Posts Tagged ‘Polipropileno Verde’

Braskem adia planos de construção de novas plantas de Polietileno e Polipropileno

20/07/2012

Segundo o jornal Valor Econômico, a Braskem adiou para 2013 os planos para construção de três novas unidades de Polietileno e Polipropileno. Essas três unidades compreendem duas plantas para produção de Polietileno e Polipropileno, respectivamente, a partir do etanol e uma terceira planta no Pólo Petroquímico de Camaçari para produção de Polipropileno a partir da nafta.

A Braskem tinha planejado iniciar a construção nos próximos meses, com investimentos aproximados de 1 bilhão de reais.

Para se adequar à presente desaceleração global na indústria petroquímica, as prioridades da Braskem passaram a ser o aumento de capacidade de produção de plantas e a modernização do seu parque petroquímico, segundo relato de Carlos Fadigas, presidente da Braskem, ao Valor Econômico.

Outros investimentos da empresa em andamento compreendem a conclusão de uma nova planta de butadieno no Rio Grande do Sul e uma nova unidade de PVC no Estado de Alagoas, que estão incluídos no orçamento de R$ 1,8 bilhões, previstos para 2012.

De acordo com Carlos Fadigas, o projeto de Polipropileno derivado do Etanol (“PP verde”) é o que está mais adiantado e deve ser iniciado antes dos outros dois, que deverão esperar mais um pouco.

Curta nossa página no

Anúncios

Braskem amplia parcerias e pesquisa na área de biotecnologia.

13/09/2010

A intenção é desenvolver tecnologias para a produção de polímeros a partir de matérias-primas renováveis com competitividade, economia e eficiência na absorção de CO2 da atmosfera

A Braskem assinou em 01/09 acordo de parceria com o Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), em Campinas, no interior de São Paulo, para instalação de um laboratório a ser utilizado pela equipe de pesquisadores da empresa. Além de suas instalações, a Braskem terá complementarmente acesso aos equipamentos de ponta do LNBio.

O objetivo, segundo o diretor de Competitividade e Inovação da Divisão Polímeros da Braskem, Antonio Queiroz, é realizar pesquisas na área de biotecnologia, buscando o desenvolvimento de produtos que sejam ao mesmo tempo economicamente competitivos e sustentáveis, visando sempre ao uso de matérias-primas de fontes renováveis.

O diretor do LNBio, Kleber Franchini, ressalta a importância do apoio a iniciativas da indústria em que a pesquisa científica é necessária para promover inovação na cadeia produtiva.

Essa não é, porém, a primeira experiência com parcerias em tecnologia e inovação da Braskem nesta área. Em 2008, a companhia firmou convênio de cooperação com a UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas) e a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), envolvendo cerca de 9 milhões de reais, para o desenvolvimento de pesquisas em biopolímeros. Por razões estratégicas, no projeto atual a empresa não revela o investimento destinado.

Prestes a inaugurar a primeira fábrica de eteno verde em escala industrial do mundo, que permitirá a produção de polietileno de fonte renovável, a Braskem caminha agora para o desenvolvimento de uma rota inovadora para produção do polipropileno verde. Em 2008 a companhia já produziu em seus laboratórios este produto e vem intensificando as pesquisas para melhorar a competitividade em escala industrial.

O polipropileno é uma das resinas que mais crescem no mundo em consumo e aplicações. Entre suas características estão o baixo custo, a alta resistência ao impacto e à fratura por flexão ou fadiga, e a facilidade de coloração e moldagem. É encontrado em produtos da linha branca, em partes internas e externas de carros, material de construção civil, brinquedos, copos descartáveis, canetas esferográficas, recipientes para alimentos e remédios, carpetes, além de outros usos.

A parceria com o LNBio prevê a utilização de uma área inicial de 50 m2 que será expandida para 200 m² já no início do próximo ano, e envolverá no curto prazo aproximadamente 40 pesquisadores da Braskem. Entre as vantagens da nova operação destaca-se o acesso dessa equipe à sólida infraestrutura laboratorial, que é ligada ao Ministério da Ciência e Tecnologia e dispõe de avançados equipamentos em biotecnologia e pesquisadores altamente qualificados. Essa integração traz benefícios importantes para ambas as partes, na medida em que propicia o ambiente ideal para o desenvolvimento do trabalho científico e a inovação aplicada, conclui Queiroz.

Fonte: Braskem