Posts Tagged ‘Catalisadores’

Evonik adquire a Porocel e acelera o crescimento do negócio de catalisadores

08/09/2020

  • Com a aquisição, a Evonik ganha acesso à tecnologia de regeneração de catalisadores e a capacidades de produção disponíveis
  • Regeneração de catalisadores reduz as emissões de CO2 e promove a economia circular
  • A aquisição enriquece o portfólio com foco em especialidades químicas estáveis e com altas margens

A Evonik adquire o grupo Porocel por US$ 210 milhões e acelera o crescimento do negócio de catalisadores. Baseada em Houston, Texas (EUA), a Porocel dispõe de uma tecnologia para a regeneração altamente eficiente de catalisadores de dessulfurização, produto em crescente demanda na produção de combustíveis com baixo teor de enxofre. A regeneração reduz as emissões de dióxido de carbono em mais de 50% na comparação com a produção de novos catalisadores para dessulfurização. Além disso, a Porocel dispõe de capacidade de produção disponível, permitindo que a Evonik agilize a expansão de seu negócio existente de catalisadores de leito fixo.

“Essa aquisição é o próximo passo lógico no contínuo desenvolvimento estratégico do nosso portfólio. Nosso foco se volta a especialidades químicas estáveis e com altas margens”, disse Christian Kullmann, presidente da diretoria executiva da Evonik. “Estamos ampliando de maneira sistemática a participação das especialidades em nossas atividades – e isso a uma valorização atraente”.

O preço de compra (enterprise value) é 9,1 vezes maior que o EBITDA ajustado de 2019, o que representa uma valorização atraente para um ativo de alta qualidade no setor de catalisadores. A operação deve ser concluída até o final de 2020 e está sujeita à aprovação das autoridades pertinentes.

A Porocel gerou vendas de cerca de US$ 100 milhões e um EBITDA de cerca de US$ 23 milhões em 2019. A margem EBITDA de cerca de 23% está acima da meta média de 18-20% da Evonik. A Porocel aumentou de maneira significativa seu EBITDA nos últimos três anos, impulsionada pelo desenvolvimento de novos produtos decorrentes da expansão de suas capacidades de pesquisa e desenvolvimento. A empresa emprega mais de 300 pessoas no mundo inteiro e possui unidades produtivas nos EUA, no Canadá, em Luxemburgo e em Singapura.

O posicionamento global da Porocel reforçará a presença mundial das atividades com catalisadores da Evonik. A boa complementaridade do portfólio de produtos e especialmente o aproveitamento das capacidades produtivas disponíveis da Porocel oferecem um potencial de crescimento considerável à Evonik. A empresa espera aumentar as vendas do negócio combinado de catalisadores para bem mais que 500 milhões de euros até o final de 2025, sem a necessidade de investir em novas capacidades.

Os catalisadores são essenciais para a produção de uma variedade de produtos químicos e de combustíveis limpos. O mercado se caracteriza por um amplo leque de aplicações e crescimento robusto de cerca de 4% com baixa ciclicidade.

Tecnologia da Porocel estimula a sustentabilidade

“A sustentabilidade e especialmente a economia circular desempenham papel decisivo para nós quando se trata de aquisições e da orientação do nosso portfólio”, diz Claus Rettig, responsável pela divisão Smart Materiais da Evonik. “Com a aquisição da Porocel, estamos em sintonia com a crescente tendência por combustíveis sem enxofre, pela redução das emissões de CO2 e a preservação de recursos. O processo de regeneração de catalisadores da Porocel resulta em significativamente menos emissões de CO2 que a fabricação de catalisadores novos, enquanto oferece eficiência comparável e um custo bem mais baixo”.

Com a aquisição, a Evonik ganha acesso a clientes importantes nos setores de petroquímico e de refino. As principais competências da Porocel consistem em eficientes tecnologias nos setores de adsorventes purificadores, catalisadores para recuperação de enxofre e, sobretudo, serviços de hidrotratamento destacados pela regeneração de catalisadores de dessulfurização usados.

“Nosso poder de inovação alavancado pelo talentoso time da Porocel combina muito bem com a cultura da Evonik. Estamos ansiosos por continuar o crescimento do negócio juntos”, disse Terence McHugh, presidente e diretor operacional da Porocel.

A operação será financiada pela posição de caixa da Evonik.

Curta nossa página no

Braskem dá novos passos em pesquisas sobre reciclagem química de plásticos

05/09/2020

Nova etapa envolve acordo de cooperação firmado entre a companhia, Fábrica Carioca de Catalisadores (FCC S.A.), Senai Cetiqt e Coppe/UFRJ com investimento total de R$ 2,7 milhões

Comprometida em desenvolver soluções inovadoras que contribuam à economia circular e ao desenvolvimento sustentável, a Braskem dá mais um importante passo para aprimorar a tecnologia de reciclagem química de plásticos pós-consumo. A companhia, que já vinha atuando em parceria com o EngePol – Laboratório de Engenharia de Polímeros da Coppe/UFRJ (Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro) e o Senai Cetiqt, por meio do Instituto Senai de Inovação em Biossintéticos e Fibras, agora assina acordo de cooperação para viabilizar as próximas fases dos estudos com as mesmas instituições de ensino e com a Fábrica Carioca de Catalisadores (FCC S.A.).

O contrato foi obtido após a Braskem participar de um processo seletivo aberto pelo Senai, por meio de edital público. Os investimentos nesta etapa da pesquisa estão estimados em R$ 2,7 milhões, entre recursos financeiros e humanos das instituições e empresas envolvidas.

Desde 2018, a Braskem vem empenhando esforços para aumentar a eficiência da tecnologia de pirólise, processo capaz de quebrar as moléculas da resina plástica por meio do calor, transformando-a novamente em matéria-prima que pode ser reinserida na cadeia produtiva do plástico. O objetivo do projeto é desenvolver catalisadores para melhorar a qualidade dos produtos gerados no processo de reciclagem química do plástico.

“Identificamos, no ano passado, após os nossos primeiros estudos em reciclagem química, a necessidade de desenvolver novos catalisadores. Após avaliarmos algumas opções, chegamos à FCC S.A., líder no fornecimento de catalisadores de FCC no mercado sul-americano, para compor os estudos em andamento com o Senai Cetiqt e Coppe/UFRJ. Agora que contamos com um corpo de pesquisa ainda mais completo e acesso à tecnologia adequada, será possível ganhar agilidade para avançar no desenvolvimento de uma solução de reciclagem química viável técnica e economicamente”, conta Gus Hutras, responsável pela área de Tecnologia de Processos da Braskem. “Esse projeto, que por enquanto é experimental, já demonstra grande potencial de impacto positivo à sociedade, à economia circular e à sustentabilidade”, complementa.

“O planejamento estratégico da FCC S.A. contempla explicitamente o desenvolvimento de novos produtos e mercados. Neste sentido, identificamos como prioritárias aplicações inseridas na economia circular e na bioeconomia, áreas com um enorme potencial de crescimento. Estamos muito confiantes no resultado deste projeto em conjunto com a Braskem, Senai Cetiqt e Coppe/UFRJ para reciclagem química de plásticos inservíveis de resíduos sólidos urbanos”, relata Sidney Martins, coordenador de Novos Negócios da FCC S.A.

Fabiana Quiroga, responsável pela área de Economia Circular da Braskem na América do Sul, aponta a principal vantagem de se investir na reciclagem química. “A partir desse processo, o resíduo plástico descartado é processado e transformado em matéria-prima novamente, que por sua vez dará origem a novas resinas plásticas. O caminho para isso está sendo trilhado: conectar pesquisa e inovação para criação de soluções sustentáveis. Queremos, a cada dia, desenvolver mais negócios e iniciativas de valorização dos resíduos plásticos, para assim, fechar o ciclo como um todo”, finaliza.

As instituições de pesquisa e ensino parceiras da Braskem nesta pesquisa também estão alinhadas ao objetivo de contribuir para a economia circular. “Temos como missão promover a sustentabilidade e competitividade da indústria química brasileira por meio do desenvolvimento de novos produtos e processos. No âmbito da economia circular, nos posicionamos como elo estratégico para a materialização de soluções que promovam impactos positivos nos negócios das empresas parceiras e na sociedade como um todo”, afirma Paulo Coutinho, gerente do Instituto Senai de Inovação em Biossintéticos e Fibras, do Senai Cetiqt.

José Carlos Pinto, professor titular do Programa de Engenharia Química da Coppe/UFRJ e coordenador do Laboratório de Engenharia de Polimerização (EngePol), também acredita nessa união de forças. “Visando estabelecer e consolidar os conceitos de economia circular no setor de plásticos, estudamos nos últimos anos os processos de reciclagem química de plásticos, sendo a pirólise térmica e catalítica, a técnica mais promissora. A parceria com Braskem, FCC S.A. e Senai Cetiqt será uma excelente oportunidade para que esses estudos alcancem maior escala”, descreve.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Polinox destaca os cuidados necessários na seleção de catalisador para RTM

30/11/2017

AAP ou blenda de AAP com MEK são as melhores alternativas

Há algumas semanas, a Polinox apoiou a organização de um evento sobre Fast RTM. Indicada para a fabricação de peças de compósitos consumidas pelas montadoras, a tecnologia é uma evolução do tradicional processo de RTM – em linhas gerais, combina o RTM de alta pressão com o sistema de compressão.

No Brasil, o RTM aparece com 12% de participação no ranking das tecnologias de moldagem de compósitos, segundo o último levantamento da Associação Latino-Americana de Materiais Compósitos (ALMACO). Pode parecer pouco, mas é o processo automatizado mais utilizado no país, à frente de enrolamento filamentar (9%), laminação contínua (7%), infusão (6%), pultrusão (5%) e BMC/SMC (5%).

Em termos de matérias-primas, assim como devem ser especificadas resinas e reforços próprios para RTM, com os catalisadores a situação é a mesma. “Ainda há no Brasil o paradigma de um catalisador para todos os processos. Ao adotar esse comportamento, o fabricante da peça acaba não tirando proveito das particularidades de cada produto”, afirma Sérgio Andrade, gerente industrial da Polinox.

Inicialmente, Andrade recomenda que o moldador utilize um catalisador de acetil acetona (AAP) no processo de RTM. “O AAP eleva o geltime, dando tempo de a resina ser injetada por toda a superfície do molde. Na sequência, uma vez que a resina gelificou, a polimerização acontece de forma acelerada, o que permite uma desmoldagem mais rápida se comparada à obtida com os outros catalisadores. Isso é fundamental numa tecnologia de média tiragem como o RTM”.

Agora, caso o fabricante deseje reduzir o geltime da resina, o melhor caminho é recorrer a uma blenda. “Recomendamos a blenda de AAP com metil etil cetona ou MEK”, observa Andrade.

Com fábrica em Itupeva (SP), a Polinox dispõe de capacidade para a produzir 360 toneladas/mês de catalisadores. Ao todo, são mais de 40 tipos – MEKP, BPO, AAP, TBPB, CHP e blendas – indicados para as tecnologias de moldagem aberta e fechada de compósitos, do tradicional processo de spray-up usado na fabricação de caixas d´água e piscinas até a complexa infusão de cascos de embarcações e pás eólicas.

Atualmente, a Polinox atende a mais de duas mil empresas, entre elas, as líderes dos setores de construção, transporte, infraestrutura, corrosão e náutico. Fundada em 1960, a Polinox é a única empresa 100% brasileira do seu segmento a dispor de sistemas de gestão baseados em normas internacionais, como ISO 9001 e ISO 14001.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Polinox

Curta nossa página no