Posts Tagged ‘Transporte’

Maligan lança soft case para equipamentos médicos

28/08/2018

Referência na fabricação de malas e cases especiais, a Maligan acaba de lançar um soft case voltado ao acondicionamento e transporte de equipamentos médicos. Diferentemente dos produtos similares hoje encontrados no mercado, a novidade da Maligan conta com uma estrutura rígida de compósitos.

“Trata-se de um material que combina elevados índices de resistência mecânica e leveza, características ideais quando se procura um case”, afirma Marcelo Sartore, diretor da Maligan.

Outro diferencial do lançamento, segundo a empresa, é o corte a laser das espumas de polietileno expandido aplicadas no interior do produto. “São todas feitas sob medida para acondicionar de forma segura qualquer tipo de equipamento médico, a exemplo de endoscópios, pinças de laparoscopia, ultrassons e conjuntos urológicos”. A segurança é prioritária no transporte desses itens, cujos preços ultrapassam facilmente a casa dos R$ 100 mil.

Ainda internamente, o soft case da Maligan dispõe de acabamento em EVA e manta perfilada (“caixa de ovo”) de poliuretano. Por fora, couro ecológico e fechamento com zíper reforçado. “Além de médicos, instrumentadores e profissionais da área de saúde em geral, empresas especializadas na locação de equipamentos fazem parte do público-alvo do nosso soft case’”, conclui Sartore.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Maligan

Curta nossa página no

Anúncios

Dow inaugura seu maior terminal logístico para polietileno na América Latina fora de suas unidades

31/05/2017

  • Com incremento de 60% na capacidade de armazenagem em polietileno no Brasil, o empreendimento está localizado em Itajaí (SC) e dará suporte ao aumento de volume produzido na Costa do Golfo dos Estados Unidos
  • Projeto irá gerar empregos e receita para a região e foi desenvolvido em parceria com a Log-In, que será o operador logístico.

A Dow colocou em operação seu maior terminal logístico para polietileno na América Latina fora de suas unidades produtivas. Localizado em Itajaí (SC), trará incremento de 60% na capacidade de armazenagem da empresa para polietileno e produtos das áreas de especialidades plásticas. Este aumento de capacidade dará suporte à maior produção de polietileno proveniente das novas unidades de produção da Dow na Costa do Golfo dos Estados Unidos e que deverá ser embarcada para a América Latina.

Um aspecto importante do projeto é a eliminação da capacidade ociosa, uma vez que os produtos são estocados diretamente em contêineres. A operação logística do terminal está a cargo da Log-In, empresa de soluções em logística porta a porta, e a expectativa é que o novo projeto logístico gere 55 empregos, além de receita para a região de Itajaí.

“Esse projeto marca a segunda etapa de ações que a Dow tem desenvolvido desde 2011 para aprimorar sua eficiência logística no Brasil, trazendo benefícios para toda a cadeia”, afirma Leonardo Feltrinelli, diretor de Supply Chain da Dow América Latina. ”Esse terminal logístico está alinhado à estratégia de crescimento da área de Embalagens e Plásticos de Especialidades da Dow, armazenando produtos vindos, principalmente, de unidades na Argentina e Estados Unidos”.

O desenho do projeto do novo terminal logístico começou em 2015, quando foram definidas as estratégias para o volume adicional de polietileno. Como parte desta produção adicional seria enviada ao Brasil, houve a necessidade de adequação da cadeia logística da companhia para absorver e gerenciar todo o volume envolvido. Diante deste cenário, a Dow optou pela transferência do terminal existente em São Francisco do Sul, também em Santa Catarina, para o novo local em Itajaí, que passaria a ter capacidade de absorver a crescente demanda.

O terminal logístico, desenvolvido pela Log-In, possui 44 mil m2 de área total (sendo 5,2 mil m2 apenas para cross docking) e oferece ferramentas planejadas para o projeto da Dow, como empilhadeiras de até 41 toneladas de capacidade, porta paletes, sistema inteligente de rastreamento e circuito interno de TV para monitoramento. De acordo com João Correia, gerente de Operação de Terminais da Log-In, o empreendimento demonstra a capacidade da empresa em fornecer soluções logísticas customizadas de acordo com as necessidades dos clientes. “O projeto foi desenvolvido para proporcionar um acréscimo de 23% em ganhos de produção operacional, levando em consideração o aumento de demanda previsto pela Dow”, afirma Correia.

Atualmente, grande parte do volume da Dow destinado ao Brasil chega ao país pelos portos de Itajaí, Navegantes e Itapoá, todos em Santa Catarina. A Dow iniciou a operação em Santa Catarina em 2001 e, durante estes anos, desenvolveu parceria com fornecedores e, assim, manteve a operação na região e numa localização próxima ao terminal que garante segurança na retirada dos produtos dos portos, na sua distribuição e entrega aos clientes.

A partir da mudança para Itajaí, a capacidade de carregamento passará de 85 para 110 veículos em 15 horas. “Por se tratar de uma área industrial, há possibilidade da Log-In operar em uma escala noturna, o que pode tornar ainda maior nossa capacidade de expedição no terminal”, destaca o gerente da Log-In.

A mudança de São Francisco do Sul para Itajaí também impactará positivamente na otimização operacional e nas metas de sustentabilidade da empresa. Com o novo projeto, o acesso ao porto de Navegantes pela Dow terá uma redução de 76km no trajeto percorrido – dos 80 km atuais para apenas 10km. “Essa redução de 87% no trajeto percorrido entre o porto e nosso terminal trará importantes benefícios à operação como otimização nos tempos de operação impactados diretamente pela distância e a redução de perdas por excesso de manuseio das cargas”, afirma Alexandre Magno, gerente de Logística para Embalagens e Plásticos de Especialidades no Brasil. “Outro aspecto importante é a diminuição significativa nas emissões de CO2 na atmosfera, já que estão diretamente conectadas à distância que é percorrida pela movimentação da carga. Esta nova operação será mais um avanço em relação aos já conquistados pela companhia em projetos anteriores de aprimoramento logístico”.

Em 2011, a Dow foi pioneira na adição de uma camada extra de sacos em cada pallet de polietileno em cada contêiner, o que ampliou sua capacidade de transporte em quase 10%. Além dessa mudança, a empresa também passou a armazenar os produtos diretamente nos contêineres, trazendo como benefício a redução de 10% na movimentação de carga, na época.

Além de Santa Catarina, a Dow possui um segundo terminal logístico em Juiz de Fora (MG), com capacidade de 15 mil toneladas e abastecido a partir do porto do Rio de Janeiro, que possui os mesmos critérios de otimização operacional de Santa Catarina.

Fonte: Dow

Curta nossa página no

Yamaha usa poliuretanos da BASF em novo conceito de triciclo

07/09/2016

basf_yamaha

O modelo do veículo 05GEN adota soluções da BASF para garantir comodidade em viagens curtas

O novo triciclo conceito 05GEN da Yamaha motor Co., Ltd contou com a versatilidade dos materiais plásticos da BASF, para tornar as viagens curtas confortáveis e convenientes. Essa nova geração de veículo elétrico está à mostra no Toyo Ito Museu de Arquitetura, Imabari, na ilha de Omishima (Japão) até 15 de junho do próximo ano.

Nos veículos modernos, os pneus são essenciais para uma viagem confortável e relaxante. O Infinergy® da BASF – o primeiro poliuretano termoplástico expandido do mundo – e o Elastollan® – um poliuretano termoplástico – são usados nos pneus do 05GEN para melhorar de maneira geral a experiência de viagem. A estrutura celular característica do Infinergy contribui para o seu design diferenciado. Já o Elastollan permite diversas texturas e cores na superfície dos pneus.

Para Andy Postlethwaite, vice-presidente sênior da divisão de Materiais de Performance na Ásia e Pacífico, a nova geração de veículos Yamaha tem o intuito de melhorar a experiência de dirigir e qualidade nas viagens de curta distância. A designfabrik® é a área da BASF que ajuda a traduzir ideias em produtos do dia-a-dia, ajudando a melhorar a qualidade de vida das pessoas. “Ao oferecer os serviços de consultoria em materiais, na perspectiva de desenvolvimento de cor, propriedades e acabamento, foi possível contribuir com o design conceito de “Dinamismo Refinado” da Yamaha”, considera. “A designfabrik® Tóquio ajuda os projetistas e engenheiros industriais a transformarem ideias criativas em produtos reais, em todos os estágios do desenvolvimento do produto, oferecendo assessoria especializada sobre a potencial aplicação de diversos materiais” afirma o executivo.

Sobre os modelos de design de conceitos de nova geração da Yamaha Motor

A Yamaha Motor Co., Ltd. deu suporte ao “desenvolvimento da ilha” do Sr. Toyo Ito, um arquiteto, na ilha de Omishima (Imabari, Prefeitura de Ehime) no projeto de um modelo conceito de uma nova geração de veículos de mobilidade minimamente assistidos, para conectar as pessoas entre si e com locais, movendo-se lentamente em curtas distâncias no espaço de convivência de uma pessoa. Este conceito desafia muitos designs de veículo de mobilidade que, até hoje, se concentravam na movimentação mais eficaz das pessoas com velocidade e por distâncias maiores.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Conair destaca sistema de secagem / transporte móvel na Feiplastic 2013

15/05/2013

feiplastic

Logo-ConairUm dos maiores fornecedores  globais de equipamentos auxiliares para processamento de plásticos, o grupo Conair apresentará na Feiplastic um sistema de secagem/transporte móvel, misturadores gravimétricos, equipamentos de transporte de resina, de transferência de calor e granuladores acoplados a máquinas.

Destaque para o sistema de secagem/transporte móvel MDCW-25, que pode ser utilizado por processadores de plásticos que desejam mudar a capacidade de secagem de polímeros de uma célula de fabricação para outra.

Imagem-ConairOs sistemas MDCW são compostos de um eficiente secador Carousel ® Plus e um transportador, coletor de pó e reservatório de vácuo para alimentação direta – transportando materiais secos para a zona de alimentação da máquina.

A montagem é feita de forma segura e conveniente – em um carrinho com rodas -, a fim de que a preparação, secagem do lote, limpeza e manutenção possam ocorrer remotamente sem gastar tempo valioso de máquina ou exigir a subida do operador na máquina.

O MDCW-25 a ser exposto na Feiplastic  é um entre sete modelos diferentes com capacidade nominal de saída variando entre 6 a 150 kg/h. Os secadores usam um dessecante à base de peneira molecular, em um disco que gira continuamente para gerar ar de secagem com ponto de orvalho de -40° C e temperatura até 90°C.

Outras novidades

Além dos sistemas de secagem MDCW, a Conair vai expor uma ampla variedade de equipamentos auxiliares para processamento de plásticos:

Equipamento de transporte de resina – incluindo os modernos reservatórios e carregadores Access, que contém uma moega angulada exclusiva para facilitar a limpeza e manutenção e uma abertura de descarga superdimensionada para evitar a aglomeração de materiais.

Serão expostas duas unidades completas com seus motores a vácuo, além de um modelo de alimentação direta para uso em um sistema de transporte de vácuo central.

Misturadores gravimétricos TrueBlend™ – representados pelo TB-100-4, que oferece capacidade de produção de até 181 kg/h. Os misturadores TrueBlend estão disponíveis em diversos tamanhos, com capacidade máxima de saída até 5443 kg/h e precisão de ±0,5% do ponto de ajuste do peso de corantes e aditivos. Seus controles são intuitivos e fáceis de usar, com uma tela de LCD sensível ao toque, contendo gráficos coloridos. Todos os pontos de ajuste são exibidos simultaneamente. Os operadores simplesmente digitam as porcentagens da mistura na tela sensível ao toque e o sistema pesa automaticamente os ingredientes na sequência correta e mantém a proporção desejada da mistura.

Equipamentos de transferência de calor – serão expostas duas unidades de controle de temperatura de molde, montadas uma sobre a outra, o que minimiza a necessidade de espaço no piso. Dois níveis de controle diferentes serão exibidos: o mais simples – o controle TW-Plus – possui indicação de leitura alfanumérica de grande porte e a opção de controlar a temperatura tanto com base na temperatura da água para o processo, como na temperatura da água de retorno ou pela média das duas temperaturas. O controle TW-1 que oferece um display maior e um pacote opcional de comunicação de dados. As duas unidades possuem bombas de alta eficiência, aquecedores fabricados com Incoloy e garantia de 3 anos.

Granuladores acoplados a máquinas – possuem um motor de baixa rotação e alta eficiência energética, um projeto avançado de câmara de corte e facas em rotor escalonado. O modelo NCR 614S exposto foi projetado para operação silenciosa, máxima potência de corte e capacidade de saída de até 91 kg/h para alimentação de múltiplos canais, passagem e pequenas peças por robô ou via manual.

Sobre o Grupo Conair: O Grupo Conair ( http://www.conairgroup.com ) é um importante fornecedor global de equipamentos auxiliares para processadores de plásticos, incluindo sistemas de secagem de resina, misturadores, alimentadores e sistemas de transporte de materiais, equipamentos de controle de temperatura e granuladores. A Conair é uma companhia internacional, com operações de longa data na Europa, Ásia e América do Sul. Suas soluções para extrusão incluem sistemas de controle de linha, sistemas de reciclagem de filmes e rebarbas de extrusão de tubos e perfis.

Fonte: Interativa Comunicação

Curta nossa página no

Dow lança os Sistemas de Compósitos VORAFORCE™

22/09/2010

Os sitemas de compósitos VORAFORCE baseados em epóxi e poliuretano permitem que os fabricantes desenvolvam e produzam soluções inovadoras e efetivas para uma ampla gama de aplicações e indústrias.

A Dow Formulated Systems, unidade de negócios global da Dow Chemical Company, anunciou o lançamento da sua nova linha de Sistemas de Compósitos VORAFORCE™.  Os Sistemas de Compósitos VORAFORCE™ oferecem soluções baseadas tanto em epóxi como em poliuretano, as quais facilitam bastante os esforços de inovação para designers e fabricantes,  em aplicações que incluem transmissão de energia, transportes, construções, infra-estrutura, aplicações marítimas e muitas outras.

“Compósitos mais fortes, mais leves e mais duráveis são possíveis com os Sistemas de Compósitos VORAFORCE™,” destacou Marcel Loyson, Líder de negócios de compósitos industriais na Dow Formulated Systems. “Eles permitem que os fabricantes ganhem uma significativa vantagem competitiva em uma ampla gama de aplicações e produções industriais, em linha com a estratégia da Dow de sempre adicionar valor aos produtos e ofertas dos seus clientes” disse Loyson.

“Enquanto as nossas novas soluções VORAFORCE baseadas em epóxi se caracterizam por excepcionais propriedades termo-mecânicas e uma excelente compatibilidade com fibra de carbono, algumas das forças-chave dos Sistemas de Compósito VORAFORCE baseados em poliuretanos são uma tenacidade excelente e uma cura rápida,” acrescentou Kenneth Chan, Diretor Comercial para a Área do Pacífico do Negócio de compósitos e energia alternativa da Dow Formulated Systems. “A ausência de emissões de estireno durante a fabricação e o baixo VOC estão entre as vantagens comuns para a nossa gama completa de Sistemas de Compósitos VORAFORCE™,” observou Chan.

Os Sistemas de Compósitos VORAFORCE™ foram concebidos para serem usados com muitas tecnologias de fabricação, desde a mais avançada até as mais tradicionais. Estas incluem Filament Winding, Pultrusão, RTM, Injeção com Fibra Longa, Hand Layup e Spray Up. Os Sistemas de Compósitos VORAFORCE™ também alavancam a experiência e a posição técnico-comercial da Dow como líder em Infusão na indústria de energia eólica.

Sobre a Dow Formulated Systems

A Dow Formulated Systems, uma unidade de negócios global da  Dow Chemical Company, é um líder industrial global no desenvolvimento e formulação de sistemas completos de poliuretano e epóxi, focalizado no fornecimento de soluções inovadoras e personalizadas para seus clientes ao redor do mundo. A Dow Formulated Systems fabrica e comercializa espumas de poliuretanos rígidas e semi-rígidas, de pele integral e microcelulares, além de sistemas completamente formulados e também revestimentos, adesivos, selantes, elastômeros e binders, usados em aplicações que vão desde a construção de casas e escritórios até o reparo de infra-estruturas, soluções para energia eólica, petróleo e gás, equipamentos, móveis, solados de sapatos, moldagens decorativas e equipamento esportivo

Sobre a Dow Chemical Company

A  Dow Chemical Company teve um volume de vendas anual de 45 bilhões de dólares em 2009 e emprega aproximadamente 52.000 pessoas no mundo todo. Os mais de 5.000 produtos da empresa são fabricados em 214 instalações em 37 países ao redor do mundo.

Fonte:  Dow

Braskem inicia recebimento de etanol por ferrovia

13/07/2010
Material será usado na planta de eteno verde

A Braskem recebeu, esta semana, a primeira carga de etanol por via ferroviária. Foram descarregados 120 mil litros do produto vindos de São Paulo e Paraná. Na sexta-feira, chegam mais 840 mil litros. É a primeira vez que a empresa operou nesse modal para o transporte do etanol, que será usado na planta de Eteno Verde. Cerca de 40% do álcool utilizado pela Braskem será trazido por trens da ALL. Até então, o produto era transportado apenas por hidrovia e rodovia. A Braskem tem capacidade de consumir 230 milhões de litros de álcool para produção de ETBE (Camaçari/BA, e Triunfo/RS) e comprará mais 460 milhões de litros para a planta de Eteno Verde.

Denise Zappas, gerente de negócios de Álcool da Braskem, afirma que o transporte ferroviário tem se mostrado uma boa opção logística por ser a melhor alternativa do ponto de vista ambiental (menor emissão de CO2), além de ter menor custo. “É uma alternativa importante à cabotagem, que muitas vezes apresenta problemas relacionados a atrasos em portos de carga”, explica. A hidrovia responderá por 50% da logística do álcool e a rodovia, por 10%.

Fonte: Braskem