Posts Tagged ‘Economia de Energia’

Empresários do setor de plásticos do ABC conhecem medidas para redução de custos da energia elétrica

28/09/2015

Em um cenário de elevação do preço da energia elétrica em todo o país, provocado, entre outros fatores, pelo aumento no custo da energia hidrelétrica e o acionamento de usinas termoelétricas, empresas do Grande ABC buscam alternativas para se manterem competitivas. Na noite da quinta-feira, dia 24/09, empresários receberam dicas sobre como economizar o insumo, durante palestra gratuita do SENAI.

No evento, idealizado pelo Arranjo Produtivo Local do Plástico do ABC, e realizado por meio de parceria com a Agência de Desenvolvimento Econômico do Grande ABC e o SEBRAE SP, foram pontuadas as razões para o aumento do preço da energia elétrica, mencionando, por exemplo, o sistema de bandeiras tarifárias, autorizado pela ANEEL, que vigora desde o início do ano e torna o custo do insumo variável de acordo com os níveis de abastecimento dos reservatórios das hidrelétricas.

Para contornar a elevação dos preços, é necessário estruturar internamente a gestão da energia, seja em uma empresa ou até mesmo em uma residência. É o que explicou Dener Piolo, engenheiro eletrotécnico do SENAI,  especialista em Produtos Tecnológicos, durante a palestra.

“A idéia das ações de eficiência energética é proporcionar que as empresas produzam a mesma coisa, ou até mais, com custos menores. Nosso papel é ajudar as empresas a conseguirem otimizar o uso da energia na produção”, disse.

Mudanças como a substituição do modelo de lâmpadas fluorescentes e de reatores convencionais para reatores eletrônicos e alterações na tecnologia de equipamentos e máquinas utilizadas na produção estão entre as medidas que podem contribuir para a redução da conta com a energia elétrica.

Ao final do evento, Piolo apresentou os serviços e consultorias prestados pelo SENAI relativas a soluções em eficiência energética para a redução dos custos, consumo e diminuição do impacto ambiental no processo produtivo, com o objetivo de maximizar competitividade e a produtividade da indústria.

A palestra marca a retomada das ações do Arranjo Produtivo Local (APL) do Plástico do ABC. O grupo, que se reúne periodicamente, discute assuntos estratégicos para a indústria de plástico e toda sua cadeia produtiva.

A partir de temas relevantes para o setor que estão sendo elencados nas reuniões, o APL Plástico planeja e executa atividades para ampliar o alcance dos debates e a participação dos empresários nas ações.

“Este é o passo inicial para a retomada do APL, mas precisamos de novos atores para conseguir dar mais peso às ações do grupo. Com um arranjo forte, é mais fácil encontrar soluções para desafios comuns aos empresários do setor”, afirmou Giancarlo Bechelli, da empresa Letska, uma das integrantes do APL.

Segundo um estudo realizado em 2014 pela consultoria MaxiQuim sobre o setor químico do ABC, o faturamento das indústrias de transformação plástica chegou a R$ 3,9 bilhões em 2013.

De acordo com dados analisados pelo GT Químico do ABC, com base nas estatísticas do RAIS 2013*, do Ministério do Trabalho e Emprego, existem no ABC cerca de 540 estabelecimentos cadastrados como “indústria de transformação plástica”.

Fonte: Agência de Desenvolvimento Econômico do Grande ABC

Curta nossa página no

Anúncios

Arburg recebe certificação ISO 50001 em Sistemas de Gerenciamento de Energia

08/08/2012

A Arburg atingiu um outro importante objetivo: a certificação ISO 50001, tendo a TÜV Süd como o certificador -, além das ISO 9001 e ISO 14001. A certificação segundo a norma ISO 50001 compromete a Arburg com o uso eficiente de energia em todas as áreas da empresa. A Arburg é uma das primeiras empresas a ter sido tripla certificação ISO.

Padrão ISO 50001

A norma internacional ISO 50001 sobre Sistemas de Gerenciamento de Energia  é muito recente. Foi publicada pela primeira vez em Inglês em Junho de 2011, sendo que a versão alemã se seguiu em dezembro de 2011. A TÜV Süd explica seus objetivos da seguinte forma: “O núcleo da ISO 50001 é a melhoria contínua do desempenho de uma organização no que tange à energia. A norma descreve os requisitos que uma organização necessita cumprir para os propósitos de introdução, implementação, manutenção e melhoria de um sistema de gerenciamento de energia. Essa abordagem sistemática visa habilitar uma organização a melhorar seu desempenho relacionado com a energia, aumentar a sua eficiência energética e otimizar a sua utilização de energia. “

ISO 50001 como novo marco

O fato de que Arburg foi certificada pela TÜV Süd apenas um ano desde a publicação da ISO 50001 sublinha o papel principal que é desempenhado pela empresa fabricante de máquinas em termos de questões energéticas e ambientais. Seu foco na produção de máquinas injetoras energeticamente eficientes em um sistema de produção energeticamente eficiente já estava consagrado na gestão ambiental de acordo com a ISO 14001. A ISO 50001 agora compromete a Arburg com a implementação e cumprimento de medidas de eficiência energética individualmente quantificáveis . A estratégia subjacente ao novo sistema de gestão de energia é planejado e organizado pelo Grupo de eficiência energética, composto por especialistas de diversos setores, o qual existe desde 1996.

Em busca  de economias potenciais

No futuro, um componente chave do sistema de gestão energética se constituirá de medições de energia sistematicamente planejadas, detalhadas e contínuas, com a finalidade de estabelecer com precisão a quantidade de energia que é utilizada e o local onde é consumida, em um processo de produção intensivo em energia. A avaliação e a análise do consumo anual irá facilitar a identificação de potenciais de economia ocultos. A este respeito, a Arburg também atribui importância às idéias e sugestões de seus funcionários, cuja consciência sobre o tema da eficiência energética está sendo reforçada através de várias atividades.

Eficiência energética em foco ao longo de décadas

O tema da economia de energia não é novo na Arburg. Na verdade, a atenção para economias potenciais de energia na empresa tem sido um elemento-chave em todos os desenvolvimentos e investimentos durante décadas. Isto aplica-se aos seus produtos, mas também ao seu processo produtivo e instalações.

Na área de produtos, a gama de tecnologia de máquinas otimizadas energeticamente está sendo continuamente ampliada, de modo que um número crescente de máquinas injetoras Allrounder agora exibem o rótulo de eficiência energética da Arburg: e². A tecnologia e gerenciamento energético das instalações da Arburg são, por exemplo, caracterizadas pela energia geotérmica, energia fotovoltaica, usinas térmicas “block-type”, a utilização da água da chuva, energia eólica e calor gerado na produção, bem como a ventilação e extração natural em seus prédios.

Com a introdução do sistema de gestão de energia certificado segundo a norma ISO 50001 em 2012, um marco adicional foi alcançado, constituindo uma base sobre a qual a empresa vai promover uma evolução contínua em matéria de eficiência energética.

Fonte: Arburg

Curta nossa página no

Prédio-sede do Departamento de Energia dos EUA instala coberturas frias de PVC para reduzir custos de energia.

15/02/2011

O prédio oeste da sede do Departamento de Energia (DOE) recebeu a proteção de 2.322 m2 de cobertura branca de PVC, econômica, durável e energeticamente eficiente.  A instalação da cobertura fria não gerou custos adicionais ao projeto de reforma.

Esse tipo de cobertura possui superfície com cores suaves ou revestimentos especiais para refletir o máximo da luz solar, aumentando a eficiência do edifício, reduzindo custos com refrigeração e compensando as emissões de carbono. A nova cobertura do DOE utiliza PVC com espessura de 60 milímetros e colabora com o plano de metas do Presidente Obama para redução das emissões de gases do efeito estufa.

O secretário de Energia, Steven Chu, aconselhou a instalação das coberturas frias, quando financeiramente viáveis, em todos os escritórios do Departamento de Energia em construção ou em reforma. Ele afirmou: “O Departamento de Energia está tomando a liderança, por exemplo, ao demonstrar como as coberturas frias podem ajudar a obter significativa redução de custos e de consumo de energia. Essa é uma tecnologia simples, de baixo custo, que pode gerar benefícios para o governo, para as empresas e proprietários de residências em todo país.

Durante o primeiro semestre, o DOE vai instalar uma nova cobertura no prédio sul, de aproximadamente 6.100 m2. Como resultado da instalação nos dois prédios, os contribuintes irão economizar anualmente USD 8.000,00 com custos de energia.

Os telhados e o asfalto das ruas cobrem de 50 a 65% das áreas urbanas. Os materiais tradicionais, de cor escura, utilizados nos telhados absorvem de 80 a 90% da energia solar, elevando as temperaturas na superfície e consequentemente o calor interno dos edifícios. Esse fato requer mais instalações de aparelhos de ar condicionado. Os telhados brancos, ou com “cores frias” absorvem 50% a menos da energia solar, diminuindo a temperatura do telhado e a demanda do pico de energia em torno de 10%.

Um telhado escuro pode atingir temperaturas entre 65 a 87 oC em dias quentes, enquanto que o telhado frio, sob as mesmas condições,  irá aumentar somente de 10-25 graus a temperatura ambiente, isto é, menos 50 graus  em comparação aos telhados escuros. Um estudo realizado pelo Laboratório Nacional Lawrence Berkeley (LBNL) chegou à conclusão que os telhados ou pavimentações frias podem auxiliar a reduzir a demanda por ar condicionado, diminuir a temperatura de cidades inteiras, e cancelar potencialmente os efeitos do aquecimento das emissões de dióxido de carbono, em até dois anos. Eles estimam que se três em quatro prédios comerciais nos Estados Unidos recebessem cobertura fria, as economias de energia no funcionamento dos aparelhos de ar condicionado poderiam reduzir as emissões de CO2 em aproximadamente 6 milhões de toneladas/ano, o equivalente à retirada de 1 milhão de veículos de circulação das ruas.

Muitos proprietários de grandes complexos comerciais, industriais e residenciais, assim como associações nacionais e órgãos governamentais estão instalando laminados refletivos de PVC branco nos telhados de forma a reduzir custos e energia. O laboratório nacional do Departamento de Energia em Oak Ridge, Tennesse, instalou as coberturas frias, assim como o fez a Agência de Proteção ao meio ambiente, em Research Triangle Park, Carolina do Norte.

Além de economizar energia, as coberturas de PVC também apresentam grande resistência ao fogo, que se autoextingue assim que a fonte da chama é removida. Como uma prova de suas qualidades de resistência ao fogo, a cobertura de PVC foi instalada na sede da Associação Nacional de Proteção contra Incêndios em Quincy, Massachusetts.

A Vinyl Roofing Division da Chemical Fabrics and Film Association também observam que os sistemas de coberturas refletivas de camada única aumentam a expectativa de vida útil tanto do laminado como do equipamento de refrigeração dos prédios.

O Departamento de Energia lançou um vídeo com o Secretário Chu que mostra a instalação da cobertura e explica alguns dos benefícios decorrentes dessa importante tecnologia. O vídeo está disponível no Blog Energia no endereço (http://blog.energy.gov/blog/2010/12/14/cool-roofs-easy-upgrade).

Fonte: Instituto do PVC / VynilNewsService