Posts Tagged ‘Fiesp’

José Ricardo Roriz Coelho assume presidência da Fiesp

07/06/2018

Notícia veiculada pelo Valor informa que o presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), José Ricardo Roriz Coelho (foto),  assumiu, nesta quarta-feira, o comando da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Paulo Skaf, que era presidente da entidade, licenciou-se do cargo para concorrer ao governo de São Paulo nas próximas eleições.

O primeiro vice-presidente da Fiesp, Benjamim Steinbruch, estava cotado para assumir o cargo durante a licença de Skaf mas também licenciou-se da diretoria da entidade. Especula-se que Steinbruch poderá ser o candidato a Vice-presidente da República na chapa de Ciro Gomes.

José Ricardo Roriz Coelho faz parte da diretoria da Fiesp há 13 anos como Diretor de Economia, Competitividade e Tecnologia e ocupava também o cargo de 2o. vice-presidente da entidade.

Link para notícia do Valor: http://www.valor.com.br/empresas/5572089/jose-roriz-coelho-presidente-da-abiplast-assume-comando-da-fiesp

Curta nossa página no

Anúncios

Perspectivas da indústria do plástico para 2013 – artigo de José Ricardo Roriz Coelho

08/04/2013

Em 2013, a indústria brasileira de transformação do plástico espera aumento em sua produção física de 1%. O faturamento deverá ser 6,6% maior, o que significará um incremento real de 1,4%. Também devemos expandir em 3% o nosso número de postos de trabalho e manter o mesmo patamar de investimentos observados em 2012, algo em torno de R$ 2 bilhões. Apesar dessas perspectivas positivas, ainda são muitas as adversidades que precisam ser vencidas, em especial no resgate da competitividade do setor. Tais desafios são evidentes no relatório “Desempenho 2012 / Expectativas para 2013”. Elaborado pela Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), apresenta dados importantes para que analisemos gargalos e planejemos as melhores estratégias para solucioná-los.

O primeiro ponto que salta aos olhos é o quanto o “custo-Brasil” nos faz perder competitividade. Em 2012, exportamos US$ 1,29 bilhão, 15% a menos do que em 2011, quando vendemos US$ 1,51 bilhão ao exterior. Ao mesmo tempo, nossas importações de plásticos transformados tiveram um aumento de 4%, indo dos US$ 3,39 bilhões, em 2011, para US$ 3,51 bilhões. Ou seja, o Brasil vendeu muito menos e comprou muito mais. Em toneladas, importamos 697 em 2012, 6% a mais do que as 660 do ano anterior. E fornecemos 15% menos ao mercado internacional: 228,5 em 2012, contra os 267,8 de 2011. Diante desse cenário, foi inevitável que a balança comercial de transformados plásticos terminasse deficitária. Em reais, estamos com 4,6 bilhões negativos, 21% a mais dos 3,03 bilhões de 2011.

Quanto à produção, a de laminados plásticos foi a que apresentou o pior desempenho dentre os segmentos da indústria de transformados plásticos: houve 7% de queda em relação ao ano passado. A produção de embalagens e artefatos diversos plásticos no acumulado do ano permanecem nos mesmos níveis do registrado em 2011, apresentando, respectivamente, 0,16% e 0,36% de variação.

A despeito dos números relativos à produção e ao comércio exterior, geramos empregos: dos 351,3 mil postos de trabalho existentes na indústria do plástico em 2011, passamos para 354,5, isto é, cerca de 3.200 trabalhadores ingressaram no setor durante o ano que chega ao fim, um pouco abaixo do ano anterior. O fato de nossa contribuição para a criação de postos de trabalho ter sido menor do que em 2011 é indicativo de perda de competitividade.

O problema primordial diz respeito aos históricos problemas do “custo-Brasil”. Providências no sentido de desonerar a folha de pagamento foram importantes em nosso setor, embora insuficientes. Há, também, o problema do câmbio, pois ficamos a maior parte do ano com o real apreciado. Vale ressaltar, ainda, que as medidas capazes de proporcionar uma efetiva queda no preço da energia elétrica são positivas, mas seus efeitos seriam ainda mais potencializados se viessem acompanhados de outras providências que permitissem reduzir os custos da produção.

Enquanto o segmento plástico brasileiro debatia-se com os obstáculos de longa data, ocorria um aumento significativo do assédio de fornecedores internacionais. Estes, mediante o retraimento das economias europeia e norte-americana, precisaram desbravar novos nichos e foram agressivos nessa abordagem, negociando com bastante liberalidade a fim de garantir espaço em outros mercados. Como se fosse pouco, a indústria do plástico enfrentou grave aumento – cerca de 20% — do preço das resinas termoplásticas, seu principal insumo. Enfim, não houve trégua para quem atua no setor.

Entretanto, também há números que merecem ser comemorados. Apesar das adversidades, o faturamento total da indústria de transformados plásticos foi de R$ 52,5 bilhões, aproximadamente 4,5% mais do que em 2011 (R$ 50,26 bilhões).

Para 2013, as expectativas são boas. Primeiramente, porque o setor não acredita que o crescimento pífio do PIB de 2012 repetir-se-á no ano novo. As estimativas são de uma expansão média de 4%, com ligeira queda da inflação (esta deverá manter-se em torno dos 5%).

Com base nessas estimativas macroeconômicos, projetamos um aumento de 1% na demanda por automóveis, de 4% na construção civil – com obras de infraestrutura e o Programa Minha Casa Minha Vida – e de 5% na produção de alimentos. Cabe observar que a melhoria de vida de parte da população, que hoje sai das camadas pobres para fazer parte da classe média, afeta positivamente a demanda por embalagens plásticas. Tudo isso deverá refletir-se positivamente no setor do plástico.

A indústria brasileira é forte e guerreira, mas não pode prescindir da atenção das autoridades no sentido de se delinearem políticas públicas que a fortaleçam. Isso não significa, em absoluto, dar proteção a um segmento em detrimento de outros. O governo, na boa intenção de proteger a manufatura nacional, aumentou a alíquota de importação de algumas resinas termoplásticas. Isso favoreceu o produtor interno e afetou negativamente todos os demais elos da cadeia. O mais grave é que prejudicou o consumidor final, pois é sobre ele que acabam recaindo os aumentos de custos.

 José Ricardo Roriz Coelho é presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), vice-presidente da Fiesp e diretor do Departamento de Competitividade da entidade.

Curta nossa página no

Missão comercial tailandesa interessada em investimentos no setor de Plásticos.

24/06/2010

No dia 05 de Julho de 2010, a FIESP receberá a visita de representantes do Board of Investment of Thailand – BOI, liderada pelo Diretor da Divisão de Estratégia Econômica e de Investimento do Conselho, Sr. Narit Therdsteerasukdi.

A delegação tailandesa visitará o Brasil com o intuito de se reunir com empresários e representantes da indústria brasileira que possuam interesse em investir e estabelecer negócios na Tailândia. O grupo de representantes tem especial interesse nos setores de Plástico, Automobilístico, de Biocombustíveis e da Indústria de Mandioca.

As empresas interessadas poderão participar do encontro que será realizado na sede da Fiesp – Av. Paulista, 1313 4º andar – às 10h30. Para maiores informações, contactar a ABIPLAST – tel. 11.3060.9688.

Fonte: Abiplast