Posts Tagged ‘Cadeiras’

Polietileno “verde” da Braskem é utilizado em linhas de cadeiras lançadas pela Tramontina

26/07/2018

Feito à base de cana-de-açúcar, material possui mesma resistência, durabilidade e peso do plástico derivado de fontes fósseis

Combinar sofisticação em design com práticas ecologicamente corretas é a proposta das cadeiras Jet e Paco, resultado da parceria entre a Braskem e a Tramontina. Os produtos são feitos com o Plástico “verde” I’m greenT.

A resina “verde”, derivada da cana-de-açúcar, possui as mesmas características físicas do PE convencional, podendo ser totalmente aproveitada pela cadeia de reciclagem tradicional. Segundo a Braskem, um dos seus principais diferenciais é a captura de 3,09 toneladas de CO2 a cada tonelada produzida, contribuindo para a redução da emissão dos gases causadores do efeito estufa na atmosfera.

Com a mesma resistência, durabilidade e peso das cadeiras feitas com o plástico de origem fóssil, as linhas Jet e Paco utilizam o selo I’m greenT da Braskem, para que o consumidor reconheça os produtos feitos com o Plástico “verde”, produzido em sua fábrica localizada em Triunfo, no Rio Grande do Sul (RS). A planta possui capacidade para a produzir 200 mil toneladas de resina renovável por ano.

Para veicular o selo, as peças precisam passar por um teste de verificação do carbono 14, o mesmo feito para saber a idade de materiais fósseis. Para ser aprovada, a peça precisa conter ao menos 51% de material renovável.

As cadeiras Jet e Paco já estão sendo vendidas em lojas on-line e físicas.

Contando com 8 mil colaboradores, a Braskem tem uma produção anual de 20 milhões de toneladas, incluindo produtos químicos e petroquímicos básicos, e receita líquida de R$ 50 bilhões (em 2017). Exporta para Clientes em aproximadamente 100 países e opera 41 unidades industriais, localizadas no Brasil, EUA, Alemanha e México, esta última em parceria com a mexicana Idesa.

Há 107 anos a Tramontina iniciou como uma pequena ferramentaria no Sul do Brasil, na cidade de Carlos Barbosa (RS). Hoje produz mais de 18 mil itens em dez fábricas no país – oito no Rio Grande do Sul, uma em Belém (PA) e outra em Recife (PE). Atualmente, conta com mais de oito mil colaboradores e leva seus produtos para mais de 120 países, nos segmentos utensílios e equipamentos para cozinha, eletros, ferramentas para agricultura, jardinagem, manutenção industrial e automotiva, veículos utilitários, construção civil, além de materiais elétricos e móveis de madeira ou plástico.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Anúncios

Tramontina registra ganhos com nova resina da Braskem

06/08/2015

Tramontina_BraskemHá pouco mais de um ano disponível no mercado, a resina KM 6150HC, desenvolvida pela Braskem para uso em cadeiras plásticas, já apresentou expressivos resultados de eficiência para clientes, como a Tramontina, que foi parceiro na criação deste produto. Segundo a fabricante da resina, o grade, que faz parte da linha Braskem Maxio®, foi responsável por um aumento de 10% em produtividade, assim como por uma redução de 10% no consumo de energia, podendo reduzir 10% no peso em novos projetos da fabricante.

A Tramontina utiliza a resina KM 6150HC em cerca de 40% do seu portfolio, que contempla mais de 50 modelos diferentes de cadeiras. “Há anos estamos em busca de um material que nos ajude a diminuir custos de produção, mas que não deixasse os móveis frágeis. Com esta resina, podemos atender a todas as normas do INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) e ainda garantir ao consumidor uma cadeira mais segura, resistente a qualquer impacto e confortável”, relata Luciano Amorim, engenheiro de produção da empresa.

Os ganhos obtidos com as resinas dessa linha estão alinhados aos pilares do selo Braskem Maxio® de redução de consumo energético, aumento da produtividade e diminuição de peso em peças finais.

“A Braskem está em constante alinhamento com os clientes para desenvolver produtos de qualidade, que permitam ganho em eficiência e supram as necessidades dos consumidores. Resultados como esse reforçam a nossa atuação e demonstram a importância de investir em tecnologia, inovação e processos sustentáveis”, afirma Jefferson Bravo, engenheiro de desenvolvimento e aplicações da Braskem.

Neste ano, a linha Braskem Maxio®, marca exclusiva da Braskem, ganhou um aplicativo para smartphones que calcula as vantagens de utilizar o portfólio com este selo em processos de injeção. Os benefícios são estimados de forma simples e rápida, bastando apenas que o usuário insira dados sobre a peça produzida em duas situações: utilizando uma resina comum e utilizando uma resina Maxio®. O aplicativo está disponível nas plataformas Android e iOS sob o título Braskem Maxio®.

Fonte: Braskem

Curta nossa página no

Estádio do Morumbi recebe os primeiros assentos fabricados com polietileno derivado de etanol

25/07/2012

A giroflex-forma, em parceria com Braskem e Cromex, estreia a primeira linha de assentos produzidos apenas com matéria-prima renovável  no estádio do São Paulo Futebol Clube.

A giroflex-forma, líder no mercado mobiliário em toda a América Latina, lança os primeiros assentos do país feitos a partir de plástico de origem renovável, no camarote do Estádio do Morumbi, em São Paulo. Desenvolvidas em parceria com Cromex e Braskem, as cadeiras instaladas utilizam o polietileno oriundo do etanol de cana-de-açúcar —matéria-prima 100% renovável, de alto valor agregado e reciclabilidade.

“A novidade para todos nós é a sustentabilidade envolvida na concepção do projeto. Isso porque o plástico utilizado nos assentos tem como matéria-prima o etanol, fonte renovável de energia, o que substitui o composto tradicional a base de petróleo”, afirma Linaldo Vilar, diretor de novos negócios da giroflex-forma. Nos próximos três anos, a empresa pretende investir quase R$ 6 milhões no mercado de assentos para arenas esportivas.

Fabricada pela Braskem, maior produtora mundial de biopolímeros, a resina dos ‘assentos de cana’ é mundialmente reconhecida por manter os benefícios e propriedades do polietileno tradicional e ser mais sustentável. O diferencial mais importante é sua capacidade de contribuir para a redução do efeito estufa: para cada tonelada produzida, são capturadas e fixadas até 2,5 toneladas de gás carbônico (CO2) da atmosfera.

A Cromex, empresa líder no mercado de concentrados de cores e aditivos, desenvolveu uma nova geração de compostos com o PE Verde, que serão usados nos mesmos assentos. São aditivos de performance e processo, com formulações isentas de metais pesados e propriedades retardantes de chama livre de halogênios, que seguem os pré-requisitos das normativas FIFA e ABNT.

Fonte: Braskem / Giroflex (foto)

Curta nossa página no

Plástico Verde da Braskem será usado nos assentos do Amsterdam ArenA

11/11/2011

Acordo com petroquímica brasileira prevê fornecimento de matéria-prima para 2 mil bancos feitos de plástico de origem 100% renovável no estádio holandês

A Braskem, líder em produção de resinas termoplásticas nas Américas e maior produtora mundial de biopolímeros, fechou uma parceria com o Amsterdam ArenA e vai fornecer o seu Plástico Verde para a fabricação dos assentos do estádio multifuncional holandês. Já nos próximos meses serão instalados 2 mil bancos feitos com plástico de etanol da Braskem, em adição aos 52 mil existentes. Ao final dos próximos dois anos, todos os 54 mil assentos serão de plástico feito com matéria-prima 100% renovável e tecnologia brasileira. O anúncio está sendo feito nesta sexta-feira, dia em que a Holanda comemora nacionalmente o Dia da Sustentabilidade.

A instalação dos “sugar seats”, como estão sendo chamados os assentos, faz parte da estratégia de fazer do Amsterdam ArenA o cartão de visitas da capital mais sustentável do mundo. O estádio foi inaugurado em agosto de 1996 e passa por obras de melhoria na parte destinada ao público, sem prejuízo para os espetáculos como o amistoso de hoje entre as seleções de futebol da Holanda e Suíça. Toda a reforma é norteada por diretrizes de sustentabilidade. Em 2015, o estádio será ecologicamente neutro, sem qualquer emissão de gás carbônico.

A Braskem fabrica o Plástico Verde desde setembro de 2010, quando inaugurou em Triunfo (RS) a maior unidade industrial de eteno derivado de etanol do mundo, com capacidade de produção de 200 mil toneladas de polietileno verde por ano. Ao contrário do plástico de origem fóssil, o Plástico Verde apresenta um balanço ambiental positivo: para cada tonelada produzida, são retirados até 2,5 toneladas de gás carbônico (CO2) da atmosfera.

“A presença do Plástico Verde no Amsterdam ArenA está totalmente alinhada com a estratégia da Braskem de tornar-se líder global da química sustentável”, disse Marcelo Nunes, diretor de Negócios de Químicos Verdes da Braskem. “A parceria da Braskem com a Station Amsterdam se soma a outras já consolidadas nos últimos meses, que reuniram empresas empenhadas em iniciativas sustentáveis”, afirma.

 O projeto da fábrica de eteno verde, concebido com tecnologia própria da Braskem, teve investimentos de R$ 500 milhões. O produto tem importantes clientes no Brasil e no mundo, como Procter & Gamble, Nestlé, Toyota Tsusho, Natura, Tetra Pak, Danone e Chanel, entre outros.

 Fonte: Braskem