Posts Tagged ‘Prévia K2019’

Prévia da K 2019 apresenta inovações e produtos a serem lançados durante a feira em outubro, em Düsseldorf

19/07/2019

Inovações nas áreas de matérias-primas, máquinas, processos, aditivos e aplicações, bem como novos desenvolvimentos relacionados à economia circular, reciclagem química, digitalização, impressão 3D e controle de processos foram exibidos na avant-premiére da feira K 2019, organizado pela Messe Düsseldorf entre os dias 30 de junho a 03 de julho, no pavilhão de feiras de Düsseldorf, na Alemanha. Aproximadamente 80 jornalistas de 32 países participaram do evento, no qual 12 expositores apresentaram algumas das inovações que irão exibir durante a K 2019, entre 16 a 23 de outubro, em Düsseldorf.

Um debate com representantes das organizações de apoio à K 2019 e a Messe Düsseldorf abriu o evento, com a participação do Sr. Erhard Wienkamp (Diretor Executivo da Divisão de Feiras no Exterior da Messe Düsseldorf), Dr. Rüdiger Baunemann (Diretor Regional da PlasticsEurope para a Europa Central) , o Sr. Ulrich Reifenhäuser ( Chairman da Associação dos Fabricantes de Máquinas para Plásticos e Borracha da Alemanha, dentro da VDMA), o Sr. Boris Engelhardt (Secretário Geral da Associação da Indústria de Borracha Alemã – WDK) e o Dr. Oliver Möllenstädt (Diretor Geral da Associação de Processadores de Plásticos da Alemanha – GKV).

Durante o painel , a tônica dos debates se centrou nos temas da sustentabilidade e economia circular dos plásticos, desenvolvimentos em reciclagem química e nas iniciativas da indústria de plástico para eliminar os resíduos plásticos no meio ambiente, tais como a Alliance to End Plastics Waste (AEPW). Além disso, foi abordado o tema da retração econômica em andamento na Europa na indústria de plásticos, atribuída a problemas com o setor automotivo e ao impacto da imagem negativa das embalagens plásticas na sociedade. Os tópicos da digitalização e Indústria 4.0 também foram focalizados.

Em sessões posteriores, BASF, Covestro, Battenfeld-Cincinnati, Sikora, Reifenhäuser, Huntsmann, Lanxess, Sumitomo Demag, Wacker, Asahi Kasei, Krauss Maffei e Chen Hsong apresentaram seus novos produtos e tecnologias para os meios de comunicação internacionais em apresentações seguidas de questões levantadas pelos jornalistas.

A apresentação da Reifenhäuser, que teve um formato de painel de perguntas e respostas, delineou a ênfase que a empresa está dando aos aspectos da digitalização e sustentabilidade, focalizando-se nos princípios de redução , reutilização, reciclagem e substituição de plásticos. Outros tópicos abordados durante as diferentes palestras foram as linhas extrusão de filmes planos e chapas, linhas de não-tecidos, embalagens stretch mono-material recicláveis e linhas de PLA para filmes planos com espessura reduzida, entre outros desenvolvimentos.

A Battenfeld-Cincinnati anunciou seus mais recentes desenvolvimentos para o alcance da sustentabilidade através de componentes de extrusão otimizados, além de apresentar uma linha de extrusão que cobre uma ampla gama de exigências para processamento de PET. A empresa também apresentou um pacote de instrumentação para operação integrada de todos os sistemas de extrusão, uma máquina de corte de tubos sem hidráulica e uma nova extrusora de rosca única para pequenos tubos e perfis com nova unidade de controle.

A Sikora destacou suas tecnologias inovadoras para medição, controle, inspeção, análise e triagem. Durante a feira, acontecerá o debut de um sistema de medidas dimensionais para tubos e mangueiras com até 1,6 metros de diâmetro, assim como de um novo sistema de medidas de espessura para uso em extrusão de chapas de POM, PEEK, PMMA, PVC-FOAM e vidro. O seu sistema de testes óticos de laboratório com detecção de cor também será um premiére durante a K 2019, assim como um outro sistema de testes de laboratório com tecnologia de raios-X para detecção de contaminação metálica.

A Sumitomo (SHI) Demag irá demonstrar durante a Feira K2019 cinco máquinas com características de eficiência energética para os segmentos automotivo, de embalagem e aplicações médicas, além de apresentar os serviços técnicos inteligentes da empresa, aplicações em moldagens com borracha de silicone líquida (LSR) e um kit para conversão de injetoras para operações multi-componente, entre outras novidades da empresa.

Novos produtos a serem exibidos pela Wacker durante a K 2019 incluem elastômeros de silicone resistentes ao fogo, grades de borracha de silicone auto-adesivos exibindo superfícies com fricção muito baixa, além de laminados de silicone ultra-finos para aplicações com atividade elétrica. O foco também será em grades de borrachas de silicone líquidas que, graças ao seu reduzido conteúdo de voláteis, não necessariamente exigem pós-cura. Um novo aditivo baseado em silicone também fará seu debut, permitindo que os componedores de elastômeros termoplásticos produzam plásticos mais macios e mais repelentes à sujidade. Os visitantes da feira também poderão verificar in-loco as novidades na impressora de silicone em 3D desenvolvida pela empresa.

A Covestro divulgou suas várias inovações e projetos que visam ampliar as fronteiras de um mundo sustentável e digital. A empresa apóia o desenvolvimento de uma economia circular funcional e uma melhor gestão de recursos fósseis limitados, principalmente o petróleo bruto, como pontos centrais para o aumento da sustentabilidade. Outra força motriz é o avanço da digitalização. Vários tópicos e exposições na K 2019 destacam a importância da digitalização para a empresa, que espera estabelecer referências nesse campo na indústria de plásticos e de produtos químicos. Outro destaque da exposição na K 2019 é um conceito de interior automotivo abrangente para a mobilidade futura. Em linha com as últimas tendências, a mostra pretende transformar interiores de automóveis em espaços multifuncionais e móveis para a vida e o trabalho. Produtos têxteis derivados de gás carbônico e aplicações em energias renováveis foram outros destaques da apresentação da empresa.

A apresentação da Lanxess antecipou os principais tópicos a serem focalizados pela empresa durante a K 2019, tais como a nova mobilidade, a urbanização e digitalização. Como exemplos, merecerão especial atenção as novas poliamidas e poliésteres da empresa voltados para a mobilidade sustentável, o investimento da empresa em sistemas de moldagem por sopro, novos compostos de poliamida 6 para aplicações elétricas em disjuntores, pre-polímeros de PU com teores mínimos de isocianato livre, novos retardantes de chama para materiais isolantes, antioxidantes e antiozonantes para látex, borracha natural e sintética, além de outros aditivos e masterbatches. O uso da inteligência artificial no desenvolvimento de produtos e a ênfase na economia circular também serão abordadas durante a K 2019 pela Lanxess.

As novidades apresentadas pela BASF incluíram apresentações de clientes que exibiram protótipos fabricados com material quimicamente reciclados pela BASF, tais como embalagens de isolamento térmico para produtos farmacêuticos sensíveis à temperatura, bem como caixas para transporte de peixe fresco e embalagens protetoras para dispositivos eletrônicos em EPS (Storopack), filme de poliamida e um filme de polietileno que foram convertidos em embalagens com vedação especial para uso com queijo muzzarela (Südpack), um disjuntor elétrico a partir de poliamida (Schneider Electric) e o suporte do radiador feito de plástico, usando poliamida 6 reciclada com 30% de fibra de vidro (Jaguar Land Rover). Outras apresentações mostraram desenvolvimentos com polímeros compostáveis Ecovio, novos materiais para isolamento baseados em aerossóis que viabilizam redução de espessuras nas construção civil e indústria automotiva, novos estabilizantes térmicos e à luz para plásticos em aplicações na agricultura, novidades com Poliftalamidas para componentes nas indústrias automotiva e eletrônica, desenvolvimentos com PBT para extrusão e termoformagem, novos pigmentos que atendem às regulações atuais da indústria e também soluções para a mobilidade do futuro.

A Krauss Maffei divulgou o reposicionamento da sua marca, unificando sob uma único nome todos os seus produtos e serviços para Moldagem por Injeção, Extrusão e tecnologias de processo por reação e consolidando todas as divisões de negócio e marcas prévias (Krauss Maffei, Krauss Maffei Berstorff e Netstal) sob uma única marca unificada: Krauss Maffei. Durante a K2019, a Krauss Maffei apresentará sua nova plataforma digital B2B para negócios na área de reciclagem. Análise de dados também serão oferecidos pela unidade de negócios de soluções e serviços digitais. A empresa também demonstrará os seus desenvolvimentos com foco estratégico na Economia Circular. Sistemas para processamento a alta pressão de grafite expandida visando o aumento da eficiência de processo e material e produção limpa de Poliuretanos também serão demonstrados.

A Huntsman delineou os detalhes de uma nova gama de materiais para manufatura aditiva desenvolvida pela empresa, que visam atender a necessidades emergentes na indústria da impressão 3D. A plataforma de manufatura aditiva Iroprint da Huntsman contém três diferentes tipos de materiais à base de poliuretano (resinas, pós e filamentos), que podem ser impressos em 3D por meio da utilização de uma variedade de métodos de manufatura aditiva, incluindo estereolitografia (SLA), sinterização de alta velocidade (HSS) e fabricação por filamentos fundidos (FFF). Inicialmente, a Huntsman vai lançar a sua linha de materiais de manufatura aditiva macias e flexíveis na indústria global de calçados e esportes, onde a impressão 3D já está sendo utilizada para criar tanto sapatos personalizados como aqueles fabricados em massa.

A Asahi Kasei dedicou atenção especial aos seus materiais especiais para aplicações no carro conceito criado pela empresa, como visão do futuro da mobilidade, com ênfase em veículos autônomos, elétricos e conectados. Foi apresentada uma ampla gama de aplicações em interiores automotivos, como, por exemplo,  sensores e materiais da empresa para uso na purificação do ar do interior do veículo, dispositivos eletrônicos e espumas que tornam possível um espaço silencioso para os passageiros através do cancelamento de ruídos e fibras ecológicas premium que assegurem conforto e elegância. A empresa também destacou as aplicações de plásticos e espumas para reduzir o peso dos automóveis e, consequentemente, diminuir as emissões de gás carbônico.

A fabricante de máquinas injetoras baseado em Hong Kong Chen Hsong anunciou durante a Prévia da K 2019 o estabelecimento de uma nova subsidiária na Alemanha, para melhor atuar no mercado alemão através de soluções standard e especializadas. A Chen Hsong Germany GmbH é uma subsidiária integral da Chen Hsong Europe, sediada na Holanda. A Chen Hsong é uma das maiores fabricantes mundiais de máquinas injetoras, com forças de fechamento entre 20 a 6.500 toneladas.

Na K 2019, mais de 3.000 expositores de todos os continentes estarão apresentando seus mais recentes desenvolvimentos nas áreas de máquinas e equipamentos para a indústria de plásticos e borracha, matérias-primas e auxiliares, produtos semi-acabados, peças técnicas e produtos plásticos reforçados. A feira, que estará aberta das 10:00 até 18:00 de quarta-feira, 16 de outubro de até quarta-feira, 23 de outubro, espera atrair cerca de 200.000 visitantes profissionais de todo o mundo.

Curta nossa página no

Prévia da K 2019 – Covestro destaca sua visão de um mundo sustentável e digital

17/07/2019

  • Busca por ciclo de material em toda a cadeia de valor
  • Pioneira no caminho para um futuro sem matérias-primas fósseis
  • Programa abrangente para digitalização
  • Soluções inovadoras para indústrias-chave

Durante a conferência de imprensa Prévia da K2019, realizada no Centro de Convenções da Messe Duesseldorf em 2 de julho passado, a fabricante de materiais Covestro apresentou em primeira mão as novidades a serem exibidas na Feira K 2019 em Outubro. Apresentado pelo CEO da Covestro, Dr. Markus Steilemann, e por Jochen Hardt, vice-presidente e especialista em marketing da Covestro, a empresa divulgou suas várias inovações e projetos que visam ampliar as fronteiras de um mundo sustentável e digital.

Na feira de plásticos K 2019, em Düsseldorf, a Covestro apresentará soluções inovadoras em materiais que, segundo a empresa, fornecem respostas aos desafios atuais do mundo. Os visitantes da principal feira do mundo para a indústria de plásticos e borracha encontrarão exemplos disso apresentados pela Covestro no estande A75, no Hall 6. De 16 a 23 de outubro de 2019, produtos e tecnologias para as indústrias automotiva, de construção e eletrônica estarão em exibição , além de aplicações inovadoras e funcionais nos setores da saúde, móveis, esportes e lazer.

“Além do avanço da digitalização, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas serão uma força motriz na sociedade e na economia para os próximos anos”, disse o CEO Markus Steilemann aos jornalistas. “O atingimento desses objetivos não é apenas imperativo para um mundo melhor, mais limpo e mais saudável, mas também possui um grande potencial econômico a longo prazo”, explicou o CEO. “A Covestro está determinada a implementar as metas de sustentabilidade da ONU em muitos níveis.”

Steilemann apontou o desenvolvimento de uma economia circular funcional e uma melhor gestão de recursos fósseis limitados, principalmente o petróleo bruto, como pontos centrais para o aumento da sustentabilidade. “Essas são metas que impactarão a sociedade como um todo e a Covestro quer contribuir para isso. Dentro de nossa empresa, queremos estabelecer ciclos de materiais ao longo de toda a cadeia de valor, desde os fornecedores, passando pela produção e logística, até o uso de nossos produtos e sua reutilização ”, explica Steilemann.

Ao reciclar plásticos usados, será importante poder esgotar todas as possibilidades técnicas. “O método relativamente novo de reciclagem química também é uma opção, que requer suporte adicional”, disse o CEO.

Um aspecto fundamental para o desenvolvimento de uma economia circular na indústria de plásticos e indústria química é fechar o ciclo de carbono com recursos reciclados. Aqui, vale a pena considerar o uso de resíduos de plantas e, cada vez mais, a utilização de gás carbônico como alternativas para os recursos fósseis. A Covestro já alcançou vários resultados nessas áreas. “Queremos nos tornar pioneiros no caminho para um futuro sem recursos baseados em materiais fósseis e enfatizar nossa reivindicação de liderança no setor”, enfatizou Steilemann.

Digitalização cria valor agregado

Outra força motriz é o avanço da digitalização. A Covestro quer aproveitar as oportunidades nessa área e iniciou um programa abrangente, com foco no cliente. Para isso, a empresa está incorporando tecnologias e processos digitais na produção, na cadeia de suprimentos, na pesquisa e desenvolvimento, em todos os pontos de contato com os clientes e no desenvolvimento de novos modelos de negócios. Vários tópicos e exposições na K 2019 destacam a importância da digitalização para a empresa, que espera estabelecer referências nesse campo na indústria de plásticos e de produtos químicos.

Os exemplos abaixo dão uma ideia dos desenvolvimentos que a Covestro apresentará na K 2019.

Sociedade completamente conectada

Um requisito importante para a mobilidade do futuro e a digitalização de todas as áreas da vida e dos negócios é a nova tecnologia de transmissão 5G. Para construir a infra-estrutura para isso, a Covestro está trabalhando em conjunto com a Deutsche Telekom e o Umeå Institute of Design para desenvolver soluções inovadoras em materiais para estações base, antenas e outros componentes do sistema. A Covestro também está trabalhando em uma solução em filme de múltiplas camadas em conjunto com um novo processo de fabricação para as partes de trás da estrutura de smartphones. Ao contrário dos elementos convencionais de metal, estes filmes de policarbonato são permeáveis ​​à radiação de alta frequência.

Interiores de automóveis do futuro

O destaque da exposição na K 2019 é um conceito de interior automotivo abrangente para a mobilidade futura. Em linha com a última tendência, a mostra pretende transformar interiores de automóveis em espaços multifuncionais e móveis para a vida e o trabalho. “Desenvolvemos o conceito em conjunto com parceiros-chave industriais e acadêmicos”, explicou Jochen Hardt, especialista em marketing da Covestro e líder do projeto. “Isso envolve funcionalidade, conforto e design em igual medida, além de eficiência.” O carro do futuro é totalmente conectado em rede e é perfeitamente integrado à vida cotidiana. Os principais recursos de design são superfícies com aparência e toque decorativos, iluminação ambiente integrada, os últimos sistemas de entretenimento digitais e conceitos em assentos de última geração.

Produtos têxteis derivados de gás carbônico

Juntamente com parceiros como a RWTH Aachen University e vários fabricantes de têxteis, a Covestro conseguiu produzir fibras têxteis elásticas a partir de poliuretano termoplástico derivado parcialmente de CO2 e, como resultado, substituiu em parte o petróleo bruto como matéria-prima. O ponto de partida é um produto intermediário chamado cardyon®, que já é usado para para produzir a espuma macia encontrada em colchões e nas camadas de base dos campos esportivos. Os parceiros estão atualmente trabalhando no desenvolvimento da produção de têxteis em escala industrial e querem introduzir um ciclo de material que seja baseado em recursos sustentáveis ​​para a indústria têxtil e de vestuário.

Energias renováveis ​​em ascensão

Além de promover uma economia circular eficiente, a Covestro também está comprometida em expandir ainda mais o uso dos plásticos em energias renováveis, como a energia eólica. A cooperação com parceiros levou ao desenvolvimento de uma resina de poliuretano, bem como de uma tecnologia de processo, que torna possível a fabricação de pás de rotores de turbinas eólicas de forma eficiente e econômica, afirma a empresa. A Covestro recentemente processou seu primeiro pedido comercial nessa área proveniente da China.

Com 2018 vendas de 14,6 bilhões de euros, a Covestro está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. As atividades de negócios estão focadas na fabricação de materiais poliméricos de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados ​​em muitas áreas da vida diária. Os principais segmentos atendidos são os setores automotivo, de construção civil, processamento de madeira e móveis, e elétricos e eletrônicos. Outros setores incluem esporte e lazer, cosméticos, saúde e a própria indústria química. A Covestro possui 30 unidades de produção em todo o mundo e emprega aproximadamente 16.800 pessoas (calculadas como equivalentes em tempo integral) no final de 2018.

Curta nossa página no

Durante Prévia da K 2019, clientes da BASF exibem protótipos fabricados com material plástico quimicamente reciclado

16/07/2019

  • Os parceiros da BASF no Projeto ChemCycling: Jaguar Land Rover, Storopack, Südpack e Schneider Electric.
  • Fase piloto promissora, mas continuam os desafios tecnológicos e econômicos, assim como a necessidade de avanços regulatórios.

Um número cada vez maior de empresas da indústria de plásticos está trabalhando para promover a reciclabilidade dos plásticos e, assim, ajudar, na criação de uma economia circular. Uma das maneiras pelas quais a BASF atua nessa área é através do projeto ChemCycling: no final de 2018, a empresa utilizou pela primeira vez volumes piloto de óleo de pirólise derivado de resíduos plásticos como matéria-prima em sua própria produção.

Na Prévia da Feira K 2019, uma conferência de imprensa que ocorreu no Centro de Conveções da Messe Düsseldorf entre 1 a 3 de Julho, quatro parceiros apresentaram os primeiros protótipos que foram criados durante a fase piloto do projeto.

A Jaguar Land Rover (JLR), fabricante líder na indústria automotiva, desenvolveu um protótipo do suporte do radiador feito de plástico, usando poliamida 6 reciclada com 30% de fibra de vidro (Ultramid B3WG6 Ccycled Black 00564) para o seu primeiro SUV elétrico: o I-Pace. “Como parte do nosso compromisso de acelerar a fabricação em circuito fechado (Closed-loop manufacturing) em todas as nossas operações, estamos sempre em busca de avanços tecnológicos que ajudem a reduzir o desperdício”, disse Craig Woodburn, gerente global de Compliance Ambiental da JLR. “A capacidade de converter resíduos plásticos de consumo em peças seguras e de qualidade usadas em produtos premium, por meio do processo ChemCycling, é um passo importante no avanço da nossa aspiração de alcançar um futuro com resíduo-zero”.

A Storopack, fornecedora global de embalagens de proteção e peças técnicas moldadas, usou EPS quimicamente reciclado (Styropor P Ccycled) para fabricar embalagens de isolamento térmico para produtos farmacêuticos sensíveis à temperatura, bem como caixas para transporte de peixe fresco e embalagens protetoras para dispositivos eletrônicos. “Ficamos particularmente impressionados com o fato de que o Styropor® P Ccycled pode ser usado em embalagens de alimentos. Já existem várias opções de reciclagem para o Styropor e o projeto ChemCycling ajuda a aumentar ainda mais a o percentual reciclável”, comentou Hermann Reichenecker (foto), presidente do Conselho de Administração da Storopack.

A Südpack, uma das principais produtoras de embalagens em filmes na Europa, fabricou um filme de poliamida e um filme de polietileno que foram convertidos em embalagens com vedação especial para uso com queijo muzzarela. Até o momento, considerava-se que as embalagens multicamadas eram recicláveis até um certo limite. “Embalagens em filme desempenham funções importantes tais como: a proteção do produto, higiene e tempo de vida de prateleira, ao mesmo tempo em que precisa utilizar uma quantidade mínima de plásticos. Esta é a razão pela qual as embalagens em filme são compostas por vários materiais e camadas com diversas propriedades e barreiras. Por meio de inovações como o ChemCycling, chegamos mais próximos de resolver os problemas associados à reciclagem de embalagens flexíveis”, disse Johannes Remmele, sócio-gerente da Südpack.

A Schneider Electric, líder na transformação digital de gestão de energia e automação, fabricou um disjuntor a partir de poliamida (Ultramid) quimicamente reciclada. “Nós ativamente avaliamos a capacidade de matérias-primas secundárias, tais como plásticos reciclados, de atender aos nossos exigentes padrões de qualidade, normas e regulamentações rigorosas da indústria. Nós confiamos na expertise da BASF para demonstrar os benefícios de sustentabilidade de ponta-a-ponta e ao mesmo tempo oferecer um custo atraente. Esperamos que esta experimentação com a BASF abra espaço para mais inovações circulares em Gerenciamento e Distribuição de Energia”, disse Xavier Houot, vice-presidente sênior de meio ambiente, segurança e real state da Schneider Electric Group.

“Os projetos piloto com clientes de várias indústrias mostram que os produtos fabricados com matérias-primas quimicamente recicladas oferecem a mesma alta qualidade e desempenho que os produtos fabricados com materiais primários. O projeto ChemCycling, que usa uma abordagem de balanço de massa para atribuir matematicamente uma parcela do material reciclado ao produto final, pode ajudar nossos clientes a atingir suas metas de sustentabilidade”, disse Jürgen Becky, vice-presidente sênior de Materiais de Performance. Os produtos certificados são indicados com a terminação “Ccycled” em seu nome. Os protótipos apresentados na Prévia da K 2019, em Düsseldorf, fazem parte da fase piloto em andamento do projeto ChemCycling.

Potencial para aumento do percentual de material reciclável

“Com o projeto ChemCycling, a BASF tem como objetivo processar o óleo de pirólise derivado de resíduos plásticos que atualmente não são recicláveis, tais como plásticos misturados ou contaminados. Se tivermos êxito em desenvolver o projeto até o ponto de disponibilidade no mercado, o ChemCycling será um complemento inovador aos processos existentes de reciclagem e recuperação, com o intuito de resolver o problema dos resíduos plásticos”, comentou Stefan Gräter, responsável pelo projeto ChemCycling na BASF.

O expressivo potencial da reciclagem química foi confirmado pela consultoria McKinsey em um estudo de dezembro de 2018: se os processos de reciclagem existentes forem combinados aos novos, como a reciclagem química, os especialistas acreditam que alcançaremos até 2030 uma taxa de 50% de reutilização e reciclagem de plásticos mundialmente (hoje, 16%). A parcela da reciclagem química poderia então subir do seu valor atual de 1% para aproximadamente 17%, o que equivale à reciclagem de cerca de 74 milhões de toneladas de resíduos plásticos.

Desafios tecnológicos, econômicos e regulatórios

Para passar da fase piloto à implantação no mercado, várias questões precisarão ser resolvidas. As tecnologias existentes para a transformação de resíduos plásticos em matérias-primas recicladas devem ser avançadas e adaptadas para o uso em escala industrial, a fim de garantir a alta qualidade do óleo de pirólise. A BASF está atualmente investigando várias opções para alimentar, a longo prazo, o seu complexo produtivo integrado com volumes comerciais de óleo de pirólise. Além das questões técnicas, os aspectos econômicos também desempenham um papel. Para a reciclagem química ter aceitação no mercado, os órgãos regulatórios também devem reconhecer oficialmente que o processo é uma modalidade de reciclagem. Dentro desse escopo, eles precisam definir como as abordagens de reciclagem química e balanço de massa podem ser incluídas no cálculo das taxas de reciclagem exigidas por lei.

Uso responsável de recursos

“Nosso projeto ChemCycling é um bom exemplo de como a BASF está trabalhando com nossos parceiros no desenvolvimento de soluções para os principais desafios do século 21”, disse Dr. Andreas Kicherer, especialista em sustentabilidade da BASF. Além do projeto ChemCycling, a BASF está envolvida em muitos outros projetos e iniciativas que fortalecem a ideia da economia circular e previnem o descarte dos plásticos no meio ambiente. Por exemplo, o portfólio de produtos da BASF inclui o ecovio®, um plástico compostável certificado, parcialmente fabricado com matérias-primas renováveis. A empresa é membro do World Plastics Council e participa de dois programas da Ellen MacArthur Foundation. Em todas as suas fábricas no mundo, a BASF implementa a “Operação Clean Sweep”, uma iniciativa internacional da indústria de plásticos destinada a evitar a perda de pellets de plástico no meio ambiente. Além disso, no início de 2019 a BASF uniu esforços com aproximadamente 30 outras empresas para fundar a Alliance to End Plastic Waste (AEPW). Nos próximos cinco anos, esta iniciativa pretende investir até $1,5 bilhão em vários projetos e parcerias, principalmente na Ásia e na África. Há quatro áreas-foco principais: desenvolvimento de infraestrutura para coleta de resíduos, promoção de métodos inovadores de reciclagem, educação e engajamento de vários grupos, além da limpeza de áreas com concentração de resíduos plásticos no meio ambiente.

Curta nossa página no

Huntsman apresenta nova gama de materiais baseados em Poliuretanos para Impressão 3D durante a Prévia da K 2019

11/07/2019

A empresa química Huntsman delineou no dia 3 de julho, durante apresentação na Prévia da Feira K2019, em Düsseldorf, na Alemanha, os detalhes de uma nova gama de materiais para manufatura aditiva desenvolvida pela empresa, que visam atender a necessidades emergentes na indústria da impressão 3D. A plataforma de manufatura aditiva Iroprint da Huntsman contém três diferentes tipos de materiais à base de poliuretano (resinas, pós e filamentos), que podem ser impressos em 3D por meio da utilização de uma variedade de métodos de manufatura aditiva, incluindo estereolitografia (SLA), sinterização de alta velocidade (HSS) e fabricação por filamentos fundidos (FFF).

Inicialmente, a Huntsman vai lançar a sua linha Iroprint de materiais de manufatura aditiva macias e flexíveis na indústria global de calçados e esportes, onde a impressão 3D já está sendo utilizada para criar tanto sapatos personalizados como aqueles fabricados em massa. A longo prazo, a Huntsman planeja ampliar a sua plataforma de manufatura aditiva Iroprint para uma gama mais vasta de aplicações e indústrias.

Atualmente, a plataforma de manufatura aditiva Iroprint inclui três linhas de produtos que foram otimizadas para trabalhar com as principais técnicas de impressão 3D preferidas pelos fabricantes de calçados.

  • Resinas: as resinas Iroprint R são uma gama de sistemas de resinas líquidas de um só componente, macias e duráveis, que podem ser impressas em 3D através de estereolitografia (SLA), processamento de luz digital (DLP) e outros métodos de cura por radiação.
  • Pós: para as empresas que pretendem imprimir em 3D com materiais em pó, os pós Iroprint P são uma linha de poliuretanos termoplásticos (TPU) de alto desempenho para modalidades de impressão através de sinterização de alta velocidade (HSS).
  • Os filamentos F Iroprint são uma coleção de materiais TPU de alto desempenho que possuem um diâmetro consistente e foram concebidos para uso através da técnica de fabricação por filamentos fundidos (FFF) e outras tecnologias de impressão à base de extrusão.

Todas as três linhas de produtos de manufatura aditiva Iroprint foram otimizadas para a produção de componentes de calçados e são fáceis de usar e imprimir, oferecendo resistência avançada à abrasão, ao alongamento e ao rasgo, afirma a Huntsman. Para as modalidades de impressão 3D com cura por radiação, tais como Estereolitografia (SLA) ou Processamento de Luz Digital (DLP), as resinas R Iroprint também oferecem capacidades de longa durabilidade e cura rápida, garante a empresa.

Durante a sua apresentação na Prévia da K2019 em Dusseldorf, na qual a Huntsman lançou a sua plataforma de manufatura aditiva Iroprint, Stephane Peysson (foto), Diretor de Desenvolvimento de Negócio Global da Huntsman Polyurethanes, adiantou: “A nossa equipe de incubação de inovação trabalhou numa colaboração próxima com usuários finais e líderes industriais para desenvolver a nossa carteira de produtos de manufatura aditiva Iroprint. Juntos, nós analisamos detalhadamente os fatores que criam um bom material de impressão 3D e o que tem faltado no mercado até o momento. Acreditamos que o lançamento do nosso portfolio de manufatura aditiva Iroprint preenche a lacuna que existe hoje no mercado em relação a uma gama de materiais de impressão 3D funcionais, duráveis e ao mesmo tempo mais macios, agnósticos à tecnologia, econômicos e fáceis de imprimir – qualquer que seja a técnica de produção 3D preferida.”

“Antes do lançamento da gama Iroprint, nós estivemos construindo relações com parceiros tecnológicos chave que, por sua vez, trabalham com algumas das maiores marcas de calçados do mundo. Antevemos grandes oportunidades para os nossos materiais de manufatura aditiva Iroprint em outros setores do mercado de impressão 3D, desde componentes para a indústria automobilística até objetos para aplicações na área de “Internet das Coisas” (IoT). Estamos vivendo um tempo incrivelmente excitante no mercado de manufatura aditiva, com estimativas sugerindo que o setor deverá crescer mais de 20% até 2024. Estamos ansiosos por discutir o lançamento da nossa plataforma de manufatura aditiva Iroprint com qualquer pessoa que esteja ativamente envolvida na impressão 3D durante a feira K, em Outubro, em Düsseldorf.”

Curta nossa página no