Posts Tagged ‘Balanço 2o.Trim 2021’

Produção do setor de embalagens plásticas flexíveis tem queda de 1,2 % na segunda metade de 2021

27/08/2021

Apesar do desempenho do setor de embalagens plásticas flexíveis ter ficado aquém do esperado no segundo trimestre de 2021, o Presidente da ABIEF (Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis), empresário Rogério Mani, está otimista quanto a uma recuperação gradual nos próximos meses. Segundo ele, a queda de 1,2 % na produção do setor foi puxada pelo desempenho inferior de alimentos e bebidas no período. “Acreditamos que seja uma situação pontual e sazonal e que com o avanço da vacinação e redução de grande parte das medidas de restrição nas maiores cidades do país, em breve voltaremos a um ritmo de produção e consumo mais equilibrado.”

Segundo pesquisa Maxiquim recentemente divulgada e elaborada com exclusividade para a ABIEF, a indústria produziu 487 mil toneladas de embalagens plásticas flexíveis no segundo trimestre deste ano, sendo que o setor de alimentos continuou sendo o principal cliente, absorvendo 46% desse total. O segundo principal mercado foi o de embalagens industriais, com uma participação de 19%.

Entre os materiais, PEBD (polietileno de baixa densidade) e PEBDL (polietileno linear de baixa densidade) foram os mais usados, com uma participação de 73% nas 487 mil toneladas produzidas. Na sequência aparecem PP (polipropileno), com 18% e PEAD (polietileno de alta densidade), com 9%. Por aplicação, este volume foi dividido em embalagens multicamadas, com 163 mil ton; monocamada, 156 mil ton; shrink, 69 mil ton; stretch, 53 mil ton; sacolas e sacos, 40 mil ton; outros, 5 mil ton.

O estudo aponta ainda que, entre os itens importados, chapas, folhas autoadesivas e BOPP (polipropileno biorientado) seguem sendo os principais tipos de embalagens flexíveis adquiridas fora do Brasil. No segundo trimestre de 2021, esses produtos somaram cerca de 85% do total. As chapas e folhas autoadesivas também são as principais embalagens flexíveis exportadas, somando 56% do volume do segundo trimestre de 2021. No período, a balança comercial do setor foi positiva com exportações que totalizaram 31 mil toneladas contra importações da ordem de 20 mil toneladas.

“O desempenho de nossa indústria está atrelado ao desempenho da macroeconomia. Contudo, sabemos que o desempenho deste segundo trimestre também está atrelado, principalmente, a uma readequação dos estoques. A cadeia produtiva como um todo, inclusive o varejo, estava bem estocada e os estoques foram usados. Ou seja, tivemos um fluxo invertido: a cadeia produtiva desovou seus estoques ao mesmo tempo em que houve queda do consumo. Mas nada indica que haja algum risco iminente de falta de produtos”, analisa Mani.

É sabido também que o segundo trimestre de 2021 não foi suficiente para a economia brasileira retomar totalmente o ritmo pré pandemia. “A demanda do consumidor final foi mais fraca do que a previamente esperada e alguns setores que vinham com bom desempenho durante a pandemia apresentaram uma retração, tais como os segmentos de alimentos, descartáveis e bebidas, por conta da sazonalidade e do menor poder de compra do consumidor final. Higiene pessoal e limpeza doméstica, que foram altamente demandados em 2020, também perderam força nos últimos meses. O segmento da Agricultura, por outro lado, depois de um início de ano ruim, vem apresentando recuperação nos últimos meses”, completa o Presidente da ABIEF.

O estudo da Maxiquim também estima que as vendas internas de poliolefinas registrem queda próxima a 10% em comparação ao trimestre anterior e aumento de 19% na comparação com o segundo trimestre de 2020. “A boa notícia é que a disponibilidade de resina está normalizada após as paradas para manutenção. No mercado internacional, a disponibilidade está maior, porém o excedente para exportação ainda não está nos níveis históricos”, finaliza Rogério Mani.

Com mais de 40 anos de atividades, a ABIEF trabalha para o crescimento sustentável do mercado nacional de embalagens plásticas flexíveis. A Associação também tem incorporada às suas atividades o fomento à exportação e a preservação ambiental. A entidade reúne empresas de todo o Brasil, fabricantes de filmes monocamada coextrusados e laminados; filmes de PVC e de BOPP; sacos e sacolas; sacaria industrial; filmes shrink e stretch; rótulos e etiquetas; stand-up pouches; e embalagens especiais.

Fonte de gráficos e diagramas: Maxiquim

Curta nossa página no

Braskem registra lucro atinge R$ 7,4 bilhões no segundo trimestre de 2021

12/08/2021

Resultado cresce pelo quarto trimestre consecutivo; resultado operacional recorrente de R$ 9,4 bi no 2T21

A Braskem divulgou os resultados do segundo trimestre deste ano, no qual apresentou um forte resultado operacional recorrente, com aumento da receita líquida de vendas e do lucro líquido. Em função disso, a companhia seguiu reduzindo a sua dívida bruta e a sua alavancagem corporativa, a qual chegou ao patamar mais baixo de sua história ao final do trimestre.

  • No trimestre, o resultado operacional recorrente foi de R$ 9,4 bilhões, 35% superior ao trimestre anterior e 522% acima do mesmo período do ano passado;
  • A receita líquida de vendas alcançou R$ 26,4 bilhões, crescimento de 16% e de 136% em relação ao primeiro trimestre deste ano e ao segundo trimestre de 2020, respectivamente;
  • O lucro líquido foi de R$ 7,4 bilhões, 198% maior do que no trimestre anterior;
  • A relação em dólares de dívida líquida/resultado operacional recorrente em dólares foi de 1,1 vez no trimestre, inferior 39% quando comparada ao trimestre anterior (1,8 vez). A redução em relação ao mesmo período do ano passado foi de 85%.

“Os resultados da Braskem no trimestre refletem o positivo momento do cenário petroquímico internacional e o nosso compromisso com a higidez financeira, mantendo firme nosso objetivo de voltarmos ao nível de risco de grau de investimento. Estamos trabalhando duro para continuar a contribuir para a retomada econômica e para atender bem nossos clientes e parceiros, sempre tendo como prioridade a segurança e a saúde de nossos integrantes”, disse Roberto Simões, presidente da Braskem.

O resultado operacional recorrente da companhia foi gerado pela melhoria dos spreads internacionais e pelo maior volume de vendas de polipropileno nos EUA e de polietileno no México. No mercado brasileiro, a Braskem registrou uma queda na demanda por resinas no segundo trimestre de 7%, quando comparado ao primeiro trimestre do ano. Tal queda se deu principalmente pela normalização da demanda em alguns segmentos da economia, como construção civil, embalagens, bens de consumo, entre outros. Apesar disso, a demanda permanece em patamares saudáveis. Na comparação com o segundo trimestre do ano passado, quando a economia desaqueceu por causa da pandemia de Covid-19, houve aumento de 34%.

Para reduzir a dívida bruta, a Braskem concluiu uma série de operações no segundo trimestre, totalizando US$ 643 milhões. Adicionalmente, em julho, a companhia concluiu o resgate total do bônus com vencimento em 2022 no montante de US$ 255 milhões e o pré-pagamento do empréstimo bancário no valor de US$ 100 milhões.

Como reflexo, em maio, a agência de classificação de risco Fitch Ratings alterou a perspectiva do rating da Braskem para positiva, no nível de risco em escala global de BB+ e, em julho, a agência Moody’s alterou a perspectiva do rating da Braskem para estável, no nível de risco em escala global de Ba1.

ESG

Alinhado com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU para 2030, a Braskem assumiu novos compromissos estruturados em sete dimensões: saúde e segurança, resultados econômicos e financeiros, eliminação de resíduos plásticos, combate às mudanças climáticas, ecoeficiência operacional, responsabilidade social e direitos humanos e inovação sustentável.

Um marco importante para tornar públicos os esforços da companhia nesse sentido foi o lançamento do Relatório Integrado 2020, contemplando os padrões de reporte GRI (Global Report Initiative), IIRC (International Integrated Reporting Council) e, pela primeira vez, SASB (Sustainability Accounting Standards Board). Mais informação em: http://www.braskem.com.br/portal/Principal/arquivos/relatorio-anual/Braskem_RI2020_PT.pdf

Outro marco importante foi a aprovação, em Assembleia Geral Extraordinária realizada em julho, da reforma e consolidação do Estatuto Social da Companhia para transformar o Comitê de Conformidade em Comitê de Conformidade e Auditoria Estatutário (CCAE). A formação do CCAE é uma recomendação do Código Brasileiro de Governança Corporativa, recepcionado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na Instrução CVM no 480/09. O comitê será formado por membros independentes sendo dois externos nomeados a partir de lista selecionada por empresa de headhunter.

Seguindo nas ações de apoio na assistência ao combate à Covid-19 e aos efeitos sociais causados pela pandemia, a Braskem destinou neste ano R$ 15 milhões para projetos que incluíram a distribuição de mais de 55 mil cestas básicas e 25 mil kits de higienização. O programa de voluntariado da Braskem também entrou nesse esforço e, para aumentar ainda mais seu impacto, a companhia multiplicou em cinco vezes as doações de seus integrantes, em formato de cestas básicas.

Alagoas

A companhia assinou acordos com o Ministério Público Federal, o Ministério Público Estadual, a Defensoria Pública da União e a Defensoria Pública do Estado de Alagoas para promover a segurança e a compensação financeira dos moradores dos bairros atingidos pelo fenômeno e para a reparação socioambiental e urbanística da região.

Para dar conta da compensação dos moradores, da reparação socioambiental e urbanística e do fechamento seguro dos poços de sal na região, a Braskem fez o provisionamento de R$ 10,2 bilhões havendo saldo atual de R$ 7,7 bilhões.

A Braskem afirma que vem cumprindo o cronograma acertado com as autoridades alagoanas, sendo que 13.807 imóveis localizados no mapa de ações prioritárias da Defesa Civil alagoana já foram desocupados, o que corresponde a quase 96% do total.

O Programa de Compensação Financeira e Apoio à Realocação (PCF) chegou em julho a 8.298 propostas apresentadas aos moradores, comerciantes e empresários da área de desocupação, com um índice de aceitação de 99,7%. Até agora, o Programa pagou mais de R$ 1,3 bilhão entre indenizações e auxílios financeiros.

Curta nossa página no

Evonik registra forte crescimento no primeiro semestre do ano e eleva perspectivas para 2021

12/08/2021

  • Vendas cresceram 29% no segundo trimestre, Ebitda ajustado aumentou 42%
  • As três divisões de crescimento apresentaram resultados acima dos níveis pré-crise de 2019
  • Perspectivas para 2021: Ebitda ajustado agora projetado para 2,3-2,4 bilhões de euros

A Evonik elevou suas perspectivas para 2021, após registrar sólidos rendimentos no primeiro semestre do ano. A demanda mundial pelos produtos da empresa cresceu significativamente e os preços de venda também tiveram alta.

“Saímos da crise mais fortes que antes e obtivemos ganhos substanciais no primeiro semestre”, afirmou Christian Kullmann, presidente da diretoria executiva da Evonik. “Essa dinâmica positiva se manterá no segundo semestre, o que nos deixa confiantes em relação à elevação das nossas perspectivas. Do atual ponto de vista, vamos até mesmo fechar o ano na faixa superior do intervalo”.

Para o ano de 2021 inteiro, a Evonik agora prevê um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda ajustado) de 2,3 a 2,4 bilhões de euros. Na previsão anterior, a faixa era de 2,1-2,3 bilhões de euros. A perspectiva de vendas foi elevada para 13 a 14,5 bilhões de euros ante os 12 a 14 bilhões projetados anteriormente. No ano passado, a Evonik registrou um Ebitda ajustado de 1,91 bilhão de euros e vendas de 12,2 bilhões de euros.

No segundo trimestre, o Ebitda ajustado cresceu 42% para 649 milhões de euros na comparação com o mesmo período do ano anterior. Mesmo quando comparado com o segundo trimestre pré-corona de 2019, o Ebitda ajustado apresentou alta de 15%. As três divisões de crescimento – Specialty Additives, Nutrition & Care e Smart Materials – contribuíram igualmente para esse impulso e demonstraram sua resiliência apesar dos altos custos das matérias-primas.

As vendas da empresa cresceram 29% para 3,64 bilhões de euros no segundo trimestre na comparação com o mesmo período de 2020. O lucro líquido ajustado subiu 58% para 253 milhões de euros, com o lucro ajustado por ação aumentando de 0,34 para 0,54 euro.

Em virtude do melhor desempenho comercial, o fluxo de caixa livre cresceu para 101 milhões de euros na comparação ano a ano, apesar do esperado aumento no capital de giro líquido e do pagamento de impostos mais elevados. Em consequência, o fluxo de caixa livre atingiu um nível recorde de 413 milhões de euros no primeiro semestre do ano.

“O excelente fluxo de caixa do primeiro semestre do ano proporciona a base para atingir novamente neste ano uma taxa de conversão de caixa de 40%” disse Ute Wolf, CFO da empresa.

Desenvolvimento nas divisões

Specialty Additives: As vendas da divisão aumentaram 23% para 922 milhões de euros no segundo trimestre.

Os aditivos para espumas de poliuretano, por exemplo, para a indústria da construção ou de bens duráveis como colchões e refrigeradores, registraram uma alta significativa na demanda, o que ocasionou uma forte elevação nas vendas na comparação com o trimestre mais fraco do ano passado por conta da pandemia. Os aditivos para a indústria de revestimentos também contabilizaram um crescimento significativo nas vendas em todas as regiões. A demanda por produtos para o setor de energias renováveis continua boa. O negócio de aditivos para a indústria automotiva também aumentou de maneira importante na comparação ano a ano. O Ebitda ajustado cresceu 20% para 242 milhões de euros.

Nutrition & Care: As vendas da divisão subiram 13% para 838 milhões de euros no segundo trimestre. As vendas de aminoácidos essenciais aumentaram com a boa demanda em volumes e melhores preços de venda. Os produtos para o setor de saúde e cuidados se beneficiaram da boa procura, resultando em vendas consideravelmente mais elevadas. Os ingredientes ativos, especialmente os destinados a aplicações cosméticas, foram favorecidos por um bom desenvolvimento nos volumes. No setor de aplicações farmacêuticas, as vendas de lipídios para vacinas de mRNA registraram um aumento significativo. O Ebitda ajustado da divisão aumentou 9% para 183 milhões de euros.

Smart Materials: As vendas dessa divisão cresceram 35% para 975 milhões de euros no segundo trimestre. Os polímeros de alta performance também registraram um aumento da demanda na indústria automobilística. As poliamidas 12 em pó para os setores de impressão 3D e membranas para o tratamento eficiente de gás também registraram uma alta demanda. O negócio de sílica para pneus se beneficiou de uma forte elevação na demanda na comparação com o mesmo trimestre do ano passado, mais fraco em razão da pandemia. Os produtos com oxigênio ativo registraram uma boa demanda em volume, tanto na atividade com especialidades quanto com peróxido de hidrogênio clássico. O negócio de catalisadores foi beneficiado pela inclusão, pela primeira vez, da Porocel, empresa adquirida em novembro de 2020. O Ebitda ajustado da divisão cresceu 73% para 176 milhões de euros.

Performance Materials: As vendas da divisão subiram 62% para 708 milhões de euros no segundo trimestre. Os produtos C4 registraram um aumento significativo nas vendas em função do incremento na demanda e de preços de venda com forte melhora. O negócio com superabsorventes continua afetado pelo difícil ambiente de mercado. O Ebitda ajustado da divisão cresceu de 12 milhões de euros para 99 milhões de euros no trimestre.

Curta nossa página no

Covestro apresenta balanço com fortes resultados no segundo trimestre

06/08/2021

  • Boa recuperação da demanda e tendência positiva de preços persistem
  • Segundo trimestre forte com fôlego para maior lucro
  • Aumento de 35% nos volumes principais de vendas
  • Vendas totais de mais de 3,9 bilhões de euros (+83,5%)
  • EBITDA sobe para 817 milhões de euros (>500%)
  • Receita líquida totaliza 449 milhões de euros
  • Forte aumento no fluxo de caixa operacional livre, para 374 milhões de euros
  • Confirmado aumento do guidance de lucros, anunciado em 12/07
  • Base para crescimento sustentado: nova estrutura do Grupo desde 1º de julho

No segundo trimestre de 2021, a Covestro beneficiou-se de uma forte recuperação contínua na demanda global em comparação com um fraco 2º trimestre de 2020, decorrente da pandemia de coronavírus. A área de Resinas & Materiais Funcionais (RFM), adquirida da DSM com vigência a partir de 1º de abril de 2021, também foi consolidada pela primeira vez. Como resultado, o Grupo teve alta significativa nos volumes principais de vendas, de 35% em relação ao ano anterior, dos quais cerca de 10% podem ser atribuídos à consolidação inicial dos negócios da RFM.

Ao mesmo tempo, interrupções não planejadas na produção nos Estados Unidos por razões climáticas e gargalos contínuos na disponibilidade de matérias-primas impactaram negativamente a disponibilidade dos produtos – limitando também o potencial de crescimento de todos os segmentos no segundo trimestre de 2021. Além do crescimento dos volumes, os preços de venda substancialmente mais altos provocaram um aumento nas vendas de 83,5%, na relação com o ano anterior, chegando a mais de 3,9 bilhões de euros. Como resultado do crescimento de volumes e do aumento geral das margens, o EBITDA subiu para 817 milhões de euros (ano anterior: 125 milhões de euros). Esse resultado também inclui efeitos negativos isolados de 35 milhões, ligados à consolidação da RFM. A receita líquida no segundo trimestre de 2021 foi de 449 milhões de euros (ano anterior: -52 milhões de euros), e o fluxo de caixa operacional livre (FOCF) cresceu significativamente para 374 milhões de euros (ano anterior: 24 milhões de euros).

“No segundo trimestre, pudemos seguir perfeitamente no curso positivo que os negócios tiveram no primeiro trimestre. A reorganização da nossa empresa desde 1º de julho também nos coloca mais próximos dos nossos clientes e em posição ideal para atender requisitos específicos do mercado”, afirma Markus Steilemann, CEO da Covestro. “Estamos iniciando o segundo semestre do ano com grande fôlego e continuaremos a todo vapor na concretização da nossa visão de nos tornarmos totalmente circulares.”

Previsão de maior lucro confirmada para o ano completo de 2021

Diante do seu desempenho comercial positivo, a Covestro já havia aumentado seu guidance de lucro para 2021, em 12 de julho de 2021. A empresa confirma hoje esse guidance. O Grupo prevê um EBITDA entre 2,7 bilhões e 3,1 bilhões de euros, devido à melhor perspectiva de margens no segundo semestre do ano. Espera-se que o FOCF fique entre 1,6 bilhão e 2 bilhões de euros e o retorno sobre o capital empregado (ROCE) seja de 16 a 20%. Há expectativa (inalterada) de crescimento de 10 a 15% do volume principal, dos quais 6% podem ser atribuídos aos negócios da RFM.

“Seguimos nos beneficiando da alta demanda contínua e da tendência positiva sustentada de preços no segundo trimestre, enquanto mantemos nossa disciplina de custos. Além disso, os negócios da RFM foram totalmente consolidados pela primeira vez”, destaca Thomas Toepfer, CFO da Covestro. “Nossos fortes resultados operacionais são mais uma prova da lógica estratégica por trás dessa aquisição. Agora manteremos esse impulso positivo nos lucros no terceiro trimestre.”

Base para crescimento sustentado: nova estrutura do Grupo

Com o realinhamento da estrutura do Grupo, a Covestro atingiu um primeiro marco ao implementar sua estratégia “Sustainable Future”, apresentada em fevereiro de 2021. A companhia reorganizou com sucesso suas três unidades de negócios anteriores – Poliuretnos, Policarbonatos e Coatings, Adesivos & Especialidades – em sete novas entidades corporativas desde 1º de julho de 2021. Essas entidades são organizadas de acordo com seus fatores de sucesso, sob medida para as necessidades dos clientes e requisitos de mercado específicos. Isso possibilita à empresa alinhar sistematicamente os processos e produtos às necessidades dos clientes, aumentando seu foco em rentabilidade e sustentabilidade. No futuro, a Covestro irá reportar sua nova estrutura nos relatórios financeiros nos segmentos de Materiais de Performance e Soluções e Especialidades. O primeiro relatório da Covestro neste formato será emitido ao fim do terceiro trimestre de 2021, em 8 de novembro de 2021.

Forte desempenho em todos os segmentos: crescimento em volumes e vendas

No segundo trimestre de 2021, o segmento de poliuretanos teve um crescimento nos volumes principais de vendas de 27,8% em comparação com o trimestre do ano anterior. Os volumes vendidos subiram em todas as principais indústrias consumidoras, em todas as regiões. As vendas do segmento, totalizando cerca de 1,8 bilhão de euros, mais que dobraram em comparação com o trimestre do ano anterior (913 milhões de euros). Isso se atribui principalmente a um aumento nos preços médios de venda e nos volumes totais vendidos. Somando-se às margens maiores, isso levou a uma forte elevação do EBITDA para 452 milhões de euros (ano anterior: -24 milhões de euros).

No segmento de policarbonatos, os volumes principais de vendas subiram 15,4% no segundo trimestre de 2021 em relação ao trimestre do ano anterior. Essa mudança deve-se principalmente ao crescimento, observado em todas as regiões, dos volumes vendidos nos setores automotivo e de transportes. A alta nos volumes totais vendidos e nos preços de venda causou um aumento de 56,6% nas vendas, para cerca de 1 bilhão de euros (ano anterior: 648 milhões de euros). A melhora substancial das margens e o crescimento dos volumes totais vendidos elevou o EBITDA para 260 milhões de euros (ano anterior: 96 milhões de euros).

Os volumes totais vendidos no segmento de Coatings, Adesivos e Especialidades cresceram 133,5% em relação ao trimestre do ano anterior. Esse efeito pode ser atribuído quase 100% à consolidação inicial dos negócios da RFM. Essa mudança de portfólio, junto com o aumento nos volumes e nos preços de venda, resultou em 926 milhões de euros em vendas (ano anterior: 443 milhões de euros). Consequentemente, o EBITDA mais que dobrou sobre o ano precedente, subindo para 134 milhões de euros (ano anterior: 60 milhões de euros).

Primeiro semestre de 2021: recuperação substancial da demanda

Uma recuperação substancial da demanda em todas as principais indústrias consumidoras resultou em um aumento de 18,9% nos volumes principais de vendas no primeiro semestre de 2021. Os preços mais altos de vendas, um aumento nos volumes totais vendidos e a alteração no portfólio fez com que as vendas no primeiro semestre do ano subissem 47,1% para cerca de 7,3 bilhões. Em particular, uma alta significativa nos preços de venda, que mais que compensou os preços elevados das matérias-primas, resultou em um EBITDA do Grupo de cerca de 1,6 bilhão de euros (ano anterior: 379 milhões de euros). A receita líquida no primeiro semestre de 2021 foi de 842 milhões de euros (ano anterior: -32 milhões), enquanto o FOCF atingiu 692 milhões de euros (ano anterior: -225 milhões de euros).

Curta nossa página no

BASF registra resultados fortes no segundo trimestre como resultado de preços e volumes mais altos

06/08/2021

 

  • Crescimento de 56% em vendas, registrando € 19,8 bilhões
  •  O EBIT antes de itens especiais aumentou significativamente para € 2,4 bilhões
  •  Fluxos de caixa das atividades operacionais totalizaram € 2,5 bilhões, um aumento de € 295 milhões em relação ao trimestre do ano anterior
  •  A perspectiva de 2021 para as vendas aumentou entre € 74 bilhões e € 77 bilhões e para o EBIT antes de itens especiais entre € 7,0 bilhões e € 7,5 bilhões

“A forte dinâmica de crescimento dos dois trimestres anteriores continuou graças aos preços e volumes mais altos e podemos apresentar resultados muito fortes do segundo trimestre hoje”, disse o Dr. Martin Brudermüller, presidente da Junta Diretiva da BASF SE, que apresentou os resultados do segundo trimestre juntamente com o diretor financeiro, Dr. Hans-Ulrich Engel.

“Alcançamos um crescimento de volumes e aumentos de preços em todas as regiões e todos os segmentos em comparação com o segundo trimestre de 2020”, disse Brudermüller.

As vendas aumentaram € 7,1 bilhões em comparação com o segundo trimestre de 2020, para € 19,8 bilhões. Esse crescimento de vendas de 56% foi em grande parte atribuído a preços e volumes mais altos em todos os segmentos. Os níveis de preços nos segmentos de Tecnologias de Superfície, Químicos e Materiais em particular aumentaram, enquanto os volumes aumentaram principalmente nos segmentos de Tecnologias de Superfície, Materiais e Soluções Industriais. Os efeitos negativos da moeda tiveram um impacto compensatório.

A receita operacional (EBIT) antes de itens especiais no segundo trimestre de 2021 foi consideravelmente maior do que o nível pré-pandêmico de € 1 bilhão no segundo trimestre de 2019 e aumentou em comparação com o trimestre do ano anterior em mais de € 2 bilhões para atingir € 2,4 bilhões. Isso se deve principalmente ao aumento considerável no EBIT antes de itens especiais nos segmentos de Químicos e Materiais. Os segmentos de Tecnologias de Superfície e Soluções Industriais também aumentaram os ganhos consideravelmente. Em contraste, o EBIT antes de itens especiais em Outros e nos segmentos de Nutrição & Cuidados e Soluções para Agricultura diminuiu consideravelmente. O EBIT aumentou de € 59 milhões no segundo trimestre de 2020 para € 2,3 bilhões. A receita de operações antes da depreciação, amortização e itens especiais (EBITDA antes de itens especiais) aumentou € 2,0 bilhões em comparação com o segundo trimestre de 2020 para € 3,2 bilhões. O EBITDA cresceu € 2,1 bilhões para chegar a € 3,2 bilhões.

“Lucros consideravelmente maiores em nossos negócios upstream devido a preços e volumes mais altos foram o principal fator para o forte aumento nos ganhos em geral”, disse Brudermüller. “Em nossos segmentos downstream, também conseguimos aumentar os volumes e preços com base na forte demanda.”

Desenvolvimento dos fluxos de caixa no segundo trimestre de 2021

Os fluxos de caixa das atividades operacionais totalizaram € 2,5 bilhões no segundo trimestre de 2021, € 295 milhões acima do valor do trimestre do ano anterior. A melhoria foi atribuída principalmente ao lucro líquido consideravelmente maior de € 1,7 bilhão. Em € 1,8 bilhão, o fluxo de caixa livre aumentou € 254 milhões em comparação com o segundo trimestre de 2020.

Desenvolvimento de ganhos nos segmentos da BASF no segundo trimestre de 2021

As vendas no segmento de Químicos aumentaram consideravelmente em 91% em comparação com o trimestre do ano anterior, para € 3,4 bilhões. O aumento das vendas foi devido principalmente aos níveis de preços significativamente mais altos, em grande parte devido à forte demanda juntamente com a menor disponibilidade do produto. O EBIT antes de itens especiais de € 990 milhões ficou consideravelmente acima do nível do segundo trimestre de 2020. Em grande parte, isso pode ser atribuído a um EBIT consideravelmente mais alto antes de itens especiais na divisão de Petroquímicos. O EBIT antes de itens especiais também aumentou consideravelmente na divisão de intermediários.

Em comparação com o segundo trimestre de 2020, as vendas no segmento de Materiais aumentaram 75%, para € 3,7 bilhões. O desenvolvimento de vendas resultou principalmente de um aumento significativo de volumes relacionado à demanda. Com € 792 milhões no total, o EBIT antes de itens especiais aumentou consideravelmente em ambas as divisões.

As vendas de € 2,4 bilhões no segmento de Soluções Industriais no segundo trimestre de 2021 foram consideravelmente maiores do que no trimestre do ano anterior, particularmente na divisão de Dispersões e Pigmentos. O crescimento das vendas foi em grande parte atribuído a maiores volumes em quase todos os negócios em ambas as divisões. O EBIT antes de itens especiais aumentou consideravelmente em ambas as divisões em comparação com o segundo trimestre de 2020 e atingiu € 307 milhões. A divisão Dispersões e Pigmentos foi renomeada para Dispersões e Resinas em 1º de julho de 2021 após o fechamento da alienação do negócio global de pigmentos da BASF.

As vendas no segmento de Tecnologias de Superfície aumentaram consideravelmente em comparação com o segundo trimestre de 2020, especialmente na divisão de Catalisadores. O aumento de 90% nas vendas, para € 5,9 bilhões, foi atribuído a preços e volumes significativamente mais altos. O EBIT antes de itens especiais atingiu € 289 milhões e ficou consideravelmente acima do nível do trimestre do ano anterior em ambas as divisões devido principalmente aos volumes de vendas. Além disso, o desempenho dos lucros na divisão de Catalisadores foi apoiado por uma contribuição consideravelmente maior do comércio de metais preciosos.

As vendas no segmento de Nutrição e Cuidados aumentaram 2% em comparação com o trimestre do ano anterior, atingindo € 1,6 bilhão. Isso foi impulsionado por um crescimento considerável nas vendas na divisão Care Chemicals, enquanto as vendas na divisão Nutrição & Saúde diminuíram consideravelmente. Em € 138 milhões, o EBIT antes de itens especiais diminuiu consideravelmente em comparação com o segundo trimestre de 2020, devido principalmente a margens mais baixas e custos fixos mais altos em ambas as divisões.

As vendas de € 2,0 bilhões no segmento de Soluções para Agricultura ficaram consideravelmente acima do nível do segundo trimestre de 2020. Isso se deve principalmente aos volumes consideravelmente maiores em todas as regiões e aos preços mais altos. Os efeitos cambiais negativos, especialmente na América do Sul e do Norte, tiveram um impacto de amortecimento nas vendas. Apesar das vendas mais altas, o EBIT antes de itens especiais de € 75 milhões ficou consideravelmente abaixo do nível do trimestre do ano anterior. Isso se deve principalmente aos efeitos cambiais, bem como aos custos fixos mais elevados.

As vendas em Outros aumentaram consideravelmente em comparação com o trimestre do ano anterior e alcançaram € 793 milhões. Isso refletiu principalmente o crescimento das vendas no comércio de commodities. O EBIT antes de itens especiais ficou consideravelmente abaixo do valor do trimestre do ano anterior. Isso se deve principalmente a maiores acréscimos nas provisões para componentes de remuneração variável (bônus) como resultado do forte segundo trimestre de 2021.

Perspectivas do Grupo BASF para 2021

A avaliação do ambiente econômico global em 2021 foi ajustada da seguinte forma (previsão anterior da Declaração Trimestral da BASF Q1 2021 entre parênteses):

  • Crescimento do produto interno bruto: +5,5% (+5,0%)
  • Crescimento da produção industrial: +6,5% (+5,0%)
  • Crescimento na produção de produtos químicos: +6,5% (+5,0%)
  • Taxa de câmbio média euro/dólar de $ 1,20 por euro ($ 1,18 por euro)
  • Preço médio anual do petróleo (petróleo Brent) de $ 65 por barril
    ($ 60 por barril)

Devido ao forte desenvolvimento de negócios no primeiro semestre de 2021, a retomada contínua da economia global e o aumento considerável nas expectativas de lucros nos segmentos de Químicos e Materiais, a previsão para o ano fiscal de 2021 foi ajustada da seguinte forma (previsão anterior de a Declaração Trimestral BASF Q1 2021 entre parênteses):

  • Crescimento das vendas entre € 74 bilhões e € 77 bilhões
    (entre € 68 bilhões e € 71 bilhões)
  • EBIT antes de itens especiais entre € 7,0 bilhões e € 7,5 bilhões
    (entre € 5,0 bilhões e € 5,8 bilhões)
  • Retorno sobre o capital empregado (ROCE) entre 12,1% e 12,9% (entre 9,2% e 11,0%)
  • Aumento nas vendas de Aceleradores (soluções que dão uma contribuição significativa para a sustentabilidade na cadeia de valor) para entre € 21,0 bilhões e € 22,0 bilhões (entre € 19,0 bilhões e € 20,0 bilhões)
  • Estabilização das emissões de CO2 entre 20,5 milhões de toneladas métricas e 21,5 milhões de toneladas métricas (inalterado)

Para o segundo semestre de 2021, a BASF prevê um desenvolvimento econômico industrial amplamente estável. A previsão da BASF assume que não haverá restrições severas à atividade econômica devido às medidas de combate à pandemia do coronavírus no segundo semestre de 2021.

Curta nossa página no