Posts Tagged ‘São Paulo’

Sinalização viária horizontal “3-D” da Evonik é adotada como medida de segurança por autoridades rodoviárias de São Paulo

05/03/2014

Levantamento recente feito pela ONG Observatório Nacional de Segurança Viária aponta que os acidentes de trânsito mataram cerca de 60 mil pessoas em 2012 no Brasil. O trabalho indica ainda que nesse período o País registrou mais de 350 mil casos de invalidez permanente em função desses acidentes.

Os números, assustadores, fazem parte de uma realidade que incomoda e que exige medidas urgentes e eficazes.

De acordo com estudos da Associação Automobilística da Austrália de 30% a 40% de colisões dianteiras podem ser evitadas através da utilização da sinalização horizontal.

Autoridades de trânsito no Brasil têm investido em tecnologias de sinalização horizontal viária que vão além do papel de delinear o tráfego.

Mais segurança nas estradas de São Paulo

Uma iniciativa importante partiu do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de São Paulo (DER), que tem inserido em novos projetos viários o sistema plástico a frio à base de resinas metacrílicas “3-D” estruturado e em relevos.

Em 2013 foram beneficiados estradas estaduais no municípios como Sales Oliveira, Itanhaém, Alambari, São José do Rio Preto, São Carlos, Guapiara, Dois Córregos e Tambaú, totalizando mais de 160 km de extensão que receberam sinalização viária com o Sistema Plástico a Frio. Já existem novos projetos confirmados e mais 150 km de estradas serão beneficiadas até março deste ano.

Tendo como função principal delinear visualmente o tráfego, a sinalização viária é a única medida de segurança que acompanha o usuário de trânsito durante todo o seu trajeto – e por este motivo também é reconhecida como uma medida de excelente custo-benefício.

Devido a avanços tecnológicos nos últimos anos, uma sinalização viária horizontal tem se destacado por oferecer funções adicionais de segurança rodoviária – o plástico a frio à base de resinas metacrílicas.

Para que a sinalização horizontal viária possa cumprir o seu papel, ela deve ser visível ao usuário de estrada durante o dia e durante a noite, o que se torna mais difícil em condições de chuva.

A sinalização plástico a frio quando aplicada na forma de estruturas tridimensionais “3-D”, é capaz de drenar água de chuva parada na superfície da sinalização horizontal. Sendo assim, ao contrário das sinalizações convencionais, as microesferas de vidro localizadas no topo da estrutura 3-D não são encobertas pela água de chuva, ficando livres para retrorrefletir a luz do farol do condutor de automóvel, o que permite uma melhor visibilidade da sinalização viária.

Benefícios do plástico a frio

Além da melhor visibilidade, esta sinalização através da sua superfície irregular, também oferece propriedades antiderrapantes. Item este de particular interesse para motociclistas que trafegam em condições chuvosas, como comprovado por autoridades de trânsito e motociclistas na cidade de Medellin, na Colômbia.

Além de intempéries, um outro fator que tende a contribuir com os acidentes de trânsito é o comportamento humano. Situações de sonolência, fadiga ou distração por parte de condutores de automóveis aumentam significativamente a probabilidade de acidentes.

Considerando 3 segundos de sonolência para um motorista viajando a 100 km/h, isso significaria que o veículo viajaria 83m sem o controle do motorista. Nestas situações a engenharia de segurança viária oferece um dispositivo conhecido como guias sonoras ou sinalizações viárias em forma de relevo.

A sinalização viária do tipo relevo, apresenta elevações de aproximadamente 7 mm de altura em formato de barras as quais proporcionam alarme sonoro e vibração quando os pneus do veículo cruzam a sinalização, despertando assim o motorista para que retorne a sua faixa de tráfego.

Em dias quentes a alta temperatura do asfalto em combinação com o peso de veículos tendem a achatar a forma do relevos convencionais, caso este que não ocorre com a sinalização relevo feita com o plástico a frio a base de resinas metacrílicas. O plástico a frio por ser um material termofixo oferece inigualável estabilidade térmica e mecânica.

Benefícios

A redução de acidentes de trânsito é de interesse de todos. Todos os dias pais, mães, filhos saem de casa com obrigações e interesses diferentes, mas com um objetivo comum: voltar para as suas famílias. A redução de acidentes de trânsito, que interrompeu a vida de cerca de 60 mil brasileiros em 2012, somente poderá ser alcançada através de uma combinação de medidas como ações de educação e conscientização de motoristas. Faz-se também necessária a adoção de simples medidas que funcionem como um dispositivo de segurança adicional à infraestrutura viária como um todo.

Quando se fala em sinalização horizontal, é importante ter em mente que ela deve ser desenvolvida para orientar o motorista e para promover a segurança tanto de veículos, quanto de pedestres.

Segundo a Evonik, atualmente, a tecnologia que melhor atende a todos estes requisitos é a de plástico a frio à base de resinas metacrílicas.
Outra vantagem do sistema plástico a frio é que ele pode ser aplicado com facilidade em diversos locais, como faixas longitudinais, transversais, travessias de pedestres, corredores de ônibus e ciclovias. Além disso, a tecnologia não requer aquecimento para a aplicação, como ocorre com os produtos convencionais. Isso confere rapidez na sua preparação e segurança para os aplicadores durante o manuseio.

A sustentabilidade também aparece como benefício, visto que o produto não emite solventes durante o preparo e aplicação, o que o torna mais amigável ao meio ambiente. Sua maior durabilidade contribui para diminuir as reformas e manutenções nas estradas. Por estes motivos, é o único sistema de sinalização horizontal no Brasil que possui o rótulo ecológico da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

Fonte: Evonik

Curta nossa página no

Novos cursos do SENAI em São Paulo terão 9 máquinas da Pavan Zanetti

30/08/2013
HDL-10-L

Sopradora Série HDL

Até setembro, a Pavan Zanetti entregará para o SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) cinco injetoras HXF90 BR, duas sopradoras HDL 10L e duas sopradoras BMT 5.6 S/H. As nove máquinas serão instaladas em escolas da instituição no interior paulista.

Os equipamentos permitirão ao SENAI implantar novos Cursos Técnicos, de Aprendizagem em Moldagem de Plástico e Ferramentaria de Moldes, aumentado sua capacidade de formação de profissionais para o setor de plásticos, que está em crescente desenvolvimento.

Segundo a Pavan Zanetti, a injetora HXF90 BR apresenta alto desempenho e grande economia de energia. É utilizada para tampas, brinquedos, peças técnicas (inclusive automotivas) e pré-formas de PET.

A sopradora HDL 10L atende o segmento de embalagens de médio e grande portes, como bombonas industriais e agroquímicos, peças técnicas, autopartes e produtos para construção civil.

A sopradora BMT 5.6 S/H é indicada para frascos de até 5 litros, empregada na fabricação de embalagens para os setores de higiene e limpeza, cosméticos, produtos farmacêuticos, produtos alimentícios e peças técnicas de pequeno volume.

De acordo com a Pavan Zanetti, os equipamentos possuem comando avançado, interface amigável e de fácil operação, além de um completo sistema de segurança. Este conjunto de características garante as condições ideais de manuseio por aprendizes.

Fonte: Amiglo / Pavan Zanetti

Curta nossa página no

Seminário Internacional em Injeção abordará metodologia para resolução de Defeitos de Moldagem

16/10/2012

Seminário com Bill Tobin em Joinville, em Dezembro de 2010

Durante a apresentação do Seminário Internacional em Injeção de Plásticos – Troubleshooting – Resolução de Defeitos de Moldagem – na primeira quinzena de novembro próximo, o especialista americano Bill Tobin abordará metodologia para resolução de problemas que podem ocorrer durante o processamento por injeção.

Segundo Bill Tobin, os defeitos podem ser classificados em famílias, de acordo a etapa do ciclo de injeção em que se originam (preenchimento do molde / recalque / resfriamento / extração) ou se estão relacionados ao material, pós-moldagem, molde / equipamento.

No seminário, serão analisados vários defeitos que podem ocorrer durante a moldagem por injeção, tais como: Marcas de Queima,  Rebarbas, Linhas de solda / linhas de fluxo, Dispersão de cor inadequada, Variação dimensional / dimensões inadequadas, Acabamento superficial não uniforme, Cascas de laranja, Peças incompletas, Estrias prateadas, Rechupes, Canal da bucha preso, Estrias marrons, Bolhas, Peças presas na cavidade, Peças quebradiças/Rachaduras, Escorrimento,  Marcas de extração, Vazios, Empenamento, Esguichamento e Pontos pretos (black specs).

Para cada defeito, será identificada uma Causa Raiz e serão discutidas causas individuais relacionadas com parâmetros de processamento tais como temperaturas, pressões, tempos e velocidades,  além do molde/máquina e ambiente.

O seminário Troubleshooting é bastante interativo, sendo estimulada a participação ativa dos presentes.

Bill Tobin é um conferencista e autor internacionalmente reconhecido e solicitado para cursos e seminários na área de Injeção de Plásticos. Ele vem apresentando seminários há vários anos em diferentes cidades dos Estados Unidos, China, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, México, Israel, Marrocos, Arábia Saudita e Brasil. Bill Tobin tem mais de 40 anos de experiência na área de Plásticos, é Membro Senior da Society of Plastics Engineers, e autor de 23 livros técnicos e mais de 250 artigos técnicos publicados em diferentes revistas especializadas. Bill Tobin já esteve no Brasil em 2010 e 2011, apresentando o seminário “Moldagem Científica” em São Paulo, Caxias do Sul, Joinville, Manaus, Rio de Janeiro, Maceió, Curitiba e Porto Alegre.

O Seminário “Troubleshooting – Resolução de Defeitos de Moldagem em Injeção de Plásticos”, organizado pela PLASSOFT TECNOLOGIA LTDA., é patrocinado pela fabricante de injetoras ARBURG e conta com o apoio da ABIPLAST – Associação Brasileira da Indústria do Plásticos e dos Sindicatos da Indústria do Plástico do Estado de São Paulo (SINDIPLAST), do Nordeste Gaúcho (SIMPLAS), do Estado de Santa Catarina (SIMPESC), do Estado do Amazonas (SIMPLAST-Manaus), do Estado de Minas Gerais (SIMPLAST-MG), além da Feira do Plástico, Borracha, Ferramentas e Moldes de Minas Gerais (MECPLAST), do Centro das Indústrias do Estado do Amazonas (CIEAM), da Associação Mineira da Indústria do Plástico (AMIPLAST) e da PLASTECH BRASIL 2013.

O seminário ocorrerá nas seguintes datas e cidades:

  • 05/11/2012 – Caxias do Sul
  • 07/11/2012 – São Paulo
  • 09/11/2012 – Belo Horizonte
  • 12/11/2012 – Joinville
  • 14/11/2012 – Manaus

 O seminário terá tradução simultânea realizada por especialista em plásticos. Todos os participantes receberão um CD contendo o livro de Bill Tobin “Troubleshooting Injection Molded Parts”.

Informações adicionais sobre o evento, inclusive sobre inscrições e programa do seminário, podem ser obtidas no site www.plassoft.com.br/seminario, através dos telefones (71) 3351 6880 e (11) 98580 0212 ou ainda pelo email info@plassoft.com.br. As informações podem também ser obtidas junto aos Sindicatos regionais que estão apoiando o evento.  Associados às entidades apoiadoras tem um desconto adicional sobre o valor da inscrição. Para as empresas que efetuarem 4 inscrições, é oferecido o bônus de uma quinta inscrição gratuita.

Curta nossa página no

TJ de São Paulo mantém decisão que determina a distribuição de sacolas em supermercados

02/08/2012

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) negou, no dia 31/7, o recurso da Associação Paulista de Supermercados (APAS) e de quatro grandes redes de supermercados (Pão de Açúcar, WalMart, Carrefour e Sonda), para derrubar a decisão da juíza Cynthia Cristófaro pela volta da distribuição gratuita de sacolas plásticas – decisão de 25 de junho (http://www.tjsp.jus.br/Handlers/FileFetch.ashx?id_arquivo=39279).

Assim, os supermercados de São Paulo devem distribuir gratuitamente sacolas plásticas, sacolas biodegradáveis e de papel.

Veja na íntegra a decisão do TJ-SP (em PDF).

Fonte: Plastivida

Curta nossa página no

Feira Internacional do Plástico, com novo nome, ocorrerá em São Paulo em Maio de 2013.

11/07/2012

Com nova marca, a Feira Internacional do Plástico acontece em maio de 2013 e já movimenta o setor com a presença maciça de parceiros e entidades apoiadoras na noite de lançamento.

Uma trajetória de mais de duas décadas na organização da Feira Internacional do Plástico brasileira está prestes a ganhar um novo capítulo. Agora renovada, a FEIPLASTIC – FEIRA INTERNACIONAL DO PLÁSTICO já nasce como a principal feira no Brasil para apresentação de tendências, demonstração de lançamentos do setor do plástico e geração de networking. Fortalecido, o evento tem a marca da organização Reed Exhibitions Alcantara Machado e o apoio das principais entidades do setor como a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), a Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) e o Sindicato da Indústria de Resinas Plásticas (Siresp).

Durante o evento de lançamento, Juan Pablo De Vera, presidente da Reed Exhibitions Alcantara Machado, destacou o trabalho da Abiplast, que propôs à promotora o desafio de renovar a feira. “Foram meses de trabalho e testes para definirmos o novo produto. Firmamos por mais 20 anos o contrato com a associação e agora temos o grande desafio de inovar e fazer do Brasil o melhor lugar de negócios para todos”, afirmou. Com investimentos na casa de R$ 5 milhões para ampliar a divulgação para o mercado sobre a nova marca, a Feiplastic será maior também em área física. A área de exposição dentro do Pavilhão de Exposições do Anhembi cresceu. Dos 78 mil m² de 2011, em 2013 o evento terá 85 mil m², abordando os mais variados e importantes setores da indústria do plástico, divididos nos pilares do evento: Negócios, Sustentabilidade e Tecnologia, nos quais se incluem empresas de Produtos Básicos e Matérias-Primas; Máquinas, Equipamentos e Acessórios; Moldes e Ferramentas; Transformadores de Plástico; Resinas Sintéticas; Instrumentação, Controle e Automação; Serviços e Projetos Técnicos.

“São novos conceitos e propostas. O Brasil está cada vez mais forte na América Latina, abre portas para outros mercados, e a Feiplastic vem ao encontro dessa nova realidade”, disse José Ricardo Roriz, presidente da Abiplast, ressaltando a importância da renovação. A indústria do plástico é o terceiro maior empregador industrial do Brasil. Só em São Paulo, ocupa a segunda colocação em número de empregos gerados – até o final de 2011, só no estado de São Paulo a indústria do plástico empregou cerca de 190 mil pessoas. Nacionalmente, mantém cerca de 380 mil empregos diretos e, indiretamente, cria emprego para 600 mil pessoas. Com a discussão da sustentabilidade, reciclagem e renovação cada vez mais em pauta, a FEIPLASTIC 2013 deve promover ainda mais a economia e tecnologia do setor, reunindo marcas importantes, profissionais de diversas áreas e partes do mundo e público comprador qualificado. Novidades e tendências em produtos, serviços e equipamentos estarão em um só lugar.

A expectativa para 2013 é de 1.400 marcas expositoras, entre nacionais e estrangeiras, com a presença de 70 mil visitantes/compradores. Para Renato Endres, diretor de Relações Institucionais da Abiquim, também presente à cerimônia de lançamento da Feiplastic, a cadeia do plástico é tão importante que merece uma feira como essa. Ele destacou ainda a representatividade do segmento de resinas termoplásticas e a iniciativa do governo federal em criar o Conselho de Competitividade para o setor químico, que trata de temas como o custo da matéria-prima, capacitação dos recursos humanos, ampliação dos centros de pesquisa e desenvolvimento e o aumento das energias renováveis.

Pelos corredores da nova edição da feira, empresários, engenheiros, técnicos e estudantes de áreas como automóveis, construção civil, embalagens, farmácia, alimentos e bebidas, utilidades domésticas, eletroeletrônica e agronegócios estarão no melhor local para atualização profissional, efetivação de bons negócios e troca de conhecimento. “O projeto Feiplastic é muito bem-vindo”, finalizou Carlos Padovan, vice-presidente da Abimaq, também durante a cerimônia. Segundo ele, a nova feira terá um papel importante como força agregadora do setor do plástico em prol de condições mais favoráveis à indústria brasileira.

Mais Informações:

Feiplastic – Feira Internacional do Plástico 2013

Data: 20 a 24 de maio de 2013

Horário: Segunda a sexta das 11h às 20h

Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi

Av. Olavo Fontoura, 1.209 – Santana – São Paulo – SP – Brasil

http://www.feiplastic.com.br

Curta nossa página no

Tribunal de Justiça de SP indefere pedido de suspensão de distribuição de sacolas plásticas

10/07/2012

Nesta terça feira, dia 10,  o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo indeferiu o pedido de cassação da liminar que havia determinado que os supermercados do Estado de São Paulo voltassem a distribuir as sacolinhas plásticas durante as compras realizadas em seus estabelecimentos.

Segundo a relatora do processo no Tribunal de Justiça, desembargadora Berenice Marcondes Cesar,   o recurso não atende aos requisitos estabelecidos no artigo 558 do Código de Processo Civil, que requer urgência para que um efeito suspensivo seja deferido.

A suspensão da liminar havia sido solicitada em recurso impetrado pelo Carrefour  e tinha como objetivo suspender novamente a distribuição de sacolinhas plásticas. A Associação Paulista de Supermercados e as redes Walmart, Sonda e Pão de Acúcar também tentam suspender a distribuição gratuita das sacolinhas para os consumidores de São Paulo.

Mais informações pode ser obtidas no site do jornal O Estado de São Paulo.

Curta nossa página no

Decisão do MP abre espaço para retorno das sacolas plásticas aos supermercados de São Paulo

20/06/2012

Com decisão, supermercados devem voltar a distribuir sacolas plásticas em respeito ao Código de Defesa do Consumidor

O Conselho Superior do Ministério Público de São Paulo decidiu por unanimidade nesta terça-feira, 19 de junho, que o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que limitava o direito do consumidor em receber gratuitamente as sacolas plásticas, não é válido. Com a decisão, os estabelecimentos devem voltar a distribuir as sacolinhas em cumprimento ao Código de Defesa do Consumidor.

A petição contra a homologação do TAC foi uma ação movida pela Plastivida Instituto Sócio Ambiental dos Plásticos, pelo Instituto de Defesa do Consumidor (Idecon) e pelo terceiro interessado SOS Consumidor.

Com isso em vista, os estabelecimentos comerciais que deixarem de distribuir as sacolas gratuitamente, pelas quais a população já paga e têm o preço embutido nos produtos, correm o risco de serem acionados pelos órgãos de defesa do consumidor, mediante denúncia. “As pessoas que se sentirem lesadas devem procurar os órgãos de defesa do consumidor e o próprio Ministério Público”, afirma Miguel Bahiense, presidente da Plastivida.

“O Conselho Superior do MP entendeu que existe um descompasso muito grande e que o ônus na não distribuição das sacolas plásticas está recaindo apenas sobre os consumidores. Na visão do órgão, essa situação precisa ser revertida o quanto antes”, finaliza Jorge Kaimoti Pinto, advogado da Plastivida.

Fonte: Plastivida

Curta nossa página no

69% dos paulistanos querem sacolinha de volta aos supermercados, segundo Datafolha

22/05/2012

De acordo com pesquisa realizada pelo Datafolha na cidade de São Paulo, entre os dias 2 e 3 de maio, 69 % dos consumidores paulistanos são a favor de que os supermercados voltem a distribuir gratuitamente as sacolas plásticas para transporte das compras realizadas nesses estabelecimentos. A pesquisa entrevistou 612 consumidores e foi encomendada pela Plastivida (Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos).

Em pesquisa realizada em janeiro junto a 1.090 entrevistados, 57 % indicavam ser favoráveis ao fim da distribuição das sacolas.

As embalagens deixaram de ser distribuídas junto à população em abril deste ano. 75% dos entrevistados na última pesquisa relataram não haver percebido mudanças nos preços das mercadorias depois do fim da distribuição das sacolinhas.

Mais informações no link  http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/44248-69-querem-sacolinha-de-volta-aos-supermercados.shtml

 

Curta nossa página no

Empresas ligadas à Adirplast devem distribuir biolpolímeros.

28/06/2011

Para Associação Brasileira de Distribuidores de Resinas Plásticas, as campanhas contra o uso do plástico estão baseadas em argumentos, muitas vezes, infundados. Por isso, as empresas ligadas à entidade já estudam a melhor forma de distribuir  os polímeros de fontes renováveis, como o etanol ou amido de milho

A partir de 1º de janeiro de 2012, a população de São Paulo terá de enfrentar um grande desafio: não vai mais dispor das tradicionais sacolas plásticas descartáveis para levar suas compras para casa. A medida, anunciada recentemente pelo Governo do Estado, deve tirar de circulação cerca de 2,2 bilhões de sacolinhas por ano, só em São Paulo, segundo Associação Paulista de Supermercados (Apas).

As tradicionais sacolinhas, feitas com polímero sintético, devem ser substituídas por sacolas de plástico biodegradáveis, que serão vendidas aos consumidores por R$ 0,19 cada. Essas sacolas de bioplástico, feitas com resinas de fontes naturais, são, segundo Laércio Gonçalves, presidente da ADIRPLAST – Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas -, uma alternativa bastante prática para a cadeia produtiva, já que não devem demandar grandes mudanças no setor transformador. Isso porque as máquinas instaladas para produzir embalagens com polímero sintético podem proces sar também o biopolímero. “O problema, no entanto, diz respeito à escala. Ainda não existem fabricantes capazes de produzir polímeros naturais suficientes para atender a demanda do setor de plástico”, explica Gonçalves.

Apesar disso, os distribuidores associados à ADIRPLAST já estudam a melhor maneira para facilitar o fornecimento das “resinas verdes” para a cadeia de transformação, que conta com 11.465 empresas. “Assim como acontece com os polímeros sintéticos, facilitaremos para os transformadores a compra também dessas resinas derivadas de fontes renováveis. Com o tempo, elas poderão ser entregues aos nossos clientes, em qualquer região do País, num prazo máximo de 24 horas”, afirma Laércio.

Para Laércio Gonçalves, a medida adotada pelo governo paulista não resolve os problemas ambientais gerados pelo desperdício das embalagens nem mesmo ajuda a reduzir a emissão em demasia de CO2 na atmosfera: “Novos produtos irão substituir as sacolas e a produção de todos eles em maior escala impacta diretamente no meio ambiente. Estaremos apenas trocando seis por meia dúzia, ao invés de educar as pessoas a consumirem conscientemente, seja o plástico, o papel ou qualquer outra matéria-prima”.

Ainda segundo o presidente da ADIRPLAST, a incapacidade dos órgãos públicos de fazer a coleta seletiva do lixo é outro problema que não será resolvido pela simples proibição do uso das sacolas plásticas. “Em uma cidade como São Paulo, é inaceitável que só ocorra a coleta seletiva com apenas 2% do lixo gerado pela população. O plástico é uma matéria-prima 100% reciclável e poderia ser usado por mais vezes. No caso das sacolinhas, por exe mplo, pelo menos mais três vezes”. 

A proibição das sacolinhas plásticas ainda é um tema que deve gerar muita discussão. Em Americana, por exemplo, o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) a lei municipal que suspendia a distribuição das sacolas foi suspensa por tempo indeterminado. A decisão atende a um pedido de liminar feito pelo Sindiplast (Sindicato da Indústria de Material Plástico de São Paulo).

A ADIRPLAST, que foi fundada há quatro anos, tem como diretrizes o fortalecimento da distribuição, o apoio aos seus associados e a consolidação com petroquímicas. Além disso, a entidade trabalha para promover a imagem sustentável do plástico.

Fonte: Abiplast

Entidades ligadas à indústria do plástico se posicionam contra proibição de sacolas plásticas pela Câmara Municipal de São Paulo.

19/05/2011

Posicionamento frente ao PL, aprovado pela Câmara de São Paulo, que visa o banimento de sacolas plásticas no município

• No dia 17 de maio, a Câmara de Vereadores de São Paulo aprovou o Projeto de Lei 496/2007, que dispõe sobre a proibição da distribuição gratuita ou venda de sacolas plásticas aos consumidores em todos os estabelecimentos comerciais da capital. O PL define que os estabelecimentos comerciais devem estimular o uso de sacolas reutilizáveis, confeccionadas com material resistente e que suportem o acondicionamento e transporte de produtos e mercadorias em geral.

• São Paulo é o maior centro consumidor do país e sofrerá com a penalização: perda de movimentação no comércio, empregos em risco na cadeia produtiva, além da penalização da população em si e do meio ambiente.

• As sacolas plásticas são apontadas incorretamente como sendo causadoras de impacto ambiental, quando na verdade o problema não reside nelas e sim no desperdício, no descarte incorreto e na falta de uma política adequada de reciclagem de resíduos pós-consumo.

• Não há alternativas consistentes para substituir as sacolas plásticas. Econômicas, duráveis, resistentes, práticas, higiênicas e inertes, são reutilizáveis e 100% recicláveis. Pesquisa do Ibope confirma que 100% das sacolas plásticas são reutilizadas como saco de lixo, 71% constituem as embalagens preferidas da população para transportar suas compras e 75% das donas de casa são a favor do seu fornecimento pelo varejo.

• Embalar o lixo em plástico é uma recomendação dos órgãos de saúde do país, para que se evitem contaminações. A sacola plástica é reutilizada pelo consumidor para acondicionar o lixo doméstico, assim como para outros tantos usos, o que representa higiene, economia e atitude ambientalmente responsável. Na falta dessa embalagem, o consumidor deverá comprar sacos de lixo, o que irá gerar custo adicional às famílias.

• Ambientalmente, as sacolas plásticas são comprovadamente as mais amigáveis. Estudo encomendado pelo governo britânico sobre o impacto ambiental de diversos tipos de sacolas mostrou que a sacolinha de plástico tem melhor desempenho ambiental em 8 das 9 categorias avaliadas. Outro importante dado é que ela apresenta a menor geração de CO2 em seu processo produtivo, além de consumir menor quantidade de matéria-prima frente às outras opções.

• Com isso em vista, acreditamos que o combate ao desperdício a partir da educação: conscientização sobre o uso correto, reutilização e descarte responsável das sacolas plásticas é o caminho adequado.

• Defendemos que as sacolas plásticas sejam utilizadas sim, porém fabricadas com a qualidade exigida pela Norma Técnica ABNT NBR-14937. Isso porque as sacolas mais resistentes inibem a prática de se colocar uma sacola dentro da outra para transportar produtos mais pesados ou utilizar somente a metade de sua capacidade, além, de poderem ser usadas mais vezes, mesmo para as compras em supermercados.

• Essas sacolas mais resistentes são a base do Programa de Qualidade e Consumo Responsável de Sacolas Plásticas, desenvolvido pela Plastivida, Instituto Nacional do Plástico (INP) e Associação Brasileira da indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis (Abief), para envolver indústria, varejo e população na questão da melhoria na qualidade das sacolas e nas boas práticas de uso e descarte dessas embalagens.

• Com uma sacola dentro da norma e com a educação da população para o uso e descarte adequados dessas embalagens o desperdício é combatido. O consumidor pode levar sua sacola plástica mais de uma vez ao supermercado, depois disso dar a ela outras finalidades (embalar alimentos, carregas produtos molhados na bolsa, recolher as fezes de animais domésticos ou mesmo usar como saco de lixo)

• Presente em oito capitais (São Paulo, Porto Alegre, Salvador, Goiânia, Brasília, Rio de Janeiro, Recife e Florianópolis), o Programa traz resultado notório: 4 bilhões de sacolas plásticas deixaram de ser consumidas de 2007 a 2010. Mesmo o Ministério do Meio Ambiente (MMA) reconhece o esforço como inovador, consistente e equilibrado. O Programa segue em 2011 com o objetivo de alcançar e até mesmo ultrapassar a marca dos 30% de redução no uso de sacolas plásticas até 2012.

• Na capital paulista, as redes de varejo signatárias do Programa, como o Pão de Açúcar, por meio da educação do consumidor, já reduziram significativamente o desperdício, graças a distribuição de sacolas dentro de normas e do trabalho de educação do consumidor.

• As entidades também lançaram em 2010 a Escola de Consumo Responsável, um projeto itinerante que tem levado os conceitos de uso responsável e descarte adequado dessas embalagens para todo o País.

O Banimento é um caminho ou uma falta de visão sistêmica?

• Perguntamos: deveríamos banir as sacolas ou promover ações em favor de seu uso responsável? Imagine se baníssemos tudo o que é moderno e que ao mesmo tempo tenha algum impacto ambiental. Voltaríamos aos primórdios, com baixa qualidade e baixa expectativa de vida e com epidemias que, atualmente, só fazem parte dos livros de história e total falta de higiene no contato com os alimentos.

• Na sociedade contemporânea, a melhor forma de usufruir dos benefícios (conforto, praticidade, economia, segurança e qualidade de vida) a que todos temos direito é utilizar este ou qualquer outro produto de forma responsável, o que significa aplicar o conceito ambiental, reconhecido internacionalmente, dos 3Rs: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

• A sacola plástica é 100% reciclável e, quando feita dentro de norma, mais resistente, pode e deve ser reutilizada – até mesmo para novas compras em supermercado – sem onerar o consumidor. Hoje, o Brasil conta com uma indústria de reciclagem de plásticos ociosa em mais de 30% uma vez que o país não conta com processos de coleta seletiva adequados para que menos materiais que podem ser reutilizados acabem nos lixões e aterros.

• Acreditamos que a população não pode ser penalizada – seja com cobranças extras, com a geração de novas despesas com sacos de lixo, ou mesmo com a perda e empregos na cadeia produtiva das sacolas plásticas (que hoje garante em São Paulo cerca de 6 mil empregos diretos).

• A saída está na educação e na responsabilidade compartilhada – indústria, varejo, população e governo fazendo sua parte para adequar a questão do consumo e do descarte.

Fonte:  ABIEF

Conferência Brasilplast 2011 traça um panorama da Indústria do Plástico

14/03/2011

Nos dias 10 e 11 de maio,  consultores, empresários e acadêmicos debaterão os desafios e oportunidades para o setor

A Conferência BRASILPLAST 2011, que acontece simultaneamente à 13ª Feira Internacional da Indústria do Plástico, nos dias 10 e 11 de maio, reunirá consultores, empresários e acadêmicos, para debater temas relevantes e atuais do setor. O ciclo de palestras, organizado e promovido pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, no Holiday Inn Park Anhembi, está dividido em três temáticas: Mercado e Negócios, Sustentabilidade na Cadeia do Plástico e Inovações e Tecnologia.

A Gerente da Unidade de Negócios e Conferências da promotora, Márcia Coimbra, descreve o evento como um fórum de discussões diferenciado. “O objetivo é reunir os principais players da indústria do plástico para debater os desafios e rumos do setor, apresentar inovações e se configurar como um fórum de referência para o mercado. Os dois dias de evento estão sendo cuidadosamente estruturados a fim de atender os interesses do público participante, levando em conta as práticas mais modernas de transformação do plástico e assuntos que estão em pauta sobre os negócios do setor e a sustentabilidade”, afirma a executiva.

Uma ampla análise do cenário econômico nacional  com foco na competitividade para o mercado de plástico será apresentada durante a Conferência, com temas relacionados a importação de matérias primas, tendências de preços da nafta petroquímica e os investimentos e gestão de parques industriais de transformadores.

O evento  também vai debater a Sustentabilidade na Cadeia do Plástico, reunindo as Tendências e Soluções Sustentáveis para Plásticos (Reciclagem Energética e Mecânica); Biopolímeros; Polímeros Biodegradáveis; e  Polímeros de Fontes Renováveis.

Sob o tema Inovações e Tecnologia, profissionais renomados de todo o mercado apresentarão tendências e novas tecnologias para o segmento, como a Aplicação Estrutural de Materiais Compósitos; Avanços da Nanotecnologia e sua aplicação em polímeros; Desempenho e Eficiência em Injetoras; e Utilização e Aplicação de Injetores Híbridos e Elétricos.

Mais informações:
CONFERÊNCIA BRASILPLAST 2011
Data: 10 e 11 de maio de 2011
Horário: 8h30 às 17h30
Local: Holiday Inn Park Anhembi (anexo ao Pavilhão de Exposições do Anhembi) Programação: http://www.brasilplast.com.br/Conferencia/Programacao/

Fonte: Brasilplast / Reed Alcântara Machado

Importantes empresas do setor de plásticos confirmam presença na Brasilplast 2011.

28/01/2011

Evento anterior teve aprovação satisfatória acima dos 90%, tanto de expositores quanto de visitantes compradores

Principal evento do setor na América Latina, a BRASILPLAST 2011 (13ª Feira Internacional da Indústria do Plástico), que ocorre de 9 a 13 de maio do próximo ano, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo, já tem a confirmação de importantes empresas, como: BRASKEM, CROMEX, DOW, CLARIANT, BASF, RHODIA, ROMI, CARNEVALLI, BATTENFELD, PAVAN ZANETTI, FLEXO POWER, FLEXOTECH e PIOVAN.

Realizada pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, a Feira espera reunir 1.300 expositores, de 63 países, em 78 mil metros quadrados de exposição e receber 65 mil profissionais qualificados. “Temos uma expectativa bastante positiva para a BRASILPLAST 2011, uma vez que se trata de um evento consolidado e aceito pelo setor, seja por parte de expositores e compradores”, comenta Liliane Bortoluci, Diretora de Feiras da promotora.

A aceitação dos expositores pode ser comprovada em pesquisa realizada com alguns expositores da última edição, quando 96% declararam estar satisfeitos ou completamente satisfeitos com o evento; e 99% mostraram interesse em participar da edição de 2011. No que se refere aos objetivos definidos pela empresa em participar do evento, 41% apontou que é para prospectar novos clientes; 20% promover produtos / serviços ou a própria marca; 14% participação institucional; 9% apresentar lançamentos; 2% ter um canal a mais de distribuição; e 3% mencionaram outros motivos, como prospectar clientes latino-americanos, representar o setor nos assuntos relativos ao meio ambiente e todas as questões mensuradas anteriormente.

Outro dado interessante é em relação à expectativa de negócios a serem realizadas por conta da BRASILPLAST: 19% dos entrevistados apostam num incremento entre 10% e 20% nos negócios; outros 16% dos que responderam a pesquisa esperam um acréscimo de 21% a 50% nos negócios.

Quanto aos compradores visitantes, 95% dos que responderam a pesquisa mostraram-se satisfeitos ou completamente satisfeitos. Já 96% mostraram interesse em visitar a edição de 2011. Dentre as razões que os levaram a visitar o evento estão: 62% para conhecer as tendências da indústria; 60% ver novos produtos; 39% procurar novos fornecedores; 39% encontrar os atuais parceiros / fornecedores; 29% manter o relacionamento com os colegas do mercado; 19% encontrar expositores internacionais; e 8% outros motivos.

Na BRASILPLAST os visitantes encontrarão todo o ciclo da indústria do plástico, desde a matéria-prima até máquinas e equipamentos de grande porte, que permitem a produção compactada, passando por diversos processos de produção, conhecendo assim as tendências tecnológicas visando a preservação do meio ambiente e o produto final. O evento tem o apoio da ABIPLAST (Associação Brasileira da Indústria do Plástico), da ABIMAQ (Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos), do SIRESP (Sindicato das Indústrias de Resinas Sintéticas do Estado de São Paulo) e da ABIQUIM (Associação Brasileira da Indústria Química).

Fonte: Reed Alcantara Machado.

 

Nova diretoria do SIRESP toma posse hoje.

01/09/2010

Luiz Mendonça assume presidência da entidade

Nesta quarta-feira, 1 de setembro, acontecerá o jantar de posse da nova diretoria do Sindicato da Indústria de Resinas Sintéticas no Estado de São Paulo, Siresp. O evento acontece na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), no 16 andar, Espaço de Eventos. A nova diretoria será encabeçada por Luiz de Mendonça, presidente da Quattor, que assume a presidência do sindicato no triênio 2010-2013. A primeira vice-presidência ficará com Flávio Barbosa (Innova) e a segunda vice-presidência será ocupada por Roberto Noronha Santos (Unigel).

Fundado em 1953, o Siresp tem como objetivo trabalhar pelo crescimento, integração e aperfeiçoamento da indústria petroquímica e do plástico. A entidade atua para construir uma parceria forte, competitiva e sustentável com a indústria de transformação, no sentido de fortalecer toda a essa cadeia produtiva no Brasil.

A expressiva capacidade instalada de mais de 5 milhões de toneladas/ano coloca o Brasil como o maior produtor de resinas plásticas da América do Sul e oitavo do mundo. Apesar disso, o consumo per capita de produtos plásticos no Brasil ainda é pequeno, se comparado ao consumo de países como Estado Unidos e Europa. Entretanto, as perspectivas para o mercado brasileiro são otimistas, tanto pelo lado da competitividade da indústria petroquímica brasileira, quanto pelo aumento do consumo, uma vez que a economia brasileira está aquecida e o consumo de termoplásticos com boas perspectivas.

Além dos executivos citados acima, também serão empossados para o triênio 2010-2013 os diretores do Siresp: Michel Gaston Mertens (Basf), Rui Chamas (Braskem) e Nestor de Mattos Cunha Neto (Dow).

O Conselho Fiscal do Siresp terá em seus quadros os seguintes executivos: Francisco José Freita Alcantara (Quattor); José Frederico Medolin Filho (Baq); Ruben Eduardo Madoery (Innova); Gilbran João Tarantino (Solvay Indupa); João Paulo Canto Porto (SI Group Crios) e Javier Alberto Constante (Dow).

Fonte: Abief

Sulbrás focaliza em ampliação de presença em Santa Catarina e Paraná.

05/08/2010

A Sulbrás, especializada em soluções para fabricação de peças técnicas e sub-conjuntos de plástico moldadas por injeção, participa da Interplast 2010 com a estratégia de fortalecer a marca na região e ampliar a presença nos mercados do Paraná e Santa Catarina. A empresa atua com projeto e construção de moldes, injeção de peças plásticas, serviços de pós-injeção. Atende os mercados automotivo, ônibus e caminhões, ar condicionado, eletroeletrônico, linha branca, informática, telecomunicações, entre outros.

Sobre a Sulbras
A Sulbras foi fundada em 1984 e conta com três unidades fabris localizadas em Caxias do Sul/RS, em Sapucaia do Sul/RS e em Salto/SP. O parque de máquinas dispõe de injetoras de 50 a 1100 toneladas de força de fechamento, além de ferramentaria própria para projeto e confecção de moldes. A Sulbras Moldes e Plásticos é especializada em soluções para a fabricação de peças técnicas e sub-conjuntos de plástico moldadas por injeção.

Fonte: Messe Brasil