Posts Tagged ‘Máquinas Ferramenta’

Entrada de Pedidos das Indústrias Romi no 3o. Trimestre de 2018 cresce 40,5% em relação ao mesmo período de 2017

12/11/2018

As Indústrias Romi S.A., empresa líder brasileira na fabricação de máquinas-ferramenta, máquinas para plásticos e fundidos e usinados, registrou entrada de pedidos de R$ 216,6 milhões no 3o. Trimestre de 2018, montante 40,5% superior ao obtido no mesmo período do ano anterior, resultado do lançamento de novos produtos e da recuperação gradual da economia em 2018.

A receita operacional líquida da Unidade de Negócio Máquinas Romi atingiu R$ 97,5 milhões no 3o. Trimestre de 2018, apresentando um aumento de 35,3% quando comparado com o mesmo período de 2017, refletindo o crescimento na entrada de novos pedidos ocorrida desde o 2o. Trimestre de 2018. Esse incremento no volume de pedidos e, consequentemente, da receita operacional líquida, demonstram que está havendo uma recuperação econômica e industrial de maneira sólida e gradual, além da continuidade na consolidação da marca Romi no mercado externo. As margens bruta e operacional dessa unidade de negócio, no mesmo período de comparação também demonstraram evolução de 9,6 % e 9,8 %, respectivamente.

O faturamento da subsidiária alemã B+W, em Reais, apresentou no 3o. Trimestre de 2018 volume 40,8% superior ao observado no 3o. Trimestre de 2017 (13,6% quando a comparação é feita em Euros). Por fim, a receita operacional líquida da unidade Fundidos e Usinados foi de R$49,6 milhões no 3o. Trimestre de 2018, o que representa uma redução de 8,4% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, decorrente, em sua maioria, da redução no volume de peças fundidas e usinadas de grande porte. Por outro lado, parte dessa redução está sendo compensada pela melhoria no volume da demanda gerada em 2018 pelos setores automotivo comercial e de máquinas para movimentação de terra.

A margem bruta de 29,4% obtida no 3o. Trimestre de 2018 apresentou incremento de 0,5 pontos percentuais em relação ao 3o. Trimestre de 2017. Já a margem operacional (EBIT) quando comparada ao 3o. Trimestre de 2017 apresentou queda de 1,1 ponto percentual.

“Em 2018 pode-se notar uma aceleração na quantidade de negócios gerados no mercado doméstico. Nosso time continua focado em deixar nossa estrutura ainda mais leve, ágil e flexível para responder rapidamente as essas oscilações da demanda, buscando assim capturar, com excelência, todas as novas oportunidades” menciona Luiz Cassiano Rosolen, diretor-presidente da Romi.

Fonte: Indústrias Romi

Curta nossa página no

Anúncios

Margens operacionais da Romi evoluem e Ebitda atinge 13,0% no 3o. Trimestre de 2017

25/10/2017

Resultado representa crescimento de 12,6 pontos percentuais em relação ao 3o. Trimestre de 2016

A Indústrias Romi S.A., empresa líder brasileira na fabricação de máquinas-ferramenta, máquinas para plásticos e fundidos e usinados, registrou no terceiro trimestre de 2017 receita operacional líquida de R$168,0 milhões, montante 9,6% superior ao alcançado no 3o. Trimestre de 2016. Esse incremento foi devido ao aumento do faturamento das unidades Máquinas Romi e Máquinas Burkhardt+Weber.

A margem bruta obtida no 3o. Trimestre de 2017 foi de 28,9%, resultado 8,9 p.p superior ao 3o. Trimestre de 2016. A geração operacional de caixa medida pelo Ebitda foi de R$ 21,9 milhões, representando uma margem Ebitda 13,0% no 3o. Trimestre de 2017, que representou um crescimento de 12,6 pontos percentuais em relação ao 3o. Trimestre de 2016.

A receita operacional líquida da Unidade Máquinas Romi atingiu R$ 72,1 milhões no 3o. Trimestre de 2017, montante 12,7% superior ao 3o. Trimestre de 2016, reflexo das receitas do mercado externo, assim como o mix de produtos, com uma composição de máquinas com maior valor agregado. A Margem Ebitda dessa unidade de negócio no 3o. Trimestre de 2017 alcançou 10,2%, índice 17,2 p.p. maior do que o alcançado no 3o. Trimestre de 2016, resultado dos ajustes operacionais ocorridos no final de 2016, das reduções de custos e despesas e do mix de produtos.

O faturamento da subsidiária alemã B+W apresentou no 3o. Trimestre de 2017, quando comparado com o 3o. Trimestre de 2016, aumento de 57,1%, demonstrando que o faturamento tem refletido a sólida entrada e carteira de pedidos para o exercício de 2017. A margem Ebitda da B+W no 3o. Trimestre de 2017 apresentou crescimento de 12,1 p.p. em relação ao 3o. Trimestre de 2016, alcançando 6,7%.

No 3o. Trimestre de 2017, a margem Ebitda da Unidade Fundidos e Usinados alcançou 21,6%, crescimento de 11,3 pontos percentuais quando comparada com o 3o. Trimestre de 2016. Por outro lado, a receita operacional líquida foi de R$ 54,2 milhões no 3o. Trimestre de 2017, o que representa redução de 13,7% em relação ao mesmo período do ano anterior, decorrente, em sua maioria, da redução no volume de pedidos de peças fundidas e usinadas de grande porte.

“A atividade econômica continua apresentando grandes desafios e incertezas. Diante desse cenário, os esforços realizados pela Companhia continuam focados em otimizações, principalmente das estruturas indiretas, que podem ser percebidos nos primeiros nove meses de 2017, onde as margens operacionais continuam evoluindo e a dívida líquida sendo reduzida. A melhora nos dados macroeconômicos ainda não se materializou de maneira plena no volume de entrada de pedidos da Unidade de Máquinas Romi, embora seja possível notar uma evolução mais significativa na Unidade de Fundidos e Usinados, principalmente nos segmentos automotivo-comercial e agrícola” menciona Luiz Cassiano Rosolen, Diretor-Presidente da Romi.

Fonte: Romi

Curta nossa página no

Margens operacionais da Romi seguem evoluindo e Ebitda atinge 12,1% no 2o. Trimestre de 2017

14/08/2017

A Indústrias Romi S.A., empresa líder brasileira na fabricação de máquinas-ferramenta, máquinas para plásticos e fundidos e usinados, registrou no segundo trimestre de 2017 receita operacional líquida de R$163,8 milhões, montante 9,1% superior ao alcançado no 2o. Trimestre de 2016. Esse incremento foi devido principalmente ao faturamento da unidade de Fundidos e Usinados, que tem aumentado o seu volume de receita desde o início de 2016.

A margem bruta obtida no 2o. Trimestre de 2017 foi de 28,9%, resultado 5,5 p.p superior ao segundo trimestre de 2016. A geração operacional de caixa medida pelo Ebitda foi de R$ 19,9 milhões, representando uma margem Ebitda 12,1% no 2o. Trimestre de 2017.

A receita operacional líquida da Unidade Máquinas Romi atingiu R$ 65,1 milhões no 2o. Trimestre de 2017, montante praticamente estável em relação ao 2o. Trimestre de 2016, demonstrando que o cenário doméstico ainda apresenta baixo nível de investimentos. As receitas do mercado externo continuam demonstrando solidez, e apresentaram crescimento de cerca de 4,0% em dólares no 1o. Semestre de 2017, quando comparado com o mesmo período de 2016.

O faturamento da subsidiária alemã B+W apresentou no 2o. Trimestre de 2017, quando comparado com o 2o. Trimestre de 2016, aumento de 2,5% em Reais. Nesse mesmo período de comparação, porém, em Euro, esse incremento foi de 9,5%, demonstrando que o faturamento tem refletido a sólida carteira de pedidos para o exercício de 2017.

No 2o. Trimestre de 2017, a receita operacional líquida da unidade Fundidos e Usinados foi de R$ 64,3 milhões, o que representa aumento de 23,0% em relação ao 2o. Trimestre de 2016. Número é decorrente, principalmente, do aumento de pedidos de peças fundidas e usinadas para os segmentos automotivo comercial e agrícola. A margem bruta dessa Unidade de Negócio no 2o. Trimestre de 2017 foi de 27,5%, apresentando aumento de 10,8 pontos percentuais em relação ao 2o. Trimestre de 2016 devido ao maior volume de receita e de produção e aos ajustes operacionais voltados para a evolução da eficiência.

“Mesmo em um cenário de fraca atividade econômica, os esforços realizados pela Companhia nas diversas otimizações, principalmente das estruturas indiretas, puderam ser percebidos no resultado positivo do primeiro semestre de 2017, onde as margens operacionais continuam evoluindo e a dívida líquida sendo reduzida. De maneira geral, o mercado doméstico tem mostrado uma melhora muito tímida, sinalizando um segundo semestre ainda bastante desafiador, especialmente para a unidade de Máquinas Romi. Ações voltadas para geração de caixa e em medidas para permitir uma resposta rápida às volatilidades da demanda de mercado continuarão sendo o foco da Romi” menciona Luiz Cassiano Rosolen, diretor-presidente da Romi.

Fonte: Romi

Curta nossa página no

Romi apresenta evolução nas margens operacionais e Ebitda atinge R$10,8 milhões no 1o. trimestre de 2017

03/05/2017

Companhia registrou evolução nas margens operacionais de todas as suas Unidades de Negócio no 1T17

A Indústrias Romi S.A., líder brasileira na fabricação de máquinas-ferramenta, máquinas para plásticos e fundidos e usinados, registrou no primeiro trimestre de 2017 receita operacional líquida de R$146,5 milhões, montante 12,9% superior ao alcançado no 1T16. O aumento é resultado, principalmente do faturamento da subsidiária alemã B+W, que terminou o ano de 2016 com crescimento relevante em sua carteira de pedidos que estão sendo entregues ao longo de 2017 e da Unidade de Fundidos e Usinados, que tem aumentado o seu volume de receita desde o início de 2016.

A margem bruta obtida no 1T17 foi de 24,7%, resultado 4,5 p.p superior ao mesmo período do ano anterior. A geração operacional de caixa medida pelo EBITDA foi de R$ 10,8 milhões, representando uma margem EBITDA 7,4% no 1T17.

A receita operacional líquida da Unidade Máquinas Romi atingiu R$59,3 milhões no 1T17, o que representou redução de 12,2% em relação ao 1T16. Apesar do baixo nível de investimentos no cenário doméstico, as receitas do mercado externo continuam demonstrando solidez e apresentaram crescimento de cerca de 6%, em dólares, no 1T17, quando comparado com o 1T16.

O faturamento da subsidiária alemã B+W apresentou aumento de 37,5% no 1T17, quando comparado com o mesmo período do ano anterior, evidenciando a sólida carteira de pedidos dessa subsidiária e correspondendo a expectativa e cronograma de faturamento para 2017. Devido ao maior volume de operação e de receita, a Unidade de Negócio obteve margem bruta de 21,4% no 1T17, o que representa incremento de 20,0 pontos percentuais em relação ao 1T16.

Com bom volume de atividade, impulsionada por peças fundidas e usinadas de grande porte, a Unidade de Fundidos e Usinados obteve receita operacional líquida de R$57,3 milhões no 1T17, o que representa aumento de 41,6% em relação ao 1T16. No mesmo período, a margem bruta dessa unidade foi de 14,2%, apresentando aumento de 2,4 pontos percentuais em relação ao 1T16, devido, principalmente, ao seu maior volume de receita.

“Os impactos positivos de uma equipe focada em rentabilidade, com diversos projetos que consideram adequações operacionais, redução de custos e despesas e investimentos em automação e produtividade, já podem ser notados em nossos níveis de rentabilidade nesse primeiro trimestre de 2017”, afirma Luiz Cassiano R. Rosolen, Diretor-Presidente da Romi.

Fonte: Romi

Curta nossa página no

Romi realiza Open House em sua subsidiária do Reino Unido

19/03/2013

Objetivo é estreitar relacionamento com clientes das marcas Romi e Sandretto

A Romi abriu as portas de suas instalaçôes de Rugby, no Reino Unido, e mostrou sua experiência no desenvolvimento e fabricação de máquinas injetoras e máquinas-ferramenta de alta qualidade e desempenho. O Open House visou fortalecer a posição de mercado das marcas Romi e Sandretto e reforçar a relação com os clientes daquele mercado.

A experiência e cooperação entre Romi, Sandretto e fornecedores qualificados resulta na capacidade da empresa em oferecer a seus clientes pacotes turn-key, o que tem se demonstrado um requisito importante para os clientes. Juntas, Romi e Sandretto tem mais de 180 mil máquinas vendidas em todo o mundo. “É a força e confiança nas marcas que os clientes tem procurado quando da escolha de um fornecedor de máquinas”, diz a gerente de vendas Internacionais da Romi, Mônica Romi Zanatta.

Presente no mercado externo desde 1944, a Romi possui subsidiárias localizadas nos EUA, Itália, Alemanha, Inglaterra, Espanha, França e México. Com a aquisição dos ativos da Sandretto, em 2008, a Romi reforçou sua presença em todo o mundo.

Neste Open House, as seguintes máquinas foram demonstradas:

Injetoras para plásticos:
– Sandretto PRIMAX H 220
– Sandretto EN 150 e 200
– Sandretto EL 150
Estas máquinas são comercializadas no Brasil com a marca Romi.

Máquinas-ferramenta:
– ROMI C 420
– ROMI GL 240M
– ROMI D 800
A linha ROMI C é comercializada no Brasil com a marca Centur.

Fonte:  Romi

Curta nossa página no

Romi leva suas principais linhas de máquinas para a Feira Emaqh 2011 em Buenos Aires

24/03/2011

Empresa investe no mercado argentino e conta com sua representante Favel para aumentar participação no País

A Romi participará da Emaqh 2011, que será realizada entre os dias 25 e 30 de março de 2011, em Buenos Aires, Argentina. A Companhia, representada naquele País pela Favel Argentina S.A., estará no estande E70, no pavilhão Azul, onde apresentará o centro de usinagem vertical ROMI D 800, os centros de torneamento ROMI GL 280M e GL 240, o torno CNC ROMI C 1000 (no Brasil, este modelo chama-se Centur 50) e a Injetora Prática 80.

Presente no mercado Argentino há muitos anos, a Romi participará da Emaqh 2011 objetivando reforçar a presença da marca e de seus produtos em todo o território do País vizinho. Com suporte comercial completo, a Romi ainda conta com a vantagem estratégica de estar próxima à Argentina, o que traz facilidade logística para a sua expansão naquele território. “Vamos levar todo o nosso portfólio de máquinas, equipamentos e serviços e contribuir com a retomada da atividade industrial na Argentina”, afirma o diretor de Comercialização de Máquinas da Romi, Hermes Lago.

Em sua 24º edição, a Emaqh é a mais importante exposição da indústria de máquinas-ferramenta de Buenos Aires. O evento conta com a presença das principais empresas e representantes do setor de máquinas-ferramentas e ferramentarias da Argentina.

Fonte: Romi

Romi atinge a marca de 150 mil máquinas produzidas.

18/06/2010

Marco histórico na trajetória da Romi e da indústria brasileira de máquinas reflete a capacidade produtiva e solidez da Companhia em seus 80 anos de atuação

Indústrias Romi, empresa líder brasileira no setor de máquinas-ferramenta e máquinas para processamento de plásticos, acaba de atingir a marca de 150 mil máquinas produzidas nas suas unidades fabris.

Para comemorar o fato, a Romi, que este ano completa 80 anos de atuação, realizou evento na Unidade Fabril 16, em Santa Bárbara d’Oeste, para a entrega simbólica do equipamento. Trata-se de um Centro de Usinagem Vertical ROMI D 800, entregue na presença de diretores e colaboradores, aos representantes da empresa ZHS Indústria e Comércio Ltda., compradora, bem como do BNDES, banco que financiou a compra do equipamento.

Durante a cerimônia, o diretor-presidente da Romi, Livaldo Aguiar dos Santos, falou aos presentes sobre a importância dos princípios empresariais na condução dos negócios da Companhia. Para ele, “o crescimento da Romi está diretamente relacionado a um sólido e ético conjunto de valores, baseado em princípios empresariais que se aliam à criatividade e à inovação para formar conceitos fundamentais que regem nosso dia-a-dia”.

Santos ressalta ainda a importância das pessoas, que, como fonte constante de geração de ideias, motivam investimentos permanentes em capacitação, treinamento e qualificação profissional. “Nestes 80 anos, passaram pela Romi mais de 25 mil colaboradores, muitos dos quais com 30, 40 e 50 anos de dedicação, e hoje nos transformamos em 2.800 colaboradores, atuando no Brasil, Itália, Alemanha, Inglaterra, França, Espanha e EUA, compartilhando uma única cultura voltada para a inovação e qualidade”, completa Santos.

Presente no mercado internacional desde 1944, a Romi é a maior fabricante brasileira de máquinas-ferramenta (tornos e centros de usinagem) e máquinas para plásticos (injetoras e sopradoras), Suas instalações totalizam mais de 140 mil metros quadrados de área construída, distribuídos em nove plantas localizadas nas cidades de Santa Bárbara d’Oeste, SP – sede da empresa -, Grugliasco e Pont Canavese, na região de Turim, Itália. Além disso, a empresa mantém subsidiárias comerciais nos Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido, Espanha e França, e produtos e serviços presentes em mais de 60 países.

Fonte: Indústrias Romi