Posts Tagged ‘Pneu’

Inmetro publica portaria que regulariza a certificação de pneus no Brasil, entrando em vigor a partir de outubro de 2016

26/11/2012

O Inmetro (Instituto de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) publicou no Diário Oficial da União, no final de outubro, uma portaria que regulamenta a certificação de pneus no Brasil a partir de outubro de 2016, quando todos os pneus produzidos e importados no país deverão ter um rótulo que especifica sua qualidade em três critérios: consumo de combustível, segurança e emissão de ruídos.

“Tenho certeza que a publicação da portaria do Inmetro é mais um avanço para os consumidores brasileiros. Com a certificação dos pneus no mercado nacional, o Brasil se iguala a mercados mais maduros como o europeu, por exemplo”, afirma Marcelo Lacerda, presidente da LANXESS no Brasil.

O PBE-Pneus (Programa Brasileiro de Etiquetagem de Pneus), como vem sendo chamada a certificação de pneus nacional, é resultado de uma parceria do Inmetro com a LANXESS e todo o setor da cadeia pneumática.

Certificação no dia a dia

Assim como existem selos de qualidade para determinar o consumo de energia em eletrodomésticos ou aparelhos de ar-condicionado, o Inmetro definiu uma padronização para os pneus no Brasil.

O selo de qualidade dos pneus vai mostrar aos consumidores a eficiência de combustível (consumo de combustível), aderência em piso molhado (segurança) e as emissões de ruído que o produto provoca. Veja alguns exemplos:

A resistência à rolagem dos pneus da categoria A (melhor qualidade) será cerca de 40% menor do que dos pneus da categoria F (pior qualidade). Um carro com pneus da categoria A precisará de uma distância de frenagem de cerca de 20 metros menor (a uma velocidade de 80 km/h), do que um carro com pneus da categoria F, por exemplo.

Os pneus de alta performance serão um pouco mais caros no ato da compra, mas reduzirão o consumo de combustível em até 7% – o que o tornará mais vantajoso no médio prazo.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Sílica em pneus ajuda a economizar combustível e reduzir emissões de CO2

14/06/2011

A sílica de alto desempenho aplicada na produção de pneus reduz a resistência ao rolamento em 25% e o consumo de combustível e as emissões de CO2 em 7% (equivalente a uma redução de aproximadamente sete gramas por quilômetro rodado), mantendo ao mesmo tempo a segurança e a durabilidade dos pneus.

A informação é de Paulo Garbelotto, gerente de Desenvolvimento de Negócios da Rhodia Sílicas, que apresentará na próxima quarta-feira, dia 15/6, palestra especial sobre “Sílica de Alto Desempenho para o Mercado de Borracha”, na IRC 2011 – International Rubber Conference, evento técnico que pela primeira vez é realizado na América Latina – de 15 a 17 de junho, em São Paulo. A IRC 2011 reunirá centenas de especialistas e profissionais do setor, que realizam pesquisas e trabalhos para estudar o comportamento dos elastômeros, melhorar sua produção e sua utilização de maneira segura e ecologicamente corretas.

Desde que foi adotada pelos fabricantes internacionais de pneus de energia eficiente, os chamados pneus verdes, a sílica de alto desempenho da Rhodia para o mercado de borracha tem ajudado na economia de 20 bilhões de litros de combustível e redução de emissões equivalentes de CO2 da ordem de 50 milhões de toneladas, acrescenta Garbelotto, um dos principais especialistas internacionais no setor de borracha.

A sílica de alto desempenho é componente chave nesse tipo de pneus. A Rhodia tem trabalhado para ampliar esses níveis de benefícios, buscando atender a demanda mundial por esse tipo de pneus de energia eficiente, de acordo com o novo conceito de mobilidade sustentável, impulsionado pela exigência dos consumidores por produtos mais eficientes e que economizem energia. “A Europa, por exemplo, terá uma nova legislação sobre a rotulagem de pneus, a partir de novembro de 2012, e no Brasil já estão sendo conduzidos estudos nesse sentido, coordenados pelo Inmetro e com a participação de todo o segmento”, assinala o especialista.

A Rhodia, que inventou a sílica de alto desempenho, possui oito unidades industriais desse produto em todo o mundo, sendo que uma destas fábricas está instalada conjunto industrial da empresa em Paulínia (SP), atendendo ao mercado da região da América Latina. “Temos feito investimentos permanentes nessa unidade, ampliando capacidade de produção de nossa gama de sílicas Zeosil e Tixosil, utilizadas nos mercados de borracha (pneus e artefatos técnicos), calçados, oral care e nutrição humana e animal”, complementa Luis Fernando Maida, diretor da Rhodia Sílica América Latina.

Fonte:  Rhodia