Posts Tagged ‘Fraldas Descartáveis’

BASF, Cargill e Novozymes estabelecem marco em processo biotecnológico para produção de ácido acrílico, matéria prima para polímeros superabsorventes

09/07/2013

 Sucesso na produção do ácido 3-hidroxipronanóico para ácido acrílico com base biológica

As empresas BASF, Cargill e Novozymes anunciaram nesta semana o estabelecimento de um importante marco no desenvolvimento conjunto de tecnologias para produzir o ácido acrílico a partir de matérias-primas renováveis ao demonstrarem com sucesso a produção do ácido 3-hidroxipropiónico (3-HP) em escala piloto.

O 3-HP é um bloco construtivo com base renovável e um possível precursor químico para o ácido acrílico. As empresas também estabeleceram com sucesso diversas tecnologias para desidratar o 3-HP para o ácido acrílico em escala laboratorial. Esta etapa do processo é essencial, pois ela é a base para a produção do ácido acrílico. Em agosto de 2012, as empresas BASF, Cargill e Novozymes anunciaram uma cooperação conjunta para o desenvolvimento de um processo para a conversão de matérias-primas renováveis em um ácido acrílico 100% à base biológica.

“O 3-HP é uma matéria-prima potencialmente importante para a produção do ácido acrílico com base tecnológica que é um precursor de polímeros superabsorventes”, disse Teressa Szelest, Vice-Presidente Sênior Mundial da Unidade de Negócio Higiene da BASF. “Ainda temos muito trabalho a fazer antes que o processo esteja pronto comercialmente, mas este é um marco importante e estamos confiantes que avançaremos para o próximo nível de expansão do processo como um todo em 2014.”

O ácido acrílico é um químico de alto volume que contribui para uma ampla linha de produtos. A BASF é maior produtora mundial de ácido acrílico e conta com grandes capacidades em sua produção e processamento interno. Inicialmente, a BASF planeja utilizar o ácido acrílico à base biológica para fabricar polímeros superabsorventes capazes de absorver grandes quantidades de líquido e são usados em fraldas para bebês e outros produtos de higiene. Atualmente, o ácido acrílico é produzido por meio da oxidação de propileno derivado da refinação do óleo bruto.

A equipe do projeto em parceria das empresas combina a experiência de excelência mundial em biotecnologia, matérias-primas renováveis, fermentação em escala industrial e no desenvolvimento de novos processos químicos.

“As três empresas formaram conjuntamente equipes de trabalho altamente talentosas e experientes para o projeto”, disse Jack Staloch, Vice-Presidente de P&D em Biotecnologia da Cargill. “As equipes estão avançando com rapidez e intensidade, e já demonstraram um grande progresso rumo à conquista dos nossos objetivos.”

“Estabelecemos um importante marco com a produção do 3-HP em escala piloto,” disse Rasmus von Gottberg, Vice-Presidente de Desenvolvimento Corporativo e Criação de Negócios da Novozymes. “Já demonstramos que é possível produzir este importante bloco químico construtivo a partir de matérias-primas renováveis em condições industriais robustas. E agora o trabalho de desenvolvimento seguirá para sua comercialização.”

Os polímeros superabsorventes derivados do ácido acrílico à base biológica será uma nova oferta inovadora para o mercado. As fraldas produzidas com esses polímeros superabsorventes atenderão à demanda de um grupo de consumidores significativo e crescente particularmente em mercados desenvolvidos. Eles também poderão permitir que os fabricantes de fraldas atendam à demanda dos consumidores, diferenciem seus produtos e contribuam para seus objetivos de sustentabilidade.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Anúncios

Petropar adota novo nome e agora chama-se Évora

07/05/2013

Inicialmente ligada ao setor petroquímico, a holding Petropar resolveu mudar de nome e logomarca após 25 anos de mercado e depois de se expandir no segmento de bens intermediários para a indústria de consumo.

Ao longo da evolução da empresa, houve inicialmente uma reestruturação societária do Grupo Olvebra, em 1988, em que os ativos das áreas petroquímica e de plásticos foram agrupados sob a denominação Petropar – Petroquímica Participações. Durante os anos posteriores, todavia, a companhia diversificou os negócios e aqueles que deram origem à empresa foram vendidos ou descontinuados.

Na área plástica, hoje, a Évora atua através da Fitesa (que fabrica não-tecidos leves de polipropileno, usados em fraldas e absorventes descartáveis) e da América Tampas (bebidas, produtos de higiene pessoal e limpeza).

Em economias como o Brasil, onde se destaca o crescimento de renda, o acesso a fraldas descartáveis é promissor. “Apenas 61% das crianças usam fraldas no Brasil. Nos Eua e Europa são 98%”, comenta o diretor presidente da Évora, Geraldo Enck. O segmento de fraldas geriátricas deve também se expandir no Sul do País devido ao envelhecimento da população.

Sobre as tampas, Enck diz que há um movimento forte em relação à água mineral enquanto o refrigerante se mantém estável. Nesta linha, se destacam as garrafas com tampas diferenciadas, como as que se vêem em energéticos, tampas especiais esportivas com valor agregado.

Como a atuação do Grupo é ligada ao consumo de massa, é resiliente a períodos de retração econômica e sensível a movimentos demográficos e de renda da população. “Na recessão, o crescimento estabiliza, pois são produtos quase de primeira necessidade. As pessoas trocam a marca”, comenta Enck.

O executivo ressalta que a Évora posiciona-se hoje como uma empresa brasileira global, com 17 plantas em sete estados brasileiros, oito países e quatro continentes. Agora, a empresa tem fábricas no Brasil, Peru, México, EUA, Suécia, Itália, Alemanha (onde está localizado também o centro de desenvolvimento) e China. Essa dimensão global tornou ainda mais urgente a mudança de marca da holding. A partir daí a empresa contratou o escritório de design GADLipincott’ para desenvolver a nova marca. O nome Évora surgiu associado às palavras “evolução” e “valor”. Sua escolha partiu do princípio de que a empresa e suas controladas existem para gerar valor econômico e, por meio de suas realizações e atividades, promover a evolução de seus colaboradores e da sociedade. “Muda o posicionamento de marca, muda a forma de fazer negócios (global), mas não mudam os valores”, afirma Geraldo Enck.

A holding atingiu receita líquida recorde de R$ 1,8 bilhão em 2012. A Fitesa, por sua vez, registrou vendas globais de R$ 1,2 bilhão em 2012 e é a segunda produtora mundial, em capacidade instalada, de não-tecidos. No mercado interno, o negócio de tampas especiais cresceu 35% e para latas de alumínio, no qual a companhia é a segunda maior fornecedora para o mercado brasileiro, a perspectiva é de crescer 8%. A Crown Embalagens (outra empresa do grupo ligada ao segmento de latas de alumínio para bebidas) teve receita superior a R$ 1 bilhão ano passado e está investindo cerca de R$ 130 milhões em sua quinta unidade fabril, que será localizada em Teresina (PI).

Curta nossa página no