Posts Tagged ‘Presidente’

Husky tem novo presidente

09/02/2016

Jack-TRUONG-195x300A Husky Injection Molding Systems, fornecedora global de equipamentos e serviços para moldagem por injeção, anunciou a nomeação do Dr. Jack Truong (foto) como presidente e COO da empresa a partir de 1 de Fevereiro de 2016. Dr. Truong era anteriormente o Presidente e CEO da Electrolux América do Norte e vice-Presidente Executivo da AB Electrolux Grupo.

“Este é um dia estimulante para a Husky”, disse John Galt, Chief Executive Officer da empresa canadense. “A experiência multissetorial global de Jack e a sua história de viabilizar um crescimento forte em um ambiente desafiador são atributos chave para esta função. Ao olharmos para o futuro, a já demonstrada capacidade de Jack em antecipar as tendências do mercado global será importante para apoiar nossos objetivos de crescimento a longo prazo. “

Esta nomeação soma-se ao conjunto de habilidades diversificadas da experiente equipe de liderança global da Husky. Em seu papel, Dr. Truong terá a supervisão plena das operações do dia-a-dia do negócio, além da responsabilidade de liderar a execução da estratégia e prioridades da Husky.

“Tendo passado grande parte da minha carreira no setor de produtos de consumo, estou familiarizado com o papel que a embalagem tem em influenciar as decisões de compra,” disse o Dr. Truong. “O que eu admiro na Husky e o que me excita a entrar na organização é a forte marca global da Husky e o seu compromisso com a inovação e qualidade. A Husky entende que os produtos fabricados com seus sistemas vão parar nas mãos de milhões de consumidores em todo o mundo, todos os dias. A busca por novas caminhos para produzir peças de alta qualidade, com boa relação custo-benefício e que sejam, ao mesmo tempo, atraentes e seguros para o consumidor final é uma ótima maneira de se passar os dias “.

Antes da Electrolux, Dr. Truong teve uma carreira de 22 anos de sucesso naa 3M, onde ocupou cargos de liderança nos EUA, Europa e Ásia-Pacífico. Dr. Truong tem um Ph.D. em Engenharia Química do Instituto Politécnico Rensselaer, em Troy, Nova Iorque.

A Husky Injection Molding Systems Ltd. é uma fornecedora líder global de equipamentos e serviços de moldagem por injeção para a indústria de plásticos. A empresa tem mais de 40 escritórios de vendas e serviços, dando apoio a clientes em mais de 100 países. As instalações manufatureiras da Husky estão localizadas no Canadá, Estados Unidos, Luxemburgo, Áustria, Suíça, China, Índia e República Checa.

Fonte: Husky

Curta nossa página no

Anúncios

Alfredo Schmitt assume 2o. mandato à frente da ABIEF.

20/04/2011

No dia 14 de Abril, o empresário Alfredo Schmitt assumiu seu segundo mandato como Presidente da ABIEF (Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis). A cerimônia foi realizada em São Paulo logo após uma franca conversa entre os associados da ABIEF e a cúpula da Braskem, maior petroquímica das Américas e 8ª maior no ranking mundial.

Entre as propostas definidas por Schmitt para o novo mandato destaque para uma agenda de eficiência para o setor que inclui, entre outras coisas, a valorização incondicional do plástico e sua melhor relação com o meio ambiente.

O Presidente também chamou a atenção para os diversos eventos que a ABIEF tem encabeçado e que visam a projeção do setor no mercado nacional e internacional e a capacitação dos empresários. Os eventos são, respectivamente, a segunda edição do Flex – Fórum Latino Americano de Embalagens Plásticas Flexíveis, agendada para Junho em paralelo à Fispal Tecnologia, e a primeira edição do Seminário de Capacitação Empresarial que acontecerá no início de Maio.

Em seu discurso Schmitt alertou ainda para a questão da competitividade do setor, que inclui os custos das matérias primas e da energia elétrica entre outros; para o processo de ampliação das atividades da ABIEF em outros estados; criação de uma campanha de mídia para as sacolas plásticas; e a busca pela isonomia tributária. “Não podemos deixar de citar outra importante conquista, as criação da Casa do Plástico centrada na Abiplast”, lembrou.

A cerimônia foi encerrada com uma homenagem ao empresário Israel Sverner, da Electro Plastic, um dos fundadores da ABIEF e seu primeiro Presidente. A lista completa da nova Diretoria está disponível no site da entidade http://www.abief.org.br.

Fonte: ABIEF

Henri Slezynger presidirá Conselho Diretor da Abiquim até 2013.

31/03/2011

As empresas associadas à Abiquim elegeram, em 31 de março, o novo Conselho Diretor da entidade para o biênio 2011/2013. O empresário Henri Armand Slezynger, engenheiro químico e administrador de empresas, será o presidente do Conselho Diretor. Slezynger é acionista da Unigel, grupo com 15 unidades industriais no Brasil e no México. Com atuação nos segmentos de especialidades químicas, fertilizantes, plásticos e embalagens, a Unigel emprega cerca de 2 mil pessoas.

Slezynger terá como vice-presidentes Carlos Fadigas de Souza Filho, presidente da Braskem, Pedro Emílio Suarez, presidente da Dow, Marcos De Marchi, presidente da Rhodia, Marcelo Lacerda Soares Neto, presidente da Lanxess, Paulo Francisco Schirch, presidente da Solvay, Alfred Hackenberger, presidente da Basf, e João Benjamin Parolin, diretor superintendente da Oxiteno.

Como conselheiros, foram eleitos Carlos Alberto Schmid (Huntsman), Ciro Mattos Marino (Millennium), Cristiano Melcher (Fosbrasil), Domingos Henrique Guimarães Bulus (White Martins), Eduardo Kunst (Artecola), Eduardo Leite Cordeiro (Petrom), Flávio Augusto Lucena Barbosa (Innova), Irundi Sampaio Edelweiss (Deten), Isaac Plachta (IQT), José Veiga Veiga (M&G Polímeros), Julio Muñoz Kampff (Henkel), Laércio Valentin Giampani (Syngenta), Luiz Antonio Veiga Mesquita (Vale Fertilizantes), Mario Antonio Carneiro Cilento (Carbocloro), Michael Pronin (Clariant), Nelson Pereira dos Reis (Quirios), Paulo Cezar Amaro Aquino (Petroquisa), Reinaldo Rubbi (Elekeiroz), Ricardo Vellutini (DuPont), Richard Ward (Petroquímica Suape), Rui Chammas (Quattor), Theodorus van der Loo (Bayer), Wanderlei Passarella (GPC Química), Weber Ferreira Porto (Evonik Degussa) e Wolfgang Heinz Guderle
(DyStar).

O Conselho Fiscal é composto por Ricardo Neves de Oliveira (ICL Brasil), Rodrigo Lopes Almeida (Monsanto) e Ronaldo Silva Duarte (Columbian), tendo como suplentes Haroldo Montenegro Ignacio de Almeida (QGN), José Lucas de Alvarenga Freire Filho (Bluestar Silicones) e Pedro Riveros (Air Products).

Fonte: Abiquim

Novo Presidente do Conselho da Abiplast empenhado na Busca da Competitividade da Indústria de Plásticos.

25/06/2010

Em busca da competitividade

Palavra do Presidente do Conselho de Administração da ABIPLAST – José Ricardo Roriz Coelho

A Abiplast representa mais de 11.500 empresas, na quais trabalham cerca de 330 mil brasileiros. O País tem um consumo per capita de plásticos de 30 quilos por habitante/ano, significando 5,38 milhões de toneladas transformadas. Em 2009, faturamos R$ 35,9 bilhões. Por outro lado, importamos US$ 2,1 bilhões em produtos transformados plásticos e o déficit de nossa balança comercial chegou a quase US$ 1 bilhão. Ademais, embora nossa atividade represente quase 5% dos empregos da indústria nacional de transformação, exportamos menos de 0,9% de todos os produtos transformados no Brasil. Estes dados referentes ao comércio exterior evidenciam a premência de ampliar a competitividade do setor. Este é o nosso objetivo na condução da Abiplast!

Nesse sentido e conforme consenso dos membros da diretoria, os principais pontos a serem desenvolvidos são os seguintes: construção e execução de uma agenda para a modernização de equipamentos do setor; melhoria da gestão; Inovação e investimentos em P&D; normalização; qualificação da força de trabalho; sustentabilidade e imagem do plástico, buscando o reconhecimento da sociedade para a sua importância no dia-a-dia das pessoas, com produtos adequados à preservação do meio ambiente.

Ao lado dos diversos setores da economia, também buscaremos alternativas de políticas públicas que diminuam o custo Brasil, com menor ônus de capital, menos impostos nos setores produtivos, câmbio em níveis adequados e solução  das grandes ineficiências existentes em nossa economia.

Buscaremos, ainda, incrementar a representatividade da Abiplast perante a sociedade, formadores de opinião, governo e imprensa. Queremos que a entidade seja a grande fonte de informações sobre os números e as projeções do setor e tenha influência sobre a definição de políticas públicas que estejam diretamente ligadas à indústria do plástico.

Com certeza, quando mais representativos, mais teremos condições de vencer os desafios. Assim, espero que as empresas do setor  associem-se à Abiplast, estejam presentes, sugiram, atuem, participem, critiquem e cobrem efetividade nas ações. De nossos clientes, esperamos que nos desafiem e nos cobrem, mas que reconheçam o valor dos nossos produtos e paguem um preço justo por eles.

Da Petrobras, única fornecedora da matéria-prima básica, queremos o reconhecimento de que as suas referências de preços já não representam a realidade de quem é autossuficiente em petróleo e será um grande exportador dessa commodity. Só de janeiro a abril de 2010, as exportações de petróleo e derivados tiveram o impressionante crescimento de 148,6% em relação ao ano anterior.

Várias cadeias produtivas, como a de alimentos, automóveis, eletroeletrônico, têxteis, construção civil, higiene e limpeza e brinquedos, dentre outras, dependem do plástico para que sejam competitivas. Temos um potencial enorme para aumentar a demanda de nossos produtos no Brasil, que poderá ou não ser atendida pela produção local, a depender da urgente mudança da política de estabelecimentos de preços de matérias-primas. É preciso refletir sobre essa questão, pois temos assistido com frequência a vários segmentos industriais serem dizimados pela importação de produtos acabados.

A nossa balança comercial já é muito deficitária, podendo agravar-se muito se não mudarmos essas referências. Estados Unidos, Europa e Japão já não são mais competitivos nesse setor. Hoje, os modelos de sucesso estão na Ásia, Oriente Médio e Leste Europeu. Exportar resinas que poderiam ser transformadas aqui certamente não será uma boa alternativa.

A Petrobras, à sua conveniência em determinados momentos, é a empresa dos brasileiros, mas cobra por seus produtos como a mais agressiva companhia do mercado. Vamos agregar valor aos derivados de petróleo com margens justas para toda a cadeia produtiva e gerar empregos no Brasil. Afinal, onde está a vantagem de ser autossuficiente?

Dos fabricantes de resinas termoplásticas, esperamos que, ao compararmos os preços com os nossos concorrentes internacionais, não tenhamos diferenças tão representativas como as existentes hoje. É preciso executar com urgência uma agenda de modernização, inserção internacional, sustentabilidade e isonomia do IPI, com preços adequados de resinas, que nos deem condições de competir em vantagem com os nossos concorrentes internacionais.

O cumprimento de todas essas missões exigirá empenho dos diretores, que, apesar da gestão de suas empresas, precisam dedicar uma parcela de tempo ao trabalho voltado ao bem comum de nosso setor. Consciente dos desafios e dificuldades, estou colocando a serviço dessa causa e da Abiplast quase trinta anos de experiência no setor, muita disposição, coragem e vontade de exercer o mandato outorgado pela confiança Dos associados!

Fonte:  ABIPLAST