástico para PET de filme funcional DNP

Finalistas Diamond

  • Embrapa Tecnologia de Alimentos, Desenvolvimento de Embalagens Inovadoras para Frutas
  • Procter & Gamble, Caixa do Detergente Tide Eco-Box
  • Henkel, tecnologia EPIX ™ para embalagens sustentáveis
  • Danone Nutricia Research, OpTri, um Frasco Dobrável para Nutrição Parenteral
  • Amcor, Paperly ™ Embalagem à Base de Papel Termoformador
  • Werner & Mertz GmbH e Mondi Group, Bolsa Frosch 100% Reciclável e Sustentável, Feita em Polietileno
  • ProAmpac e L’Oréal, REDKEN® Flahs Lift Bonder Inside
  • Truman’s, Truman’s Starter Kit

Vencedores do Gold Award

  • Kawakami Sangyo Co., Ltd., UKIYO-E PUTIPUTI
  • Meiji Co., Ltd., meiji The Chocolate 6COLLECTIONS Pacote Sortido
  • Duallok, Uma Solução Elegante de Embalagem Resistente a Crianças
  • Amcor, 46 oz. Coffeemate® natural bliss® Cold Brew com Base Amcor Geo-Strap ™
  • ALICO SA, ReciPack
  • CI TAKIRON Corporation, Zíper Sensorial SANZIP
  • Amcor, Molson Coors – Sacola Térmica de 12 Unidades
  • Reckitt Benckiser, Finish 0%
  • DuPont Teijin Films, Processo de Despolimerização LuxCR™
  • Huhtamaki PPL Ltd., Bag-in-Bag para Extrema Resistência a Quedas

Vencedores do Silver Award

  • Amcor, Embalagem de Biscoito para Bicho de Estimação Full Moon Perdue Natural
  • Hangzhou Holmes Food Co., Ltd., Embalagem “Fresh Lock” Baicaowei
  • Weener Plastics, Tampa de Dispenser de Sabão 100% PCR
  • Hangzhou Qunle Packaging Co., Ltd., Embalagem do Petisco “Fortune Stick”
  • KW Container, TruSnap ™ com Recipiente de Tinta TwistCap
  • Incom Packing, SPOT
  • Blue Apron, Embalagem Sustentável em Gel
  • Huhtamaki PPL Ltd., Embalagem para Resistência a Quedas e Barreira
  • ITC Limited, Business Packaging, “Pacote de Farinha de Trigo Respirável” com Controle de Liberação de Ar
  • Procter & Gamble / Gillette, Lâmina de Barbear Joy
  • Schur Star Systems, Embalagem Zip-Pop Schur®Star
  • Unilever, Love Beauty and Planet

Menção Honrosa de Colaboração

  • Werner & Mertz GmbH e Mondi Group, Bolsa Frosch 100% Reciclável e Sustentável, Feita em Polietileno

Menção Honrosa em Comércio Eletrônico

  • PAC Worldwide, Scent Blocking Protective Mailer
  • Smart Karton, Pack Inteiro de Papel
  • Procter & Gamble (China) Sales Co., Ltd., Embalagens para Comércio Eletrônico
  • Procter & Gamble, Caixa do Detergente Tide Eco-Box
  • Henkel, tecnologia EPIX ™ para Embalagens Sustentáveis
  • Truman’s, Truman’s Starter Kit

Para mais informações e imagens de cada participação premiada, visite www.DowPackagingAwards.com

A Packaging and Specialty Plastics (P&SP), uma unidade de negócios da Dow, oferece produtos para mercados de uso final em embalagens de alimentos, higiene pessoal, infraestrutura, bens de consumo e transporte. A P&SP é uma das maiores produtoras mundiais de resinas de polietileno, polímeros funcionais e adesivos e colabora com toda a cadeia de valor no desenvolvimento sustentável de aplicações e no design do ciclo de vida da economia circular para plásticos. A Dow opera 113 fábricas em 31 países e emprega aproximadamente 37.000 pessoas. A Dow apresentou vendas pro forma de aproximadamente US$ 50 bilhões em 2018.

Curta nossa página no

Covestro divulga resultados do terceiro trimestre de 2019

10/11/2019

  • Volumes principais crescem 5,3%
  • Vendas totais de cerca de 3,2 bi de euros (-14,6%)
  • Previsão de Ebitda atingida com 425 mi de euros (-50,5%)
  • Receita líquida cai para 147 mi de euros (-70,4%)
  • Fluxo de caixa operacional livre de 243 mi de euros (-58,0%)
  • Perspectiva para 2019 atualizada na previsão existente

No terceiro trimestre de 2019, a Covestro conseguiu atingir crescimento do volume principal de 5,3% em relação ao mesmo período do ano anterior, em um ambiente econômico continuamente desafiador. Ao mesmo tempo, as vendas totais recuaram 14,6% para 3,2 bilhões de euros, devido aos preços de venda continuamente mais baixos. Com 425 milhões de euros, a previsão de Ebitda foi cumprida para o trimestre, mas caiu 50,5% em relação ao trimestre do ano anterior, como resultado dos efeitos negativos dos preços. A receita líquida caiu para 147 milhões de euros (-70,4%), enquanto o fluxo de caixa operacional livre (FOCF) ficou em 243 milhões de euros (-58,0%). Isso se deu, principalmente, devido à redução dos fluxos de caixa das atividades operacionais e a investimentos planejados.

“Após gerar sólido crescimento de volume no segundo trimestre, a demanda voltou a crescer no terceiro trimestre”, diz o CEO Markus Steilemann. “O ambiente econômico segue desafiador, principalmente no setor automotivo. No entanto, nosso crescimento de volume indica que nossos negócios são bem diversificados em várias indústrias”, afirma. O crescimento pode ser atribuído, sobretudo, às indústrias de construção, móveis, elétrica e eletrônica.

Projeção para o ano confirmada

Com base nos resultados do terceiro trimestre, o CFO Thomas Toepfer confirmou a previsão para o ano como um todo. “Continuamos confiantes de que atingiremos as metas que estabelecemos para o ano fiscal”, enfatiza Toepfer. “As margens do mesmo trimestre do ano anterior foram atipicamente altas, razão pela qual a queda ano a ano nas vendas e nos lucros está alinhada às nossas expectativas.”

Após o terceiro trimestre, o grupo refinou a previsão para o ano fiscal de 2019 dentro das margens publicadas: a Covestro antecipa um crescimento de um dígito do volume principal para 2019. Espera-se que o FOCF do grupo fique entre 300 e 500 milhões de euros, com ROCE de 8% a 10%. A projeção para o Ebitda do ano fiscal é que fique entre 1.570 e 1.650 milhões de euros.

Lançado novo programa de Economia Circular

Para manter o sucesso a longo prazo com suas soluções sustentáveis e inovadoras, a Covestro pretende reforçar seu foco na economia circular para o futuro e lançou um novo programa estratégico com essa finalidade. Nos seus processos produtivos, em particular, o grupo tem como objetivo utilizar, o máximo possível, matérias-primas de fontes sustentáveis, como matéria vegetal, resíduos e CO2. Isso deve eliminar o uso de recursos fósseis como petróleo bruto tanto quanto possível. Acima de tudo, os plásticos usados devem ser reciclados sistematicamente e o máximo possível.

Sustentabilidade e inovação também foram as palavras-chave na K2019, a maior feira comercial de plásticos do mundo realizada em Düsseldorf, Alemanha. Na feira, a Covestro apresentou muitos produtos e tecnologias diferentes que oferecem soluções para desafios globais urgentes. Por exemplo, expôs materiais de alta tecnologia que utilizam carbono em tecidos mais ecológicos, elevam o desempenho de turbinas eólicas e aceleram a expansão da tecnologia 5G.

Crescimento de volume no terceiro trimestre nos segmentos de Poliuretanos e Policarbonatos

Os volumes principais no segmento de Poliuretanos subiram 5,1%. O aumento da demanda nas indústrias de móveis, elétrica e eletrônica, especialmente em aparelhos domésticos e no setor de construção, mais que compensaram a demanda mais fraca na indústria automotiva. Contudo, as vendas nesse segmento caíram 20,1% para 1.478 milhões de euros devido à queda dos preços de venda, ocasionada pela maior pressão competitiva. Esse fenômeno também se refletiu no Ebitda, que caiu para 196 milhões de euros (-54,6%).

Os volumes principais em Policarbonatos subiram 9,3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. A indústria elétrica e eletrônica e o setor de construção foram os que mais contribuíram para esse crescimento. As vendas nesse segmento caíram 13,2% para 901 milhões de euros no terceiro trimestre de 2019. O Ebitda caiu 58,1% para 132 milhões de euros, devido, principalmente, à mudança negativa nos preços de venda.

O segmento de Revestimentos, Adesivos e Especialidades registrou queda de 4,0% nos volumes principais como resultado da demanda mais fraca por matérias-primas para revestimento por parte de todas as principais indústrias, especialmente do setor automotivo. Como resultado, as vendas caíram 3,0% para 588 milhões de euros. No terceiro trimestre de 2019, o Ebitda caiu 11,9% para 111 milhões de euros, movido por volumes menores e margens mais baixas.

Maior concorrência e novo patamar de preços marcam os primeiros nove meses

Conforme esperado, os primeiros nove meses foram marcados por concorrência crescente e mudança nos preços. O crescimento do volume principal atingiu 1,5%. As vendas totais caíram 15,8% para 9.548 milhões de euros, principalmente como resultado da baixa nos preços de venda. O Ebitda caiu 54,4% para 1.326 milhões de euros. A receita líquida atingiu 515 milhões de euros (-70,5%). O fluxo de caixa operacional livre decresceu para 143 milhões de euros (-89,1%).

Com 14,6 bilhões de euros em vendas em 2018, a Covestro é uma das maiores empresas mundiais de polímeros. Suas atividades comerciais concentram-se na produção de materiais de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em muitas áreas da vida cotidiana. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, de construção, processamento de madeira e móveis e as indústrias elétrica e eletrônica. Outros setores incluem esportes e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro tem 30 unidades de produção no mundo todo e empregava aproximadamente 16,8 mil pessoas (calculadas equivalendo à jornada integral) no fim de 2018.

Curta nossa página no

O Boticário desenvolve processo de reciclagem para tampas de perfumaria feitas com ionômero da Dow

09/11/2019

Com o processo, as tampas produzidas com Surlyn pós consumo, que antes não completavam o ciclo de reciclagem, transformam-se em novas tampas, voltando ao consumidor

O Boticário desenvolveu um processo inédito na América Latina para a reciclagem de tampas de perfumaria produzidas com Surlyn, ionômero fabricado pela Dow. Por ter uma grande complexidade, essa matéria-prima, apesar de ser reciclável em outras categorias, não vinha sendo viável no setor de cosméticos. Agora, as tampas podem ser recolhidas depois do consumo, separadas por cooperativas de reciclagem e, por fim, retornadas ao consumidor em novos produtos — dentro do processo de Logística Reversa.

O Surlyn é a resina utilizada em tampas de perfumaria. Segundo a Dow, sua maior propriedade comercial é a transparência, que confere aspecto premium às embalagens, além da versatilidade de design e alta resistência química. Segundo dados da Euromonitor International, o mercado de beleza e cuidados pessoais teve uma alta de 1,53%. Na categoria de perfumaria, a Abihpec destaca o pulo de 8,1% nas vendas dos fabricantes em 2018 e estima que, para 2019, o crescimento em vendas seja de 4,1%, a R$ 50,43 bilhões.

Por isso, o Grupo Boticário e todas as marcas que abrange – O Boticário; Eudora; quem disse, berenice?; The Beauty Box; Multi B e Vult, que têm o meio ambiente como um dos seus principais pilares, entendeu a importância de olhar para esse novo mercado e criar essa solução. Além de permitir o retorno sustentável das embalagens que vêm dos consumidores (PCR – pós consumo), o novo processo de reciclagem também reaproveita os rejeitos de Surlyn que são descartados em processos industriais (PIR – pós industrial).

“O desenvolvimento dessa tecnologia, que por meio da reciclagem inovadora proposta pelo Grupo Boticário causa pouco impacto na coloração das novas tampas, faz com que esses materiais (pós consumo e industriais) tornem-se novas peças para as perfumarias comercializadas pelo Grupo”, afirma Eduardo Fonseca, Diretor de Assuntos Institucionais do Grupo Boticário.

Segundo a empresa, o Boti Recicla é o maior programa de logística reversa do país, permitindo que consumidores retornem suas embalagens nos mais de 4 mil pontos de venda espalhados pelo Brasil e é a primeira etapa para a consolidação desse novo processo.

“A partir daí, inicia-se a participação das cooperativas, que separam as tampas recolhidas dos consumidores e ganham também um novo mercado, já que esses itens passam agora a ter um valor comercial e criam novas demandas. O terceiro passo é encaminhar todo esse material para a empresa de reciclagem Wise. É nessa etapa que o material descartado entra no processo de recuperação, através da lavagem, moagem e extrusão, dando origem aos pellets do Surlyn reciclado”, explica Alexandre Bouza, Head do Boticário.

Por fim, o material é encaminhado para a Aptar, empresa produtora das bombas e tampas dos produtos do Grupo Boticário, que passa a utilizar a resina reciclada em sua produção que será posteriormente direcionada para os consumidores.

O Boticário é uma empresa brasileira de cosméticos, unidade de negócios do Grupo Boticário. Inaugurada em 1977, em Curitiba (Paraná), a marca tem a maior rede franqueada de cosméticos do país com mais de 3.700 pontos de venda, em 1.750 cidades brasileiras, e mais de 900 franqueados. Presente em 15 países, há mais de 40 anos desenvolve novos produtos e conta com um portfólio com mais de 850 itens de perfumaria, maquiagem e cuidados pessoais. O programa de logística reversa da marca, o Boti Recicla, é um dos maiores do país em pontos de coleta – em todas as lojas os consumidores podem devolver as embalagens vazias, que são encaminhadas para a reciclagem correta. A sua fábrica de cosméticos de Camaçari (BA) é a primeira do segmento a receber o certificado LEED de construção sustentável no Brasil.

A Dow está presente no Brasil desde 1956. A companhia reúne atualmente cerca de 2.700 funcionários em suas 11 instalações, incluindo 9 unidades de produção em Aratu (BA), Breu Branco (PA), Campinas (SP), Guarujá (SP), Jacareí (SP), Jundiaí (SP), Palmyra (PA), Santa Vitória (MG) e Santos Dumont (MG), atendendo a clientes nos mercados de embalagens, infraestrutura e cuidados do consumidor.  A Dow opera 18 complexos de manufatura em 4 países da América Latina e entregou vendas líquidas pro forma de US $ 4,9 bilhões em 2018. Ao redor do mundo, a Companhia opera 113 fábricas em 31 países e emprega aproximadamente 37.000 funcionários. A Dow teve vendas pro forma de aproximadamente US$ 50 bilhões em 2018.

Curta nossa página no

Em sua 12ª edição, Embala Nordeste será realizada no Ceará

09/11/2019

Desde 2006, feira soma mais de 2 mil marcas expositoras, gerando R$ 15 bilhões em negócios no período

A Embala Nordeste, em sua 12ª edição, se consolida como uma das feiras mais importantes do setor da indústria de embalagens no Nordeste. Visando ampliar o setor e maior networking, a edição de 2019 traz novidades e tendências para o novo local do evento, em Fortaleza-CE. A Feira será realizada nos dias 5 e 6 de dezembro das 15h às 21h, no Centro de Eventos do Ceará, o mais moderno Centro de Feiras da região Nordeste.

Desde 2006, 11 edições foram realizadas em Recife-PE, com um histórico de 2 mil marcas expositoras, cerca de 80 mil visitantes e mais de R$ 15 bilhões em negócios gerados.

Setor da Indústria no Ceará

Mesmo com a crise que afetou todo o País, o Ceará foi o segundo estado que mais aumentou sua participação no valor da transformação industrial (VTI) no Nordeste em nove anos. Saiu de 11,6%, que tinha em 2008, para 15% em 2017, uma alta de 3,4 pontos percentuais, conforme a Pesquisa Industrial Anual, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No Ceará, o segmento que mais contribuiu a esse aumento de participação foi o de calçados, que teve, em nove anos, uma taxa de crescimento de 19,88% no valor de transformação industrial no Estado. Em seguida, aparece o segmento de vestuário e acessórios (11,45%). Todos estes setores impactam positivamente no aumento de consumo de embalagens.

“Grandes investimentos estruturais vem sendo realizados na região e o aumento do poder de compra propicia maior investimentos para a indústria local”, afirma Luiz Fernando (foto), diretor comercial da Embala Nordeste. “A Embala Nordeste contribui de forma direta para o incremento de novas tecnologias, e o desenvolvimento de embalagens”, conclui.

Edição 2019

A organização da feira estima 2 mil visitantes, com 50 marcas expositoras do setor de embalagens, refrigeração, maquinário para envase de bebidas, cosméticos, produtos de higiene e limpeza, farmacêuticos, automotivos equipamentos para embalar, marcação e codificação, serviços para o setor do plástico e impressão digital, num espaço de 3.000 m².

Serviço

Feira EMBALA NORDESTE 2019- 12ª edição
Dias: 5 e 6 de Dezembro.
Local: Centro de Eventos do Ceará – Pavilhão Oeste, Portão A.
Horário: 15h às 21h.
Endereço: Av. Washington Soares, 999 – Edson Queiroz, Fortaleza – CE.
http://www.embalane.com.br

Curta nossa página no

Grupo Solvay marca presença na OTC Brasil 2019 com compósitos e polímeros para a indústria de Petróleo e Gás

09/11/2019

Os materiais em compósitos e polímeros especiais para Petróleo e Gás foram o destaque da participação do Grupo Solvay na Offshore Technology Conference – OTC – Brasil 2019 (de 29 a 31 de outubro, no Centro de Convenções Sul América, no Rio de Janeiro).

A empresa, que foi uma das patrocinadoras do evento, lançou recentemente uma plataforma de compósitos termoplásticos para acelerar o desenvolvimento desses materiais e atender a diversos mercados, com destaque na região para o setor de produção e transporte de petróleo e gás.

Ao mesmo tempo, a Solvay acaba de colocar em operação nos Estados Unidos e na Europa dois novos centros de inovação dedicados aos polímeros especiais e compósitos de fibra de carbono.

Os novos centros de inovação fornecem ativos e recursos de ponta para acompanhar os clientes no projeto, prototipagem e teste de peças, permitindo uma grande aceleração do tempo de colocação no mercado desses materiais. No mercado de petróleo e gás, as aplicações desses materiais avançados visam, por exemplo, a substituição de tubos de metal suscetíveis à corrosão.

O Grupo Solvay já é um dos principais fornecedores do mercado de óleo e gás com seus polímeros especiais. A empresa fornece o polímero especial da linha Solef PVDF, com resistência inédita a temperaturas de até 150º C.

O produto, usado como camada de barreira em linhas flexíveis (risers) e mangueiras umbilicais, representa um avanço tecnológico no setor de extração de petróleo, uma vez que a temperatura máxima suportada por polímeros tradicionalmente usados na indústria do setor é de até 130º C. O Solef PVDF também pode ser empregado em revestimentos internos e externos, fios e cabos.

A Offshore Technology Conference (OTC), realizada no Brasil sob a coordenação do Instituto Brasileiro do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), abordou as principais questões do setor de petróleo e gás no Brasil, considerando também o cenário mundial, com a participação de referências internacionais no setor, além de diretores globais de Energia e Petróleo das principais companhias do segmento. Um dos principais temas da OTC 2019 foi a exploração e produção em áreas profundas, segmento em que o Grupo Solvay é um dos principais fornecedores de tecnologias e produtos.

A Solvay é uma empresa de materiais avançados e de especialidades químicas, com produtos e soluções utilizados em aviões, automóveis, dispositivos inteligentes e instrumentos médicos, baterias, na extração de minerais e petróleo, entre outras aplicações. A Solvay tem sede em Bruxelas e emprega 24.500 pessoas em 61 países. As vendas líquidas pro forma foram de € 10,3 bilhões em 2018, em 90% de atividades nas quais a Solvay está entre as três maiores empresas do mundo, resultando em uma margem de EBITDA de 22%.

Curta nossa página no

Evonik lança linha de copolímeros PLA-PEG bioabsorvíveis para aplicações no setor de dispositivos médicos implantáveis

09/11/2019

Evonik anunciou neste mês o lançamento comercial do primeiro portfólio de copolímeros PLA-PEG absorvíveis para aplicações no setor de dispositivos médicos implantáveis. Segundo a empresa, o portfólio inovador amplia a capacidade da Evonik de ajudar os clientes na área de dispositivos médicos a aumentar a segurança, a biocompatibilidade e o desempenho de seus produtos implantáveis, além de fortalecer o motor de crescimento Health & Care da empresa.

Segundo a Evonik, os copolímeros Resomer PLA-PEG combinam as propriedades hidrofóbicas (repelem a água) do poliácido láctico (PLA) com as propriedades hidrofílicas (atraem a água) do polietilenoglicol (PEG). Como copolímeros tribloco, o portfólio pode replicar a resistência mecânica dos polímeros Resomer padrão, mas a sua taxa de degradação é até seis vezes mais rápida. A empresa afirma que essa combinação única de resistência e degradação rápida permite que as empresas de dispositivos médicos desenvolvam uma nova classe de implantes absorvíveis para uso em áreas de aplicação, como cicatrização de ferimentos e pediatria, que se adaptem melhor ao processo de cicatrização natural do paciente.

Quatro tipos de Resomer PLA-PEG com tempos de degradação entre seis e doze meses ou menos foram desenvolvidos na linha Resomer padrão, informa o fabricante. Dois tipos já estão disponíveis e outros dois estão previstos para serem lançados nos próximos meses. Uma variedade de opções customizáveis também estão disponíveis na linha Resomer. A exemplo de outros produtos Resomer, os copolímeros Resomer PLA-PEG são fáceis de processar, compatíveis com todas as tecnologias relevantes e oferecem uma estabilidade de longa duração, garante a Evonik.

“Dispositivos médicos representam uma área de foco importante no motor de crescimento Health & Care da Evonik”, disse Dr. Jean-Luc Herbeaux, SVP e General Manager da linha de negócios Health Care da Evonik. “Nossa nova linha de copolímeros Resomer PLA-PEG é a mais recente inclusão em nosso portfólio de biomateriais funcionais, tecnologias de modificação superficial e serviços de aplicação para ajudar os clientes a aumentar a segurança, a biocompatibilidade e o desempenho de seus dispositivos médicos implantáveis”.

“A Evonik está satisfeita por ter se dedicado a essa necessidade de mercado não atendida de polímeros bioabsorvíveis que combinam extraordinária resistência com rápida degradação”, disse Dr. Andreas Karau, responsável global por Biomateriais na Evonik. “Será uma satisfação para nós ver os clientes se beneficiarem da nossa nova linha de copolímeros Resomer PLA-PEG para melhorar o desempenho dos dispositivos em uma variedade de áreas de aplicação, incluindo a cicatrização de ferimentos e pediatria”.

A linha de negócios Health Care, que integra o segmento Nutrition & Care da Evonik, atende a mais de 1.000 clientes nos setores farmacêutico, nutracêutico e de dispositivos médicos no mundo inteiro. Seu portfólio de polímeros absorvíveis Resomer, tecnologias de modificação superficial e serviços de tecnologia de aplicação representam um elemento central de expansão Health & Care.

Curta nossa página no

Tecniplas fornece tanques de compósitos para fábrica de alimentos no Paraguai

09/11/2019

A Tecniplas, empresa brasileira fabricante de tanques e equipamentos em compósitos de PRFV (Plástico Reforçado com Fibras de Vidro), acaba de despachar 14 tanques para o Paraguai. Os reservatórios serão instalados em uma fábrica de alimentos.

Com diâmetros que variam de 2.500 mm a 3.000 mm e capacidades entre 15 m³ e 70 m³, os tanques farão parte de sistemas de armazenagem de água – ácida, gelada e potável –, produtos químicos, a exemplo de soda cáustica, e efluentes industriais em geral.

“Foram desenvolvidos nas configurações vertical e horizontal para o trabalho em temperatura ambiente e sob pressão atmosférica”, observa Luís Gustavo Rossi, diretor da Tecniplas.

Em relação aos tanques para o armazenamento de água potável, Rossi destaca que a Tecniplas possui o Laudo de Inocuidade das resinas que processa, conforme exige a Portaria de Consolidação nº 05, de 28/09/2017, Anexo XX. “Isso nos habilita a fornecer reservatórios usados para a armazenagem não só de água potável, mas de qualquer tipo de insumo consumido pela indústria de alimentos e bebidas”, explica.

Além de ser atóxico e inócuo, salienta o fabricante, o PRFV é mais competitivo do que o aço inox normalmente empregado na fabricação dos tanques para a armazenagem de matérias-primas do setor alimentício.

“Com as mesmas dimensões e características técnicas, os tanques de plástico reforçado podem custar até 35% menos do que os de aço inox. Sem contar que são monolíticos, ou seja, moldados em uma única peça. Isso significa que não existem pontos de solda, áreas normalmente sujeitas a vazamentos”, detalha.

Fundada em 1976, a Tecniplas possui uma fábrica de 32 mil m² em Cabreúva (SP), atendendo aos setores de álcool e açúcar, papel e celulose, cloro-soda, química e petroquímica, fertilizantes, alimentos e bebidas e saneamento básico.

Curta nossa página no

Setor de compósitos projeta alta de 2% no faturamento de 2019

09/11/2019

  • Levantamento contratado pela Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (Almaco) prevê uma receita de R$ 2,703 bilhões no período
  • Construção civil lidera o consumo brasileiro de compósitos de poliéster

No primeiro semestre, o setor brasileiro de compósitos faturou R$ 1,298 bilhão, 0,24% acima do registrado em igual período do ano passado. Ainda que o desempenho tenha sido praticamente idêntico, a expectativa para o 2019 é de um crescimento de 2%, totalizando R$ 2,703 bilhões. Os números fazem parte do mais recente levantamento feito pela Maxiquim, consultoria contratada pela Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (Almaco).

Em relação às matérias-primas, prossegue a pesquisa, foram consumidas 98 mil toneladas de janeiro a junho, que devem se somar as 106 mil toneladas previstas para o segundo semestre. Assim, o volume de resinas, fibras de vidro e demais insumos processados em 2019 totalizará 204 mil toneladas, 1% a mais do que em 2018. A geração de empregos, por sua vez, apresentará ligeira queda de 0,6%, perfazendo 62,5 mil vagas.

“Nossas projeções para 2019 eram mais positivas, mas a estagnação econômica foi maior do que imaginávamos. De toda a forma, será o terceiro ano consecutivo que o setor de compósitos fechará no azul”, comenta Erika Bernardino Aprá, presidente da Almaco.

Com uma fatia de 35% do consumo local de compósitos de poliéster, a construção civil aparece à frente de transporte (30%), corrosão/saneamento (19%) e náutico (3%), entre outros. Já a geração de energia eólica responde por 90% da demanda por compósitos de epóxi. O setor de petróleo fica em segundo lugar, com 5%.

Fundada em 1981, a Almaco tem como missão representar, promover e fortalecer o desenvolvimento sustentável do mercado de compósitos. Com administração central no Brasil e sedes regionais no Chile, Argentina e Colômbia, a Almaco tem cerca de 400 associados (empresas, entidades e estudantes) e mantém, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), o Centro de Tecnologia em Compósitos (CETECOM), o maior do gênero na América Latina.

Resultantes da combinação entre polímeros e reforços – por exemplo, fibras de vidro –, os compósitos são conhecidos pelos elevados índices de resistência mecânica e química, associados à liberdade de design. Há mais de 50 mil aplicações catalogadas em todo o mundo, de caixas d’água, tubos e pás eólicas a peças de barcos, ônibus, trens e aviões.

Curta nossa página no