Posts Tagged ‘Ford’

BASF conquista prêmio da Ford para batentes de suspensão em poliuretano microcelular

09/01/2019

A BASF recebeu um novo prêmio Q1 da Ford, desta vez com as soluções para batentes de suspensão em Cellasto®, tecnologia em poliuretano microcelular da empresa.

“Este prêmio é uma grande honra para nós, representa um reconhecimento, não só pela qualidade da solução, mas também porque cumprimos um rígido e abrangente processo relacionado à produção, logística e um alto nível de excelência operacional”, comemora Jefferson Schiavon, gerente de Cellasto para a América do Sul.

“Gostaríamos de dividir esse reconhecimento com toda a equipe, por seu comprometimento e eficiência, que garantiu o estreitamento das relações com a Ford como parceira”, afirma Sérgio Gonçalves, responsável pela Qualidade de Materiais de Performance da BASF para a América do Sul.

Segundo a BASF, o Cellasto®, elastômero de poliuretano microcelular utilizado nos sistemas de suspensão veiculares, atua na redução do ruído e vibração do veículo, melhora da durabilidade da peça e aumento da segurança e do conforto ao dirigir o carro. A solução atende a uma das grandes tendências automotivas de melhorar a dirigibilidade e segurança nos veículos. Além dos batentes de suspensão, os componentes em Cellasto® são aplicados na indústria automotiva como solução de absorção de energia, por exemplo, em isoladores de mola. A divisão também vem introduzindo na região a tecnologia para top mounts.

Fonte: BASF

Curta nossa página no </

Anúncios

Ford é a primeira montadora a usar CO2 para desenvolver espumas e plásticos para veículos

25/05/2016

Ford_CO2

  • A Ford é o primeiro fabricante de automóveis a desenvolver espumas e plásticos utilizando dióxido de carbono capturado para a sua linha de veículos; utilização prevista inclui uso em assentos e aplicações no compartimento do motor
  • Espumas formuladas com polióis com até 50 por cento de CO2 poderiam reduzir o uso de petróleo em mais de 270 mil toneladas por ano
  • Pesquisadores da Ford prevêem que os novos materiais entrem em veículos de produção dentro de cinco anos; objetivos futuros incluem o desenvolvimento de outros materiais plásticos usando carbono capturado para ajudar a reduzir ainda mais a necessidade de plásticos à base de combustíveis fósseis

A Ford Motor Company é o primeiro fabricante de automóveis a formular e testar novos componentes de espuma e plástico usando o dióxido de carbono como matéria-prima. Os pesquisadores tem a expectativa de que os novos materiais sejam usados em veículos de produção da Ford dentro de cinco anos.

Formulada com polióis à base de até 50 por cento de CO2, a espuma tem se mostrado promissora à medida que atende aos rigorosos padrões de testes automotivos. Pode ser utilizada em assentos e aplicações do compartimento do motor, reduzindo potencialmente o uso de petróleo em mais de 270 mil toneladas por ano – o suficiente para encher cerca de 35.000 lares americanos. A espuma derivada de CO2 irá reduzir ainda mais o uso de combustíveis fósseis em veículos da Ford e aumentar a presença de espumas sustentáveis nas linhas globais da montadora.

“A Ford está trabalhando agressivamente para reduzir o seu impacto ambiental, reduzindo o uso de plásticos e espumas à base de petróleo”, disse Debbie Mielewski, líder técnico sênior de sustentabilidade da Ford. “Esta tecnologia é emocionante porque contribui para a resolução de um problema aparentemente insuperável – a mudança climática. Estamos entusiasmados por estar liderando uma iniciativa para reduzir as emissões de carbono e os efeitos da mudança climática. “

As emissões de carbono e as alterações climáticas são uma preocupação crescente de líderes mundiais à medida que um impressionanete número de mais de mil toneladas de gás carbônico por segundo são liberados para a atmosfera ao redor do mundo. A fabricação de plástico é responsável por quase 4 por cento do uso de petróleo no mundo, de acordo com a Federação Britânica de Plásticos. Pesquisadores da Ford estão esperançosos de que os passos iniciais da empresa para uso do carbono capturado de forma inovadora irão ajudar a alcançar as metas de longo prazo para reduzir o aquecimento global recentemente estabelecidas no Acordo de Paris da ONU.

Durante quase duas décadas, os pesquisadores da Ford vem trabalhando com sucesso no desenvolvimento de materiais sustentáveis para os produtos da empresa. Na América do Norte, espuma de soja está presente em todos os veículos Ford. Fibras de coco são parte do forro do porta malas. Pneus reciclados e soja estão presentes em juntas do espelho; camisas recicladas e jeans transformam-se em carpete; e garrafas plásticas recicladas tornaram-se o tecido REPREVE, utilizado na F-150 2016.

A Ford começou a trabalhar com várias empresas, fornecedores e universidades em 2013 para encontrar aplicações para CO2 capturado. Entre eles está a Novomer – uma empresa sediada em Nova York que utiliza dióxido de carbono capturado de plantas industriais para produzir materiais inovadores. Através de um sistema de conversões, a Novomer produz um polímero que pode ser formulado em uma variedade de materiais, incluindo espuma e plástico que são facilmente recicláveis.

“A Novomer está animada com o trabalho pioneiro que a Ford concluiu com nossos polióis Converge®, à base de CO2 “, disse Peter Shepard, diretor de negócios da Novomer. “É necessário que empresas arrojadas e inovadoras como a Ford habilitem novas tecnologias a se tornarem produtos mainstream.”

Fonte: Ford

Curta nossa página no

BASF, Ford e Montaplast fazem parceria para desenvolver tampa de motor dianteira de fibra de carbono reforçada e cárter estrutural

03/07/2015

BASF_MontaplastRecentemente, a BASF uniu forças com a Ford e a transformadora alemã Montaplast para desenvolver um material compósito, como parte de um projeto do Departamento de Energia para veículos leves de multi-materiais (MMLV, em inglês).

O principal foco da equipe era converter a tampa dianteira de alumínio fundido e o cárter estrutural do motor Ford Ecoboost 1.0L L3 GTDI em um composto de poliamida com fibra longa de carbono (FCL). Os esforços da equipe resultaram em componentes protótipos de FCL que economizaram aproximadamente 4 libras (1,8 kg) por motor – o que correspondeu a uma economia de 23% para a tampa dianteira e 33% para o cárter estrutural.

Segundo Scott Schlicker, Gerente de Marketing de motores automotivos da BASF, trabalhar com um composto avançado, como a fibra de carbono trouxe novos desafios técnicos em termos de projeto e processamento. “Investimos no desenvolvimento de materiais leves e novas tecnologias para ajudar a indústria automotiva a responder aos seus desafios atuais e futuros. A parceria com a Ford nos ajudou a avançar nessas soluções”, afirmou Schlicker.

A BASF trabalhou em uma parceria muito próxima com a equipe Ford para realizar a análise de elemento finito (FEA) e melhorar estruturalmente as peças em relação ao desempenho e à massa (material mais leve). Além disso, a BASF desenvolveu um novo composto termoplástico, o LCFPA66 – chamado Ultramid® XA-3370 – que gerou melhor equilíbrio entre as propriedades mecânicas e a processabilidade. A BASF também apoiou o processamento e a usinagem para garantir a qualidade dos componentes dos protótipos moldados.

A Montaplast, com profunda experiência em injeção de peças complexas, produziu peças moldadas para a construção funcional do molde e conceito do projeto.

“Temos grande prazer em fazer parte dessa equipe”, disse Dave Burnett, Vice-Presidente da Montaplast. “Aplicações desafiadoras de produtos termoplásticos avançados e encontrar soluções para atender às necessidades de nossos clientes têm tudo a ver com a Montaplast”.

As peças moldadas para o projeto MMLV serão submetidas a diversos testes para simular cargas reais dentro do veículo. Dessa forma, será possível avaliar seus desempenhos e correlacionar os resultados com as previsões de engenharia da BASF. A equipe espera valorizar esses componentes com a integração de componentes e funções adicionais, além de reduzir etapas de produção.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Coca-Cola, Procter & Gamble, Ford Motor, Heinz e Nike criam grupo colaborativo para desenvolver PET 100 % de base biológica

07/06/2012

Coca-Cola, Ford Motor Company, HJ Heinz Company, NIKE, Inc. e Procter & Gamble anunciaram a formação de um grupo de trabalho colaborativo estratégico (PTC)na tecnologia de PET à base de plantas, voltado para a aceleração do desenvolvimento e utilização,  nos seus produtos, de materiais e fibras PET integralmente derivados de plantas. O PET, também conhecido como tereftalato de polietileno, é um plástico durável e leve que é usado por todas as empresas-membro em uma variedade de produtos e materiais, incluindo garrafas de plástico, vestuário, sapatos e tecidos e tapetes de automóvel.

O grupo colaborativo se desenvolverá a partir do sucesso da tecnologia da embalagem PlantBottle ™ da Coca-Cola, que é parcialmente feita de plantas e tem demonstrado um menor impacto ambiental quando comparada com garrafas plásticas de PET tradicionais. Atualmente, a Heinz licencia a tecnologia da Coca-Cola para algumas garrafas de ketchup Heinz nos EUA e no Canadá.

Este novo grupo colaborativo foi formado para apoiar novas tecnologias, num esforço para desenvolver o material que hoje é parcialmente feito a partir de plantas para uma solução 100% à base de plantas. Ao alavancar os esforços de pesquisa e desenvolvimento das empresas fundadoras, o grupo PTC está assumindo a liderança no sentido de estimular uma mudança positiva em vários setores industriais, empenhando-se em pesquisar e desenvolver soluções comerciais para o plástico PET obtido inteiramente a partir de fontes biológicas. O grupo também terá como objetivo impulsionar o desenvolvimento de metodologias e normas comuns para o uso do PET à base de plantas, incluindo análises de ciclo de vida e terminologia universal.

O PET à base de plantas pode ser produzido a partir de várias fontes, incluindo cana de açúcar, beterraba de acúcar, milho, sorgo e mandioca. Mas um dos objectivos do grupo colaborativo é pesquisar fontes não alimentícias que atendam aos critérios de sustentabilidade estabelecidos.

“Os combustíveis fósseis como o petróleo tem impactos significativos sobre a biodiversidade do planeta, clima e outros sistemas naturais”, disse Erin Simon, diretor sênior do Programa de Embalagem para o World Wildlife Fund (WWF). “A gestão sustentável dos nossos recursos naturais e a descoberta de alternativas aos combustíveis fósseis são imperativos tanto empresariais como ambientais. É encorajador ver essas empresas líderes usando a sua influência no mercado para reduzir a dependência de plásticos baseados em petróleo. Esperamos que outras empresas sigam seu exemplo.”

“O grupo colaborativo oferece uma excelente oportunidade para se trabalhar usando um novo modelo de negócios para a Procter & Gambler no estabelecimento de parcerias com empresas-líderes, não concorrentes, de produtos de consumo”, explicou Ed Sawicki, Diretor Adjunto de Desenvolvimento de Negócios Globais da Procter & Gamble. “É nossa expectativa de que isso permitirá que a P & G avance no uso comercial do PET à base de plantas de modo significativamente mais rápido, a um custo muito menor e com maior qualidade.”

A criação do grupo colaborativo PTC representa um compromisso dessas empresas de marcas líderes em promover e apoiar a pesquisa, ampliar o conhecimento e acelerar o desenvolvimento de tecnologia para tornar possível o PET 100% derivado de plantas, comercialmente viável, obtido de fontes mais sustentáveis e ao mesmo tempo reduzir o uso de combustíveis fósseis.

Fonte: Coca Cola / Procter & Gamble

Curta nossa página no

Faurecia irá adquirir o negócio de interiores automotivos da Ford/ACH em Saline, Michigan (EUA).

10/05/2012

Como parte de seu crescimento contínuo na América do Norte e do seu compromisso com a Ford Motor Company, a Faurecia anunciou hoje que irá adquirir o negócio de componentes interiores que atualmente é operado pela Automotive Components Holdings, LLC (ACH). Com esta aquisição, a Faurecia, que já é líder mundial no fornecimento de componentes de sistemas interiores, vai se tornar o fornecedor líder de sistemas interiores da América do Norte.

A Faurecia vai adquirir o negócio de Saline, Michigan, que gera US $ 1,1 bilhões em vendas anuais com o fornecimento de módulos da cabine, painéis de instrumentos, painéis das portas e consoles centrais para 12 programas de veículos, montados em oito fábricas da Ford na América do Norte.  Com esta aquisição, o objetivo da Faurecia é criar uma nova operação otimizada para a produção eficiente, em linha com o Sistema de Excelência Faurecia.

Em conjunto com a aquisição da unidade de Saline, a Faurecia também formará uma nova joint-venture com o Rush Group Ltd., uma das empresas do Group Rush, de propriedade de Andra Rush, descendente da tribo nativa Mohawk. A joint-venture, chamada de Detroit Manufacturing Systems (DMS), vai realizar a injeção de peças, montagem e seqüenciamento de componentes interiores a partir de uma nova fábrica em Detroit. O Grupo Rush irá deter a maioria do capital e a administração da DMS, enquanto que a Faurecia – com 45% do capital – vai trazer sua tecnologia e know-how em fabricação para a joint-venture. Como resultado, a planta de Saline vai se concentrar no futuro em tecnologias-núcleo, tais como moldagem por injeção, fabricação de revestimentos e operações de manufatura de espumas, com faturamento anual de quase U$ 400 milhões. Este acordo não terá impacto significativo sobre a dívida da Faurecia e sua posição de caixa.

Com esta aquisição, a Ford Motor Company vai se tornar o terceiro maior cliente da Faurecia. A Faurecia vai assim reforçar a sua posição como parte da Estrutura de Negócios Alinhados da Ford (ABF – Aligned Business Framework), à qual aderiu em junho de 2009. As empresas que aderem à ABF entram em um relacionamento de longo prazo com a Ford, com o intuito de reforçar a colaboração e gerar lucratividade mútua e desenvolvimento de tecnologia.

A data limite para a transição da unidade de Saline é 1 de junho de 2012. As operações que se mudarão para a unidade da DMS vão começar a se transferir neste verão (do hemisfério Norte).

“A aquisição reforça a nossa posição de liderança em sistemas interiores e a nossa parceria global com a Ford Motor Company”, disse Yann Delabrière, presidente e CEO da Faurecia. “O negócio de Saline se encaixa estrategicamente nas prioridades-chave da Faurecia, alinhando-se diretamente ao nosso foco principal – contínua melhoria no desempenho operacional, expansão global de clientes, liderança em tecnologia e planos de crescimento estratégico”.

“Nós vemos essa aquisição e essa joint-venture oferecerem oportunidades enormes para a Faurecia, a Ford, funcionários, comunidades locais e outras partes interessadas “, disse Mike Heneka, Presidente da Faurecia América do Norte. “À medida que nós transformemos a unidade de Saline e ajudemos a lançar uma nova fábrica em Detroit, nós iremos promover um ambiente de trabalho colaborativo, fortalecer nosso relacionamento com a Ford e investir nessas comunidades. “

“Nossa rede de fornecedores ABF é construído de relacionamentos de longo prazo e de colaboração para o benefício mútuo da Ford e dos nossos fornecedores “, disse Tony Brown, vice-presidente do Grupo para Compras Globais da Ford. “Com este anúncio, a Faurecia não está apenas atendendo a uma necessidade de negócio crítica para a Ford – eles estão ajudando a fornecer liderança em nosso esforço para construir uma base de fornecimento financeiramente saudável e diversificada.”

Fonte: Faurecia

Curta nossa página no