Archive for the ‘Meio Ambiente’ Category

Palestra do Presidente do Simplás, Jaime Lorandi, mobiliza lideranças do setor de plásticos na Interplast em torno de proposta de educação para sustentabilidade

15/08/2018

Presidente da Abiplast e da Fiesp, José Ricardo Roriz Coelho, avaliou positivamente palestra do presidente do sindicato, Jaime Lorandi

O Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás) finalizou, sob aplausos, a reunião da Câmara Nacional de Recicladores de Materiais Plásticos (CNRMP) da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), em edição especial realizada no dia de abertura da Interplast 2018 – Feira e Congresso de Integração da Indústria do Plástico, nesta terça-feira (14), em Joinville (SC). A platéia de lideranças do setor saudou a linguagem inovadora e acessível proposta pelo sindicato para difundir na sociedade os conceitos da economia circular.

A palestra, que o presidente do Simplás e conselheiro da Abiplast, Jaime Lorandi, apresentará também na reunião-almoço da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC) de Caxias do Sul, alusiva aos 29 anos do sindicato, no dia 27 de agosto, desafia visões pré-concebidas. E com dados, fatos e estatísticas, propõe soluções por meio da responsabilidade coletiva.

Na mesma ocasião, o Simplás também lançará o projeto Plástico do Bem, na própria CIC, capacitando os integrantes do condomínio de entidades a coletar, separar e trazer seus plásticos limpos para destinar à reciclagem e gerar recursos. Neste momento, o Plástico do Bem já está remunerando 20 escolas da rede municipal de Farroupilha por meio da capacitação para reciclagem oferecida aos estudantes, familiares e professores.

“O sujeito ativo da poluição são as pessoas. Não dar o destino correto para aquilo que se consome, ou nem mesmo pensar a respeito, é uma questão de comportamento. Porém, vivemos novos tempos e precisamos desenvolver novos hábitos. Assim, o caminho é investir na educação para a sustentabilidade”, afirma Lorandi.

Presidente da Abiplast e também da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), José Ricardo Roriz Coelho entende que a apresentação desenvolvida pelo Simplás – e que será compartilhada por todo o setor – tem a capacidade de modificar a forma como as pessoas enxergam o ato de consumo e o incremento na qualidade de vida oferecido pelos produtos.

“O Jaime é um palestrante bem didático e o conteúdo está bem acessível a toda a população. Não usa aquela linguagem técnica, restrita ao setor. Ele mostra, com fatos, que a sociedade não poderia viver sem o plástico. Porque oferece muitos benefícios e porque a troca por outros materiais teria imenso impacto ambiental. O que a sociedade precisa fazer é buscar alternativas para ampliar o uso dos plásticos e estabelecer uma relação mais amigável deles com as pessoas”, avalia Roriz.

Nesta quarta-feira (15), Lorandi volta a ministrar a palestra na Interplast 2018, agora aberta a todo o público participante da principal feira nacional do setor. O encontro está marcado para as 18h, na Sala Violeta (número 14), no Centro de Convenções da Expoville, em Joinville (SC). Inscrições podem ser feitas pelo link bit.ly/2Kf75Yu ou pelo site interplast.com.br.

Comentários sobre a Palestra:

“A palestra desenvolvida pelo Simplás é educativa, abrangente, expõe os benefícios dos plásticos para a humanidade, contrapõe a imagem tradicional que se tem dos plásticos e propõe uma solução. O problema, hoje, é de comportamento. Falta educação e falta ação, principalmente do poder público, para dar incentivos à economia circular, que ampliaria a geração de dinheiro, impostos e trabalho em toda a sociedade, de maneira limpa.”

Ricardo Hajaj (Presidente da Câmara Nacional de Recicladores de Materiais Plásticos (CNRMP) da Abiplast)

“A palestra é fantástica! Estamos apenas debatendo alguns pontos de sintonia, via Abiplast, para ser a mensagem nacional e oficial do setor. E vamos viralizar. Buscar as crianças. O trabalho feito pelo Simplás é maravilhoso. Estou orgulhoso e encantado de contar com um parceiro de setor como o Jaime.”

Albano Schmidt (Presidente do Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado de Santa Catarina)

“A linguagem não é nada técnica e, pelo contrário, é bastante acessível a qualquer pessoa. Principalmente, para quem é de fora do setor. Já estamos em tratativas para que o Jaime leve a palestra para o Energiplast [Fórum Brasileiro de Reciclagem Energética de Resíduos Sólidos com Ênfase em Plásticos], quem sabe fazendo a abertura do evento [dia 11 de setembro, na Fiergs, em Porto Alegre].”

Luiz Henrique Hartmann (Coordenador do Energiplast – Fórum Brasileiro de Reciclagem Energética de Resíduos Sólidos com Ênfase em Plásticos)

Fonte: Assessoria de Imprensa – Simplas; Foto: Zeca Martins

Curta nossa página no

Anúncios

Termotécnica promove a Economia Circular do EPS durante a Interplast 2018

09/08/2018

O conceito da sustentabilidade vem, ao longo dos anos, ampliando a sua representatividade na Interplast, Feira e Congresso de Integração da Tecnologia do Plástico, que acontecerá de 14 e 17 de agosto, em Joinville (SC). Exemplo disso é a Ilha da Reciclagem do Plástico, que reunirá empresas, entidades e profissionais com o objetivo de demonstrar o ciclo de vida do plástico desde o seu berço até a geração de novos produtos. A Termotécnica faz parte desta ação que fomenta o conceito da economia circular por meio da disseminação do conhecimento, do desenvolvimento de novos projetos, investimentos e do engajamento dos visitantes.

Albano Schmidt, presidente da Termotécnica, maior recicladora da EPS (isopor®) da América Latina, afirma que, como todo plástico, o EPS é 100% reciclável e reforça que, para a efetivação da reciclagem, cada cidadão deve assumir a responsabilidade de dar o destino correto após sua utilização. “É inadmissível nos dias de hoje, com a quantidade de informações que temos, descartar o plástico em lixo comum. Não dar o destino correto põe em risco todo o processo de reciclagem e causa sérios danos ao meio ambiente, a curto, médio e longo prazo”, adverte.

Schmidt ainda acrescenta que, por meio do Programa Reciclar EPS, a Termotécnica atua na economia circular, quando se responsabiliza integralmente pela logística reversa e reciclagem do EPS. “Quando descartado da maneira correta, o EPS volta para o mercado e é utilizado para produção de molduras, rodapés, decks de piscina, entre outros”, finaliza.

A Termotécnica também participará na Interplast com uma palestra – gratuita e aberta ao público – no Fórum Economia Circular, que acontecerá na tarde do dia 15/8. A partir das 17 horas, a Diretora de Operações da empresa, Regina Zimmermann, ministrará o tema “Programa Reciclar EPS, a Economia Circular na Prática”.

O Programa Reciclar EPS

Antecipando-se à PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos), a Termotécnica desenvolve o Programa Reciclar EPS desde 2007, disponibilizando unidades de reciclagem em várias regiões do Brasil.

Com mais de mil pontos de coleta, o Programa conta com cerca de 300 cooperativas envolvidas, gera cerca de 100 empregos diretos e beneficia mais de 5 mil famílias. 35 mil toneladas de EPS já foram recicladas pela empresa, que correspondem a 1/3 de todo o isopor® reciclado no país.

O ponto de entrega voluntária mais próximo pode ser consultado no site www.reciclareps.com.br

Recentemente, a empresa lançou a campanha “98% ar e muita tecnologia”, que apresenta o EPS como protagonista de um ciclo produtivo e reverso totalmente sustentável.

Realizada pelo Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado de Santa Catarina (SIMPESC) e organizada pela Messe Brasil, a Interplast reúne conceituados fabricantes de máquinas e equipamentos e fornecedores de matéria-prima e toda a cadeia nacional do setor no Pavilhão da Expoville, em Joinville (SC), um importante polo de transformação do plástico da América latina.

A Termotécnica é a maior indústria transformadora de EPS da América Latina e líder no mercado brasileiro deste segmento. Produz soluções para Embalagens e Componentes, Conservação, Agronegócios, Cadeia de Frio, Movimentação de Cargas e Construção Civil.

Aos 56 anos, a empresa possui matriz em Joinville (SC) e unidades de produtivas e de reciclagem em Manaus (AM), Petrolina (PE), Rio Claro (SP) e São José dos Pinhais (PR).

Fonte: Assessoria de Imprensa – Termotécnica

Curta nossa página no

A Economia Circular como alternativa à Economia Linear

30/07/2018

Artigo de autoria da Tomra Sorting Recycling

Os recursos naturais são finitos e o impacto do descarte incorrerto no meio ambiente são notórios, refletindo-se, por exemplo, na atual discussão sobre plástico marinho, mudanças climáticas e contaminações. Assim, há enormes desafios para o desenvolvimento de formas inovadoras e eficientes de gestão dos recursos. Para isso, é necessário uma mudança profunda no uso dos recursos que até então estão ao dispor das pessoas, através do reaproveitamento e da reciclagem. A nossa sociedade, conhecida por “fazer, usar e jogar fora”, já atingiu os seus limites e é tempo de repensar a forma como obtemos, usamos, reutilizamos e otimizamos os recursos globais que estão agora causando danos e correndo o risco de se exaurirem um dia.

Desta forma, é essencial percebermos a importância dessas mudanças para garantir a prosperidade do nosso futuro enquanto sociedade. Para isso, é necessário promovermos a transição da nossa economia linear insustentável, que vivemos no presente, para uma economia circular na qual sejamos capazes de recuperar e devolver à cadeia de produção os materiais recicláveis e a energia dos nossos produtos considerados como “lixo”.

No entanto, não estamos a falar de uma tarefa que possa ser feita de um dia para o outro, até porque falamos de um conceito que está pouco enraizado nos nossos costumes. Mas, afinal, o que é a Economia Circular?

Uma economia circular é regenerativa e restaurativa por princípio. Seu objetivo é manter produtos, componentes e materiais em seu mais alto nível de utilidade e valor por todo o tempo. O conceito distingue os ciclos técnicos dos biológicos. Conforme concebida por seus criadores, a economia circular consiste em um ciclo de desenvolvimento positivo contínuo que preserva e aprimora o capital natural, otimiza a produção de recursos e minimiza riscos sistêmicos, administrando estoques finitos e fluxos renováveis. Ela funciona de forma eficaz em qualquer escala.

A economia circular oferece diversos mecanismos de criação de valor dissociados do consumo de recursos finitos. Em uma economia circular verdadeira, o consumo só ocorre em ciclos biológicos efetivos. Fora isso, o uso substitui o consumo. Os recursos se regeneram no ciclo biológico ou são recuperados e restaurados no ciclo técnico. No ciclo biológico, os processos naturais da vida regeneram materiais, através da intervenção humana ou sem ela. No ciclo técnico, desde que haja energia suficiente, a intervenção humana recupera materiais e recria a ordem em um tempo determinado.

A economia circular fundamenta-se em três princípios, cada um deles voltado para diversos desafios relacionados a recursos e sistêmicos que a economia industrial enfrenta: No primeiro princípio, o objetivo passa por preservar e aumentar o capital natural, controlando estoques finitos e equilibrando os fluxos de recursos renováveis. Num segundo princípio passa por otimizar a produção de recursos, fazendo circular produtos, componentes e materiais no mais alto nível de utilidade o tempo todo, tanto no ciclo técnico quanto no biológico. Por fim, o objetivo passa por fomentar a eficácia do sistema, revelando as externalidades negativas e excluindo-as dos projetos.

A Economia Circular e a realidade do mercado brasileiro

A Economia Circular ainda é um tema pouco explorado no Brasil, mas tem ganhado relevancia com o trabalho de instituições como Exchange4Change Brasil, fundado por Beatriz Luz, que no passado mês de maio juntou-se a vários especialistas para debater as oportunidades que o país pode alcançar nos próximos anos relativamente a este conceito. Beatriz Luz salientou que o Brasil tem muito potencial para se inserir nessa nova proposta, principalmente no quesito de matérias-primas.

“A gente tem um país enorme, rico e vasto. E temos que ter um olhar não de desperdício, porque, quando temos muita terra e disponibilidade de matéria prima, a gente acaba desperdiçando muito. Temos que olhar com uma visão de inovação. A economia circular provoca esse olhar criativo e o brasileiro é muito criativo”, explicou durante o evento do qual participou, em São Paulo.

Dentro do fechamento do ciclo produtivo, uma das chaves da economia circular é repensar o design dos produtos, ou seja, trabalhar na composição ou formato que possibilite que aquele material retorne para a cadeia produtiva. Luz citou um estudo da Ellen McArthur Foundation que mostra a cadeia das embalagens plásticas, largamente utilizadas pelas indústrias. O relatório divulgado mostra que 50% das embalagens que existem no mercado podem ser recicladas, mas precisam ainda de muita infraestrutura para isso, enquanto que 20% poderiam ser substituídas por materiais mais duráveis e reutilizáveis. E ainda existem aquelas que não conseguem ser recicladas – pelo menos não com as tecnologias existentes, representando 30%. Ou seja, temos que redesenhar esse tipo de embalagem.

Europa

Do outro lado do Atlântico, a Europa procurou dar o primeiro passo no que diz respeito ao fomento da economia circular. O velho Continente aprovou o PEC (Pacote de Economia Circular), o qual é apoiado totalmente pela Tomra Sorting Recycling. Com este pacote, que altera a legislação em vigor, vai ser possível promover uma economia circular que criará condições de concorrência equitativas entre os estados-membros, estimulará a inovação nos produtos de design e incentivará sistemas de distribuição reversos, iniciativas que vão permitir aumentar a qualidade e quantidade da reciclagem, um dos pilares da economia circular.

De acordo com o relatório intitulado “Towards the Circular Economy”, existem 380 bilhões de dólares em negócios não explorados, apenas na Europa. Outro estudo elaborado pela Fundação Ellen McArthur e McKinsey & Company aponta casos e análises financeiras das oportunidades no sistema batizado de “Economia Circular”: um modelo capaz de desacoplar o crescimento econômico da geração de resíduos. Este estudo destaca quatro fontes de criação de valor para modelos de negócios onde as iniciativas de “fechar o ciclo” dos produtos podem ser muito rentáveis: manutenção, redistribuição, remanufatura e reciclagem.

Estima-se, que as economias emergentes na Ásia, América Latina, África e Oriente Médio removerão três bilhões de pessoas da pobreza nas próximas décadas, o que permite criar uma demanda cada vez mais crescente de bens de consumo por parte das novas classes médias.

O olhar da Tomra Sorting Recycling sobre a economia circular

Através da criação de soluções baseadas em sensores equipados para entregar uma produtividade ótima dos recursos, a Tomra tem por ambição estar entre os líderes desta revolução de recursos – que visa substituir o sistema atual, que é baseado no consumo ao invés da recuperação dos recursos não-renováveis. O fornecimento de soluções inteligentes que otimizam os recursos disponíveis – pesquisar, usar, recuperar, reciclar e revitalizar – permite à Tomra fazer uma contribuição chave para mudar a perspectiva padrão da sociedade sobre o conceito de recursos sustentáveis.

As soluções baseadas em tecnologias de ponta e novas aplicações permitem uma otimização da recuperação dos resíduos, o que aumenta a qualidade e a quantidade dos resíduos recuperados. No mercado brasileiro, a economia circular pode ser um dos pilares do futuro. De acordo com Carina Arita, Diretora Comercial da Tomra Sorting Recycling Brasil, “a Economia Circular pode ter um papel preponderante tendo em conta o número elevado de resíduos que consumimos diariamente”. A Tomra tem procurado trabalhar junto com as plantas de triagem para estimular a reciclagem e aumentar assim o nível de pureza dos materiais. Com uma maior conscientização, vamos conseguir ter um futuro melhor”, explicou a responsável da Tomra.

A Tomra Sorting Recycling projeta e fabrica sistemas de seleção por sensores para a indústria global de reciclagem e gestão de resíduos. Mais de 5.500 sistemas foram instalados em 80 países em todo o mundo. Responsável pelo desenvolvimento do primeiro sensor infravermelho de alta capacidade (NIR) do mundo para aplicações de triagem de resíduos, a Tomra Sorting Recycling continua a ser pioneira na indústria com dedicação à recuperação de frações de alta pureza de fluxos de resíduos. A Tomra Sorting é de propriedade da empresa norueguesa Tomra Systems ASA, que está listada na Bolsa de Valores de Oslo. Fundada em 1972, a Tomra Systems ASA tem um volume de negócios de cerca de € 750m e emprega mais de 3.500 pessoas.

Curta nossa página no

Wortex apresenta equipamentos com diferenciais competitivos e tecnológicos durante a Interplast 2018

30/07/2018

A Wortex participa da Interplast com a exposição das Linhas: Challenger Recycler, Challenger Compounder, moinhos, roscas e cilindros. A Challenger Recycler Geração II processa uma grande variedade de resíduos de filmes lisos, impressos e metalizados, tais como:  PE, LLDPE, LDPE,  MDPE,  HDPE,  BOPP,  PP,  PVC,  Ráfia,  Não Tecidos,  Nylon,  Polinylon,  Filmes de multicamadas. Materiais sólidos de injeção e sopro podem ser dosados no filme. Segundo a Wortex, o diferencial da linha é a capacidade de processar materiais plásticos rígidos e flexíveis com eficiência e baixo custo operacional. Podendo processar 100% de materiais flexíveis, 100% de materiais rígidos ou aglutinados ou 80% de material flexível com adição de até 20% de material rígido.

A Linha Challenger Compounder é uma extrusora mono rosca, idealizada para substituir com qualidade e eficiência algumas máquinas de dupla rosca a um custo-benefício extremamente vantajoso, afirma a empresa. A linha é projetada para as indústrias que necessitam desenvolver e compor suas próprias blendas ou granular plásticos rígidos (injeção, sopro e extrusão).

Outro item que será apresentado é a linha própria do Moinho Wortex, desenvolvido com o objetivo de ampliar a eficiência na moagem, a baixo consumo energético. Os moinhos possuem corte em “V” com facas rotativas e fixas, ajustadas fora do moinho por meio de dispositivo de alinhamento, evitando ajustes dentro do próprio moinho. Outro diferencial é o fácil acesso à peneira que facilita a sua troca e limpeza, garante a fabricante.

A Wortex expõe ainda roscas e cilindros (monos e duplos) bimetálicos e nitretados para máquinas de injeção, sopro e extrusão executados em equipamentos de precisão, com diâmetros de 25mm a 400mm e comprimentos de até 10.000mm. De acordo com a empresa, os componentes são fabricados com aços com tratamentos especiais, adequados à matéria-prima processada e ligas bimetálicas que, incorporadas nas roscas e nos cilindros, garantem longa durabilidade, alta precisão de alinhamento e CE concentricidade, máxima resistência à abrasão e corrosão.

A Wortex atua ainda com projetos especiais de roscas desenvolvidos de acordo com as necessidades de cada cliente, considerando produtividade, plastificação e homogeneização.

Fundada em 1976, em Campinas, SP, a Wortex é uma empresa 100% nacional que fabrica equipamentos para extrusão, reciclagem, granulação, moinhos, roscas e cilindros para injeção, sopro e extrusão. A Wortex tem knowhow para implementar linhas completas de reciclagem em empresas, principalmente com plásticos do pós-consumo, aparas e rejeitos da produção, evitando o seu acúmulo em aterros sanitários. . Os equipamentos também são certificados pela norma NR12.

Fonte: Interplast

Curta nossa página no

Plástico do Bem

29/07/2018

Artigo de Albano Schmidt
Presidente do Simpesc – Sindicato da Indústria de Material Plástico de Santa Catarina

Recentemente a ONU, Organização das Nações Unidas, protagonizou a campanha “#Acabe Com a Poluição Plástica”, onde o plástico aparece como um dos principais causadores de danos ao meio ambiente. Ao destacar apenas pontos negativos, a ação reforça a ideia de que este produto é sinônimo de poluição e leva os extremistas a enaltecerem o discurso de acabar com o seu uso.

Sou absolutamente contra o mote dessa campanha, que decidiu – de maneira irresponsável – que o plástico é um monstro poluidor. Tudo o que está em nossa volta contém, é transportado ou acondicionado por um material plástico. Nos hospitais, ele está nos medicamentos, vacinas, materiais cirúrgicos e implantes. Os alimentos e a água são transportados e acondicionados por ele.

Outro exemplo emblemático é a sacola plástica distribuída nos supermercados. Querem eliminá-la e usar a retornável, de tecido. Ok, mas depois de usadas, as sacolas retornáveis precisam ser higienizadas. Usaremos água e detergente? E quem vai tratar essa água? E a natureza? Esse não era o grande apelo para eliminarmos o plástico? Não precisa lavar a sacola retornável? Depois de alguns usos, essa sacola estará conduzindo, transmitindo e será vetor de multiplicação de bactérias, microrganismos e fungos, estará contaminada e será um perigo para a sociedade. Enfrentaríamos seríssimos problemas de saúde pública.

Desafio alguém a conseguir viver sem o plástico, um único dia! Plástico é um produto do bem, é útil e importante. O grande vilão é a sociedade, que não dá o destino adequado. Temos que utilizar menos, reutilizar e encaminhar para o descarte adequado. Jogá-lo na natureza é uma irresponsabilidade. Até hoje nunca vi uma sacolinha com perninha indo tomar banho de rio. A ONU deveria aproveitar seu prestígio para transformar as pessoas, conscientizando-as a dar o destino adequado ao lixo.

Para que a gente construa um futuro humano e digno – para nós mesmos, mas principalmente para nossos filhos e netos – a separação e destinação do lixo para reciclagem precisa fazer parte da nossa rotina. Dar o destino correto ao lixo é um assunto sério e muito urgente, é uma mudança de atitude para a vida, em favor da vida, e deve acontecer agora.

Curta nossa página no

Nutpods fecha parceria com SIG para lançar primeira Signature Pack na América do Norte

13/07/2018

A nutpods lançará sua edição sazonal de creme Pumpkin Spice na primeira embalagem cartonada asséptica da América do Norte feita com polímeros de materiais renováveis de origem vegetal da SIG

A Signature Pack está alinhada à estratégia de sustentabilidade da SIG, “Way Beyond Good”, de oferecer para os consumidores soluções sustentáveis em embalagens para alimentos.

A nutpods, pioneira no mercado de cremes para café, criou uma deliciosa alternativa ao creme lácteo, que é natural e sem aditivos. A empresa começou 2018 com mudanças e novos clientes. Em setembro, em parceria com a SIG, a nutpods lançará a edição sazonal do creme Pumpkin Spice na primeira embalagem cartonada asséptica da América do Norte feita com polímeros renováveis de origem vegetal: a Signature Pack da SIG.

Solução de origem vegetal

Como uma inovadora na sua categoria, a nutpods tornou-se uma das marcas com crescimento mais rápido no país. Ao escolher a inovadora solução da SIG, a Signature Pack, a nutpods confirma seu compromisso com a sustentabilidade.

“Estamos muito animados em estender nossa estória de produtos de origem vegetal para uma embalagem de origem vegetal. Um dos cinco valores da empresa é reduzir o impacto ambiental o máximo possível, ” diz a fundadora e CEO da nutpods, Madeline Haydon. “Nossos clientes dependem de nós para receber não apenas produtos de alta qualidade com excelente sabor, mas também para capitanear as melhorias ambientais em nossa categoria e a Signature Pack é uma das formas de mantermos esta liderança. ”

Embalagem sustentável

As embalagens Signature Pack são feitas principalmente de papelão e polímeros de origem vegetal, por balanço de massa. Isto significa que para os polímeros usados na Signature Pack, uma quantidade equivalente de estoque de bio materiais entra na produção dos mesmos. Segundo a empresa, para garantir a integridade do processo, o balanço de massa é certificado por terceiros internacionalmente reconhecidos. Os polímeros da embalagem Signature Pack estão ligados a materiais de origem vegetal de fontes europeias e usam sistemas de certificação reconhecidos e auditados para garantir sua rastreabilidade.

O selo Signature Pack estará nas embalagens do creme sazonal da nutpods junto com o selo FSC™ que confirma que a madeira usada na produção da celulose do cartão vem de florestas com manejo sustentável.

Segundo Yasmin Siddiqi, Head de Marketing da SIG América do Norte, “Encontramos na nutpods um parceiro que compartilha a mesma visão de criação de um futuro mais sustentável. A Signature Pack é uma das mais recentes inovações da SIG dentro da estratégia “Way Beyond Good”. A SIG tem o compromisso de oferecer para os clientes soluções em embalagens para alimentos mais sustentáveis e contribuir mais para a sociedade e para o meio ambiente do que recebe deles. ” Para a VP de Operações da nutpods, Tara Foster, “Continuamente buscamos novas formas de alavancar nosso negócio, reduzindo o impacto ambiental e achamos na SIG um grande parceiro. Seu produto nos permite manter o compromisso com a qualidade e consumir menos recursos fósseis. É um jogo “ganha-ganha”.

A nutpods é a primeira marca de alimentos da Green Grass Foods Inc., uma fabricante independente de alimentos naturais, sediada em Seattle, Washington, e dedicada à produção de produtos não lácteos com ingredientes de origem vegetal. Lançada em 2015, a nutpods rapidamente encontrou consumidores fieis no programa Whole30®, nos paleos (dieta das cavernas), ketos (low carb), veganos e vegetarianos que querem cremes para o café e para o chá de alta qualidade e ingredientes versáteis para receitas doces. Os produtos nutpods são vendidos no varejo em todo o país, bem como pela Amazon, Thrive Market e outros e-commerces.

A SIG é líder no fornecimento de sistemas e soluções para embalagem asséptica. A empresa trabalha em parceria com seus clientes para garantir alimentos seguros e sustentáveis. Fundada em 1853, a SIG está sediada em Neuhausen, Suíça. Possui 5.000 colaboradores em todo o mundo atendendo clientes em 65 países. Em 2017, a SIG produziu 33,6 bilhões de embalagens cartonadas e faturou €1,66 bilhão.

Fonte: Assessoria de Imprensa – SIG

Curta nossa página no

DSM é reconhecida como um dos fornecedores sustentáveis da Apple

01/05/2018

Atenta à necessidade de realizar uma operação mais sustentável para combater as mudanças climáticas e promover uma manufatura que minimize os danos ao meio ambiente, a Apple divulgou em abril uma lista dos parceiros que assumem esse compromisso juntamente à empresa. E a DSM está entre eles, por meio da divisão DSM Engineering Plastics, que desenvolve e fornece os polímeros e compostos para produção de cabos e conectores dos produtos da Apple.

Esta não é a primeira vez que a DSM é lembrada por suas práticas sustentáveis globalmente. Em 2017, a DSM ficou entre as dez empresas mais sustentáveis do planeta do ranking “100 World´s Most Sustainable Corporations in the World”, da revista canadense de economia e negócios Corporate Knights. Este reconhecimento reitera o compromisso da DSM – e de todas as suas áreas de negócios – com questões relacionadas a mudanças climáticas e redução das emissões de carbono.

Como a DSM tem a sustentabilidade no foco da sua atuação, a companhia tem a meta de que a venda de produtos sustentáveis seja responsável por 65% da sua receita até 2020; ao final de 2016, a empresa já havia chegado à marca de 63%, com um portfólio de produtos ambientalmente e socialmente amigável. “Levar a sustentabilidade para os produtos é uma evolução importante e necessária e que a DSM tem demonstrado ser economicamente viável”, afirma Zenaide Guerra, diretora de assuntos corporativos e responsável pela área de sustentabilidade da DSM para a América Latina.

Portfólio sustentável ao longo da cadeia de valor

Para avaliar qual produto de seu portfólio é considerado sustentável, a DSM aplica uma abordagem de ciclo de vida e mede os impactos ambientais e sociais ao longo de toda a cadeia de valor. A análise tem início na extração de matérias-primas, passa pela produção, fabricação, transporte e uso, até chegar ao fim da vida do produto, englobando ainda a reciclagem. As análises seguem padrões internacionais de certificação e as diretrizes do Conselho Mundial de Negócios para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD, na sigla em inglês), grupo de CEO’s que atua como conselheiro da ONU para o tema.

Depois da análise do ciclo de vida e mensuração, os produtos ainda precisam estar em patamares superiores aos da concorrência, do ponto de vista de impactos ao meio ambiente ou trazendo benefícios para a vida dos consumidores, funcionários ou para a cadeia de produção. “Evoluir de processos sustentáveis para produtos sustentáveis, ter critérios de análise internacionalmente reconhecidos, dar transparência a todo o processo e determinar metas de médio e longo prazos são quatro pontos essenciais para conseguirmos responder positivamente à pergunta se as empresas podem efetivamente contribuir para se atingir os objetivos do milênio”, afirma Zenaide.

Fonte: Assessoria de Imprensa – DSM

Curta nossa página no

Enzima que “come” PET é produzida acidentalmente por cientistas britânicos e americanos

17/04/2018

Segundo matéria publicada pela Deutsche Welle, reproduzida a seguir, pesquisadores produziram, por acidente, uma enzima capaz de degradar plásticos PET e que pode ajudar a diminuir a poluição causada pelo material, principalmente garrafas plásticas.

Enzima descoberta acidentalmente poderá facilitar reciclagem de plástico

Pesquisadores nos Estados Unidos e no Reino Unido produziram por acidente uma enzima que consome plásticos, revelou um estudo divulgado nesta segunda-feira (16/04). A descoberta poderá ajudar a reduzir o grave problema da poluição causada pelo produto derivado do petróleo.

Cientistas da Universidade de Portsmouth e do Laboratório de Energias Renováveis do Departamento de Energia dos EUA decidiram concentrar seus esforços numa bactéria de ocorrência natural descoberta no Japão há alguns anos.

Pesquisadores japoneses acreditam que a bactéria Ideonella sakaiensis se desenvolveu nas últimas décadas num centro de reciclagem, uma vez que até os anos 1940 o plástico ainda não tinha sido inventado. O organismo parece se alimentar exclusivamente de um tipo de plástico conhecido como Politereftalato de etileno (PET), amplamente utilizado na fabricação de garrafas.

Os cientistas buscavam compreender o funcionamento de uma das enzimas dessa bactéria, denominada PETase, analisando sua estrutura. “Eles acabaram avançando um passo à frente e acidentalmente desenvolveram uma enzima que consegue desmembrar ainda melhor os plásticos PET”, afirma o relatório divulgado na publicação científica americana Procedimentos da Academia Nacional de Ciências (PNAS).

Utilizando um raio-X de brilho dez bilhões de vezes mais forte do que o Sol, eles conseguiram elaborar um modelo tridimensional de alta resolução da enzima.

Cientistas da Universidade de Campinas (Unicamp) e da Universidade do Sul da Flórida desenvolveram através de computadores um modelo que demonstrava que a PETase era bastante semelhante a outra enzima, a cutinase, encontrada em fungos e bactérias.

Uma área da PETase, porém, apresentava algumas diferenças, levando os cientistas a deduzir que esta seria a parte que permitiria a degradação do plástico. Ao modificar essa enzima, tornando-a mais semelhante à cutinase, os pesquisadores descobriram acidentalmente que a enzima mutante conseguia degradar o plástico com eficácia ainda maior do que a PETase.

Os cientistas trabalham agora em melhorias nessa enzima, para que possa, no futuro, ser desenvolvida em grande escala e utilizada no setor industrial. O objetivo ao quebrar o plástico em partes menores seria permitir que ele seja reutilizado de maneira mais eficiente.

“O acaso muitas vezes tem um papel significativo na pesquisa científica fundamental, e nossa descoberta não é exceção”, afirmou o autor do estudo, o professor John McGeehan, da Faculdade de Ciências Biológicas de Portsmouth.

“Ainda que modesta, a descoberta inesperada sugere que há espaço para desenvolver ainda mais essas enzimas, nos aproximando de uma solução para reciclar as montanhas de dejetos de plástico que não param de crescer”, observou.

Mais de oito milhões de toneladas de plástico são despejadas anualmente nos oceanos, enquanto aumenta a preocupação com os problemas causados à saúde humana e ao meio ambiente. Apesar dos esforços globais para reciclar essa matéria-prima, a maior parte dos produtos plásticos sobrevive durante centenas de anos.”

Link para a matéria no site da Deutsche Welle a seguir: http://www.dw.com/pt-br/cientistas-desenvolvem-enzima-que-come-pl%C3%A1stico/a-43417084

Curta nossa página no

Evonik lança nova sílica para a produção de pneus verdes para SUVs e todas as estações

20/03/2018

  • Novo produto destina-se a uso em pneus especialmente largos para SUVs e em pneus de alta quilometragem para todas as estações
  • Devido à sua área superficial específica mais alta, o novo grade de sílica acrescenta uma rigidez adicional ao composto da banda de rodagem
  • Material foi apresentado na Tire Technology Expo em Hanoverde 20 a 22 de fevereiro de 2018

Segundo a Evonik, sua tecnologia Sílica/Silano, usada em pneus verdes, consegue economizar até 8% de combustível. Com o desenvolvimento do Ultrasil® 7800 GR, uma sílica com área superficial customizada que, segundo a Evonik, atende às demandas extremas dos pneus para SUVs e para todas as estações, a empresa agora dá um passo adiante em inovação. “O desafio dos pneus para SUVs é conferir rigidez suficiente, a despeito do tamanho dos pneus”, explica o Dr. Hark-Oluf Asbahr, Marketing Rubber Silica. “Com o Ultrasil® 7800 GR, nós conseguimos chegar à mistura perfeita para combinar prazer de dirigir, segurança na estrada e eficiência de recursos em um único produto”.

A Evonik afirma que o seu novo Ultrasil® 7800 GR atinge o equilíbrio perfeito de máxima aderência e mínima resistência à rolagem em pneus de superfície larga e em pneus com requisitos de alta quilometragem, como os pneus para todas as estações. Isso se deve à área superficial específica do Ultrasil® 7800 GR que, segundo a empresa, foi aumentada em comparação com o Ultrasil® 7000, mediante intensos esforços de desenvolvimento.

O emprego do novo Ultrasil® 7800 GR reforça o composto da banda de rolagem e confere a rigidez necessária aos pneus. “A resposta direta entre o pneu e o sistema de direção resulta em um aumento significativo da segurança – inclusive no caso de distâncias de frenagem curtas e molhadas”, explica Asbahr. A melhora da resistência à abrasão também contribui para o aumento da vida útil, exercendo um efeito positivo sobre a avaliação do ciclo de vida. Dessa maneira, pode-se combinar um alto nível de segurança no trânsito com menor consumo de combustível e menos emissões de CO2, mesmo com pneus esportivos, afirma a Evonik.

A despeito da alta área superficial específica, o produto é relativamente fácil de processar e permite um processo de produção eficiente e rápido na fabricação de pneus, assegura a Evonik. “A demanda por SUVs está consistentemente em alta no mundo inteiro”, diz o Dr. Bernhard Schäfer, responsável pelo segmento Rubber Silica. “É por isso que foi particularmente importante responder aos impulsos do mercado e desenvolver um novo produto que já hoje cumpre os requisitos de amanhã”.

Uma vez que os Estados Unidos são o maior mercado de SUVs, a partir de agora o Ultrasil® 7800 GR será produzido nesse país”. A Evonik respondeu à crescente demanda por sílica por meio da construção e uma nova fábrica em Charleston, Carolina do Sul, no sudeste do país. A nova planta de sílica de escala mundial deve iniciar suas operações em meados de 2018, quando também o Ultrasil® 7800 GR passará a ser fabricado no local.

Fonte: Evonik

Curta nossa página no

Novo sistema de detecção de objeto por laser da Tomra identifica objetos pretos e vidro para aumentar pureza de papel reciclado

19/03/2018

A Tomra Sorting apresenta o seu novo sistema de Detecção de Objeto por Laser (LOD), o qual, quando usado em combinação com o Autosort ou com o Finder, aumenta a capacidade de seleção dos processos, permitindo que as operações de reciclagem de resíduos urbanos, resíduos eletroeletrônicos e sucata metálica atinjam níveis únicos de pureza do produto final no mercado, afirma a empresa. Com a tecnologia Tomra laser, que seleciona com base nas características espectrais e espaciais do material processado, o novo LOD detecta materiais que a tecnologia do infravermelho próximo (NIR) é incapaz de identificar.

“A tecnologia NIR não pode detectar itens como plástico preto e borracha, vidro e outros itens de resíduos”, explica Carlos Manchado Atienza, diretor regional das Américas para a Tomra Sorting, Inc. “Ao combinar nossa nova tecnologia LOD, que pode detectar esses itens, com nossos poderosos sistemas Autosort e Finder, a Tomra mais uma vez lidera a indústria no desenvolvimento e adaptação de tecnologia para atender às constantes especificações em evolução no mercado”.

O LOD oferece às instalações de reciclagem uma solução de baixo consumo e baixo investimento para atender aos requisitos de pureza do cliente. Segundo a empresa, o novo sistema de classificação Tomra aumenta a pureza do produto final em até 4%, sem sacrificar a produtividade do circuito. Seu design modular permite que o sistema LOD flexível seja adicionado na mesma plataforma que o equipamento de classificação Tomra de última geração já existente. Alternativamente, pode ser adicionado ao circuito como sua etapa de seleção própria.

Desenvolvido para instalação e programação simples e rápidas em plantas existentes, o novo LOD é montado mecanicamente em uma plataforma. Ao contrário de outros sistemas, este arranjo permite que materiais de entrada grandes e pequenos passem sob o laser sem bloqueio.

“A LOD é o complemento perfeito para o equipamento Tomra existente dentro de uma linha de processamento para promover aos níveis de pureza que atendam aos requisitos do produto final cada vez exigentes, como o caso da China National Sword”, comenta Ralph Uepping, diretor técnico de reciclagem na Tomra Sorting. “O aumento dos níveis de pureza do produto expande o potencial do mercado e aumenta o potencial de lucro para os clientes”.

Separando vidro de papel

Ao contrário de métodos alternativos que apresentam alto consumo de energia, o novo sistema LOD da Tomra, de forma econômica, separa o vidro, material plástico e plástico preto do papel, aumentando significativamente a qualidade do produto, afirma a empresa. A tecnologia de detecção de fundo independente garante que o laser identifique os materiais não visíveis pelo NIR (infravermelho) presentes na esteira, reduzindo o ruído de fundo e dando às operações a flexibilidade para usar qualquer tipo de alimentação a linha, garante a Tomra.

De acordo com a empresa, quando combinado com a sua tecnologia de infravermelho do Autosort – seja adicionado a um sistema existente ou adicional à linha – o LOD oferece aos clientes uma solução eficiente para melhorar a qualidade do produto sem sistemas de ar que provoquem suspensão de partículas de poeira, levem a perda de papel ou aumentem tempo de indisponibilidade da linha para limpeza. Um design aberto permite que uma variedade de materiais, desde pequenos pedaços de papel até caixas grandes passem pelo laser sem medo de obstrução ou recalibração do classificador.

Aumento do valor agregado da Zorba e Zurik

Segundo a Tomra, o LOD oferece integração fácil e rápida em instalações de processamento de sucata metálica associando-se ao seu sistema Finder, que possui o Reconhecimento Inteligente de Objeto (IOR) para seleção de metais não ferrosos, como alumínio e aço inox. O LOD separa a borracha preta, o vidro e o material plástico dos produtos Zorba e Zurik, permitindo que as operações transformem essas commodities em produtos mais valiosos. A pureza do material oferecida pelo LOD pode permitir redução no controle de qualidade necessário no final do processo, reduzindo custos operacionais.

Para operações em espaços pequenos, o novo LOD pode ser instalado na plataforma Finder existente para aumentar a qualidade do produto final em 3-4% e assim atender aos novos regulamentos de importação de sucata da China em 2018. O separador baseado no sensor laser é flexível pode se adaptar a sistemas com larguras de 1.200 mm, 1.800 mm ou 2.400 mm, afirma a empresa.

Fonte: Assessoria de Imprensa Tomra

Curta nossa página no

Planta de recuperação de plásticos da Montello SpA, na Itália, utiliza 40 máquinas Tomra para separação de resíduos

20/02/2018

Quarenta máquinas da Tomra com inovadora tecnologia de sensores permitem que o centro da Montello SpA, localizado perto de Bérgamo, Itália, dê uma segunda vida às toneladas de plástico pós-consumo que chegam de toda região de Lombardia.

Montello SpA, Bérgamo é uma história de sucesso e um exemplo de reconversão industrial visando a economia verde. O redirecionamento da empresa remonta a 1996, quando, no período de crise da indústria siderúrgica, a administração decidiu suspender a produção de barras de ferro para construção civil e se transformar em um dos mais avançados centros de tratamento de resíduos da Europa, o único na Itália que realiza o ciclo completo.

Foi uma decisão acertada. Atualmente, Montello S.p.A. ocupa uma área industrial de 350.000 m2, sendo 120.000 m2 cobertos. A empresa emprega cerca de 500 funcionários. A tecnologia permeia toda a empresa, que conta com máquinas de seleção ótica da Tomra Sorting Recycling capazes de identificar os diferentes tipos de plástico. Apenas uma percentagem pequena ocorre manualmente.

Cerca de 150 mil toneladas de embalagens de plástico pós-consumo são recuperadas e recicladas. Isso representa, para o meio ambiente, cerca de 200 mil toneladas de emissões de CO2 por ano. Além disso, a empresa faz triagem e tratamento de cerca de 300 mil toneladas de resíduos orgânicos coletados separadamente, da qual a empresa extrai o biogás (para a produção de energia que alimenta suas instalações) e fertilizantes de qualidade.

A colaboração com a Tomra Sorting Recycling se deu desde o início. Em 1999, foi construída a primeira planta de seleção automática na Itália para selecionar garrafas plásticas de acordo com os requisitos do consórcio italiano para reciclagem e recuperação de plásticos, COREPLA (PET transparente, PET azulado, PET colorido e PEAD). Segundo a Tomra, esta escolha foi tão eficaz que o fluxograma do processo definido nesta primeira instalação ainda é considerado como referência em todas plantas de triagem COREPLA equipadas com sistemas de seleção baseada em sensores.

Hoje, a planta Montello possui 40 máquinas de seleção Autosort, que são usadas principalmente para selecionar e reciclar embalagens plásticas pós-consumo.

As máquinas Autosort da Tomra combinam sensores de espectroscopia NIR (infravermelho próximo) e VIS (espectro visível) em um sistema de seleção modular que rápida e precisamente reconhece e separa grande quantidade de material de acordo com o seu tipo e composição, obtendo assim frações de cada material com grande pureza. A tecnologia NIR é utilizada para a detecção dos polímeros e a tecnologia VIS para as cores.

Além das embalagens plásticas de Milão e Bergamo, 60% do plástico proveniente da Lombardia também chega na planta de Montello. No caso de Milão (através da empresa de coleta de resíduos AMSA), junto com os plásticos são levadas as latas de alumínio, que também são selecionadas.

O trabalho de triagem é realizado através de peneiras, balísticos e aspiradores, mas, acima de tudo, pelos separadores Autosort da Tomra de alta resolução NIR (infravermelhos), distribuídos em 6 linhas diferentes; a separação é realizada por tipo de polímero e, no caso das garrafas de PET, também por cor, a uma velocidade de 3 m/s. A matéria-prima secundária obtida é subdividida em: flakes de PET (politereftalato de etileno), grãos de resina de PEAD (polietileno de alta densidade) de frascos como detergentes, grãos de resina de LDPE (polietileno de baixa densidade) e poliolefinas misturadas, provenientes de sacos de compras e embalagens de filme plástico.

A matéria-prima secundária é revendida para produção de novas embalagens, objetos, recipientes, material de construção, vasos e outros itens plásticos. Além disso, tem um produto acabado que é produzido em Montello: a geomembrana estruturada, que é usada como isolante na construção.

Nestas instalações, 80% de plástico é transformado em matéria-prima secundária e outros 20% em combustível derivado de resíduos (usado como substituto do carvão de coque em cimenteiras e alto fornos). Nada é enviado para o aterro sanitário.

“Entre as tecnologias aplicadas ao nosso sistema de produção, as soluções fornecidas pela Tomra garantem ótimo desempenho e estamos muito satisfeitos com isso”, disse Angelo Giavazzi, o diretor técnico de Produção da Montello S.p.A.

Esta planta ocupa o primeiro lugar na Itália entre as instalações da COREPLA devido à quantidade de material que processa por ano e à eficiência da separação. Isso também é possível graças a tecnologia da Tomra Sorting Recycling.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tomra

Curta nossa página no

Karina Plásticos passa a usar o Polietileno Verde em seu portfólio de produtos

20/02/2018

Por meio de uma nova parceria com a Braskem, a Karina Plásticos agrega mais um produto em seu portfólio com o Polietileno Verde I’m greenT para o mercado de fios e cabos. Os produtos da linha “Karintox Eco” já estão disponíveis no mercado e podem ser identificados pelos consumidores por meio do selo “I’m greenT“. O selo é a identificação para produtos feitos com o Plástico Verde da Braskem.

“Em um momento em que buscamos incansavelmente condições competitivas para sobreviver em um mercado complicado e vindo de um período altamente recessivo, identificamos através dessa ação conjunta com a Braskem um nicho importante que, sem dúvida, irá destacar a Karina nessa indústria tão confrontada por situações nocivas ao meio ambiente. Atuando inicialmente no mercado de Fios e Cabos com um produto isento de halogênio, agora também incorporamos em sua formulação uma matéria-prima originada de uma cadeia renovável”, destaca Edson Penido, comercial da Karina.

A Karina possui uma linha de produtos formada por Compostos de PVC, Especialidades Poliolefínicas e uma variedade de cores de Masterbatches.

Gustavo Sergi, diretor de Químicos Renováveis da Braskem, comentou sobre o assunto: “Essa parceria comprova novamente que a indústria brasileira e os seus clientes estão interessados em soluções inovadoras, ainda mais sustentáveis e que agreguem valor ao produto final. Esta nova parceria com a Karina demostra que estamos preparados para atendê-los com um amplo portfólio”.

O Polietileno Verde I’m greenT é feito a partir do eteno obtido da cana-de-açúcar. A planta de Polietileno Verde da Braskem possui capacidade de produção de 200 mil toneladas por ano. Segundo a empresa, o Polietileno Verde captura e fixa 3,09 toneladas de CO2 da atmosfera para cada tonelada de resina produzida durante o seu ciclo de produção, colaborando para a redução da emissão dos gases causadores do efeito estufa. Além disso, a resina de origem renovável mantém todas as propriedades técnicas e mecânicas do plástico convencional, de origem fóssil, o que permite a sua utilização e reciclagem usando máquinas já existentes, sem necessidade de adaptação.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Tomra Sorting Recycling garante grande contrato com empresa recicladora na Austrália para fornecer tecnologia de separação automática

15/01/2018

Líder em tecnologia de seleção baseada em sensores, a Tomra Sorting Recycling potencializa a indústria de reciclagem para reduzir drasticamente os resíduos destinados ao aterro sanitário

A Tomra Sorting Recycling anunciou a sua nova parceria com a SKM Recycling (SKM), com sede em Laverton North, em Victoria, na Austrália. Como líder da indústria no processamento de recicláveis de resíduos domésticos e comerciais, a SKM selecionou a Tomra para fornecer 40 unidades Autosort com recursos modernos e a nova tecnologia laser 3D para três novas plantas de classificação.

Para atender às demandas em constante mudança no mercado, a SKM está construindo três novas fábricas para processar mais de 350 mil toneladas de material coletado pela Coleta Seletiva por ano. O foco principal das plantas de reciclagem da SKM é processar o resíduo separando-o em frações de papel, plásticos, metais e vidro, classificando-os e separando-os produtos de alta qualidade. A primeira planta deverá entrar em funcionamento no início de 2018.

A fábrica da SKM em Laverton pretende se tornar a planta de processamento de materiais recicláveis tecnicamente mais avançada e automatizada na Oceania, integrando várias etapas da tecnologia de triagem Tomra na separação de papel e outros materiais recicláveis. A solução tecnológica avançada da Tomra proporcionará à SKM uma vantagem competitiva única e forte e posicionará a SKM para atender demandas cada vez mais rigorosas de qualidade dos produtos finais.

Esta tecnologia de triagem também resultará em maior índice de recuperação do produto reciclável extraído do fluxo de resíduo residencial, reduzindo os materiais descartados em aterro, promovendo uma melhor qualidade nos produtos recicláveis e oferecer maiores benefícios ambientais.

Reconhecida em todo o mundo pela sua tecnologia líder de classificação baseada em sensores, a Tomra Sorting Recycling também foi reconhecida na Austrália por seus conhecimentos especializados e consultoria. Robert Italiano, gerente de negócios da SKM, comentou sobre a nova parceria: “Estamos convencidos pela tecnologia robusta e confiável da Tomra. Entretanto, foi a sua capacidade de suporte na criação de conceitos otimizados de planta que nos fez escolher a associação com a Tomra. Nossa confiança em seu conhecimento e suporte técnico é inabalável e é respaldada pela garantia da Tomra em executar. Estamos orgulhosos de implantar as instalações de recuperação de materiais mais avançadas da Austrália “.

Tom Jansen, gerente comercial da Tomra Sorting Recycling, acrescenta: “Ganhar um contrato tão grande significa que a SKM colocou muita confiança na Tomra e na nossa mais nova tecnologia. Estou ansioso para ver as plantas ultramodernas em operação “.

A SKM Recycling (www.skmrecycling.com), criada em 1999, fornece serviços de coleta de resíduos para municípios, indústrias, hospitais e empresas locais. À medida que a indústria de reciclagem continua a se expandir, a empresa evoluiu para se tornar líder na triagem de resíduos coletados de residências, clientes privados e serviços de beneficiamento de vidro. A empresa totalmente australiana possui escritórios em Victoria, Austrália do Sul, Tasmânia e Nova Gales do Sul. A SKM presta serviços a muitos Municipios e Consórcios Regionais para o Gerenciamento de Resíduos em todo o Sudeste da Austrália. O material reciclável recebido é classificado e vendido aos fabricantes para reprocessamento em novos produtos diversos.

A Tomra Sorting Recycling (https://www.tomra.com/pt/sorting/recycling)projeta e fabrica tecnologias de seleção por sensores para a indústria global de reciclagem e gestão de resíduos. Mais de 4.900 sistemas foram instalados em 50 países em todo o mundo. Responsável pelo desenvolvimento do primeiro sensor infravermelho de alta capacidade (NIR) do mundo para aplicações de triagem de resíduos, a Tomra Sorting Recycling continua se dedicando à recuperação de frações de alta pureza de fluxos de resíduos. A Tomra Sorting é de propriedade da empresa norueguesa Tomra Systems ASA, fundada em 1972, com um volume de negócios de cerca de € 750m , atualmente empregando mais de 3.500 pessoas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tomra Sorting Recycling

Curta nossa página no

Gases de efeito estufa: unidade brasileira da Rhodia já eliminou quase 60 milhões de toneladas de CO2

09/01/2018

A Rhodia, empresa do Grupo Solvay, está completando 10 anos de funcionamento ininterrupto com a unidade industrial de abatimento de gás de efeito estufa instalada no complexo industrial São Francisco, em Paulínia (SP), contabilizando a eliminação nesse período de quase 60 milhões de toneladas de CO2-equivalente. Segundo a empresa, esse total corresponde a retirar de circulação uma frota da ordem de 10 milhões de veículos movidos a combustível fóssil.

Construída dentro do escopo do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo do Protocolo de Kyoto, essa unidade industrial elimina da atmosfera o óxido de nitrogênio (N2O), considerado um gás de efeito estufa. De acordo com a empresa, este é o maior projeto da era Kyoto em funcionamento na América Latina e está entre os 10 maiores do mundo e tem dado uma contribuição importante para as metas de redução de emissões de carbono do Grupo Solvay e da indústria química brasileira.

O Grupo Solvay fixou o objetivo global de reduzir em 40% a intensidade das emissões de gases de efeito estufa e ter 50% de seu faturamento associado a soluções sustentáveis até 2025 (tendo como base o ano de 2015). Em três anos, já reduziu em 30% a intensidade das emissões e as soluções sustentáveis respondem atualmente por 43% do faturamento, afirma a empresa.

Além da eliminação de gás de efeito estufa, a instalação dessa unidade permitiu o desenvolvimento de tecnologias e a formação de profissionais especializados em meio ambiente. Ao mesmo tempo, gerou receitas para a empresa por meio de créditos de carbono atrelados ao Protocolo de Kyoto, que deixaram de existir no encerramento do programa no final de 2012.

Porém, em razão de seu compromisso ambiental e com os negócios sustentáveis, o Grupo Solvay decidiu manter essa unidade em atividade. A empresa afirma que arca isoladamente com os custos operacionais, sem contrapartida econômica ou outros benefícios.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

INDAC lança programa para auxiliar transformador no descarte correto de resíduos de acrílico

30/11/2017

Material pode ser 100% reciclado se retornado aos produtores de chapas. Transformadores são responsáveis pelo descarte correto, que pode ajudar na produção de chapas recicladas de melhor qualidade e mais baratas

Para ajudar o transformador no descarte correto de sucata de acrílico, o INDAC – Instituto Nacional para Desenvolvimento do Acrílico – criou o Programa de Recuperação de Acrílico. Por meio dele, vai orientar os transformadores sobre os procedimentos mais adequados de armazenamento e de repasse do material descartado aos produtores de chapas.

A iniciativa pretende eliminar do circuito as práticas inadequadas de coletores sem informação ou desavisados, que não armazenam corretamente o acrílico, além de misturá-lo com outros plásticos. Tais práticas fazem com que os custos de produção das chapas recicladas sejam mais dispendiosos por causa da separação de impurezas.

Além de contribuir para o aumento da qualidade da chapa reciclada e seu barateamento, o estímulo do retorno do material excedente às empresas produtoras ainda faz com que a cadeia se ajuste à Lei de Logística Reversa, que torna todos os elos do mercado responsáveis pelo descarte ecologicamente correto de resíduos sólidos.

Longe de ser um plástico comum, o acrílico, além de resistente, de ter boa aparência e ser bastante durável, é 100% reciclável. Quando descartado corretamente, pode ser novamente transformado em chapas que serão utilizadas para uma infinidade de aplicações, como objetos decorativos, displays comerciais e acessórios femininos, entre tantas outros itens. “Todo esse processo é possível porque o acrílico é um termoplástico que não sofre alterações significativas na sua estrutura química durante o reaproveitamento, permitindo que ele seja fundido no processo de recuperação do monômero de metacrilato de metila”, explica Carlos Marcelo Thieme, presidente Indac.

Tal flexibilidade ainda torna o acrílico um material valioso no mercado de reciclagem, quando comparado a outros plásticos. Isso faz com que seu índice de reaproveitamento seja bastante alto. De acordo com estimativas do setor, são recicladas no País aproximadamente 2 mil toneladas por ano de chapas e resinas acrílicas. E esse número só não é maior porque o material é muito durável e, por isso, utilizado na produção de bens com prazo de vida mais longo. Assim, um item em acrílico geralmente só é descartado quando quebra ou chega ao final de sua vida útil.

Descarte

Tanto quanto as empresas produtoras da matéria-prima, os transformadores têm responsabilidade sobre os impactos negativos de um produto no meio ambiente. Por isso, descartar corretamente os resíduos é fundamental, inclusive para que esse material volte às mãos de quem o produz. “Quando se tratar do descarte de acrílico, recomendamos que as pessoas procurem seus fornecedores de chapas. Em caso de dúvidas ou se tiver qualquer dificuldade de contato com o produtor, orientamos que procurem o INDAC. O Instituto vai informá-lo quanto à forma mais correta de descarte e armazenamento do material”, explica Thieme.

Para saber mais sobre o Prograa de Recuperação de Acrílico INDAC, o transformador pode ligar diretamente para o Instituto: (11) 3171-0423.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico (www.indac.com.br) é uma organização criada há 17 anos, por empresários da livre iniciativa do setor com objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado, por meio da indicação de seus associados. A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 40 filiados em todo o país.

Fonte: Assessoria de Imprensa – INDAC

Curta nossa página no

Tomra Sorting Recycling marca presença na Waste Expo

20/11/2017

A Tomra Sorting Recycling vai marcar presença na Waste Expo 2017 (Stand A5A), que ocorre entre os dias 21,22 e 23 de Novembro em São Paulo. Trata-se de um evento totalmente focalizado na Gestão de Resíduos Sólidos

No Brasil, cerca de 80 milhões de toneladas de resíduos são gerados por ano e apenas 3% desse total é reciclado. Outro dado preocupante, segundo estudo anual da ABRELPE (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), corresponde ao fato de que 59,8% das cidades brasileiras fazem uso de destinos considerados inadequados para o descarte de lixo. Além disso, cerca de 500 municípios não possuem sequer coleta domiciliar.

Ciente dos desafios apresentados por tal quadro, a Tomra Sorting Recycling acredita ter um papel importante na mudança do panorama do setor.

A Tomra Sorting Solutions desenvolve e oferece soluções de triagem baseada em sensores. A empresa acredita que o impulso para o tratamento adequado dos resíduos passa pela recuperação dos materiais valorizáveis que atualmente estão sendo descartados, de forma a aumentar o ciclo de vida desses produtos, colocando-os de volta na atividade econômica através da reciclagem.

De acordo com Carina Arita (foto), Diretora Comercial da Tomra Brasil, “os benefícios da reciclagem abrangem a saúde publica – pelo tratamento dos resíduos sólidos-, a geração de empregos diretos e indiretos, a movimentação da economia da indústria da reciclagem e a proteção do meio ambiente pela substituição do uso de recursos naturais, além de outros benefícios intrínsecos como o próprio atendimento da Politica Nacional de Resíduos Sólidos”.

Considerando o potencial desse mercado e o alinhamento da sua tecnologia com os benefícios que pode proporcionar para a sociedade e o meio ambiente, a Tomra Sorting Recycling tem acreditado e investido na sua subsidiária no Brasil desde 2011, visando impulsionar a reciclagem através da separação baseada em sensores óticos. A empresa vai estar presente na segunda edição da Waste Expo Brasil para apresentar ao mercado suas soluções já existentes e consolidadas em todo o mundo, assim como os últimos lançamentos no segmento de Resíduos Sólidos, tais como a separação de vidro através do Autosort Laser.

Segundo Carina Arita, “a Tomra Sorting Solutions está à disposição para conhecer a realidade dos resíduos em cada cidade do Brasil e da América do Sul, a fim de discutir e buscar soluções com suas tecnologias de última geração, as quais vão aos poucos conquistando terreno no mercado brasileiro ao atender às diferentes demandas”.

Waste Expo

De forma a dar respostas a desafios das atuais políticas do país, a Waste Expo Brasil (www.wasteexpo.com.br) vai reunir especialistas do setor para explorar alternativas para a gestão de resíduos sólidos e identificar possíveis caminhos para uma mudança de mentalidade. O painel de oradores contará com a presença do Ministro de Estado do Meio Ambiente, José Sarney Filho. Também ocorrerá o lançamento de um estudo inédito do Programa da Organização das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA: o Atlas da Gestão de Resíduos na América Latina.

Apresentação do Autosort Laser

Lançando no último mês de Outubro, o Autosort Laser permite a seleção de vidro, cerâmica, pedras, metais e plásticos de resíduos domiciliares e comerciais. As suas capacidades permitem que as Plantas de Triagem de Resíduos possam recuperar ainda mais materiais e reduzir o volume de resíduos que seguirá para os aterros, reduzindo também os custos de descarte. Além disso, o Autosort Laser ajuda a criar receitas adicionais através da recuperação de mais um produto com valor comercial.

Para Carina Arita, que estará apresentando o novo sistema ótico durante a feira (stand A5A) e esclarecendo dúvidas e questionamentos, o Autosort Laser “tem uma tecnologia de separação a laser com base no bem-sucedido sistema de infravermelhos (NIR) e na flexível série Autosort da Tomra, que é um separador com mais de 4.000 unidades instaladas em todo o mundo”.

O Autosort Laser da Tomra oferece uma combinação de sensores capaz de detectar simultaneamente ainda mais propriedades do material no mesmo ponto, selecionando, portanto, as frações de material de forma mais eficiente. Ao contrário de tecnologia existentes, o Autosort Laser se destaca em separar o vidro fino, grosso ou opaco de resíduos sólidos urbanos.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tomra

Curta nossa página no

Braskem cria área de Reciclagem e Plataforma Wecycle

30/10/2017

Objetivo é fomentar iniciativas junto à cadeia de plástico para promover a economia circular do plástico

Para reforçar seu compromisso com o desenvolvimento de soluções sustentáveis na cadeia do plástico, a Braskem anuncia a criação da área de Reciclagem & Plataforma Wecycle, dentro da estrutura da Unidade de Poliolefinas da América do Sul e Europa.

A nova área tem como objetivo reforçar o posicionamento estratégico da Braskem e alavancar o incentivo de iniciativas, negócios e soluções sustentáveis relacionadas à economia circular do plástico, em especial à reciclagem, assim como o de gerir os aspectos institucionais e regulatórios sobre o tema.

Executiva com vasta experiência na indústria petroquímica, Fabiana Quiroga  (foto) vai liderar a área. Com mais de 15 anos na Braskem, já atuou em atividades jurídicas e regulatórias, no apoio à busca de soluções empresariais para as áreas industriais, comerciais, de Inovação e Tecnologia e de Saúde, Segurança e Meio Ambiente (SSMA), além da avaliação da cadeia de valor da Reciclagem e dos modelos existentes.

“Essa iniciativa demonstra o compromisso da Braskem de atuar no desenvolvimento de tecnologias, soluções e programas, que beneficiem a cadeia de produção do plástico e, consequentemente, toda a sociedade. E não há como fazer isto sem focalizar a reciclagem e a economia circular”, afirma Edison Terra, vice-presidente da Unidade de Poliolefinas da América do Sul e Europa.

Sob a liderança de Fabiana Quiroga, a plataforma Wecycle prevê o desenvolvimento de produtos com conteúdo reciclado pós-consumo, qualificação de processos e confiabilidade técnica, com foco na valorização do resíduo pós-consumo e da cadeia de reciclagem, com menor impacto ambiental e com ações de responsabilidade social. A iniciativa envolve a parceria com diferentes públicos de relacionamento do setor, como brand owners, transformadores, recicladores e cooperativas de catadores.

Um dos resultados do Wecycle, até o momento, foi a produção pela Braskem de resinas de polipropileno e polietileno com qualidade, produzidas com conteúdo reciclado, oriundo de fonte confiável e com rastreabilidade de toda a cadeia de reciclagem. Empresas como Grupo GPA e Muzzicycles já são parceiras da plataforma.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Tomra Sorting Recycling organiza Conferência Global sobre reciclagem e gerenciamento de resíduos

24/10/2017

Evento de dois dias reuniu especialistas da indústria, clientes e mídia para examinar ideias para o futuro e tecnologias inovadoras para hoje.

A Tomra Sorting Recycling realizou uma conferência global nos dias 10 e 11 de outubro para compartilhar informações dos principais especialistas em reciclagem e gerenciamento de resíduos e demonstrar os avanços da empresa em máquinas de separação baseadas em sensores. Sob o tema “Perspectivas Futuras na Reciclagem”, o evento de dois dias na Alemanha contou com uma série de apresentações e discussões em grupo no Centro de Congressos Rhein-Mosel, em Koblenz, e demonstrações técnicas no Centro de Testes da Tomra na sede europeia na mesma cidade. Entre os participantes, destaque para a presença internacional de líderes da indústria, representantes empresariais e membros da mídia especializada.

Tom Eng, vice-presidente sênior e líder da Tomra Sorting Solutions, Recycling, comentou: “Ao reunir alguns dos especialistas mundiais com mais conhecimento em reciclagem e gerenciamento de resíduos, esta conferência estimulou uma fantástica troca de ideias. Os participantes trocaram novos conhecimentos sobre toda a indústria, desde idéias ambientais até práticas técnicas. Estamos muito satisfeitos por ter recebido tanto feedback positivo, com muitos participantes nos dizendo que acharam o evento informativo e inspirador. É emocionante que todos nós estejamos no cerne de uma indústria em direção a um futuro inovador e ambientalmente importante”.

Um destaque popular do congresso foi a série de apresentações e sessões de perguntas e respostas centradas na economia circular – de particular interesse em um momento em que a responsabilidade ambiental das marcas de varejo está tendo uma influência crescente nas decisões de compra dos consumidores. George Kremlis, da Direção Geral de Meio Ambiente da Comissão Européia, fez uma apresentação sobre um plano de ação da União Européia para a economia circular; Helga Vanthournout, Especialista Sênior do McKinsey Center for Business and Environment, falou sobre os impactos da economia circular nos negócios; e Tom Eng compartilhou reflexões sobre a prontidão para a economia circular.

Os visitantes do Congresso também tiveram a oportunidade de ver duas inovações técnicas em ação no Centro de Testes da Tomra: o novo Autosort Laser, que possibilita a separação de vidro fino, grosso ou opaco de resíduos sólidos urbanos (MSW), para ajudar a reduzir os custos de aterro sanitário e criar receitas adicionais através da recuperação de produtos comercializáveis; os participantes também receberam uma prévia exclusiva do Autosort Black , a primeira máquina capaz de classificar materiais de embalagem de plástico preto, o que ajudará a atender as metas de triagem e reciclagem cada vez mais apertadas. O Autosort Black será trazido ao mercado no início de 2018.

As apresentações e discussões sobre as questões principais da economia circular contaram com a participação de todos os delegados da conferência. Além disso, os visitantes também se separaram em dois grupos – um com foco em resíduos sólidos urbanos e outro com foco em metais – para participar de demonstrações no que se refere aos desafios futuros que enfrentam seus segmentos particulares. (O nome de todos os palestrantes pode ser encontrados no final deste artigo.)

Novas soluções para separar vidro e embalagens de plásticos preto de Resíduos Sólidos Urbanos

Uma das duas inovações técnicas mais importantes demonstradas no Centro de Testes da Tomra foi o Autosort Laser, que é uma máquina de separação baseada em sensores, utilizando a tecnologia laser. Aos visitantes do congresso foi demonstrado como a tecnologia de separação por infravermelho (NIR) do Autosort Laser garante a estabilidade de classificação e permite separar vidro de polímeros transparentes, que são cada vez mais usados em itens como seringas, isqueiros e garrafas para bebês e cosméticos.

A outra inovação técnica significativa foi o uso combinado das máquinas Autosort e Autosort Black , que possibilita a recuperação de valiosos polímeros pretos dos materiais de embalagem. Enquanto a tecnologia de classificação baseada em sensor na detecção NIR é incapaz de detectar ou diferenciar entre plásticos pretos, o classificador de plástico preto pode separar polímeros diferentes, como PE, PP, PET e PS pretos. Para habilitar este processo, a máquina Autosort primeiro recupera os materiais plásticos pretos, que normalmente são parte dos fluxos de resíduos, para criar um fluxo único preto, sendo seguida do Autosort Black .

Uma outra máquina de reciclagem de plásticos, o Autosort Flake, também foi demonstrada no Centro de Testes. Ao combinar a detecção de cores e informações de material aprimoradas para classificar por cor e material ao mesmo tempo, novos padrões de classificação de alta precisão foram trazidos para um mercado que exige cada vez mais saídas de alta qualidade com plásticos rPET (tereftalato de polietileno reciclado). O Autosort Flake, como o Autosort Laser, contempla a tecnologia patenteada Flying Beam da Tomra, combinada com a tecnologia Fourline, que possui o NIR de maior resolução (perto de 1mm) disponível no mercado de classificação.

Aumentar a rentabilidade da classificação de metais

Olhando para a classificação de metais, as demonstrações das máquinas X-Tract e Combisense ilustram como a combinação das tecnologias baseadas em sensores tornam a triagem mais lucrativa, agregando valor na zorba (sucata não ferrosa triturada). Ao processar a zorba em um equipamento de transmissão de raios X, separando o alumínio dos metais pesados, o X-Tract funciona com uma precisão tão alta que pode atingir purezas de alumínio de 98-99%, afirma a Tomra Dos metais pesados remanescentes, a Combisense, em seguida, separa fragmentos valiosos de cobre, latão e metais cinzentos.

Em outra demonstração no Centro de Testes, a Tomra explicou sua tecnologia de separação LIBS (espectroscopia de degradação induzida por laser). Ao empregar um laser que pode monitorar toda a largura da esteira, tem-se a vantagem de eliminar a complexa e dispendiosa necessidade de separar os materiais em pistas simples. Isso permite a triagem e separação de diferentes ligas de alumínio com níveis de eficiência altos e sem precedentes, conseguindo precisões de classificação de 99% de pureza (ou maior) com alta capacidade de processamento, de três a sete toneladas por hora, assegura a Tomra

O serviço é igualmente importante

Para atingir os objetivos de sustentabilidade, a economia circular dependerá não só de máquinas de reciclagem ultra eficientes, mas também de empresas e pessoas que as produzam e as mantenham. Este foi o tema de uma apresentação de Peter Geisler, Diretor de Serviço Reciclagem, intitulado “Minimizar tempos de inatividade e maximizando o lucro – é tudo sobre serviço”. O reconhecimento da importância do suporte ao cliente é demonstrado através do Tomra Care, um pacote abrangente de serviços que cobre consultoria de processos, testes de sistema, financiamento, seguros, treinamento de pessoal e atualizações.

Painel de Palestrantes:

Nas sessões de discussões sobre resíduos:
• Antonio Furfari, Diretor Geral da Plastics Recyclers Europe, fez uma apresentação sobre Plásticos na Economia Circular
• Kjell Fredriksen, Consultor Senior da Mepex Consulting, refletiu sobre o Futuro da Triagem de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU)
• Jürgen Priesters, Diretor de Desenvolvimento de Negócios da Tomra Sorting, falou sobre a Importância da Qualidade da Separação dos Plásticos para Reciclagem, Tecnologia, Matéria-prima e Custos
• Laszlo Szekely, Engenheiro de Desenvolvimento de Negócios da Tomra Sorting, falou sobre Separação de Vidro proveniente de RSU

Sessão paralelas na discussão dos metais:
• Maarten Labberton, Diretor do Grupo de Embalagens no European Aluminium, observou os Desafios e Potenciais da Reciclagem de Embalagens de Alumínio
• Prof. Geoff Scamans, Chief Scientific Officer at Innoval Technology, explicou como a Reciclagem é o Futuro para o Alumínio em Carros
• Richard Barrett, Editor da Metal Bulletin Magazine, foi o moderador do painel de discussões sobre os Futuros Desafios para a Reciclagem de Metais
• Frank van de Winkel, Responsável da Tomra Sorting BD, fez palestra sobre a classificação automática da produção de alumínio com a tecnologia LIBS
• Tom Jansen, Responsável de Vendas da Tomra Sorting Sales Manager, falou sobre as últimas tendências no que diz respeito a tecnologias ELV
• Brian Gist, Diretor Global de Venda em Metais da Tomra Sorting, concluiu as sessões com o resumo dos principais temas abordados

A Tomra Sorting Recycling projeta e fabrica tecnologias de seleção por sensores para a indústria global de reciclagem e gestão de resíduos. Mais de 4.900 sistemas foram instalados em 50 países em todo o mundo.  Responsável pelo desenvolvimento do primeiro sensor infravermelho de alta capacidade (NIR) do mundo para aplicações de triagem de resíduos, a Tomra Sorting Recycling continua se dedicando à recuperação de frações de alta pureza de fluxos de resíduos. A Tomra Sorting é de propriedade da empresa norueguesa Tomra Systems ASA, fundada em 1972, com  um volume de negócios de cerca de € 750m , atualmente empregando mais de 3.500 pessoas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tomra

Curta nossa página no

Braskem e A. Schulman firmam parceria para viabilizar solução para rotomoldagem com Polietileno Verde

28/09/2017

Clientes que buscam soluções mais sustentáveis terão à disposição composto com elevado conteúdo renovável

A Braskem acaba de firmar parceria com A. Schulman, líder global e produtor de compostos plásticos e resinas de alto desempenho, para produção e comercialização de uma nova aplicação para o Polietileno Verde: uma solução para o processo de transformação por rotomoldagem. A A. Schulman vai trazer esta solução para o mercado com identificação do selo I’m greenT, que indica o auxílio na redução das emissões de gases de efeito estufa.

Ao identificar uma demanda de mercado por uma solução mais sustentável em produtos rotomoldados, a Braskem trabalhou no desenvolvimento de uma resina que permitisse, a partir da rotomoldagem, produzir peças para aplicações de uso geral, que vão desde brinquedos e mobiliário até utensílios para a indústria agrícola e que poderão conter mais de 50% de Plástico Verde em sua composição.

A A. Schulman, que contribui para a parceria com sua expertise industrial e comercial para atender aos clientes diretamente com um produto adequado às necessidades do mercado, apresentará a novidade durante a Rotoplas 2017, maior exposição da indústria de rotomoldagem, que acontece entre 26 e 28 de setembro, nos Estados Unidos.

“A parceria com A. Schulman vai beneficiar um mercado que necessita de produtos inovadores. O novo composto é mais um passo da indústria petroquímica que reforça o compromisso das companhias com novas soluções que ajudem na redução dos gases efeito estufa”, sinaliza Gustavo Sergi, diretor de Químicos Renováveis da Braskem.

“A A. Schulman tem a honra de ter uma relação colaborativa de longa data com a Braskem e estamos igualmente satisfeitos em ajudar a impulsionar a inovação verde na indústria de especialidades químicas e especificamente para o mercado de rotomoldagem”, afirma Gustavo Perez, vice-presidente sênior e gerente geral para América Latina da A. Schulman.

Inovação
Em março de 2017, com investimentos de R$ 1,7 milhão, a Braskem inaugurou o Centro Brasileiro de Tecnologia e Inovação de Triunfo (RS), um completo laboratório de rotomoldagem que inclui um equipamento Rotoline de tamanho comercial. “Com o investimento, poderemos desenvolver novas soluções para o mercado, concentrando-nos no aumento da diversificação das aplicações e continuar a entregar a inovações neste segmento”, completa Fabiano Zanatta, líder do segmento de rotomoldagem da empresa.

A Braskem conta com uma produção anual de 20 milhões de toneladas, incluindo produtos químicos e petroquímicos básicos, e faturamento de R$ 55 bilhões em 2016, envolvendo 8 mil colaboradores. Exporta para clientes em aproximadamente 100 países e opera 41 unidades industriais, localizadas no Brasil, EUA, Alemanha e México, esta última em parceria com a mexicana Idesa.

A A. Schulman Inc. é um fornecedor internacional líder no mercado de compostos plásticos e resinas de alto desempenho com sede em Akron, Ohio (EUA). Desde 1928, a Empresa vem fornecendo soluções inovativas para atender às demandas de seus clientes, que atuam em diversas áreas de mercado, tais como embalagem, mobilidade, construção, elétricos e eletrônicos, agricultura, cuidados pessoais e higiene, esportes, casa e lazer, serviços e outros. A empresa emprega aproximadamente 4.900 funcionários e possui 54 instalações fabris globalmente. As vendas líquidas reportadas no ano fiscal encerrado em 31 de agosto de 2016 foram de aproximadamente US$ 2.5 bilhões.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

DSM amplia em 13% venda de produtos sustentáveis

28/09/2017

Receita com produtos que oferecem benefícios ambientais e sociais passou de € 3,27 bilhões em 2015 para € 4,99 bilhões no ano passado e passou a representar 63% das vendas globais, demonstrando viabilidade econômica dos produtos com menor impacto.

A venda de produtos sustentáveis da DSM totalizou € 4,99 bilhões em 2016, representando um crescimento de 13% em comparação aos resultados de 2015. O desempenho do ano passado elevou para 63% a fatia que esse tipo de produto passou a ter dentro do faturamento global da companhia, aproximando-se assim da meta de 65%, prevista para ser alcançada em 2020. Em 2015, os produtos que oferecem benefícios ambientais e sociais da DSM representaram 57% da receita total da companhia.

“A redução de custos por meio de melhorias operacionais nas empresas provenientes de avanços em aspectos sustentáveis é sem dúvida um passo importante. No entanto, levar a sustentabilidade para os produtos é uma evolução importante, necessária e que a DSM tem demonstrado ser economicamente viável”, afirma Zenaide Guerra, diretora de assuntos corporativos e responsável pela área de sustentabilidade da DSM para a América Latina.

O resultado de 2016 não foi isolado. Entre 2010 e 2016, a DSM ampliou em 53% a venda de produtos sustentáveis. A receita com esses produtos passou de € 3,27 bilhões para os atuais € 4,99 bilhões. Mais do que isso, os produtos sustentáveis aumentaram sensivelmente sua participação no portfólio da companhia e seu peso dentro das vendas globais. Se em 2010 os produtos sustentáveis representaram 40% das vendas, no ano passado a fatia subiu para 63%.

Para avaliar qual produto de seu portfólio é considerado sustentável, a DSM aplica uma abordagem de ciclo de vida e mede os impactos ambientais e sociais ao longo de toda a cadeia de valor. A análise tem início na extração de matérias-primas, passa pela produção, fabricação, transporte e uso, até chegar ao fim da vida do produto, englobando ainda a reciclagem. As análises seguem padrões internacionais de certificação e as diretrizes do Conselho Mundial de Negócios para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD, na sigla em inglês), grupo de CEO’s que atua como conselheiro da ONU para o tema.

Depois da análise do ciclo de vida e mensuração, os produtos ainda precisam estar em patamares superiores aos da concorrência, do ponto de vista de impactos ao meio ambiente ou trazendo benefícios para a vida dos consumidores, funcionários ou para a cadeia de produção. “Evoluir de processos sustentáveis para produtos sustentáveis, ter critérios de análise internacionalmente reconhecidos, dar transparência a todo o processo e determinar metas de médio e longo prazo são quatro pontos essenciais para conseguirmos responder positivamente à pergunta se as empresas podem efetivamente contribuir para se atingir os objetivos do milênio”, afirma Zenaide.

A Royal DSM é uma empresa global baseada na ciência, com atividades nas áreas de saúde, nutrição e materiais. A DSM oferece soluções inovadoras para mercados mundiais como alimentos e suplementos dietéticos, cuidados pessoais, rações, dispositivos médicos, peças automotivas, tintas, componentes elétricos e eletrônicos, proteção da vida, energia alternativa e materiais biológicos. A DSM e suas empresas associadas têm faturamento líquido anual de 7,92 bilhões de euros, com mais de 20.000 funcionários. As ações da empresa são negociadas na Euronext Amsterdã.

Fonte: DSM

Curta nossa página no

Novo equipamento da Tomra utiliza tecnologia a laser para separar vidros de polímeros em resíduos domiciliares e comerciais

25/09/2017

  • Tomra Sorting Recycling lança Autosort Laser
  • Tecnologia reduz resíduos a serem descartados em aterros

A Tomra Sorting Recycling anunciou o lançamento de uma máquina de separação por sensores baseada em tecnologia laser. Segundo a empresa, o seu Autosort Laser (www.Tomra-autosort-laser.com) permite a seleção de vidro, cerâmica, pedras, metais e plásticos de resíduos domiciliares e comerciais. As suas capacidades permitem que as plantas de recuperação de materiais possam reaver ainda mais resíduos e, portanto, reduzir o volume de material que seguirá para os aterros, reduzindo significativamente os custos de descarte, afirma a empresa. Além disso, o Autosort Laser ajuda a criar receitas adicionais através da recuperação de produtos com valor comercial.

A tecnologia de separação a laser é baseada no sistema de infravermelhos (NIR) e na série fléxível do Autosort da Tomra, um separador com mais de 4.000 unidades instaladas em todo o mundo. A Tomra afirma que o seu Autosort Laser oferece uma combinação de sensores capazes de detectar simultaneamente mais propriedades da corrente de resíduos no mesmo ponto, selecionando, portanto, as frações de material de forma mais eficiente. Ao contrário de tecnologias concorrentes, o Autosort Laser se diferencia por separar o vidro – fino, grosso ou opaco – de resíduos sólidos urbanos.

Uma das primeiras empresas a usar o Autosort Laser é a Remondis GmbH, na Alemanha. Harry Amann, gerente da planta, comentou sobre a instalação: “Estamos muito orgulhosos por ter o primeiro Autosort Laser instalado em nossa fábrica em Erftstadt, na Renânia. Uma grande redução de custos e uma excelente qualidade de produto na saída simplificaram o processo da nossa planta. Não preciso dizer que esperamos um retorno rápido neste projeto”.

Segundo a Tomra, o Autosort Laser possui um sistema de plano de fundo independente que garante a estabilidade de classificação e permite separar o vidro fino, grosso ou opaco em relação a polímeros transparentes, cada vez mais utilizados em itens como injeções, isqueiros, garrafas para bebês ou cosméticos. A série Autosort apresenta uma tecnologia patenteada Flying Beam e Fourline para alta velocidade e precisão, afirma a empresa. Com a interface de usuário padrão da Tomra, os operadores podem selecionar facilmente uma variedade de programas de seleção em sua tela sensível ao toque, enquanto o recurso de calibração contínua permite o monitoramento e otimização em tempo real, assegura a Tomra. O Autosort Laser pode ser facilmente integrado em função do design compacto.

O grupo Tomra tem a tecnologia laser em seu portfólio de sistemas de separação desde 1997. Como um método de identificação globalmente estabelecido, a tecnologia de seleção própria da Tomra foi especialmente adaptada e desenvolvida para as necessidades exclusivas da indústria de reciclagem.

Peter Mentenich, gerente sênior de produtos da Tomra Sorting Recycling comentou: “Estou muito satisfeito por ver as primeiras instalações bem-sucedidas e o lançamento do Autosort Laser em nosso portfólio de produtos. Ele garante uma maior rentabilidade para nossos clientes e ajuda a reduzir significativamente a quantidade de material que vai para aterros sanitários. Um bom exemplo novamente de que a sustentabilidade e os negócios não são mutuamente exclusivos – ambos podem ser alcançados com tecnologia inovadora de gerenciamento de resíduos e reciclagem”.

A Tomra Sorting Recycling desenvolve e fabrica tecnologias de separação baseada em sensores para a indústria global de reciclagem e gestão de resíduos, tendo sido responsável pelo desenvolvimento do primeiro sensor de infravermelho próximo para aplicações de separação de resíduos.  A Tomra Sorting é afiliada da empresa norueguesa Tomra Systems ASA com capital aberto na Bolsa de Oslo. Fundada em 1972, a Tomra Systems ASA tem faturamento de cerca de 650 milhões de euros e emprega mais de 2.600 pessoas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tomra Sorting Recycling

Curta nossa página no

Braskem renova com distribuidor Sojitz Pla-Net para o fornecimento de Plástico Verde no Japão e Ásia-Pacífico

15/09/2017

A Braskem acaba de renovar um contrato de longo prazo com a Sojitz Pla-Net Corporation para o fornecimento do Polietileno Verde I’m greenT, polímero de origem renovável. O contrato envolve um volume crescente de um amplo portfólio de produtos que continuarão a ser vendidos no Japão e na região da Ásia-Pacífico.

A renovação do contrato vai aumentar a disponibilidade de produtos renováveis na região, atendendo a mais de 100 clientes e diferentes mercados, como lojas de conveniência, produtos domésticos e logística. “A Sojitz renova a parceria com a Braskem com objetivo de promover as vantagens do Plástico Verde e os benefícios que ele traz não só para os transformadores, mas também para o público que utilizará o produto de origem renovável. Acreditamos que este negócio está em expansão e que a preocupação com o meio ambiente se tornará mais forte em diversos setores”, relata Yoshinori Suzuki, gerente geral sênior de embalagens da Sojitz.

Por longos anos, a Sojitz mantém um importante relacionamento comercial com a Braskem. Em 2012, as empresas celebraram o início do contrato de distribuição do polietileno verde na região. “A renovação deste contrato reafirma o propósito da Braskem em seu processo de internacionalização e expansão de mercados. Isso significa não apenas ampliar o portfólio de resinas verdes, mas também investir em operações cada vez mais sustentáveis”, diz Gustavo Sergi, diretor de Químicos Renováveis da Braskem.

O Polietileno Verde I’m greenT é feito a partir do eteno obtido da cana-de-açúcar. Ele também apresenta as mesmas características do polietileno tradicional, ou seja, não necessita de adaptações nas máquinas de transformação e é 100% reciclável. A planta de polietileno verde da Braskem possui capacidade de produção de 200 mil toneladas por ano.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Cipatex investe em controle de qualidade e avança na produção de laminados sem ftalatos

12/09/2017

Medida visa atender a diversos segmentos de atuação da empresa, com destaque para calçadista e moveleiro

O Centro de Pesquisa e Inovação da Cipatex passa a contar com equipamentos que vão garantir mais eficiência no controle dos níveis de ftalatos. A medida atende às exigentes especificações internacionais. De acordo com o gerente de inovação, pesquisa e tecnologia da Cipatex, Fernando Brandão, a aquisição de um cromatógrafo a gás acoplado com espectômetro de massa de última geração permite a identificação de compostos do início ao fim da produção, desde as matérias primas até o produto acabado. “O equipamento amplia a sensibilidade na análise de traços, aumenta a precisão e exatidão dos resultados, trazendo mais eficiência ao processo e garantindo que os níveis de ftalatos fiquem bem abaixo do permitido”, destaca Brandão.

​A medida visa atender a diversos segmentos de atuação da Cipatex, com destaque para o calçadista e moveleiro. No Brasil, a empresa possui a maior capacidade produtiva para materiais sem ftalato. Agora, com o novo equipamento, a companhia poderá atender com maior controle de qualidade. “A aquisição do cromatógrafo significa um grande avanço tecnológico e um importante passo para aumentar a capacidade da empresa de atender às necessidades de clientes nacionais ou internacionais”, destaca.

​​O​ gerente explica que os ftalatos são uma família de compostos, ésteres do anidrido ftálico com álcoois de baixo peso molecular. Alguns destes compostos são utilizados como plastificantes para as resinas de PVC para torná-las flexíveis e macias. No setor calçadista, os ftalatos são usados para conferir maleabilidade e flexibilidade ao cabedal e forro. Conforme Brandão, em alguns casos as substâncias são aceitas por determinado país, mas encontram barreiras no cliente/comprador. Também existem situações em que produtos aceitos por continentes podem ser proibidos pela legislação de um único país, criando um cenário complexo. A lista de restrições é dinâmica e talvez o mercado mais rígido seja o europeu, que segue o Reach, regulamento relativo ao registro, avaliação, autorização e restrição de produtos químicos.

Pelo regulamento, existem restrições em relação a alguns tipos de ftalatos, como DEHP, BBP e DBP. Para exportar para Europa, por exemplo, o nível de DEHP presente no produto final deve ser abaixo de 0.1 %.

Há 53 anos o Grupo Cipatex oferece ao mercado soluções em revestimentos sintéticos e não-tecidos. Criada em 1964, a companhia hoje conta com uma linha de produtos que atende aos setores de calçados, piscinas, bolsas e acessórios, utilidades domésticas, construção, móveis, vestuário, automóveis, esporte e lazer, brindes, material escolar e comunicação visual. Ao todo, a Cipatex® conta com cerca de 1.400 colaboradores distribuídos em cinco plantas industriais.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Cipatex

Curta nossa página no

Matéria-prima da Basf para componentes automotivos de poliuretano proporciona menos emissões no interior de veículos

14/08/2017

  • Material  permite que as montadoras atendam às regulamentações e aos padrões da indústria, afirma a empresa;
  • Potencial de redução médio de até 20% nas emissões de aldeído

Segundo a BASF, o seu processo de fabricação do Lupranol® (poliol poliéter) foi aprimorado a fim de que os componentes de veículos fabricados a partir dos sistemas de poliuretano da empresa emitam, em média, 20% a menos de aldeído, um Composto Orgânico Volátil (VOC). Assim, os fornecedores automotivos que fabricam, por exemplo, peças acústicas, assentos e volantes ou painéis de instrumentos e portas com espuma de poliuretano, conseguirão atender às crescentes exigências das montadoras na redução de emissões de VOCs no interior dos veículos.

Após a mudança no processo nas plantas de produção da BASF na Ásia, no início de 2017, a modificação está agora sendo feita na Europa e ocorrerá também nos Estados Unidos ao longo do ano. Junto com o isocianato, o poliol é o produto básico para os sistemas de espuma de poliuretano.

As emissões foram otimizadas com a melhoria dos processos de limpeza e acabamento na produção do Lupranol®, de modo que as propriedades mecânicas do material permanecem inalteradas durante os estágios seguintes de espumação e processamento nos clientes. Com isso, os grades de Lupranol® atualmente em uso podem ser substituídos imediatamente, sem necessidade de testes ou novas aprovações dos sistemas de PU que são baseados nesses grades de Poliol. A BASF comercializa sistemas de PU para espuma flexível, semi-rígida e integral sob as marcas Elastoflex® W, Elastoflex® E e Elastofoam® I.

Com os grades melhorados de Lupranol®, as emissões dos componentes automotivos fabricadas com o produto serão cada vez menores. As autopeças produzidas com esses sistemas PU são testadas tanto internamente como também por laboratórios certificados, como o Imat-Uve e o Institut Fresenius. A melhoria dos valores de emissão varia de peça para peça. É possível obter uma redução média de 20%, medida segundo os métodos de teste de câmara comumente aceitos como, por exemplo, o VDA276 e o BMW GS 97014-3, afirma a BASF.

Autoridades governamentais em todo o mundo estão continuamente exigindo emissões cada vez mais baixas no interior de veículos para reduzir o potencial impacto de substâncias voláteis sobre a saúde dos motoristas, mas também para diminuir o cheiro característico de carro novo. Atualmente o foco está em aldeídos como o formaldeído, acetaldeído e propionaldeído, além de aromáticos oriundos dos poliuretanos. A BASF tem trabalhado no desenvolvimento de sistemas de PU que possibilitem componentes automotivos com menores emissões.

Fonte: Assessoria de Imprensa – BASF

Curta nossa página no

Rhodia completa 40 anos de produção de sílica no Brasil

30/06/2017

Empresa comemora com clientes os 40 anos de produção de insumo utilizado na produção de pneus, borracha e calçados, para a formulação de agroquímicos e nutracêuticos, além de produtos para cuidados pessoais e alimentação humana

A sílica precipitada quimicamente, um insumo utilizado por indústrias de diferentes segmentos, desde os pneus (incluindo os ‘pneus verdes’) e artefatos técnicos de borracha até formulação de agroquímicos, nutracêuticos e calçados, passando por produtos de cuidados pessoais e para a alimentação humana, é uma das apostas para o crescimento sustentado dos negócios da Rhodia, empresa do Grupo Solvay, na região da América Latina.

Pioneira na região a produção de sílicas precipitadas, a Rhodia tem feito investimentos permanentes em sua unidade industrial instalada em Paulínia (SP), que está completando 40 anos de instalação. Por ano, em média, a empresa tem aplicado em torno de 10 milhões de reais em projetos de processos operacionais, na introdução de novas tecnologias e produtos, em logística e aumento de capacidade de produção.

Os objetivos dessa área de negócios são aumentar a eficiência da área e abastecer adequadamente os clientes em todos os países da região, com os produtos comercializados sob as marcas Zeosil®, Zeosil® Premium, Efficium® e Tixosil®, em suas diversas apresentações, de acordo com os segmentos de mercados em que são aplicadas.

“Produtividade e competitividade são as palavras-chave do setor e elas estão incorporadas ao nosso modo de trabalhar. Com nossas inovações e a capacidade de atender os diversos mercados em que atuamos, nós estamos bem posicionados para continuar crescendo na região junto com nossos clientes”, afirma François Pontais, vice-presidente para a América Latina da unidade global de negócios Sílica do Grupo Solvay.

A mais recente iniciativa na fábrica de Paulínia foi o início da produção da sílica de alta dispersabilidade (HDS, na sigla em inglês) destinada principalmente à produção dos pneus que economizam energia. Análises realizadas pela empresa e de organismos do setor automotivo indicam que o uso dessa sílica HDS permite a redução de até 7% no consumo de combustível do automóvel. Portanto, reduz na mesma proporção as emissões de carbono na atmosfera. A expansão do uso da sílica de alto desempenho na produção dos chamados pneus verdes pode ser um fator importante para que a indústria automobilística alcance mais rapidamente as metas de redução de emissões de carbono previstas nos programas de desenvolvimento do setor.

Do mesmo modo, a empresa está investindo para aumentar o uso de suas sílicas precipitadas em outros segmentos de mercado em que há potencial de crescimento, tais como oral, care, formulações de nutracêuticos e agroquímicos, além de mercados regionais importantes, como calçados e alimentação humana. “Temos em nosso pipeline de inovações, em nossos laboratórios no Brasil e em outras regiões de atuação do Grupo Solvay, uma série de projetos em diferentes etapas de desenvolvimento, que serão colocados à disposição do mercado até 2020”, acrescenta Pontais.

40 anos de pioneirismo – Erguida em 1977, sob o signo do pioneirismo, a unidade industrial de Sílica da Rhodia passou ao longo de 40 anos por diversas transformações e modernizações para manter sua competitividade em um cenário econômico regional de muitos desafios. Inicialmente a Rhodia e depois o Grupo Solvay (que adquiriu as operações da Rhodia em 2011) investem permanentemente nessa área de negócios.

A unidade global de negócios Sílica, do Grupo Solvay, é a inventora da sílica de alta dispersão (HDS), na década de 1990, e um player importante em pneus que economizam energia e possui nove fábricas e quatro laboratórios de Pesquisa e Inovação em quatro continentes.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Rhodia

Curta nossa página no