Posts Tagged ‘Fusão’

Fusão entre a Dow e a Du Pont é concluída e ações da nova holding DowDuPont começam a ser negociadas na Bolsa de Nova Iorque

01/09/2017

  • A companhia agora avança rumo à separação pretendida que dará origem a empresas líderes nos mercados de Agricultura, Ciência dos Materiais e Produtos Especializados;
  • As separações estão previstas para ocorrer em até 18 meses.

A DowDuPont™ concluiu com sucesso a fusão de iguais entre The Dow Chemical Company (“Dow”) e E.I. du Pont de Nemours & Company (“DuPont”), efetiva em 31 de agosto de 2017. A entidade combinada está operando como uma holding sob o nome “DowDuPont” e com três divisões: Agricultura, Ciência dos Materiais e Produtos Especializados.

As ações da DuPont e da Dow tiveram suas negociações encerradas na Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE) no dia 31 de agosto de 2017. A partir de hoje, a DowDuPont começará a negociar na NYSE sob o símbolo “DWDP”. Em linha com os termos estabelecidos no acordo de fusão, os acionistas da Dow receberam uma taxa de troca fixa de 1.00 de ação da DowDuPont por cada ação da Dow e os acionistas da DuPont receberam uma taxa fixa de troca de 1.282 ações da DowDuPont por cada ação da DuPont.

“Este dia representa um importante marco na história das duas companhias”, disse Andrew Liveris, Presidente Executivo da DowDuPont. “Estamos muito felizes por concluir essa fusão e avançar rumo à criação de três empresas independentes e líderes em seus mercados de atuação. Embora o patrimônio e a força conjunta das duas empresas sejam impressionantes, o verdadeiro valor dessa fusão reside na pretendida criação de três empresas poderosas que influenciarão mercados e impulsionarão o crescimento para o benefício de todos os seus públicos. Nossas equipes estão trabalhando há mais de um ano no plano de integração e, a partir de hoje, iniciaremos a execução desses planos com a intenção de completar as separações o mais rápido possível.”

“Para os acionistas, clientes e funcionários, a conclusão dessa fusão representa um passo definitivo rumo à geração de mais valor e maiores oportunidades por meio de um futuro construído em crescimento sustentável e inovação”, comenta Ed Breen, CEO da DowDuPont. “A DowDuPont é uma plataforma para o lançamento das três empresas pretendidas e fortes, que estarão muito bem posicionadas para investir em Ciência e Inovação, ajudar nossos clientes na solução de importantes desafios e gerar retornos de longo prazo para os nossos acionistas. Com a conclusão da fusão, nosso foco está em finalizar as estruturas organizacionais que serão os alicerces das três empresas pretendidas e capturar as sinergias para gerar valor. Com objetivos claros, visibilidade no mercado e uma estrutura de Pesquisa & Desenvolvimento mais produtiva, cada empresa pretendida estará preparada para competir com sucesso como uma líder de mercado”.

Conselho e Governança

O Conselho de Administração da DowDuPont é formado por 16 membros: oito são ex-diretores do Conselho da DuPont e os demais são diretores que fizeram parte do Conselho da Dow. Há dois diretores principais: Jeffrey Fettig, que atuou como o principal diretor independente da Dow, e Alexander Cutler, ex-diretor independente da DuPont. Andrew Liveris é o presidente do Conselho de Administração e Ed Breen também atua no Conselho. Abaixo, a relação dos demais membros do Conselho de Administração:

Dow:
o James A. Bell, ex-Chief Financial Officer da Boeing
o Raymond J. Milchovich, ex-presidente e CEO da Foster Wheeler AG
o Paul Polman, CEO da Unilever PLC e Unilever N.V.
o Dennis H. Reilley, Presidente executivo da Marathon Oil Corp.
o James M. Ringler, Presidente da Teradata Corporation
o Ruth G. Shaw, ex-executivo da Public Policy e Presidente da Duke Nuclear

DuPont:
o Lamberto Andreotti, ex-Presidente do Conselho e CEO da Bristol-Myers Squibb Company
o Robert A. Brown, Presidente da Boston University
o Marilly A. Hewson, Presidente e Chefe Executivo da Lockheed Martin Corporation
o Lois D. Juliber, Vice-Presidente e Chief Operating Officer da Colgate-Palmolive Company
o Lee M. Thomas, Ex-Presidente e CEO da Rayonier Inc.
o Patrick J. Ward, Chief Financial Officer da Cummins, Inc.

Três comitês consultivos foram estabelecidos pelo Conselho de Administração da DowDuPont para supervisionar o estabelecimento das divisões de Agricultura, Ciência dos Materiais e Produtos Especializados em preparação para a separação pretendida. Além disso, cada Comitê Consultivo desenvolverá uma estrutura de capital em linha com os princípios estabelecidos em nosso Estatuto Social e designará o futuro CEO e o time de liderança de cada empresa pretendida.

Executivos da DowDuPont:

Como já anunciado, DowDuPont será liderada por uma equipe que reflete os pontos fortes e as capacidades de ambas as empresas. Junto com Liveris e Breen, estarão os seguintes executivos:
o Howard Ungerleider, Chief Financial Officer (CFO)
o Stacy Fox, Conselheira Geral e Corporate Secretary
o Charles J. Kalil, Conselheiro Especial da Presidência e Conselheiro Geral para a Divisão de Ciência dos Materiais
o James C. Collins, Jr., Chief Operating Officer da Divisão Agrícola
o Jim Fitterling, Chief Operating Officer da Divisão de Ciência dos Materiais
o Marc Doyle, Chief Operating Officer da Divisão de Produtos Especializados

Gerando Valor para os Acionistas

Por meio da fusão de portfólios altamente complementares da Dow e DuPont e, subsequentemente, com a criação das pretendidas empresas líderes, DowDuPont espera maximizar valor para os seus acionistas.

A DowDuPont afirma que os acionistas serão beneficiados com um perfil de investimento mais forte e focado de cada empresa pretendida e substanciais sinergias de custos, bem como do crescimento a longo prazo e criação de valor sustentável após as separações pretendidas em três empresas. Espera-se que a transação resulte em sinergias de custo de aproximadamente US$ 3 bilhões e potencial de atingir US$ 1 bilhão em sinergias de crescimento. A empresa espera alcançar uma taxa de execução de 100% nas sinergias de custo nos primeiros 24 meses após a conclusão da fusão.

Caminhos para a Separação

Os líderes e as equipes de integração da Dow e DuPont estão desenvolvendo os futuros modelos operacionais e a estrutura organizacional que apoiarão a estratégia de cada empresa pretendida. Assim que cada divisão estabelecer seus próprios processos, pessoas, ativos, sistemas e licenças para operar de forma independente, a DowDuPont pretende separar as divisões de forma que as mesmas passem a operar com suas próprias entidades legais, sujeito à aprovação do Conselho de Administração e de outras aprovações regulatórias. Espera-se que as separações pretendidas ocorram dentro de 18 meses.

Espera-se que as empresas pretendidas contemplem:

  • Uma Empresa Líder em Agricultura que reunirá os pontos fortes da DuPont Pioneer, DuPont Proteção de Cultivos e Dow AgroSciences para melhor servir aos produtores rurais em todo o mundo, com um portfólio superior de soluções, maior opção de escolhas e preços competitivos por valor. As capacidades combinadas e o mecanismo de inovação altamente produtivo permitirão que a pretendida empresa agrícola traga um conjunto ainda mais amplo de produtos para o mercado de forma mais rápida, podendo ser uma parceira ainda melhor para agricultores, entregando inovação e ajudando-os a aumentar a produtividade e rentabilidade. A pretendida empresa agrícola estará sediada em Wilmington (Delaware, EUA), com centros de negócios globais em Johnston (Iowa, EUA) e Indianápolis (Indiana, EUA).
  • Uma Empresa Líder em Ciência dos Materiais, que será denominada Dow e consistirá nos negócios que compõem os seguintes segmentos atuais da Dow: Plásticos de Performance, Materiais de Performance & Químicos, Soluções em Infraestrutura e Soluções de Consumo (Consumer Care e Dow Automotive Systems. Dow Electronic Materials fará parte da empresa de Produtos Especializados), assim como o atual negócio de Materiais de Performance da DuPont. A pretendida empresa de Ciência dos Materiais oferecerá o portfólio mais forte em químicos e polímeros da indústria, com escala e capacidades competitivas para permitir o desenvolvimento de soluções diferenciadas para clientes e mercados de elevado crescimento, como os de embalagem, transporte, infraestrutura e cuidados do consumidor. A pretendida empresa de Ciência dos Materiais terá a sua sede em Midland (Michigan, EUA).
  • Uma empresa líder em Produtos Especializados que será formada por negócios fortes e líderes de mercado, incluindo a DuPont Soluções em Proteção, Soluções Sustentáveis, Biociências Industriais e Nutrição & Saúde; que vai incorporar o negócio de Health & Nutrition da FMC que está pendente apenas da conclusão da transação. A empresa também será formada pelo negócio de Tecnologias em Eletrônicos, que combina a DuPont Eletrônicos & Comunicação com a Dow Electronic Materials. A empresa pretendida de Produtos Especializados será uma líder em inovação composta por empresas especializadas em tecnologia com produtos diferenciados e soluções que transformam indústrias e a vida das pessoas. A pretendida empresa terá sede em Wilmington (Delaware, EUA).

Como já anunciado, a Diretoria da DowDuPont está conduzindo uma revisão detalhada do portfólio para avaliar a realidade dos atuais negócios e alavancar conhecimento adquirido ao longo do último ano e meio para identificar oportunidades de valor agregado em preparação para a criação das pretendidas empresas líderes do setor.

Klein and Company, Lazard e Morgan Stanley & Co. LLC têm sido os conselheiros financeiros da Dow para a transação, tendo Weil, Gotshal & Manges LLP como conselheiros jurídicos.

Evercore e a Goldman, Sachs & Co. têm sido os conselheiros financeiros da DuPont para esta transação, tendo Skadden, Arps, Slate, Meagher & Flom LLP como os conselheiros jurídicos.

Sobre a DowDuPont

DowDuPont (NYSE: DWDP) é uma holding composta pela The Dow Chemical Company e pela DuPont com a intenção de formar empresas fortes, independentes e de capital aberto nos mercados de Agricultura, Ciência dos Materiais e Produtos Especializados, liderando suas respectivas indústrias por meio da produtividade, tendo a ciência como base para o desenvolvimento de inovações que atendam as demandas dos clientes e que ajudem a resolver os desafios globais.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Dow

Curta nossa página no

Anúncios

Fusão da Huntsman e Clariant cria nova empresa com valor de 20 bilhões de dólares

05/06/2017

Hariolf Kottmann (CEO da Clariant) e Peter Huntsman (CEO da Hunstman Corporation)

  • “Fusão de iguais” irá criar uma empresa líder global em especialidades químicas com aproximadamente  20 bilhões de dólares em valor de mercado, na data do anúncio
  • Mais de US $ 3,5 bilhões de criação de valor através de sinergias de custos anuais superiores a US $ 400 milhões
  • Aumento do retorno resultante de um perfil de crescimento aprimorado em mercados finais altamente atraentes e geografias-chave tais como os Estados Unidos e a China
  • Oportunidades para plataformas mais fortes para inovação conjunta e conhecimento compartilhado em sustentabilidade
  • Balanços e geração de fluxo de caixa mais fortes; planos para continuar a atrativa política de dividendos da Clariant
  • Transação deverá ser fechada até o final de 2017
  • Oferta pública de ações anteriormente anunciada para o negócio da Huntsman Pigments and Additives (Venator) deverá ocorrer, conforme planejado, no verão de 2017

A Huntsman Corporation e a Clariant anunciaram em 22 de maio passado que seus Conselhos de Administração aprovaram por unanimidade um acordo definitivo para a união das duas empresas, através de uma “fusão de iguais” envolvendo troca de ações.

A empresa resultante da fusão será chamada HuntsmanClariant. Numa base proforma de 2016, a combinação de ambas as empresas criará uma empresa global líder em especialidades químicas com vendas de aproximadamente US $ 13,2 bilhões, um EBITDA ajustado de US $ 2,3 bilhões e um valor combinado da empresa correspondente a aproximadamente US $ 20 bilhões na data no anúncio.

A nova empresa se beneficiará dos pontos fortes de cada uma delas e terá um perfil de crescimento significativamente melhorado em mercados finais e geografias altamente atraentes. A HuntsmanClariant irá alavancar conhecimento compartilhado em sustentabilidade e contará com uma plataforma de inovação conjunta bem mais forte. Isso permitirá o desenvolvimento de novos produtos, a fim de oferecer retornos superiores e gerar valor para o acionista.

Comentários dos CEOs

“Este é o negócio perfeito no momento certo. A Clariant e a Huntsman estão juntando forças para ganhar um alcance global muito mais amplo, criar um poder de inovação mais sustentado e alcançar novas oportunidades de crescimento “, disse Hariolf Kottmann, CEO da Clariant. “Isto é do interesse de todas as partes envolvidas. Peter Huntsman e eu compartilhamos a mesma visão estratégica e espero trabalhar com ele “, complementou.

Peter R. Huntsman, presidente e CEO da Huntsman, comentou: “Eu não poderia estar mais entusiasmado com essa fusão; estou ansioso para trabalhar em estreita colaboração com Hariolf Kottmann, um homem que eu venho admirando e confiando durante a última década. Também esperamos uma estreita associação em todo o mundo com seus colegas imensamente talentosos. Juntos, criaremos um líder global em especialidades químicas com um balanço combinado que proporcionará flexibilidade e uma força financeira substancial”.

Destaques da transação

  • Fusão através de troca de ações
  • Acionistas da Clariant: 52%; acionistas da Huntsman: 48%
  • Os acionistas da Huntsman receberão 1.2196 ações na HuntsmanClariant por cada ação Huntsman (cada ação existente da Clariant permanecerá como uma ação na HuntsmanClariant)
  • O Conselho de Administração terá igual representação da Clariant e Huntsman
  • A Sede Global será em Pratteln, na Suíça, e a Sede Operacional em The Woodlands, Texas (EUA)
  • Ações serão cotadas duplamente na bolsa de valores SIX Swiss Exchange e na Bolsa de Valores de Nova York

Criação de valor

A nova empresa acelerará a criação de valor para os acionistas através de uma combinação mais robusta de tecnologia, produtos e talentos. A empresa combinada espera alcançar mais de US $ 3,5 bilhões em criação de valor referente a aproximadamente US $ 400 milhões em sinergias de custos anuais. A taxa de sinergia completa será alcançada dentro de dois anos após o fechamento do negócio. Essas sinergias serão obtidas através da redução de custos operacionais e melhorias nas compras. As sinergias planejadas representam cerca de 3% da receita total combinada de 2016, com custos únicos de até US $ 500 milhões. Haverá também uma economia adicional de impostos de cunho financeiro.

Governança corporativa

A empresa combinada, incorporada na Suíça, será regida por um Conselho de Administração com igual representação da Clariant e Huntsman e seguirá os padrões suíços de Governança Corporativa. Hariolf Kottmann, atual CEO da Clariant, se tornará presidente do Conselho de HuntsmanClariant. Peter Huntsman, atual presidente e CEO da Huntsman, será o CEO da HuntsmanClariant. Jon Huntsman, fundador e presidente de Huntsman, se tornará presidente emérito e membro do conselho da HuntsmanClariant. A fusão desfruta de um forte compromisso dos acionistas da Clariant e da família Huntsman. A empresa será listada na SIX Swiss Exchange e na Bolsa de Valores de Nova York. .

Espera-se que a transação seja fechada até o final do ano de 2017, sujeita às aprovações de acionistas da Clariant e Huntsman, às aprovações regulatórias e a outras condições habituais de fechamento. A Clariant e a Huntsman estão confiantes de que as aprovações regulamentares necessárias poderão ser obtidas nos prazos previstos.

Sobre a Huntsman: A Huntsman Corporation (www.huntsman.com) é uma fabricante e vendedora global de produtos químicos, com receitas de aproximadamente US $ 10 bilhões em 2016. Seus produtos químicos abrangem milhares de itens e são vendidos em todo o mundo para fabricantes que atendem a uma gama ampla e diversificada de mercados finais de consumo e industriais. A empresa possui mais de 100 fábricas e instalações de P & D em aproximadamente 30 países, empregando aproximadamente 15 mil colaboradores em 5 divisões comerciais distintas.

Sobre a Clariant: A Clariant (www.Clariant.com) é uma empresa líder mundial em especialidades químicas, com sede em Muttenz, perto de Basileia (Suíça). Em 31 de dezembro de 2016, a empresa empregava uma força de trabalho total de 17 442 colaboradores. No exercício de 2016, a Clariant registrou vendas de cerca de CHF 6 bilhões. A empresa atua em quatro áreas de negócios: produtos químicos de cuidados pessoais, catálise, recursos naturais e plásticos e revestimentos.

Fonte: Huntsman / Clariant

Curta nossa página no

Fusão entre Dow e DuPont cria a segunda maior empresa química do mundo

14/12/2015
Edward Breen, da Dupont (esq), e Andrew Liveris, da Dow (dir) se cumprimentam durante o anúncio da fusão entre as duas empresas no dia 11 de dezembro

Edward Breen, da Dupont (esq), e Andrew Liveris, da Dow (dir), se cumprimentam durante o anúncio da fusão entre as duas empresas no dia 11 de dezembro

A Dow Chemical e a DuPont fecharam em 11 de dezembro os termos de uma fusão irá criar uma gigante de produtos químicos com valor de mercado de mais de 130 bilhões de dólares e que deverá se dividir, na sequência, em três diferentes empresas nos segmentos de agroquímicos, materiais e especialidades. A operação deve ser concluída no segundo semestre de 2016.

Com a fusão, o conselho executivo da nova empresa, que se chamará Dow DuPont, terá 16 membros, divididos igualmente entre as duas empresas. O presidente-executivo da DuPont, Edward Breen, será  o presidente executivo da nova empresa. O seu homólogo na Dow, Andrew Liveris passará a ser o presidente do Conselho de Administração. Liveris também irá liderar a empresa a ser criada no segmento de materiais. Ele disse que 70 % das vendas dessa nova empresa virão de três mercados chave: embalagem, transporte e construção.

As receitas combinadas dos negócios agroquímicos da Dow e da DuPont são de aproximadamente 19 bilhões de dólares. No setor de materiais, que inclui plásticos, produtos químicos e outros materiais, as receitas combinadas são de 51 bilhões de dólares. No segmento de especialidades, que compreende eletrônicos, nutrição, biociências industriais e segurança, o faturamento é de aproximadamente 13 bilhões de dólares.

As sinergias de custo geradas pela fusão podem atingir 3 bilhões de dólares. A operação foi estruturada como uma fusão de iguais.  A Dow Dupont, será a segunda maior empresa química do mundo, depois da BASF e terá duas sedes – em Midland, Michigan e Wilmington, Delaware.

O acordo, que terá de ser aprovado por agências regulatórias de vários países, permitirá que as duas empresas norte-americanas revigorem seus ativos. Ultimamente, os negócios dos segmentos de plástico e de especialidades químicas vem se beneficiando de custos de energia mais baixos, enquanto que as divisões de produtos químicos para agricultura vem tendo dificuldades para lidar com uma demanda fraca por defensivos.

São esperadas reduções de postos de trabalho como consequência da fusão. A Dow tinha 53.000 funcionários, enquanto que a DuPont tinha 63.000 colaboradores no final de 2014. As empresas não mencionaram layoffs no anúncio oficial da fusão, mas a DuPont, em um comunicado separado, disse que implementará um plano de redução de custos global correspondente a 700 milhões de dólares, que impactará 10 % da sua força de trabalho global.

Fonte: Dupont / Dow / Reuters / New York Times

Curta nossa página no

Dow Chemical e DuPont em negociações avançadas para fusão

09/12/2015

Segundo a Reuters, a Dow Chemical e a DuPont estão negociando uma fusão para criar uma gigante de produtos químicos com valor de mercado de mais de 130 bilhões de dólares e que poderá se dividir, na sequência, em uma série de diferentes negócios, afirmaram fontes com conhecimento do assunto.

Com a fusão, o presidente-executivo da Dow, Andrew Liveris, e seu homólogo na DuPont, Edward Breen, manteriam seus cargos na nova companhia, relatou uma das fontes, que informou também que um acordo pode ser fechado nos próximos dias.

O assunto não foi comentado por representantes da Dow e da DuPont.

As sinergias de custo geradas pela fusão podem atingir 3 bilhões de dólares, segundo informou a CNBC, mencionando fontes que estão a par do assunto. Tanto a Dow Chemical como a Du Pont possuem negócios significativos no setor de plásticos. Cada uma delas tem valor de mercado aproximado de 60 bilhões de dólares. Se a fusão se concretizar, a nova companhia resultante será a segunda maior empresa química do mundo, depois da BASF.

O eventual acordo, que terá de ser aprovado por agências regulatórias de vários países, permitirá que as duas empresas norte-americanas revigorem seus ativos. Ultimamente, os negócios dos segmentos de plástico e de especialidades químicas vem se beneficiando de custos de energia mais baixos, enquanto que as divisões de produtos químicos para agricultura vem tendo dificuldades para lidar com uma demanda fraca por defensivos.

Após a operação que seria estruturada como uma fusão de iguais, a nova empresa poderia se dividir em ciências de materiais, especialidades e agroquímicos, afirmaram as fontes, ressaltando, porém, que os planos ainda não estão finalizados.

Fonte: Reuters / CNBC

Curta nossa página no

Solvay dá um passo decisivo para a sua transformação com a aquisição da Cytec

31/07/2015

Negócio será de 5,5 bilhões de dólares

Solvay_logoO Grupo Solvay anuncia que assinou um acordo definitivo para adquirir a Cytec, dos Estados Unidos, por um valor em dinheiro equivalente a US$ 75,25 por ação.  O valor total  da transação em ações será de US$ 5,5 bilhões, o que significa um valor de empresa de US$ 6,4 bilhões e representa 14,7 vezes o EBITDA estimado para 2015 e 11,7 vezes o EBITDA ao se levar em conta as sinergias estimadas para esse negócio. O preço oferecido representa um prêmio de 28,9% por ação em relação ao preço de fechamento dos negócios da Cytec em 28 de julho de 2015 e um prêmio de 26,9% em relação ao volume ponderado do preço médio de fechamento da ação dos últimos três meses. Os conselhos de administração da Solvay e da Cytec recomendaram por unanimidade a realização desse negócio.

“A proposta de aquisição da Cytec marca uma mudança significativa no portfólio da Solvay. É uma oportunidade única para a Solvay impulsionar sua oferta de materiais avançados na indústria aeroespacial, aeronáutica e automotiva, bem como para reforçar o seu portfólio de produtos químicos para a indústria de mineração “, disse Jean-Pierre Clamadieu, CEO da Solvay. “A Cytec é um grupo de alta qualidade e líder de mercado. Esta aquisição vai criar valor para nossos acionistas e apoiará a nossa ambição de nos tornar um líder em química sustentável. Esta transação acelerará ainda mais a nossa transformação como organização”, acrescentou.

“Estamos muito animados para nos unir à Solvay, um player de liderança na indústria química, com mais de 150 anos de sucesso. Seu foco estratégico está perfeitamente alinhado com as nossas empresas, enquanto as sinergias de tecnologia com seus polímeros especiais e formulações avançadas devem acelerar o nosso crescimento. Nossos clientes e nossos funcionários podem esperar a continuidade dos negócios e um forte apoio da nossa estratégia atual “, disse Shane Fleming, CEO da Cytec.

Sediada em Nova Jersey, com 4.600 funcionários em todo o mundo, a Cytec gerou vendas de US $ 2,0 bilhões e  20% de margem de resultado operacional (REBITDA) em 2014.  Quase metade de suas vendas são feitas na América do Norte, um terço na Europa e o restante na região da Ásia-Pacífico e na América Latina.

A Cytec está entre os líderes mundiais em materiais compósitos e em produtos químicos de mineração, sendo reconhecida por seus clientes como uma empresa inovadora,  consistentemente bem sucedida e provedora de soluções de alto desempenho e de valor agregado. No setor de materiais compósitos,  em forte crescimento e  que representa dois terços de suas vendas, o seu principal mercado são as estruturas primárias e secundárias para aeronaves. Também está desenvolvendo novas aplicações tecnológicas de compósitos para automóveis. Ao mesmo tempo, a Cytec é líder em especialidades químicas empregadas em formulações para processos de separação de minérios.

Através da aquisição da Cytec,  a Solvay vai ganhar escala e negócios com o cliente direto da indústria aeroespacial e aeronáutica. No mercado automotivo, a forte posição já adquirida pela Solvay com os fabricantes de equipamentos originais e fornecedores Tier1 ajudará a impulsionar o crescimento da Cytec. Além disso, irá reforçar significativamente o perfil de sustentabilidade da Solvay por conta dos produtos da Cytec. Com a Cytec, a Solvay vai se destacar mais fortemente na redução das emissões de CO2 com as suas soluções de materiais leves, além de atuar melhor no manejo da escassez dos recursos naturais com tecnologias mais eficientes e limpas de mineração. Os negócios de compósitos da Cytec serão integrados no segmento operacional de Materiais Avançados da Solvay. Seus produtos químicos de mineração e aditivos especiais farão parte do segmento operacional  Formulações Avançadas da Solvay.

A transação com a Cytec apoiará a dinâmica de crescimento do REBITDA da Solvay, com o crescimento das receitas e expansão das margens operacionais. A Solvay espera sinergias anuais de mais de € 100 milhões, a serem substancialmente realizadas nos próximos três anos, principalmente por meio de redução de custos e de programas de excelência operacional.  Oportunidades de vendas cruzadas significativas foram identificadas na área de Specialty Polymers,  tanto para a indústria aeroespacial e automotiva, bem como na área de Novecare para petróleo e gás, produtos agroquímicos e eletrônica. Os custos de implementação não-recorrentes são estimados em €75 milhões.

O Grupo Solvay obteve um financiamento ponte para a transação, que vai pagar com a emissão de direitos da ordem de €1,500.000.000, € 1,0 bilhão em instrumentos híbridos adicionais e uma emissão de dívida sênior. A estrutura de financiamento vai ajudar  a Solvay manter a sua flexibilidade financeira e fortalecer sua estrutura de capital. Isso permitirá ao Grupo sustentar sua política de longo prazo de dividendos, preservando ao mesmo tempo o seu rating de crédito de grau de investimento.

O Grupo Solvay vai convocar, no devido tempo, uma assembleia geral extraordinária de seus acionistas para votar sobre a questão dos direitos propostos. O Conselho de Administração da Solvac, o principal acionista da Solvay, confirmou por unanimidade o seu apoio à operação e sua intenção de votar a favor do aumento de capital. A Solvac pretende exercer os seus direitos como parte do aumento de capital para manter a sua participação de 30% na estrutura acionista da Solvay.

Esta aquisição está estruturada como uma fusão em dinheiro entre Cytec e uma filial da Solvay. A fusão está sujeita às condições habituais de fechamento, incluindo aprovações regulatórias e aprovação dos acionistas da Cytec. A transação deverá ser concluída no quarto trimestre de 2015.

Fonte: Solvay

Curta nossa página no

Grupo AMUT adquire Dolci Bielloni e amplia sua capacidade de fornecer equipamentos para produção de filmes flexíveis

09/04/2015
Riccardo Castello, Gerente Geral da Dolci Bielloni e Mauro Drappo, CEO da AMUT

Riccardo Castello, Gerente Geral da Dolci Bielloni e Mauro Drappo, CEO da AMUT

A sinergia entre as duas empresas italianas vai impulsionar novos projetos customizados para diversos segmentos da indústria plástica no Brasil

A recente união das empresas italianas Dolci Bielloni e o Grupo AMUT fortalecerá, ainda mais, a liderança e experiência das duas marcas em extrusão de plásticos no mundo. Esta decisão representa também uma ação estratégica do grupo, fabricante de máquinas e linhas de produção para extrudados rígidos (chapas, tubos, perfis) e termoformagem de ampliar sua participação no Brasil, junto com a filial AMUT-Wortex, fruto da joint venture iniciada em 2014 com a Wortex.

“A fusão com a Dolci Bielloni é um sucesso para o futuro do Grupo AMUT. Juntos iremos impulsionar o nosso papel de liderança no cenário internacional. A sinergia aprimora nossos pontos fortes,que é o de atender nossos clientes com uma completa linha de máquinas para extrusão de plásticos, termoformagem e reciclagem,diz Mauro Drappo, CEO da AMUT.

Já a fabricante Dolci Bielloni é reconhecida pela expertise em máquinas para impressão, corte e bobinamento, linhas de balão e cast para diferentes filmes multicamadas (stretch, silagem, barreira, técnicos, médicos, fraldas, PP), linhas de laminação e coating.

O início das atividades será formalmente anunciado na semana de 4 a 8 de maio, durante a Feiplastic– Feira Internacional do Plástico, com transmissão, ao vivo, no stand da AMUT-Wortex, do open house da AMUT Dolci Bielloni, evento que será realizado na Itália. Serão apresentdos os recentes desenvolvimentos em aplicações de filmes stretch. Linhas de produção de rolos manual e outra automática (2000 mm – 7 camadas), além de outra de rolos jumbo (1500 mm – 5 camadas). Estes sistemas representam a mais alta tecnologia neste setor”, antecipa Drappo.

Segundo a AMUT, a linha de filmes 2000-mm é  inovadora:seis extrusoras garantem a flexibilidade de produção e um design único, capaz de satisfazer as principais tendências no atual mercado de filmes. Segundo a empresa, um filme mais fino, porém mais forte, para se obter um filme stretch super forte. De acordo com a empresa, independente de sua pequena dimensão, as extrusoras são capazes de obter alto volume de produção e garantir excelente economia de energia.

A Amut (http://www.amut.it/en/) atua há quase 60 anos na Itália, com sede em Novara, a AMUT atua na fabricação de  linhas de extrusão para a produção de chapas, perfis, tubos, granulação em polímeros plásticos e também compostos plástico/pó de madeira (WPC), utilizados nos setores de construção, embalagem, eletrodomésticos, moveleiro, automotivo, médico e agrícola. Lidera também a  produção de equipamentos para termoformagem, cast film e plantas para reciclagem de plásticos, lixo urbano e industrial.

A Dolci Bielloni (http://www.dolciextrusion.it/) foi fundada em 1919, a empresa italiana pode fornecer linhas completas para embalagens de plástico, abrangendo toda a gama de produtos em termos de dimensões e de saída e atendendo às necessidades do mercado.

A Wortex (http://www.wortex.com.br) foi fundada em 1976, na cidade de Campinas (SP) e fabrica equipamentos para extrusão, reciclagem, acessórios, moinhos, roscas e cilindros.

Serviço: Feiplastic – Feira Internacional do Plástico
Data: 4 a 8 de maio de 2015
Horário: 11h às 20h
Estande Amut-Wortex:  rua H200
Estande Wortex: rua H298
Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi – São Paulo
Mais informações: http://www.feiplastic.com.br

Fonte: Assessoria de Imprensa – Wortex

Curta nossa página no

Cromex e Resinet anunciam fusão

15/10/2012

A Cromex, fabricante de masterbatches, e a Resinet, distribuidora de resinas plásticas, anunciaram sua fusão no último dia 11,  informando que a nova operação conjunta tem como objetivo somar competências e fortalecer ações junto a parceiros, clientes, colaboradores e fornecedores.

Com mais de 30 anos, a Cromex é a líder brasileira no mercado de masterbatches (cores e aditivos usados nos plásticos). Os produtos da Cromex atendem 18 segmentos diferentes de transformados plásticos, como brinquedos, embalagens e tampas para diversos segmentos (alimentos, bebidas, cosméticos, higiene pessoal, limpeza), segmento esportivo (assentos para estádios, entre outros produtos), construção civil, setor automotivo e de agrobusiness.

Há 12 anos no mercado, a Resinet está entre as maiores distribuidoras brasileiras de resinas termoplásticas. A empresa atua em todo o território nacional e também comercializa produtos das maiores indústrias químicas e petroquímicas do mundo.

Segundo as empresas, a operação conjunta deverá ser iniciada em janeiro de 2013,  agregando valor aos produtos e soluções para os mercados nacional  e  internacional.

Curta nossa página no

Comissão Europeia aprova a formação da joint venture Styrolution entre a BASF e a INEOS, que atuará no setor de derivados estirênicos.

02/06/2011

A Comissão Europeia aprovou hoje a formação da joint venture Styrolution. A BASF SE, com sede em Ludwigshafen, na Alemanha, e a INEOS Industries Holdings Limited, com sede em Lyndhurst, no Reino Unido, têm agora a aprovação da Europa para unir globalmente na nova empresa Styrolution suas atividades relacionadas a monômeros de estireno (SM), poliestireno (PS), acrilonitrila butadieno estireno (ABS), copolímeros de estireno-butadieno (SBC) e outros copolímeros à base de estireno (SAN, AMSAN, ASA, MABS), bem como blendas de copolímeros.

As vendas pró-forma dos negócios combinados foram de 6,4 bilhões de Euros em 2010. As atividades de poliestireno expansível (EPS) não fazem parte desta transação; a BASF e a INEOS irão continuar com os respectivos negócios. Com a Styrolution, a BASF e a INEOS irão formar a empresa líder global no mercado de estirênicos. A Styrolution tem uma posição global excelente, com unidades na Europa, Ásia e América do Norte. A Comissão Europeia aprovou a formação da joint venture com a condição de que as partes vendam a unidade produtiva de ABS em Terragona, na Espanha. Esta unidade é responsável por menos de 3% do EBITDA pró-forma da Styrolution no ano de 2010.

A formação da joint venture já foi aprovada pela Comissão dos EUA sem nenhuma condição. A BASF e a INEOS vão continuar operando como empresas independentes até que o acordo se complete, o que é esperado para 2011, o que ainda depende das aprovações das autoridades antitruste de outros países. Estirênicos são usados principalmente em produtos para casa e escritório, para aparelhos elétricos e de comunicação, além de embalagens. Os copolímeros à base de estireno são resinas termoplásticas de monômero de estireno e acrilonitrila. Estes são usados principalmente nas indústrias automotiva e tecnológica, bem como em produtos utilizados no dia a dia.

Fonte: BASF

Amanco Brasil agora se chama Mexichem Brasil e acelera seu crescimento em 2011

14/03/2011
A Amanco Brasil mudou sua denominação para Mexichem Brasil, e incorporará as outras empresas da Mexichem no Brasil: Bidim, Plastubos e Doutores da Construção.

A Amanco Brasil é hoje uma das empresas da Mexichem, grupo mexicano de empresas químicas e petroquímicas, líder na América Latina nas cadeias produtivas do flúor e do cloro-vinil. Esta unificação é o ápice de um processo de integração que vem ocorrendo gradualmente nos últimos anos. 

Em 2007, a Mexichem ingressou no maior mercado de tubos e conexões da América Latina ao adquirir o Grupo Amanco. Neste mesmo ano, o grupo também adquiriu a Plastubos, também fabricante de tubos e conexões no Brasil, ampliando sua atuação neste setor. Em 2008, a Mexichem comprou a Bidim, líder no mercado nacional de geotêxteis nãotecido.

Segundo Marise Barroso, que já comandava as quatro empresas e agora assume o cargo de presidente da Mexichem Brasil, a criação desta nova companhia faz parte da estratégia corporativa global da Mexichem de integração vertical de sua cadeia produtiva, com o objetivo de responder às necessidades da indústria química tanto no relacionamento com clientes corporativos como com o consumidor final, por meio de suas marcas comerciais. “Esta mudança contribui também para acelerar o crescimento e fortalecer a atuação do Grupo no Brasil”, declara Marise.

As marcas comerciais e suas respectivas estratégias serão mantidas. As três marcas comerciais – Amanco, Plastubos e Bidim – tiveram um crescimento muito expressivo em 2010, e, somadas, as suas vendas, representam um crescimento de 18% em comparação a 2009, enquanto o aumento na venda de materiais básicos para construção no ano passado foi de 9,28% segundo a Abramat (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção).

De acordo com Marise Barroso, a unificação da atuação da Mexichem sob uma única empresa será benéfica tanto para consumidores como para colaboradores. A gestão também será facilitada. “Teremos ganhos importantes de eficiência operacional, e os colaboradores, ganhos em termos de empregabilidade e benefícios”.

Perspectivas
A Mexichem Brasil pretende investir R$ 148 milhões em 2011. O valor inclui aumento de 20% na capacidade de produção das fábricas, desenvolvimento de novos produtos, comunicação das marcas comerciais na mídia e nos pontos de venda do varejo da construção e capacitação profissional.

As vendas líquidas da Mexichem Brasil no ano passado somaram R$ 946 milhões, um crescimento de 18% em comparação a 2009. A empresa apresentou um Ebitda (resultado operacional antes da depreciação, despesas financeiras e impostos) superior ao do ano anterior em 20% e um aumento de 14% no volume de produção. 

“Os resultados superam nossas expectativas iniciais e são fruto da nossa estratégia de negócio fundamentada no conceito de triplo resultado (econômico, social e ambiental). Além disso, o setor de construção civil está bastante aquecido e as três marcas comerciais – Amanco, Plastubos e Bidim –, ganharam participação de mercado”, afirma Marise Barroso.

Sobre a Mexichem Brasil
A Mexichem Brasil é a subsidiária brasileira do Grupo Mexichem, com atuação nos setores de tubos e conexões e de geotêxteis nãotecido. É resultado da incorporação das empresas controladas pela Mexichem no Brasil: Amanco, Plastubos, Bidim e Doutores da Construção. É detentora das marcas comerciais Amanco, Plastubos e Bidim. Possui cerca de 3 mil colaboradores e nove fábricas: Joinville (duas), Sumaré (SP), Suape (PE), Uberaba (MG), Ribeirão das Neves (MG), Araquari (SC), Maceió (AL) e São José dos Campos (SP). Sua sede administrativa está localizada em São Paulo, capital.

Sobre a Mexichem
Mexichem é um grupo mexicano de empresas químicas. Com respaldo de mais de 50 anos de trajetória, a Mexichem atua nas cadeias produtivas do flúor e do cloro-vinil, sendo líder em toda América Latina nos dois segmentos de negócio. Exporta para mais de 50 países. Suas vendas líquidas em 2010 totalizaram US$ 2,9 bilhões.

Fonte: Ketchum Estratégia

Aquisição da Quattor pela Braskem é aprovada pelo CADE

23/02/2011

A aquisição da Quattor pela Braskem foi aprovada, integralmente, pelo CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). Com essa decisão, foi mais uma vez confirmado como global o mercado relevante para o setor petroquímico e que, portanto, a competição se dá nessa dimensão.

As negociações para aquisição da Quattor foram concluídas em janeiro de 2010, por meio de um Acordo de Investimento celebrado entre Odebrecht, Petrobras, Braskem e Unipar. A aquisição posiciona a Braskem como a maior produtora de resinas termoplásticas das Américas, colocando-a em um novo patamar de escala e eficiência para fazer frente aos desafios do mercado internacional.

Como parte da operação, a Braskem se comprometeu a notificar previamente o CADE sobre os futuros contratos para a compra de resinas de fornecedores estrangeiros que contenham cláusula de exclusividade e que preencham os demais requisitos legais que tornam tais contratos notificáveis, em linha com o projeto de lei que reestrutura o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência. Além disso a Braskem, visando incentivar a transparência nas suas relações comerciais e a competitividade da cadeia produtiva, concordou em submeter periodicamente, sob regime de confidencialidade, informações a respeito de seus contratos e atividades de importação e comercialização de resinas.

Fonte: Braskem