Posts Tagged ‘Saneamento Básico’

Tecniplas divulga soluções em tancagem para fabricantes de estações de tratamento durante a Fenasan

09/08/2018

Empresa é líder nacional em reservatórios de plástico reforçado com fibras de vidro

Consolidar sua posição de fornecedora de tanques e equipamentos especiais em PRFV (Plástico Reforçado com Fibras de Vidro) para os fabricantes de estações de tratamento de água e efluentes: esse é o objetivo da Tecniplas ao participar mais uma vez da Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente (Fenasan) – de 18 a 20/09, no Expo Center Norte, em São Paulo.

“Mostraremos o nosso portfólio completo de reservatórios e equipamentos, com destaque para os megatanques e os tanques monolíticos de grandes dimensões”, adianta Luís Gustavo Rossi, diretor da Tecniplas.

Os primeiros, com capacidade máxima de 4,5 mil m³, são ideais para o armazenamento de água ou efluente bruto, caso dos tanques de detenção. Já os reservatórios monolíticos – ou seja, produzidos em uma peça única – podem ter até 400 m³ de capacidade e reforços para a operação em áreas sujeitas a elevadas cargas de vento, condição bastante comum, por exemplo, na Região Sul do Brasil.

“Ambos podem ser fabricados com resinas próprias para o contato com água potável. Também ajustamos a translucidez desses polímeros para que a luz solar não contribua com a proliferação de algas”, detalha.

Outro objetivo da Tecniplas nessa edição da Fenasan é alertar o mercado sobre a importância do cumprimento das normas técnicas por parte dos fabricantes de tanques de PRFV. “Pretendemos mostrar um patamar de tecnologia e qualidade diferente do que, em regra, é utilizado atualmente. Isso porque a Tecniplas atua há mais de quarenta anos na fabricação de reservatórios e equipamentos que trabalham com produtos químicos altamente corrosivos, bem mais complexos do que água e esgoto”.

Rossi destaca ainda que, por processar um material nobre como o PRFV, ambientalmente amigável e resistente a vazamentos, a Tecniplas tem plenas condições de atender às exigências da nova Lei de Licitações, que moderniza a Lei 8.666/93 e dá mais liberdade aos entes públicos para optar pela especificação técnica correta, e não apenas pelo menor preço. “Todos os nossos tanques são fabricados de acordo com a norma ASME RTP-1. Isso oferece ainda mais tranquilidade às concessionárias de serviço de abastecimento de água e tratamento de esgoto”, completa.

Fundada em 1976, a Tecniplas mantém uma fábrica de 32 mil m² em Cabreúva, no interior de São Paulo. Seus produtos são consumidos pelas indústrias de álcool e açúcar, papel e celulose, cloro-soda, química e petroquímica, fertilizantes, alimentos e bebidas e saneamento básico.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Tecniplas

Curta nossa página no

Anúncios

Soluções em plástico aumentam a economia de água no setor construtivo

14/04/2016

Braskem-economia-agua

Produtos garantem melhor aproveitamento de recursos hídricos

Responsável por um expressivo consumo de água potável no país, de acordo com a Agência Nacional das Águas (ANA), a construção civil já tem o segmento de plásticos como um grande aliado para a utilização cada vez mais consciente de recursos hídricos. A Braskem fornece matérias-primas para a empresas que fabricam produtos que podem ajudar a reduzir perdas ao longo de todo o processo construtivo e para o setor de abastecimento.

Uma das aplicações visíveis das resinas plásticas está nas caixas d’água em polietileno, que cada vez mais têm sido destinadas ao armazenamento de água da chuva ou para reúso. Há ainda outros produtos para este fim, como os reservatórios em formato compacto, que podem aproveitar até a água pós-lavagem de roupas para nova utilização. Com baixo custo, ocupam pouco espaço e não necessitam de escavação, além de não requisitarem bombeamento, o que economiza energia.

O plástico também está presente em soluções menos aparentes, mas fundamentais para qualquer tipo de construção, como projetos de saneamento básico. É o caso dos tubos de polietileno de alta densidade (PEAD), que oferecem elevada durabilidade, resistência ao impacto e corrosão, além de serem mais leves se comparados a outras alternativas. Outra importante aplicação de polietileno está presente nas fossas sépticas, indicadas para a utilização residencial em regiões isoladas, litorâneas ou próximas a cursos d’água. As fossas podem ser responsáveis pela remoção de até 85% da matéria orgânica no efluente, evitando a contaminação de reservatórios naturais, lagoas, cursos d’água e lençóis freáticos.

Tubulações de esgoto também ganham em durabilidade e eficiência com o plástico, em especial com o polietileno de alta densidade, ideal para aplicações que precisem de resistência e facilidade de aplicação. Os materiais podem ser desenvolvidos tanto em polietileno de alta densidade (PEAD) como em PVC.

O plástico pode ser empregado ainda na captação de águas pluviais por meio de calhas em PVC, que proporcionam design diferenciado, mais qualidade e alta resistência aos raios ultravioleta. Outras soluções em PVC que podem aumentar a segurança no armazenamento de água, evitando perdas e contaminação, são os revestimentos de vinil e as geomembranas. Os produtos têm como objetivo evitar perdas por vazamentos em estruturas de alvenaria, no caso dos revestimentos, com a redução de resíduos na obra, e oferecer proteção de solos e aterros sanitários, entre outros, no caso das geomembranas de PVC.

Grandes obras de infraestrutura também contam com a modernidade das aplicações de plástico para o aumento de eficiência e otimização de recursos. São produtos destinados aos mais diversos fins, como drenagem, contenção, arrimo e outras funções que aumentam a eficiência dos processos construtivos e que também otimizam a utilização de água nas obras.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem desenvolve nova resina para tubos e adutoras

31/03/2014

Atenta à retomada do planejamento e execução das grandes obras de infraestrutura vinculadas ao PAC2 – Programa de Aceleração do Crescimento do governo federal, a Braskem desenvolveu uma nova resina de polietileno destinada para tubos e adutoras no seu Centro de Tecnologia e Inovação, em Triunfo (RS). No total, foram investidos R$ 16 milhão nos ensaios, nas plantas-piloto da empresa e na adequação da planta industrial para o início da produção. O novo sistema empregado no processo conferiu ao produto uma performance superior, com uma durabilidade calculada de 100 anos em tubos de pressão, contra 50 anos da resina utilizada anteriormente.

As melhorias das propriedades mecânicas – creep (deformação a frio sobre tensão), resistência ao impacto e à propagação rápida de rasgo – garantiram à nova resina o atendimento de todas as normas vigentes utilizadas no segmento (ISO, DIN, EN e NBR). “Além do PAC2, a crescente demanda por esse tipo específico de resina está também vinculada ao programa do governo federal Saneamento para Todos, que tem o objetivo de promover a melhoria das condições de saúde da população por meio da redução dos déficits nos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário”, afirma Marcos Celestino, engenheiro de aplicação da Braskem.

Entre as principais utilizações da resina, estão os tubos para rede de distribuição de água e gás natural, transporte de polpa de minério, de petróleo, redes de esgoto e adutoras. Além das companhias de saneamento e abastecimento de água (Sabesp, em SP, DMAE, no RS, e Copasa, em MG), empresas como Vale, Petrobras e Odebrecht estão entre os usuários finais dos materiais. Os principais clientes da Braskem que utilizam a resina para fabricação dos tubos são Tigre, FGS, Kanaflex, Majestic e Polierg.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Náutico, Ambientes Agressivos/ Saneamento Básico e Matérias-primas com Fontes Renováveis, destaques do 3º dia dos Painéis Setoriais da FEIPLAR COMPOSITES & FEIPUR 2010

10/11/2010

Dia 10 de novembro de 2010: Dando seguimento, no terceiro dia, às atividades e aos painéis setoriais da FEIPLAR COMPOSITES & FEIPUR 2010, maior e mais importante feira de materiais composites, poliuretano e plásticos de engenharia das Américas, os temas Náutico, Ambientes Agressivos/ Saneamento Básico e Matérias-primas com Fontes Renováveis reunirão, em duas salas, apresentações sobre tecnologias para os ambientes náutico e de ambientes agressivos e do mercado de matérias-primas com fontes renováveis para composites, poliuretano e plásticos de engenharia. As palestras desses três painéis podem ser assistidas por qualquer interessado, que deve se inscrever com antecedência. As palestras terão tradução simultânea.

Na sala 1, às 8h10, como introdução ao tema do Painel Náutico, será apresentada uma palestra sobre o mercado náutico. As palestras técnicas terão início às 8h50, com “Soluções completas Reichhold em gelcoats e resinas para barreira química e laminado estrutural”, da Reichhold (Mogi das Cruzes, SP). Apresentada por Dirceu Vazzoler, a palestra servirá para apresentar o pacote completo de soluções da empresa para a indústria náutica, incluindo resinas de baixa contração, execução de barreiras químicas com produtos de alto desempenho e a indicação dos gelcoats mais apropriados e com melhor performance para embarcações de pequeno a grande porte. Em seguida, às 9h30, Sinésio Osmar Baccan, da OCV Technical Fabrics (Rio Claro, SP), apresentará a palestra “Tecidos especiais reforçando seu negócio na direção certa”, em que será apresentada uma visão geral dos tecidos unidirecionais e multiaxiais, assim como da manta moldável, com suas características construtivas, propriedades e aplicações nos mais diversos segmentos de mercado, especialmente o náutico. Às 10h, Manuela Astro, da Owens Corning (Estados Unidos), apresentará a palestra “Uniconform, um novo reforço com 100% de vidro para os processos de moldes fechados”. Produto inovador para os processos de infusão, compressão, RTM e RTM Light, o Uniconform, uma manta de filamentos contínuos altamente conformável no molde e com boa permeabilidade, proporciona ótimo acabamento e propriedades mecânicas superiores. O coffee-break irá das 10h30 às 10h50, quando começará a palestra “Estruturas sandwich”, de Cassio Zampol, da 3A Composites/ Baltek, em que serão apresentados conceitos e definições relacionados a estruturas sanduíche, assim como uma explicação dos materiais envolvidos, dos conceitos de estrutura, benefícios e vantagens da tecnologia. Os produtos da empresa são comercializados no país pela Abcol (São Caetano do Sul, SP). Às 11h30 começará a palestra “Gelcoat Ferro Enamel com baixa emissão de estireno e excelente brilho”, apresentada por um representante da empresa Ferro Enamel (Espanha) e por Luiz Orro, diretor da Composites Brasil (Cajamar, SP). Os gelcoats Ferro Enamel apresentados proporcionam baixa emissão de estireno e excelência em brilho. Também será mostradas soluções para processos em RTM para embarcações de pequeno porte. Já às 12h20, a CCP (Estados Unidos) apresentará, representada por Linda Bergstrom, gerente técnica da empresa, a palestra “Soluções para os problemas de osmose e acabamento superficial”, destacando o panorama do gelcoat barreira química, altamente usado nos Estados Unidos mas pouco no Brasil. Será também apresentado um novo gelcoat da Cray Valley (Taboão da Serra, SP). Encerrando o painel, às 12h50, a palestra “Resolva seus problemas de mapeamento de fibras, redução de peso e bolhas – Fazendo soluções produtivas com FSP”, com Márcio Bozzo, da Cromitec (Piracicaba, SP) contará com uma explanação das soluções produtivas conferidas pelo produto FSP (Fiber Spray Putty), da francesa Euromere, para problemas de mapeamento de fibras, redução de peso e bolhas. O FSP pode ser usado como camada de barreira físico-química, material de núcleo e antibolhas para aplicação nos ângulos de peças e moldes.

Na sala 2, serão apresentadas as palestras do Painel Ambientes Agressivos/ Saneamento Básico. As atividades começarão às 8h10, com a palestra “Resinas éstervinílicas em ambientes agressivos”, por  Fábio Gallani, da Elekeiroz (Várzea Paulista, SP). Na palestra, Gallani apresentação as resinas éster-vinílicas “premium”da DSM européia, produzidas sob licença pela BASF do Chile, e que são distribuídas com exclusividade pela Elekeiroz no país. Essas resinas são indicadas para os mercados de alta corrosão, embarcações, energia eólica e outros mercados. Também serão mostrados cases de sucesso para éster-vinílicas baseadas em epóxi bisfenol A e epóxi bisfenol F (novolacas). Às 8h50, com a palestra “Vantagens do uso da fibra de vidro Advantex na fabricação de compósitos”, Caio Luminatti, da Owens Corning (Rio Claro, SP), mostrará em detalhes o superior desempenho à corrosão do vidro E-CR Advantex, da empresa, livre de boro, a partir de análises de ensaios em que os corpos de prova são submetidos a condições de deterioração sob carregamento. Em seguida, às 9h30, em “Split-liner – uma solução inovadora para ambientes extremamente agressivos”, Antonio Carvalho Filho, da Reichhold (Mogi das Cruzes, SP), apresentará a nova tecnologia chamada “split-liner” que, segundo ele, resolve o problema de trincas de composites usados em ambientes extremamente agressivos. Essa solução deriva do fato de que, trincados, os liners concentram o ataque do ambiente agressivo e são piores para a vida funcional dos composites do que se a barreira de corrosão fosse feita sem eles. Dando continuidade às palestras, às 10h10, com “As resinas Derakane nos mercados de corrosão e infraestrutura”, Alexandre Jorge, da Ashland (Araçariguama, SP), mostrará diversos casos de sucesso de aplicação das resinas Derakane nos mercados de cloro-soda, papel e celulose e mineração, assim como na indústria química em geral, abordando também as novas resinas disponíveis da família Derakane. Após o coffee-break, quevai das 10h50 às 11h10, virá a palestra “A evolução das fibras de vidro para ambientes agressivos”, de Ismael Corazza, da Jushi (Brasil/China). Nessa palestra, Corazza mostrará como tem se dado o aprimoramento das fibras de vidro pela Jushi para fabricação de peças em composites de maior resistência à corrosão. Um exemplo é a nova fibra de vidro E6, que aumenta em 15% a resistência à tração dos composites e de 60º C a temperatura de amolecimento do material em relação às matérias-primas tradicionais. Em seguida, às 11h50, Marco Volpi, da VEM (Itália), em “Planta LAM-TECH Lamellar de filament winding contínua com diâmetro nominal de 100 a 800mm”, apresentará a linha LAM-TECH Lamellar da empresa, que produz tubos de composites por filament winding contínuo, com um sistema inovador de mandril (patente VEM), sem a tradicional fita de aço, sistema único no mundo, para tubos de amplitude de diâmetro nominal de 100 a 800 mm. Dando continuidade aos trabalhos, às 12h30, a palestra “Polylite PD 3535 da Reichhold – novo padrão de resina para aplicações em saneamento”, ministrada por Antonio Carvalho Filho, da Reichhold (Mogi das Cruzes, SP), servirá para apresentar um novo padrão de resina para aplicações em saneamento – o Polylite PD 3535 – que permite atingir alongamento de ruptura superior a 3,5% e HDT maior que 80º C, tornando-a, segundo o palestrante, um produto ideal para uso em saneamento, combinando duas características antes encontradas apenas em resinas éster-vinílicas. Às 13h10, Francisco Carvalho, do IBCom, e Manoel T. Figueiredo, da Dhaner (Brasil), apresentarão dois temas em sua palestra. Num primeiro momento, em “Sistema automatizado para a produção de tanques e tubos em compósitos”, os palestrantes do IBCom/Dhaner explicarão em que consistem os equipamentos de filament winding com linhas completas de produção totalmente automatizadas. O segundo tema da palestra, qual seja, “Tubos em composites com liner impermeável para transporte de etanol”, por Francisco Carvalho, explicará em que consistiu o desenvolvimento de dutos em composites com liner de alumínio e camada interna condutiva de grafite, desenvolvido por Antonio Carvalho Filho, da Reichhold, e Francisco Xavier de Carvalho, do IBCom, como opção para dutos metálicos para transporte de etanol, com excelente resistência a solventes e baixo custo. Com essa palestra, estarão encerrados os trabalhos do Painel Ambientes Agressivos/ Saneamento Básico 2010.

Também na sala 2, mas à tarde, terão início os trabalhos do Painel Matérias-Primas com Fontes Renováveis 2010. Após a recepção aos participantes, as palestras começarão, às 15h, com “Novos desenvolvimentos em resinas ‘verdes’ para SMC/BMC, pultrusão e infusão a vácuo”, por Antonio Carvalho Filho, da Reichhold (Mogi das Cruzes, SP). Em sua palestra, Carvalho explicará a recém-lançada linha Envirolite de resinas verdes parauso em SMC/BMC, pultrusão e infusão, baseadas em fontes de matérias-primas renováveis ou recicláveis, fáceis de processar e que atendem às exigências das indústrias de construção civil, náutica, lazer e outras aplicações industriais, com propriedades iguais ou superiores às obtidas com resinas convencionais. Dando seguimento, às 15h40, em “Resinas poliéster sustentáveis: tendências e aplicações”, Waldomiro Moreira, da Elekeiroz (Várzea Paulista, SP), proporcionará uma visão histórica da obtenção de resinas a partir de fontes renováveis, indicando que na atualidade as resinas poliéster obtidas a partir de matérias-primas de fontes renováveis e de ciclo curto aliado à utilização de resinas termoplásticas reutilizadas permite economizar em até 20% o uso de matérias-primas de fontes não renováveis, conservando as propriedades físico-químicas do material. Após um coffee-break, às 16h20, Marcos Vasquez, da Artegor (Brasil), destacará, em “Aplicação de compósitos termoplásticos com fibras naturais”, as vantagens dos compósitos com fibras naturais, combinados entre si e/ou modificados com essas matérias-primas, que devem aumentar sua presença no mercado em função da disponibilidade limitada dos recursos petroquímicos e do aumento das preocupações ambientais. Em seguida, às 17h20, com “Resinas inovadoras baseadas em matérias-primas de origem biológica para as indústrias de poliuretano e de composites”, Mr. Andréa Minigher, da Biophenolika, apresentará o desenvolvimento recente de uma nova biblioteca de monômeros de base biológica e prepolímeros a partir de matérias-primas renováveis, cujos polióis tem uso com sucesso na formulação de espumas rígidas de poliuretano, substituindo parcial ou totalmente as matérias-primas derivadas de óleo de base petroquímica. Outras estruturas de base biológica, projetadas para compatibilidade com resinas convencionais bisfenol A e F, para produção de resinas termofixas, também serão abordadas. Com essa palestra, estarão encerradas as atividades do Painel Matérias-Primas com Fontes Renováveis 2010.

Serviço

Painéis Setoriais “Náutico 2010”, “Ambientes Agressivos/ Saneamento Básico 2010” e “Matérias-primas com Fontes Renováveis 2010” da FEIPLAR COMPOSITES & FEIPUR 2010

Data: 10 de novembro de 2010, a partir das 8h, nas salas 1 e 2.

Local: Expo Center Norte, Pavilhão Verde

Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme – São Paulo / SP – Tel.: +55(11) 2089-8500

Visitação: Gratuita
Inscrições e informações
: www.feiplar.com.br

Fonte: Feiplar / Feipur