Posts Tagged ‘Jogos Olímpicos 2016’

Termotécnica recicla o isopor® da Vila Olímpica

03/08/2016

Termotecnica_Olimpiadas

Após o material ser recolhido pela empresa contratada pelo Comitê Olímpico para gestão dos resíduos, Termotécnica realiza a reciclagem

Instalar equipamentos de ar-condicionado, refrigeradores, fogão, entre outros, nos 3.604 apartamentos, distribuídos nos 31 edifícios da Vila Olímpica, no Rio de Janeiro (RJ), certamente gerou e está gerando um grande volume de resíduos recicláveis, entre eles, o isopor®. Além disso, o dia-a-dia dos mais de 15 mil atletas que se hospedarão por lá durante os jogos também vai produzir mais desses resíduos, que precisam ser descartados corretamente.

Diante deste cenário, a Termotécnica firmou parceria com a Prórecicle Ambiental e,  juntas,  são responsáveis pela logística reversa e reciclagem de todo o EPS (sigla para Poliestireno Expandido, popularmente conhecido como isopor®) recolhido na Vila Olímpica, no Rio de Janeiro (RJ.

A parceria prevê que a Prórecicle Ambiental, que está localizada em Duque de Caxias (RJ), é responsável pela compactação e armazenamento do isopor®, após seu recebimento. Depois de acumular um volume grande do material, a empresa fluminense enviará o mesmo para a Termotécnica, que se responsabilizará pelo processo de reciclagem,  dando origem a novos produtos, como solados de sapatos, rodapés, molduras e decks de piscina.

Rodrigo Faria, Sócio Diretor da Prórecicle Ambiental, destaca que a parceria com a Termotécnica iniciou-se há pouco tempo, mas já é certo que terá continuidade após as Olimpíadas. “Atualmente, somos a única empresa no Estado do Rio de Janeiro que possui todas as licenças necessárias para a coleta, transporte e destinação correta do EPS para reciclagem. Com o apoio da Termotécnica, fortaleceremos a divulgação da reciclabilidade do material e ampliaremos nossa atuação com o isopor®”, afirma Rodrigo.

Segundo Albano Schmidt, Presidente da Termotécnica, “dar o destino correto ao EPS pós-uso da Vila Olímpica é mais do que um compromisso da Termotécnica; é uma excelente oportunidade de mostrar ao mundo inteiro que o isopor® é um plástico, que pode ser 100% reciclável, e que no Brasil trabalhamos com seriedade pela sua logística reversa e reciclagem”, enaltece Albano.

Isopor® é 100% reciclável

De acordo com a Plastivida – Instituto Sócio-ambiental dos Plásticos,  cerca de 34,5% do EPS pós-consumo é reciclado no Brasil. Aproximadamente um terço de toda essa reciclagem é feita pela Termotécnica.

Programa Reciclar EPS

Com o Programa Reciclar EPS, que teve início em 2007 e, de forma inovadora e pioneira, se antecipou à PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos), a Termotécnica realiza um trabalho contínuo de orientação da comunidade para a reciclagem.

A empresa passou a investir no desenvolvimento de uma ampla cadeia de logística reversa e de reciclagem, o que foi um desafio substancial, pelo fato de ser um material extremamente leve (98% de seu volume é composto por ar).

Com investimentos na ordem de R$15 milhões, iniciou o processo de reciclagem junto das unidades de negócio da empresa, localizadas em Manaus (AM), Indaiatuba (SP), Rio Claro (SP), São José dos Pinhais (PR), Joinville (SC), Petrolina (PE) e Sapucaia do Sul (RS).

Números representativos do Programa Reciclar EPS

– Mais de 30 mil toneladas de EPS reciclado pela Termotécnica desde 2007;
– 100 empregos diretos;
– Mais de 1.200 Pontos de Coleta;
– 391 cooperativas envolvidas;
– mais de 5mil famílias impactadas.

Portal online indica o ponto de entrega mais próximo

Com o objetivo de fortalecer a divulgação do Programa, a Termotécnica disponibiliza o Portal Reciclar EPS: www.reciclareps.com.br

Se a intenção for verificar onde está o ponto de entrega mais próximo, é só acessar o portal. Ao clicar no link “Onde reciclar”, o site identifica e direciona, em todo o território nacional, o ponto mais próximo de recolhimento de EPS para reciclagem.

A Termotécnica é a maior indústria transformadora de EPS (isopor®) da América Latina e líder no mercado brasileiro deste segmento. Produz soluções para Construção Civil, Embalagens e Componentes, Conservação, Agronegócio e Movimentação de Cargas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Termotécnica

Curta nossa página no

Anúncios

Torneio de hóquei dos Jogos Olímpicos Rio 2016 será disputado em gramado sintético de padrão mundial produzido com tecnologia Dow

07/04/2015

​​Companhia Química Oficial dos Jogos Olímpicos, a Dow trabalha com cliente estratégico para fornecer de superfícies de alto desempenho para os campos do Centro Olímpico de Hockey

Dow_at_London_2012Baseado no sucesso da experiência dos Jogos Olímpicos Londres 2012, a solução inovadora de grama sintética produzida com as tecnologias de polietileno (PE) e poliuretano (PU) da Dow será a superfície oficial dos campos onde acontecerão as disputas de hóquei dos Jogos Olímpicos Rio 2016, na Região de Deodoro.

A Dow, Companhia Química Oficial dos Jogos Olímpicos, vai trabalhar novamente em parceria com a Polytan STI, empresa com sede na Alemanha e fornecedora líder de superfícies esportivas para áreas internas e externas, para oferecer uma solução de grama sintética de alto desempenho, maior confiabilidade e velocidade para os melhores jogadores de hóquei do mundo que estarão no Rio. A Dow e seu cliente trabalharam juntos no Riverbank Arena, durante os Jogos Olímpicos Londres 2012, e ajudaram a definir um novo padrão para os mais importantes campeonatos de hóquei sobre grama do mundo.

Características inovadoras

Dois campos e uma área de aquecimento do Centro Olímpico de Hóquei, localizado no Parque Olímpico de Deodoro, além de dois campos a serem construídos na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), contarão com uma superfície de jogo completa, composta de materiais específicos de alto desempenho unidos por meio de camadas múltiplas. O sistema de superfície é projetado para oferecer maior durabilidade, aumentando a vida útil do campo e garantindo uniformidade durante o intenso cronograma de competições dos Jogos.

A produção de grama sintética é um processo complexo. O sistema começa com a produção da base principal (masterbatch) e dos fios para a grama. Os passos seguintes, de inserção de tufos e desenvolvimento do suporte, proporcionam uma liga mais resistente, mesmo quando a grama está molhada. Para a camada superior da superfície, o fio polimérico proporciona resistência ao desgaste e absorção de energia, combinado com suavidade e velocidade. Este sistema de grama completo, que embute propriedades de amortecimento, oferece propriedades de estabilidade, durabilidade, absorção de impactos e redução de esforço, beneficiando os jogadores e o esporte.

O sistema com certificação internacional também possui capacidade de coloração, o que possibilita características estéticas e de design personalizadas para a superfície de jogo. As Olimpíadas de Londres 2012 marcaram o primeiro campeonato olímpico de hóquei em gramado azul da história. O azul permite que jogadores, equipe de arbitragem, espectadores e profissionais de mídia acompanhem mais facilmente o jogo por oferecer um alto nível de contraste com a bola amarela e as linhas demarcatórias brancas.

“O posicionamento único da Dow como Companhia Química Oficial dos Jogos Olímpicos e líder global no setor de plásticos, combinado à experiência de nosso cliente em superfícies de jogo sintéticas, nos permite oferecer as melhores condições de gramado para os maiores atletas do mundo – não só de hóquei, mas também de outros esportes”, destacou Ana Carolina Haracemiv, Diretora Global de Marketing para a unidade de Embalagens e Plásticos de Especialidade da Dow. “A solução que desenvolvemos em conjunto é durável, exige pouca manutenção, mantém-se uniformemente plana e veloz partida após partida, além de não necessitar de água como a grama natural”.

Contribuindo para o legado Olímpico no Rio

Além dos atletas olímpicos, os cidadãos do Rio se beneficiarão das inovadoras superfícies de jogo que serão instaladas em Deodoro, uma vez que o parque olímpico será um dos principais legados da cidade após o término das Olimpíadas. A Dow e seu cliente planejam doar material para a construção dos campos de hóquei a fim de garantir seu uso em longo prazo.

“A contribuição que estamos recebendo da Dow e seu cliente é um exemplo extraordinário de como os Jogos Olímpicos Rio 2016 estão transformando – para melhor – a nossa cidade e suas comunidades”, afirmou Sidney Levy, CEO do Rio 2016. “São necessários verdadeiro espírito olímpico, parcerias sólidas e cidadania corporativa para que possamos oferecer esse legado único para o futuro do Rio”.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no