Posts Tagged ‘Máquinas Injetoras’

Controle de Processo ou de Produto ?

28/08/2020

Por Bill Tobin *

O Covid-19 causou danos à indústria de injeção de plásticos. No entanto, à medida que as restrições diminuam, a indústria vai voltar à plena carga. Não está sendo e não será rápido; será gradual.

Aquelas empresas que conseguirem sobreviver ao momento atual enfrentarão alguns desafios: Seus clientes estão com pouco dinheiro e vão querer o produto AGORA, EM QUANTIDADE, POR MENOS DINHEIRO e PERFEITO. Uma vez que aproximadamente 80% do preço de venda das peças corresponde ao material, os transformadores têm que lucrar com o que sobra. Isso significa otimização de ciclos, rendimentos e utilização da máquina.

As publicações comerciais estão inundadas de gadgets. A tecnologia evoluiu para um ponto em que podemos medir tudo o que acontece com o plástico, desde a sua entrada no funil até o momento da colocação na caixa de embalagem das peças. O que está faltando é feedback. O feedback lhe dirá quando algo deu errado, mas não pode corrigir o erro com precisão durante o ciclo de processo (“on the fly”) ou evitar que o erro aconteça em primeiro lugar !

“A” regra de moldagem é simples: “Mostre ao plástico as mesmas condições e você obterá sempre a mesma peça.” Isso é o que os gadgets tentam fazer, mas os transformadores tendem a não notar os fatos básicos:

1. As características de preenchimento do seu molde estão balanceadas? O preenchimento desbalanceado lhe dará diferentes dimensões e características físicas na cavidade desbalanceada. Os designers passam semanas modelando as características de preenchimento da peça. No entanto, em um molde de múltiplas cavidades, eles gastam pouco ou nenhum tempo vendo o sistema de canais como uma peça e aplicando a eles a mesma tecnologia de modelo de preenchimento. Há ofertas no mercado que cobrarão vários milhares de dólares para equilibrar o seu sistema de canais para você. O QUE?! Faça você mesmo ao projetar o molde.

Para verificar se o molde está balanceado, pese cada peça por cavidade. Se as peças forem pequenas, talvez 10 peças por cavidade. Calcule a média geral e depois observe a diferença de peso de cada cavidade em relação a essa média. Se for mais de 5%, ou a cavidade está sendo sobre-compactada e provavelmente a peça fica presa com frequência (a peça é mais pesada), ou então esta é a peça que frequentemente fica incompleta (todas as outras cavidades são preenchidas e recalcadas) e o ponto de injeção ou é pequeno demais e congela prematuramente, ou excessivamente grande e sofre despressurização quando a pressão da recalque é retirada.Isso pode ser corrigido usando insertos no ponto de injeção e ajustando o tamanho da entrada.

2. O resfriamento (A) é adequado ? (B) balanceado para cada cavidade ou porção do molde ? (C) turbulento ou laminar para cada circuito ? Os modelos de simulação assumem “resfriamento perfeito”. Pena que quase nunca é assim.

(A) Resfriamento adequado quer dizer que tudo é resfriado uniformemente. EXPERIMENTO MENTAL: Você coloca uma válvula em “Y” na torneira de seu jardim. Você rega o jardim da frente da casa com uma mangueira de 10 metros de comprimento e usa uma mangueira de 50 metros, conectada na mesma torneira, para irrigar a horta do quintal no fundo da casa. Ambas têm o mesmo tipo de sprinkler. Quando você vai olhar, o sprinkler do jardim da frente está fluindo alto, mas o sprinkler do quintal está com um fluxo bem menor. Isso ocorre por causa da resistência da mangueira (linha de água). A água seguirá o caminho mais fácil. A mangueira do jardim da frente é menor e oferece menos resistência, de modo que a maior parte da água flui por ela. Ao pensar em circuitos em loop no molde, leve em consideração a resistência ao fluxo. Loops em circuitos de água curtos provavelmente são OK. Circuitos em loop com borbulhadores ou defletores (chicanas) ou circuitos longos oferecem muita resistência interna e NÃO devem ser colocados em loop.

Problema: mas você diz “Espere aí !!!” Eu configurei um sistema perfeitamente balanceado e os técnicos o conectaram de maneira diferente.
Solução: ao comprar o molde, compre um manifold junto. Conecte os circuitos de acordo com suas especificações e deixe-os conectados. Você obtém o benefício adicional de fazer apenas uma conexão do tipo mangueira de incêndio grande à máquina.

(B/C) OK, temos uma fonte de pressão e várias linhas com diferentes resistências, fornecendo diferentes vazões. Compre um medidor de temperatura / pressão / vazão. Conecte-o em cada linha e registre a vazão. Usando a válvula (do seu manifold) da linha de vazão mais alta, reduza o fluxo. Você vai notar que as linhas com fluxo mais restrito têm um aumento na vazão. Cada linha deve ter pelo menos 1,5 GPM. Isso garantirá um fluxo turbulento e, portanto, uma ótima eficiência de resfriamento. Se você não conseguir alcançar 1,5 GPM, precisará reorganizar sua estratégia de loop ou colocar uma bomba de reforço na máquina.

Seu manifold normalmente pode acomodar mais linhas do que o que você precisa. Assim, cada circuito tem uma válvula que permite o seu ajuste ou bloqueio. Depois que todo o sistema estiver balanceado e turbulento, agora é só uma questão de impedir que as válvulas possam ser “reajustadas”:  tire as alças e dobre o mecanismo de controle no manifold. Agora ninguém pode fazer reajustes. Embora possa ter levado uma tarde para fazer isso, você só precisa fazer uma vez.

3. Seja com moldes de uma única cavidade ou com moldes de cavidades múltiplas, qualquer técnico lhe dirá que quando um molde está em uma máquina diferente, eles precisam ajustar as condições para fazê-lo funcionar naquela máquina e, mesmo assim, os tempos de ciclo e as taxas de produção tendem a ser diferentes. Mostrar ao plástico a “mesma coisa” é um processo delicado. (A) A máquina deve ser robusta, ou seja, precisa e repetível. (B) O plástico deve entrar no molde na máquina ‘1’ da mesma forma que na máquina ‘2’.

A) Máquinas “robustas” são quase obrigatórias no mercado atual. Uma máquina nova (com menos de 1.000 horas) por si só já deve ser robusta. Conforme envelhecem, elas começam a relaxar pelo uso normal. Rod Groleau da RJG desenvolveu um teste através de uma planilha simples para determinar o quão robusta é sua máquina. Você faz 10 injeções normais dentro de um molde, registrando as pressões e os tempos de preenchimento. Então, você constrói uma bucha do molde “fake” que possa ser colocada na frente da bucha de entrada do molde, de modo que, ao invés de injetar no molde, ela tem uma fenda ou orifício que lhe permite injetar “no ar”, como se você estivesse purgando. Anote o tempo e as pressões das ‘injeções no ar’. É importante que a máquina conclua todo o ciclo de preenchimento / recalque / resfriamento / abertura / fechamento do molde antes de você fazer a próxima injeção “no ar”.

A planilha fará alguns cálculos e lhe dirá a “robustez” da sua máquina, classificando-a percentualmente ao comparar as duas séries de ciclos de injeção. Se o resultado for 95% ou mais, trata-se de uma máquina “robusta”; 90-95% é uma máquina boa o suficiente para moldagem comercial e 90% ou menos é uma máquina que requer manutenção.

(B.1) Quando você implementa a metodologia de “moldagem científica” (ou desacoplada), todos essas sistemáticas exigem que você mostre ao plástico um conjunto de condições através do uso de configurações da máquina. O que as pessoas tendem a ignorar é o bico de injeção. Normalmente, a única coisa que elas pensam é se o raio do bico é compatível com a bucha de entrada do molde.

Pense em um bico de mangueira de jardim: com uma pequena abertura, a velocidade de saída do bico é rápida para uma determinada vazão, com bastante pressão. Para a mesmo vazão, uma abertura maior na extremidade do bico faz com que a saída da água pareça mais lenta. Fazendo uma analogia com o preenchimento de um molde, as mudanças no diâmetro do bico afetarão dramaticamente as características de preenchimento, dimensões, propriedades físicas e tempo de congelamento do canal da bucha.

Se você não puder padronizar o diâmetro do orifício, afunilamento etc. do bico em todas as suas máquinas, remova o bico ao retirar o molde e guarde-o para a próxima vez em que o molde for operar novamente.

(B.2) 80% do calor no material fundido vem da rosca. FATO ENGRAÇADO 1: Embora gostemos de acreditar que uma rosca de uso geral tem o mesmo design para máquinas de tonelagem semelhante, independentemente do fabricante, elas não tem. Cada fabricante de máquina ‘otimizou’ seu design de rosca para suas máquinas. A única solução para esse fato da vida é comprar suas máquinas do mesmo fabricante. Especificando a rosca e a válvula antirretorno. Embora isso não seja um grande problema, tenha isso em mente.

(B.3) As resistências de aquecimento invariavelmente queimam. FATO ENGRAÇADO 2: A fabricação de resistências é parte ciência e parte mágica. Quando 100 resistências de seis polegadas de diâmetro e 1000 watts por polegada quadrada são fabricados, eles são todos testados com seus exatos watts por polegada quadrada. Dos 1000 watts por polegada quadrada que é o valor de especificação, alguns estão dentro dos 5%, 10%, 15% e assim por diante.

Quando você compra resistências de 1000 watts, se você não especificá-los exatamente, você poderá obter um lote de +/- 15%, o que significa que eles poderiam enviar a você um aquecedor de 850 ou 1150 watts, chamando-os de 1000 watts. Um aquecedor de baixa potência permanecerá ligado o tempo todo buscando atingir a temperatura; um aquecedor de potência maior tenderá a permanecer desligado, a menos que você esteja usando controladores proporcionais.

Embora as resistências de aquecimento supostamente contribuam com somente 20% do calor geral no material, elas darão diferentes perfis de temperatura ao material a ser injetado, se as resistências de aquecimento do cilindro de injeção tiverem uma mistura de potências (wattagens) maiores e menores (+/-).

Solução? Compre aquecedores “igualados”. Todos os aquecedores devem ser testados, de modo que as suas potências absolutas (em Watts) sejam razoavelmente próximas umas das outras. Não importa de que lado da tolerância eles estão, o que importa realmente é que estejam próximos um do outro, eliminando assim um aquecedor que pode brilhar no escuro ou nem mesmo ligar.

Conclusão:

Muita gente fica contente com rendimentos onde a taxa de rejeitos é medida em percentuais que acabam na primeira casa decimal. Por exemplo, um rendimento de 99,3% –  indicando que há 7 peças rejeitadas para cada 1.000 (mil) peças moldadas. Se você tiver equipamento robusto, canais de injeção balanceados, cavitação balanceada, resfriamento otimizado e um processo sólido, as regulagens e partidas da máquina serão mais rápidas e os rendimentos serão medidos percentuais que variam na SEGUNDA casa decimal (por exemplo, 99,97%), indicando que para cada 10.000 (dez mil) peças moldadas, 3 serão rejeitadas. Os lucros serão maximizados. Nada disso é difícil. Se o seu cliente ameaçar realocar o molde, tire o manifold, remova as mangueiras, guarde o bico da máquina e certifique-se de manter bons registros. Espere então ele telefonar implorando para que você aceite o contrato novamente, pois o novo fornecedor terá mais rejeitos, ciclos mais longos e maiores tempos de regulagem.

Um pouco de história (interessante)

A Tupperware, nos anos 50, descobriu como fazer Controle do Produto melhorando a consistência do processo, mostrando ao plástico sempre as mesmas condições. Qualquer combinação de vasilha plástica / tampa fabricada em QUALQUER uma de suas mais de 13 fábricas ao redor do mundo se encaixariam, gerando uma selagem hermética – sua marca registrada.

FATO: Isso ocorreu antes dos transdutores, sensores e outras magias eletrônicas.
MORAL: Se você cuidar do seu equipamento, uma vez que tenha o processo ajustado, poderá repetir o mesmo processo em qualquer lugar da sua fábrica ou em qualquer lugar do mundo, sem precisar de qualquer “magia de gadgets“.

* Bill Tobin é o proprietário da empresa de consultoria WJT Associates, com sede no Colorado (EUA), especializada em otimização e padronização de processos. Ele escreveu vários livros e artigos em periódicos do setor, além de ter apresentado inúmeros trabalhos em eventos. Bill também ministra seminários in-house sobre o assunto.

Nota do autor: se você quiser o aplicativo em planilhas para Máquinas Robustas e Cavidades Balanceadas, podem ser enviadas por e-mail gratuitamente. Contato: info@blogdoplastico.com.br

Curta nossa página no

Arburg enfatiza foco na Economia Circular e Digitalização e define tendências em injeção durante a K 2019

05/11/2019

• Humor muito positivo durante a feira
• “arburgXworld”: digitalização aumenta a eficiência da produção
• “arburgGREENworld”: aplicações e soluções sustentáveis ​​para economia circular

Muita digitalização, experiência concentrada na economia circular, 20 exposições em estandes próprios e de parceiros, incluindo estreias de produtos e aplicações inovadoras: na K 2019, a Arburg buscou auxiliar seus clientes a obterem mais eficiência de produção no processamento de plásticos. Com o “arburgXworld” e o “arburgGREENworld”, a empresa conseguiu capturar o espírito do momento.

“Muitos de nossos clientes consideram a atual situação econômica não apenas como um desafio, mas também como uma oportunidade. Havia muitos visitantes em nosso stand que procuraram informações sobre inovações e tendências no setor de moldagem por injeção e nos fizeram perguntas muito específicas”, resumiu Michael Hehl, sócio-gerente e porta-voz da equipe de gerenciamento. “Reunimos mais de 550 funcionários e parceiros comerciais de mais de 50 países na K 2019 e mostramos aos profissionais do setor que: “Wir sind da” (lema da Arburg que, em alemão, significa: “Nós estamos aí”)”, acrescentou Juliane Hehl, sócia-gerente atualmente responsável pelos assuntos de tecnologia e marketing na Arburg. “Além dos grandes tópicos de digitalização e economia circular, nossos clientes estavam particularmente interessados ​​em máquinas de moldagem por injeção especialmente configuradas – e a primeira de nossas máquinas disponíveis para pedidos on-line, o novo Allrounder 270 S compact, foi muito bem recebida.

“ArburgXworld”: Arburg avança na digitalização

Sob a bandeira “arburgXworld”, a Arburg apresentou destaques e inovações de sua gama de produtos e serviços digitais. Isso incluiu uma variedade de novos aplicativos para o portal do cliente com o mesmo nome – do “Machine Finder” para encontrar a máquina Allrounder adequada e o “Virtual Control” para simular o sistema de controle da máquina, até o “Self Service” para análise de erros e solução de problemas sob orientação . O aplicativo “Configuration” permite que os clientes configurem uma nova máquina – a Allrounder 270 S compact – pela primeira vez sozinhos e façam o pedido on-line. A partir da K 2019, o “arburgXworld” também estará disponível internacionalmente em 18 idiomas.

Em um total de onze estações interativas ao longo do “Caminho para a digitalização”, os visitantes puderam aprender mais sobre máquinas inteligentes, produção inteligente e serviços inteligentes. Soluções de serviços digitais, como o Arburg Remote Service (ARS) e os novos assistentes de preenchimento e plastificação (que permitem que a máquina “conheça” seu produto ou módulo de cilindro) eram particularmente procurados. Outro “agrado digital” fornecido por Arburg foi o uso gratuito de uma conexão Wi-Fi rápida em todo os pavilhões de exposição da Feira K 2019, disponibilizado para visitantes do evento. O aplicativo “Arburg K 2019” permitiu que os usuários se registrassem e descobrissem on-line todas as exposições e aplicativos da empresa.

arburgGREENworld: exemplos de aplicação para a economia circular

Com seu programa “arburgGREENworld”, a Arburg colocou o foco na eficiência de recursos e na economia circular durante a K 2019. O programa é baseado em quatro pilares: “Máquina Verde”, que se relaciona com uma tecnologia de máquina eficiente; “Produção Verde” para processos inovadores e produção amigável aos recursos; “Serviços Verdes”, que abrange serviços e a transferência de conhecimentos, por exemplo, no processamento de reciclados e “Ambiente Verde” para os processos internos da Arburg.

Arburg apresentou duas exposições como exemplos de aplicações específicas em relação à economia circular:

• Um novo Allrounder 1020 H na versão Packaging processou Polipropileno da Borealis junto com 30% adicionado de material reciclado de tipo único de PP para produzir copos de paredes finas. A Erema é a empresa parceira para fabricar o reciclado. Esta aplicação prova que, se os plásticos forem coletados de maneira sensível e confiável, eles também poderão ser reintroduzidos na cadeia de valor.

• A segunda aplicação deixou claro como o PCR (reciclado pós-consumo) do lixo doméstico pode ser devolvida ao ciclo de produção como matéria-prima para produtos técnicos duráveis. Além disso, um Allrounder 630 A elétrico de dois componentes produziu cabos de espuma de PCR e TPE para as portas de segurança nas máquinas de moldagem por injeção Allrounder.

Estreias de máquinas – forças de fechamento de 350 a 6.000 kN

O Allrounder 270 S hidráulico compacto com uma força de fechamento de 350 kN estreou na K 2019. É a primeira máquina Arburg que pode ser configurada e encomendada on-line em apenas algumas etapas através do portal do cliente “arburgXworld” – de maneira rápida, fácil, e também cerca de 25% mais barato, em comparação com as máquinas hidráulicas padrão, afirma a Arburg.

No outro extremo da balança está a nova Allrounder 1020 H na versão “Packaging”. A máquina híbrida de alto desempenho com força de fechamento de 6.000 kN e uma nova unidade de injeção de tamanho 7000 utilizou um molde stack de 8 + 8 cavidades para produzir 16 copos redondos de paredes finas em um tempo de ciclo de 4,3 segundos. A Allrounder com novo design da seção de fechamento, com sistema de controle Gestica, está equipada com quatro pacotes de assistência como padrão, tornando-a “pronta para digitalização”.

A gama de máquinas verticais de mesa rotativa da Arburg agora inclui uma opção de diâmetro de mesa de 1.600 mm com a Allrounder 1600 T. Esta nova máquina, exibida no stand da Lauffer, tem uma força de fechamento de 2.000 kN, pode ser equipada com unidades de injeção variando de tamanhos 170 a 800, e pode ser automatizada até um completo sistema turnkey.

Aplicações – de óculos Uvex a luzes noturnas

Um sistema turnkey “inteligente” em rede construído em torno de um Allrounder 570 A com os assistentes de preenchimento e plastificação integrados no sistema de controle Gestica produziu óculos de sol prontos para uso em um tempo de ciclo de cerca de 50 segundos. O sistema incluiu um robô de seis eixos para o manuseio, verificação 100% e subsequente empacotamento em sacos de tecido, envolvendo cooperação homem / robô. O Módulo Arburg Turnkey (ATCM) mesclou os dados de processo e teste que foram exibidos em um website individual após o escaneamento do código DM.

Uma célula de produção particularmente compacta fabricou tampas delicadas de LSR (borracha de silicone líquido) para micro-interruptores. Um Allrounder elétrico 270 A elétrico foi equipada com uma unidade de microinjeção de tamanho 5, uma rosca de 8 milímetros e um cartucho de LSR com capacidade de 290 mililitros para injetar as tampas de silicone líquido (LSR), cada uma delas pesando apenas 0,009 gramas. Um módulo de ar limpo com ionização, situado acima da unidade de fechamento, preveniu a formação de cargas eletrostáticas. As peças moldadas foram removidas por um sistema robótico Multilift H 3 + 1, visualmente inspecionado diretamente na pinça e embaladas em sacos de papel.

Um Allrounder elétrico 370 E Golden Electric usou um molde família de 1 + 1 cavidade para produzir alternadamente uma roda dentada magnetizada com oito pólos e um rotor com quatro pólos, em um tempo de ciclo de cerca de 85 segundos. Graças às duas cavidades do molde e ao sistema de controle Selogica, os itens puderam ser produzidos sem a necessidade de conversões ou sequências fora do padrão. Um composto magnético unido a plástico foi processado com base em PA6. A magnetização ocorreu no próprio molde através de ímãs permanentes. A pinça a vácuo de 2 componentes do Multilift Select foi fabricada através de impressão 3D como uma peça funcional mista dura / macia em um Arburg Freeformer 300-3X

Uma Allrounder vertical 375 V com uma célula de estampagem / dobragem a montante e um Multilift Select que foi montado para economizar espaço sobreinjetaram peças carregadas com PA6 (GB30) preenchido com esferas de vidro para produzir insertos de plugue. Em seguida, as peças pré-moldadas foram conduzidas em porta-peças para o estande da parceira da Arburg, Plasmatreat, onde foram transformadas em conectores híbridos acabados usando um Allrounder elétrico 470 A.

Com uma célula de sala limpa baseada em uma Allrounder 470 A elétrica, a Arburg demonstrou como produtos funcionais podem ser criados com Film Insert Moulding (FIM), usando a tecnologia IMSE de seu parceiro finlandês, Tactotek, como exemplo. Para esse fim, os filmes de toque e 3D com componentes eletrônicos e LEDs integrados foram inseridos no molde e laminados, removidos por um robô de seis eixos, transferidos para uma estação de teste de LEDs e assentados. Então, eles foram montados manualmente com uma placa de circuito e uma base para criar uma luz noturna na área de trabalho com uma segunda conexão para carregar um smartphone. Em geral, o processo FIM é ideal para funções de toque de alta qualidade, por exemplo em interiores de automóveis, e também para o setor de eletrônicos e tecnologia médica.

O Freeformer 300-4X produz aditivamente (via impressão 3D) peças reforçadas com fibra

Na área de fabricação aditiva industrial, a Arburg apresentou seu novo Freeformer 300-4X com transportador de peças de quatro eixos em K 2019. O eixo rotativo adicional da máquina significa que agora as fibras contínuas podem ser alimentadas, colocadas conforme necessário e sobremoldadas com plástico para reforçar localmente as peças funcionais. Na feira, o Freeformer 300-4X produziu uma órtese de mão, localmente reforçada com fibras de carbono em combinação duro / macio.

Curta nossa página no

Romi anuncia novo site de venda de peças com novos recursos

21/08/2019

Clientes poderão adquirir peças de reposição originais com maior facilidade

A Romi, líder na indústria brasileira de máquinas e equipamentos industriais, apresentou ao mercado seu novo site de venda de peças (pecas.romi.com), que oferece novos recursos de compra para seus clientes.

Com um layout totalmente reformulado e intuitivo, o novo site dispõe de condições exclusivas para as compras realizadas na plataforma, além de permitir que os clientes encontrem com facilidade as peças de reposição originais por meio do código Romi ou descrição do item, além de realizar o cálculo do frete e rastreamento de entrega em uma única tela.

Para o Diretor-Presidente da Companhia, Luiz Cassiano Rando Rosolen, a nova plataforma reforça o patamar tecnológico em que a Romi está posicionada. “O novo projeto do site de venda de peças está alinhado à estratégia atual da empresa, que busca constantemente adicionar valor ao negócio dos nossos clientes, oferecendo sempre novas gerações de máquinas, excelência na prestação de serviços, alternativas para modernização do parque fabril, soluções financeiras, entre várias outras ações.”, afirma.

“Visando proporcionar uma experiência de relacionamento cada vez melhor aos nossos clientes, trouxemos o que há de mais moderno no mercado no quesito de e-commerce. O novo site proporciona um processo de compra mais rápido, intuitivo e seguro. A nova plataforma é responsiva, possibilitando a compra de peças tanto pelo computador, tablet, notebooks ou smartphones.”, aponta Eduardo Kazuyuki Komoda, Gerente Geral da unidade de Pós-Vendas.

Por meio do novo sistema de compras online, os clientes poderão adquirir peças de reposição originais para as máquinas Romi, contando com uma extensa linha de produtos para os mais variados modelos de máquinas-ferramentas e máquinas para plásticos.

Curta nossa página no

Máquinas injetoras e equipamentos auxiliares são destaque na Plástico Brasil 2019

17/03/2019

  • Feira acontece entre 25 e 29 de março, das 10h às 19h, no São Paulo Expo Exhibition & Convention Center
  • Tecnologia mais amplamente usada na transformação do plástico, a injeção está presente em diferentes indústrias, entre as quais a automotiva, de brinquedos, móveis, elétricas e várias outras.

Durante a Plástico Brasil 2019 – Feira Internacional do Plástico e da Borracha, de 25 a 29 de março, no São Paulo Expo, este segmento da indústria de plásticos se destacará pela forte presença de fabricantes de máquinas e equipamentos. Entre eles, algumas das principais marcas nacionais e internacionais, como: Romi, Arburg (foto), Himaco, Engel, Wittman Battenfeld, Krauss Maffei, Sumitomo Shi Demag, Jon Wai, Simco (Log Machine), Unic Brasil, Pavan Zanetti, BMB-Eurotech, Tsong Cherng, EMTSA, Eurostec (Bole), Wintec, Biasa (FCS), Ar&D e outras.

A Romi, por exemplo, apresentará na feira a linha de injetoras ROMI EN 220. Segundo a empresa, o seu sistema Stop and Go se destaca por proporcionar mais velocidade, alta precisão e baixo consumo de energia. Esses equipamentos possuem versões para injeção em PVC, pré-formas PET, além de multimateriais e multicores.

A empresa vai divulgar também a injetora híbrida ROMI ES 300, desenvolvida para a produção de peças exigentes de alta razão de injeção, máxima precisão e ciclos ultrarrápidos, com baixo consumo de energia, assegura a Romi. A máquina ainda conta com movimentos simultâneos, com acionamentos por servo-motores, injeção por acumulação e servo-válvula.

Equipamentos Auxiliares

O segmento de equipamentos auxiliares que trabalham em conjunto com os processos de injeção do plástico (periféricos, robôs e demais equipamentos) também estará representado na Plástico Brasil 2019, por meio das empresas Sepro, Piovan, Moretto, Dal Maschio, Star Seiki, Shini, Motan, Conair, Doteco, Rax, Mecalor, Frigel, Refrisat, Industrial Frigo, MH Equipamentos, Albag, Staubli, Plastic Systems, Eisbär, Technoservice (Brabender), HDB (Farragtech, GWK, Liad, Promix, Rico), Techfine (Kreyenborg), Hercx, Maguire, Magbo, Dyna Purge, Graxa Lube, Mo.Di.Tec, Harmo, MB Conveyors e Plastic Systems.

Atenta às tendências do mercado, a HDB lançará na feira uma linha de injetoras-sopradoras (injection-blow). Segundo a empresa, a Exacta é ideal para a produção de frascos em HDPE, PP, HDPE, PS e acrílico a partir de 1 ml até 1 L. Ela fabrica também produtos farmacêuticos, para cosméticos, bebidas, recipientes diversos, entre outros. Seu processo requer 25% a menos de material, afirma a empresa.

A Refrisat levará para a feira a sua mais recente versão do Drycooler. Trata-se de uma torre de circuito fechado, com sistema de resfriamento de líquidos, que opera em conjunto com o ar do ambiente. Repaginado, o equipamento ganhou um conceito mais leve, sustentável e eficiente, garante o fabricante.

Pela primeira vez na Plástico Brasil, os climatizadores de precisão da Refrisat também terão destaque no stand da marca. De acordo com a empresa, eles são usados em grande escala em datacenters de grandes fábricas, onde o controle da temperatura é essencial. Para completar, a empresa levará toda sua linha de Chillers, unidades de água gelada, termorreguladores, unidades de ar seco e desumidificadores de moldes.

Outra participante no segmento de equipamentos auxiliares é a MH Equipamentos. Na ocasião, a empresa lançará o misturador MH-200, cujo container é em aço inoxidável, adequado para a mistura a frio de polímeros e pré-mistura de todos os tipos de materiais.

Já a Rax destacará em seu estande a sua linha de equipamentos para alimentação, dosagem e desumidificação. Entre as novidades, novos dosadores gravimétricos para até seis componentes.

Plástico Brasil

Uma iniciativa da ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos e ABIQUIM – Associação Brasileira da Indústria Química e Informa Exhibitions, a feira vai reunir mais de 800 marcas nacionais e internacionais, que representam os setores de máquinas, equipamentos e acessórios, matérias-primas e resinas, moldes e porta moldes, automação industrial e robótica, periféricos, entre outros produtos, serviços e soluções.

Parte significativa das marcas expositoras é representada por 13 países: Alemanha, Argentina, Áustria, China, Estados Unidos, Hungria, Índia, Itália, México, Portugal, Taiwan, Turquia e Suíça, sendo que quatro deles – Alemanha, Áustria, China e Itália – participam com grupos de empresas reunidas em seus respectivos pavilhões. Mais de 60 entidades representativas nacionais e internacionais já garantiram seu apoio ao evento.

São esperados mais de 45 mil visitantes, entre transformadores de plástico, compradores e demais profissionais das indústrias da borracha, construção civil, alimentos e bebidas, embalagens, automóveis e autopeças, perfumaria, higiene e limpeza, farmacêuticos, entre outros.

A feira vai oferecer uma programação técnica com cerca de 80 horas de seminários, palestras e workshops, a maioria deles gratuita, como o Parque de Ideias, VDI Road Show, 1º Abinfer Business Center – ABC 2019, PETtalk 2019 e a demonstração de um inovador sistema de SMED (Single Minute Exchange of Die) sem interação humana e inédito na América Latina.

Ao lado dos negócios, conhecimento e relacionamento, a Sustentabilidade é um dos pilares da Plástico Brasil 2019. A feira vai destacar uma série de ações que visa não só colaborar com a preservação do meio ambiente, mas também inspirar os fornecedores, transformadores e demais visitantes profissionais a replicarem tecnologias ambientalmente corretas em seus negócios.

O credenciamento é gratuito e já pode ser feito no site da feira: https://www.plasticobrasil.com.br/pt/credenciamento.html.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Plástico Brasil 2019

Curta nossa página no

 

Arburg teve stand cheio, com excelente atmosfera de negócios na Fakuma 2017

30/10/2017

  • O stand de Arburg esteve lotado: dez exposições demonstraram aplicações inovadoras e tendências da indústria
  • Peças individualizadas e produção de alto volume: desde peças de PP fabricadas por impressão 3D em lotes de unidade única até 7.700 bacias plásticas por hora com “In Mould Labelling”
  • Excelente ambiente: um ávido interesse internacional nas exposições e discussões com especialistas

Para aqueles que estavam à procura de informações sobre tendências da indústria, inovações e os tópicos mais recentes na Fakuma, uma visita à Arburg era obrigatória. Os destaques foram as duas grandes máquinas híbridas, a Allrounder 1120 H e a Allrounder 920 H, ambas com um novo design e apresentando o novo sistema de controle Gestica, bem como um novo exemplo prático da Indústria 4.0. Dez exposições inovadoras, a maioria delas correspondendo a sistemas “turn key”, demonstraram a produção eficiente de peças de plástico, que vão desde componentes funcionais de PP fabricados por impressão 3D em lotes de unidade única, passando pela produção de peças moldadas multi-variantes sob demanda até a produção em volume de 7.700 por hora de bacias plásticas com rotulagem IML. Foram apresentadas dez exposições adicionais em stands de parceiros.

“Estamos muito satisfeitos com a Fakuma 2017. Recebemos muitas consultas firmes e os negócios foram excelentes – tanto para nossos clientes de todas as indústrias, bem como para nós. Durante esses tempos de “boom” econômico, a tecnologia de máquinas de produção eficiente, assim como soluções personalizadas e serviços confiáveis estão especialmente em demanda “, disse Michael Hehl, sócio-gerente e porta-voz da equipe de gerenciamento da Arburg. “Além disso, tópicos como a Indústria 4.0, sistemas de computadores para hospedagem e a fabricação aditiva (impressão 3D) estão se tornando cada vez mais relevantes para nossos clientes. Em Friedrichshafen, fomos mais uma vez capazes de demonstrar que podemos oferecer não apenas a tecnologia adequada de máquinas inteligentes para quaisquer requisitos, mas que estamos ao lado do cliente como um parceiro tecnológico”, complementou Hehl. Houve também um grande interesse no stand especial de recrutamento que a Arburg vem disponibilizando na Fakuma desde 2015, com a finalidade de conhecer profissionais e recrutar novos funcionários.

Premiere da Allrounder em novo design

Os destaques inconfundíveis no stand da Arburg na feira foram as duas grandes máquinas híbridas, a Allrounder 1120 H e a Allrounder 920 H, com novo design e apresentando o novo sistema de controle Gestica.

A nova Allrounder 920 H, com uma força de fechamento de 5.000 kN, fez sua estréia em Friedrichshafen. A exposição foi equipada com o sistema robotizado Multilift V 40 e produziu invólucros de 720 gramas, dos quais sete unidades por vez eram embaladas, em linha, dentro de caixas.

A Allrounder 1120 H, com uma força de fechamento de 6.500, produziu as populares banquetas dobráveis com design Arburg, como parte de uma sofisticada solução “turnkey”. A máquina já pode ser encomendada por clientes de todo o mundo depois da Fakuma 2017. Em uma estação separada, especialistas da Arburg apresentaram as funções do novo sistema de controle Gestica – que tem a aparência de dispositivos móveis inteligentes – e estiveram envolvidos em discussões com clientes e visitantes interessados praticamente sem parar. Os comentários sobre o novo design da máquina e o novo sistema de controle foram bastante positivos.

Indústria 4.0 na prática: cintas de tensão “sob demanda”

No que diz respeito à “Indústria 4.0”, “Transformação Digital” e “Fábrica Inteligente”, produtos como o sistema de computador “host” Arburg (ALS), assim como a integração de soluções de TI no processo de produção, foram muito procurados.

Como um terceiro destaque, a Arburg apresentou um novo exemplo prático de Indústria 4.0 que foi adaptado especificamente aos requisitos do setor de moldagem por injeção. Em relação a isto, os requisitos do cliente eram integrados a um processo de moldagem por injeção em execução para produção multi-variante em alto volume. Um sistema turnkey compacto com um Allrounder 375 V vertical produziu, sob demanda, a cada ciclo, cintas flexíveis de tensão em vários comprimentos, cores e combinações de peças finas – sem nenhuma necessidade de conversão. Os visitantes podiam digitar o valor desejado para a tensão da cinta diretamente no terminal, fazendo com que o pedido fosse transmitido diretamente para o sistema central de controle Selogica através do protocolo de comunicação OPC UA. A cinta de tensão era então cortada automaticamente para o comprimento selecionado, ambas as extremidades unidas por meio de um processo de plasma e colocadas nas cavidades do molde de quatro cavidades de acordo com o pedido. A manipulação foi realizada por um robô de seis eixos compactamente alojado dentro da área de instalação. Os insertos eram opcionalmente sobremoldados em combinações de gancho / gancho, gancho / ilhós ou ilhós / ilhós, sendo a cinta de tensão retirada do sistema depois de pronta. Na prática industrial, este tipo de produção de alto volume com múltiplas variantes é ideal para montagem de cabos na indústria automotiva, por exemplo.

A Arburg define a Fakuma

A Arburg apresentou um total de dez exposições em seu próprio stand e mais dez em stands de parceiros. Esta presença foi um reflexo da importância da Fakuma, que celebra este ano o seu 25º aniversário. A Arburg não tem sido somente o maior expositor, mas também foi co-fundadora da Fakuma. Quando Paul E. Schall apresentou sua ideia a Eugen Hehl,da Arburg, décadas atrás, ele foi imediatamente atraído pela idéia de uma feira no Lago Constance: relevância prática combinada com expertise profissional, um local atraente na fronteira alemã, austríaca e suíça e uma atmosfera familiar – uma fórmula vencedora que tem permanecido extremamente bem sucedida até hoje.

Fonte: Arburg

Curta nossa página no

Margens operacionais da Romi evoluem e Ebitda atinge 13,0% no 3o. Trimestre de 2017

25/10/2017

Resultado representa crescimento de 12,6 pontos percentuais em relação ao 3o. Trimestre de 2016

A Indústrias Romi S.A., empresa líder brasileira na fabricação de máquinas-ferramenta, máquinas para plásticos e fundidos e usinados, registrou no terceiro trimestre de 2017 receita operacional líquida de R$168,0 milhões, montante 9,6% superior ao alcançado no 3o. Trimestre de 2016. Esse incremento foi devido ao aumento do faturamento das unidades Máquinas Romi e Máquinas Burkhardt+Weber.

A margem bruta obtida no 3o. Trimestre de 2017 foi de 28,9%, resultado 8,9 p.p superior ao 3o. Trimestre de 2016. A geração operacional de caixa medida pelo Ebitda foi de R$ 21,9 milhões, representando uma margem Ebitda 13,0% no 3o. Trimestre de 2017, que representou um crescimento de 12,6 pontos percentuais em relação ao 3o. Trimestre de 2016.

A receita operacional líquida da Unidade Máquinas Romi atingiu R$ 72,1 milhões no 3o. Trimestre de 2017, montante 12,7% superior ao 3o. Trimestre de 2016, reflexo das receitas do mercado externo, assim como o mix de produtos, com uma composição de máquinas com maior valor agregado. A Margem Ebitda dessa unidade de negócio no 3o. Trimestre de 2017 alcançou 10,2%, índice 17,2 p.p. maior do que o alcançado no 3o. Trimestre de 2016, resultado dos ajustes operacionais ocorridos no final de 2016, das reduções de custos e despesas e do mix de produtos.

O faturamento da subsidiária alemã B+W apresentou no 3o. Trimestre de 2017, quando comparado com o 3o. Trimestre de 2016, aumento de 57,1%, demonstrando que o faturamento tem refletido a sólida entrada e carteira de pedidos para o exercício de 2017. A margem Ebitda da B+W no 3o. Trimestre de 2017 apresentou crescimento de 12,1 p.p. em relação ao 3o. Trimestre de 2016, alcançando 6,7%.

No 3o. Trimestre de 2017, a margem Ebitda da Unidade Fundidos e Usinados alcançou 21,6%, crescimento de 11,3 pontos percentuais quando comparada com o 3o. Trimestre de 2016. Por outro lado, a receita operacional líquida foi de R$ 54,2 milhões no 3o. Trimestre de 2017, o que representa redução de 13,7% em relação ao mesmo período do ano anterior, decorrente, em sua maioria, da redução no volume de pedidos de peças fundidas e usinadas de grande porte.

“A atividade econômica continua apresentando grandes desafios e incertezas. Diante desse cenário, os esforços realizados pela Companhia continuam focados em otimizações, principalmente das estruturas indiretas, que podem ser percebidos nos primeiros nove meses de 2017, onde as margens operacionais continuam evoluindo e a dívida líquida sendo reduzida. A melhora nos dados macroeconômicos ainda não se materializou de maneira plena no volume de entrada de pedidos da Unidade de Máquinas Romi, embora seja possível notar uma evolução mais significativa na Unidade de Fundidos e Usinados, principalmente nos segmentos automotivo-comercial e agrícola” menciona Luiz Cassiano Rosolen, Diretor-Presidente da Romi.

Fonte: Romi

Curta nossa página no

Margens operacionais da Romi seguem evoluindo e Ebitda atinge 12,1% no 2o. Trimestre de 2017

14/08/2017

A Indústrias Romi S.A., empresa líder brasileira na fabricação de máquinas-ferramenta, máquinas para plásticos e fundidos e usinados, registrou no segundo trimestre de 2017 receita operacional líquida de R$163,8 milhões, montante 9,1% superior ao alcançado no 2o. Trimestre de 2016. Esse incremento foi devido principalmente ao faturamento da unidade de Fundidos e Usinados, que tem aumentado o seu volume de receita desde o início de 2016.

A margem bruta obtida no 2o. Trimestre de 2017 foi de 28,9%, resultado 5,5 p.p superior ao segundo trimestre de 2016. A geração operacional de caixa medida pelo Ebitda foi de R$ 19,9 milhões, representando uma margem Ebitda 12,1% no 2o. Trimestre de 2017.

A receita operacional líquida da Unidade Máquinas Romi atingiu R$ 65,1 milhões no 2o. Trimestre de 2017, montante praticamente estável em relação ao 2o. Trimestre de 2016, demonstrando que o cenário doméstico ainda apresenta baixo nível de investimentos. As receitas do mercado externo continuam demonstrando solidez, e apresentaram crescimento de cerca de 4,0% em dólares no 1o. Semestre de 2017, quando comparado com o mesmo período de 2016.

O faturamento da subsidiária alemã B+W apresentou no 2o. Trimestre de 2017, quando comparado com o 2o. Trimestre de 2016, aumento de 2,5% em Reais. Nesse mesmo período de comparação, porém, em Euro, esse incremento foi de 9,5%, demonstrando que o faturamento tem refletido a sólida carteira de pedidos para o exercício de 2017.

No 2o. Trimestre de 2017, a receita operacional líquida da unidade Fundidos e Usinados foi de R$ 64,3 milhões, o que representa aumento de 23,0% em relação ao 2o. Trimestre de 2016. Número é decorrente, principalmente, do aumento de pedidos de peças fundidas e usinadas para os segmentos automotivo comercial e agrícola. A margem bruta dessa Unidade de Negócio no 2o. Trimestre de 2017 foi de 27,5%, apresentando aumento de 10,8 pontos percentuais em relação ao 2o. Trimestre de 2016 devido ao maior volume de receita e de produção e aos ajustes operacionais voltados para a evolução da eficiência.

“Mesmo em um cenário de fraca atividade econômica, os esforços realizados pela Companhia nas diversas otimizações, principalmente das estruturas indiretas, puderam ser percebidos no resultado positivo do primeiro semestre de 2017, onde as margens operacionais continuam evoluindo e a dívida líquida sendo reduzida. De maneira geral, o mercado doméstico tem mostrado uma melhora muito tímida, sinalizando um segundo semestre ainda bastante desafiador, especialmente para a unidade de Máquinas Romi. Ações voltadas para geração de caixa e em medidas para permitir uma resposta rápida às volatilidades da demanda de mercado continuarão sendo o foco da Romi” menciona Luiz Cassiano Rosolen, diretor-presidente da Romi.

Fonte: Romi

Curta nossa página no

Romi apresenta evolução nas margens operacionais e Ebitda atinge R$10,8 milhões no 1o. trimestre de 2017

03/05/2017

Companhia registrou evolução nas margens operacionais de todas as suas Unidades de Negócio no 1T17

A Indústrias Romi S.A., líder brasileira na fabricação de máquinas-ferramenta, máquinas para plásticos e fundidos e usinados, registrou no primeiro trimestre de 2017 receita operacional líquida de R$146,5 milhões, montante 12,9% superior ao alcançado no 1T16. O aumento é resultado, principalmente do faturamento da subsidiária alemã B+W, que terminou o ano de 2016 com crescimento relevante em sua carteira de pedidos que estão sendo entregues ao longo de 2017 e da Unidade de Fundidos e Usinados, que tem aumentado o seu volume de receita desde o início de 2016.

A margem bruta obtida no 1T17 foi de 24,7%, resultado 4,5 p.p superior ao mesmo período do ano anterior. A geração operacional de caixa medida pelo EBITDA foi de R$ 10,8 milhões, representando uma margem EBITDA 7,4% no 1T17.

A receita operacional líquida da Unidade Máquinas Romi atingiu R$59,3 milhões no 1T17, o que representou redução de 12,2% em relação ao 1T16. Apesar do baixo nível de investimentos no cenário doméstico, as receitas do mercado externo continuam demonstrando solidez e apresentaram crescimento de cerca de 6%, em dólares, no 1T17, quando comparado com o 1T16.

O faturamento da subsidiária alemã B+W apresentou aumento de 37,5% no 1T17, quando comparado com o mesmo período do ano anterior, evidenciando a sólida carteira de pedidos dessa subsidiária e correspondendo a expectativa e cronograma de faturamento para 2017. Devido ao maior volume de operação e de receita, a Unidade de Negócio obteve margem bruta de 21,4% no 1T17, o que representa incremento de 20,0 pontos percentuais em relação ao 1T16.

Com bom volume de atividade, impulsionada por peças fundidas e usinadas de grande porte, a Unidade de Fundidos e Usinados obteve receita operacional líquida de R$57,3 milhões no 1T17, o que representa aumento de 41,6% em relação ao 1T16. No mesmo período, a margem bruta dessa unidade foi de 14,2%, apresentando aumento de 2,4 pontos percentuais em relação ao 1T16, devido, principalmente, ao seu maior volume de receita.

“Os impactos positivos de uma equipe focada em rentabilidade, com diversos projetos que consideram adequações operacionais, redução de custos e despesas e investimentos em automação e produtividade, já podem ser notados em nossos níveis de rentabilidade nesse primeiro trimestre de 2017”, afirma Luiz Cassiano R. Rosolen, Diretor-Presidente da Romi.

Fonte: Romi

Curta nossa página no

Sepro abre escritório de vendas e serviços na Hungria / Áustria depois de registrar recorde de vendas em 2015

20/05/2016
Da esq. para a dir.: Jean-Michel Renaudeau, CEO; Marcus Klaputek, Diretor de Vendas para a Europa central, Rússia e Oriente Médio; e Csaba Jozan, gerente de vendas do escritório na Hungria / Áustria.

Da esq. para a dir.: Jean-Michel Renaudeau, CEO; Marcus Klaputek, Diretor de Vendas para a Europa central, Rússia e Oriente Médio; e Csaba Jozan, gerente de vendas do escritório da Hungria / Áustria.

Pela segunda vez em apenas alguns meses, o Grupo Sepro abriu um novo escritório de vendas e serviços em um mercado-chave. A Sepro Áustria-Hungria iniciou suas atividades em 1 de Março, em Budapeste. Outra empresa filial foi inaugurada no Canadá em janeiro.

O anúncio do novo escritório de vendas e serviços em território europeu foi feito logo após a Sepro divulgar o seu balanço de 2015, registrando o seu terceiro ano seguido de recorde de vendas. O volume de negócios no ano passado foi de 92,8 milhões de euros, o que representou um aumento de 17% em relação a 2014.

Evolução do faturamento da Sepro desde o ano 2000

Evolução do faturamento da Sepro desde o ano 2000

“Nós devemos uma grande parte do nosso sucesso nos últimos anos ao aumento da globalização”, comentou Jean-Michel Renaudeau, CEO da Sepro. “À medida que nos expandimos em todo o mundo, porém, nós aprendemos como é importante ser “local” nas regiões em que servimos. Vários dos nossos principais clientes têm operações na Áustria e na Hungria e estes países têm uma setor automotivo crescente que precisa de robôs. O nosso objetivo é oferecer vendas e serviços de suporte locais e estar mais perto de nossos clientes para que lhes possamos oferecer mais opções de robô. “

A Sepro é líder no mercado e equipa todas as marcas de máquinas injetoras desde 50 até 5000 toneladas, sejam elas novas ou já existentes, afirma a empresa. O intervalo de soluções da Sepro inclui robôs com 3, 5 ou 6 eixos de movimento e todos são controlados pela mesma plataforma Visual. O escritório de vendas e serviços da Sepro em Budapeste compartilhará instalações com a Sumitomo Demag, um parceiro que vende robôs Sepro sob o nome Sumitomo Demag.

Csaba Jozan, que tem 16 anos de experiência na indústria de plásticos, incluindo 7 anos representando s Sepro na região, foi nomeado Gerente de Vendas para a Áustria e Hungria. Além de sua experiência na Sepro, Jozan também já atuou na venda de máquinas injetoras e outros equipamentos auxiliares.

Desde a crise econômica de 2009, o volume de negócios da Sepro aumentou mais de 250%, afirma a empresa. Renaudeau atribui esse notável sucesso a um grande compromisso com a pesquisa e desenvolvimento e a parcerias comerciais e tecnológicas. Praticamente todos os produtos que a empresa vende hoje foram desenvolvidos ou redesenhados nos últimos sete anos. A Sepro tem investido fortemente na expansão das operações nos Estados Unidos e Alemanha, seus dois maiores mercados fora da França, ao mesmo tempo em que constrói sua base em mercados em desenvolvimento como o Brasil e a China.

A nova filial no Canadá e o novo escritório de vendas na Hungria / Áustria representam um compromisso contínuo para o crescimento global, afirma a empresa. A Sepro foi uma das primeiras empresas no mundo a desenvolver robôs cartesianos para máquinas injetoras, introduzindo seu primeiro manipulador controlado por CNC em 1981.

Hoje, o Grupo Sepro é um dos maiores vendedores independentes de robôs cartesianos. Os clientes ao redor do mundo contam com o suporte de subsidiárias integrais do grupo e escritórios de vendas e serviços na Alemanha, Espanha, Benelux, Reino Unido, Estados Unidos, Canadá, México , Brasil, China e agora Hungria / Áustria. Numerosos parceiros de negócios independentes, distribuidores e centros de serviços aumentam a rede global da Sepro para mais de 50 outros países. A Sepro afirma ter equipado, até o momento, mais de 30.000 máquinas injetoras em todo o mundo.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Sepro

Curta nossa página no

Romi divulga balanço do primeiro trimestre de 2016

10/05/2016
  • Entrada de Pedidos no 1o. trimestre de 2016 cresceu 27,2% em relação ao mesmo período de 2015
  • Estoques em níveis normais, inadimplência controlada e fluxo de caixa operacional positivo ajudaram a Romi a compensar alto grau de incerteza ainda presente no mercado

A Romi apresentou os resultados alcançados no primeiro trimestre de 2016. Com receita de R$129,8 milhões no primeiro trimestre de 2016, a Romi obteve margem bruta de 20,2% e margem EBIT (Earnings Before Interest and Taxes) negativa em 9,7%. A margem EBITDA (Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization) foi negativa em 2,8%, com margem líquida negativa em 7,6%, o que representa um prejuízo líquido de R$ 9,9 milhões no período.

A posição de caixa no trimestre diminuiu R$ 3,1 milhões. O gerenciamento da Companhia tem conseguido manter os estoques em níveis normais, a inadimplência controlada e o fluxo de caixa operacional positivo. A Romi está focalizada em manter os níveis de endividamento e de caixa em patamares adequados, permitindo que, em um ano de recessão, os esforços possam ser direcionados para a captura das oportunidades.

A entrada de pedidos de máquinas Romi foi de R$ 58,9 nos primeiros três meses de 2016, volume 12,8% superior ao obtido no mesmo período em 2015. Já a entrada de pedidos da Unidade de Negócio de Fundidos e Usinados, impulsionada pela maior demanda do segmento de energia eólica, apresentou aumento de 59,9%, em relação ao 1T15. Diante desse cenário, a Companhia fechou o trimestre com uma carteira de pedidos de R$236,2 milhões.

O mercado doméstico foi responsável por 65% da receita da Romi no 1T16, confirmando o crescimento gradual e sustentável no mercado externo, uma vez que essa participação era de 79% no 1T15.

Segundo Luiz Cassiano Rosolen, Diretor-Presidente da Romi, “Apesar dos nossos esforços, aumentando o volume faturado tanto pela B+W quanto pela Unidade de Negócios de Fundidos e Usinados, os resultados ainda estão sofrendo influência da intensa instabilidade pela qual passa o mercado. Quase metade do faturamento da Romi está vinculado à venda de máquinas, cujo mix de produtos comercializados apresentou maior participação de itens de menor porte, cujas margens são geralmente inferiores às demais em virtude das características desses equipamentos.”

Os investimentos no primeiro trimestre de 2016 totalizaram R$2,4 milhões, sendo estes destinados, em parte, para a manutenção, produtividade, flexibilidade e competitividade do parque industrial da Romi.

O Programa de Aquisição de Ações Ordinárias de emissão da Companhia, que teve início em 28 de abril de 2015, foi concluído em 19 de janeiro de 2016, com a aquisição das 3,1 milhões de ações, pelo valor total de R$5,6 milhões.

Fonte: Romi

Curta nossa página no

Husky tem novo presidente

09/02/2016

Jack-TRUONG-195x300A Husky Injection Molding Systems, fornecedora global de equipamentos e serviços para moldagem por injeção, anunciou a nomeação do Dr. Jack Truong (foto) como presidente e COO da empresa a partir de 1 de Fevereiro de 2016. Dr. Truong era anteriormente o Presidente e CEO da Electrolux América do Norte e vice-Presidente Executivo da AB Electrolux Grupo.

“Este é um dia estimulante para a Husky”, disse John Galt, Chief Executive Officer da empresa canadense. “A experiência multissetorial global de Jack e a sua história de viabilizar um crescimento forte em um ambiente desafiador são atributos chave para esta função. Ao olharmos para o futuro, a já demonstrada capacidade de Jack em antecipar as tendências do mercado global será importante para apoiar nossos objetivos de crescimento a longo prazo. “

Esta nomeação soma-se ao conjunto de habilidades diversificadas da experiente equipe de liderança global da Husky. Em seu papel, Dr. Truong terá a supervisão plena das operações do dia-a-dia do negócio, além da responsabilidade de liderar a execução da estratégia e prioridades da Husky.

“Tendo passado grande parte da minha carreira no setor de produtos de consumo, estou familiarizado com o papel que a embalagem tem em influenciar as decisões de compra,” disse o Dr. Truong. “O que eu admiro na Husky e o que me excita a entrar na organização é a forte marca global da Husky e o seu compromisso com a inovação e qualidade. A Husky entende que os produtos fabricados com seus sistemas vão parar nas mãos de milhões de consumidores em todo o mundo, todos os dias. A busca por novas caminhos para produzir peças de alta qualidade, com boa relação custo-benefício e que sejam, ao mesmo tempo, atraentes e seguros para o consumidor final é uma ótima maneira de se passar os dias “.

Antes da Electrolux, Dr. Truong teve uma carreira de 22 anos de sucesso naa 3M, onde ocupou cargos de liderança nos EUA, Europa e Ásia-Pacífico. Dr. Truong tem um Ph.D. em Engenharia Química do Instituto Politécnico Rensselaer, em Troy, Nova Iorque.

A Husky Injection Molding Systems Ltd. é uma fornecedora líder global de equipamentos e serviços de moldagem por injeção para a indústria de plásticos. A empresa tem mais de 40 escritórios de vendas e serviços, dando apoio a clientes em mais de 100 países. As instalações manufatureiras da Husky estão localizadas no Canadá, Estados Unidos, Luxemburgo, Áustria, Suíça, China, Índia e República Checa.

Fonte: Husky

Curta nossa página no