Posts Tagged ‘EPS’

Programa de Logística Reversa da Termotécnica promove reciclagem de EPS

06/07/2015

Termotécnica disponibiliza pontos de coleta e usinas de reciclagem, atendendo à PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos)

Ponto de coleta de EPS em Joinville (SC)

Ponto de coleta de EPS em Joinville (SC)

Ao sair da fábrica, eletrodomésticos, refrigeradores e fogões são embalados em EPS –  sigla para poliestireno expandido, conhecido como isopor®. Ao comprá-los, o consumidor recebe um volume grande deste produto, que protege seu transporte. Mas na hora do descarte, muitas vezes fica a dúvida sobre qual o destino correto para o EPS. Vai para o lixo comum ? É reciclável ?

A Termotécnica – uma das maiores indústrias mundiais de transformação de EPS (isopor®), líder no mercado brasileiro deste segmento – detalha e orienta a comunidade a partir do Programa Reciclar EPS.

O EPS é um material 100% reciclável. De acordo com a Plastivida – Instituto Sócio-ambiental dos Plásticos, foram reciclados 34,5% do EPS pós-consumo no Brasil em 2013. A partir de um trabalho de Logística Reversa, 13.570 toneladas do produto utilizadas para embalagem deixaram de ir para aterros e voltaram para o mercado com valor agregado.

Engajamento pela reciclagem

Com a implantação da logística reversa de embalagens, já atendendo às diretrizes da PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos), a Termotécnica liderou todos os envolvidos na cadeia de consumo do EPS, agregando clientes, varejistas, concorrentes, fornecedores, importadores, catadores e consumidores. A empresa afirma que, desde 2007, já reciclou mais de 30 mil toneladas de EPS, o que correspondente a 30% de todo o EPS que é reciclado no país.

O Programa Reciclar EPS da Termotécnica inclui a fase do recolhimento do EPS pós-consumo, a partir de mais de 1.200 pontos de coleta e da parceria com 370 cooperativas de reciclagem em todo o país. O EPS recolhido é encaminhado para as usinas de reciclagem mantidas pela empresa, onde é produzida a nova matéria-prima, que será reintroduzida no mercado a partir de novos produtos, como molduras para quadros e rodapés de parede.

Portal orienta e facilita

Com o objetivo de fortalecer a divulgação do Programa, a Termotécnica lançou o Portal Reciclar EPS (www.reciclareps.com.br). Consultando o portal, qualquer pessoa ou empresa em todo o Brasil pode encontrar o ponto de coleta e reciclagem mais próximo.

Com estas iniciativas, a sustentabilidade ganhou relevância no modelo de negócio da empresa e passou a ser considerada um objetivo estratégico .

Números da reciclagem de EPS da Termotécnica

– Mais de 30 mil toneladas de EPS reciclado pela empresa desde 2007
– Empregos gerados: 100 empregos diretos/ano e 5000 famílias envolvidas.
– Eficiência energética: Redução de 1/3 em energia e insumos
– Pontos de Coleta de EPS: Mais de 1.200
– Cooperativas envolvidas: 370
– Utilização de matéria prima: Redução de 20% de matéria prima virgem substituída por EPS pós-consumo.
– Beneficiadas: estudantes, comunidade e organizações comunitárias

A Termotécnica é a maior indústria transformadora de EPS da América Latina e líder no mercado brasileiro deste segmento. Produz soluções para Construção Civil, Embalagens e Peças Técnicas, Conservação, Agronegócios e Movimentação de Cargas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Termotécnica

Curta nossa página no

Anúncios

Potencial de reciclagem do plástico em destaque na Feiplastic

07/05/2015

Com a proposta de divulgar e conscientizar as boas práticas de utilização, descarte e reciclagem do plástico, a Termotécnica, em parceria com a Plastivida (Instituto Sócio-ambiental dos Plásticos), apresenta – durante a Feiplastic 2015, a maior feira do setor do plástico da América Latina – o painel “Ciclo de Vida do Plástico”.

Em exposição no estande da Plastivida, o painel detalha as propriedades dos plásticos, seu potencial de reaproveitamento e as possibilidades de aplicações em novos produtos com matéria-prima reciclada.

“O objetivo é despertar na população a consciência para a reciclagem. É fundamental que o consumidor saiba de sua responsabilidade em separar e destinar corretamente os materiais recicláveis. Com a participação de todos, sim, é possível reciclarmos cada vez mais e termos um mundo mais limpo e sustentável”, explica Albano Schmidt, presidente da Termotécnica.

A Feiplastic 2015 acontece até a próxima sexta-feira, dia 8, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo (SP).

Sobre a Termotécnica:  é a maior indústria transformadora de EPS da América Latina e líder no mercado brasileiro deste segmento, contando com 53 anos de existência. Produz soluções para Construção Civil, Embalagens, Peças Técnicas, Conservação, Agronegócios e Movimentação de Cargas. Desenvolveu em  2007 – e vem ampliando deste então – o Programa Reciclar  EPS,  que contempla desde a coleta do material até sua  reciclagem e reintrodução no mercado. 

Sobre a Plastivida – Fundada em 1994, a Plastivida, Instituto Sócio-ambiental dos Plásticos, atua com o objetivo de promover a importância dos plásticos na vida moderna e sua utilização ambientalmente correta. Trata-se da entidade que representa institucionalmente a cadeia produtiva do setor, para divulgar a importância dos plásticos na vida moderna, promover sua utilização ambientalmente correta e conscientizar a população para a prática da coleta seletiva e reciclagem, com base no conceito dos 3 R’s – Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

Fonte: Termotécnica

Reciclagem de EPS será destaque na Feiplastic 2015

01/05/2015

Mais conhecido como Isopor®, marca registrada da empresa Knauf, o EPS é um plástico 100% reciclável e com diversas aplicações voltadas para a construção, embalagens entre outros segmentos.

Plastivida_Isopor_ReciclavelO EPS (poliestireno expandido, mais conhecido por Isopor®,  marca registrada da  empresa Knauf), é um plástico e é 100% reciclável. Durante a Feiplastic 2015, a maior feira do setor do plástico da América Latina, que será realizada em maio, na cidade de São Paulo, a reciclagem do EPS será um dos temas em destaque pela Plastivida – Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos. Durante o evento, os visitantes poderão conhecer mais sobre o processo de preparação do EPS para reciclagem e os produtos resultados dessa transformação.

O EPS é um plástico que em seu processo de fabricação tem seu volume aumentado por gases. O produto final tem até 98% de ar e apenas 2% de poliestireno. Nesse processo não é utilizado o gás CFC ou qualquer um de seus substitutos. Os produtos de EPS são inertes e não contaminam o solo, água e ar. São 100% reaproveitáveis e recicláveis e podem, inclusive, voltar à condição de matéria-prima.

De acordo com pesquisa encomendada pela Plastivida, o Brasil recicla 35,5% do EPS e a Construção Civil é o maior mercado para o EPS reciclado, com cerca de 80% (misturado em argamassa, concreto leve, lajotas, telhas termoacústicas, rodapés e decks de piscinas). Outras aplicações são verificadas para a indústria de calçados (solados, chinelos), móveis (preenchimento de puffs, por exemplo), na fabricação de utilidades domésticas (vasos de flor, floreiras, molduras de quadro), entre outros produtos.

Segundo Miguel Bahiense, presidente da Plastivida, os números da reciclagem do EPS  podem crescer com informação adequada sobre a coleta seletiva do produto e com a valorização dos processos de reciclagem. “Em suas aplicações, o EPS apresenta inúmeras vantagens, como capacidade de isolamento térmico, leveza, resistência química, mecânica, versatilidade e outras que fazem com que ele seja cada dia mais utilizado como uma opção que promove sustentabilidade e desenvolvimento”, afirma o executivo. E completa: “a reciclagem do EPS fecha o ciclo de sustentabilidade do produto, resultando em ganhos econômicos, sociais e ambientais.”

Serviço: Visite a Plastivida na Feiplastic 2015
Localização: Rua D, estande 010
Data: 4 a 8 e maio
Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi (Av. Olavo Fontoura, 1.209 – Santana – São Paulo/SP)
Horário da exposição: 11h às 20h

Fonte: Assessoria de Imprensa – Plastivida

Curta nossa página no

Caixas da Termotécnica em EPS mantém frutas saudáveis por mais tempo

18/03/2015

Termotecnica_dacolheitaA Linha DaColheita, da Termotécnica, compreende caixas para acondicionamento de frutas feitas em EPS(isopor®). Seu diferencial de maior destaque é a conservação térmica. Ao manter a temperatura dentro da caixa, a fruta sofre menor perda de peso, desidratação e mantém seu teor vitamínico por mais tempo.

As conservadoras DaColheita já são utilizadas com sucesso por produtores de frutas premium de Petrolina (PE), no Vale do São Francisco, onde a Termotécnica tem uma unidade fabril para atender este mercado em franco desenvolvimento.

De acordo com o Gerente Comercial da Fazenda Special Fruit, Roberto Carvalho, da cidade de Petrolina, as conservadoras em EPS da Termotécnica têm como principal benefício o aumento na vida de prateleira da fruta. “Identificamos que as uvas acondicionadas e transportadas em EPS duravam em torno de 20% a mais de tempo nas prateleiras, em comparação com as frutas nas embalagens de papelão”, explica Roberto.

A Fazenda Special Fruit é cliente da Termotécnica há quatro anos, consumindo cerca de 600 mil embalagens DaColhieta por ano de EPS para uvas. Além do ganho em maior tempo de conservação, Roberto destaca que os clientes que preferem a embalagem de EPS costumam ser os mais exigentes. “Além de terem o produto por mais tempo nas prateleiras, esses clientes também buscam uma melhor apresentação da fruta, que se destaca quando está no EPS”, frisa. A Special Fruit comercializa a marca Suemi no mercado interno e para exportação.

A Cooperativa de Agronegócio de Juazeiro adotou há mais de dois anos as conservadoras de EPS para transporte e comercialização de uvas do segmento premium. De acordo com o engenheiro agrônomo Junior Silveira, responsável pela área Comercial da cooperativa, as embalagens de EPS trazem uma impressão bastante positiva no aspecto visual, de higiene, no contraste das frutas que ficam mais vistosas e com um visual fantástico. “Nossas vendas foram alavancadas com as embalagens DaColheita, proporcionando agregação de valor principalmente para os mercados de São Paulo e Rio de Janeiro”, revela Silveira.

Segundo a Gerente Comercial da Termotécnica, Maida Rodrigues, as conservadoras em EPS também proporcionam ao produtor a facilidade e durabilidade durante o transporte e empilhamento, já que o material tem alta resistência ao peso e absorve bem os impactos. “Além disso, para o varejista, as conservadoras DaColheita agregam uma melhor estética na exposição dos produtos pois mantêm o formato e não absorvem umidade e, para o consumidor final, garantem a integridade das características nutricionais, ou seja, um produto de maior qualidade”, ressalta Maida.

A engenheira de alimentos, Franciele D’avila, que atua na área de Pesquisa e Desenvolvimento da Termotécnica, reforça que os benefícios com o armazenamento da uva em EPS são muito significativos e vão desde a otimização da mão de obra na fazenda, a menor perda de água e vitamina C da fruta, a menor perda de degrana, até a satisfação dos consumidores. Ela ainda complementa que, além de testes internos, estudos de centros de pesquisa e universidades de renome mundial comprovam a superioridade das características de conservação pelo EPS.

Segundo a Termotécnica, um desses estudos, conduzido pelo Korean Food Research Institute, entidade localizada na Coreia do Sul, que estuda tecnologias de base sobre o armazenamento, segurança e distribuição de alimentos para melhorar a saúde das pessoas e a qualidade de sua vida, realizou uma série de pesquisas que destacam o percentual de vitamina C de frutas e legumes, após uma semana de armazenamento em embalagens de EPS e papelão. A média de ganhos com o EPS é significativa. Ao comparar a conservação de uvas quando armazenadas em embalagens semelhantes, sendo uma de papelão e outra de EPS, verifica-se um aproveitamento de mais de 40% superior quando armazenada na embalagem de EPS.

Sobre a Termotécnica:  maior indústria transformadora de EPS da América Latina e líder no mercado brasileiro deste segmento a Termotécnica produz soluções para Construção Civil, Embalagens e Peças Técnicas, Conservação, Agronegócios e Movimentação de Cargas.

Fonte: Assessoria de Comunicação / Termotécnica

Curta nossa página no

Termotécnica apresenta Sistema Construtivo com EPS durante Feira do Concreto em São Paulo

26/08/2013

Termotecnica_Monoforte_1O Sistema Construtivo Monoforte, feito a partir de painéis monolíticos de EPS (isopor®) e telas de aço galvanizado, será uma das atrações do Concrete Show, maior evento da cadeia produtiva do concreto do Brasil, que acontecerá entre os dias 28 e 30 de agosto, no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo (SP).

Muito utilizado na construção civil mundo afora, o EPS ― sigla que representa o poliestireno expandido ― traz, segundo a Termotécnica, uma série de vantagens às edificações, como o maior conforto térmico e acústico dos ambientes e a diminuição do custo final da obra, com economia nas fundações e redução do efetivo de mão de obra.

Ressalta a empresa que o uso do EPS, material 100% reciclável e reutilizável,  torna as obras ecoeficientes,  já que utilizam menos recursos naturais, como água e energia elétrica, e, graças à facilidade de transporte do material ― leve e compacto ―, emitem menores quantidades de CO2 na atmosfera.

“Existe uma enorme expectativa em torno do Monoforte, principalmente por parte dos profissionais que buscam sistemas inovadores e competitivos para propor melhores soluções para os seus clientes”, explica Adriano Vendramini Dessimoni, diretor comercial da Termotécnica, maior indústria transformadora de EPS da América Latina, desenvolvedora deste sistema construtivo.

As vendas têm se intensificado, com uma tendência de aumento da demanda ainda neste segundo semestre de 2013, destaca a empresa. “A lista de clientes potenciais não para de crescer e deve ficar ainda maior quando apresentarmos algumas novidades”, continua Dessimoni.

Adriano Dessimoni aproveita para explicar como o Monoforte se encaixa nessa demanda. “As grandes construtoras e incorporadoras estão cada dia mais exigentes com relação à garantia da qualidade dos materiais de construção e à quantidade cada vez maior de edifícios verdes nas grandes cidades. Isso tem aumentando significativamente as exigências técnicas e ambientais dos produtos utilizados nestas obras. A Termotécnica está atenta a tudo isso, trabalhando na pesquisa e desenvolvimento de produtos, entre outros fatores, para continuar trazendo soluções inovadoras e seguras para o mercado”.

Sobre a Termotécnica: Fundada em 1961, a Termotécnica é a maior transformadora de EPS (Poliestireno Expandido, conhecido como isopor®), da América do Sul. Fabrica sua própria matéria-prima e produtos acabados. Atua nos segmentos de eletrodomésticos, eletroeletrônicos, construção civil, utilidades domésticas, agroindústria, alimentício, bebidas, produtos frágeis, entre outros. Dispõe de unidades em Joinville e Pirabeiraba (SC), Goiânia (GO), Sumaré (SP), São José dos Pinhais (PR), Rio Claro (SP), Indaiatuba (SP), Petrolina (PE), Sapucaia do Sul (RS) e Manaus (AM).

Fonte: Assessoria de Imprensa – Termotécnica

Curta nossa página no

Poliestireno Expandido e Espuma Melamínica geram isolamento térmico e acústico na CasaE construída pela BASF

03/06/2013
  • Além de reduzir consideravelmente os ruídos externos, espuma especial Basotect®  retarda chamas.
  • Isolamente térmico do Neopor®  chega a 20% em relação tradicional.

O projeto CasaE, Casa de Eficiência Energética, pretende mostrar ao mercado brasileiro as últimas novidades em produtos e técnicas para uma construção mais sustentável. A iniciativa da BASF, que com a casa brasileira agora soma 10 unidades no mundo, tem o objetivo de revolucionar o mercado da construção civil. Um dos grandes diferenciais da CasaE é o seu sistema construtivo que, além de maior rapidez na obra, gera uma economia de energia que chega a aproximadamente 70%.

“Queremos mostrar que o conceito construtivo (método, técnica e produtos) utilizado na CasaE pode ser utilizado em uma moradia comum, sendo totalmente factível ao mercado. Aos poucos pretendemos transformar a cultura da indústria da construção e de seus consumidores“, ressalta Michel Mertens, vice-presidente sênior da BASF para a América do Sul.

Na CasaE o sistema construtivo não é de alvenaria tradicional. Entre as inovações que ela apresenta estão os Polímeros de Performance da BASF, que foram usados em quase todos os ambientes. Graças aos produtos dessa linha, a residência tornou-se mais protegida de ruídos externos e de incêndios.

O Neopor® é um dos isolantes mais eficientes do mercado. Os blocos de poliestireno expansível (EPS) geram maior proteção contra umidade e variações de temperatura. Na CasaE o produto foi aplicado nas paredes da sala, dos quartos, da cozinha e do elevador, além das lajes da sala e quartos. O produto apresenta performance de isolamento térmico acima de 20% em relação ao EPS convencional e até 70% acima da alvenaria tradicional.

Já os forros da sala de reunião, do auditório e do home teather foram revestidos com Basotect®, uma espuma especial à base de melamina que promove elevado nível de conforto acústico. O produto ainda é o único dessa categoria que é retardante de chamas.

Além dessas duas soluções, diversas outras foram aplicadas na casa para tornar seu processo mais ágil e com contribuição à eficiência energética.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

Casa de Eficiência Energética da BASF utiliza PVC em portas e janelas

09/05/2013

Um exemplo de construção que reúne produtos e técnicas construtivas mais sustentáveis será inaugurado em São Paulo no próximo mês. A CasaE Brasil, a primeira Casa de Eficiência Energética da Basf no país, utiliza tecnologias que servirão como direcionadoras de processos de inovação e sustentabilidade em todo o mundo. Totalmente integrada a essa filosofia, a VEKA Brasil é parceira do projeto, que tem todas as portas e janelas de PVC, garantindo o melhor desempenho em isolamento térmico e acústico da casa.

A casa estará localizada na Avenida Vicente Rao (zona sul de São Paulo) e reunirá, em um único espaço, tecnologias que atendem às demandas globais avaliadas pela BASF como grandes desafios para os próximos anos, que servirão como direcionadores de processos de inovação e sustentabilidade dentro da empresa.

Com a CasaE, a Basf mostra ao mercado que o conceito construtivo (método, técnica e produtos) utilizados no projeto pode ser reproduzido em uma moradia comum, sendo totalmente factível ao mercado. A ideia é ajudar a transformar a cultura da indústria da construção e de seus consumidores.

Para a construção da CasaE foram implantadas diversas soluções e inovações que atuam diretamente na redução do consumo de água, energia e emissão de CO2. Além disso, o projeto apresenta respostas a questões fundamentais sobre o mercado da construção sustentável, como a durabilidade dos materiais utilizados, seu reaproveitamento e a saúde e conforto das pessoas que habitarão os espaços.

“O projeto traz muitas novidades para o mercado de construção brasileiro e coloca à disposição da indústria a mais diferenciada tecnologia em materiais de alta performance, eficiência energética e proteção climática. Nosso compromisso é transformar a química para oferecer soluções inovadoras e economicamente viáveis. Dessa forma, contribuímos com a construção de um futuro mais sustentável para as próximas gerações”, explica Alfredo Hackenberger, Presidente da BASF para a América do Sul.

Inovações

O grande destaque na CasaE é seu sistema construtivo. Consiste em um painel de cerâmica estrutural e fundação de alvenaria, paredes, piso e laje executados em Sistema EIFS – Exterior Insulation and Finish Systems – placas de poliestireno expandido da BASF e em Sistema ICF – Insulated Concrete Formwork – tijolos fabricados com esse mesmo material. Essas soluções proporcionam um isolamento térmico muito eficiente, por meio do qual é possível atingir uma economia de aproximadamente 70% de toda a energia consumida pela casa.

Estes produtos atendem às diferentes necessidades das atividades de construção, ajudam a conservação do consumo de energia e a reduzir as contas, aumentam o conforto. Permitem ainda a rápida construção, sem comprometer o design e a arquitetura.

Além disso, espumas especiais são aplicadas para o conforto acústico e térmico no interior da CasaE.

As dispersões e os pigmentos da BASF apresentam diferenciais para as tintas, vernizes, adesivos e materiais de construção aplicados na CasaE, bem como no controle da temperatura, contribuindo diretamente para a economia de energia.

Já os poliuretanos entram na CasaE na forma de soluções utilizadas para conforto térmico e redução no consumo de energia, além de oferecer compostos para construção de pisos drenantes que evitam que haja acúmulo de água no piso.

Os produtos químicos para construção aumentam a eficiência da hidratação do cimento, reduzindo o uso de água e emissões de CO2. Também estão presentes produtos voltados para revestimento, impermeabilizantes e antiderrapantes.

Para finalizar o processo de construção e oferecer cor e proteção especiais à CasaE, entram em cena as tintas imobiliárias Suvinil, marca da BASF e líder no segmento premium, e Glasurit, líder no segmento econômico e também pertencente à empresa.

A Suvinil AntiBactéria será utilizada na parte interna da residência, reduzindo 99% das bactérias nas paredes, proporcionando um espaço mais protegido, que privilegia a saúde e o bem-estar. Já a linha de acrílicos Suvinil Contra Mofo e Maresia, que resiste às intempéries, e a Glasurit Alvenaria, que oferece maior rendimento, cobertura e durabilidade, serão aplicadas na parte externa da casa.

Fonte: BASF / Palavracom

 

Curta nossa página no

Termotécnica apresenta linha de embalagens de EPS para frutas durante a Fenagri

09/05/2013

Termotecnica_EPSCaixas conservadoras de EPS (isopor®) da empresa com sede em Petrolina (PE) têm agradado produtores agrícolas, transportadores, lojistas e consumidores finais

A 24ª edição da Feira Nacional de Agricultura Irrigada (Fenagri), que esse ano acontece de 15 a 19 de maio, no Espaço Multieventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco, em Juazeiro (BA), traz como destaque a linha de produtos “DaColheita”, embalagens para frutas, legumes e verduras desenvolvida pela Termotécnica, maior fabricante de poliestireno expandido – EPS (isopor®) da América Latina.

A empresa, sediada em Joinville (SC) mas que, entre suas outras oito unidades conta com uma planta em Petrolina (PE) integralmente dedicada à fabricação das caixas, aposta na marca para fazer sucesso e ser a diferença nesse nicho de mercado, cada vez mais exigente.

Todo o processo de concepção das caixas foi cuidadosamente idealizado, aliando a praticidade do poliestireno expandido e o mais moderno design. O produto apresentado é atraente e se diferencia dos atuais por conseguir reduzir avarias e diminuir os impactos na hora do transporte, o que reduz sensivelmente a perda de carga por danos, a otimização de espaços, graças ao modo fácil e prático com que é empilhado, a não liberação de resíduos e fungos nos alimentos, além de manter as vitaminas das frutas por mais tempo.

Outro benefício importante diz respeito a fácil adequação dos materiais ao frio e a umidade, devido ao isolamento térmico do EPS. Nesse sentido, a Termotécnica se mostra atenta às questões de sustentabilidade e meio ambiente, já que se utiliza de uma matéria-prima 100% reciclável e que não gera riscos à camada de ozônio, por não utilizar CFC e HCFC no processo de fabricação.

“Com o sucesso da linha ‘DaColheita’, a Termotécnica quer mostrar que, dos produtores ao consumidor final, todos saem ganhando, já que as caixas conservadoras atendem às reais necessidades do mercado”, ressalta Maida Rodrigues, gerente de unidades de conservação da empresa.

Sobre a Termotécnica: Fundada em 1961, a Termotécnica é a maior transformadora de EPS (Poliestireno Expandido, conhecido como isopor®), da América Latina. Focada na produção de soluções, fabrica sua própria matéria-prima e produtos acabados com a melhor performance do mercado, otimizando o processo logístico do cliente e valorizando seus produtos. Atua nos segmentos de eletrodomésticos, eletroeletrônicos, construção civil, utilidades domésticas, agroindústria, alimentício, bebidas, produtos frágeis, entre outros. Dispõe de unidades em Joinville e Pirabeiraba (SC), Goiânia (GO), São José dos Pinhais (PR), Rio Claro (SP), Indaiatuba (SP), Petrolina (PE), Sapucaia do Sul (RS) e Manaus (AM).

Curta nossa página no

BASF fecha plantas de Poliestireno Expandido na Malásia e Índia e concentra negócio global de EPS em mercados estratégicos

18/09/2012
  • Fechamento de fábricas de Styropor® na Malásia e na Índia
  • Preparação de medidas estratégicas para os negócios de poliestireno expansível (EPS) – Styropor® – na América do Sul
  • Forte potencial de mercado para o Neopor® com melhores propriedades de isolamento

Como resultado do grande excedente de capacidade e de baixas margens em algumas regiões, a BASF está concentrando suas atividades globais de Styropor® (EPS: poliestireno expandido) em mercados estratégicos e em produtos-chave com maior rentabilidade.

“Essas medidas fazem parte da estratégia global da BASF de promover o crescimento orientado por valor e garantir a competitividade nos mercados no longo prazo, tanto para os nossos clientes, quanto para a própria BASF”, disse Wolfgang Hapke, Presidente Global da Divisão de Polímeros de Performance da BASF SE.

A empresa irá fechar as fábricas de Styropor® em Pasir Gudang, na Malásia, e em Thane, na Índia. O plano é encerrar a produção até o final do ano. Atualmente, um total de 60 e 55 colaboradores trabalham com EPS nas duas localidades, respectivamente. A capacidade de produção anual combinada das duas fábricas é de mais de 100.000 toneladas. A BASF trabalhará para encontrar alternativas de transição adequadas para os colaboradores afetados por essas medidas.

“O fechamento das fábricas de Styropor ® na Malásia e Índia tornou-se inevitável devido ao excesso de capacidade de EPS na região Ásia-Pacífico, que aumentou muito nos últimos anos. Este excesso de capacidade fez com que as margens ficassem extremamente baixas em nossas operações, tornando nossas atividades na Malásia e na ïnida não rentáveis”, explicou Giorgio Greening, Responsável Global pela Unidade de Negócios de Espumas da BASF SE.

Na América do Sul, a BASF está preparando medidas estratégicas. A empresa iniciou a preparação da dissociação  do negócio de Styropor® e suas respectivas unidades produtivas na Argentina e no Brasil. No Chile, a BASF está avaliando opções estratégicas para o negócio de EPS e está preparando o desinvestimento da Aislapol, produtora de peças de espuma. Na América do Sul o negócio tem cerca de 80 colaboradores e uma capacidade de produção anual de 83.500 toneladas. A Aislapol tem cerca de 175 colaboradores.

“Globalmente, estamos concentrando nossos investimentos de EPS no produto Neopor®. A dissociação do negócio de Styropor® no Brasil e na Argentina nos ajudará a ser flexíveis no que diz respeito a futuras opções estratégicas. Para o Chile, a avaliação estratégica ainda está em andamento. Para a Aislapol, a melhor opção é encontrar um investidor estratégico que está comprometido com o negócio de EPS”, acrescentou Greening.

Devido às suas propriedades como material de embalagem e seu desempenho de isolamento eficiente, o EPS é um produto que tem sido amplamente aceito em diversas aplicações durante várias décadas e ainda está desfrutando de taxas de crescimento semelhantes às do PIB.

A BASF vai concentrar suas atividades globais de Styropor® em mercados estratégicos e continuará a desenvolver o crescimento com o Neopor®, produto com melhores propriedades de isolamento, reforçadas pelo seu conteúdo de grafite. Além disso, contribui significativamente para a eficiência energética nos edifícios e casas, reduzindo as emissões de CO2. É produzido na Coréia do Sul e Alemanha, e desempenha um papel-chave na estratégia da BASF para se concentrar em mercados e produtos rentáveis.

Fonte: BASF

Curta nossa página no

BASF desenvolve soluções sustentáveis e integradas para o segmento de pavimentação brasileiro

04/04/2011
  • Soluções vão ao encontro de tendência global de moblidade e urbanização e contribuem para a sustentabilidade
  • Produtos aprimoram a eficiência de processos, otimizando a utilização de energia, água e mão de obra

Melhorar a qualidade de vida da população no planeta e, ao mesmo tempo, assegurar o desenvolvimento humano, produzir alimentos, gerar energia, poupar recursos naturais e promover o bem-estar – eis as grandes questões contemporâneas. Os investimentos e pesquisas da BASF, com vistas para 2020, são orientados por megatendências globais que vão ao encontro destas necessidades. Pensando em uma delas, que diz respeito à mobilidade e urbanização, a BASF, como fornecedora de matéria-prima para a indústria da construção, trabalha com o conceito de sustentabilidade para criar inovações e minimizar o impacto das obras e construções no meio ambiente.

Em função dos eventos esportivos programados para os próximos anos, serão necessários investimentos maciços em obras de infraestrutura em diversas cidades brasileiras. Neste contexto, a pavimentação tem papel essencial, já que está conectada com a logística, mobilidade e transporte, fatores-chave para o desenvolvimento econômico do País.

Nesse sentido, a BASF apresenta soluções integradas que contribuem para a otimização do uso de recursos nas obras de pavimentação. Um dos grandes desafios do segmento rodoviário brasileiro, que envolve o processo de pavimentação para melhoria ou construção da malha viária, é a qualidade dos projetos e suas soluções. O Brasil tem potencial para executar importantes obras, com projetos e especificações que prezem pela durabilidade e qualidade de todas as fases que envolvem o processo de pavimentação.

Soluções BASF para pavimentação
Neste cenário, a BASF apresenta soluções integradas para o mercado de pavimentação, com foco na eficácia dos processos, bem como na segurança e rentabilidade na utilização dos recursos e na qualidade e durabilidade dos materiais.

Linha Butonal®
A linha Butonal® da BASF é composta de polímeros base SBR (Styrene Butadien Rubber) de alto conteúdo de sólidos em emulsão e pode ter caráter aniônico ou catiônico, sendo indicada para a modificação de asfaltos em aplicações a frio ou a quente. Os polímeros com alto teor de sólidos para modificação de asfalto geram significativo ganho de desempenho e durabilidade do pavimento, resultando na redução dos custos de manutenção. Além disso, trazem mais conforto e segurança para o motorista. A linha Butonal® foi desenvolvida para otimizar os recursos investidos em malhas viárias com toda tecnologia e know-how da BASF. Vem para sanar os problemas das constantes manutenções e custos adicionais, além de proporcionar mais conforto e economia de combustível aos usuários dos veículos automotores.

Geofoam
O Geofoam é uma solução técnica para estabilização de solos, recomendada para encostas e aterros em solos moles. Entre as principais características que a tornam eficiente para essa tarefa estão o baixo peso dos blocos de EPS (poliestireno expandido), aliado à boa resistência mecânica, sobretudo à compressão. O EPS pode ser até cem vezes mais leve que outros materiais tradicionalmente utilizados para o mesmo fim, como cinza, areia, entre outros. Por isso, é especialmente adequado quando utilizado sobre solos moles (inconsistentes), minimizando as possibilidades de recalques. Além disso, o baixo peso torna o manuseio do produto mais fácil, reduzindo custos com mão de obra, a segurança dos trabalhadores e aumentando a rapidez na execução. O produto ajuda a eliminar o uso de água nessas obras, pois dispensa grande parte do aterro convencional, onde é normalmente utilizada no auxílio à compactação de terra, areia ou outro material.

Elastocoast® / Elastopave®
Sistemas de poliuretano de elastômero, elásticos e porosos, ideais para gerar proteção costeira e pavimentação eficiente e estável. Ecologicamente neutro, não representa ameaça à flora e fauna, além de proporcionar habitat às espécies. São produtos inovadores de fácil aplicação e de fixação rápida, repelentes à água e altamente resistentes ao frio e calor. Em termos de ecoeficiência, o Elastocoast® apresenta um conjunto de vantagens infinitamente superior às alternativas tradicionais. Mais do que um produto, trata-se de um conceito inovador, que em sua versão Elastopave® (aplicada em pisos drenantes), evita alagamentos e formação de poças, permitindo a respiração do solo e a filtragem dos poluentes.

Mastermix BF® – Linha polifuncionais
Linha de aditivos polifuncionais, Mastermix BF tem por característica assegurar longos tempos de instalação de concreto de baixa fluidez. Com quantidade de ar incorporado controlada, o aditivo permite ao concreto a consistência exata para uma pavimentação rodoviária de alta durabilidade, independente do tipo de cimento e sem retardo no tempo de pega. O aspecto final é de uma superfície sem a presença de buracos ou bicheiras, de alta resistência à compressão e flexão e com custo de manutenção reduzido.

Curacem BR® – é um produto à base de parafina, pulverizado sobre as superfícies de concreto fresco, que seca rapidamente, deixando uma película continua na superfície. Flexível e de coloração branca, atua como uma barreira contra evaporação brusca, preservando água suficiente para uma perfeita hidratação, conforme norma ASTM C309. Curacem BR® diminui o fissuramento do concreto devido à retração plástica, permite melhorar a hidratação do cimento, evita o umedecimento do concreto com água, panos úmidos, sacos plásticos, areia úmida etc. Por ser à base de água, não possui odor e não é inflamável, garante que o concreto chegue às suas máximas resistências, aumenta a sua durabilidade e não é tóxico. Além disso, protege o concreto contra o sol, o vento e a chuva.

Sonomeric® 1 – é um selante monocomponente, autonivelante, à base de poliuretano modificado com asfalto, desenvolvido para as aplicações que requerem elevada resistência química. Sonomeric® 1 é de fácil aplicação, apresenta longo tempo de trabalhabilidade, além de ser resistente a ataques químicos, óleo e combustível de aeronaves. Possui excepcional alongamento, fácil aplicação do recipiente, não requer pré-mistura, nem imprimação na maioria das superfícies. O produto apresenta excelente resistência às intempéries, é compatível com a movimentação da junta em até 25% e tem longa vida útil de serviço.

Concreto 4 x 4 – é um conceito de concreto produzido com aditivo Glenium®, à base de policarboxilato etoxilado. Em combinação com outros aditivos, Glenium atua proporcionando alta fluidez e rapidíssimo tempo de secagem da placa de concreto, permitindo reparos e liberação para o tráfego pesado em apenas quatro horas.

Masterseal® 345 – é uma membrana impermeabilizante aplicada por spray, utilizada na construção de túneis. De alta aderência em ambas as faces do concreto, melhora a distribuição da carga por não possuir emendas. É fina, o que permite manutenções de impermeabilização em túneis adicionando apenas 5 cm extras de espessura. Fácil de aplicar, sela facilmente em diferentes geometrias podendo ainda ser instalada com o mesmo equipamento utilizado para projetar o concreto.

Meyco® FIX Fireshield – argamassa para construção de túneis com um conceito especial de segurança. Por meio de reações químicas e físicas, Meycoâ FIX Fireshield assegura a estabilidade do concreto durante incêndios em túneis por até 4 horas.

Fonte: BASF

EPS é utilizado na duplicação da rodovia BR101

03/01/2011

Blocos de EPS (conhecido como Isopor®) estão sendo utilizados de maneira pioneira em obras viárias no Brasil em substituição ao solo compactado na duplicação da Rodovia BR 101 nas regiões Sul e Nordeste. São mais de 30 mil metros cúbicos  (o equivalente a mais de 650 toneladas de material) aplicados com o conceito de aterro ultraleve, o que possibilitou a entrega das obras em tempo recorde. Estima-se que a economia de custos com uso do EPS pode chegar a 40%. As obras fazem parte do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e estão sob
responsabilidade do DNIT.

Largamente adotada nos Estados Unidos e na Europa, a aplicação do EPS em estradas ainda é pouco conhecida no Brasil e é indicada na estabilização de encostas e em aterros em solos moles. O baixo peso do produto permite a execução fácil e rápida, com redução considerável de tempo e de custo.

Em Tubarão, Santa Catarina, os blocos de EPS estão sendo utilizados na obra do aterro da cabeceira do viaduto principal de acesso à cidade. É o maior projeto de EPS (poliestireno expansível) na América do Sul com um volume aproximado de 13 mil metros cúbicos de blocos fornecidos pela Tecnocell e produzidos com EPS da BASF (Styropor®).

Na região Nordeste, o EPS também está sendo usado na duplicação da BR 101, nos Estados da Paraíba e de Pernambuco. São mais de 20 mil metros cúbicos de EPS em blocos com dimensões de 4 metros de comprimento, por 1,25 m de largura e 1 m de altura, fornecidos pela Knauf-Isopor e pela Termotécnica.

O bloco de EPS foi escolhido por ser resistente à compressão, proporcionando redução na pressão exercida em cima desses solos, e pelo baixo custo que a solução apresentou em comparação com outras tecnologias. Outra qualidade do EPS é ser totalmente inerte, não apresentar qualquer risco de contaminação e a sua decomposição leva cerca de 400 anos, o que garante a segurança e a estabilidade ao terreno onde está sendo aplicado.

Com 59,4 quilômetros de extensão, a duplicação da BR-101, no chamado “Corredor Nordeste”, começa na entrada do município de Lucena, na Paraíba, e se estende até a divisa com o Estado de Pernambuco. As obras do Nordeste estão sendo executadas pelo 1º Batalhão de Engenharia de Construção do Exército.

Fonte:  Boletim Leia (Siresp)

Oportunidades de negócio para fornecedores de Policarbonato, EPS e EVA

28/07/2010

Oportunidade 1:  Fabricante de Caixas Eletrônicos de Bancos interessado em localizar fornecedor de Policarbonato grade Lente para ser usado na fabricação das lentes de leitora de código de barras.

Oportunidade 2:  Empresa trading do Irã está interessada em adquirir EPS (isopor) e EVA de fornecedores brasileiros.

Para mais informações, contactar info@brazilianplastics.com