Posts Tagged ‘Tampas’

Pernod Ricard Brasil adota tampas produzidas com Plástico Verde da Braskem

21/12/2015

Braskem-plastico-verde

  • Multinacional francesa é a primeira empresa de destilados do mundo a ter o selo I’m greenT
  • Plástico Verde será usadao em tampas dos produtos da Pernod Ricard Brasil

A Pernod Ricard Brasil, afiliada da multinacional francesa de destilados, vinhos e champanhes, anunciou a adoção, nas tampas dos produtos de seu portfólio local, do Plástico Verde I’m greenT, da Braskem. O investimento em PE Verde é o primeiro do mundo de uma empresa de destilados.

Iniciado há um ano, o projeto de substituição da tampa plástica tradicional pela de polietileno de origem renovável, produzido a partir de etanol de cana-de-açúcar, foi desenvolvido pela Braskem em colaboração com as empresas Guala e Plastamp, fornecedores locais da Pernod Ricard Brasil, e reforça o compromisso das companhias em reduzir o impacto de suas atividades no meio ambiente.

“A Plastamp sempre priorizou a inovação, sustentabilidade e tecnologia na matriz de desenvolvimento de seus produtos.” afirma Norberto Coelho, diretor comercial da Plastamp. “Em conjunto com as empresas Pernod Ricard e Braskem, a Plastamp festeja o sucesso do lançamento de uma alternativa de tampa conta-gotas, que utiliza o Plástico Verde, tornando-a competitiva, elegante e funcional para ancorar o fechamento de uma grande marca de bebidas da Pernod Ricard Brasil”.

Na visão do gerente comercial da Guala, Silvio Marcellini, “o projeto com a utilização de Plástico Verde na produção de tampas de segurança (core business da empresa) é visto pela Guala Closures Group como outro passo significativo e estratégico em seu compromisso com a sustentabilidade e de trabalho em parceria com seus fornecedores e clientes”.

Para a Braskem, a parceria demonstra o empenho da empresa em estar ao lado de indústrias de diferentes segmentos para oferecer soluções sustentáveis. Lançado há cinco anos, o Plástico Verde I’m greenT é resultado de um longo trabalho de pesquisa. Segundo a empresa, por ser produzido a partir de um material de fonte renovável, ajuda a capturar e fixar o CO2 da atmosfera,  representando, aproximadamente, 2,15 toneladas de gás carbônico para cada tonelada de eteno produzida.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Anúncios

Braskem anuncia tampa de polietileno para bebidas carbonatadas

29/05/2013

A Braskem anuncia o lançamento de novo grade de polietileno (PE) para tampas para bebidas carbonatadas. A previsão é que o produto esteja disponível ao mercado no segundo semestre deste ano. A novidade chega para completar o portfólio de produtos da Braskem para o segmento de bebidas, que conta com resinas de polipropileno e polietileno nos processos de injeção e moldagem por compressão para tampas com ou sem liner.

Segundo a empresa, o PE para tampas de bebidas carbonatadas foi desenvolvido no Centro de Tecnologia e Inovação, localizado em Triunfo (RS), pelas equipes de Engenharia de Produto e Aplicação, possibilita a produção de tampas com ótima capacidade de vedação e que mantém as características da bebida envasada, além de ter desempenho sustentável, já que permite redução de peso da embalagem e a reciclagem da tampa. O grade tem ainda mais destaque no aspecto sustentável, já que oferece a possibilidade de ser produzido com polietileno verde de origem renovável – etanol de cana de açúcar.

Com esse lançamento, a Braskem reforça sua capacidade de inovação e de acompanhar as tendências do mercado, apresentando soluções que atendam às necessidades dos Clientes e dos consumidores. “A Empresa está constantemente buscando soluções que levem tecnologia e inovação aos nossos Clientes, que assim podem oferecer produtos com melhor desempenho ao mercado”, diz Paulo Sanches, líder do Segmento de Injeção de PE da Braskem.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Petropar adota novo nome e agora chama-se Évora

07/05/2013

Inicialmente ligada ao setor petroquímico, a holding Petropar resolveu mudar de nome e logomarca após 25 anos de mercado e depois de se expandir no segmento de bens intermediários para a indústria de consumo.

Ao longo da evolução da empresa, houve inicialmente uma reestruturação societária do Grupo Olvebra, em 1988, em que os ativos das áreas petroquímica e de plásticos foram agrupados sob a denominação Petropar – Petroquímica Participações. Durante os anos posteriores, todavia, a companhia diversificou os negócios e aqueles que deram origem à empresa foram vendidos ou descontinuados.

Na área plástica, hoje, a Évora atua através da Fitesa (que fabrica não-tecidos leves de polipropileno, usados em fraldas e absorventes descartáveis) e da América Tampas (bebidas, produtos de higiene pessoal e limpeza).

Em economias como o Brasil, onde se destaca o crescimento de renda, o acesso a fraldas descartáveis é promissor. “Apenas 61% das crianças usam fraldas no Brasil. Nos Eua e Europa são 98%”, comenta o diretor presidente da Évora, Geraldo Enck. O segmento de fraldas geriátricas deve também se expandir no Sul do País devido ao envelhecimento da população.

Sobre as tampas, Enck diz que há um movimento forte em relação à água mineral enquanto o refrigerante se mantém estável. Nesta linha, se destacam as garrafas com tampas diferenciadas, como as que se vêem em energéticos, tampas especiais esportivas com valor agregado.

Como a atuação do Grupo é ligada ao consumo de massa, é resiliente a períodos de retração econômica e sensível a movimentos demográficos e de renda da população. “Na recessão, o crescimento estabiliza, pois são produtos quase de primeira necessidade. As pessoas trocam a marca”, comenta Enck.

O executivo ressalta que a Évora posiciona-se hoje como uma empresa brasileira global, com 17 plantas em sete estados brasileiros, oito países e quatro continentes. Agora, a empresa tem fábricas no Brasil, Peru, México, EUA, Suécia, Itália, Alemanha (onde está localizado também o centro de desenvolvimento) e China. Essa dimensão global tornou ainda mais urgente a mudança de marca da holding. A partir daí a empresa contratou o escritório de design GADLipincott’ para desenvolver a nova marca. O nome Évora surgiu associado às palavras “evolução” e “valor”. Sua escolha partiu do princípio de que a empresa e suas controladas existem para gerar valor econômico e, por meio de suas realizações e atividades, promover a evolução de seus colaboradores e da sociedade. “Muda o posicionamento de marca, muda a forma de fazer negócios (global), mas não mudam os valores”, afirma Geraldo Enck.

A holding atingiu receita líquida recorde de R$ 1,8 bilhão em 2012. A Fitesa, por sua vez, registrou vendas globais de R$ 1,2 bilhão em 2012 e é a segunda produtora mundial, em capacidade instalada, de não-tecidos. No mercado interno, o negócio de tampas especiais cresceu 35% e para latas de alumínio, no qual a companhia é a segunda maior fornecedora para o mercado brasileiro, a perspectiva é de crescer 8%. A Crown Embalagens (outra empresa do grupo ligada ao segmento de latas de alumínio para bebidas) teve receita superior a R$ 1 bilhão ano passado e está investindo cerca de R$ 130 milhões em sua quinta unidade fabril, que será localizada em Teresina (PI).

Curta nossa página no

Área de Embalagens Rígidas e Especialidades Industriais da Dow tem novo Gerente de Marketing para a América Latina

27/02/2013

Dow_CastellanosO mexicano Alejandro Castellanos é o novo Gerente de Marketing para Embalagens Rígidas e Especialidades Industriais para a América Latina da Dow. Com o desafio de destacar junto ao mercado o amplo portfólio de soluções para tubulações, rotomoldagem, embalagens de sopro e de injeção e tampas de bebidas, desde janeiro de 2013 Castellanos é o responsável pelo posicionamento de linhas de produtos de polietileno de alta densidade e lineares, com marcas como  Fingerprint e Continuum. “Nossa principal meta é oferecer a solução adequada para nossos clientes, favorecendo a cadeia de valor”, comenta.

Graduado em Economia, Alejandro Castellanos está na Dow desde 2005 e já atuou em diversas funções na empresa. Entre elas, foi nomeado gerente de contas para Polietileno e Polipropileno em 2008 e, dois anos depois, juntou-se ao grupo de Elastômeros como Gerente de Produtos. Para atuar na área de Rígidos, Alejandro Castellanos ficará baseado no México.

Fonte: Dow

Curta nossa página no

Braskem lança novo grade de polietileno para produção de tampas.

30/04/2012

 A Braskem acaba de lançar uma nova resina desenvolvida para atender o mercado de tampas para água sem gás e sucos. Produzida com tecnologia bimodal, possibilita ao mesmo tempo excelente processabilidade e evita a transferência de odor e sabor para o produto envasado. Batizada de GE7252, foi desenvolvida pelo time de segmento de Injeção e é produzida na unidade de polietileno do Rio Grande do Sul.

“Em relação à geração anterior de produtos para essa aplicação, além da vantagem organoléptica, a nova resina tem injetabilidade 60% melhor”, complementa Marcelo Yamane, da área de Desenvolvimento de Produtos da Braskem.

Fonte: Braskem

Videolar investe R$ 12 milhões na fabricação de tampas para garrafas.

12/07/2011
                   A única petroquímica da região norte do país abastecerá o mercado com 80 milhões de tampas plásticas por mês.
     
A Videolar, indústria petroquímica e de entretenimento 100% nacional, anuncia para julho o início da produção em larga escala de tampas para garrafas plásticas, uma estratégia de negócio que visa expandir sua atuação no setor de transformação de plásticos, no qual é a maior fabricante de estojos para CD e DVD do país. 
      
“Iniciamos nossa atuação no setor de transformação de plásticos para atender uma demanda interna de estojos para CDs e DVDs. Hoje, além do consumo próprio, abastecemos o comércio de atacado e varejo com 10 milhões de peças por mês e representamos 70% do mercado nacional. Chegou o momento de conquistar um novo nicho: o setor alimentício.”, explica Phillip Wojdyslawski, presidente da Videolar.  
       
Com investimento de R$ 12 milhões, a empresa atuará com duas linhas Sacmi e capacidade produtiva de 80 milhões de peças por mês. O portfólio é composto pelos  modelos de tampas PCO 1810 e PCO 1881, formatos utilizados em garrafas de refrigerante e água mineral, sendo o PCO 1881 compatível com o novo padrão de gargalo adotado por importantes indústrias de garrafas PET.
      
Para atender as necessidades do setor, a tampa plástica terá em suas duas versões a vedação bilabial, que reduz significamente a perda de CO2 quando a garrafa é exposta a altas temperaturas (no estoque ou transporte) e garante a integridade do produto ao consumidor final. Além disso, as tampas serão fabricadas por meio do sistema de moldagem por compressão, a mais moderna tecnologia para produção de tampas.  
      
“Nossos diferencias competitivos estão igualados ao dos maiores produtores de tampas para garrafas do Brasil. Temos a expertise no segmento de transformação de plásticos atrelada à matéria-prima certificada, máquinas de alta tecnologia, assistência técnica especializada e agilidade na logística de distribuição.”, finaliza Wojdyslawski.
        
A empresa planeja para o primeiro semestre de 2012 dobrar sua capacidade de produção com a aquisição de 2 novos equipamentos Sacmi. A expectativa é alcançar a marca de 10 linhas até o final do próximo ano, o que corresponde a 400 milhões de peças por mês e uma representativa participação no mercado nacional. 
Fonte: Videolar

Husky lança na América Latina o sistema H-MED AE de moldagem para a área médica em salas limpas.

30/05/2011

A Husky Injection Molding Systems exibiu durante a Brasilplast suas soluções completas para os mercados de tampas, PET e área médica . A Husky apresentou, pela primeira vez na América Latina, seu sistema H-MED AE™(totalmente elétrico) de moldagem para a área médica em salas limpas .

“A Husky tem a maior rede global de serviços e suporte da indústria, o que nos permite oferecer aos nossos clientes ao redor do mundo menores prazos de entrega, serviço local com resposta rápida e suporte inigualável”, afirmou Evandro Cazzaro, Diretor de Vendas da Husky para a América do Sul. “Abrimos nosso Centro Técnico do Brasil em abril de 1999 e estabelecemos uma presença forte na América Latina, o que nos ajudou a construir relacionamentos duradouros com nossos clientes. Nosso objetivo é continuar a investir nesse mercado crescente para oferecer o suporte de que nossos clientes precisam para ser competitivos e expandir seus negócios.”

Soluções completas para diversos mercados
Esteve em operação no estande da Husky, o H-MED AE, o sistema de moldagem por injeção totalmente elétrico da empresa, que é otimizado para as necessidades específicas da moldagem para área médica. O sistema esteve produzindo uma aplicação para área médica ao vivo no estande da Husky, e incluiu a câmara quente UltraSync™-E (elétrica), o controlador de temperatura Altanium® e o software de monitoramento de processo e produtividade Shotscope NX®. Todas as funções são gerenciadas pelo Controle Polaris™, que centraliza a operação de toda a célula de trabalho.

A Husky também exibiu sua solução completa para os mercados de tampas e de pré-formas PET. Isso incluiu as soluções para embalagens de bebidas em todas as aplicações e volumes, assim como soluções para ajudar os fabricantes de embalagens para bebidas a serem mais sustentáveis por meio de iniciativas de redução de peso e tecnologias para incorporar flocos reciclados em garrafas de plástico. A Husky também destacou a capacidade de seus sistemas completos para tampas, incluindo câmaras quentes e controladores de temperatura Altanium, assim como uma gama de soluções que permitem controle completo do canal de fluxo, troca rápida de cores, redução do peso da peça e aumento da produtividade.

Soluções de ferramentas para peças com qualidade a ciclos mais rápidos
A Husky é reconhecida como um fornecedor líder de sistemas completos de câmaras quentes, incluindo controladores de temperatura. Ao oferecer um sistema completo, a Husky consegue aumentar a eficiência, ao mesmo tempo em que diminui o refugo e o tempo de inatividade. Além da tecnologia de câmara quente UltraSync-E, a Husky também exibiu seus sistemas de câmara quente PRONTO® totalmente configuráveis para maior flexibilidade e desempenho, assim como seu amplo portfólio de tamanhos de bico e opções de pontos de injeção para uma variedade de pesos de peças e tipos de resina. Também em exposição estavam os controladores Altanium Neo2 da Husky para 2 a 48 zonas de controle. Com o uso do Active Reasoning Technology (ART), o Altanium Neo2 é capaz de atingir o controle de temperatura mais preciso para melhorar a qualidade e a consistência da peça, porém com preço razoável.

Fonte: Husky

Dow apresenta seu portfólio de resinas organolépticas para tampas de bebidas na Brasilplast 2011.

16/05/2011

A  Dow Chemical Company investiu em novos gradesde polietileno para o mercado de Tampas e Sistemas de Vedação, visando atender às mais complexas e exigentes aplicações do setor. As novidades foram apresentadas na Brasilplast 2011 (de 9 a 13 de maio no Pavilhão de Exposições do Anhembi, São Paulo).

 A nova resina CONTINUUMTM DMDA 1250 passa a integrar o completo portfólio de resinas bimodais da Dow para o mercado de tampas organolépticas para bebidas. Esse solução em polietileno bimodal foi especialmente desenhada para permitir um excelente balanço entre rigidez e ESCR (resistência à quebra sob tensão ambiental), o que garante que o material resista à pressão constante que o gás faz sobre a tampa quando a garrafa está fechada.

 A líder de Suporte Técnico e Desenvolvimento América Latina para Rigid Packaging & Durables (embalagens rígidas e duráveis) da Dow, Mariana Mancini, destaca que cada vez mais os fabricantes de bebidas têm buscado alternativas para reduzir os custos de produção e o impacto ambiental de suas embalagens.  “Na América Latina, o mercado de tampas plásticas para garrafas de PET cresce cerca de 5% ao ano, impulsionado pelo aumento da venda de bebidas. Para 2013, estima-se que serão consumidas 51 bilhões de tampas plásticas”, afirma Mariana. Uma interessante opção é a adoção de tampas de uma só peça, compostas por 100% de polietileno de alta densidade, em substituição às tradicionais tampas de duas peças, compostas por uma parte exterior em polipropileno e um disco de vedação de EVA.

 A partir dessa demanda, a Dow desenhou grades de polietileno que viabilizam a confecção de tampas com uma série de características especiais para preservação do conteúdo da embalagem, como grau organoléptico e resistência à propagação de fissuras quando submetida à pressão.

 “Vale destacar que a combinação de design e material elimina a necessidade do disco de vedação, o que reduz um estágio do processo de fabricação das tampas. Para isso, cada tampa deve ter um anel em seu interior para garantir a vedação pelo diâmetro interno da garrafa, enquanto a parte superior garante a vedação pelo topo. Quando associado a um material corretamente dimensionado, esse tipo de design permite uma retenção de carbonatação (gás) mais eficaz do que nas tampas de duas peças”, explica Mariana.

 Para esse tipo de exigência, polietilenos de distribuição de pesos moleculares bimodal apresentam grande versatilidade. Sua arquitetura molecular é especialmente desenhada para permitir um excelente balanço entre rigidez e ESCR (resistência à quebra sob tensão ambiental), o que garante que o material atenda aos severos requerimentos de bebidas de alta carbonatação, como resistência á pressão constante que o gás faz sobre a tampa quando a garrafa está fechada. As resinas bimodais da linha CONTINUUMTM são a grande aposta da Dow para viabilizar a produção de tampas leves e de alta performance de vedação para bebidas como água e refrigerante.

 Para garantir que a resina que compõe a tampa da bebida contribua minimamente na geração de sabor e odor indesejáveis, a Dow conta com uma estrutura de controle de compostos orgânicos voláteis. Além disso, as resinas são avaliadas em painéis sensoriais feitos em laboratório construído de acordo com os padrões ISO/ASTM. Os panelistas treinados atuam como instrumentos de medição de alta precisão, transformando percepções subjetivas de sabor e odor em medidas objetivas de teor organoléptico.

 Assim, a linha CONTINUUM apresenta resinas de polietileno de alta densidade versáteis, que podem ser usadas para bebidas com exigências de performance tão diferentes como água ou bebidas de alta carbonatação (bebidas como água, água com gás, refrigerante, entre outras).

 Sustentabilidade – diferentemente das tampas de duas peças que em geral apresentam dificuldade para reciclagem por serem compostas de materiais diferentes e incompatíveis, as tampas de uma só peça – 100% polietileno – são facilmente recicladas. Como são compostas de um único material, elas podem ser coletadas e encaminhadas às centrais de reciclagem.

 As tampas de polietileno também proporcionam redução do peso total da embalagem e diminuição dos custos com energia e trabalho, uma vez que o processo de fabricação tem uma etapa a menos. Tudo isso contribui para a lucratividade do convertedor e para a sustentabilidade do planeta.

Fonte: Dow / PorterNovelli