Posts Tagged ‘Matrizes’

ENAFER tem início com workshops técnicos

17/05/2018

Encontro Nacional de Ferramentarias ocorre em Caxias do Sul, RS, com expectativa de 350 participantes

Com a realização de oito workshops sobre novas tecnologias e serviços, teve início na manhã desta quinta (17), em Caxias do Sul, RS, o 11º Encontro Nacional de Ferramentarias (ENAFER). Os workshops constituem novidade no encontro, que nas 10 edições anteriores concentrava toda a sua programação em um único dia.

A realização dos encontros, em salas do Bloco M da Universidade de Caxias do Sul (UCS), a partir das 8h desta quinta (17), visa ampliar a oferta de informações estratégicas para os empresários e atender demanda de patrocinadores – aproximadamente 70 marcas nesta edição – que reivindicavam espaço para expor produtos e serviços, além de tratar de temas técnicos. Cada encontro, com duração de duas horas, tem a participação máxima de 70 inscritos.

A abertura oficial está programada para 9h da sexta (18), com manifestações dos presidentes Christian Dihlmann, da Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais (ABINFER), e Jaime Lorandi, do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás), entidades promotoras do ENAFER. A expectativa dos organizadores é reunir em torno de 350 participantes, de diferentes estados do Brasil. A programação da sexta contempla quatro palestras, duas mesas redondas e a assembleia geral da ABINFER. Todas as atividades serão concentradas no Bloco M da UCS.

Ações para preparar o futuro das empresas nortearão palestras de gestores de indústrias automotivas. O Diretor de Ferramentaria da General Motors do Brasil, José Antônio Zara, discorrerá sobre como os empresários devem preparar seus negócios para atender ao futuro da ferramentaria nacional, em termos de competência humana e tecnologia. Já Bruno Luís Ferrari Salmeron, diretor da Schulz Automotive, de Joinville (SC), centrará atenções na importância da governança como fator de sucesso da empresa. Ainda haverá palestra motivacional de Márcio Mancio sobre o tema Tropa de elite: A força da sua empresa.

Ao final da programação será realizada mesa redonda sobre a história da ferramentaria no Brasil com a participação dos empresários ferramenteiros mais experientes de Caxias do Sul. Também será prestada homenagem, com a entrega da medalha Herói Ferramenteiro, aos empresários Renato Henrique Leonardelli, Alcides Jerônimo Bonezi e Salustiano Lino Machado.

Rota 2030: sustentabilidade para o setor

O eixo central dos debates do ENAFER é o Programa Rota 2030, novo regime para o sistema automotivo em substituição ao Inovar-Auto, que teve sua vigência encerrada em dezembro de 2017. O formato do novo regime e suas condições interessa diretamente à indústria de ferramentais, que tem no segmento automotivo um de seus maiores clientes.

O Programa Rota 2030, que deve ser anunciado pelo governo ainda em maio, é considerado vital para dar sustentabilidade a todos os participantes da cadeia automotiva, pois demandará aumento no uso de conteúdos nacionais, criando mais e novas oportunidades de negócios. Os ajustes finais em discussão entre áreas do governo federal e setores empresariais diretamente envolvidos serão expostos por Igor Calvet, titular da Secretaria de Desenvolvimento e Competitividade Industrial do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, durante palestra no início da tarde desta sexta (18).

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Ferramentais (ABINFER), Christian Dihlmann, o setor tem consciência de que dificilmente se repetirão as diretrizes de funcionamento do Inovar-Auto. Porém, há um anseio claro por isonomia frente às condições de disputa verificadas no mercado externo.“Não queremos agir sem regras, mas quando se permite que outros países o façam e ainda se comprem moldes de lá, a luta fica injusta. O Brasil precisa gerar emprego, mas coloca regras demais, que inviabilizam a competitividade. Concorremos com países que não têm o mínimo respeito pelo meio ambiente, onde as indústrias não têm sequer que atender às normas de um conselho de engenharia e arquitetura. Deste jeito, as empresas brasileiras vão fechando, gerando desemprego e acabando com o poder aquisitivo da população. Se continuar assim, não haverá mercado consumidor interno nem para adquirir os produtos que vêm da China”, adverte.

Gelson de Oliveira, vice-presidente técnico da ABINFER, acrescenta que as regras do jogo devem ser claras para que o empresário possa definir a sua estratégia de negócio, direcionando ações para o mercado interno ou apostando no externo. Segundo ele, o Inovar-Auto garantiu que as ferramentarias se mantivessem ativas, mesmo com as dificuldades decorrentes da crise. “Teria sido muito pior sem o Inovar-Auto. Por isso, a necessidade urgente da aprovação do Rota 2030”, sustentou.

Oliveira, empresário do setor em Caxias do Sul, lembrou que, atualmente, a capacidade instalada nas ferramentarias atende em torno de 30% das demandas da indústria automotiva. Atualmente, o índice médio de atendimento é de 15%. “No momento, quem determina como e onde serão feitos os moldes é a matriz das montadoras. Por isso, a saída para resolver esta equação é uma política governamental, que é importante, inclusive, para as montadoras”, assinala.

A definição das regras é fundamental para que as empresas possam se preparar diante da perspectiva de retomada mais intensa da atividade econômica nos próximos anos. De acordo com José Alceu Lorandi, integrante do Conselho Fiscal da ABINFER, o ano de 2018 ainda será de instabilidade em razão do processo eleitoral de outubro, mas os seguintes, de 2019 a 2021, apontam para um desempenho mais consistente. “Já temos indicações de novos projetos no setor automotivo, o que nos impõe a adoção de medidas para atender às demandas futuras com capacidade tecnológica e de produção ”, alertou.

Para o 1º tesoureiro da entidade, Antônio Gaviraghi, este ano tem se apresentado como um dos melhores para sua empresa, a Gama Matrizes, que já investiu perto de R$ 6 milhões na compra de novos equipamentos, que ainda não instalados. A demanda, segundo o empresário, visa suprir moldes para produção de modelos automotivos já em linha de produção. “Menos de 20% dos pedidos é para projetos futuros. A maioria é para atender a necessidades atuais”, comentou.

Fortalecimento do associativismo

O ENAFER é o maior fórum nacional de discussões na área de moldes e ferramentais, realizado anualmente, de modo itinerante, em São Paulo (SP), Joinville (SC) e Caxias do Sul (RS), os principais polos brasileiros de produção destes itens para diferentes segmentos industriais. A última passagem por solo gaúcho foi em 2014, também em Caxias do Sul. O objetivo é traçar um panorama atual e futuro do setor, além de propor e articular ações de fortalecimento para empresas, fornecedores e parceiros.

De acordo com o empresário José Alceu Lorandi, o ENAFER é fundamental na defesa dos interesses de todo o setor, independentemente do porte da empresa. Assinala que reduzir ao mínimo possível as importações de moldes representa aumentar a geração de empregos, renda e impostos internamente. “Ao longo destes anos, evoluímos muito, inclusive no fortalecimento do associativismo para empregar forças na direção de interesses comuns”, destacou.

O tesoureiro da ABINFER, Antônio Darci Gaviraghi, acrescenta que os encontros têm gerado a oportunidade de que os participantes se vejam como parceiros e não como concorrentes, estabelecendo novas relações comerciais. “É o caso da minha empresa, que tem terceirizado alguns serviços com outras ferramentarias”, exemplifica. Também destaca ser importante o engajamento de mais empresários à entidade visando fortalecer a sua representatividade.

Fonte: Assessoria de Imprensa – ENAFER

Curta nossa página no

Anúncios

11º Encontro Nacional de Ferramentarias começa no próximo dia 17

14/05/2018

Após três anos consecutivos de atividade produtiva muita baixa e faturamento em queda, a economia brasileira dá indicativos, ainda tímidos, de retomada. O cenário tende a induzir parte da classe empresarial a esquecer os efeitos danosos da crise e, assim, desmobilizar-se da tarefa de cobrar políticas governamentais de longo prazo que deem sustentabilidade aos negócios.

A 11ª edição do Encontro Nacional de Ferramentarias (ENAFER), confirmada para os dias 17 e 18 de maio, em Caxias do Sul, RS, tem como um de seus propósitos manter o empresariado mobilizado, especialmente em torno da definição do Programa Rota 2030, fundamental para que a indústria de ferramentaria crie condições para vislumbrar seu negócio no longo prazo. “Não podemos, em função de um sopro de retomada, baixar a guarda e esquecer de todas as dificuldades pelas quais passamos e que ainda não foram totalmente superadas. Construir uma política estruturante de longo prazo é vital para a continuidade do setor e isto será pauta central no 11º ENAFER”, afirma Christian Dihlmann, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais (ABINFER), organizadora do evento, que deve receber em torno de 300 participantes, número similar aos de anos anteriores.

De acordo com Dihlmann, o mercado segue em situação delicada e instável. “Temos de discutir e definir, desde já, uma política industrial de Estado e não de governo. O programa Rota 2030 é o caminho neste momento e por ele precisamos estar mobilizados, mostrando isto no 11º ENAFER, com grande participação”, convoca.

O presidente da ABINFER destaca a presença, no evento, do ministro Marcos Jorge, da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), que falará sobre a importância do programa Rota 2030 para o futuro da indústria automotiva e de ferramentaria no Brasil, em palestra agendada para às 13h35 do dia 18. “O ministro precisa ver que o empresariado está mobilizado nesta demanda e sentir a pressão do setor, por meio de uma grande participação no evento”, reforça.

Gelson de Oliveira, vice-presidente técnico da ABINFER, acrescenta que as regras do jogo devem ser claras para que o empresário possa definir a sua estratégia de negócio, direcionando ações para o mercado interno ou apostando no externo. Segundo ele, o InovarAuto, programa que pautou as políticas do setor automotivo nos últimos anos e que se encerrou em 31 de dezembro de 2017, garantiu que as ferramentarias se mantivessem ativas, mesmo com as dificuldades decorrentes da crise. “Teria sido muito pior sem o InovarAuto. Por isso, a necessidade urgente da aprovação do Rota 2030”, sustentou.

Oliveira, empresário do setor em Caxias do Sul, lembrou que, atualmente, a capacidade instalada nas ferramentarias atende em torno de 30% das demandas da indústria automotiva. Atualmente, o índice médio de atendimento é de 15%. “No momento, quem determina como e onde serão feitos os moldes é a matriz das montadoras. Por isso, a saída para resolver esta equação é uma política governamental, importante, inclusive, para as montadoras”, assinala.

Mas pondera que, mesmo com estas ações, será longo e penoso o período para que as ferramentarias atinjam níveis de produção de anos anteriores. “Mesmo já sendo reconhecidos por nossa qualidade, aqui e no exterior, as empresas terão de investir em equipamentos, processos e softwares de última geração”, alertou. E para que o ritmo destes ajustes seja rápido, serão necessárias fontes públicas de financiamentos, porque as empresas, em sua maioria, não tem força financeira para investimentos expressivos, afirma Oliveira. “Não queremos nada de graça, pois temos de ser competentes. Mas sem uma política clara, os clientes escolherão fornecedores onde os impostos são menores e as tecnologias e os equipamentos estão disponíveis em abundância”, salientou.

Dihlmann destaca que o empenho da ABINFER em torno do programa Rota 2030 está alinhado com a própria estratégia do governo de criar condições para o desenvolvimento do setor automotivo. Ele lembra que veículos e casa própria são sonhos permanentes do consumidor brasileiro. “Considerando que os ferramentais são determinantes na produção de veículos, precisamos aproveitar para organizar e consolidar o setor neste momento onde o governo direciona grande energia para a indústria automotiva”, reforçou o dirigente, observando que, ao contrário do automotivo, onde novidades são rotineiras, na construção civil, outro forte mercado das ferramentarias, o ciclo de vida dos produtos é mais longo. Assegurou, no entanto, ser objetivo da entidade lutar também por programas de incentivo em outros setores, como eletrodomésticos, embalagens e a própria construção civil.

Programação terá dois dias

Nas 10 edições anteriores, o ENAFER concentrou suas atividades em um único dia, visando oferecer ao máximo informações estratégicas para o empresário. Como forma de atender a uma demanda de patrocinadores, que passam de 60 marcas nesta edição, a organização optou por criar um dia específico para tratar de temas técnicos. Desta forma, a quinta-feira, dia 17 de maio, será reservada para workshops, desenvolvidos em salas com capacidade para até 70 participantes e apresentados por patrocinadores, que divulgarão produtos e serviços. Na avaliação de Christian Dihlmann, presidente da ABINFER, a maioria dos participantes destes encontros será formada por empresários locais ou regionais.

Os workshops técnicos ocorrerão em salas da Universidade de Caxias do Sul, a partir de 8h. Até o momento estão confirmadas palestras conduzidas por representantes das marcas Top Solid, Polimod, +GF+, Casafer, Villares Metais e Produttare. As inscrições gratuitas podem ser feitas diretamente em http://www.enafer.com.br/workshops-tecnicos/.

A programação do 11º ENAFER terá início na quinta à noite, 17 de maio, com jantar de confraternização. Na sexta-feira, a abertura oficial está programada para 9h, com manifestações de Jaime Lorandi, presidente do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho, e de Christian Dihlmann, da ABINFER.

A programação contempla quatro palestras, duas mesas redondas, assembléia geral da ABINFER, almoço e intervalos para relacionamento. Todas as atividades serão concentradas no UCS Teatro, no Bloco M da Universidade de Caxias do Sul. As inscrições gratuitas podem ser feitas em http://www.enafer.com.br, onde também está disponível toda a programação.

Fonte: Assessoria de Imprensa: Abinfer

Curta nossa página no

Astrotec leva moldes para extrusão de perfis plásticos para a Interplast

18/04/2016

AstrotecA Astrotec (www.astrotec.ind.br) produz moldes para extrusão, moldes para calibragem e porta-moldes (cabeçotes) destinados à fabricação de perfis termoplásticos para as mais diversas aplicações. Durante a Interplast, o público da feira poderá conferir de perto seu portfólio.

“Participamos ativamente desde as primeiras edições da Interplast, pois consideramos um evento imprescindível na nossa agenda”, afirma Dalmir Jeske, administrador técnico comercial.

Além dos produtos citados, a Astrotec fornece moldes para co-extrusão, largamente utilizados nas manufaturas de perfis (com combinação de PVC rígido + PVC rígido, PVC rígido + PVC flexível, PVC rígido + TPU ou PS + PSAI), conferindo possibilidades como aplicações de frisos, superfícies coloridas, vedações ou efeito dobradiça.

Os moldes fabricados pela Astrotec são fornecidos aos mais variados setores da economia nacional e internacional. “Objetivamos sempre levar experiência e inovação tecnológica na construção de nossos moldes e com isso atender e superar as expectativas de nossos clientes”, comenta Dalmir. A Astrotec  é coordenada por profissionais com experiência no segmento de construção de moldes e conhecimento tecnológico nos processos de transformação de termoplásticos.

A Interplast tem em média 550 marcas expositoras apresentando novidades dos mais variados setores como máquinas, equipamentos, transformadoras, ferramentarias, embalagens, matérias-primas, periféricos, design e serviços.

Realizada pelo Simpesc (Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado de Santa Catarina) e organizada pela Messe Brasil, a 9ª edição tem o apoio da Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos), Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico) e Fiesc (Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina).

Paralelamente ao evento acontecem a 3ª Euromold Brasil – Feira Mundial de Construtores de Moldes e Ferramentarias, Design e Desenvolvimento de Produtos – o Cintec 2016 Plásticos – Congresso da Inovação Tecnológica e a Rodada de Negócios.

Serviço
Interplast 2016 – Feira e Congresso de Integração da Tecnologia do Plástico – http://www.interplast.com.br
Euromold Brasil – Feira Mundial de Construtores de Moldes e Ferramentarias, Design e Desenvolvimento de Produtos – http://www.euromoldbrasil.com.br
Data: 16 a 19 de agosto de 2016
Horário: 14 às 21 horas
Local: Expoville – Joinville-SC – Brasil
Organização: Messe Brasil

Fonte: Assessoria de Imprensa – Messe Brasil

Curta nossa página no

Sistema de matrizes da Nordson EDI permite que a Evertis de México mantenha tolerâncias rígidas em embalagens PET multicamadas

25/02/2016
Esquema em corte do sistema de matrizes da Nordson EDI fornecido à Evertis de México mostra o bloco de alimentação Ultraflow™ V-S à esquerda e a matriz Ultraflex™ à direita, com um anteparo interno (componente na cor bronze) projetando-se a partir da matriz. A estrutura de laminado de sete camadas é assimétrica, com materiais diferentes acima e abaixo da camada central. O componente cilíndrico no bloco de alimentação é um tambor de seleção para alterações com o bloco à sequência de camadas. Os seis componentes amarelos em forma de gota nos pontos onde as camadas convergem são planos de combinação para ajuste fino das velocidades de combinação.

Esquema em corte do sistema de matrizes da Nordson EDI fornecido à Evertis de México mostra o bloco de alimentação Ultraflow™ V-S à esquerda e a matriz Ultraflex™ à direita, com um anteparo interno (componente na cor bronze) projetando-se a partir da matriz. A estrutura de laminado de sete camadas é assimétrica, com materiais diferentes acima e abaixo da camada central. O componente cilíndrico no bloco de alimentação é um tambor de seleção para alterações com o bloco à sequência de camadas. Os seis componentes amarelos em forma de gota nos pontos onde as camadas convergem são planos de combinação para ajuste fino das velocidades de combinação.

Controle de fluxo e versatilidade de sistemas de matrizes para extrusão aprimora capacidades de embalagem PET para múltiplas estruturas de barreira e evita instabilidade mesmo ao executar configurações complexas ou assimétricas

Um sistema de matrizes para coextrusão da Nordson Corporation permitiu que um processador por extrusão, especializado em lâminas de embalagem semirrígidas baseadas em PET, mantivesse uma uniformidade de camadas dentro da tolerância, evitando, ao mesmo tempo, defeitos no produto decorrentes de estruturas de camada assimétricas.

A Evertis de México S.A. de C.V., fabricante de lâminas termoformáveis para embalagem de alimentos, como aves, queijo e carne processada, bem como para aplicações não relacionadas a alimentos, instalou recentemente um sistema de matrizes da Nordson EDI para coextrusão a fim de produzir uma variedade de estruturas. Isso inclui lâminas padrão de várias camadas, de barreira elevada e de barreira média com espessuras de 180 a 1.016 µ (0,18 a 1,016 mm). Como as estruturas das lâminas de barreira frequentemente são assimétricas, a espessura dos materiais ou da camada acima da camada central difere daquelas abaixo dela. Segundo a Nordson EDI, o seu sistema para controle de fluxo de precisão tem possibilitado a manutenção de tolerâncias rígidas com relação às camadas em tais estruturas, ao mesmo tempo em que evita defeitos de ondulação, zigue-zague, entre outros, causados por instabilidade na interface entre as camadas.

“Na Evertis, buscamos melhorar nossos métodos de produção e fornecer consistentemente produtos de alta qualidade.”, afirmou Aprigio Pinto, diretor de produção da Evertis de México. “Trabalhamos com fornecedores de equipamentos inovadores com os quais sabemos que podemos contar para ter um notável serviço de atendimento e auxílio ao cliente. Essa filosofia é essencial para a Evertis de México, dado nosso crescimento contínuo nos mercados em que atuamos.”

“As respostas imediatas da equipe de suporte técnico da Nordson significam que a Evertis de México tem garantia de equipamentos e serviços de alta qualidade a um preço competitivo no mercado”, aponta Jacques Tillet, diretor de manutenção da Evertis de México. “Na Evertis, produzimos lâminas PET de barreira semirrígida para aplicações relacionadas a alimentos ou outras aplicações, e é essencial que a uniformidade das camadas seja sempre mantida dentro da tolerância. O sistema de matrizes da Nordson EDI nos permite controlar interfaces de camadas e, assim, evitar defeitos no produto como ondulações. Com esse sistema instalado, temos a certeza de que nossos clientes sempre receberão produtos de alta qualidade.”

Enfrentando os desafios impostos pelas estruturas assimétricas multicamadas

“Como as interfaces de camadas essenciais são deslocadas para regiões de cisalhamento mais elevadas das trajetórias de fluxo, as instabilidades de coextrusão são mais comuns com estruturas que são assimétricas.”, afirma o tecnólogo chefe da Nordson EDI, Sam G. Iuliano. “Nosso sistema de matrizes gera fluxos otimizados de material fundido e realiza o ajuste fino dos mesmos até o ponto de confluência. Além disso, a facilidade com a qual os ajustes podem ser feitos permite que o sistema seja muito versátil com relação à configuração da camada e à largura do produto.”

Os principais componentes do sistema de matrizes da Nordson EDI usados pela Evertis de México são os seguintes:

Matriz Ultraflex™ com anteparo interno e manifold Multiflow™ II-G. A Nordson construiu o manifold (canal de fluxo) dentro da matriz para reduzir os níveis de tensões de cisalhamento nas interfaces da camada, resultando em um aprimoramento na uniformidade da camada. Ao mesmo tempo, as seções do manifold em cada extremidade da matriz são dimensionadas para acomodar anteparos internos ajustáveis para fazer alterações na largura do produto.

Bloco de alimentação ajustável Ultraflow™ V-S. Um bloco de alimentação combina o fluxo de material fundido de extrusoras separadas em um “sanduíche” de múltiplas camadas, que a matriz de extrusão subsequente distribui para a largura pretendida para o produto. O bloco de alimentação Ultraflow V-S incorpora “planos de combinação” ajustáveis, localizados onde os fluxos de material derretido se encontram com o canal de fluxo central. Isso possibilita equilibrar as velocidades dos fluxos combinados. Ao operar no modo de flutuação livre, eles automaticamente compensam as alterações nas taxas de espessura da camada, as quais acompanham as alterações na estrutura do produto. Podem ser feitos ajustes sem a retirada do bloco de alimentação, aumentando a versatilidade do produto final e o tempo de atividade. Outro ajuste que pode ser feito com o bloco de alimentação é o uso de um tambor de seleção que possibilita a alteração das sequências de camadas na estrutura.

A Evertis de México S.A. de C.V. é uma subsidiária do Grupo IMG, pioneiro no campo de extrusão de laminados PET. Além da unidade no México, o grupo tem fábricas no Brasil e em Portugal e escritórios de vendas mas Américas e na Europa. A Evertis de México está localizada na Ave. Platón No. 138, 66600 Cd Apodaca, N.L., México. Tel: +52-81-8386-5550. Fax: +52-81-8386-5553. Visite o site: http://www.evertis.com/pt/home.

A Nordson Polymer Processing Systems fornece aos clientes componentes projetados para fundir, homogenizar, filtrar, medir e dar forma a plásticos e materiais de revestimento fluido. A Nordson Corporation aproveita a experiência da indústria de plásticos como um todo obtida por meio de uma série de aquisições estratégicas para oferecer um portfólio amplo e único das principais tecnologias do setor. A Nordson fornece uma ampla gama de produtos de precisão de fluxo fundido — desde roscas e cilindros para extrusão e molde para injeção a sistemas de filtragem, bombas e válvulas — para as matrizes de extrusão e sistemas de peletização a fim de atender às necessidades em constante evolução da indústria de polímeros.

A Nordson Corporation fornece aos clientes recursos para vendas técnicas, serviços e reforma locais por meio de organizações de venda e fábricas regionais em mais de 30 países. Para saber mais, acesse http://www.nordsonpolymerprocessing.com ou www.facebook.com/NordsonPPS.

Fonte: Nordson / Martino Comm.

Curta nossa página no

Primeira matriz de extrusão do mundo com 9 manifolds, fabricada pela Nordson, produz filmes de camadas múltiplas com redução expressiva na variação da espessura

06/10/2015

A mais avançada matriz do tipo multi-manifold da Nordson proporciona tolerâncias mais estreitas do que um sistema comparável de blocos de alimentação, economizando nos custos de material e aprimorando a qualidade do produto

Representação do corte vertical da matriz de 9 manifolds da Nordson EDI, com fluxos de polímero apresentados em diferentes cores. Os fluxos combinados formam uma estrutura única de camadas múltiplas que sai da matriz à esquerda. Na parte superior esquerda, pode-se ver a unidade de ajuste automático de lábios.

Representação do corte vertical da matriz de 9 manifolds da Nordson EDI, com fluxos de polímero apresentados em diferentes cores. Os fluxos combinados formam uma estrutura única de camadas múltiplas que sai da matriz à esquerda. Na parte superior esquerda, pode-se ver a unidade de ajuste automático de lábios.

O mais recente avanço em tecnologia de coextrusão da Nordson Corporation (www.nordsonpolymerprocessing.com) permite que produtores de filmes multi-camadas (especialmente aqueles com linhas de alta produtividade dedicadas a uma gama de produtos limitada) atinjam tolerâncias de espessura mais estreitas para as camadas individuais.

Uma matriz plana com nove manifolds da Nordson EDI, a primeira de seu tipo, já está em funcionamento e cumpriu sua tarefa com êxito, produzindo filmes de nove camadas a partir de várias resinas. Embora o grau de melhoria dependa da aplicação, a tecnologia de matriz com nove manifolds da Nordson EDI promete, de modo geral, reduzir a variação de espessura de camadas individuais para uma tolerância de +/-  5%, de acordo com Sam G. Iuliano, tecnólogo chefe da Nordson EDI. Atualmente, a tolerância frequentemente encontrada em sistemas comparáveis de blocos de alimentação avançados é de +/-  15%.

“Essa maior precisão que pode ser alcançada com as matrizes do tipo multi-manifold permite que os processadores obtenham camadas mais finas dos materiais para finalidades especiais de alto custo, geralmente exigidas para filmes de embalagens de alto desempenho. Ao mesmo tempo, a precisão melhora a qualidade e a consistência do produto”, explica Iuliano.

Parte traseira da matriz com 9 manifolds da Nordson EDI, com portas de entrada para os fluxos de polímero mostradas em diferentes cores. À esquerda, pode-se ver uma das duas estruturas de fixação da parte de fora, projetadas para evitar vazamento nas extremidades da matriz. Na parte central superior, vê-se a parte de cima de uma unidade de ajuste automático de lábios.

Parte traseira da matriz com 9 manifolds da Nordson EDI, com portas de entrada para os fluxos de polímero mostradas em diferentes cores. À esquerda, pode-se ver uma das duas estruturas de fixação da parte de fora, projetadas para evitar vazamento nas extremidades da matriz. Na parte central superior, vê-se a parte de cima de uma unidade de ajuste automático de lábios.

Um manifold é um canal de distribuição de fluxo dentro da matriz, cuja complexa geometria interna, projetada para um polímero específico, é desenvolvida para fornecer um fluxo uniforme e otimizado e distribuir o material até a largura total. Em uma matriz do tipo multi-manifold, cada fluxo de polímero tem seu próprio manifold e as camadas são combinadas em uma única estrutura somente após cada uma delas ter sido individualmente distribuída até a largura total. Para fins de comparação, um bloco de alimentação combina vários fluxos de polímero em um “sanduíche” estreito de múltiplas camadas que é, subsequentemente, ajustado até a largura final em uma matriz de manifold único. O método de manifolds múltiplos fornece maior uniformidade e precisão de espessura de camadas principalmente porque evita grande parte da deformação da interface da camada que ocorre quando várias camadas pré-montadas em um bloco de alimentação são distribuídas simultaneamente pela matriz.

“Os clientes da Nordson EDI ao redor do mundo têm se beneficiado há muito tempo da coextrusão de manifolds múltiplos, usando matrizes com dois, três, quatro ou cinco manifolds”, observa o Sr. Iuliano. “Projetar uma matriz com nove manifolds foi um grande desafio para nós, pois era preciso apertar e aquecer adequadamente dez importantes segmentos de corpo da matriz. Além disso, os nove canais de fluxo foram projetados de forma personalizada para a camada específica que estavam distribuindo, o que significa que tínhamos que acomodar canais de fluxo de diferentes tamanhos e layouts no projeto”.

Ferramentas com manifolds múltiplos melhoram a qualidade e a eficácia de produção

Para a distribuição de polímero fundido das extrusoras para uma matriz do tipo multi-manifold, a Nordson EDI faz o projeto blocos de distribuição – localizados logo acima da matriz – em uma variedade de configurações opcionais. As versões mais simples têm um projeto fixo, distribuindo o polímero fundido para as entradas da matriz multi-manifold em uma única estrutura sequencial dedicada de camadas. Blocos de distribuição mais sofisticados oferecem a capacidade de redirecionamento de fluxos de material fundido para alterar a sequência das camadas, por meio de placas seletoras permutáveis. Os blocos de distribuição mais avançados, além das placas seletoras, incluem subconjuntos de blocos de alimentação que combinam alguns dos fluxos de material derretido antes que cheguem à matriz, permitindo versatilidade de produto e um maior número de camadas em relação ao número de manifolds da matriz.

Como a fabricante que mais construiu matrizes do tipo multi-manifold, a Nordson EDI aplicou sua experiência para deixá-las livres de problemas. Muitas matrizes com quatro e cinco manifolds da Nordson EDI estão em operação sem problemas de vazamento, mesmo com taxas de produtividade de quase 5.000 kg/h, afirma a empresa. Para a nova matriz com nove manifolds, a Nordson EDI desenvolveu elementos de fixação adicionais do lado externo dos principais corpos da matriz (na área de montagem de placas final) para garantir a vedação adequada.

A Nordson EDI pode projetar, de forma personalizada, sua estação de limpeza rápida Ultracart™ para a matriz do tipo multi-manifold específica de um cliente. Além disso, as unidades de ajuste automático de lábios Autoflex na matriz são modulares e pode ser destacadas facilmente, permitindo acesso conveniente aos elementos de fixação do corpo da matriz. Esses sistemas simplificam a montagem e desmontagem para limpeza periódica e a manutenção preventiva da matriz.

A estação de limpeza rápida Ultracart™ pode ser projetada para acomodar matrizes com 9 manifolds. A matriz desmontada mostrada aqui é uma unidade com 3 manifolds.

A estação de limpeza rápida Ultracart™ pode ser projetada para acomodar matrizes com 9 manifolds. A matriz desmontada mostrada aqui é uma unidade com 3 manifolds.

Nordson EDI oferece várias alternativas para a produção de filmes de camadas múltiplas

A matriz com nove manifolds é a mais recente de uma ampla gama de opções de coextrusão disponibilizadas pela Nordson EDI. O sistema de matrizes que a empresa recomenda para determinada aplicação depende de variáveis como taxa geral de produtividade, espessura das camadas e proporções de viscosidade, largura da matriz, número e tipo de estruturas de produto necessárias e se as temperaturas de processamento do material fundido para qualquer um dos fluxos de material são diferentes. Embora as soluções recomendadas possam variar de uma matriz de manifold único, com bloco de alimentação, até uma matriz completa do tipo multi-manifold, com canais separados para todas as camadas, geralmente a recomendação se encaixa nesses extremos, combinando abordagens de manifolds múltiplos e de blocos de alimentação. Por exemplo, se uma estrutura de cinco camadas incluísse uma única camada de cobertura crítica, então uma matriz de dois manifolds seria recomendada: a camada crítica seria distribuída pelo seu próprio canal de fluxo e as outras quatro camadas compatíveis seriam coextrudadas pelo segundo canal de fluxo.

Até mesmo ao desenvolver progressos em matrizes do tipo multi-manifold, a Nordson EDI está comprometida em inovar no projeto do bloco de alimentação, observa Iuliano. “Dependendo do cenário de processamento específico, uma matriz de manifold único com um bloco de alimentação de coextrusão pode ser a melhor forma a ser adotada – por exemplo, caso as ferramentas de extrusão precisem produzir muitas estruturas diferentes com proporções significativamente diferentes de camadas. Geralmente, a abordagem de bloco de alimentação permite maior versatilidade de produto, bem como procedimentos mais simples de limpeza e troca de produtos. No entanto, a abordagem de manifolds múltiplos é superior em termos de qualidade e consistência do produto. Atualmente, essa abordagem é uma alternativa mais prática e realista do que nunca para produtores de filmes de camadas múltiplas de ordem superior”.

A Nordson Polymer Processing Systems fornece aos clientes componentes projetados para fundir, homogeneizar, filtrar, medir e dar forma a plásticos e materiais de revestimento fluido. A Nordson Corporation aproveita a experiência da indústria de plásticos como um todo obtida por meio de uma série de aquisições estratégicas para oferecer um portfólio amplo e único das principais tecnologias do setor. A Nordson fornece uma ampla gama de produtos de precisão de fluxo fundido — desde parafusos e cilindros para extrusão e molde para injeção a sistemas de filtragem, bombas e válvulas — para as matrizes de extrusão e sistemas de peletização a fim de atender às necessidades em constante evolução da indústria de polímeros. A Nordson Corporation fornece aos clientes recursos para vendas técnicas, serviços e reforma locais por meio de organizações de venda e fábricas regionais em mais de 30 países.

Fonte: Martino Communications / Nordson Corporation

Curta nossa página no

Encontro nacional de ferramentarias em Caxias do Sul destaca linha de financiamento direto do BNDES a partir de R$ 1 milhão

14/05/2014

PSI – Inovação e Máquinas e Equipamentos Eficientes é linha operada por uma novidade: departamento do banco especificamente voltado a fornecedores de bens de capital

encontro_ferramentariasCriado em 2014, o departamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com ênfase específica no apoio ao fornecedor de bens de capital será apresentado aos participantes do 7o Encontro Nacional de Ferramentarias (Enafer) no dia 16 de maio, sexta-feira, em Caxias do Sul (RS), no Personal Royal Hotel. A grande oportunidade reside na linha PSI – Inovação e Máquinas e Equipamentos Eficientes, que permite operações diretas com o banco já a partir de R$ 1 milhão. O objetivo consiste em fomentar o setor de bens de capital a partir da cadeia de fornecedores.

“É uma linha de apoio para estratégias futuras completas de inovação. Vai muito além de pesquisa e desenvolvimento. Vamos apresentar também outras possibilidades, como o Finem e o Pro Plástico. A ideia é justamente abordar uma série de instrumentos de mercado que já estão disponíveis e surpreendentemente, pouca gente conhece”, revela o gerente do Departamento de Bens de Capital do BNDES, Luiz Daniel Willcox de Souza.

De acordo com Souza, a criação do departamento facilitou para ampliar o conhecimento do setor, caracterizado pela heterogeneidade, e definir políticas específicas, em articulação com outros órgãos governamentais. Exemplo disso será o painel complementar com o gerente adjunto de Planejamento (Serra) do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), André Gotler.

“Há boas possibilidades de financiamento ao produtor de bens de capital, especialmente nos campos de desenvolvimento e inovação. Por isso é importante que falemos a respeito de projetos futuros”, conclui Souza.

O maior evento do setor de ferramentarias no Brasil é organizado pela Plastech Brasil Eventos – nova unidade de negócios do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás), organizador da Plastech Brasil – Feira do plástico, da borracha, dos compósitos e da reciclagem.

Informações de inscrição podem ser obtidas pelos telefones (54) 3228.1251 e 8135.1182, ou pelo email fernanda@plastechbrasil.com.br. A programação completa e o formulário de inscrição encontram-se disponíveis no site plastechbrasil.com.br.

O 7o Enafer tem realização da Abinfer e da Organização Virtual de Ferramentarias (Virfebras), com apoios de Simplás, Plastech Brasil, Sindicato das Indústrias Metalúrgias, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul (Simecs), Associação Comercial e Industrial de Joinville (ACIJ) – Núcleo de Usinagem e Ferramentaria, APL de Ferramentaria do Grande ABCD, Associação Brasileira de Máquinas e Ferramentas (Abimaq) – Câmara Setorial de Ferramentarias e Modelações (CSFM), revistas Ferramental e Plástico Sul.

Fonte: Simplas

Curta nossa página no

Encontro nacional de ferramentarias em Caxias do Sul reúne Arranjo Produtivo, indústria automotiva, governo e sindicato de trabalhadores

06/05/2014

Evento abordará oportunidades de mercado e viabilização do Inovar-Auto

encontro_ferramentariasAções de fomento de negócios prometem ser a tônica do maior evento de ferramentarias do Brasil,  que Caxias do Sul (RS), segundo maior polo de fabricação de moldes do país, receberá em 16 de maio, pela terceira vez. Desde a apresentação de cases de sucesso do próprio setor produtivo, passando por programas de governo, participação de representantes da indústria automotiva e sindicatos de trabalhadores, até chegar a agentes financeiros de investimento, todo o mercado estará envolvido no ciclo de debates e espaços de relacionamento, entre 8h30 e 17h30, no Personal Royal Hotel.

O caso bem sucedido do Arranjo Produtivo Local (APL) de Ferramentaria do Grande ABC, que está desenvolvendo um bureau de engenharia entre as empresas de São Bernardo, São Caetano e Diadema, na Região Metropolitana de São Paulo, será apresentado pelo vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais (Abinfer), Paulo Sérgio Furlan Braga.

Inteligência comercial será o tema da palestra de Eduardo Maróstica, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

No principal painel da jornada, a pauta aborda as oportunidades com que o programa Inovar-Auto acena para as ferramentarias – e principalmente,  formas de viabilizá-las. A grande preocupação do setor reside na regulamentação da iniciativa e na rastreabilidade das compras efetuadas por seus participantes, que devem cumprir um percentual de nacionalização.

A fim de explanar suas posições, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC) será representado pelo Coordenador-Geral das Indústrias Intensivas em Recursos Naturais, Tólio Edeo. Mesma missão terá a coordenadora executiva do setor Automotivo e Implementos Rodoviários da Secretaria de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (SDPI) do Rio Grande do Sul, Maria Paula Merlotti. Em esfera municipal, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo de São Bernardo do Campo participará com seu titular, Jefferson José da Conceição.

Pelo segmento produtivo, as ideias do APL de Ferramentarias do Grande ABC serão trazidas por um de seus coordenadores, Carlos Manoel de Carvalho. A contribuição dos trabalhadores virá com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Grande ABC, Rafael Marques. E ainda está prevista a participação de um representante das montadoras automotivas.

Financiamento de longo prazo para investimentos fixos e inovação serão assunto do gerente adjunto de planejamento do Banco Regional de Desenvolvimento Econômico (BRDE) na Serra Gaúcha, André Gotler.

Para concluir, será encaminhada a escolha da direção da Abinfer que cumprirá o triênio 2014/2017 à frente da entidade.

A organização do Enafer está a cargo da Plastech Brasil Eventos. Mais informações podem ser obtidas pelos telefones (54) 3228.1251 e 8135.1182, ou pelo email fernanda@plastechbrasil.com.br. A programação completa encontra-se disponível no site http://www.plastechbrasil.com.br.

O 7o Enafer tem realização da Abinfer e da Organização Virtual de Ferramentarias (Virfebras), com apoios de Simplás, Plastech Brasil, Sindicato das Indústrias Metalúrgias, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul (Simecs), Associação Comercial e Industrial de Joinville (ACIJ) – Núcleo de Usinagem e Ferramentaria, APL de Ferramentaria do Grande ABCD, Associação Brasileira de Máquinas e Ferramentas (Abimaq) – Câmara Setorial de Ferramentarias e Modelações (CSFM), revistas Ferramental e Plástico Sul. As empresas Autodesk, Euromold, GROB e Metalli e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) são os patrocinadores.

Fonte: Plastech Brasil

Curta nossa página no

Feiras Interplast 2012 e Euromold Brasil são abertas em Joinville

20/08/2012

Muitas novidades marcam a 7ª edição da Interplast. Realização da primeira EuroMold Brasil, Ilha da Reciclagem e Projeto Carreira são alguns dos destaques.

A 7ª edição da Interplast – Feira e Congresso de Integração da Tecnologia do Plástico, consolidada como a mais importante feira do segmento na América Latina em 2012, apresenta aos visitantes as mais recentes novidades em máquinas, equipamentos, periféricos, design, matérias-primas, serviços e tecnologias. Realizada, a cada dois anos, pelo Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado de Santa Catarina (Simpesc) e organizada pela Messe Brasil, a feira, inaugurada nesta segunda-feira, dia 20, ocorrerá até a próxima sexta-feira, dia 24, nos pavilhões da Expoville, em Joinville/SC.

Em seus 21.000 m², o evento reúne cerca de 550 empresas, das quais, 144 são novos expositores. Vindas de todo o Brasil e de outros países, como Alemanha, China, Canadá, Áustria, Estados Unidos, Taiwan e Portugal, as empresas formam uma importante rede de relacionamento, compartilhando o que há de mais moderno para o setor e ampliando a possibilidade de novas parcerias e negócios.

Para Albano Schmidt, presidente do Simpesc (Sindicato das Indústrias de Material Plástico de Santa Catarina,  a Interplast é um evento esperado por todo o setor plástico, especialmente por propiciar às empresas uma excelente oportunidade de se aproximar de seus clientes. “A presença em um evento desse porte consolida a marca e fortalece a empresa diante de seu público-alvo”, afirma. Segundo ele, o segmento vive um momento econômico de crescimento e o caminho para consolidar esse processo requer investimentos e inovação. “Para fortalecer o setor é necessário promover o crescimento dos segmentos demandantes, desonerar o investimento, reduzir o custo de capital e melhorar a qualidade de como os tributos são cobrados. Com um apoio maior à pesquisa e inovação e criação de excelência para formação da mão de obra, o setor pode e vai crescer muito”, acrescenta.

Neste ano, o evento promete muitas novidades. Os visitantes vão poder observar o Projeto Ilha da Reciclagem do Plástico, promovido por meio de uma parceria entre a Messe Brasil, Simpesc, INP, Instituto do PVC e Plastivida. Quem passar pela feira vai poder visualizar o processo de reciclagem do plástico, explicado passo a passo, além de conhecer os equipamentos envolvidos e o trabalho das cooperativas. O projeto tem a coordenação do Simpesc. “A proposta é desmistificar e ressaltar que o processo de reciclagem do plástico é um dos mais econômicos e ambientalmente corretos, entre os diversos resíduos que são reciclados atualmente”, comenta Richard Spirandelli, diretor da Messe Brasil.

E falando em reciclagem, outro destaque é a Central de Gerenciamento de Resíduos. A iniciativa é da Messe Brasil e conta com o apoio da Elementus Engenharia Ambiental, responsável pela elaboração e execução do plano de gerenciamento de resíduos sólidos. O principal objetivo é dar um destino ambientalmente correto para os materiais descartados nos períodos de montagem e desmontagem e também durante a feira. Os resíduos, classificados como comuns e não perigosos, compreendem material orgânico, papel e papelão, madeira e vidro. “Com a central, será possível encaminhar os materiais a destinos adequados, evitando ampliar volumes nos lixões ou em locais impróprios para descarte”, explica Spirandelli.

Neste ano, o evento conta também com o apoio institucional da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que aposta na Interplast pela sua credibilidade e seriedade. “A ABNT tem mais de 170 Comitês Técnicos focados em variados setores e áreas de conhecimento. Ao apoiar a feira, a ABNT aproxima-se também de seu público, mostrando os benefícios das normas técnicas para as suas atividades”, explica Roberto Silva Santos, gerente de articulação nacional da ABNT.

Estrategicamente realizada em Joinville, região que é um dos maiores polos do plástico e corredor comercial da América Latina, a Interplast deve atrair cerca de 25 mil visitantes, com destaque para executivos e profissionais dos segmentos de embalagem, automotivo/autopeças, construção civil e linha branca, vindos de todo o Brasil e também do exterior.

Primeira EuroMold Brasil acontece em paralelo à Interplast

Outro evento importante vai atrair muitos visitantes à Expoville. A EuroMold Brasil chega pela primeira vez à America Latina e vai apresentar os avanços mais recentes e as mais novas tecnologias em fabricação de moldes e desenvolvimento de produtos. Viabilizada por meio de parceria entre a organizadora alemã DEMAT e a Messe Brasil, a feira reúne cerca de 80 expositores, vindos de todo o Brasil e de países como Alemanha, Estados Unidos, Coreia do Norte, China, Canadá, Japão, Taiwan, Argentina e Israel.

Para a EuroMold Brasil, a Messe Brasil montou um espaço totalmente novo, anexo a Expoville, com 3.200 m² de área. O Pavilhão EuroMold Brasil, diretamente conectado com os pavilhões da Interplast, permite que os visitantes circulem entre as duas feiras, aproveitando ainda mais o intercâmbio que a simultaneidade dos eventos proporciona. Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais (Abinfer), Christian Dihlmann, a feira tem muito a agregar ao setor, especialmente por ser realizada em Joinville. “O evento está situado na 3ª maior cidade da região sul do Brasil e um dos três maiores polos de ferramentarias do país, isso contribui para ampliarmos a base de fornecedores para o segmento, e com qualidade”, afirma.

Cintec 2012 Plásticos estimula o debate e a busca por novas tecnologias

Focado na disseminação do conhecimento e inovação, o Cintec 2012 Plásticos – Congresso de Inovação Tecnológica tem 20 palestras técnicas e seis minicursos em sua programação. O evento aborda linhas temáticas de gestão, meio ambiente, reciclagem, matéria-prima, máquinas e processos, e moldes e ferramentas, e deve reunir empresários, especialistas e estudantes para debater tendências, novas tecnologias e soluções para o setor plástico.

A palestra de abertura acontece no dia 20 de agosto e será ministrada por José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Vitopel, empresa fabricante de filmes para embalagens flexíveis, e da Associação Brasileira da Indústria de Plástico (Abiplast). Com mais de 25 anos de atuação na indústria de transformação, Roriz Coelho abordará em sua apresentação o mercado do material plástico sob a ótica do conhecimento e da sustentabilidade.

Promovido pela Sociedade Educacional de Santa Catarina (Sociesc), o Cintec construiu uma história de sucesso ao longo dos 12 anos de sua realização. Os números acumulados pelo congresso nesse período demonstram a dimensão do evento. Até aqui, já são 7.900 congressistas, 600 palestrantes e 780 horas de conhecimento.

Neste ano, o Cintec Plásticos acontece entre os dias 20 e 24 de agosto, na Expoville, em Joinville/SC. Os minicursos são realizados na Sociesc, no Campus Marquês de Olinda. Mais informações e inscrições pelo www.sociesc.org.br/cintec.

Fonte: Messe Brasil

Curta nossa página no

Matriz de extrusão e anel de ar da Davis Standard ajudam a aumentar em 50 % a produtividade de linha de filme da empresa americana Mid South Extrusion

13/07/2012

Michael A. Henagan, Executivo da Mid South Extrusion, e o novo sistema implementado pela Davis Standard.

Uma matriz Centrex de três camadas e um anel de ar Triple Lip da Davis Standard ajudaram a empresa Mid South Extrusion a aumentar em 50 % a produção de uma linha existente na empresa, ao mesmo tempo em que melhoraram o controle de uniformidade da espessura do filme. A Mid South, com sede em Monroe, Louisiana, reformou uma linha da Davis-Standard instalada originalmente em 1999 com a finalidade de produzir o novo filme metalocênico coextrudado ExtrudTuff ™ da empresa. Os limites de produção e qualidade da Mid South foram estudados através da aplicação da nova tecnologia usando uma linha piloto da Davis Standard.

“A demanda para o nosso novo filme ExtrudTuff tem sido excepcional, por isso chamamos a Davis-Standard para encontrar uma maneira econômica para melhorarmos as nossas taxas de produção e qualidade”, disse Mike Henagan, vice-presidente executivo de operações da Mid South. “A Davis-Standard provou que eram possíveis taxas de produção maiores e uma melhor qualidade pelo uso de nova tecnologia para produzir nosso novo filme coextrudado. Pudemos inicialmente validar as capacidades de processamento da matriz e do anel de ar na linha piloto da Davis Standard. Isto nos levou a comprar novas roscas e cilindros DSB ® III, juntamente com uma nova matriz Centrex e anel de ar Triplo Lip. Em seguida, desenvolvemos um plano para fazer a transição da forma mais suave possível, para evitar perturbações nas programações de produção críticas. Nós simplesmente não podíamos ter surpresas ou interrupções. A linha foi então reformada e colocada de volta à produção antes do previsto por causa do excelente gerenciamento do projeto e suporte. Nossos clientes estão muito satisfeitos com o resultado. “

Os ensaios na linha-piloto da Davis-Standard em Bridgewater, New Jersey, mostraram o aumento da taxa de produção em 50 por cento e uma melhoria substancial no controle da uniformidade da espessura do filme usando a matriz Centrex de três camadas e a tecnologia IBC (resfriamento interno do balão), em conjunto com o anel de ar Triple Lip. A linha piloto é um sistema de 300 mm de diâmetro. Embora a linha piloto seja muito menor do que a linha de produção existente na Mid South Extrusion, a Davis-Standard usou a informação obtida nos ensaios e desenvolveu uma solução para a linha existente, a qual inclui conjunto de novas roscas e cilindros, sopradores e controles para acompanhar a nova matriz e anel de ar. A matriz Centrex é reconhecida por grandes volumes de IBC (resfriamento interno do balão) e taxas de produção aumentadas, enquanto o anel de ar Triple Lip fornece um resfriamento superior e controle da espessura. Tanto a matriz como a anel de ar tem tido um um bom desempenho desde que foram testados no outono passado.

A adição do filme de engenharia ExtrudTuff dá à Mid South Extrusion uma vantagem ainda maior no mercado de filmes de embalagem, proporcionando propriedades físicas melhores que os filmes de polietileno tradicionais.

Fonte: Davis Standard

Curta nossa página no

Encontro Nacional de Ferramentarias debateu perspectivas para o setor

23/05/2012

Evento reuniu representantes da área e discutiu as estratégias para manutenção e expansão das empresas

O 5º Enafer – Encontro Nacional de Ferramentarias, promovido pela – Abinfer – Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais e Virfebras – Organização Virtual de Ferramentarias do Brasil reuniu cerca de 200 empresários e representantes do setor no auditório da CIC – Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul – RS, durante o dia 18 de maio.

O centro dos debates do evento foi a elaboração de estratégias para o fortalecimento das ferramentarias no país, através da parceria entre entidades representativas, instituições públicas e privadas. É a segunda vez que Caxias do Sul recebe o Enafer, na condição de ser uma das cidades brasileiras mais proeminentes para o setor.

Avaliação dos representantes do setor

Gelson Oliveira, coordenador do evento, salientou que o evento proporciona a união entre representantes de setores para proporcionar o desenvolvimento das ferramentarias. “Esta é uma oportunidade para buscarmos parceiros que se comprometam com a sustentabilidade das ferramentarias, tanto entre representantes do setor como nas esferas de governo”, apontou.

Christian Dihlmann, presidente da Abinfer ressaltou o motivo da escolha de Caxias do Sul como sede do Encontro e a importância do evento.“Mais uma vez escolhemos Caxias pela pujança e pelo nível de organização. O Enafer vem se consolidando como um espaço para debatermos estratégias de perpetuação de nossas empresas. É um momento em que se faz necessário o comprometimento de governantes e parlamentares. Não avançaremos apenas discutindo internamente em nossas empresas”, avaliou.

Orlando Marin, presidente do presidente do Simplás – Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho – avaliou o cenário em que se encontram as empresas do setor ferramenteiro. “Nossas feramentarias precisam melhorar em muito. Não representamos empresas poderosas. Cerca de 90% de nossos associados possuem cerca de 100 funcionários. O trabalho está desvalorizado. Percebemos que não há cultura do trabalho. Um país para se desenvolver precisa de indústria”, ponderou.

O presidente do Simecs – Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul,  Getúlio Fonseca,  enfatizou a relevância das ferramentarias entre os associados da entidade. “Temos nosso quadro, cerca de 300 ferramentarias associadas, responsáveis por cerca de 8 mil postos de trabalho”, considerou.

Getúlio Paulo Zluhan, da Acij – Associação Empresarial de Joinville, ressaltou que a realização dos Encontros são fundamentais para a manutenção das ferramentarias. “A importância dos temas debatidos e a continuidade das ações definidas no Enafer têm promovido sobrevida e esperança às nossas empresas”, observou.

Cadastro valoriza empresas nacionais

Um dos palestrantes 5º Enafer, Jeovanildo Farias da Silva, do departamento de Cadastro Industrial da Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, apresentou durante o evento, o Datamaq, um banco de dados da entidade para a consulta de máquinas e equipamentos disponível às empresas associadas à entidade.

O cadastro é o maior banco de dados de máquinas e equipamentos da América Latina, que possibilita fornecer ao mercado informações precisas sobre as empresas, possibilitando a geração de negócios. “No Datamaq, temos informações padronizadas de 4 mil e 500 empresas. Qualquer empresa nacional que fabrica máquinas e equipamentos pode estar no cadastro. Atualmente temos 24 mil registros de produto, com informações padronizadas. O cadastro valoriza os fabricantes nacionais e inibe as importações”, expôs.

Rede Senai de Ferramentaria

Os representantes do Senai – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, Rolando Vallejose Luiz Eduardo Leãoexpuseram aos presentes a estrutura e a capacidade da instituição em oferecer suporte às indústrias e formação técnica e comportamental aos profissionais que atuarão nas ferramentarias através da rede Senais de Ferramentaria.

“Nesse momento em que os olhos do mundo estão voltados para o Brasil, considerando a possibilidade do país se tornar um grande player mundial, o Senai pode contribuir para o fortalecimento da indústria de Ferramentaria no Brasil provendo soluções em pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica e a melhoria de processos e produtos. Através da rede Senai de Ferramentaria, podemos promover capacitação, assessoria e consultoria, certificação e serviços técnicos especializados, alinhado às expectativas e demandas atuais e futuras do setor”, ressaltaram.

Procedimentos para Validação de Importação de Ferramentais e Regulamentação da Importação de Peças Automotivas

Paulo Braga, da Abinfer, conduziu o painel ”Procedimentos para Validação de Importação de Ferramentais e Regulamentação da Importação de Peças Automotivas”. Braga abordou a necessidade da união entre o setor em todos os Estados para que as reivindicações das empresas encontrem respaldo no Governo Federal. “O setor das ferramentarias está presente no Brasil há mais de 50 anos. Temos desenvolvimento tecnológico. Não perderemos para a China. É necessário formarmos uma massa crítica no setor ferramenteiro, em todo o pais. Só assim seremos ouvidos em Brasília”, enfatizou.

Além disso, Braga apresentou o trabalho desenvolvido por um Grupo de Trabalho no MDIC – Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O documento é um diagnóstico de fatores que prejudicam a competitividade das autopeças produzidas no Brasil e contempla uma série de medidas que deverão ser adotadas pelo Governo Federal para o fortalecimento desse segmento em que estão inseridas as ferramentarias.

Composição de custos de produção e impacto no setor ferramenteiro

Um dos destaques do Encontro foi a realização de uma mesa redonda sobre a Composição de Custos de Produção e Impacto no Setor Ferramenteiro, com exemplo de custos de componentes na fabricação de um veículo e impacto na cadeia produtiva. Na oportunidade foi apresentado um paralelo de custos entre a fabricação de moldes para a linha automotiva no Brasil e na China.

A diferença entre os valores pesou em três quesitos: preço do aço, valor da mão de obra e o custo da carga tributária em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). O estudo constatou que o aço custa mais de 5 vezes no Brasil, ao passo que a carga tributária que pesa para os empresários brasileiros é 2,1 vezes maior do que para os chineses. Já os encargos trabalhistas pagos no Brasil – INSS, FGTS, 13º salário e férias – contribuem definitivamente para a enorme diferença constatada na produção de um molde entre os dos países.

Reivindicações ao Governo Federal

O representante do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Edilson Urbano, considerou a necessidade de ampliar a representatividade para o setor ferramenteiro. “Quando recebemos as entidades em Brasília, precisamos saber os números que elas representam em quantidade de empresas e de empregos gerados. A partir daí, com a noção proporcionada pelos números, podemos encaminhar as necessidades do setor no Ministério”, destacou.

Ao final do evento, os participantes deliberaram os próximos locais que receberão o Encontro. Ficou definido que em 2013, o Enafer será realizado em São Paulo (SP) e em Joinville (SC) em 2014. Em 2015, o Encontro Nacional de Ferramentarias retorna à Caxias do Sul (RS) para a realização de sua 8ª edição.

A realização do 5º Enafer contou com apoio especial do Simplás – Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho, Plastech Brasil 2013 – Feira de Tecnologias para Termoplásticos e Termofixos, Moldes e Equipamentos, Simecs – Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul e Acij – Associação Empresarial de Joinville.

Fonte: Núcleo Comunicação e Marketing

Curta nossa página no

EuroMold Brasil tem expositores internacionais confirmados

17/05/2012

A 1ª edição da EuroMold Brasil – Feira Internacional de Fabricantes de Ferramentas e Construtores de Moldes, Desenho e Desenvolvimento de Produtos, viabilizada por meio de parceria entre a organizadora alemã DEMAT e a Messe Brasil, já conta com mais 1000 m² de área comercializados. Expositores brasileiros, alemães, norte-americanos e sul-coreanos já confirmaram presença no evento, que acontece entre os dias 20 e 24 de agosto de 2012 e deve reunir cerca de 90 empresas.

Realizada há 17 anos em Frankfurt, na Alemanha, a EuroMold é uma das principais feiras de ferramentais, moldes e design da Europa, EUA, África do Sul, Rússia, Índia e China. Para a edição latino-americana, o Brasil foi o país escolhido para sediar o evento por concentrar grandes polos industriais e por ser um mercado promissor para esse segmento.

Em sua primeira edição, a EuroMold Brasil acontecerá em paralelo à Interplast – Feira e Congresso de Integração da Tecnologia do Plástico e o Cintec Plástico – Congresso de Inovação Tecnológica. “Os eventos devem atrair um público especializado do Brasil e de outros países, interessado em conhecer as mais recentes tecnologias na fabricação de moldes e desenvolvimento de produtos”, comenta Richard Spirandelli, diretor da Messe Brasil.

Novidades e produtos

O Senai participa da primeira EuroMold Brasil e aproveita a oportunidade para divulgar a Rede Senai de Ferramentaria, focada no apoio tecnológico para o setor. “Dispomos de capacitações e soluções tecnológicas para as empresas, numa iniciativa de contribuição para o fortalecimento do setor”, afirma Luiz Eduardo Leão, analista de desenvolvimento industrial do Senai Nacional. Durante o evento, o estande da entidade contará com um ciclo de palestras para divulgação dos projetos. “Cada estado já conta com iniciativas isoladas de apoio ao segmento de ferramentarias. Agora, queremos unir as diferentes competências do país e criar soluções consolidadas em âmbito nacional”, enfatiza o analista.

A Metalthaga expõe na EuroMold Brasil ligas especiais de alumínio para moldes, com destaque para peças de grande porte, como blocos de até 1100 mm de espessura. Para Eduardo Hanauer, gerente de logística da Metalthaga, a feira é uma oportunidade para a empresa mostrar seus produtos e tecnologias para outros países. “Hoje, o Brasil é referência econômica mundial e, com certeza, fortalecerá e ampliará novos nichos de mercado”, acrescenta. Especializada no fornecimento de ligas especiais de alumínio para moldes (5052, 5083, 6082, C-250, C-330R, C-210R, Alcast, Certal) cortadas e fabricadas sob medida para as indústrias naval, metal-mecânica, moldes e matrizes, calçadista, entre outras. Dispõe também, tarugos, barras e perfis fabricados e cortados sob medida (liga 6082, 6351, 6061), conforme a necessidade do cliente. A empresa possui fundição de alumínio sob pressão, peças moldadas e fundidas, blocos e discos fundidos, e cobre latão e bronze em diversas medidas.

A estreia da Artis Matriz em feiras está programada para a EuroMold Brasil. Especializada na fabricação de moldes e ferramentas, a empresa fornece para grandes clientes de diversificados segmentos como linha branca, cosméticos, hidrômetros, eletroeletrônico e construção civil, e quer aproveitar a feira para identificar o que o mercado busca em termos de tecnologia. “Acreditamos no evento como meio de acesso a contatos de empresas do setor, troca de tecnologia e possibilidade de parcerias internacionais, além do relacionamento com futuros clientes”, comenta Mário Paiva, comercial da Artis Matriz. Atualmente, a empresa segue a tecnologia européia no desenvolvimento de seus produtos. Conta inclusive com parcerias técnicas de clientes que colaboram com os projetos. “Dispor de tecnologia de ponta é fundamental para uma empresa desse segmento fornecer para grandes marcas nacionais e internacionais instaladas no Brasil. Esse é um diferencial que buscamos aprimorar continuamente para manter a competitividade”, acrescenta Paiva.

A SKA, líder no fornecimento de tecnologia para as engenharias brasileiras, leva para a EuroMold Brasil o portfólio de soluções em tecnologia de software para projeto 3D e usinagem de moldes. Outro grande destaque deste ano será a apresentação da linha de impressoras 3D e sistemas de produção Stratasys, que permitem a criação rápida de protótipos de peças antes que os moldes sejam usinados. “As peças feitas nas impressoras Stratasys são fortes o suficiente para testes em condições reais. Os protótipos podem ser usinados, cromados, pintados, perfurados e os equipamentos trabalham com termoplásticos nobres de engenharia (ABS-M30i, ABSi, ABS-ESD7, Ultem 9085)”, explica Gabriel Diehl Fleig, gerente de marketing da SKA. A Stratasys é líder mundial em tecnologia para criação de protótipos 3D funcionais e a SKA, desde o início de 2012, é a revenda da marca para todo o Brasil, dispondo de uma base instalada no país com mais de 100 equipamentos. Na área de projetos, a SKA divulga o SolidWorks, sistema CAD mais utilizado no mundo para projetos mecânicos e o Imold, aplicativo que roda integrado ao SolidWorks e que adiciona ferramentas de produtividade dedicadas aos projetos de moldes. Para usinagem divulga o Edgecam, software para programação CNC, líder de mercado.

Sobre a EuroMold Brasil

A EuroMold Brasil é a principal feira de moldes do mundo com origem e Frankfurt na Alemanha, expandida para todos os continentes. É viabilizada por meio de parceria entre a DEMAT, organizadora alemã do evento, e a Messe Brasil, umas das principais organizadoras de feiras do Sul do país. Para a estreia do evento no mercado nacional são aguardadas 90 empresas, ocupando espaço de 4.000 m². Já confirmaram participação expositores brasileiros, alemães, norte-americanos e sul-coreanos.

Fonte: Messe Brasil

Curta nossa página no

Fabricante de Matrizes Planas EDI é comprada por Bertram Capital, nos Estados Unidos.

06/01/2011

CHIPPEWA FALLS, Wisconsin, EUA, 6 de janeiro de 2011: A Extrusion Dies Industries, LLC (EDI), importante fornecedora internacional de matrizes para revestimento e extrusão plana, anunciou hoje que concordou em ser adquirida pela Bertram Capital, empresa de capital privado com sede em San Mateo, Califórnia, EUA.

A Bertram Capital assumirá a propriedade da EDI de um grupo chefiado por quatro investidores que planejaram uma aquisição de ações pelos administradores da empresa em 2003. Em 2008,  três dos quatro investidores  assumiram cargos de membros do conselho e entregaram as operações diárias definidas a uma equipe de administração chefiada pelo quarto proprietário, John A. Ulcej, que permanecerá em posição de liderança na EDI após a mudança de propriedade.

“A equipe de administração que tem sido fundamental para o sucesso da EDI nos últimos anos permanecerá nos postos, bem como nossos 240 funcionários nos EUA, Europa e na Ásia,” disse Ulcej.

A aquisição ocorre após um período de sete anos desde a compra de ações pela administração, na qual a EDI cresceu em casa e no exterior, desenvolveu inovações de sucesso, adquiriu dois negócios e viveu um crescimento anual das vendas de mais de 125%. “A EDI agora está mais forte do que nunca em seus 40 anos,” disse Ulcej. “A Bertram Capital, com seus amplos recursos e comprometimento em ajudar empresas rentáveis a ampliarem sua capacidade, possibilitará que a EDI se expanda e se diversifique ainda mais agressivamente.”

Kevin Yamashita, associado na Bertram Capital, acrescentou: “Estamos muito empolgados em ter a oportunidade de trabalhar com a equipe da EDI e de participar deste futuro crescimento. A empresa tem um posicionamento único no setor por meio de sua excelência em engenharia, pela qualidade dos produtos e por relacionamentos duradouros com clientes que são fundamentais para seu sucesso continuado.”

A EDI é especializada na construção e acabamento de matrizes planas, que são ferramentas de molde para que os fabricantes produzam filme e lâmina plástica ou para aplicar revestimentos em vários substratos. A empresa tem sua sede em Chippewa Falls, WI – EUA desde sua fundação em 1971, mas atualmente vende mais da metade de suas matrizes em mais de 50 países fora dos EUA.

A EXTRUSION DIES INDUSTRIES, LLC é uma das principais fornecedoras internacionais de matrizes planas para lâminas, filmes, revestimento por extrusão, revestimento fluido e peletização. A empresa projeta e fabrica matrizes, blocos de alimentação, sistemas de anteparos, câmaras de vácuo e equipamentos associados. Suas subsidiárias incluem a EDI GmbH em Reichshof-Wehnrath, Alemanha, e a EDI China em Xangai. Nos Estados Unidos, Alemanha e China, a EDI opera instalações dedicadas à recuperação de suas próprias matrizes e de matrizes fabricadas por outros fornecedores, além de ter licenciado uma quarta fábrica de recuperação no Japão. Com sede em Chippewa Falls, Wisconsin, EUA, a EDI está focada em abastecer o mercado global.

A BERTRAM CAPITAL é uma empresa de investimento de capital privado com mais de US$ 850 milhões em capital sob sua administração. Fundada em 2006, a missão da Bertram Capital é gerar valor para os acionistas, funcionários, clientes e associados, ajudando empresas rentáveis a realizar seu potencial pleno.

Fonte: Martino Communications.