Posts Tagged ‘Aditivo’

Pesquisas sobre grafeno realizadas na Universidade Mackenzie despertam interesse da indústria de plásticos da Serra Gaúcha

14/04/2018

Material plástico aditivado com grafeno

Sindicato identifica oportunidades de negócio para o setor em visita a centros de pesquisa e desenvolvimento em São Paulo

A reciclagem dos pacotes de salgadinhos consumidos aos milhões todos os dias pode dar origem a uma matéria-prima relevante para impressão 3D, conseguida através da aditivação do polipropileno biorientado (BOPP) das embalagens descartadas de batatas fritas, nachos e outras guloseimas com partículas de grafeno.

E representa uma das oportunidades identificadas para o mercado do plástico durante visita a centros tecnológicos, em São Paulo, pelo Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás). Já é a segunda vez em menos de seis meses que o sindicato passa pelo Centro de Pesquisas Avançadas em Grafeno, Nanomateriais e Nanotecnologias da Universidade Presbiteriana Mackenzie – o MackGraph, onde a novidade foi apresentada quinta-feira (12/04). Assim como na ocasião anterior, em novembro passado, o objetivo do Simplas é detectar e compreender os possíveis impactos do grafeno para a indústria do plástico.

As possibilidades de aplicações só crescem no setor. Existe a possibilidade de que, em breve, a carroceria de um automóvel, que hoje é fabricada em aço, possa ter estrutura de plástico aditivado com grafeno. O material é muito mais resistente do que o aço, porém, flexível.

“É uma inovação que contempla três conceitos fundamentais para o futuro de qualquer negócio: sustentabilidade, tecnologia de ponta e altíssimo valor agregado. Percebemos que as pesquisas na Mackenzie estão bastante avançadas. O passo seguinte é dar viabilidade industrial e comercial para que estes novos materiais sejam naturalmente absorvidos pelo mercado”, constata o presidente do Simplás, Jaime Lorandi.

O grafeno possui condutividade térmica bastante superior à do cobre e tem uma densidade muito baixa.

Lorandi e o diretor executivo do Simplás, Zeca Martins, integram a missão organizada pelo Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul (Simecs) e pela Uniftec, que também visitará o Instituto Mauá, o Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) e o Centro Tecnológico de São José dos Campos. As organizações são referência nacional em pesquisa e desenvolvimento para a indústria 4.0.

“O Simplás está sempre em busca de novas oportunidades de negócios e conhecimento para seus representados. Muitas delas, já são realidade e estão disponíveis hoje. O que procuramos é identificar e acessar estas novidades, a fim de trazer maiores condições de competitividade às empresas do setor”, conclui Lorandi.

Fonte:  Assessoria de Imprensa – Simplas

Curta nossa página no

Anúncios

Clariant lança nova geração de lubrificantes sustentáveis para PVC

18/06/2012

■ Novo Licocare™ SBW11 TP: inovação eficiente e de baixa dosagem para processamento de PVC

■ Maior potencial de lubrificação externa do que ésteres de ácidos

■ Reflete o compromisso da Clariant em atender a demanda do mercado por produtos sustentáveis

A Clariant apresenta ao mercado de processamento de PVC uma nova geração de lubrificantes com base em fonte sustentável, apoiando a tendência mundial de evitar compostos de processamento de PVC estabilizados com chumbo. O novo Licocare SBW11 TP oferece excelente desempenho e eficiência, além dos benefícios da sustentabilidade. A cera de base natural, modificada quimicamente, é produzida a partir de óleo de soja. Oferece excelente desempenho técnico no processamento de PVC em comparação com os derivados de ácidos graxos tradicionalmente utilizados para lubrificação.

O Licocare SBW11 TP é especialmente adequado para o processamento de compostos rígidos de PVC, especialmente para aplicações de filme de PVC e de extrusão estabilizadas com cálcio/zinco (Ca/Zn) ou estanho (Sn). O produto age como lubrificante externo e interno, oferecendo diversos benefícios de desempenho e permitindo que fabricantes aproveitem os ciclos de produção mais eficientes e consistentes.

Os benefícios incluem:

■ Ótima desmoldagem / efeitos antiaderentes: maior potencial de lubrificação externa do que ésteres de ácidos graxos ou misturas de ésteres complexos.

■ Ausência de depósitos nos moldes, graças à baixa volatilidade e boa compatibilidade com PVC.

■ Excelente estabilidade térmica, assegurando ótima estabilidade de cores.

■ Os amplos efeitos de lubrificação contribuem para um comportamento reológico equilibrado.

■ Baixas concentrações, variando de 0,3 a 1,0 phr, proporcionam desempenho eficiente.

O Licocare SBW11 TP também pode ser usado como lubrificante para o processo de injeção em PVC. Aqui, a capacidade de fluxo é melhorada significativamente, com menos influência sobre a temperatura de amolecimento (Vicat) do que lubrificantes internos comuns, como derivados de ésteres graxos. Como resultado, o LicoCare SBW11 TP proporciona melhor estabilidade dimensional para o produto injetado, com excelente melhoria no fluxo.

“Com o lançamento do Licocare SBW11 TP, a Clariant passa a oferecer aos processadores de PVC um lubrificante de alto desempenho, baseado em matérias-primas de fontes renováveis, em sintonia com o mercado cada vez mais exigente, que busca produtos inovadores e sustentáveis”, comenta Paulo Ghidetti, Coordenador Técnico de Aditivos para a América Latina.

Fonte: Clariant

Curta nossa página no

Cromex lança nova linha de aditivos para BOPP na Andina-Pack

03/11/2011

Feira que reúne empresas dos setores de embalagens para alimentos, bebidas, cosméticos, produtos farmacêuticos, de higiene e limpeza acontece entre os dias 8 e 11 de novembro, em Bogotá (Colômbia)

 A Cromex, empresa líder no mercado brasileiro de masterbatches, participa da 11ª edição da Andina-Pack, feira de convergência e referência da indústria de embalagens que reúne os setores de alimentos, bebidas, cosméticos, produtos farmacêuticos, higiene e limpeza, entre outros. Bianual, o evento será realizado em Bogotá (Colômbia) entre os dias 8 e 11 de novembro.

Na oportunidade, a Cromex vai apresentar a nova linha de produtos específicos para BOPP, em especial os aditivos e brancos que já são fornecidos pela Cromex para grandes empresas brasileiras e argentinas do setor.

A expectativa em relação ao evento é verificar as inovações do setor, além de disseminar a marca no mercado latino-americano. “Já temos uma boa participação na região, onde atuamos há mais de cinco anos”, afirma a gerente de exportação, Margareth Barbosa.

Importante canal para o mercado de plásticos, a Colômbia está entre as cinco maiores economias da América Latina, juntamente com Brasil, México, Argentina e Peru. No ano passado, o país registrou PIB de US$ 283,11 bilhões e a projeção do governo é de que sua economia cresça 5% em 2011, impulsionada pelos setores de mineração e petróleo e também pela indústria e o comércio. Em sua última edição, em 2009, a Andina Pack reuniu mais de 700 expositores e cerca de 20 mil visitantes

Atitude sustentável – A Cromex tem ampliado as parcerias para o fornecimento de produtos voltados ao Plástico Verde, Polietileno (PE) de fonte renovável feito de cana-de-açúcar. Pioneira no desenvolvimento de produtos voltados ao PE Verde de fonte renovável (cana-de-açúcar), a empresa foi a primeira a estreitar parceria com a Braskem, empresa fabricante da resina de fonte renovável, no desenvolvimento de uma série de cores e aditivos que conferem ao PE Verde características como anti-bloqueio, barreira aos raios UVs, antiestática e anti-fog, respeitando as propriedades fundamentais de sustentabilidade do produto.

 Sobre a Cromex: Líder no mercado brasileiro de masterbatches de cores e aditivos para plásticos, a Cromex conta com duas unidades (São Paulo e Bahia) com capacidade de produção de 132 mil toneladas/ano e faturamento médio anual acima dos R$ 400 milhões. Com atuação global, a Cromex comercializa seus produtos em mais de 60 países.

Fonte: M. Free / Cromex

Nanox Clean para contato com alimentos: pioneiro no Brasil e certificado pela Anvisa

02/05/2011

Será lançado na Brasilplast 2011 o produto para contato com alimentos Nanox Clean , da Nanox, uma empresa de soluções em nanotecnologia focada nos mercados de aditivos antimicrobianos que recebeu investimentos do Fundo Novarum (Araújo Fontes + Jardim Botânico Investimentos), sendo a primeira empresa de nanotecnologia a receber este tipo de investimento.

 Trata-se de um produto pioneiro no Brasil, o primeiro certificado pela Anvisa para contato com alimentos (embalagens, geladeiras etc), um pó que é incorporado em qualquer tipo de plástico e torna o material antimicrobiano, bactericida, fungicida e acaricida – é o primeiro inorgânico a ser fabricado (e certificado) no país, desenvolvido com recursos do programa Subvenção da Finep (Financiadora de Estudos e projetos).

De acordo com Gustavo Simões, da Nanox, “o produto também pode ser transformado em temperaturas superiores a 600º C, é seguro e tem baixa toxicidade (como atestam laudos do Laboratório Ecolizer), alta performance com baixa concentração e mantém as características de cor, transparência e resistência mecânica dos polímeros. No caso de embalagens, que tem contato com alimentos, o produto pode dobrar ou triplicar o shelf-life dos alimentos”.

O Nanox Clean estará exposto no estande da Nanox, na Brasilplast, de 09 a 13 de maio de 2011, no Pavilhão de Exposições de Anhembi, à Avenida Olavo Fontoura, 1.209, São Paulo (SP). O evento deve receber cerca de 1300 expositores, 65 mil visitantes/compradores de 60 países, reunidos num ambiente de lançamentos e serviços em que serão apontadas as principais tendências desse mercado.

Fonte: Brasilplast / Tamer Comunicação Empresarial

Novo sistema de aditivos BASF para rotomoldagem oferece maior qualidade do produto final e eficiência

17/11/2010

Ø     Aditivo Irgastab® RM 68 economiza tempo e energia e aumenta a qualidade do produto final

Ø     Produto economiza seis minutos por ciclo, produzindo cerca de 2300 tanques a mais

Ø     BASF oferece um programa para calcular individualmente os tipos de máquinas, proporcionando maior eficiência do processo

O processo de rotomoldagem é um sistema ideal para moldar grandes artigos ocos produzidos a partir do plástico, especialmente de polietileno (PE), incluindo todos os tipos de tanques, recipientes de transporte e itens de recreação como caiaques e brinquedos. As vantagens deste processo de produção abrangem, especificamente, uma ampla linha de possibilidades de design e baixos custos de investimento. Entretanto, o processo também implica em alguns desafios. Os tempos de processamento relativamente longos e as altas temperaturas dos fornos têm um grande impacto sobre a estabilidade do plástico. Além disso, o processo exige um grande consumo de energia. O Irgastab® RM 68 é um sistema de aditivos produzido pela BASF especificamente para plásticos que são processados por meio de rotomoldagem. Ele otimiza o processo, melhora a qualidade do produto final e ajuda a economizar energia.

Otimização de processo graças ao aditivo especial

A combinação patenteada de vários estabilizantes otimiza o perfil de propriedade do plástico especificamente para o processamento por meio de rotomoldagem. Aqui, o Irgastab® RM 68 facilita principalmente a fusão do polímero durante o processo de moldagem. Isto permite que os tempos de processamento sejam menores e as temperaturas dos fornos sejam reduzidas, resultando em uma maior janela de processamento – um aspecto importante, pois a rotomoldagem normalmente envolve o uso de moldes diferentes ao mesmo tempo em uma máquina. Se o tempo de permanência no forno for o mesmo, há um risco de que o polietileno não funda suficientemente em grandes moldes, ao passo em que em moldes pequenos ele já terá se degradado. Em suma, quanto maiores as janelas de processamento, mais robusto é o processo de produção e, consequentemente, melhor é a qualidade do produto final.

O efeito do aditivo especial pode ser avaliado com base na temperatura de pico do ar interno (“PIAT”) enquanto o processo está sendo realizado. A “PIAT” indica a temperatura do ar no interior do molde durante o processamento e possibilita o acompanhamento da fusão e do resfriamento do polímero durante o ciclo de processamento. Em um forno a uma temperatura de 288ºC [550ºF], a “PIAT” funde uma amostra de teste com espessura de três milímetros feita de polietileno e contendo estabilizantes convencionais é 233ºC [451ºF]. Com o Irgastab® RM 68, o material já consegue alcançar sua faixa de fusão ótima em uma “PIAT” de 210ºC [410ºF]. É por esta razão que a amostra de teste também precisa de um tempo de ciclo total menor para que, assim, obtenha um resultado de produção ideal. Neste sentido, é possível obter economias de energia de até 16% e custos menores em comparação aos processos padrão, ao mesmo tempo em que observa uma maior produtividade.

Os menores tempos de ciclo total podem também ser responsáveis por uma menor degradação de outros aditivos presentes na formulação, aumentando, dessa forma, o tempo de vida útil da peça produzida. Adicionalmente, outras propriedades do produto final também recebem um impacto positivo devido ao Irgastab® RM 68. Por exemplo, a descoloração inerente do produto durante o processamento é reduzida e a resistência ao “gas fading” aumentada. A melhor estabilização das cadeias de polímero à degradação melhora as propriedades mecânicas, especialmente a resistência ao impacto da peça. Além do mais, o Irgastab® RM 68 contém um estabilizante à luz que atende o padrão de intemperismo UV8. O padrão mundial prevê um alongamento na ruptura residual de pelo menos 50% do valor original após 8.000 horas de exposição ao envelhecimento acelerado. Isto corresponde aproximadamente ao uso externo em um clima subtropical durante o período mínimo de três anos. O Irgastab® RM 68 já recebeu aprovação do FDA (agência reguladora americana de alimentos e medicamentos) para contato indireto com alimentos.

Um exemplo de cálculo

Um estudo de caso mostra como o efeito do aditivo especial pode ser expresso em números concretos: com a formulação de um aditivo convencional em uma máquina de rotomoldagem, funcionando em três turnos de oito horas, 44 tanques de 80 litros podem ser produzidos diariamente. O tempo de ciclo corresponde a 33 minutos. Com o Irgastab® RM 68, o tempo de ciclo pode ser reduzido a 27 minutos. A redução de seis minutos se traduz em dez tanques adicionais diários por máquina. Extrapolada ao longo de todo um ano (aqui falamos em 225 dias), um fabricante pode, assim, produzir cerca de 2.300 outros tanques por máquina. Além disso, o produto final passa a ter um índice de amarelecimento reduzido comparativamente aos produtos feitos por meio do método convencional e, somado a isto, o produto apresenta propriedades mecânicas melhores. Os resultados terão uma variação em relação a cada fabricante em função do tipo de máquina, das propriedades do plástico, da geometria das peças e da espessura da parede. Por esta razão, a BASF também desenvolveu um programa para permitir que as economias dos clientes sejam calculadas individualmente.

Um processo de nicho em crescimento

Comparativamente aos outros métodos de processamento de termoplásticos como, por exemplo, a moldagem por sopro ou por injeção, é um fato que a rotomoldagem é um nicho de processo. Apenas cerca de 1% de todos os plásticos na Europa é processado por meio da rotomoldagem. Em 2008, o Irgastab® RM 68 foi lançado no mercado americano – hoje ainda considerado o principal mercado de rotomoldagem. Mas também na Europa, o método é hoje uma alternativa ao processo de moldagem por sopro, especialmente para aplicações no setor da construção, brinquedos e equipamentos esportivos, além do setor automotivo e da fabricação de componentes plásticos para maquinários. A razão para isto pode ser atribuída às melhorias tecnológicas no processo em si. O principal aspecto, entretanto, é que a rotomoldagem é capaz de obter vantagens decisivas na área de custos em comparação ao método de moldagem por sopro de alta exigência técnica, especialmente para pequenas produções de grandes partes moldadas. Graças às economias em termos de tempo e energia, mas também ao aumento qualitativo do produto final, o Irgastab® RM 68 ajuda a otimizar o processo e, por conseguinte, contribui para a sua competitividade no mercado.

Fonte: BASF