Posts Tagged ‘Brasilplast’

Arburg obtém bons resultados durante Brasilplast 2011.

06/06/2011

• Muitas conversas profissionais e interesse do setor de embalagem
• Allrounder 720 H híbrida de alto rendimento produziu tampas de rosca
• Apresentação do novo Integralpicker V elétrico

Para a filial da ARBURG em São Paulo, a Brasilplast foi o evento público mais importante na América Latina este ano. Inúmeros visitantes do setor técnico, sobretudo da indústria de embalagens que apresenta um forte crescimento, demonstraram interesse pelas máquinas injetoras “Made in Germany”.

“A maior feira de plásticos da América Latina foi um sucesso incomparável para nós”, é o balanço de Kai Wender, diretor-geral da filial da ARBURG no Brasil. “As indústrias de cosméticos e de embalagem estão apresentando um forte crescimento nos dias de hoje. E foi justamente com os visitantes profissionais desses mercados que tivemos conversas muito produtivas. O que chamou a atenção foi o grande interesse em nossas máquinas de moldagem da linha Hidrive.”

Representando essa linha de máquinas, uma Allrounder 720 H com 3.200 kN de força de fechamento e uma unidade de injeção do tamanho 1300 produziu tampas flip-top para tubos cosméticos. Por causa de sua alta velocidade de injeção a máquina híbrida de alto rendimento com tecnologia de acumulador hidráulico é predestinada para aplicações no setor de embalagem. Em cada tempo de ciclo de 11,8 segundos foram fabricadas 24 tampas de rosca de 40 milímetros de diâmetro. O débito de passagem compreendeu 45,6 quilogramas em uma hora.

A ARBURG também apresentou uma instalação compacta em torno de uma Allrounder 320 Golden Edition com 500 kN de força de fechamento. Na máquina injetora hidráulica foi produzido em um tempo de ciclo de 20 segundos um buggy de brinquedo completo: rodas, chassi e capota foram injetados simultaneamente. Os canais de injeção do novo Integralpicker V são da ARBRUG e os três eixos servoelétricos proporcionam tempos curtos de configuração e de ciclo. “No Brasil, a excelente relação custo/benefício dessa linha Made in Germany é um grande atrativo”, acrescenta Kai Wender. “Graças à precisão e repetibilidade, essa máquina é muito cobiçada por aqui, além de ser um modelo básico ideal para a produção automatizada de peças moldadas.”

Fonte: Arburg

Anúncios

Steelmach obtém resultados positivos na Brasilplast 2011.

31/05/2011

Estreando como expositora na Brasilplast, a Steelmach vendeu dez máquinas durante a feira, incluindo as duas em exposição, resultando em negócios acima do esperado. Durante a feira foram expostas uma Rhino de 128t de força de fechamento e uma LG LS Mitron elétrica de 150t. Alguns dos diferenciais da injetora LG LS Mitron  são:

1. Consome até 70% menos energia, é 50% mais silenciosa e livre de contaminação por não utilizar óleo hidráulico.

2. Apresenta controlador HICOM-β com Loop Fechado completo:

* Sistema de fechamento toggle de 5 pontos;

* Microprocessador 32bits, base Windows;

* Auto diagnóstico, alarmes e monitoração.

3. Acionamentos via servomotor AC com resposta rápida.

4. Aumento da produtividade através da operação de movimentos simultâneos.

5. Projeto e design de acordo com os padrões de segurança.

6. Projeto da estrutura otimizado por análise de elementos finitos:

* Simples mas confiável e com placas rígidas;

* Ciclo de vida longo.

7. Expansão opcional.

8. Injetora de 2 cores de 110ton e 150ton (injeção paralela).

A série LGE oferece injetoras nas capacidades de 30 a 550 toneladas em três versões: standard, high speed e super high speed, podendo chegar até 800mm/s de velocidade de injeção.

Fonte: Steelmach

BRASILPLAST 2011 confirma projeções positivas para o setor do plástico no Brasil

23/05/2011

Expositores comemoram fechamento de negócios durante a feira, que atraiu 65 mil visitantes-compradores

A BRASILPLAST (13ª Feira Internacional da Indústria do Plástico), promovida pela Reed Exhibitions Alcântara Machado, refletiu o bom momento da economia brasileira com a retomada de investimentos em toda cadeia produtiva do plástico. Na avaliação de grande parte dos 1390 expositores, sendo 504 internacionais, o balanço foi positivo, com realização de negócios concretizados entre os dias 9 e 13 de maio, que serão ampliados ao longo dos próximos meses. Esta edição também foi marcada por novas soluções em produtos e serviços de reciclagem e biodegradação, que atraíram  65 mil visitantes-compradores ao Pavilhão de Exposições do Anhembi.

 As linhas de crédito oferecidas pelo BNDES e Nossa Caixa também contribuíram para fomentar negócios na BRASILPLAST. Segundo o gerente de promoções e eventos do BNDES, Sidney Ferreira de Carvalho, 80% dos atendimentos realizados durante a feira eram de micro e pequenas empresas e 20% de médias empresas, interessadas em financiamentos de máquinas. Nos cindo dias de feira, foram registrados 158 atendimentos. A Agência de Fomento Paulista/Nossa Caixa emitiu Cartas de Crédito no valor de R$ 5 milhões, para financiar o desenvolvimento de pequenas e médias empresas paulistas, assim como a compra de equipamentos.

 Além de consolidar as marcas e estreitar contatos com novos clientes, várias empresas conseguiram fechar negócios na feira. Expositores do setor de máquinas e equipamentos realizaram vendas que, somadas, atingiram aproximadamente R$ 6 milhões.  Os excelentes resultados foram atingidos pela Staübli, que superou a cifra de R$ 1 milhão, seguidas pela Wortex, com R$ 3 milhões em equipamentos, e a Coperion, com R$ 2 milhões. Sem revelar o volume de negócios, a Carnevalli vendeu 10 máquinas.

 A feira também atraiu investidores estrangeiros para a 24ª edição do Projeto Comprador, que faz parte do Programa Export Plastic, em parceria com a APEX (Associação Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), reuniu 29 empresas brasileiras e seis estrangeiras, nas rodadas de negócios realizadas no primeiro dia da BRASILPLAST. Representantes de empresas americanas e chilenas, se encontraram com empresários brasileiros em 81 reuniões de negócios.

 Avaliação das entidades setoriais

 Para o presidente do Conselho Diretor da Associação Brasileira da Indústria Química (ABIQUIM), Henri Slezynger, os negócios realizados e o número de visitantes, do Brasil e do exterior, são indicativos da expectativa de forte crescimento do mercado para produtos plásticos nos próximos anos. “Os fornecedores de matérias-primas, de máquinas e equipamentos e os transformadores que participaram da BRASILPLAST demonstraram que estão preparados para atender ao aumento da demanda do mercado e competir no mercado externo”, afirma

 Na avaliação do presidente do Sindicato da Indústria de Resinas Plásticas (Siresp), Luiz de Mendonça, a BRASILPLAST teve resultados muito positivos: “mais uma vez, a feira abriu espaço para que a indústria pudesse mostrar o seu potencial para contribuir com o desenvolvimento do País, no momento em que o Brasil se apresenta como palco de oportunidades e de investimentos. Para um crescimento projetado do PIB brasileiro de 4,5% em 2011, o consumo aparente deve evoluir acima de 9%, mantida a elasticidade histórica de aumento da demanda ao redor de duas vezes em relação ao PIB”.

 “A ideia de criar a Operação Reciclar foi unir todos os projetos relacionados à reciclagem em um mesmo espaço. O plástico é reciclável, mas para vermos esse resultado, é necessário que empresas, governo e população se unam em uma mesma ação. Quando o governo investe, por exemplo, em coleta seletiva, a população se sente motivada a separar seu lixo. Mas elas também querem ver esse esforço gerando resultados. Com a união desses três componentes, a reciclagem no Brasil pode se tornar, de fato, uma realidade”, afirma Miguel Bahiense Neto, Presidente da Plastivida, do Instituto do PVC e do INP (Instituto Nacional do Plástico).

 Participação Internacional

 A BRASILPLAST contou com maior participação de empresas internacionais, em comparação com a edição anterior, que reuniu 30 países. Este ano, participaram importantes companhias de 36 países, entre eles Alemanha, Itália e Canadá. Sendo que Turquia, Dinamarca e Irã, estiveram pela primeira vez no evento.

 O pavilhão Italiano trouxe 43 empresas. Segundo Mônica M.M. Cardoso, representante do Instituto Italiano para o Comércio Exterior da Embaixada da Itália, “a Acma fez ótimos negócios, e a Tecnodinamica, estreou na feira com uma grande venda”.

 A empresa mexicana Conair também participou pela primeira vez. “Notamos um interesse muito grande por parte dos visitantes, com oportunidades de negócios. Somos representantes de vendas na América Latina e a meta é de ampliar nossa presença no Brasil”, explicou o Engenheiro Analdo O. Monteiro.

 O balanço também foi positivo para os dez expositores do pavilhão da Turquia. De acordo com Mehmet Karaçonan, do departamento de produtos químicos da IKMIB, associação filiada à secretaria do comércio exterior da Turquia, “os negócios foram muito bem. Atingimos nosso objetivo maior que era estar em contato com clientes e apresentar as nossas marcas”.

 No pavilhão da Suíça, as empresas também comemoraram. “Nosso principal objetivo é mostrar equipamentos de ultrassom de alta tecnologia. Conseguimos fechar muitos negócios com compradores que realmente nos interessam”, afirmou Alda Bottega, gerente administrativa da TEC-B.

 Confira depoimentos de outros expositores

 Antonio Lopes, Diretor Comercial da Sandretto: “A feira está muito boa e nos proporcionou a concretização de negócios. Acredito que participar de feiras como a BRASILPLAST é muito importante, pois a empresa tem a oportunidade de divulgar os produtos e a força que a empresa tem no mercado. Com certeza, estaremos presentes na próxima edição”.

 Alexandre Fix, Diretor Comercial da Polimold: “A feira está fantástica e os visitantes são de alto nível. O objetivo principal da Polimold não é fechar negócio, mas sim a confraternização com nossos clientes. Recebemos visitantes de todo o Brasil e do exterior, como Argentina e Chile. Pretendemos voltar em 2013”.

 Andreas Fleischhauer, Diretor da Unidade Regional de Negócios de Plástico e Espumas da Basf América do Sul: “A feira tem sido um grande sucesso. A BRASILPLAST deixou de ser uma feira brasileira para se tornar internacional. Nossa intenção é divulgar a marca Basf, e a feira tem sido um ótimo caminho para isso”.

 Ricardo Knecht, Diretor Presidente da Sabic América do Sul: “Esse ano tem sido especialmente bom para a Sabic. Com a retomada da economia brasileira, aumento na infraestrutura e a vinda de eventos importantes ao país, o Brasil cresceu e isso trouxe benefícios à empresa”.

 Hermes Alberto Lago Filho, diretor da Romi: “Tudo indica que o mercado será positivo para o próximo semestre, a BRASILPLAST consegue mostrar todas as tendências para o resto do ano. Este ano a feira está melhor, até porque o cenário colaborou, se compararmos com o ano de 2009. Sempre participamos desta feira, afinal, aqui conseguimos expor os nossos produtos para o público certo, voltado para o nosso setor”.

 Laercio Gonçalves, Presidente da Activas: “Estamos sempre presentes na BRASILPLAST. O nosso objetivo não é vender produtos, mas sim, criar relacionamentos. Nesta edição, a feira trouxe visitantes de qualidade, voltados para o nosso setor. Conseguimos aumentar a nossa carteira de clientes”.

 José Carlos Nunes de Freitas, diretor comercial da Flexopower: “Há 17 anos, participamos da BRASILPLAST, que abre oportunidade de negócios, relacionamento com novos clientes e a exposição dos nossos produtos e tecnologias”.

 Nestor de Mattos, diretor de vendas da Dow: “Nesta edição da BRASILPLAST os visitantes estão mais informados e voltados para o setor. A feira é uma excelente oportunidade para criar relacionamentos, que é o nosso objetivo. Aqui, conseguimos plantar boas sementes para colher excelentes frutos no futuro. Sempre trazemos para feira o que há de melhor e mais moderno para apresentar ao nosso público”.

 Carlos Alberto Tieghi, Vice Presidente da Solvay: “A feira superou nossas expectativas em relação aos visitantes e contatos de qualidade. Tivemos no estande, a presença de visitantes de toda a América Latina e de outros países. Conseguimos criar relacionamentos, adquirir novos clientes e expor o nosso produto para o público certo”.

 Marcelo Calil Bianchi, diretor comercial da Unigel: “Este ano a quantidade e a qualidade dos visitantes nos surpreenderam. Participamos com um espaço maior, recebemos diversas visitas internacionais, o que deve gerar de novos negócios”.

 Frank Alcântara, diretor de marketing institucional da Braskem: “Acreditamos muito na BRASILPLAST como um dos mais importantes eventos do setor. Por isto, trazemos a cultura da empresa para o evento, que oferece oportunidade de muitos encontros com os clientes. Investimos muito em inovação e tecnologia, para deixarmos os clientes à vontade e estabelecermos as relações de parceria. O estande foi o maior da feira, ocupando 2400 m², com 350 funcionários trabalhando diariamente. Também foram realizadas 20 palestras, que contaram com a participação de cerca de 50 pessoas cada”.

 Andrea Guimini, diretora comercial da Acma (Itália): “O resultado foi muito positivo. Esperamos que feira nos traga grandes frutos. Temos a intenção de abrir uma filial aqui e participar da próxima edição da BRASILPLAST”.

 Flávio Modoco, diretor de exportações da Termodinamica (Itália): “Vendemos máquinas desde o primeiro dia, o que nos deixou muito felizes e satisfeitos”.

 Víctor Costa, gerente de desenvolvimento de negócios da UBE: “Estamos muito impressionados com a quantidade e qualidade de visitantes. Todos queriam conhecer nossos produtos e entender o que podemos oferecer em relação à concorrência.”

 Renato Santacroce, gerente de vendas para a América Latina da Milliken: “Nesta edição, a visitação melhorou em qualidade em relação a 2009. A feira é uma plataforma de relacionamento que posteriormente gera frutos. Fechar vendas no evento não é o nosso modelo de negócios. Já recebemos propostas muito boas na feira sobre o produto.”

 Geraldo Luis de Lorena Pires, Consultor de Projetos Sócioambientais da Plastivida: “Estamos contentes com a repercussão que o Operação Reciclar teve na BRASILPLAST. Essa foi a 1ª edição do projeto, que está sendo bem comentada. A nossa intenção, com o espaço, é mostrar que o plástico é 100% reciclável.”

Fonte: Assessoria de Imprensa BRASILPLAST

Fotos (crédito): Getty Images

Agência de Fomento Paulista emite mais de R$ 5 milhões em Cartas de Crédito durante a Brasilplast

19/05/2011

Pequenos e médios empresários puderam contar com baixas taxas de juros para expandir seus negócios. Linha Economia Verde foi destaque para financiar reciclagem e desenvolvimento sustentável.

A presença da Agência de Fomento Paulista na Brasilplast atingiu bons resultados ao financiar o desenvolvimento sustentável das pequenas e médias empresas paulistas, assim como a compra de equipamentos. As Cartas de Créditos emitidas na feira atingiu o valor de R$ 5 milhões. A Feira ocorreu do dia 9 a 13 de maio no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo.

O primeiro financiamento efetuado pela Agência de Fomento Paulista na BrasilPlast foi firmado entre a Pavan Zanetti – Indústria Metalúrgica Ltda., localizada no município de Americana, em São Paulo, e duas empresas do Rio de Janeiro de um mesmo empresário, Raízes Indústria e Comércio de Embalagens e Serviços Ltda. – voltadas, respectivamente, para o financiamento de máquinas destinadas ao setor de embalagens plásticas para cosméticos e óleos lubrificantes de carro, no valor de R$ 1,6 milhão.

A presença da Agência de Fomento Paulista na BrasilPlast incentiva  a realização de negócios pois opera com taxas de juros abaixo das do mercado  atendendo assim às necessidades dos empresários interessados em expandir seus negócios. É o caso da Pavan Zanetti, fabricante de sopradoras e injetoras para plásticos, da cidade de Americana, que fechou a venda de duas das suas mais modernas máquinas para o empresário carioca, Roberto Ávila.

Segundo Newton Zanetti, diretor da Pavan Zanetti, a participação da  Agência de Fomento Paulista como agente financiador é indispensável para que o sucesso de eventos semelhantes à BrasilPlast ocorra. “Faltam opções de serviço de crédito para que possamos atender também os pequenos e médios empresários”, relata o diretor. “Obter crédito rápido a juros tão baixo e com prazos mais extensos para pagar é a oportunidade que todo empresário procura e a Agência de Fomento Paulista oferece “, frisa.

Com o financiamento a fabricante Pavan Zanetti terá seu setor de produção diretamente beneficiado. “Hoje, com 205 funcionários, o número de trabalhadores da indústria irá aumentar por conta do negócio fechado”, conta Zanetti. Segundo ele, o financiamento realizado pela Agência de Fomento Paulista fará com que, em breve, novas contratações sejam efetuadas para preencher o quadro de funcionários da nova sede da Pavan Zanetti, a ser inaugurada ainda este ano. As duas Cartas de Créditos aprovadas são no valor de R$ 1,2 milhão e  R$ 420 mil.

A linha de financiamento para a compra de máquinas e equipamentos apresentada na BrasilPlast conta com uma taxa de juros de 0,65% ao mês (+IPC/Fipe) e prazos que podem chegar até 5 anos, com 12 meses de carência, a mesma adiquirida pelo empresário Roberto Ávila para a compra das máquinas da Pavan Zanetti. “As taxas oferecidas são muito abaixo do mercado. É o apoio indispensável que todo empresário como eu necessita. A Agência de Fomento Paulista foi capaz de possibilitar a concretização dos planos de expansão das minhas indústrias”.

Presente na BrasilPlast, Carlos Nogueira, Diretor Financeiro da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), entidade parceira da Agência de Fomento Paulista, também defende os benefícios oferecidos. “O objetivo é um só – buscar o desenvolvimento das cidades do Estado e não há instituições que ofereçam tantas facilidades como a Agência de Fomentos”.

É a Agência de Fomento Paulista colaborando para o desenvolvimento de setores produtivos da econômia do Estado de São Paulo,  gerando novos postos de trabalho, geração de renda e de novos empregos.

Linha Economia Verde
A linha de financiamento Economia Verde tem como objetivo financiar projetos sustentáveis e que beneficiem o meio ambiente como o fortalecimento da indústria de reciclagem do plástico. Os pequenos e médios empresários de São Paulo contam com uma taxa abaixo da encontrada no mercado para projetos de ampliação e compra de máquinas e equipamentos. Os juros são de 0,49% ao mês (+IPC/Fipe), com prazo de até 5 anos e 12 meses de carência.

Fonte: Assessoria de Imprensa BRASILPLAST

Foto (crédito): Getty Images

Na Brasilplast, empresas apresentam soluções para minimizar Impacto Ambiental.

17/05/2011

Volume de negócios gerados foi impulsionado pela alta tecnologia da indústria do plástico, que mostrou no evento novas soluções e serviços.

 Mais de 16 toneladas de materiais produzidos a partir do plástico foram arrecadadas, durante a 13ª edição da BRASILPLAST (13ª Feira Internacional da Indústria do Plástico), realizada de 9 a 13 de maio no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo. Iniciativa da Reed Exhibitions Alcantara Machado com a Plastivida e empresas do setor, a OPERAÇÃO RECICLAR recolheu e deu destinação adequada aos materiais processados nos estandes da feira. Apenas parte da coleta foi reciclada na área de demonstração da OPERAÇÃO RECICLAR. De acordo com a diretora da BRASILPLAST, Liliane Bortoluci, a decisão de montar o projeto veio da necessidade de mostrar à sociedade que as empresas vêm desenvolvendo produtos e aplicações que não agridem o planeta. “Com a iniciativa, o setor contribui com a redução do desperdício e mostra várias possibilidades de reuso para o plástico”, afirmou.

 Para ampliar esse debate, a BRASILPLAST, considerada a terceira maior feira do mundo no setor da indústria do plástico e a principal da América Latina, também promoveu uma conferência simultaneamente ao evento, nos dias 10 e 11 de maio. Segundo Márcia Coimbra, gerente da unidade de negócios e conferências da Reed Exhibitions Alcantara Machado, a iniciativa foi muito bem sucedida. “Tivemos retorno de um público bastante qualificado, sendo a maioria vinculada à indústria do plástico”, disse. Durante os dois dias de conferência, 190 pessoas assistiram às palestras e debateram assuntos ligados à sustentabilidade de embalagens, nanotecnologia e plásticos biodegradáveis, entre outros temas.

 Na esteira dessa preocupação do setor com a sustentabilidade, os negócios concretizados na semana também foram relevantes e surpreenderam. Só no penúltimo dia da feira, a expositora Hece vendeu 10 máquinas. “Nossa expectativa é superar esse número até o encerramento do evento”, disse Luiz Fernando, diretor da empresa. De acordo com o presidente da Wortex, a feira reuniu compradores mais qualificados este ano. “Dos visitantes que recebemos em nosso estande, cerca de 30% são estrangeiros. Até o momento, vendemos R$ 3 milhões em máquinas”, afirmou Paolo De Filippis.

 Outro destaque da edição de 2011 foi a participação internacional. Este ano, 36 países levaram expositores para a feira, ante 30 da edição de 2009, entre eles Itália, Alemanha, Suíça, Estados Unidos, México, Índia e China, sendo que Turquia, Dinamarca e Irã estiveram pela primeira vez no evento. Para o gerente de vendas da alemã Kreyenborg Group, é uma oportunidade única. “Temos muito orgulho de participar da feira”, disse. No pavilhão da Suíça, as empresas também comemoraram. “Nosso principal objetivo é mostrar equipamentos de ultrassom de alta tecnologia. Já conseguimos fechar muitos negócios com compradores que realmente nos interessam”, afirmou Alda Bottega, gerente administrativa da TEC-B.

 O volume total de negócio movimentado pelas empresas e os financiamentos emitidos pelos bancos presentes na BRASILPLAST estão sendo apurados e serão divulgados na próxima quarta-feira (18).

Fonte: Assessoria de Imprensa BRASILPLAST

Fotos (crédito): Getty Images

Soluções de cobertura e assentos para estádios da SABIC IP oferecem conforto, durabilidade e são sustentáveis

16/05/2011

As chapas Lexan* da SABIC IP são usadas em estádios no mundo todo.

A SABIC Innovative Plastics demonstra, novamente, liderança no setor ao exibir, na Brasilplast 2011, dois materiais com tecnologia de ponta para a construção de estádios esportivos .

Os produtos são a resina Valox*, com estabilizante de raios ultravioleta (UV) e propriedade retardante de chama, atendendo às rigorosas exigências da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para estádios abertos e fechados, e a nova chapa ultrarrígida Thermoclear*Lexan* para coberturas e fechamentos verticais.. Esses materiais agregam valor em termos de conforto e segurança do público, oferecendo mais liberdade de design e atendendo às exigências normativas mais rigorosas, em comparação aos materiais tradicionais.Estes produtos fazem parte do amplo e crescente portifólio da SABIC Innovative Plastics destinado à construção civil, incluindo a linha de chapas compactas e a chapa Lexan Thermoclick*.

Com três décadas de desempenho comprovado, a chapa Lexan* é o material preferido dos arquitetos e designers para coberturas, paredes, fechamentos verticais de escadas, entre outras aplicações, comoarenas e estádios.

“Os grandes eventos, como Copa do Mundo e Olimpíadas, colocarão o foco do mundo nos estádios e arenas do País”, declara Ricardo Knecht, presidente da SABIC Innovative Plastics no Brasil.

“Nesse contexto, os produtos exclusivos da SABIC Innovative Plastics se destacam pelo design, desempenho e responsabilidade ambiental. A leve e versátil resina Valox, por exemplo, nos permite ser um dos poucos fornecedores a oferecer materiais para a confecção de assentos de estádios que atendem às novas normas da ABNT, incluindo conformidade com a legislação ambiental de REACH (Regulamentação, Avaliação, Autorização e Restrição de Produtos Químicos)”, explica o executivo.

“Nossas chapas Lexan* são a escolha ideal para conservar energia, possibilitando a criação obras com sistemas de coberturas e fechamento laterais de grande porte.”, completa Knecht.
A equipe de design e engenharia da SABIC Innovative Plastics trabalha em conjunto com representantes oficiais brasileiros para possíveis projetos para a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, que serão realizados no Brasil.

Nos assentos da primeira fila

A resina Valox da SABIC IP é uma boa opção para aplicações em assentos de estádios

Além de atender às novas normas da ABNT, que incluiem o UL94 V0 a 3 mm e as normas REACH, a resina de tereftalato de polibutadieno Valox (PBT) utilizada para a confecção de assentos dos estádios oferece excelente resistência a impactos, entre outras propriedades, como alto desempenho.

Diferentemente de alguns materiais que requerem a adição de masterbatches pelo fabricante, a resina da SABIC Innovative Plastics contém um estabilizante de raios UV para manter a estética e a clareza ótica, além conter aditivos retardantes de chama. O material está disponivel em diversas cores. Essa incorporação de propriedades economiza tempo, evita problemas logísticos e elimina operações secundárias de alto custo. Além disso, a resina Valox pode ainda contribuir para a redução de custos do projeto ao possibilitar um material altamente rígido, mas com design com fina camada.

Inovação no design de estádios sustentáveis
A chapa Lexan Thermoclear, ultrarrígida com 3 camadas e estrutura em X, produzida pela SABIC Innovative Plastics, oferece resistência a ventos e neve com pressões de até 2.200 N/m2, equivalentes à ventos com velocidade de até 200 km/h. Oferece ainda resistência ao impacto 250 vezes maior quando comparada ao vidro, o que reduz o risco de quebras por vandalismo ou fenômenos naturais, como ventos ou tempestades de granizo.

A estrutura da chapa em multiparedes proporciona ainda bom desempenho em isolamento térmico. A chapa Lexan Thermoclear também contribui para a certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) do projeto, ao favorecer o uso da luz natural e ao ser feita com material reciclado. Outro benefício importante da chapa Lexan Thermoclear é seu baixo peso em comparação aos pesados painéis de vidro, o que a torna mais fácil de manipular, instalar e transportar.

Um amplo portfólio de soluções em chapas
Outro destaque da SABIC Innovative Plastics é o sistema de chapas Lexan Thermoclick com espessura de 40 e 50 mm. Esses produtos são ótimas opções para revestimentos e fachadas de estádios. Com uma estrutura exclusiva de 9 paredes, com 1000 mm de espessura , o sistema de chapas de policarbonato Lexan Thermoclick de -50mmoferece isolamento térmico com valor U igual a 0,176 Btu/h t2 Fahrenheit (1,0W/m2 K) , além de ser duas vezes maiorque os produtos encontrados no mercado. Isso proporciona significativa economia de energia, com redução de até 17% em comparação ao envidraçamento tradicional de painel duplo .O sistema de chapas Lexan Thermoclick de 40 mm atende às classificações de incêndio e fumaça CC1 (ASTM D635) e Classe A (ASTM E-84).

Além disso, as chapas compactas de Lexan* oferecem propriedades que dificultam o vandalismo e as pichações, estando em conformidade com as normas de construção civil estabelecidas pela International Conference of Building Officials (ICBO).

Com uma superfície com revestimento resistente à abrasão em ambos os lados, as chapas Lexan* Margard* MR10 possuem garantia limitada escrita de 10 anos contra quebras, amarelecimento, perda de transmissão de luz e delaminação do revestimento por possível uso em abrigos subterrâneos, fachadas, janelas, portas de entrada e cercas. Esta chapa de PC transparente, praticamente inquebrável, oferece uma ótima qualidade ótica, – mesmo após exposição contínua à luz solar intensa ou a condições extremas de temperatura.

Estádios em todo o mundo usam a chapa Lexan
O amplo portfólio de soluções para a construção civil da SABIC Innovative Plastics já comprovou sua qualidade junto aos clientes em mais de 50 estádios conhecidos no mundo inteiro. Em 2010, a empresa ganhou, pela segunda vez, o Prêmio EPSE (European Polycarbonate Sheet Extruders), como Melhor Projeto e Inovação, pelo Estádio Aviva, de Dublin, na Irlanda. As paredes curvilíneas e transparentes do estádio foram feitas com chapascompactas de Lexan*, trazendo elegância, alto desempenho e benefícios ambientais. As chapas Lexan* resistentes a raios UV também foram escolhidas para a cobertura e o fechamento de escadas do Estádio Soccer City, de Soweto, em Joanesburgo, África do Sul, onde foram realizados os jogos de abertura e encerramento da Copa do Mundo de 2010, a FIFA World Cup™.

Fonte: SABIC IP

Dow apresenta seu portfólio de resinas organolépticas para tampas de bebidas na Brasilplast 2011.

16/05/2011

A  Dow Chemical Company investiu em novos gradesde polietileno para o mercado de Tampas e Sistemas de Vedação, visando atender às mais complexas e exigentes aplicações do setor. As novidades foram apresentadas na Brasilplast 2011 (de 9 a 13 de maio no Pavilhão de Exposições do Anhembi, São Paulo).

 A nova resina CONTINUUMTM DMDA 1250 passa a integrar o completo portfólio de resinas bimodais da Dow para o mercado de tampas organolépticas para bebidas. Esse solução em polietileno bimodal foi especialmente desenhada para permitir um excelente balanço entre rigidez e ESCR (resistência à quebra sob tensão ambiental), o que garante que o material resista à pressão constante que o gás faz sobre a tampa quando a garrafa está fechada.

 A líder de Suporte Técnico e Desenvolvimento América Latina para Rigid Packaging & Durables (embalagens rígidas e duráveis) da Dow, Mariana Mancini, destaca que cada vez mais os fabricantes de bebidas têm buscado alternativas para reduzir os custos de produção e o impacto ambiental de suas embalagens.  “Na América Latina, o mercado de tampas plásticas para garrafas de PET cresce cerca de 5% ao ano, impulsionado pelo aumento da venda de bebidas. Para 2013, estima-se que serão consumidas 51 bilhões de tampas plásticas”, afirma Mariana. Uma interessante opção é a adoção de tampas de uma só peça, compostas por 100% de polietileno de alta densidade, em substituição às tradicionais tampas de duas peças, compostas por uma parte exterior em polipropileno e um disco de vedação de EVA.

 A partir dessa demanda, a Dow desenhou grades de polietileno que viabilizam a confecção de tampas com uma série de características especiais para preservação do conteúdo da embalagem, como grau organoléptico e resistência à propagação de fissuras quando submetida à pressão.

 “Vale destacar que a combinação de design e material elimina a necessidade do disco de vedação, o que reduz um estágio do processo de fabricação das tampas. Para isso, cada tampa deve ter um anel em seu interior para garantir a vedação pelo diâmetro interno da garrafa, enquanto a parte superior garante a vedação pelo topo. Quando associado a um material corretamente dimensionado, esse tipo de design permite uma retenção de carbonatação (gás) mais eficaz do que nas tampas de duas peças”, explica Mariana.

 Para esse tipo de exigência, polietilenos de distribuição de pesos moleculares bimodal apresentam grande versatilidade. Sua arquitetura molecular é especialmente desenhada para permitir um excelente balanço entre rigidez e ESCR (resistência à quebra sob tensão ambiental), o que garante que o material atenda aos severos requerimentos de bebidas de alta carbonatação, como resistência á pressão constante que o gás faz sobre a tampa quando a garrafa está fechada. As resinas bimodais da linha CONTINUUMTM são a grande aposta da Dow para viabilizar a produção de tampas leves e de alta performance de vedação para bebidas como água e refrigerante.

 Para garantir que a resina que compõe a tampa da bebida contribua minimamente na geração de sabor e odor indesejáveis, a Dow conta com uma estrutura de controle de compostos orgânicos voláteis. Além disso, as resinas são avaliadas em painéis sensoriais feitos em laboratório construído de acordo com os padrões ISO/ASTM. Os panelistas treinados atuam como instrumentos de medição de alta precisão, transformando percepções subjetivas de sabor e odor em medidas objetivas de teor organoléptico.

 Assim, a linha CONTINUUM apresenta resinas de polietileno de alta densidade versáteis, que podem ser usadas para bebidas com exigências de performance tão diferentes como água ou bebidas de alta carbonatação (bebidas como água, água com gás, refrigerante, entre outras).

 Sustentabilidade – diferentemente das tampas de duas peças que em geral apresentam dificuldade para reciclagem por serem compostas de materiais diferentes e incompatíveis, as tampas de uma só peça – 100% polietileno – são facilmente recicladas. Como são compostas de um único material, elas podem ser coletadas e encaminhadas às centrais de reciclagem.

 As tampas de polietileno também proporcionam redução do peso total da embalagem e diminuição dos custos com energia e trabalho, uma vez que o processo de fabricação tem uma etapa a menos. Tudo isso contribui para a lucratividade do convertedor e para a sustentabilidade do planeta.

Fonte: Dow / PorterNovelli

Braskem apresenta 16 novos produtos na Brasilplast 2011

16/05/2011
Nova planta de PVC, que conta com investimentos de R$ 1 bilhão, também foi um dos destaques da feira

Os Clientes que visitaram o stand da Braskem na Brasilplast tiveram acesso a painéis touchscreen onde puderam visualizar todos os catálogos, selecionar o conteúdo de interesse e enviá-los para seus e-mails pessoais. Além disso, o material também esteve disponível em IPADs e em todo o estande através da rede instalada pela Braskem.

Telas touchscreen também mostraram aos presentes os cases de sucesso de parceiros da Braskem, ideias que deram certo e que já podem ser vistas na prática. Uma mesa interativa também foi criada para apresentar de forma lúdica os conceitos do selo I’m Green, que identifica os materiais da Braskem feitos a partir de fonte renovável, e do ciclo de produção do polietileno verde para o público em geral.O estande contou ainda com um sistema especial de localização dos colaboradores da Braskem através de seus crachás. Dessa forma, os clientes puderam ser atendidos de forma rápida.Os lançamentos da Braskem na Brasilplast foram:
POLIETILENOS
Solução para tanques de combustível
A resina HS4506 foi desenvolvida para produção de tanques de combustível automotivos, bem como para fabricação de tubos de enchimento e de reservatórios de partida a frio. Outro desenvolvimento da Braskem é a resina HS4506A, especialmente aditivada para garantir maior resistência à radiação ultravioleta e às intempéries. A resina é destinada à produção de tanques de combustível para caminhões e para o segmento de reposição automotiva.

Receita inovadora para o mercado de laminados
A resina Flexus 9212XP (XP = extra performance) atende às necessidades do mercado de laminados de alta performance, utilizados nos processos de empacotamento automático de elevada velocidade. É uma resina metalocênica (mPEBDL),  com o diferencial de manter mais estáveis os valores de Coeficiente de Fricção Cinético (CoF). É uma solução inovadora, patenteada pela Braskem e é resultado de uma receita capaz de melhorar a estabilidade do CoF, após a laminação, transporte  e estocagem das bobinas.

Quaterpolímero para o mercado frigorífico
Considerando as características do mercado frigorífico, a Braskem desenvolveu a resina Pluris 6301, um quaterpolímero que apresenta melhor processabilidade, selagem e alongamento. Estas características, combinadas com seu baixo nível de bloqueio e teor de géis, tornam o produto uma ótima opção para embalagem de pão de forma.

Bimodais com tecnologia Mitsubishi
As resinas BU004W e BS002W foram produzidas com tecnologia Mitsubishi e trazem um diferencial significativo de desempenho de propriedades mecânicas em relação aos demais produtos monomodais.

Excelente balanço entre rigidez e resistência ao impacto
O BS002W possibilita a redução de peso de frascos soprados, enquanto mantém as propriedades de empilhamento. A nova resina também apresenta ótima resistência ao stress cracking, o que a torna adequada para produção de frascos para embalagens de produtos tensoativos, tais como detergentes, limpadores multiuso e produtos químicos.

Redução de peso e manutenção das propriedades de empilhamento
A elevada densidade do produto BU004W proporciona uma redução de peso dos frascos e mantém as propriedades de empilhamento. O pacote de aditivos  diferenciado também proporciona aos frascos soprados com BU004 melhores propriedades ópticas com frascos mais brancos e melhor acabamento superficial.

Ótima processabilidade e excelente resistência a impacto a baixa temperatura
O produto HS5010, PEAD-APM, produzido por meio da tecnologia Loop Slurry apresenta ótima processabilidade e excelente resistência a impacto de baixa temperatura. É indicado para sopro de bombonas de embalagens de produtos químicos e agroquímicos.

Resina para o segmento de Fios & Cabos
A resina TC9008 é o mais recente lançamento da Braskem para o segmento de Fios & Cabos. É um composto à base de polietileno de baixa densidade (PEBD), pigmentado com negro de fumo. É indicado para revestimento ou capa de fios e cabos para telecomunicações e energia. O composto proporciona alta produtividade durante a extrusão, acabamento, alta flexibilidade e elevada resistência à baixa temperatura, além de proteção contra a ação das intempéries.

POLIPROPILENO

Embalagens rígidas com fluidez e resistência a impactos
O CP 191XP é um polipropileno copolímero heterofásico de alto índice de fluidez e elevada resistência a impactos. Foi desenvolvido para responder às exigências do mercado de injeção de ciclo rápido e de peças de paredes finas. Proporciona maior versatilidade e produtividade, mantendo um ótimo balanço de propriedades (rigidez e impacto). Este produto é destinado a embalagens de sorvete injetadas, utilidades domésticas e compostos automotivos.

Inovação para o mercado de Nãotecido
Este ano a Braskem está lançando para o mercado de Nãotecido o H 155, grade que apresenta elevada fluidez, possibilitando melhor desempenho na formação da camada de barreira obtida pelo processo meltblown. Este grade substituirá o H 152 no portfólio de PP Braskem.

Composto para aplicação final em para-choques
O CP 393 é um copolímero de alto impacto e baixíssima contração. Foi especialmente desenvolvido para compostos cuja aplicação final é pára-choque. A adição de carga mineral deixa “gap zero” entre o pára-choque de plástico e o pára-lama de metal.

Opção versátil para a indústria automotiva
O CP 286 é um copolímero heterofásico especialmente desenvolvido para o mercado de compostos. Sua função é manter elevada resistência ao impacto, com maior rigidez e fluxo. O bom balanço de propriedades mecânicas e alto índice de fluidez, ligado baixo VOC – isenção de voláteis elimina odores – torna esta opção muito versátil para uso na indústria automotiva em aplicações como pára-choques e painéis.

Aumenta a produtividade do mercado automobilístico
O CP 100 é um polipropileno copolímero heterofásico de altíssima fluidez com excelente balanço de rigidez e impacto. O objetivo da Braskem com essa resina é responder às exigências de maior produtividade do mercado automobilístico, proporcionando maior versatilidade e flexibilidade para os Clientes. O CP 100 atende importantes necessidades dos Clientes, como baixo teor de VOC (Volatile organic compound); excelentes propriedades organolépticas; maior facilidade de preenchimento no molde de injeção, com excelente balanço de propriedades mecânicas e maior produtividade em peças injetadas.

Alta Rigidez para mercados de eletrodomésticos e eletroportáteis
Desenhada para o mercado de peças técnicas e compostos, que requerem elevada rigidez e boa processabilidade para injeção, a Braskem lançou o grade H 201HC. Devido à sua elevada cristalinidade e alta rigidez, o produto apresenta maior resistência termomecânica e uma resistência diferenciada ao risco, tornando-o uma excelente opção para componentes de eletrodomésticos e eletroportáteis.

Inovação para mercado de baldes industriais
A resina CP 270R é um polipropileno copolímero heterofásico, especialmente desenhado para o processo de injeção de baldes e contêineres, que exijam balanço de propriedades entre resistência ao impacto e rigidez, com elevação do índice de fluidez em relação aos grades anteriores.

Maior transparência para utilidades domésticas
Como proposta de maior transparência para utilidades domésticas, a Braskem lançou a resina Prisma 1410, um copolímero randômico de elevado índice de fluidez, desenvolvido para injeção de peças e embalagens com excelente transparência. Este produto apresenta ótima processabilidade, alta produtividade e perfeito balanço rigidez/impacto.

Fonte: Braskem
Foto (crédito): Getty Images

Produção local da resina Flexible Noryl* da SABIC IP reduz os tempos de entrega para os clientes em 50 por cento

15/05/2011

Durante a BrasilPlast 2011, a SABIC Innovative Plastics anunciou que a partir de agora fornecerá a sua mundialmente renomada resina Flexible Noryl* para o essencial mercado sul-americano. Esta nova produção local reduzirá drasticamente os tempos de produção de resinas sustentáveis, não halogenadas e retardadoras de chamas em até 50 por cento, em média, e é um acréscimo bem vindo ao já amplo portfólio de produtos da empresa fabricados no Brasil. O anúncio da SABIC Innovative Plastics sublinha o compromisso da empresa em ajudar a assegurar o fornecimento local confiável de seus materiais sustentáveis termoplásticos para ajudar os clientes locais e regionais a destacarem seus produtos, crescerem e obterem êxito nos mercados em que se inserem.

A produção local da resina Flexible Noryl ainda poderá beneficiar os clientes sul-americanos de fios e cabos nas indústrias automotiva e elétrica/eletrônica (E/E) acelerando o tempo de colocação no mercado e apoiando a conformidade com as normas ambientais.

“Nossa nova capacidade de produção demonstra nosso sério compromisso com o mercado sul-americano, em que já oferecemos sólidos serviços e suportes técnicos locais incluindo o desenvolvimento de aplicação e a adequação às cores do cliente,” afirma Ricardo Knecht, gerente geral da SABIC Innovative Plastics na América do Sul. “Agora que fornecemos entregas muito mais rápidas de amostras e resinas, podemos facilitar significativamente o planejamento dos clientes e a utilização da tecnologia da resina Flexible Noryl em seus programas. Isto também abrirá possibilidades novas para este versátil material, tais como o uso expandido em cabos USB, audio e vídeo e de carregadores de celulares com opções esteticamente interessantes fornecidas pelos nossos novos tipos brancos resistentes a ultravioleta. Igualmente importante, o uso da resina Flexible Noryl apoia iniciativas de proteção ambiental em indústrias chave para beneficiar a região como um todo.”

Desempenho sustentável em fios e cabos

As resinas Flexible Noryl possibilitam desempenho ambientalmente responsável por evitarem o uso de retardadores de chama halogenados e fornecendo uma alternativa para o tradicional policloreto de vinila (PVC) em revestimento e isolamento de fios e cabos. Estes materiais apoiam a conformidade com normas tais como as diretrizes de restrição às substâncias perigosas (Restriction of Hazardous Substances – RoHS) da União Europeia e resíduos de equipamentos elétricos e eletrônicos (Waste Electrical and Electronic Equipment – WEEE) e o padrão de registro, avaliação e autorização de substâncias químicas (Registration, Evaluation and Authorization of Chemicals – REACH). Em contraste com os outros materiais , tais como polietileno reticulado, que são mais difíceis de reciclar, as resinas Flexible Noryl fornecem alto desempenho em calor dispensando o uso de reticulados.

Estes materiais possibilitam um excelente equilíbrio entre flexibilidade, propriedades mecânicas e facilidade de processamento. Eles também apresentam desempenho ultravioleta em ambientes internos para resistir ao desbotamento e à decomposição.

As resinas Flexible Noryl estão disponíveis em branco, preto ou ainda em grades coloridos
conforme a demanda.

Fonte: SABIC IP

KraussMaffei, Netstal e KraussMaffei Berstorff unificam atuação no mercado brasileiro.

15/05/2011

Com efeitos a partir de 1 de outubro de 2011, a sociedade afiliada do Grupo KraussMaffei se apresentará no mercado brasileiro sob o nome “KraussMaffei Group do Brasil”.  Os produtos das três marcas KraussMaffei, KraussMaffei Berstorff e Netstal  serão distribuídos no futuro sob o mesmo teto empresarial unificado.

Consolidação dos portfólios das marcas e dos serviços a favor do cliente

“Com a fusão das unidades de negócio operativas da KraussMaffei e Netstal numa só empresa, pretendemos consolidar as nossas presenças neste mercado de crescimento. Assim concentramos as competências dos nossos colaboradores e consolidamos o portfólio das nossas marcas e dos nossos serviços a favor dos nossos clientes”, explica Dr. Dietmar Straub, presidente da administração da KraussMaffei AG, no âmbito da feira Brasilplast, em São Paulo. A partir de 1 de outubro de 2011, Klaus Jell, o atual diretor da sociedade afiliada da Netstal na Alemanha, vai assumir a direção da sociedade afiliada com sede em São Paulo. “Estou muito contente por termos conseguido para esta função Klaus Jell, um especialista em materiais sintéticos competente e experiente, da nossa própria casa, e que acumulou experiências tanto na KraussMaffei, como também na Netstal”, explica Straub.

“Fico muito satisfeito com a nova atividade. Com a nova estrutura vamos aproveitar as sinergias existentes para garantir um trabalho melhor no mercado, para benefício dos nossos clientes”, disse Jell.  Cada marca operará no mercado de forma independente. Vamos reforçar as atividades de assistência técnica, para servir melhor os requisitos crescentes no Brasil. “Através da concentração de todas as atividades, as vantagens para os clientes aumentam, uma vez que, mediante um controle coordenado, estes podem escolher os produtos do vasto portfólio de alta qualidade do grupo KraussMaffei. Da nossa parte, vamos ficar focados na solução dos seus requisitos e tarefas específicos, que vamos tentar satisfazer de forma competente, com o produto certo e com a marca certa” declarou Jell.

Procura crescente par máquinas de alta qualidade

Há mais de dez anos, o Grupo KraussMaffei está presente no Brasil e se posicionou durante este período como parceiro líder e competente, com produtos de alta qualidade. Os clientes sul americanos da indústria automotiva, de embalagem e de linha branca estão crescentemente interessados no expertise de soluções para aplicações específicas no setor de injeção pela junção das marcas KraussMaffei e Netstal . “Isto é confirmado atualmente pela procura cada vez maior“,disse Jell. Como consequência disso, a empresa vai introduzir agora no mercado as máquinas completamente elétricas das séries AX e EX, da marca KraussMaffei. Os clientes da indústria de tubos apostam nos produtos da marca KraussMaffei Berstorff, por exemplo, nas instalações de alta qualidade para a compostagem de plásticos (compounding), bem como nos sistemas para a fabricação de perfis de perfis, filmes e chapas.  As soluções da marca Netstal são direcionadas para as áreas de embalagem de paredes finas, tampas e pré-formas de PET, além de compoenentes plásticos para os setores de alicações médicas e técnicas.

Fonte: KraussMaffei

Dow Brasil lança solução para Stand Up Pouch 100% de polietileno na Brasilplast 2011.

15/05/2011

A reciclabilidade é uma das principais vantagens do primeiro stand up pouch totalmente de polietileno do mercado. A companhia já patenteou a solução que está alinhada a sua meta de viabilizar embalagens mais sustentaveis

A  Dow Chemical Company lançOU na 11ª edição da Brasiplast (9 A 13 de maio no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo) a solução Stand Up Pouch 100% Polietileno (SUP 100%PE). A embalagem flexível capaz de ficar em pé foi confeccionada com uma estrutura de filme totalmente de polietileno em substituição aos filmes multimaterial, sem detrimento das suas principais características e com uma importante vantagem adicional: a reciclabilidade.

Nos últimos anos, o Stand Up Pouch (SUP) vem ganhando espaço nas prateleiras dos supermercados devido a sua visibilidade na gôndola associado com sua beleza da impressão. O SUP é capaz de oferecer diversas funcionalidades, por exemplo, abre e fecha fácil, bicos vertedores e direcionáveis, tampas, etc. Outro motivo que está aquecendo a implementação do SUP é a leveza do material em relação às embalagens rígidas tradicionais. Isto permite otimizar tanto a armazenagem quanto o transporte de produtos, além de facilitar o descarte.

A maioria dos SUP no mercado são produzidos com filmes multimateriais, tais como politereftalato de etileno (PET), BOPA, alumínio, entre outros, o que dificulta a reciclagem tanto  do pós-consumo quanto dos materiais que sobram no processo produtivo.

“A grande vantagem do SUP 100% PE é a reciclabilidade: o consumidor terá certeza que está adquirindo um produto cuja embalagem pode ser facilmente reciclada, beneficiando o mercado da reciclagem e o meio ambiente”, afirma Dolores Brizuela, Gerente de Marketing para Food & Specialty Packaging e Health & Hygiene (embalagens especiais para alimentos, higiene e saúde).

A Dow investiu em estruturas diversificadas de filme para que o novo pouch possa atender às demandas de diversas indústrias, como a alimentícia, de higiene, cuidados pessoais, limpeza, lubrificantes, tintas, entre outras. Os filmes desenvolvidos apresentam características como:

  • Selagem: que deve ser íntegra e forte para evitar vazamentos;
  • Resistência ao impacto e à perfuração: para não falhar durante armazenagem, transporte, tempo de prateleira e manuseio.
  • Maquinabilidade: para a conformação do SUP.

A solução pode apresentar ainda todas as demais vantagens dos pouches convencionais, tanto de funcionalidade quanto a visibilidade, tornando o stand up pouch uma embalagem cada vez mais requisitada pelos brand owners (donos das marcas).

O novo SUP foi registrado sob uma patente, e está alinhado à tendência global da indústria de desenvolver  embalagens mais sustentáveis. “As indústrias que apostarem na solução deverão imprimir um selo de ‘100%PE’ para facilitar a identificação de que a embalagem é totalmente reciclável”, destaca Dolores.

Segundo o diretor de vendas da área de Plásticos da Dow Brasil, Nestor de Mattos, o lançamento é resultado dos constantes investimentos em pesquisa e desenvolvimento da Dow em soluções sustentáveis. A companhia tem um plano completo de ações e objetivos voltados à Sustentabilidade e traçou um conjunto de metas a serem atingidas até 2015, entre as quais estão: o compromisso com a segurança dos produtos, química sustentável, soluções para os principais desafios mundiais, entre outras.

“Poder entregar uma solução mais sustentável é sempre motivo de orgulho para todo o nosso time. Acreditamos que o stand up pouch 100% PE encontrará boa receptividade por parte das indústrias e dos consumidores e vamos continuar investindo tempo, energia e recursos para oferecer outras soluções sustentáveis”, afirma de Mattos.

Fonte: Dow / PorterNovelli

Cores, aditivo com nanotecnologia e as novas linhas para o Plástico Verde são apresentados pela Cromex na Brasilplast 2011.

15/05/2011

Novidades em soluções para os plásticos, diferenciais competitivos, tecnologias inovadoras e os valores da empresa líder do mercado brasileiro e com forte atuação global são destaques da Cromex no evento.

A Cromex, empresa líder no mercado brasileiro de masterbatches,  apresentou as novas linhas de cores e aditivos para o Plástico Verde, os masterbatches com nanotecnologia aplicada, além de outras soluções na 13ª Feira Internacional da Indústria do Plástico – Brasilplast 2011, o principal evento do setor na América do Sul.

Quem visitou o evento, entre os dias 9 e 13 de maio, pôde  conhecer as novas linhas de produtos, seus diferenciais competitivos, a tecnologia aplicada e os valores de empresa líder no mercado brasileiro e com forte atuação global. Tudo isso dentro do conceito “Além do Possível”,  mote da atuação da Cromex na feira.

Segundo Sérgio Wajsbrot, presidente da Cromex, a ideia foi reforçar que todas as atividades e investimentos da companhia visam promover as melhores soluções para o mercado. “Estamos investindo na modernização de nossas plantas, visando aumentar a capacidade produtiva para atender o crescimento do setor plástico”, afirma o executivo.

A Cromex vai ampliar sua capacidade produtiva de 132 mil toneladas/ano para 150 mil toneladas, até 2012. A empresa espera a chegada de oito extrusoras para a planta de São Paulo, para a fabricação de masterbatches coloridos e especialidades. Na planta da Bahia, a empresa deu partida em abril de 2010 em uma extrusora para a produção de corantes pretos e, para este ano, adquiriu mais uma, esta para a fabricação de brancos.

Foco nas inovações sustentáveis – A Cromex tem atuado fortemente no desenvolvimento de cores e aditivos voltados aos plásticos verdes (de fontes renováveis e biodegradáveis). Na Brasilplast, a empresa mostrou sua nova linha de produtos voltados para os plásticos feitos com o polietileno (PE) verde, de fonte renovável, proveniente do etanol da cana-de-açúcar e desenvolvido pela fabricante brasileira de resinas Braskem, parceira da empresa.

O objetivo com esse lançamento é atender os mercados, como a indústria automobilística, de brinquedos, cosméticos e higiene pessoal, embalagens, entre outras, que demandam cada vez mais produtos com baixo impacto ambiental, tanto no processo produtivo, quanto no descarte. “Nossos desenvolvimentos estão em sintonia com o que há de mais atual em soluções que aliam inovação com sustentabilidade para que possamos dar respostas globais”, afirma Cesar Ortega, diretor Comercial da Cromex.

O plástico verde da Braskem é conhecido mundialmente como uma inovação relevante à sociedade. A Cromex já desenvolve para este produto diversos tipos de cores com efeitos especiais e metalizado. Produz também concentrados de aditivos que conferem ao plástico verde características como anti-bloqueio, barreira aos raios UVs, antiestáticos e anti-fog, respeitando as propriedades fundamentais de sustentabilidade do produto. A Cromex já atende mais de 10 empresas com esta inovação.

E, ainda na linha sustentável, a Cromex levou para ao evento produtos desenvolvidos para melhorar a reciclagem, como os aditivos que eliminam a água residual, o que facilita o processo.

Nanotecnologia – A Cromex também apresentou aos visitantes da Brasilplast os novos aditivos e cores com nanopartículas de prata. A nanotecnologia aplicada aos masterbatches confere aos plásticos ação bactericida (elimina as bactérias) e bacteriostática (impede sua proliferação) e podem ser usados em vários plásticos, como PE, PP, PS, ABS e PET, em todos os processos de transformação.

A empresa também se destaca por criar soluções que otimizam processos de fabricação. Entre eles, a nova linha composta de branco com antifibrilante e aditivo UV, elaborada para melhorar o desenvolvimento da ráfia, além dos novos masterbatches para fabricação de multifilamentos, filamentos contínuos e não-tecidos (PP e PET).

Com foco na melhoria no desempenho dos polímeros na transformação, a empresa expôs a linha de cargas minerais, aditivos que proporcionam vantagens ao transformador, como melhoria de propriedades mecânicas, melhor estabilidade dimensional, melhor taxa de troca térmica.

Sobre a Cromex – A Cromex é líder brasileira na produção de masterbatches de cores e aditivos para plásticos. Há mais de 30 anos no mercado, a empresa tem capacidade produtiva de 132 mil toneladas anuais e faturamento médio anual de R$ 300 milhões. Com atuação global, a Cromex comercializa seus produtos em mais de 60 países da América da Latina, América do Norte, Europa Ocidental, Leste Europeu, entre outros. Em suas duas fábricas, uma na cidade de São Paulo e outra em Simões Filho (BA), a empresa gera mais de 500 empregos diretos e conta com certificações ISO 9001, 14001 e OHSAS 18001.  Seu portfólio conta com mais de 13 mil cores e aditivos, desenvolvidos em laboratórios próprios, para atender 18 segmentos diferentes no setor de transformados plásticos, como brinquedos, embalagens e tampas para diversos segmentos (alimentos, bebidas, cosméticos, higiene pessoal, limpeza), construção civil, automotivo e agrobusiness.

Fonte: Assessoria de Imprensa (Brasilplast) / M.Free Comunicação

SABIC apresenta materiais inovativos para os principais setores em crescimento na América do Sul, durante BrasilPlast 2011

15/05/2011

O sedan compacto médio da Peugeot 408 Griffe usa os materiais de alto desempenho da SABIC IP, que permitem maior liberdade de projeto e leveza

Durante a Brasilplast 2011, a SABIC  enfatizou os seus recursos regionais expandidos, as suas novas tecnologias e o sólido relacionamento com os clientes.

O estande  da SABIC na Brasilplast demonstrou as quatro facetas do mote “Cultura da inovação”, que tem como pilares a sustentabilidade, o crescimento, a tecnologia e o foco no cliente. A empresa apresentou diversos materiais do seu amplo portfólio, com aplicações avançadas para todos os principais setores em crescimento no Brasil, como o automotivo, o médico-hospitalar e o de infraestrutura.

“A participação na BrasilPlast 2011 deu à SABIC uma grande oportunidade de mostrar seu compromisso firme e de longo prazo com a América do Sul, seu sucesso e crescimento contínuo,” declara Khaled Al-Mana, VP executivo da divisão de polímeros da SABIC.  “O enfoque na Cultura da inovação direciona nossa estratégia para sermos líderes mundiais em produtos químicos, inclusive plásticos. Temos orgulho dos nossos investimentos em recursos globais e em nosso amplo portfólio de produtos, que são cruciais para o fornecimento de soluções completas ao aos clientes”, diz Al-Mana.

“Nossa prioridade é apoiar as necessidades dos clientes”, afirma Charlie Crew, VP executivo da divisão Innovative Plastics da SABIC. “Para fazer isso, investimos constantemente em soluções de materiais de alto desempenho, recursos avançados de desenvolvimento de aplicativos e serviços de valor agregado, que ajudem nossos clientes a serem competitivos e a terem sucesso nos mercados locais, regionais e globais. A SABIC Innovative Plastics continua a se pautar em sua rica tradição de produtos inovadores e avançados, mantendo sempre um fluxo constante de novas soluções para o mercado”, completa Crew.

O tema Cultura da inovação da SABIC para a BrasilPlast 2011 está baseado em quatro pilares estratégicos:

1. Crescimento
A SABIC, para atender às exigências atuais e futuras dos clientes, continua a investir na expansão da produção local e global.

  • Maior capacidade para atender às necessidades dos clientes– A SABIC Innovative Plastics expandiu sua capacidade de produção local no Brasil com a inclusão de uma nova e sofisticada linha de manufatura, que trabalha com cores personalizadas e com a flexibilidade de produzir tamanhos de lote menores, o que permite acesso mais fácil e rápido às amostras de materiais necessárias para o desenvolvimento de aplicativos. Os produtos disponíveis para a produção nessa nova linha incluem a resina de acrilonitrila butadieno estireno (ABS) Cycolac*, a resina de policarbonato (PC)/ABS Cycoloy*, a resina Lexan* PC, a resina Lexan EXL, a resina de óxido de polifenileno/polifenileno (PPO/PP) Noryl PPX*, a resina de acrilonitrila estireno acrilato (ASA) Geloy*, as resinas de polibutileno tereftalato (PBT) Valox* e PC/PBT Xenoy*, além de outros compostos LNP*.
  • Produção local de resinas sustentáveis Flexible Noryl* – A SABIC Innovative Plastics está agora disponibilizando fornecimentos locais de sua reconhecida resina Flexible Noryl para o mercado sul-americano, diminuindo o tempo de entrega da resina não halogenada retardante a chamas e sustentável em cerca de 50%, em média.
  • Capacidade expandida de poliolefinas – A SABIC expandiu recentemente a capacidade de produção de poliolefinas em sua unidade da Arábia Saudita. Junto com as instalações de polietileno (PE) do Reino Unido e da Alemanha, e as mais recentes instalações de PE e PP da China, essa expansão permite à SABIC Polymers fornecer confiabilidade aos clientes em todo o mundo, inclusive segmentos de mercado nas Américas.

2. Tecnologia
A SABIC continua concentrada no desenvolvimento de materiais para atenders às demandas tecnológicas atuais e futuras, que vão desde equipamentos médicos, até iluminação por LEDs (diodos emissores de luz). Esses materiais proporcionam alto desempenho, atendem às exigências e requisitos mais rigorosos e agregam valor ao reduzir custos e ao abrir oportunidades para novos projetos que levem ao crescimento. As principais tecnologias incluem:

  • Portfólio para sistemas de liluminação em LED – Esses materiais avançados incluem a resina Lexan PC com retardante à chama (FR) e atendem à norma UL94 V0 em 1,5 mm. Essa resina proporciona iluminação de LED de parede fina em aplicações transparentes ou com difusão. O estande da SABIC trará exemplos de iluminação por LED com níveis variados de difusão.
  • Materiais especiais para cuidados com a saúde – Os compostos de alta gravidade específica (HSG) LNP Thermocomp* para blindagem de radiação que atendem às mudanças futuras na isenção de substituição do chumbo em produtos da Categoria 8, de acordo com a diretiva EoHS (Restrição de Substâncias Perigosas), da União Europeia (UE). Além disso, os compostos LNP Faradex* da empresa integram proteção contra interferência gerada por sistemas wireless de monitoramento de pacientes, aumentando o uso em instalações residenciais e de cuidados de longo prazo.
  • Painéis transparentes para automóveis com a Lexan PC – A tecnologia avançada Lexan GLX PC com revestimentos Exatec*, da SABIC Innovative Plastics, está conduzindo ao desenvolvimento de novos avanços nas aplicações em painéis transparentes para automóveis, como janelas traseiras, grandes tetos solares, spoilers e lanternas traseiras, que podem oferecer até 50% de redução de peso em comparação às janelas de vidro de mesmo tamanho. De forma mais significativa, a redução do peso com painéis transparentes contribui na redução do centro de gravidade do veículo, melhorando o controle e segurança. A empresa exibirá um protótipo de módulo de teto e janelas laterais traseiras do SEAT.
  • Chapa Lexan Thermoclick* – Este sistema de chapas alveolares apresenta uma conexão de perfil que combina propriedades mecânicas, ópticas e térmicas de alto nível para revestimentos e fachadas de construção. Esse sistema de interconexão dispensa perfis verticais, economizando tempo e custos de instalação ao mesmo tempo em que proporciona eficiência energética e excelente estética final. Os sistemas de chapas Lexan Thermoclick obedecem às normas CC1 (ASTM D635) e Classe A (ASTM E-84) para classificação de incêndio e fumaça.

3. Sustentabilidade
As questões de sustentabilidade estão no centro da estratégia de negócio da SABIC. O portfólio de produtos, a experiência tecnológica e o histórico de inovação da SABIC permitem o desenvolvimento de materiais que ajudam os clientes a atenderem às diversas questões ambientais, como o corte no consumo de energia durante a manufatura, a redução no peso de produtos ou a diminuição no tamanho das peças (deixando-as mais finas), permitindo uma reciclagem mais fácil ou a incluso de conteúdo reciclável.

  • Portfólio de Soluções Sustentáveis – A SABIC Innovative Plastics traz como destaque seu portfólio expandido de Soluções Sustentáveis e o novo processo de validação para materiais sustentáveis, feito para ajudar os clientes a reduzirem suas emissões de carbono e de energia, diminuirem os resíduos e garantirem a rigorosa conformidade para com normas ambientais globais. Todos os produtos atendem à norma de terceiros adequada ou, na falta de norma reconhecida, passam por avaliação dos benefícios ambientais usando um Cartão de Pontuação de Produtos Sustentáveis rigoroso, desenvolvido em parceria com a GreenOrder, uma empresa de consultoria líder em sustentabilidade ambiental.
  • Materiais com conteúdo PCR – Uma série bem ampliada de produtos da SABIC Innovative Plastics contendo materiais reciclados pós-consumo (PCR) está disponivel em algunas linhas de produtos, como as resinas Valox iQ*, Xenoy iQ* e PCR Lexan EXL, com as novas resinas de PCR Cycoloy e Noryl Classico, e três linhas de resinas Lexan EXL.
  • Materiais avançados com FR – A empresa está produzindo em caráter local duas novas linhas da resina Flexible Noryl: a WCD801AU, para possível uso no recobrimento de cabos, e a WCP821U, para possível uso em componentes de cabos moldados. Esses materiais utilizam sistemas FR, que dispensam o uso de aditivos clorados ou bromados.
  • Grades de alta densidade, com alto peso molecular, para tubulações – Os grades bimodais de polietileno de alta densidade (HDPE) da SABIC são compostos com uma concentração básica de preto de carbono, que oferecem aos conversores uma boa economia de energia e possibilita a instalação de tubulações ecologicamente responsáveis.

4. Foco no cliente
Para ajudar os clientes a inovar, criar diferenciais em suas aplicações e aprimorar a manufatura, a SABIC Innovative Plastics atua de forma colaborativa em todo o processo de desenvolvimento de aplicações. Equipes locais dedicadas, no Brasil e na Argentina, concentradas no desenvolvimento de cores e na produção de amostras na unidade de Campinas, posicionam a empresa para responder rapidamente às necessidades dos clientes.

  • Resinas leves Noryl GTX* – Empresas automotivas, como a Peugeot, por exemplo, desfrutam de uma liberdade maior para criar painéis maiores, mais leves e com alta precisão, usando a resina Noryl GTX. Quando usada em substituição aos metais, a resina Noryl GTX pode proporcionar uma redução de peso de até 50%, contribuindo para uma maior eficiência no uso de combustíveis e menos emissões. A SABIC Innovative Plastics ofereceu à Peugeot, por exemplo, suporte local e global em todo o processo de desenvolvimento de seu novo sedan médio compacto, o modelo 408 (em exibição estande da SABIC na feira)
  • PP SABIC® STAMAX® para o setor automotivo – A resina de polipropileno de fibra de vidro longa (LGFPP) STAMAX leve e de alto desempenho, da SABIC, oferece boa resistência térmica e bom desempenho mecânico em módulos frontais automotivos. Um benefício adicional do uso desse material é a liberdade de poder consolidar as peças da região frontal dos veículos, o que se traduz em agilização da montagem e redução de custos sistêmicos. O Peugeot 408, com módulo frontal na versão Griffe, estará em exibição na BrasilPlast.

Fonte: SABIC IP

Presença internacional cresce na BRASILPLAST 2011

13/05/2011

O número de empresas de fora do Brasil que estão participando da 13ª edição da BRASILPLAST cresceu em 2011. São 36 países expondo na feira, ante 30 da edição de 2009. Entre os destaques Itália, Alemanha, Suíça, Estados Unidos, México, Índia e China, sendo que Turquia, Dinamarca e Irã participam pela primeira vez no evento.

Para o gerente de vendas da alemã Kreyenborg Group, esta é uma oportunidade única. “Temos muito orgulho de participar da feira. Nesta edição, já fechamos alguns negócios, e esperamos um movimento ainda maior amanhã, que será o último dia”, disse.

No pavilhão da Suíça, as empresas também estão otimistas. “Nosso principal objetivo é mostrar equipamentos de ultrassom de alta tecnologia. Já conseguimos fechar muitos negócios com compradores que realmente nos interessam”, afirmou Alda Bottega, gerente administrativa da TEC-B. Michelangelo Napoli, engenheiro de vendas da Regoplas, comemora a presença no evento. “Estamos muito felizes em estar na BRASILPLAST. Notamos que o público está mais selecionado e interessado, o que é excelente para as vendas”, concluiu.

Fonte: Assessoria de Imprensa BRASILPLAST

Foto (crédito): Getty Images

UNIGEL anuncia, na Brasilplast, produção de resinas ABS no Brasil.

13/05/2011

A Unigel S.A., empresa controladora da CBE – Companhia Brasileira de Estireno, irá produzir 90.000 toneladas/ano de resina ABS (Acrilonitrila – Butadieno – Estireno) em sua unidade localizada em Guarujá, SP. A iniciativa permitirá ao país substituir importações por produção nacional, tendo em vista que o Brasil atualmente importa a totalidade de sua demanda por essa resina.

O investimento na unidade de produção será de R$ 70 milhões e permitirá à Unigel gerar um faturamento anual adicional de R$ 330 milhões. A nova fábrica entrará em operação até o final de 2012.

“As principais matérias-primas para produção do ABS, Estireno e Acrilonitrila, já são produzidas pelo Grupo Unigel no Brasil”, afirma Marcelo Calil Bianchi, diretor do Negócio de Estirênicos da Unigel. O ABS é utilizado principalmente na indústria automobilística, de eletrodomésticos e produtos eletrônicos.

Com atuação no Brasil há 45 anos, a Unigel está distribuída em 15 unidades industriais localizadas no Brasil e no México, que produzem matérias-primas utilizadas em diversas indústrias, tais como: automobilística, têxtil, de construção civil, de embalagens, agrícola, de mineração e de eletroeletrônicos. As exportações da Unigel são destinadas à Europa, aos Estados Unidos e a países da Ásia e da América Latina e os investimentos no Brasil nos últimos 10 anos ultrapassam R$ 1,5 bilhão.

Um dos grandes diferenciais da Unigel está na combinação da integração operacional com o domínio de tecnologia de processos e a inovação constante, criando novas oportunidades de negócios e possibilitando a obtenção de produtos de alta qualidade; fatores que garantem competitividade nos mercados nacional e internacional.

O faturamento estimado da Unigel para 2011 é de R$ 3 bilhões, gerando mais de 2000 empregos diretos globalmente.

Unigel na Brasilplast
A Unigel está anunciando, na Brasilplast, o seu novo conceito de comunicação, que vem acompanhado da assinatura: Unigel – Vocação para o Futuro. O conceito destacará ao mercado a vocação da Unigel de ser uma empresa pioneira, brasileira, integrada e líder.

“O slogan retrata o passado sólido da Unigel, a sua vocação, e a confiança da empresa no amanhã. Acompanha o logo e estará presente em todas as ações desenvolvidas”, afirma Bianchi.

O conceito envolve todas as frentes de negócio da Unigel, representadas por estirênicos, acrílicos e embalagens. A Unigel é pioneira no Brasil na produção de acrílicos e acrilonitrila, e também uma das primeiras na produção de PS.

Fonte:  Brasilplast / Printec Comunicação

Compradores contam com linhas de financiamento durante Brasilplast.

13/05/2011

 Duas instituições financeiras estão oferecendo linha de crédito aos compradores que participam da Brasilplast 2011. A feira conta com a presença de representantes do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento) e da Agência de Fomento Paulista / Nossa Caixa Desenvolvimento com propostas diferenciadas para a indústria do plástico. Os programas de financiamento têm como objetivo atender pequenas e médias empresas nacionais, com taxas menores das praticadas no mercado, para projetos de ampliação e compra de máquinas e equipamentos.

Com foco em inovação e sustentabilidade, a Agência de Fomento Paulista/Nossa Caixa Desenvolvimento apresenta na Brasilplast a linha de crédito Economia Verde, que tem como objetivo financiar projetos sustentáveis e que beneficiem o meio ambiente, fortalecendo a reciclagem em diversos setores da indústria.

Segundo a Nossa Caixa, os pequenos e médios empresários de São Paulo contam com uma taxa abaixo da encontrada no mercado para projetos de ampliação e compra de máquinas e equipamentos. Os juros são de 0,49% ao mês (+IPC/Fipe), com prazo de até 5 anos e 12 meses de carência.

Já o BNDES traz o projeto Proplástico de apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Plástico, iniciativa do governo federal, que apoia desde o aumento da capacidade e produtividade da indústria como a reciclagem de produtos plásticos e investimentos socioambientais. O governo federal busca fomentar a indústria de transformação do plástico através de programas que oferecem taxas menores”, afirma Sidney Ferreira de Carvalho, da Gerência de Promoção e Eventos do BNDES.

Fonte: Assessoria de Imprensa Brasilplast

Foto (crédito): Getty Images

Nanotecnologia é tema de palestra na Conferência BRASILPLAST 2011

13/05/2011

A nanotecnologia, utilizada na pesquisa e produção em escala nano, ou atômica, está na pauta dos temas mais pesquisados por cientistas no mundo todo. Para falar mais sobre os avanços da nanotecnologia e suas aplicações em polímeros, a Conferência BRASILPLAST 2011 recebeu o professor titular e coordenador do laboratório de nanotecnologia da Universidade de São Paulo (USP), Henrique Toma.

Segundo o professor, a nanotecnologia seria muito bem aproveitada na indústria do plástico. “Ao agregar nanopartículas aos compostos plásticos, é possível dar ao produto maior resistência, flexibilidade, possibilidade de reciclagem etc”, diz.

Para Toma, a indústria do plástico tem potencial para aperfeiçoar seus produtos com a nanotecnologia, mas esse investimento ainda é baixo. “Outra fator é que os estudos desenvolvidos com nanotecnologia são, em sua maioria, realizados, em campo acadêmico. Um caminho para ampliar o debate é ter o espaço em feiras como a BRASILPLAST, para receber universidades e centros de pesquisa que apresentem novas soluções. Assim, a ponte entre acadêmicos e a indústria seria consolidada”, completa.

Fonte: Assessoria de Imprensa Brasilplast

Romi apresenta ações para redução de consumo energético durante a Conferência Brasilplast.

13/05/2011

 A fabricante de máquinas-ferramenta Romi apresentou na Conferência BRASILPLAST 2011 ações que podem ser úteis na diminuição do consumo energético no processo de transformação de materiais plásticos. Segundo Antonio Dottori, gerente de marketing de máquinas para plásticos da Romi, os processos de transformação do plástico são avaliados pela relação quilowatts (kW) por quilo (kg); ou seja, menor consumo energético para mais material transformado. “São muitos os pontos que podem ser atacados, por exemplo, sabemos que além da máquina existem os periféricos e estes também têm sua parcela de contribuição. Nem sempre as máquinas são responsáveis pelo alto consumo energético”.

Presidente da Abiplast analisa o setor durante a Conferência BRASILPLAST

11/05/2011

 O presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), José Ricardo Roriz Coelho, destacou na Conferência BRASILPLAST que a importação de produtos transformados dobrou nos últimos anos no Brasil, o que prejudica o desempenho da indústria nacional.

Segundo ele, o crescimento da indústria de transformação em países como a China gera serviços altamente qualificados, como criação de software e design, que agregam valor aos produtos e colabora para aumentar o Produto Interno Bruto (PIB). Para ele, o Brasil tem que se esforçar para aumentar os investimentos nessas áreas, e resolver alguns dos entraves para as empresas brasileiras, como os juros altos, os impostos e a tarifa de energia, que é uma das mais altas do mundo e penaliza os produtores nacionais.

Roriz destacou que o ideal para o Brasil seria unir a produção de commodities à fabricação de produtos de valor agregado, o que representaria uma enorme vantagem para o País. O presidente da Abiplast encerrou sua apresentação em um tom otimista, destacando que o Brasil vive um momento positivo e que as perspectivas para o futuro também são muito boas, especialmente por causa de eventos como a Copa e Olimpíada. Segundo ele, é preciso saber aproveitar e não ter medo de investir, pois a economia tem grandes chances de crescer.

Fonte: Assessoria de Imprensa BRASILPLAST

Foto (crédito): Getty Images

Diretora do Instituto de Embalagens fala sobre tendências no setor na Conferência Brasilplast

11/05/2011

Focar seus esforços para levar mais informações aos consumidores foi o primeiro conselho dado pela diretora do Instituto de Embalagens, Assunta Camilo, durante o primeiro dia da Conferência BRASILPLAST.  Ela explicou sobre as últimas tendências de consumo no mundo e como as embalagens devem seguir essas demandas para se tornarem mais eficientes.

Baseado em pesquisas sobre tendências de consumo, Assunta Camilo falou que as principais preocupações dos consumidores atualmente são conveniência, saúde, segurança, estilo de vida e sustentabilidade.

As embalagens devem atender às necessidades dos consumidores nessas questões e, além disso, levar informações não só sobre o produto, mas também sobre a própria embalagem. Ela explicou que apenas 7% das embalagens contêm informações sobre seu material, o que dificulta até mesmo o processo de reciclagem.

Assunta Camilo acredita que a sustentabilidade deve ser vista como uma oportunidade para a indústria do plástico, e que é preciso esclarecer os consumidores sobre a importância do setor. Segundo ela, o plástico faz parte de 40% das embalagens produzidas no País.

Fonte: Assessoria de Imprensa BRASILPLAST

Representante da FIESP fala dos impactos da Política Nacional de Resíduos Sólidos durante Conferência Brasilplast.

11/05/2011

Após 21 anos de discussão, a lei que determinou a criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos  vai mudar a rotina das indústrias. Foi o que explicou Ricardo Lopes Garcia, do Departamento de Meio Ambiente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, em palestra hoje na Conferência BRASILPLAST 2011, no Holiday Inn Park Anhembi.

Segundo o especialista, o grande desafio das empresas do setor de plástico será apresentar um Plano de Descarte de produtos, sob pena de não conseguirem renovar licenças imprescindíveis para o seu funcionamento.  Mas os desafios impostos pela política não se restringem ao setor privado. As prefeituras também terão que fazer um esforço para se adequarem, pois estão obrigadas a entregar um Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, tendo que cumprir 19 exigências.

“O plástico deverá ser um dos materiais mais visados e será necessário montar um plano de Logística Reversa. Isso significa o fabricante se responsabilizar pelo descarte adequado dos materiais, como já acontece com pilhas, baterias e lâmpadas”, explicou Ricardo. Para isso, o setor terá que trabalhar de forma educativa, pois os consumidores são parte fundamental para a destinação correta dos materiais.

Fonte: Assessoria de Imprensa BRASILPLAST

Foto (crédito): Getty Images

Pequenas e médias empresas marcam presença na Brasilplast

11/05/2011

 Em 2011, o segmento de resinas plásticas deve crescer 15%, atingindo o faturamento de R$ 2,8 bilhões. Os dados, apresentados pela Associação Brasileira dos Distribuidores de Resinas Plásticas (ADIRPLAST) ainda apontam que a venda de resinas no País deverá aumentar 4,2% em 2011. Esse é um item fundamental para setor do plástico. E os distribuidores desse material tem papel relevante na cadeia produtiva, já que são eles que entregam a matéria-prima para os pequenos e médios transformadores de todo o país.

Não só o setor de resinas plásticas, mas toda a indústria do plástico está em pleno crescimento. E as pequenas e médias empresas tem grande participação nesse processo. Segundo José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Vitopel e presidente do Conselho de Administração da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), as pequenas e médias empresas, além de ter participação de 90% dentro da indústria do plástico, já correspondem cerca de 30% do faturamento do setor.  “Essa é uma tendência que deve crescer ainda mais nos próximos anos, em razão do desenvolvimento das indústrias, principalmente fora do eixo Sul-Sudeste do País”, afirmou.

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) trouxe para a BRASILPLAST quatorze micro e pequenas empresas da cadeia produtiva do plástico e derivados. O apoio do Sebrae a essas empresas tem como finalidade apresentar novos produtos e dar destaque às empresas da indústria do plástico. Para Alencar Burti, presidente do Sebrae-SP: “O mundo não vive sem plástico. E para o pequeno produtor essa indústria é uma boa opção, pois não requer tantos investimentos. É preciso incorporar o micro empresário nesse mercado.”

Quando soube do apoio do Sebrae às pequenas empresas interessadas em participar da BRASILPLAST, Altair Oliveira, sócio-proprietário da Dialmaq, encaminhou uma solicitação imediatamente. “Minha empresa trabalha com fabricação de máquinas e equipamentos de plástico, e percebo que esse nicho ainda tem muito a oferecer a toda a indústria”, diz.

Fonte: Assessoria de Imprensa BRASILPLAST

Foto (crédito): Getty Images

Número em vendas de máquinas já bate recorde na Brasilplast

11/05/2011

A 13ª Feira da BRASILPLAST já começou batendo recordes em vendas de máquinas e equipamentos. Só no primeiro dia do evento, as empresas HGR, Simco, Stäubli, Seibit e Colorflex venderam ao todo 19 máquinas, desde injetoras plásticas até robôs de pintura.

 De acordo com os porta-vozes das empresas, as vendas foram surpreendentes, o que aumenta ainda mais as perspectivas de negócios.. “Não é comum fechar negócio no primeiro dia de feira. Estamos surpresos com as vendas e com a quantidade de visitas recebidas no estande”, afirmou Marcelo Magdalone da Silva, gerente geral da Stäubli no Brasil, empresa que já vendeu dois robôs de pintura, em um total de R$ 150 mil.

 O otimismo é compartilhado por Pedro Henrique Xavier, da Colorflex. Só ontem a empresa vendeu três máquinas de R$ 60 mil e uma de R$ 800 mil. A Seibit não ficou atrás, com cerca de R$ 900 mil em negócios já concretizados. Já a Simco tem expectativa de vender até 40 máquinas até o fim da BRASILPLAST, que termina na sexta-feira, dia 13 de maio.

Fonte: Assessoria de Imprensa Brasilplast

Messe Brasil e Demat lançam Interplast e Euromold Brasil 2012

09/05/2011

Durante a Brasilplast, de 9 a 13 de maio, a Messe Brasil lança a Interplast 2012 – Feira e Congresso de Integração da Tecnologia do Plástico, agendada para 20 a 24 de agosto de 2012. A principal novidade dessa edição é a realização da Euromold Brasil 2012 – Feira Mundial de Construtores de Moldes e Ferramentas, Design e Desenvolvimento de Produtos, em sua primeira edição no Brasil, viabilizada por meio de uma joint venture entre a Messe Brasil e a alemã Demat, uma das mais representativas empresas privadas de organização de feiras da Alemanha. Em paralelo acontece ainda o Cintec Plástico – Congresso de Inovação Tecnológica, organizado pelo IST/Sociesc – Sociedade Educacional de Santa Catarina.

 Na Interplast 2010, a Messe Brasil estima que o volume de negócios nos cinco dias de evento e nos seis meses subsequentes, reflexo dos contatos iniciados na feira, deve ter ultrapassado os R$ 400 milhões. O número de visitantes chegou a 25 mil, com profissionais vindos de 19 países, 22 estados brasileiros e do DF. Os segmentos de embalagem, automotivo/autopeças, construção civil e linha branca foram os de maior número no evento.

 A Messe Brasil participa da Brasilplast com estande onde contata os expositores para renovação das áreas, com preferência inicial para renovação dos espaços para expositores da edição anterior. Segundo Richard Spirandelli, gerente de marketing da Messe Brasil, com a realização de mais um evento paralelo a estimativa de crescimento é de 4 mil m² de área, com capacidade de cerca de 150 novos estandes. “Estamos projetando a criação de um espaço alternativo para abrigar esse crescimento, pois os pavilhões da Expoville já tiveram sua capacidade total ocupada em 2010”, explica.

 Euromold Brasil 2012

A EuroMold Brasil, voltada para a América Latina, segue os padrões da EuroMold, a maior feira mundial do segmento, que acontece anualmente em Frankfurt/Alemanha, em dezembro. A Demat também organiza e promove a AmericaMold em Cincinnati (EUA), AfriMold em Johannesburg (África do Sul), DieMould Índia em Chennai (Índia), RosMould em Moscou (Rússia) e a AsiaMold em Guangzhou (China).

 Além dos eventos já consolidados, os clientes Demat têm agora a oportunidade de explorar novos negócios na América Latina. “Entendemos que a primeira edição, junto com a Interplast, agrega valor à cadeia de moldes, ferramentarias e design, ampliando as possibilidades de negócios para visitantes e expositores da cadeia de desenvolvimento de produtos”, comenta Spirandelli.

 A Messe Brasil é responsável pela divulgação e comercialização do evento no Brasil e demais países da América Latina, e a Demat por expositores e visitantes dos demais continentes interessados em negócios nos países latinos. “A expertise da Messe Brasil em feiras técnicas para o setor de ferramentais plásticos, fundições e metal-mecânico, somados ao sucesso da Interplast que caminha para a sétima edição e ao amplo relacionamento da Demat no mercado mundial, respaldam o sucesso desta parceria internacional”, acrescenta Spirandelli.

Fonte: Messe Brasil

Operação Reciclar na Brasilplast destaca aspectos sócio-ambientais do Plástico.

09/05/2011

Uma equipe de cooperados da Associação Reciclázaro será encarregada de fazer a coleta de plástico produzido pelas empresas parceiras expositoras da BRASILPLAST (13ª Feira Internacional da Indústria do Plástico). A Associação é uma das apoiadoras da Operação Reciclar, iniciativa da Reed Exhibitions Alcantara Machado com apoio  da Plastivida. Cerca de dez colaboradores da Cooperativa Recicla Butantã, projeto da Associação Reciclázaro, se encarregarão da  coleta nos estandes e transporte do material até o espaço da Operação Reciclar, na entrada do Pavilhão de Exposições do Anhembi.

Os materiais serão separados por tipo de matéria prima plástica, em seguida serão triturados para o processamento em forma de grãos, sendo então soprados ou injetados. A unidade de demonstração possibilitará ao visitante da Brasilplast conhecer ao vivo o processo c ompleto de reciclagem e fabricação de novos produtos à partir de plástico reciclado. Serão usadas máquinas de reciclagem da Wortex, de injeção da ROMI e de sopro da Pavan Zanetti.

Além da questão ambiental, o principal objetivo desta ação é a valorização humana, com a geração de renda e inclusão social dentro do próprio evento”, afirma Marcos Moreira Vaz, coordenador de comunicação da Reciclázaro.

Além da participação da Associação Reciclázaro, a Operação Reciclar conta com o apoio e patrocínio de outras cinco entidades: Abiquim, Plastivida, Abiplast, Abimaq e Siresp, além de 10 empresas: Ampacet, Braskem, Fortymil, Hece, Pavan Zanetti, Radici, Romi, Sun Chemical, Stäubli e Wortex, que contribuirão com a doação de 100% de seus materiais produzidos durante a feira.

Fonte: Brasilplast

Foto (crédito): Getty Images