Posts Tagged ‘Balanço 3o. Trim 2021’

Braskem registra lucro líquido de R$ 3,5 bilhões

18/11/2021

Resultado operacional recorrente no trimestre alcança R$ 7,7 bilhões, com geração de caixa de R$ 3,9 bilhões; alavancagem é reduzida a 0,83x

A Braskem divulgou comunicado no dia 9/11 em que indica ter registrado uma recuperação de 12 pontos percentuais de participação de mercado de resinas no Brasil no terceiro trimestre, em linha com a estratégia da Companhia de priorizar o mercado brasileiro. A geração livre de caixa foi recorde trimestral e a alavancagem corporativa atingiu o menor nível desde a formação da Braskem em 2002, afirma a empresa.

  • A participação de mercado brasileiro de resinas no trimestre atingiu 64%, comparando-se a 52% nos três meses anteriores. A recuperação se deu em função do retorno das operações da central petroquímica do ABC, em São Paulo, que passou por uma manutenção programada no trimestre anterior;
  • A geração livre de caixa chegou a R$ 3,9 bilhões, um crescimento de 152% em relação ao 2T21 e de 424% em relação ao 3T20;
  • O resultado operacional recorrente consolidado no terceiro trimestre foi de R$ 7,7 bilhões, 18% inferior ao do trimestre anterior, mas 109% acima do terceiro trimestre do ano passado;
  • O lucro líquido foi de R$ 3,5 bilhões, 52% menor do que no trimestre anterior;
  • A relação de dívida líquida/resultado operacional recorrente (em dólares) foi de 0,83x no trimestre, inferior 24% quando comparada ao trimestre anterior (1,1x). A redução em relação ao mesmo período do ano passado foi de 83%.”Temos uma boa recuperação de participação no mercado brasileiro, o que reflete nosso esforço para atender bem nossos clientes e parceiros”, disse Roberto Simões, presidente da Braskem. “Além disso, reforçamos ainda mais nosso compromisso com a higidez financeira, o que já vem sendo reconhecido pelas agências de classificação de risco. Seguimos firmes no propósito de retornarmos ao grau de investimento em todas as agências”.

Em setembro, a S&P Global Rating elevou o nível de risco em escala global da Companhia para BBB-, com perspectiva estável. Segundo a Braskem, a agência destacou que a elevação do rating para o grau de investimento reflete a melhora considerável dos indicadores de rentabilidade e da geração de caixa, o compromisso da Companhia com a alavancagem e a expectativa da agência de que a Braskem continue se beneficiando com os altos spreads petroquímicos nos próximos trimestres.

Biopolímeros

A Braskem vem se firmando como parceira internacional de grandes empresas que procuram seguir o caminho da produção de produtos com a utilização de matéria-prima renovável.

Nesta semana, a Braskem anunciou a assinatura de um memorando de entendimento com a americana Lummus Technology para licenciar, em conjunto, a tecnologia de eteno verde na América do Norte e na Tailândia.

Em setembro, a Braskem e a SCG Chemicals, uma das maiores petroquímicas integradas da Tailândia e líder da indústria na Ásia, assinaram também um memorando de entendimento para realizar estudos de viabilidade para investir em conjunto em uma nova planta de desidratação de etanol na Tailândia. Essa planta visaria produzir eteno verde e o polietileno I’m green® bio-based.

México

Em agosto, a Braskem Idesa concluiu o projeto de expansão da capacidade de importação do fast track, que atualmente é de 25 mil barris por dia. Como resultado, durante o mês de setembro atingiu o volume de importação histórico de 22,4 mil barris por dia. No 3T21, a fim de complementar o fornecimento de etano pela Pemex, a Braskem Idesa importou uma média de 18,6 mil barris por dia de etano dos Estados Unidos, o que representa cerca de 74% da capacidade atual do fast track.

Adicionalmente, a Companhia está trabalhando em uma expansão do fast track, o que pode permitir à Braskem Idesa atingir uma capacidade máxima de importação de etano de até 35 mil barris por dia, com expectativa de conclusão durante o 2T22.

Em setembro, a Braskem Idesa assinou um aditivo ao contrato de fornecimento de etano com a Pemex, com quitação de pendências contratuais anteriormente existentes; e um convênio com a Pemex e outros entes governamentais que estabelece medidas de apoio para o projeto de construção de um terminal de importação de etano, com a capacidade para atender a totalidade da necessidade de matéria-prima da empresa.

Em outubro, a Braskem Idesa concluiu o seu plano de refinanciamento de dívida, com a substituição do saldo remanescente de US$ 1,35 bilhão do project finance por novas dívidas em formato corporativo, com perfil alongado. O destaque dessas novas dívidas é que elas foram na forma de sutaintability-linked bonds (SLB). Para emitir os SLBs, a Braskem Idesa se comprometeu a reduzir suas emissões de gases, em linha com a estratégia de desenvolvimento sustentável de longo prazo da Companhia.

Alagoas

A Braskem afirma que, desde 2018, vem contribuindo com o poder público na compreensão do fenômeno geológico em Maceió e na minimização dos seus efeitos. A Companhia assinou acordos com o Ministério Público Federal, o Ministério Público Estadual, a Defensoria Pública da União e a Defensoria Pública do Estado de Alagoas para promover a segurança e a compensação financeira dos moradores dos bairros atingidos pelo fenômeno e para a reparação socioambiental e urbanística da região.

De acordo com a empresa, até o dia 22 de outubro, 97% dos imóveis identificados pelo programa criado pelos acordos foram desocupados. Foram feitas mais de 10 mil propostas de compensação financeira e o índice de aceitação é de 99,6%, afirma a Braskem. O valor pago até o momento pela Braskem supera R$ 1,6 bilhão, segundo informado pela petroquímica.

As ações socioambientais avançaram no trimestre com a realização da escuta pública relativa ao trabalho de diagnóstico ambiental que está em andamento, com a participação da comunidade e de instituições técnicas. Além disso, o diagnóstico social nas áreas adjacentes também avançou com entrevistas da população e consulta aos entes públicos. Ele deve ser concluído nos próximos meses.

Segundo a Braskem, o plano de fechamento e monitoramento da região avança conforme previsto e contou com a instalação do último lote de sismógrafos na região de monitoramento, como acordado com a Defesa Civil de Maceió.

Curta nossa página no

Produção da indústria de embalagens flexíveis reage no terceiro trimestre de 2021

16/11/2021

Mesmo com o desempenho da economia inferior ao esperado, a indústria brasileira de embalagens plásticas flexíveis registrou no terceiro trimestre de 2021 uma produção 2,6% superior à do trimestre anterior, puxada pelo melhor desempenho de setores como higiene, limpeza, agropecuária e pet food. No acumulado de janeiro a setembro de 2021, o setor cresceu 0,1% em relação a igual período de 2020.

“Os fatores que impediram a recuperação da macroeconomia – basicamente os altos custos logísticos de importação e a demanda do consumidor final ainda tímida por conta da alta da inflação e da estagnação dos salários – não impediram que nosso setor tivesse um melhor desempenho”, celebra Rogério Mani, empresário e presidente da ABIEF (Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis.

Segundo pesquisa W4Chem, feita com exclusividade para a ABIEF, foi possível observar que, apesar do bom desempenho dos principais setores demandantes de embalagens flexíveis no início do 3º trimestre, eles perderam força em agosto. Por outro lado, as indústrias de alimentos e bebidas apresentaram crescimento em agosto, mas sobre uma base fraca de comparação.

A expectativa da W4Chem para o quarto trimestre é boa, em função principalmente da aposta nas comemorações de final de ano. Outros fatores que deverão ter impacto positivo são o avanço da vacinação e o fato das grandes cidades estarem ponderando a redução de medidas restritivas. “Contudo, as empresas do setor plástico ainda reportaram, na sua maioria, uma performance fraca no 3T. Mas estamos confiantes na recuperação no 4T, apesar do otimismo dos meses anteriores ter esfriado”, analisa Mani.

Foram produzidas 536 mil ton de embalagens plásticas flexíveis no 3ºT contra 523 mil ton no trimestre anterior. Desse total, 95% foram produzidas com matérias-primas virgens e 5% com resinas recicladas. A indústria de alimentos permaneceu como principal cliente, absorvendo 222 mil toneladas do total produzido. Outros importantes clientes do setor foram: aplicações industriais, 89 mil ton; agropecuária, 64 mil ton; bebidas, 49 mil ton; e descartáveis, 43 mil ton. 75% do total foram produzidos com PEBD (polietileno de baixa densidade) e PEBDL (polietileno linear de baixa densidade); PP (polipropileno 16%); e PEAD (polietileno de alta densidade) 9%.

Sobre a balança comercial, o estudo da W4Chem identificou que foram importadas 17 mil ton de embalagens flexíveis e exportadas 33 mil ton no 3T. Os principais tipos de embalagem importadas foram chapas, folhas autoadesivas e BOPP que, juntas, representaram 75% do total. As chapas e as folhas autoadesivas também foram as principais embalagens flexíveis exportadas, somando 88% do volume total.

Com mais de 44 anos de atividades, a ABIEF trabalha para o crescimento sustentável do mercado nacional de embalagens plásticas flexíveis. A Associação também tem incorporada às suas atividades o fomento à exportação e a preservação ambiental. A entidade reúne empresas de todo o Brasil, fabricantes de filmes monocamada coextrusados e laminados; filmes de PVC e de BOPP; sacos e sacolas; sacaria industrial; filmes shrink e stretch; rótulos e etiquetas; stand-up pouches; e embalagens especiais.

Curta nossa página no