Posts Tagged ‘Borealis’

Polipropileno quimicamente reciclado da Borealis é usado em embalagens para bebida gelada Cafè Latte da suíça Emmi

30/08/2021

A empresa suíça de laticínios Emmi está fazendo parceria com a Borealis e a Greiner Packaging para produzir copos para a bebida Caffè Latte da Emmi, usando polipropileno reciclado quimicamente.

O Caffè Latte da Emmi, uma das principais marcas de café gelado pronto para beber na Europa, começou a incorporar polipropileno reciclado quimicamente em suas embalagens. Os copos, contendo 30% de material quimicamente reciclado, são produzidos pela Greiner Packaging e o material reciclado quimicamente vem da Borealis.

A Emmi, a maior processadora de leite da Suíça, afirma estar comprometida com a proteção do clima e a economia circular. A empresa de laticínios tem a meta declarada de tornar todas as suas embalagens 100% recicláveis ​​e está comprometida com várias medidas para promover a circularidade, tais como a de usar embalagens que contenham pelo menos 30% de reciclado até 2027. Focalizando em embalagens recicláveis ​​e no uso de materiais reciclados, a Emmi está dando um primeiro passo com sua a marca Caffè Latte.

Escassez de materiais e política ambiental

A partir de setembro de 2021, a marca Emmi CaffÈ Latte, usará pelo menos 100 toneladas de plástico baseado em material reciclado a cada ano. A reciclagem química transforma quimicamente os resíduos de plástico novamente em plástico, criando materiais reciclados com um nível de pureza equivalente ao Polipropileno baseado em combustível fóssil e, portanto, adequado para proteção, segurança alimentar e outras aplicações exigentes. Desta maneira, a Emmi está utilizando matéria-prima de difícil reciclagem por vias convencionais, evitando o descarte de lixo plástico que provavelmente seria depositados em aterro ou incinerado. No futuro, dependendo da disponibilidade de material adequado, a quantidade de plástico reciclado nas embalagens Emmi Caffé Latte deverá ser aumentada.

A nova tecnologia de recuperação do polipropileno ainda está engatinhando e a Greiner Packaging e a Borealis são líderes nesse processo. Apenas quantidades limitadas de polipropileno reciclado quimicamente estão disponíveis atualmente e a Emmi é um dos poucos fabricantes de alimentos a ter garantido o fornecimento de uma parcela do polipropileno reciclado quimicamente, em função do seu compromisso inicial e colaboração de longa data com as empresas que estão à frente do desenvolvimento.

“São necessários esforços conjuntos dos fabricantes de alimentos e embalagens para reduzir o desperdício e fazer um progresso mensurável na economia circular”, diz Bendicht Zaugg, que é responsável por Embalagens Sustentáveis ​​na Emmi.

“Temos uma parceria longa e recompensadora com a Emmi e a Borealis”, disse o gerente de contas-chave da Greiner Packaging, Vincenzo Crescenza. “Esta conquista está de acordo com nosso objetivo declarado de trabalhar para alcançar uma economia circular. Nossa estratégia é desenvolver produtos inovadores, desenvolver novas parcerias de serviços e modelos de negócios, além de parcerias pioneiras em materiais. ”

“A Borealis anseia por um mundo sem resíduos de plástico”, disse Trevor Davis, Chefe de Marketing de Produtos de Consumo da Borealis. “O polipropileno reciclado quimicamente usado neste novo copo do Emmi Caffè Latte é fabricado com o portfólio Borealis Borcycle C de soluções de reciclagem química, dando outra vida aos resíduos pós-consumo à base de poliolefinas. Ele oferece benefícios abrangentes, permitindo a transição para uma indústria de poliolefinas circular, ao mesmo tempo que cria produtos plásticos de qualidade virgem. Ao permanecermos fiéis à nossa ambição EverMinds de acelerar a ação na circularidade, junto com nossos valiosos parceiros ao longo de toda a cadeia de valor, como Emmi e Greiner Packaging, estamos reinventando em direção a uma vida mais sustentável. ”

O material reciclado quimicamente usado para o copo da Emmi Caffè Latte é composto total e exclusivamente por material certificado com ISCC (International Sustainability & Carbon Certification), com base no balanço de massa. O balanço de massa é uma metodologia que permite rastrear a quantidade e as características de sustentabilidade do conteúdo circular e / ou de base biológica na cadeia de valor e em cada etapa do processo. Em última análise, isto proporciona transparência também aos consumidores, permitindo-lhes saber que o produto que estão comprando é baseado em material renovável.

A Borealis é uma das empresas líderes no mercado europeu de produtos químicos básicos, fertilizantes e plásticos. Com sede em Viena, Áustria, a Borealis emprega 6.900 funcionários e opera em mais de 120 países. Em 2020, a Borealis gerou EUR 6,8 bilhões em receitas de vendas e um lucro líquido de EUR 589 milhões. A OMV, a empresa internacional de petróleo e gás sediada na Áustria, detém 75% da Borealis, enquanto os 25% restantes são detidos por uma holding da Mubadala, sediada em Abu-Dhabi. A joint venture fornece serviços e produtos para clientes em todo o mundo por meio da Borealis e de duas outras joint ventures: Borouge (com a Abu Dhabi National Oil Company, ou ADNOC, com base nos Emirados Árabes Unidos); e Baystar (com a TotalEnergies, com sede nos EUA).

A Emmi é a maior processadora de leite da Suíça. Suas raízes remontam a 1907, quando foi fundada por 62 cooperativas de produtores de leite nos arredores de Lucerna. Na Suíça, a Emmi produz uma gama completa de produtos lácteos para suas próprias marcas e marcas próprias de clientes, incluindo Emmi Caffè Latte e Kaltbach. Além disso, existem produtos fabricados localmente dependendo do país – principalmente no segmento de especialidades. Além do leite de vaca, também é processado leite de cabra e ovelha. O Grupo Emmi possui 25 unidades de produção na Suíça. No exterior, a empresa possui subsidiárias em 14 países, incluindo unidades de produção em 8 deles. A Emmi exporta produtos da Suíça para cerca de 60 países. Além de seu mercado doméstico na Suíça, as atividades de negócios da empresa se concentram na Europa Ocidental e no continente americano. As vendas de CHF 3,7 bilhões – cerca de 10% dos quais vêm de produtos orgânicos – são divididas igualmente entre a Suíça e outros países. Dos quase 8.900 funcionários, mais de dois terços agora estão empregados em locais fora da Suíça.

Greiner Packaging é um fabricante europeu líder de embalagens plásticas nos setores alimentício e não alimentício. A empresa fornece soluções especializadas nas áreas de desenvolvimento, design, produção e decoração há mais de 60 anos. A Greiner Packaging possui duas unidades de negócios: Packaging e Assistec. Enquanto a unidade Embalagem se concentra em soluções de embalagem inovadoras, a unidade Assistec se dedica à produção de peças técnicas sob medida. A Greiner Packaging emprega uma força de trabalho de aproximadamente 4.900 em mais de 30 localidades em 19 países ao redor do mundo. Em 2020, a empresa gerou receitas de vendas anuais de EUR 692 milhões (incluindo joint ventures), o que representa aproximadamente 35 por cento das vendas totais da Greiner.

Tomra e Borealis abrem fábrica para separação de resíduos plásticos pós-consumo e reciclagem mecânica avançada

02/02/2021

  • A planta conceito separa os resíduos plásticos pós-consumo e produzirá pellets de polímero totalmente formulados, prontos para o mercado
  • As grandes marcas e transformadores serão capazes de acessar o material para qualificação e validação de mercado no início de 2021
  • Colaboração pioneira reúne experiência vital para o avanço da economia circular

A Tomra e a Borealis anunciaram hoje (01/02) o início operacional de sua planta conceito de reciclagem mecânica avançada em Lahnstein, Alemanha.

“Esta fábrica é apenas o começo do que é possível quando os principais participantes da cadeia de valor se unem para causar um impacto realmente significativo no mercado”, disse Volker Rehrmann, vice-presidente executivo e chefe de economia circular da Tomra. “Tendo acabado de lançar a nova Divisão de Economia Circular, está claro o grande papel que a gestão de resíduos e projetos essenciais como este têm na caminhada em direção a um futuro sustentável. Estamos orgulhosos de ter iniciado uma das fábricas de reciclagem mecânica mais avançadas quando se trata de resíduos de polímeros pós-consumo. Isso se tornará um facilitador importante à medida que acelerarmos a transformação para uma economia circular nos próximos anos e estamos entusiasmados por fazer parte deste projeto pioneiro”.

“Esta planta incorpora os princípios da plataforma EverMinds fundada pela Borealis, que busca inovar a circularidade dos plásticos por meio da colaboração”, disse Lucrèce Foufopoulos, vice-presidente executivo da Borealis em Poliolefinas, Inovação e Tecnologia e Soluções de Economia Circular. “Oferecer material reciclado de alta qualidade às grandes marcas e aos transformadores, adequado para uso em aplicações altamente exigentes, é a mais recente contribuição da Borealis para uma economia mais circular de plásticos. A vida exige progresso e, por meio da colaboração, reinventamos para uma vida mais sustentável” .

A operação da planta é um empreendimento conjunto entre Tomra, Borealis e Zimmerman. A Borealis é responsável pelo sucesso comercial da planta e contribui com sua experiência e conhecimento em inovação, reciclagem e compostagem. Da mesma forma, a Tomra contribui como fornecedora de soluções baseadas em tecnologia e traz sua experiência, processos estabelecidos e conhecimento de mercado que, por sua vez, tornam possível a economia circular através de sistemas de coleta e triagem. A Zimmerman é uma empresa de gerenciamento de resíduos com experiência na triagem de vários tipos de resíduos, incluindo plásticos, e é responsável pelo sucesso das operações da fábrica e da qualidade do produto.

A planta de última geração processa resíduos plásticos rígidos e flexíveis de residências. E, ao contrário de muitas fábricas de reciclagem atuais, ela produzirá soluções para uso em aplicações de plástico de alta demanda em vários setores, incluindo automotivo e produtos de consumo. Com alta pureza, baixo odor, alta consistência do produto e frações de cor clara, esses polímeros reciclados de grau Borcycle M atenderão aos requisitos de qualidade do cliente em toda a cadeia de valor, afirmam as empresas.
O objetivo desta planta de demonstração é produzir material para que os proprietários de marcas e transformadores possam testar, validar e qualificar o uso dessa resina reciclada em suas aplicações altamente exigentes. O sucesso técnico estabelecerá as bases para uma planta de reciclagem avançada em escala comercial.

“Na P&G, estamos fazendo embalagens tendo em mente a ‘próxima vida’ do produto, a fim de ajudar a impulsionar uma economia circular mais robusta. Devemos aumentar o fornecimento de plástico reciclado de alta qualidade para permitir que a indústria cumpra essa visão”, afirma Gian De Belder, Diretor Técnico da Procter & Gamble (P&G), Sustentabilidade de Embalagens de P&D. “A nova abordagem inovadora que a Tomra e a Borealis estão adotando mostra o potencial para mudar a quantidade e a qualidade do PCR disponível para nossas marcas e nos ajuda a atingir nossa meta para 2030 de reduzir nosso uso de plástico virgem em embalagens em 50%, o equivalente a 300 mil toneladas anualmente. Os primeiros testes do material parecem muito promissores!”.

“Na Henkel, queremos reduzir o plástico virgem de origem fóssil para 50 por cento até 2025 – por exemplo, aumentando a participação de plásticos reciclados para mais de 30 por cento globalmente. Um grande desafio para embalagens mais circulares é a disponibilidade de plásticos reciclados de alta qualidade que posam ser usados nas embalagens de nossas marcas”, comenta Thorsten Leopold, Diretor Internacional de Tecnologia de Embalagem para Cuidados Domiciliares da Henkel.  “Estamos, portanto, muito animados pelo fato de que este projeto reúne três especialistas comprovados ao longo da cadeia de valor, com a ambição de elevar a reciclagem mecânica a um novo nível. “

A Tomra Sorting Recycling desenvolve e fabrica tecnologias de seleção baseadas em sensores para a indústria global de reciclagem e gerenciamento de resíduos. Cerca de 6.000 sistemas foram instalados em mais de 100 países em todo o mundo. Responsável pelo desenvolvimento do primeiro sensor infravermelho próximo (NIR) de alta capacidade do mundo para aplicações de seleção de resíduos, a Tomra Sorting Recycling faz parte da Tomra Sorting Solutions. A Tomra Sorting pertence à empresa norueguesa Tomra Systems ASA, que está listada na Bolsa de Valores de Oslo. Fundada em 1972, a Tomra Systems ASA tem um volume de negócios de cerca de 885 milhões de euros e emprega mais de 4.500 pessoas globalmente.

A Borealis é um dos maiores fornecedores mundiais de soluções de poliolefinas e líder no mercado europeu de produtos químicos básicos, fertilizantes e reciclagem mecânica de plásticos. Com sede em Viena, Áustria, a Borealis emprega 6.900 funcionários e opera em mais de 120 países. Em 2019, a Borealis gerou EUR 8,1 bilhões em receita de vendas e um lucro líquido de EUR 872 milhões. OMV, a empresa internacional de petróleo e gás sediada na Áustria, possui 75% das ações da Borealis, enquanto os 25% restantes pertencem a uma holding da Mubadala, com sede em Abu-Dhabi. O grupo fornece serviços e produtos para clientes em todo o mundo por meio da Borealis e de duas importantes joint ventures: Borouge (com a Abu Dhabi National Oil Company, ou ADNOC, com base nos Emirados Árabes Unidos); e Baystar (com Total, com base nos EUA).

Curta nossa página no

Lafarge, Borealis, OMV e Verbund se associam em projeto na Áustria para capturar e usar CO2 como matéria prima em escala industrial

05/07/2020

As empresas Lafarge Zementwerke, OMV, Verbund e Borealis assinaram um Memorando de Entendimento (MOU) para o planejamento e construção conjuntos de uma planta em escala comercial até 2030 para capturar CO2 e transformá-lo em combustíveis sintéticos, plásticos ou outros produtos químicos. A neutralidade climática, a circularidade e a inovação na Áustria são impulsionadas pelo estabelecimento de uma cadeia de valor transversal para a captura de carbono. Este projeto inovador deverá reduzir significativamente as emissões de carbono na produção de cimento, gerando valor para o gás carbônico como matéria prima, ao invés de liberá-lo como um gás de efeito estufa.

No Memorando de Entendimento, a Lafarge, OMV, Verbund e Borealis concordam em colaborar intersetorialmente no projeto ‘Carbon2ProductAustria’ (C2PAT). Seu objetivo é criar uma cadeia de valor transversal e operar uma planta em escala até comercial 2030, que capturará quase 100% das 700.000 toneladas de CO2 emitidas anualmente na fábrica de cimento da Lafarge em Mannersdorf, na Áustria. O objetivo final é usar o CO2 capturado como uma matéria prima.

Em combinação com o hidrogênio “verde” (a partir de energias renováveis) produzido pela Verbund, o CO2 capturado será transformado pela OMV em hidrocarbonetos de base renovável, que, por sua vez, podem ser usados ​​para produzir combustíveis de base renovável ou usados ​​pela Borealis como matéria-prima para produzir plásticos.

“Estamos comprometidos em liderar o setor na redução de emissões de carbono e na mudança para a construção de baixo carbono. Trabalhamos de forma consistente e com sucesso na redução da pegada de CO2 de nossas fábricas de cimento, produtos e soluções. No final, a produção de cimento neutro em CO2 só é possível com a implementação de tecnologias inovadoras, como a Captura de Carbono, motivo pelo qual temos grandes expectativas em relação ao projeto C2PAT “, ressalta o CEO da Lafarge, José Antonio Primo.

Novas cadeias de valor transversais dão apoio ao movimento das principais indústrias em direção à neutralidade climática

Uma vez que o C2PAT seja implementado, as 700 mil toneladas/ano de CO2 podem ser transformadas em combustível sintético pela OMV. Além disso, os parceiros pretendem investigar uma abordagem verdadeiramente circular: sendo a Borealis um parceiro-chave, o CO2 capturado pode ser usado para a produção de plásticos baseados em fontes renováveis. Esses plásticos são adequados para reciclagem no final de sua vida útil e, com isso, permitem um ciclo de CO2 quase fechado.

Hidrogênio “verde” como meio para descarbonizar indústrias intensivas em CO2

Verbund, a maior empresa de eletricidade da Áustria, fornecerá o hidrogênio verde usado para reciclar o CO2 capturado: “O hidrogênio verde é produzido quando a água é eletrolisada usando-se eletricidade de fontes renováveis. Para o projeto Carbon2ProductAustria, usaremos eletricidade verde de nosso portfólio de geração renovável”, explica Michael Strugl, vice-presidente executivo da Verbund. “O hidrogênio verde oferece um enorme potencial para descarbonizar processos industriais intensivos em CO2. Para alcançar nossos objetivos climáticos nacionais e globais, temos que colaborar entre os setores e unir nossos esforços para descarbonização e neutralidade climática. ”

Dar os próximos passos em direção a uma economia de “gás carbônico zero” exigirá as condições corretas tanto a nível financeiro como de uma estrutura regulatória favorável.

O sucesso do C2PAT dependerá em grande parte da criação de condições financeiras e regulatórias adequadas, tanto a nível nacional da União Européia como da Áustria.

Com essa colaboração ambiciosa, Lafarge, OMV, Verbund e Borealis estão apresentando uma solução inovadora e viável para a transformação em direção a uma economia de “gás carbõnico zero” na Europa.

Rainer Seele, Presidente do Conselho Executivo e CEO da OMV, disse: “A proteção do clima requer inovação e cooperação. Com este projeto, pretendemos fazer as duas coisas e isso mostra que a viabilidade econômica e a proteção do clima andam de mãos dadas com as novas tecnologias. O CO2 não é apenas um gás de efeito estufa que precisamos reduzir. É também uma matéria-prima valiosa, a partir da qual podemos produzir combustíveis sintéticos e matéria-prima para a indústria química. ”

Acelerando a transição de uma economia linear para uma circular para reduzir as emissões de CO2

“A circularidade requer que nós consideremos todo o sistema, e não ir direto para a mudança mínima, para a opção linear, pelo fato dela ser mais conveniente”, comenta Alfred Stern, CEO da Borealis. “A indústria do plástico pode ser um poderoso contribuidor para a ação climática, através da substituição de materiais que reduzam o peso dos produtos, da minimização do desperdício de alimentos e pela mudança para uma circularidade bem projetada que reduza as emissões de CO2. Estamos entusiasmados por unir forças com nossos parceiros da indústria em nossa missão de conduzir a mudança em direção a um setor de gás carbônico zero. ”

Objetivos do C2PAT

O principal objetivo do C2PAT é projetar e operar uma planta de captura de carbono na fábrica de cimento em Mannersdorf, Áustria, além de construir uma infraestrutura e um sistema operacional completo para a produção de hidrocarbonetos de base renovável e o uso do complexo para produzir uma ampla variedade de olefinas, plásticos e combustíveis de base renovável. Os parceiros pretendem colocar a planta comercial em operação até 2030. Um primeiro passo para esse objetivo será investigar ainda mais os obstáculos tecnológicos e econômicos atuais, realizando conjuntamente atividades de pesquisa e desenvolvimento relacionadas à cadeia de valor de carbono prevista.

O projeto conjunto está previsto para execução em três fases: na fase 1, os parceiros estão atualmente avaliando e desenvolvendo uma estratégia conjunta para o desenvolvimento do projeto, modelagem de negócios e engenharia de processos. Com base nos resultados da fase 1, um cluster de plantas piloto industriais na parte oriental da Áustria pode ser tecnicamente desenvolvido e implementado até 2023, na fase 2. A fase 3 implica a plena implementação da visão apresentada, ampliando as plantas até a capacidade máxima de 700.000 toneladas/ano de CO2 a serem capturadas e usadas e demonstrarão a escalabilidade global do projeto.

Curta nossa página no

Borealis converte planta piloto na Áustria para produção de tecido de PP meltblown usado como camada filtrante em máscaras protetoras contra Covid-19

15/05/2020

  • Borealis dá apoio a iniciativas para fabricação de máscaras faciais na Áustria
  • Transformação de linha piloto de desenvolvimento de meltblown em tempo recorde para aumentar o fornecimento de tecidos de filtragem em polipropileno (PP) para máscaras faciais de alta qualidade
  • Resina para meltblown de PP patenteada recentemente permite a produção de fibras superfinas com propriedades superiores de barreira e filtragem

A Borealis anunciou ter iniciado a produção de tecidos meltblown de polipropileno em uma linha piloto nas suas instalações em Linz, na Áustria. Os tecidos meltblown de polipropileno são empregados na fabricação de máscaras protetoras faciais. A Borealis conseguiu rapidamente converter o modo de operação da linha piloto, que antes era voltada somente para Desenvolvimento. Agora, a linha está operando para produção em menor escala na fabricação regular de rolos de tecidos de fibra fina para máscaras faciais. A Borealis afirma que desenvolveu recentemente uma nova resina proprietária de polipropileno (PP) para aplicações de meltblown, a qual aumentou as propriedades de filtragem do tecido devido à sua capacidade de gerar fibras mais finas. Ao explorar uma rede robusta de parceiros de cooperação no país, a Borealis está ajudando a reforçar o fornecimento de meios de filtragem para aumentar a produção de máscaras.

Respondendo à crise do Covid-19

Uma ampla variedade de tecidos meltblown com base em PP pode não ser visível para nós, mas pertencem ao nosso cotidiano. Essas soluções avançadas de PP para tecidos meltblown são usadas não apenas em eletrodomésticos (por exemplo, aspiradores de pó), mas também em dispositivos de refrigeração do ar e aquecimento. Sua importância crucial para as indústrias de higiene e saúde – em particular para máscaras faciais e roupas de proteção – tornou-se dolorosamente aparente, em virtude da pandemia global de coronavírus ter levado a uma escassez global dramática de equipamentos de proteção individual (EPI’s), essenciais para profissionais de saúde e outros.

A Borealis possui um histórico de 35 anos em inovações e fornecimento de PP para aplicações de meltblown e a linha piloto exclusiva em Linz desempenhou um papel importante nesses desenvolvimentos. A linha piloto agora está sendo remanejada para ajudar a atender à necessidade de máscaras faciais. Ao se associar a parceiros da cadeia de valor, organizações governamentais locais e regionais e organizações não-governamentais (ONGs), a Borealis afirma demonstrar sua atenção à saúde e a segurança das comunidades nas quais atua. No momento, diz a empresa, isso está sendo feito com o fornecimento de tecidos de filtragem para máscaras faciais, a fim de responder rapidamente a uma necessidade urgente na região. As instalações da linha piloto convertidas para linha de produção em pequena escala estão localizadas no Pavilhão da Aplicações da sede da Borealis Innovation, em Linz.

O grade HL912FB recém-desenvolvido está sendo usado para produzir tecido meltblown,  o qual poderá ser aplicado em camadas internas de máscaras faciais personalizadas à base de algodão, em máscaras faciais convencionais e também em máscaras mais eficientes usadas por profissionais médicos (FFP1 a FFP3)

Resinas de PP para aplicações meltblown aprimoram filtragem

Uma máscara típica é feita de camadas externas com material spunbond e uma camada intermediária com tecido meltblown (estrutura SMS). As camadas spunbond fornecem as propriedades estruturais, enquanto que a camada meltblown fornece as propriedades de barreira. Para as máscaras mais sofisticadas dos tipos FFP1 a FFP3, estruturas meltblown mais avançadas com fibras extremamente finas são essenciais. A Borealis fornece tanto os materiais de PP para aplicações meltblown como uma variedade de grades de PP spunbond.

A Borealis já fornece outros grades de resinas meltblown para aplicações em filtração (HL708FB and HL712FB). Segundo a empresa, a sua nova resina HL912FB recentemente introduzida no mercado pode ser processada em temperaturas de operação mais altas, permitindo a produção de fibras ainda mais finas. A Borealis afirma que testes internos da nova resina HL912FB mostraram uma melhoria significativa na eficiência da filtragem. Todos os três grades são fabricados nas instalações da Borealis na Europa e disponibilizadas para clientes em todo o mundo.

“A pandemia de Covid-19 levou a um aumento repentino na necessidade de EPI’s, ao mesmo tempo em que as cadeias de suprimentos estavam sendo paralisadas em todo o mundo. Gostaríamos de garantir aos nossos parceiros que continuamos a ser um fornecedor confiável de polímeros avançados para a fabricação de máscaras faciais de alta qualidade e outros EPIs ”, diz Lucrèce Foufopoulos, vice-presidente executiva da Borealis Polyolefins, Innovation and Circular Economy Solutions. “Fiel ao objetivo de nossa empresa (“A vida exige progresso – nós estamos reinventando para uma vida mais sustentável”), estamos oferecendo soluções inovadoras como o grade Borealis HL912FB e remanejando nossa linha piloto para convertê-la em linha de produção em pequena escala de tecidos meltblown. Nós estamos fazendo uso da nossa estreita colaboração com governos, ONGs e parceiros da cadeia de valor para colocar nossas capacidades de inovação e fabricação a serviço da sociedade”, complementou Foufopoulos.

A Borealis é fornecedora líder de soluções inovadoras nos campos de poliolefinas, produtos químicos básicos e fertilizantes. Com sede em Viena, Áustria, a empresa possui atualmente mais de 6.900 funcionários e opera em mais de 120 países. A Borealis gerou 8,1 bilhões de euros em receita de vendas e um lucro líquido de 872 milhões de euros em 2019. A Mubadala, por meio de sua holding, detém 64% da empresa, com os 36% restantes pertencentes à austríaca OMV, uma empresa internacional integrada de óleo e gás.

Curta nossa página no

Borealis adquire participação da NOVA Chemicals na joint venture Novealis

14/01/2020

A Borealis AG e a NOVA Chemicals Corporation anunciaram no dia 09/01 um acordo para a Borealis comprar a participação de 50% da NOVA Chemicals na Novealis Holdings LLC.

Formada em 2018, a Novealis é uma joint venture entre as afiliadas da Borealis e a NOVA Chemicals, que posteriormente formaram uma joint venture 50/50 com uma afiliada da Total SA para criar a Bayport Polymers LLC (“Baystar”) em Houston, Texas, EUA (foto ).

O fechamento da aquisição está sujeito às aprovações regulatórias habituais e outras condições, mas não está sujeito a nenhuma condição de financiamento. As partes esperam que a transação seja concluída no primeiro semestre de 2020.

A Borealis é fornecedora de soluções nos campos de poliolefinas, produtos químicos básicos e fertilizantes. Com sede em Viena, Áustria, a empresa possui atualmente mais de 6.800 funcionários e opera em mais de 120 países. A Borealis gerou 8,3 bilhões de euros em receita de vendas e um lucro líquido de 906 milhões de euros em 2018. A Mubadala, por meio de sua holding, detém 64% da empresa, sendo que os 36% restantes pertencem à OMV, uma empresa internacional com sede na Áustria do segmento de petróleo e gás. A Borealis fornece serviços e produtos para clientes em todo o mundo em colaboração com a Borouge, uma joint venture com a Companhia Nacional de Petróleo de Abu Dhabi (ADNOC), e com a Baystar, uma joint venture com a Total e a NOVA Chemicals no Texas, EUA.

A NOVA Chemicals desenvolve e fabrica resinas químicas e plásticas e está sediada em Calgary, Alberta, Canadá. A empresa é de propriedade da Mubadala Investment Company, de Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos).

Curta nossa página no

Borealis adquire controle acionário de fabricante coreano de compostos para a indústria de cabos elétricos

15/11/2018

A Borealis anunciou a assinatura de um acordo para aquisição de uma participação majoritária na empresa sul-coreana DYM Solution Co. Ltd. O acordo e transação estão sujeitos às aprovações regulamentares.

Com sede em Cheonan, na Coréia do Sul (foto), a DYM Solution Co. Ltd. foi fundada em 1992 e é fornecedora de soluções em compostos para a indústria global de cabos elétricos. Ela é especializada em compostos de borracha e curados por silanos, semicondutores e materiais retardantes de chama sem halogênio (HFFR).

Com este investimento, a Borealis busca estender a pegada global de ativos da divisão Wire & Cable que ela tem em conjunto junto com a Borouge, com sede em Abu Dhabi. Com essa aquisção, a Borealis poderá adicionar o portfolio complementar da DYM Solution Co à sua extensa gama de produtos.

“Ter acesso a uma base de produção asiática aumentará significativamente nossa capacidade de promover um crescimento orgânico contínuo para a Borealis e a Borouge e permitirá que atendamos ainda mais aos requisitos de nossos clientes do segmento de fios e cabos”, diz o diretor executivo da Borealis, Alfred Stern.

Fonte: Borealis

Curta nossa página no

Borealis demonstra uso do polipropileno em veículos durante a Feiplastic 2015

11/05/2015

Empresa estima que  potencial de crescimento para uso dos plásticos em veículos seja de 12% ate 2020.

Feiplastic_BorealisPor debaixo da lataria, o plástico representa aproximadamente 100 quilos, ou cerca de 10% do peso de um carro comum. E a estimativa é que a aplicação de materiais plásticos nos veículos aumente entre 10% a 12% nos próximos cinco anos. Para visualizar esse conceito, a Borealis, expositora da Feiplastic 2015, mostrou no evento um veículo montado apenas com peças feitas a partir de polipropileno (PP).

O destaque desse modelo montado pela empresa foi a apresentação da estrutura do banco traseiro feito com o material, em substituição ao uso do metal nessa composição. Os veículos europeus já são fabricados com essa tecnologia, segundo a Borealis. Vale lembrar que, quanto mais leve um carro, menor o consumo de combustível.

Outra peça que pode ser substituída pelos fabricantes de automóveis é o coletor de admissão. A peça pode ser trocada, principalmente nos carros de motores pequenos, de 1.0 a 1.6, segundo a empresa.  As vantagens são a redução no peso e ruídos causados pelo item, além do processo de produção ser mais simples e rápido.

A principal vantagem do polipropileno nos veículos é que as peças podem ser produzidas acompanhando qualquer design, pois são maleáveis em relação a outros materiais. Itens de segurança, como o air bag, não poderiam ser encaixados se as peças frontais fossem feitas em metais, por exemplo.

Fonte: Borealis;  Foto: Reed Exhibitions Alcantara Machado

Curta nossa página no