Posts Tagged ‘EPDM’

Arlanxeo inaugura novo Laboratório de Controle de Qualidade de fabricação de EPDM na Holanda

13/02/2017

arlanxeo-geleen

O laboratório de Controle de Qualidade de Fabricação será vinculado diretamente à planta de Keltan EPDM

A Arlanxeo, empresa atuante no segmento de elastômeros sintéticos, inaugurou um laboratório de controle de qualidade de fabricação no site Chemelot em Geleen, Holanda (foto). A nova unidade de 250 m² está localizada ao lado da planta de Keltan EPDM da Arlanxeo. Ela está diretamente conectada à sala de controle, o que torna possível implementar mudanças direcionadas pelos resultados dos testes imediatamente nas operações da planta.

A equipe do laboratório realizará uma gama completa de testes sobre o produto Keltan EPDM, incluindo todos os padrões da indústria, tais como Mooney e testes em gel. Até o momento, estes testes de qualidade de produção foram realizados com recursos externos. O Laboratório de Qualidade da Arlanxeo operará continuamente 24 horas por dia, 7 dias por semana, para garantir um nível elevado de qualidade da produção da fábrica.

Ao realizar testes internos no novo Laboratório de Qualidade, a Arlanxeo fortalece a posição competitiva de seus negócios globais de EPDM no atual ambiente desafiador do mercado, ao mesmo tempo em que otimiza sua presença global. A inauguração do novo Laboratório de Qualidade acontece quando a Arlanxeo marca o 50º aniversário da introdução da marca Keltan EPDM. A Keltan tem uma presença global com fábricas em todas as regiões estratégicas, com a capacidade de atender clientes com produtos premium localmente.

Na inauguração do novo Laboratório de Qualidade, Christian Widdershoven, Head de Elastômeros Keltan® e Diretor Administrativo da Arlanxeo nos Países Baixos, afirmou ser esse um importante passo para consolidar a qualidade da marca.  “Este ano, a Keltan EPDM completa seu 50º aniversário. Estamos orgulhosos do inigualável histórico de produtos e padrões de alta qualidade globalmente reconhecidos, estabelecidos aqui em Geleen. Como os nossos clientes confiam na qualidade e consistência de nossos produtos, os testes de controle de qualidade de fabricação sempre fizeram parte do processo primário. A abertura desta nova instalação destaca a importância que atribuímos à qualidade contínua e demonstra o nosso compromisso com este site de produtos. Além disso, destaca nossa confiança no futuro da Keltan, à medida que levamos o controle de qualidade para o próximo nível.” Ressalta Christian Widdershoven.

Sustentabilidade é outro ponto de destaque que essa inovação traz à marca. “A marca Keltan está se preparando para o futuro, desenvolvendo uma tecnologia de produção de EPDM mais sustentável. Os principais exemplos incluem o uso da tecnologia de catalisadores Keltan ACE™ e a recente introdução das grades de Keltan® Eco EPDM, primeira borracha de EPDM do mundo com base em bio-etileno. Afirma Christian Widdershoven.

De acordo com a Arlanxeo, os elastômeros Keltan® EPDM são caracterizados por uma resistência superior à água, ao ozônio, aos raios UV e às intempéries; boas propriedades dinâmicas em uma ampla faixa de temperatura, bem como um alto nível de resistência ao calor; um elevado nível de flexibilidade e durabilidade; e excelentes propriedades elétricas. A Keltan® EPDM tem boas propriedades de processamento e manuseio, e está em conformidade com as regulamentações globais de segurança, saúde e meio ambiente, afirma a empresa.

Essas propriedades, segundo a Arlanxeo, tornam a Keltan® EPDM adequada para muitas aplicações em segmentos como o de automóveis, construções, modificações de plásticos, bens de consumo, cabos, fios e tubulações.

A Arlanxeo é uma empresa líder mundial em borracha sintética, com vendas de cerca de 2,8 bilhões de Euros em 2015 e cerca de 3.800 funcionários, estando presente em 20 locais de produção, em nove diferentes países. A principal atividade da empresa é o desenvolvimento, fabricação e comercialização de borrachas sintéticas de alto desempenho para uso nas indústrias automotivas e de pneus, indústria de construção e as indústrias de petróleo e gás. A Arlanxeo foi fundada em abril de 2016, como uma joint venture da Lanxess e Saudi Aramco.

Fonte: Arlanxeo

Curta nossa página no

Anúncios

EPDM de base biológica da Lanxess é usado na produção de vedações de borracha

10/06/2015

EPDM-green_seals_group2_teaser_4a9a0d97f8A Lanxess está fornecendo sua inovadora borracha EPDM de base biológica, Keltan Eco, para a Freudenberg Sealing Technologies. Este bem conhecido fabricante mundial de vedações e produtos de tecnologia de controle de vibração começou recentemente a produzir juntas de borracha feitas de Keltan Eco EPDM em sua filial norte-americana.

A borracha Keltan Eco EPDM (monômero de etileno-propileno-dieno) contém até 70% de etileno obtido a partir de cana de açúcar e possui um conjunto de propriedades que não é em nada inferior ao EPDM convencional. O composto de borracha biológica renovável, cujo desenvolvimento na Freudenberg Sealing Technologies começou em 2012, aborda as normas cada vez maiores de redução da pegada de CO2, especialmente na indústria automotiva, e o impulso global geral por soluções industriais mais sustentáveis.

Christian Widdershoven, Chefe da linha de negócios Keltan Elastomers dentro da unidade de negócios High Performance Elastomers da LANXESS, diz:” Além do desempenho técnico bem reconhecido dos polímeros Keltan EPDM, o Keltan Eco EPDM reduz a nossa dependência dos recursos fósseis, e como ele é obtido a partir de cana de açúcar renovável, ele tem uma pegada de CO2 significativamente melhor do que os polímeros à base de petróleo “.

Aplicações para EPDM de base biológica da Lanxess  

As aplicações para o composto de borracha à base de polímeros Keltan Eco incluem vedações para líquidos de arrefecimento, vapor, fluidos hidráulicos sintéticos, fluidos de freio e fluidos hidráulicos aeroespaciais. O material recentemente desenvolvido é capaz de suportar temperaturas de até 150 ° C e, segundo a Lanxess, tem uma excelente retenção de força de tensão ampla.  Os polímeros específicos Keltan Eco utilizados como soluções da Freudenberg Sealing Technologies para as exigências severas de transporte de fluidos contam com 45 % de conteúdo biológico renovável, que em última análise reduz a pegada de carbono de fabricação. Esta outra aplicação dos polímeros Keltan Eco, implementada com sucesso, reflete o fato de que os polímeros Keltan EPDM e suas variações “verdes” – Keltan Eco EPDM – diferem apenas em termos da origem do etileno utilizado na fabricação – fazendo a diferença ecológica.

Interesse crescente por produtos sustentáveis

Para todos os tipos de Keltan Eco, a troca do grade convencional, Keltan, pelo seu homólogo de base biológica, Keltan Ec, o não impõe exigências para os usuários, exceto a decisão de comprometer-se com produtos mais sustentáveis, que têm exatamente o mesmo desempenho de seus congêneres convencionais. O conteúdo de etileno de base biológica pode ser verificado pelo método de teste ASTM D-6866. “Atualmente, seis polímeros de borracha de base biológica da Lanxess estão disponíveis para o mercado”, diz Martin Kleimeier, gerente de marketing da linha de negócios Keltan Elastomers da Lanxess. “E o interesse por produtos sustentáveis ​​na indústria está crescendo.” Por exemplo, além de aplicações em vedações de transporte de fluidos, o Keltan Eco 6950 e o Keltan Eco 9950 oferecem ambos um alto peso molecular e um teor de dieno de cerca de nove por cento, tornando-os ideais para a fabricação de seções com espuma para vedações de lataria automotiva. O Keltan Eco 5470, por exemplo, como a preferência de alto teor de etileno, é usado para perfis de janelas e está sob avaliação para elastômeros termoplásticos (TPE-V), aplicações de grama e pisos artificiais.

Fonte: Lanxess

Curta nossa página no

Lanxess apresenta produtos na K 2013

30/08/2013

Entre os dias 16 e 23 de outubro, a multinacional alemã LANXESS participará, em Dusseldorf, na Alemanha, da K2013,  evento internacional voltado para o segmento de plásticos e borrachas.

k_2013A LANXESS focalizará suas soluções inovadoras para a mobilidade verde na K 2013. “Em todo o mundo existem mais de um bilhão de carros nas ruas e estradas, e até 2050 este número deverá subir para 2,5 bilhões. Portanto, a mobilidade sustentável está se transformando em uma megatendência global. Com inúmeros produtos e tecnologias, a LANXESS já é pioneira em mobilidade verde”, afirma o Dr. Werner Breuers, membro do Conselho de Administração da LANXESS. Entre outras coisas, a LANXESS utilizará a feira para focalizar na sua borracha de alta performance e nos produtos químicos de borracha para os pneus verdes com baixa resistência à rolagem, em termoplásticos de alta tecnologia para redução de peso e na sua borracha com base em matéria-prima sustentável.

Cultura de inovação voltada para a aplicação

Em 2012, a empresa de especialidades químicas LANXESS gerou quase 20% das vendas do grupo com produtos de mobilidade verde. “A nossa cultura de inovação está se concentrando sistematicamente nas necessidades de nossos clientes e trabalhamos em estreita colaboração com eles para desenvolver soluções inovadoras que podem ser lançadas no mercado de forma mais rápida e econômica possível”, afirma Breuers. No ano passado, a LANXESS investiu €192 milhões – cerca de 2,1% de suas vendas – em pesquisa e desenvolvimento, cerca de 33% a mais do que no ano anterior. “Em especial, a nossa cultura de inovação tem como objetivo o pagamento de dividendos nos mercados em crescimento na China, Índia, Rússia e Brasil, onde estamos fortalecendo nossa presença significativamente”, complementa o executivo. Por exemplo: uma fábrica de borracha butílica, com uma capacidade anual de 100 mil toneladas métricas foi inaugurada em Cingapura há um mês.

EPDM – foco na tecnologia ACE e nos mercados em crescimento

A LANXESS está buscando captar nova participação de mercado no mundo com mundial em elastômeros de etileno-propileno de alto desempenho (EPDM) Keltan com tecnologias avançadas de produção, investimento em mercados de crescimento e um portfólio focalizado. Segundo a empresa, a inovadora tecnologia ACE desempenha um papel-chave neste aspecto, produzindo EPDM sem o uso de cloro em um processo de elevada pureza e com uma composição que pode ser controlada com um grau de detalhamento que dificilmente teria sido possível no passado. “Sete grades no portfólio de EPDM têm um desempenho superior graças à tecnologia. Ela também nos permite adicionar novas grades de EPDM ao nosso portfólio”, completa o Dr. Torsten Derr, head da unidade de negócio Keltan Elastomers. Seus investimentos incluem a maior planta do mundo de EPDM em Changzhou, na China, com uma capacidade anual de até 160 mil toneladas. O início da produção está previsto para 2015.

Grades de borracha técnica – solucionando problemas muito específicos

A Lanxess afirma que a unidade de negócios High Performance Elastomers, um dos principais fornecedores do mundo de borracha técnica, está empenhada em desenvolver especialidades inovadoras como soluções para problemas muito específicos. Ela está seguindo uma estratégia de quatro vertentes em borracha nitrílica de butadieno (NBR). Além de grades de NBR com custo-benefício e diversificação do portfólio através de materiais específicos para clientes, por exemplo, o foco também são os grades inovadores de NBR e novos grades de pó de NBR, Baymod. Um passo inovador de composição na produção de policloropreno amplia a gama de aplicações para esta borracha. “Isso ajudou-nos a desenvolver duas novas famílias de produtos, Baypren HP e GF. Baypren HP inclui produtos com propriedades que ainda não estão disponíveis no mercado”, afirma Jan Paul de Vries, chefe de High Performance Elastomers. Entre os materiais Levapren de poliacetato de vinila (EVM) em desenvolvimento, um grade para a modificação da resistência ao impacto de ácido poliláctico é altamente promissor, afirma a empresa. O ponto de foco das atividades de investimento da unidade de negócios é a Ásia. Por exemplo, uma planta de borracha nitrílica com uma capacidade anual de 30 mil toneladas foi inaugurada em Nantong na China, em maio de 2012, em conjunto com um parceiro.

Termoplásticos de alta tecnologia – redução de peso na indústria automotiva

A unidade de negócios High Performance Materials (HPM) pretende exibir na K 2013 sua posição global em construção automotiva leve, com base em poliamidas de alta tecnologia e poliésteres Durethan e Pocan. Isto foi recentemente reforçado por meio da aquisição da Bond-Laminates, um fabricante e fornecedor de compostos contínuos de termoplástico de performance reforçado com fibra comercializados sob a marca TEPEX. “Somos hoje um dos poucos fabricantes de termoplásticos no mundo que podem fornecer compostos e compostos de performance reconhecidos, em produção de grande escala com o know-how de aplicações correspondentes para o volume de produção de componentes leves “, afirma o Dr. Michael Zobel, diretor da HPM. A empresa vai aproveitar principalmente sua posição única em construção leve para ampliar ainda mais o negócio nos mercados de crescimento e continuar o processo de globalização com novas instalações de produção. Entre os exemplos de expertise de HPM para construção leve citada por Zobel estão as primeiros dianteiras que consistem inteiramente de poliamida 6 e o primeiro pedal de freio para carros feito com poliamida reforçada com fibras de vidro contínuas e adequado para produção em série em grande escala.

Fonte: Lanxess / Virta

Curta nossa página no

Dow anuncia planos para construção de nova planta de EPDM nos EUA

18/11/2012

A The Dow Chemical Company (Dow) tem planos para a construção de uma nova planta em escala global para a produção de borracha de etileno – propileno – dieno (EPDM) metalocênico, comercializado sob a marca registrada de NORDEL™ IP Hydrocarbon Rubber.

A nova instalação, cujo início das operações está previsto para 2016, ajudará a definir os padrões de eficácia em termos de custos e eficiência de produção ao incorporar o uso da nova tecnologia de catalisadores exclusiva da Dow e aproveitar as vantagens produtivas do processo de solução integrado e de grande escala da Companhia. Essa unidade produtiva alavancará o plano de investimentos da Dow para ampliar a produção de etileno e propileno na Costa do Golfo dos EUA e conectar as operações norte-americanas da Companhia a oportunidades de matérias-primas disponíveis resultantes da maior disponibilidade no fornecimento de gás de xisto nos EUA.

“O NORDEL IP continuará a ser parte estratégica do portfólio da Dow Elastomers tanto hoje quanto no futuro”, afirmou Kim Ann Mink, Presidente de Negócios para a Dow Elastomers, Electrical and Telecommunications. “A nova instalação em escala mundial posicionará a Dow para atender à crescente demanda global por EPDM por meio de tecnologia de próxima geração que garante uma ampla oferta de produtos com qualidade aprimorada. Dos mercados automotivo e de construção ao de fios e cabos, manteremos nosso posicionamento de custos competitivos por meio da implantação de tecnologias eficientes e aproveitamento de instalações integradas e de grande de porte. Essa nova planta demonstra o compromisso da Companhia em investir em produtos especiais que oferecem vantagens de desempenho para o mercado”.

A Dow é líder reconhecida em catalisadores de polimerização e emprega esse poder para aprimorar o design e qualidade de seus produtos. O NORDEL™ IP é frequentemente especificado como solução preferida devido à sua estrutura homogênea, que garante processamento fácil e uniformidade entre os lotes. Os clientes que utilizam o NORDEL™ IP contam com excelente controle, desempenho, vantagens de processamento e precisão que garantem defeitos e imperfeições mínimos e baixíssima quantidade de rejeitos.

Entre as aplicações de uso final do NORDEL IP estão borrachas para vedação de automóveis, mangueiras e esteiras automotivas, perfis de construção, membranas de pisos, calçados e outros produtos de borracha em geral.

Fonte: Dow

Curta nossa página no

LANXESS construirá na China a maior fábrica de EPDM do mundo

11/09/2012

  • Investimento de €235 milhões
  • Capacidade de 160 mil toneladas métricas por ano
  • Início de produção em 2015
  • Maior investimento da LANXESS na China até o momento
  • Até 200 novos empregos criados
  • Produção com base na tecnologia sustentável Keltan ACE
  • LANXESS realiza primeiro ” Mobility Day ” em Xangai

A LANXESS está construindo a maior planta do mundo para borracha sintética de EPDM na China. A empresa alemã de especialidades químicas está investindo €235 milhões na fábrica em Changzhou (província de Jiangsu). Este é o maior investimento que a empresa fez na China até o momento.

A planta terá uma capacidade de 160 mil toneladas métricas por ano e o investimento vai criar até 200 novos empregos. A usina está prevista para entrar em operação em 2015. Todas as autorizações necessárias foram obtidas junto às autoridades locais.

A LANXESS é líder mundial no fornecimento de EPDM (monômero de etileno-propileno-dieno), após a aquisição e integração bem sucedida da DSM Elastômeros em 2011. A empresa comercializa seus produtos sob a marca Keltan. A demanda global por EPDM deverá aumentar em mais de 4% ao ano nos próximos anos, enquanto a demanda na China deverá crescer em cerca de 8%, impulsionada, sobretudo pelas indústrias de construção e automotiva. A China continuará a ser o maior importador líquido de EPDM nos próximos anos.

“Estamos fortalecendo nossa base global de ativos de EPDM com uma planta em escala mundial na China, para atender nossos clientes locais com ainda mais rapidez e produtos premium”, disse o CEO da LANXESS, Axel C. Heitmann na cerimônia de lançamento da pedra fundamental hoje.

“Esta planta também representa o terceiro maior investimento da nossa empresa em borracha na Ásia e fortalece nossas credenciais como o principal fornecedor do mundo em borracha sintética”, acrescentou Heitmann.

A LANXESS iniciará a produção na planta de borracha butílica em escala mundial, na Ilha de Jurong em Cingapura, no primeiro trimestre de 2013 e vai iniciar a construção de uma planta vizinha de borracha de butadieno baseada em neodímio em 11 de setembro deste ano.

A nova planta de EPDM estará localizada no reconhecido Changzhou Yangtze Riverside Industrial Park, com acesso a instalações excelentes de armazenamento e descarregamento de remessas. A LANXESS receberá as principais matérias-primas de etileno e propileno de uma planta de metanol para olefinas (MTO, em inglês), atualmente em construção no local. O processo de MTO é uma nova forma de produzir essas importantes matérias-primas, que são produzidas de forma convencional nas refinarias. Durante a fase de construção, cerca de 2.000 pessoas trabalharão no local.

A LANXESS já atua em Changzhou, com a construção de uma fábrica de produtos químicos de couro. A unidade de até 50 mil toneladas métricas de capacidade por ano representa um investimento de €30 milhões e deverá entrar em operação no primeiro semestre de 2013. Ela irá produzir, para o mercado local chinês, produtos químicos Premium para couro da LANXESS usados em várias aplicações, como curtimento, tingimento e acabamento de couro. Cerca de 100 empregos estão sendo criados.

Tecnologia sustentável Keltan ACE

A LANXESS usará a tecnologia Keltan ACE para possibilitar a produção sustentável em sua nova fábrica. Em comparação com a tecnologia convencional, a tecnologia catalisadora Keltan ACE reduz as exigências de energia para a produção e não requer a extração do catalisador, como resultado da elevada eficiência do catalisador. Além disso, o processo permite a fabricação de novos grades de borracha EPDM, como EPDM expandido com óleo e EPDM especial de elevado peso molecular. A nova fábrica vai produzir um total de 10 grades superiores de EPDM sob medida para as necessidades dos clientes chineses.

A LANXESS já opera unidades de produção de EPDM em Geleen, na Holanda, Marl, na Alemanha, Orange, nos EUA e Triunfo, no Brasil, com uma capacidade combinada de 320 mil toneladas métricas por ano. A LANXESS planeja converter 50% da sua capacidade total de produção na unidade de Geleen para a tecnologia Keltan ACE em 2013.

A borracha de EPDM é utilizada, sobretudo, na indústria automotiva como vedação de portas ou limpadores de para-brisas. De acordo com estimativas da LANXESS, cerca de sete quilos de EPDM são utilizados em todos os carros. O produto também é usado nas indústrias de modificação de plásticos, cabos e fios, construção, e aditivos de óleo. As suas propriedades incluem densidade muito baixa, boa resistência ao calor, oxidação, produtos químicos e intempéries, bem como boas propriedades de isolamento elétrico.

Desde o final do ano passado, a LANXESS produz comercialmente a borracha de EPDM de base biológica de etileno, sob a marca Keltan Eco. A LANXESS está usando etileno fornecido pela Braskem S.A. Em comparação com o etileno baseado no petróleo, o etileno da Braskem é produzido através da desidratação do etanol da cana de açúcar.

China estrategicamente importante para a LANXESS

A China é um dos pilares da estratégia de crescimento global da LANXESS. A empresa tem como objetivo atingir vendas de mais de um bilhão de euros na Grande China (China continental, Hong Kong, Taiwan e Macau) em 2012. Todas as 13 unidades de negócio da LANXESS estão representadas em 10 sites na Grande China, com cerca de 1.000 funcionários no total.

A LANXESS vai realizar seu primeiro ” Mobility Day ” em Xangai, no dia 6 de setembro. Sob o lema “Tecnologias sustentáveis para o futuro da China”, a empresa apresentará seus mais recentes produtos voltados para “Mobilidade Verde”.

Cerca de 400 participantes da indústria, comunidade acadêmica e associações vão trocar ideias e discutir temas como “pneus verdes”, plásticos leves, gestão sustentável de couro, borrachas técnicas e tecnologia de baterias.

A LANXESS alcançou vendas de cerca de €1,5 bilhão – cerca de 17% do total de vendas – com produtos e tecnologias para a “Mobilidade Verde” em 2011. E a empresa espera que este número aumente em 80%, para cerca de €2,7 bilhões em 2015.

Fonte: LANXESS

Curta nossa página no

LANXESS reforça compromisso com setor automotivo brasileiro

16/10/2011

A LANXESS está reforçando seu compromisso com o Brasil, com três grandes novos investimentos, totalizando cerca de 30 milhões de Euros – ou aproximadamente R$ 75 milhões -, e que criarão mais de 100 postos de trabalho. Os investimentos apoiarão a crescente tendência em direção à mobilidade verde nos países da América Latina. Os materiais de alta tecnologia da LANXESS oferecerão soluções inovadoras para o crescente mercado automotivo local.

 “Estamos fazendo grandes investimentos que garantirão nossa participação no sucesso atual e futuro da economia brasileira”, disse o Chairman do Conselho de Administração da LANXESS, Axel C. Heitmann, que está liderando o primeiro AUTOMOTIVE DAY BRASIL. Segundo ele, o Brasil desempenha um papel fundamental na estratégia do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) para a empresa e “contribuirá com nossa meta de atingir 1,4 bilhão de Euros em EBITDA pré-excepcionais em 2015″, afirmou.

Indústria brasileira automotiva em expansão

Os três investimentos incluem a construção de duas novas unidades produtivas na planta da LANXESS em Porto Feliz, no interior do Estado de São Paulo. Uma delas é para a produção dos plásticos de engenharia de alta tecnologia Durethan e Pocan – usados principalmente pela indústria automotiva para fazer carros mais leves e mais eficientes em termos de combustível. A nova planta, que será operada pela unidade de negócios Semi-Crystalline Products, terá uma capacidade inicial de 20 mil toneladas por ano e entrará em operação em meados de 2013.

A outra nova unidade produtiva em Porto Feliz vai produzir os aditivos de borracha Rhenogran, bem como os bladders Rhenoshape. Os aditivos de borracha pré-dispersos Rhenogran podem melhorar significativamente a qualidade e a durabilidade de um produto de borracha, enquanto os bladders Rhenoshape são usados pela indústria pneumática para dar aos pneus a sua forma e propriedades finais. A planta será operada pela unidade de negócios de uma subsidiária da LANXESS, Rhein Chemie, baseada em Mannheim, na Alemanha. A fábrica, que entrará em operação no quarto trimestre de 2012, produzirá 2 mil toneladas por ano de aditivos para borrachas e 170 mil bladders por ano.

“Vamos transformar nosso site em Porto Feliz em um grande centro de especialidades químicas com as últimas tecnologias para os nossos clientes no Brasil e na América Latina”, disse Heitmann.

Primeira borracha EPDM no mundo feita de base biológica

O terceiro investimento envolve um movimento pioneiro para o uso de matéria-prima de base biológica na produção de borracha sintética. A LANXESS está reprojetando sua planta em Triunfo, no Rio Grande do Sul, a fim de produzir a borracha de EPDM com etileno de base biológica. A empresa brasileira Braskem fornecerá o etileno derivado da cana-de-açúcar através de um gasoduto, a partir de novembro de 2011. Esta é a primeira produção mundial de borracha de EPDM de base biológica, que será chamada de Keltan Eco. Um quarto da capacidade de 40 mil toneladas anuais da fábrica de Triunfo será destinado para a Keltan Eco.

“O uso de matérias-primas de base biológica para a produção de borracha sintética na planta de Triunfo está de acordo com o compromisso contínuo da LANXESS com a química verde”, disse Heitmann.

Capacidade extra de borrachas de alto desempenho para “Pneus Verdes”

A LANXESS é líder em borrachas sintéticas de alto desempenho para “Pneus Verdes” – o setor que mais cresce na indústria pneumática, com uma taxa de crescimento anual de cerca de 10%. A demanda está sendo impulsionada pela megatendência mobilidade, bem como pelos motoristas que estão requerendo cada vez mais altos padrões ambientais e de segurança. Além disso, a demanda será acelerada pela legislação de pneus na União Europeia, que visa reduzir as emissões de CO2 e de ruído por meio da promoção de “Pneus Verdes”, que não comprometam a segurança. Legislação correspondente também foi adota na Coréia do Sul.

A fim de atender a essa demanda, a LANXESS está expandindo as suas capacidades globais para borrachas de alto desempenho usadas em “Pneus Verdes”, o que inclui uma unidade produtiva no Brasil. A LANXESS está expandindo da capacidade de sua unidade de produção de borracha de polibutadieno de neodímio (Nd-PBR), em Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco. A expansão estará completa até o final de 2011, dobrando a capacidade para 40 mil toneladas por ano. Além disso, a LANXESS está atualizando a tecnologia na fábrica de Cabo para os mesmos níveis utilizados em suas fábricas de Nd-PBR na Alemanha e nos EUA.

A borracha de Nd-PBR é usada na banda de rodagem e nas paredes laterais dos “Pneus Verdes”. Ela ajuda a reduzir a resistência ao rolamento de um pneu, bem como o consumo de energia. A Nd-PBR também reduz a abrasão, desempenhando assim um papel significativo em tornar os pneus mais duráveis.

Atualização tecnológica para borrachas de alto desempenho em Triunfo

Ao mesmo tempo, a LANXESS já iniciou um estudo de viabilidade para implementar uma nova tecnologia a fim de mudar a produção de emulsão de estireno-butadieno (ESBR) utilizados em pneus padrão para solução de borracha de butadieno estireno (SSBR) utilizadas nos “Pneus Verdes”, em sua planta em Triunfo (RS). A capacidade atual para ESBR em Triunfo é 110 mil toneladas por ano e a troca iria requerer um investimento de dois dígitos em milhões de euros. A decisão final será tomada em meados de 2012.

A SSBR é usada principalmente na composição das bandas de rolagem dos “Pneus Verdes”, onde ela ajuda a reduzir a resistência ao rolamento e a melhorar a aderência em pisos molhados. “Pneus Verdes” podem alcançar seu máximo desempenho com formulações contendo tanto SSBR como Nd-PBR.

História de crescimento bem-sucedido no Brasil

Estes últimos investimentos fazem parte da crescente presença da LANXESS no Brasil. A empresa alemã, que comprou a Petroflex em 2008, começou com mais de 400 funcionários no Brasil há sete anos. Hoje, emprega mais de mil colaboradores e é uma das maiores empresas químicas do país.

O Brasil também é um dos mercados mais bem sucedidos e de crescimento mais rápido para os produtos da LANXESS. O país respondeu por menos de um por cento das vendas globais da LANXESS em 2005. Atualmente é responsável por aproximadamente 10% das vendas globais. Além disso, as vendas no Brasil atingiram o recorde de 701 milhões de Euros em 2010. “E estamos no caminho certo para outro recorde em 2011”, ressaltou Heitmann.

Em reconhecimento ao seu compromisso com a mobilidade verde no Brasil, no dia 6 de outubro, a LANXESS será a anfitriã do primeiro AUTOMOTIVE DAY BRASIL em São Paulo – uma conferência durante todo o dia com muitos dos líderes das indústrias automotiva e de pneus do Brasil e da América Latina. Cerca de 400 pessoas participarão do evento.

Fonte:  LANXESS

LANXESS irá produzir no Brasil a primeira borracha de EPDM bio-derivada do mundo.

27/09/2011

A LANXESS está reforçando o seu compromisso em produzir borrachas sintéticas “premium” a partir de matérias-primas derivadas de fontes biológicas. A empresa alemã de especialidades químicas pretende produzir comercialmente EPDM (monômero de etileno-propileno-dieno) a partir de eteno bio-derivado até o final do ano. Será a primeira forma de borracha de EPDM bio-derivada no mundo.

O EPDM é convencionalmente produzido usando-se as matérias primas eteno e propeno, ambas derivadas do petróleo. A rota alternativa planejada pela LANXESS usará eteno derivado unicamente de cana-de-acúcar, que é um recurso renovável. Esta forma de eteno bio-derivada é produzida a partir da desidratação do etanol, obtido da cana-de-acúcar brasileira. A Braskem S.A irá fornecer o eteno bio-derivado, através de tubulações, para a planta de EPDM da LANXESS já existente em Triunfo, no Brasil.

“A procura de alternativas para os combustíveis fósseis atualmente empreendida pela LANXESS demonstra o seu compromisso em reduzir emissões de CO2 através de produção sustentável”, afirma Guenther Weymans, líder da unidade de negócios de Produtos de Borrachas Técnicas da LANXESS. “Nós estamos muito entusiasmados pelo fato de que nossa planta no Brasil será a pioneira na produção de EPDM bio-derivado.”

 “A LANXESS irá contribuir para ampliar o nosso portfólio de clientes de produtos químicos renováveis . Este acordo levará os benefícios de eteno verde para outros mercados e aplicações importantes. A LANXESS tem uma extensa experiência no setor automotivo e uma excelente reputação nesse mercado, o que a torna um parceiro ideal”, afirma Marcelo Nunes, Diretor de Produtos Químicos Renováveis da Braskem.

 A planta de Triunfo atualmente produz 40.000 toneladas métricas por ano de borracha de EPDM convencional e espera-se que as primeiras bateladas do produto Keltan Eco correspondam a várias centenas de toneladas métricas. As outras unidades de produção de EPDM da LANXESS situam-se em Geleen (Holanda), Marl (Alemanha) e Orange, Texas (EUA). Todos os grades de EPDM serão vendidos, no futuro, sob o nome de marca Keltan.

 A borracha de EPDM é usada principalmente na indústria automotiva, mas também nas indústrias de fios e cabos, construção, modificações de plásticos e aditivos de óleos. As suas propriedades incluem uma densidade muito baixa, boa resistência ao calor, à oxidação, a produtos químicos e ao meio ambiente, assim como boas propriedades de isolamento elétrico. A LANXESS apresentou o Keltan Eco pela primeira vez durante o Dia da Borracha na Alemanha, no dia 21 de setembro, em Duesseldorf.

Além disto, a LANXESS já está pesquisando fontes alternativas para produzir a borracha sintética premium butílica, a qual é usada predominantemente na indústria de pneus. Juntamente com a firma Gevo Inc., do Colorado, a LANXESS está desenvolvendo isobuteno a partir de recursos renováveis, começando com o milho. O isobuteno é uma material-prima chave necessária na manufatura de borracha butílica.

No ano passado, a LANXESS deu partida em uma nova planta de geração de energia na sua unidade brasileira de Porto Feliz, a qual produz pigmentos de óxido de ferro. Esta planta de cogeração para a produção de eletricidade e vapor, inovadora e altamente eficiente, é alimentada com bagaço de cana, um componente fibroso da cana-de-acúcar que é sub-produto da obtenção de açúcar. Graças ao uso desta material-prima renovável e amigável ao meio ambiente, pode-se produzir energia para a planta em uma base neutra em termos de CO2.

A LANXESS é uma empresa líder em especialidades químicas, tendo registrado vendas de 7.1 bilhões de Euros em 2010 e possuindo atualmente 15.800 funcionários em 30 países e 46 unidades de produção ao redor do mundo. O negócio-núcleo da LANXESS é o desenvolvimento, produção e marketing de plásticos, borracha, produtos intermediários e especialidades químicas.

Fonte: LANXESS

LANXESS fecha acordo para compra da DSM Elastômeros

15/12/2010

Negócio envolve a incorporação de uma fábrica em Triunfo (RS), com capacidade de 40 mil toneladas/ano

A LANXESS e a holandesa Royal DSM N.V. firmaram um acordo para a venda da DSM Elastômeros para a LANXESS por 310 milhões de euros, à vista e livre de dívidas. A aquisição será financiada pela LANXESS a partir da liquidez existente e deverá ser acretiva como EPS (lucro por ação) a partir de 2011.

O negócio envolve a incorporação de duas fábricas da DSM Elastômeros, sendo uma localizada em Triunfo (RS), com capacidade anual de 40 mil toneladas, e outra, em Sittard-Geleen (sede da empresa), na Holanda, com capacidade produtiva de 160 mil toneladas/ano.

A DSM Elastômeros produz borracha sintética de monômeros de etileno propileno dieno (EPDM), sob a marca Keltan. Possui aproximadamente 420 funcionários em todo o mundo e deverá obter um faturamento de cerca de 380 milhões de euros em 2010.

Os contratos serão finalizados após a conclusão do processo de consulta com os representantes dos trabalhadores da DSM na Holanda. A transação ainda está sujeita à aprovação pelas autoridades antitruste e deve ser concluída nos primeiros meses de 2011.

“Estamos ansiosos para dar as boas vindas aos profissionais da equipe de EPDM da DSM, bem como para receber seus ativos em nossas principais atividades de borracha sintética”, disse Axel C. Heitmann, presidente mundial da LANXESS. “A transação também será um passo importante rumo à nossa meta de atingir cerca de 1,4 bilhão de euros em EBITDA pré-excepcionais em 2015”.

Feike Sijbesma, CEO/Chairman do Conselho de Administração da DSM disse: “A venda da DSM Elastômeros completa a nossa estratégia Vision 2010, para nos tornarmos uma empresa focada em Life Sciences e Materials Sciences. Essa transformação foi alcançada de acordo com o nosso cronograma e em condições favoráveis para nossos acionistas e funcionários. A DSM entrou agora em uma nova era, focada no estímulo ao crescimento e no retorno com maior rendimento, qualidade e confiança para cumprir nossas metas em médio prazo.”

O negócio será integrado à unidade de negócios Technical Rubber Products (TRP) da LANXESS, chefiada por Guenther Weymans, que comercializa EPDM sob a marca Buna PE®, com produções em Marl, na Alemanha, e em Orange, nos Estados Unidos; uma capacidade anual combinada de 120 mil toneladas.

Segundo Marcelo Lacerda, Presidente da LANXESS no Brasil, a empresa deu mais um importante passo para impulsionar suas atividades no país, onde já opera com suas 13 unidades de negócios e quatro fábricas. “Esta aquisição reforça nossa presença e amplia nossa base de produção no mercado brasileiro, ao mesmo tempo em que ratifica o comprometimento da LANXESS em crescer nos países do BRIC”, disse o executivo.

Com cerca de mil funcionários em todo o mundo, a unidade de negócios TRP faz parte do segmento Performance Polymers da  LANXESS, que registrou um faturamento de 2,4 bilhões de euros em 2009. Outros produtos do portfólio da unidade TRP incluem a borracha de policloropreno (CR), borracha nitrílica hidrogenada (HNBR), borrachas de etileno vinil acetato (EVM) e borracha nitrílica (NBR).

Produção sustentável e aplicações variadas

Com a transação, a LANXESS pretende fortalecer a sua base tecnológica por meio do acesso à tecnologia ACE, que, em comparação aos processos convencionais, reduz os custos com energia e produção de EPDM, ao mesmo tempo em que amplia as possibilidades de aplicação da borracha. A DSM está em processo de implementação desta tecnologia em uma escala maior em seu site em Sittard-Geleen.

“Nossos clientes serão beneficiados com uma vasta gama de produtos Premium de EPDM”, ressaltou Werner Breuers, membro do Conselho da LANXESS. A LANXESS avaliará a implementação da tecnologia ACE em suas fábricas existentes.

A borracha sintética de EPDM é utilizada, sobretudo, na indústria automobilística, mas também nas indústrias de modificação de plásticos, cabos e fios, construção e óleos aditivos. Suas propriedades incluem densidade muito baixa, boa resistência ao calor, à oxidação, a produtos químicos e a intempéries, assim como boas propriedades de isolamento elétrico. O mercado global prevê um crescimento percentual de um dígito por ano, nos próximos dez anos, desse tipo de borracha, impulsionado pelo aumento das demandas no Brasil e na China.

A LANXESS é líder em especialidades químicas, com volume de vendas de 5.06 bilhões de euros em 2009. Atualmente conta com cerca de 14.500 funcionários distribuídos em 23 países. A companhia está presente em 42 unidades de produção ao redor do mundo. O core business da LANXESS é o desenvolvimento, produção e venda de especialidades químicas, plásticos, borracha e intermediários. No Brasil, a LANXESS está representada por meio de suas 13 unidades de negócio e possui unidades produtivas, laboratórios e escritórios nas cidades de São Paulo e Porto Feliz (SP), São Leopoldo e Triunfo (RS), Duque de Caxias (RJ), Cabo de Santo Agostinho e Recife (PE).

A Royal DSM N.V. cria soluções que fomentam, protegem e melhoram o desempenho. Seus mercados finais incluem nutrição e saúde humana e animal, cuidado pessoal, produtos farmacêuticos, automotivos, revestimentos e pintura, elétrica e eletrônica, proteção da vida e habitação. A DSM tem um faturamento anual líquido de cerca de € 8 bilhões e emprega aproximadamente 22.700 pessoas em todo o mundo. A empresa tem sede na Holanda, e possui unidades em cinco continentes. A DSM está listada na Euronext Amsterdam. Mais informações: www.dsm.co.

Fonte: Virta