Posts Tagged ‘Ministério do Meio Ambiente’

Matéria-prima da Basf para componentes automotivos de poliuretano proporciona menos emissões no interior de veículos

14/08/2017

  • Material  permite que as montadoras atendam às regulamentações e aos padrões da indústria, afirma a empresa;
  • Potencial de redução médio de até 20% nas emissões de aldeído

Segundo a BASF, o seu processo de fabricação do Lupranol® (poliol poliéter) foi aprimorado a fim de que os componentes de veículos fabricados a partir dos sistemas de poliuretano da empresa emitam, em média, 20% a menos de aldeído, um Composto Orgânico Volátil (VOC). Assim, os fornecedores automotivos que fabricam, por exemplo, peças acústicas, assentos e volantes ou painéis de instrumentos e portas com espuma de poliuretano, conseguirão atender às crescentes exigências das montadoras na redução de emissões de VOCs no interior dos veículos.

Após a mudança no processo nas plantas de produção da BASF na Ásia, no início de 2017, a modificação está agora sendo feita na Europa e ocorrerá também nos Estados Unidos ao longo do ano. Junto com o isocianato, o poliol é o produto básico para os sistemas de espuma de poliuretano.

As emissões foram otimizadas com a melhoria dos processos de limpeza e acabamento na produção do Lupranol®, de modo que as propriedades mecânicas do material permanecem inalteradas durante os estágios seguintes de espumação e processamento nos clientes. Com isso, os grades de Lupranol® atualmente em uso podem ser substituídos imediatamente, sem necessidade de testes ou novas aprovações dos sistemas de PU que são baseados nesses grades de Poliol. A BASF comercializa sistemas de PU para espuma flexível, semi-rígida e integral sob as marcas Elastoflex® W, Elastoflex® E e Elastofoam® I.

Com os grades melhorados de Lupranol®, as emissões dos componentes automotivos fabricadas com o produto serão cada vez menores. As autopeças produzidas com esses sistemas PU são testadas tanto internamente como também por laboratórios certificados, como o Imat-Uve e o Institut Fresenius. A melhoria dos valores de emissão varia de peça para peça. É possível obter uma redução média de 20%, medida segundo os métodos de teste de câmara comumente aceitos como, por exemplo, o VDA276 e o BMW GS 97014-3, afirma a BASF.

Autoridades governamentais em todo o mundo estão continuamente exigindo emissões cada vez mais baixas no interior de veículos para reduzir o potencial impacto de substâncias voláteis sobre a saúde dos motoristas, mas também para diminuir o cheiro característico de carro novo. Atualmente o foco está em aldeídos como o formaldeído, acetaldeído e propionaldeído, além de aromáticos oriundos dos poliuretanos. A BASF tem trabalhado no desenvolvimento de sistemas de PU que possibilitem componentes automotivos com menores emissões.

Fonte: Assessoria de Imprensa – BASF

Curta nossa página no

Anúncios

Setor plástico assina Acordo Setorial para Sistema de Logística Reversa de Embalagens

25/11/2015

Nesta quarta feira, 25 de novembro, a Abiplast participa, juntamente com outras entidades de classe de âmbito nacional que representam os Produtores de Embalagens, Usuários de Embalagens, Distribuidores e Comerciantes de Produtos, de reunião no Ministério do Meio Ambiente, em Brasília (DF), para a assinatura do Acordo Setorial para a Implementação do Sistema Para Logística Reversa de Embalagens Contidas na Fração Seca dos Resíduos Sólidos Urbanos ou Equiparáveis.

Desde a criação da coalizão empresarial, a Abiplast é personagem ativa nas discussões e elaboração da proposta do Acordo Setorial, que foi entregue ao Ministério do Meio Ambiente em dezembro de 2012. Desde então, com o suporte de seus especialistas em Meio Ambiente e Sustentabilidade, a Abiplast vem apresentando sua proposta de acordo e de adesão aos diversos sindicatos a ela filiadas, e também, conduzindo diversas negociações com os entes governamentais. Esses esforços culminam agora, na aprovação da proposta.

O Acordo Setorial para a Implementação do Sistema Para Logística Reversa de Embalagens Contidas na Fração Seca dos Resíduos Sólidos Urbanos ou Equiparáveis deve ser entendido como um instrumento útil para que as empresas fabricantes de embalagens plásticas possam atender à Lei 12.305/2010, regulamentada pelo Decreto nr. 7404/2010.

Para participar do Acordo Setorial, a empresa deve ser associada ao Sindicato patronal de sua localidade. Este encaminhará o “Termo de Adesão” para a Abiplast que, por sua vez, providenciará a inclusão da empresa no Acordo, cumprindo-se desta forma todas as exigências legais.

Em 2016, a Abiplast retomará suas apresentações aos sindicatos, conforme estes solicitarem, e também estará aberta as novas adesões.

Fonte: Abiplast

Curta nossa página no