Posts Tagged ‘Plástico Verde’

Braskem e A. Schulman firmam parceria para viabilizar solução para rotomoldagem com Polietileno Verde

28/09/2017

Clientes que buscam soluções mais sustentáveis terão à disposição composto com elevado conteúdo renovável

A Braskem acaba de firmar parceria com A. Schulman, líder global e produtor de compostos plásticos e resinas de alto desempenho, para produção e comercialização de uma nova aplicação para o Polietileno Verde: uma solução para o processo de transformação por rotomoldagem. A A. Schulman vai trazer esta solução para o mercado com identificação do selo I’m greenT, que indica o auxílio na redução das emissões de gases de efeito estufa.

Ao identificar uma demanda de mercado por uma solução mais sustentável em produtos rotomoldados, a Braskem trabalhou no desenvolvimento de uma resina que permitisse, a partir da rotomoldagem, produzir peças para aplicações de uso geral, que vão desde brinquedos e mobiliário até utensílios para a indústria agrícola e que poderão conter mais de 50% de Plástico Verde em sua composição.

A A. Schulman, que contribui para a parceria com sua expertise industrial e comercial para atender aos clientes diretamente com um produto adequado às necessidades do mercado, apresentará a novidade durante a Rotoplas 2017, maior exposição da indústria de rotomoldagem, que acontece entre 26 e 28 de setembro, nos Estados Unidos.

“A parceria com A. Schulman vai beneficiar um mercado que necessita de produtos inovadores. O novo composto é mais um passo da indústria petroquímica que reforça o compromisso das companhias com novas soluções que ajudem na redução dos gases efeito estufa”, sinaliza Gustavo Sergi, diretor de Químicos Renováveis da Braskem.

“A A. Schulman tem a honra de ter uma relação colaborativa de longa data com a Braskem e estamos igualmente satisfeitos em ajudar a impulsionar a inovação verde na indústria de especialidades químicas e especificamente para o mercado de rotomoldagem”, afirma Gustavo Perez, vice-presidente sênior e gerente geral para América Latina da A. Schulman.

Inovação
Em março de 2017, com investimentos de R$ 1,7 milhão, a Braskem inaugurou o Centro Brasileiro de Tecnologia e Inovação de Triunfo (RS), um completo laboratório de rotomoldagem que inclui um equipamento Rotoline de tamanho comercial. “Com o investimento, poderemos desenvolver novas soluções para o mercado, concentrando-nos no aumento da diversificação das aplicações e continuar a entregar a inovações neste segmento”, completa Fabiano Zanatta, líder do segmento de rotomoldagem da empresa.

A Braskem conta com uma produção anual de 20 milhões de toneladas, incluindo produtos químicos e petroquímicos básicos, e faturamento de R$ 55 bilhões em 2016, envolvendo 8 mil colaboradores. Exporta para clientes em aproximadamente 100 países e opera 41 unidades industriais, localizadas no Brasil, EUA, Alemanha e México, esta última em parceria com a mexicana Idesa.

A A. Schulman Inc. é um fornecedor internacional líder no mercado de compostos plásticos e resinas de alto desempenho com sede em Akron, Ohio (EUA). Desde 1928, a Empresa vem fornecendo soluções inovativas para atender às demandas de seus clientes, que atuam em diversas áreas de mercado, tais como embalagem, mobilidade, construção, elétricos e eletrônicos, agricultura, cuidados pessoais e higiene, esportes, casa e lazer, serviços e outros. A empresa emprega aproximadamente 4.900 funcionários e possui 54 instalações fabris globalmente. As vendas líquidas reportadas no ano fiscal encerrado em 31 de agosto de 2016 foram de aproximadamente US$ 2.5 bilhões.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Anúncios

Braskem renova com distribuidor Sojitz Pla-Net para o fornecimento de Plástico Verde no Japão e Ásia-Pacífico

15/09/2017

A Braskem acaba de renovar um contrato de longo prazo com a Sojitz Pla-Net Corporation para o fornecimento do Polietileno Verde I’m greenT, polímero de origem renovável. O contrato envolve um volume crescente de um amplo portfólio de produtos que continuarão a ser vendidos no Japão e na região da Ásia-Pacífico.

A renovação do contrato vai aumentar a disponibilidade de produtos renováveis na região, atendendo a mais de 100 clientes e diferentes mercados, como lojas de conveniência, produtos domésticos e logística. “A Sojitz renova a parceria com a Braskem com objetivo de promover as vantagens do Plástico Verde e os benefícios que ele traz não só para os transformadores, mas também para o público que utilizará o produto de origem renovável. Acreditamos que este negócio está em expansão e que a preocupação com o meio ambiente se tornará mais forte em diversos setores”, relata Yoshinori Suzuki, gerente geral sênior de embalagens da Sojitz.

Por longos anos, a Sojitz mantém um importante relacionamento comercial com a Braskem. Em 2012, as empresas celebraram o início do contrato de distribuição do polietileno verde na região. “A renovação deste contrato reafirma o propósito da Braskem em seu processo de internacionalização e expansão de mercados. Isso significa não apenas ampliar o portfólio de resinas verdes, mas também investir em operações cada vez mais sustentáveis”, diz Gustavo Sergi, diretor de Químicos Renováveis da Braskem.

O Polietileno Verde I’m greenT é feito a partir do eteno obtido da cana-de-açúcar. Ele também apresenta as mesmas características do polietileno tradicional, ou seja, não necessita de adaptações nas máquinas de transformação e é 100% reciclável. A planta de polietileno verde da Braskem possui capacidade de produção de 200 mil toneladas por ano.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Embalixo lança nova embalagem para descarte de fralda

28/06/2017

Produto é criado a partir do Plástico Verde e contém eliminador de odor

A Embalixo, líder nacional na produção de sacos para lixos, acaba de lançar embalagem feita em plástico de origem renovável destinada ao descarte de fraldas. O modelo Embalixo Baby possui um eliminador de odor interno, fragrância de lavanda e abas que facilitam o seu fechamento. Inicialmente, o produto será disponibilizado em farmácias no estado de São Paulo e, no segundo semestre, nas principais redes de supermercado do país.

O novo produto utiliza como matéria-prima o Plástico Verde, material 100% reciclável e produzido a partir da cana-de-açúcar pela Braskem. O consumidor poderá identificar os sacos de lixo da Embalixo a partir do selo “I’m greenT“, visível na frente e no verso do produto. A marca é a identificação da Braskem para os produtos que utilizam o plástico proveniente da cana-de-açúcar.

Desde 2011, a Embalixo adota o Plástico Verde em seus produtos. “Como a Embalixo sempre busca o bem-estar dos seus consumidores, conseguimos unificar o que há de melhor no mercado mundial, ou seja, um produto de fonte renovável, neutralizador de odores, com fragrância de lavanda e um inédito sistema de abas para fechamento. Além de neutralizar o mau odor de fraldas, a novidade torna o ambiente muito mais agradável” explica Rafael Costa, diretor comercial da Embalixo.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem apresenta soluções inteligentes para embalagens na Interpack 2017

03/05/2017

A Braskem participará da Interpack, em Düsseldorf, Alemanha, de 4 a 10 de maio, no estande G15 (Hall 9). No evento, a empresa apresentará novas aplicações para o Plástico Verde I’m greenT, como, por exemplo, a embalagem de café da Peeze e outras para o segmento de personal care, da Speick e L’Erbolario. Resina de polipropileno desenvolvida para produção de espumas de alta performance também será exibida, além de pesquisas e avanços na tecnologia para embalagens inteligentes.

“O Plástico Verde é resultado de um projeto de pesquisa e desenvolvimento que recebeu cerca de US$ 300 milhões em investimentos e envolvimento de diversas pessoas. Atualmente o biopolímero é exportado para Europa, EUA, Ásia, África e América do Sul e mais de 150 marcas o utilizam ao redor do mundo. Para a Braskem, participar da principal feira mundial de embalagens é uma oportunidade para reforçar a nossa presença global”, afirma Gustavo Sergi, responsável pelo Negócio de Químicos Renováveis da Braskem.

Resina para produção de espumas

A Braskem apresenta também a sua marca Amppleo, resina de polipropileno com propriedades de High Melt Strength. O produto foi desenvolvido para a produção de espumas versáteis de alto desempenho para aplicação nos mercados de embalagens, industrial e automotivo, afirma a Braskem.

Segundo a empresa, a resina é capaz de suportar temperaturas de até 130°C sem se deformar e possibilita a fabricação de espumas com ampla versatilidade de aplicações dentro de uma grande escala de densidade que pode ir de 30 kg a 300 kg por metro cúbico, apresentando redução de peso frente a outros materiais e um excelente isolamento térmico e acústico. Além disso, o material pode ser totalmente reciclado.

Pesquisas em embalagens inteligentes

Outro destaque para a edição deste ano ficará por conta dos avanços em pesquisas de embalagens inteligentes, as quais poderão informar ao consumidor sobre a qualidade e o estado de conservação de produtos variados, desde alimentos a cosméticos, através da mudança de cor. A Braskem, em parceria com a Universidade norte-americana de Clemson e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), no Brasil, trabalha no desenvolvimento desta tecnologia.

Parcerias que viabilizam inovação

A Braskem apresentará copos de Polipropileno em parceria com a empresa Gizeh e de Plástico Verde em parceria com empresa finlandesa Stora Enso.

Será divulgada também parceria entre a Braskem e a Made In Space, empresa norte-americana líder no desenvolvimento de impressoras 3D para a Nasa, para o fornecimento de Plástico Verde para a manufatura de ferramentas e peças na Estação Espacial Internacional (ISS).

O café que será servido no estande é produzido pela Peeze, única refinaria de café na Holanda que fornece 100% de café certificado e que tem embalagem feita com Plástico Verde I’m greenT. As embalagens sustentáveis são resultado de uma parceria anunciada em outubro de 2016 entre as empresas.

A Braskem produz anualmente um volume de termoplásticos superior a 20 milhões de toneladas, incluindo a produção de outros produtos químicos e petroquímicos básicos, apresentando um faturamento anual de R$ 54 bilhões. A Braskem atua em mais de 70 países, conta com 8 mil integrantes e opera 41 unidades industriais, localizadas no Brasil, EUA, Alemanha e México, esta última em parceria com a mexicana Idesa.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Indústria de bebidas aposta em Polietileno de origem renovável

17/02/2017

braskem-pe-verde-bebidas

Adoção do PE verde é crescente entre empresas do segmento

Em todo o mundo, o setor de bebidas é um dos mais engajados na busca de soluções inovadoras que tornem seu negócio mais sustentável e, portanto, com menor impacto no meio ambiente. O segmento é, por exemplo, um dos que adota o polietileno produzido a partir de etanol de cana-de-açúcar -tecnologia desenvolvida pela Braskem.

A última empresa brasileira a adotar o Plástico Verde “I’m green”, foi a Serra da Cantareira Águas Minerais. A companhia passou a utilizar a matéria-prima renovável em tampas de água mineral da marca Puraqua.  Ainda em 2016, a Woolworths, uma das principais redes de supermercados da África do Sul, também anunciou o uso do polietileno de origem renovável em suas embalagens de leite. Já a alemã Eckes-Guanini passou a usar o Plástico Verde em seus sucos orgânicos para as marcas Bramhults e Valsolille.

Outras empresas que firmaram parceria com a Braskem foi a japonesa Asahi, aplicando o Plástico nas tampas dos refrigerantes da marca Mitsuya Cider, de 1,5 litro. Já a  a Suntory, também japonesa e líder no segmento, recentemente passou a utilizar a resina nas tampas de suas garrafas de água mineral de 550 ml “Suntory Aso Tennensui”, cuja produção anual é estimada em 26 milhões de unidades.

Em 2015, a Pernod Ricard Brasil, afiliada da multinacional francesa de destilados, vinhos e champanhes, foi a primeira empresa de destilados a adotar o Plástico Verde  nas tampas dos seus produtos Rum Montilla e Vodka Orloff. O polietileno de origem renovável também pode ser encontrado em rolhas de garrafas de vinho fabricadas pela Nomacorc. Denominadas Select®Bio, as rolhas são 100% recicláveis e apresentam o mesmo desempenho em controle do oxigênio que a linha convencional, além de evitar a deterioração e desperdício causados por processos como oxidação e redução, afirma a Braskem.

A Tetra Pak, maior fornecedora mundial de embalagens tipo longa vida, usa desde 2012 tampas feitas de Plástico Verde. Além disso, há mais de dois anos, a companhia também usa polietileno de baixa densidade (LDPE) “I’m green” como componente das camadas de suas embalagens cartonadas. A Nestlé foi uma das indústrias pioneiras no uso do Plástico Verde, ao adotar a solução nas linhas Ninho e Molico em junho de 2011, pouco depois do lançamento da resina.

Pegada de Carbono

Em abril, o plástico verde “I’m green” recebeu a certificação da pegada de carbono do Ministério do Desenvolvimento da Indústria e do Comércio (MDIC), dentro das ações para implementar a Política Nacional de Mudanças Climáticas em setores prioritários. De acordo com a medição, realizada pela Carbon Trust e pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), o polietileno de origem renovável tem uma pegada de emissões negativa, ou seja, ajuda a sequestrar o gás poluente da atmosfera.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Serra da Cantareira Águas Minerais lança marca Puraqua e passa a utilizar o Plástico Verde

22/12/2016

braskem-puraqua

Bioplástico renovável da Braskem estará presente nas tampas das embalagens de água mineral

A Serra da Cantareira Águas Minerais lançou a Puraqua, primeira marca brasileira de seu segmento a adotar o Plástico Verde em tampas de garrafas. A resina, cuja origem é o etanol da cana-de-açúcar, reforça a proposta da empresa de adotar elevados padrões de sustentabilidade em todo o processo produtivo.

A fonte utilizada pela linha Puraqua fica dentro na reserva ambiental do Parque da Cantareira, dentro de um cinturão de preservação da fauna e flora, o que garante a leveza e pureza da água, afirma a empresa. Além disso, o processo de engarrafamento foi elaborado para assegurar que as características naturais permaneçam as mesmas desde a extração até o consumo final.

O consumidor poderá identificar a embalagem a partir do selo “I’m greenT“, visível na frente e no verso do produto. A marca é a identificação da Braskem para embalagens que são de origem renovável. Atualmente, mais de 80 produtos são feitos de PE Verde, desde embalagem de bebidas, alimentos até produtos de beleza, ferramentas de jardinagem e componentes automotivos.

No ramo de envase de água mineral há 6 anos, a Serra da Cantareira Águas Minerais possui uma linha completa de produtos de água mineral natural. Com embalagens descartáveis e retornáveis a empresa conta com uma base sólida de distribuidores na região da Grande São Paulo e litoral paulista. Localizada dentro de uma reserva ambiental, qualidade e sustentabilidade são os focos da operação.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Novas embalagens de linha Cuide-se Bem de O Boticário utilizam Polietileno Verde

08/12/2016

braskem-boticarioA linha Cuide-se Bem, de O Boticário, está de cara nova. E junto ao novo conceito, que convida as consumidoras a praticarem a lei do bem-me-quero – estimulando um tempo para se cuidar, a empresa pensou também nos cuidados com o meio ambiente. Essa é a primeira vez que uma linha completa de produtos do Grupo Boticário traz todos os itens com embalagens de plástico vegetal.

O Plástico Verde, derivado do etanol da cana-de-açúcar, fonte 100% renovável, colabora para a redução da emissão dos gases causadores do efeito estufa. Com as mesmas características do polietileno tradicional, as embalagens feitas da cana-de-açúcar para Cuide-se Bem evitarão a emissão de cerca de três mil toneladas de CO2 por ano, afirma a Braskem.

“Em cada lançamento de suas marcas, o Grupo Boticário estimula a redução do impacto ambiental dos produtos. Fazemos isso pensando em novas soluções para as embalagens, fórmulas e processos que gerem impactos positivos no planeta e benefícios maiores para as pessoas”, afirma Malu Nunes, gerente de sustentabilidade do Grupo Boticário.

De acordo com Gustavo Sergi, diretor de Químicos Renováveis da Braskem, o lançamento está alinhado ao propósito da empresa de melhorar a vida das pessoas, por meio da química e do plástico. “Compartilhar essa iniciativa com empresas de destaque em seus setores e claramente comprometidas com a promoção da sustentabilidade é muito importante para a companhia e para o desenvolvimento desse negócio”, afirma.

Para ajudar o consumidor a reconhecer o produto na hora da compra, O Boticário criou o ícone “Com Plástico Vegetal”, que garante a origem da embalagem. Além de ecoeficientes, os itens de Cuide-se Bem trazem embalagens mais bonitas e divertidas para convidar a consumidora a olhar para si mesma. “Toda mulher precisa tirar um tempo para se cuidar, se curtir e se gostar mais, mesmo que seja apenas por alguns instantes diários. O mundo não vai parar, então nós precisamos nos priorizar. Essa é a proposta de Cuide-se Bem, um cuidado para si mesma”, explica Aline Mori, gerente de Cuidados Pessoais de O Boticário.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Embalixo lança nova embalagem “Fecha Fácil” com plástico derivado de cana-de-açúcar

17/09/2016

braskem_embalixo

Produto sustentável facilita o descarte de lixo

Empenhada em facilitar a vida do consumidor, a Embalixo, empresa brasileira líder na produção de sacos para lixos, lança o “Fecha Fácil”, modelo que possui abas para facilitar o fechamento da embalagem. O produto já está disponível para o consumidor e possui quatro versões: de 15, 30, 50 e 100 litros.

A nova embalagem utiliza como matéria-prima o Polietileno Verde, resina desenvolvida pela Braskem. O PE Verde, produzido a partir de cana-de-açúcar, possui características idênticas às do polietileno de origem fóssil, não requer mudanças nos processos de transformação e pode ser reciclado nas correntes já existentes.

Desde 2011, a Embalixo adota o Plástico Verde em seus sacos para lixos. “Estamos muito satisfeitos em lançar uma embalagem que visa facilitar a vida do consumidor já com o selo I’m greenT, o que reforça nosso compromisso com o descarte simples e correto de resíduos”, explica Rafael Costa, diretor comercial da Embalixo.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Cartaplast apresenta embalagens de Plástico Verde da Braskem

07/09/2016

braskem_cartaplast

Bastante utilizado do mercado alimentício, o Plástico Verde tem uma nova aplicação em embalagens. A Cartaplast do Brasil, que comemora 25 anos de atuação, agora utiliza a resina de origem renovável na fabricação de bobinas picotadas, solução para acondicionamento de alimentos como carnes e aves. Com o lançamento, a empresa reduz os impactos no meio ambiente por meio da adoção de uma inovação tecnológica brasileira, desenvolvida pela Braskem.

O Polietileno Verde tem vantagens no que diz respeito à sustentabilidade. Além de ser obtido a partir de fonte renovável (cana-de-açúcar), ou seja, não consumir recursos fósseis limitados, captura CO2 durante seu ciclo de fabricação. As embalagens da Cartaplast do Brasil terão o selo I’m greenT, que garante a origem do produto.

Fundada em 1991, a Cartaplast do Brasil iniciou suas atividades produzindo e comercializando bobinas picotadas para atender à exigência do setor varejista e o segmento de distribuição de embalagens. Nos anos que seguiram, registrou uma série de aquisições em extrusoras e sacoleiras de última geração com a perspectiva de consolidação na indústria do plástico no Brasil, firmado – se como um importante player nacional no mercado de bobinas picotadas e sacolas plásticas. A estratégia de crescimento, apoiada na inovação e na expansão de capacidades para suprir a demanda do mercado proporcionou à empresa novo estágio de desenvolvimento em volume, qualidade e oportunidade de negócios.

Fonte Braskem

Curta nossa página no

Plástico verde da Braskem chega às embalagens de cosméticos naturais e veganos

03/08/2016

Braskem-Biovegan2O Plástico Verde da Braskem agora é usado em embalagens de cosméticos naturais e veganos da Aroma e Magia. As resinas de polietileno de cana-de-açúcar serão usadas na nova marca Bio Vegan.

A Bio Vegan foi criada para atender à demanda do consumidor por produtos fabricados de forma ambientalmente responsável. Por isso, os cosméticos são desenvolvidos de forma a gerar menos impacto na natureza e trazer um ritual de harmonia e bem-estar para quem os utiliza. Entre os lançamentos estão o esfoliante corporal, sabonete Líquido, óleo para banho e loção hidratante corporal.

“Desenvolver os cosméticos Bio Vegan foi um verdadeiro desafio, pois procuramos criar cosméticos o mais verde possível e que contribuíam para um momento de conforto e bem-estar. O resultado de tanta pesquisa foi surpreendente e encantador”, explica Maria de Lourdes Vertuan, farmacêutica-bioquímica e diretora da Bio Vegan.

Com o objetivo de ajudar o consumidor a reconhecer o produto que usam a matéria-prima 100% renovável, a Braskem criou o selo “I’m greenT“. O Plástico Verde adotado pela Bio Vegan captura e fixa gás carbônico da atmosfera, colaborando para a redução da emissão dos gases causadores do efeito estufa. O produto apresenta as mesmas características do polietileno tradicional e pode ser reciclado na cadeia já existente.

“A cada ano conquistamos clientes focados em contribuir com o meio ambiente e que também possuem o objetivo de melhorar a vida das pessoas. Apostar na utilização do Plástico Verde reafirma o compromisso das duas companhias com a inovação e a sustentabilidade em seus negócios”, afirma Gustavo Sergi, diretor de Renováveis da Braskem.

Os cosméticos estão disponíveis em farmácias, lojas de decoração e lojas de cosméticos naturais.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Pernod Ricard Brasil adota tampas produzidas com Plástico Verde da Braskem

21/12/2015

Braskem-plastico-verde

  • Multinacional francesa é a primeira empresa de destilados do mundo a ter o selo I’m greenT
  • Plástico Verde será usadao em tampas dos produtos da Pernod Ricard Brasil

A Pernod Ricard Brasil, afiliada da multinacional francesa de destilados, vinhos e champanhes, anunciou a adoção, nas tampas dos produtos de seu portfólio local, do Plástico Verde I’m greenT, da Braskem. O investimento em PE Verde é o primeiro do mundo de uma empresa de destilados.

Iniciado há um ano, o projeto de substituição da tampa plástica tradicional pela de polietileno de origem renovável, produzido a partir de etanol de cana-de-açúcar, foi desenvolvido pela Braskem em colaboração com as empresas Guala e Plastamp, fornecedores locais da Pernod Ricard Brasil, e reforça o compromisso das companhias em reduzir o impacto de suas atividades no meio ambiente.

“A Plastamp sempre priorizou a inovação, sustentabilidade e tecnologia na matriz de desenvolvimento de seus produtos.” afirma Norberto Coelho, diretor comercial da Plastamp. “Em conjunto com as empresas Pernod Ricard e Braskem, a Plastamp festeja o sucesso do lançamento de uma alternativa de tampa conta-gotas, que utiliza o Plástico Verde, tornando-a competitiva, elegante e funcional para ancorar o fechamento de uma grande marca de bebidas da Pernod Ricard Brasil”.

Na visão do gerente comercial da Guala, Silvio Marcellini, “o projeto com a utilização de Plástico Verde na produção de tampas de segurança (core business da empresa) é visto pela Guala Closures Group como outro passo significativo e estratégico em seu compromisso com a sustentabilidade e de trabalho em parceria com seus fornecedores e clientes”.

Para a Braskem, a parceria demonstra o empenho da empresa em estar ao lado de indústrias de diferentes segmentos para oferecer soluções sustentáveis. Lançado há cinco anos, o Plástico Verde I’m greenT é resultado de um longo trabalho de pesquisa. Segundo a empresa, por ser produzido a partir de um material de fonte renovável, ajuda a capturar e fixar o CO2 da atmosfera,  representando, aproximadamente, 2,15 toneladas de gás carbônico para cada tonelada de eteno produzida.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Plástico Verde da Braskem completa cinco anos e amplia espaço no mercado mundial

29/10/2015

Polietileno de origem renovável já está presente em vários países, com um número cada vez maior de parcerias

Polietileno-verdePrimeiro polietileno de origem renovável a ser produzido em escala industrial no mundo, o Plástico Verde I’m greenT da Braskem completou em setembro cinco anos de mercado. Atualmente, a resina fabricada a partir de etanol de cana-de-açúcar é uma realidade presente no dia a dia de indústrias de diferentes segmentos e também dos consumidores de países das Américas do Sul e Norte, Europa, Ásia e Oceania.

As pesquisas de uma matéria-prima renovável, capaz de manter a qualidade da produção e atribuir vantagens ambientais, começaram em 2007. Três anos depois, a Braskem fez um aporte de US$ 290 milhões para inaugurar sua fábrica de PE Verde em Triunfo, no Rio Grande do Sul.

Ao longo desse período, diversas conquistas fizeram com que o Polietileno Verde ganhasse força e espaço no mercado mundial. Hoje, mais de 80 marcas, que vão de embalagens de alimentos a produtos de higiene pessoal, ferramentas de jardinagem e até de componentes de carros utilizam a resina. Entre os clientes, estão Johnson & Johnson, Faber-Castell, Kimberly-Clark, Shiseido e Tramontina.

Como exemplo das conquistas, a Tetra Pak® inovou em 2011 e foi o primeiro fornecedor de embalagens de alimentos líquidos a utilizar Plástico Verde em suas tampas. A partir de 2014, a empresa incorporou polietileno de origem renovável como componente das camadas de suas embalagens produzidas no Brasil.

Outro ponto importante na trajetória foi a parceria firmada com a Embalixo em 2011 para a produção de sacos de lixo.

Processo produtivo e sequestro de carbono

O processo de produção começa com a desidratação do etanol para transformá-lo em eteno, que segue para as unidades de polimerização, onde é transformado no polietileno. A resina plástica derivada da cana-de-açúcar é levada, então, para empresas de terceira geração, os transformadores, que irão transformá-lo em produtos plásticos acabados. Segundo a Braskem, por ser feito com uma matéria-prima uma fonte renovável, o PE Verde ajuda a capturar e fixar o CO2 da atmosfera, o principal causador do efeito estufa, representando, aproximadamente, 2,15 toneladas de gás carbônico para cada tonelada de Plástico Verde produzido.

Afirma também a Braskem que outro aspecto positivo para o mercado é que as propriedades mecânicas e de processabilidade do I’m greenT são idênticas àquelas apresentadas pelo petroquímico convencional. A Braskem produz o polietileno de origem renovável de alta densidade (PEAD) e baixa densidade linear (PEBDL) em escala industrial desde setembro de 2010, sendo que a partir de 2013 foi incorporado ao portfólio o Polietileno de origem renovável de baixa densidade (PEBD). Além disso, as várias alternativas de aplicação são possíveis devido à oferta de 30 grades nestas famílias de produtos.

Vanguarda

Segundo Antonio Morschbacker, diretor de Tecnologias Renováveis da Braskem, “o pioneirismo da Braskem na produção do Plástico Verde reflete investimentos feitos, desde o início da companhia, em pesquisas que visam o desenvolvimento de novas tecnologias que permitam a produção de produtos sustentáveis”.

A empresa conta com diversos produtos da química renovável ainda em fase de pesquisa e desenvolvimento. Uma das iniciativas foi anunciada em 2014, quando a empresa juntou-se à norte-americana Amyris e à francesa Michelin para o desenvolvimento de tecnologia voltada à produção de isopreno de fonte renovável, insumo químico utilizado pela indústria de pneus. As três empresas trabalharão unidas para acelerar os estudos bioquímicos que utilizam açúcares oriundos da cana-de-açúcar e de insumos de celulose. No final de 2013, a Braskem também firmou acordo com a Genomatica, startup norte-americana de biotecnologia, a fim de desenvolver nova tecnologia para a produção de butadieno de origem renovável, visando atender ao mercado de borrachas sintéticas.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Tramontina lança linha de jardinagem com Plástico Verde da Braskem

06/07/2015

Coleção Sweet Garden utiliza matéria-prima de fonte renovável

sweet-garden_tramontinaA Tramontina apresenta ao mercado sua nova linha de utilidades para jardinagem, a coleção Sweet Garden, fabricada com o Plástico Verde I’m greenT da Braskem. Essa coleção traz ao mercado produtos coloridos e com design afetivo, feitos para tornar a área verde um ambiente aconchegante e inspirador. O plástico verde tem como origem o etanol da cana-de-açúcar, uma fonte 100% renovável e que captura gás carbônico da atmosfera em seu processo produtivo.

Com um design afetivo, a coleção Sweet Garden foi desenvolvida pela Zon Design e traz o selo I’m greenT para identificar a procedência de fonte renovável. Composta por regadores com capacidade para sete litros; kit cocoon, com contenedor, pazinha larga, pazinha estreita, garfo e ancinho; cachepôs Mimmo, em quatro cores (rosa, azul, cinza e amarelo) e dois tamanhos (1,7 litros e 5,5 litros); e kit presente especial, com 13 acessórios para cuidar de plantas e flores. Os kits de plástico verde da Braskem já podem ser encontrados no site de Tramontina e em lojas especializadas.

Resultado da combinação de inovação, tecnologia e sustentabilidade, o biopolímero da Braskem, feito a partir do etanol, captura 2,15 quilos de CO2 a cada quilo de plástico verde produzido, com 80% da energia consumida em todo o processo proveniente de fonte renovável.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

PremieR pet adota embalagem com Plástico Verde da Braskem

17/06/2015

Marca apresenta linha de alimentos super premium para cães e gatos

SELEÇÃO-NATURAL-FILHOTES-RP-10-KGEspecialista em nutrição de alta qualidade para cães e gatos, a PremieR pet apresenta a nova linha PremieR Seleção Natural, desenvolvida para atender consumidores adeptos de um estilo de vida saudável, com base na alimentação natural.

Além de uma série de diferenciais em ingredientes, o produto traz embalagens elaboradas com plástico verde da Braskem, derivado da cana-de-acúcar. O polietileno renovável possui as mesmas características do polietileno tradicional e pode ser reciclado na cadeia já existente.

A decisão de adotar o plástico verde alinha-se aos valores que norteiam a PremieR pet desde a sua fundação, há quase 20 anos, afirma Fernando Jun Suzuki, responsável pelo departamento de produtos e trade marketing da companhia. “A empresa direciona esforços permanentes e tem diversas iniciativas para minimizar o impacto ambiental no desenvolvimento de suas atividades fabris. Carregar o selo I’m greenTM nas novas embalagens está diretamente relacionado com o conceito que a linha PremieR Seleção Natural apresenta ao mercado e é mais uma importante medida de sustentabilidade na cadeia produtiva.”

Os alimentos PremieR pet são vendidos exclusivamente em canais especializados, como clínicas veterinárias e pet shops.

Sobre a PremieR pet: Pioneira na fabricação de alimentos Super Premium no Brasil, a PremieR pet é uma empresa 100% nacional, especialista em nutrição de qualidade para cães e gatos. Com 19 anos de atuação, está presente em todas as regiões do país. Foi a primeira empresa no mundo a desenvolver uma linha de alimentos para Raças Específicas; é também pioneira na produção da linha Ambientes Internos no Brasil, e é a única que detém a tecnologia DUO, que permite variar o cardápio de cães e gatos sem a realização da troca gradativa. Sua mais recente inovação é a linha de alimentos coadjuvantes PremieR Nutrição Clínica. O portfólio da marca inclui mais de 180 itens, comercializados exclusivamente em pet shops e clínicas veterinárias.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Prysmian expande linha de cabos sustentáveis com o Plástico Verde da Braskem

10/06/2015

Família Afumex Green cresce incluindo cabos da classe de tensão 0,6/1kV (até 1.000V)

prysmianAlinhada às principais frentes de desenvolvimento de tecnologias sustentáveis, a Prysmian, maior fabricante mundial de cabos elétricos e de telecomunicações, expande a sua linha de cabos Afumex Green, com o novo componente Afumex Green 1kV (1.000 Volts).  Referência em segurança e qualidade, o lançamento utiliza, na sua isolação, o polietileno “Verde” da Braskem, derivado da cana-de-açúcar.

“A preocupação com sustentabilidade está no DNA da Prysmian. Com este lançamento, aumentamos nossa gama de produtos “verdes”. Inovamos ao apresentar, há três anos, o primeiro cabo ecológico do mundo, o Afumex Green 750V. Agora, com a extensão da linha para o Afumex Green classe de tensão 0,6/1kV, seguimos com nosso compromisso de sempre oferecer ao mercado inovações tecnológicas no segmento de fios e cabos. O próximo passo é ampliar o uso do polietileno de origem renovável para famílias de cabos de concessionárias para distribuição de energia em redes aéreas e subterrâneas”, declara Humberto Duplat Paiva, diretor comercial da Prysmian.

Os cabos Afumex Green 1kV atendem às exigências das normas (NBR5410 e NBR13570) para instalações elétricas em locais com grande concentração de pessoas e, até mesmo, em ambientes confinados, uma vez que não propaga chama em caso de incêndios e tem baixa emissão de fumaça e gases tóxicos. Além disso, são utilizados para energizar máquinas, equipamentos e iluminação em geral, sendo aplicáveis em estádios, aeroportos, shoppings, escolas, edifícios comerciais e residenciais, entre outros.

Para apresentar ao mercado o novo Afumex Green, a Prysmian investiu R$ 10 milhões em Pesquisa & Desenvolvimento e em equipamentos para produção. A nova geração dos cabos será produzida nas fábricas de Sorocaba e Santo André (SP), a partir de maio, e será destinada para toda a América do Sul.

Segundo a Braskem, o seu polietileno “verde” captura 2,15 quilos de CO2 a cada quilo de plástico produzido, sendo que 80% da energia consumida em todo o processo é proveniente de fonte renovável.

Sobre a Prysmian: O Grupo Prysmian conta com 19 mil colaboradores, 91 fábricas e está presente em 50 países, com 17 centros de Pesquisa e Desenvolvimento na Europa, Estados Unidos e América do Sul. Com três unidades de negócio – Energia (cabos aéreos, terrestres e submarinos para a transmissão e distribuição de energia elétrica), Telecomunicações (cabos e fibras ópticas para transmissão de dados, imagem e voz e cabos convencionais em cobre) e Petróleo (Umbilicais, Dutos Flexíveis de Produção e Cabos Especiais para plataformas e bombas submersas), o Grupo Prysmian está presente em todos os continentes. No Brasil, com mais de 20% de market share, a empresa possui oito unidades fabris localizadas em Santo André e Sorocaba (quatro fábricas), em SP, Joinville, em SC, Vila Velha e Cariacica, no ES, além de dois centros de Pesquisa e Desenvolvimento. Conta com mais de 1.400 funcionários que são responsáveis pela produção de aproximadamente 80 mil toneladas de cabos por ano.

Sobre a Braskem: A Braskem possui 36 plantas industriais distribuídas pelo Brasil, Estados Unidos e Alemanha e produz anualmente mais de 16 milhões de toneladas de resinas termoplásticas e outros produtos petroquímicos. A Braskem tem capacidade para fabricar anualmente 200 mil toneladas de polietileno derivado de etanol de cana-de-açúcar.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Surya Brasil amplia linha de cosméticos com plástico verde da Braskem

26/03/2014

As novas embalagens serão produzidas com matéria-prima de fonte renovável

Braskem_SuryaA Surya Brasil, marca líder em cosméticos naturais, veganos e orgânicos, lança quatro novos produtos da linha Sapien Women. Com o conceito “Desintoxique sua Beleza”, a linha, que busca oferecer produtos mais sustentáveis, utiliza embalagens feitas com o Plástico Verde produzido pela Braskem, cujo diferencial está em contribuir para a redução da emissão dos gases do efeito estufa na atmosfera. O plástico verde é feito a partir do eteno obtido do etanol de cana-de-açúcar capturando gás carbônico durante o seu processo produtivo. Para ajudar o consumidor a reconhecer o plástico verde, a Braskem criou o selo ‘I´m green T’, que garante a origem renovável da embalagem.

A linha Sapiens Women foi desenvolvida para o uso diário e traz shampoo, condicionador, leave-in (creme para pentear) e reparador de pontas, todos com fragrância feita a partir de extratos naturais de coco e manga. Além dos novos produtos, a linha Sapien Men já utiliza a matéria prima renovável. As embalagens foram produzidas em parceria com a C-Pack, empresa líder na América Latina na produção de bisnagas plásticas flexíveis, e estarão disponíveis na América do Sul, América do Norte, Europa, Ásia e África.

“Os cosméticos naturais, veganos e orgânicos hidratam profundamente a pele e cabelos, proporcionando resultados reais e de longa duração. É uma opção ainda inédita no mercado brasileiro e ideal para as mulheres que se importam com a beleza, com o bem-estar e com a conservação do planeta”, explica Clélia Angelon, diretora e fundadora da Surya Brasil.

Para a Braskem, os novos produtos estão alinhados aos valores da empresa de inovar e melhor servir às pessoas. “O uso do plástico verde proporciona ao consumidor uma solução sustentável para embalagens. A expansão da parceria com a Surya reforça o cuidado da empresa em oferecer soluções para seus clientes”, afirma Alexandre Elias, diretor de Químicos Renováveis da Braskem.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Rolhas de garrafas de vinho nos EUA serão feitas com plástico verde da Braskem

04/02/2014

Material 100 % renovável será empregado de forma inédita pela Nomacorc, líder na produção de rolhas sintéticas para garrafas de vinho Braskem_rolhasno país norte-americano

A Braskem empregará de maneira inédita o seu polietileno derivado de cana-de-acúcar (Polietileno I’m greenTM), em rolhas para garrafas de vinhos fabricadas pela Nomacorc, empresa líder no segmento nos Estados Unidos. Denominadas Select® Bio, as rolhas são 100% recicláveis e apresentam o mesmo desempenho em controle do oxigênio que a linha convencional, além de evitar a deterioração e desperdício causados por processos como oxidação e redução. Neste caso, o plástico verde substitui com eficiência a cortiça, material proveniente de árvores específicas para tal fim e que podem levar algumas décadas para serem cultivadas.

O Polietileno I’m greenTM é feito a partir do eteno obtido do etanol de cana-de-açúcar. Seu grande diferencial é contribuir para a redução da emissão dos gases do efeito estufa na atmosfera, já que captura gás carbônico durante o seu processo produtivo. Ele também apresenta as mesmas características do polietileno tradicional, ou seja, não necessita de adaptações de maquinário e pode ser reciclado. Para ajudar o consumidor a reconhecer o plástico verde, a Braskem criou o selo ‘I´m green TM’, que garante a origem renovável da embalagem.

“A Braskem é uma organização sólida, com um histórico de criação de polímeros confiáveis e sustentáveis para os principais fabricantes do mundo todo”, destacou Olav Aagaard, cientista-chefe da Nomacorc. “A utilização do polietileno verde de cana-de-açúcar da Braskem nos dá a confiança necessária para oferecermos aos nossos clientes rolhas neutras em carbono, o que não só ajuda a garantir a consistência e qualidade dos vinhos, mas também permite o desenvolvimento de uma solução de embalagem mais sustentável”.

“Ficamos muito satisfeitos com a escolha feita pela Nomacorc para o desenvolvimento de uma solução mais sustentável com o nosso plástico verde”, diz Marco Jansen, Diretor Comercial de Químicos Renováveis da Braskem para a Europa e Estados Unidos. “Escolhas como as realizadas pela Nomacorc mostram que esta é uma tecnologia altamente viável e com grande potencial de crescimento, e que pode ser plenamente empregada como alternativa sustentável ao uso de combustíveis fósseis”, conclui Marco Jansen.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem e Genomatica fecham acordo para o desenvolvimento do butadieno verde

11/12/2013

Braskem reforça  compromisso com a pesquisa de rotas de matérias-primas químicas renováveis

A Braskem e a Genomatica, empresa norte-americana de biotecnologia, fecharam acordo para o desenvolvimento conjunto de uma nova tecnologia para a produção de butadieno de origem renovável. Com a parceria, a Braskem reafirma seu compromisso no investimento em pesquisas de matérias-primas químicas renováveis, fortalecendo seu papel de liderança neste segmento.

O objetivo da Braskem com o butadieno verde é atender principalmente ao mercado de borrachas sintéticas, suprido essencialmente pelo butadieno de base nafta, do qual a empresa já é a terceira maior produtora mundial. Com a expectativa de recuperação do crescimento econômico global nos próximos anos, a previsão é de uma demanda crescente pelo insumo, utilizado pela indústria de pneus, maior consumidor do produto.

A pesquisa entre a Braskem e a Genomatica busca não somente encontrar alternativas baseadas em matérias-primas renováveis, mas também desenvolver rotas competitivas em termos de custos de produção. A Braskem, em conjunto com a Genomatica, vai destacar um time de pesquisadores para o desenvolvimento do butadieno verde utilizando o açúcar como matéria-prima. Pelo acordo, se os resultados forem bem sucedidos, a Braskem e Genomatica vão construir uma planta-piloto e uma planta demonstração nos próximos anos. O acordo também garante certos direitos de exclusividade à Braskem no uso da tecnologia nas Américas.

“A Braskem tem uma estratégia clara de investir na pesquisa e no desenvolvimento de insumos renováveis como alternativas complementares às rotas de origem petroquímica. Assumimos a liderança da química verde quando anunciamos a produção do plástico feito a partir da cana de açúcar em 2010 e agora reforçamos essa visão”, afirma Alexandre Elias, diretor de Químicos Renováveis da Braskem.

Para Christophe Schilling, CEO da Genomatica, o acordo ajuda a fortalecer a posição da empresa como desenvolvedora e licenciadora de processos de tecnologias renováveis para a indústria química. “Nossa parceria aproxima a indústria de uma comercialização de butadieno mais sustentável e economicamente viável”, diz Schilling. A Genomatica, fundada em 1998 por pesquisadores da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD), possui 71 patentes registradas e 450 pedidos adicionais de patentes aplicando sua tecnologia no desenvolvimento de múltiplas abordagens para a produção comercial de bio-butadieno, utilizando várias matérias-primas renováveis.

Além de matéria-prima para a indústria de pneus, o butadieno é utilizado na produção de eletrodomésticos, calçados, plásticos, modificadores de asfalto, aditivos para óleos lubrificantes, tubos, componentes de construção e de látex. O butadieno produzido pela rota tradicional tem sofrido escassez estrutural de oferta nas Américas em decorrência da ascensão do shale gas, que ao contrário da nafta quase não gera co-produtos.

Plástico verde

Desde setembro de 2010, a Braskem produz em escala industrial a resina de polietileno oriunda do etanol de cana-de-açúcar, matéria-prima 100% renovável, para o qual investiu cerca de R$ 500 milhões na construção de uma fábrica com capacidade de 200 mil toneladas anuais no polo petroquímico de Triunfo, na região Sul do Brasil. Identificado pelo selo “I’m greenTM”, o polietileno verde brasileiro está presente em diversas embalagens de alimentos e bens de consumo.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem anuncia tampa de polietileno para bebidas carbonatadas

29/05/2013

A Braskem anuncia o lançamento de novo grade de polietileno (PE) para tampas para bebidas carbonatadas. A previsão é que o produto esteja disponível ao mercado no segundo semestre deste ano. A novidade chega para completar o portfólio de produtos da Braskem para o segmento de bebidas, que conta com resinas de polipropileno e polietileno nos processos de injeção e moldagem por compressão para tampas com ou sem liner.

Segundo a empresa, o PE para tampas de bebidas carbonatadas foi desenvolvido no Centro de Tecnologia e Inovação, localizado em Triunfo (RS), pelas equipes de Engenharia de Produto e Aplicação, possibilita a produção de tampas com ótima capacidade de vedação e que mantém as características da bebida envasada, além de ter desempenho sustentável, já que permite redução de peso da embalagem e a reciclagem da tampa. O grade tem ainda mais destaque no aspecto sustentável, já que oferece a possibilidade de ser produzido com polietileno verde de origem renovável – etanol de cana de açúcar.

Com esse lançamento, a Braskem reforça sua capacidade de inovação e de acompanhar as tendências do mercado, apresentando soluções que atendam às necessidades dos Clientes e dos consumidores. “A Empresa está constantemente buscando soluções que levem tecnologia e inovação aos nossos Clientes, que assim podem oferecer produtos com melhor desempenho ao mercado”, diz Paulo Sanches, líder do Segmento de Injeção de PE da Braskem.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem expande portfólio e lança nova linha do plástico verde

28/05/2013

Companhia vai produzir 30 mil toneladas anuais de polietileno renovável de baixa densidade

A Braskem anunciou a expansão de seu portfólio de produtos renováveis, com o lançamento da nova linha de polietileno verde de baixa densidade (PEBD), uma família adicional para o já conhecido Plástico Verde. A produção anual da nova resina será de aproximadamente 30 mil toneladas e o produto estará disponível para o mercado a partir de janeiro de 2014.

Para viabilizar a produção da nova linha, foram realizados investimentos para a interligação das fábricas e alguns equipamentos, permitindo assim a produção do polietileno verde de baixa densidade (PEBD) a partir de matérias-primas renováveis. A produção terá duas opções de tecnologia para possibilitar a produção de um portfólio de resinas com diferentes características e que permita atender uma maior variedade de aplicações. O polietileno de baixa densidade é utilizado, principalmente, em embalagens e filmes plásticos.

A Braskem já produz o polietileno de origem renovável de alta densidade (PEAD) e baixa densidade linear (PEBDL) em escala industrial desde setembro de 2010. O produto se destaca por ser uma resina termoplástica produzida a partir do etanol de cana-de-açúcar. Possui propriedades idênticas às do polietileno tradicional e, por ser originário de matéria-prima de fontes renováveis, contribui para a redução da emissão dos gases do efeito estufa ao capturar gás carbônico da atmosfera durante o processo de crescimento da cana.

A expansão da linha de produtos verdes reforça o compromisso da companhia com a criação de valor por meio do desenvolvimento sustentável para a cadeia produtiva do setor, seus Clientes e a sociedade, que cada vez mais busca adotar práticas que visem contribuir para a redução dos gases efeito estufa.

“A Braskem monitora constantemente o mercado e busca soluções para seus Clientes. Nós entendemos que o polietileno verde de baixa densidade irá suprir uma necessidade latente por materiais de origem renovável, ao permitir outras aplicações além das já disponíveis com o portfólio atual do Plástico Verde. Com esta capacidade de produção, estaremos prontos para atender parte da demanda mundial pela resina”, destaca Luciano Guidolin, vice-presidente da unidade de Poliolefinas e Renováveis.

Selo “I’m greenTM”

Para identificar os produtos que usam o Plástico Verde e ajudar o consumidor a reconhecê-los , a Braskem disponibiliza aos seus clientes o selo “I’m greenTM”, que já estampa mais de 50 produtos nas prateleiras brasileiras e garante a origem renovável do plástico. Atualmente, 19 empresas, com 23 marcas, adotam o material originário da cana-de-açúcar em suas linhas, como Danone, Embalixo, Faber Castell, Johnson & Johnson, Kimberly-Clark, Natura, Tetra Pak, Tigre e Walmart.

O uso do selo está condicionado ao cumprimento de algumas regras. Tais critérios têm como principal objetivo a criação de uma identificação forte e que passe credibilidade e transparência para o consumidor final.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

L’Occitane en Provence lança linha com polietileno derivado de cana-de-açúcar da Braskem

30/01/2013

A L’Occitane en Provence é a nova marca a utilizar em suas embalagens o plástico derivado de cana-de-acúcar da Braskem. A linha de produtos corporais para uso diário Bonne Mère, lançamento da marca francesa, chega às lojas em fevereiro e terá sua embalagem fabricada a partir do polietileno verde. A novidade já está sendo usada na França e será exportada para mais de 85 países. A substituição do polietileno convencional tem como objetivo aumentar o uso de matérias-primas renováveis pela multinacional francesa.

O PE Verde é uma resina termoplástica feita a partir do eteno obtido do etanol de cana-de-açúcar. Possui propriedades idênticas às do polietileno convencional, uma resina de grande versatilidade de aplicações, e também é reciclável. Seu grande diferencial é ser feito a partir de matéria-prima proveniente de fontes renováveis, contribuindo para a redução da emissão dos gases do efeito estufa.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Dow e Mitsui adiam implantação de unidade de polietileno derivado de cana-de-açúcar em Minas Gerais

16/01/2013

Citando aumento de custos de projeto, construção, operação e incertezas com a propriedade de terra no Brasil, a Dow Chemical Co. e a Mitsui & Co Ltd. adiaram seus planos para a implantação de uma unidade de produção de polietileno a partir do etanol, em Santa Vitória, Estado de Minas Gerais. O complexo, cuja entrada em operação originalmente estava prevista para o final de 2013, tem um investimento estimado da ordem de U$ 1,5 bilhões e prevê também a expansão das plantações de cana-de-acúcar e a construção de uma usina de etanol com capacidade para processar 2,7 milhões de toneladas de cana, cuja implementação continuará conforme o cronograma previsto.  A joint-venture Dow-Mitsui cultiva hoje uma área de 20 mil hectares de cana-de-acúcar e espera ter a sua primeira colheita completa em 2014.

No curto prazo, a Dow irá se focalizar em investimentos mais rentáveis, particularamente no desenvolvimento de unidades baseadas em gás de xisto nos Estados Unidos. A Dow está investindo 4 bilhões de dólares na Costa do Golfo do México para ampliar sua capacidade de produção de olefinas até 2017. A disponibilidade de amplas reservas de gás de xisto nos Estados Unidos reduz significativamente os custos de produção de poliolefinas.

Curta nossa página no

Parceria entre Braskem e DuPont cria nova linha de produtos com polietileno derivado de cana-de-acúcar

18/11/2012

Resinas adesivas e modificadores de polímeros adesivos passarão a utilizar o plástico de origem renovável

A DuPont Packaging & Industrial Polymers (DuPont) anunciou o lançamento de uma nova linha de resinas adesivas e modificadores de polímeros em parceria com a Braskem, maior produtora de resinas das Américas e líder mundial na produção de biopolímeros, ampliando assim suas linhas de resinas DuPontT Bynel® e DuPontT Fusabond®. Os produtos foram desenvolvidos para igualar ou superar o desempenho de seus equivalentes derivados de petróleo, além de complementar a crescente carteira de soluções da DuPont visando maior sustentabilidade. Os produtos são ainda totalmente recicláveis através das atuais redes de reciclagem de polietileno (PE).

Através da parceria, anunciada oficialmente na European Bioplastics Conference, em Berlim, na Alemanha, a DuPont empregará o PE de fonte renovável da Braskem na produção de alternativas substitutivas às resinas adesivas e modificadores de polímeros de origem fóssil. Assim, usuários poderão atingir melhores indicadores ambientais sem alterar os níveis de desempenho ou processabilidade dos produtos.

O polietileno desenvolvido pela Braskem utiliza o etanol renovável produzido a partir da cana-de-açúcar em substituição a materiais com base em petróleo. O polietileno “verde” oferece um impacto ambiental positivo em relação ao polietileno com base em petróleo, já que captura e sequestra CO2 da atmosfera ao longo da sua cadeia produtiva.

“Estes dois materiais possuem inúmeras aplicações em diversas indústrias,” diz Shanna Moore, diretora global de sustentabilidade da DuPont Packaging & Industrial Polymers. “Estamos comprometidos em auxiliar os clientes a atingirem seus objetivos, visando oferecer maior sustentabilidade em seus produtos. Através de nossos esforços dedicados de pesquisa e desenvolvimento e parcerias como essa com a Braskem, podemos atender com sucesso os desejos de nossos clientes de reduzir sua pegada de carbono”, ressalta.

“A Braskem está empenhada em transformar o desenvolvimento das linhas Bynel® e Fusabond® em uma parceria longa e frutífera com a DuPont”, diz Marcelo Nunes, diretor de Químicos Renováveis da Braskem. “Sabemos que a utilização de biopolímeros em produtos voltados para a indústria de filmes e embalagens multicamadas é uma tendência e os negócios crescerão bastante”.

O compromisso da Braskem com o meio ambiente e sua abordagem à produção sustentável atraiu a DuPont, já que ambas as empresas incluem fortes compromissos ambientais em suas missões. A DuPont possui vasto conhecimento em embalagem multicamadas e na formulação de compostos de polímeros. Tal conhecimento, combinado com novos materiais, permitirá maior penetração de polímeros de fontes renováveis em estruturas mais sofisticadas.

As resinas adesivas de coextrusão DuPontT Bynel®, geralmente chamadas de tie layers, ajudam fabricantes de embalagem a melhorarem suas barreiras, vedação de calor e outras funções em estruturas multicamadas como filmes, garrafas, tubos e folhas termoformáveis. A DuPont oferece à indústria de embalagens a maior variedade disponível destas resinas especializadas. Com os novos grades de origem renovável, a empresa pretende ajudar fabricantes de filmes e embalagens multicamadas que passaram a utilizar o polietileno verde da Braskem a aumentar o conteúdo de material renovável em suas estruturas.

As resinas na linha de produtos DuPontT Fusabond® são polímeros modificados que foram desenvolvidos para facilitar a combinação de polímeros diferentes utilizados em compostos endurecidos, preenchidos ou misturados. Assim como a família de produtos Bynel®, a DuPont oferece uma ampla variedade de produtos para melhor se adaptar às demandas de aplicações específicas. Entre as possíveis aplicações de grades de origem renovável da linha Fusabond® estão o seu uso em compostos de madeira/plástico, compostos de amido/PE e compostos de fibra de vidro/PE, nos quais a utilização de um modificador de base renovável aumenta significativamente a porcentagem de material renovável na estrutura.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Interplast 2012: Cromex leva especialidades para plásticos e produtos sustentáveis

07/08/2012

A Cromex, empresa brasileira líder no mercado nacional de masterbatches de cores e aditivos para plásticos, levará, entre os dias 20 e 24 de agosto, à Interplast 2012, produtos desenvolvidos com foco na performance e sustentabilidade. Entre os produtos voltados à performance, a Cromex vai mostrar sua linha de masterbatches brancos com antifibrilante e aditivo UV, desenvolvida para melhorar o processo de fabricação da ráfia. Vai expor, também, os novos concentrados de cores para fabricação de multifilamentos, filamentos contínuos e não-tecidos (PP e PET).

Com foco na melhoria do desempenho dos polímeros na transformação, a empresa apresentará a linha de cargas minerais, aditivos que proporcionam vantagens ao transformador, como melhoria de propriedades mecânicas, melhor estabilidade dimensional e melhor taxa de troca térmica.

De olho nos eventos esportivos que o Brasil sediará nos próximos anos, a Cromex, que atua neste segmento há mais de cinco anos com masterbatches especiais e se faz presente em diversos estádios brasileiros e arenas poliesportivas cobertas, vai mostrar seus produtos específicos para este mercado. A empresa desenvolveu, em parceria com a Braskem, compostos de cores a base de PE Verde (resina de fonte renovável proveniente do etanol da cana-de-açúcar) para assentos desportivos, atendendo à normativa ABNT NBR 15925/2011.

Ainda com foco na inovação e sustentabilidade, a Cromex também conta com uma série de masterbatches desenvolvidos em PLA (plásticos biodegradáveis), os quais já atendem a diversos segmentos.

Quem passar pelo estande da Cromex também vai conferir seus aditivos e cores com nano partículas de prata, que conferem aos plásticos ação bactericida (elimina as bactérias) e bacteriostática (impede sua proliferação) e podem ser aplicados em PE, PP, PS, ABS e PET, em todos os processos de transformação. Os visitantes da feira vão conhecer ainda a linha completa para BOPP, que inclui brancos puros e com carga, compostos para cavitados e aditivos de performance.

Todos os produtos tem fornecimento local, oferecendo além do suporte técnico de equipes especializadas, uma assessoria completa para suas diversas aplicações.

Sobre a Cromex

Líder no mercado brasileiro de masterbatches de cores e aditivos para plásticos, a Cromex conta com duas unidades (São Paulo e Bahia) com capacidade de produção de 132 mil toneladas/ano. Em suas fábricas, a empresa gera mais de 500 empregos diretos e conta com certificações ISO 9001, 14001 e OHSAS 18001. Seu portfólio conta com mais de 13 mil cores e aditivos, desenvolvidos em laboratórios próprios, para atender 18 segmentos diferentes no setor de transformados plásticos, como brinquedos, embalagens, tampas para diversos segmentos (alimentos, bebidas, cosméticos, higiene pessoal, limpeza), construção civil, automotivo e agrobusiness.

Fonte: MesseBrasil

Curta nossa página no

Estádio do Morumbi recebe os primeiros assentos fabricados com polietileno derivado de etanol

25/07/2012

A giroflex-forma, em parceria com Braskem e Cromex, estreia a primeira linha de assentos produzidos apenas com matéria-prima renovável  no estádio do São Paulo Futebol Clube.

A giroflex-forma, líder no mercado mobiliário em toda a América Latina, lança os primeiros assentos do país feitos a partir de plástico de origem renovável, no camarote do Estádio do Morumbi, em São Paulo. Desenvolvidas em parceria com Cromex e Braskem, as cadeiras instaladas utilizam o polietileno oriundo do etanol de cana-de-açúcar —matéria-prima 100% renovável, de alto valor agregado e reciclabilidade.

“A novidade para todos nós é a sustentabilidade envolvida na concepção do projeto. Isso porque o plástico utilizado nos assentos tem como matéria-prima o etanol, fonte renovável de energia, o que substitui o composto tradicional a base de petróleo”, afirma Linaldo Vilar, diretor de novos negócios da giroflex-forma. Nos próximos três anos, a empresa pretende investir quase R$ 6 milhões no mercado de assentos para arenas esportivas.

Fabricada pela Braskem, maior produtora mundial de biopolímeros, a resina dos ‘assentos de cana’ é mundialmente reconhecida por manter os benefícios e propriedades do polietileno tradicional e ser mais sustentável. O diferencial mais importante é sua capacidade de contribuir para a redução do efeito estufa: para cada tonelada produzida, são capturadas e fixadas até 2,5 toneladas de gás carbônico (CO2) da atmosfera.

A Cromex, empresa líder no mercado de concentrados de cores e aditivos, desenvolveu uma nova geração de compostos com o PE Verde, que serão usados nos mesmos assentos. São aditivos de performance e processo, com formulações isentas de metais pesados e propriedades retardantes de chama livre de halogênios, que seguem os pré-requisitos das normativas FIFA e ABNT.

Fonte: Braskem / Giroflex (foto)

Curta nossa página no