Posts Tagged ‘Lanxess’

Com segundo trimestre forte, Lanxess espera ganhos recordes para 2017

22/08/2017

  • Vendas subiram 30% chegando a 2.5 bilhões de Euros
  • Ebitda pré-excepcional cresceu 25,3% chegando em 367 milhões de Euros
  • Margem Ebitda pré-excepcional de 14.6%
  • Aquisição da Chemtura garantiu uma contribuição significativa aos resultados
  • Nova estrutura de negócios reportada
  • Lucro líquido pré-excepcional cresceu 75% alcançando 141 milhões de Euros
  • Previsão para o ano de 2017 confirmada: Ebitda pré-excepcional entre 1.225 bilhão e 1,3 mil milhões de Euros

Após um excelente segundo trimestre, a Lanxess, empresa de especialidades químicas, continua acreditando que terá os melhores resultados de sua história nesse ano.

As vendas globais da empresa aumentaram quase 30% alcançando US$ 2,5 bilhões, ante US$ 1,9 bilhão do ano anterior. O Ebitda pré-excepcional melhorou em cerca de 25%, chegando a 367 milhões de Euros, contra 293 milhões de Euros do trimestre anterior. Esse crescimento deve-se principalmente a contribuição dos negócios da Chemtura, empresa recentemente adquirida, bem como em função de maiores volumes e preços de venda. A margem Ebitda do segundo trimestre de 2017 situou-se em 14,6%, um pouco abaixo do alto valor de 15,1% reportado no período anterior.

“Nossa estratégia de crescimento está em evolução. Nosso forte desempenho operacional e as aquisições lucrativas são a base para esses sólidos resultados do segundo trimestre. Os recém-adquiridos negócios da Chemtura já estão garantindo uma contribuição significativa aos lucros, além de outras áreas do nosso portfólio de produtos também estarem se desenvolvendo positivamente”, explica Matthias Zachert, CEO da Lanxess.

Devido a um encargo excepcional, o lucro líquido foi de 3 milhões de Euros, após 75 milhões de Euros computados no trimestre anterior. A aquisição da Chemtura e o fechamento planejado da produção de produtos químicos de cromo no site de Zárate, na Argentina, que ocorrerá no quarto trimestre de 2017, ajudaram no incremento do lucro líquido pré-excepcional em torno de 75% para 141 milhões de euros, contra 80 milhões no segundo trimestre de 2016.

“Estamos no caminho certo e continuamos a esperar ganhos recordes durante todo o ano. No entanto, em comparação com o forte ano anterior, estamos antecipando um pequeno enfraquecimento dos resultados no segundo semestre de 2017”, complementa Zachert.

A Lanxess continua a prever o Ebitda pré-excepcional para todo o ano 2017 entre EUR 1.225 bilhão e EUR 1.3 bilhões. Esse seria o melhor resultado da empresa desde 2012, quando registrou um valor de cerca de 1,2 bilhões de Euros.

Nova estrutura

No final de abril, a Lanxess completou a aquisição da empresa química americana, Chemtura, e posteriormente ajustou a estrutura de negócios do Grupo. Como efeito imediato, a empresa reporta cinco segmentos que compreendem um total de doze unidades de negócio.

O segmento Advanced Intermediates abrange os negócios intermediários e agroquímicos. O novo segmento Specialty Additives agrupa todas as atividades de aditivos. O segmento Performance Chemicals é composto pelas unidades de negócios responsáveis por pigmentos de cor, produtos químicos de couro, produtos de proteção de materiais e tecnologias de tratamento de água. O segmento Engineering Materials abrange os negócios de plásticos de alta performance e uretanos. A Arlanxeo engloba o negócio de borrachas sintéticas. No relatório do segmento, os valores do ano anterior foram atualizados conforme a necessidade.

Vendas substancialmente maiores em todos os segmentos

No segundo trimestre de 2017, as vendas do segmento Advanced Intermediates foram de 505 milhões de Euros, 14% superior ao ano anterior que registrou 443 milhões de Euros. O Ebitda pré-excepcional cresceu 10,2% para 97 milhões de Euros, em comparação aos 88 milhões de Euros computados no ano anterior. Os resultados positivos se deram especialmente pelo aumento dos preços de venda dos produtos e pela contribuição da nova unidade de negócios Organometallics. A margem Ebitda pré-excepcional foi de 19,2%, contra 19,9 registrado no trimestre anterior.

O novo segmento Specialty Additives registrou vendas de 440 milhões de Euros, um crescimento de 106,6% quando comparado ao ano anterior, que registrou 213 milhões de Euros. O Ebitda pré-excepcional chegou a 75 milhões de Euros, registrando um crescimento de 67% quando comparado ao ano anterior, que contou com resultados de 45 milhões. Esse desenvolvimento positivo deu-se principalmente em função da aquisição dos negócios da Chemtura. Volumes de venda maiores também afetaram os resultados. A margem Ebitda pré-excepcional de 17% foi inferior ao alto nível de 21,1% relatado no trimestre anterior.

As vendas no segmento Performance Chemicals aumentaram em 11,2%, alcançando 367 milhões de euros, contra 330 milhões de euros do ano anterior. Preços de venda mais altos e a aquisição da companhia Clean and Disinfect, em 2016, resultou em um positivo efeito nos ganhos. A margem Ebitda pré-excepcional cresceu de 20,9% para 21,8%.

No novo segmento Engineering Materials, as vendas chegaram a 361 milhões de Euros, registrando um crescimento de 31,3% em comparação ao ano anterior, quando conquistou 275 milhões de Euros. O Ebitda pré-excepcional registrou um crescimento substancial de 60%, de 45 milhões para 72 milhões de Euros. O negócio de uretanos recém-adquirido da Chemtura contribuiu de forma especial para a melhora dos resultados. Volumes e preços de venda mais altos e uma melhor utilização da capacidade contribuíram para o desenvolvimento positivo dos ganhos. A margem Ebitda resultante pré-excepcional de 19,9 por cento, foi significativamente superior ao valor de 16,4% registrado no trimestre anterior.

Foram registradas ainda vendas de 835 milhões de Euros no segmento Arlanxeo, o que significou um crescimento de 24,6%, quando comparado aos 670 milhões do ano anterior. O Ebitda pré-excepcional chegou a 92 milhões de Euros, uma queda de 3% quando comparado aos 95 milhões computados no ano anterior. Custos energéticos mais elevados, em particular, contrastam com o maior valor de venda dos produtos em função da passagem do aumento dos custos das matérias-primas. A margem Ebitda pré-excepcional foi de 11%, contra 14,2% registrados no ano anterior.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Lanxess

Curta nossa página no

Anúncios

Material compósito da Lanxess é usado em módulos de portas de veículos compactos

01/06/2017

Um número cada vez maior de fabricantes automotivos está usando os produtos semi-acabados da marca Tepex – termoplásticos reforçados com fibra contínua da Lanxess – para promover um design mais leve em peças que são produzidas em grande escala. Uma nova aplicação recém desenvolvida para o compósito é o módulo da porta para veículos compactos. Recentemente, a Lanxess recebeu um contrato do fornecedor alemão Brose Fahrzeugteile GmbH & Co. KG para fornecer o compósito ao fabricante da peça ElringKlinger AG. “O componente estrutural exemplifica o enorme potencial do nosso compósito em função do seu design leve e econômico. Em função do nosso know-how em materiais, na concepção de componentes virtuais e na simulação do processo de fabricação, conseguimos contribuir de maneira significativa para que o desenvolvimento desse produto fosse bem sucedido”, explica Henrik Plaggenborg, líder de Marketing Técnico e Desenvolvimento de Negócios do grupo Tepex Automotive . A Bond-Laminates, subsidiária da Lanxess, que desenvolve e fabrica o Tepex, será a responsável por fornecer para a ElringKlinger na Europa a chapa de compósito Tepex.

Processo único

O componente é resultado do estreito relacionamento de anos entre as companhias Brose, ElringKlinger e Lanxess. O peso foi reduzido em cerca de 1,6 quilograma por veículo, em comparação com os projetos de componentes moldados por injeção. “Com quatro módulos de portas, a economia de peso é de aproximadamente 5 quilogramas por veículo, em comparação com módulos produzidos com aço”, acrescenta Plaggenborg.

O módulo da porta é produzido por meio de um processo de moldagem híbrido, utilizando uma conformação da chapa de Tepex e posterior injeção diretamente no molde.

O processo em etapa única desenvolvido pela ElringKlinger elimina a ferramenta de conformação, permitindo a integração de funções e a redução de custos. “Esses dois fatores são a chave para proporcionar ao componente um excelente custo benefício”, complementa Harri Dittmar, gerente de projeto do grupo de Marketing Técnico e Desenvolvimento de Negócios.

O Tepex já é bastante utilizado em aplicações automotivas como, por exemplo, front-ends, travessas de para-choques, suportes de entretenimento do painel, painéis de proteção de piso, pedais de freio, consoles de bateria, assentos e encostos de assento.

“Com o fornecimento anual do módulo da porta em quantidades de sete dígitos, estamos mais uma vez demonstrando a adequação do Tepex para a produção em grande escala,” finaliza Dr. Christian Obermann, Diretor de Bond-Laminates.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess espera os melhores resultados da história em 2017

23/05/2017

  • Vendas do 1o tri de 2017 aumentam em 25%, para 2,4 bilhões de Euros
  • Aumentos pré-Ebitda de 25%, para 328 milhões de Euros
  • Margens Ebitda pré-excepcionais a 13,7%
  • Receita líquida cresceu 47%, para 78 milhões de Euros
  • Desenvolvimento positivo de volumes ao longo de todos os segmentos
  • Nova orientação para o ano completo de 2017: Ebitda pré-excepcionais entre 1,225 bilhões de Euros e 1,3 bilhões de Euros

A empresa de especialidades químicas Lanxess projeta os mais altos resultados da história da empresa, seguindo-se a um primeiro trimestre de 2017 muito forte e ao fechamento da aquisição da empresa Chemtura, com sede nos EUA.

As vendas globais da empresa de especialidades químicas aumentou em substanciais 25%, para 2,4 bilhões de Euros, no primeiro trimestre de 2017, em relação aos 1,9 bilhões do ano anterior. O Ebitda pré-excepcionais também aumentou em 25%, para 328 milhões de Euros, em comparação com os 262 milhões do primeiro trimestre de 2016. O desenvolvimento extremamente positivo do primeiro trimestre foi orientado principalmente por um aumento nos volumes em todos os segmentos.

A margem pré-Ebitda excepcionais veio a 13,7%, ligeiramente acima do número do ano anterior, 13,6%. A receita líquida aumentou significativamente em 47%, para 78 milhões de Euros, contra 53 milhões de Euros no trimestre do ano anterior.

Para o ano completo de 2017, a empresa espera Ebitda pré-excepcionais de entre 1,225 bilhões de Euros e 1,3 bilhões de Euros. Esta previsão inclui a contribuição das receitas das empresas Chemtura, recentemente adquirida. Portanto, 2017 pode ser o ano fiscal mais bem-sucedido da história da empresa. A Lanxess alcançou seu resultado operacional mais alto até a presente data em 2012, quando atingiu um número de cerca de 1,2 bilhões.

“A Lanxess deslanchou com um início muito forte neste novo ano fiscal. Registramos um aumento na demanda de todos os nossos segmentos empresariais e geramos mais vendas em todas as regiões. Isso mostra com clareza que temos o posicionamento correto,” disse Mathias Zachert, Presidente do Board da Lanxess AG. “Um bom fluxo de demanda e um ambiente de negócios dinâmico parecem continuar no segundo trimestre. Por isso, para o ano inteiro, estamos esperando receitas recorde. Esse é um indicador claro de nossa força operacional, a qual será acrescida com a aquisição da Chemtura. A nossa tarefa agora é garantir a integração rápida e tranquila das novas empresas.”

Naquilo que foi mais um grande passo para o seu programa de realinhamento, a Lanxess fechou a aquisição da empresa química americana, Chemtura cerca de três semanas atrás. Com a maior aquisição de sua história, a empresa sediada em Colônia (Alemanha) está expandindo significativamente seu portfólio de aditivos, em especial, e deverá se tornar um dos maiores atores globais nesse mercado crescente.

Desempenho muito forte nos segmentos

As vendas dos segmentos dos Advanced Intermediates no primeiro trimestre de 2017 foram de 518 milhões de Euros, 12% acima do número do ano anterior, que foi de 463 milhões de Euros.. Apesar de se ver contida por custos energéticos mais altos e um atraso no repasse de preços mais altos de materiais, o Ebitda pré-excepcionais avançou em 2%, para 91 milhões de Euros, em comparação com os 89 milhões de euros do ano anterior. Tiveram impacto positivo especial na receita a demanda mais alta e a expansão de volumes. A margem Ebitda pré-excepcionais foi de 17,6%, contra 19,2% no trimestre do ano anterior.

As vendas do segmento de Performance Chemicals aumentaram em 14% no primeiro trimestre de 2017, para 607 milhões de Euros, contra 533 milhões do ano anterior. O Ebitda pré-excepcionais avançou 5%, para 103 milhões de Euros, em comparação com o nível do ano anterior, de 98 milhões de Euros. O crescimento foi impulsionado por uma forte demanda por aditivos, biocidas e químicos para couro, bem como pela contribuição das empresas de Limpeza e Desinfecção adquiridas da Chemours, ao passo que custos energéticos mais altos e efeitos negativos da moeda nos custos seguraram as receitas. A margem Ebitda pré-excepcionais foi de 17,0%, contra 18,4% no trimestre do ano anterior.

No segmento de High Performance Materials, as vendas aumentaram em 15%, para 315 milhões de Euros, tendo saído de 273 milhões no ano anterior. O Ebitda pré-excepcionais aumentou em 26%, para 48 milhões de Euros, em comparação com os 38 milhões do ano anterior. O crescimento foi mais uma vez impulsionado por volumes expandidos em todos os grupos e em todas as regiões de produtos, utilização de capacidade muito alta e um foco em produtos de margens mais altas. Como resultado, as margens Ebitda pré-excepcionais foram de 15,2%, comparado com 13,9% do trimestre do ano anterior.

As vendas do segmento Arlanxeo subiram em 48%, para 948 milhões de Euros, em comparação com os 640 milhões de Euros do ano anterior. O Ebitda pré-excepcionais aumentou em 27%, para 144 milhões de Euros, vindas dos 113 milhões do primeiro trimestre de 2016. Este desenvolvimento foi impulsionado pela forte demanda na Ásia, por uma utilização eficiente da rede de produção global e pelos efeitos positivos da moeda. A margem Ebitda pré-excepcionais foi de 15,2%, contra 17,7% no trimestre do ano anterior.

A Lanxess atua no segmento de especialidades químicas, tendo apresentado vendas de 7,7 bilhões em 2016 e possuindo cerca de 19.200 funcionários em 25 países. A empresa tem representação, atualmente, em 75 locais de produção ao redor do mundo. O principal negócio da Lanxess é o desenvolvimento, a fabricação e a comercialização de intermediários químicos, aditivos, especialidades químicas e plásticos. Por meio da Arlanxeo, a joint venture com a Saudi Aramco, a Lanxess também é um fornecedor líder de borracha sintética.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess completa aquisição da Chemtura

02/05/2017

  • Negociação foi aprovada por todos os órgãos reguladores
  • A combinação dos negócios de Aditivos das duas companhias, gerará vendas anuais de cerca de 2 milhões de euros, tornando-se um forte pilar no grupo
  • Zachert: “Essa aquisição é um grande passo no processo de realinhamento da empresa”

A Lanxess, empresa especializada em produtos químicos, completou com sucesso a aquisição da empresa norte-americana Chemtura, uma das principais fornecedoras mundiais de retardantes de chamas e aditivos lubrificantes. Todos os órgãos reguladores aprovaram a transação. Em fevereiro desse ano, os acionistas da Chemtura votaram pela aprovação da aquisição. Avaliada em EUR 2,4 bilhões, a empresa norte-americana é a maior aquisição na história da Lanxess e expande, significativamente, o portfólio de aditivos da empresa, tornando a companhia um dos principais players do mundo neste segmento em crescimento, que é um dos mais atraentes na indústria de produtos químicos especiais. Além dos aditivos, os negócios de uretanos e organometálicos da Chemtura também serão integrados ao portfólio da Lanxess. A empresa, com sede em Colônia (Alemanha), irá absorver 2500 colaboradores da Chemtura, em 20 sites localizados em 11 países. Os negócios da Chemtura geram vendas anuais de cerca de 1,5 milhão de euros.

“A aquisição da Chemtura é outro grande passo no nosso processo de realinhamento e um marco significativo no nosso curso de crescimento. A ‘nova’ Lanxess está ganhando forma. A expansão dos negócios de aditivos garante a Lanxess um importante pilar adicional. Em sua nova estrutura e com uma carteira ainda mais equilibrada, a empresa será muito mais estável e rentável. Ao mesmo tempo, a Chemtura fortalece, consideravelmente, nossa presença na América do Norte,” afirma Matthias Zachert, Presidente da Diretoria da Lanxess. “Focaremos agora nossa energia em integrar rápida e harmoniosamente as novas empresas e funcionários, bem como em servir de forma exemplar nossos atuais e novos clientes”.

Por meio dessa aquisição, a Lanxess fortalece sua presença na América do Norte. Nessa região, a companhia está representada em 24 locais de produção (anteriormente eram 12) e emprega aproximadamente 2.800 funcionários (anteriormente eram 1.500). A participação da região nas vendas globais aumenta de aproximadamente 17% para aproximadamente 21%.

O resultado anual esperados da sinergia das duas companhias é de cerca de 100 milhões de euros até 2020. A aquisição da Chemtura já deve aumentar o lucro por ação da Lanxess no primeiro ano fiscal completo após o fechamento. A Lanxess financiou a aquisição por meio de duas obrigações empresariais e uma obrigação híbrida, bem como dinheiro. Os títulos foram colocados com sucesso em termos atraentes já em 2016.

Aditivos: um pilar forte da Lanxess

Com efeito imediato, a Lanxess irá combinar todo o seu negócio de aditivos dentro do novo segmento Specialty Additives. Este segmento é um pilar adicional no grupo Lanxess, com vendas anuais de aproximadamente 2 bilhões de euros e cerca de 2.900 funcionários em todo o mundo. O segmento compreende as novas unidades de negócios Additives e Rhein Chemie. O negócio combinado com retardantes de chama e aditivos lubrificantes está ancorado na unidade de negócios Additives, que é liderado por Anno Borkowsky. A unidade de negócios Rhein Chemie, liderada por Philipp Junge, compreende os negócios existentes de aditivos de borracha e cor da Lanxess.

Lanxess fortalece negócio de aditivos, retardantes de chama e lubrificantes

A Lanxess reforça, significativamente, a sua posição na área de aditivos lubrificantes e lubrificantes sintéticos para aplicações industriais. “Somos agora um dos principais fornecedores de lubrificantes industriais e possuímos uma cadeia de valor integrada”, explica Anno Borkowsky. A Lanxess espera um crescimento médio de 3 a 4% ao ano para o mercado de aditivos para lubrificantes industriais, impulsionado principalmente pela crescente demanda de lubrificantes em termos de capacidade de desempenho e compatibilidade ambiental.

A empresa também está expandindo significativamente sua posição no mercado para aditivos retardantes de chama, operando o portfólio de aditivos retardantes de chama à base bromo da Chemtura. Devido à sua alta eficácia, estas substâncias são utilizadas, entre outros segmentos, na indústria da construção e são um complemento ideal para o negócio já existente da Lanxess de aditivos à base de fósforo. “As exigências dos retardantes de chama estão aumentando continuamente devido, particularmente, à tendência para a produção eficiente de energia. Esta aquisição nos tornará um dos principais fornecedores mundiais de aditivos retardantes de chama. A partir de hoje, podemos oferecer aos nossos clientes uma variedade de produtos complementares à base de bromo e fósforo a partir de uma única fonte,” complementa Borkowsky. A companhia também espera taxas de crescimento anual de 3 a 4% para a área de aditivos retardantes de chama.

Novos campos de atuação da Lanxess: uretanos e organometálicos

O negócio de uretanos é novo para a Lanxess. Com efeito imediato, será colocado dentro da recém-formada unidade Urethane Systems, liderada por Markus Eckert. A gama de produtos inclui pré-polímeros fundidos ao calor, dispersões aquosas especiais de uretano e polióis de poliéster. Estes são componentes de poliuretanos especiais, usados principalmente nas indústrias de construção, mineração, petróleo, gás, equipamentos atléticos e eletrônicos. Estes plásticos são utilizados, por exemplo, para fabricar rolos para correias transportadoras ou patins inline. Urethane Systems irá juntar-se à unidade de negócios High Performance Materials da Lanxess para formar o novo segmento Engineering Materials.

Também no portfólio da Lanxess é novo o negócio de organometálicos. Estes são compostos químicos utilizados, entre outras aplicações, como catalisadores na produção de polímeros ou para a síntese de produtos químicos finos e produtos farmacêuticos. Com efeito imediato, este negócio fará parte da unidade de negócios Advanced Industrial Intermediates da Lanxess.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess apresenta sua gama de soluções para diversos setores da indústria na Feiplastic 2017

30/03/2017

Em um stand com 210 m², empresa exibirá aplicações e lançamentos desenvolvidos pelas unidades de High Performance Material (HPM), Rhein Chemie Additives (ADD) e Inorganic Pigments (IPG)

A Lanxess Brasil participa mais um ano da Feiplastic – Feira Internacional do Plástico, importante evento de negócios e de inovações em plástico de alta tecnologia, na América Latina. Realizada neste ano de 03 a 07 de abril, das 11h às 20h, no Expo Center Norte, a feira integra os principais tomadores de decisão da cadeia do plástico às tecnologias do futuro.

E como um dos principais players desse mercado, a Lanxess traz ao evento suas soluções e aplicações voltadas para diversos setores da indústria.

Nessa edição, a unidade de High Performance Materials (HPM) apresenta diferentes aplicações produzidas com materiais da linha Durethan (Poliamidas) e Pocan (PBT´s e blendas de PBT). “A maior parte das soluções foi desenvolvida com tecnologia Lanxess, em parceria com nossos clientes, com a utilização de análises computacionais de CAE/CAD para verificar os requisitos das aplicações e, com isso, desenvolvê-las no menor peso possível, sem comprometer os requisitos”, explica Anderson Maróstica, gerente da área técnica da unidade.

Entre os produtos da área, serão expostas algumas aplicações trazidas da matriz da Alemanha, como o Bumber Beam da Honda, uma peça desenvolvida em parceria com a montadora. Trata-se de uma travessa do parachoque traseiro de veículos, que substitui as peças atuais produzidas em metal, mantendo as mesmas propriedades, porém com uma redução de 50% do peso. Outro destaque é o pedal de freio fabricado com 100% de plástico, desenvolvido para o modelo Porsche Panamera.

Entre as aplicações produzidas no Brasil, estão o primeiro pedal de embreagem e suporte de pedais desenvolvido em parceria com a Boge para caminhões, utilizando 100% de plástico, além de front ends de plásticos injetados, tecnologia bastante difundida na Europa e que passa a ser uma tendência para o mercado local, além de diferentes tipos de coletores de admissão.

Outra unidade de negócios que vai participar da Feiplastic é a Rhein Chemie Additives (ADD), que produz aditivos para plásticos e plastificantes livre de ftalatos. Tais aditivos são utilizados na fabricação de artigos plásticos para os setores automotivos, de construção, de brinquedos, têxtil, alimentício, entre outros. Os principais produtos da Lanxess para esta unidade são Mesamoll®, Unimoll® AGF e Adimoll® DO, Disflamoll® e Levagard®.

Já no segmento de Pigmentos Inorgânicos (IPG), a Lanxess apresenta as linhas Bayferrox® e Colortherm®, que são pigmentos à base de óxido de ferro e cromo. Segundo a Lanxess, os produtos são sustentáveis, estáveis a altas temperaturas, resistentes à luz e intempéries e apresentam boa dispersabilidade, mesmo em processos de tempos curtos de permanência e baixa força de cisalhamento. Os pigmentos inorgânicos podem oferecer várias possibilidades de cores.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess anuncia resultados positivos no exercício financeiro de 2016

18/03/2017

• O Ebitda pré-excepcionais no exercício financeiro de 2016 aumenta 12,4%, para 995 milhões de euros
• A margem Ebitda pré-excepcionais melhora de 11,2 para 12,9%
• O lucro líquido aumenta em 16,4%, para 192 milhões de euros
• Crescimento de volumes em todos os segmentos
• Dividendo proposto para 2016 a 0,70 euros por ação; um aumento de 17%
• Entrada forte no primeiro trimestre de 2017: aumento de aproximadamente 20% no Ebitda pré-excepcionais
• Orientações para o ano completo de 2017: Ebitda pré-excepcionais ligeiramente acima do nível do ano anterior
• Processo de aquisição planejada da Chemtura progredindo bem

No ano fiscal de 2016, a empresa de especialidades químicas Lanxess avançou com sucesso, registrando fortes dados de desempenho. O Ebitda pré-excepcionais aumentou 12,4%, para 995 milhões de euros, em comparação com 885 milhões de euros no ano anterior. Os principais impulsionadores desse desenvolvimento positivo foram volumes maiores em todos os segmentos, o aumento associado na utilização da capacidade e a economia de custos resultante da melhoria da competitividade de plantas e processos. Em consequência de tudo isso, o Ebitda pré-excepcionais atingiu o topo de orientação recente de 960 milhões de euros para 1 bilhão de euros. A margem Ebitda pré-excepcionais do Grupo melhorou de 11,2% para 12,9%. O lucro líquido também aumentou em 16,4%, saindo de 165 milhões de euros e chegando a 192 milhões de euros. As vendas diminuíram ligeiramente, passando de 7,9 bilhões de euros em 2015 para 7,7 bilhões de euros, principalmente devido ao ajuste dos preços de venda condicionados aos menores custos das matérias-primas.

Também em 2016, a empresa tomou várias decisões estratégicas importantes e realinhou seu portfólio. A Arlanxeo, uma joint venture com a Saudi Aramco para o negócio de borracha sintética, começou a operar em 1º de abril. A Lanxess encerrou em agosto a aquisição da unidade de negócios Clean & Disinfect, da empresa norte-americana Chemours. Em setembro, a Lanxess anunciou a aquisição da empresa química norte-americana Chemtura, um dos principais fornecedores de aditivos retardantes de chamas e lubrificantes. Ambas as aquisições fortalecem a posição da Lanxess nos mercados de especialidades químicas premium.

“A Lanxess está de volta a sua trajetória de sucesso. Alcançamos marcos importantes em nossa reorganização para tornar a Lanxess uma empresa mais estável e rentável e progredimos bastante em nosso caminho para o crescimento sustentável. Isso se reflete em nossos resultados de negócios que foram muito positivos em 2016 “, disse Matthias Zachert, Presidente da Diretoria da Lanxess AG. “Pretendemos continuar neste caminho de crescimento, sobretudo por meio da aquisição planeada da Chemtura, e aumentar ainda mais a nossa força operacional”.

Balanço substancialmente melhor

No final do ano fiscal passado, os passivos financeiros líquidos diminuíram substancialmente de EUR 1.2 bilhão para EUR 269 milhões. Isso aconteceu, principalmente, por conta da joint venture com a Saudi Aramco. Em 2016, as despesas de capital ascenderam a 439 milhões de euros, mais ou menos o mesno nível do ano anterior, que foi de 434 milhões de euros. A empresa está planejando investimentos de capital de 450 milhões de euros a 500 milhões de euros para o ano de 2017.

“Reforçamos significativamente o nosso balanço em 2016 e continuamos neste caminho de estabilidade financeira. Conseguimos o financiamento para a aquisição planejada da Chemtura rapidamente e em condições atraentes, mantendo, ao mesmo tempo, nossa classificação de investment grade“, explicou Michael Pontzen, CFO da Lanxess AG.

O financiamento da aquisição prevista da Chemtura, que tem um valor de cerca de 2,4 bilhões de euros, é assegurado principalmente por dois bonds corporativos, um bond híbrido e a liquidez existente. Já em 2016, a Lanxess pôde dispor de três bonds – cada um com um volume de 500 milhões de euros.

Aquisição planejada da Chemtura

A aquisição planejada da Chemtura é um passo crucial no caminho de crescimento da Lanxess e continua evoluindo dentro do cronograma previsto. No início de março, as autoridades da Coréia do Sul aprovaram a aquisição, assim como autoridades antitruste nos Estados Unidos e no Brasil. No início de fevereiro de 2017, os acionistas da Chemtura votaram por ampla maioria a favor da fusão planejada. A Lanxess espera receber todas as autorizações regulamentares remanescentes e fechar a transação até meados de 2017.

Maior dividendo proposto para 2016

O bom desempenho da empresa em 2016 deve ser refletido em um maior dividendo novamente. A Diretoria e o Conselho Consultivo deverão propor à Assembleia Geral Anual de 26 de maio de 2017 um aumento de 17% em relação ao ano anterior, atingindo o patamar de EUR 0,70. Isto resultaria num pagamento total de dividendos de cerca de EUR 64 milhões.

Desenvolvimento de negócios por segmento

As vendas do segmento de Advanced Intermediates em 2016 foram de cerca de 1,74 bilhão de euros, 4,6% abaixo do valor do ano anterior, que foi de 1,83 bilhão de euros. Devido à antecipada queda da procura no setor dos agroquímicos no quarto trimestre, o Ebitda pré-excepcionais diminuiu ligeiramente, 3,8%, atingindo 326 milhões de euros, face a um valor muito forte de 339 milhões de euros no ano anterior. No entanto, a margem Ebitda pré-excepcionais foi ligeiramente acima do ano anterior, saltando de 18,6% para 18,7%.

As vendas no segmento de Performance Chemicals melhoraram em 2,7%, passando de cerca de 2,09 bilhões de euros para cerca de 2,14 bilhões de euros. O Ebitda pré-excepcionais avançou 14,7 por cento em relação ao ano anterior, de 326 milhões de euros, para 374 milhões de euros. Esta melhoria nos resultados foi atribuída principalmente ao forte crescimento do volume e à melhor utilização da capacidade. A margem Ebitda pré-excepcionais melhorou em conformidade para 17,5%, em comparação com 15,6% em 2015.

No segmento de High Performance Materials, as vendas diminuíram ligeiramente 2,7 por cento, de EUR 1,09 milhão para EUR 1,06 milhão. No entanto, o Ebitda pré-excepcionais avançou cerca de 43% para 159 milhões de euros, o que foi substancialmente superior ao nível do ano anterior de 111 milhões de euros. Os principais fatores aqui foram maiores volumes em grupos de produtos mais rentáveis e maior utilização da capacidade. A margem Ebitda pré excepcionais cresceu, respectivamente, para 15,1 por cento, em comparação com 10,2 por cento em 2015.

Dado um ambiente competitivo difícil, as vendas no segmento Arlanxeo diminuíram 5,2% para EUR 2,71 bilhões, a partir de um patamar de EUR 2,86 bilhões um ano antes. Apesar do desenvolvimento positivo dos volumes, o Ebitda pré-excepcionais foi de 4.6% abaixo do nível do ano anterior de 391 milhões de euros, com 373 milhões de euros. Em um ambiente competitivo ainda desafiador, o efeito de preços de venda reduzidos compensou o custo resultante de preços de matéria-prima mais baixos. A margem Ebitda pré-excepcionais de 13,8% foi praticamente no mesmo nível do ano anterior, atingindo 13,7%.

Perspectivas para 2017

O bom desempenho observado em 2016 continuou em 2017. A Lanxess teve um início muito bom para o novo ano fiscal e espera Ebitda pré-excepcionais entre 300 milhões de euros e 320 milhões de euros para o primeiro trimestre de 2017. Isso representaria um aumento nos ganhos de cerca de 20% em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior (262 milhões de euros).

Para todo o ano de 2017, a Lanxess espera um ligeiro aumento no Ebitda pré-excepcionais em relação a 2016. O fechamento bem-sucedido da aquisição planejada da Chemtura geraria uma contribuição adicional de lucros que a Lanxess ainda não incluiu em sua atual orientação para 2017.

Tradicionalmente, a empresa especifica sua orientação quando anuncia seus dados do primeiro trimestre. A declaração trimestral será publicada em 11 de maio de 2017.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Arlanxeo

Curta nossa página no

Acionistas da Chemtura aprovam aquisição feita pela Lanxess

19/02/2017

lanxesschemtura

A Lanxess, empresa alemã do segmento de especialidades químicas, deu um passo significativo na aquisição da companhia norte-americana Chemtura. Os acionistas da Chemtura aprovaram a fusão em uma reunião especial na Filadélfia, Estados Unidos. 99,88% dos votos foram favoráveis à fusão, representando 81,77% das ações ordinárias da empresa. Nos termos do acordo de fusão, os acionistas da Chemtura receberão 33,50 dólares por cada ação em circulação no fechamento da transação.

Matthias Zachert, Presidente da Lanxess, comentou a aprovação da incorporação por parte dos acionistas. “Estamos satisfeitos com o apoio dos acionistas da Chemtura. Essa aprovação é um marco importante no caminho da Lanxess para se tornar um dos principais players no campo da química de aditivos”.

No final de dezembro de 2016, as autoridades antitrust dos Estados Unidos já haviam liberado a aquisição. A Lanxess espera fechar a transação em meados de 2017, depois que todas as aprovações regulamentares restantes forem recebidas.

Aditivos, retardantes de chamas e lubrificantes são os principais produtos da Chemtura e complementam o atual portfólio da Lanxess. Após o fechamento da transação, essas atividades serão integradas à unidade de negócios Rhein Chemie Additives (ADD) da Lanxess para formar um novo segmento. Hoje, a unidade já fornece uma ampla gama de aditivos especiais e produtos de serviço para a fabricação de plásticos, borrachas, lubrificantes e revestimentos e emprega cerca de 1.600 pessoas, em mais de 20 locais em todo o mundo.

Além dos aditivos, o portfólio da Chemtura também inclui uretanos e organometálicos, que também serão integrados à Lanxess. A Chemtura tem cerca de 2.500 funcionários em todo o mundo e opera em 20 locais em 11 países.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess apresenta novas soluções para a indústria de pneus durante feira Tire Technology Expo 2017

24/01/2017

Lanxess_headquartersA unidade de negócio da Lanxess Rhein Chemie Additives (ADD) apresentará uma variedade de soluções para fabricantes de pneus na Tire Technology Expo (Exposição de Tecnologia para Pneus), que ocorrerá entre 14 e 16 de fevereiro de 2017, em Hanover, na Alemanha – ala 2, stand C224. A apresentação inclui seu portfólio completo de agentes Rhenodiv ecologicamente corretos para remoção de pneus, tintas de marcação de pneus Rhenomark, câmaras de ar para pneus Rhenoshape e compostos de alta concentração de fibra de aramida Rhenogran.

Novos lubrificantes para pneus para uma fabricação de pneus mais limpa

A Rhein Chemie Additives desenvolveu uma nova variedade de lubrificantes internos para uma produção mais limpa de pneus, afirma a empresa. Novos produtos permitem que os produtores de pneus apliquem baixíssimas quantidades de lubrificantes internos no pneu verde. Quando combinado com equipamentos de spray robotizado, o procedimento de revestimento sem contaminação das áreas do pneu ao lado do liner interno é garantido, assegura a Rhein Chemie Additives. O local de trabalho permanece mais limpo. Como benefício adicional, a base do novo produto Rhenodiv BP-337 é a química de ligações cruzadas isentas de hidrogênio.

Há uma crescente demanda pela ausência de silício migrante no processo de moldagem de pneus. Este é, particularmente, o caso, se for necessária uma superfície de pneu limpa e isenta de silício após a vulcanização. A Rhein Chemie Additives está atendendo a essa tendência com dois novos lubrificantes internos com liberação de jato único.

Câmaras de ar para pneus Rhenoshape: processos robotizados para câmaras de ar permanentemente revestidas

A Rhein Chemie Additives tem aumentado constantemente suas capacidades para câmaras de ar de alto desempenho permanentemente revestidas. Para garantir os aspectos de qualidade, de acordo com os requisitos do cliente, as operações em diferentes locais de produção de câmaras de ar têm sido continuamente aperfeiçoadas com processos robotizados. As câmaras de ar para pneus Rhenoshape equipadas com revestimentos permanentes Rhenodiv, permitem que fabricantes de pneus produzam pneus sem utilizar um agente de remoção adicional, afirma a empresa. Isto é importante para a produção de pneus de alto valor, tais como pneus de esvaziamento lento (capazes de continuar a rodar, mesmo furados), pneus vedantes e de baixo ruído – nos quais a ausência de migração de silício dos agentes de remoção tradicionais é obrigatória. Além disso, a operação de esguichar o spray no caso dos pneus verdes, incluindo-se a contaminação colateral de áreas críticas do pneu e das áreas de trabalho, torna-se obsoleta.

Compostos de alta concentração de fibra de aramida Rhenogran.  Opções versáteis de reforço mecânico para pneus

A Rhein Chemie Additives afirma que, sob intensos esforços mecânicos, dinâmicos e térmicos, o seu produto Rhenogran P91-40 proporciona excelente desempenho no reforço de compostos para pneus. O Rhenogran P91-40 incorpora a polpa de fibra curta de aramida Twaron, altamente elástica e de baixíssimo peso, no composto de borracha. Além dos polímeros tipicamente utilizados, tais como NR, IR, BR e SBR, o Rhenogran P91-40 é adequado para diversos tipos de borracha, incluindo-se EPDM, CR, NBR e HNBR.

A unidade de negócio Lanxess ADD fornece à indústria da borracha uma ampla gama de aditivos pré-dispersos ligados a polímeros, aceleradores de processos, ativadores de reforço e vulcanização, ceras de retorno antissolar, agentes de remoção, tintas para marcação de pneus e câmaras de ar de alto desempenho para cura de pneus .

Fonte – Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess volta a subir suas projeções de faturamento para 2016 após terceiro trimestre mais forte

21/11/2016

Lanxess_headquarters

• FY 2016: nova expectativa de EBITDA está entre EUR 960 milhões e EUR 1,000 milhões
• Q3 2016: perspectiva de EBITDA subiu 9.4%, para EUR 257 milhões
• Margem do EBITDA cresceu 13.4 % devido a maiores volumes em todos os segmentos e melhora nas estruturas de custos
• O lucro líquido melhorou substancialmente em 51,2%, para EUR 62 milhões
• Planejamento para integração da Chemtura foi iniciado

Após um forte terceiro trimestre, a empresa de especialidades químicas Lanxess voltou a aumentar sua projeção para 2016. A companhia, localizada em Colônia, Alemanha, espera agora atingir um EBITDA pré-excepcional entre EUR 960 milhões e EUR 1 bilhão. Anteriormente, a Lanxess tinha definido o valor entre EUR 930 milhões e EUR 970 milhões.

O EBITDA do terceiro trimestre de 2016 cresceu 9.4%, chegando em EUR 257 milhões, comparado com os EUR 235 milhões do ano anterior. A margem de EBITDA pré-excepcional cresceu ano a ano de 12% para 13.4%. Assim como nos três meses anteriores, o bom desempenho global dos resultados foi motivado especialmente pelo forte desenvolvimento operacional dos “novos” segmentos da Lanxess – Advanced Intermediates, Performance Chemicals and High Performance Materials – bem como pela melhora das estruturas de custos.

“Seguimos a dinâmica do primeiro semestre do ano no terceiro trimestre e entregamos uma prova renovada da força operacional da nova Lanxess. Estamos, portanto, projetando nossos resultados para cima para o fechamento do ano, disse Matthias Zachert, CEO da Lanxess AG. A companhia está antecipando um padrão anual de negócios no último trimestre de 2016. Em outras palavras, a performance será ligeiramente melhor em comparação aos trimestres anteriores.

O bom desempenho no terceiro trimestre também se refletiu no lucro, que teve alta de 51,2%, passando para EUR 62 milhões, comparado aos EUR 41 milhões registrado no ano anterior. O lucro por ação foi de 0,68 euros, contra 0,45 euros.

As vendas do grupo tiveram uma leve queda de 1,6% no terceiro trimestre de 2016, para EUR 1.92 billhão, comparado com os EUR 1.95 bilhão no mesmo período em 2015. Os volumes mais altos em todos os segmentos praticamente compensaram os menores preços de venda resultantes dos valores das matérias-primas. Avançando no caminho do crescimento, a Lanxess manteve sua trajetória crescente também no terceiro trimestre. Em 31 de agosto, fechou com sucesso a aquisição da unidade Clean and Disinfect da empresa Chemours, localizada nos EUA. No fim de setembro, anunciou seu próximo marco, com a aquisição da unidade de negócios químicos da Chemtura, sediada nos Estados Unidos e se posicionando como um dos principais fornecedores de aditivos. Vários grupos de trabalho já começaram a planejar o processo de integração. A transação ainda precisa ser aprovada pelos acionistas da Chemtura e pelas autoridades competentes. O fechamento do negócio está previsto para meados de 2017.

Passivos financeiros líquidos permanecem em um nível baixo

No final do terceiro trimestre, os passivos financeiros líquidos ficaram praticamente inalterados, apesar do pagamento pela aquisição das unidades de negócio da Chemours, e subiram para EUR 203 milhões. A Dívida Líquida foi substancialmente reduzida, principalmente por conta do pagamento de EUR 1,2 bilhão recebido pela Lanxess em abril de 2016 da Saudi Aramco pela sua quota de 50% na joint venture ARLANXEO. No final de 2015, a Lanxess ainda tinha passivos financeiros líquidos de cerca de EUR 1,2 bilhão.

Margens cresceram em todos os segmentos

No segmento – Advanced Intermediates – as vendas caíram 1,1%, de EUR 440 milhões para EUR 435 milhões. O EBITDA pré-excepcional ficou em EUR 83 milhões, 9.2 % maior que o valor do ano anterior, quando foi de EUR 76 milhões. Na unidade de negócios Advanced Industrial Intermediates particularmente, o volume de vendas cresceu em razão da boa demanda em quase todos os mercados finais. Na unidade de negócios Saltigo, a demanda pelo Saltidin – ingrediente ativo para repelente de insetos – foi um dos fatores que compensou a fraca demanda por agroquímicos. A margem de EBITDA pré-excepcional de 19.1% foi significativamente superior ao valor do ano anterior de 17,3%.

O segmento – Performance Chemicals – apresentou um aumento de 3,2% em relação ao mesmo período do ano anterior, de EUR 524 milhões para EUR 541 milhões. Além do maior volume de vendas, a linha de negócios Clean and Disinfect ,adquirida da Chemours no fim de agosto, foi um dos fatores responsáveis por esta performance. O EBITDA pré-excepcional teve alta de 5.8%, chegando a EUR 91 milhões, em comparação com os EUR 86 milhões do ano anterior. Em particular, o aumento do volume de vendas em quase todas as unidades de negócios contribuiu para o incremento dos resultados. A margem de EBITDA pré-excepcional teve um leve aumento, passando de 16.4% para 16.8%.

As vendas no segmento High Performance Materials tiveram uma ligeira queda de 2.3%, passando de EUR 257 milhões para EUR 263 milhões no trimestre do ano anterior. O aumento do volume de vendas quase compensou os menores preços de venda resultantes dos custos das matérias-primas. O EBITDA pré-excepcional aumentou substancialmente 31,3%, para EUR 42 milhões, comparado com EUR 32 milhões no terceiro trimestre de 2015. O aumento dos volumes de vendas em grupos de produtos mais rentáveis e a melhoria da utilização da capacidade produziram este resultado positivo. A margem EBITDA pré-excepcional de 16,3% foi significativamente superior ao valor de 12,2% registrado no trimestre do ano anterior.

As vendas no segmento ARLANXEO diminuíram 5,3%, para EUR 675 milhões, contra EUR 713 milhões no ano anterior. Em particular, a boa demanda do segmento automotivo na Ásia resultou em maiores volumes de vendas. No entanto, estes não foram capazes de compensar o declínio dos preços resultante dos custos das matérias-primas. O EBITDA pré-excepcional ficou em EUR 91 milhões, apenas 3,2% abaixo do valor do ano anterior de EUR 94 milhões. O aumento dos volumes e a melhoria da utilização da capacidade de produção neutralizaram o impacto da pressão contínua sobre os preços. A margem EBITDA melhorou ligeiramente para 13,5%, em comparação com 13,2% registrados no período do ano anterior.

Fonte: Assessoria de Imprensa -Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess e Saudi Aramco concluem negociação de joint venture

07/04/2016

Arlanxeo

  • Joint venture Arlanxeo lançada em 1º de abril, 2016 como planejado
  • Lanxess recebeu recursos de caixa de cerca de 1,2 bilhões de euros
  • Anunciada composição do comitê de acionistas da Arlanxeo

Em 1º de abril, a empresa de especialidades químicas Lanxess e a Saudi Aramco concluíram a formação da joint venture em base de 50-50 para borracha sintética, a Arlanxeo. O negócio foi anunciado pela primeira vez em setembro de 2015 e todas as autoridades antitruste relevantes liberaram a transação em fevereiro de 2016.

Com o fechamento da transação, uma participação de 50 por cento da joint venture Arlanxeo foi transferida para a subsidiária holandesa da Saudi Aramco, a Aramco Overseas Holdings Coöperatief U.A. Por sua vez, a Lanxess recebeu recursos em dinheiro de cerca de 1,2 bilhões de euros.

A Lanxess planeja investir cerca de 400 milhões de euros dos recursos da transação em crescimento orgânico. Outro valor de cerca de 400 milhões de euros está destinado a uma redução na posição financeira de débitos e cerca de 200 milhões de euros deverão ser usados em um programa de recompra de ações.

Com o lançamento da Arlanxeo, a composição do comitê de acionistas da empresa também foi anunciada. O comitê será presidido pelo presidente do conselho de administração, Matthias Zachert. Warren W. Wilder, Vice Presidente de Produtos Químicos da Saudi Aramco, é o Vice Presidente. Os membros adicionais do comitê de acionistas da Arlanxeo são Michael Pontzen, diretor financeiro da Lanxess; e Khalid H. Al-Dabbagh, Controller da Saudi Aramco.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess e Saudi Aramco lançam a Arlanxeo, joint venture na área de borracha sintética

11/02/2016

Arlanxeo

A empresa de especialidades químicas Lanxess e a Saudi Aramco anunciaram a Arlanxeo, nome da sua nova joint venture na área de borracha sintética. O novo nome e logo combinam elementos dos nomes e logotipos de ambos os parceiros. O logotipo é complementado pelo descritor “Elastômeros de Desempenho” para destacar a gama de produtos da nova empresa. Todas as mais importantes autoridades antitruste autorizaram a transação. Desta maneira, a joint venture será lançada como Arlanxeo em 10 de Abril de 2016.

“A Arlanxeo será uma empresa forte formada por dois parceiros fortes” “Isto está refletido também no novo nome da empresa”, disse Matthias Zachert, Presidente do Conselho de Administração da Lanxess AG e futuro Presidente do Comitê de Acionistas da Arlanxeo. “Nós estabeleceremos a Arlanxeo como um player novo e independente no mercado mundial de borracha sintética. E estamos convencidos de que, no mundo de borracha, a Arlanxeo vai se tornar uma marca forte.”

“Sob seu novo nome, a Arlanxeo terá como base o foco no cliente, o reconhecimento e a reputação, tanto da Saudi Aramco como da Lanxess, o que torna ambos os parceiros muito orgulhosos”, disse Abdulrahman Al-Wuhaib, Senior Vice-Presidente de Empresas Derivadas, da Saudi Aramco.

Em 22 de setembro de 2015, a Lanxess e a Saudi Aramco assinaram um acordo para criar uma joint-venture, com composição igualitária de 50% para cada parceiro, para o desenvolvimento, produção, comercialização, venda e distribuição de borracha sintética usada na indústria mundial de pneus, fabricação de autopeças e uma ampla gama de outras aplicações.

A Arlanxeo terá sua sede na Holanda. Os parceiros em breve nomearão a equipe de gestão que irá comandar a joint venture. Cada parceiro terá representação igualitária nos conselhos que supervisionarão a empresa. O CEO será nomeado pela Lanxess e CFO pela Saudi Aramco.

“Com este empreendimento, o maior produtor mundial de borracha sintética e a maior companhia integrada de energia do mundo, lançamos as bases para o desenvolvimento sustentável e positivo da Arlanxeo”, disse Zachert. “Esta é uma vitória para nossos clientes, bem como para os funcionários da Arlanxeo. Estamos ansiosos para o lançamento desta nova e promissora parceria”.

A Lanxess é uma empresa líder de especialidades químicas com vendas de 8 bilhões de euros em 2014 e aproximadamente 16.300 funcionários em 29 países. Atualmente a empresa está representada em 52 locais de produção, em todo o mundo. O core business da Lanxess é o desenvolvimento, fabricação e comercialização de plásticos, borracha, intermediários e especialidades químicas.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess e Faurecia desenvolvem front-end feito inteiramente de poliamida para novo modelo da Skoda

07/01/2016

Lanxess-Frontend_SkodaA Lanxess, multinacional alemã do setor de especialidades químicas, por meio de sua unidade de negócios HPM (High Performance Materials), anunciou que o front-end de veículos de passageiros pode agora ser produzido exclusivamente de plástico, tal como ilustrado pelo novo Skoda Octavia, na imagem em destaque. O front-end foi fabricado a partir da sua  poliamida 6 Durethan BKV 60 H2.0 EF, altamente reforçada com 60% de fibra de vidro. A característica especial deste componente estrutural é que ele não contém absolutamente nenhum reforço de chapas metálicas. Isto é válido mesmo para a região frontal superior do front-end, que inclui a trava do capô, estendendo-se por todo o corpo do front-end.

Para Boris Koch, especialista em componentes estruturais da Lanxess, essa conquista só foi alcançada graças ao desenvolvimento de uma poliamida  extremamente rígida, resistente e de alta tecnologia, que permite que o front-end tenha um design complexo e paredes finas. O componente de peso leve foi projetado pela empresa Faurecia Kunststoffe Automobilsysteme GmbH, Ingolstadt, Alemanha, parceira da Lanxess no projeto.

Processo de produção simples e econômico

O objetivo da Faurecia foi simplificar o processo de produção para o front-end. “Queríamos criar uma peça totalmente de plástico, para que pudéssemos trabalhar  com apenas um molde de injeção e eliminar o complicado manuseio da chapa”. Ressalta Pascal Joly-Pottuz, chefe de desenvolvimento do componente front-end na Faurecia.

O maior desafio do projeto foi atender às exigências da região do suporte do radiador e na trava do capô, que estão sujeitos a forças muito altas. “A expressiva maior rigidez do nosso material altamente reforçado com 60% de fibras de vidro, em comparação às poliamidas padrão com apenas 30 ou 40% de reforço de fibras de vidro, assegura que o componente seja suficientemente forte para resistir às tensões elevadas.” Detalha Pascal Joly-Pottuz. Por exemplo, em condições de trabalho, o material tem um módulo de elasticidade à temperatura ambiente de 13,100 MPa (ISO 527-1, -2).

Uma característica particularmente desafiadora,  foi o projeto da parte frontal superior na transição para os suportes de proteção. Há pouco espaço disponível nesta região, que inclui as montagens para os faróis e pára-choques, tornando-se necessário alcançar um design muito fino, mas ao mesmo tempo extremamente forte. “Graças à alta rigidez e resistência do nosso material, os suportes para os faróis e pára-choques também atenderam a todos os requisitos”, destaca Koch.

Paredes finas, componentes de baixo peso

Embora a poliamida tenha uma densidade muito maior por conta do seu alto teor de fibra de vidro, o componente resultante  é muito leve. “Comparado a um front end virtual que nós projetamos a partir de uma poliamida 6 com 30 % de fibra de vidro, este front end da Skoda é cerca de 1,2 kg mais leve, ou seja, possui 25% menos peso na estrutura.” Destaca Koch.

Estes resultados, afirma a Lanxess, são devidos às melhores propriedades mecânicas, assim como ao ótimo comportamento de fluxo do material, que permitem obter-se paredes muito finas. De fato, a espessura da parede em regiões sujeitas a tensões mais baixas pode ser reduzida a apenas 1.8 milímetros.

Qualidade da superfície

Além das montagens para os faróis, o front end também integra montagens moldadas por injeção para o suporte do radiador, trava do capô, sistema anti-roubo e dutos de ar. Além do mais, o componente é fornecido diretamente com uma cobertura decorativa, o que significa que esta peça não precisa ser montada separadamente. “Apesar do alto teor de fibras de vidro, nós tivemos condição de dar à cobertura uma textura fina para fazer com que ela combinasse bem com a aparência visual global”. afirma Koch.

HiAnt – Amplo atendimento ao cliente

A Lanxess forneceu ao seu parceiro vários serviços HiAnt no desenvolvimento do suporte do front-end, incluindo, por exemplo, ajuda com o projeto estrutural, cálculos mecânicos e análises reológicas para minimizar o empenamento e contração, além da análise do preenchimento do molde. Os especialistas da Lanxess forneceram também aconselhamento para a seleção do sistema de entradas e pontos de injeção, otimização das espessuras de parede e assistência durante o lançamento da produção em grande escala.

Perspectiva – Mais componentes estruturais feitos exclusivamente de poliamida   

Tendo em vista a boa experiência com o suporte do front-end do Skoda Octavia, a Lanxess está certa de que outros componentes estruturais automotivos similares podem também ser projetados totalmente como peças de poliamida. “Nós atualmente imaginamos montagens para a bateria ou outros componentes eletrônicos em veículos elétricos e híbridos”, destaca Koch.

A Lanxess teve vendas de 8 bilhões de euros em 2014 e possui aproximadamente 16.300 funcionários em 29 países. A empresa está atualmente representada em 52 plantas de produção em todo o mundo. O core business da Lanxess é o desenvolvimento, fabricação e comercialização de plásticos, borracha, especialidades químicas e intermediários químicos.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess eleva novamente a sua previsão para 2015 e apresenta sua nova estratégia

23/11/2015

Lanxess_headquarters

  • O resultado do EBITDA pré-excepcionais para o ano 2015 agora é esperado entre 860 milhões e 900 milhões de euros
  • O EBTIDA pré-excepcionais no terceiro trimestre de 2015 (3T15) elevou-se para cerca de 12%, alcançando 235 milhões de euros
  • O realinhamento de negócios está sendo acelerado: economia adicional anual de 150 milhões de euros, a partir do final de 2019, deverá alcançada através da otimização de rede de plantas

Na sequência de um terceiro trimestre forte, a Lanxess, empresa de produtos de especialidades químicas, continuou a alcançar um desenvolvimento empresarial sólido, com seus planos de realinhamento progredindo mais rápidamente do que o esperado. Portanto, o grupo está novamente aumentando sua previsão para o ano completo de 2015, e agora, espera que o EBITDA pré-excepcionais esteja entre 860 milhões e 900 milhões de euros. O resultado do EBITDA pré-excepcionais para o ano completo de 2015, havia sido anunciado entre 840 milhões e 880 milhões de euros.

“Nosso desempenho empresarial nos primeiros nove meses de 2015 foi satisfatório,”, disse Matthias Zachert, Presidente do Conselho de Administração da Lanxess AG. “No entanto, reconhecemos também que o crescimento econômico global é moderado e muitos mercados emergentes estão marcados pela incerteza. Em vista disso, mais uma vez, temos acelerado o ritmo do nosso realinhamento. Isto já está mostrando um impacto no nosso resultado operacional e na nossa previsão para o ano”.

Os efeitos da melhoria das estruturas administrativa e de negócios já são evidentes, com a empresa preparada para alcançar uma economia anual de 150 milhões de euros, logo após esta primeira fase do realinhamento, até o final de 2015, um ano antes do previsto.

A Lanxess também está acelerando a segunda fase do seu programa de realinhamento. O grupo prevê uma economia adicional anual de 150 milhões de euros, gerada através da sua rede global de plantas. Este objetivo será alcançado progressivamente ao longo dos próximos anos e estará totalmente realizado em 2019; aproximadamente 10 milhões de euros da economia prevista já serão alcançados em 2015. A economia adicional esperada é resultado de uma análise global das plantas da empresa e dos processos. Esta análise se estenderá em 2016. Aproximadamente 100 milhões de euros deste total deverão ser gerados através de um abrangente pacote de melhorias de processo nas plantas de produção, resultando, entre outras eficiências, no menor consumo de energia e matérias-primas e nos processos de manutenção otimizados. Ajustes de capacidade e medidas de eficiência em instalações de produção de borracha na América Latina e França irão contribuir com valores que chegam até 30 milhões de euros em economias.  A reorganização da rede de produção para monômero de etileno propileno dieno (EPDM) e borracha de butadieno à base de neodímio (Nd-BR), anunciada anteriormente, irá resultar em mais economias, que alcançarão 20 milhões de euros.

Novo foco estratégico: Crescimento rentável em mercados de médio porte

Através de seu realinhamento rápido e, em particular, do acordo com a Saudi Aramco na criação de uma joint venture para borracha sintética, a Lanxess estabeleceu a base para seu novo foco estratégico. “Agora que resolvemos os principais problemas estruturais, podemos mais uma vez nos concentrar no crescimento,” disse Zachert.  “A Lanxess vai se tornar uma empresa do segmento de especialidades químicas mais rentável e menos cíclica – com um equilibrado portfólio de produtos de qualidade e com potencial de crescimento”.

A empresa já definiu seus pilares estratégicos para o crescimento futuro e incidirá seu foco sobre os mercados de médio porte. Sua nova plataforma de crescimento inclui os negócios com intermediários químicos e aditivos, agroquímicos, pigmentos colorantes e plásticos de alta tecnologia, bem como especialidades químicas para tratamento de água, proteção de material, e indústria do couro.

“Nestes segmentos, temos posição de liderança em mercados diversificados e menos cíclicos, os quais planejamos expandir”, explanou Zachert. “Assim, seremos capazes de aumentar nossa rentabilidade e, ao mesmo tempo, de nos tornarmos mais resistentes às flutuações cíclicas” Em particular, a Lanxess considera a China, a América do Norte e o Sudeste da Ásia, como regiões de grande crescimento.

A empresa também está planejando expandir sua rede de plantas de ponta e de avançar na integração de suas cadeias de valor. Para conseguir isso, a Lanxess pretende investir cerca de 400 milhões de euros em projetos de crescimento até 2020. Estes são parte da receita que a empresa obterá através da conclusão da joint venture na área da borracha sintética.

Primeiro investimento como parte do realinhamento: Expandir a planta de Leverkusen

A Lanxess decidiu ampliar a produção de sua unidade de negócios Saltigo, na planta de Leverkusen (Alemanha) e investirá 60 milhões de euros na construção de duas novas linhas de produção, principalmente de agroquímicos. A construção está prevista para começar em meados do ano que vem, enquanto a produção deverá ser iniciada no final de 2017.  “Nossas plantas do grupo, na Alemanha, continuarão pertencendo ao conjunto das principais contribuintes para o sucesso da Lanxess no futuro, e isto é claramente realçado pelo nosso primeiro grande investimento, como parte do realinhamento,” disse Zachert.

Desempenho Operacional: Forte terceiro trimestre de 2015

As vendas no terceiro trimestre de 2015, em 1,953 bilhões de euros, caíram ligeiramente em 4,3%, na comparação com o forte resultado do mesmo trimestre do ano anterior. Este desempenho foi, em grande parte, atribuído a ajustes nos preços de venda devido à redução dos custos de matéria-prima.  Em contraste, o EBITDA pré-excepcionais aumentou 11,9%, para 235 milhões de euros, principalmente devido ao dólar forte e economias geradas pelo programa de realinhamento. Em conformidade, a margem EBTIDA pré-excepcionais aumentou para 12%, comparada aos 10,3% do mesmo período do ano passado. Todos os três segmentos contribuíram para o aumento de ganhos.  O lucro líquido subiu 17,1%, para 41 milhões de euros no período reportado, contra 35 milhões de euros no mesmo trimestre do ano anterior.

O passivo financeiro líquido diminuiu ligeiramente para 1,323 bilhões de euros, contra 1,336 bilhões de euros no final de 2014.

Tendências de negócios por segmento

As vendas no segmento Performance Polymers diminuíram 6,6%, na comparação face ao ano anterior, de 1,045 bilhões de euros para 976 milhões de euros no ano. Apesar do ambiente competitivo persistentemente difícil, volumes ligeiramente maiores, efeitos favoráveis da moeda, e economias geradas pelo programa de realinhamento, levaram a uma melhora do resultado operacional, na comparação face ao ano anterior. O EBITDA pré-excepcionais para o segmento avançou substanciais 35,5%, para 126 milhões de euros.

No segmento Advanced Intermediates, as vendas caíram 7,6%: de 476 milhões de euros para 440 milhões de euros. O EBITDA pré-excepcionais para o segmento elevou-se 1,3%, na comparação face ao ano anterior, para 76 milhões de euros, como resultado de efeitos positivos da moeda e economias geradas pelo realinhamento.

As vendas no segmento Performance Chemicals aumentaram 2,9%, de 509 milhões de euros para 524 milhões de euros. Embora os preços de venda tenham permanecido praticamente inalterados, efeitos positivos da moeda mais que compensaram os baixos volumes.  O EBITDA pré-excepcionais aumentou consideravelmente em 14,7%, para 235 milhões de euros, principalmente devido ao dólar forte e reduções de custos.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess e Saudi Aramco lançam Joint Venture para borracha sintética

29/10/2015
  • O maior produtor mundial de borracha sintética e o maior produtor mundial de petróleo e energia anunciam aliança estratégica
  • Lanxess e Saudi Aramco terão cada uma a participação de 50 por cento no empreendimento conjunto
  • Joint venture no valor de EUR 2,75 bilhões
  • A Lanxess planeja aproveitar o negócio para crescimento, redução de alavancagem e resgate de ações
Abdulrahman F. Al-Wuhaib, Senior Vice Presidente Downstream da Saudi Aramco (esquerda) e Matthias Zachert, CEO da Lanxess (direita)

Abdulrahman F. Al-Wuhaib, Senior Vice Presidente Downstream da Saudi Aramco (esquerda) e Matthias Zachert, CEO da Lanxess (direita)

A empresa de especialidades químicas Lanxess e a Saudi Aramco da Arábia Saudita planejam estabelecer uma Joint Venture para borracha sintética, cujos detalhes encontram-se em um acordo assinado em 23 de setembro passado. A Lanxess e a subsidiária da Saudi Aramco, a Aramco Overseas Company, terão cada uma a participação de 50 por cento na joint venture, com vendas anuais de aproximadamente três bilhões de Euro em 2014. A Saudi Aramco deve pagar aproximadamente EUR 1,2 bilhões em dinheiro por sua participação de 50% após dedução de débitos e outros passivos financeiros. O valor total da joint venture é de EUR 2,75 bilhões.

A transação ainda requer a aprovação das autoridades antitruste relevantes e deve ser concluída na primeira metade de 2016.

A Lanxess contribuirá com seu negócio de borracha sintética para o novo empreendimento conjunto. Isso incluirá as unidades de negócios Tire & Specialty Rubbers (TSR) e High Performance Elastomers (HPE), suas 20 instalações de produção em nove países e mais de 3.700 funcionários e pessoal de apoio adicional. As borrachas de alto desempenho fabricadas pela Lanxess são usadas principalmente na produção de pneus e aplicações técnicas, como mangueiras, correias e vedações. Os principais clientes incluem as indústrias automotiva e de pneus, mas os produtos também são usados na indústria de construção e por empresas de óleo e gás.

A Saudi Aramco fornecerá à joint venture o acesso confiável e competitivo a matérias primas estratégicas a médio prazo.

A joint venture une o maior produtor mundial de borracha sintética e o maior produtor mundial de petróleo e energia para formar uma parceria estratégica de longo alcance. “Esta aliança nos permitirá dar ao negócio de borrachas uma posição competitiva muito sólida e as melhores perspectivas futuras”, disse o CEO da Lanxess, Matthias Zachert. “Juntos no futuro podemos produzir borracha sintética em uma cadeia de valor integrada que vai desde o campo de petróleo até o produto final, estabelecendo assim um dos melhores fornecedores no mercado mundial. Desse modo, estaremos aptos a fornecer aos nossos clientes uma confiabilidade ainda melhor do que antes”.

Abdulrahman Al-Wuhaib, vice-presidente sênior de Downstream da Saudi Aramco disse: “Por meio do acordo de joint venture, estamos investindo em uma capacidade de produtos de elastômeros e borracha sintética de classe mundial que já abastece muitos dos maiores clientes globais em fabricação de peças de automóveis e pneus. Além de criar uma nova fonte de receita para a Saudi Aramco, o acordo incentivará o crescimento econômico e as oportunidades de diversificação para o Reino da Arábia Saudita e região do Oriente Médio em setores de alto volume, como manufatura de autopeças e pneus, que dependem de produtos químicos com valor agregado e margens mais altas”.

O novo empreendimento conjunto será administrado por uma holding com sede na Holanda. O CEO será indicado pela Lanxess e o CFO será indicado pela Aramco Overseas Company. Cada uma das empresas terá representação igualitária na diretoria da JV. A Lanxess consolidará as finanças da JV.

Com a criação desta joint venture, a Lanxess está implementando a terceira etapa do programa de realinhamento em três fases. “Estabelecemos um ponto de partida estratégico completamente novo para nossa empresa em pouco mais de apenas um ano”, disse Zachert. “Não apenas racionalizamos nossas funções administrativas e já tornamos mais eficientes muitas de nossas estruturas de produção e processos, como também, com essa joint venture em negócios de borracha, estamos cumprindo a fase mais importante de nosso realinhamento – com o melhor parceiro possível e num prazo bastante curto. Com a margem financeira resultante conseguiremos voltar a crescer muito antes do esperado”.

A Lanxess planeja usar cerca de EUR 400 milhões dos recursos obtidos com a transação para investir no crescimento de segmentos mais bem posicionados e menos cíclicos de Intermediários Avançados (Advanced Intermediates) e Produtos Químicos de Desempenho (Performance Chemicals). Outros EUR 400 milhões estão reservados para uma redução adicional de sua alavancagem financeira e cerca de EUR 200 milhões devem ser usados para um programa de recompra de ações.

A Lanxess teve vendas de EUR 8,0 bilhões em 2014 e possui cerca de 16.300 funcionários em 29 países. A empresa atualmente está representada em 52 plantas de produção em todo o mundo. O principal negócio da Lanxess é o desenvolvimento, a manufatura e o marketing de plásticos, borracha, intermediários e especialidades químicas.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess aumenta diretrizes para 2015 após um segundo trimestre forte

13/08/2015
  • Novas orientações para o ano de 2015: EBITDA pré-excepcionais esperados entre 840 e 880 milhões de euros
  • Vendas no Segundo trimestre de 2015 aumentaram em cerca de 4%, para 2,1 bilhões de euros
  • EBITDA pré-excepcionais aumentaram em 13%, para 270 milhões de euros
  • Lucro líquido aumentou substancialmente por cerca de 58%, para 870 milhões de euros
  • Iniciado processo de conquista de Mercado no negócio de borracha

Depois de um forte segundo trimestre, a empresa de especialidades químicas Lanxess mais uma vez elevou a sua orientação para o ano de 2015. A empresa agora espera atingir EBITDA pré-excepcionais dentro da meta de 840 a 880 milhões de euros. Ela já havia assumida que o EBITDA pré-excepcionais para o ano inteiro seria de 820 a 860 milhões de euros.

“A Lanxess está voltando cada vez mais ao curso certo. No segundo trimestre deste ano, registramos um ótimo resultado operacional no qual todos os segmentos da nossa empresa contribuíram”, disse Matthias Zachert, Presidente do Conselho de Gestão Administrativa da Lanxess. “Com base nestes dados fortes e na rápida implementação do nosso programa de realinhamento, assumimos que o nosso resultado anual será maior do que o previsto”.

As vendas melhoraram em 4,3% no segundo trimestre de 2015 para 2,1 bilhões de euros, em comparação com os 2 bilhões de euros do mesmo trimestre do ano anterior. Volumes mais elevados e efeitos cambiais positivos mais do que compensaram a matéria-prima, induzindo preços de venda mais baixos. EBITDA pré-excepcionais aumentaram em 13%, de 239 milhões de euros para 270 milhões de euros. Este desenvolvimento foi impulsionado pelo aumento dos volumes, pelas economias geradas pelo realinhamento e pelos efeitos positivos a moeda devido ao dólar forte. A margem EBITDA pré-excepcionais subiu em conformidade para 12,8%, contra 11,8% no mesmo trimestre do ano anterior.

O lucro líquido melhorou substancialmente, 58,2%, para 87 milhões de euros de 55 milhões de euros do ano anterior. O desenvolvimento operacional e recursos provenientes da venda de ativos não circulantes contribuíram para esse aumento.

Despesas de capital reduzidas significativamente

Em cerca de 1,4 bilhões de euros, os passivos financeiros líquidos foram quase no mesmo nível que no final de 2014. Após a conclusão dos grandes projetos na Ásia, as despesas de capital diminuíram em mais da metade no segundo trimestre em relação ao trimestre do ano anterior, de 154 milhões de euros para 73 milhões de euros. “As medidas de consolidação financeira que temos implementado como parte de nosso processo de realinhamento estão tomando efeito”, disse o CFO da LANXESS Michael Pontzen. “este desenvolvimento foi recentemente recompensado pelas agências de classificação Moody e Standard & Poors, quando ambos confirmaram a classificação do nosso grau de investimento como com perspectiva estável.”

Desenvolvimento empresarial por segmento

Maiores volumes, efeitos positivos da moeda e preços de matérias-primas induzidos a ficarem mais baixos caracterizaram o desenvolvimento dos negócios no segmento de Polímeros de Alto Desempenho, e o resultado geral em vendas foi de cerca de 1,1 bilhões de euros. Isto representa um aumento de 3,5% contra o ano anterior, de 1 bilhão de euros. EBITDA pré-excepcionais para esse segmento subiram 22,1%, para 149 milhões de euros, em comparação com os 122 milhões de euros do segundo trimestre de 2014.

À luz da continua boa demanda em quase todos os mercados consumidores, as vendas do segmento de Intermediários Avançados aumentou 3,1%, de 454 milhões para 468 milhões de euros. EBITDA pré-excepcionais para o segmento chegou a 80 milhões de euros, 2,6% mais elevado do que no anterior, de 78 milhões de euros.

O segmento de Produtos Químicos de Alto Desempenho também teve um excelente desempenho no trimestre com as vendas subindo 6,8%, para 553 milhões em comparação com os 518 milhões do ano anterior. EBITDA pré-excepcionais avançou substancialmente, 35,8%, em relação com os 81 milhões de euros do ano anterior, para 110 milhões de euros. Em especial, os preços baixos da matéria-prima e os efeitos positivos da moeda e da economia contribuíram para esta melhoria nos lucros.

Realinhamento permanece totalmente dentro do cronograma

O programa de realinhamento de três fases iniciado pela LANXESS no ano passado continua a progredir de acordo com a programação. A empresa já implementou com sucesso a primeira fase. As medidas da segunda fase, que visam melhorar a competitividade operacional, também já foram iniciadas. Elas incluem a reorganização das redes de produção dos seus tipos de borracha EPDM (etileno propileno dieno monômetro) e Nd-PBR (borracha de butadieno com desempenho à base de neodímio).

A terceira fase do programa está focada em melhorar a competitividade do portfólio de negócios, especialmente através de alianças potenciais no negócio de borracha. “Neste contexto, estamos atualmente envolvidos em discussões muito construtivas e assumimos que vamos obter resultados concretos no decorrer do segundo trimestre do ano” disse Zachert.

A LANXESS iniciou um processo de conquista de mercado para transferir seus negócios de borracha para uma entidade empresarial legalmente independente dentro do Grupo Lanxess. “Desta forma, estamos criando as condições que nos permitirá levar o negócio de borracha a uma aliança”, continuou Zachert. A nova entidade deve compreender a unidades de negócios de Pneus & Borrachas de Especialidade (TSR) e os Elastômeros de Alto Desempenho (HPE), com suas 20 instalações de produção e cerca de 3.700 funcionários, bem como apoiar as funções administrativas.

Dados-chave do 2T 2015

(Valores em milhões de euros)

Lanxess_balanco
A LANXESS é uma multinacional com sede na Alemanha, apresentando vendas de 8 bilhões de euros em 2014 e cerca de 16.300 funcionários em 29 países. O principal negócio da LANXESS é o desenvolvimento, fabricação e comercialização de plásticos, borrachas, produtos intermediários e produtos químicos de especialidade.

Fonte: Assessoria de Imprensa Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess apresentou poliamidas retardantes de chama durante exibição no Sul da Alemanha

03/07/2015
  • Componentes de PBT e poliamida retardantes de chama
  • Baixa deformação e excelente qualidade da superfície
  • Fluidez para a fabricação de componentes com espessura fina

Lanxess_WurzburgA empresa de especialidades químicas Lanxess teve um estande na exposição que acompanhou o Congresso “Plásticos em Aplicações Eletroeletrônicas” da SKZ (Centro de Plásticos do Sul da Alemanha), que aconteceu no início de junho na Fortaleza de Marienberg em Würzburg. “Nossa exposição se concentrou em componentes de PBT e poliamida reforçada com baixíssima deformação, uma poliamida 6 com custo melhor para substituir as poliamidas com reforço mineral e as variantes de PBT com fluidez extremamente boa para a produção econômica de componentes de espessura fina”, explicou Alexander Radeck, especialista em desenvolvimento de aplicações na unidade de negócios Materiais de Alto Desempenho da Lanxess.

Outro foco foi colocado nos compostos de poliéster para aplicações em tecnologia de iluminação LED. A Lanxess também participaou da programação de palestras. Andy Dentel, desenvolvedor de aplicações na Bond-Laminates GmbH, uma subsidiária da Lanxess, falou sobre os “Usos potenciais dos compósitos termoplásticos com fibra em aplicações eletroeletrônicas: visão geral e status da tecnologia” na quarta-feira, 10 de junho.

Deformação baixa; qualidade da superfície

Os componentes de PBT e poliamida reforçada retardantes de chamas que apresentam baixa tendência a se deformar são alvos de uma demanda específica para a fabricação de peças de suporte geometricamente complexas e grandes. Com o Pocan AF, a Lanxess é um dos poucos fornecedores de misturas de PBT e ASA (copolímero de acrilonitrila-estireno-acrilato) para esse perfil de necessidades. “Eles resultam em superfícies excelentes, quase não produzem nenhum depósito no molde de injeção e são retardantes de chama”, disse Radeck.  Esse poder alto de retardância de chamas reflete-se na classificação V0 no teste UL 94 da organização americana de testes Underwriter Laboratories (UL) e o registro correspondente na certificação UL Yellow Card.

Entre os tipos de poliamida 6 com nível de deformação particularmente baixo que a Lanxess exibiu estava o Durethan BG 30 X F30 e o Durethan BG 30 X FN01, que são reforçados com, entre outros materiais, microesferas de vidro. Este último é um plástico retardante de chamas e sem halogênio, classificado como UL f1 para uso em aplicações ao ar livre com exposição a raios UV e água.

Alternativas econômicas com melhor desempenho

O Durethan BKV 25 FN27, que é customizado para substituir a poliamida 6 retardante de chamas com reforço mineral, oferece melhor desempenho a um preço comparável, afirma a Lanxess. “Este material também apresenta retração isotrópica, mas é mais rígido e mais sólido, pode receber coloração livremente e é mais fácil de soldar usando ultrassom. Também tem densidade mais baixa”, disse Radeck. No teste de fio incandescente de acordo com a norma IEC 60695-2-12, o material retardante de chamas – sem halogênio e sem fósforo – obteve o melhor valor possível no Índice de Flamabilidade por Fio Incandescente (GWFI) para plásticos a 960°C para amostras com espessuras de menos de 1 mm. Uma aplicação possível é em equipamento de comutação de baixa voltagem.

Ciclos até 20% mais curtos

As variantes Pocan XF com fluidez extremamente baixa, segundo a Lanxess, são reforçadas com um percentual de 10 a 55% em fibra de vidro. “Apesar da melhor propriedade de fluidez, elas são mais resistentes à hidrólise do que os grades de PBT padrão comparáveis e apresentam propriedades mecânicas similares”, explicou Radeck. Outro ponto forte é a distribuição bastante uniforme das fibras de vidro em áreas do componente com espessura fina. Para demonstrar isso, apresentações com o Pocan C 3230 XF foram feitas na feira em Würzburg.

Tepex – retardante de chamas, condutor de eletricidade

A palestra de Andy Dentel incluiu uma introdução aos novos tipos retardantes de chama do compósito de alto desempenho Tepex da Bond-Laminates GmbH – uma subsidiária da Lanxess – baseado em uma matriz de policarbonato. Ele também enfatizou as oportunidades oferecidas pelo Tepex retardante de chamas na produção de peças de suporte para as áreas de transmissão e distribuição de energia, por exemplo. Outro tópico abordado foram os tipos de materiais condutores de eletricidade do Tepex, que podem ser usados em aplicações com requisitos especiais de compatibilidade eletromagnética (CEM).

Com vendas de €8 bilhões em 2014 e aproximadamente 16.300 funcionários em 29 países, a Lanxess é representada por 52 unidades de produção em todo o mundo. A atividade principal da LANXESS é o desenvolvimento, a fabricação e a comercialização de plásticos, borracha, intermediários e produtos químicos especiais.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

EPDM de base biológica da Lanxess é usado na produção de vedações de borracha

10/06/2015

EPDM-green_seals_group2_teaser_4a9a0d97f8A Lanxess está fornecendo sua inovadora borracha EPDM de base biológica, Keltan Eco, para a Freudenberg Sealing Technologies. Este bem conhecido fabricante mundial de vedações e produtos de tecnologia de controle de vibração começou recentemente a produzir juntas de borracha feitas de Keltan Eco EPDM em sua filial norte-americana.

A borracha Keltan Eco EPDM (monômero de etileno-propileno-dieno) contém até 70% de etileno obtido a partir de cana de açúcar e possui um conjunto de propriedades que não é em nada inferior ao EPDM convencional. O composto de borracha biológica renovável, cujo desenvolvimento na Freudenberg Sealing Technologies começou em 2012, aborda as normas cada vez maiores de redução da pegada de CO2, especialmente na indústria automotiva, e o impulso global geral por soluções industriais mais sustentáveis.

Christian Widdershoven, Chefe da linha de negócios Keltan Elastomers dentro da unidade de negócios High Performance Elastomers da LANXESS, diz:” Além do desempenho técnico bem reconhecido dos polímeros Keltan EPDM, o Keltan Eco EPDM reduz a nossa dependência dos recursos fósseis, e como ele é obtido a partir de cana de açúcar renovável, ele tem uma pegada de CO2 significativamente melhor do que os polímeros à base de petróleo “.

Aplicações para EPDM de base biológica da Lanxess  

As aplicações para o composto de borracha à base de polímeros Keltan Eco incluem vedações para líquidos de arrefecimento, vapor, fluidos hidráulicos sintéticos, fluidos de freio e fluidos hidráulicos aeroespaciais. O material recentemente desenvolvido é capaz de suportar temperaturas de até 150 ° C e, segundo a Lanxess, tem uma excelente retenção de força de tensão ampla.  Os polímeros específicos Keltan Eco utilizados como soluções da Freudenberg Sealing Technologies para as exigências severas de transporte de fluidos contam com 45 % de conteúdo biológico renovável, que em última análise reduz a pegada de carbono de fabricação. Esta outra aplicação dos polímeros Keltan Eco, implementada com sucesso, reflete o fato de que os polímeros Keltan EPDM e suas variações “verdes” – Keltan Eco EPDM – diferem apenas em termos da origem do etileno utilizado na fabricação – fazendo a diferença ecológica.

Interesse crescente por produtos sustentáveis

Para todos os tipos de Keltan Eco, a troca do grade convencional, Keltan, pelo seu homólogo de base biológica, Keltan Ec, o não impõe exigências para os usuários, exceto a decisão de comprometer-se com produtos mais sustentáveis, que têm exatamente o mesmo desempenho de seus congêneres convencionais. O conteúdo de etileno de base biológica pode ser verificado pelo método de teste ASTM D-6866. “Atualmente, seis polímeros de borracha de base biológica da Lanxess estão disponíveis para o mercado”, diz Martin Kleimeier, gerente de marketing da linha de negócios Keltan Elastomers da Lanxess. “E o interesse por produtos sustentáveis ​​na indústria está crescendo.” Por exemplo, além de aplicações em vedações de transporte de fluidos, o Keltan Eco 6950 e o Keltan Eco 9950 oferecem ambos um alto peso molecular e um teor de dieno de cerca de nove por cento, tornando-os ideais para a fabricação de seções com espuma para vedações de lataria automotiva. O Keltan Eco 5470, por exemplo, como a preferência de alto teor de etileno, é usado para perfis de janelas e está sob avaliação para elastômeros termoplásticos (TPE-V), aplicações de grama e pisos artificiais.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess apresentou especialidades em plásticos de engenharia durante Feiplastic 2015

11/05/2015

Feiplastic_LanxessA Lanxess, empresa alemã multinacional de especialidades químicas para os setores automotivo, eletroeletrônico e industrial, participou da Feiplastic, uma das mais importantes feiras de inovações em plástico de alta tecnologia.

Durante a feira, a Lanxess apresentou suas linhas de compostos de Durethan® – plásticos de engenharia à base de poliamida 6 e 66 e Copolímeros; Pocan® -: plásticos de engenharia à base de polibutileno tereftalato (PBT) e blendas, além de Tepex® – compósitos termoplásticos personalizados.

Além desses produtos, a LANXESS também oferece outras soluções inovadoras e consultoria técnica oferecida exclusivamente aos seus clientes, incluindo um pacote de serviços diferenciados, com simulações estruturais e de processos.

Fonte: Lanxess; Foto: Reed Exhibitions Alcantara Machado

Curta nossa página no

Compósitos da Lanxess encontram aplicação em carrocerias automotivas

14/05/2014
  • Proteção do compartimento do motor feito com compósito de alta performance
  • Resistência e absorção de energia de alto nível
  • Consideravelmente mais leve do que o aço ou o alumínio

Lanxess_CompostiosOs compósitos de alto desempenho Tepex reforçados com fibras contínuas, da subsidiária da LANXESS Bond-Laminates, estão encontrando novas aplicações na área de carroceria automotiva. Um exemplo é o uso de uma variante do Tepex Dynalite para oferecer proteção do compartimento do motor do MINI John Cooper Works GP. “A força e a resistência extremas do nosso material trabalham muito a seu favor. Estas características fazem com que a proteção da parte inferior de um automóvel, que é propensa ao impacto de pedras e até mesmo a atolamentos em estradas ruins, seja mais robusta e extremamente resistente ao impacto”, diz Harri Dittmar, especialista em design leve na Bond-Laminates. Além disso, o alinhamento regular das fibras de vidro contínuas do compósito dá o componente uma aparência atraente parecida com o carbono.

Três vezes mais forte

O protetor é fabricado através de um processo de moldagem por compressão, que combina processos de formação e fluxo. Isto envolve compor o polipropileno com as mechas (rovings) de fibra de vidro contínua e dar forma ao elemento diretamente a partir da massa resultante da DLFT (sigla em inglês para termoplástico direta de fibra longa) em um molde de compressão. O que faz com que este processo de produção seja tão especial é o fato de que duas camadas exteriores Tepex Dynalite também sejam comprimidas ao mesmo tempo, de modo a reforçar a área específica submetida a maiores tensões. Isto produz um componente de sanduíche com um núcleo DLFT e parte da sua superfície feita a partir do compósito de alto desempenho. “Comparado a um componente DLFT com base unicamente em polipropileno, as camadas exteriores feitas com nosso material triplicam a resistência e a absorção de energia da peça”, diz Dittmar. O Tepex Dynalite 104-RG 601 consiste de uma matriz de polipropileno incorporado com um tecido contendo 47% em volume de mechas de fibra de vidro contínua.

Grande potencial como alternativa mais leve para os metais
Dittmar acredita que há imensas possibilidades de utilização para o  Tepex Dynalite, como uma proteção para a parte inferior da carroçaria em carros – especialmente em veículos destinados a países com estradas precárias que, portanto, necessitam de proteção extra. “As soluções Sandwich DLFT pode ser de até 50% mais leves do que o aço e 20% mais leves do que a proteção de alumínio. Os compósitos termoplásticos de sanduíche também oferecem isolamento acústico mais eficaz contra o impacto de pedras, em outras palavras, eles demonstram propriedades acústicas superiores também”, acrescenta Dittmar.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

LANXESS abre fábrica de compostos de Poliamidas e PBT em Porto Feliz

14/04/2014
  • Capacidade anual de 20 mil toneladas
  • Investimento de cerca de R$ 62 milhões
  • Criação de até 50 empregos

Lanxess_Porto_FelilzA LANXESS, multinacional alemã  do segmento de especialidades químicas, inaugurou sua nova fábrica de plásticos de alta tecnologia em Porto Feliz, interior de São Paulo. Com modernos padrões de produção, a planta terá inicialmente uma capacidade produtiva de 20 mil toneladas por ano. A LANXESS investiu cerca de € 20 milhões (R$ 62 milhões) e vai gerar até 50 postos de trabalho altamente qualificados.

O investimento apoia a tendência crescente pela “Mobilidade Verde” no Brasil e América Latina. Por exemplo, desde o início de 2013, o programa “Inovar-Auto” está exigindo que os carros no Brasil sejam mais eficientes energeticamente até 2017. Com a nova planta, a LANXESS pode atender melhor e mais rapidamente a demanda por plásticos de alta tecnologia, usados ​​no setor automotivo para fazer carros mais leves.

“Este grande investimento em uma linha de composição de ponta enfatiza o nosso forte compromisso com nossos clientes no Brasil e na América Latina, que agora podem contar com produção local, engenharia e serviços técnicos locais, bem como com a excelente qualidade do produto e atendimento ao cliente”, disse Werner Breuers, membro do Conselho de Administração da LANXESS.

Na nova fábrica de compostos, polímeros básicos são misturados e refinados com aditivos especiais e fibras de vidro, de acordo com os requisitos do cliente, para fazer as linhas de produtos  Durethan (compostos de poliamidas)  e Pocan (PBT – polibutilenotereftalato).

Segundo a Lanxess,  estes materiais são utilizados para a fabricação de peças mais leves, que podem substituir componentes metálicos em veículos,  ajudando assim a reduzir o consumo de combustível e as emissões. Além disso,  acrescenta a empresa,  esses materiais permitem que os fabricantes de automóveis e fornecedores tenham mais liberdade no design e promovam uma economia considerável na produção.

Devido às suas  propriedades, ambos os plásticos têm uma ampla variedade de aplicações, como puxadores de portas, para-choques, front-ends, conectores de cabos, tubos de refrigeração, entre outros.

Desde 2012, a LANXESS está ampliando a sua rede de produção global de plásticos de alta tecnologia. Na Antuérpia, na Bélgica, a empresa está construindo uma nova fábrica de plásticos de poliamida. A instalação em escala mundial é projetada para uma capacidade anual de 90 mil toneladas e está programada para entrar em operação no terceiro trimestre de 2014.

A unidade de negócios High Performance Materials (HPM) faz parte do segmento Performance Polymers, que gerou € 4,5 bilhões em vendas no ano fiscal de 2013. A unidade de negócios tem cerca de 1.700 funcionários no mundo todo. A HPM é altamente integrada para trás na cadeia de valor. Ela fabrica os precursores para os seus plásticos de alta tecnologia, como as fibras de vidro para os compostos de poliamidas e PBT, o monômero caprolactama para síntese de poliamidas 6  e suas matérias-primas, em todas as suas próprias instalações. A unidade de negócios é dirigida por Michael Zobel.

LANXESS no Brasil

Porto Feliz é uma planta de grande porte para a LANXESS, com 310 funcionários. A unidade de negócios Rhein Chemie da LANXESS produz aditivos de borracha neste local há dez anos. Desde 2013, ela também faz bladders de alta performance nesta planta. Em 2014, uma nova unidade para a fabricação de aditivos de borracha pré-dispersos ligados a um polímero será adicionada. A unidade de negócios Inorganic Pigments também conta com uma unidade de produção no local.

“Nosso objetivo é transformar o site de Porto Feliz em um hub importante de produtos químicos de especialidade, com as mais recentes tecnologias para nossos clientes no Brasil e na América Latina”, afirma Marcelo Lacerda, presidente da LANXESS no Brasil.

A LANXESS tornou-se uma das maiores empresas químicas no Brasil após a aquisição da Petroflex em 2008 e emprega cerca de 1.100 trabalhadores em sete unidades produtivas. O Brasil, que era responsável por menos de um por cento das vendas globais da LANXESS em 2005, hoje responde por aproximadamente 9% das vendas globais.

A LANXESS teve um volume de vendas de 8,3 bilhões de Euros em 2013.  Atualmente conta com cerca de 17.300 funcionários distribuídos em 31 países. A companhia possui 52 unidades de produção ao redor do mundo. O core business da LANXESS é o desenvolvimento, produção e venda de especialidades químicas, plásticos, borracha e intermediários.   No Brasil, a LANXESS está representada por meio de suas 14 unidades de negócio, possui aproximadamente 1.100 funcionários, 7 unidades produtivas, laboratórios e escritórios, distribuídos pelas cidades de São Paulo e Porto Feliz (SP), São Leopoldo e Triunfo (RS), Duque de Caxias (RJ), Cabo de Santo Agostinho e Recife (PE).

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess espera prejuízo global de 159 milhões de euros em 2013

05/03/2014

A empresa de especialidades químicas LANXESS foi submetida a testes de recuperabilidade (impairment tests), de acordo com a IAS 36, que resultam em encargos excepcionais de 257 milhões de euros no quarto trimestre de 2013.

Devido ao desenvolvimento esperado de excesso de capacidade, bem como os custos das matérias-primas e de energia, um ambiente competitivo é antecipado em que contribuições futuras de fluxo de caixa já não refletem os valores contábeis das unidades de negócio Keltan Elastomers e High Performance Elastomers (segmento Performance Polymers), bem como Rubber Chemicals (segmento Performance Chemicals).

As imparidades estão sendo incorridas financeiramente no quarto trimestre de 2013 e afetam o EBIT e o lucro líquido em 2013.

As imparidades acima mencionados, juntamente com as despesas excepcionais de cerca de 30 milhões de euros, apresentadas dentro do programa de eficiência “Advanced”, resultam em um lucro líquido negativo e no lucro por ação (EPS) no quarto trimestre de 2013, bem como em todo o ano de 2013.

Se espera que o prejuízo líquido para o ano de 2013 seja de 159 milhões de euros. O EPS para o ano deverá ser negativo em 1,91 euros. O EBITDA pré-excepcionais não está sujeito aos encargos de depreciação e é esperado para ser de 735 milhões de euros, dentro da faixa orientada de 710-760 milhões de euros. O faturamento deverá ser de 8,3 bilhões de euros. Os números finais serão fornecidos nas demonstrações financeiras consolidadas de 2013, que ainda não foram concluídas.

Sujeito à aprovação do Conselho de Supervisão, o Conselho de Administração irá propor um dividendo de EUR 0,50 por ação para o exercício de 2013, durante a Assembléia Geral Ordinária, em 22 de maio de 2014. A LANXESS pagou um dividendo de EUR 1 por ação para o ano fiscal de 2012.

Para o ano de 2014, a LANXESS espera um EBITDA pré-excepcionais ligeiramente melhor, devido exclusivamente à ausência de itens extraordinários, mesmo que os preços de venda permaneçam em níveis baixos.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Fábrica da LANXESS em Triunfo completa 25 anos de existência e comemora abrindo as portas aos colaboradores e seus familiares

20/12/2013

Lanxess_KEL_eventoA LANXESS comemorou os 25 anos do início de operação da planta de Triunfo KEL no dia 07/12, sábado, reunindo os colaboradores e seus familiares em uma “Integração Familiar”.

A unidade gaúcha, produtora de borracha sintética de EDPM possui cerca de  110 funcionários,  está em operação desde 1988 e tem uma área construída de 16.700 m2, em um total de 200.000 m2 para todo o site. A planta possui a certificação ISO 9001 e ISO 14001.

A programação especial de aniversário contou com um café da manhã de boas vindas  e,  logo após, todos participaram de um tour guiado por áreas como, Laboratório, Produção e Armazenagem e Sala de Controle.

Os familiares puderam ver e tocar a borracha sintética EPDM, produzida em Triunfo KEL, e conferiram amostras de produtos nos quais a borracha é utilizada, como peças automotivas, construção civil e isolamento de cabos elétricos. “A exposição de EPI’s fez muito sucesso entre as crianças, que ficaram curiosas e quiseram experimentar as roupas de segurança para tirar fotos. Foi um momento de integração e celebração”, conta Abigail Polesello, colaboradora do site.

“Este tipo de evento é muito importante, pois é uma oportunidade de repartir com nossas famílias o orgulho que sentimos em fazer parte da LANXESS. Pude ver o brilho no olhar das crianças, dos pais e dos cônjuges de nossos colaboradores, que estão conosco há meses, anos, décadas, ou até mesmo todos os 25 anos de nossa história”, comentou Egon Filter, gerente da fábrica.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess apresenta produtos na K 2013

30/08/2013

Entre os dias 16 e 23 de outubro, a multinacional alemã LANXESS participará, em Dusseldorf, na Alemanha, da K2013,  evento internacional voltado para o segmento de plásticos e borrachas.

k_2013A LANXESS focalizará suas soluções inovadoras para a mobilidade verde na K 2013. “Em todo o mundo existem mais de um bilhão de carros nas ruas e estradas, e até 2050 este número deverá subir para 2,5 bilhões. Portanto, a mobilidade sustentável está se transformando em uma megatendência global. Com inúmeros produtos e tecnologias, a LANXESS já é pioneira em mobilidade verde”, afirma o Dr. Werner Breuers, membro do Conselho de Administração da LANXESS. Entre outras coisas, a LANXESS utilizará a feira para focalizar na sua borracha de alta performance e nos produtos químicos de borracha para os pneus verdes com baixa resistência à rolagem, em termoplásticos de alta tecnologia para redução de peso e na sua borracha com base em matéria-prima sustentável.

Cultura de inovação voltada para a aplicação

Em 2012, a empresa de especialidades químicas LANXESS gerou quase 20% das vendas do grupo com produtos de mobilidade verde. “A nossa cultura de inovação está se concentrando sistematicamente nas necessidades de nossos clientes e trabalhamos em estreita colaboração com eles para desenvolver soluções inovadoras que podem ser lançadas no mercado de forma mais rápida e econômica possível”, afirma Breuers. No ano passado, a LANXESS investiu €192 milhões – cerca de 2,1% de suas vendas – em pesquisa e desenvolvimento, cerca de 33% a mais do que no ano anterior. “Em especial, a nossa cultura de inovação tem como objetivo o pagamento de dividendos nos mercados em crescimento na China, Índia, Rússia e Brasil, onde estamos fortalecendo nossa presença significativamente”, complementa o executivo. Por exemplo: uma fábrica de borracha butílica, com uma capacidade anual de 100 mil toneladas métricas foi inaugurada em Cingapura há um mês.

EPDM – foco na tecnologia ACE e nos mercados em crescimento

A LANXESS está buscando captar nova participação de mercado no mundo com mundial em elastômeros de etileno-propileno de alto desempenho (EPDM) Keltan com tecnologias avançadas de produção, investimento em mercados de crescimento e um portfólio focalizado. Segundo a empresa, a inovadora tecnologia ACE desempenha um papel-chave neste aspecto, produzindo EPDM sem o uso de cloro em um processo de elevada pureza e com uma composição que pode ser controlada com um grau de detalhamento que dificilmente teria sido possível no passado. “Sete grades no portfólio de EPDM têm um desempenho superior graças à tecnologia. Ela também nos permite adicionar novas grades de EPDM ao nosso portfólio”, completa o Dr. Torsten Derr, head da unidade de negócio Keltan Elastomers. Seus investimentos incluem a maior planta do mundo de EPDM em Changzhou, na China, com uma capacidade anual de até 160 mil toneladas. O início da produção está previsto para 2015.

Grades de borracha técnica – solucionando problemas muito específicos

A Lanxess afirma que a unidade de negócios High Performance Elastomers, um dos principais fornecedores do mundo de borracha técnica, está empenhada em desenvolver especialidades inovadoras como soluções para problemas muito específicos. Ela está seguindo uma estratégia de quatro vertentes em borracha nitrílica de butadieno (NBR). Além de grades de NBR com custo-benefício e diversificação do portfólio através de materiais específicos para clientes, por exemplo, o foco também são os grades inovadores de NBR e novos grades de pó de NBR, Baymod. Um passo inovador de composição na produção de policloropreno amplia a gama de aplicações para esta borracha. “Isso ajudou-nos a desenvolver duas novas famílias de produtos, Baypren HP e GF. Baypren HP inclui produtos com propriedades que ainda não estão disponíveis no mercado”, afirma Jan Paul de Vries, chefe de High Performance Elastomers. Entre os materiais Levapren de poliacetato de vinila (EVM) em desenvolvimento, um grade para a modificação da resistência ao impacto de ácido poliláctico é altamente promissor, afirma a empresa. O ponto de foco das atividades de investimento da unidade de negócios é a Ásia. Por exemplo, uma planta de borracha nitrílica com uma capacidade anual de 30 mil toneladas foi inaugurada em Nantong na China, em maio de 2012, em conjunto com um parceiro.

Termoplásticos de alta tecnologia – redução de peso na indústria automotiva

A unidade de negócios High Performance Materials (HPM) pretende exibir na K 2013 sua posição global em construção automotiva leve, com base em poliamidas de alta tecnologia e poliésteres Durethan e Pocan. Isto foi recentemente reforçado por meio da aquisição da Bond-Laminates, um fabricante e fornecedor de compostos contínuos de termoplástico de performance reforçado com fibra comercializados sob a marca TEPEX. “Somos hoje um dos poucos fabricantes de termoplásticos no mundo que podem fornecer compostos e compostos de performance reconhecidos, em produção de grande escala com o know-how de aplicações correspondentes para o volume de produção de componentes leves “, afirma o Dr. Michael Zobel, diretor da HPM. A empresa vai aproveitar principalmente sua posição única em construção leve para ampliar ainda mais o negócio nos mercados de crescimento e continuar o processo de globalização com novas instalações de produção. Entre os exemplos de expertise de HPM para construção leve citada por Zobel estão as primeiros dianteiras que consistem inteiramente de poliamida 6 e o primeiro pedal de freio para carros feito com poliamida reforçada com fibras de vidro contínuas e adequado para produção em série em grande escala.

Fonte: Lanxess / Virta

Curta nossa página no

LANXESS abre inscrições para Programa de Estágio 2014

06/08/2013

Vagas são para nível superior e técnico e os candidatos podem se inscrever entre 1 de agosto e 23 de setembro

A LANXESS, empresa líder no segmento de especialidades químicas e a principal produtora de borracha sintética do mundo, acaba de abrir as inscrições para seu Programa de Estágio 2014. As vagas são para as cidades de São Paulo(SP), Porto Feliz (SP), Triunfo (RS), Duque de Caxias (RJ) e Cabo de Santo Agostinho (PE), e contemplam tanto cursos técnicos como de graduação.

Para os cursos técnicos, podem se inscrever estudantes acima de 18 anos das seguintes áreas: Química, Segurança do Trabalho, Mecânica, Eletromecânica, Elétrica, Eletricidade, Eletrônica, Eletrotécnico, Instrumentação e Mecatrônica.

Já os estudantes de graduação devem ter inglês avançado e estar cursando a partir do 4º semestre dos seguintes cursos: Ciências Contábeis, Administração,  Direito, Economia, Engenharia de Produção, Engenharia Mecânica, Engenharia de Materiais, Engenharia Química, Psicologia e Química.

A LANXESS oferece bolsa-auxílio, além de benefícios como auxílio-transporte, auxílio-refeição, assistência médica e seguro de vida.  Para mais informações e inscrições acesse o site – http://www.lanxess.com.br

Sobre a LANXESS: A LANXESS é líder em especialidades químicas, com volume de vendas de 9,1 bilhões de euros em 2012. Atualmente conta com cerca de 17.400 funcionários distribuídos em 31 países. A companhia possui 50 unidades de produção ao redor do mundo. O core business da LANXESS é o desenvolvimento, produção e venda de especialidades químicas, plásticos, borracha e intermediários.  No Brasil, a LANXESS está representada por meio de suas 14 unidades de negócio, possui mais de 1.100 funcionários, 5 unidades produtivas, laboratórios e escritórios, distribuídos pelas cidades de São Paulo e Porto Feliz (SP), São Leopoldo e Triunfo (RS), Duque de Caxias (RJ), Cabo de Santo Agostinho e Recife (PE).

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess produz PBT a partir de matéria-prima renovável pela primeira vez em uma planta industrial

25/06/2013
Lanxess_PBT

Planta industrial em Hamm-Uentrop, na Alemanha, usada pela Lanxess para converter bio-BDO em PBT.

  • PBT (polibutileno tereftalato) é produzido em uma planta de escala mundial com 1,4-butanodiol (BDO) obtido da fermentação de acúcares   
  • 20 toneladas de bio-BDO obtido através de processo da Genomatica foram convertidos em PBT   
  • PBT obtido a partir de BDO de origem renovável tem mesma qualidade que o mesmo material derivado de petróleo.

A Lanxess e a Genomatica anunciaram que a Lanxess operou com sucesso uma campanha de produção de PBT em um planta industrial da Lanxess com 20 toneladas de BDO (1,4-butanodiol) obtido através de um processo da Genomatica já comercialmente comprovado. Este BDO atendeu às exigentes especificações da Lanxess para o BDO derivado de petróleo, permitindo uma alimentação direta de 100% do bio-BDO  no processo de produção contínua.

As propriedades e a qualidade do PBT de base biológica resultante são totalmente equivalentes às do PBT convencional derivado de petróleo com relação a todos os parâmetros testados. A planta industrial de PBT, em escala mundial, com uma capacidade de 80.000 toneladas métricas por ano, está localizada em Hamm-Uentrop, na Alemanha, e operou como uma joint venture na qual a LANXESS tem uma participação de 50%.

A tecnologia de processo da Genomatica converte açúcares – uma matéria-prima renovável –  em BDO através de um processo de fermentação  “direta”,  que foi patenteado.

“Nós estávamos entusiasmados para validar o BDO de base biológica feito com o processo da Genomatica como um substituto integral para o BDO derivado de petróleo na produção de nosso PBT”, disse Hartwig Meier, chefe global de Desenvolvimento de Produtos e Aplicações da Unidade de Negócios da LANXESS de Materiais de Alto Desempenho . “Este é um forte sinal para o mercado e um enorme passo à frente em nossos planos futuros para oferecer o nosso plástico de alta tecnologia Pocan também em uma versão de base biológica. Devido às suas propriedades inalteradas, os compostos Pocan derivados do bio-PBT podem ser usados diretamente em campos de aplicação estabelecidos, como a área automotiva ou de eletro-eletrônicos. Isso se encaixa muito bem na nossa estratégia de ‘Mobilidade Verde’. “

“O sucesso da LANXESS prova a rapidez com que os monômeros de base biológica podem ser integrados em unidades de produção de polímeros de escala industrial quando você pode oferecer exatamente o mesmo desempenho de uma “commodity” química já existente”, disse Christophe Schilling, Ph.D., CEO da Genomatica . “Esta é uma prova adicional de que conseguimos os detalhes certos.”

A LANXESS é uma empresa líder em especialidades químicas, com vendas de EUR 9,1 bilhões em 2012 e cerca de 17.400 funcionários em 31 países. A empresa está atualmente representada em 50 unidades de produção em todo o mundo. O core business da LANXESS é o desenvolvimento, fabricação e comercialização de plásticos, borracha, produtos intermediários e produtos químicos especiais.

A Genomatica é uma fornecedora líder de processos para a indústria química, oferecendo novos processos de fabricação de produtos químicos a partir de matérias-primas renováveis, de forma econômica e sustentável, em comparação com processos tradicionais baseados em petróleo. O primeiro processo de Genomatica – para a produção de BDO – agora está disponível comercialmente. A Genomatica também está desenvolvendo processos para outros produtos químicos de alto volume, incluindo butadieno.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no