Posts Tagged ‘Rio Oil & Gas 2020’

UBE apresenta novidades em membranas poliméricas para separação gasosa na Rio Oil & Gas

11/12/2020

Entre as tecnologias inovadoras foram apresentadas membranas para geração de nitrogênio e separação de CO2/CH4 para tratamento de gás natural e upgrade de biogás.

A UBE, uma das líderes mundiais em membranas de separação de gases, participou da 20a edição da Rio Oil & Gas, organizada pelo IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás) entre os dias 01 e 03 de dezembro e que este ano foi 100% online.

Em seu estande na Vitrine Virtual, a empresa apresentou a linha de membranas de alta performance, específica para o mercado de geração de nitrogênio. “Trata-se de uma tecnologia exclusiva da UBE que utiliza fibra oca de poliimida para, entre outras aplicações, separar as moléculas de oxigênio (O2) do nitrogênio (N2), transformando o ar comprimido em nitrogênio de alta pureza, podendo chegar a até 99,9%.”, explica Paula Perfeito, especialista de Desenvolvimento de Negócios da UBE Latin America.

Com este grau de pureza, o nitrogênio pode ser usado em diversas aplicações, inclusive como atmosfera inerte. Na América Latina, a principal aplicação é justamente no mercado de óleo e gás. Outras aplicações também ocorrem na indústria marítima, de transporte, de químicos e refinarias.

Segundo a UBE, outra vantagem da sua membrana é a resistência térmica (até 80 graus Celsius) e a altíssima resistência química e mecânica, em virtude de propriedades da poliimida utilizada na fabricação das fibras ocas. Os módulos padrão de separação de oxigênio e nitrogênio conseguem operar com uma pressão de até 14 bar; há também um módulo especial onde é possível trabalhar com pressão de até 24 bar. A UBE afirma que as características mecânicas das membranas, a sua alta permeabilidade (alto fluxo) e seletividade (alta recuperação) tornam a tecnologia competitiva.

A empresa relata que o tempo de start-up do equipamento, desde quando é ligado até gerar o nitrogênio, situa-se entre 5 e 10 minutos. Por se tratar de membranas com configuração modular, basta aumentar o número de módulos em paralelo, para aumentar a capacidade do sistema.

Tecnologia usada no tratamento do gás natural e purificação de biogás

Paula Perfeito acrescenta que “esta é uma tecnologia exclusiva da UBE que utiliza fibra oca de poliimida também para separar as moléculas de dióxido de carbono (CO2) do metano (CH4), transformando o biogás em biometano. Este tipo de separação também é utilizada para o tratamento de gás natural no pré-sal”.

Entre as principais características destas soluções, Paula assegura: o gasto energético é baixo; há poucas partes móveis no equipamento (baixo custo de manutenção e de operação); fácil instalação e tamanho reduzido do equipamento em comparação a outras tecnologias como a PSA (Pressure Swing Adsorption) que possibilita um fácil deslocamento do equipamento. “Além disso, nenhum tipo de passivo ambiental é gerado neste tipo de processo, reduzindo o CAPEX do projeto e fazendo desta uma tecnologia eco-friendly”, conclui Perfeito.

A UBE afirma também que as suas membranas possuem alta resistência química ao H2S, que permite o trabalho com concentrações de até 3% (v/v%), na corrente de biogás, sem causar danos às fibras. As membranas possibilitam ainda a separação parcial do gás (H2S) da corrente final de biometano, garante a fabricante.

Fundada na cidade de Ube, Yamaguchi, no Japão, em 1897, a UBE mantém 11 mil colaboradores em todo o mundo e um portfólio global de produtos que se divide em: químicos; cimento e materiais de construção; máquinas; meio ambiente e energia; e farmacêuticos. Há mais de 40 anos, fornece tecnologia de membranas de separação O2/N2; CO2/CH4; Secagem de ar; Geração de H2 e Desidratação de etanol. No Brasil a operação da UBE existe desde 2010, sendo que o escritório brasileiro atende a toda a América Latina, com ênfase no Brasil, Argentina, Chile, Peru, Colômbia e Equador.

Curta nossa página no

Grupo Solvay lança tecnologia para produção de nova geração de risers flexíveis para a exploração de petróleo offshore

05/12/2020

Primeiro protótipo de tubulação com compósito termoplástico da Solvay poderá ser testado em campo de petróleo brasileiro em breve

Um dos principais fornecedores para o mercado de óleo e gás em nível global, o Grupo Solvay está fazendo o lançamento de uma plataforma tecnológica que combina polímeros especiais e compósitos para a produção de uma nova geração de risers flexíveis.

O lançamento dessa novidade ocorreu na Rio Oil & Gas 2020, maior evento de petróleo e gás da América Latina e que este ano aconteceu virtualmente entre os dias 1 e 3 de dezembro (terça a quinta-feira). O evento foi realizado pelo Instituto Brasileiro do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP) e este ano teve como tema “Energia para um mundo em transformação”.

Compósitos termoplásticos – À medida que avança a exploração de petróleo nas camadas do pré-sal e do pós-sal, ficam mais críticas as condições de operação em poços mais profundos e que contam com elevados níveis de temperatura, pressão e acidez.

“Para o Grupo Solvay, esse cenário significa novas oportunidades. Temos um portfólio vasto, com soluções integradas para atender às novas demandas tecnológicas e, portanto, posição privilegiada para liderar a introdução de compósitos termoplásticos no segmento de risers”, destaca Sergio Detoie, líder da Plataforma de Compósitos Termoplásticos na região.

Com os seus polímeros especiais Solef PVDF, a empresa possui um histórico de mais de 25 anos em exploração de gás e petróleo offshore (no mar). Esses polímeros continuam sendo empregados, no entanto, dentro de uma nova plataforma tecnológica criada pela Solvay e passam a ser combinados com fibras de carbono, produzindo compósitos termoplásticos utilizados, por exemplo, para substituir as estruturas metálicas que constituem a tubulação, que são os principais alvos de danos por corrosão.

Segundo a Solvay, uma nova geração de risers flexíveis que oferecem resistência à alta temperatura e à alta pressão, além de resistência química elevada, pode ser produzida a partir dessa nova plataforma tecnológica. A empresa afirma que eles são mais simples de serem armazenados, transportados, instalados e desinstalados, proporcionando mais segurança durante as operações; e possuem uma excelente barreira para gases corrosivos como o dióxido de carbono (CO2) e o sulfeto de hidrogênio (H2S).

Primeiro protótipo mundial – Desenvolvedora e detentora da tecnologia que viabiliza essa terceira geração de risers, a Solvay firmou parcerias internacionais com os principais fabricantes desses produtos.

“Acreditamos que essa interação resultará no lançamento do primeiro protótipo de riser compósito do mundo, que será testado em águas brasileiras”, adianta Alexandre Simões, Gerente de Desenvolvimento do Mercado de Petróleo e Gás da área global de negócios Specialty Polymers da Solvay.

“Mais leves e muito mais resistentes, os novos risers compósitos são capazes de atender às demandas mais críticas e agressivas impostas pelos novos reservatórios de petróleo, contribuindo também para diminuir o custo total da produção”, acrescenta Alexandre Simões.

Simões reforça que a nova geração de risers não substitui as anteriores, que continuam sendo adotadas em campos de petróleo com especificações técnicas. “As evoluções do nosso portfólio se traduzem em risers flexíveis com melhor desempenho. Estamos trabalhando em novos grades de PVDF tanto para os risers compósitos como para os flexíveis tradicionais”, completa Alexandre Simões.

Os termoplásticos compósitos do Grupo Solvay também estão sendo projetados para a indústria automotiva e para veículos aéreos urbanos (como drones e carros voadores), segmento ainda em fase de desenvolvimento no mundo.

Com 24.100 empregados em 64 países, as soluções inovadoras do Grupo Solvay contribuem são usados em produtos que podem ser encontrados em residências, alimentos e bens de consumo, aviões, carros, baterias, dispositivos inteligentes, equipamentos de saúde, sistemas de purificação de água e ar. Fundada em 1863, a Solvay obteve vendas líquidas de € 10,2 bilhões em 2019. No Brasil, a Solvay também atua com a marca Rhodia.

Curta nossa página no