Posts Tagged ‘Bayer MaterialScience’

Bayer MaterialScience muda de nome e passa a se chamar Covestro

03/09/2015
  • Fabricante de materiais tem nova identidade
  • Covestro inicia suas operações e agora é legalmente e economicamente independente
  • Entrada no mercado de capitais é esperada para meados de 2016

covestroUma das principais fabricantes de polímeros do mundo tem uma nova identidade. A partir de 1º de Setembro de 2015, a Bayer MaterialScience passa a operar sob o nome Covestro (pronuncia-se Covéstro). A companhia hoje é legalmente e economicamente independente, mas continuará sendo uma subsidiária 100% da Bayer AG. A Bayer pretende conduzir a entrada da Covestro no mercado de capitais até meados de 2016 a fim de concentrar-se exclusivamente em seus negócios de ciências da vida.

“A independência nos permitirá reunir nossas forças para enfrentar a competição global de forma mais rápida, efetiva e flexível”, afirma o CEO da Covestro, Patrick Thomas.

“Fazer do mundo um lugar melhor”

A Covestro possui uma nova e colorida logo. Sua visão também é nova: “Fazer do mundo um lugar melhor”. “Nós cumprimos essa visão inspirando a inovação e conduzindo o crescimento por meio de tecnologias e produtos rentáveis que beneficiam a sociedade e reduzem os impactos ambientais”, explica Thomas.

A Covestro fornece produtos para indústrias-chave em todo mundo, tais como os setores automotivo, de construção e eletrônico, bem como as indústrias de esportes, moveleira e têxtil. Com seus produtos e soluções em aplicações, a companhia ajuda a solucionar os maiores desafios do nosso tempo, da mudança climática à escassez de recursos, mobilidade e urbanização ao crescimento populacional e mudanças demográficas.

Produtos versáteis para indústrias-chave

Os produtos da Covestro incluem matérias-primas para a espuma premium de poliuretano que, em sua forma flexível, é usada em móveis, colchões e assentos automotivos; em sua forma rígida, ela é usada no isolamento de prédios e em equipamentos de refrigeração.

A companhia também produz policarbonatos de alta performance, que são materiais muito versáteis para componentes automotivos, estruturas para coberturas, dispositivos médicos e muito mais. O portfolio da Covestro ainda é composto por especialidades químicas, incluindo matérias-primas para revestimentos, adesivos e filmes.

A Covestro é administrada por um Conselho formado por quatro membros. Os membros do Conselho de Administração, presidido pelo CEO Patrick Thomas, também incluem Frank H. Lutz (Diretor Financeiro e de Relações Trabalhistas), Dr. Klaus Schaefer (Produção e Tecnologia) e o Dr. Markus Steilemann (Inovação).

Sobre a Covestro: Com vendas de 11,7 bilhões de euros em 2014, a Covestro é uma das maiores companhias de polímeros do mundo. Suas atividades estão focadas na produção de polímeros de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados em diversas áreas. O grupo Covestro possui 30 sites de produção ao redor do mundo e até o final de 2014 empregava cerca de 14.200 colaboradores. A Covestro é uma empresa do Grupo Bayer.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Covestro

Curta nossa página no

Anúncios

Bayer planeja produção comercial de poliuretano derivado de CO2 a partir de 2015

06/08/2013
  • Gás de efeito estufa usado para a produção de plásticos
  • Processo oferece vantagens ecológicas e económicas
  • Fase de teste de dois anos bem sucedida
  • Espuma de poliuretano produzida a partir de CO2

Bayer_CO2Após uma bem-sucedido fase de teste, a Bayer está planejando comercializar o uso do gás de efeito estufa dióxido de carbono como uma nova matéria-prima para plásticos. A empresa iniciou o processo de planejamento para a construção de uma planta de produção na sua unidade em Dormagen, Alemanha, onde o CO2 será utilizado para produzir um precursor para a produção de espuma de poliuretano. O objetivo é, inicialmente, tornar disponíveis quantidades maiores deste precursor para processadores selecionados a partir de 2015.

A utilização de dióxido de carbono beneficia o meio-ambiente. O CO2 substitui uma parte das matérias-primas fósseis, tais como o petróleo. Ao mesmo tempo, a Bayer espera que o novo processo proporcione vantagens econômicas em relação ao método de produção convencional.

Efluente gasoso transformado em matéria-prima rentável

“CO2 está assumindo um novo papel: O gás residual está se transformando em uma matéria-prima útil e rentável. Isso nos torna uma das primeiras empresas do mundo a ter uma abordagem completamente diferente na produção de espumas de alta qualidade faz “, diz Patrick Thomas, CEO da Bayer MaterialScience.

A fabricante de materiais colaborou com parceiros da indústria e da academia para desenvolver o processo, que foi testado intensamente ao longo dos últimos dois anos. Como parte do projeto de pesquisa financiado com recursos públicos, intitulado “Produção dos Sonhos”, uma planta piloto construída na unidade da Bayer em Leverkusen produziu pequenas quantidades do precursor poliol, no qual o CO2 é quimicamente ligado.

O poliol é utilizado para a produção de espuma de poliuretano. Este material de alta qualidade pode ser encontrados em muitos produtos de uso diário, como móveis estofados, peças automotivas, equipamentos de refrigeração e material de isolamento térmico de edifícios. Em testes internos, as novas espumas mostraram, pelo menos, a mesma qualidade que o material convencional derivado totalmente de combustíveis fósseis.

Colchões feitos com CO2

“Depois de completar com sucesso a fase de testes, estamos lançando agora a Fase 2 com o objetivo de comercialização”, diz Thomas. A primeira utilização da nova espuma flexível à base de CO2 será para a produção de colchões.

A planta de produção planejada para a unidade de Dormagen terá uma capacidade de vários milhares de toneladas métricas. “Isso não vai ser o suficiente para atender à demanda do mercado, é claro. É uma tecnologia com patente registrada pela Bayer e ainda não decidimos ser o produtor exclusivo deste poliol inovador. O licenciamento também pode ser uma possibilidade “, acrescenta Thomas.

Fonte: Bayer MaterialScience

Curta nossa página no

Estádio Nacional de Brasília terá cobertura de teto com tecnologia desenvolvida pela Bayer MaterialScience

23/04/2013

Bayer_estadio_Brasilia

Placas de policarbonato, Makrolon UV 2099, garantem proteção da chuva e sol forte e proporciona leveza no visual arrojado da estrutura interna da cobertura

Os preparativos para a Copa do Mundo de 2014 estão em ritmo acelerado e algumas das construções entraram na fase final, como o Estádio Nacional de Brasília, uma das sedes escolhidas, inclusive, para a Copa das Confederações que inicia em junho deste ano. Atualmente as obras já se encontram na sua fase final e a Bayer MaterialScience se sente orgulhosa em contribuir, por meio de suas placas de policarbonato Makrolon, com o maior evento esportivo mundial que acontecerá no País.

Devido à leveza, transparência e versatilidade, o policarbonato Makrolon® UV 2099 é o material ideal para aplicações em tetos solares na construção civil. Cerca de 110 toneladas do produto, com placas de 12 mm de espessura, cada uma com mais de 10 metros de comprimento, foram fabricadas para o anel do telhado suspenso interno do estádio. Isso equivale a cerca de 7.500 m² a serem cobertos com a tecnologia sólida desenvolvida pela Bayer.

A estabilidade e o alto nível de resistência a impacto das camadas de policarbonato junto ao seu peso relativamente baixo, se comparado com outros materiais, garantem maior segurança e praticidade ao produto. Outra vantagem é sua flexibilidade para trabalhar, o que torna a manipulação sobre a construção muito mais fácil.

Outro benefício apresentado pelo Makrolon ® UV 2099 é que ambos os lados das placas oferecem proteção contra os raios UV. Os 12 mm de espessura permitem também uma alta incidência de luz no campo, em torno de 82%. Além disso, pelo seu alto grau de resistência, o produto protege os espectadores e jogadores das adversidades climáticas.

Em sintonia com a grandiosidade de Brasília, o antigo Estádio Mané Garrincha pretende se juntar ao legado deixado pelo arquiteto Oscar Niemeyer. Entre as principais mudanças, a remodelação inclui a remoção da antiga faixa de corrida que permitirá aos espectadores uma melhor visão de campo e a colocação de cobertura de alta tecnologia nas arquibancadas.

Sobre a Bayer MaterialScience:  Com vendas de 11,5 bilhões de Euros em 2012, a Bayer MaterialScience está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. Suas atividades de negócios são focadas na produção de materiais de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados no dia a dia. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, eletroeletrônicos, construção e as indústrias de lazer e esportes. No final de 2012, a Bayer MaterialScience tinha 30 fábricas, reunindo 14.800 colaboradores em todo o mundo. A Bayer MaterialScience é uma divisão de negócios do Grupo Bayer.

Fonte: Bayer MaterialScience / Jeffrey Group

Curta nossa página no

 

Bayer MaterialScience levará à Feiplastic produtos que reduzem impacto ambiental

20/02/2013

feiplastic

A unidade Bayer MaterialScience apresentará soluções inovadoras para vários setores da economia durante a feira

Confirmando a vocação da FEIPLASTIC como cenário de bons negócios e exposição de grandes empresas do ramo de engenharia de materiais, a Bayer prepara sua participação na Feira Internacional do Plástico, que acontece em maio de 2013, com quatro linhas de produtos. No estande da empresa, uma das maiores do setor de Materiais Inovadores do mundo, os visitantes/compradores poderão conhecer os produtos de linha das famílias Makrolon, APEC, BayBlend e Makroblend. As informações foram antecipadas por Luis Carlos Sohler, Head da Unidade de Negócios Policarbonatos para América Latina da Bayer MaterialScience.

Sohler explica o foco da Bayer em atender tendências mundiais ligadas ao clima, mobilidade e crescimento populacional. “A Bayer tem uma série de iniciativas e programas ligados à sustentabilidade e também desenvolve produtos e soluções com este foco. Algumas destas iniciativas auxiliam vários setores da economia, como a indústria automobilística, pois oferecemos substitutos aos metais, por exemplo. Com isso podemos ter carros mais leves,  com motores de menor potência e que consomem menos combustível”, explica Sohler. “O desenvolvimento de materiais mais leves e transparentes na construção civil, por exemplo, proporciona barreira acústica e térmica. Também existem materiais extintores de chamas, entre outras”, completa.

Em relação à importância da Feira Internacional do Plástico para o reconhecimento de novas tecnologias disponíveis no mercado brasileiro, Sohler acredita que o evento pode servir como uma vitrine e incentivo para que materiais e projetos já adotados em mercados como Estados Unidos e Europa possam ser popularizados no Brasil. “Uma feira como a Feiplastic pode acelerar o reconhecimento pelos consumidores de que os plásticos de engenharia devem ser considerados como uma excelente alternativa à substituição de materiais tradicionais, como os metais e o vidro, contribuindo de forma decisiva para a sustentabilidade do planeta”.

A evolução do mercado e as novas necessidades do consumidor proporcionaram à FEIPLASTIC uma nova abordagem, alinhada às tendências globais e à força da indústria plástica no Brasil. Outras grandes marcas também já têm presença confirmada como Basf, Deb’Maq, Dupont, SEW, Wortex, entre outras. A nova concepção da Feira, organizada e promovida pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, traz a credibilidade e tradição de mais de 20 anos, agora com um grande enfoque internacional e novos pilares como Negócios, Sustenbilidade e Tecnologia. Novidades, soluções e tendências em produtos, serviços e equipamentos serão apresentadas por empresas dos setores de matérias-primas; máquinas, equipamentos e acessórios; moldes e ferramentas; transformadores e resinas sintéticas. O evento também oferecerá outras plataformas de intercâmbio comercial, Club Premium, e-business e ferramentas de divulgação online.

Sobre a Bayer Material Science:Com vendas de 10,8 bilhões de euros em 2011, a Bayer MaterialScience está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. Suas atividades de negócios são focadas na produção de materiais de alta tecnologia e no desenvolvimento de soluções inovadoras para produtos usados no dia a dia. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, eletroeletrônicos, construção e as indústrias de lazer e esportes. No final de 2011, a Bayer MaterialScience tinha 30 fábricas, reunindo 14.800 colaboradores em todo o mundo. A Bayer MaterialScience é uma divisão de negócios do Grupo Bayer.

Fonte:  Assessoria de Imprensa – Feiplastic

Curta nossa página no

Bayer inaugura Centro de Desenvolvimento de Polímeros na Coréia do Sul

17/01/2013

Bayer_R&D_CenterA Bayer MaterialScience abriu oficialmente o seu primeiro Centro de Desenvolvimento e Tecnologia de Polímeros na Coreia do Sul. Localizado na cidade de Yongin, perto da capital Seul, ele irá focalizar o desenvolvimento de novas aplicações de policarbonato para produtos de empresas coreanas de alta tecnologia, especialmente nos setores automotivo e de Tecnologia da Informação. O novo Centro Tecnológico se incorpora a uma rede mundial de centros de pesquisa e desenvolvimento e unidades de produção importantes da região da Ásia/Pacífico.

“Durante a última década, a Coréia emergiu como um centro de vanguarda de produtos de alta tecnologia”, disse Michael Koenig, Membro do Comitê Executivo da Bayer MaterialScience e Chefe da Unidade de Negócios de policarbonato. “Grandes empresas coreanas estão oferecendo mundialmente suas mais recentes tecnologias, mas a sua pesquisa e desenvolvimento ocorre principalmente na Coréia. Com o nosso novo Centro de Tecnologia, nós podemos ficar mais perto delas, envolver-se melhor em parcerias de P & D de longo prazo e satisfazer às suas necessidades com maior eficiência e rapidez.” Koenig acredita que o centro vai se tornar uma força motriz no desenvolvimento de produtos inovadores na Coréia .

A Bayer selecionou estrategicamente Yongin como sede do Centro de Desenvolvimento devido à sua proximidade com outros centros de P & D e instalações fabris de muitas empresas globais da Coréia. Começando já na inauguração, o centro vai prestar assessoria técnica para clientes coreanos sobre aplicações de policarbonato em segmentos de alta tecnologia como produtos automotivos ou de TI (por exemplo, smart-fones, laptops, estações de TV, etc.) A partir do terceiro trimestre de 2013, ele vai desenvolver novos conceitos de aplicações de produtos com grandes empresas coreanas através de parcerias colaborativas,  bem produzir amostras e testes no contexto de assistência ao cliente.

A abertura do centro reflete o compromisso contínuo da Bayer em reforçar a sua presença na região da Ásia-Pacífico para oferecer aos clientes locais um melhor acesso ao know-how, experiência e tecnologias de aplicação avançada da empresa. O centro de tecnologia é parte de uma rede global de centros de P & D e de desenvolvimento de aplicações, incluindo os principais centros regionais de inovação em Pittsburgh (EUA), Leverkusen (Alemanha) e Xangai (China).

Além disso, o novo centro será apoiado por uma forte rede de unidades de produção da empresa na região da Ásia-Pacífico, principalmente os de Xangai, Map Ta Phut (Tailândia), e Niihama (Japão). A região possui hoje 60% da demanda mundial de policarbonato.

Fonte: Bayer MaterialScience

Curta nossa página no

Bayer MaterialScience apresenta soluções sustentáveis durante a feira Feiplar Composites & Feipur 2012

18/11/2012

Durante o evento, a empresa também comemorou o 75º aniversário do Poliuretano

Sempre focalizada em oferecer ao mercado soluções ligadas à Sustentabilidade, a Bayer MaterialScience levou à Feiplar Composites & Feipur 2012 suas iniciativas voltadas à preservação do meio ambiente. Durante a feira, que aconteceu entre 6 e 8 de novembro, no Expo Center Norte (SP), a multinacional alemã apresentou produtos como o Baytherm® Microcell e o RIM Bayflex® Lightweight, além de seus esforços para a produção “verde” de poliuretanos – projeto que recebeu o adequado nome de “Produção dos Sonhos”.

Um dos destaques da Bayer MaterialScience no evento, o Baytherm® Microcell é um sistema de poliuretano para a produção de espuma rígida usada como isolante térmico em refrigeradores. A novidade pode ser processada utilizando as tecnologias já existentes e cumpre as demandas do mercado por maior eficiência energética.

A espuma obtida com o Baytherm® Microcell possui células 40% menores que as soluções convencionais, o que resulta na redução na condutividade térmica em até 10%. A solução pode beneficiar não somente os consumidores finais por conta da economia de energia, mas também aumentar a produtividade dos fabricantes de refrigeradores e reduzir o custo por unidade devido à sua excelente capacidade de desmoldagem e fluidez.

Já o novo sistema de poliuretano RIM Bayflex® Lightweight é processado utilizando a tecnologia PU RRIM possibilitando a redução em até 30% o peso das peças externas dos veículos. Com uma densidade de apenas 0,9kg por litro, o material é mais leve que a água e sua utilização permite uma redução considerável no consumo de combustível e nas emissões de CO². Além dos automóveis, o RIM Bayflex® Lightweight também pode ser aplicado em peças para caminhões, ônibus, trens, aviões e navios.

Outro destaque foi a “Produção dos Sonhos”, projeto que utiliza o dióxido de carbono (CO2) como matéria-prima para a produção de poliuretanos e dá finalidade para o resíduo que é um dos principais causadores do efeito estufa. Em cooperação com parceiros da indústria e do meio acadêmico, a empresa desenvolveu um método de utilização do CO2 para o processo de síntese e para a sua incorporação na espinha dorsal do polímero. Isto resulta nos polióis policarbonatos poliéteres que a empresa agora também desenvolveu para o uso em produtos de espuma flexível, como colchões. O uso do dióxido de carbono como matéria-prima abre novas possibilidades para a redução do uso de petróleo e seus derivados.

Poliuretano: 75 anos de inovação

O 75º aniversário da invenção do Poliuretano, uma das criações mais inovadoras do século XX, também será lembrado pela Bayer MaterialScience em seu estande. Durante os três dias da feira, os visitantes que passarem pelo espaço da empresa conhecerão um pouco mais sobre a história do Poliuretano e suas aplicações no mundo moderno.

Sobre a Bayer MaterialScience

Com vendas de 10,8 bilhões de Euros em 2011, a Bayer MaterialScience está entre as maiores empresas de polímeros do mundo. Os principais segmentos atendidos são o automotivo, eletroeletrônicos, construção e as indústrias de lazer e esportes. No final de 2011, a Bayer MaterialScience tinha 30 fábricas, reunindo 14.800 colaboradores em todo o mundo. A Bayer MaterialScience é uma divisão de negócios do Grupo Bayer.

Fonte: Jeffrey Group / Bayer Material Science

Curta nossa página no

Bayer MaterialScience e parceiros desenvolvem nanoespumas de poliuretano para isolamento térmico.

15/10/2010

Nanoespumas dobram o desempenho de isolamento e reduzem o consumo de energia.

A Bayer MaterialScience está trabalhando no desenvolvimento de nanoespumas de poliuretano que podem levar a um salto no desempenho de isolamentos térmicos daqui há alguns anos. A empresa está focalizando seus esforços em microemulsões, que reagem sob condições supercríticas (Princípio da Expansão Supercrítica de Microemulsões, POSME) para formar espumas rígidas de poliuretanos. O objetivo é produzir espumas rígidas com tamanho de poro inferior a 150 nanômetros de diâmetro.

“Nanoespumas deste tipo alcançam o dobro do desempenho de isolamento térmico em relação às espumas de poliuretano atuais, significando que elas poderão, por exemplo, reduzir significativamente o consumo de energia de equipamentos de refrigeração e, por sua vez, gerar uma contribuição importante para a redução das emissões de CO2. Além disso, as paredes desses equipamentos poderão ser mais finas, resultando em mais espaço para armazenamento dos objetos refrigerados”, explica Dr. Stefan Lindner, um especialista em espumas rígidas de poliuretano da Bayer MaterialScience.

A empresa está se associando neste projeto de pesquisa com o Prof. Reinhard Strey do Instituto de Físico-Química da Universidade de Colônia, o qual já depositou uma patente referente ao processo POSME. Como parte da cooperação, o seu grupo de pesquisa está engajado na otimização das características das microemulsões.

O desempenho de isolamento térmico de uma espuma rígida de poliuretano depende basicamente do tamanho dos poros da espuma. Quanto menor o diâmetro, menor será a condutividade térmica e melhor será o efeito de isolamento. As espumas rígidas de poliuretano de hoje tem tamanho de poros de aproximadamente 150 micrômetros, tamanho este que é aproximadamente 1000 vezes maior que o das nanoespumas planejadas para o futuro.

Para sintetizar uma nanoespuma usando o método POSME, dióxido de carbono e as matérias primas líquidas do poliuretano (poliol e isocianato) são misturados com a ajuda de surfactantes especiais, a uma pressão de 200 bar, para formar uma microemulsão consistindo de gotas na escala de nanômetros, preenchidas com CO2 e encapsuladas em surfactantes. A pressão é então reduzida, fazendo com que o CO2 se expanda e transformando as gotas em bolhas, ainda na escala dos nanômetros. Ao mesmo tempo, as matérias primas de poliuretano reagem para formar uma rede de polímeros tridimensionais, que é a espuma de poliuretano rígida.

“Um dos desafios mais intrigantes que nós enfrentamos é como otimizar a coordenação da reação das matérias primas do poliuretano com a expansão das bolhas de CO2 através de um ajuste fino dos parâmetros de processo, de modo que se produzam nanoporos no diâmetro desejado” explicou o Sr. Lindner. “Não é uma tarefa fácil,” complementa Dr. Wolfgang Friederichs, líder global de pesquisa de produtos na Bayer MaterialScience. “É provável que ainda sejam necessários vários anos adicionais de trabalho até que estes desafios sejam superados.”

Fonte: Bayer MaterialScience