Posts Tagged ‘Nova Planta’

BASF amplia produção de Poliarilsulfonas na Coréia

20/05/2018

A BASF anunciou o início de uma nova linha de produção do Ultrason®, termoplástico amorfo transparente de elevada resistência térmica baseado em poliarilsulfona, em sua fábrica de Yeosu, na Coreia. Com a nova linha produtiva, a capacidade anual global de Ultrason® vai aumentar de 6 mil para 24 mil toneladas, atendendo ao crescente consumo do mercado em todo o mundo.

“A ampliação da produção nos permite acompanhar o crescimento da demanda oferecendo um alto nível técnico e com um portfólio de produtos que atenda às necessidades específicas das indústrias”, afirma Mario Cerqueira, coordenador regional de Especialidades Plásticas da BASF para a América do Sul. “É um material de alta performance perfeito para aplicações técnicas, muito útil na indústria automotiva, de equipamentos médicos e de conexões para circuito de água quente devido à sua alta resistência térmica, estabilidade dimensional e elevadas propriedades mecânicas”, afirma.

Ultrason® é o nome comercial para a linha da BASF dos produtos com base de polietersulfona (Ultrason® E), polissulfona (Ultrason® S), e polifenilsulfona (Ultrason® P). As últimas inovações incluem o Ultrason® Dimension, uma polietersulfona conhecida por sua extrema estabilidade dimensional e excelentes propriedades de fluxo, afirma a Basf.

A empresa produz Ultrason® em Ludwigshafen, na Alemanha, e em Yeosu, na Coréia. Ambas as plantas estão projetadas para produzir toda a gama de Ultrason® S, E e P, proporcionando à BASF a flexibilidade de otimizar a sua capacidade de suprimento aos clientes no mundo todo.

O Ultrason® é amplamente utilizado nas indústrias eletrônica, automotiva e aeroespacial para a produção de componentes leves e resistentes ao calor. O termoplástico pode suportar temperaturas de até 220°C sem alterar suas propriedades e possui excelente estabilidade química, afirma a BASF. Sua resistência à temperatura permitiu, por exemplo, que o material fosse aplicado no design compacto do novo refletor de farol no carro Hyundai ix35. O material também tem grande aplicação em peças de contato com alimentos, incluindo máquinas de café expresso ou pratos resistentes para microondas, bem como em eletrodomésticos premium. Ele está em conformidade com a FDA americana (Food and Drug Administration) e as regulamentações europeias para aplicações de contato com alimentos. Também é usado na produção de materiais compósitos de fibra de carbono e em membranas para filtração de água, em peças em contato com água quente e dispositivos médicos.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Anúncios

Lanxess aumenta a produção de pré-polímeros na unidade de Porto Feliz

17/05/2018

  • Nova planta de produção local será construída em Porto Feliz·
  • Produção local combinada com outras unidades de negócios, desenvolvimento de aplicações em laboratório e centro de serviços técnicos·
  • Lançamento no primeiro semestre de 2019

A Lanxess irá construir uma nova planta de última geração para a produção de pré-polímeros em Porto Feliz, em São Paulo. A unidade de negócios “Urethane Systems” vai investir alguns milhões de euros para expandir sua capacidade de produção de pré-polímeros, que já deve entrar em operação no primeiro semestre de 2019. A produção atual, localizada em Rio Claro, a cerca de 200 quilômetros de distância, será encerrada.

A Lanxess passa a gerenciar todo o seu negócio de poliuretanos na América do Sul a partir de Porto Feliz. “A América do Sul é um importante pilar de nossa rede global e estamos comprometidos com os mercados brasileiro e sul-americano. Nosso novo investimento nos permitirá oferecer, de forma sustentável, serviços técnicos específicos ao cliente e qualidade de produto, com fornecimento de produtos rápido e confiável ”, afirma o Dr. Markus Eckert, responsável pela unidade de negócios da Urethane Systems.

A Lanxess Urethane Systems é fornecedora de sistemas para a indústria global de Poliuretanos com expertise em elastômeros fundidos, revestimentos, adesivos e selantes. Seu portfólio inclui pré-polímeros de isocianato convencionais e LF (low free), bem como dispersões aquosas especiais de poliuretano (PUDs). A empresa também fornece catalisadores e agentes de cura para elastômeros fundidos. As tecnologias para revestimentos, adesivos e selantes são oferecidas para projetar sistemas completos de acordo com as necessidades dos clientes. Destaque para sistemas livres de solventes, livres de monômeros e sistemas bloqueados de fácil uso.

A Lanxess Urethane Systems possui plantas produtivas e centros de desenvolvimento de aplicações em todas as principais regiões econômicas do mundo, incluindo Brasil, EUA, Índia, China, Austrália, Itália e Inglaterra.

A Lanxess é uma empresa líder em especialidades químicas, com vendas de 9,7 bilhões de Euros em 2017 e cerca de 19.200 funcionários, em 25 países. Atualmente, a empresa está representada em 74 unidades de produção em todo o mundo. O core business da Lanxess é o desenvolvimento, fabricação e comercialização de intermediários químicos, aditivos, especialidades químicas e plásticos. Por meio da Arlanxeo, joint venture com a Saudi Aramco, a companhia também é uma das principais fornecedoras de borracha sintética.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Lanxess

Curta nossa página no

Evonik planeja novo complexo de poliamida 12 na Alemanha

28/03/2018

  • Maior investimento da Evonik na Alemanha
  • Forte crescimento do polímero de alto desempenho, poliamida 12, no setor automotivo, na indústria de petróleo & gás e na impressão 3D

A Evonik está planejando a construção de um novo complexo produtivo para o polímero de alto desempenho poliamida 12 (PA 12). O Grupo pretende aumentar em mais de 50% a sua capacidade geral produtiva de PA 12. A poliamida 12 é necessária em atraentes mercados em crescimento como a indústria automobilística, o setor de tubulações para petróleo e gás e na impressão 3D.

Após uma fase bem-sucedida de engenharia básica, a Evonik planeja investir aproximadamente 400 milhões de euros no complexo de poliamida 12, em seu maior site, o parque químico de Marl, na Alemanha. A produção de PA 12 existente deverá ser complementada com unidades de produção adicionais para o polímero e seus precursores. O início das operações do complexo está previsto para o começo de 2021.

O investimento fará uma contribuição substancial para o cumprimento da meta de margem da Evonik, além de gerar um fluxo de caixa anual na faixa de três dígitos de milhões de euros no longo prazo. O projeto deve ser implementado ao longo de quatro anos, como parte do orçamento anual para investimentos em crescimento.

“Estamos planejando o maior investimento da Evonik na Alemanha”, revela Christian Kullmann, Presidente da Diretoria Executiva da Evonik. “Este investimento representa uma combinação perfeita para a nossa estratégia de enfocar, de modo consistente, as especialidades químicas, sendo que a poliamida 12, na qualidade de polímero de alto desempenho para aplicações especiais, é uma parte importante do nosso motor de crescimento estratégico Smart Materials”. Kullmann vê a Alemanha como uma região industrial atraente e competitiva. “Nossa equipe de Marl é altamente qualificada e nosso investimento vai gerar cerca de 150 novos empregos. Além disso, podemos fazer uso otimizado de sinergias com a nossa infraestrutura existente, o que cria condições altamente favoráveis para a venda das nossas especialidades em escala global”.

O mercado de PA 12 registra taxas de crescimento anual acima de 5% no mundo inteiro, superando de modo significativo o crescimento do produto interno bruto global. Na aplicação especial de impressão 3D, as taxas de crescimento chegam a dois dígitos. “A demanda por poliamida 12 apresenta um crescimento consistente e dinâmico”, diz Claus Rettig, Presidente da Diretoria Executiva da Evonik Resource Efficiency GmbH. “A expansão planejada da capacidade fortalecerá ainda mais a nossa posição de liderança mundial em poliamida 12. Para nossos clientes no mundo inteiro, o nosso comprometimento significa disponibilidade no longo prazo e confiabilidade no fornecimento para as suas aplicações atuais e futuras”.

Em virtude de suas propriedades excelentes, como alta estabilidade aliada à flexibilidade, resistência a altas temperaturas e pouco peso, o polímero de alto desempenho é utilizado em muitas aplicações exigentes como substituto para o aço: em projetos automotivos e de redução de peso, bem como em tubulações de petróleo e gás. Além das aplicações atuais no setor automotivo, a Evonik também está muito bem posicionada em relação à produção futura de veículos híbridos e elétricos. Além disso, o material é usado no setor médico e na impressão 3D.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no

Ube inaugura unidade de produção de compostos de poliamida na Espanha

25/10/2017

A multinacional Ube (www.ube.ind.br), com sede no Japão, inaugurou uma unidade de produção de compostos de poliamidas em Castellón, Espanha, que garantirá um aumento de 40 mil toneladas/ano em sua produção atual, totalizando uma capacidade de 70 mil toneladas. “Esta é uma reação natural ao crescimento da demanda de nylon em diversas aplicações. Ela também garantirá uma maior aproximação da UBE com clientes da Europa e área do Atlântico”, explica Javier Miguel, Presidente da UBE América Latina.

Os compostos produzidos na nova unidade destinam-se a diversas aplicações, dentre elas peças automotivas, filmes para alimentos, garrafas e embalagens sopradas. A nova planta Olive K, como é chamada, usará uma tecnologia própria e exclusiva para produzir diversos copolímeros e nylons de alta e baixa viscosidade. Estes materiais são usados em aplicações técnicas, nos setores automotivo e de embalagens para alimentos, e na produção de monofilamentos, redes de pesca, componentes técnicos, materiais específicos para aplicações em veículos elétricos e soluções para tanques de hidrogênio e propelentes de gás natural condensado.

“Outro diferencial é que o centro de Pesquisa & Desenvolvimento, localizado ao lado da nova unidade, oferece um time de profissionais qualificado e dedicado à assistência técnica dos clientes, bem como serviços de inovação que contribuem para o desenvolvimento de novas oportunidades de negócios para os clientes”, completa Javier.

A cerimônia de inauguração da planta Olive K aconteceu no dia 05 de Outubro, na Prefeitura de Castellón, e contou com a presença de autoridades, agentes, fornecedores e colaboradores locais, além do Presidente da UBE Corporation Europe, Bruno De Bievre.

Sobre a Ube: Fundada na cidade de Ube, província de Yamaguchi, no Japão, em 1897, a UBE mantém 11 mil colaboradores em todo o mundo e registrou um faturamento de US$ 5,2 bilhões no ano fiscal de 2016, encerrado em Março de 2017. O portfólio global de produtos da empresa divide-se em: químicos 42%; cimento e materiais de construção 37%; máquinas 11%; meio ambiente e energia 9%; e farmacêuticos 1%.

Ao todo são três plantas de nylon – Japão, Tailândia e Espanha – que abastecem o mercado global. Cada planta possui o seu próprio centro de Pesquisa & Desenvolvimento. No Brasil a operação da UBE existe desde 2010 e as vendas de Plásticos de Engenharia representam 25% da produção de Castellón – Espanha. O escritório brasileiro atende a toda América Latina, com ênfase a Brasil, Argentina, Chile, Peru, Colômbia e Equador.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Ube

Curta nossa página no

Grupo Solvay constrói fábrica de plásticos de engenharia no México para atender ao mercado regional e América do Norte

31/10/2016
A nova unidade de produção de Technyl® da Solvay, em construção em San Luis Potosí, no México.

A nova unidade de produção de Technyl® da Solvay, em construção em San Luis Potosí, no México.

O Grupo Solvay está construindo uma unidade industrial de plásticos de engenharia Technyl® em San Luis Potosí, no México, com capacidade anual inicial de 10 mil toneladas. A nova unidade tem previsão de entrar em operação no terceiro trimestre de 2017 para atender ao crescimento do mercado regional e da América do Norte ligados às indústrias automotiva e de bens de consumo.

O México é o segundo maior produtor de automóveis e veículos comerciais nas Américas e está em sétimo lugar em todo o mundo, com uma produção anual superior a 3,5 milhões de unidades em 2015. Além disso, muitos fabricantes de bens de consumo e equipamentos elétricos estão localizados nas proximidades, oferecendo novas oportunidades para a Solvay.

“A nova unidade nos ajudará a sustentar o rápido crescimento do negócio de poliamidas Technyl® na América do Norte, ampliando nossa oferta na região”, afirma Vincent Kamel, presidente da unidade global de negócios Solvay Performance Polyamides. “Muitas das principais montadoras do mundo estão localizados na região, o que torna o local uma base ideal para nós atendermos aos mercados e contribuir com as nossas soluções de mobilidade sustentável.”, acrescenta Kamel.

A Solvay já está planejando investimentos adicionais para atender o mercado do NAFTA (sigla em inglês para Tratado Norte Americano de Livre Comércio). Para minimizar custos de investimento e comercialização, a Solvay firmou uma parceria com a Chunil Engineering, um dos seus principais clientes.

“Nossa colaboração com a Chunil Engineering, – uma fornecedora tier 1 do mercado automotivo – permite-nos otimizar a infraestrutura do site, incluindo o uso de energia, água e tratamento de efluentes”, explica Peter Browning, Diretor da Unidade de Negócios Engineering Plastics do Grupo Solvay. “Á medida em que nosso negócio se desenvolve, vamos expandir a capacidade desta unidade modular de 10 mil toneladas para atender às crescentes necessidades de nossos clientes na região.”

A Solvay oferece suporte aos clientes com uma gama completa de serviços técnicos destinados a acelerar o tempo de comercialização de novas aplicações, desde a caracterização de materiais avançados até a validação das aplicações. Esta oferta inclui impressão em 3D de protótipos funcionais à base de poliamida 6 em pó Sinterline®, simulação preditiva com o uso do MMI®Technyl® Design, bem como testes de peças em centros de validação Technyl® totalmente equipados.

Fonte: Assessoria de Imprensa -Solvay

Curta nossa página no

Dilutec comemora 20 anos com inauguração de fábrica em Piracicaba

17/06/2015

Empresa também está investindo em unidade de gelcoat localizada em Goiás

Uma das principais fabricantes brasileiras de thinner e gelcoat, a Dilutec completa vinte anos este mês comemorando a entrada em operação da sua nova fábrica de thinner em Piracicaba, no interior de São Paulo. Orçada em R$ 6 milhões, a unidade tem capacidade para produzir 400 mil litros de thinner por mês.

Com 12 mil m², a nova planta partiu com um potencial instalado 200% superior ao da fábrica até então operada pela Dilutec – também situada em Piracicaba, será descontinuada. “Ainda que leve um tempo para ocuparmos todo esse potencial, estamos bastante otimistas, principalmente em relação aos novos negócios que devem surgir com clientes que se dedicam com mais intensidade ao mercado externo”, afirma Sidney Bottene, diretor comercial da Dilutec.

A infraestrutura recém-inaugurada, ele detalha, conta com o que há de mais moderno em termos de sistemas de segurança e de redundância para a produção de thinner. “Também adequamos a unidade para a operação sem qualquer prejuízo ao meio ambiente, com a instalação de bacias de contenção para carga e descarga de matérias-primas e do produto final. Fora que todo o efluente gerado pela fábrica é tratado”, comenta.

Investimento em gelcoat

A expansão do negócio de gelcoat – combinação entre resinas e pigmentos usada para dar acabamento às peças de compósitos – também faz parte da estratégia da Dilutec. Com a produção concentrada em Senador Canedo (GO), a empresa está investindo pouco mais de R$ 1 milhão na aquisição de equipamentos.

“A partir do segundo semestre, passaremos a contar 200 toneladas/mês de capacidade, ou seja, 50% a mais do que temos hoje em dia”, calcula Evair Tozzi, diretor.

Ao longo de 2014, a empresa aprimorou o seu portfólio com o intuito de atender às exigências dos grandes fabricantes de piscinas. Também passou a dispor de um gelcoat náutico, que é usado pelos principais estaleiros de todo o mundo. “Daí porque, apesar das oscilações econômicas que o Brasil atravessa, decidimos investir na ampliação de capacidade”, explica.

Fonte: SLEA

Curta nossa página no

Braskem Idesa conclui financiamento de US$ 3,2 bilhões para projeto no México

22/12/2012
  • Projeto Etileno XXI é o a maior operação de “Project Finance” na Petroquímica das Américas
  • O projeto será o complexo petroquímico mais moderno nas Américas
  • O complexo deverá gerar 9 mil empregos durante a fase de construção e 3 mil, diretos e indiretos, no início das operações, em 2015.
  • A fábrica produzirá polietileno para abastecer empresas mexicanas e vai apoiar a substituição de importações.

A Braskem Idesa anunciou o sucesso da assinatura dos principais contratos de financiamento para um Project Finance de US$ 3,2 bilhões, que irá financiar a construção e operação do complexo petroquímico, que será o mais moderno das Américas. O financiamento foi estruturado por sete agências oficiais, incluindo duas agências de exportação (Canadá e Itália); duas agências multilaterais (IFC e BID); e três bancos de fomento (Brasil e México). Dez bancos comerciais fizeram o financiamento sob a garantia do SACE ou em empréstimos tipo BLoans da IFC e do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). O Intesa Sanpaolo atuou como agente facilitador de US$ 600 milhões pelo SACE.

Instituições que participaram do financiamento: Nacional Financiera do México (“NAFIN”), o Banco Nacional de Comércio Exterior do México (“Bancomext”), Banco Nacional de Desenvolvimiento Econômico e Social do Brasil (“BNDES”), SACE Agência de Credito de Exportação da Itália, Export Development Canada (“EDC”), Banco Interamericano de Desenvolvimento(“BID”), International Finance Corporation (“IFC”), do Banco Mundial, e dez bancos comerciais;

O Sumitomo Mitsui Banking Corporation atuou como assessor financeiro exclusivo da operação e o White & Case atuou como assessor jurídico internacional e mexicano para a Braskem Idesa.

Criada em 2010, a Braskem Idesa SAPI é uma joint venture formada pela brasileira Braskem S.A, maior produtora de resinas termoplásticas das Américas, e o Grupo Idesa, empresa líder no setor petroquímico do México. A empresa Braskem Idesa está desenvolvendo o projeto Etileno XXI, um complexo petroquímico para a produção de eteno e polietileno no estado de Veracruz, México (município de Nanchital). Esse projeto deverá exigir um investimento fixo de US$ 3,2 bilhões (CAPEX) e um investimento total de aproximadamente US$ 4,5 bilhões.

Uma vez operando em sua capacidade planejada, de 1 milhão de toneladas de polietileno de alta e baixa densidade por ano, estima-se que o complexo da Braskem Idesa seja um motor de crescimento econômico na região sudeste do México.

A preparação do terreno e a primeira fase de construção, que começaram em outubro de 2011, já foram concluídas. A segunda fase da construção começou em novembro, com os trabalhos de detalhamento de engenharia, aquisição de equipamentos e construção civil e eletromecânica, que serão concluídos no primeiro semestre de 2015.

Localizado em uma área estratégica, com alto potencial de novas reservas de óleo e gás, o Projeto Etileno XXI deverá ter um forte impacto sobre o balanço de pagamentos do México, que irá substituir aproximadamente US$ 1,5 bilhão a US$ 2 bilhões em importações de polietileno, utilizados em vários processos comerciais e industriais de transformação.

Sobre a Braskem Idesa

Constituída em 2010, a Braskem Idesa S.A.P.I. é uma companhia petroquímica que está desenvolvendo o Projeto Etileno XXI, cuja operação deve ser iniciada em meados de 2015. O complexo petroquímico produzirá polietileno, matéria-prima para as indústrias de construção, consumo, automotiva e de agricultura.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Braskem inaugura fábrica de butadieno no Rio Grande do Sul

13/09/2012

Governador Tarso Genro participa da inauguração da Fábrica de Butadieno na Braskem Pólo Petroquímico (foto: Caco Argemi/Palácio Piratini)

A Braskem inaugura hoje, 13 de setembro, sua nova fábrica de butadieno no Polo Petroquímico de Triunfo (RS), com a presença do governador Tarso Genro. A unidade, que demandou investimentos de R$ 300 milhões, confirma o compromisso da Braskem com o desenvolvimento industrial e da cadeia produtiva química do Rio Grande do Sul e do Brasil. O butadieno é a matéria-prima utilizada para a obtenção de borrachas sintéticas que são usadas na fabricação de pneus e de artefatos de borracha em geral.

Este é o segundo grande investimento inaugurado pela Braskem no Brasil em 2012. “A empresa está focalizada em projetos importantes para consolidar sua posição como uma das líderes da petroquímica mundial e para o fortalecimento da indústria brasileira”, afirma Carlos Fadigas, presidente da Braskem. Nos últimos quatro anos, os desafios do cenário econômico mundial não impediram a empresa de inaugurar quatro novas unidades industriais: uma fábrica de polipropileno na cidade de Paulínia (SP), em 2008; de eteno e polietileno verde em Triunfo (RS), em 2010; uma unidade de PVC em Alagoas, no último mês de agosto, além da nova planta de butadieno em Triunfo (RS).

Com capacidade de produção de 103 mil t/ano e geração de 60 novos empregos diretos, a planta de butadieno irá dobrar o volume dessa matéria-prima processada no polo de Triunfo e contribuirá com o avanço da cadeia de borrachas sintéticas no estado. A unidade já está operando a plena capacidade de produção, o que eleva a oferta máxima de butadieno em Triunfo para cerca de 210 mil t/ano. A empresa também produz 180 mil t/ano de butadieno em Camaçari (BA) e 80 mil t em Capuava (SP).

A unidade entrou em operação 50 dias antes do previsto. Essa antecipação foi possível graças a um modelo de gestão de projeto que minimiza riscos e otimiza os prazos definidos nas etapas de engenharia, suprimento e construção. Com duração de 14 meses, as obras envolveram a instalação de 930 toneladas de tubulações, 570 toneladas de estruturas metálicas e mais de 200 mil metros de cabos.

Liderada pela Construtora Norberto Odebrecht (CNO), a empreitada gerou no período 1,8 mil empregos diretos. A mão de obra foi contratada principalmente dos municípios de Montenegro e Triunfo. Parte dos trabalhadores participou do programa de capacitação denominado Acreditar, realizado em parceria com a Prefeitura de Montenegro e o Senai.

O investimento está alinhado com a estratégia da Braskem de buscar, ao mesmo tempo, a competitividade dada pelo gás como matéria-prima em seus novos complexos e trabalhar para maximizar sua posição no mercado de produtos derivados da nafta petroquímica, que têm se tornado mais escassos no mercado mundial.

Além de representar uma oportunidade de atender à demanda mundial, a decisão de investir na expansão de butadieno baseia-se no potencial da cadeia produtiva de borrachas sintéticas no Brasil. Um bom exemplo é o da indústria automotiva nacional, que vem crescendo cerca de 8% ao ano, o que tem motivado fabricantes de pneus a investirem em novas unidades no País. “Adicionalmente ao potencial de crescimento de empresas já instaladas no Brasil, estamos em contato com companhias da indústria global de borracha sintética interessadas em produzir no País. Desta forma o butadieno, inicialmente destinado ao mercado internacional, poderá ser gradativamente industrializado internamente”, afirma Rui Chammas, vice-presidente da Unidade de Petroquímicos Básicos da Braskem.

O investimento também reforça o compromisso da Braskem com o desenvolvimento do Rio Grande do Sul. “A empresa investiu no estado mais de R$ 2 bilhões nos últimos quatro anos, em novas fábricas, aumento de capacidade de produção, paradas de manutenção e em saúde, segurança e meio ambiente”, ressalta Fadigas.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

LANXESS construirá na China a maior fábrica de EPDM do mundo

11/09/2012

  • Investimento de €235 milhões
  • Capacidade de 160 mil toneladas métricas por ano
  • Início de produção em 2015
  • Maior investimento da LANXESS na China até o momento
  • Até 200 novos empregos criados
  • Produção com base na tecnologia sustentável Keltan ACE
  • LANXESS realiza primeiro ” Mobility Day ” em Xangai

A LANXESS está construindo a maior planta do mundo para borracha sintética de EPDM na China. A empresa alemã de especialidades químicas está investindo €235 milhões na fábrica em Changzhou (província de Jiangsu). Este é o maior investimento que a empresa fez na China até o momento.

A planta terá uma capacidade de 160 mil toneladas métricas por ano e o investimento vai criar até 200 novos empregos. A usina está prevista para entrar em operação em 2015. Todas as autorizações necessárias foram obtidas junto às autoridades locais.

A LANXESS é líder mundial no fornecimento de EPDM (monômero de etileno-propileno-dieno), após a aquisição e integração bem sucedida da DSM Elastômeros em 2011. A empresa comercializa seus produtos sob a marca Keltan. A demanda global por EPDM deverá aumentar em mais de 4% ao ano nos próximos anos, enquanto a demanda na China deverá crescer em cerca de 8%, impulsionada, sobretudo pelas indústrias de construção e automotiva. A China continuará a ser o maior importador líquido de EPDM nos próximos anos.

“Estamos fortalecendo nossa base global de ativos de EPDM com uma planta em escala mundial na China, para atender nossos clientes locais com ainda mais rapidez e produtos premium”, disse o CEO da LANXESS, Axel C. Heitmann na cerimônia de lançamento da pedra fundamental hoje.

“Esta planta também representa o terceiro maior investimento da nossa empresa em borracha na Ásia e fortalece nossas credenciais como o principal fornecedor do mundo em borracha sintética”, acrescentou Heitmann.

A LANXESS iniciará a produção na planta de borracha butílica em escala mundial, na Ilha de Jurong em Cingapura, no primeiro trimestre de 2013 e vai iniciar a construção de uma planta vizinha de borracha de butadieno baseada em neodímio em 11 de setembro deste ano.

A nova planta de EPDM estará localizada no reconhecido Changzhou Yangtze Riverside Industrial Park, com acesso a instalações excelentes de armazenamento e descarregamento de remessas. A LANXESS receberá as principais matérias-primas de etileno e propileno de uma planta de metanol para olefinas (MTO, em inglês), atualmente em construção no local. O processo de MTO é uma nova forma de produzir essas importantes matérias-primas, que são produzidas de forma convencional nas refinarias. Durante a fase de construção, cerca de 2.000 pessoas trabalharão no local.

A LANXESS já atua em Changzhou, com a construção de uma fábrica de produtos químicos de couro. A unidade de até 50 mil toneladas métricas de capacidade por ano representa um investimento de €30 milhões e deverá entrar em operação no primeiro semestre de 2013. Ela irá produzir, para o mercado local chinês, produtos químicos Premium para couro da LANXESS usados em várias aplicações, como curtimento, tingimento e acabamento de couro. Cerca de 100 empregos estão sendo criados.

Tecnologia sustentável Keltan ACE

A LANXESS usará a tecnologia Keltan ACE para possibilitar a produção sustentável em sua nova fábrica. Em comparação com a tecnologia convencional, a tecnologia catalisadora Keltan ACE reduz as exigências de energia para a produção e não requer a extração do catalisador, como resultado da elevada eficiência do catalisador. Além disso, o processo permite a fabricação de novos grades de borracha EPDM, como EPDM expandido com óleo e EPDM especial de elevado peso molecular. A nova fábrica vai produzir um total de 10 grades superiores de EPDM sob medida para as necessidades dos clientes chineses.

A LANXESS já opera unidades de produção de EPDM em Geleen, na Holanda, Marl, na Alemanha, Orange, nos EUA e Triunfo, no Brasil, com uma capacidade combinada de 320 mil toneladas métricas por ano. A LANXESS planeja converter 50% da sua capacidade total de produção na unidade de Geleen para a tecnologia Keltan ACE em 2013.

A borracha de EPDM é utilizada, sobretudo, na indústria automotiva como vedação de portas ou limpadores de para-brisas. De acordo com estimativas da LANXESS, cerca de sete quilos de EPDM são utilizados em todos os carros. O produto também é usado nas indústrias de modificação de plásticos, cabos e fios, construção, e aditivos de óleo. As suas propriedades incluem densidade muito baixa, boa resistência ao calor, oxidação, produtos químicos e intempéries, bem como boas propriedades de isolamento elétrico.

Desde o final do ano passado, a LANXESS produz comercialmente a borracha de EPDM de base biológica de etileno, sob a marca Keltan Eco. A LANXESS está usando etileno fornecido pela Braskem S.A. Em comparação com o etileno baseado no petróleo, o etileno da Braskem é produzido através da desidratação do etanol da cana de açúcar.

China estrategicamente importante para a LANXESS

A China é um dos pilares da estratégia de crescimento global da LANXESS. A empresa tem como objetivo atingir vendas de mais de um bilhão de euros na Grande China (China continental, Hong Kong, Taiwan e Macau) em 2012. Todas as 13 unidades de negócio da LANXESS estão representadas em 10 sites na Grande China, com cerca de 1.000 funcionários no total.

A LANXESS vai realizar seu primeiro ” Mobility Day ” em Xangai, no dia 6 de setembro. Sob o lema “Tecnologias sustentáveis para o futuro da China”, a empresa apresentará seus mais recentes produtos voltados para “Mobilidade Verde”.

Cerca de 400 participantes da indústria, comunidade acadêmica e associações vão trocar ideias e discutir temas como “pneus verdes”, plásticos leves, gestão sustentável de couro, borrachas técnicas e tecnologia de baterias.

A LANXESS alcançou vendas de cerca de €1,5 bilhão – cerca de 17% do total de vendas – com produtos e tecnologias para a “Mobilidade Verde” em 2011. E a empresa espera que este número aumente em 80%, para cerca de €2,7 bilhões em 2015.

Fonte: LANXESS

Curta nossa página no

Braskem inaugura em Alagoas planta de PVC com maior investimento de sua história

19/08/2012

Nova fábrica, de R$ 1 bilhão, atenderá a clientes em setores estratégicos para o desenvolvimento do país, como habitação, saneamento e infraestrutura

 A Braskem inaugurou na sexta feira, dia 17 de agosto, em Marechal Deodoro, Alagoas, sua nova fábrica de PVC, com a presença da presidente da República, Dilma Rousseff, e do governador Teotonio Vilela Filho. O investimento, de R$ 1 bilhão, é o maior já feito em um único projeto desde a fundação da empresa, há dez anos. Com capacidade produtiva de 200 mil toneladas anuais de PVC, a planta consolida a liderança do Brasil na produção dessa resina no contexto latino-americano.

A nova unidade eleva Alagoas à condição de maior estado produtor de PVC no país e reforça o compromisso da Braskem com os seus clientes e com o desenvolvimento da cadeia química e dos plásticos no estado. A planta se soma às cerca de 60 empresas já instaladas no polo, que geram aproximadamente 10 mil empregos diretos e indiretos.

A resina de PVC é matéria-prima utilizada principalmente em obras de saneamento e infraestrutura. São tubos, conexões, portas, janelas, esquadrias e telhas, entre outros produtos. A resina também está presente em brinquedos, calçados, móveis, produtos médicos, na indústria automobilística e na alimentícia.

“A inauguração dessa unidade é fundamental para atender a demanda dos nossos clientes em todo o Brasil, que atuam em segmentos estratégicos, como os de habitação, saneamento e infraestrutura. Com a nova fábrica, reafirmamos o nosso compromisso com o desenvolvimento de Alagoas e do Brasil”, afirma Carlos Fadigas, presidente da Braskem.

A obra teve duração de dois anos e nela foram utilizados aproximadamente 30 mil metros cúbicos de concreto, 3 mil toneladas de tubulação e cerca de 800 quilômetros de cabos. Durante a fase mais intensa, cerca de 3.500 pessoas trabalharam na obra, sendo a maioria alagoana e moradora do município de Marechal Deodoro.

Para fazer frente ao desafio de capacitar pessoas para trabalhar na construção da nova unidade, foi implantado o Programa Acreditar, da Construtora Odebrecht, responsável pela obra. No programa foram oferecidos 11 cursos nas áreas de Civil e Montagem Eletromecânica, como armador de ferragens, caldeireiro, carpintaria de forma, eletricista força e controle, eletricista montador, encanador industrial, mecânico ajustador e mecânico montador. Cerca de 1.200 pessoas foram inscritas, mais de 700 capacitadas e aproximadamente 400 contratadas para a obra.

“Além de um mercado doméstico cada vez mais forte e dinâmico, o Brasil é um país rico em recursos naturais como o petróleo, o gás natural e a biomassa. O objetivo da Braskem é investir para que esses recursos sejam industrializados no Brasil, para o atendimento do nosso mercado interno”, afirma Fadigas.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Evonik planeja construir nova linha de poliamida 12 em Cingapura para aumentar a disponibilidade mundial do produto

25/07/2012

Cingapura foi o local escolhido para a nova planta de poliamida 12 da Evonik. Com uma capacidade de produção independente, a liderança global deste plástico especial será expandida e a oferta nos mercados da Ásia e da Europa, que possuem demanda crescente, será fortalecida.

Em seguida ao anúncio inicial de 2011, o planejamento básico para a construção de uma planta de 20.000 toneladas de poliamida 12 (PA12) na Ásia está entrando na fase final. Ainda sujeita à aprovação dos órgãos competentes, a nova planta será construída em Cingapura e deve ser concluída até 2014. Suplementando a capacidade da unidade de produção da Europa, essa segunda planta de PA12 em Cingapura foi concebida para aumentar substancialmente a disponibilidade do produto e a garantia de sua entrega. Ela também aproximará ainda mais a Evonik de seus clientes nos mercados de rápido crescimento da Ásia.

Desde o incêndio na planta que fabrica o CDT, um precursor da PA12, no complexo químico de Marl, na Alemanha, no final de março deste ano, a Evonik continua firme em seus planos de construir a fábrica de PA12 em Cingapura. Gregor Hetzke, diretor da unidade de negócios Performance Polymers da Evonik confirma: “Nosso objetivo com essa expansão significativa da capacidade é consolidar a nossa posição de liderança na poliamida 12 no longo prazo.”

A PA12 é usada em produtos inovadores e de alta qualidade no setor automotivo, elétrico e eletrônico, equipamentos domésticos e esportivos, bem como na indústria de transformação. Em conjunto com alguns de seus clientes, a Evonik também desenvolveu novas aplicações baseadas na PA12 para a produção de petróleo e gás, bem como para a indústria solar. A Evonik comercializa a PA12 em grânulos para transformação sob a marca VESTAMID® e como pó para revestimentos, sob a marca VESTOSINT®.

A planta de CDT de Marl, danificada pelo incêndio, está sendo reparada e, de acordo com o cronograma atual, deve reiniciar as suas operações no ultimo trimestre de 2012. Quando isso acontecer, toda a capacidade de produção de PA12 da Evonik estará novamente disponível.

Sobre a Evonik

O grupo industrial alemão Evonik é um dos principais líderes mundiais em especialidades químicas.  A Evonik atua em mais de 100 países no mundo inteiro. No ano fiscal de 2011, mais de 33.000 colaboradores geraram vendas em torno de 14,5 bilhões de Euros e um lucro operacional (EBITDA ajustado) de cerca de 2,8 bilhões de Euros. No Brasil, a história da Evonik Industries, começou em 1953. A empresa conta hoje com cerca de 500 colaboradores no País.

Fonte: Evonik

Curta nossa página no

Braskem e PetroPerú assinam acordo para analisar viabilidade de projeto petroquímico no sul do Peru

25/11/2011

A Braskem e a Petróleos Del Perú (PetroPerú), empresa estatal dedicada ao transporte, refino e comercialização de combustíveis e outros derivados do petróleo, se uniram e assinaram nesta quinta-feira, 24/11, um Memorando de Entendimento para análise técnica e econômica da viabilidade de um projeto petroquímico no Peru.

O objetivo das duas empresas é estudar a viabilidade da implementação de unidades para a produção integrada de 1,2 milhão de toneladas/ano de eteno e polietilenos, utilizando o etano proveniente das reservas de gás natural da região de Las Malvinas. Após a confirmação de sua viabilidade e sujeito às negociações dos contratos definitivos e das aprovações societárias das partes, este empreendimento fará parte do denominado Projeto Integrado do Sul, que inclui a construção do Gasoduto Andino do Sul, pela empresa Kuntur, e de um moderno complexo industrial na região sul do Peru, que será um marco no processo de industrialização do país.

“Com a realização desta parceria, traremos mais desenvolvimento econômico e social ao nosso país. O projeto terá como grande vantagem sua localização estratégica na costa do Pacífico e a capacidade para atender tanto ao mercado peruano como aos de outros países da região andina”, ressalta Humberto Campodónico, presidente da PetroPerú.

“Esta iniciativa da Braskem está em linha com sua visão estratégica de se tornar uma das empresas líderes na indústria química mundial até 2020, por meio da combinação de crescimento no mercado doméstico, alternativas de acesso a matérias-primas competitivas e busca de oportunidades de internacionalização para o acesso a novos mercados, especialmente no eixo da América”, afirma Sergio Thiesen, diretor de Negócios Internacionais para América do Sul da Braskem.

Fonte: Braskem

UNIGEL anuncia, na Brasilplast, produção de resinas ABS no Brasil.

13/05/2011

A Unigel S.A., empresa controladora da CBE – Companhia Brasileira de Estireno, irá produzir 90.000 toneladas/ano de resina ABS (Acrilonitrila – Butadieno – Estireno) em sua unidade localizada em Guarujá, SP. A iniciativa permitirá ao país substituir importações por produção nacional, tendo em vista que o Brasil atualmente importa a totalidade de sua demanda por essa resina.

O investimento na unidade de produção será de R$ 70 milhões e permitirá à Unigel gerar um faturamento anual adicional de R$ 330 milhões. A nova fábrica entrará em operação até o final de 2012.

“As principais matérias-primas para produção do ABS, Estireno e Acrilonitrila, já são produzidas pelo Grupo Unigel no Brasil”, afirma Marcelo Calil Bianchi, diretor do Negócio de Estirênicos da Unigel. O ABS é utilizado principalmente na indústria automobilística, de eletrodomésticos e produtos eletrônicos.

Com atuação no Brasil há 45 anos, a Unigel está distribuída em 15 unidades industriais localizadas no Brasil e no México, que produzem matérias-primas utilizadas em diversas indústrias, tais como: automobilística, têxtil, de construção civil, de embalagens, agrícola, de mineração e de eletroeletrônicos. As exportações da Unigel são destinadas à Europa, aos Estados Unidos e a países da Ásia e da América Latina e os investimentos no Brasil nos últimos 10 anos ultrapassam R$ 1,5 bilhão.

Um dos grandes diferenciais da Unigel está na combinação da integração operacional com o domínio de tecnologia de processos e a inovação constante, criando novas oportunidades de negócios e possibilitando a obtenção de produtos de alta qualidade; fatores que garantem competitividade nos mercados nacional e internacional.

O faturamento estimado da Unigel para 2011 é de R$ 3 bilhões, gerando mais de 2000 empregos diretos globalmente.

Unigel na Brasilplast
A Unigel está anunciando, na Brasilplast, o seu novo conceito de comunicação, que vem acompanhado da assinatura: Unigel – Vocação para o Futuro. O conceito destacará ao mercado a vocação da Unigel de ser uma empresa pioneira, brasileira, integrada e líder.

“O slogan retrata o passado sólido da Unigel, a sua vocação, e a confiança da empresa no amanhã. Acompanha o logo e estará presente em todas as ações desenvolvidas”, afirma Bianchi.

O conceito envolve todas as frentes de negócio da Unigel, representadas por estirênicos, acrílicos e embalagens. A Unigel é pioneira no Brasil na produção de acrílicos e acrilonitrila, e também uma das primeiras na produção de PS.

Fonte:  Brasilplast / Printec Comunicação

Tecnologia Spheripol da LyondelBasell é escolhida para nova planta de polipropileno na China

16/09/2010

A tecnologia de processo Speriphol da LyondellBasell foi selecionada pela Pucheng Clean Energy Chemical Company Ltd. para uma nova planta de 400.000 toneladas por ano de polipropileno, a ser construída em Pucheng, Cidade de Weinan, Província de Shaanxi, na República Popular da China. O início das operações está previsto para 2013.

A planta de polipropileno com processo Spheripol será parte de um dos maiores projetos de produção de químicos baseados em carvão na China, do qual se espera a produção de mais de 2 milhões de toneladas de olefinas por ano.

“Através da seleção da tecnologia de processo Spheripol, nosso projeto irá se beneficiar desta tecnologia líder na indústria, que atenderá às necessidades do mercado, a custos operacionais muito competitivos” de acordo com  Zhang Zhihong, vice-presidente da Pucheng e membro do Conselho Diretivo da empresa.

”A escolha da Pucheng é uma evidência adicional da ampla aceitação do processo Spheripol como uma tecnologia já provada para a produção de polipropileno” afirma Kaspar Evertz, vice-presidente de Licenciamento da LyondellBasell. “Isto é devido, em grande parte, à notável confiabilidade do processo, que se constitui em um dos mais importantes critérios de seleção nestes tipos de projetos.”

O processo Spheripol é a tecnologia líder para a produção de uma gama completa de grades de polipropileno, incluindo homopolímeros, copolímeros randômicos e copolímeros heterofásicos. A planta de Pucheng é a 109a. linha de processo Spheripol licenciada até hoje; mais de 22 milhões de toneladas de capacidade de produção de polipropileno através do processo Spheripol já foram licenciadas mundialmente.

A LyondellBasell é um licenciador líder de tecnologias de polipropileno e polietileno e já vendeu mais de 200 licenças de processos de poliolefinas. Durante os 20 últimos anos, as tecnologias da LyondellBasell foram usadas em aproximadamente metade de todos os novos projetos de polipropileno ao redor do mundo.

Além do processo Spheripol, o portfólio de tecnologias licenciadas de poliolefinas, além de serviços técnicos associados incluem:
• Spherilene – tecnologia de processo flexível em fase gasosa para a produção de PELBD, PEMD e PEAD.
• Lupotech – processo tubular a alta pressão e a autoclave, líderes na produção de PEBD e copolímeros de EVA.
• Hostalen – processo slurry de baixa pressão para a produção de PEAD multimodal de alto desempenho.
• Spherizone – tecnologia de propileno de última geração, baseada em um reator multi-zona, para a produção de polipropileno e novas poliolefinas.
• Metocene PP – tecnologia inovadora adicional para a produção de especialidades de polipropileno, usando sistemas catalíticos de sítio único.

A LyondellBasell é uma das maiores empresas mundiais no segmento de plásticos, produtos químicos e refinarias. A empresa manufatura produtos em 59 fábricas, em 18 países.

Fonte: LyondellBasell