Posts Tagged ‘Compósitos Termoplásticos’

Nova linha de produção da Solvay na Califórnia aumenta produção de compósitos termoplásticos para atender à demanda do setor aeroespacial

24/09/2019

O Grupo Solvay está expandindo sua capacidade de compósitos termoplásticos com uma nova linha de produção em suas instalações em Anaheim, na Califórnia (EUA) para atender ao forte crescimento da demanda dos clientes do setor aeroespacial por esse material.

Com a expansão, a Solvay multiplicará por quatro a sua capacidade produtiva de compósitos desde 2016, visando não apenas melhorar a produção, mas também a qualidade do produto e a consistência e confiabilidade industrial.

“A expansão significativa em pouco tempo, aliada à nossa atenção constante à melhoria geral da qualidade e da produtividade, ilustra nosso compromisso de servir melhor a nossos clientes. A forte demanda por nossos compósitos mostra que eles valorizam como nossos materiais reduzem o tempo e o custo de fabricação, ajudando a aumentar a taxa de construção de aeronaves. A Solvay está na posição de liderança para impulsionar avanços na inovação de materiais e acompanhar nossos clientes em suas ambições de crescimento”, disse Augusto Di Donfrancesco, do Comitê-Executivo do Grupo Solvay

O Grupo Solvay anunciou em maio de 2019 a criação de sua primeira plataforma estratégica horizontal para acelerar o desenvolvimento de compósitos termoplásticos que combinam os polímeros especiais aos compósitos de fibra de carbono. Segundo a empresa, esses materiais leves ajudam a reduzir as emissões de aviões e carros à medida em que substituem as peças metálicas e facilitam seu design e integração. Outras aplicações incluem tubos utilizados pela indústria de petróleo e gás, como alternativa técnica e econômica às soluções de aço existentes.

A Solvay é uma empresa de materiais avançados e de especialidades químicas, fornecendo produtos e soluções utilizados em aviões, automóveis, dispositivos inteligentes e instrumentos médicos, baterias, na extração de minerais e petróleo. A Solvay tem sede em Bruxelas e emprega 24.500 pessoas em 61 países. As vendas líquidas pro forma foram de € 10,3 bilhões em 2018.

Curta nossa página no

Solvay lança compósito de termoplástico reforçado com fibra de carbono para aplicações offshore de petróleo e gás

18/06/2018

A Solvay está lançando o Evolite™ F1050,  compósito termoplástico  com reforço contínuo de fibra de carbono para aplicações exigentes da exploração e produção de petróleo e gás offshore.

Segundo a Solvay, o Evolite™ F1050 é uma fita unidirecional que combina a excelente resistência química e a temperatura do polímero especial Solef® PVDF com o desempenho inerente de alta resistência da fibra de carbono.

As aplicações típicas do novo produto da Solvay para petróleo e gás incluem tubos flexíveis híbridos offshore e tubos de compostos termoplásticos (TCPs, na sigla em inglês).

O Evolite™ F1050 oferece o desempenho e a facilidade de processamento exigidos pela indústria de petróleo e gás. De acordo com a Solvay, o novo material compósito possui resistência mecânica e química, pode ser utilizado em aplicações de alta temperatura, é compatível com processos ATL (Automated Tape Laying) e permite conversão personalizada de fibra/matriz para desempenho máximo.

Os compósitos termoplásticos são um elemento importante da estratégia de crescimento da Solvay, aproveitando a integração vertical do Grupo em polímeros especiais e em tecnologia avançada e expertise de compósitos de fibra de carbono.

Graças ao seu portfólio abrangente e a seu conhecimento técnico, a Solvay está posicionada para oferecer compósitos termoplásticos para atender aos exigentes desafios do setor.

Segundo a empresa, o Evolite™ F1050 é o primeiro lançamento de um portfólio de produtos que possibilitará soluções de custos totais instalados menores para operadores de petróleo e gás, por meio da redução de peso que ele oferece.

A nova Unidade Global de Negócios Composite Materials da Solvay é uma fornecedora global de soluções de materiais leves, que permitem que os clientes da empresa nos setores aeroespacial, automotivo e em outros setores exigentes, concebam, desenvolvam e usem de maneira eficiente estruturas complexas de alta qualidade e alto desempenho. O portfolio da Composite Materials inclui pré-impregnados, sistemas de resinas, adesivos e películas, fibra de carbono, têxteis, ferramentas e consumíveis de embalagem a vácuo. A Solvay Composite Materials combina os antigos negócios da Cytec Aerospace Materials e Industrial Materials.

A Solvay tem sede em Bruxelas e emprega 24.500 pessoas em 61 países. As vendas líquidas pro forma foram de € 10,1 bilhões em 2017. No Brasil, a Solvay também atua com a marca Rhodia.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Solvay

Curta nossa página no

Evonik investe em empresa fabricante de tubulações de compósitos termoplásticos para produção de petróleo e gás offshore

03/11/2015

Evonik_oleo-e-gas

  • Investimento direto em empresa holandesa por intermédio do braço de venture capital da Evonik
  • Tubulações não corrosivas feitas de compósitos termoplásticos para o setor de petróleo & gás offshore
  • Ampliação da expertise da Evonik para a indústria de petróleo & gás

Por meio de seu braço de venture capital, a Evonik investiu na empresa Airborne Oil & Gas, sediada em Ijmuiden, Holanda. O grupo de especialidades químicas detém participação minoritária na empresa holandesa. O investimento foi realizado em conjunto com as empresas HPE Growth Capital (HPE) e a Shell Technology Ventures. As partes concordaram em não revelar o valor da transação. A Airborne Oil & Gas (AOG) domina uma tecnologia única para a produção de dutos fabricados com compósitos termoplásticos para uma variedade de aplicações no setor de petróleo e gás offshore.

A atual infraestrutura de petróleo & gás offshore consiste em dutos rígidos de aço ou nos chamados flexíveis, compostos por camadas múltiplas de aço e polímeros. Os dutos compósitos termoplásticos da AOG dispensam totalmente o aço, o que os torna imunes à corrosão. Segundo a Evonik, eles apresentam estabilidade mecânica extremamente alta, mas também são flexíveis. Como vantagem adicional, são leves e podem ser fabricados em comprimentos de até 10 km, o que significa que os dutos da AOG podem ser instalados de modo relativamente simples e econômico em custos, assegura a fabricante de polímeros. As linhas de aço rígido são soldadas umas às outras em segmentos de 10-20 metros de comprimento, usando navios de lançamento altamente especializados e são financeiramente dispendiosos.

De acordo com a Evonik, os dutos de compósito termoplástico da AOG são adequados e vantajosos em ampla variedade de aplicações offshore. Diversos operadores qualificaram os dutos da AOG para linhas de transporte offshore de petróleo & gás, nas quais os benefícios de uma instalação de baixo custo e a ausência de corrosão oferecem melhorias sem precedentes. Uma extensão considerável dos 150.000 a 200.000 km das linhas de transporte instaladas ao redor do mundo tem mais de 20 anos de idade e precisa ser substituída, o que representa um atraente ponto de entrada para a AOG.

Para a Evonik, a indústria de petróleo & gás é um atraente mercado em crescimento e um importante campo para inovações. Além disso, a empresa é líder de mercado na poliamida 12, comercializada como  VESTAMID®, marca consolidada em dutos para a produção e o transporte de petróleo e gás. “A Airborne Oil & Gas é uma excelente combinação estratégica para a Evonik”, diz   Bernhard Mohr, diretor de Venture Capital na Evonik. “A tecnologia de tubos ímpar da empresa e o portfólio de polímeros de alto desempenho da Evonik nos permitem desenvolver novas soluções para a indústria”.

“Na Evonik nós encontramos um investidor estratégico com conhecimentos abrangentes sobre plásticos para aplicação no setor de petróleo & gás”, diz Eric van der Meer, CEO da AOG. “Nós esperamos que isso nos traga um ímpeto adicional para desenvolver ainda mais o nosso negócio ”.

Excelentes propriedades mecânicas graças a fitas unidirecionais

As tubulações da AOG consistem em três camadas: Um duto polimérico interno é recoberto por um composto de fitas unidirecionais que, por sua vez, são envoltas por outro termoplástico. Polímeros como o polietileno, o polipropileno, a poliamida 12 e o PEEK podem ser usados para isso. Fitas unidirecionais são finas tiras poliméricas dotadas de fibras de reforço contínuo em alinhamento paralelo. Quando várias dessas tiras são empilhadas verticalmente em ângulos definidos e depois fundidas, o resultado é um compósito extremamente estável.

A expertise especial da AOG reside no design do material compósito e do tubo acabado, para uma variedade de aplicações: Todas as camadas são fundidas umas nas outras de modo inseparável, o que explica as extraordinárias propriedades mecânicas das tubulações, explica a Evonik. Por esse motivo, a AOG é vista como líder em inovação em tubulações de compósitos termoplásticos para aplicação no setor de petróleo & gás.

Como parte de suas atividades de venture capital, a Evonik planeja investir um total de €100 milhões em start-ups promissoras, detentoras de tecnologias inovadoras, e nos principais fundos de venture capital especializados. O foco regional se concentra na Europa, nos Estados Unidos e na Ásia. Atualmente, a Evonik detém participação em diversas start-ups e em três fundos.

A Evonik, com sede na Alemanha, éum dos principais líderes mundiais em especialidades químicas. A Evonik atua em mais de 100 países no mundo inteiro. No ano fiscal de 2014, mais de 33.000 colaboradores geraram vendas em torno de 12,9 bilhões de Euros e um lucro operacional (EBITDA ajustado) de cerca de 1,9 bilhão de Euros. No Brasil, a história da Evonik Industries, começou em 1953. A empresa conta hoje com cerca de 600 colaboradores no País e seus produtos são utilizados como matéria-prima em importantes setores industriais, como: automotivo, agroquímico, biodiesel, borracha, construção civil, cosmético, farmacêutico, nutrição animal, papel e celulose, plástico, química e tintas.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Evonik

Curta nossa página no

Victrex apresenta nova linha de compósitos termoplásticos para a indústria aeronáutica

26/10/2015

Victrex_paek_aeronautica

A Victrex, fornecedora de soluções à base do polímero termoplástico poliariletercetona(PAEK), acaba de apresentar ao mercado aeroespacial sua nova linha de compósitos denominada “Victrex AE250”, nos formatos de fita unidirecional (UD) e painéis laminados. A linha facilita a produção de suportes, grampos, pinças e alojamentos utilizados em estruturas primárias e secundárias de aeronaves. Tais componentes precisam ser reforçados para atender a condições adversas de pressão e altas temperaturas.

Segundo a Victrex, a nova linha de produtos proporciona redução de custos e maior agilidade nos processos produtivos e de instalação. Assegura a empresa que os compósitos Victrex® AE250 também reduzem o peso das peças em até 60%, quando comparados com aquelas fabricadas em metais como alumínio, aço inoxidável e titânio. A redução de peso se traduz diretamente em ganhos na eficiência no uso de combustível e, consequentemente, na diminuição das emissões de CO2 no ambiente. Os compósitos têm mostrado ainda resistência específica até cinco vezes mais elevada em comparação a dos metais, afirma a Victrex.

“Nossos compósitos à base de PAEK, juntamente com a revolucionária tecnologia de moldagem híbrida, permitem a fabricação de peças complexas, o que não era possível até agora”, destaca Tim Herr, diretor da Divisão Aeroespacial da Victrex.

De acordo com a fabricante de resinas, o desenvolvimento e lançamento dos compósitos, aliado à tecnologia de moldagem híbrida, lançada em 2014, oferece como vantagens uma melhoria nos tempos de ciclo, requisitos de energia mais baixos e eliminação de rebarbas em estruturas secundárias de aeronaves. Tais fatores ajudam a reduzir o custo total do sistema produtivo, algo prioritário para tornar a linha de montagem mais rápida e econômica. Segundo previsão de analistas, serão necessários pelo menos 35 mil novos aviões nos próximos 20 anos para substituir as frotas antigas e atender à demanda de vôos civis em todo o mundo.

“Uma das chaves para maior economia e eficácia na cadeia produtiva é a substituição de metais e termofixos por soluções termoplásticas de última geração. O trabalho em conjunto da Victrex com seus clientes, desde o conceito ao produto final, possibilita atingir uma incomparável combinação de redução de custos e peso, liberdade de design, resistência e velocidade de produção. Esses requisitos são cada vez mais valiosos tanto para fabricantes de fuselagem quanto sistemistas”, explica Herr.

Novos patamares de desempenho

Em comparação às soluções em resina termofixa, os compósitos Victrex AE250 permitem um processamento mais rápido e a utilização de métodos fora-da- auto-clave, além de serem 100% recicláveis, afirma a Victrex. A empresa também assegura que os produtos têm também melhor tolerância aos danos em comparação aos termofixos, bem como oferecem maior resistência química e à fadiga, com baixo índice de emissões de fogo, fumaça e toxicidade (FST). Quando comparados aos metais, os compósitos apresentam melhor resistência à corrosão, maior velocidade de processamento e isolamento térmico, com semelhante resistência ao impacto e tolerância aos danos, complementa a empresa.

A Victrex afirma que seus grades AE250 possuem uma excepcional performance em altas temperaturas e estabilidade térmica, além da ampla resistência química a fluidos e gases aeroespaciais e à hidrólise e corrosão.

Mais informações sobre o lançamento estão disponíveis online em http://www.victrex.com/ae250. A Victrex apresentará as novidades também durante as feiras CAMX (stand ZA92), em Dallas, no Texas (EUA), de 27 a 29 de outubro, e no Aircraft Interiors Expo (stand 205), em Seattle, Washington (EUA), entre 4 e 5 de novembro.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Victrex

Curta nossa página no