Posts Tagged ‘Cidade dos Compósitos’

MVC lança novos processos para produção de componentes para o setor eólico

10/05/2016

MVC_aerogeradorgamesa

A MVC desenvolveu um novo processo para a fabricação de peças de aerogeradores para atender ao setor eólico. Segundo a empresa, o processo inovador, denominado RTM Skin, permite a produção de componentes de grande porte (as maiores peças em compósitos produzidas pela empresa) com melhor produtividade, acabamento e menor impacto no meio ambiente.

De acordo com Gilmar Lima, diretor-geral da MVC, o novo processo, assim como os processos de infusão e RTM Light, estão sendo utilizados para a produção de conjuntos de aerogeradores do modelo G114 2.1 MW (conversores de energia eólica em elétrica) para a Gamesa Eólica Brasil, na Bahia. “O projeto da nova peça foi elaborado pela engenharia da Gamesa, na Espanha. Com o auxílio da equipe da MVC, foram desenvolvidos métodos e processos para ser fabricada no Brasil, atendendo aos requisitos de qualidade e disponibilidade de materiais do mercado nacional”, explica.

Os materiais utilizados nas peças são tecidos de fibra de vidro, núcleos, resina ortoftálica e gel coat isoftálico. Por se tratar de um produto em gel acabado, a peça deixa o molde já com acabamento final, sem nenhuma necessidade de pintura. Também são utilizados componentes metálicos e fixadores que fazem parte da montagem posterior.

“A grande vantagem destes processos é que permitem fabricar um aerogerador de dimensões maiores, com menor impacto ambiental, e com qualidade excepcional”, avalia Gilmar Lima. “Estamos nos antecipando e atendendo à nova tendência existente no mercado de criação de máquinas cada vez maiores. A carcaça da nova Nacelle (palavra utilizada para definir o corpo do aerogerador) que estamos produzindo para Gamesa é a maior peça em compósitos já fabricada pela MVC”.

A carenagem do rotor dos aerogeradores (Spinner) – local onde há o acoplamento das pás – é desenvolvida e produzida pelo processo de infusão, apropriado para peças grandes – cada spinner possui mais de 4 m de altura – e alto teor de fibra. O procedimento de fabricação da MVC permite a obtenção de componentes que oferecem padrões de desempenho mais elevados e acabamento superficial, maior resistência a intempéries e melhores propriedades mecânicas (resistência e durabilidade).

Fonte: MVC

Curta nossa página no

Anúncios

Almaco apresenta “Cidade dos Compósitos” durante feira em São Paulo

04/10/2012
  • Compocity vai reunir centenas de exemplos de aplicação do material
  • Compocity: 3.000 m² para exposição de produtos consumidos pelos setores de infraestrutura, transporte, energia, habitação e lazer

Um material tão versátil que dá para construir uma cidade inteira com ele? Sim, isso é possível e poderá ser conferido em São Paulo no dia 06/11, data de inauguração da Compocity, a cidade dos compósitos .  Construída pela Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (ALMACO), a Compocity será a maior atração da Feiplar, feira que reúne a cada dois anos as principais empresas desse setor no Expo Center Norte.

“A Compocity mostrará a nossa capacidade de desenvolver soluções para todos os segmentos, de infraestrutura e energia a transporte, habitação e lazer”, afirma Gilmar Lima, presidente da ALMACO.

Distribuída num espaço de 3.000 m², a Compocity terá casas homologadas pelo Minha Casa, Minha Vida e escolas construídas de acordo com os padrões do FNDE. Na área dedicada às aplicações em energia, pás eólicas, postes de transmissão e um posto de combustível; no “bairro” focado em soluções para o setor de transporte, ônibus, veículos off road, carros e um avião bimotor; na área de lazer, pista de skate, piscina, píer, jet ski e uma lancha; na praça central, quiosques, lojas, caixa eletrônico e orelhão. Fora as placas de sinalização das ruas, pontos de ônibus, outdoors e demais itens comuns a uma cidade real.

“Os compósitos fazem parte do nosso dia a dia, embora muitas pessoas não saibam. E a Compocity ainda servirá para mostrar que podemos auxiliar o Brasil a se desenvolver cada vez mais, a partir do fornecimento de produtos que combinam alta tecnologia, leveza, resistência e viabilidade econômica”, comenta Lima.

Posto de reciclagem

A ALMACO também reservou um espaço na Compocity para a operação de uma usina de reciclagem. O sistema de reaproveitamento do material – os compósitos são 100% recicláveis – foi desenvolvido pela associação em parceria com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). “Além de reaproveitar os resíduos, o nosso setor utiliza frequentemente resinas derivadas de fontes renováveis e fibras naturais, como juta e sisal”.

Resultantes da combinação entre polímeros e reforços – fibras de vidro, por exemplo – os compósitos são conhecidos pelos elevados índices de resistência mecânica e química. Há mais de 50 mil aplicações catalogadas em todo o mundo, entre elas, tanques, tubos, banheiras e pára-choques. Em 2012, a ALMACO calcula que o consumo brasileiro de compósitos será de 206.000 toneladas, o que deve gerar um faturamento de R$ 3,123 bilhões, 9,5% acima do registrado no ano passado.

Para mais informações, acessar www.almaco.org.br

Fonte: SLEA Comunicação / Almaco

Curta nossa página no