Posts Tagged ‘Comperj’

Petrobras negocia conclusão do Comperj com petrolífera chinesa CNPC

04/07/2017

A Petrobras está negociando uma parceria com a gigante petrolífera chinesa CNPC (China National Petroleum Company) para a conclusão das obras do Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro).

O acordo entre as duas empresas foi anunciado pela Petrobrás na manhã desta terça-feira, mas o comunicado afirma apenas que foi assinado um Memorando de Entendimentos para iniciar negociações para a realização de uma parceria estratégica.

No comunicado oficial, a Petrobrás limitou-se a informar que o Memorando prevê “avaliar, conjuntamente, oportunidades no Brasil e no exterior em áreas-chaves de interesse mútuo, beneficiando-se de suas capacidades e experiências em todos os segmentos da cadeia de óleo e gás, incluindo potencial estruturação de financiamento”.

Em virtude de restrições orçamentárias, a Petrobras havia retirado o Comperj de seu planejamento estratégico, limitando-se a investir em uma Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN), destinada a receber e processar o gás natural produzido no pré-sal. A construção da UPGN será feita com investimentos próprios da Petrobras, da ordem de US$ 2,5 bilhões a US$ 3 bilhões, em Itaboraí, na região metropolitana do Rio.

O projeto original, todavia, incluía a construção de uma refinaria e um complexo petroquímico. As negociações com a CNPC dizem respeito à conclusão da refinaria, que tem capacidade projetada para processar 165 mil barris de petróleo por dia em sua primeira fase. O Comperj foi um dos projetos-alvo das investigações da Operação Lava-Jato e teve suas obras paradas desde 2014. Com obras interrompidas desde 2015, as instalações do Comperj apresentam sinais de deterioração, com a corrosão dos equipamentos e tubulações já instaladas. A Petrobras já colocou US$ 13 bilhões no empreendimento. Segundo uma fonte, a expectativa é que a construção da refinaria no Comperj necessite de investimentos da ordem de US$ 3,5 bilhões a US$ 4 bilhões.

A CNPC é sócia da Petrobrás na exploração de petróleo da área de Libra, a maior descoberta de petróleo no pré-sal da Bacia de Santos. Libra começará a produzir em fase de testes este ano. O acordo assinado em Pequim prevê ainda a análise conjunta de outras áreas de exploração e produção de petróleo.

Segundo fonte citada por “O Globo”, a CNPC manifestou maior interesse em fazer acordos com a Petrobras no segmento de de exploração e produção, aceitando participar do projeto do Comperj com uma participação minoritária. A parceria com a CNPC vinha sendo negociada há cerca de seis meses pela Petrobras.

“As parcerias estratégicas têm como benefícios potenciais o compartilhamento de riscos, o aumento da capacidade de investimentos na cadeia de óleo e gás, o intercâmbio tecnológico e o fortalecimento da governança corporativa”, disse a Petrobras no comunicado de imprensa.

“Para a CNPC, a parceria com a Petrobras reforça seu interesse em investir e aumentar suas atividades no Brasil”, conclui o texto.

A CNPC é a maior empresa integrada no segmento de Petróleo e Gás da China, com atividades nos setores de upstream, midstream, downstream, marketing e comercialização, prestação de serviços petrolíferos, engenharia, construção e fabricação de equipamentos. A CNPC tem presença em mais de 70 países.

Fontes: Folha de São Paulo e O Globo

Curta nossa página no

Anúncios

Petrobras adia partida da refinaria do Comperj para 2016

12/06/2013

A Petrobras espera que a sua refinaria no Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro) inicie as operações em agosto de 2016, mais de um ano depois do previsto.

Falando durante um evento na última sexta-feira (07/06/13),  a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster disse que as questões de licenciamento ambiental e as mudanças no projeto da refinaria foram as razões para o atraso.

Esperava-se anteriormente que o Comperj iniciasse o processamento do petróleo bruto em abril de 2015.

A refinaria do Comperj terá capacidade instalada para processar 165 mil barris de petróleo bruto por dia quando entrar em operação, segundo a empresa. Uma segunda fase, anteriormente prevista para ser concluída até 2018, dobraria a capacidade do complexo.

Quando concluída, a refinaria iria aliviar a dependência da Petrobras das caras importações de combustíveis que tem reduzido os lucros da empresa ao longo dos últimos dois anos.

As refinarias da Petrobras estão operando com capacidade de 98% e não tem atendido à crescente demanda por gasolina e óleo diesel no Brasil, forçando a empresa a importar gasolina e diesel para atender à demanda.

Curta nossa página no

Comperj poderá se limitar a apenas uma refinaria, segundo jornal

20/09/2012

Matéria do jornal Estado de São Paulo do dia 17/09/12  relata que o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (COMPERJ), empreendimento conduzido pela Petrobrás no município fluminense de Itaboraí, poderá concretizar-se sob a forma de apenas uma refinaria da empresa. O projeto original compreendia também a participação de sócios privados na implantação de indústrias petroquímicas de primeira e segunda geração e de empresas de transformação de plásticos.

Segundo o jornal, os produtos petroquímicos derivados do “shale gas” (gás de xisto) americano oferecem uma competividade bem maior que aqueles derivados da nafta ou gás natural, matérias-primas que seriam utilizada nas petroquímicas do COMPERJ. A tendência é que as fábricas dos Estados Unidos baseadas no gás de xisto continuem a suprir o mercado com derivados petroquímicos com um preço inferior ao das empresas que operam com nafta ou gás natural. Esta tendência tem levado grandes empresas do setor a reavaliar a viabilidade econômica de novos projetos e a buscar investimentos nos Estados Unidos utilizando o “shale gas”, abundante e barato naquele país.

A expectativa para o COMPERJ era de que a Braskem se associasse à Petrobrás para a implantação de indústrias petroquímicas de 1a. e 2a. geração. Segundo a matéria do Estadão, o projeto original do Complexo previa o início da operação para 2011. Devido a uma série de atrasos, a inauguração da primeira unidade de refino está prevista agora para 2015, podendo ainda sofrer adiamento.

Segundo a presidente da Petrobrás, Graça Foster, o preço do “shale gas” americano pode atrapalhar o desenvolvimento da petroquímica brasileira. “Nos Estados Unidos, o preço do gás é muito baixo. Por mais que o aumento da produção seja alto, o preço final é reduzido quase a custo. Me preocupa o desenvolvimento da petroquímica (brasileira)”, afirmou Graça Foster.

O presidente da Braskem, Carlos Fadigas, também demonstrou preocupação similar ao comentar o prejuízo registrado pela empresa no segundo trimestre deste ano. Segundo Fadigas, novos projetos da Braskem estão sendo revistos. “O cenário econômico atual deixará mais criteriosos os aportes da empresa. Com isso, a agenda de investimentos terá que ser readequada com base nessa análise que estamos fazendo. Essa nova postura significa que a lista de projetos da Braskem será menor. Alguns projetos deixarão de ser feitos”, afirmou Fadigas.

A Braskem não comentou sobre a sua participação no COMPERJ, ao ser procurada pelo articulista do jornal Estado de São Paulo.

A matéria completa no Estadão pode ser lida no link a seguir:

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,maior-projeto-da-petrobras-complexo-petroquimico-do-rio-deve-encolher-,931577,0.htm

Curta nossa página no

Comperj utilizará projeto inédito de reuso de água

03/05/2011


A Petrobras e a Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro – Cedae assinaram nesta terça-feira (3/05), um contrato para reuso de água no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). A cerimônia de assinatura foi realizada no Palácio Guanabara com a presença do governador do estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, do secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, do diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, do presidente do Comperj, Nilo Vieira, e do presidente da Cedae, Wagner Victer.

O projeto inédito no país levará água de esgoto da Estação Alegria para tratamento e uso industrial no Comperj. A água fornecida servirá para os processos de geração de vapor e resfriamento de caldeiras, entre outros. A vazão prevista para o empreendimento pode alcançar até 1500 litros por segundo, quantidade equivalente ao consumo de uma cidade de 500 mil habitantes, como Niterói.

“O ganho ambiental é notável, pois, no processo industrial, o Comperj não vai usar um litro de água potável que seria utilizado para consumo humano. É um negócio fabuloso, que não existe em nenhum projeto hoje no Brasil”, destacou diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa.

Será construída na Estação Alegria uma unidade de tratamento que produzirá a água industrial para o Comperj. A água chegará ao empreendimento por um duto submarino, que cruzará a Baía de Guanabara.

A Petrobras já realiza o reuso de água em outras unidades de refino. Em 2010, a Companhias alcançou, só na área de refino, uma economia de 16,5 bilhões de litros de água, através de ações de otimização do uso da água em seus processos. Um exemplo é o sistema de tratamento de água e efluentes da Refinaria de Capuava, em São Paulo, que se tornou a primeira refinaria da América Latina com descarte zero de efluentes.

O empreendimento

Maior empreendimento da história da Petrobras, o Comperj tem o início de operação da primeira fase da Refinaria previsto para o final de 2013, com capacidade de processamento de 165 mil barris de petróleo por dia. Na segunda fase da Refinaria, prevista para 2018, será atingida capacidade total de 330 mil barris de petróleo por dia. Estima-se que o empreendimento vai gerar mais de 200 mil empregos diretos, indiretos e por efeito renda.

Fonte: Petrobrás Fatos e Dados