Posts Tagged ‘Gelcoateadeira’

Dilutec lança gelcoat que retarda a propagação de chamas e reduz a emissão de estireno

08/04/2018

UL 94: teste de queima de corpo-de-prova produzido com o novo gelcoat da Dilutec

Empresa afirma que o produto atende às exigências de inflamabilidade da norma UL 94 V-0

Uma das principais fabricantes brasileiras de gelcoat – híbrido de resinas e pigmentos que protege e dá acabamento às peças de compósitos –, a Dilutec anunciou o lançamento do Colorgel® FR LE. Segundo a empresa, o produto atende à norma de inflamabilidade de materiais plásticos UL 94, na classificação V-0, e é caracterizado pela baixa emissão de compostos orgânicos voláteis (VOC) na atmosfera, caso do monômero de estireno.

O fato de atender à UL 94 significa que as peças fabricadas com o Colorgel® FR LE retardam a propagação das chamas, afirma a Dilutec. Ou seja, depois de removida a fonte de ignição, a superfície deixa de queimar, característica necessária para aplicações nos setores de transporte – rodoviário, ferroviário e náutico – industrial, elétrico, em produtos como postes e cruzetas, e de geração de energia eólica, tanto nas pás como nos nacelles e spinners.

“O produto também é ambientalmente amigável, pois apresenta baixos índices de emissão de VOC, atributo garantido pela elevada compatibilidade da resina utilizada na sua formulação com o monômero de estireno”, explica Marcos Brambilla, gerente técnico da Dilutec. Depois de polimerizado, o Colorgel® FR LE perde 0,66% de massa, contra 2,27% de um gelcoat padrão, de acordo com os ensaios realizados pela Newtech, empresa acreditada pelo Inmetro.

Foram necessários cerca de dois anos para que a Dilutec completasse o desenvolvimento do Colorgel® FR LE. “Por se tratar de um gelcoat complexo, levamos mais tempo para balancear a fórmula com as resinas e aditivos corretos e para ajustar a estabilidade”. A aplicação do novo produto, detalha Brambilla, pode ser feita com gelcoateadeira e pistola de caneco invertido ou por meio da pintura com rolo ou pincel, na versão topcoat.

Marcos Pannellini, gerente comercial da Dilutec, calcula que exista no Brasil uma demanda mensal de cerca de 300 toneladas de gelcoats com as características do Colorgel® FR LE. “Esse volume é atendido hoje em dia por produtos importados ou por soluções caseiras, como a aditivação de gelcoats comuns feita pelos próprios transformadores de compósitos. Por isso estamos bastante otimistas com a reação do mercado ao nosso lançamento”.

Para assistir ao vídeo do ensaio de queima de um corpo-de-prova produzido com o gelcoat Colorgel® FR LE, acesse https://tinyurl.com/y7z6oqrb.

Além de produzir gelcoat e thinner, a Dilutec (www.dilutec.com.br) é distribuidora das resinas da Ashland na Região Centro-Oeste e dos equipamentos para a moldagem de compósitos da BÜFAtec Spain na América Latina. Fundada em 1995, mantém unidades fabris em Piracicaba (SP) e Senador Canedo (GO).

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dilutec

Curta nossa página no

Anúncios

Faturamento da Fibermaq subiu 12% em 2015

19/01/2016

Maior fabricante brasileira de equipamentos para compósitos driblou a crise graças à combinação entre lançamentos, ajustes de projeto e desvalorização do real

Líder brasileira em equipamentos para a moldagem de compósitos, a Fibermaq cresceu em 2015 num ritmo acelerado, por conta do aumento das vendas de máquinas para a fabricação de caixas d´água – tempos de chuva escassa e volume morto. Ao final do ano, apesar da crise econômica que assola o Brasil, a a Fibermaq contabilizou um salto de 12% no faturamento em comparação ao período anterior, segundo dados da empresa.

A receita, descreve Christian de Andrade, diretor da Fibermaq, combina o bem-sucedido lançamento da linha Evolution – laminadoras, injetoras de RTM e gelcoatedeiras – com a correção de gargalos na família de equipamentos Inter e a desvalorização do real, que melhorou a competitividade da Fibermaq frente às marcas importadas.

“O câmbio nos ajudou, mas é importante levar em conta que fizemos a nossa lição de casa. Investimos na total reformulação do nosso portfólio, o que culminou no lançamento da família Evolution, e o feedback dos nossos clientes tem sido bastante positivo. Em paralelo, ajustamos alguns detalhes de projeto da série de máquinas Inter, melhorando a performance e, em decorrência, a aceitação do mercado”, comenta.

Para 2016 – e como forma de blindar a Fibermaq do provável recrudescimento da crise –, Andrade já programa diversos lançamentos, entre eles, uma gelcoateadeira para trabalhar com resina epóxi. “É um equipamento desenvolvido especialmente para os moldadores de compósitos que atuam no setor de energia eólica, um dos poucos, aliás, que deve continuar aquecido”. Uma família de máquinas para a venda via distribuidores – inclusive internacionais –, pistolas com mistura interna e equipamentos para a aplicação de adesivos também fazem parte dos planos da Fibermaq.

Fundada em 1978, na cidade de São Paulo, a Fibermaq é pioneira na fabricação de máquinas e acessórios para a moldagem de compósitos, epóxi e adesivos em geral. Ao longo desse período, mais de 5.000 laminadoras, gelcoateadeiras, injetoras de RTM e máquinas de enrolamento filamentar, entre outras, foram comercializadas pela empresa no Brasil e em toda a América Latina, afirma a empresa.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Fibermaq

Curta nossa página no

Fibermaq fornece os primeiros equipamentos da série Evolution para a Stringal-Hurner

19/10/2015

Fabricante de tanques e lavadores de gases adquiriu duas laminadoras e uma gelcoateadeira

Fibermaq-evolutionA Fibermaq forneceu as primeiras máquinas da nova série Evolution para a Stringal-Hurner, referência brasileira em equipamentos industriais fabricados com compósitos, a exemplo de tanques, tubos e lavadores de gases, entre outros. O contrato entre as duas empresas compreendeu a negociação de duas laminadoras (spray-up) e uma gelcoateadeira.

De acordo com Marcos Miotto, diretor da Stringal-Hurner, o desempenho das máquinas tem sido bastante satisfatório. “Em especial no caso das laminadoras, vale a pena destacar algumas importantes melhorias de projeto, como a proteção à área do pistão, que evita o acúmulo de poeira, e as presenças do manômetro e visor de passagem do catalisador, instrumentos que aumentam o controle da operação”, detalha Miotto.

A Stringal-Hurner também opera desde 2014 uma linha de enrolamento filamentar da Fibermaq. No momento, a máquina está sendo usada para produzir tubulações de até 1,20 m de diâmetro. “Temos aumentado a nossa participação no setor de álcool e açúcar com esses produtos”, conta Miotto.

Lançada este ano, a série Evolution contempla uma total reformulação no design das máquinas da Fibermaq – além das laminadoras e gelcoateadeiras, fazem parte da nova família as injetoras de RTM. “Os equipamentos Evolution privilegiam a robustez, a facilidade de operação e o elevado controle de todo o processo”, observa Christian de Andrade, diretor da Fibermaq.

Líder brasileira em equipamentos para a moldagem de compósitos, a Fibermaq foi fundada em 1978, na cidade de São Paulo. Ao longo desse período, mais de 5.000 laminadoras, gelcoateadeiras, injetoras de RTM e máquinas de enrolamento filamentar, entre outras, foram comercializadas pela empresa no Brasil e em toda a América Latina.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Fibermaq

Curta nossa página no