Posts Tagged ‘Indústria Alimentícia’

Terphane apresenta embalagem conceito para ser levada direto ao forno

20/09/2020

As chamadas ‘oven bags’ possibilitam o cozimento ou aquecimento dos alimentos de forma rápida, fácil, segura e mais sustentável.

20/09/2021 – A preocupação do consumidor em garantir conveniência e funcionalidade para as suas refeições é uma realidade sem volta. Especialmente nos grandes centros urbanos, há uma necessidade urgente de alimentos que tenham um preparo fácil e rápido e sejam nutritivos e saborosos. Atenta à esta realidade, a Terphane disponibiliza filmes PET que atendem a esta necessidade de cozimento e/ou aquecimento dos alimentos na própria embalagem, afirma a empresa.

Os chamados filmes para ‘oven bags’ têm como principal diferencial a possibilidade de serem colocados em micro-ondas ou fornos convencionais. “Outra importante vantagem é a possibilidade de se usar uma única embalagem. Ao invés do tradicional assa-fácil onde temos um ‘oven bag’ dentro de uma outra embalagem (pouch ou flowpack), podemos dispensar a embalagem externa e ter uma única embalagem monomaterial (somente poliéster)”, explica Célia Freitas, Gerente de Desenvolvimento de Negócios da Terphane.

Além de permitir a redução do uso de materiais de embalagem, esta é uma solução mais sustentável que o modelo atual por utilizar apenas um material (o poliéster), que é totalmente reciclável. Esta solução já é usada na Europa e nos Estados Unidos e está disponível para o mercado brasileiro. A Terphane também desenvolveu com um parceiro local uma solução técnica que permite que essa embalagem possa ser impressa e ainda suporte as altas temperaturas de cozimento.

Segundo a empresa, a sua embalagem ‘oven bags’ também suporta baixas temperaturas de refrigeração e/ou congelamento (até -30 graus C), sendo, portanto, ideal para vários tipos de produtos derivados de animais (suínos, bovinos e aves), com ou sem tempero, e cujo cozimento acontece na própria embalagem.

A Terphane afirma que a sua proposta leva praticidade e conveniência ao consumidor brasileiro, já que os alimentos são envasados no próprio fabricante, o que contribui para aumentar a segurança alimentar e a higiene. “Estamos falando de uma embalagem hermética e “amigável” ao meio ambiente, que vai da gôndola diretamente ao forno e quando sai, o alimento está pronto para consumo. Os consumidores adoraram a novidade e toda a praticidade. Inclusive ressaltam que não há travessa suja e, no caso do frango, ele sai do forno suculento – além de reduzir o tempo do consumidor na cozinha”, explica Célia.

O cozimento eficiente deve-se ao fato do filme de poliéster ajudar a manter o calor dentro da embalagem, afirma a Terphane, evitando ainda o ressecamento do alimento. Os filmes PET da Terphane para ‘oven bags’ têm aprovação para contato com alimentos, inclusive para ir ao forno.

Desde a sua fundação em 1976, a Terphane concentra-se no desenvolvimento de tecnologias e processos de fabricação de filmes especiais de poliéster biorientado (BOPET). Sua equipe possui experiência e conhecimento em produção, revestimento e metalização de filmes. A empresa possui uma cadeia verticalizada que vai desde a produção da resina até a extrusão de filmes especiais. A Terphane faz parte do grupo industrial norte-americano Tredegar.

Curta nossa página no

Americana Tekni-Plex adquire Geraldiscos, fabricante brasileira de Selos de Indução e Discos de Vedação

23/07/2019

Subsidiária da Tekni-Plex comprou a fabricante brasileira de selos de indução e discos de vedação, Geraldiscos, que fará parte do negócio Tri-Seal da Tekni-Plex.

Sediada em Santana de Parnaiba, um município do Estado de São Paulo, a Geraldiscos é conhecida por fabricar selos de indução e discos de vedações para uma grande variedade de tipos de frascos, incluindo PP, PE, PEAD, PVC, PET e vidro. Soluções de fechamento são fornecidas para segmentos de mercado como alimentos, bebidas, cuidados pessoais, saúde, agricultura, produtos químicos e outros.

“Continuamos a impulsionar nossa estratégia, aumentando nossos negócios de forma orgânica e por meio de fusões e aquisições. Especificamente, a Geraldiscos nos permite expandir nossa presença geográfica na América do Sul para dar suporte ao grande mercado brasileiro de selos e vedações e a nossos clientes multinacionais. Acompanhamos a empresa por um longo período de tempo e sempre nos interessamos por seus produtos inovadores, de alta qualidade, excelente capacidade de fabricação, além de uma equipe administrativa muito forte ”, disse Paul Young, presidente e diretor executivo da Tekni-Plex.

A aquisição adiciona 140 funcionários experientes à equipe global de 3.000 da Tekni-Plex. Gabriel Sahyao Leal dos Santos, Gerente Geral da Geraldiscos, continuará supervisionando a operação. A instalação de produção verticalmente integrada da empresa também é certificada pela ISO 9001: 2015, 14001 e 22000FSSC.

A Geraldiscos é a décima terceira aquisição que a Tekni-Plex faz nos últimos cinco anos, dentro da sua estratégia de ampliar seus negócios através de aquisições transformadoras e complementos estratégicos.

A Geraldiscos foi criada em 1964 pela família Leal dos Santos. A empresa cresceu nas últimas cinco décadas e transformou-se em um fornecedor conhecido de discos de vedação e selos de indução para o mercado de alimentos, produtos químicos, assistência médica automotiva, etc. da América do Sul. Para maiores informações:www.geraldiscos.com.br.

Sobre a Tekni-Plex, Inc.A Tekni-Plex é uma empresa globalmente integrada, focalizada no desenvolvimento e fabricação de produtos para mercados finais como produtos médicos, farmacêuticos, alimentos, bebidas, cuidados pessoais, domésticos e industriais. A Tekni-Plex está sediada em Wayne, na Pensilvânia (EUA), e opera fábricas em nove países do mundo.

Curta nossa página no

 

Estudantes da UFRJ criam bioplástico para embalagem que indica quando alimento está deteriorado

04/12/2018

Alunos e ex-alunos da UFRJ idealizaram e produziram uma embalagem de plástico biodegradável que revela a qualidade do alimento, a Plasticor. O material da embalagem, em contato com o alimento, pode mudar para uma cor esverdeada ou rosada, indicando se o produto está própria para consumo ou não. Em desenvolvimento há cerca de um ano, nos laboratórios do campus de Xerém, o bioplástico dos estudantes é uma saída sustentável no cenário de grande desperdício em que se vive atualmente.

Por ano, de toda a comida produzida no planeta, 30% (ou 1,3 bilhão de toneladas) vai para o lixo, de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. A mudança de cor da embalagem seria, portanto, uma forma de estabelecer prioridade para o consumo dos alimentos, dando preferência aos mais próximos de vencer, além de garantir a confiabilidade da ingestão daqueles cuja data de validade esteja expirada, mas que ainda podem ser consumidos de forma segura.

Segundo os desenvolvedores do produto, as vantagens vão ainda além. “O impacto ambiental também é reduzido, visto que, nas últimas décadas, a utilização de materiais plásticos é abundante na indústria alimentícia. Nossa embalagem é ecologicamente correta, já que não utiliza aditivos químicos nem demora anos para degradar”, explica João Vítor Balbino, estudante do 5º período de Biofísica e um dos sete integrantes da startup. Os alunos estimam que o tempo de degradação do Plasticor seja de seis meses, porém ainda estão sendo feitos testes para tornar essa informação mais precisa.

A ideia surgiu pensando no desperdício de alimentos perecíveis, cuja data de validade não é informada (como pães e carnes frescos, frutas e vegetais), e também na preocupaçao do uso excessivo de embalagens plásticas convencionais, que levam muito tempo para se degradar e que são muito utilizadas pela indústria alimentícia.

A equipe afirma que as embalagens Plasticor tem como principal objetivo contribuir para a fiscalização de produtos em processo de deterioração, aumentando a segurança do consumidor em caso de ingestão de produtos estragados. Além disso, a tecnologia com o biossensor contribui para a redução do desperdício de alimentos, já que evita o descarte, às vezes desnecessário, de produtos com o prazo de validade expirado.

A equipe surgiu de um evento de empreendedorismo do tipo Hackathon, realizado por alunos da UFRJ (Duque de Caxias) e pelo Sebrae, em 2017, no qual recebeu a premiação de melhor projeto de sustentabilidade na área de alimentos.

A partir da visibilidade ganha com o prêmio , a startup passou a receber consultoria do Sebrae, com o objetivo de orientá-la para registro e certificação da tecnologia nos canais competentes, como a Vigilância Sanitária.

A Plasticor é uma startup idealizada por alunos e ex-alunos da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Campus de Duque de Caxias (UFRJ/DC). Dentre os integrantes estão Ana Rafaela, de 20 anos, graduanda em Biotecnologia e moradora de Jacarepaguá; Camila França, de 21 anos, graduanda em Nanotecnologia e moradora de Duque de Caxias; Igor Tenório, de 22 anos, doutorando em Ciência e Tecnologia de Polímeros, morador de Duque de Caxias; João Vitor Lira, de 20 anos, e Lorena Ballerini, de 26 anos, ambos moradores de Nova Iguaçu e graduandos em Biofísica e Nanotecnologia, respectivamente; e Luiz Menezes, de 24 anos, graduado em Design e morador da Ilha do Governador.

Fonte: UFRJ / kickante.com.br

Curta nossa página no </

Embalagens do Café Favorito serão produzidas com Polietileno Verde da Braskem

05/10/2018

A Braskem será fornecedora de Plástico Verde para a tradicional marca carioca Café Favorito. A resina será aplicada nas embalagens para café almofada de 500g.

“Anualmente, produzimos mais de um milhão de toneladas de café, vendido principalmente nas regiões dos Lagos e Serrana e no sul do estado do Rio de Janeiro. O uso do Plástico Verde em nossas embalagens reforça nosso esforço na busca de uma atuação sustentável”, explica Adriana de Oliveira, diretora comercial do Café Favorito.

Atualmente, mais de 150 marcas mundo afora já adotaram o Plástico Verde em embalagens para os mais diversos segmentos, como alimentício, higiene pessoal e bens duráveis. Com as mesmas propriedades e desempenho do polietileno de origem fóssil, a resina renovável pode ser utilizada nas mesmas cadeias produtivas do plástico e da reciclagem convencionais.

A embalagem do Café Favorito utilizará o selo I’m greenTM para que o consumidor possa reconhecer a aplicação do Plástico Verde em sua composição. “Para conquistar o diferencial do uso do selo, o produto precisa conter, ao mesmo, 51% de material renovável. A avaliação é feita por meio de um teste de verificação de carbono 14”, explica Gustavo Sergi, diretor de Químicos Renováveis da Braskem.

A Braskem produz polietileno de origem renovável desde 2010, no Polo Petroquímico de Triunfo (RS). Com capacidade de produção de 200 mil toneladas por ano, esta é a maior unidade industrial de eteno derivado do etanol do planeta.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Nutpods fecha parceria com SIG para lançar primeira Signature Pack na América do Norte

13/07/2018

A nutpods lançará sua edição sazonal de creme Pumpkin Spice na primeira embalagem cartonada asséptica da América do Norte feita com polímeros de materiais renováveis de origem vegetal da SIG

A Signature Pack está alinhada à estratégia de sustentabilidade da SIG, “Way Beyond Good”, de oferecer para os consumidores soluções sustentáveis em embalagens para alimentos.

A nutpods, pioneira no mercado de cremes para café, criou uma deliciosa alternativa ao creme lácteo, que é natural e sem aditivos. A empresa começou 2018 com mudanças e novos clientes. Em setembro, em parceria com a SIG, a nutpods lançará a edição sazonal do creme Pumpkin Spice na primeira embalagem cartonada asséptica da América do Norte feita com polímeros renováveis de origem vegetal: a Signature Pack da SIG.

Solução de origem vegetal

Como uma inovadora na sua categoria, a nutpods tornou-se uma das marcas com crescimento mais rápido no país. Ao escolher a inovadora solução da SIG, a Signature Pack, a nutpods confirma seu compromisso com a sustentabilidade.

“Estamos muito animados em estender nossa estória de produtos de origem vegetal para uma embalagem de origem vegetal. Um dos cinco valores da empresa é reduzir o impacto ambiental o máximo possível, ” diz a fundadora e CEO da nutpods, Madeline Haydon. “Nossos clientes dependem de nós para receber não apenas produtos de alta qualidade com excelente sabor, mas também para capitanear as melhorias ambientais em nossa categoria e a Signature Pack é uma das formas de mantermos esta liderança. ”

Embalagem sustentável

As embalagens Signature Pack são feitas principalmente de papelão e polímeros de origem vegetal, por balanço de massa. Isto significa que para os polímeros usados na Signature Pack, uma quantidade equivalente de estoque de bio materiais entra na produção dos mesmos. Segundo a empresa, para garantir a integridade do processo, o balanço de massa é certificado por terceiros internacionalmente reconhecidos. Os polímeros da embalagem Signature Pack estão ligados a materiais de origem vegetal de fontes europeias e usam sistemas de certificação reconhecidos e auditados para garantir sua rastreabilidade.

O selo Signature Pack estará nas embalagens do creme sazonal da nutpods junto com o selo FSC™ que confirma que a madeira usada na produção da celulose do cartão vem de florestas com manejo sustentável.

Segundo Yasmin Siddiqi, Head de Marketing da SIG América do Norte, “Encontramos na nutpods um parceiro que compartilha a mesma visão de criação de um futuro mais sustentável. A Signature Pack é uma das mais recentes inovações da SIG dentro da estratégia “Way Beyond Good”. A SIG tem o compromisso de oferecer para os clientes soluções em embalagens para alimentos mais sustentáveis e contribuir mais para a sociedade e para o meio ambiente do que recebe deles. ” Para a VP de Operações da nutpods, Tara Foster, “Continuamente buscamos novas formas de alavancar nosso negócio, reduzindo o impacto ambiental e achamos na SIG um grande parceiro. Seu produto nos permite manter o compromisso com a qualidade e consumir menos recursos fósseis. É um jogo “ganha-ganha”.

A nutpods é a primeira marca de alimentos da Green Grass Foods Inc., uma fabricante independente de alimentos naturais, sediada em Seattle, Washington, e dedicada à produção de produtos não lácteos com ingredientes de origem vegetal. Lançada em 2015, a nutpods rapidamente encontrou consumidores fieis no programa Whole30®, nos paleos (dieta das cavernas), ketos (low carb), veganos e vegetarianos que querem cremes para o café e para o chá de alta qualidade e ingredientes versáteis para receitas doces. Os produtos nutpods são vendidos no varejo em todo o país, bem como pela Amazon, Thrive Market e outros e-commerces.

A SIG é líder no fornecimento de sistemas e soluções para embalagem asséptica. A empresa trabalha em parceria com seus clientes para garantir alimentos seguros e sustentáveis. Fundada em 1853, a SIG está sediada em Neuhausen, Suíça. Possui 5.000 colaboradores em todo o mundo atendendo clientes em 65 países. Em 2017, a SIG produziu 33,6 bilhões de embalagens cartonadas e faturou €1,66 bilhão.

Fonte: Assessoria de Imprensa – SIG

Curta nossa página no