Posts Tagged ‘Informa Exhibitions’

Com muitos negócios e tecnologia, Plástico Brasil 2019 registrou clima de otimismo e expectativa de investimentos para modernização do parque fabril da cadeia do plástico

03/04/2019

Corredores cheios, muitos negócios, tecnologia e conhecimento marcaram a segunda edição da Plástico Brasil 2019 – Feira Internacional do Plástico e da Borracha, encerrada na sexta-feira, 29 de março, no São Paulo Expo.

Uma iniciativa da Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, Abiquim – Associação Brasileira da Indústria Química e Informa Exhibitions, o evento se consolidou com a entrada de mais de 100 novas empresas, área de exposição 20% maior que a edição de 2017 e, segundo os organizadores, uma visitação de 45 mil compradores e profissionais do setor, confirmando as suas expectativas.

A Plástico Brasil 2019 reuniu mais de 800 marcas nacionais e de outros 13 países: Alemanha, Argentina, Áustria, China, Estados Unidos, Hungria, Índia, Itália, México, Portugal, Suíça, Taiwan e Turquia.

Para José Velloso, presidente-executivo da Abimaq, conquistar esta posição num espaço tão curto de tempo tem uma explicação simples: tecnologia. “Quando idealizamos a Plástico Brasil anos atrás, nós queríamos transformar as feiras para indústria do plástico e fazer não só um evento de negócios, mas de tecnologia”, lembra.

Na avaliação do dirigente, a situação econômica dos últimos anos represou os investimentos; no cenário atual, a expectativa de retomada do crescimento econômico fez com que os transformadores viessem à feira “com apetite”. “A Plástico Brasil apresentou o que há de mais moderno em tecnologia para máquinas para a indústria do plástico. O visitante pôde entrar em contato com essa tecnologia, se atualizar e aprender como melhorar seus índices de produtividade”, acrescentou.

No quarto dia da feira (28), Velloso acompanhou o secretário-executivo da Secretaria de Governo da Presidência da República, Mauro Biancamano Guimarães, numa visita aos estandes da Plástico Brasil 2019, para demonstrar o alto grau de desenvolvimento tecnológico da indústria brasileira de máquinas para plástico.

Presidente da Abiquim, Fernando Figueiredo reforça que a feira acontece num momento de otimismo e confiança na retomada do crescimento econômico, quando os empresários estão projetando seus investimentos futuros. “Quando as fábricas se modernizam com máquinas de última geração e ganham produtividade, a indústria de resinas termoplásticas se beneficia pelo aumento da demanda por matéria-prima.

Para Figueiredo, a participação da entidade como correalizadora da Plástico Brasil vai ao encontro da tendência mundial pela busca de soluções colaborativas e promove a integração da cadeia do plástico, da qual a indústria de resinas termoplásticas é parte fundamental.

Gino Paulucci Jr., presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Acessórios para a Indústria do Plástico da Abimaq e da Comissão Organizadora da Plástico Brasil 2019, conta que o retorno que recebeu dos expositores é que todos ficaram muito satisfeitos. Mais que isso, ele ouviu elogios dos visitantes, que destacaram ambiente favorável à realização de negócios, tanto em termos de estrutura dos estandes e do pavilhão, quanto da tecnologia à disposição. “Os clientes vieram à feira dispostos a romper o represamento dos investimentos. Eles sabem que parque industrial brasileiro precisa ser renovado com urgência se quiser ganhar competividade no mercado mundial”, lembra Paulucci. “E a Plástico Brasil ofereceu isso totalmente”.

Quanto à sua empresa, a Polimáquinas, o executivo garante que a participação na Plástico Brasil superou todas as expectativas. “Notamos mais indústrias em busca de modernização de suas plantas do que de expansão. O interessante é que algumas empresas estão fazendo programação bianual, o que demonstra a confiança na economia e amplia o horizonte de negócios de nós, expositores”, explica Paulucci.

Conteúdo

A oferta de conteúdo técnico ocupou papel de destaque na Plástico Brasil 2019. Foram mais de 80 horas de seminários, palestras e workshops, como o Parque de Ideias, VDI Road Show, 1º Abinfer Business Center – ABC 2019, PETtalk 2019, SEBRAE Móvel, Escola Móvel de Indústria 4.0 do SENAI – SP e o SMED (Single Minute Exchange of Die), demonstração de troca rápida de moldes automatizada.

Com foco na produtividade e redução do tempo de setup, o SMED demonstrou uma injetora ROMI EM 170 equipada com moderno sistema de troca rápida de molde, composto por robô, placas magnéticas e sistemas de acoplamentos rápidos. O sistema é adequado às trocas frequentes de moldes em injetoras de todos os tamanhos. A troca rápida em demonstração na Plástico Brasil levou, em média, 1’55”.

Responsável pelo 1º Abinfer Business Center – ABC 2019, Christian Dihlmann, presidente da Abinfer – Associação Brasileira da Indústria de Ferramentais destacou o sucesso da parceria entre a Plástico Brasil e a entidade. “Foi acima do esperado, tanto para nós da Abinfer como para as ferramentarias participantes”. Ainda segundo Dihlmann, alguns expositores do espaço tiveram o retorno de todo o investimento já no primeiro dia.

“Nosso balanço é extremamente positivo”, elogiou Dihlmann, comentando que a iniciativa se destacou ainda por colocar no mesmo espaço empresas de portes diferentes: “O visitante pôde negociar com empresas grandes ou menores, dentro daquilo que ele procurava”.

Marco Basso, presidente da Informa Exhibitions, lembra que, além de maior promotora de eventos do mundo, a empresa tem expertise em oferecer conteúdo que contribui de forma decisiva para o desenvolvimento profissional, técnico e econômico dos segmentos em que atua, como ficou contatado na recém-encerrada Plástico Brasil 2019. “A Plástico Brasil cumpriu seu papel ao oferecer não só muita tecnologia nos estandes das 800 marcas, mas também muito conhecimento na rica programação técnica com mais de 80 horas de atividades”, reforça o executivo.

Sustentabilidade

A área de exposição da feira refletiu a atenção com que a indústria do plástico trata a questão da Sustentabilidade e o investimento em pesquisa e desenvolvimento feito pelos fornecedores de máquinas voltadas para o processamento de resíduos plásticos. Além disso, uma programação técnica com palestras ministradas pela Plastivida, instituto socioambiental dos plásticos que atua na educação ambiental; TriCiclos, empresa de engenharia de economia circular aplicada; e Braskem, maior produtora de resinas das Américas, tiveram destaque na programação do Parque de Ideias.

Desde a montagem até a desmontagem da Plástico Brasil, os resíduos gerados pelos expositores e visitantes foram coletados por catadores da Cooperativa Prioridade Ambiental, que separaram o material em caçambas. Com o término da coleta, a cooperativa transportou os resíduos para seu galpão, onde receberam destino ambientalmente corretos e se converteram em renda para os cooperados.

Também numa parceria com a Plastivida e a empresa Plastimil – Fortymil, a Plástico Brasil realizou mais uma vez o projeto Tampinha Legal, que promoveu a educação ambiental por meio da coleta de tampas plásticas dos produtos consumidos na Praça de Alimentação da feira e produzidas por empresas expositoras nas demonstrações de seus equipamentos.

Marcas expositoras destacam a quantidade e qualificação dos visitantes e o alto volume de negócios realizados

A Plástico Brasil 2019 se confirmou como uma janela de oportunidades para os transformadores modernizarem suas plantas depois de anos de paralisação dos investimentos.

Expositores da feira destacaram o momento oportuno de sua realização, quando as indústrias retomam a confiança na retomada do crescimento econômico. Isso se refletiu, segundo eles, na grande quantidade e alta qualificação de visitantes nos estandes e no volume de negócios fechados ou prospectados já nos primeiros dias, o que para muitos foi uma agradável surpresa.

A Romi destacou a importância de ser patrocinadora da Plástico Brasil pela segunda vez. Segundo William dos Reis, vice-presidente da empresa, apoiar um evento de porte internacional coloca a Romi automaticamente em contato com seu cliente. “Para nós, participar das decisões do evento é extremamente viável, visto que conhecemos o gosto do cliente, podendo dessa forma contribuir com aquilo que o mercado precisa”, completa.

Como expositora, a empresa alcançou os resultados esperados já nos primeiros dias. Reis garante que percebeu o público mais otimista em relação à edição de 2017. “O empresariado brasileiro vem mudando seu comportamento desde outubro de 2018, e isso só tende a melhorar, o que, para nós, é maravilhoso, pois estamos aqui para fazer negócios e receber o cliente”. A Romi lançou na feira a sopradora elétrica ROMI C 15D para indústrias que buscam produtividade e precisão, com baixo consumo de energia.

A Stäubli encerrou sua participação na Plástico Brasil 2019 com chave de ouro. “Quebramos todos os recordes possíveis de oportunidades abertas e projetos. O terceiro dia (27 de março) foi o melhor dia de uma feira brasileira para a Stäubli em todos os tempos”, comemora Bruno Caumo, coordenador de Marketing da companhia.

Romi e Stäubli foram parceiras da Informa Exhibitions na demonstração de um inovador sistema de SMED – Troca rápida de moldes totalmente automatizado, e uma das atrações mais concorridas da Plástico Brasil 2019.

De acordo com William Carnevalli, responsável pelo Marketing da Carnevalli, o plano para a feira era fazer contatos, iniciar novos negócios, encontrar os clientes mais antigos e avançar para o pós-feira. “Missão cumprida”, sinaliza. Para ele, o mercado está “soltando o freio” aos poucos. “Pelo que percebemos, os clientes encontraram a hora certa para investir, o que já faz com que essa edição da Plástico Brasil se sobressaia em relação à anterior”. A empresa fabrica máquinas para extrusão, coextrusão, extrusão rígida, impressoras, Agro-Geo e recicladoras.

Em relação à visitação no estande da Simco, Vitor Ortega, da área Comercial, diz ter sido surpreendido pela quantidade e qualidade do público. “Há muito tempo não recebíamos uma quantidade tão grande de pedidos em um evento setorial. Os cinco dias da Plástico Brasil superaram os últimos quatro anos”, e complementa: “O público veio em busca de novas tecnologias, pois é isso que o mercado está exigindo”. A empresa tem se engajado para acompanhar essa tendência com lançamentos de novas máquina, a exemplo da injetora Log270-S9.

Após 12 anos sem participar de eventos setoriais, a Oerlikon marcou presença na Plástico Brasil 2019. A empresa não deixou passar a oportunidade em virtude de estar ingressando no mercado de plástico e com um novo produto: revestimento Balinit com base em carbono (DLC). Rafael Martins, responsável pelo Marketing da empresa, ressalta que o movimento no estande da empresa surpreendeu todos os dias, inclusive no primeiro. “Para nós, isso é incrível, já que a expectativa é disseminar nossos serviços para toda a cadeia do plástico. E os visitantes da feira são extremamente qualificados, além dos próprios expositores, dentre os quais alguns são nossos clientes”.

A experiência da Wortex nesta edição da feira também é motivo de comemoração. “Nosso estande esteve movimentado logo no primeiro dia. Negociamos a venda de seis máquinas, das quais três para clientes novos”, ressalta o diretor geral Paolo De Filippis. Segundo ele, as soluções apresentadas no evento para reciclagem e separação de material, os equipamentos Challenger Recycler Geração II e Challenger Recycler Conical e os sistemas de lavagem devem gerar novos negócios nos próximos meses. “Também foi muito importante a visibilidade que a Amut, nosso parceiro da Itália, teve com as linhas completas de separação de resíduos sólidos urbanos (RSU) e resíduos de coleta seletiva”, conclui, Filippis.

A Wittmann Battenfeld fez grandes negócios na feira. “Embora ainda não seja possível mensurar, podemos dizer que foram negócios bem promissores”, menciona Lucineia Domingues, responsável pelo departamento Financeiro da companhia. Além dos negócios, a empresa ficou satisfeita também com o público: “No geral, só ouvimos bons comentários dos nossos visitantes, tanto acerca do mercado, quanto em relação ao próprio evento”, conclui. A Wittmann Battenfeld divulgou todo o seu catálogo de produtos para o mercado de plástico, que compreende injetoras, robôs, alimentadores, rotâmetros, termorreguladores, desumidificadores, dosadores e moinhos.

A Lakatos fez novos contatos, encaminhou projetos e sentiu a animação do mercado para 2019. “Trouxemos uma nova máquina de termoformagem e o interesse do visitante da feira foi incrível, atingindo todas as expectativas”, contou Paulo Lakatos, diretor geral da empresa, que era conhecida no mercado como Eletro-Forming.

“Podemos dizer, sem sombra de dúvida, que o evento é extremamente promissor. Seu movimento ultrapassou nossa expectativa. Além dos visitantes, encontrar os principais produtores da cadeia do plástico aqui foi essencial para os nossos negócios”, comemora Marina Bogas, gestora de Negócios da Technoplast. A satisfação da representante da empresa se deve ainda ao fato da Technoplast estar no mercado há menos de um ano. “Nos lançamos como marca em dezembro de 2018, por isso, não poderíamos ficar de fora da feira que é a maior da América Latina. Acertamos em cheio!”. A Technoplast aproveitou os cinco dias do evento para lançar uma máquina para soldagem pouch de embalagens em PET com PE.

A Rulli Standard também comparou a recém-encerrada edição da Plástico Brasil com a de 2017. “Sem desmerecer a anterior, essa edição da feira está um sucesso. Notamos o progresso do evento em todos os sentidos, de expositores a visitantes”, aponta Caroline Rulli, responsável pelo Comercial da empresa. Ela comenta que fechou negócios esperados e inesperados nos cinco dias em que esteve no São Paulo Expo. O portfólio da Rulli Standard compreende máquinas para extrusão e coextrusão.

A Plástico Brasil 2019 marcou o retorno da Três-S em feiras do setor. Segundo Karine de Lima, contato Comercial da empresa, “a Três-S está lançando uma puncionadeira e não encontrou lugar melhor do que a feira para fazer isso, devido ao seu alcance internacional”. A companhia não participava de eventos desde 2015.

De acordo com André Said, engenheiro e gerente de vendas da Mecalor, o melhor de participar da Plástico Brasil foi o encontro com o público da empresa, que veio em massa para evento. “O mercado tem se mostrado com ótimas expectativas, o que para a Mecalor é ótimo”, diz Said. O engenheiro ainda completou: “Fechamos bons negócios todos os dias”. A Mecalor é responsável pela produção de termorreguladores, sistemas duo para sopradoras ou injetoras plásticas, unidades de ar seco para injetoras e de ar frio para extrusoras, além de termochillers.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Plástico Brasil 2019

Curta nossa página no

Anúncios