Posts Tagged ‘Indac’

Premiação promovida pelo Indac ressalta atributos do acrílico

03/02/2020

De projeto arquitetônico de 20 toneladas aos objetos mais delicados, plástico nobre ajuda a criar peças únicas

Para incentivar mais profissionais a exporem seus projetos e descobrirem as potencialidades do acrílico, o INDAC (Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico), criou o Prêmio Design em Acrílico. Neste mês, o Instituto anunciou os ganhadores da quinta edição do prêmio, que teve inscrições abertas até 14 de dezembro do ano passado. “Tivemos inscrições de todo o país, o que nos permite conhecer e apresentar para o mercado o trabalho feito por profissionais e empresas de todos os cantos do Brasil”, diz Carlos Rizzo, arquiteto fundador da Acrilaria e membro do corpo diretivo do Instituto.

Nesta edição do Prêmio, o primeiro lugar ficou com o projeto COBERTURA RETRÁTIL DO SHOPPING CIDADE JARDIM (foto), em São Paulo. Maior cobertura telescópica da América Latina, a obra pesa 20 toneladas e conta com sistema retrátil motorizado, além de 16 módulos compostos de alumínio estrutural e cobertos com chapas de acrílico cast transparente de 3mm de espessura cada. “Precisávamos cobrir duas áreas de 15mX30m cada no último piso do shopping. Projetamos então, para cada uma delas, oito conjuntos de estruturas metálicas independentes, sendo apenas dois deles fixos. O acionamento é feito via controle remoto”, explica Marco Antonio Pie, responsável pelo projeto. “Optamos pelo acrílico pela leveza e transparência que ele proporciona. O manuseio das placas nos conjuntos, manutenção, conforto térmico e acústico, também impactaram na escolha do material”, conta.

Embora seja amplamente usado em edificações em países da Europa e da Ásia, o acrílico ainda é pouco explorado pelos arquitetos e engenheiros civis brasileiros, conta Rizzo: “A escolha acertada do material nesse projeto chamou bastante a atenção de nós, jurados, que ainda ficamos bastante impressionados com a beleza do trabalho. Recebemos trabalhos de diversas modalidades, o que mostra na prática a versatilidade que o acrílico tem de atender a diferentes propósitos e demandas. Não por menos ressaltamos que o acrílico é incrível para nichos diversos, como a movelaria, a comunicação visual, a iluminação, a arquitetura e a engenharia. Se fossemos separar os projetos que recebemos por áreas, teríamos com certeza uma dúzia de nichos diferentes sendo representados”.

O segundo projeto premiado pelo Instituto nesta edição do evento vem do segmento de design de interiores: A ADEGA DE VINHOS de Alexandre Lima, de Recife, com prateleiras verticais de acrílico e furos angulados, espelho e iluminação especial, proporcionam um ambiente onde a garrafa do vinho suspensa parece flutuar, totalmente livre de qualquer interferência visual, tanto na parte da frente como na de trás. No projeto, conta Alexandre, o grande desafio foi o de deixar as garrafas em ângulo inclinado com apenas um furo nas pranchas verticais de acrílico, como sustentação. “Para resolver, aumentamos a espessura da chapa para proporcionar mais área de sustentabilidade ao gargalo, daí partimos para os furos angulados e transversais, pois desta maneira as garrafas ficariam na posição correta de repouso”, explica.

Lima, que foi revendedor de chapas de acrílico no começo do seu trabalho, descobriu na transformação da peça sua verdadeira vocação: “O acrílico se ajusta a tudo que se deseja, com uma farta diversidade de cores, espessuras e formas. É só pensar e desejar que se cria”.

Direcionada ao segmento moveleiro, a POLTRONA NOME – AK, de Thais Oncken, ficou com o terceiro lugar da premiação. A peça, que mistura acrílico transparente e madeira de demolição, traduz não apenas a versatilidade que esse plástico tem de ser moldado das formas mais variadas, mas, principalmente, de sua enorme capacidade de adequação a outros materiais. “O acrílico é extremamente resistente, transparente e tem muitas características positivas para ter seu uso muito ampliado no design de interiores ou em projetos de arquitetura e engenharia, como guarda-corpos de prédios e escadas e boxes de banheiros”, diz Thais. Oncken é designer e trabalha exclusivamente com acrílico há seis anos.

Júri Popular

Além das escolhas feitas pelos jurados do INDAC, a entidade ainda promoveu um júri popular em seus canais de comunicação digital, onde foram escolhidos outros três projetos. O primeiro colocado desta categoria foi o APARADOR COLONIAL DE ACRÍLICO, de Danilo Cardoso: “A peça define-se em uma mistura de estilos. Os pés foram inspirados nos móveis talhados em madeira trazidos pelos portugueses ao Brasil colônia. Já o tampo tem um estilo mais contemporâneo. Desta forma aliamos o design do móvel à nobreza e sofisticação do acrílico”, conta. O móvel foi desenvolvido para um projeto de decoração da arquiteta Mônica Andrade em um apartamento no bairro nobre de Salvador”, conta o empresário.

O segundo lugar da escolha popular ficou com a MESINHA DE CENTRO OU CANTO, de Paulo Sérgio de Oliveira e Silva. Nela, de forma totalmente artesanal, o designer uniu acrílico e madeira, aplicando no plástico a arte milenar da marchetaria. “Essa experiência recente de manipular o acrílico me mostrou que o material é um mundo que não tem limite para criações”, explica o marceneiro que tem artesanato como hobby.

O segmento de comunicação visual e merchandising, que é, no país, o maior consumidor do acrílico, também teve um trabalho ressaltado na premiação. O TROFÉU DO PRÊMIO MINUANO DE LITERATURA, desenvolvido por Bárbara Lopes, surpreende pela composição e leveza. “Esse troféu foi criado para atender um concurso literário com temática no vento Sul, aquele que traz as tempestades e, aqui no Sul do Brasil é chamado de Vento Minuano”, conta Bárbara. Entre os desafios do projeto, diz ela, que há mais de 20 anos trabalha com criação e desenvolvimento de peças em acrílico, estava a confecção das páginas em ângulos que ficassem seguros, mas, ao mesmo tempo, que remetessem a sensação de folhas sendo sopradas pelo vento. Deu certo.

Prêmios

Única premiação do setor de acrílico no país, o Prêmio Design em Acrílico do INDAC visa valorizar os trabalhos que melhor ressaltam algumas das muitas características do material, como beleza, transparência, versatilidade, leveza e alta capacidade de propagação da luz.

Neste ano, o 1º colocado ganhou um tour no Salão de Design de Móveis de Milão (ISALONI), com direito também a estadia na cidade italiana, além de traslado do hotel ao evento. Os outros ganhadores terão seus trabalhos expostos pelo INDAC, além de receberem um troféu confeccionado exclusivamente para o Prêmio.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico é uma organização criada há 19 anos com objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado.

A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 35 filiados em todo o país.

Curta nossa página no

 

Acrílico reciclado ganha espaço no mercado

25/12/2019

Nestes tempos em que o plástico se tornou vilão ambiental, o setor de acrílico que trabalha com a recuperação de sucatas do material mostra-se sustentável. Por ano, mais de 1200 toneladas do material são recuperadas no País

No setor de acrílicos, a recuperação e o reaproveitamento de sucatas são realidade, assim como as chapas “ecológicas” – produto final do reaproveitamento de sobras industriais. “Por ser um plástico com maior valor agregado, o acrílico não é descartado facilmente. Tenho clientes para os quais fiz cadeiras há mais de 12 anos que, uma vez ou outra, aparecem pedindo para polir o material. Claro que a valorização também tem um lado ruim, pois o produto acaba sendo menos utilizado em tempos difíceis, mas o acrílico não é descartável, muito longe disso”, explica Marcos Rodrigues, diretor da Sheet Cril.

João Orlando Vian, consultor executivo do INDAC (Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico), lembra que não se pode confundir o plástico de uso único – descartável – com o acrílico, que é o material plástico que menos se descarta, principalmente por conta de sua valorização. “Só para se ter uma ideia, o preço pago pelo mercado por um quilo de sucata de acrílico é de em média 1 dólar. E vale ressaltar que, para se fazer um quilo de chapa ecológica, são necessários dois quilos de sucata, já que o processo envolve perdas durante o refino”, ressalta Gonçalves.

A Sheet Cril, que fica em Arealva, interior de São Paulo, é hoje a maior recicladora de acrílico do país. Na empresa são recicladas por ano cerca de 800 toneladas de acrílico, que, após processadas, resultam em cerca de 400 toneladas de chapas “ecológicas”. Considerando todo o país, que atualmente conta com nove empresas recicladoras de acrílico, de 100 a 120 toneladas de chapas acrílicas por mês são reaproveitadas. “Esse número pode variar bastante dependendo do mercado, mas, no geral, a maior dificuldade das empresas deste segmento é mesmo encontrar sucata. Não há sobra pra que você consiga atender uma maior demanda. Lembrando que a maior parte do material com que trabalhamos são sobras industriais”, afirma Marcos.

Ao contrário do que acontece normalmente no mercado, em que os produtos ditos “ecológicos” são mais caros que suas versões padrão, no mercado de acrílico as chapas recicladas vão para o mercado com um valor em torno de 20% inferior ao das chapas originais. A preferência por chapas coloridas é maior entre os compradores de chapas “ecológicas” do que entre os compradores de chapas virgens. Enquanto no segmento “ecológico” as chapas coloridas movimentam 40% das vendas, no de chapas transparentes ou cristal respondem por cerca de 20% das vendas.

Por outro lado, como acontece no mercado de chapas acrílicas no país, o segmento de comunicação visual também é o que mais consome acrílico “ecológico” e responde por cerca de 70% da demanda. As vantagens oferecidas não deixam por menos: elas são mais facilmente moldadas e possuem durabilidade muito similar à de uma chapa virgem, ressalta o diretor da Sheet Cril. “Temos testado aqui na empresa também, com bastante sucesso, a produção de luminosos e letras caixas feitas inteiramente em acrílico, sem fundo misto, que, graças à adição de um protetor solar, podem ser usadas mesmo em ambientes externos”.

Novo player

De olho neste mercado, a Castcril, maior produtora de chapas acrílicas do país, desenvolveu uma chapa de acrílico “ecológica” que promete superar as ofertadas atualmente. “Desenvolvemos uma matéria-prima de alta qualidade, feita para atender especialmente grandes empresas. Nosso objetivo é quebrar o paradigma de que o acrílico reciclado deve ser aplicado apenas em projetos que visam redução de custo e baixa exigência de qualidade”, explica William Oliveira, diretor da empresa que há um ano já trabalha com a reciclagem do acrílico. O novo produto será lançado no início de 2020.

Ainda segundo Oliveira, o baixo reaproveitamento de materiais plásticos hoje no país se deve a falta de educação ambiental e de políticas públicas que incentivem a reciclagem. Neste sentido, ressalta ele, o acrílico é 100% reciclável, mas vale lembrar que mesmo ele sofre com a falta de políticas públicas que incentivem o uso e a comercialização de materiais reciclados.

Apesar da maior oferta do produto no mercado, o executivo do INDAC alerta para a importância de se ficar atento à qualidade do produto e critérios de reciclagem adotados pela empresa. No caso das chapas, vale conferir os aspectos visuais da superfície, além das resistências química e mecânica, que precisam ser comparáveis a do produto original.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico é uma organização criada há 19 anos, com objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado. A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 30 filiados em todo o país.

Curta nossa página no

Mercado de chapas acrílicas cresce 14% em relação a 2017

20/12/2018

O INDAC (Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico) acaba de divulgar levantamento que aponta o desempenho do mercado de chapas acrílicas no país em 2018. E, embora ainda não se deva recuperar o mesmo patamar de vendas de 2013, quando foram comercializadas no país cerca de 12 mil toneladas de chapas acrílicas, o país ultrapassará neste ano as 8.000 toneladas vendidas em 2017, e chegará às 9.100 toneladas. Isso equivale a um crescimento de 14%.

Este é o segundo ano positivo consecutivo do setor depois de três anos seguidos de quedas – entre 2014 e 2016 – quando as vendas despencaram de 12 mil toneladas para 7.500 toneladas.

Tal desempenho deixa os empresários do segmento mais otimistas e a previsão para 2019 é de que o mercado chegue as 10.500 toneladas e consolide um crescimento de cerca 15%. Eles também estimam que até o final de 2020 o país volte ao patamar de 2013. Boa notícia também para o setor em relação às chapas recicladas, que totalizaram neste ano mil toneladas comercializadas.

Já o desempenho das importações é o que preocupa produtores de chapas nacionais. Não é para menos. Neste ano, 5.800 toneladas de chapas foram importadas. 700 toneladas a mais no que no ano anterior. Isso equivale a 62% de todas as chapas comercializadas no país neste ano.

Segundo João Orlando Vian, executivo do INDAC, o crescimento das importações nos últimos anos no país tem sido fortemente alimentado pela disputa tributária sobre importação entre os Estados, gerando um ambiente de insegurança fiscal, com consequências graves para a competitividade no setor. “Entre as produtoras nacionais de chapas que já somaram 20, hoje ficaram apenas 12”, conclui.

Com mercado mais aquecido, o INDAC confirma a continuidade de ações que desenvolve junto ao mercado nacional, como o curso Cosi di Acrilico. O curso ganha neste ano edições especiais, uma delas focada exclusivamente no mercado de comunicação visual e a outra itinerante, que deve acontecer em um caminhão-escola, montado especialmente para as aulas.

Depois de já apresentar alguns bons resultados neste ano, o Acrílico em Ação, por meio do qual o instituto disponibiliza uma equipe voltada à apresentação do acrílico e de todas as suas funcionalidades junto a clientes potenciais – como agências de propaganda e escritórios de arquitetura –,  também continua em 2019.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico é uma organização criada há 18 anos por empresários da livre iniciativa do setor com objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado, por meio da indicação de seus associados.
A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 40 filiados em todo o país.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Indac

Curta nossa página no </

Indac lança nova turma para capacitação profissional em trabalhos com acrílico

04/11/2018

Cose di Acrilico, lançado há três anos pela entidade, já formou mais de 250 especialistas. Nova turma está aberta; vagas são limitadas.

O Indac (Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico) acaba de abrir nova turma para o Cose di Acrilico – único curso do país voltado exclusivamente para a capacitação do profissional transformador de acrílico. O projeto foi desenvolvido para pessoas que querem empreender neste mercado, além de profissionais que já atuam em áreas como comunicação visual, design, arquitetura e movelaria e que podem, por meio do acrílico, oferecer a seus clientes, produtos mais nobres, modernos e sofisticados.

Lançado há três anos, o curso já capacitou, em 20 edições já realizadas, mais de 250 profissionais de todo o país, em um mercado bastante carente de informações. “É fundamental difundir o conhecimento. O Indac desenvolveu, através do Cose, um caminho para ajudar na profissionalização do nosso setor, no qual a falta de compromisso em seguir as normas e especificações técnicas é um grave problema, que resulta invariavelmente em produtos com baixa qualidade”, explica Carlos Rizzo, arquiteto e fundador da Acrilaria.

Rizzo, que no curso ministra aula sobre design e desenvolvimento de produto, diz que, nos dias atuais, com os clientes mais atentos e com menos dinheiro, a busca por perfeição é uma obrigação de quem quer se manter no mercado. Por isso, investir em profissionalização é um excelente caminho. “Essa é a função do Cose di Acrilico – um curso completo, no qual os participantes passam por um processo de imersão, tendo acesso a um panorama completo sobre o mercado, tipos de plásticos, colagem de todos os tipos, moldagem, corte a laser, dobra, design e desenvolvimento de produto. Tudo isso com uma parte prática intensa, manuseio de equipamentos e supervisão técnica”, conta o arquiteto.

Para Rodrigo Dinardi, do Universo Criatividade, que dá aulas de corte a laser aos participantes do curso, através do Cose di Acrilico o Indac conseguiu fazer com que empresas e profissionais do setor se unissem para promover a capacitação tão primordial ao mercado: “No Cose passamos o maior número de informações e esclarecimentos possíveis para os alunos a fim de apresentar parte das infinitas possibilidades de utilização do acrílico. E, apesar do curso ser ministrado em São Paulo, já dei aulas para alunos de praticamente todos os estados do Brasil”.

Marco Santos, da Digisolda, que ministra aula sobre dobra de chapas acrílicas, promete surpresas para a próxima turma. “É nossa função oferecer aos alunos mais conhecimento e novas técnicas. Inclusive, levaremos à próxima turma um equipamento que fornece imagens termográficas e ajuda o profissional perceber como o calor se comporta dentro da peça na hora da dobra”.

Santos ressalta ainda a importância das grandes empresas do setor abraçarem o projeto e ressalta a ação que está promovendo entre seus clientes: “Nós temos algumas máquinas em nosso site, que quando compradas, dão direito a inscrição de um profissional no Cose di Acrilico”.

Edição 21 e mais detalhes

O Cose di Acrilico é um curso de capacitação profissional de processamento de acrílico que une teoria e prática em três dias de aulas (27 horas). As inscrições para próxima turma, que vai de 26 a 28 de novembro, já estão abertas. As aulas são ministradas das 8h30 às 18hs.

O Cose acontece em um galpão escola – Universo da Criatividade Craft & Maker – que fica na Rua Guaranésia 1.455, na Vila Maria, em São Paulo. O espaço é multidisciplinar e acolhe várias propostas de conhecimento, conta Jussara Kanaiama, diretora do local: “O Cose di Acrilico já faz parte do espaço antes mesmo dele se tornar multidisciplinar. Quando ele teve início, abraçamos o projeto e hoje já formamos mais de 250 alunos, profissionais de áreas diferentes e muitos empreendedores buscando ingressar neste nicho de mercado”.

As inscrições podem ser feitas no site (www.indac.org.br/cosedeacrilico), onde também é possível, gerar boleto ou pagar a matrícula por meio de cartão de crédito, em até 12 vezes. O investimento é de R$ 1.180,00.

No curso, o aluno recebe apostila com conteúdo didático e, ao final, certificado emitido e balizado pelo Indac.

2019 – Edições especiais

Para os profissionais de outros estados que não conseguem se deslocar a São Paulo, seja por custo ou tempo, o Indac está trabalhando na finalização de uma versão itinerária do Cose. Tratasse do Caminhão-Escola Cose di Acrilico, que ainda no primeiro semestre de 2019 deve visitar Belo Horizonte.

Também para o primeiro semestre do próximo ano, a entidade formulou um curso ainda mais específico – com plataforma didática inteiramente focalizada no mercado de comunicação visual. As inscrições devem ser abertas em breve. Na programação estão aulas de técnicas para impressão digital, produção de letra-caixa, trabalho com ACM, instalação, apresentação de materiais e elaboração de displays, PDVs, itens de sinalização e maquetes.

O Indac – Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico – é uma organização criada há 18 anos por empresários da iniciativa privada do setor com o objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além e ampliar sua participação no mercado, por meio da indicação de seus associados. A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 40 filiados em todo o país.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Indac

Curta nossa página no

Indac promove uso do acrílico durante a feira SIGN 2018

12/07/2018

Peças produzidas em acrílico durante o evento poderão ser adquiridas a preços especiais. Versátil, além de bonito, o acrílico tem espaço garantido no mercado de comunicação visual

Totens, ilhas, painéis, fachadas, objetos de decoração, o acrílico ajuda a dar vida às ideias que nascem nas agências de publicidade e, no ponto de venda, conquistam o cliente

O INDAC – O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico – sabe que uma campanha publicitária ou uma marca de sucesso valem muito. Por isso, o Instituto pede que publicitários e designers de agências de todo o país sejam cautelosos e críticos ao escolherem os materiais com os quais trabalham e aos quais atrelam a marca de seus clientes. Para falar sobre isso e sobre a capacidade do acrílico em atender diferentes demandas do setor de comunicação visual, o Instituto estará presente na Serigrafia SIGN FutureTEXTIL 2018, que acontece de 25 a 28 de julho, no Expo Center Norte, em São Paulo.

Na feira, o INDAC irá atender ao público no estande da Castcril, maior produtor de chapas acrílicas coloridas da América Latina e empresa patrocinadora da entidade. “A Sign é uma das feiras mais importantes do ano e nós não poderíamos ficar de fora. São vários segmentos no mesmo local, o que faz com que as empresas vejam novidades em seus setores e também nos demais. Toda esta ‘mistura’ é um prato cheio para criação de novos produtos, com materiais diferentes. E isso representa muito, principalmente por estarmos vindo de um cenário adverso na economia, quando as empresas precisam oferecer melhorias de produtos e soluções mais completas aos seus clientes”, afirma William Gomes Oliveira, gerente financeiro da Castcril.

Assim, para demonstrar os benefícios do acrílico, o estande da empresa abrigará uma transformadora, oonde o visitante da feira poderá conferir, em tempo real, a manufatura de cinco peças distintas em acrílico desenvolvidas pelo arquiteto e fundador da Acrilaria, Carlos Rizzo Jr. Os que tiverem interesse poderão comprar os produtos a preços especiais. “Quem nos visitar na Sign verá o quanto se pode criar com o acrílico. Teremos cadeiras, mesas, fechamentos de paredes e uma série de itens de comunicação visual expostos, tudo feito com o material. Afinal, o acrílico é incrível para se trabalhar – pode ser cortado, vincado, dobrado, colado e misturado a outros materiais – e tanto faz se será utilizado na movelaria, na comunicação visual ou na indústria de remédios, ele sempre supera as expectativas. Seus altos índices de transparência e resistência a impactos, além da leveza e da enorme variedade disponível de cores e espessuras, fazem dele uma opção indispensável qualquer projeto contemporâneo”, ressalta Rizzo.

Para que o estande se tornasse essa pequena transformadora, o trabalho conjunto de alguns associados ao INDAC foi fundamental. Participam da ação, além da Castcril, que deve ceder o espaço e as chapas que serão utilizadas durante o evento, e da Acrilaria, que assina as peças manufaturadas, a Oswaldo Cruz, como patrocinadora da ação. “Estamos juntos com a Castcril para mostrar o tamanho da nossa capacidade de atendimento neste mercado e tamém que continuaremos a investir em serviços que ajudem a qualquer cliente interessado no crescimento e sucesso do mercado de acrílicos. Acreditamos na união dos elos da cadeia para fortalecer a indústria nacional”, afirma Marcelo Thieme, diretor de novos negócios da Oswaldo Cruz e presidente do INDAC.

Também parceira da ação, a Automatisa Laser Solutions, primeira empresa na América Latina a fabricar máquinas de corte e gravação a laser, leva para a feira a Dua Startup, que traz consigo o conceito de empreendedorismo necessário a este novo mercado. A máquina, que custa em torno de R$ 55 mil, tem 1,20m x 0,90m de área de trabalho e pode ser equipada com um ou dois cabeçotes de corte com potência nominais de 100, 130 ou 150W. “Com essa solução, grande parte dos materiais pode ser cortada e gravada e, embora essa seja uma máquina com o conceito “start”, pode produzir peças com mesmos níveis de qualidade que um equipamento industrial”, explica Joana de Jesus, CEO da empresa.

Outra máquina que os visitantes poderão ver no estande é a Dobracril 1000. Trata-se de uma das dobradeiras para acrílico, lançamento da Digisolda, que compõe linha com cinco máquinas que oferecem áreas de dobras de 600 a 1500 mm para chapas de até 08 mm de espessura. Segundo Marco Santos, diretor da empresa, o equipamento é bastante resistente, tem preço acessível e, além disso, é muito prático: “A facilidade no manuseio de nossas dobradeiras vem de um mecanismo interno de ajuste da altura da resistência que possibilita o posicionamento de altura do filamento com um único toque, de forma simples e uniforme e sem precisar de qualquer outra ferramenta. Assim o operador consegue elevar ou baixar a resistência da máquina usando apenas uma das mãos”, explica.

Mercado

Cerca de 60% do uso das chapas acrílicas no Brasil tem destino certo: O mercado de comunicação visual, no qual se enquadram letreiros e outros luminosos, sinalizadores, displays e PDV’s (displays de ponto de venda). Assim, esse segmento acaba por ser, de longe, o maior consumidor desse plástico no país, seguido pelo setor de móveis e de iluminação, responsáveis por cerca de 10% cada da utilização desse insumo.

Fórum

Além de marcar presença no estande, o INDAC ainda participará do Fórum Serigrafia SIGN FutureTEXTIL 2018, no dia 27 de junho, às 16h50, onde deve falar mais sobre o uso do acrílico e do ACM na comunicação visual.

Acrílico em Ação

Outra mensagem reforçada pelo Instituto durante A SIGN deve ser a do Acrílico em Ação – programa inteiramente gratuito e por meio do qual, designers, arquitetos ou mesmo consumidores comuns conseguem apoio técnico e informações para viabilizar seu projeto em acrílico.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico é uma organização criada há 18 anos por empresários do setor com objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado, por meio da indicação de seus associados. A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 45 filiados em todo o país.

Fonte:  Assessoria de Imprensa – INDAC

Curta nossa página no

Indac lança série em vídeo para ajudar transformadores, arquitetos e designers a aperfeiçoar a qualidade de produtos em acrílico

01/05/2018

Livros-pássaros em acrílico feitos pela Artcryl para exposição David Bowie em São Paulo

Instituto recomenda que transformadores e outros profissionais que trabalham com acrílico se focalizem na superioridade do material e das peças feitas com ele

Chega de brigar por preços em um mercado de commodities cada vez mais competitivo e pouco lucrativo. Esse é o recado de um dos entrevistados da série “O Produto Perfeito em Acrílico”, produzido e divulgado pelo Indac (Instituto Nacional para Desenvolvimento do Acrílico). O episódio Um já está on line. Para assisti-lo, basta entrar no site do Indac (www.Indac.org.br/produto-perfeito-em-acrilico/) e deixar nome e e-mail para o link do vídeo ser enviado automaticamente.

Ao todo, a série conta com três partes. Na primeira, Carlos Rizzo, arquiteto fundador da Acrilaria, fala das características do acrílico e de todas as qualidades sensoriais do material, como leveza, resistência e transparência, que devem ser valorizadas por quem trabalha com ele. Além da facilidade com que pode ser trabalhado, cortado, dobrado, colado e moldado. “Para qualquer projeto que se faça, são tantas as opções oferecidas [pelo acrílico] para os designers e arquitetos que é impossível não notar. Eu me apaixonei”, afirma.

Rizzo ainda fala sobre a escolha da chapa e de como a espessura certa pode ajudar a valorizar e a aumentar o valor agregado de uma peça. “É claro que a escolha da chapa impacta diretamente no valor da peça, mas também valoriza muito o produto. Se existe uma economia que não vale a pena é a compra de chapas sem procedência”.

 

No episódio dois, gravado na sede da Castcril – maior produtora de chapas acrílicas da América Latina –, os engenheiros da empresa Orlando Silva e Marcos Ramirez apontam as diferenças entre as chapas de acrílico comercializadas no país e no mundo e toda a variedade de tamanhos, espessuras e cores disponíveis no mercado. “Hoje desenvolvemos seguramente mais de 1200 cores”, diz Marcos, que ainda discorre sobre as chapas especiais, feitas sobre encomenda, e orgânicas, feitas com inserção de materiais de diversas origens na composição da chapa, como fibras naturais, folhas, tecidos e minerais, entre outros.

Qualidade e logística também foram assuntos discutidos pelos profissionais, que garantiram estoque para fazer a liberação de entrega de acrílico cristal em até 72 horas, sem necessidade de uma cota mínima de compra.

E como não basta dominar processos técnicos e ter bons fornecedores para sobreviver no mercado, o terceiro vídeo da série leva aos transformadores algumas dicas de como vender melhor seu produto. Nele, Rodrigo Vera Sanches, diretor da Ágora Interativa, e João Orlando Vian, consultor executivo do Indac, explicam a importância do posicionamento da empresa no mercado, inclusive na internet: “A melhor forma de se destacar é através da exposição de um processo que a marca domine com excelência. Se é a alta capacidade técnica, então isso deve ser levado ao público: para que no futuro você se torne referência nisso, entre os clientes e até mesmo entre os concorrentes”, explica Sanches.

Mas as vendas não dependem apenas de marketing. Assim, atendimento, informação coerente, cuidado com pós-venda e outros temas são também discutidos no capítulo três de “O Produto Perfeito em Acrílico”.

Os vídeos têm em média 15 minutos cada. Os temas podem ajudar designers e arquitetos a entenderem melhor o universo do acrílico, que poderá agregar mais valor e beleza a seus projetos. Para esses profissionais, aliás, o fundador da Acrilaria recomenda em sua entrevista que procurem transformadores capacitados e que possuam o Selo Indac.

Se o cliente ficar na dúvida, o Instituto mantém o programa Acrílico em Ação. Por meio dele, ajuda o interessado a pensar seu projeto e encontrar um transformador de acrílico indicado para cada caso.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico (Indac) é uma organização criada há 17 anos por empresários do setor, com o objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado por meio da indicação de seus associados.A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 45 filiados em todo o país.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Indac

Curta nossa página no

INDAC lança programa para auxiliar transformador no descarte correto de resíduos de acrílico

30/11/2017

Material pode ser 100% reciclado se retornado aos produtores de chapas. Transformadores são responsáveis pelo descarte correto, que pode ajudar na produção de chapas recicladas de melhor qualidade e mais baratas

Para ajudar o transformador no descarte correto de sucata de acrílico, o INDAC – Instituto Nacional para Desenvolvimento do Acrílico – criou o Programa de Recuperação de Acrílico. Por meio dele, vai orientar os transformadores sobre os procedimentos mais adequados de armazenamento e de repasse do material descartado aos produtores de chapas.

A iniciativa pretende eliminar do circuito as práticas inadequadas de coletores sem informação ou desavisados, que não armazenam corretamente o acrílico, além de misturá-lo com outros plásticos. Tais práticas fazem com que os custos de produção das chapas recicladas sejam mais dispendiosos por causa da separação de impurezas.

Além de contribuir para o aumento da qualidade da chapa reciclada e seu barateamento, o estímulo do retorno do material excedente às empresas produtoras ainda faz com que a cadeia se ajuste à Lei de Logística Reversa, que torna todos os elos do mercado responsáveis pelo descarte ecologicamente correto de resíduos sólidos.

Longe de ser um plástico comum, o acrílico, além de resistente, de ter boa aparência e ser bastante durável, é 100% reciclável. Quando descartado corretamente, pode ser novamente transformado em chapas que serão utilizadas para uma infinidade de aplicações, como objetos decorativos, displays comerciais e acessórios femininos, entre tantas outros itens. “Todo esse processo é possível porque o acrílico é um termoplástico que não sofre alterações significativas na sua estrutura química durante o reaproveitamento, permitindo que ele seja fundido no processo de recuperação do monômero de metacrilato de metila”, explica Carlos Marcelo Thieme, presidente Indac.

Tal flexibilidade ainda torna o acrílico um material valioso no mercado de reciclagem, quando comparado a outros plásticos. Isso faz com que seu índice de reaproveitamento seja bastante alto. De acordo com estimativas do setor, são recicladas no País aproximadamente 2 mil toneladas por ano de chapas e resinas acrílicas. E esse número só não é maior porque o material é muito durável e, por isso, utilizado na produção de bens com prazo de vida mais longo. Assim, um item em acrílico geralmente só é descartado quando quebra ou chega ao final de sua vida útil.

Descarte

Tanto quanto as empresas produtoras da matéria-prima, os transformadores têm responsabilidade sobre os impactos negativos de um produto no meio ambiente. Por isso, descartar corretamente os resíduos é fundamental, inclusive para que esse material volte às mãos de quem o produz. “Quando se tratar do descarte de acrílico, recomendamos que as pessoas procurem seus fornecedores de chapas. Em caso de dúvidas ou se tiver qualquer dificuldade de contato com o produtor, orientamos que procurem o INDAC. O Instituto vai informá-lo quanto à forma mais correta de descarte e armazenamento do material”, explica Thieme.

Para saber mais sobre o Prograa de Recuperação de Acrílico INDAC, o transformador pode ligar diretamente para o Instituto: (11) 3171-0423.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico (www.indac.com.br) é uma organização criada há 17 anos, por empresários da livre iniciativa do setor com objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado, por meio da indicação de seus associados. A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 40 filiados em todo o país.

Fonte: Assessoria de Imprensa – INDAC

Curta nossa página no

Acrílico destaca-se entre os materiais usados por empresas de comunicação visual

19/02/2017

indac-acrilico-blazzi

Beleza, durabilidade, brilho e oferta ampla de cores, texturas e espessuras, além da qualidade no acabamento e alta resistência ao calor e às intempéries – estes são alguns dos atributos que fazem do acrílico a matéria-prima preferida em inúmeros projetos de comunicação visual – principalmente os externos.

Na PPCaponi, fundada em 1943, Pedro Caponi conhece bem esses atributos e, por experiência própria, não recomenda a troca do acrílico por plásticos mais baratos: “Estou no ramo há mais de 45 anos, de modo que vivi plenamente a evolução do setor. Vejo que a troca, na maioria das vezes, acontece porque falta conhecimento dos profissionais de criação para especificar melhor os materiais”.

Para Thiago L. Carneiro, sócio-diretor da Acrilopes, empresa que está há 15 anos no mercado, antes de fazer sua escolha, o consumidor precisa ser bem orientado. “Primeiro, devemos entender a real necessidade do cliente. O acrílico é nosso carro-chefe e quase sempre é a melhor indicação pois suas características são de primeira linha. Temos condições de aplicar nele diversas técnicas, sem que se perca sua beleza final. Aliás, a qualidade final do trabalho sempre é excelente”, afirma.

Carneiro assume que é preciso reconhecer quando oferecer algo diferente. “Muitas vezes nós indicamos a troca por outros materiais. Os clientes chegam com uma idéia de trabalho que não precisa de alta qualidade, mas, sim, custo menor. Então indicamos o material que mais atende a esses casos. No entanto, é preciso sempre frisar que alguns materiais oferecem um resultado final e acabamento estético muito inferiores ao acrílico. Os processos acabam sendo mais trabalhosos também.  Daí, é preciso que o transformador leve tudo isso em conta ao oferecer o que parece mais barato.”

Thiago observa ainda que, se a escolha do material for pautada apenas por preço, pode haver comprometimento da qualidade. E o escritório de design ou publicidade pode acabar fazendo a compra errada: “A escolha só por preço é ruim para o cliente e sua marca. Não se pode esperar uma qualidade de primeira de um material de segunda. Por isso, o projetista deve fazer bem sua análise e orientar bem o comprador”.

Raymon Soares, da Support Brand, sabe que a inovação é palavra-chave neste mercado em que quase tudo é efêmero, principalmente as campanhas publicitárias. Assim, só sobrevivem nele as empresas transformadoras que conseguem acompanhar a velocidade das mudanças. “Devemos estar atentos às tendências. Oferecer produtos que nem o mercado imagina que sejam possíveis”.

Nesse mercado, as matérias-primas assumem papel importante, principalmente quando permitem maior versatilidade ao transformador. “Beleza, fácil aplicação e usinagem, alta resistência e flexibilidade. Tudo isso faz do acrílico um material de 1001 utilidades. Quando os materiais e a relação de custo/benefício são devidamente apresentados, o cliente facilmente irá decidir pelo acrílico”, explica Soares. Há 32 anos no mercado, a Support Brand contabiliza trabalhos de referência no mercado, tendo entre os clientes o Banco Original, Colunas, ATM e Itaú – para esse, aliás, exportou letras e logos de acrílico blindados.

O mercado de comunicação visual consome cerca de 60% de todo o acrílico distribuído no país, correspondente a 7.500 toneladas em 2016, segundo estimativa do INDAC (Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico).

Embora a cifra pareça elevada, o Instituto acredita que o acrílico possa contribuir ainda mais para o mercado de comunicação visual, sendo que a falta de informação sobre o material ainda inibe seu consumo. “Além de tornar os produtos mais atraentes e duráveis, o acrílico ainda agrega valor ao produto e à marca que ele ostenta. É muito importante que o transformador ressalte isso ao seu cliente antes de oferecer um material de qualidade inferior. Até porque, a satisfação do cliente final é parte deste negócio”, explica Soares.

Para projetistas, designers e arquitetos que têm dúvidas sobre o material, o INDAC mantém o programa Acrílico em Ação, por meio do qual ajuda o cliente a pensar seu projeto e encontrar um transformador de acrílico indicado para cada caso.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico (INDAC) é uma organização criada há 17 anos por empresários do setor com o objetivo de promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado, por meio da indicação de seus associados.

A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 40 filiados em todo o país.

Fonte: Assessoria de Imprensa – INDAC

Curta nossa página no

Mercado de chapas acrílicas encolhe 22% em 2016

22/12/2016

 indac-estatisticas1Ano tumultuado faz vendas voltarem ao patamar de oito anos atrás; sendo otimistas, empresas do segmento lutam pela estabilidade em 2017

O INDAC – Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico –, divulgou, nesta semana, números do setor de acrílicos. Em resumo, o mercado não vai bem. Sente-se nas planilhas o impacto das crises econômica e política pelas quais atravessa o país nos últimos anos. Para se ter ideia, o setor deve fechar o ano com a venda de 7.400 toneladas de chapas acrílicas, 22% a menos do que em 2015. Ano que também já contabilizava 10% de queda em relação a 2014. A situação é tão grave que esse montante faz com que setor volte cerca de oito anos, entre 2007 e 2008, quando foi contabilizado aumento de vendas de 6.800 toneladas para 8.200 toneladas.

As importações também têm sentido a queda na demanda do produto – caíram de 5.146 toneladas em 2015 para cerca de 3.900 toneladas neste ano. Apesar disso, os produtos vindos de fora já contabilizam 53% do market share, o que agrava ainda mais a situação dos produtores nacionais. “O mercado hoje é pouco favorável para o produtor nacional. Por mais estranho que possa parecer, os produtos vindos de outros países conseguem se beneficiar da complexidade tributária brasileira – principalmente devido à falta de equalização do ICMS entre os estados – gerando inúmeras discrepâncias e problemas e interferindo na capacidade competitiva de qualquer setor”, explica Fernando de Oliveira, presidente do conselho deliberativo do Indac e diretor da Castcril.

Para 2017, aparentes melhorias do cenário macroeconômico nacional, como do PIB (Produto Interno Bruto), que deve sair dos 3,5% negativos deste ano para 0,5% positivos, e da previsão de produção industrial do país, que hoje amarga 6,3% de queda e deve ficar 1,0% maior neste próximo ano, acalentam o segmento, que espera manter-se estável.

Além da melhoria do mercado, para retomar o crescimento, as empresas do segmento sabem que irão precisar trabalhar muito para mostrar aos clientes que, mesmo em tempos de crise, investir em matéria-prima diferenciada, como o acrílico, é sempre melhor do que reduzir custos em detrimento da valorização da marca do anunciante, principalmente em comunicação visual – o maior segmento final das chapas acrílicas.

Entre as ações já anunciadas pelas empresas do setor para 2017, destaca-se a participação na feira Sign 2017, onde será realizado o Fórum Acrílico, no dia 13 de julho. Adicionalmente, o Indac continuará promovendo o curso “Transformação de Chapas Acrílicas”, além do lançamento de um novo treinamento “Desenvolvimento de Produtos em Acrílico”, voltado às especificações de produtos. A retomada do programa de qualidade de chapas acrílicas, que busca diferenciar o acrílico de outros plásticos de baixa adequação à comunicação visual, móveis e iluminação, também faz parte dos planos da entidade.

Para Carlos Marcelo Thieme, da Oswaldo Cruz Química, que assume, em 2017, a presidência do INDAC, além de treinar especificadores e ressaltar a imagem do produto no mercado, a indústria do acrílico irá se juntar a outras entidades para cobrar dos governos federal e estaduais uma reforma tributária que equilibre as condições competitivas do mercado. “ Da forma que está, será cada vez mais difícil trabalhar: Temos capacidade instalada para atender toda a demanda nacional. Geramos milhares de empregos e contribuímos para o crescimento do PIB; assim, não é possível que tenhamos que continuar pagando mais impostos do que os produtos importados. Por isso, equalização e simplificação tributária são algumas de nossas bandeiras neste novo ano”.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico é uma organização composta por empresários da livre iniciativa do setor para promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado, por meio da indicação de seus associados. A entidade, criada em novembro de 2000, é geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reunindo atualmente 40 filiados em todo o país.

Fonte: Assessoria de Imprensa – INDAC

Curta nossa página no

Instituto do Acrílico irá ajudar clientes a encontrar melhores fornecedores para diferentes demandas

31/10/2016

Para facilitar a vida de designers de produtos e de arquitetos, o INDAC oferece serviço de consultoria para projetos em acrílico inteiramente grátis, apontando, inclusive, o prestador de serviços mais indicado para os diferentes trabalhos

indac-logoO INDAC – Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico – lançou o programa Acrílico em Ação. E, por meio dele, irá ajudar o cliente a encontrar o transformador de acrílico mais indicado para cada projeto. Além disso, os técnicos do Instituto, ainda poderão propor melhorias e ajudar o cliente a sanar dúvidas sobre a aplicação do material.

O programa já está funcionando e os interessados devem entrar em contato com o INDAC através do site: http://www.indac.org.br, clicar em Iniciativas e Publicações e, depois, selecionar Acrílico em Ação – Assessoria Gratuita Especializada. O retorno é rápido e a confidencialidade do projeto garantida. “Esse é um novo canal para que as agências de publicidade e promoção, escritórios de arquitetura e design e demais especificadores de materiais encontrem os melhores fornecedores e profissionais do setor, de maneira ágil, segura e, ainda por cima, gratuita”, explica José Eugênio Peres, vice-presidente do Instituto e diretor da Casa do Acrílico de Campinas, interior de São Paulo, ha 20 anos no mercado.

Depois de avaliar o projeto, os técnicos do INDAC (www.indac.com.br) irão indicar ao solicitante os melhores fornecedores e passar os contatos. A negociação do projeto fica por conta dele. “A agência ou o profissional responsável pelo projeto é que irá definir como e quando contatar o fornecedor e iniciar os detalhes do trabalho. Depois da contratação feita é que o Instituto volta para acompanhar o processo de produção e entrega do produto”, comenta Bruno Zirpoli, diretor da entidade e da Proneon, de Recife, Pernambuco.

Ao final do acompanhamento de todo o processo de especificação e entrega do produto final, as peças receberão o Selo INDAC, atestando a qualidade do projeto/produto. “O Acrílico em Ação, junto ao INDAC, possui técnicos altamente especializados em acrílico, a fim de colaborar e melhorar o projeto do cliente, deixando-o mais eficiente e adequado aos requisitos de qualidade desse material. Além disso, a entidade irá indicar os fornecedores mais capacitados para cada serviço, dentre os associados da entidade. E, por fim, o INDAC ainda acompanhará todas as fases do processo, exigindo sempre do fornecedor as melhores práticas do mercado. Assim, quem participar da ação, só terá a ganhar”, ressalta o vice-presidente da entidade.

Atualmente, entre os segmentos mais atendidos pelo mercado transformador de acrílico, destaque para comunicação visual, móveis e iluminação.

O Instituto Nacional para o Desenvolvimento do Acrílico é uma organização criada, em novembro de 2000, por empresários da livre iniciativa do setor para promover o uso correto do acrílico, difundir o conhecimento das suas propriedades e aplicações, além de ampliar sua participação no mercado, por meio da indicação de seus associados.

A entidade, geradora de negócios e difusora de conhecimento para o setor de acrílico, reúne atualmente 42 filiados em todo o país.

Fonte: Assessoria de Imprensa – INDAC

Curta nossa página no